Você está na página 1de 47

MÉTODOS PARA COMBATER A CORROSÃO

MÉTODOS PARA COMBATER A CORROSÃO

MÉTODOS PARA COMBATER A CORROSÃO

MÉTODOS PARA COMBATER A CORROSÃO

Métodos que se fundamentam na modificação do meio corrosivo:

Desaeração; Purificação ou diminuição da umidade do ar; Emprego de inibidores.

MÉTODOS PARA COMBATER A CORROSÃO

Métodos que se fundamentam em revestimentos protetores:

Revestimentos com produtos da própria reação (tratamento químico ou eletroquímico); Revestimentos metálicos; Revestimentos orgânicos (tintas e resinas); Revestimentos inorgânicos (esmalte e cimentos).

MÉTODOS PARA COMBATER A CORROSÃO

Métodos baseados na modificação do metal:

Pelo aumento da pureza do metal base; Pela adição de elementos de liga;

Pelo tratamento térmico.

MÉTODOS PARA COMBATER A CORROSÃO

Métodos que se fundamentam na modificação do processo:

Proteção catódica com ânodos de sacrifício; Proteção catódica com tensões elétricas impostas.

MÉTODOS PARA COMBATER A CORROSÃO

MÉTODOS PARA COMBATER A CORROSÃO Exemplos: Proteção de estruturas metálicas imersas ou enterradas no solo. Proteção

Exemplos:

Proteção de estruturas metálicas imersas ou

enterradas no solo.

de estruturas metálicas imersas ou enterradas no solo. Proteção cascos de navios com ânodos (blocos) de

Proteção cascos de navios com ânodos (blocos) de ligas de Zn.

MÉTODOS PARA COMBATER A CORROSÃO

PROTEÇÃO CATÓDICA:

Este método de proteção contra a corrosão é empregado principalmente em estruturas metálicas de grandes dimensões (navios, tubulações) sujeitas a ação corrosiva da água do mar ou terrenos úmidos. Tem como princípio a formação de uma pilha galvânica entre o material a proteger e um eletrodo de sacrifício, que faz o papel de ânodo, ou aplicando um potencial elétrico.

Proteção Catódica:

Transforma a estrutura que se pretende proteger num cátodo, transferindo as

reações anódicas para um segundo metal (“ânodo”). Proteção catódica por ânodos de sacrifício ou galvânica:

O segundo metal é menos nobre (maior potencial de oxidação) que o metal que

se pretende proteger, e mantido em contato elétrico com a superfície que se pretende proteger. Ex: proteção catódica de cascos de navios com ânodos (blocos) de ligas de Zn, proteção de reservatórios de aço com ânodos de Mg,

etc.

Princípio de funcionamento igual à da corrosão galvânica! Proteção por corrente imposta ou por ânodos inertes:

Uma corrente elétrica externa fornece os elétrons que o metal que se pretende

proteger perderia devido à corrosão (o metal mantem-se reduzido). Para tal é necessário um segundo metal auxiliar (inerte) para possibilitar as reações anódicas. Exemplos: proteção de tubagem soterrada ou imersa, etc. A corrente tem de ser contínua! (Corrente alternada torna alternada e momentaneamente o metal a proteger, no ânodo!)

PROTEÇÃO CATÓDICA:

A proteção catódica é um processo no qual o metal a ser protegido é tornado o cátodo de uma pilha. A proteção de depósitos submarinos, canalizações subterrâneas, etc.

de depósitos submarinos, canalizações subterrâneas, etc. Ânodo sacrificado: Mg  Mg 2 + + 2 e-

Ânodo sacrificado:

Mg Mg 2+ +

etc. Ânodo sacrificado: Mg  Mg 2 + + 2 e- O 2 ( g )

2 e-

O 2(g) + 4H + + 4 e-2 H 2 O (l)

PROTEÇÃO CATÓDICA:

• Proteção de um metal, tornando-o cátodo de uma célula eletroquímica, conhecida como proteção catódica;

Consequentemente, o metal que é oxidado é chamado de ânodo de sacrifício.

Ex: ferro galvanizado.

catódica; • Consequentemente, o metal que é oxidado é chamado de ânodo de sacrifício. Ex: ferro
catódica; • Consequentemente, o metal que é oxidado é chamado de ânodo de sacrifício. Ex: ferro

PROTEÇÃO CATÓDICA:

PROTEÇÃO CATÓDICA: Ânodo de sacrifício

Ânodo de sacrifício

PROTEÇÃO CATÓDICA: Ânodo de sacrifício

Corrente protetora aplica-se uma corrente eléctrica no ânodo.

Este método é apropriado para grandes estruturas metálicas como por exemplo pipelines (usados em oleodutos ou gasodutos), tanques de armazenamento de combustível subterrâneos ou pontes.

exemplo pipelines (usados em oleodutos ou gasodutos), tanques de armazenamento de combustível subterrâneos ou pontes.

Esta forma de assegurar a proteção de um metal contra a corrosão consiste em ligá-la ao polo negativo de uma fonte de tensão (p.e. uma pilha de 1.5V)

A fonte de tensão fornece os elétrons necessários

para manter a peça reduzida .Note-se que é necessário ligar o polo positivo da pilha a outro elétrodo, o qual poderá corroerse (sucata de

ferro) ou inerte (grafite).

Este efeito é usado para proteger os cascos de

navio em água salgada.

– se (sucata de ferro) ou inerte (grafite). Este efeito é usado para proteger os cascos

Na proteção dos pipelines faz-se uso de um metal como, por exemplo, o zinco ou o

magnésio, que é enterrado em terreno húmido e ligado eletricamente ao pipeline (Fe) subterrâneo.

O bloco de zinco ou de magnésio vai ser preferencialmente oxidado, fornecendo

elétrons ao ferro de modo a impedir a oxidação deste pelo oxigênio.

O bloco de metal que é chamado eletrodo

de sacrifício, protege o pipeline de ferroe é

mais fácil e mais barato de substituir do que se fosse necessária a substituição do

pipeline.

Pelo mesmo motivo, os automóveis normalmente têm a carroçaria do carro ligada ao ânodo da bateria. O descarregar

da bateria é o sacrifício que ajuda a preservar o próprio veículo

do carro ligada ao ânodo da bateria. O descarregar da bateria é o sacrifício que ajuda

PROTEÇÃO CATÓDICA:

PROTEÇÃO CATÓDICA: Aplicação de potencial elétrico (corrente imposta)

Aplicação de potencial elétrico (corrente imposta)

PROTEÇÃO CATÓDICA:

proteção à tanques de

combustível subterrâneos

pela aplicação de corrente

imposta

PROTEÇÃO CATÓDICA: proteção à tanques de combustível subterrâneos pela aplicação de corrente imposta

Anodização:

É o processo de fazer um filme de óxido sobre certos metais por meio da imersão

em um banho eletrolítico no qual o metal a anodizar é ligado ao pólo positivo de

uma fonte de eletricidade, transformando-se no anodo da cuba eletrolítica.

a anodizar é ligado ao pólo positivo de uma fonte de eletricidade, transformando-se no anodo da

Anodização:

O alumínio, por exemplo, reage com o oxigênio do ar através da reação

espontânea:

4Al (s) + 3 O 2(g) 2Al 2 O 3 (s)

Contrariamente à ferrugem, o óxido de alumínio adere fortemente

à superfície metálica e, como não é solúvel, constrói uma barreira protetora que impede a corrosão do

metal que fica debaixo desta

camadapassivação.

do metal que fica debaixo desta camada – passivação. Latas de alumínio nunca adquirem um aspecto

Latas de alumínio nunca adquirem um aspecto muito oxidado, mesmo quando em contato prolongado com soluções aquosas.

O Al é um metal muito utilizado pelo homem, desde a fabricação de latas para bebidas, à

construção de aviões.

Tem um E 0 maior do que o Fe, portanto, preferencialmente oxida-se. Devia esperar-se, então, forte corrosão (devido ao contato com as bebidas, com a água das chuvas, etc.) MAS a camada de Al 2 O 3 (alumina) que se forma protege o Al subjacente da posterior corrosão.

Galvanoplastia:

Galvanoplastia: Galvanização da estrutura de um automóvel A galvanoplastia é normalmente feita por imersão do metal

Galvanização da estrutura de um automóvel

A galvanoplastia é normalmente feita por imersão do metal a ser

tratado numa tinta contendo sais do

metal que o vai recobrir e que,

através do fornecimento de uma corrente catódica externa, que

fornece elétrons que levam à sua

redução, são depositados sobre a superfície a ser recoberta.

Proteção catódica de um depósito de ferro

(Ligando o ferro a um ânodo sacrificialde Zn ou Mg, a corrosão é diminuída. Tanto o

Zn como o Mg oxidam-se mais facilmente do que o Fe )

Tanto o Zn como o Mg oxidam-se mais facilmente do que o Fe ) E 0

Inibidores de Corrosão

• Função?

• Aplicações?

Tratamento de água

AlCl 3 ou Al 2 (SO 4 ) 3 são usados como coagulantes

Al 3+ + 3 H 2 O Al(OH) 3 + 3H+ (pH < 7,0 acelera o processo corrosivo) Limpeza Química CaCO 3 + 2 HCl CaCl 2 + H 2 O + CO 2 TIOURÉIA

Sistemas de Refrigeração

Linhas de Condensado (Aminas)

Pré-Tratamento antes da Pintura (Soluções Fosfatizantes) Sais insolúveis de Fe(II): Fe(HPO 4 ) e Fe 3 (PO 4 ) 2 • Inibir a corrosão

• Base para a pintura

Sais insolúveis de Fe(II): Fe(HPO 4 ) e Fe 3 (PO 4 ) 2 • Inibir
 

Classificação:

Devido à sua composição:

Orgânico (tiouréia, benzotriazol, etc)

Inorgânico (Na 2 CrO 4 , NaNO 2 , sais de Zn 2+ , etc)

Devido à sua ação oxidante:

Oxidante (CrO 4 2- , NO 2 - , etc)

Não-Oxidante (Compostos orgânicos)

EVANS

➢ EVANS 4 CATEGORIAS

4 CATEGORIAS

Anódicos

Catódicos

Mistos

de Adsorção

 

Inibidor Anódico:

Atua na área anódica

De que maneira?

Formando um Filme Protetor muito pouco solúvel

Exemplo: CrO 4 2- usado em H 2 O de refrigeração

2 Fe + 2 Na 2 CrO 4 + H 2 O

O de refrigeração 2 Fe + 2 Na 2 CrO 4 + H 2 O Fe

Fe 2 O 3 + Cr 2 O 3 + 4 NaOH

Película protetora

Problemas:

Poluente,

Ocasiona alergia e perfuração do septo nasal

Foi bastante usado em sistemas fechados sem despejo

E com despejo?

Faz-se um tratamento prévio da água

CrO 4 2-

Cr 2 O 7 2-

pH em torno de 2,0

Fe 3+ Fe Fe

NaOH

Fe(OH)

+ Cr(OH)

em torno de 2,0 Fe 3+ N a O H Fe(OH) + Cr(OH) FeSO 4 Cr

FeSO 4

FeSO 4 Cr 3 + 3 3 Filtração H 2 O LIMPA

Cr 3+

3

3

Filtração H 2 O LIMPA

Exemplo: Nitrito de sódio

2 Fe + NaNO 2 + 2 H 2 O

Exemplo: Nitrito de sódio 2 Fe + NaNO 2 + 2 H 2 O Fe 2

Fe 2 O 3 + NH 3 + NaOH

Película Protetora

Inconvenientes:

Podem sofrer a ação de bactérias (nitrobacter vinogradsky), sofrendo oxidação para nitrato

NO

- + ½ O

2

bactérias

2

N O 3 - NO 3 -

Sofrem decomposição em meio ácido

2 NO 2 - + 2 H +

2HNO 2 2

em meio ácido 2 NO 2 - + 2 H + 2HNO 2 H 2 O

H 2 O + NO + NO 2

2 NO 2 - + 2 H + 2HNO 2 H 2 O + NO +

Tem sido usado como inibidor de corrosão em águas de refrigeração contendo anticongelantes e em oleodutos para gasolina ou outros produtos de petróleo.

mm/ano = 3,65 m/S.t. m (mg), S (cm 2 ) t (dias)  g/cm 3 )

Mecanismo:

Atuam reprimindo as reações anódicas, retardando a reação do anodo. Esses inibidores reagem com o produto de corrosão inicialmente formado, formando um filme aderente e extremamente

insolúvel, na superfície do metal, ocorrendo a polarização anódica.

Substâncias como hidróxidos, carbonatos, silicatos, boratos e

fosfatos terciários de metais

alcalinos são inibidores anódicos, pois reagem com com

alcalinos são inibidores anódicos , pois reagem com com os íons metálicos M n + produzidos

os íons metálicos M n+

produzidos

no anodo, formando

produtos

insolúveis que têm ação protetora.

log I

 

-

CO 3

+ 2 H 2 O

M n+ + n OH -

I   - CO 3 + 2 H 2 O M n + + n OH

2 OH - + H 2 CO 3

I   - CO 3 + 2 H 2 O M n + + n OH

M(OH) n

Concentração crítica??

Inibidor Catódico:

Atua na área catódica

De que maneira?

Pela precipitação de uma Fase Sólida sobre as áreas catódicas

O que vai diminuir a velocidade da reação catódica

Reação catódica: O 2 + H 2 O + 4 e -

Reação catódica: O 2 + H 2 O + 4 e - 4 OH - Exemplos:

4 OH -

Exemplos:

1- Sais de zinco, magnésio e níquel

Zn 2+ + 2 OH -

1- Sais de zinco, magnésio e níquel Zn 2+ + 2 OH - Zn(OH) 2 (tratamento

Zn(OH) 2 (tratamento de água em sistema de refrigeração)

Mg 2+ + 2 OH -

Mg 2+ + 2 OH - Mg(OH) 2 2- Hidrazina (N 2 H 4 ) e

Mg(OH) 2

2- Hidrazina (N 2 H 4 ) e Sulfito de Sódio (Na 2 SO 3 )

2 Na 2 SO 3 + O 2

2 2- Hidrazina (N 2 H 4 ) e Sulfito de Sódio (Na 2 SO 3

2 Na 2 SO 4

N 2 H 4 + O 2

N 2 H 4 + O 2 N 2 + 2 H 2 O

N 2 + 2 H 2 O

Reação catódica: 2 H + + 2 e -

Reação catódica: 2 H + + 2 e - H 2 Exemplos: - Sais de antimônio

H 2

Exemplos:

- Sais de antimônio e arsênio conhecidos como VENENOS

Retardam a reação de evolução de H 2

2

2

H + + 2 e - H.
H + + 2 e -
H.

veneno

a reação de evolução de H 2 2 2 H + + 2 e - H.

H 2 (g)

2 H.

(Age na 2 a etapa)

FRAGILIZAÇÃO!!!!

Impedem o desprendimento de hidrogênio por um fenômeno de sobretensão

Mecanismo:

Atuam pela precipitação de uma fase sólida sobre as áreas catódicas ou pela remoção do reagente da reação catódica.

Eles agem, portanto, fazendo uma polarização catódica, e como o metal, no catodo,

não entra em solução mesmo que esse não esteja totalmente coberto, não

haverá corrosão localizada nessas áreas.

entra em solução mesmo que esse não esteja totalmente coberto, não haverá corrosão localizada nessas áreas.

log I

FOSFATOS POLIMERIZADOS (inibidores catódicos)

METAFOSFATOS

(CÍCLICOS)

(inibidores catódicos) METAFOSFATOS (CÍCLICOS) POLIFOSFATOS (LINEARES) ✓ São usados como abrandadores da

POLIFOSFATOS

(LINEARES)

São usados como abrandadores da água formando complexos solúveis com Ca 2+

CALGON Hexametafosfato de sódio (NaPO 3 ) 6

Mecanismo A água contendo fosfato polimerizado, íons Ca 2+ e Fe 2+ , desenvolve partículas positivamente carregadas, que acabam migrando para a área catódica.

INIBIDORES CATÓDICOS ANÓDICOS Película Protetora Qualidade ??? Onde será um PROBLEMA??? Inibidores Mistos:
INIBIDORES
CATÓDICOS
ANÓDICOS
Película Protetora
Qualidade ???
Onde será um PROBLEMA???
Inibidores Mistos:
Atuam simultaneamente sobre as reações catódicas e anódicas, levando ao mesmo
OBJETIVO:
À Diminuição da Corrente de Corrosão

Inibidores de Adsorção:

Funcionam como película protetoras;

Através da adsorção de substâncias orgânicas em certos pontos da superfície metálica;

Estão incluídos nesta classe de grupos fortemente polares

inibidores, compostos orgânicos com

AMINAS

AMINAS

AMINAS
polares inibidores, compostos orgânicos com AMINAS ALDEÍDOS COMPOSTOS HETEROCÍCLICOS COMPOSTOS NITROGENADOS

ALDEÍDOS COMPOSTOS HETEROCÍCLICOS COMPOSTOS NITROGENADOS URÉIA E TIOURÉIA

ETC

COMPOSTOS NITROGENADOS URÉIA E TIOURÉIA ETC Substâncias orgânicas polares com átomos de oxigênio,

Substâncias orgânicas polares com átomos de

oxigênio, nitrogênio e

enxofre

Bloqueiam o metal da ação dos agentes agressivos em solução

nitrogênio e enxofre Bloqueiam o metal da ação dos agentes agressivos em solução REDUÇÃO DA VELOCIDADE

REDUÇÃO DA VELOCIDADE DE CORROSÃO

morfolina

morfolina

benzotriazol cicloexilamina

benzotriazol

benzotriazol cicloexilamina

cicloexilamina

Inibidores em Fase Vapor:

São sólidos voláteis que, ao serem colocados em espaços fechados, saturam o ar com seus vapores

Sais resultantes das reações entre aminas e ácidos fracos como benzoato de dicicloexilamônio, carbonato de cicloexilamônio, nitrito de dicicloexilamônio, entre outros. (protegem o aço)

Algumas destas substâncias aceleram a corrosão de alguns metais não ferrosos

A embalagem deve ser bem vedada para impedir o escapamento do inibidor

Papel impregnado com 0,2 g/m2 de nitrito de dicicloexilamônio é capaz de proteger durante 10 anos em temperatura de 23ºC, mas somente 100 dias

a 75ºC.

Eficiência dos Inibidores: E = (Ts-Tc)/Ts x 100 E – eficiência em porcentagem Ts –
Eficiência dos Inibidores:
E = (Ts-Tc)/Ts x 100
E – eficiência em porcentagem
Ts – taxa de corrosão sem uso de inibidor
Tc – taxa de corrosão com uso de inibidor

Emprego:

decapagem ácida

limpeza química de caldeiras

Indústria petrolífera (são usados em grande escala): poços de extração de óleo cru, nos poços de gás condensado, acidificação de poço, na proteção de dutos, etc) Sistemas de refrigeram,ento

Tubos de condensadores

Sistemas de geração de vapor Tubulações de água potável Tubulações de cobre para água quente

Modificações de Processo, de Propriedades de Metais e de Projetos

 

A isomerização do butano em fase líquida gera um meio altamente corrosivo por

causa da sua

acidez que ataca o aço com uma taxa de corrosão de 10 ipy (polegadas de penetração por ano). Esse ataque ácido se deve à seguinte reação:

AlCl 3 (catalisador) + 3H 2 O

Al(OH) 3 + 3HCl

Uma vez que o processo passa para a fase vapor, não mais se tem água

Uma vez que o processo passa para a fase vapor, não mais se tem água para ocasionar a reação de

 

hidrólise, e a taxa de corrosão fica reduzida para alguns milésimos de polegadas de penetração

por ano;

por ano;

Na síntese da uréia, a partir de dióxido de carbono e amônia, é comum se adicionar

pequena quantidade de ar ou oxigênio para passivar o aço inoxidável usado na construção do reator; Algumas substâncias são relativamente inertes quando secas, mas, por serem higroscópicas, absorvem água, tornando-se então severamente corrosivas. O aço carbono não é atacado pelo ácido sulfúrico concentrado, mas é atacado pelo diluído.

 

H 2 SO 4 + H 2 O

H 2 SO 4 + H 2 O 2H 3 O + + SO 4

2H 3 O + + SO 4

2-

Daí se procurar evitar que o ácido sulfúrico concentrado armazenado em tanques de aço carbono absorva umidade; Muitos compostos orgânicos são corrosivos quando anidros, ao passo que com pequena quantidade de água, cerca de 0,1%, eles perdem esse caráter corrosivo. É o caso de vários álcoois e halogenetos orgânicos, quando em contato com o alumínio: a água tem ação inibidora, pois possibilita a formação de camada de Al 2 O 3 , passivando o metal.

Modificação de Propriedades de Metais

O Alumínio apresenta boa resistência à corrosão mas suas propriedades mecânicas não são adequadas para uso industrial;

Já o Ferro apresenta boa propriedade mecânica, mas pode se oxidar com muita

facilidade

Solução: Procura-se então preparar ligas desses metais visando melhorar as suas propriedades mecânicas e química

Solução: Procura-se então preparar ligas desses metais visando melhorar as suas propriedades mecânicas e química

Modificação de Projetos

A importância do trabalho do engenheiro projetista na especificação dos detalhes de um projeto, na montagem das estruturas e equipamentos.

Na especificação de materiais, deve-se considerar, além das variáveis do

processo corrosivo, aquelas relacionadas com:

Propriedades mecânicas e aparência;

Facilidade de obtenção, de soldagem e usinagem

Compatibilidade com equipamentos já existentes

Disponibilidade e tempo de fornecimento

Segurança

Vida estimada do material ou processo

Custos dos materiais, de fabricação, de inspeção e de manutenção

Retorno do investimento.