Você está na página 1de 12

ESCOLA SECUNDÁRIA DE BENAVENTE

FICHA INFORMATIVA Nº 2
- GEOGRAFIA – 12º ANO –
(Tema 2: Mundo Policêntrico)
- Antecedentes geopolíticos e geoestratégicos -

Tempo previsto para lecionação: 8 blocos de 90 minutos (8 aulas)

Conteúdos:
 A partilha do Mundo no final da 2ª Grande Guerra;
 A reafirmação da Europa e a consolidação do Japão.

NOTA : No final deste subtema deves ser capaz de:


 Explicar a afirmação do poderio militar dos EUA e da URSS, no final da 2ª
Guerra Mundial;
 Compreender a existência de um equilíbrio geopolítico instável face aos
conflitos regionais;
 Discutir as repercussões da guerra fria à escala mundial;
 Analisar o papel do Movimento dos Não Alinhados no relacionamento entre as
duas superpotências, no contexto da guerra fria;
 Explicar a afirmação do Japão como potência económica, no pós-guerra.

PRINCIPAIS CONCEITOS/NOÇÕES BÁSICAS (que deves saber):

 Aliados;
 Guerra Fria;
 Cortina de Ferro;
 Mundo bipolar;
 Terceiro Mundo;
 Centro/Periferia;
 Organizações Político/Militares.

Alguns conceitos/noções:

Aliados – conjunto de 49 países que, na 2ª Guerra Mundial, se aliaram contra as


chamadas potências do Eixo (Alemanha, Itália e Japão).

Cortina de Ferro – Fronteira simbólica, na Europa, depois da 2ª Guerra Mundial, entre


o Ocidente capitalista e o Leste comunista.

Guerra Fria – Exprime a contenção estratégica das superpotências perante os riscos de


catástrofe nuclear, em caso de guerra não limitada.

Professor: Joaquim Madruga Página 1


1. O Pós-2ª Guerra Mundial

A 2ª Guerra Mundial, de 1939 a 1945, foi terrivelmente dura. Envolveu (direta ou


indiretamente) todo o mundo.

Nela se empregaram armas extraordinariamente mortíferas e com grande potencial


destrutivo.

Perderam-se muitas vidas nos campos de batalha, nas cidades e nos campos de
extermínio.

Em 1945 toda a Europa tinha as marcas da destruição de uma guerra dura e sangrenta.
Os prejuízos humanos e materiais eram avassaladores.

Só havia um caminho: edificar uma Nova Europa, a partir dos destroços, aproveitando
melhor o espaço e relançando todos os sectores da economia.

No pós-2ª Guerra Mundial assistiu-se a um esforço comum de cooperação e de política


económica que proporcionaram uma Nova Ordem Económica Mundial (NOEM).

Para assegurar a prosperidade e estabilidade político-económica havia necessidade de


definir objetivos:

- um político, eminentemente orientado para a paz e para a segurança internacionais;


- um económico que promovesse a prosperidade e a estabilidade económicas.

A concretização de uma prosperidade económica dependia de três fatores


fundamentais:

- reconstruir a economia, particularmente a europeia;


- relançar o crescimento;
- assegurar a política do pleno emprego.

Tendo por base o objetivo da “manutenção da paz”, foram criadas instituições que
promovessem a sua concretização, entre elas, a ONU – Organização das Nações
Unidas.
A ONU teve também um papel preponderante na economia, através das suas agências
especializadas e das suas comissões de cooperação económica regional.

Quanto ao objetivo económico, as políticas económicas estruturais baseavam-se


essencialmente na promoção do chamado “estado do bem-estar”, no alargamento do
sector público da economia e na realização da reconstrução e do desenvolvimento,
promovidas, entre outros, pelo FMI – Fundo Monetário Internacional.

Professor: Joaquim Madruga Página 2


1.1 As tensões na Europa

A América do Norte não abandonou a Europa e os seus aliados. Mostrou-se muito


“interessada” em criar uma “unidade ocidental” face à ameaça comunista da URSS.
Foi neste contexto que os aliados propuseram a construção de um “cordão sanitário”
entre a zona de ocupação soviética na Alemanha e a URSS. Este cordão seria
constituído por um conjunto de países neutros, política e economicamente, vivendo
dependentes do Ocidente (Polónia, Checoslováquia, Hungria, Bulgária e Roménia).
Saliente-se que a relação entre a URSS e estes países (seus antigos aliados) começara a
deteriorar-se no decorrer de 1946.

Porém, a União Soviética não estava na disposição de abandonar a sua influência na


Europa Oriental e tudo fez para colocar estes países sob o seu domínio.
Estava, assim, assumido o antagonismo entre as “duas” Europas: a Ocidental e a
Oriental. Consumava-se a rutura e surgia a Cortina de Ferro.

1.2 O Plano Marshall

O secretário de Estado dos EUA, George Marshall, propõe a criação de um amplo plano
económico, que veio a ser conhecido como Plano Marshall. Tratava-se da concessão de
uma série de empréstimos a baixos juros e investimentos públicos para facilitar o fim
da crise na Europa Ocidental e repelir a ameaça do socialismo entre a população
descontente. Durante os primeiros anos da Guerra Fria, principalmente, os Estados
Unidos fizeram substanciais investimentos nos países aliados, com notável destaque
para o Reino Unido, a França e a Alemanha Ocidental.

Em resposta ao plano económico americano, a União Soviética propôs-se a ajudar


também os seus países aliados, com a criação do COMECON (Conselho para Assistência
Económica Mútua). O COMECON fora proposto como forma de impedir os países-
satélites da União Soviética de demonstrarem interesse no Plano Marshall, e não
abandonarem a esfera de influência de Moscovo.

Professor: Joaquim Madruga Página 3


1.3 A bipolaridade do sistema político-económico mundial

Podemos considerar, no Pós-2ª Guerra Mundial, a divisão da economia mundial em


dois espaços – o de economias de mercado e o de economias de direção central.

Economias de mercado Economias de direção central


Economia dos EUA, com posição de A URSS – a segunda maior economia do
liderança a nível mundial. mundo.
Economias europeias em processo de As democracias populares (Bulgária,
integração económica. Checoslováquia, Hungria, Polónia, Roménia
e República Democrática Alemã).
Japão Jugoslávia e Albânia.
Canadá, Austrália e Nova Zelândia. China, Coreia (do Norte), Vietname (do
Norte) e Cuba.

A economia mundial que emergiu dos escombros da 2ª Guerra Mundial assentava


numa relação bipolar entre os “dois grandes”: EUA e URSS.
Cada um destes pólos apresentava-se no panorama mundial como o expoente máximo
de um sistema económico, social e político alternativo do outro.
Não dúvidas de que eram dois modelos alternativos, quer nas relações políticas
inter-estados quer nos aspetos económicos.
Esta bipolaridade caracterizou o período da Guerra Fria.

1.4. A Guerra Fria

A Guerra Fria dominou as relações geoestratégicas mundiais na segunda metade do


século XX, tendo começado a germinar em 1945-47 e extinguindo-se a partir de 1989.

A Guerra Fria correspondeu a uma situação de tensão global e de intensa hostilidade,


durante o período da bipolaridade planetária da segunda metade do século XX, que
opôs as duas superpotências mundiais: EUA e URSS.

Cada uma destas superpotências desenvolveu e aperfeiçoou os seus sistemas militares


com uma capacidade mútua de destruição total.

Cada superpotência não se queria deixar ultrapassar pela outra, quer em termos de
tecnologia, quer de material bélico. Cada um dos “grandes” tudo fazia para exercer a
sua influência no sentido de conquistar território à potência rival.

O “palco” desta Guerra Fria foi, antes de mais, a Europa, embora tenha acabado por se
estender às demais áreas continentais.

Nunca tendo chegado a um confronto armado direto, as duas superpotências


degladiaram-se nas suas “periferias”, principalmente na periferia da URSS (Europa de
Leste e Coreia).

Professor: Joaquim Madruga Página 4


Após a forte tensão do início da Guerra fria, com a desenfreada corrida nuclear, os
“dois grandes” temiam-se mutuamente, pelo que se instaurou uma “falsa trégua”, que
alguns autores designam por Coexistência Pacífica: os EUA e a URSS resignam-se a
viver um com o outro.

A Guerra Fria abarcou e reflectiu-se em diferentes planos:


 ideológico (capitalista vs marxista);
 político (democrata vs partido único);
 económico (economia de mercado vs economia de direção central);
 militar (Pacto do Atlântico – OTAN vs Pacto de Varsóvia).

As grandes questões/marcas que caracterizaram o período da Guerra Fria

 O antagonismo ideológico

Neste verdadeiro confronto cada bloco tentava atrair parceiros para a sua
esfera de influência. O valor geoestratégico de cada parceiro era medido quer
pela sua posição geográfica quer pelo seu valor em recursos.
 A questão alemã

A Alemanha foi o símbolo da Guerra Fria.


Dividida em dois estados que pertenciam a blocos diferentes, nem a cidade de
Berlim escapou à fragmentação.

 A partilha da Europa

O mundo bipolar traduziu-se, particularmente, numa divisão da Europa em


blocos antagónicos.

 A escalada de armamento nuclear

A possibilidade de um confronto nuclear assumiu a marca mais importante da


Guerra Fria.
Funcionou como um dissuasor entre as duas superpotências.
Era a dissuasão pelo terror ou a “paz pelo terror”.

 A descolonização

A descolonização tornou-se num fator de competição entre as superpotências:


por um lado, as ex-colónias afirmavam-se contra os impérios coloniais; por
outro, as superpotências alimentavam as lutas pela independência ou mesmo
as guerras civis pós-independência.

Professor: Joaquim Madruga Página 5


O objetivo era atrair os novos estados à esfera de influência da potência
apoiante.

A descolonização, dando lugar ao crescimento de novos estados, foi um contributo


decisivo para a emergência do Movimento dos Países Não Alinhados, ou grupo dos
Países do Terceiro Mundo, que visava constituir-se como um parceiro intermediário na
disputa bipolar. O objetivo só em parte foi conseguido.

As organizações militares

OTAN/NATO – A Organização do Tratado do Atlântico Norte, surgiu em Washington, a


4 de Abril de 1949. Foram 12 os membros fundadores: EUA, Canadá, Bélgica,
Dinamarca; França; Islândia, Itália, Luxemburgo, Noruega, Países Baixos, Portugal e
Reino Unido.

Objetivos fundamentais:
 contenção da expansão da URSS;
 manutenção da Alemanha Ocidental controlada pelo sistema de segurança
coletiva;
 assunção da liderança norte-americana no bloco ocidental.

Pacto de Varsóvia: - Aliança militar entre os países do Leste europeu e a URSS.


Este tratado de “amizade, cooperação e assistência mútua” foi estabelecido a 14 de
Maio de 1955.
À imagem da Aliança Atlântica, o comando militar soviético reuniu todas as forças
armadas dos países das “democracias populares” com exceção da Jugoslávia.
Em 1968, a Albânia abandonou esta organização militar.

O Pacto estabelecia o compromisso de ajuda mútua em caso de agressão armada por


outras nações. Foi o principal instrumento da hegemonia militar da URSS, opondo-se à
OTAN.
Entre a URSS e os seus estados satélites são firmados laços de dependência
económica. Ao mesmo tempo, a URSS utilizou o poder militar do Pacto e reprimiu
revoltas internas contrárias à presença soviética, nomeadamente na Polónia, na
Hungria e na Checoslováquia ( a chamada “Primavera de Praga”, em 1968).
O Pacto de Varsóvia dissolveu-se com o colapso militar e político da URSS em 1991.

Professor: Joaquim Madruga Página 6


1.5 O Terceiro Mundo

A partir dos anos 50, o Terceiro Mundo esteve muito ligado ao Movimento dos Países
Não-Alinhados. Este movimento era constituído, em boa parte, pelos países que se
tinham tornado independentes das potências ocidentais e que pretendiam
permanecer neutrais e imbuídos de um sentimento anticolonialista.

Estes países apelavam ao reforço da cooperação económica e social, proclamando a


sua vontade de viver em paz.
Definiram os seguintes objetivos:

 respeito pela integridade territorial e pela soberania;


 não-agressão;
 não-ingerência nos assuntos internos;
 igualdade e vantagens mútuas;
 coexistência pacífica;
 respeito pelos direitos fundamentais do Homem;
 reconhecimento da igualdade das raças;
 direito de defesa em conformidade com a Carta da ONU;
 recusa à subserviência e aos interesses das grandes potências;
 respeito pela justiça e pelas obrigações internacionais.

Com a emergência dos novos estados africanos independentes, iniciou-se um


endurecimento dos Não-Alinhados.
Esta radicalização do movimento criou clivagens internas que conduziram a fortes
divergências na definição das estratégias de atuação.
É neste contexto político-económico que se verifica, por um lado, a Coexistência
Pacífica e a diminuição das tensões internacionais e, por outro, a multiplicação dos
conflitos no Terceiro Mundo.

Os EUA sentiam algum desconforto como lideres da OTAN, pois alguns dos seus
parceiros eram potências coloniais e não estavam dispostos a perder a totalidade ou
mesmo parte dos seus impérios coloniais (por exemplo, Portugal e França).
Simultaneamente, apoiavam muitas das guerrilhas de libertação.

A URSS via nos países agora libertos dos opressores colonialistas áreas favoráveis ao
seu jogo de influências. Neste sentido, a URSS apoiava os movimentos de libertação e
fornecia-lhes mesmo material bélico.

As “esferas de influência”, a bipolaridade, os jogos de geopolítica e de geoestratégia


estão bem presentes no Terceiro Mundo.

No espaço do Terceiro Mundo foram-se destacando, a partir dos anos 60, alguns
países. A intensa industrialização e a expansão de multinacionais permitiram
incrementar as suas economias, tornando-os NPI (Novos Países Industrializados) – (Ex:
Brasil, Argentina, México, Taiwan, Singapura, Coreia do Sul, Hong-Kong, China).

Professor: Joaquim Madruga Página 7


1.6. O Japão

A consolidação do Japão

Os anos de crise:

 Após a 2ª guerra mundial ¼ das cidades japonesas encontravam-se destruídas,


a produção agrícola tinha diminuído 60%, o consumo 55% e a produção
industrial 65%.

 Apesar das baixas sofridas durante a guerra a população aumentou devido ao


repatriamento de 6,2 milhões de japoneses e devido ao baby boom provocado
pelo regresso dos soldados a casa.
 A penúria, a miséria e desemprego aumentaram.

 A moeda nacional – iene – deixou de ser cotada no mercado mundial.

 O Japão vai ter de pagar indemnizações de guerra encontrando-se à mercê dos


vencedores.

Como se poderá então explicar a rápida expansão económica do Japão, país


desprovido de matérias primas e densamente povoado?

Professor: Joaquim Madruga Página 8


O “milagre Japonês”

O Japão sofreu, com a 2ª Guerra Mundial, um elevado nível de destruição.


Devido a este facto, necessitava de um forte apoio que lhe permitisse pôr em marcha
um rápido plano de recuperação.
A ajuda americana a este país fez-se sentir e produziu profundas reformas políticas e
económicas, das quais se salientam:

 Democratização do sistema político (da sociedade japonesa);


 Forte redução das forças armadas (desarmamento);
 Implementação de uma reforma agrária (entregando as terras a quem as
produzia com cultivo intensivo de cereais, o uso de adubos e crescente
mecanização);
 Estímulo ao desenvolvimento da atividade sindical (eliminação de alguns
Zaibatsu – grupos económicos financeiros pertencentes a famílias tradicionais).

Esta ajuda americana ficou conhecida como “Plano Dodge”.

Nos finais dos anos 50, o Japão conhecia o “milagre japonês”, sendo considerado uma
das maiores potências económicas do mundo.

Este extraordinário crescimento iniciou-se ainda durante a ocupação americana que se


mostrou interessada em constituir uma potência económica numa região de forte
implantação comunista.

Na fase de arranque foi importante o já referido Plano Dodge, bem como a Guerra da
Coreia (1950-1953), que provocou um aumento das encomendas às indústrias
japonesas.
No entanto, a essência do poderio do Japão reside em fatores internos (endógenos),
nomeadamente o perfil e a especialidade dos seus recursos humanos, as apostas feitas
na produção e a intervenção estatal.

Os japoneses souberam aproveitar os estímulos internacionais, desenvolvê-los e


ajustá-los à sua mentalidade ativa, empreendedora e trabalhadora.

No primeiro boom da economia Japonesa a produção industrial quase triplicou


havendo maior dinamismo nos sectores da indústria pesada e dos bens de consumo
duradouros (televisores, rádios, frigoríficos).

No segundo surto de crescimento houve o desenvolvimento dos sectores clássicos,


como a siderurgia, e de novos sectores, como a produção de automóveis, televisores a
cores.

Este segundo boom fez do Japão a terceira maior potência económica mundial, atrás
dos EUA e da URSS. Com o desmoronamento da União Soviética, nos anos 90, o Japão

Professor: Joaquim Madruga Página 9


entrou em competição direta com os EUA acabando por atenuar o bipolarismo
internacional.

Note-se que a essência do poderio do Japão reside em fatores internos (endógenos),


nomeadamente o perfil e a especialidade dos seus recursos humanos, as apostas
feitas na produção e a intervenção estatal (vertentes endógenas do “milagre
japonês”).

Em suma: o forte crescimento japonês ficou a dever-se a:

 às alterações estruturais verificadas na economia – empresas inovadoras e


competitivas;
 à ajuda norte americana;
 à capacidade do povo em superar a destruição da guerra e a falta de recursos.

A necessidade de cobrir as importações obrigou a alterar a estrutura das exportações


que
passaram a ser constituídas por aço, navios e máquinas.

Afirmação do poderio económico, comercial e financeiro do Japão só foi possível pela


conjugação de fatores que atuaram simultaneamente:

 o papel da Estado;

 O estado fomentou uma política de obras públicas que chegou a representar


20% do PNB.
 Desenvolveu uma planificação indicativa, incentivou a inovação, limitou os
fatores de risco de certas atividades consideradas importantes apoiando as
reestruturações industriais, controlando o volume das importações e
protegendo as empresas da concorrência.

 uma base industrial sólida e variada, orientada para os sectores de ponta;

 O peso da indústria (sectores de ponta) na economia japonesa é essencial


contrastando com os EUA e o Reino Unido onde os serviços são o sector mais
importante.
 A indústria japonesa atravessou várias fases começando pelo algodão até à II
guerra mundial sendo ultrapassada pelas indústrias pesadas orientadas para a
utilização do aço indústria de bens de equipamento como a construção naval.
 A importação de matérias primas assegurou o funcionamento destas indústrias
que levaram o Japão ao grupo das nações mais industrializadas.
 Numa segunda fase o Japão aposta na indústria mecânica e eletrónica (
automóveis, eletrodomésticos, computadores, etc.).
 Nas últimas décadas o Japão apostou em industrias de alta tecnologia,
nomeadamente, nas biotecnologias, nos semicondutores, na informática, nas
telecomunicações e na robótica .

Professor: Joaquim Madruga Página 10


 Ao mesmo tempo promoveu um processo de “deslocalização” industrial para
os países asiáticos vizinhos sobretudo os sectores mais consumidores de
matéria prima e energia.

 as características dos recursos humanos.

 A população japonesa com um vasto mercado de consumidores e uma mão-de-


obra abundante, aceitou os sacrifícios que o estado e as empresas lhe exigiram:
devoção ao trabalho, férias limitadas, competição escolar severa e demonstrou
um grande espírito empreendedor.
 O povo japonês foi capaz de conciliar no trabalho e na vida quotidiana, um
certo
equilíbrio entre a tradição e a modernidade.
 A cultura japonesa é alicerçada em valores como a lealdade, a honra, o respeito
pela hierarquia, a deferência, a disciplina e a capacidade de organização,
responsáveis pela forte coesão social e pela ausência de tensões ou conflitos
sociais.
 Para os japoneses os interesses comuns da família, das empresas e do Estado,
estão acima das necessidades individuais.

(A qualidade dos recursos humanos japoneses baseia-se num sistema escolar muito
competitivo e num nível de formação elevado).

As limitações do poderio japonês

NOS ANOS 90 O JAPÃO SOFRE PERTURBAÇÕES GRAVES NA ECONOMIA E PASSA POR


PERÍODOS DE RECESSÃO:

 A economia japonesa está muito dependente da conjuntura mundial, para


pagar a dependência energética e alimentar tem que exportar grandes
quantidades o que conduz à recessão quando a procura mundial diminui.
 O sucesso do Japão provocou nas economias concorrentes (EUA e UE) reações
contra a política protecionista nipónica o que faz valorizar o iene e
consequentemente diminuir as exportações.
 A posição de potência económica entra frequentemente em contradição com o
estatuto político e militar na cena internacional.

Professor: Joaquim Madruga Página 11


 O Japão mantém a sua política anti-belicista baseada na consciência pacífica
(recordam as bombas do final da guerra) não vendendo armas ao exterior nem
intervindo em qualquer conflito, a não ser no âmbito da ONU.
 Esta situação cria dependência em termos de segurança dos EUA.

A crise asiática

A crise asiática gerou um clima de instabilidade económica em consequência:

 Da subida das taxas de juro e da instabilidade do iene.


 Das tensões inflacionistas.
 Da corrupção e dos escândalos financeiros.
 Da falência de grandes sociedades.
 Da fuga de capitais especulativos.

A crise do modelo nipónico

 Densidades populacionais e pressão urbana muito fortes.


 Forte ligação entre o poder político e os grupos económicos leva á corrupção.
 Degradação ambiental devido à localização das indústrias perto dos campos.

Degradação da qualidade de vida!

BOM ESTUDO!!!

Professor: Joaquim Madruga Página 12