Você está na página 1de 25

1

PROVAS AV2 DE CONCRETO 2 - PILAR

Questão (cód. 216334)

Seja um pilar de canto com fck=20 MPa e seção de 20 x 40 cm, conforme a figura.

  • 1 - Utilize o processo simplificado da NBR 6118 para determinar as excentricidades de 1º ordem, sabendo que:

A viga V101 possui seção de 12x30 cm e vão de 4 m carregado por 22,2 KN/m;

A viga V103 possui seção de 12x50 cm e vão de 6 m carregado por 10,0 kN/m;

O pilar possui 3,40 m de comprimento de flambagem nas duas direções e esforço normal de 816 KN.

  • 2 - Classifique o pilar quanto à esbeltez nas duas direções e, se for o caso, determine as excentricidades de 2º ordem.

  • 3 - Determine as excentricidades acidentais e também as associadas aos momentos mínimos.

  • 4 - Determine as excentricidades finais e as respectivas taxas de armadura com utilização do ábaco adequado.

  • 5 - Apresente um croqui com detalhamento da armadura de pilar, incluindo a armadura transversal.

P1

( )

( )

( )

2

1º Passo: Verificar dados da questão

  • - Tipo de concreto: =

  • - Valor da força normal: =

  • - Comprimento equivalente de flambagem

=

= , =

  • - Dados da seção transversal

e calcular o (

Seção 20 x 40 cm

)

*

=

) ( =

*

=

ℎ 20 -. 40 -.

ℎ = 20 -. ℎ = 40 -.
ℎ = 20 -.
= 40 -.

2º Passo: Calcular o esforço solicitante

0 1 = 0 1 = : =
0
1 =
0
1 =
: =

2 3 2 4 0 5

1,0 1,4 816 90 ,

3º Passo: Resolver o que é pedido na questão 3.1 - Utilize o processo simplificado da NBR 6118 para determinar as excentricidades de 1º ordem.

3

Direção x:

Cálculo do ; 5,<3=>?@>1A

-

-

H IJK>@

=

-

H PJ=> =

 

-

; 5,J34<@JA@

=

; 5,J34<@JA@ =

-

; 5,<3=>?@>1A =

B C D

12

B = 22,2 90/.

3 Direção x: Cálculo do ; 5,<3=>?@>1A - IJK>@ - PJ=> - 5,J34<@JA@ 5,J34<@JA@ - 5,<3=>?@>1A

=

 

C = 4 .

 

= 29,6

=

M

N

12

 

12

 

=

 

C

<

340

 

2

2

12 30 N

 

12

X,

 

=

400 -.

 

40 20 N

22,2 4 D

  • 12 G .

=

Cálculo do H IJK>@ H I,?LI<@JA@ H I,J34<@JA@

H I,?LI<@JA@ = H I,J34<@JA@ =

, G

Cálculo do H PJ=>

M N

12

C <4 (QãS TUTVWQS)

=

Cálculo do momento fletor solicitante na base e no topo

; 5,?LI<@JA@ =

; 5,<3=>?@>1A

@ YZ[\]

; 5,?LI<@JA@ = 2960 90. -.

@ Y,^_Y`]Za] b @ cZd\ b @ Y,Zef`]Za]

ghi,j *k l

ghi,j *k l b im,h *k l b ghi,j *k l

,no pnqp = ,rst pnqp = .

Cálculo do momento fletor total na base e no topo

; 5,uAIA = ; 5,v>?< =

; 5,J34<@JA@ = ; 5,?LI<@JA@ +

; 5,J34<@JA@ = ; 5,?LI<@JA@

2

4

; 5,uAIA

=

; 5,v>?< = 1218 +

1218

2

,yqtq = − ,z r = X .

Majorar o momento fletor

-

; 1,uAIA

=

; 1,uAIA

=

-

T g =

= ,

Direção y:

 

-

; 5,<3=>?@>1A =

-

; 1,v>?<

=

; 5,uAIA = ; 5,v>?< 1,4

; 1,v>?< = 1827 1,4

:,yqtq = − :,z r =

X, .

Calcular a excentricidade de 1° ordem na direção x

2557,8 90. -.

=

1142,4 90

; 1,uAIA = ; 1,v>?<

0 1

Cálculo do ; 5,<3=>?@>1A

B = 10,0 90/. C = 6 . B C D 10,0 6 D = =
B = 10,0 90/.
C = 6 .
B C D
10,0 6 D
=
= 30
90. .
=
.
12
12

Cálculo do H IJK>@ H I,?LI<@JA@ H I,J34<@JA@

H IJK>@

= H I,?LI<@JA@ = H I,J34<@JA@ =

M

ℎ2 N

12

C

<

2

=

20 40 N

12

340

2

=

X,

5

Cálculo do H PJ=>

-

H PJ=> =

-

; 5,J34<@JA@

=

; 5,J34<@JA@ =

-

; 5,uAIA

=

; 5,uAIA

=

-

; 1,uAIA

=

; 1,uAIA

=

-

M N

12 50 N

  • 12 ,

=

12

600 -.

=

C <4 (QãS TUTVWQS)

Cálculo do momento fletor solicitante na base e no topo

; 5,?LI<@JA@ =

; 5,<3=>?@>1A

@ YZ[\]

; 5,?LI<@JA@ = 3000 90. -.

@ Y,^_Y`]Za] b @ cZd\ b @ Y,Zef`]Za]

iDm,h *k l

iDm,h *k l b D}~,N *k l b iDm,h *k l

,no pnqp = ,rst pnqp = , .

Cálculo do momento fletor total na base e no topo

=

; 5,J34<@JA@ = ; 5,?LI<@JA@ +

1286,5

2

; 5,J34<@JA@ = ; 5,?LI<@JA@

2

; 5,v>?<

; 5,v>?< = 1286,5 +

,yqtq = − ,z r = G G, .

Majorar o momento fletor

; 1,v>?<

=

; 5,uAIA = ; 5,v>?< 1,4

; 1,v>?< = 1929,8 1,4

:,yqtq = − :,z r =

X , X .

Calcular a excentricidade de 1° ordem na direção x

T g

; 1,uAIA = ; 1,v>?<

=

0 1

=

2701,7 90. -.

1142,4 90

= ,

6

3.2 - Classifique o pilar quanto à esbeltez nas duas direções e, se for o caso, determine as

excentricidades de 2º ordem.

  • - Cálculo do momento fletor mínimo

np çãq

; g1,kJ3,

=

0 1 Å(1,5 + (0,03 )Ç, -S. ℎ T. -.

; g1,kJ3, = 1142,4 Å(1,5 + (0,03 20 -.)Ç

:, no, = GG, .

: =

X, .

np çãq

; g1,kJ3,

=

; g1,kJ3,

0 1 ÑÖ1,5 + (0,03

Üá, -S. ℎ T. -.

= 1142,4 Å(1,5 + (0,03 40 -.)Ç

:, no, = , . : = X , X .

Índice de esbeltez

-

np çãq

 

3,46 C <

â =

ä = ,

np çãq

 

3,46 C <

â

=

 

ä = G,

-

Esbeltez limite

=

3,46 340 -.

20 -.

=

3,46 340 -.

40 -.

Direção x:

Momento

fletor mínimo

menor

que

o

momento

de

ordem

:, no, = GG, .

: =

X, . ,

o

que

leva

ao

cálculo

de

ã v , conforme a fórmula abaixo:

ã v = 0,6 + 0,4

; å

; >

≥ 0,4

7

 

(−2557,8)

= 0,2

≤ 0,4

2557,8

 

+ 12,5

T g

, -S. 35

â g

≤ 90

 

ã v

+ 12,5 2,24 -.

20

-.

 
 

0,4

fletor

mínimo

maior

 

: =

 
 

T g

+ 12,5

 

, -S. 35

â g

≤ 90

 

ã v

+ 12,5 2,36 -.

40

-.

 
 

1,0

, X

ä , =

 

ã v = 0,6 + 0,4

é z = ,

 

25

â g,

=

 

25

â g,

=

Direção y:

Momento

 

25

â g,

=

 

25

â g,

=

ä

,

=

â

<

â

<

â g,

Logo temos

ä , = ,

que

o

momento

de

:, no, = , .

X , X . , o que leva ã v = 1,0.

â g, = , < , 0ãS êãS -SëêWíTHìíSê Sê TUTWVSê íT 2º SHíT.

= G, < , 0ãS êãS -SëêWíTHìíSê Sê TUTWVSê íT 2º SHíT.

ordem

Nesse caso não há necessidade da excentricidade de 2º ordem.

8

- Determine as excentricidades associadas aos momentos mínimos.

3

np çãq

T g ,kJ3 =

np çãq

T g

,kJ3 =

, no =

4

GG, .

1142,4 90

, no = ,

, .

1142,4 90

, X

- Determine as excentricidades finais e as respectivas taxas de armadura com utilização do

ábaco adequado.

  • - Excentricidade final

= ,
= ,

, no = , X

  • - Cálculo do ï

ν =

0 1

)

*

U *1 (

5ó *k ò )
*k ò )

=

1142,4 90

800

-. D

2,0

1,4

ô =

,

9

np çãq

 

T

ï =

ö

õ = ,

np çãq

 

T g

ï =

ö

õ = , X

2,24 -.

= 1,0

 

20 -.

 

2,7 -.

=

1,0

40 -.

,kJ3

-

Consultar o ábaco o valor de pq e calcular a ( r correspondente

pq =

, X

)

?

=

HS

ú 100 ù

)

?

=

1,7

û 100

ü

20 40

( r =

,

5 - Apresente um croqui com detalhamento da armadura de pilar, incluindo a armadura

transversal.

  • - Cálculo da armadura mínima

0 1

U 1

) ?,kJ3 = 0,15

50

U 1 =

1,15 = 43,5

≥ 0,004

) ?,kJ3 = 0,15 1142,4 90

43,5

≥ 0,004 20 40

( r, no = , G

, †°!

Logo:

) ?

>

) ?,kJ3

,

>

, G †°!

,

10

  • - A taxa de armadura

• =

) ?

)

*

100 =

15,00

  • 800 100 = 1,9 %

<

ká = 4 %

→ ®©!

™ =

, G %

<

á = %

→ †°!

  • - Armadura transversal

u

´ ∅ K

4

=

5 ..

16

4

=

4 ..

y =

-

Espaçamento

¨

´

20 -.

M (.TëSH íW.TëêãS íS WCìH) = 20 -.

Ø á = G

12 K ìHì Æ) − 50 = 12 1,6 -. = 19,2 -.

  • - Croqui

∅ y = , = ∅ y = , = ℎ = 40 -.
∅ y = , =
∅ y = , =
= 40 -.

= 20 -.

11

Questão (cód. 216335)

Seja um pilar birotulado com comprimento de 6,75 m, fck=25MPa, cobrimento de 2,5 cm

d’ = 4 cm, seção 26x40 cm e carga de 930 kN, que não recebe momento de viga (apenas carga

 

normal).

1

- Classifique o pilar quanto à esbeltez e, se for o caso, determine as excentricidades de 2º

ordem.

2

- Determine as excentricidades acidentais e mínimas.

3

- Determine as excentricidades finais e as respectivas taxas de armadura com utilização do

ábaco mais adequado.

4

- Apresente um croqui com o detalhamento da armadura do pilar, incluindo a armadura

transversal.

1º Passo: Verificar dados da questão

  • - Tipo de concreto: =

  • - Valor da força normal: = G

  • - Comprimento equivalente de flambagem

=

= , X = X

  • - Dados da seção transversal

e calcular o (

Seção 26 x 40 cm

) * =

) * =

( =

40 -. 26 -. ℎ = 40 -. ℎ = 26 -.
40 -. 26 -.
ℎ = 40 -.
= 26 -.

12

2º Passo: Calcular o esforço solicitante

0 1

=

2 3 2 4 0 5

0 1 =

: =

1,0 1,4 930 90

3º Passo: Resolver o que é pedido na questão

3.1 - Classifique o pilar quanto à esbeltez e, se for o caso, determine as excentricidades de 2º

ordem.

Índice de esbeltez

-

np çãq

 

â =

3,46 C <

 

ä = ,

 

np çãq

 
 

3,46 C <

â

=

 

ä = G,

 

-

Esbeltez limite

3,46 675 -.

=

 

40 -.

=

3,46 675 -.

26 -.

Nos pilares intermediários não ocorrem momentos fletores e excentricidades de 1ª ordem,

daí

= é z

 

25

+ 12,5

â g =

 

ã v

â g,

=

â g,

= 25

Logo temos

= , , assim temos:

T g

, -S. 35

â g

ä ,

=

≤ 90

≥ 35

ä , =

â < â g, = , > , ¨ãS -SëêWíTHìíSê Sê TUTWVSê íT 2º SHíT. ëì íWHTçãS ;

â

<

â g,

= G, > , ¨ãS -SëêWíTHìíSê Sê TUTWVSê íT 2º SHíT. ëì íWHTçãS 2.

13

- Cálculo da excentricidade de 2ª ordem

Cálculo do momento fletor mínimo

np çãq

; g1,kJ3,

=

0 1 Å(1,5 + (0,03 )Ç, -S. ℎ T. -.

; g1,kJ3, = 1302 90 Å(1,5 + (0,03 40 -.)Ç

:, no, = , .

np çãq

; g1,kJ3,

=

; g1,kJ3,

=

0 1 ÑÖ1,5 + (0,03

Üá, -S. ℎ T. -.

1302 90 Å(1,5 + (0,03 26 -.)Ç

:, no, = G , .

Calcular o ô

 

0 1

ν =

) *

U *1 (

*k ò )

 
 

1302 90

 

ν =

1040

-. D

2,5

90

 

1,4

-. D

 

ô =

, X

Calcular o

p

np çãq

C

0,005

 

0,005

=

H

ℎ (ö + 0,50)

 

C

0,005

 

H

=

40 -. (0,7 + 0,50)

 

= ,

± ±

p

0,005

40

, ± ±

→ †°!

14

np çãq

 

C

0,005

0,005

 
 

=

H

ℎ(ö + 0,50)

C

0,005

0,005

 

H

=

26 -. (0,7 + 0,50)

26

= ,

± ±

, G ± ±

→ †°!

p

Cálculo da excentricidade máxima de 2ª ordem

np çãq

 
 

CT D

 

C

T D

=

10

H

 

675

D

T D

=

10

= , X

np çãq

 
 

CT2 D

 

C

T D

=

10

H

 

675

D

T D

=

10

= X,

 

1,04166 10 ±

1,60256 10 ±

Cálculo do momento de 2ª ordem

np çãq

; 1,uAu, =

ã v

; g1, +

0 1

CT D

10

C

H

¥

;

g1,

; g1,kJ3 ,T

; g1,

; g1,kJ3

; 1,uAu, = (1,0 3515,4 90. -.) + (1302 90 4,75 -.)

:,yqy, = G GG, G . :, no = , . → †°!

np çãq

; 1,uAu,

=

ã v

; g1, +

0 1

CT2 D

10

C

H

¥

;

g1,

; g1,kJ3 ,T

; g1,

; g1,kJ3

; 1,uAu,

=

(1,0 2968,6 90. -. ) + (1302 90 7,03 -.)

:,yqy, = , X . :, no = G , . → †°!

15

3.2

np çãq

 

; g1,kJ3,

 

T g ,kJ3

=

 

0

1

 

3515,4 90. -.

T g ,kJ3

=

 

1302

90

, no = , X

np çãq

 

; g1,kJ3,

 

T g

,kJ3 =

0

1

 

2968,6 90. -.

T g

,kJ3 =

 

1302

90

, no =

,

3.3

- Determine as excentricidades mínimas.

- Determine as excentricidades finais e as respectivas taxas de armadura com utilização do

ábaco mais adequado.

  • - 1º êWVµìçãS íT -áC-µCS

T

=

T g ,kJ3

+

T =

2,7 -. +

= X,

-

T D

4,75 -.

2º êWVµìçãS íT -áC-µCS

T

=

T g

,kJ3

+

T D

T

=

2,3 -. +

7,3 -.

=

G,

Calcular o valor de ï

np çãq

 

T

ï

=

ö

ï

= 0,7

õ = ,

7,45 -.

40 -.

16

np çãq

 

T

ï

=

ö

ï

=

0,7

õ = ,

-

9,6 -.

26 -.

Consultar o ábaco o valor de pq e calcular a ( r correspondente

Os valores para o ábaco serão:

ô =

, X e õ = ,

O valor de HS correspondente é:

pq =

,

 

)

?

=

ú

HS

100 ù

 

û

3,18

ü

) ? =

100

26 40

( r =

,

3.4 - Apresente um croqui com o detalhamento da armadura do pilar, incluindo a armadura

transversal.

  • - Cálculo da armadura mínima

0 1

U 1

) ?,kJ3 = 0,15

50

U 1 =

) ?,kJ3 = 0,15

≥ 0,004

1,15 = 43,5

1302 90

43,5

≥ 0,004 26 40

( r, no = ,

, †°!

Logo:

) ?

>

) ?,kJ3

,

>

, †°!

,

17

  • - A taxa de armadura

• =

)

?

)

*

100 =

35,00

1040

100

™ =

, %

<

á = %

→ †°!

  • - Armadura transversal

u

´ ∅ K

4

=

5 ..

25

4

= 6,3 ..

y = ,

-

Espaçamento

¨

´

20 -.

M (.TëSH íW.TëêãS íS WCìH) = 26 -.

Ø á =

12 K ìHì Æ) − 50 = 12 2,5 -. = 30,0 -.

  • - Croqui

∅ y = , = , ∅ y = , = , ∅ ℎ =
∅ y = , = ,
∅ y = , = ,
ℎ = 26 -.
= 40 -.

18

Questão 21.2 (Apostila página 83)

Seja um pilar de extremidade com fck=25 Mpa e seção de 15 x 50 cm, conforme a figura.

  • 1 - Utilize o processo simplificado da NBR 6118 para determinar a excentricidade de 1º ordem,

sabendo que:

A viga V101 possui seção de 14x60 cm e vão de 5,25 m carregado por 39,0 KN/m;

O pilar possui 280 cm de comprimento de flambagem e esforço normal de 650 KN.

  • 2 - Classifique o pilar quanto à esbeltez nas duas direções e, se for o caso, determine a

excentricidade de 2º ordem.

  • 3 - Determine a excentricidade associadas aos momentos mínimos.

  • 4 - Determine as excentricidades finais e as respectivas taxas de armadura com utilização do

ábaco adequado.

  • 5 - Apresente um croqui com detalhamento da armadura de pilar, incluindo a armadura

transversal.

V101 (14x60)
V101 (14x60)

19

1º Passo: Verificar dados da questão

  • - Tipo de concreto: =

  • - Valor da força normal: =

  • - Comprimento equivalente de flambagem

=

= , =

  • - Dados da seção transversal

e calcular o (

Seção 15 x 50 cm

)

*

=

)

*

=

50 -. 15 -.

( =

X

= 50 -.

ℎ = 15 -.
= 15 -.

2º Passo: Calcular o esforço solicitante

0 1 =

2 3 2 4 0 5

0 1 =

1,20 1,4 650 90

: =

G

3º Passo: Resolver o que é pedido na questão

3.1 - Utilize o processo simplificado da NBR 6118 para determinar a excentricidade de 1º

ordem.

20

A excentricidade de 1º ordem será calculada para direção y.

- Cálculo do ; 5,<3=>?@>1A B = 39,0 90/. C = 5,25 . B C D
-
Cálculo do ; 5,<3=>?@>1A
B = 39,0 90/.
C = 5,25 .
B C D
39 5,25 D
=
= 89,58
=
G .
; 5,<3=>?@>1A =
12
12
-
Cálculo do H IJK>@ H I,?LI<@JA@ H I,J34<@JA@
M ℎ N
50 15 N
12
12
=
=
=
,
H IJK>@
H I,?LI<@JA@ = H I,J34<@JA@ =
C
280
<
2
2
-
Cálculo do H PJ=>
M ℎ N
14 60 N
12
12
=
=
H PJ=> =
C <4 (QãS TUTVWQS)
525 -.
-
Cálculo do momento fletor solicitante na base e no topo
=
=
; 5,J34<@JA@
; 5,?LI<@JA@
; 5,<3=>?@>1A
@ YZ[\]
@ Y,^_Y`]Za] b @ cZd\ b @ Y,Zef`]Za]
; 5,?LI<@JA@ = 8958 90-.
; 5,J34<@JA@ =
g}}, *k l
g}}, *k l b ~} *k l b g}}, *k l
,no pnqp = ,rst pnqp =
-
Cálculo do momento fletor total na base e no topo

; 5,uAIA = ; 5,v>?< =

; 5,J34<@JA@ = ; 5,?LI<@JA@ +

; 5,J34<@JA@ = ; 5,?LI<@JA@

2

21

; 5,uAIA

=

; 5,v>?< = 1321 +

1321

2

,yqtq = − ,z r = G .

-

Majorar o momento fletor

 

; 1,uAIA

=

; 1,v>?<

=

; 5,uAIA = ; 5,v>?< 1,4 2 3

; 1,uAIA

=

; 1,v>?< =

1982 1,4 1,20

 

:,yqtq = − :,z r = .

 

-

Calcular a excentricidade de 1° ordem na direção x

 
 

; 1,uAIA = ; 1,v>?<

 

3330 90. -.

T g

=

 

=

 

0 1

1092 90

 

= ,

 

3.2 - Classifique o pilar quanto à esbeltez nas duas direções e, se for o caso, determine as

excentricidades de 2º ordem.

 

-

Cálculo do momento fletor mínimo

 

np çãq

 

; g1,kJ3,

=

0 1 Å(1,5 + (0,03 )Ç, -S. ℎ T. -.

 

; g1,kJ3, = 1092 Å(1,5 + (0,03 50 -.)Ç

:, no, = X .

 

np çãq

 

; g1,kJ3,

=

0 1 ÑÖ1,5 + (0,03

Üá,

-S. ℎ T. -.

; g1,kJ3,

=

1092 Å(1,5 + (0,03 15 -.)Ç

:, no, = G . : = .

-

Índice de esbeltez

 

np çãq

 

â =

3,46 C <

=

3,46 280 -.

 
 

50 -.

 

ä = G,

22

np çãq

â

3,46 C <

=

=

3,46 280 -.

15 -.

ä = ,

- Esbeltez limite

Direção x:

Na direção x não ocorrem momentos fletores e excentricidade de 1º ordem, o que leva

ã v = 1,0 T T g

= 0.

â g,

=

25

+ 12,5

T g

ã v

, -S. 35

â g

≤ 90

â g,

=

25

+ 12,5

0

50 -.

1,0

ä ,

=

ä , =

Direção y:

Momento

fletor

mínimo

menor

que

o

momento

de

ordem

:, no,

= G .

: =

. , o que leva ao cálculo de ã v , conforme

a fórmula abaixo:

ã

v

=

0,6 + 0,4

; å

; >

≥ 0,4

ã v = 0,6 + 0,4

(−3330)

3330

= 0,2

≤ 0,4

é z = ,

â g,

=

25

+ 12,5

T g

ã v

, -S.

35

â g

≤ 90

â g,

=

25

+ 12,5 3,05 -.

15 -.

0,4

ä , = , G

23

Logo temos

â < â g, = G, < , 0ãS êãS -SëêWíTHìíSê Sê TUTWVSê íT 2º SHíT.

â

<

â g,

= , < , G 0ãS êãS -SëêWíTHìíSê Sê TUTWVSê íT 2º SHíT.

Nesse caso não há necessidade da excentricidade de 2º ordem.

- Determine as excentricidades associadas aos momentos mínimos.

3

np çãq

 

3276

90-.

T g ,kJ3 =

 

1092

90

,

no

=

 

np çãq

 

2129

90-.

T g

,kJ3 =

 

1092

90

, no =

, G

  • 4 - Determine as excentricidades finais e as respectivas taxas de armadura com utilização do

ábaco adequado.

Excentricidade final

-

np çãq

 

=

, no

=

np çãq

 

=

= ,

-

Cálculo do ï

 
 

0 1

 

=

ν =

ô =

)

*

U *1 (

,

*k ò )

1092 90

  • 750 -. D

2,5

1,4

24

np çãq

 
 

T

= 0,82

3 -.

50 -.

 

ï =

ö

õ = ,

 

np çãq

 

T g

,kJ3

=

0,82

3,05 -.

 

ö

ï =

õ = , X

15 -.

Consultar o ábaco o valor de pq e calcular a ( r correspondente

-

pq =

, G

 

)

?

=

ú

HS

100 ù

 

û

2,19

ü

) ? =

100

( r =

,

50 15

5 - Apresente um croqui com detalhamento da armadura de pilar, incluindo a armadura

transversal.

  • - Cálculo da armadura mínima

 

0 1

) ?,kJ3 = 0,15

U 1

 

50

U 1 =

1,15 = 43,5

) ?,kJ3 = 0,15

43,5

≥ 0,004

1092 90

≥ 0,004 50 15

( r, no = , X

†°!

Logo:

) ?

>

) ?,kJ3

,

>

, X †°!

,

,

25

-

) ?

16,00

 

• =

)

*

100 =

750

100 = 2,1 %

<

ká = 4 %

™ =

, %

<

á = %

→ †°!

 

-

Armadura transversal

 
 

´ ∅ K

 

5 ..

u

 

12,5

=

3,1 ..

y =

 
 

=

 
 

4

 

4

-

Espaçamento

 
 

´

 

20 -.

 

¨

M (.TëSH íW.TëêãS íS WCìH) = 15 -.

-

Distância entre eixos

 
 

 

2 (- +

u ) +

0ú.THS íT MìHHìê

K

 

 

2

ì P =