Você está na página 1de 134

5351 — SÁ (Antonio de).- SERMAM // DO // DIA DE CINZA. // que prégou // O P. ANTONIO

DE SAA DA // Companhia de Iesu, & Prégrdor [sic] de // S. Magestade, na Capella real. // EM

LISBOA. // Na Officina de Ioam da Costa. // A custa de Miguel Manescal mercador de Liuros na Rua Nova. // M.DC.LXIX. In-8.º gr. de 34 págs. Desenc.

António de Sá, jesuíta, nasceu no Rio de Janeiro em 1620. Primeira das duas edições registadas por Borba de Moraes na sua «Bibliografia Brasileira do Período Colonial». rara.

5352 — SÁ (António de).- SERMAÕ // QVE PREGOV // O P. ANTONIO DE SAA // da Com -

panhia de IESV // no dia que // S. MAGESTADE // FAS ANNOS EM 21. DE AGOSTO // de

// Na Officina de Thome Carvalho Impressor

desta Vniversidade // Anno 1665. In-8.º gr. de XXII-II págs. inums. Desenc.

Grande xilogravura na página de rosto identificativa da Companhia de Jesus. Borba de Moraes, «Bibliografia Brasileira do Período Colonial»: “Serafim Leite (9-108) reproduz a p. de rosto dêste sermão e nota: “O p. António de Sá, natural do Rio de Janeiro, pregou este sermão em Lisboa na sua volta de Roma””.

663. // [gravura em madeira] // EM COIMBRA, //

5353 — SÁ (Victor de) & TARROSO (José).- BIBLIOGRAFIA QUEIROSIANA. Contendo

o pequeno ensaio, PANORÂMICA DO LIVRO EM PORTUGAL. Braga. 1945. In-8.º gr. de 76-II págs. B.

Vasta bibliografia activa e passiva, antecedida de um «Quadro Cronológico» e de um capítulo sobre

a «Universalidade de Eça de Queiroz».

Dedicatória de José Tarroso, autor do texto «Universalidade de Eça de Queiroz» integrado na obra.

5354 — SÁ (Vítor Matos e).- O AMOR VIGILANTE. Poema dramático. Livraria Almedina.

Coimbra. 1962. In-8.º de 95-I págs. B.

Primeira edição de uma das significativas obras poéticas de Vítor Matos e Sá, pseudónimo do pensador Vítor Raul da Costa Matos, moçambicano natural da antiga Lourenço Marques, cuja actividade é por muitos considerada como verdadeiramente excepcional, sendo de assinalar que “ao longo da sua obra,

a experiência da interrogação filosófica no cadinho da vida afectiva e das realidades quotidianas é par-

te integrante da afirmação poética”, usando as palavras de Ilídio Rocha no seu «Roteiro da Literatura

Portuguesa». O Autor colaborou nas revistas «Árvore», «Távola Redonda», «Cadernos do Meio Dia»

e «Eros». Capa e ilustração de Augusto Mota.

[1]

«Távola Redonda», «Cadernos do Meio Dia» e «Eros». Capa e ilustração de Augusto Mota. [1] 5358

5358 - ver pág. 3

5355 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- CARTAS A FERNANDO PESSOA. Edições Ática.

Lisboa. [1958-1959]. 2 vols. In-8.º de 220-VI e 243-I págs. B.

Nestas cartas se revelam, segundo as palavras de Urbano Tavares Rodrigues, “tanto quanto a pena o pode fixar, o retrato de uma alma, a história pungente de uma vida, que antes e acima de tudo foi febre de alma, ânsia de espírito. Uma biografia interior, a do poeta da Dispersão, situada no espaço geográfico das suas crises, até nos cafés de Paris, de onde ele data os últimos apelos e refere circuns- tâncias do suicídio que há muito incubava.” Primeira edição, integrada nas «Obras Completas de Mário de Sá-Carneiro».

5356 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- CARTAS A MARIA e outra correspondência inédita.

Leitura, fixação e notas de François Castex e Marina Tavares Dias. Quimera. [Gráfica de Coim- bra. 1992]. In-4.º peq. de 141-III págs. B.

“A correspondência agora revelada mostra até que ponto Mário de Sá-Carneiro tem sido ocultado pelas mil imagens do seu escolhido “outro”. Setenta e cinco anos volvidos sobre a sua morte, continuava a ser inevitável resumir quase todas as referências biográficas numa condensação em que a vida, feita pelo espelho da obra, imitava esta. Estas cartas familiares, por vezes gentis e irónicas, por vezes amargas ou mesmo dramáticas, revelam uma faceta dsconhecida de Mário de Sá-Carneiro, contri- buindo decisivamente para o aprofundamento do estudo de uma personalidade fascinante na nossa literatura.” (ver gravura na pág. 2)

5357 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- CARTAS DE MÁRIO DE SÁ CARNEIRO a Luis de

Montalvor / Cândida Ramos / Alfredo Guisado / José Pacheco. Leitura, selecção e notas de Arnaldo Saraiva. Limiar. [Porto. 1977]. In-8.º gr. de 185-I págs. B.

Valioso conjunto de cartas em grande parte pertencentes ao arquitecto e bibliófilo portuense Fernando Távora, quase todas inéditas, antecedidas de um texto de Arnaldo Saraiva. Edição cuidada, em bom papel, com fac-símiles de alguns dos autógrafos publicados.

5358 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- CÉU EM FOGO. Oito Novelas de Mario de Sá-Carneiro.

Livraria Brazileira. Monteiro & Compª. Rua Aurea - Lisboa: 1915. In-4.º de 325-III págs. E.

Obra fundamental do modernismo na literatura portuguesa, raríssima nesta sua edição original. Exemplar extremamente valorizado por ostentar dedicatória do punho do autor “Ao seu querido e sempre m.to amigoAlberto Barbosa”. Capa da brochura ilustrada a cores por José Pacheco. Com as capas da brochura, a lombada e as margens intocadas. Encadernação com a lombada em pele, com sóbrios dizeres dourados na lombada. (ver gravura na pág. 2)

5359 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- CÉU EM FOGO. Novelas. Edições Ática. Lisboa. [S.d.

- 1956]. In-8.º gr. de 353-III págs. B.

Segunda edição da obra, integrada nas «Obras Completas de Mário de Sá-Carneiro», antecedida de um importante e extenso prefácio de Maria Aliete Galhoz, “Segunda edição quase original, como se primeira fosse de novo, pois que raras pessoas conhecem o livro ou tiveram acesso à sua leitura fora das bibliotecas públicas e das colecções dos bibliófilos”.

5360 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- A CONFISSÃO DE LÚCIO. Narrativa. 1914. Em casa

do autor. 1, Travessa do Carmo. Lisboa. [No fim: Acabado de imprimir para o Autor nos prelos

da Tipografia do Comercio em 1 de Novembro de 1913]. In-8.º gr. de 206-II págs. E.

É a primeira edição desta obra notável de Mário de Sá-Carneiro, obra que marca um lugar de grande destaque no movimento modernista da literatura portuguesa. Edição de, sem dúvida, muito restrito número de exemplares. Muito valorizado pela dedicatória autógrafa de Mário de Sá-Carneiro “Ao seu muito querido amigo Alberto Barbosa”, datada de 6 de Dezembro de 1913. Com as capa da brochura, lombada e margens intactas. (ver gravura na pág. 4)

[3]

Dezembro de 1913. Com as capa da brochura, lombada e margens intactas. (ver gravura na pág.

5360 - ver pág. 3

5361 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- A CONFISSÃO DE LÚCIO. Narrativa. 1945. Editorial

Ática. Lisboa. In-8.º de 158-II págs. B.

Primeira edição da Editorial Ática e segunda da obra.

5362 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- CORRESPONDÊNCIA INÉDITA DE MÁRIO DE SÁ-

-CARNEIRO A FERNANDO PESSOA. Leitura, introdução e notas de Arnaldo Saraiva. Centro de Estudos Pessoanos. Porto / 1980. In-8.º de 147-I págs. B.

Do prefácio de Arnaldo Saraiva: “Também eu estive convencido durante muito tempo que os dois

) Pelo que

explicita ou implicitamente dizem as cartas de Sá-Carneiro; pelo que lemos nas duas cartas conhecidas que Pessoa dirigiu a Sá-Carneiro; e pelo que sabemos da correspondência de Pessoa, não é difícil avaliar o que se perdeu como documento literário, intelectual e humano.”

volumes da Ática reproduziam todas as cartas conservadas de Sá-Carneiro para Pessoa. (

5363 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- DISPERSÃO. - 12 Poesias por Mário de Sá-Carneiro.

Em casa do Autor: 1, Travessa do Carmo - Lisboa 1914. [Composto e impresso na Tipografia do Comercio. Lisboa. 1913]. In-4.º de 70-II págs. E.

Obra da maior importância na literatura modernista portuguesa, cuja primeira edição, a que temos presente, constou de 250 únicos exemplares. Muito valiosa. Capa de brochura admiravelmente ilustrada a cores e ouro por José Pacheco (ilustrador da capa do nº 1 da revista «Orpheu»), capa que tem a particularidade de apresentar margens consideravelmente maiores do que o corpo do volume, resultando daí que poucos exemplares a mantenham na sua integralidade. Encadernação com a lombada em pele. Pequeno restauro na margem superior da capa posterior.

5364 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- DISPERSÃO. Doze poemas. Edições “Presença”. 1939.

[Tipografia da “Atlântida”. Coimbra]. In-4.º de 70-II págs. B.

Segunda edição bastante rara, editada pelas muito apreciadas e inconfundíveis edições «Presença» em tiragem limitada a 558 exemplares numerados. “Exemplar N.º 55 da Edição de Luxo”, com tiragem de 58, em melhor papel. Capa da brochura ilustrada por “Júlio”. (ver gravura na pág. 6)

5365 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- DISPERSÃO. Doze poemas. Edições “Presença”. 1939.

[Tipografia da “Atlântida”. Coimbra]. In-4.º de 70-II págs. B.

Outro exemplar da mesma obra e edição, este da tiragem corrente, numerada e limitada a 550.

5366 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- A GRANDE SOMBRA. Arte e Cultura. Porto. [1958].

In-8.º gr. de 71-I págs. B.

Primeira edição isoladamente publicada, aparecida pela primeira vez em «Céu em Fogo». Cuidada edição de poucas centenas de exemplares.

5367 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- INDÍCIOS DE OIRO. Edições “Presença”. Porto. 1937.

[Imprensa Portuguesa]. In-4.º de 86-II págs. E.

É a edição original deste notável livro de poemas de Mário de Sá-Carneiro, uma das mais vincadas e influentes personalidades literárias portuguesas do século XX, numa das estimadas e coleccionadas

Tiragem total confi-

nada a 850 exemplares, sendo este um dos da Tiragem Especial de 95 em numeração romana, impressos em papel especial. Encadernação com lombada em pele, mantendo resguardadas as capas da brochura.

edições «Presença».

5368 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- INDÍCIOS DE OIRO. Colares editora. [Colares/Sintra.

S.d.]. In-4.º de 86-II págs. B.

Réplica da edição original, acrescentada com um retrato de Sá-Carneiro por Graça Martins.

[5]

B. Réplica da edição original, acrescentada com um retrato de Sá-Carneiro por Graça Martins. [5] 5364

5364 - ver pág. 5

5376 - ver pág. 8 5369 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- JUVENÍLIA DRAMÁTICA. Introdução de Manuela

5376 - ver pág. 8

5369 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- JUVENÍLIA DRAMÁTICA. Introdução de Manuela

Nogueira. Nota de Maria Aliete Galhoz. Imprensa Nacional-Casa da Moeda. [Lisboa. 1995].

In-8.º de 100-II págs. E.

São três textos dramáticos inéditos de Mário de Sá-Carneiro, descobertos em casa de Fernando Pessoa por sua sobrinha Manuela Nogueira. Edição cuidada, limitada a 1300 exemplares. Encadernação editorial.

Prefácio de manuela Fazenda Martins.

edições rolim. Lisboa. [1984]. In-8.º gr. de 63-I págs. B.

Conto extraído do livro «Céu em Fogo», sendo esta, julgamos, a sua primeira edição independente. Integrado na «Colecção fantástico».

5370 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- LOUCURA

5371 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- MARIO DE SÁ-CARNEIRO EM “AZULEJOS»” (Contos

breves). Contexto. 1986. [Lisboa]. In-8.º gr. esguio de 50-II págs. B.

“Os oito contos aqui apresentados e reunidos em livro pela primeira vez onstituem também os primei- ros testemunhos impressos da actividade literária de Mário de Sá-Carneiro. Publicados entre 1908 e 1909 na revista semanal «Azulejos» — Sá-Carneiro contava então 18 anos — estes contos apresen- tam já, de um ponto de vista temático, as principais obsessões que iremos encontrar no escrínio da (breve) maturidade. Por outro lado, sendo neles visíveis influências literárias onde se cruzam o conto fantástico, o ultra-romantismo e o naturalismo, pode-se contudo nestes contos surpreender um tom de humor em instantes decisivos que pressagiam o posterior afastamento do Autor daqueles modelos.” Integrado na colecção «Lusco-fusco». Tem na capa um conhecido desenho de Almada retratando Sá-Carneiro.

5372 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- OBRA COMPLETA. Introdução e Organização Alexei

Bueno. Rio de Janeiro, Editora Nova Aguilar S.A., 1995. In-8.º gr. de 1101-III págs. E.

Excelete edição em papel bíblia da Obra Completa de Mário de Sá-Carneiro, dada a lume pela concei- tuada casa editora brasileira Nova Aguilar. Encadernação dos editores, com título e decoração dourada.

5373 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- POEMAS JUVENIS. (1903-1908). Inéditos. Com intro-

dução e notas de François Castex. Centro de Estudos Pessoanos. Porto / 1986. In-8.º de 129-VII págs. B.

Os poemas inéditos que aqui se revelam apareceram num caderno que François Castex adquiriu ao co- nhecido alfarrabista de Lisboa Óscar Rodrigues, como longamente se historia na respectiva introdução.

5374 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- POESIA. Por Cleonice Berardinelli. 1958. Livraria Agir

Editôra. Rio de Janeiro. In-8.º de 80-IV págs. B.

Publicado na colecção «Nossos Clássicos».

5375 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- POESIAS. Com um estudo de João Gaspar Simões. 1946. Editorial Ática. Lisboa. In-8.º de 190-IV págs. B.

É notável e abrange as primeiras 48 páginas o estudo crítico de Gaspar Simões. Primeira edição colectiva integrada nas «Obras Completas de Mário de Sá-Carneiro», das excelentes edições Ática.

5376 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- PRINCÍPIO. Novelas originais. 1912. Livraria Ferreira

- Ferreira Lda. Editores. Lisboa. In-4.º peq. de 348 págs. B.

Edição original e raríssima deste extraordinário volume de novelas de Sá-Carneiro, dado a lume em muito esmerada edição em papel couché-creme.

[8]

/

5380 - ver pág. 10 5382 - ver pág. 10 5381 - ver pág. 10

5380 - ver pág. 10

5380 - ver pág. 10 5382 - ver pág. 10 5381 - ver pág. 10 5384

5382 - ver pág. 10

5380 - ver pág. 10 5382 - ver pág. 10 5381 - ver pág. 10 5384

5381 - ver pág. 10

5380 - ver pág. 10 5382 - ver pág. 10 5381 - ver pág. 10 5384

5384 - ver pág. 12

O exemplar ostenta uma das raras dedicatórias do autor, esta destinada aao dramaturgo Vitoriano Braga. Com as capas da brochura, lombada e margens intactas. Encadernação com a lombada em pele com dizeres dourados. (ver gravura na pág. 7)

5377 — [SÁ-CARNEIRO (Mário de)].- TRÊS CARTAS INÉDITAS DE MÁRIO DE SÁ-CAR-

NEIRO. Vértice. Coimbra. 1966. In-4.º de 10-II págs. B.

Edição apresentada e devida a François Castex, em rara separata da revista «Vértice».

5378 — SÁ-CARNEIRO (Mário de).- ZAGORIANSKY. Porto. [Tip. J. R. Gonçalves Ltd. Porto.

1958]. In-4.º de IV págs. inums. B.

Texto em prosa de Sá-Carneiro, antecedido de outro de Jorge de Sena, publicado em raríssima edição privada limitada a 30 exemplares.

5379 — SÁ-CARNEIRO (Mário de) & CABREIRA JÚNIOR (Tomás).- AMIZADE. Peça

original em 3 actos. Lisboa. 1912. Editor - Arnaldo Bordalo. In-8.º gr. de 44-IV págs. E.

Peça de teatro “Representada pela primeira vez (

Uma das raras espécies da bibliografia de Sá-Carneiro. Com as capas da brochura e as margens preservadas. Encadernação com a lombada em pele.

)

no teatro do Club Estefânia, em 23 de março de 1912”.

5380 — SAA (Mário).- CAMÕES NO MARANHÃO. Lvmen. Empresa Internacional Editora.

1922. In-8.º de 189-III págs. B.

Curioso estudo acerca da possível estada de Camões no Maranhão, situada na portuguesa província do Alentejo. Com interessantes informações genealógicas. (ver gravura na pág. 9)

5381 — SAA (Mário).- ERRIDÂNIA, A Geografia mais antiga do Ocidente. O Mundo Atlan-

tídico - O Mundo Argonautico - O Mundo Erridanico. Lisboa. Sociedade «Astória», Limitada. [1936]. In-4.º de 302 págs. B.

Uma das mais raras obras do autor de «A Invasão do Judeus». Com mapas em folhas desdobráveis. (ver gravura na pág. 9)

5382 — SAA (Mário).- EVANGELHO DE S. VITO. 1917. Monteiro & Cª - Livraria Brazileira.

Lisboa. In-8.º de 237-I págs. B.

Livro de estreia e um dos mais importantes e raros da bibliografia de Mário Saa. Fernando B. Martinho refere a presença deste autor em várias publicações dos Primeiro e Segundo Modernismos: «Contemporânea», «Athena», «Presença» e «Solução Editora», dizendo que “a prosa aforística do Evangelho de S. Vito, processa-se sob o signo de Nietzche, que tão fundo e extenso rasto deixou na literatura portuguesa das primeiras década do século XX. O Nietzche cuja leitura apaixo- nada terá inspirado essas reflexões, em que são já manifestos o gosto pelo paradoxo e a agudeza que distingue a escrita de Mário Saa, a par da tendência para o sensacionalismo, a extravagância — bem típicos, aliás, das intervenções modernistas — é essencialmente o de Assim Falava Zaratustra” Dedicatória “do auctor” para a redacção de um jornal. (ver gravura na pág. 9)

5383 — SAA (Mário).- A EXPLICAÇÃO DO HOMEM, atravez duma auto-explicação e em

207 táboas filosóficas. [Lisboa. 1928]. In-8.º de 265-III págs. B.

Lê-se na «Presença» que “É, até hoje, o seu melhor livro. O tempo o fará ver como um dos livros mais notáveis de toda a nossa literatura contemporânea”, sendo ainda um dos mais raros da bibliografia de Mário Saa.

Com uma muito curiosa dedicatória “Carta de Parentesco (

)

entre mim e Valério de Rajanto.”

[10]

5387 - ver pág. 12 5384 — SAA (Mário).- FORMAÇÕES METROPOLITAS. Depositario o Livreiro Oliventino

5387 - ver pág. 12

5384 — SAA (Mário).- FORMAÇÕES METROPOLITAS. Depositario o Livreiro Oliventino

Ventura Abrantes. Lisboa. [S.d.] In-8.º gr. de 42 págs. B.

Curioso trabalho de Mário Saa sobre a integração da Galiza no território português, dado a lume sem o seu nome. Muito invulgar. (ver gravura na pág. 9)

5385 — SAA (Mário).- A INVASÃO DOS JUDEUS. Capítulos: Invasão do sangue - Assalto á

riqueza - Assalto ao Estado - Assalto á religião - Assalto á vida mental. [1925. Imprensa Libanio da Silva. Lisboa]. In-8.º gr. de 309-VII págs. B.

Trabalho muito justamente considerado e procurado, com numerosos retratos intercalados nas páginas do texto. Em «Assalto á Vida Mental», o autor ocupa-se de numerosos escritores: Pascoaes, Cortesão, António Nobre, Raul Brandão, Sá-Carneiro, Raul Leal, Almada Negreiros, Fernando Pessoa, Amadeu de Sousa Cardoso, etc. Com grande interesse para a história do movimento modernista em Portugal. Dedicatória autógrafa de Mário Saa “Ao meu intelegentissimo parente Dr. João de Brito e Silva”.

5386 — SAA (Mário).- AS MEMÓRIAS ASTROLÓGICAS DE CAMÕES E NASCIMENTO

DO POETA EM 23 DE JANEIRO DE 1524. Edição da «Emprêsa Nacional de Publicidade». [Lisboa. 1940]. In-8.º de 336-II págs. B.

Primeira edição deste curiosíssimo trabalho baseado no estudo da astrologia, dividido em três partes:

«Prova histórica do nascimento do Poeta em 23 de Janeiro de 1524»; «Demonstrações Astrológicas;» e «A Dama das alusões astrológicas de Camões». Ilustrado com várias gravuras nas páginas do texto, na sua maioria horóscopos de notáveis figuras da história portuguesa. Capa ilustrada por Eduardo Malta.

5387 — SAA (Mário).- NÓS, OS HESPANHOES

In-8.º gr. de 40 págs. B.

A propósito da debatida questão da União Ibérica. (ver gravura na pág. 11)

[Lisboa. Imprensa Lucas & Cª. 1930].

5388 — SAA (Mário).- ORIGENS DO BAIRRO ALTO. Verdadeira noticia por

Solução Editora. Lisboa. 1922]. In-4.º de 15-I págs. B.

Diz o autor que a fundação do Bairro Alto data de 513 e que “o nome que se lhe deu de início foi Vila

[Edição da

Nova d’Andrade (

)”.

5389 — SAA (Mário).- POEMAS HEROICOS DE SIMÃO VAZ DE CAMÕES, Da mesma

geração de Luiz Vaz de Camões, recentemente encontrados por Mario Saa. Lvmen. Empresa

Internacional Editora. 1921. [Coimbra]. In-8.º de 263-V págs. B.

Com uma muito longa «Introdução aos Poemas», da autoria de Mário Saa, em que se inserem “em traços gerais a genealogia” de Simão Vaz de Camões. Muito invulgar.

5390 — SAA (Mário).- PORTUGAL CHRISTÃO-NOVO OU OS JUDEUS NA REPUBLICA.

[Uma entrevista célebre]. Henrique Torres, Empreza Editora e Tipografia. Lisboa. S.d. [1921?]. In-8.º gr. de 16 págs. B.

Rara e muito curiosa entrevista assinada por Guilherme de Lencastre, datada de Lisboa, 11 de Setem- bro de 1921.

5391 — SAA (Mário).- PROCLAMAÇÕES Á PATRIA. III ATÉ AO MAR CANTÁBRICO.

Junho - 1931. [Comp. e Impresso na Imp. Lucas & C.ª Lisboa]. In-4.º gr. de 7-I págs. B.

Raríssima proclamação de Mário Saa sobre o problema da integração da Galiza em Portugal, iniciada com o seguinte parágrafo: “Um dos escritos que maior influência vae exercer na vida portuguesa, é, sem dúvida, este; e não porque seja a sugestão dum espirito novo mas sim porque disperta um espírito latente, e o mais fundamental dos portugueses. É o dispertar do que existe; é o acordar do espirito adormecido.”

[12]

5392 — SAA (Mário).- UMA ENTREVISTA - MARIO SAA FALA Á “REVOLUÇÃO” DE

PORTUGAL DE AQUEM E DE ALEM-MINHO. Datado de 26 de Março de 1932. S.l. Dim. 29 x 40,5 cm

Raríssima separata do jornal «Revolução» sobre o problema da integração da Galiza no território português, tratado por Mário Saa no livro «Formações Metropolitas». Entrevista assinada “José”, com nota de que foi “Visado pela Comissão de Censura”.

5393 — SAAVEDRA (Alberto).- ABEL SALAZAR, ÍNTIMO. Porto. 1967. In-8.º gr. oblongo

de 17-XI págs. C.

Texto de uma palestra proferida no Rotary Clube de Guimarães, numa reduzida edição em papel couché ilustrada com reproduções de vários trabalhos de Abel Salazar. Dedicatória do autor. Cartonagem editorial.

5394 — SAAVEDRA (Alberto).- FIALHO E A MÚSICA. Pôrto. 1917. [Tipografia da «Renas-

cença Portuguesa»]. In-4.º de 13-I págs. B.

Muito reduzida separata do «In Memoriam» de Fialho de Almeida.

5395 — SAAVEDRA (Alberto).- A LINGUAGEM MÉDICA POPULAR DE FIALHO. Tipo-

grafia da «Renascença Portuguesa». Pôrto. 1916. In-8.º de 73-I págs. B

“Reimpressão, revista e melhorada, de uma separata do «Portugal Médico»”. Valorizado com dedicatória do autor para Aarão de Lacerda.

5396 — SABUGOSA (Conde de).- GENTE D’ALGO. 1915. Livraria Ferreira. Lisboa. In-4.º

de XIV-350-II págs. B.

Primeira edição de um dos mais estimados livros do autor, com muitos e interessantes capítulos histó- ricos: «As Musas d’El-Rei D. Diniz»; «A mysteriosa Beatriz»; «D. Izabel - Duqueza de Borgonha»; «Leonor de Portugal, Imperatriz da Allemanha e o Beato Amadeo»; «Excellente Senhora»; «A Côrte em Setúbal e os Porquês Ananymos»; «Uma noiva do Prior do Crato»; «Matronas de 1640»; «Cartas da Freira Portugueza»; «Condessa da Ericeira, D. Joanna de Menezes»; «Academicas»; «Duas Realezas».

5397 — SACHS (Nelly).- POEMAS DE NELLY SACHS. Antologia, versão portuguesa e in-

trodução de Paulo Quintela. Portugália Editora. Lisboa. [1967]. In-8.º gr. de XXVIII-II-251-VII págs. B.

A importante Introdução de Paulo Quintela decorre de págs. IX a XXV. Nelly Sachs, foi uma das mais notáveis vozes da poesia do século XX, tendo-lhe sido atribuído em 1966 o Prémio Nobel de Literatura. Edição integrada na colecção «Poetas de Hoje».

5398 — SACRAMENTO (Mário).- DIÁRIO. Limiar. [Porto. 1975.] In-8.º gr. de 362-VI

págs. E.

Disse Óscar Lopes: “Este Diário chama-se também AQUI JAZ QUEM ME MATOU. É bem a um lento, torturante, implacável homicídio moral e físico que aqui assistimos. E cuidado, que o assassino ainda está à solta, apesar da vitória póstuma da vítima.” Primeira edição, póstuma, e primeiro dos volumes das «Obras de Mário Sacramento», médico e escritor, autor de apreciada e importante biblio- grafia. Edição cuidada e em bom papel. Encadernação editorial.

5399 — SACRAMENTO (Mário).- EÇA DE QUEIROZ. Uma Estética da Ironia. Coimbra

Editora, Limitada. 1945. In-8.º de 286-II págs. B.

Um dos mais lúcidos trabalhos sobre Eça de Queiroz, bastante invulgar nesta sua edição original.

[13]

Eça de Queiroz, bastante invulgar nesta sua edição original. [13] 5 4 0 5 - v

5405 - ver pág. 15

5400 — SACRAMENTO (Mário).- ENSAIOS DE DOMINGO. Coimbra Editora, Limitada.

1959. [Coimbra]. In-8.º gr. de 322 págs. B.

Interessante antologia onde o autor “reúne parte substancial da sua actividade crítica dispersa em publicações de índole literária.” Dos trabalhos publicados destacamos os que foram dedicados a Eça de Queirós, Oliveira Martins, Sancho Pança, Moniz Barreto, Cesário Verde, Júlio Lourenço Pinto, Manuel Laranjeira, Florbela, Raul Brandão, José Régio, Torga, Gaspar Simões, José Gomes Ferreira, Alves Redol, Emmanuel Roblès, Manuel da Fonseca, Marmelo e Silva, etc.

5401 — SACRAMENTO (Mário).- FERNANDO PESSOA POETA DA HORA ABSURDA.

Contraponto. Lisboa. [S.l.n.d. - 1958?]. In-8.º de 190 págs. B.

Notável contribuição para o estudo da obra do grande poeta da «Mensagem». Edição original, muito invulgar.

5402 — SADE (Marquês de).- A FILOSOFIA NA ALCOVA. Tradução de Helder Henrique.

Prefácios de David Mourão-Ferreira e Luís Pacheco. Edição de Fernando Ribeiro de Mello. [Composto e impresso na E. P. S. - Montijo. S.d.]. In-8.º gr. de 215-I págs. B.

Edição integral desta obra clássica da literatura libertina, com capa e ilustrações de João Rodrigues impressas à parte . Em rótulo assinado pelo Editor e colado na folha de guarda pode ler-se: «Aviso aos Ex.mos Livreiros. Tratando-se de uma obra cujo significado cultural só pode ser devidamente apreendido por pessoas de sólida e amadurecida formação, roga-se aos Ex.mos livreiros o maior cuidado na venda deste livro, de modo que ela seja rigorosamente interdita a menores. E mais se pede: que igualmente transmitam esta recomendação a todas as pessoas que adquiram a obra.» Helder Henrique, no frontispício dado como tradutor da obra, é pseudónimo de Herberto Helder. Dedicatória autógrafa de Luiz Pacheco para Laureano Barros.

5403 — SALA FIALHO DE ALMEIDA. Catálogo Geral da Livraria legada pelo notável

escritor José Valentim Fialho de Almeida á Biblioteca Nacional de Lisboa. Coimbra. Imprensa da Universidade. 1914. In-4.º de 304-IV págs. B.

Catálogo da vasta e muito diversificada Biblioteca do grande prosador que foi Fialho de Almeida.

5404 — SALÃO DE ANTIGUIDADES. Catálogo Oficial. [1.º a 8.º]. Lisboa. 1963-1988.

8 vols. In-4.º B.

Luxuosos catálogos impressos em excelente papel, ilustrados com muitas e cuidadas reproduções fotográficas a cores de peças antigas de grade qualidade e valor.

5405 — SALÃO DOS HVMORISTAS PORTVGVESES. Catálogo da Segvnda Exposição de

caricatvras em Jvnho de 1913. Com vm Prólogo de André Brvn. [1913. Tipografia do Comercio. Lisboa]. In-4.º peq. de 29-III págs. B.

Entre as biografias dos expositores sobressaem as de Almada Negreiros, Jorge Barradas, Leal da Câmara, Milly Possoz, António Soares, M. Bordalo Pinheiro e Cristiano da Cruz. A nota biográfica de Almada foi escrita pelo próprio artista, que nesta exposição apresentou 16 trabalhos, o segundo dos quais se intitulava «O Senhor Fernando Pessoa, vulgo, “O Pessoa”». Verdadeiramente, o primeiro grande sinal do modernismo em Portugal foi dado por este «Salão dos Humoristas Portugueses», em 1913, embora essa honra seja geralmente atribuída ao aparecimento da revista «Orpheu», ocorrido apenas em 1915. (ver gravura na pág. 14)

5406 — SALAZAR (Abel).- A CRISE DA EUROPA. Cosmos. Lisboa. [1942]. In-8.º de 142-II págs. B.

“Não pode deduzir-se das teorias expostas neste trabalho que o homem tem de entregar-se, de braços cruzados, a um fluir fatal da história; e isto precisamente porque a vontade, a razão, a emoção, etc., são fôrças integradas no mecanismo da história, sem as quais mesmo o seu movimento seria impossível.

[15]

/

Por forma que, ao mesmo tempo, reconhecemos a impotência e a utopia dos ideais, e a sua eficácia, como fôrças.” Livro integrado na «Biblioteca Cosmos», popular colecção de divulgação cultural dirigida por Bento de Jesus Caraça Assinado pelo autor. Com picos de traça.

5407 — SALAZAR (Abel).- DIGRESSÕES EM PORTUGAL. 1935. Imprensa Portuguesa.

Pôrto. In-8.º de 218-II págs. B.

Capítulos sobre «O Caramulo. Viseu e o Museu Grão Vasco», «Pombeiro», «O Japonesismo minhoto», «Caminha», «Friestas», «Orgia soalheira» e «Lisboa. Os Museus». Primeiro e único volume publicado.

5408 — SALAZAR (Abel).- EÇA DE QUEIRÓS ESQUIZOTÍMICO. Lisboa. 1946. [Empresa

Nacional de Publicidade]. In-8.º de 31-I págs. B.

Raro estudo queirósiano publicado sob o pseudónimo Roderico Simplício. Com dedicatória assinada com o pseudónimo.

5409 — SALAZAR (Abel).- ENSAIO DE PSICOLOGIA FILOSÓFICA. Dissertação inaugural

apresentada á Faculdade de Medicina do Pôrto. Pôrto. 1915. In-8.º de XIV-386-II págs. B.

Primeiro e muito raro livro de Abel Salazar, a quem João de Barros considerou como “um grande, um prodigioso, um extraordinário escritor moderno”. Pequena assinatura no frontispício.

5410 — SALAZAR (Abel).- HENRIQUE POUSÃO. 15 ilustrações a cores e 21 a preto. Livraria

Tavares Martins. Porto. 1947. In-fólio de 59-I págs. B.

Álbum de bela e esmerada apresentação, impresso sobre papel de excelente qualidade. As magníficas reproduções a cores foram impressas em folhas à parte e as estampas a preto foram também impressas à parte, mas coladas nas páginas do texto.

5411 — SALAZAR (Abel).- [MISCELÂNEA]. Editores e datas diversas. 6 opúsculos In-8.º gr.

em 1 vol. E.

Miscelânea com os seguintes estudos de Abel Salazar: «A posição actual da ciência, da filosofia e da religião», separata de “A Medicina Contemporanea”, 1934; «A posição actual da ciência e da filosofia», separata de “A Medicina Contemporanea”, 1934; «Travaux de l’Institut d’Histologie et d’Embryologie, publiés par A. L. Salazar», Porto, 1933; «Procédé Rapide de Dessin Microscopique», Separata de “Folia Anatomica Universitatis Conimbrigensis”, Coimbra, 1932; «Le Nouveau Institut d’Histologie et d’Embryologie de la Faculté de Médecine», Resumé des principaux travaux publiés depuis 1930, 1934, Porto; «Les Mitoses de la Granulosa Atrésique dans l’Ovaire de la Lapine», Porto, 1923. Boa encadernação com a lombada em pele. Com as capas da brochura conservadas.

5412 — SALAZAR (Abel).- O QUE É A ARTE? Coimbra. Arménio Amado, Editor. 1940.

In-8.º de 200-IV págs. B.

Com os seguintes capítulos: «Tectónica do Conceito de Arte», «Determinação de (R)», «A Forma e a Emoção», «Emoção definida e indefinida», «Finalidade da Arte», «A criação estética», «Super-estru- tura tectónica do Conceito de Arte», «A Arte e a Razão», «A Arte e a História», «O problema «Arte pela Arte», etc.», «A Arte e os Biotipos. Caracterologia da Arte», «Arte, Indivíduo e Colectividade», «A Arte e a Crítica», «A Arte e o Mistério», «A Arte, a Ciência e a Metafísica».

5413 — SALAZAR (Abel).- 8 REPRODUÇÕES DE TRABALHOS DE ABEL SALAZAR.

Com um estudo crítico de Diogo de Macedo. [Reprodução em heliogravura pela Neogravura, Lda. Páginas de texto compostas e impressas pela Casa Portuguesa. Lisboa. 1956]. In-Fólio B.

Os oito desenhos reproduzidos, em folhas soltas, representam o auto-retrato de Abel Salazar e os retra-

tos de Camilo, Eça de Queiroz, Junqueiro, Maximiano Lemos, Marck Athias, Duarte Leite e Einstein.

[16]

5414 — SALAZAR (Abel).- PARIS EM 1934. 1938. Tipografia Civilização. Pôrto. In-8.º

de 392-II págs. B.

Um dos muito estimados livros de Abel Salazar, este com capítulos sobre bailado, música, arte, arqui- tectura, etc. Primeira e bastante invulgar edição. Dedicatória do autor para Nogueira de Brito.

5415 — SALAZAR (Abel).- A POSIÇÃO ACTUAL DA CIÊNCIA DA FILOSOFIA E DA

RELIGIÃO. Conferência feita na Faculdade de Medicina de Lisboa em 3 de Fevereiro de 1933 a convite da Associação dos Estudantes de Medicina. Lisboa. S.d. [Composto e impresso na Imprensa Médica]. In-4.º de 42 págs. B.

Rara separata de «A Medicina Contemporanea».

5416 — SALAZAR (Abel).- A POSIÇÃO ACTUAL DA CIÊNCIA E DA FILOSOFIA. Confe-

rência realizada na Universidade de Lisboa. Lisboa. S.d. In-8.º de 42 págs. B.

Separata de «A Medicina Contemporanea». Raro.

5417 — SALAZAR (Abel).- RECORDAÇÕES DO MINHO ARCAICO.

Civilização. Pôrto. In-8.º de 228 págs. B.

Primeira edição de um dos muito apreciados livros de Abel Salazar. Interessantes capítulos, dos quais destacamos: «A vindima», «A romaria», «A festa paroquial», «A Feira», «A bruxa do Súmes», «A sésta», «A fornada da boroa», «A candeia», «A lareira», «O carro de bois», «A roca», «A dobadoira», «O Gerez a distância», «Os trajes», «A escola paroquial», «Bêsta de carga», «A levada», «Bouça minhota», «Os doces» e muitos outros onde o autor, natural de Guimarães, recorda a vida Minhota.

1939. Tipografia

5418 — SALAZAR (Abel).- A SOCIALIZAÇÃO DA CIÊNCIA. Editorial Liberdade. Lisboa.

1933. In-8.º de 30-II págs. B.

São raros os exemplares deste folheto que regista a conferência que o autor proferiu na Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto.

5419 — SALAZAR (Abel).- UM ESTIO NA ALEMANHA. Nobel. Coimbra. [1944]. In-8.º

de 291-I págs. B.

Os dois primeiros capítulos são consagrados à Alemanha e o terceiro é dedicado a Madrid. Livro dos mais interessantes de Abel Salazar, notável escritor, artista e cientista vimaranense.

5420 — SALAZAR (Abel).- VINTE TRABALHOS SOBRE O PORTO E OUTROS LUGARES.

Com um texto de Óscar Lopes. [Editorial O Oiro do Dia. Porto. 1983]. In-4.º gr. de 60-XII págs. de texto. B.

Primorosa publicação da editora «O Oiro do Dia», integrada na colecção «Indícios de Oiro», de ex- celente realização gráfica orientada por Armando Alves, em papel de superior qualidade e com as belíssimas pinturas de Abel Salazar primorosamente reproduzidas a cores em folhas soltas. Com um auto-retrato do artista e um retrato de Óscar Lopes por José Rodrigues. Tiragem limitada a 1500 exemplares numerados e assinados pelo editor.

5421 — SALAZAR (Adolfo).- DICIONARIO DO BALLET MODERNO. Tradução e parte

relativa a Portugal por Tomaz Ribas. Artis. [Realizações Artis. Oficinas Gráficas do Anuário

Comercial. Lisboa. 1962]. In-4.º gr. de 449-VII págs. E.

Trabalho de colaboração dos maiores especialistas mundiais, com a parte referente a Portugal da responsabilidade de Tomás Ribas. Muito esmerada edição impressa em bom papel, ilustrada com um riquíssimo documentário iconográfico a cores e a negro nas páginas do texto e em folhas à parte e inúmeros desenhos de consagrados artistas intercalados na páginas do texto. Encadernação em inteira imitação de pele.

[17]

5422 — SALAZAR (António de Oliveira).- DISCURSOS. Coimbra Editora. Coimbra. 1935-

-1967. 6 vols. In-8.º B.

A partir do segundo volume o título passou a ser o seguinte: «Discursos e Notas Políticas».

Os «Discursos» de Salazar são fonte de capital importância para a história da sua controversa acção governativa desenvolvida ao longo de vários decénios. Todos os volumes são da primeira edição, excepto o 2.º que pertence à segunda.

5423 — SALAZAR (António de Oliveira).- ENTREVISTAS. 1960-1966. Coimbra Editora,

Lda. [Coimbra. 1967]. In-8.º de 241-III págs. B.

Entrevistas de Salazar aos jornais e revistas »Corriere della Sera», «The New York Times», «Le Figaro», «Life», «Il Tempo», «Hearst Healdline», «U.S. News and World Report», «Southam», «The Catholic Herald», «Jours de France» e «Chicago Tribune».

5424 — SALGADO DE SOMOZA (Francisco).- TRACTATUS // DE REGIA PROTECTIONE

// VI OPPRESSORUM APPELANTIUM // à Causis & Judicibus Ecclesiasticis; // Utrique Reipu-

blicæ, tam Ecclesiasticæ, quàm temporali, valde utilis: necnon supremis regalibus // Prætoriis,

cunctique Tribunalibus Ecclesiasticis omninò necessarius. //

xilogravura com duas figuras e motivos florais] // LUGDUNI, // Sumptibus LAURENTII ANISSON. // M.DC.LXIX. IN-Fólio de VIII-670-CXXX págs. E.

Uma das famosas obras do célebre escritor e jurisconsulto galego natural da Corunha, nascido no

século XVII, que, no dizer da Enciclopédia Espasa-Calpe, “El no lograr dignidades de más lustre,

á pesar de sus relevantes méritos, atribúyse á «haber mirado la Corte Romana sus dictámenes, como

odiosos y prejudiciales á los pingües intereses que en ella entraban de España»”. Com numerosos picos e pequenos cortes de traça marginais. Encadernação inteira em pele, da época.

// EDITIO QUARTA. // [grande

5425 — SALGADO JÚNIOR (António).- CAMÕES E «SÔBOLOS RIOS». Ensaio de inter-

pretação destas redondilhas. Aveiro. Gráfica Aveirense, Lda. 1936. In-4.º peq. de 68 págs. B.

Edição restrita, publicada em separata da revista «Labor». Dedicatória do autor a Macedo Mendes.

5426 — SALGADO JÚNIOR (António).- HISTÓRIA DAS CONFERÊNCIAS DO CASINO.

(1871). Lisboa. [1930. Tipografia da Cooperativa Militar]. In-8.º de 167-I-II págs. B.

É, ainda hoje, além de muito invulgar, um indispensável e consciencioso trabalho dedicado à história das importantíssimas “Conferências do Casino”, primitivamente designadas por democráticas, constituído pelos seguintes capítulos: I. O Cenáculo e as Conferência; II. Reconstituição das Conferências de Anthero do Quental, Augusto Soromenho, Eça de queiroz e Adolpho Coelho; III. Crítica e polé- mica em tôrno das Conferências; IV. A Proibição das Conferências; V. As Conferências e o Espírito Revolucionário.

5427 — SALGADO JÚNIOR (António).- A “MENINA E MOÇA” E O ROMANCE SENTI-

MENTAL NO RENASCIMENTO. Aveiro. Gráfica Aveirense, Lda. 1940. In-4.º peq. de 184-II págs. B.

Estudo literário de grande importância, publicado em separata da revista «Labor», tendo sido a respectiva tiragem limitada a 160 exemplares numerados e rubricados.

5428 — SALGADO JÚNIOR (António).- A TRIPARTIÇÃO DE «SÔBOLOS RIOS». Adita-

mento a um ensaio de interpretação. Aveiro. Gráfica Aveirense, Lda. 1937. In-4.º peq. de 15-I págs. B.

Reduzida separata da revista «Labor».

[18]

5429 — SALGUEIRO (Eduardo).- LAMENTOS. Sonetos de Eduardo Baptista Salgueiro feitos

nos anos de 1920 e 1921. Porto. Empreza Grafica, Lda. 1921. In-8.º peq. de 104 págs. B.

Raro livro de estreia de Eduardo Salgueiro, publicado quando o autor contava apenas 17 anos. Extensa e expressiva dedicatória de Eduardo Salgueiro para Júlio Brandão, seu antigo professor.

5430 — SALGUEIRO (Eduardo).- ROSÁRIO DE GENTE HUMILDE. Poemas. Companhia

Portuguesa Editora, Lda. Pôrto. S.d. In-8.º peq. de 138 págs. B.

Eduardo Salgueiro, jornalista, escritor e editor nascido em Moimenta da Beira, foi o fundador da prestimosa Editorial Inquérito “que veio animar o movimento editorial português, naquela época estagnado, e renovou a apresentação gráfica dos livros”. O livro que apresentamos tem uma bela capa da brochura ilustrada por João Carlos (Celestino Gomes). Dedicatória autógrafa de Eduardo Salgueiro para o seu antigo professor Júlio Brandão.

5431 — SALGUEIRO (Eduardo).- O SUICÍDIO DOS CATEDRÁTICOS DE COIMBRA. Lisboa.

1933. In-8.º peq. de 46-II págs. B.

Texto integrado nos «Cadernos de Cultura Democratica» do movimento Renovação Democrática publicado em separata da revista «Seara Nova». Com interesse para a história do movimento estudantil da Universidade de Coimbra. Dedicatória do autor.

5432 — SALOMÃO.- CÂNTICO DOS CÂNTICOS. Apresentação de Isabel da Nóbrega. Lisboa.

Estúdios Cor. 1966. In-4.º de 50-II págs. E.

Edição luxuosa, integrada na magnífica colecção «Ronda». Em magnífico papel e com belas ilustra- ções de Bonnard, Picasso, Maillol, Matisse, Renoir, Rouault, Carter e Klimt. Edição numerada e limitada a 1000 exemplares. Encadernação original, almofadada, com um belo desenho gravado a ouro.

5433 — SALVADO (Antonio).- POESIAS COMPLETAS DE JOÃO RODRIGUES DE CAS-

TELO BRANCO - Poeta do Cancioneiro Geral de Garcia de Resende. Aríon publicações. [2002]. In-8.º gr. de 35-V págs. B.

De muito cuidado gráfico e integrado na colecção «O Guardador de Rebanhos».

5434 — SAMPAIO (Alberto) & MEIRA (Joaquim José de).- RELATORIO DA EXPOSIÇAO

INDUSTRIAL DE GUIMARÃES EM 1884, apresentada pela Sub-Comissão incumbida de o formular á Commissão Central Encarregada de promover e organizar a mesma Exposição.

Porto. Typographia de António José da Silva Teixeira. 1884 [aliás, Tipografia de Guimarães, Lda. Guimarães, 1991]. In-4.º peq. de IV-XII-255-III págs. E.

Peça importante da bibliografia vimaranense, dividida em cinco partes: «O que significa a Exposição de Guimarães»; «Quadro das industrias do concelho», [onde são estudados os principais factos estatísticos referentes à indústria do concelho, assim como as condições mais importantes da vida dos operários]; «Catálogo rectificado» dos expositores; «Opinião do jury», com a indicação da distribuição dos prémios; «Opinião da imprensa», com a transcrição dos principais artigos dos jornais portugueses acerca deste notável acontecimento. Cuidada edição fac-similar limitada a 500 exemplares. Encadernação editorial.

5435 — SAMPAIO (Albino Forjaz de).- OS BÁRBAROS. I - ANTÓNIO NOBRE. Lisboa.

Guimarães & Cª. 1918. In-8.º de 108-IV págs. B.

Primeira edição desta interessante obra, ilustrada com várias estampas impressas em folhas à parte.

[19]

obra, ilustrada com várias estampas impressas em folhas à parte. [19] 5 4 3 9 -

5439 - ver pág. 21

5436 — SAMPAIO (Albino Forjaz de).- GRILHETAS. 1.º Milhar. Lisboa. [1916]. In-8.º de 252-IV

págs. B.

Além de capítulos integralmente consagrados a Camilo, Fialho e Eça, encontram-se no volume nume- rosas referências a estes e a outros escritores. Primeira edição.

5437 — SAMPAIO (Albino Forjaz de).- HOMENS DE LETRAS. 1.º Milhar. Guimarães & Cª.

Lisboa. 1930. In-8.º de 252-IV págs. B.

Leilões de livros, a literatura e a politica, os esquecidos, arqueologia literária, jornalismo republicano, Camilo, Júlio Dantas, Teófilo Braga, António Nobre, Gomes Leal, Abel Botelho, Júlio César Machado

e outros, são alguns dos interessantes capítulos desta obra.

5438 — SAMPAIO (Albino Forjaz de).- SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DO TEATRO PORTUGUÊS. TEATRO DE CORDEL. (Catálogo da colecção do autor). Lisboa. Imprensa Nacional de Lisboa. 1922. In-8.º gr.de 108 págs. E.

Trabalho bibliográfico ainda hoje indispensável ao estudo do teatro de cordel português. Ilustrado com reproduções de frontispícios impressos em separado. Muito invulgar. Boa encadernação à amador. Capas da brochura com pequenos restauros.

RARÍSSIMO LIVRO DE AGRICULTURA IMPRESSO POR IBARRA EM 1790

5439 — SAMPAYO (Diogo de Carvalho e).- ELEMENTOS // DE // AGRICULTURA: // EM

QUE SE CONTEM // OS PRINCIPIOS THEORETICOS // E PRATICOS DESTA UTIL, AGRA- // DAVEL E HONESTISSIMA // DISCIPLINA. // POR // DIOGO DE CARVALHO E SAMPAYO, // CAVALHEIRO DA ORDEM DE MALTA // MINISTRO DE SUA MAGES- TADE // FIDELISSIMA JUNTO A SUA // MAGESTADE CATHOLICA, // E SOCIO DA ACADEMIA // REAL DAS SCIENCIAS // DE LISBOA. // MADRID. // PELA VIUVA DE IBARRA. // COM AS LICENÇAS NECESSARIAS. // MDCCLXXXX. In-4.º gr. de IV-XVIII- -392-II-IIII-81-I págs. E.

Primorosa e raríssima edição em encorpado papel de linho saída dos prelos dos famosos impressores sucessores de Ibarra, de Madrid, tendo no fim os seguintes dizeres: “A impressão destes ELEMEN- TOS DE AGRICULTURA de DIOGO // DE CARVALHO E SAMPAYO, Cavalheiro da Ordem de Malta, // se principiou a 10 de novembro de 1790, e se acabou // a 25 de agosto de 1791. Imprimirão-se sómente // cem exemplares.” O volume apresenta cinco boas estampas desdobráveis abertas a buril em chapa de cobre. Diogo de Carvalho e Sampaio, diz Inocêncio, “Parece ter sido natural, ou oriundo da cidade de Lamego, e que n’ella falecêra entre os annos de 1807 e 1812. Foi correspondente da Acad. Real das Sciencias de Lisboa”; depois de registar as suas obras, conclui: “Todos estes escriptos apresentam tal qual caracter de originalidade, e os exemplares são raros.” Carvalho e Sampaio foi o autor de um livro famoso e importantíssimo «Tractado das cores», impresso em 1787, e de uma «Dissertação sobre as cores primitivas, com um breve tractado da composição arrificial das cores», aparecido em 1788, o primeiro dos quais reproduzido em 2001 em fac-símile por Chaves Ferreira numa das suas magnificentes edições. Excelente encadernação inteira em pele, da época, com dizeres e ferros dourados na lombada, silvas nas pastas, apresentando ainda o corte das folhas dourado. Em primoroso estado de conservação. (ver gravura na pág. 20)

5440 — SAMPAIO (Ernesto), VASCONCELOS (Mário Cesariny) & MARTINHO (Virgílio).- [CARTA AO PRESIDENTE DA DIRECÇÃO DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ESCRI- TORES], datada de “Lisboa, 2 de Abril de 1962” Dim. 21 x 27,5 cm.

Carta policopiada, sem indicação de tiragem, decerto muito reduzida, dizendo: “Os escritores abaixo

assinados, confiados no elevado espírito responsável pela formação da S. P. E., a propósito do juri eleito para a atribuição do “Grande Prémio de Poesia”, vêm por este meio impor um voto de desconfiança

a essa eleição, e pedem que se proceda a novo escrutínio.

[21]

/

a essa eleição, e pedem que se proceda a novo escrutínio. [21] / 5 4 4

5444 - ver pág. 24

5449 - ver pág. 26 “Os abaixo assinados: “Acusam a incapacidade literária, nalguns casos tocando

5449 - ver pág. 26

“Os abaixo assinados:

“Acusam a incapacidade literária, nalguns casos tocando a indigência mental, do dito juri; “Fazem notar a desqualificação que o mesmo representa para os concorrentes:

“Discordam do título com que já se levou ao público ledor a proposta distinção, assim aparentada

à gritaria das corridas de cavalos;

“Reservam o direito, em nome da modernidade, de dar pública forma a este documento”, a que se segue o nome dos subscritores.

5441 — SAMPAIO (Gonçalo).- CANCIONEIRO MINHOTO. 1940. [Tipografia Costa Carregal.

Porto]. In-4.º de XLIV-II-213-I págs. B.

Um dos mais importantes subsídios para o estudo do cancioneiro português e o mais completo rela- tivamente à província do Minho. Todas as canções são acompanhadas da respectiva leitura musical. Com um extenso prefácio de A. C. Pires de Lima. Edição ilustrada com um retrato do autor pelo pintor António Carneiro. Primeira edição, invulgar e muito estimada. Com manchas de acidez.

5442 — SAMPAIO (Jaime Salazar).- “CONCEIÇÃO” ou “UM CRIME PERFEITO”. 1 Acto de

Jaime Salazar Sampaio. Lisboa Julho. 1962. 17 ff. Dactilografadas. B.

Cópia dactilográfica com os dizeres transcritos e emendas da mão de Luiz Pacheco. Cremos que esta peça não chegou a ser publicada.

5443 — SAMPAIO (Jorge de).- A POESIA DE CARLOS QUEIROZ. Ensaio de interpretação

seguido de poemas dispersos. Edições Panorama. 1966. In-8.º de 128-VIII págs. B.

Um dos melhores e mais completos trabalhos até hoje publicados sobre o autor de «Desaparecido»,

a que se segue uma extensa «Antologia de poesias dispersas».

5444 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- ANALYSE DA CRENÇA CHRISTÃ. (Estudos

criticos sobre o Christianismo). 1874. Typ. de Arthur José de Sousa. Porto. In-8.º de XIII-I-334-II págs. B.

“Os Milagres, A Escravatura e o Christianismo, Dogmas e Crenças, Conclusão.” Primeiro e muito raro livro de Sampaio Bruno. Capas da brochura com pequenas imperfeições. Dedicatória do autor a Rodrigo Pequito. (ver gravura na pág. 22)

5445 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- O BRAZIL MENTAL. Esboço critico. Porto.

Livraria Chardron. 1898. In-8.º de XXVII-470-II págs. B.

Obra de notável importância para o conhecimento do Brasil intelectual da época. “Conhecer as con- dições especificas e proprias da sociedade politica e economica brazileira: não é para o publico culto portuguez um escusado dillettantismo de ociosidade litteraria; antes, importa interesse decisivo, desde que esteja demonstrado que Portugal não possa, na phase historica não só ainda não conclusa mas apenas esboçada, prescindir da tradiccional correlacionação com o Brazil.”

5446 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- A DICTADURA. Subsidios moraes para o seu

juizo critico. Porto. Livraria Chardron. 1909. In-8.º de 293-I págs. B.

Subsídio de apreciável interesse para a história dos anos imediatamente anteriores à implatação da República, constituído por artigos publicados na imprensa periódica.

5447 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- O ENCOBERTO. Porto. Livraria Moreira -

Editora. 1904. In-8.º de XX-381-I págs. E.

Trabalho de interpretação histórica com interesse para a história do Sebastianismo, tratando também com certo desenvolvimento algumas fases da acção da Inquisição em Portugal. Valorizado com dedicatória de Sampaio Bruno para Eduardo d’Artayett. Boa encadernação nova, com a lombada em pele, conservando as capas da brochura e estando aparado apenas à cabeça.

[24]

5451 - ver pág. 26 5448 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- A GERAÇÃO NOVA.

5451 - ver pág. 26

5448 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- A GERAÇÃO NOVA. Ensaios criticos - Os

Novellistas - Porto. Magalhães & Moniz, Editores. [1886]. In-8.º de VI-359-I págs. E.

Um dos mais apreciados e raros ensaios críticos do autor, onde, com este volume e “outros que se seguirão”, se aborda o percurso da «Nova Geração» ou «Escola Coimbrã». Só aparado à cabeça, com as capas da brochura conservadas e com sólida e sóbria encadernação com cantos e lombada em pele.

5449 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- GUERRA JUNQUEIRO. Biographia de

O MELRO - Notavel poesia dramatica. Porto. 1904. S.l. In-8.º gr. de 12 págs. B.

Esboço biográfico acompanhado de uma parte da célebre poesia de Junqueiro. Muito invulgar. Com marcados vincos de dobragem e carimbo na capa da brochura. (ver gravura na pág. 23)

5450 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- A IDEIA DE DEUS. Porto. Livraria Char-

dron. 1902. In-8.º de LXIV-483-I págs. B.

Obra filosófica de grande projecção na época e ainda hoje muito procurada, composta pelos seguintes capítulos: «Carta intima», «Philosophia e Metaphysica», «Mathemarica e Poesia», «Superstição

e Religião», «Theologia e Moral», «Contingente e Necessario», «Infinito e Perfeito» e «Mal e Bem». Camiliana e invulgar.

5451 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- LIRA INTIMA, por Joaquim de Araujo

Braga. Typ. de Bernardo A. de Sá Pereira. 1884. In-8.º gr. de 15-I págs. B.

Crítica de dasombrada apologia ao livro de Joaquim de Araújo. Muito invulgar. (ver gravura na pág. 25)

5452 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- MANIFESTO DOS EMIGRADOS DA RE-

VOLUÇÃO REPUBLICANA PORTUGUEZA DE 31 DE JANEIRO DE 1891. Paris. Imprime- rie Schiller. 1891. In-4.º peq. de 29-I págs. B.

“Escripto em Abril, o documento que adeante se encontra foi logo remettido para Portugal. “Apezar dos esforços empregados com lealdade e dedicação, não se conseguiu, porém, durante o longo transcurso de perto de dois mezes, encontrar alli typographia que se atrevesse a encarregar-se de lhe dar publicidade. Noté-se como intensamente conseguiram as ultimas violencias da monarchia brigantina der- ramar um surdo terrôr, que, gelando as actividades, promove no extremo occidente essa situação de mor- tal mudez que caracterisava até os nossos dias o triste despotismo asiatico que pezava sobre a Russia.( )” Primeira e raríssima edição deste notável manifesto político e cívico acerca da Revolução de 31 de Janeiro de 1891, que teve a cidade do Porto como pano de fundo. Sem capa de brochura própria, a primeira folha apresenta alguns desculpáveis defeitos. (ver gravura na pág. 27)

5453 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- MANIFESTO DOS EMIGRADOS DA RE-

VOLUÇÃO REPUBLICANA PORTUGUEZA DE 31 DE JANEIRO DE 1891. Prefácio de José Augusto Seabra. Edição do Governo Civil do Porto. 1991. In-8.º gr. de XIX-I-29-III págs. B.

Segunda edição deste notabilíssimo documento político, ilustrado com um retrato de Sampaio Bruno

e outro reunindo os “Emigrados politicos em Hespanha”.

5454 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- OS MODERNOS PUBLICISTAS PORTUGUE-

ZES. Porto. Livraria Chardron de Lello & Irmão, editores. 1906. In-8.º de IV-XVI-425-I págs. B.

Abundantes referências a Eça de Queiroz, Ramalho, Pinheiro Chagas, Antero, Latino Coelho e muitos outros publicistas portugueses de grande mérito, transcrevendo frequentemente excertos dos seus escritos.

5455 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- NOTAS DO EXILIO. 1891-1893. Porto.

Livraria Internacional de Ernesto Chardron. 1893. In-8.º de XVI-347-III págs. B.

Obra estimada de que apenas saiu esta edição. Capítulos sobre Renan, Zola, Dostoiewsky, Erasmo, etc. Dedicatória do autor para Gualdino de Campos.

[26]

5452 - ver pág. 26 5456 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- O PORTO CULTO.

5452 - ver pág. 26

5456 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- O PORTO CULTO. Obra para servir de remate e

conclusão á dos PORTUENSES ILLUSTRES. Tomo I. Porto. 1912. In-8.º de VIII-518-II págs. B.

) a todos os portu-

guezes, do Porto ou de fóra do Porto, visto repercutirem-se intensivamente na historiographia total do paiz”. Primeira edição.

Primeiro e único volume publicado. Os textos incluídos no livro “interessam (

5457 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- PORTUENSES ILLUSTRES. Porto. 1907-

-1908. 3 vols. In-8.º de VIII-408, 416 e 416 págs. B.

Com capítulos de muito interesse para a história portuguesa. Perpassam nestas páginas os vultos do Infante D. Henrique, Garrett, Tomás António Gonzaga, Vasco de Lobeira, Uriel da Costa, Júlio Diniz, António Nobre, etc. Primeira edição.

5458 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- PORTUGAL E A GUERRA DAS NAÇÕES.

Porto. Livraria Chardron. 1906. In-8.º de 508-II págs. B.

Do sumário: A alliança franco-russa, O nihilismo moscovita, A questão do Oriente, Portugal e a Rus- sia, A guerra russo-japoneza, A nova Russia; Formação da hegemonia britannica, A questão de Cuba, A guerra hispano-americana, O carlismo hespanhol, A conquista de Portugal pela Hespanha, A ne- gociação de Setubal, O Japão e Portugal, Portugal e a Catalunha, O movimento mental e politico da Hespanha contemporanea, etc.

5459 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- A QUESTÃO RELIGIOSA. Porto. 1907.

Livraria Chardron, de Lello & Irmão. In-8.º de XXXII-449-I págs. B.

Obra muito apreciada e bastante invulgar, das mais importantes da bibliografia do autor. Referências a numerosos escritores e filósofos do seu tempo. Camiliano.

5460 — SAMPAIO [BRUNO] (José Pereira de).- THEORIE EXACTE ET NOTATION

FINALE DE LA MUSIQUE. Porto. Empreza Editora da «Historia Social, de Scherffer».

1903. In-4.º oblongo de 20-IV págs. B.

Obra de ciência musical, raríssima entre todas as da vasta produção de Sampaio Bruno. (ver gravura na pág. 29)

5461

— SAMPAYO (Nuno de).- O ETERNO INSTANTE. Livraria Morais Editora. Lisboa.

1964.

In-8.º gr. de 60-IV págs. B.

Livro invulgar, aparecido na colecção «Círculo de Poesia».

5462 — SAMPEDRO Y FOLGAR (Don Casto).- CANCIONERO MUSICAL DE GALICIA,

recogido por

tevedra»]. Impreso a costa de las Excmas. Diputaciones de las Cuatro Provincias del Antiguo

Reino de Galicia. MCMXLII. 2 vols. In-fólio de 237-III e VI-207-VII págs. E.

“He aquí, por fin, siquiera tarde, una Colección de música popular gallega. La primera entre las tierras líricas de Occidente, es la última en acrecer la bibliografía del Folklore con el acervo de sus melo- días, la tierra de los Cancioneros no contó hasta hoy, pese a lo pródigo de su librería científica, con un Cancionero Musical. Este que ahora se os ofrece fué coligido, entre 1884 y 1924, a nombre de la Sociedad Arqueológica de Pontevedra por su Presidente D. Casto Sampedro y Folgar, cultivador de todos los campos de la erudición gallega. Adquirido con sus inéditos por el Patronato del «Museo de Pontevedra» vá a la luz, en difíciles circinstancias editoriales, a expensas de la cuatro Diputaciones del Antiguo Reino de Galicia, así vinculadas por una empresa de claro sentido espiritual. ( O primeiro volume comporta o texto e algumas ilustrações e o segundo integra as «Melodias». Edição provavelmente muito reduzida, como reduzidas são as tiragens de obras congéneres. Encadernações editoriais em cartão. Exemplar assinado pelo Compositor Fernando Corrêa de Oliveira.

Reconstitucion y estudio por Don Jose Filguera Valverde. [«El Museo de Pon-

[28]

5460 - ver pág. 28 5463 — SANCHES (António Nunes Ribeiro).- CARTAS SOBRE A EDUCAÇÃO

5460 - ver pág. 28

5463 — SANCHES (António Nunes Ribeiro).- CARTAS SOBRE A EDUCAÇÃO DA MOCI-

DADE. Nova edição, revista e prefaciada pelo Dr. Máximiano Lemos. Coimbra. 1922. In-8.º de XV-I-217-I págs. B.

Ribeiro Sanches, cristão-novo, foi uma das mais altas figuras da medicina europeia do seu tempo, tendo percorrido e estudado em várias das suas mais importantes capitais. Com o fac-símile do rosto da edição setecentista de Colónia, edição de que se imprimiram apenas 50 exemplares. Camiliano. Capas da brochura em mau estado.

5464 — SANCHES (António Nunes Ribeiro).- DIFICULDADES QUE TEM UM REINO

VELHO PARA EMENDAR-SE e outros textos. Selecção, apresentação e notas de Vítor de Sá. Editorial Inova Limitada. [Porto. S.d.] In-8.º de 229-VII págs. B.

Diz Vítor de Sá que “promovendo hoje a publicação de alguns dos seus estudos inéditos, queremos prestar à memória de Ribeiro Sanches a homenagem que os seus concidadãos lhe devem pelo esforço inteligente e lúcido no sentido de rasgar horizontes para a modernização de Portugal.” Com estampas em separado. Primeiro volume da «Biblioteca do Pensamento Português».

5465 — SANDÃO (Arthur de).- EXPOSIÇÃO DE ICONOGRAFIA VIANENSE, Integrada na

III Semana de Música. Viana do Castelo. 1967. In-8.º gr. de 44-II págs. B.

Catálogo de uma interessante exposição realizada no Museu Municipal de Viana do Castelo, ilustrado com quatro estampas em folhas à parte, uma das quais policromada. Tiragem restrita.

5466 — SANTA CATARINA (Paulo de).- SERMAÕ // DAS CHAGAS // DE CHRISTO. //

QVE PREGOV // NO MOSTEIRO DE LORVAM // Em 23. de Outubro de 1661. // O P. FR. PAVLO DE SANTA CATHERINA // Capucho da Provincia de S. Antonio & Guardiam en- // taõ

do Collegio de S. Antonio da Pedreira // de Coimbra. // Hoje Provincial da Mesma Provincia. //

// Na Officina de Thome Carualho Impressor da Vni- // uersidade Anno de

M. DC. LXII. In-8.º gr. de IV-15 [aliás 11]-I págs. Desenc.

Os dizeres do frontispício foram enquadrados numa moldura constituída por minúsculoa vinhetas em madeira. Belo florão estampado na última página. Único sermão do autor registado por Inocêncio.

EM COIMBRA, //

5467 — SANTA-RITA (Augusto de).- O MUNDO DOS MEUS BONITOS. Poemas. H. Antu-

nes & Cª. Rio de Janeiro. MCMXX. [Imprensa de Manuel Lucas Torres. Lisboa]. In-8.º gr. de 143-I págs. E.

Livro de evocação da infância do autor, onde há poemas que muito se popularizaram, entre os quais «O Prêto - Papusse - Papão». Edição cuidada e de original apresentação gráfica, a primeira e de reduzida tiragem, ilustrada a cores pelo artista português Cottinelli Telmo. Encadernação própria, ilustrada a cores.

5468 — SANTA-RITA (Augusto de).- O MUNDO DOS MEUS BONITOS. Poemas. 2.ª edição.

Livraria Didáctica. Lisboa. MCMLI. In-4.º de 144 págs. B.

Segunda edição, agora com Prefácio de Vieira de Almeida e desenho da capa e ilustrações de Manuel Abreu Lima. Dedicatória da mão do autor para Alfredo Pedro Guisado.

5469 — SANTA-RITA (Augusto de).- «TIC TAC» E «RABANETE». Bonecos de Tio Tonio.

Livraria Clássica Editora de A. M. Teixeira & C.ª (Filhos). Lisboa. [Lit. Tejo. S.d. 1931]. In-4.º

de XII págs. inums. B.

Livrinho infantil com ilustrações litográficas a cores nas páginas do texto. Muito raro, como quase todos os livros destinados a crianças. (ver gravura na pág. 31)

[30]

5469 - ver pág. 30 5470 - ver pág. 33

5469 - ver pág. 30

5469 - ver pág. 30 5470 - ver pág. 33

5470 — SANTA-RITA (Guilherme de).- POEMA D’UM MORTO em Proemio e dez Cantos. Prefaciado por Gomes Leal. José Bastos. Lisboa. [1897]. In-8.º gr. de XLVI-308-VIII págs. B.

Com «Duas palavras sobre este Poema e a Esthetica do Mysterio», de Gomes Leal, “duas palavras” que se espraiam de págs. IX a XLVI. O nome de Clorinda de Macedo e o seu retrato encontram-se numa folha onde constam os nomes e retratos dos colaboradores do 1.º volume do «Museu Ilustrado», impresso no século XIX. Muito invulgar. (ver gravura na pág. 32)

5471 — SANTARÉM (Visconde de) [2º].- [ATLAS]. RECHERCHES SUR LA PRIORITÉ DE

LA DÉCOUVERTE DES PAYS AU DELA DU CAP BOJADOR ET ESSAI SUR L’HISTOIRE DE LA COSMOGRAPHIE ET DE LA CARTOGRAPHIE PENDANT LE MOYEN-AGE. Edi- tion fac-similée, organisée et avec une Préface par Martim de Albuquerque. Administração do Porto de Lisboa. Sous les auspices de la Commission Nationale pour les Commémorations des

Découvertes Portugaises. Lisboa. 1989. In-4º peq. de IV-54-VIII-CXIV-II-527-IV-LXXXVII- -518-II-XCV-I-592-IV-LXXVI-646-VI págs. E.

——— ATLAS DU VICOMTE DE SANTAREM. Edition fac-similé des Cartes définitives, organisé et avec une Préface par Martim de Albuquerque. Administração do Porto de Lisboa. Sous les auspices de la Commission Nationale pour les Commémorations des Découvertes Portugaises. Lisboa. 1989. In-fólio máx. E.

O volume de texto, impresso em finíssimo papel bíblia, reproduz em fac-símile as obras fundamentais

do Visconde de Santarém; o «Atlas», em papel muito encorpado e de excelente qualidade, reproduz exemplarmente as muitas dezenas de “Mappemondes, de Portulans et de cartes hydrographiques

et historiques depuis le VIe jusqu’au XVIIe siècle, pour la plupart inédites” aparecidos pela primeira vez na edição de 1849. Da importantíssima e indispensável Introdução do Prof. Martim de Albuquerque: “Deve-se ao 2.º Vis-

conde de Santarém (

na valorização dos Descobrimentos Portugueses. O seu nome tem jus a ser gravado em letras de ouro

na grande coluna da Pátria. (

do Porto de Lisboa contribui para a difusão do trabalho e da glória de um dos mais ilustres portugueses de todos os tempos, e, assim, para saldar dívida de gratidão.” Martim de Albuquerque considera esta publicação como “um monumento importante, um verdadeiro marco científico”, publicado por ocasião das comemorações dos Descobrimentos portugueses e, para a sua história, trabalho verdadei- ramente indispensável e fundamental.

A edição foi confinada a 1500 exemplares numerados.

Encadernações editoriais, gravadas a ouro e a seco.

Ao deliberar reimprimir os seus livros fundamentais, a Administração

diplomata, político, historiador, geógrafo e cartógrafo, uma das obras mestras

),

)

5472 — SANTARENO (Bernardo).- ANTÓNIO MARINHEIRO. (O Édipo de Alfama). Peça

em 3 actos. Divulgação - Porto. [1960] In-8.º de 116-II págs. B.

Segundo Óscar Lopes “António Marinheiro retoma o jogo fundamental de situações do «Édipo» de

Sófocles, com todas as implicações que a psicanálise tirou da história. Mas enquanto na tragédia grega

os protagonistas aceitam a condenação da opinião pública, assumem a culpa por um encadeamento,

aliás fatal, de acontecimentos que os levam sem saber à ignomínia, a protagonista da tragédia de San- tareno rejeita a condenação, reivindica o direito de sobreviver à vergonha e apostrofa o amor proibido e perdido, revoltando-se contra o código do bem e do mal que lhe impõem.” Edição do autor, publicada com a chancela da livraria portuense Divulgação. Primeira edição. Capa da brochura ilustrada por A. E. Teixeira Lopes.

5473 — SANTARENO (Bernardo).- O CRIME DE ALDEIA VELHA. Peça em 3 actos.

Edições Ática. Lisboa. [1959]. In-8.º de 242-II págs. B.

Peça de teatro baseada num crime de morte por feitiçaria ocorrido no Marco de Canavezes e que apaixonou a opinião pública da época. Primeira edição, invulgar. Com ilustrações de Jorge Brandeiro. Autografado pelo autor. (ver gravura na pág. 34)

[33]

Com ilustrações de Jorge Brandeiro. Autografado pelo autor. (ver gravura na pág. 34) [33] 5473 -

5473 - ver pág. 33

5474 — SANTARENO (Bernardo).- O JUDEU. Narrativa dramática em três actos. Edições

Ática. Lisboa. [1966]. In-8.º gr. de 231-III págs. B.

Narrativa dramática inspirada no processo do célebre António José da Silva, “O Judeu”. Primeira edição.

5475 — SANTARENO (Bernardo).- NOS MARES DO FIM DO MUNDO. Edições Ática.

Lisboa. [1959]. In-8.º de 243-I págs. B.

Neste livro o autor descreve a sua experiência de um ano em companhia dos pescadores bacalhoeiros na Terra Nova e Gronelândia. Ilustrado em separado. Primeira edição. (ver gravura na pág. 36)

5476 — SANTARENO (Bernardo).- OS OLHOS DA VÍBORA. [Casa do Ardina de Lisboa.

1957]. In-8.º de 147-I págs. B.

Livro de versos de Bernardo Santareno, pertencente à fase iniciadora da carreira literária daquele que viria a afirmar-se como uma das grandes figuras da dramaturgia portuguesa. Muito invulgar.

5477 — SANTARENO (Bernardo).- TEATRO. A Promessa - O Bailarino - A Excomungada.

Lisboa. 1957. [Tipografia Ideal]. In-8.º de 330-IV págs. B.

Primeiro livro de teatro de um dos mais consagrados dramaturgos portugueses. Primeira edição, invulgar.

5478 — S. AGOSTINHO DE MACEDO (Fr. Francisco de).- SERMÃO // DA // SOLEDADE //

DE // NOSSA SENHORA, // QVE PREGOV NA CAPELLA // Real, o Padre Mestre Frey Fran- cisco de S. // Agostinho, Capucho da Provincia // de Santo Antonio, Lente de // Artes, & Theo- logia // no seu Collegio // de Coim- // bra. // NO FIM MOSTRV O SANTO SVDARIO. // Em

// Na Impressaõ da Viuva de

sesta feira de Endoenças, no anno de 1645. // EM COIMBRA, //

Manoel Carvalho, Impressor // da Vniversidade Anno de 1664. In-8.º gr. de II-18 págs. Desenc.

Um dos sermões deste, no dizer de Inocêncio, “celeberrimo portuguez”, sermões que foram “grande- mente elogiados por José Agostinho de Macedo, que de certo não era avaliador incompetente.” Com um corte de traça na margem interior de todo o opúsculo.

5479 — SANTOS (Abílio-José).- carta ao crítico d’arte dr. rui mário gonçalves MEMBRO DA

ASSOCIATION INTERNATIONAL DES CRITIQUES D’ART a propósito do prémio cinquen- tenário da morte do pintor amadeo de souza-cardoso no qual se alude aos seus compadres dr.

sobre a exposição do banco pa escrita por abílio-

josé santos SOCIO DO SINDICATO NACIONAL DOS OPERÁRIOS METALÚRGICOS DO

DISTRITO DO PORTO (

Reunidos. [S.d.] In-4.º peq. de IV págs. inums. B.

Não encontrámos qualquer referência a este opúsculo, que, sem dúvida, teve reduzidíssima tiragem. (ver gravura na pág. 38)

Distribuidora: Livraria Escolar Infante - Comp. e Imp. Gráficos

josé-augusto frança (

)

e fernando pernes (

)

)

5480 — [SANTOS (António Ribeiro dos)].- POESIAS DE ELPINO DURIENSE. LISBOA, //

Na Impressão Regia. 1812-1817. 3 vols. In-8.º gr. de 385-I, 345-III e 264 págs. E.

Obra publicada sob o pseudónimo Elpino Duriense, nome por que ficou mais conhecido o poeta António Ribeiro dos Santos, “um dos mais respeitaveis, eruditos e fecundos escriptores que Portugal produziu no seculo passado”, segundo palavras textuais de Inocêncio. Os frontispícios desta muito estimada obra foram gravados a buril em chapa de cobre, tendo ao centro as armas reais portuguesas sustentadas por dois anjos. Edição cuidada, impressa em bom papel. Rara. Com manchas de água antigas, mas com a marca de posse “Da Liv.ª da Congreg.am do Orat.º do Porto”, manuscrita nos frontispícios. Encadernações em pele, da época, danificadas. (ver gravura na pág. 39)

[35]

nos frontispícios. Encadernações em pele, da época, danificadas. (ver gravura na pág. 39) [35] 5475 -

5475 - ver pág. 35

5481 — SANTOS (Armando Vieira).- OS PAINEIS DE SÃO VICENTE DE FORA. Introdução

do Dr. João Couto

Lisboa. [1959]. In-fólio de 124-IV págs. E.

Estudo de arte valioso, ilustrado com mais de 80 estampas a preto e a cores, reproduzindo os mais variados pormenores dos famosos painéis. A edição, de esmerada execução gráfica, assenta sobre excelente papel especial Helio Navarre. Títulos e capitulares habilmente desenhados por José Feio. Encadernação do editor, em pele, com ferros dourados na lombada e na past da frente, com defeitos

Organização do pintor Martins Barata. Edição da Neogravura Limitada.

5482 — SANTOS (Carlos Monteiro dos).- POEMAS DE SEQUÊNCIA. Com um desenho de

Sá Nogueira. Publicações Europa-América. Lisboa. 1958. In-8.º de 39-V págs. B.

Vigésimo segundo volume da apreciada colecção «Cancioneiro Geral».

5483 — SANTOS (Eduardo dos).- MOVIMENTOS PROFÉTICOS E MÁGICOS EM ANGO-

LA. Lisboa. Imprensa Nacional-Casa da Moeda. 1972. In-4.º peq. de 575-I págs. B.

Do prefácio retirámos o seguinte excerto: “Toda e qualquer campanha de promoção económica

e social tem de se fundamentar no conhecimento exacto dos costumes, dos hábitos, das crenças, das

superstições, da fé das populações visadas. Não basta saber das suas necessidades materiais, das suas técnicas, do meio físico ambiente. É preciso também conhecer-lhes a alma, a fé que as anima, as cren- ças e as superstições que as dominam, os interditos que respeitam e os preceitos a que obedecem, saber dos seus anseios, das suas preocupações, das suas insatisfações e das suas mais íntimas necessidades”.

5484 — SANTOS (Fernando).- SUBSIDIOS PARA O ESTUDO DAS AGUAS THERMAES

E POTAVEIS DO GEREZ. A silica e o fluor nas aguas mineraes. Porto. Officinas do «Commer- cio do Porto». 1903. In-4.º peq. de 100-IV págs. B.

Rara dissertação inaugural apresentada à Escola Médico-Cirúrgica do Porto.

5485 — SANTOS (José Carlos Ary dos).- ADEREÇOS, ENDEREÇOS. Guimarães Editores.

[Lisboa. 1965]. In-8.º gr. de 67-V págs. B.

Invulgar edição de um das estimadas obras poéticas do Autor, integrada na emblemática «Colecção Poesia e Verdade». (ver gravura na pág. 40)

5486 — SANTOS (José Carlos Ary dos).- AS PORTAS QUE ABRIL ABRIU. [Oficinas Gráfi- cas da Litografia Lusitana. Porto]. In-4.º quadrado de XXXII págs. inums. B.

Primeira edição de um poema entusiasticamente comprometido com a Revolução de Abril, com capa

e ilustrações a cores de António Pimentel.

5487 — SANTOS (José dos).- CATÁLOGO DA IMPORTANTE E PRECIOSISSIMA LIVRA-

RIA QUE PERTENCEU AOS NOTÁVEIS ESCRITORES E BIBLIÓFILOS CONDES DE AZEVEDO E DE SAMODÃES. Enriquecido de notas bibliográficas e noticias de varias edições de muitas obras descritas e tambem de numerosos “fac-similes” de portadas, frontispí-

cios, páginas, gravuras, registos de lugar e de data de impressão das mesmas obras, etc. Redigido

por

Porto. 1921-1922. 2 vols. In-4.º de XIII-I-690-II e VIII-870-II págs. E.

Neste notabilíssimo catálogo são pormenorizadamente descritas mais de 3700 obras, em grande parte verdadeiramente raras e valiosas, obras que constituiram uma das mais importantes bibliotecas particulares portuguesas de todos os tempos. Com inúmeras reproduções fac-similares de frontispí- cios, portadas, cólofons, gravuras, etc. Imprescindível instrumento de trabalho para livreiros e bibliófilos. Exemplar anotado a lápis com os preços obtidos em Leilão. Encadernações de trabalho, em tela, mas com as capas da brochura preservadas.

Com uma introducção pelo erudito escritor e bibliofilo Sr. Anselmo Braamcamp Freire.

[37]

Com uma introducção pelo erudito escritor e bibliofilo Sr. Anselmo Braamcamp Freire. [37] 5479 - ver

5479 - ver pág. 35

5480 - ver pág. 35 5485 - ver pág. 37

5480 - ver pág. 35

5480 - ver pág. 35 5485 - ver pág. 37

5485 - ver pág. 37

5488 — SANTOS (José dos). - CATÁLOGO DA NOTAVEL E PRECIOSA LIVRARIA QUE FOI DO ILUSTRE BIBLIÓFILO CONIMBRICENSE CONDE DO AMEAL (João Correia

Aires de Campos). Redigido por

erudito escritor Sr. Gustavo de Matos Sequeira. Porto. 1924. In-4.º de XII-774 págs. B.

Catálogo de uma das mais importantes bibliotecas vendidas em Portugal, descrevendo 2900 espécies bibliográficas, algumas das quais verdadeiramente preciosas. Enriquecido com um grande número de fac-símiles de portadas, frontispícios, registos tipográficos, etc. Peça bibliográfica indispensável a livreiros de livros antigos, bibliófilos, etc. Com os preços de venda anotados a lápis. Capas da brochura e duas primeiras folha com pequenos defeitos na parte inferior.

(na parte dos livros impressos). Com uma introdução pelo

5489 — SANTOS (José dos).- DESCRIÇÃO BIBLIOGRÁFICA DA MAIS IMPORTANTE

E VALIOSA CAMILIANA que até hoje tem aparecido à venda no mercado compreendendo

todas as obras originais, traduzidas ou prefaciadas por Camillo Castelo Branco, tanto em suas

Enriquecida com um prefácio do

erudito publicista Sr. Gustavo de Matos Sequeira. Lisboa. Tipografia de Eugenio Viana. 1939.

In-8.º gr. de VIII-484 págs. B.

Uma das peças fundamentais e de obrigatória consulta da bibliografia camiliana, ilustrado com “65 fac- símiles de frontispícios e de capas de brochura das mais notáveis e raras espécies bibliográficas descritas”.

primeiras como em subseqüentes edições. Organizada por

5490 — SANTOS (Luís Reis) & QUEIRÓS (Luís Carlos).- PAISAGEM E MONUMENTOS

DE PORTUGAL. Lisboa. MCMXL. [Litografia Nacional]. In-4.º gr. de 81-V págs. B.

Belo álbum publicado pelo Secretariado de Propaganda Nacional, com textos de Luís Reis Santos e Carlos Queirós. Com algumas dezenas de boas fotografias de Mário Novais recolhidas de Norte a Sul de Portugal. Capa ilustrada a cores por Bernardo Marques. Capa da brochura mal cuidada.

5491 — SANTOS (Margarida) & SANTOS (Agostinho).- CRIAÇÃO E APOCALIPSE.

Desenhos. [Impressão: Arcanjo Ribeiro, Sucra & Filhos, Lda. 1986]. In-4.º gr. de frontispício

e XII estampas. B.

Portfólio em cartolina contendo, além do frontispício, doze reproduções de desenhos em folhas soltas de Margarida Santos e Agostinho Santos. Com um texto de Agustina Bessa Luís feito expressamente para a edição, impresso na badana ou capa interior. Edição confinada a 800 exemplares.

5492 — SANTOS (Mariana Amélia Machado).- VERNEY CONTRA GENOVESI. Aponta-

mentos para o estudo do «De Re Logica». Coimbra. 1939. In-4.º de X-70-II págs. B.

Invulgar Dissertação de Licenciatura na Secção de Ciências histórico-filosóficas apresentada à Fa- culdade de Letras da Universidade de Coimbra, em 1937, publicada em separata da revista «Biblos».

5493 — SANTOS (Políbio Gomes dos).- AS TRÊS PESSOAS. Coimbra - mil novecentos

e trinta e oito. [Portugália]. In-4.º de 56-IV págs. B.

Invulgar livro de poesia. Capa da brochura desenhada pelo autor. Dedicatória do punho do poeta para Eduardo Guedes de Oliveira. (ver gravura na pág. 42)

5494 — SANTOS (Políbio Gomes dos).- VOZ QUE ESCUTA. Coimbra. MCMXLIV. [Tipo-

grafia da Atlântida de Coimbra)] In-4.º de 32-III págs. B.

Décimo volume da muito apreciada colecção «Novo Cancioneiro». De págs. 11 a 15 decorre a “Homenagem a Políbio Gomes dos Santos” da autoria de Joaquim Namorado. Capa de Vitor Palla.

[41]

“Homenagem a Políbio Gomes dos Santos” da autoria de Joaquim Namorado. Capa de Vitor Palla. [41]

5493 - ver pág. 41

5495 — SANTOS (Reynaldo dos).- NUNO GONÇALVES, pintor português do século quinze e

o seu retabulo para o Mosteiro de S. Vicente-de-Fora. London. MCMLV. Phaidon Press. [Great Britain]. In-fólio. E.

Álbum de excelente execução gráfica, ilustrado com 42 belas reproduções a preto e a cores de porme- nores do famoso retábulo e uma reprodução, desdobrável, de todo o conjunto pictórico. Encadernação original em tela.

5496 — SANTOS (Reynaldo dos).- OITO SÉCULOS DE ARTE PORTUGUESA. História e

Espírito. Empresa Nacional de Publicidade. [Lisboa. 1970, data do 3.º volume]. 3 vols. In-4.º gr. E.

Obra fundamental da bibliografia artística portuguesa, sem dúvida a mais importante de quantas a este respeito se tem escrito em Portugal. Edição do maior apuro gráfico, executada sobre bom papel e lar- gamente ilustrada com estampas a negro e a cores que de longe ultrapassam as 1200 e que reproduzem

os mais notáveis exemplares produzidos em todos os ramos da arte portuguesa de todos os tempos.

Encadernações editoriais inteiras em pele, com ferros a ouro e a seco nas lombadas e pastas.

5497 — SANTOS (Rodrigo Rodrigues dos).- CLARÃO VERMELHO. Poemas socialistas.

1935. [Tipografia Comercial. Anadia] In-8.º de 195-III págs. B.

Livro de poesia manifestamente comprometido com os ideais socialistas, enriquecido com um extenso prefácio de Abel Salazar onde este fenómeno é abordado com a possível profundidade permitida pelas suas 27 páginas.

5498 — SANTOS (Victor Marques dos).- LEAL DA CÂMARA, UM CASO DE CARICATURA.

A sátira na atitude política portuguesa. Edição da Câmara Municipal de Sintra. Serviços Culturais. 1982. In-4.º de 40-LXXXVI págs. B.

O último grupo de páginas é quase integralmente preenchido com um importante conjunto de carica-

turas de natureza política, reproduzidas a negro ou a cores, conforme a modalidade adoptada na sua primeira aparição a público. Obra fundamental para o conhecimento da obra de um dos grandes nomes da caricatura portuguesa.

5499 — SANTOS JÚNIOR (Augusto).- CALDAS DO GEREZ. AGUAS E THERMAS. Porto.

Officinas do «Commercio do Porto». 1901. In-8.º gr. de 128 págs. B.

O volume abre com uma notícia histórica das antiquíssimas e famosas águas do Gerês. Com interes-

santes ilustrações nas páginas do texto. Muito invulgar. (ver gravura na pág. 44)

5500 — SANTOS JÚNIOR (Augusto).- LES EAUX THERMALES DE GEREZ DANS LE

TRAITEMENT DES CIRRHOSES DU FOI. Porto. Officinas do Commercio do Porto. 1906. In-8.º gr. de 78 págs. B.

Comunicação apresentada em 1906 ao XV Congresso de Medicina de Lisboa.

5501 — S. LUÍS (Dom Frei Francisco de); [Cardeal Saraiva].- GLOSSARIO DAS PALAVRAS

E FRASES DA LINGUA FRANCEZA que por descuido, ignorancia, ou necessidade se tem

introduzido na locução portugueza moderna; com o juizo critico das que são adoptaveis nella.

Lisboa. Na Typografia da Academia R. das Sciencias. 1827. In-4.º de IX-I-166-IV págs. B.

Trabalho primitivamente publicado nas páginas das «Memórias da Academia». Primeira edição inde- pendente. (ver gravura na pág. 46)

5502 — S. ROMÃO (Visconde de Vilarinho de).- PORTUGAL AGRICOLA. Porto. Livraria

Internacional de Ernesto Chardron. 1889. In-4.º peq. de 425-I págs. B.

Obra clássica da bibliografia agrícola portuguesa, ilustrada com estampas impressas em separado e um mapa de Portugal a cores. (ver gravura na pág. 48)

[43]

com estampas impressas em separado e um mapa de Portugal a cores. (ver gravura na pág.

5499 - ver pág. 43

5503 — S. TOMÁS (Fr. Bento de).- ORAÇAM // EM LOVVOR DA // BEMAVENTVRADA

ROSA DE S. // MARIA // DA //TERCEIRA ORDEM DE S. DOMINGOS // DISSEA O P. PRESENTAFO // F. BENTO DE S. THOMAS // Da mesma ordem, Qualificador do S. Officio, & Len- // te de prima do Real Collegio de S. Thomas, na // Festa que se fez a sua Beatificaçaõ no

// Na Officina deTHOME

Con- // vento de S. Domingos de // Coimbra. // EM COIMBRA. //

CARVALHO Impressor da Vniversidade. // Anno de M.DC.LXIX. In-8.º gr. de II-25-I págs. Desenc.

O autor nasceu na cidade do Porto e foi Prior no convento de Aveiro.

Com um corte de traça na margem interior de todo o opúsculo.

5504 — SARAIVA (António José). - CAMÕES. 1963. Jornal do Fôro. Lisboa. In-4.º de 196-II

págs. B.

Trabalho camoniano de grande interesse, documentado com várias gravuras reproduzindo as folhas de rosto das primitivas edições das obras de Camões. Edição restrita, feita em separata de «História da Cultura em Portugal».

5505 — SARAIVA (António José).- O CAPRICHISMO POLÉMICO DO SR. ANTONIO SÉR-

GIO. Porto. 1952. In-8.º gr. de 54-II págs. B.

Escrito polémico a propósito de um comentário do autor à segunda edição do primeiro volume dos «Ensaios» de António Sérgio. Invulgar.

5506 — SARAIVA (António José).- O CREPÚSCULO DA IDADE MÉDIA EM PORTUGAL.

Gradiva. [Lisboa. 1988]. In-8.º de 276-X págs. B.

Estudo saído na colecção «Trajectos».

5507 — SARAIVA (António José).- DICIONÁRIO CRÍTICO DE ALGUMAS IDEIAS E PA-

LAVRAS CORRENTES. Publicações Europa-América. Lisboa. [1960]. In-8.º de 209-IV págs. B.

chamar a atenção dos leitores para a necessidade, nas discussões de

doutrinas, de estarem atentos ao conteúdo dos termos, de vigiarem se, nas ligações entre eles, não há ilusão, engano ou desleixo; de repararem se o assunto em discussão foi convenientemente definido;

se a mesma palavra não é sub-reptìciamente empregada em sentidos vários”, etc. Primeira edição, retirada do mercado pela Censura aquando da sua vinda a público. Com manchas na folha de guarda.

“O propósito deste livro é (

)

5508 — SARAIVA (António José).- ENSAIO SOBRE A POESIA DE BERNARDIM RIBEI-

RO. Lisboa. 1938. [Imprensa Nacional]. In-4.º de 117-I págs. B.

Muito raro “Trabalho apresentado como dissertação de licenciatura na Faculdade de Letras da Uni- versidade de Lisboa”.

5509 — SARAIVA (António José).- FERNÃO LOPES. Publicações Europa-América. Lisboa.

[S.d.] In-8.º de 135-I págs. B.

“Este livro é um ensaio de explicação de conjunto da obra do maior escritor medieval português e uma tentativa para o trazer à nossa convivência literária, de que o separa uma língua velha de quinhentos anos”. Primeira edição, integrada na «Colecção Saber».

5510 — SARAIVA (António José).- FERNÃO MENDES PINTO. Publicações Europa-Améri-

ca. Lisboa. [1958]. In-8.º de 189-III págs. B.

Primeira edição, invulgar, integrada na «Colecção Saber».

[45]

In-8.º de 189-III págs. B. Primeira edição, invulgar, integrada na «Colecção Saber». [45] 5501 - ver

5501 - ver pág. 43

5511 — SARAIVA (António José).- FERNÃO MENDES PINTO OU A SÁTIRA PICARESCA

DA IDEOLOGIA SENHORIAL. 1958. Jornal do Fôro. Lisboa. In-4.º de 160-II págs. B.

Importante trabalho ilustrado nas páginas do texto e publicado em reduzida separata da «História da Cultura em Portugal». Capa da brochura de tardia impressão, datada de 1961.

5512 — SARAIVA (António José).- FILHOS DE SATURNO. Escritos sobre o tempo que pas-

sa. Livraria Bertrand. Amadora. [1980]. In-8.º gr. de 336-II págs. B.

Livro constituído por lúcidos escritos de capital importância para o conhecimento dos problemas postos à sociedade portuguesa do pós 25 de Abril.

5513 — SARAIVA (António José).- GIL VICENTE E O FIM DO TEATRO MEDIEVAL. Lis-

boa. 1942. In-4.º de 134 págs. B.

Edição original de um dos mais raros livros do autor, trabalho que constituiu a sua tese de doutoramen- to em Filologia Românica na Universidade de Lisboa.

5514 — SARAIVA (António José).- HERCULANO DESCONHECIDO. (1851-1853). Edições

SEN. Porto. 1952. In-8.º de XLVII-262-II págs. B.

A obra, dedicada ao tema “Herculano perante a Regeneração” foi amplamente documentada por uma série de artigos não assinados, publicados entre 1851 e 1853 no periódico «O Portuguez» e atribuidos a Herculano por António José Saraiva.

5515 — SARAIVA (António José).- HERCULANO E O LIBERALISMO EM PORTUGAL.

Os problemas morais e culturais da instauração do regime. Lisboa. 1949. In-8.º de 239-I págs. B.

Primeira edição deste valioso trabalho de António José Saraiva, restringido ao período decorrente entre 1834 e 1850. Invulgar.

5516 — SARAIVA (António José).- HISTÓRIA DA CULTURA EM PORTUGAL. Lisboa.

Jornal do Fôro. 1950-1962. 3 vols. In-4.º de 795-I, 755-I e 719-I págs. E.

Notável trabalho de investigação histórica, no seu género o primeiro publicado em Portugal com tal amplitude, onde nos é dado “o panorama global e complexo da evolução da cultura portuguesa através dos tempos”. Os volumes vêm documentados com centenas de estampas impressas nas páginas do texto e em folhas à parte. O 2.º volume contou com a colaboração de Óscar Lopes e Luís de Albuquer- que. Primeira edição, valiosa e muito invulgar. Encadernações editoriais em tela, com os gravados um pouco gastos.

5517 — SARAIVA (António José).- AS IDEIAS DE EÇA DE QUEIRÓS. Ensaio. [Centro Bi-

bliográfico. Lisboa. 1947]. In-8.º de XLIX-I-150-II págs. B.

Este volume inclui o texto distinguido com o Prémio Eça de Queiroz, para o melhor trabalho sobre «As Ideias de Eça de Queiroz» e ainda uma «Introdução Histórica» redigida posteriormente. Edição original.

5518 — SARAIVA (António José).- INQUISIÇÃO E CRISTÃOS-NOVOS. Editorial Inova.

Porto. [1969]. In-8.º de 319-V págs. B.

Primeira edição, rapidamente esgotada. Neste livro, notável a vários respeitos, “a interpretação pro- posta representa uma mutação decisiva na problemática da história do Santo Ofício”. Encadernação simples com a lombada e os cantos em pele. Por aparar e com as capas da brochura.

[47]

lombada e os cantos em pele. Por aparar e com as capas da brochura. [47] 5

5502 - ver pág. 43

5519 — SARAIVA (António José).- A INQUISIÇÃO PORTUGUESA. Publicações Europa- -América. Lisboa. [1956]. In-8.º de 121-V págs. B.

“Este livro é uma contribuição para a necessária revisão das ideias correntes acerca das causas, função

e consequências da Inquisição portuguesa”. Primeira edição, integrada na «Colecção Saber». Texto proibido de circular pelos serviços de censura do regime do Estado Novo em 1965 e autorizado 4 anos depois.

5520 — SARAIVA (António José).- OS LUSÍADAS, O QUIXOTE E O PROBLEMA DA

IDEOLOGIA OCA. [Composto e impresso na Tip. da «Atlântida». Coimbra. S. d.]. In-8.º gr. de 14-II págs. B.

Texto publicado em reduzida separata da revista «Vértice».

5521 — SARAIVA (António José).- MAIO E A CRISE DA CIVILIZAÇÃO BURGUESA.

Publicações Europa-América. [Lisboa. 1970]. In-8.º de 202-VI págs. B.

Esta obra, lê-se na badana do volume, “vai ter ressonâncias particularíssimas não só pelo tom forte- mente polémico que a caracteriza, mas também pela forma como nas suas páginas se opera uma revi- são assás importante de muitos pontos de vista filosóficos e ideológicos”. Primeira edição, integrada nas «Obras de António José Saraiva».

5522 — SARAIVA (António José).- A OBRA DE JÚLIO DINIZ E A SUA ÉPOCA. S.l.n.d.

In-4.º de 19-I págs. B.

Estudo publicado em separata da revista «Vértice».

5523 — SARAIVA (António José).- [OBRAS]. Gradiva. [Lisboa. Datas diversas]. 7 obras em

9 vols. In-8.º gt. B.

Colecção constituída pelas seguintes obras: «Iniciação na Literatura Portuguesa»; «Para a História da Cultura em Portugal», 3 vols; «O Crepúsculo da Idade Média em Portugal», 2 vols.; «Estudos sobre a Arte d’Os Lusíadas»; «Poesia e Drama», estudos sobre Bernardim Ribeiro, Gil Vicente e as Cantigas de Amigo; «A Tertúlia Ocidental», estudos sobre Antero de Quental, Oliveira Martins, Eça de Queiroz e outros.

5524 — SARAIVA (António José).- A POLÍTICA DE DISCRIMINAÇÃO SOCIAL E A RE-

PRESSÃO DA HETERODOXIA. 1958. Jornal do Foro. Lisboa. In-4.º de VI-181-III págs. B.

É a edição original deste valioso trabalho de António José Saraiva, inteiramente consagrado à Inquisi- ção e à Censura Inquisitorial. Tiragem restrita, feita em separata da «História da Cultura em Portugal». Ilustrado.

5525 — SARAIVA (António José).- SER OU NÃO SER ARTE. Ensaios e notas de metalitera-

tura. Publicações Europa-América. [Lisboa. 1974]. In-8.º de 181-VII págs. B.

O livro faz a “reflexão das questões fundamentais que se colocam à actividade artística. A literatura,

os escritores e os críticos constituem o seu ponto de mira principal”. Primeira edição, integrada nas «Obras de António José Saraiva».

5526 — SARAIVA (António José).- A TERTÚLIA OCIDENTAL. Estudos sobre Antero de

Quental, Oliveira Martins, Eça de Queiroz e outros. Gradiva. [Lisboa. 1970]. In-8.º gr. de 233-

-III págs. B.

“Chamamos a este grupo «tertúlia ocidental» porque o seu encontro se dá na linha «onde a terra acaba

e o mar começa», no Ocidente da Península, ora em Coimbra, ora em Lisboa, ora no Porto, cidades

onde se reuniu o grupo que ficou sendo conhecido por «o Cenáculo» e que assumiu várias metamor-

foses, última das quais foi a dos «Vencidos da Vida».

[49]

5527 — SARAIVA (António José).- UMA FACE DESCONHECIDA. Poemas e Prosas. Orga-

nização, Maria Isabel Saraiva. Gradiva. [Lisboa. 2004]. In-4.º de 86-II págs. B.

“Os textos de António José Saraiva aqui apresentados, sobretudo os poemas, dão a conhecer «o lado mais privado de um intelectual que marcou fortemente o pensamento português do século XX», se- gundo palavras de José António Saraiva.

5528 — SARAIVA (António José) & LOPES (Óscar).- CORRESPONDÊNCIA. Selecção, edi-

ção, prefácio e notas, Leonor Curado Neves com a colaboração de Ana Sequeira de Medeiros. Gtadiva. [Lisboa. 2004]. In-8.º gr. de 485-III págs. B.

De uma carta de Óscar Lopes datada de 1987: “Não sei se guardas cartas. Da nossa correspondência de cerca de 40 anos fazia-se um bom documentário das preocupações da nossa geração”. Esse documen-

tário, constituído por centenas de cartas dos dois escritores, aqui fica nesta cuidada edição prefaciada

e anotada por Leonor Curado Neves e com textos preliminares de Isabel Pires de Lima e Ana Sequeira de Medeiros.

5529 — [SARAIVA (António Ribeiro)].- D. MIGUEL I. Obra a mais completa e concludente

que tem apparecido na Europa sobre a Legitimidade e inauferiveis direitos do Senhor D. Miguel I. ao Throno de Portugal. Traduzida do original Francez. Lisboa. Na Impressão Regia. Anno 1828. In-8.º gr. de VIII-140 págs. E.

Obra publicada anónima, mas geralmente atribuída a António Ribeiro Saraiva. Prefácio de José Agos- tinho de Macedo. Primeira edição, a mais estimada e rara. Com uma litografia representando a aparição de Cristo a D. Afonso Henriques. Encadernação da época, com lombada e cantos em pele.

5530 — SARAIVA (Arnaldo).- FERNANDO PESSOA E JORGE DE SENA. Edições Árvore.

[Porto. S.d]. In-8.º de 46-II págs. B.

Texto aparecido pela primeira vez na revista «Persona». Capa ilustrada com um desenho de José Rodrigues.

5531 — SARAIVA (Arnaldo).- FERNANDO PESSOA POETA - TRADUTOR DE POETAS.

Os poemas traduzidos e o respectivo original. Lello Editores. [Porto. 1996]. In-8.º gr. de 240 págs. B.

“Considerando o conjunto das traduções e dos esboços e projectos de traduções de Pessoa facilmente nos damos conta da importância que a tradução tinha para ele, e facilmente notaremos que ele deixou um volume de traduções invulgar num grande criador, ainda por cima seduzido por vários géneros ou

espécies literárias, e que não chegou a viver meio século. Se é certo que algumas das suas traduções terão sido determinadas por imperativos económicos, nem por isso poderemos negar o prazer que Pessoa sempre terá encontrado na tradução, sobretudo na tradução poética. “E a verdade é que, com raras excepções, as traduções poéticas de Pessoa parecem textos originais,

e até textos originais pessoanos, de modo nenhum inferiores aos textos que as geraram.”

5532 — SARAIVA (Arnaldo).- INTRODUÇÃO À POESIA DE EUGÉNIO DE ANDRADE.

Fundação Eugénio de andrade. [Porto. 1985]. In-8.º de 158-VI págs. B.

Livro colocado entre os primeiros suscitados pela poesia de Eugénio de Andrade, cujo “sucesso apenas pelo de Pessoa se verá ultrapassado.”

5533 — SARAIVA (Arnaldo).- ORPHEU: 60 ANOS. Exposição biblio-iconográfica comemo-

rativa do 60 aniversário da publicação “ORPHEU”. Casa Museu Teixeira Lopes. [Biblioteca Pú- blica Municipal de Vila Nova de Gaia. Rocha / artes gráficas. 1957]. In-8.º gr. de 14-X págs. B.

Com um texto de Arnaldo Saraiva: «A Génese de ORPHEU E DO MODERNISMO PORTUGUÊS E BRASILEIRO (Novos elementos para o seu estudo)», a que se segue o catálogo da exposição.

[50]

5534 — SARAIVA (José).- OS PAINEIS DO INFANTE SANTO. [Leiria. Tipografia Central,

Limitada. MCMXXV]. In-4.º peq. de VIII-256-II págs. B.

“Nesta obra, impressa a duas côres e profusamente ilustrada, prova o autor: Que os paineis de S. Vi- cente pintados por Nuno Gonçalves se encontravam na Sé de Lisboa na 1.ª metade do seculo XVII,

e com toda a probabilidade foram destruidos pelo terramoto de 1755.

“Que naquela epoca se lhes referiu D. Rodrigo da Cunha e que dessas referencias resulta, sem duvida possivel, que esses paineis não são os que atualmente se guardam como tais no Museu de Arte Antiga”. Subsídio para o estudo desta famosa obra de arte, cuja investigação ainda suscita acesa polémica entre os mais destacados críticos portugueses. Documentada com dezenas de estampas intercaladas nas páginas do texto e em separado. Capa da brochura e anterrosto mal cuidados.

5535 — SARAIVA (José Hermano), BARROS (Jorge) & MACHADO (João).- A MEMÓRIA

DAS CIDADES. [CTT Correios de Portugal.1999]. In-4.º quadrado de 143-I págs. E.

Um dos luxuosos e primorosos volumes do «Clube do Coleccionador dos Correios», em papel de

qualidade superior, ilustrado com belas fotografias a cores de Jorge Barros e com os brasões, também

a cores, das cidades que servem de tema ao volume: Aveiro, Beja, Braga, Bragança, Castelo Branco,

Coimbra, Évora, Faro, Guarda, Leiria, Lisboa, Portalegre, Porto, Santarém, Setúbal, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu. Tem ainda, acondiciados nas melhores condições, 18 selos originais alusivos ao tema e uma prova de cor.

5536 — SARAIVA (Mário).- O CASO CLÍNICO DE FERNANDO PESSOA. Post-fácio do

Prof. Doutor Luís Duarte Santos- Edições Referendo. [Lisboa. 1990]. In-4.º de 191-V págs. B.

A fechar o texto de introdução afirma Mário Saraiva: “Escrevia, já sabemos porquê e para quê: escre-

via para si e para o segredo de uma arca fechada. Porém violaram-lhe o segredo! Não tivessem aberto, ou não tivessem vendido ao público o segredo dessa arca fechada e outro Fernando Pessoa ficaria para

a história, menos conhecido, é verdade, mas decerto de outra forma intelectualmente considerado.

Também não teríamos nós empreendido este estudo, que por vezes se nos torna penoso no revelar de

uma verdade quase cruel. O Post-fácio de Luís Durte Santos ocupa as págs. 145 a 191.

5537 — SARAMAGO (José).- O ANO DA MORTE DE RICARDO REIS. Romance. Editorial

Caminho. [Lisboa. 1984]. In-8.º gr. de 415-I págs. B.

Primeira edição desta original obra de Saramago, prosador dos mais notáveis e premiados das letras portuguesas do nosso tempo.

5538 — SARAMAGO (José).- O ANO DE 1993. Editorial Futura. Lisboa. 1975. In-8.º de 69-I

págs. B.

Muito invulgar livro de José Saramago, prosador de grande projecção nas letras portuguesas contem- porâneas e primeiro Prémio Nobel português em Literatura. Primeira edição, muito invulgar.

5539 — SARAMAGO (José).- OS APONTAMENTOS. 1976. Seara Nova. [Lisboa]. In-8.º

de 246-II págs. B.

Textos anteriormente publicados no «Diário de Notícias», com especial importância para a história recente de Portugal. Volume integrado nos «Cadernos Seara Nova».

5540 — SARAMAGO (José).- A BAGAGEM DO VIAJANTE. Editorial Futura. Lisboa. 1973.

In-8.º gr. de 201-V págs. B.

Edição original de um dos mais antigos livros de José Saramago, de quem Taborda de Vasconcelos já tinha afirmado ser “um dos nomes literários portugueses do nosso tempo que teria direito às mais elevadas distinções, pelo estilo vivíssimo, pela aguda inteligência, pela amarga ironia, pela profunda originalidade da sua expressão.”

[51]

5541 — SARAMAGO (José).- CADERNOS DE LANZAROTE. Diário I [a V]. Caminho.

[Lisboa. 1994-1998]. 5 vols. In-8.º gr. B.

“Este livro, que vida havendo e saúde não faltando terá continuação, é um diário. Gente maliciosa vê-lo-á como um exercício de narcisimo a frio, e não serei eu quem vá negar a parte de verdade que haja no sumário juízo, se o mesmo tenho pensado algumas vezes perante outros exemplos, ilutres es-

ses, desta forma particular de comprazimento próprio que é o diário. Escrever um diário é como olhar- se num espelho de confiança, adestrado a transformar em beleza a simples boa aparência ou, no pior dos casos, a tornar suportável a máxima fealdade. Ninguém escreve um diário para dizer quem é. Por outras palavras, um diário é um romance com um só personagem. Por outras palavras ainda, e finais,

a questão central sempre suscitada por este tipo de escritos é, assim creio, a da sinceridade . (

Trata-se da primeira edição dos cinco volumes publicados deste inusitado Diário de José Saramago.

)”

5542 — SARAMAGO (José).- A CAVERNA. Romance. Caminho. [Lisboa. 2000]. In-8.º gr.

de 350-II págs. B.

Primeira edição de um dos romances de José Saramago de mais original concepção, preocupação presente em toda a obra do grande ficcionista português.

5543 — SARAMAGO (Jose).- O CONTO DA ILHA DESCONHECIDA. Pavilhão de Portugal

Expo’98. Assírio & Alvim

[Lisboa. 1997]. In-8.º gr. de 35-V págs. B.

Primeira edição, com ilustrações a cores em folhas à parte, da autoria de Pedro Cabrita Reis.

5544 — SARAMAGO (Jose).- O CONTO DA ILHA DESCONHECIDA. Caminho. [Lisboa.

1999]. In-8.º gr. de 39-I págs. B.

Com ilustrações a cores de Bartolomeu dos Santos.

5545 — SARAMAGO (José).- EL CUENTO DE LA ISLA DESCONOCIDA. Alfaguara.

[Talleres Gráficos de Unigraf, S.L. Madrid. 1998]. In-8.º peq. de 49-V págs. E.

Livro de muito cuidada execução gráfica, com desenho gráfico e ilustrações de Manuel Estrada. “Las mil pesetas que cuesta este libro se destinarán íntegralmente a ayudar a los damnificados de Centroamérica a través de la Cruz Roja Internacional”. Encadernação editorial, com sobrecapa ilustrada.

5546 — SARAMAGO (José).- DESTE MUNDO E DO OUTRO. Arcádia. [Tipografia Central

da Borralha, Lda. Águeda. 1971]. In-8.º de 213-VIII págs. B.

Primeira edição de um dos primeiros livros do autor, três dezenas de anos depois distinguido com

o Prémio Nobel. Muito invulgar.

5547 — SARAMAGO (José).- DISCURSOS DE ESTOCOLMO. Caminho. [Lisboa. 1999].

In-8.º gr. de 39-I págs. B.

Discursos intitulados: «De Como a Personagem foi Mestre e o Autor seu Aprendiz» e «Discurso Pronunciado no Banquete Nobel em 10 de Dezembro de 1998».

5548 — SARAMAGO (José).- DON GIOVANI OU O DISSOLUTO ABSOLVIDO. Teatro.

Caminho. [Lisboa. 2005]. In-8.º de 135-I págs. B.

Nota do Editor: “A peça de teatro de José Saramago que agora se apresenta ao leitor tem uma história que merece ser conhecida. Daí a inclusão nesta edição, em posfácio, do texto do programa do Teatro alla Scala relativo à representação da ópera Don Giovanni o Il Dissoluto Assolto, onde essa história é relatada. A Editorial Caminho agradece ao Teatro alla Scala e à autora do texto, Graziella Seminara, as facilidades concedidas para a sua reprodução e a Mário Vieira de Carvalho a tradução do original italiano para português.”

[52]

5549 — SARAMAGO (José).- O EMBARGO. Ilustrações de Fernando de Azevedo. Estúdios

Cor. 1973. [Lisboa]. In-8.º de 29-I págs. B.

Curiosa e absurda história de um automóvel dominado por vontade própria. Um dos brindes de Natal destinados aos amigos da Editorial Estúdios Cor, em cuidada e já muito invulgar edição.

5550 — SARAMAGO (José).- ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA. Romance. Caminho. O Cam-

po da Palavra. [Lisboa. 1995]. In-8.º gr. de 310-II págs. B.

Primeira edição de um dos muito originais romances de José Saramago, romance que já deu lugar a adaptações e representações teatrais.

5551 — SARAMAGO (José).- ENSAIO SOBRE A LUCIDEZ. Romance. Caminho. O Campo

e a Palavra. [Lisboa. 2004]. In-8.º gr. de 329-I págs. B.

Primeira edição, de tiragem invulgarmente grande para o nosso meio editorial, tiragem que é ditada pelo grande e assegurado sucesso literário de José Saramago.

5552 — SARAMAGO (José).- O EVANGELHO SEGUNDO JESUS CRISTO. Romance. Ca-

minho. O Campo da Palavra. [Lisboa. 1991]. In-8.º gr. de 445-III págs. B.

Primeira das várias edições publicadas do mais polémico livro de José Saramago.

5553 — SARAMAGO (José).- FOLHAS POLÍTICAS. 1976-1998. Caminho. O Campo e a

Palavra. [Lisboa. 1998]. In-8.º gr. de 223-I págs. B.

“Não vai faltar quem me acuse de que alguns destes textos são desapiedados e injustos, tendo sido já politicamente inoportunos e impertinentes na própria época em que foram escritos, mui mais o

vêm a ser agora, e que, argumento final, não é atitude das mais prudentes e sensatas da minha parte, considerando que todos nós temos os nossos «telhados de vidro», reabrir as chagas que o tempo,

Em todo o caso, creio que estas Folhas Políticas,

de cuja honradez cívica não reconheço a ninguém o direito de duvidar, levam dentro verdades suficientes para que sejam capazes de defender-se sozinhas, sem ajuda. Nem sequer a minha.” Ptrimeira edição.

melhor ou pior, teve a caridade de cicatrizar. (

)

5554 — SARAMAGO (José).- HISTÓRIA DO CERCO DE LISBOA. Romance. Caminho. O

Campo e a Palavra. [Lisboa]. In-8.º gr. de 348-II págs. B.

Obra considerada como das mais importantes da vasta obra de José Saramago, primeiro escritor por- tuguês a ser distinguido com o Prémio Nobel de Literatura.

5555 — SARAMAGO (José).- O HOMEM DUPLICADO. Romance. Caminho. O Campo e a

Palavra. [Lisboa. 2002]. In-8.º gr. de 318 págs. B.

Primeira edição de um dos mais originais romances de José Saramago, nome dos mais ilustres da literatura portuguesa contemporânea.

5556 — SARAMAGO (José).- IN NOMINE DEI. Teatro. Caminho. [Lisboa. 1993]. In-8.º gr.

de 164-IV págs. B.

Primeira edição de um importante texto dramático do Prémio Nobel Português de 1998, em cujo prefácio afirma: “Os acontecimentos descritos nesta peça representam, tão-só, um trágico capítulo da longa e, pelos vistos, irremediável história da intolerância humana. Que o leiam assim, e assim o entendam, crentes e não crentes, e farão, talvez, um favor a si pórios. Os animais, claro está, não precisam”.

[53]

5557 — SARAMAGO (José).- AS INTERMITÊNCIAS DA MORTE. Romance. Caminho.

O Campo e a Palavra. [Editorial Caminho. Lisboa. 2005]. In-8.º gr. de 214-II págs. B.

Primeira edição de um dos romances de José Saramago, de temática sempre polémica, mas sempre de grande êxito editorial.

5558 — SARAMAGO (José).- JANGADA DE PEDRA. Romance. Caminho. O Campo e a

Palavra. [Lisboa. 1986]. In-8.º gr. de 330 págs. B.

Um cataclismo faz deslocar a Península Ibérica para as costas da América do Sul: eis o insólito tema deste aliciante romance do autor de «Memorial do Convento». Primeira edição

5559 — SARAMAGO (José).- LEVANTADO DO CHÃO. Romance. Editorial Caminho.

[Lisboa. 1980]. In-8.º gr. de 366-II págs. B.

“Tendo embora iniciado a sua carreira nas letras em 1947, com o livro Terra do Pecado, é em 1980, com o romance Levantado do Chão, história da vida de uma família camponesa do Alentejo desde

o início do século até à revolução de Abril e ao advento da reforma agrária, que José Saramago produz aquilo a que já se convencionou chamar o seu «primeiro grande romance», segundo se lê no «Dicio- nário Cronológico de Autores Portugueses». Primeira edição, muito invulgar.

5560 — SARAMAGO (José).- A MAIOR FLOR DO MUNDO. Caminho. [Lisboa. 2001].

In-4.º gr. de XXXII págs. inums. E.

Livro infantil em bela edição ilustrada a cores por João Caetano e impresso em papel de grande qualidade e gramagem. Encadernação editorial.

5561 — SARAMAGO (José).- MANUAL DE PINTURA E CALIGRAFIA. Ensaio de romance.

Moraes Editores. [Tipografia Lousanense. Lousã. 1976]. In-8.º gr. de 348-II págs. B.

“O problema deste livro é o problema da expressão: dizer, dizer quê, dizer a quem, dizer onde, dizer como. Ensaio de romance, como o classificou José Saramago (e, se ensaio), também reflexão, também aventura, também experimentação). O “Manual de Pintura e caligrafia” apresenta-se como utensílio ou fase de uma abolição dos géneros literários como tal. (Em termos muito mais simples, explicaria o autor,

é só a história de um pintor de retratos que decide escrever. E é ainda, por essa e outras razões ditas em seu tempo e lugar, um livro político). De facto, o homem não é um animal especializado nem especializável.” Da colecção «Círculo de Prosa». Primeira e muito invulgar edição.

5562 — SARAMAGO (José).- MEMORIAL DO CONVENTO. Romance. Editorial Caminho.

[Guide - Artes Gráficas. Lisboa. 1982]. In-8º gr. de 357-I págs. B.

Dicionário Cronológico de Autores Portugueses: “Fascinante relato da construção do convento de Mafra e do esforço dos homens que o construíram, Memorial do Convento trata também do sonho do «padre voador», Bartolomeu de Gusmão, e da construção da sua Passarola, que voará mercê das von- tades dos homens que Blimunda, a que vê através dos corpos e da terra, irá, pacientemente, aprisio- nando num frasco. Tudo isto é servido por um estilo que passará a constituir forte marca do autor ( )” Primeira edição do livro que definitivamente lançou o seu autor às alturas da discussão e da fama. Com dedicatória autógrafa do autor.

5563 — SARAMAGO (José).- A NOITE. Editorial Caminho. [Lisboa. 1979]. In-8.º de 115-V

págs. B.

“A noite de que neste livro se fala é a de 24 para 25 de Abril de 1974. Aqui se diz algum pouco do que aconteceu ou podia ter acontecido por trás das janelas iluminadas das redacções e das tipografias,

enquanto na rua o regime fascista principiava a cair. Entram jornalistas de alto e baixo, tipógrafos, o

director de uns, o administrador de todos. (

história sem mentira.” Peça de teatro integrada na colecção «O Campo da Palavra». Primeira edição.

)

Não será uma história verdadeira, mas é, com certeza, uma

[54]

5564 — SARAMAGO (José).- OBJECTO QUASE. Contos. Moraes Editores. [Lisboa. 1978].

In-8.º gr. de 139-III págs. B.

“Que livro é este? Objecto Quase é um livro in-temporal, ninguém tem nele bilhete de identidade:

a des-situação é praticada desde a primeira página, embora a novela de abertura conte uma história

que toda a gente conhece: “um dia salazar caiu duma cadeira

abstracção, se instalou, aqui, na dureza limpa do concreto.” Primeira edição integrada na colecção «Círculo de Prosa». Capa da brochura ilustrada a cores, com a reprodução de uma obra de Karel Appel.

Pensa o autor que, pela via duma certa

5565 — SARAMAGO (José).- AS OPINIÕES QUE O DL TEVE. Seara Nova. 1974. [Lisboa)].

In-8.º de 222-II págs. B.

“Esta compilação de alguns dos textos que ao longo de quase dois anos foram publicados no Diário de Lisboa (anonimamente os publiquei, pois representavam o que então se entendeu ser a opinião daquele jornal), poderia, em verdade, receber agora o título de regresso à procedência uma vez que por este modo se identifica publicamente o autor”. Dos «Cadernos Seara Nova» e de muito escasso aparecimento à venda.

5566 — SARAMAGO (José).- AS PEQUENAS MEMÓRIAS. Caminho. O Campo e a Palavra.

[Lisboa. 2006]. In-8.º gr. de 149-I págs. B.

Livro de memórias autobiográficas. Primeira edição.

5567 — SARAMAGO (José).- OS POEMAS POSSÍVEIS. Portugália Editora. Lisboa. [1966].

In-8.º de 188-IV págs. B.

Raro livro de poesia de José Saramago, o primeiro título constante da sua bibliografia, embora anterior- mente o autor já tivesse publicado o romance «Terra do Pecado». Integrado na colecção «Poetas de Hoje».

5568 — SARAMAGO (José).- PROVÀVELMENTE ALEGRIA. Livros Horizonte. [Lisboa.

S.d. - 1970]. In-8.º de 96-II págs. B.

Livro inaugural da colecção «Horizonte de Poesia» e um dos mais invulgares da bibliografia do con- sagrado autor de «Memorial do Convento».

5569 — SARAMAGO (José).- QUE FAREI COM ESTE LIVRO? Posfácio de Luiz Francisco

Rebello. Editorial Caminho. [Lisboa. 1980]. In-8.º de 167-I págs. B.

Peça de teatro cuja acção “decorre em Almeirim e Lisboa, entre Abril de 1570 e Março de 1572, ou, com menor rigor cronológico, mas maior exactidão factual, entre a chegada de Luís de Camões a Lisboa, vindo da Índia e Moçambique, e a publicação da primeira edição de «Os Lusíadas»”.

5570 — SARAMAGO (José).- O SABOR DA PALAVRA LIBERDADE. Barreiro. 25 Abril

1990. [Edição C. M. Barreiro. 1991]. In-8.º gr. quadrado de 20-IV págs. B.

“José Saramago no auditório da biblioteca municipal do barreiro” falando do sabor da palavra liber- dade. Edição cuidada e bastante invulgar.

5571 — SARAMAGO (José).- A SEGUNDA VIDA DE FRANCISCO DE ASSIS. Teatro.

Caminho. O Campo da Palavra. [Lisboa. 1987]. In-8.º de 132-II págs. B.

Peça de teatro integrada na colecção «O Campo da Palavra».

5572 — SARAMAGO (José).- TERRA DO PECADO. Romance. Editorial Minerva. Lisboa.

[S.d. - 1947]. In-8.º de 331-I págs. B.

Raríssima primeira edição do livro de estreia de José Saramago, autor dos mais lidos e significativos da literatura portuguesa contemporânea. Capa da brochura ilustrada a cores. (ver gravura na pág. 56)

[55]

portuguesa contemporânea. Capa da brochura ilustrada a cores. (ver gravura na pág. 56) [55] 5572 -

5572 - ver pág. 55

5573 — SARAMAGO (José).- TODOS OS NOMES. Romance. Caminho - O Campo da Palavra.

[Lisboa. 1997]. In-8.º gr. de 279-I págs. B.

Primeira edição de um dos originalíssimos romances de Saramago, o último que publicou antes de lhe ter sido atribuído o Prémio Nobel de Literatura.

5574 — SARAMAGO (José).- VIAGEM A PORTUGAL. Circulo de Leitores. [Lisboa. 1981].

In-fólio de 237-IIII págs. E.

Primeira edição de um dos mais belos e originais livros até hoje escritos sobre Portugal, livro que não se limita “às já fatigadas impressões sobre os lugares-comuns do turismo. Para isso tentou o autor

olhar o seu país como se o estivesse vendo pela primeira vez, sem aquela espécie de neblina

com incontáveis e admiráveis fotografias do autor, sendo as restantes de Asta e Luis Almeida d’Eça, Adriano Sequeira, etc. Encadernação editorial, com sobrecapa também estampada a cores.

) (

5575 — SARAMAGO (José) & VIEIRA (Siza).- CADA PALAVRA TUA É UM HOMEM DE

PÉ. Dois desenhos de Siza Vieira - Um texto de José Saramago para Che Guevara. Edição da Comissão Regional do Porto contra o bçoqueio e de solidariedade com o povo de Cuba. S.l.n.d. In-fólio de IV págs. e dois desenhos, conservado num portfólio editorial.

Sóbria e muito cuidada edição graficamente dirigida por Armando Alves, com os dois retratos de Che Guevara executados por Siza Vieira estampados em papel de grande qualidade e espessura. O texto de José Saramago ocupa a penúltima página, sendo a última branca. Tiragem limitada a 500 exmplares numerados. O portfólio, em cartolina branca, tem três atilhos em seda.

5576 — SARAOS POETICOS PORTUENSES, Publicados em beneficio do Asilo da mendici-

dade do Porto. Por J. A. de Freitas Junior. Porto. 1854. Typographia de J. A. de Freitas Junior. 4 opúsculos In-8.º em 1 vol. Desenc.

Com capa de brochura colectiva “contendo os 4 folhetos reunidos”, desta curiosa colecção completa, muito rara. Poesias de A. F. de Castilho, Augusto Luso, Soares de Passos, Silva Ferraz, Nogueira Lima, Ferreira Rangel e outros,

5577 — SARÇA ERÓTICA. Arte e Cultura. Porto. [Tipografia Modesta. S.d.]. In-8º gr. de 367-I

págs. B.

O autor desta antologia foi Pedro Veiga, Petrus de seu nome literário, que a ela assim se refere no

longo Prefácio: “Desta arte quisemos reunir em torno do Amor uma antologia estética que, em lugar de explorar o erótico pelo erótico e de dar ao desejo carnal uma expressão pornográfica e vulgar, encarnasse esta bela e vital manifestação humana em simbolismo, como outrora os gregos dele fizeram um maravilhoso mito”. Autores representados: António Nobre, Teixeira-Gomes, Raul Brandão, António Patrício, Manuel Laranjeira, Leonardo Coimbra, Mário de Sá-Carneiro, Fernando Pessoa, José Rodrigues Miguéis, Maria Archer e outros. Edição esmerada, impressa em bom papel.

5578 — SARDINHA (António).- CHUVA DA TARDE. Sonetos de amor. Lvmen. Coimbra.

1923. In-8.º de 120-IV págs. B.

É a edição original deste estimado livro de versos, cuja capa da brochura foi artisticamente impressa

a ouro. Com um carimbo no anterrosto.

5579 — SARDINHA (António).- ERA UMA VEZ UM MENINO

de Armando J. Tavares. Lisboa. [1926] In-8.º de 62-II págs. B.

Elegias escritas por Antonio Sardinha na morte de seu filho. Edição reduzida e cuidada, com a repro- dução de um retrato do filho do autor por Carlos Carneiro. Capa da brochura composta ao gosto do século XVIII. Pequena assinatura na capa da brochura.

Elegias. Livraria Universal

[57]

5580 — SARDINHA (António).- TRONCO REVERDECIDO. 1906-1908. 1910. Livraria

Classica Editora. Lisboa. In-8.º de 190-II págs. B.

Primeiro e muito raro livro de poesia de António Sardinha, aparecido sob o pseudónimo António de Monforte.

5581 — SARMIENTO (Martin).- ESTRADAS MILITARES ROMANAS DE BRAGA A

conservado na Bibliotheca da Real Academia de Historia

ASTORGA. Manuscripto do Padre

de Madrid e apresentado

por Christovam Ayres. Lisboa. 1901. In-4.º gr. de IV-33-I págs. B.

Restrita separata da «História e Memorias da Academia Real das Sciencias de Lisboa».

5582 — SASPORTES (José).- DAISY, Um Filme para Fernando Pessoa. Imagens de Jorge

Martins. [Edições Salamandra. Lisboa. 1986]. In-8.º gr. de 77-I págs. E.

Muito original produção inspirada na vida de Fernando Pessoa, numa bela edição ilustrada com dese- nhos de Jorge Martins e impressa em bom papel. Encadernação editorial.

5583 — SAUDAÇÃO AOS AVIADORES PORTUGUEZES em nome da Sociedade de Geo-

graphia de Lisboa. [Tip. Renascença. Rio. S.d.]. In-4.º peq. de 8 págs. inums. B.

Rara publicação com um texto em prosa de Guerra Junqueiro e outro em prosa e poesia de Ruy Chianca.

5584 — SCARRON II (J. R. M.).- LES LUSIADES TRAVESTIES. Parodie en vers burlesques,

grotesques et sérieux. Voyage maritime et pédestre du Grrrand Portugais Vasco de Gama, par J. R. M. Scarron II. Porto. J. R. Mesnier, éditeur. 1883. In-8.º de 256 págs. E.

Com quatro humorísticas gravuras alegóricas assinadas S. S., iniciais utilizadas por Sebastião Sanhudo. Desta curiosa paródia foi publicada apenas esta primeira parte. Muito invulgar espécie bibliográfica camoniana. Encadernação com lombada e cantos em pele, não contemporânea. Com as capas da brochura pre- servadas.

5585 — SEABRA (José Augusto).- O ANJO. Poema. Edições Nova Renascença. 1980. [Tipo-

grafia Camões. Póvoa de Varzim]. In-4.º gr. de 59-V págs. B.

Esmerada edição ilustrada com aguarelas a cores de Zita Magalhães. A tiragem do poema foi confina- da a 1000 exemplares, sendo este um dos 250 numerados e assinados pelo autor. Com dedicatória do autor para Laureano Barros.

5586 — SEABRA (José Augusto).- FERNANDO PESSOA OU O POETODRAMA. Editora

Perspectiva. [São Paulo. 1974]. In-8.º de XXI-I-209-V págs. B.

“«Poetodrama» vem a ser um neologismo criado por José Augusto Seabra por meio do qual o leitor penetra na real modernidade da obra de Fernando Pessoa. A montagem dos termos poeta e drama permite a sobreposição de duas entidades tradicionalmente consideradas de forma distinta. Com este encarte do poeta na essência do dramático chega-se à determinação de um sujeito poético, básico para a compreensão da natureza estética dos heterônimos em Pessoa, até então quase que só estudados através de falsas explicações de fundo psicológico, sociológico ou filosófico. A segura análise

estrutural realizada pelo ensaísta português faz recuar as fronteiras do poético desnudando as raízes de uma poesia multipessoal e plurisubjetiva. Com este trabalho o autor mereceu o entusiástico apoio de Roland Barthes cujas teses desenvolve e aplica de forma original.” Primeira edição, muito invulgar em Portugal.

Gilberto de Mello Kujawski: “(

)

Não hesitamos em reconhecer no livro do discípulo de Roland

Barthes o trabalho mais conpetente, penetrante e conclusivo sobre a personalidade e a obra do grande poeta dos heterónimos. ( )”

Expressiva dedicatória do autor a Alberto de Serpa.

[58]

5587 — SEABRA (José Augusto).- FERNANDO PESSOA OU O POETODRAMA. Imprensa

Nacional-Casa da Moeda. [Lisboa. 1988]. In-4.º de 281-VII págs. B.

Edição comemorativa do Centenário de Fernando Pessoa, integrada na colecção «Temas Portugueses».

5588 — SEABRA (José Augusto).- O HETEROTEXTO PESSOANO. Dinalivro. [Imprensa

Portuguesa. Porto. 1985]. In-8.º gr. de 220-IV págs. B.

“Pelos ensaios aqui enfeixados se poderá ver como, em termos arquitextuais, os vários tipos de discurso, géneros e modos de enunciação em que se desdobra a textualidade de Pessoa são neles convocados.”

5589 — SEABRA (José Augusto).- A VIDA TODA. Poemas. Porto. 1961. [Tipografia do Car-

valhido]. In-8.º de 111-I págs. B.

Primeiro e muito invulgar livro da significativa bibliografia de José Augusto Seabra, escritor e intelec- tual português multiplamente facetado.

5590 — SEABRA (Visconde de).- DUAS PALAVRAS SOBRE O CASAMENTO CIVIL, pelo

Redactor do Codigo Civil. Lisboa. Imprensa Nacional. 1866. In-8.º gr. de II-51-III págs. B.

Peça rara e fundamental sobre a polémica acerca do Casamento Civil.

5591 — SEARA NOVA. Antologia. Pela Reforma da República. 1921-1926. Organização, prefácio

e notas de Sottomayor Cardia. Seara Nova. 1971-1972. 2 vols. In-4.º peq. de 381-I e 430-II págs. B.

O importante prefácio de Sottomayor Cardia, «Para a Compreensão do Ideário do Primeiro Grupo Seareiro», desenvolve-se de páginas 13 a 84. Edição cuidada, impressa em bom papel.

5592 — SEARA NOVA. Textos e Contextos. Razão - Democracia - Europa. Casa Museu Abel

Salazar. [Porto. 1998]. In-4.º de 77-III págs. B.

Publicação com interesse para a história de uma das mais notáveis revistas de todos os tempos, com textos preliminares de Nuno Grande e António Ventura. Com fac-símiles de documentos, capas da revista ilustradas por grandes artistas da época, capas de livros, etc.

5593 — SÊCA (Luis Ribeira).- A SOMBRA DE AFRODITE. Poemas. Germinal. Porto. 1950.

In-4.º peq. de 66-VI págs. B.

Luís Ribeira Sêca, filho de Armando Côrtes Rodrigues, é pseudónimo de Luís Filipe Botelho de Gus- mão Cortes Rodrigues; pertenceu ao grupo literário «Germinal», onde colaborou com Vasco de Lima Couto, Egito Gonçalves, Alexandre Pinheiro Torres, Manuel Mengo e outros; deixou colaboração em vários periódicos do continente, dos Açores e do Brasil. Autografado pelo autor.

5594 — SEGURADO (Jorge).- PAINÉIS DE SÃO VICENTE E INFANTE SANTO. 1984.

[Editorial Notícias. Lisboa]. In-fólio de 159-I págs. E.

Achega de notável importância a juntar à enorme bibliografia da tão discutida e não terminada questão dos Painéis de S. Vicente, numa muito esmerada edição executada sobre papel de excelente qualidade e ilustrada com estampas a negro e a cores, nas páginas do texto e em folhas à parte. Encadernação original gravada a ouro, protegida por sobrecapa estampada a branco e vermelho.

5595 — SEIXAS (António José de).- A QUESTÃO COLONIAL PORTUGUEZA EM PRE-

SENÇA DAS CONDIÇOES DE EXISTENCIA DA METROPOLE. Lisboa. Typographia Uni- versal. 1881. In-8.º gr. de 166 págs. B.

“Nos ultimos annos teem sido muito discutidos na imprensa e no parlamento os assumptos coloniaes,

[59]

/

e como tenho seguido desde mais de trinta annos, com a minha limitada intelligencia, os mesmos

assmptos, resolvi-me a expor a minha humilde opinião ácerca d’elles. Foi, quando houveram acaloradas discussões sobre a denominada concessão Paiva de Andrade e os tratados da India e de Lourenço Marques e a creação de uma Provincia na Guiné portugueza, que tomei similhante resolução. ( )”

5596 — SEIXAS (Cruzeiro).- CRUZEI | RO SEIXAS EX |PÕE | De 15 a 24 de Janeiro — 957

n Av. | dos Restauradores de Angola n.º 24. | Desenhos — Goua | ches — Objectos | Lua | nda. S.l. Folha com 26,7 x 39 cm.

Folha impressa a duas cores sobre papel de embrulho, com o texto pssando de uma para a outra página como se de um só plano se tratasse. Intercalado com os dizeres acima transcritos vem um longo texto em prosa assinado no fim: Isadore Ducusse - Conde de Lautréamont “Chants de Maldoror”. Da edição constam quatro alfinetes alinhados em suporte de papel colado pela sua parte superior. Raríssima espécie a juntar às colecções dos. surrealistas portugueses. Com dedicatória assinada por Cruzeiro Seixas “Para a simpatia do Eugenio [de Andrade] ausente de Africas com a simpatia e a data de Africa do Cruzeiro Seixas”.

5597 — SEIXAS (J. M. da Cunha).- GALERIA DE SCIENCIAS CONTEMPORANEAS.

Livraria Internacional de Ernesto Chardron, Porto. 1879. In-4.º peq. de XV-I-365-III págs. B.

Ao longo de XLIV capítulos são estudadas as diversas correntes científicas e literárias da época. Invulgar. Capas da brochura reforçadas na sua face interna.

5598 — SEIXAS (Paulo Castro) & PROVIDÊNCIA (Paulo).- FIGURADO, UMA VISÃO DO

MUNDO. Câmara Municipal de Barcelos / Museu de Olaria. Exposição 28 de Novembro de

2002 a 30 de Dezembro de 2005. Barcelos. 2002, In-4.º quadrado de 75-V págs. B.

Cuidado catálogo ilustrado com reproduções a cores de curiosas peças populares em barro.

5599 — SEIXO (Maria Alzira).- LETRA DA TERRA. O Oiro do Dia. [Porto. 1983]. In-8.º

de 101-VII págs. B.

Livro de poesia em edição de grande pureza gráfica, com três desenhos de Ângelo de Sousa e integrado na colecção «Obscuro Domínio».

5600 — SELVAGEM (Carlos).- PAPAGAIO REAL. (Contos para crianças). Ilustrações de Mamia Roque Gameiro. Livraria Bertrand. Lisboa. S.d. In-8.º gr. de 66-II págs. E.

Ilustrações a negro e a cores, nas páginas do texto e em separado. Encadernação própria, com uma estampa a cores na pasta.

5601 — SEMA. Publicação Trimestral. Direcção e Propriedade: João Miguel Barros - Maria

José Freitas. [Lisboa. 1979-1982]. 4 números In-4.º gr. B.

É a colecção completa e bastante rara desta publicação trimestral de artes e letras, importante para

a história do movimento surrealista. Teve como colaboradores literários e artísticos, entre outros,

Al Berto, Alberto Carneiro, Almada Negreiros, Almeida Faria, Álvaro Lapa, Ana Hatherly, Angel Crespo, António Areal, António Barahona da Fonseca, António Luís Moita, António Maria Lisboa, António Osório, António Ramos Rosa, Carlos Eurico da Costa, Cruzeiro Seixas, Eduarda Chiote, Egito Gonçalves, Ernesto de Sousa, Eugénio de Andrade, Fernando Guimarães, Fernando Martinho, Helder Moura Pereira, João Miguel Fernandes Jorge, João Vieira, Jorge Listopad, Jorge de Sena, José- Augusto França, José Barrias, José Bento, José Luís Porfírio, Julião Sarmento, Júlio, Ledo Ivo, Luís Miguel Nava, Luís de Miranda Rocha, Maria Ondina Braga, Mário Cláudio, Mário Henrique Leiria, Miguel Esteves Cardoso, E. M. de Melo e Castro, Nuno Júdice, Paula Morão, Pedro de Andrade, Pedro Oom, Raul de Carvalho, Rocha de Sousa, Salete Tavares, Vasco e Vítor Silva Tavares.

(ver gravuras na pág. 61)

[60]

5601 - ver pág. 60 5602 — SEMEDO (Belchior Manuel Curvo).- COMPOSIÇÕES POETICAS offerecidas ao
5601 - ver pág. 60 5602 — SEMEDO (Belchior Manuel Curvo).- COMPOSIÇÕES POETICAS offerecidas ao
5601 - ver pág. 60 5602 — SEMEDO (Belchior Manuel Curvo).- COMPOSIÇÕES POETICAS offerecidas ao
5601 - ver pág. 60 5602 — SEMEDO (Belchior Manuel Curvo).- COMPOSIÇÕES POETICAS offerecidas ao

5601 - ver pág. 60

5602 — SEMEDO (Belchior Manuel Curvo).- COMPOSIÇÕES POETICAS offerecidas ao

Serenissimo Senhor Dom Joaõ Principe Regente de Portugal, por B. M. C. S. Socio da Acade- mia Tubuciana, entre os Arcades Belmiro Transtagano. Lisboa, Na Regia Officina Typografica [Impressão Régia e Tip. de Luiz Maigre Restier Junior]. M.DCCCIII-1835. 4 vols. In-8.º peq. E.

é tido pelos nossos criticos mais imparciaes como um dos melhores

do presente seculo (

D. João gravado em chapa de cobre. São bastante raros os vols. III e IV, publicados muitos anos depois dos primeiros. Encadernações da época, com as lombadas em pele, com defeitos.

Inocêncio diz que “este poeta (

O primeiro volume vem adornado com um retrato do Principe Regente

)

)”.

5603 — SEMEDO (Belchior Manuel Curvo).- TRADUCÇAO LIVRE DAS MELHORES

entre os Arcades

Belmiro Transtagano. Lisboa: Na Impressão Regia. Anno 1820. In-8.º de 221-I págs. E.

Primeira e rara edição da obra, “que haveria de merecer algumas reedições”, como diz Joaquim Correia, que diz também que o autor “distinguio-se na Nova Arcádia como um dos seus fundadores e um dos seus poetas mais dotados”. Inocêncio escreve que “Este poeta, alumno muito distincto da eschola franceza, é tido pelos nossos criticos mais imparciaes como um dos melhores do presente seculo.” Encadernação inteira em pele, da época, mas com todas as folhas soltas da pasta.

FABULAS DE LA FONTAINE por Belchior Manoel Curvo Semmedo

5604 — SEMEDO (João Curvo).- POLYANTHEA // MEDICINAL. // NOTICIAS // GALE-

NICAS, E CHYMICAS, // Repartidas em tres Tratados, // DEDICADAS // ÁS SAUDOSAS MEMORIAS, E VENERADAS CINZAS // DO EMINENTISSIMO SENHOR // CARDEAL DE SOUSA, // ARCEBISPO DE LISBOA, CAPELLAM MOR DO // Serenissimo Senhor Rey Dom Pedro II. & seu Conselheyro de Estado: // POR MAONS DO EXCELLENTISSIMO SE-

NHOR // D. PEDRO ANTONIO DE NORONHA, // MARQUEZ, E SENHOR DE ANGE-

JA, BEMPOSTA, PINHEYRO, E // SUAS DEPENDENCIAS

// POR // JOAÕ CURVO

SEMMEDO, //

ANTONIO PEDROZO GALRAM. //

// Terceyra vez impressas, & augmentadas. // LISBOA, // Na Officina de

//

// M.DCC.XVI. In-fólio de LX-879-I-32-IV págs. E.

Frontispício impresso em linhas alternadas a negro e vermelho. Com os retratos de Curvo Semedo, do Cardeal de Sousa e as suas armas cardinalícias, tudo em gravuras abertas a buril em chapa de cobre. É a mais importante edição das várias existentes, por ter sido a última revista pelo autor. Com picos de traça marginais. Encadernação irrecuperável.

5605 — SEMEDO (João Curvo).- POLYANTHEA // MEDICINAL. // NOTICIAS // GALE-

NICAS, E CHYMICAS, // Repartidas em tres Tratados, // DEDICADAS // ÁS SAUDOSAS MEMORIAS, E VENERADAS CINZAS // DO EMINENTISSIMO SENHOR // CARDEAL

// QUINTA VEZ IMPRESSA POR SEU FI-

LHO // O R. IGNACIO CURVO SEMMEDO. // LISBOA OCCIDENTAL, // Na Officina dos Herdeiros de ANTONIO PEDROZO GALRAM. // M.DCC.XLI. In-fólio de LX-879-I-32-12-

-31-I-II págs. E.

Frontispício impresso a negro e vermelho. Retratos de João Curvo Semedo, do Cardeal de Sousa e brasão de armas com as suas armas cardinalícias, tudo gravado a buril em chapa de cobre. Com cartas dos médicos Francisco da Fonseca Henriques e António Teixeira, um extenso poema em latim por D. Rafael Bluteau, etc. Obra famosa da bibliografia médica portuguesa. Com defeitos de humidade na margem de algumas das primeiras folhas e alguns cortes de traça margi- nais, alguns dos quais com ligeira ofensa do texto. Encdernação da época, muito danificada.

DE SOUSA, // ARCEBISPO DE LISBOA

//

5606 — SENA (Jorge de).- OS AMANTES. S.l. [12/9/60]. 9 folhas Dactilografadas A4. B.

Texto erótico, em prosa, dactilografado (policopiado?) sobre uma página de cada folha. Com uma valiosa dedicatória manuscrita pelo autor, “Ao Eugénio, [de Andrade] com as saudades do Jorge estas últimas “Andanças” que não foi possível encluir. Maio 1961”.

[62]

5607 — SENA (Jorge de).- AMPARO DE MÃE e mais 5 peças em 1 acto. Plátano Editora.

[Lisboa. 1974]. In-8.º de 166-II págs. B

Carlos Porto, director da colecção «Teatro Vivo», onde esta obra aparece publicada pela primeira vez: “Se a frase não estivesse transformada num inofensivo lugar-comum, diria que este livro de Jorge de Sena vai constituir uma revelação. Autor de uma peça em verso — «O Indesejado» —, que quase ninguém conhece, e que constitui uma das mais originais tentativas no levantamento de uma visão dramática da nossa história, Jorge de Sena vai surpreender os seus leitores pela força teatral e pela virulência crítica, tanto no que se refere ao tratamento dos seus temas como ao desenho das suas personagens, que estes textos encerram. ( )”

5608 — SENA (Jorge de).- ANDANÇAS DO DEMÓNIO. Histórias verídicas e fantásticas

e outras ficções realistas, antecedidas por um elucidativo prefácio. Estúdios Cor. Lisboa. [1960]. In-8.º de 228-X págs. B.

Primeira edição de uma das mais importantes obras em prosa do autor. Capa da brochura ilustrada por Luís Filipe.

5609 — SENA (Jorge de).- ANTIGAS E NOVAS ANDANÇAS DO DEMÓNIO. Edições 70.

[Lisboa. ]. In-8.º gr. de 275-III págs. B.

Reedição dos livros «Andanças do Demónio» e «Novas Andanças do Demónio», com os prefácios respectivos e mais a «Nota Introdutória» que para esta edição foi especialmente escrita pelo autor.

5610 — SENA (Jorge de).- ARTE DE MÚSICA. Trinta e duas metamorfoses musicais e um

prelúdio, seguidos de um «pot-pourri». Moraes Editores. Lisboa. 1968. In-8.º gr. de 102-VI págs. B.

se todas as artes me são necessárias à vida como o ar que respiro, a música ocupou sempre,

entre elas, e em relação a mim, um lugar especial”. Primeira edição, integrada na colecção «Círculo de Poesia».

“(

)

5611 — SENA (Jorge de).- ASPECTOS DO PENSAMENTO DE CAMÕES ATRAVÉS DA

ESTRUTURA LINGUÍSTICA DE «OS LUSÍADAS». Lisboa. 1973. In-4.º de 20-IV págs. B.

Separata das «Actas da I Reunião Internacional de Camonistas», edição da Comissão Executiva do IV Centenário da Publicação de «Os Lusíadas».

5612 — SENA (Jorge de).- CAMÕES: novas observações da sua epopeia e do seu pensamento.

Novembro de 1972. Lisboa. In-4.º de 24 págs. B.

Estudo camoniano publicado em provável restrita separata da revista «Ocidente».

5613 — SENA (Jorge de).- CAMÕES DIRIGE-SE AOS SEUS CONTEMPORÂNEOS E

OUTROS TEXTOS. Desenhos de José Rodrigues. [Editorial Inova/Porto. Inova-Artes Gráficas. 1973]. In-fólio de 36-VIII págs. B.

Obra publicada na muito bela «Colecção Indícios de Oiro», em papel Daumier de 200 gramas, com dois desenhos de José Rodrigues assinados à mão, em reduzida tiragem constante de 310 exemplares numerados, assinados por Jorge de Sena e Armando Alves, artista que dirigiu graficamente esta obra destinada a bibliófilos, com a marca do bom gosto que Cruz Santos imprime em todas as suas edições.

5614 — SENA (Jorge de).- CONHEÇO O SAL

Lisboa / 1974. In-8.º gr. de 90-II págs. B.

Primeira edição, integrada na colecção «Círculo de Poesia».

E OUTROS POEMAS. Moraes Editores.

[63]

5615 — SENA (Jorge de).- COROA DA TERRA. Poemas. Lello & Irmão - Porto. 1946. In-4.º

de 94 págs. B.

Dos primeiros e menos vulgares trabalhos poéticos do autor. Dedicatória do autor para Laureano Barros. Primeiras folhas com manchas de acidez.

5616 — SENA (Jorge de).- DA POESIA PORTUGUESA. Edições Ática. Lisboa. [1959]. In-8.º

de 242-VI págs. B.

“Sá de Miranda, Camões, Pascoaes, Florbela, Pessoa e alguns mais, além de um estudo sobre poesia

e outro sobre modernismo, e de uma nota introdutória.” Livro invulgar, aparecido na colecção «Ensaio». Primeira edição.

5617 — SENA (Jorge de).- DEDICÁCIAS. Poemas e desenhos inéditos. [Três Sinais, editores.

Lisboa. 1999. Impresso na Gráfica de Coimbra]. In-fólio de 70-X págs. E.

Da «Nota Prévia de Mécia de Sena»: “Numa tradição que tem fundas raízes na Literatura portuguesa, Jorge de Sena foi acumulando, desde 1956, poemas de carácter sarcástico destinados a uma publi-

cação que se intitularia Bestiário. Em 1968, o título fora alterado e era anunciado como Fantasias e Dedicácias, em Arte de Música. Com o título de Dedicácias, apenas, circulou alguns poemas em cartas

amigos e o passou a designar. Eu sei que a leitura destes poemas (que não são ainda a totalidade) fará a alegria de muita gente

que não conheceu ou conheceu mal o Jorge de Sena, mas muito enfaticamente lhe declara o mau génio

e os rompantes, porque, ao que parece, tal lhes alivia as suas próprias frustrações.

estes poemas são produto de profundo desgosto, porque alguém não esteve à medida

da altura que devia; ou de ressentimento, por alguma maldade ou injustiça recebidas — e foram mui- tissimas e de toda a ordem. “Decidi que não desvendaria o nome das pessoas que os poemas não mencionam. Aqueles que

viveram esses tempos sabem muito bem quem o maltratou e como e onde; os outros

nos jornais, nas revistas, nas cartas, nas publicações que organizou

“E no entanto

a

“(

)

que busquem

está lá tudo e fácil de deduzir.”

Edição luxuosa, de grande apuro gráfico, impressa a duas cores sobre bom papel. Tiragem limitada

a 2100 exemplares numerados e assinados. Encadernação editorial.

5618 — SENA (Jorge de).- DIALÉCTICAS APLICADAS DA LITERATURA. Edições 70. [Lisboa. 1978]. In-8.º gr. de 517-III págs. B.

Primeira edição colectiva de oito estudos dispersos e um inédito, referentes a obras de Bernardim Ribeiro, António Gedeão, Mauriac, Helder Macedo, Eugénio de Andrade, Alexandre Pinheiro Torres, Camões e Ruben Darío. Volume integrado nas «Obras de Jorge de Sena».

5619 — SENA (Jorge de).- DIALÉCTICAS DA LITERATURA. Colecção Signos. [Edições 70.

1973]. In-8.º gr. de 209-IX págs. B.

Colectânea de escritos éditos e inéditos: «Ensaios de uma tipologia literária. Apêndice - Ensaio tipo- lógico de um soneto de Camões»; «Sistemas e correntes críticas»; «Sobre a dualidade fundamental dos períodos literários»; «Sobre o perspectivismo histórico-literário»; «Sobre a ideia da decadência nas artes e nas letras»; «Sobre a existência de valores literários e a sobrevivência da literatura»; «Nota Bibliográfica».

5620 — SENA (Jorge de).- EDITH SITWELL E T. S. ELIOT. Lisboa. 1965. [Gráfica Imperial,

Lda]. In-8.º gr. de 13-III págs. B.

Rara separata da revista «O Tempo e o Modo».

5621 — SENA (Jorge de).- AS EMENDAS DA EDIÇÃO DE 1598 DAS “RIMAS” DE CA-

MÕES. 1965. [S.l.] In-4.º de XIV págs. nums. I-13 a 26. B.

Trabalho publicado em reduzida separata da «Revista Camoniana» do Instituto de Estudos Portugueses da Universidade de São Paulo.

[64]

5622 — SENA (Jorge de).- A ESTRUTURA DE OS LUSÍADAS (II). [Rio de Janeiro. 1964].

In-4.º de 63 a 83-I págs. B.

Separata da «Revista do Livro» do Ministério da Educação e Cultura do Rio de Janeiro.

5623 — SENA (Jorge de).- A ESTRUTURA DE “OS LUSÍADAS” E OUTROS ESTUDOS

CAMONIANOS E DE POESIA PENINSULAR DO SÉCULO XVI. Portugália Editora. [Lis- boa. 1970]. In-8.º de VIII-VI-VI-337-III págs. B.

Segundo palavras do autor “O nosso estudo é um guia de leitura, para entender-se em suas proporções

o edifício, construção estética de extraordinário rigor, destinada ela mesma a significar. E afinal era, em grande parte, esse entendimento «estrutural» o que faltava para compreensão global da epopeia”.

5624 — SENA (Jorge de).- ESTUDOS DE HISTÓRIA E DE CULTURA. (1ª Série). Volume I.

Edição da Revista Ocidente - Lisboa, 1963. In-4.º de 621-III págs. B.

Colectânea de estudos respeitantes a D. Afonso Henriques, D. Filipa de Lencastre, Painéis de Nuno Gonçalves, Inês de Castro, Fernão Lopes, Camões, D. Pedro I, D. Sebastião, etc. Primeiro e único volume publicado. Muito invulgar.

5625 — SENA (Jorge de).- ESTUDOS SOBRE O VOCABULÁRIO DE «OS LUSÍADAS».

Com notas sobre o Humanismo e o Exoterismo de Camões. Edições 70. [Lisboa. 1982]. In-8.º gr. de 428-XII págs. B.

Obra das mais importantes do autor e das mais notáveis também da bibliografia camoniana, prepara-

rada e antecedida de um Prefácio escrito por Luís Francisco Rebelo. Edição dada a lume na criteriosa

e cuidada colecção das «Obras de Jorge de Sena».

5626 — SENA (Jorge de).- AS EVIDÊNCIAS. Poema em vinte e um sonetos. Centro Bibliográ- fico. Lisboa. 1955. In-8.º de 44-II págs. B.

Volume publicado na importante colecção «Cancioneiro Geral». De limitada tiragem.

5627 — SENA (Jorge de).- EXORCISMOS. Moraes Editores. Lisboa. 1972. In-8.º gr. de 126-

VIII págs. B.

Em todos os tempos, a poesia não recuou em chamar as coisas pelos seus nomes, a não ser lá

e onde, à semelhança do dito evangélico, os poetas exploram com uma das mãos as saias de Elvira enquanto com a outra escrevem do amor celeste, sem que uma das mãos saiba poèticamente o que a outra faz. O que, por sua vez, e como tudo o resto, é o preço que se paga de tanta gente, em séculos, ser descendente de familiares do Santo Ofício, ou de cristãos-novos que venderam a família à fogueira. Mas isto não é nem prefácio nem resposta a coisas que falam por si mesmas. ( )” Primeira edição, integrada na colecção «Círculo de Poesia».

“(

)

5628 — SENA (Jorge de).- FERNANDO PESSOA & Cª HETERÓNIMA. (Estudos coligidos

1940-1978). Edições 70. [Lousã. 1982]. 2 vols. In-8.º gr. de 259-VII e 240-VIII págs. B.

Colectânea dos numerosos e notáveis escritos que o autor consagrou a Fernando Pessoa, incluída nas «Obras de Jorge de Sena».

5629 — SENA (Jorge de).- FIDELIDADE. Poemas. Livraria Moraes Editores. Lisboa. 1958.

In-8.º gr. de 80-IV págs. B.

Primeira edição deste livro de poemas, integrado na colecção «Circulo de Poesia», de que se tiraram apenas 1100 exemplares. Capa da brochura e arranjo gráfico de José Escada.

[65]

5630 — SENA (Jorge de).- O FÍSICO PRODIGIOSO. Edições 70. 1977. [Lisboa]. In-8.º gr.

de 135-V págs. B.

Primeira edição independente, antecedida de uma “Pequena Nota Introdutória a uma Reedição Isolada”, também da pena de Jorge de Sena, texto que anteriormente havia sido publicado no livro «Novas Andanças do Demónio».

5631 — SENA (Jorge de).- FLORBELA ESPANCA OU A EXPRESSÃO DO FEMININO NA

POESIA PORTUGUESA. Porto - 1947. In-8.º de 48 págs. B.

Texto de uma excelente conferência, seguido de uma breve antologia de poesias de Florbela. Dedicatória de Jorge de Sena para Laureano Barros.

5632 — SENA (Jorge de).- GENESIS. (Contos). Edições 70. [Lousã. 1983]. In-8.º gr. de 44-II

págs. B.

Da «Breve Nota de Introdução», de Mécia de Sena: “Publicam-se aqui os dois primeiros contos:

Paraíso Perdido e Caim — as primícias de um jovem entre os 17 e os 18 anos «Obras de Jorge de Sena».

” Edição integrada nas

5633 — SENA (Jorge de).- OS GRÃO-CAPITÃES. Uma sequência de contos. Edições 70.

1976. [Lisboa]. In-8.º gr. de 241-XIII págs. B.

“Escrevi estes contos, em 1961-62, na atmosfera de um Brasil livre, aonde me exilara em 1959;

e escrevi-os sem pôr peias de nenhuma espécie a toda a amargura da vida que, em Portugal, a mim, como a todos, havia sido dada”. Primeira edição.

5634 — SENA (Jorge de).- O INDESEJADO. (António Rei). Tragédia em quatro actos, em

verso. 1949. [Porto]. In-8.º gr. de 149-III págs. B.

Primeira edição, publicada pelos «Cadernos das Nove Musas», de que se imprimiram apenas 500 exemplares. Segundo palavras do autor 25 anos após a publicação da edição original e então pela primeira vez

reeditada: “A peça tem sido referida nestes últimos vinte anos, pela crítica, como importante no teatro português deste século, e tem havido quem sobre ela escrevesse inteligentes e generosas palavras. Mas, em mais de vinte anos, se se considerar que a tão meritória PORTVCALE tinha reduzida distri- buição [onde foi pela primeira vez publicada em vários números da revista], e que a 1.ª edição da peça

foi de quinhentos exemplares, muito pouca gente a terá lido. Esta reedição [a segunda] (

), constitui

finalmente a oportunidade que coloca a peça ao alcance dos interessados em literatura portuguesa

em geral, e em teatro português em particular, após tantos anos de uma existência algo mitológica.”

O exemplar apresenta dedicatória de Jorge de sena para Laureano Barros.

5635 — SENA (Jorge de).- ÍNDICES DA POESIA DE JORGE DE SENA. Por primeiros

versos. Por Títulos, Por data, De nomes citados. Organização de Mécia de Sena. Cotovia. [Cotovia, Lda. Lisboa. 1990]. In-8.º de 201-VII págs. B.

Edição muito cuidada, de que se imprimiram apenas 500 exemplares.

5636 — SENA (Jorge de).- A LITERATURA INGLESA. Ensaio de Interpretação e de História.

Editôra Cultrix. São Paulo. 1963 In-8.º gr. de 469-III págs. B.

Primeira edição desta obra marcante da bibliografia de Jorge de Sena, impressa no Brasil e só muito mais tarde editada em Portugal.

5637 — SENA (Jorge de).- MANEIRISMO E BARROQUISMO NA POESIA PORTUGUÊSA

DOS SÉCULOS XVI E XVII. [S.l.n.d.] In-4.º peq. de XXVI págs. nums. 29 a 53-I. B.

Separata factícia de publicação não identificada.

[66]

5638 — SENA (Jorge de).- MAQUIAVEL E OUTROS ESTUDOS. Livraria Paisagem. [1974].

In-8.º de 217-VI págs. B.

“Este livro colige alguns estudos, prefácios e artigos publicados entre 1958 e 1968

”.

5639 — SENA (Jorge de).- METAMORFOSES, seguidas de quatro sonetos a Afrodite Anadiómena

e com um posfácio e notas do autor. Circulo de Poesia. Lisboa. 1963. In-8.º gr. de 143-V págs. B.

Edição original deste excelente livro de poesia de Jorge de Sena, livro que obteve vários votos para o Grande Prémio de Poesia de 1964 da Sociedade Portuguesa de Escritores. Com dois desenhos de Jorge Vieira e outras ilustrações em folhas à parte.

5640 — SENA (Jorge de).- NOVAS ANDANÇAS DO DEMÓNIO. Contos. Portugália Editora. [Ofi-

cinas Gráficas da Empresa do Jornal do Comércio, S.A.R.L. Lisboa. 1966]. In-8.º de 241-IX págs. B.

“Os diversos episódios que compõem esta obra, pela diversidade e riqueza das suas fontes temáticas — quer de carácter histórico ou tradicional — sucedem-se e entrelaçam-se em ritmo alucinatório, em associação imprevista, e ficarão a atestar uma das vozes mais densas e originais da nossa literatura contemporânea”. Primeira edição.

5641 — SENA (Jorge de).- 90 E MAIS QUATRO POEMAS. Constantino Cavafy. Tradução,

prefácio, comentários e notas de Jorge de Sena. Editorial Inova Limitada [Porto. S.d.]. In-8.º de 252-VI págs. B.

Excelente edição de poesias de Cavafy, poeta grego nascido em 1863, “(

época pretérita em que no entanto estão as raízes do Modernismo que sacudiria as primeiras décadas

de 900. Mas é nos trinta e três anos que viveu dentro do século XX, que a sua poesia se personaliza

extraordinàriamente, e que ele se torna uma das mais originais figuras da poesia moderna. ( me dado a lume na bela colecção «As Mãos e os Frutos».

)” Volu-

sobrevivente de uma

)

5642 — SENA (Jorge de).- OBSERVAÇÕES SOBRE “AS MÃOS E OS FRUTOS” DE EUGÉ-

NIO DE ANDRADE. Editorial Inova. Porto. S.d. In-8.º de 59-V págs. B.

Reduzida separata de «21 Ensaios sobre Eugénio de Andrade».

5643 — SENA (Jorge de).- 80 POEMAS DE EMILY DICKINSON. (Tradução e apresentação).

Edição bilingue. Edições 70. [Lisboa. 1979]. In-8.º gr. de 211-I págs. B.

«Nota Preliminar» de Mécia de Sena. Com um estudo de Jorge de Sena sobre a poetisa americana traduzida, nascida em 1830 e morta aos 56 anos de idade, estudo que abrange as págs. 13 a 36.

5644 — SENA (Jorge de).- OS PAINEIS DITOS DE “NUNO GONÇALVES”. São Paulo.

1963. In-4.º de I-334 a 358 págs. B.

Com duas estampas em separado, uma das quais desdobrável e outra a cores. Rara separata da «Re- vista de História», do Brasil.

5645 — SENA (Jorge de).- PEDRA FILOSOFAL. Poemas. Editorial Confluência Limitada.

Lisboa. [1950]. In-8.º de 96-IV págs. B.

Estimado livro de poemas, numa edição confinada a poucas centenas de exemplares. Primeira edição. Valorizado com dedicatória de Jorge de Sena para Laureano Barros. (ver gravura na pág. 68)

5646 — SENA (Jorge de).- PEREGRINATIO AD LOCA INFECTA. Portugália Editora. Lisboa.

[1969]. In-8.º de XV-191-XIII págs. B.

É de João Gaspar Simões o seguinte comentário acerca desta obra: “Título eminentemente erudito, como erudito é tudo neste homem que escreve versos com a mesma soberba majestade intelectual

[67]

/

versos com a mesma soberba majestade intelectual [67] / 5645 - ver pág. 67 5659 -

5645 - ver pág. 67

versos com a mesma soberba majestade intelectual [67] / 5645 - ver pág. 67 5659 -

5659 - ver pág. 70

versos com a mesma soberba majestade intelectual [67] / 5645 - ver pág. 67 5659 -

5662 - ver pág. 70

com que Gothe escrevia os seus dele, é ainda nessa erudição latente em cada verso seu que melhor se evidencia a sua qualidade de ser pensante, não de ser vivente, deste herdeiro de tudo quanto de grande foi pensado entre nós em matéria lírica.” Colectânea de Poesia da década de 60, integrada na excelente colecção «Poetas de Hoje».

5647 — SENA (Jorge de).- PERSEGUIÇÃO. Poemas. Edições Cadernos de Poesia. Lisboa.

1942. In-4.º de 84-II págs. B.

Livro de poemas de limitada tiragem, o primeiro da extensa e importante bibliografia de Jorge de Sena. Enriquecido com dedicatória do punho do autor.

5648 — SENA (Jorge de).- POESIA - I [II e III]. Edições 70. Lisboa. 1988-1989. 3 vols. In-8.º gr. B.

Edição colectiva dos livros de poesia que Jorge de Sena publicara anteriormente, pela primeira vez dada a lume na colecção «Círculo de Poesia». Com prefácios especialmente escritos para cada um dos volumes.

5649 — SENA (Jorge de).- A POESIA DE CAMÕES. Ensaio de revelação dialéctica camoneana.

«Cadernos de Poesia». Lisboa. Junho 1951. In-8.º gr. de XXXII págs. B.

Muito rara separata do fascículo n.º 7, segunda série, dos «Cadernos de Poesia», separata que não foi posta à venda. Dedicatória autógrafa de Jorge de Sena para Laureano Barros.

5650 — SENA (Jorge de).- A POESIA DE TEIXEIRA DE PASCOAES. Estudo Prefacial,

Selecção e Notas de Jorge de Sena. Brasília editora. [Porto. 1982]. In-8.º de 190-VI págs. B.

Revisão e nota inicial de Mécia de Sena.

5651

— SENA (Jorge de).- POESIA DE 26 SÉCULOS. Antologia, tradução, prefácio e notas

de

1º volume / de Arquíloco a Calderón. [2º volume: De Bashô a Nietzche]. Editorial Inova

Limitada. [Porto. 1971-1972]. 2 vols. In-8º de 246-XXVI e 168-XXXIV págs. B.

Muito estimada antologia poética, ilustrada com retratos em separado e integrada na colecção «As Mãos e os Frutos», de grande esmero e bom gosto.

5652 — SENA (Jorge de).- POESIA DO SECULO XX. (De Thomas Hardy a C. V. Cattaneo).

Antologia, tradução e notas de

Editorial Inova / Porto. [1978]. In-8.º de 560-XXXII págs. B.

Notável trabalho de recolha e tradução de poesias de 110 poetas, os mais representativos da litera- tura universal do nosso século, numa das belas edições a que nos habitou a prestigiosa Editorial Inova, credora do reconhecimento de quantos se dedicam às letras em Portugal, não só pela referida qualidade das suas edições, como pelo critério de selecção que a elas invariavelmente preside. Com numerosos retratos. Primeira edição, integrada na colecção «As Mãos e os Frutos».

5653 — SENA (Jorge de).- «POESIE PORTUGAISE HIER ET AUJOURD’HUI». Fundação

Calouste Gulbenkian. Paris. 1974. In-4.º de II-563 a 568 págs. B.

Separata de «Arquivos do Centro Cultural Português».

5654 — SENA (Jorge de).- “O POETA É UM FINGIDOR”. Pessoa, Sá-Carneiro, Rimbaud,

António Machado, G. M. Hopkins, T. S. Eliot, Manuel Bandeira, Manuel Laranjeira, além de um estudo sobre poesia e de uma nota introdutória. Edições Ática. Lisboa. [1961]. In-8.º de 153-V págs. B.

“Nesta minha segunda colectânea, agrupam-se um longo ensaio, uma conferência e sete artigos. O ensaio é ainda inédito em letra impressa; a conferência não o é; os artigos foram escritos e publica- dos em jornais de Portugal e do Brasil, entre 1953 e 1960.” Invulgar colectânea de estudos publicados na colecção «Ensaio».

[69]

5655 — SENA (Jorge de).- 40 ANOS DE SERVIDÃO. Moraes Editores. Lisboa. 1979. In-8.º

de 233-XIV págs. B.

Antologia poética publicada postumamente, com um Prefácio quanto possível assinado por Mécia de Sena. Integrada no «Círculo de Poesia» da Moraes Editora. Priomeira edição.

5656 — SENA (Jorge de).- RÉGIO, CASAIS, A “PRESENÇA” E OUTROS AFINS. Brasília

Editora. 1977. [Póvoa de Varzim]. In-8.º de 267-VII págs. B.

Obra importante, integrada nas comemorações do cinquentenário da «Presença».

5657 — SENA (Jorge de).- O REINO DA ESTUPIDEZ. Moraes editores. [Lisboa. 1961

e 1978]. 2 vols. In-8.º de 183-IX e 199-I págs. B.

Primeira edição dos dois volumes desta importante recolha de textos anteriormente publicados por Jorge de Sena, separados entre si por dezassete longos anos, sendo o primeiro de menor formato.

5658 — SENA (Jorge de).- RESENHAS. 1961. S.l. In-4.º de 15-I págs. B.

Resenhas bibliográficas em português de obras de autores estrangeiros, da autoria de Jorge de Sena, publicadas em restrita separata da Revista de Letras «Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Assis».

5659 — SENA (Jorge de).- O SANGUE DE ÁTIS. [Lisboa. 1965]. In-8.º gr. de 88 págs. B.

Importante trabalho baseado na Poesia de François Mauriac. Rara separata da revita «O Tempo e o Modo». (ver gravura na pág. 68)

5660 — SENA (Jorge de).- SEQUÊNCIAS. Moraes Editores. [Lisboa. 1980]. In-8.º gr. de 119-

-XI págs. B.

Livro de poesia inédito, publicado postumamente. “Nota Prévia” assinada por Mécia de Sena. Integrado na prestigiada colecção «Círculo de Poesia».

5661 — SENA (Jorge de).- SINAIS DE FOGO. Romance. Edição organizada por Arnaldo

Saraiva. Edições 70. [Lousã. 1979]. In-8.º gr. de 526-II págs. B.

Primeira edição, póstuma, de uma das mais assinaláveis obras em prosa do autor, antecedida de um texto de Arnaldo Saraiva: «História de um Romance (im)perfeito». Integrada nas «Obras de Jorge de Sena».

5662 — SENA (Jorge de).- SISTEMAS E CORRENTES CRÍTICAS. Lisboa. 1966. In-4.º

de 38 págs. B.

Trabalho aparecido em reduzida separata da revista «O Tempo e o Modo». (ver gravura na pág. 68)

5663 — SENA (Jorge de).- SOBRE CINEMA. Organização e Introdução de MÉCIA DE SENA

e Co-organização e notas de M. S. Fonseca. Cinemateca Portuguesa. 1988. [Lisboa]. In-8.º gr. de 191-I págs. B.

este livro reúne todos os textos que Jorge de Sena escreveu sobre cinema. Na sua maioria, esses

textos (15 mais precisamente) foram escritos para serem lidos como comentários precedendo a projec- ção de filmes nas «terças-feiras» clássicas organizadas pelo Jardim Universitário de Belas Artes. (

“(

)

5664 — SENA (Jorge de).- SOBRE O REALISMO DE SHAKESPEARE. Lisboa. 1964. In-8.º

gr. de 30-II págs. B.

Trabalho publicado em muito reduzida separata da revista «O Tempo e o Modo».

[70]

5665 — SENA (Jorge de).- OS SONETOS DE CAMÕES E O SONETO QUINHENTISTA

PENINSULAR. Portugália Editora. [Barcelos. 1969]. In-8.º de XIV-249-IV págs. B.

“As questões de autoria, nas edições da obra lírica até às de Álvares da Cunha e de Faria e Sousa, revistas à luz de um inquérito estrutural à forma externa e da evolução do soneto quinhentista ibé- rico, com apêndices sobre as redondilhas em 1595-98, e sobre as emendas introduzidas pela edição de 1598”.

5666 — SENA (Jorge de).- TRINTA ANOS DE CAMÕES. 1948-1978. (Estudos camonianos

e correlativos). Edições 70. [Lousã. 1980]. 2 vols. In-8.º gr. de 357-I e 278-II págs. B.

Primeira edição colectiva dos trabalhos que o autor consagrou ao estudo da Obra de Camões, integrada nas «Obras de Jorge de Sena». Com uma “Nota Prévia” de Mécia de Sena.

5667 — SENA (Jorge de).- TRINTA ANOS DE POESIA. Editorial Inova SARL. [1972]. In-8.º

de 228-XVI págs. B.

“Esta antologia é formada por poemas extraídos das dez colectâneas que publiquei de 1942 a 1972.”. Publicação invulgar, integrada na colecção «Coroa da Terra».

5668 — SENA (Jorge de).- UMA CANÇÃO DE CAMÕES. Interpretação estrutural de uma

tripla canção camoniana, precedida de um estudo geral sobre a canção petrarquista peninsular, e sobre as canções e as odes de Camões, envolvendo a questão das apócrifas. Portugália Editora. [Lisboa. 1966]. In-8.º de XII-562-II págs. B.

5669 — SENA (Jorge de).- VISÃO PERPÉTUA. Co-Edição de Moraes Editores/Imprensa

Nacional-Casa da Moeda. [Lisboa. 1982]. In-4.º peq. de 241-XIII págs. B.

Volume de poesias inéditas recolhidas do vasto espólio deixado pelo autor, cujo critério de publicação vem amplamente justificado por Mécia de Sena na «Nota Introdutória». Primeira edição, integrada na colecção «Círculo de Poesia/Biblioteca de Autores Portugueses».

5670 — SENA (Jorge de) & CASTILHO (Guilherme de).- CORRESPONDÊNCIA. Imprensa

Nacional-Casa da Moeda. [Lisboa. 1981]. In-4.º peq. de XIV-131-V págs. B.

“Em face deste breve conjunto de cartas, à imagem de um Jorge de Sena amargo, agressivo e por vezes truculento, uma outra se lhe sobrepõe, igualmente verdadeira: a do homem sereno e cordial, firme e constante na amizade, ávido de estima e de compreensão humana e literária, mais solicitando con- selho do que impondo opiniões.” Introdução de Mécia de Sena e reprodução fac-similar de algumas cartas. Volume integrado na «Biblioteca de Autores Portugueses».

5671 — SENA (Jorge de) & FERREIRA (Vergílio).- CORRESPONDÊNCIA. Organização

e notas de Mécia de Sena. Introdução de Vergílio Ferreira. Imprensa Nacional-Casa da Moeda. [Lisboa. 1987]. In-8.º gr. de 184-VIII págs. B.

Primeira edição deste importante núcleo epistolar, dado a lume na «Biblioteca de Autores Portu- gueses».

5672 — SENA (Jorge de) & RÉGIO (José).- CORRESPONDÊNCIA. Organização e notas de

Mécia de Sousa. Imprensa Nacional - Casa da Moeda. [Lisboa. 1986]. In-4.º peq. de 283-XI

págs. B.

Importante colectânea de cartas trocadas entre Jorge de Sena e José Régio. Da «Biblioteca de Autores Portugueses». Primeira edição.

[71]

5673 — SENA (Jorge de) & RODRIGUES (José).- TRANSFORMAÇÕES E METAMORFO-

SES DO SEXO. Com um texto de Jorge de Sena. [Inova/Artes Gráficas. Porto. 1980]. In-fólio de 58-X págs. B.

Os 20 desenhos, inéditos, são antecedidos de um belo texto de Jorge de Sena, também inédito, que se inicia com estas palavras: “Nesta série de desenhos de José Rodrigues, o Sexo - não apena o acto sexual figurado, mas a imagem dos órgãos masculino e feminino - são a base de todas as transforma- ções ou metamorfoses”. Delicada e luxuosa edição de «O Oiro do Dia», numerada, totalizando 576 exemplares, integrada na colecção «Indícios de Oiro» dirigida por José da Cruz Santos, assinada por José Rodrigues e Armando Alves, edição executada a várias cores sobre papel da melhor qualidade.

5674 — SENA (Mécia de ) & SENA (Jorge de).- ISTO TUDO QUE NOS RODEIA. (Cartas

de amor). Imprensa Nacional - Casa da Moeda. [Lisboa. 1982]. In-4.º peq. de 170-VI págs. B.

Comjunto de cartas onde muito assuntos, designadamente literários, são abordados. Volume integrado na «Biblioteca de Autores Portugueses».

5675 — SENTENÇA // DO // PARLAMENTO // DE // ROUEN, // EM VIRTUDE DO QUAL,

// O INSTITUTO, // AS CONSTITUINTES, E REGULAMENTOS // DOS PADRES DENO- MINADOS // DA COMPANHIA DE JESU: // FORAÕ LACERADOS, E QUEIMADOS // PELO EXECUTOR DA ALTA JUSTIÇA // Como Attentatorios a toda autoridade temporal, // espiritual, irreligiosos, e impios. // AS ESCOLAS PUBLICAS, E PARTICULARES // PRO- HIBIDAS. // OS DITOS PADRES OBRIGADOS A DESPEJAR TODAS AS SUAS // Casas, os seus bens moveis, e immoveis apprehendidos, os seus effei- // tos, e Alfayas confiscados e vendidos em praça por editaes, e publi- // camente rasgados, e queimados varios livros impres- sos compostos // pelos ditos Padres; nos quaes se continha huma Doutrina Moral, e // Pratica, Sanguinaria, Mortifera, e attentatoria contra a segurança // dos Soberanos &c. // TRADUZIDA // DO // IDIOMA FRANCEZ PARA O PORTUGUEZ. // LISBOA, // Na Officina de ANTONIO RODRIGUES GALHARDO // Anno 1762. In-8.º de 20-4 págs. Desenc.

As últimas quatro páginas contêm: “TRADUÇAÕ // DO EXTRACTO // DOS REGISTROS DO PARLAMENTO // DE ROAN // Da segunda feira o primeiro de Março de 1762”, lendo-se no seu início: “Ninguem ignora a condemnaçaõ, em que incorreo ha pouco tempo em Lisboa Gabriel Mala- grida, da Companhia denominada de JESUS.” Raro opúsculo anti-jesuítico que não encontramos registado por Inocêncio. Pequenos defeitos junto à costura.

5676 — SEQUEIRA (Ângelo Ribeiro de).- LIVRO // DO // VINDE, E VEDE, // E DO SER-

MAM DO DIA DO JUIZO UNIVERSAL, // em que se chama a todos os viventes para // VI- REM, E VEREM // Humas leves sombras do ultimo dia o mais tre- // mendo, e rigoroso do mundo. // OFFERECIDO AO SERENISSIMO SENHOR // D. PEDRO // INFANTE DE POR- TUGAL, // Pelo seu mais humilde criado // ANGELO DE SEQUEIRA // Pobre Missionario Apostolico, e Prothono- // tario de Sua Santidade, do Habito de S. // Pedro, e natural da Cidade de S. Paulo. // [vinheta em madeira] // LISBOA: // Na Officina de ANTONIO VICENTE DA SILVA. // Anno de MDCCLVIII. In-8.º gr. de XXII págs. prels. inums., 255 nums. e III inums. finais. E.

«Bibliografia Brasileira do Período Colonial», de Borba de Moraes, onde vem reproduzido o rosto desta rara obra: “”A Botica Preciosa” e o “Livro do Vinde e Vede” são as obras mais apreciadas hoje em dia pelos historiadores da literatura paulista. A primeira por conter a apologia dos bandeirantes e a segunda por ser um sermão escrito no estilo patético tão em voga no século XVIII. São essas duas obras que justificam o lugar proeminente do Pe. Sequeira na história da literatura paulista, tão pobre nessa época.”; Inocêncio, sobre o autor: “Presbytero do habito de S. Pedro, e natural de S. Paulo (ou- tros dizem ser da villa de Parnahyba) no Brasil, onde nasceu pelos principios do século XVIII. Consta

[72]

/

5677 - ver pág. 74 que pertencera a uma familia nobre, e alliada á dos

5677 - ver pág. 74

que pertencera a uma familia nobre, e alliada á dos Camargos. Feitos com os padres Jesuitas os seus primeiros estudos, applicou-se depois aos do Direito, e exerceu na sua patria com grande credito a

profissão de Advogado. Possuidor de abastada fortuna, diz-se que fôra elle o primeiro que em S. Paulo andara em carruagem propria. Sendo um dia insultado e esbofeteado na rua por um individuo contra

o qual fôra advogado em uma causa importante, tirou deste successo documentos de desengano para

abandonar o mundo, e consagrar-se unicamente a Deus. Vendeu todos os seus bens, cujo producto

repartiu pelos pobre e egrejas, e descendo a serra a pé, com o breviario sobraçado, e sem outra matalo- tagem, chegou a Sanctos, e embarcou-se para Portugal. Aqui solicitou e obteve cartas de Missionario apostolico, e com ellas percorreu por alguns annos as provincias do reino, e parte das Hespanhas, prégando a penitencia, e fazendo numerosas conversões. Parece que finalmente voltara para o Brasil,

e fundara na provincia de S. Paulo o seminario de N. S. da Lapa, falecendo com opinião de grande

virtudem em anno que se ignora.” Muito modestamente encadernado. Com reforço da parte inferior do frontispício e com traça na margem das págs. 187 em diante, quase imprceptíveis nas primeiras e mais acentuadas nas últimas.

5677 — SEQUEIRA (Eduardo).- FAUNA DOS LUSIADAS. Lisboa. Imprensa Nacional. 1887.

In-4.º de 68 págs. B.

Rara edição de 150 exemplares deste interessantíssimo trabalho de Eduardo Sequeira, publicado em separata do «Boletim da Sociedade de Geographia de Lisboa». Dedicatória do autor para Fernando Reis. (ver gravura na pág. 73)

5678 — SEQUEIRA (Joaquim F. A.).- O PHOTOGRAPHO AMADOR. Tratado pratico. Segunda

edição. Lisboa. Typ. da Companhia Nacional Editora. 1889. In-4.º peq. de 223-VII págs. E.

Com ilustrações nas páginas do texto. Vasto formulário fotográfico, invulgar. Encadernação simples. (ver gravura na pág. 75)

5679 — SÉRGIO (António).- A SKETCH OF THE HISTORY OF PORTUGAL. A translation

from the Portuguese by Constantino José dos Santos. [Tipografia da Seara Nova. Lisboa. 1928]. In-8.º de 204-II págs. E.

Com muitas estampas em folhas à parte. Muito raro. Encadernação editorial. Dedicatória do tradutor para Ângelo Pereira. (ver gravura na pág. 77)

5680 — SÉRGIO (António).- ALOCUÇÃO AOS SOCIALISTAS. No Banquete do Primeiro de

Maio de 1947. Editorial Inquérito Limitada. Lisboa. [S.d.]. In-8.º gr. de 32 págs. B.

5681 — SÉRGIO (António).- ANTERO DE QUENTAL E ANTÓNIO VIEIRA PERANTE

A CIVILIZAÇÃO CRISTÃ DOS SEUS PRÓPRIOS TEMPOS. Biblioteca Fenianos. Porto -

1948. In-8.º de 32 págs. B.

Notável conferência proferida no Clube Fenianos Portuenses.

5682

— SÉRGIO (António).- ANTÍGONA. Drama em três actos. Edição da República. Porto.

1930.

In-8.º de 123-I págs. B.

Primeira edição, muito invulgar.

5683 — SÉRGIO (António).- ANTOLOGIA DOS ECONOMISTAS PORTUGUESES. Selec-

ção, prefácio e notas de António Sérgio. Século XVII. Obras em português. Lisboa. Oficinas Gráficas da Biblioteca Nacional. 1924. In-8.º gr. de VI-LII-392-II págs. B.

O volume integra as seguintes obras: «Diálogos do Sítio de Lisboa», de Luís Mendes de Vasconcelos, 1608, «Dos Remédios para a Falta de Gente», por Manuel Severim de Faria, 1655 e «Sobre a introdu- ção das artes», por Duarte Ribeiro de Macedo, 1675.

[74]

5678 - ver pág. 74 5684 — SÉRGIO (António).- ANTOLOGIA SOCIOLÓGICA. Trechos portugueses e estrangeiros

5678 - ver pág. 74

5684 — SÉRGIO (António).- ANTOLOGIA SOCIOLÓGICA. Trechos portugueses e estrangeiros

seleccionados, comentados e prefaciados. Lisboa. 1956-1957. 10 opúsculos ou cadernos In-8.º B.

Colecção completa desta apreciada antologia, de que se destacam os comentários e o prefácio de António Sérgio.

5685 — SÉRGIO (António).- BOSQUEJO DA HISTÓRIA DE PORTUGAL. Lisboa. Oficinas

Gráficas da Biblioteca Nacional. 1923. In-8.º gr. de 60-II págs. B.

Primeira edição, cremos que de muito reduzida tiragem, porquanto a segunda foi publicada também em 1923.

5686 — SÉRGIO (António).- CAMÕES E D. SEBASTIÃO. Rudimentar organização de docu-

mentos para o estudo de um problema curioso. Livrarias Aillaud e Bertrand. Paris-Lisboa. 1925. [Tipografia da Emprêsa do Anuário Comercial]. In-8.º de 54 págs. B.

Da Colecção «Testemunhos Históricos». Dedicatória do autor.

5687 — SÉRGIO (António).- CARTA ABERTA A ALGUNS DOS OFICIAIS REPUBLICA-

NOS QUE NÃO ESTIVERAM COM A REVOLUÇÃO. S.l.n.d. In-8.º de 12 págs. B.

Muito rara edição clandestina, onde no fim se pedia “o favor de fazer circular êste folheto e de repro- duzi-lo em mais edições. Editado pela «Liga Republicana»”.

5688 — SÉRGIO (António).- CARTAS DE ANTÓNIO SÉRGIO A ÁLVARO PINTO. Introdução

e Notas de Rogério Fernandes. Edição da Revista «Ocidente». Lisboa. 1972. In-4.º de 71-I págs. B.

“Escritas em diferentes locais e países aonde a vocação e as incertezas da vida conduziram quem as

redigiu, estas cartas apresentam um traço comum, (

de Sérgio nas actividades da Renascença Portuguesa e com a larga campanha educativa em que

empenhou a sua vida (

com a participação

)

o de se relacionarem (

)

5689 — SÉRGIO (António).- CARTAS DE PROBLEMÁTICA dirigidas a um grupo de jovens

amigos, alunas e alunos da Faculdade de Ciências. [Imprensa Libânio da Silva. Edição da Edi- torial Inquérito, Limitada. 1952-1955]. 12 opúsculos. In-4.º B.

Colecção completa desta interessante e invulgar publicação de António Sérgio, autor que sempre gozou do maior apreço entre os seus inúmeros admiradores e leitores.

5690 — SÉRGIO (António).- CARTAS DO TERCEIRO HOMEM, Porta-voz das «Pedras Vi-

vas» do «País Real». Editorial Inquérito Limitada. Lisboa. 1953-1957. 3 vols. In-8.º B.

São os três volumes que completam estas célebres «Cartas do Terceiro Homem», aparecidas pela pri- meira vez no jornal «República» com o título «Cartas de um aprendiz de pedagogo» e aqui reunidas em colecção pela Editorial Inquérito. Os primeiro e terceiro volume apresentam dedicatória do autor para Henrique Vilhena.

5691 — SÉRGIO (Antonio).- CARTAS SOBRE A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL, escritas ao

Educação profissional na casa das crianças e na

escola primaria. Edição da «Renascença Portuguesa». Porto. [1916]. In-8.º de 39-IX págs. B.

Trabalho publicado na «Biblioteca de Educação».

Director da Academia de Estudos Livres por

5692 — SÉRGIO (António).- CARTESIANISMO IDEAL E CARTESIANISMO REAL.

Lisboa. «Seara Nova». 1937. In-8.º de 45-III págs. B.

Da série Estudos Filosóficos dos Cadernos da «Seara Nova».

[76]

5679 - ver pág. 74 5693 - ver pág. 79

5679 - ver pág. 74

5679 - ver pág. 74 5693 - ver pág. 79

5693 - ver pág. 79

5693 — SÉRGIO (António).- COMENTARIOS. Aspectos morais. Os católicos portugueses.

Suprimido pela censura. [S.l.n.d.]. In-8.º peq. de 28 págs. B.

Raríssimo folheto clandestino, cujo texto não está integral, porquanto a sua última palavra está incompleta. (ver gravura na pág. 78)

5694 — SÉRGIO (António).- OS CONSELHEIROS DO CALIFA. Lisboa. Livrarias Aillaud &

Bertrand. 1927. In-8.º quadrado de 23-I págs. B.

Com ilustrações e capa a cores de Mamia Roque Gameiro. Livrinho invulgar, integrado na colecção infantil «Quem Conta uma História?»

5695 — SÉRGIO (António).- CONSIDERAÇÕES HISTORICO-PEDAGOGICAS antepostas

a um Manual de Instrucção Agricola na Escola Primaria. Edição da «Renascença Portuguesa». Porto. [1915]. In-8.º de 73-VII págs. B.

Trabalho integrado na «Biblioteca de Educação». Assinado no fronstispício.

5696 — SÉRGIO (António).- CRIMES PERPETRADOS PELA EDITORIAL LABOR na

segunda edição da «HISTÓRIA DE PORTUGAL» de António Sérgio. Editorial Inquérito Limi- tada. Lisboa. [S.d.] In-8.º de 13-III págs. B.

“A Editorial Labor empreendeu segunda edição da minha História de Portugal sem me prevenir, en- carregando de a desfigurar um indivíduo destituído de senso moral e com ideias acentuadamente con-

trárias às minhas, o qual parece ter querido fazer da obra um instrumento das suas paixões sectárias e

de descrédito da minha pessoa (

)”

São raros os exemplares deste escrito sérgiano.

5697 — SÉRGIO (António).- A DANÇA DOS MESES. Lisboa. Seara Nova. 1926. In-8.º qua-

drado de 30-II págs. B.

Livrinho infantil ilustrado por Mamia Roque Gameiro e integrado na colecção «Quem Conta uma História?». Com dedicatória da mão do autor.

5698 — SÉRGIO (António).- O DESEJADO. Depoimentos de contemporaneos de D. Sebastião

sôbre este mesmo rei e sua jornada de África. Precedidos de uma Carta-Prefácio a Carlos Malheiro Dias. Livrarias Aillaud e Bertrand. Paris-Lisboa. 1924. In-8º de XXXI-I-374-II págs. B.

Uma das mais importantes peças da polémica que o autor manteve com Carlos Malheiro Dias sobre D. Sebastião. Primeira edição. Lombada mal tratada.

5699 — SÉRGIO (António).- EDUCAÇÃO CIVICA. Edição da Renascença Portuguesa. Porto.

[1915]. In-8.º de 145-VII págs. B.

“Só terá vida nova, construção positiva, se de todos os seus Espectros se libertar este povo; se lhe ensinarem os processos de se governar ele próprio, - nas livres cooperativas, nos livres sindicatos, nos municípios livres”. Primeira e bastante invulgar edição.

5700 — SÉRGIO (António).- EM TÔRNO DA DESIGNAÇÃO DE MONARQUIA AGRÁRIA DADA À PRIMEIRA ÉPOCA DA NOSSA HISTÓRIA. Livraria Portugália. Lisboa. 1941. In-8.º gr. de 69-I págs. B.

São invulgares os exemplares desta polémica publicação.

5701 — SÉRGIO (António).- EM TÔRNO DO PROBLEMA DA “LÍNGUA BRASILEIRA”.

(Palavras de um cidadão do mundo, humanista crítico, a um estudante brasileiro seu amigo).

Lisboa. «Seara Nova». 1937. In-8.º de 35-I págs. B.

Da série Estudos Pedagógicos, integrada nos Cadernos da «Seara Nova».

[79]

de 35-I págs. B. Da série Estudos Pedagógicos, integrada nos Cadernos da «Seara Nova». [79] 5710

5710 - ver pág. 81

5702 — SÉRGIO (António).- ENSAIOS. Editores diversos. 1920-1958. [Editores diversos].

8 vols. In-8.º B.

É a colecção completa da mais importante publicação de António Sérgio, figura maior da moderna cultura portuguesa, tratando temas de história, filosofia, literatura, política, religião, etc. Com todos os volumes da primeira edição.

5703 — SÉRGIO (António).- O ENSINO COMO FACTOR DO RESSURGIMENTO NACIO-

NAL. Defeitos dos nossos métodos de ensino e maneira de os corrigir; linhas gerais de uma nova organização. Tipografia da «Renascença Portuguesa». Posto. [1918]. In-8.º de 53-III págs. B.

Trabalho integrado nas «Conferencias sobra a Reforma da Educação Nacional».

5704 — SÉRGIO (António).- A FUNÇÃO SOCIAL DOS ESTUDANTES e a sua preparação

para a intervenção futura na Sociedade Portuguesa. Edição da «Renascença Portuguesa». Porto. [1917]. In-8.º de 44-IV págs. B.

Conferência proferida na Federação Académica e publicada na «Biblioteca de Educação». Discreta assinatura no verso do frontispício.

5705 — SÉRGIO (António).- HISTÓRIA DE PORTUGAL. Traducido del original portugués

por Juan Moneva y Puyol. Barcelona. [1929]. In-8.º de 190 págs. E.

Integrado na «Colección Labor». Ilustrado na páginas do texto e em separado. Obra estimada e das mais procuradas pelos coleccionadores. Muito ilustrada nas páginas do texto e em separado. Encadernação dos editores.

5706 — SÉRGIO (António).- HISTÓRIA DE PORTUGAL. Tomo I - Introdução Geográfica.

Livraria Portugália. Lisboa/1941. In-4.º de 253-III págs. B.

Primeiro e único volume publicado, proibido aquando do seu aparecimento no mercado, o que explica a sua invulgaridade. Ilustrado nas páginas do texto. Primeira edição.

5707 — SÉRGIO (António).- INTRODUÇÃO ACTUAL AO PROGRAMA COOPERATISTA.

Lisboa «Seara Nova». 1937. In-8.º de 30-II págs. B.

Dado a público nos cadernos da «seara Nova».

5708 — SÉRGIO (António).- O NAVIO DOS BRINQUEDOS. Biblioteca da Renascença

Portuguesa. 1914. [Porto]. In-4.º de 15-I págs. B.

Livrinho infantil, com ilustrações e capa de Vasco Lopes de Mendonça. Invulgar.

5709 — SÉRGIO (António).- NOTAS DE ESCLARECIMENTO, com forçados lances de

olhos sobre o Moi Haissable e Alegações enjoativas Pro Domo Mea. Porto. 1950. In-8.º gr. de 71-I

págs. B.

Peça da polémica que o autor travou com António José Saraiva, por ocasião do aparecimento da se- gunda edição do primeiro volume dos «Ensaios». Tiragem confinada apenas a 250 exemplares.

5710 — SÉRGIO (António).- NOTAS SOBRE OS SONETOS E AS TENDENCIAS GERAES

DA PHILOSOPHIA DE ANTHERO DE QUENTAL. Lisboa. Livraria Ferreira, Editora. 1909.

In-8.º de 189-I págs. B.

Segundo livro do autor e primeiro em prosa dos muitos que viria a publicar e ainda um dos mais raros da sua bibliografia. Com a assinatura autógrafa de João de Castro Osório na capa e no anterrosto. Lombada danificada. (ver gravura na pág. 80)

[81]

5711 — SÉRGIO (António).- PÁTIO DAS COMÉDIAS, das Palestras e das Prègações. Jornada

Primeira [a Sexta]. Editorial Inquérito. Lisboa. 1958. 6 opúsculos In-8.º B.

Primeira edição e colecção completa desta interessante série.

5712 — SÉRGIO (António).- O PROBLEMA DA CULTURA E O ISOLAMENTO DOS POVOS

PENINSULARES. Edição da Renascença Portuguesa. Pôrto. [1914]. In-8.º de 67-III págs. B.

Interessantes referências a Herculano, Eça, Camilo, Teófilo, etc., mas com especial importância para a bibliografia anteriana.

5713 — SÉRGIO (António).- O RATÃO PELADO. Lisboa. Seara Nova. 1926. In-8.º quadrado

de 32 págs. B.

Livrinho integrado na colecção «Quem Conta uma História?», com ilustrações a cores e a negro de Mamia Roque Gameiro. Dedicatória do autor.

5714 — SÉRGIO (António).- RIMAS. Lisboa. Composto e impresso na Typographia do Annu-