Você está na página 1de 3

7.

Uma empresa está avaliando os benefícios econômicos em afrouxar sua política de cobrança,
principalmente pelas elevadas despesas de cobrança que vêm normalmente ocorrendo. Atualmente, essas
despesas atingem 8% (DC0) das vendas realizadas a prazo. Estima-se que uma maior liberalidade nas
cobranças eleve as vendas a prazo de $15.000.000 (vendas0) para $17.000.000 (vendas1), não se
verificando nenhuma influência sobre o montante das vendas à vista. Da mesma forma, espera-se que a
provisão para devedores duvidosos passe de 2% (DD0) para 3% (DD1) das vendas a prazo e as despesas
com cobrança baixem para 5,5% (DC1) das vendas a prazo. Os custos e despesas variáveis relativos aos
custos e despesas de produção e despesas administrativas permanecerão fixos em 45% das vendas totais
(CVT), assim como as despesas gerais do departamento de crédito em 4% sobre as vendas a prazo(DG0).
Não se esperam igualmente alterações nos custos e despesas fixos. Estudos prospectivos ainda estimaram
em $8.000.000 (DR ou Custo) o montante de investimento marginal em valores a receber decorrentes de
uma maior liberalidade na política de cobrança. Pelos dados e informações apresentados, pede-se:
a) Determinar o lucro marginal, admitindo-se que o investimento necessário seja financiado integralmente
por recursos monetários disponíveis nos ativos da empresa;
b) Considerando-se um custo de oportunidade de 12% a.a. (oportunidade), decidir sobre a conveniência
econômica da proposta de afrouxamento da política de cobrança;
c) Caso a empresa deseje financiar seu investimento marginal através de uma operação de captação,
determinar o custo máximo que a empresa poderia incorrer para que a proposta em consideração seja
atraente.

Primeiramente é necessário calcular o mini DRE das tuas situações, aqui é necessário ler atentamente
o texto para conseguir coletar adequadamente as informações, pois as vezes são dado o CVuni e o
Preço de venda e com base na quantidade se encontra as Vendas e CVTotal, outros é dados diversas
despesas (como neste caso), outros muda uma despesa e a outra não, enfim, aqui toda atenção é pouca.
Outro detalhe é usar uma nomenclatura que separe bem os tempos estudados para não coletar dados
equivocado, eu uso normalmente o instante 0 e 1 ou “anterior” e “atual”, mas ai fica a critério de
cada um.

Situação 0 Situação 1
Vendas0 $15.000.000 Vendas1 $17.000.000
(-) CVT 0,45 x 15.000.000 = ($6.750.000) (-) CVT 0,45 x 15.000.000 = ($7.650.000)
(=) LB $8.250.000 (=) LB $9.350.000
(-) DC0 0,055 x 15.000.000 = ($1.200.000) (-) DC1 0,055 x 15.000.000 = ($935.000)
(-) DD0 0,03 x 15.000.000 = ($300.000) (-) DD1 0,03 x 15.000.000 = ($510.000)
(-) DG0 0,04 x 15.000.000 = ($600.000) (-) DG1 0,04 x 15.000.000 = ($680.000)
(=) LO0 $6.150.000 (=) LO1 $7.225.000

O Lucro Marginal é a economia ou prejuízo causado com a variação do tempo. Neste caso percebam
que o Lucro Operacional aumentou, sendo assim com a nova proposta teremos um Lucro Marginal
positivo indicando um ganho de capital. Caso houvesse reduzido o LO no segundo período este Lucro
Marginal seria negativo indicando que a nova proposta gera menos Lucro.

a) 𝑳𝑴 = 𝑳𝑶𝟏 − 𝑳𝑶𝟎 = 𝟕. 𝟐𝟐𝟓. 𝟎𝟎𝟎 − 𝟔. 𝟏𝟓𝟎. 𝟎𝟎𝟎 = +$𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎

Porque avaliar apenas o LM não é um indicativo de que a proposta é ou não satisfatório? Porque
uma empresa sempre (leia o sempre como 99,99999% das vezes) que adota uma medida de mexer
com seus clientes (dando ou tirando prazo de pagamento) ou fornecedores (adiantando ou retardando
o pagamento) isto gera uma contrapartida. Pense que os clientes pagam a vista, a lógica diz que 1%
da população vai comprar contigo, mas ninguém vai ficar te devendo, no momento que tu começa
dar crédito para teus clientes (parcelar as vendas) alguns começaram a deixar de pagar, e ai começa
investimento em gente para cobrar ou até mesmo falta de dinheiro para financiar a empresa, e estas
alterações de condições também devem ser levadas em conta na proposta. Pensando nos
fornecedores, se a conta vence todo dia 05 e tu queres pagar dia 25 o fornecedor vai exigir um
acréscimo no valor (mesmo que você seja o rei da simpatia), assim como se a conta vence dia 05 e ele
pede um adiantamento do pagamento (mesmo que ele seja topzeira da gostosura e carisma) tu não
vais aceitar isso sem exigir um desconto, sendo assim, essas alterações de condições também devem
ser levadas em conta na proposta.

Aqui nos problemas já é dado este alivio ou necessidade de capital, e novamente este dinheiro que
sobra a empresa não rasga, ela pega ou aplica no banco com uma taxa (custo de oportunidade). Sendo
assim é necessário comparar o LM com a taxa que irá ganhar ou perder com o investimento do banco,
ou seja, você precisa ver se o novo Lucro Operacional é maior ou menor do que o dinheiro que tu
vais ganhar investindo essa diferença.

No exercício dado, o novo lucro marginal é +$1.075.000, mas para isto $8.000.000 serão recebidos
além do tempo previsto, e até receber este dinheiro dos clientes para continuar na ativa a empresa
vai pedir ao banco e aos poucos devolver o dinheiro a uma taxa de 12%. Sendo assim, temos que
conferir se esses $1.075.000 serão maiores que a taxa paga em cima dos $8.000.000

𝒃) 𝑷𝒓𝒐𝒑𝒐𝒔𝒕𝒂 = 𝑳𝑴 − (𝑪𝒖𝒔𝒕𝒐 × 𝒐𝒑𝒐𝒓𝒕𝒖𝒏𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆)

𝑷𝒓𝒐𝒑𝒐𝒔𝒕𝒂 = +𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎 − (𝟖. 𝟎𝟎𝟎. 𝟎𝟎𝟎 × 𝟎, 𝟏𝟐) = +$𝟏𝟏𝟓. 𝟎𝟎𝟎

Neste caso a Proposta deu um valor positivo. Podemos concluir que a empresa vai ganhar dinheiro
com a nova medida, mesmo tendo que pagar uma taxa para cumprir com suas dívidas até os clientes
pagarem as parcelas das compras.

Este custo máximo de capitação é o mesmo que encontrar o custo de oportunidade mínimo ou
máximo da lista anterior. Sendo assim, basta pôr a proposta igual a zero, substituir os valores
conhecidos e isolar a variável do custo de oportunidade. Isto ocorre porque ao saber o valor do custo
de oportunidade para uma Proposta igual a zero, qualquer valor acima deste irá gerar lucro
(conforme demonstrado abaixo). Importante salientar que caso o LM anterior seja maior que o atual
este custo de oportunidade calculado no equilíbrio deixa de ser mínimo e passa a ser máximo
(conforme demonstrado abaixo). Primeiro vamos resolver o exercício e depois mostro a questão do
mínimo e máximo.

𝒄) 𝑷𝒓𝒐𝒑𝒐𝒔𝒕𝒂 = 𝑳𝑴 − (𝑪𝒖𝒔𝒕𝒐 × 𝒐𝒑𝒐𝒓𝒕𝒖𝒏𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆)

𝟎 = +𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎 − (𝟖. 𝟎𝟎𝟎. 𝟎𝟎𝟎 × 𝒐𝒑𝒐𝒓𝒕𝒖𝒏𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆)


𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎
𝒐𝒑𝒐𝒓𝒕𝒖𝒏𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆 = = 𝟎, 𝟏𝟑𝟒𝟒 = 𝟏𝟑, 𝟒𝟒%
𝟖. 𝟎𝟎𝟎. 𝟎𝟎𝟎

Para que a medida seja viável seria necessário conseguir um custo de oportunidade máximo igual a
13,44%.
Prova Real:
𝑷𝒓𝒐𝒑𝒐𝒔𝒕𝒂 = 𝑳𝑴 − (𝑪𝒖𝒔𝒕𝒐 × 𝒐𝒑𝒐𝒓𝒕𝒖𝒏𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆)

𝑷𝒓𝒐𝒑𝒐𝒔𝒕𝒂 = +𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎 − (𝟖. 𝟎𝟎𝟎. 𝟎𝟎𝟎 × 𝟎, 𝟏𝟑𝟒𝟒) = $𝟎


𝑷𝒓𝒐𝒑𝒐𝒔𝒕𝒂 = +𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎 − (𝟖. 𝟎𝟎𝟎. 𝟎𝟎𝟎 × 𝟎, 𝟏𝟑𝟒𝟑) = +$𝟔𝟎𝟎
𝑷𝒓𝒐𝒑𝒐𝒔𝒕𝒂 = +𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎 − (𝟖. 𝟎𝟎𝟎. 𝟎𝟎𝟎 × 𝟎, 𝟏𝟑𝟒𝟓) = −$𝟏. 𝟎𝟎𝟎

Viram? Se aumentar para 13,45% o custo de oportunidade gera prejuízo e se reduzir dá lucro. Agora
faremos o mesmo caso, mas atribuindo, hipoteticamente para desmontar apenas, o LM anterior
maior que o posterior e que isto gerou um descontou (ganho) de $8.000.000 (por exemplo os clientes
pagaram adiantado). Vamos apensa inverter os LO’s e calcular o custo de oportunidade mínimo
(para isto também é necessário zerar o item Proposta).

𝑳𝑴 = 𝑳𝑶𝟏 − 𝑳𝑶𝟎 = 𝟔. 𝟏𝟓𝟎. 𝟎𝟎𝟎 − 𝟕. 𝟐𝟐𝟓. 𝟎𝟎𝟎 = −$𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎

𝑷𝒓𝒐𝒑𝒐𝒔𝒕𝒂 = 𝑳𝑴 + (𝑮𝒂𝒏𝒉𝒐 × 𝒐𝒑𝒐𝒓𝒕𝒖𝒏𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆)

𝟎 = −𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎 + (𝟖. 𝟎𝟎𝟎. 𝟎𝟎𝟎 × 𝒐𝒑𝒐𝒓𝒕𝒖𝒏𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆)


𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎
𝒐𝒑𝒐𝒓𝒕𝒖𝒏𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆 = = 𝟎, 𝟏𝟑𝟒𝟒 = 𝟏𝟑, 𝟒𝟒%
𝟖. 𝟎𝟎𝟎. 𝟎𝟎𝟎

Para que a medida seja viável seria necessário conseguir um custo de oportunidade mínimo igual a
13,44%.

Prova Real:
𝑷𝒓𝒐𝒑𝒐𝒔𝒕𝒂 = 𝑳𝑴 + (𝑮𝒂𝒏𝒉𝒐 × 𝒐𝒑𝒐𝒓𝒕𝒖𝒏𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆)

𝑷𝒓𝒐𝒑𝒐𝒔𝒕𝒂 = −𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎 + (𝟖. 𝟎𝟎𝟎. 𝟎𝟎𝟎 × 𝟎, 𝟏𝟑𝟒𝟒) = $𝟎


𝑷𝒓𝒐𝒑𝒐𝒔𝒕𝒂 = −𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎 + (𝟖. 𝟎𝟎𝟎. 𝟎𝟎𝟎 × 𝟎, 𝟏𝟑𝟒𝟑) = −$𝟔𝟎𝟎
𝑷𝒓𝒐𝒑𝒐𝒔𝒕𝒂 = −𝟏. 𝟎𝟕𝟓. 𝟎𝟎𝟎 + (𝟖. 𝟎𝟎𝟎. 𝟎𝟎𝟎 × 𝟎, 𝟏𝟑𝟒𝟓) = +$𝟏. 𝟎𝟎𝟎

Aqui para qualquer valor acima dos 13,44% a empresa começa a ganhar.