Você está na página 1de 15

Anotações sobre Multiconjuntos


Rodrigo Carlos Silva de Lima

rodrigo.uff.math@gmail.com

1
Sumário

1 Multiconjuntos 3
1.0.1 Notações de multiconjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.0.2 União no sentido de conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.0.3 Interseção no sentido de conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.1 União sobre multiconjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.1.1 Soma sobre multiconjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.1.2 Número de elemento e ocorrência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.2 Produto sobre multiconjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.3 Aplicações de multiconjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.3.1 Raı́zes de polinômios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.4 Multiconjunto e fatoração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

2
Capı́tulo 1

Multiconjuntos

Definição 1 (Multiconjunto). Seja Ω ̸= ∅ um conjunto dado, que será nosso conjunto de


discurso ( ou conjunto universo). Sejam A ⊂ Ω propriamente, g : Ω → R o par composto
pelo conjunto A e a função g, denotado por (A, g) é um multiconjunto se

g(x) = 0, x ∈ Ac .

Em que Ac é o complementar de A em Ω. Podemos denotar o multiconjunto como


(A, gA ) para deixar claro que g se anula fora de A . Diremos também que (Ω, f ) é um
multiconjunto para qualquer f : Ω → R.

1.0.1 Notações de multiconjuntos

Definição 2 (Notação para multiconjunto). Usaremos a seguinte notação para multicon-


juntos
(A, g) = {kg(k) | k ∈ A}.

O valor g(k) em kg(k) pode ser chamados de ı́ndice do elemento k, o ı́ndice pode ser
intepretado, como número de vezes que um elemento aparece no multiconjunto, se for
negativo como dı́vida do multiconjunto . Por exemplo

{mapa2 , estrela5 }

3
CAPÍTULO 1. MULTICONJUNTOS 4

seria um multiconjunto com 2 mapas e 5 estrelas .

{Dinheiro−100 }

um multiconjunto para simbolizar que se deve 100 unidades de um tipo de dinheiro .

{casa1 , casa0 , camisas20 }

neste multi conjunto, casa não é um elemento pois possui ı́ndice 0 , temos nele 20 camisas
e uma casa.

Definição 3 (Igualdade de multiconjuntos). Dizemos que

(A, g) = (B, f )

se g = f em Ω.

Observação 1. Com essa definição podemos ver que do ponto de vista formal um multi-
conjunto é equivalente a uma função, porém damos a esse conceito uma interpretação que
vai além disso, assocciando, por exemplo a conjuntos em que cada elemento possui um
peso ou número associado a ocorrência do elemento , entre outras interpretações possı́veis.
Então o que difere em nossa abordagem é a interpretação do objeto formal, que dá
um certo sentido ao objeto definido .

Definição 4 (Pertinência). Dizemos que xt ∈ (A, g) ⇔ x ∈ Ω e g(x) = t > 0. Dizemos


que xt é elemento de (A, g), se t > 0 , se t < 0 dizemos que é anti-elemento ou dı́vida de
(A, g).

Definição 5 (Multiconjuntos e conjuntos). Um multiconjunto (A, g) é dito ser um con-


junto, quando g assume apenas valores em {0, 1}, fazemos nesse caso a associação

(A, g) := A.

Propriedade 1. Se (∅, g) é multiconjunto, então g é a função nula .


CAPÍTULO 1. MULTICONJUNTOS 5

Demonstração. Pela condição de (A, g) ser multiconjunto, temos que ter g vazia em
A , com A = ∅, Ac = Ω, logo g é a função nula e o único multiconjunto da forma (∅, g) é
c

(∅, 0) .

Propriedade 2. Vale que (A, 0) = (Ω, 0) para qualquer A ⊂ Ω.

Demonstração. (A, g ), g é função nula em Ω , também em (Ω, 0), logo são iguais,
|{z}
g=0
pela definição de igualdade de multiconjuntos.

Definição 6 (União no sentido de multiconjuntos). Dados dois multiconjunto (A, g) e


(B, f ) sua união (no sentido de multiconjuntos), denotada por

(A, g) ⊎ (B, f ),

é definida como
(A ∪ B, g + f ).

Além disso (A ∪ B, g + f ), é multiconjunto, isto é, g + f se anula em (A ∪ B)c . A operação


de união é fechada.
Usaremos o sı́mbolo ⊎ para tal união no sentido de multiconjuntos , para diferenciar
da união no sentido de conjuntos que definiremos a seguir .

Demonstração. Caso A ou B sejam Ω, temos A ∪ B = Ω e daı́ (A ∪ B, g + f ) é


multiconjunto por definição . Agora o caso de A e B como subconjuntos próprios de Ω.
Como (A, g) e (B, f ) são multiconjuntos, temos que g se anula em Ac , f se anula em
B c , g + f deve ter que se anular em (A ∪ B)c = Ac ∩ B c que é subconjunto de B c e de Ac ,
portanto g e f se anulam em (A ∪ B)c e daı́ sua soma g + f , como querı́amos demonstrar
.

1.0.2 União no sentido de conjuntos

Definição 7 (União no sentido de conjuntos). Dados dois multiconjuntos (A, g) e (B, f ),


definimos sua união no sentido de conjuntos como

(A, g) ∪ (B, f ) = (A ∪ B, max{g, f }).

Sendo que (A ∪ B, max{g, f }) ainda é um multiconjunto .


CAPÍTULO 1. MULTICONJUNTOS 6

Demonstração. Temos que mostrar que max{g, f } se anula fora em (A ∪ B)c =


Ac ∩ B c . Demonstramos que g e f se anulam em Ac ∩ B c , logo também seu máximo .

Corolário 1 (Comutatividade). Vale que (A, g)∪(B, f ) = (B, f )∪(A, g) pois max{g, f } =
max{f, g} e A ∪ B = B ∪ A.

Propriedade 3. Se (A, g) e (B, f ) são conjuntos então (A, g) ∪ (B, f ) é conjunto .

Demonstração. Vale pois max{g, f } assume valor 1 ou 0 .

Corolário 2 (Idempotência). Vale a propriedade de idempotência para união no sentido


de conjuntos
(A, g) ∪ (A, g) = (A ∪ A, max{g, g}) = (A, g).

Propriedade 4 (Associatividade da união ). Vale que

(C, h) ∪ [(A, g) ∪ (B, f )] = [(C, h) ∪ (A, g)] ∪ (B, f )

Demonstração. A igualdade segue de max{h, max{f, g}} = max{h, f, g} = max{f, max{h, g}}.

1.0.3 Interseção no sentido de conjuntos

Definição 8 (Interseção no sentido de conjuntos). Dados dois multiconjuntos (A, g) e


(B, f ), definimos sua interseção no sentido de multiconjuntos como

(A, g) ∩ (B, f ) = (A ∩ B, min{g, f }).

Demonstração. (A ∩ B, min{g, f }) é um multiconjunto , pois g e f são nulas em


Ac ∩ B c logo também o mı́nimo .

Corolário 3 (Comutatividade). Vale que

(A, g) ∩ (B, f ) = (B, f ) ∩ (A, g).

Pois A ∩ B = B ∩ A e min{g, f } = min{f, g}.

Propriedade 5. Se (A, g) e (B, f ) são conjuntos então (A, g) ∩ (B, f ) é conjunto .


CAPÍTULO 1. MULTICONJUNTOS 7

Demonstração. Vale pois min{g, f } assume valor 1 ou 0 .

Propriedade 6. Vale que

A ⊎ B = (A ∪ B) ⊎ (A ∩ B),

em que A e B são multiconjuntos quaisquer .

Demonstração. Temos que

(A, g) ⊎ (B, f ) = (A ∪ B, g + f ),

[(A, g) ∪ (B, f )] ⊎ (A, g) ∩ (B, f ) = (A ∪ B, max g, f ) ⊎ (A ∩ B, min g, f ) =

= (A ∪ B, max g, f + min g, f ) = (A ∪ B, g + f )

logo vale a propriedade .

Propriedade 7 (Existência do elemento neutro). Existe um elemento neutro da união


de multiconjuntos, que é (Ω, 0).

Demonstração.

(Ω, 0) ∪ (A, g) = (A, 0) ⊎ (A, g) = (A ∪ A, g + 0) = (A, g),

onde usamos que (Ω, 0) = (A, 0) e idempotência da união de conjuntos A ⊎ A = A.

Corolário 4. Vale que


(Ω, gA ) = (A, gA ).

Propriedade 8 (Existência de inverso). Vale que

(A, gA ) ⊎ (A, −gA ) = (Ω, 0)

por isso (A, −gA ) é o inverso de (A, gA ), todo elemento possui inverso .

Demonstração. Pois vale

(A, gA ) ⊎ (A, −gA ) = (A ∪ A, gA − gA ) = (A, 0) = (Ω, 0).


CAPÍTULO 1. MULTICONJUNTOS 8

Corolário 5. Vale que a união de multiconjuntos também é associativa e comutativa,


pois união de conjuntos e adição de funções também o são . Por isso temos um grupo
abeliano .

Definição 9 (Multiconjunto finito e infinito). Um multiconjunto (A, g) possui uma quan-


tidade finita de tipos de elementos se existe B ⊂ A finito tal que g ̸= 0 em B e g = 0 ∈ B c
, caso g ̸= 0 em um subconjunto infinito de A dizemos que (A, g) possui quantidade
infinita de tipos de elementos .

Vamos considerar a partir de agora multiconjuntos finitos .

1.1 União sobre multiconjunto


Sejam dados Ak multiconjuntos para todo k ∈ Z; Definimos


t
(A, gk ) = (A, gt ) ∀t ∈ Z.
k=t


b ⊎
p

b
(A, gk ) = (A, gk ) ∪ (A, gk ) ∀p, a, b ∈ Z.
k=a k=a k=p+1

Corolário 6 (União vazia). Em


b ⊎
p

b
(A, gk ) = (A, gk ) ∪ (A, gk )
k=a k=a k=p+1

tomando p = a − 1 tem-se


b ⊎
a−1 ⊎
b
(A, gk ) = ( (A, gk )) ∪ (A, gk )
k=a k=a k=a


a−1
por isso (A, gk ) deve ser o elemento neutro da união de multiconjuntos , (Ω, 0).
k=a
Tomando agora b = a − 1 em


b ⊎
p

b
(A, gk ) = (A, gk ) ∪ (A, gk ),
k=a k=a k=p+1
CAPÍTULO 1. MULTICONJUNTOS 9

segue que

a−1 ⊎
p

a−1
(A, gk )) = (Ω, 0) = (A, g(k)) ∪ (A, gk )
k=a k=a k=p+1

o que implica

p

a−1
(A, gk )) = − (A, gk ))
k=a k=p+1

tomando a = 1 e substituindo p por −p


−p
⊎ ⊎
0
(A, gk ) = − (A, gk ) =
k=1 k=−p+1


p−1
= −((A, g(−p+1) ) ∪ ∪(A, g(−p) ) ∪ · · · (A, g(−1) ) ∪ (A, g0 ) = − (A, g(−k) ).
k=0

Logo se p ≥ 1
−p
⊎ ⊎
p−1
(A, gk ) = − (A, g(−k) ).
k=1 k=0

Exemplo 1. Damos sentido então a soma


n
f (k) ∀n ∈ Z,
k=1

como a soma sobre um multiconjunto .


tal soma para n ≥ 1 é uma soma sobre o multiconjunto união

{11 , · · · , n1 } = {11 } ∪ {21 } · · · {n1 } =

= {· · · , 00 , · · · 11 , · · · , n0 } ∪ {· · · , 00 , · · · 10 , 21 , · · · , n0 } ∪ · · · ∪ {· · · , 00 , · · · 00 , · · · , n1 } =

usando a função delta de kronecker que satisfaz δ(k, k) = 1 e δ(k, j) = 0 se k ̸= j então



n
= (Z, δ(1, ) ) ∪ (Z, δ(2, ) ) ∪ · · · ∪ (Z, δ(n, ) ) = (Z, δ(k, ) ),
k=1


n ∑
n
Se n ≥ 1 tem-se (Z, δ(k, ) ) = (Z, δ(t, ) ), logo
t=1 t=1

∑ ∑ ∑∑ n ∑
∞ ∑
n
f (k) = f (k) = [ δ(t, k)]f (k) = δ(t, k)f (k) =

n ∑
n k∈Z t=1 k=−∞ t=1
k∈ (Z,δ(t, ) ) k∈(Z, δ(t, ) )
t=1 t=1
CAPÍTULO 1. MULTICONJUNTOS 10


n
= f (t).
t=1
Logo a definição recupera o sentido comum de soma quando n ≥ 1. Se n = 0 , temos

n
a união vazia (Z, δ(t, ) ) = (Z, 0), portanto
t=1

∑ ∑ ∑ ∑
0
f (k) = f (k) = 0.f (k) = 0 = f (k),

0 k∈(Z,0) k∈Z k=1
k∈ (Z,δ(t, ) )
t=1

soma chamada de soma vazia . Agora se n ≤ −1, escrevendo n = −p segue que

−p
∪ ∪
p−1

p−1
(A, gk ) = (A, −g(−k) ) = (A, − g(−k) ),
k=1 k=0 k=0
então
∑ ∑
f (k) = f (k) =
−p
∪ ∑
p−1
k∈ (Z,δ(t, ) ) k∈(Z,− δ(−t, ) )
t=1 t=0

−p
∑ ∑ p−1

p−1

= [− δ(−t, k)]f (k) = − f (−t) = f (k).
k∈Z t=0 t=0 t=1

Podemos mostrar que essa extensão de conceito para somatório, também sai se defi-
nirmos


b ∑
p

b
f (k) = f (k) + f (k), ∀a, b, p ∈ Z,
k=a k=a k=p+1

com a condição inicial,



s
f (k) = f (s) ∀s ∈ Z.
k=s
Que implicam com argumento semelhante ao aplicado para os multiconjuntos, que

−p

p−1

− f (−t) = f (k)
t=0 t=1
e

s−1
f (k) = 0 ∀s ∈ Z.
k=s
Podemos assumir esse somatório como ja tendo a propriedade estendida e definir a
união a partir dos somatórios, como fazemos a seguir .
CAPÍTULO 1. MULTICONJUNTOS 11

Definição 10 (União de multiconjuntos-segunda definição). Definimos



n ∑
n
(A, gk )) = (A, gk ),
k=1 k=1

onde para cada k inteiro temos uma função gk : A → R.

1.1.1 Soma sobre multiconjunto

Definição 11 (Soma sobre multiconjuntos ). Definimos


∑ ∑
f (k) := g(k)f (k).
k∈(A,g) k∈A

1.1.2 Número de elemento e ocorrência

Definição 12 (Número de ocorrências de um elemento). O número de ocorrência de um


elemento k ∈ A de (A, g) é dado por g(k).

Definição 13 (Número de elementos e anti-elementos de um multiconjunto ). Definimos


o número de tipos de elementos de um multiconjunto (A, g) como a soma

N (A) = 1
k∈D

em que D ⊂ A e g é não nula em D .


Definimos o número total de (A, g) como

Nt (A) = |g(k)|.
k∈A

Separamos A = B ∪ C em que B é tal que g(k) ≥ 0 em B e C é tal que g(k) ≤ 0 ∈ C.


Definimos o número de elementos de A como

N e(A) = g(k),
k∈B

e o número de anti-elementos (ou dı́vidas) como



N d(A) = − g(k),
k∈C

valendo
N e(A) + N d(A) = N t(A).
CAPÍTULO 1. MULTICONJUNTOS 12

Exemplo 2. O multiconjunto {Banana10 , casa1 , carro1 , dinheiro−1 , Hotel0 } possui 4 ti-


pos de elementos, número total de 13, uma dı́vida e 12 elementos .

1.2 Produto sobre multiconjunto

Definição 14 (Produto sobre multiconjunto). Seja (A, g) um multiconjunto definimos o


produtório sobre ele como
∏ ∏
f (k) = f (k)g(k)
k∈(A,g) k∈A

supondo f (k)g(k) bem definido .

1.3 Aplicações de multiconjuntos

1.3.1 Raı́zes de polinômios


Para estudar raı́zes de polinômios com coeficientes sendo números complexos, podemos
considerar nosso conjunto universo como sendo Ω = C o conjunto dos números complexos
. As raı́zes podem aparecer com multiplicidade , por exemplo P (x) = (x − 1)2 , possui
raiz 1 com multiplicidade 2, podemos representar suas raı́zes pelo multiconjunto

A = {12 }.

n
Em geral, um polinômio qualquer P (x) de C[x] pode ser escrito como P (x) = (x −
k=1
ak )αk , logo suas raı́zes são os elementos do multiconjunto

A = {(a1 )α1 , (a2 )α2 , · · · , (an )αn },

os indı́ces são a multiplicidade das raı́zes .

Propriedade 9. Sejam p e g polinômios com multiconjuntos de raı́zes associados Ap e


Ag respectivamente, então o polinômio produto p.g possui como multiconjunto associado
para raizes a união Ap ∪ Ag . Em sı́mbolos, vale que

Ap ∪ Aq = Aq.p .
CAPÍTULO 1. MULTICONJUNTOS 13

Demonstração.
Sejam A o conjunto de raı́zes de p, B conjunto de raı́zes de q, então seja A ∪ B =
{a1 , · · · , an }, se uma dessas raı́zes não aparece na fatoração de p ou q, colocamos seu
expoente como nulo, e por isso podemos escrever

n ∏
n ∏
n
p(x) = (x − ak ) , g(x) =
ck
(x − ak ) dk
⇒ p(x).g(x) = (x − ak )dk +ck
k=1 k=1 k=1

Por isso o multiconjunto de soluções de p é

Ap = {(a1 )c1 , · · · , (an )cn }

o multiconjunto de soluções de q é

Aq = {(a1 )d1 , · · · , (an )dn }

o multiconjunto de soluções de pq é

Aq.p = {(a1 )d1 +c1 , · · · , (an )dn +cn }

porém a união dos multiconjuntos é

Ap ∪ Aq = {(a1 )d1 +c1 , · · · , (an )dn +cn },

pois somamos as funções, portanto vale que

Ap ∪ Aq = Aq.p .

n
Exemplo 3. Seja p(x) = (x−ak )ck , então podemos escrever o polinômio como produto
k=1
sobre o multiconjunto de suas raı́zes Ap = {(a1 )c1 , · · · , (an )cn },

∏ ∏
p(x) = (x − k) = (x − k)ck
k∈Ap k∈A

1.4 Multiconjunto e fatoração

Exemplo 4. Um número fatorado como



m
n= pαk k ,
k=1
CAPÍTULO 1. MULTICONJUNTOS 14

pode ser escrito como produto sobre o multiconjunto

{(p1 )α1 · · · (pm )αm } = (A, g),


∏ ∏
n= k= k αk .
k∈(A,g) k∈A

Exemplo 5 (mmc). O mmc de dois números


t ∏
t
n= pαk k , m= pckk
k=1 k=1

é dado por

t
max{αk ,ck }
mmc(n, m) = pk
k=1

corresponde a um número com multiconjunto associado a união (no sentido de conjunto),


dos multiconjuntos associados a n e m .

Exemplo 6 (mdc). O mdc de dois números


t ∏
t
n= pαk k , m = pckk
k=1 k=1

é dado por

t
min{αk ,ck }
mdc(n, m) = pk
k=1

corresponde a um número com multiconjunto associado a interseção (no sentido de con-


junto), dos multiconjuntos associados a n e m .

Exemplo 7 (Produto). O produto de dois números


t ∏
t
n= pαk k , m= pckk ,
k=1 k=1

corresponde ao produtório sobre a união no sentido de multiconjuntos dos multiconjuntos


associados a n e m .