Você está na página 1de 4

UNEMAT - CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES


PROFESSOR MAURICIO DALLASTRA
Tangará da Serra – MT, 05/06/2018
ATIVIDADE AVALIATIVA (N2) – SEMINÁRIO (Eficiência Energética em
Residência Unifamiliar)

ORIENTAÇÕES:
a) Objetivo do seminário
Apresentar a avaliação da eficiência energética, de um projeto de residência
unifamiliar pelo RTQ-R - Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de
Eficiência Energética de Edificações Residenciais (2012).

b) Desenvolvimento
A atividade deve ser realizada em grupo, podendo ser os mesmo alunos da atividade
avaliativa anterior. Cada grupo deve ter em média 6 componentes;

O projeto arquitetônico da residência unifamiliar proposto (Anexo I), deverá seguir as


premissas a partir de recomendações bioclimáticas para as características da
cidade, buscando ao máximo o conforto por meios passivos para os usuários e,
consequentemente, a máxima eficiência energética da edificação. Deverá ser
avaliada a edificação conforme especificado no projeto. Em seguida deverão ser
adotadas estratégias bioclimáticas, cálculos luminotécnicos, adaptações e etc para
garantir a eficiência energética do mesmo.

c) Metodologia:
Na análise prescritiva do projeto deverão ser verificados os seguintes
aspectos:
• Propriedades térmicas dos materiais;
• Aberturas para ventilação e sombreamento das aberturas;
• Estratégias de condicionamento passivo;
• Cálculos luminotécnicos;
• Uso de softwares para simulação.

d) Temas:
Cidades onde deverão implementados no projeto, de acordo com a Zona
Bioclimática:
Grupo 01: Zona Bioclimática 1;
Grupo 02: Zona Bioclimática 2;
Grupo 03: Zona Bioclimática 3;
Grupo 04: Zona Bioclimática 4;
Grupo 05: Zona Bioclimática 5;
Grupo 06: Zona Bioclimática 6;
Grupo 07: Zona Bioclimática 7;
Grupo 08: Zona Bioclimática 8.

OBS: O grupo irá definir a cidade, bem como o terreno para implantação do
projeto, dentro da zona bioclimática determinada.

1/4
UNEMAT - CURSO DE ENGENHARIA CIVIL
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES
PROFESSOR MAURICIO DALLASTRA
Tangará da Serra – MT, 05/06/2018
e) Preparação
O levantamento bibliográfico e de outras fontes de informação, faz parte do
trabalho esperado dos alunos. O professor estará à disposição para auxiliar. (IBGE,
etc)
O grupo deve preparar um roteiro de apresentação e enviar previamente por
e-mail ao professor antes da apresentação. Neste roteiro devem constar: o título do
seminário, bem como os nomes dos componentes.

f) Apresentação/tempo:
Todos os componentes devem participar da apresentação.
O tempo da apresentação é de 20 a 30 minutos; Lembrando que em média,
cada slide leva 3 minutos para ser lido e comentado.

g) Avaliação
O seminário possui o valor de 10,0 pontos, assim distribuído:
QUESITO PESO

Organização e planejamento da apresentação; 2,0

Clareza e objetividade; 2,0

Domínio d o tema – conhecimento sobre o assunto abordado; 3,0

Adequação ao tempo disponível (20 a 30 min); 1,0

Uso correto do material didático (imagens, textos); 2,0

NOTA TOTAL 10,0

h) Datas das apresentações:

12/06/2018
Grupo 01: Zona Bioclimática 1;
Grupo 02: Zona Bioclimática 2;
Grupo 03: Zona Bioclimática 3;
Grupo 04: Zona Bioclimática 4.

13/06/2018
Grupo 05: Zona Bioclimática 5;
Grupo 06: Zona Bioclimática 6;
Grupo 07: Zona Bioclimática 7;
Grupo 08: Zona Bioclimática 8.

2/4
UNEMAT - CURSO DE ENGENHARIA CIVIL
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES
PROFESSOR MAURICIO DALLASTRA
Tangará da Serra – MT, 05/06/2018
i) Referências recomendadas
Além dos materiais expostos em aula e disponibilizados, segue algumas
recomendações para consulta para auxiliar na elaboração da atividade.

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15220-3:


Desempenho térmico de edificações – Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro
e estratégias de condicionamento térmico passivo para habitações de interesse
social. Rio de Janeiro, 2005.

LAMBERTS, Roberto; DUTRA, Luciano; PEREIRA, Fernando O.R. Eficiência


Energética na Arquitetura. 3. ed. Florianópolis: Eletrobras/procel, 2014.
Disponível em:
<http://www.labeee.ufsc.br/sites/default/files/apostilas/eficiencia_energetica_na_arq
uitetura.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2017.

ENTENDA como funciona o Minha Casa Minha Vida. 2014. Disponível em:
<http://www.brasil.gov.br/infraestrutura/2014/04/entenda-como-funciona-
ominhacasa-minha-vida>. Acesso em: 15 nov. 2017.

IMPACTO Econômico e Social. 2014. Disponível em:


<http://www.brasildamudanca.com.br/minha-casa-minha-vida/impacto-
economicoesocial>. Acesso em: 15 nov. 2017.

PALLADINI, Gustavo Daou. Análise do investimento necessário para o alcance


da máxima classificação de eficiência energética de um edifício. 2016. 87 f.
TCC (Graduação) - Curso de Engenharia Civil, Ecv, Universidade Federal de Santa
Catarina, Florianópolis, 2016. Disponível em:
<http://www.labeee.ufsc.br/sites/default/files/publicacoes/tccs/TCC_Gustavo_Daou
_Palladini.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2017.

BRASIL. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial


(INMETRO). Portaria 18, de 16 de janeiro de 2012. Regulamento Técnico da
Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Residenciais. Rio
de Janeiro, 2012.

LABORATÓRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - UFSC


(Florianópolis). ProjetEEE. Disponível em: <http://150.162.76.139/index.php>.
Acesso em: 15 nov. 2017.

Programa Brasileiro de Etiquetagem. PBE edifica. Disponível em:


<http://www.pbeedifica.com.br/>. Acesso em: 15 nov. 2017.

3/4
UNEMAT - CURSO DE ENGENHARIA CIVIL
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES
PROFESSOR MAURICIO DALLASTRA
Tangará da Serra – MT, 05/06/2018

ANEXO 1 – RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR

4/4