Você está na página 1de 24

AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA NO ADULTO

N° do Pront.: _________________
Nome: __________________________________________________________________
DN: ____/____/____ Idade: _____________
Diagnóstico Clínico: _______________________________________________________
Data da Aplicação: ____/____/____
Avaliador (a): ____________________________________________________________
Supervisor Responsável: ___________________________________________________

1. SINAIS VITAIS
PA: FR:
FC: Sat. O2:
2. ANAMNESE
QUEIXA PRINCIPAL:

1
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

2.2 HISTÓRIA DA MOLÉSTIA PREGRESSA (Neste item incluir os antecedentes


pessoais e familiares se houver. Pessoais - ex: traumatismos, doenças do aparelho
cardiovascular, aparelho respiratório, aparelho digestivo, aparelho gênito urinário,
doenças psiquiátricas ou distúrbios de comportamento, doenças profissionais, doenças do
S.N.C., doenças infecciosas, doenças hereditárias, parasitoses (neurocisticercose,
doença de chagas), manifestações alérgicas, cirurgias, hábitos como fumo, álcool,
alimentação, atividade física, medicamentos e tratamentos anteriores. Familiares – ex:
óbitos na família, defeitos congênitos na família, consangüinidade dos pais, hipertensão,
diabetes, cardiopatias e outras doenças).

2
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

2.3 HISTÓRIA DA MOLÉSTIA ATUAL: (Neste item relatar sintomas e sinais atuais, início
e modo de instalação da doença - súbita ou progressiva, a evolução da doença,
tratamento prévio e seus respectivos efeitos, atividades que agravam e/ou aliviam a
doença).

3
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

2.4 PRINCIPAIS SINAIS E SINTOMAS: (Neste item listar os sinais e sintomas


apresentados pelo paciente. Ex: cefaléia, distúrbio do sono, parestesia, distúrbios visuais,
estado convulsivo, crises de choro e riso, paresia ou paralisia, vertigens, distúrbios dos
esfíncteres, dor ( radicular, central, neurítica), sinais meningorradiculares (rigidez na nuca,
sinal de Brudzinsk, sinal de Lasègue).

4
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

3. INSPEÇÃO: (Assinalar os itens que foram avaliados e descrever o que foi observado
no espaço abaixo).
( ) Coluna vertebral ( deformidades, desvios, gibosidades, contraturas paravertebrais)
( ) Temperatura
( ) Estado de nutrição
( ) Respiração
( ) Fácies ( expressão emocional, fácies típicas)
( ) Trofismo (volume, atrofia, hipotrofia, hipertrofia, pseudo-hipertrofia – descrever o
segmento, o ponto anatômico utilizado com referencia e a medida caso tenha ocorrido a
perimetria ).

5
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

3.1 PADRÕES POSTURAIS: (Neste item, descrever a postura que o indivíduo adota nas
diferentes posições e como permanecem os membros superiores e inferiores, o tronco, o
pescoço e a cabeça. Ex: inclinação lateral de cabeça presente para o lado direito, marcar
com “X” as alternativas “sim” e “D”.)

Posição adotada na avaliação: Sentada ( ) Em pé ( ) Deitada: prono ( ) / supino ( )


Presença Lateralidade
Postura Sim Não D E
Inclinação
Cabeça lateral
Rotação
Flexão
Extensão

Posição adotada na avaliação: Sentada ( ) Em pé ( ) Deitada: prono ( ) / supino ( )


Presença Lateralidade
Postura Sim Não D E
Rotação
Interna
Ombro Rotação
Externa
Elevação
Depressão
Protração
Retração

Posição adotada na avaliação: Sentada ( ) Em pé ( ) Deitada: prono ( ) / supino ( )


Presença Lateralidade
Postura Sim Não D E
Pronação
Cotovelo Supinação
Flexão
Extensão

Posição adotada na avaliação: Sentada ( ) Em pé ( ) Deitada: prono ( ) / supino ( )


Presença Lateralidade
Postura Sim Não D E
Punho Flexão
Extensão
Desvio Ulnar
Desvio
Radial

6
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

Posição adotada na avaliação: Sentada ( ) Em pé ( ) Deitada: prono ( ) / supino ( )


Presença Lateralidade
Postura Sim Não Especificar os D E
Mão dedos
Flexão de
dedos
Adução de -
Polegar

Posição adotada na avaliação: Sentada ( ) Em pé ( ) Deitada: prono ( ) / supino ( )


Presença Lateralidade
Postura
Sim Não D E
Tronco Flexão
lateral
Escoliose
Cifose - -
Dorsal

Posição adotada na avaliação: Sentada ( ) Em pé ( ) Deitada: prono ( ) / supino ( )


Presença Lateralidade
Postura Sim Não D E
Pelve Flexão
e Rotação
Quadril Interna
Rotação
Externa
Adução
Abdução
Anteversão - -
Retroversão - -

Posição adotada na avaliação: Sentada ( ) Em pé ( ) Deitada: prono ( ) / supino ( )


Presença Lateralidade
Postura Sim Não D E
Flexão
Joelho Extensão
Valgo
Varo

7
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

Posição adotada na avaliação: Sentada ( ) Em pé ( ) Deitada: prono ( ) / supino ( )


Presença Lateralidade
Postura Sim Não Especificar os D E
dedos
Plantiflexão -
Tornozelo Dorsiflexão -
e Eversão -
Pé Inversão -
Flexão dos
dedos
Extensão
dos dedos

8
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

4. PALPAÇÃO: (O avaliador deve palpar os músculos apresentados na tabela abaixo


observando a tensão muscular.)
LEGENDA: (1) Flacidez - Diminuída; (2) Normal; (3) Rigidez - Aumentada.

Posição adotada na avaliação: Sentada ( ) Em pé ( ) Deitada: prono ( ) / supino ( )


Músculos Direito Esquerdo
Deltóide
Bíceps
Tríceps
Peitoral
Abdominais
Oblíquos
Quadríceps
Tríceps Sural
Isquiotibiais
Gastrocnêmio

Obs:

9
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

4.1 TÔNUS MUSCULAR (O avaliador deve testar o tônus muscular nos diferentes grupos
apresentados e classificá-lo de acordo com o quadro abaixo.)

Escala de Ashworth Modificada


(0) Nenhum aumento no tônus muscular;
(1) Leve aumento do tônus muscular, manifestado por uma tensão momentânea ou por resistência mínima,
no final ADM, quando a região é movida em flexão ou extensão;
(1+) Leve aumento do tônus muscular, manifestado por tensão abrupta, seguida de resistência mínima em
menos da metade da ADM restante;
(2) Aumento mais marcante do tônus muscular, durante a maior parte da ADM, mas a região é movida
facilmente;
(3) considerável aumento do tônus muscular, o movimento passivo é difícil;
(4) parte afetada rígida em padrão postural

Escala de Ashworth Modificada


Grupos Musculares
D E
Flexores de Ombro
Extensores de Ombro
Flexores de Cotovelo
Extensores de Cotovelo
Flexores de Punho
Extensores de Punho
Flexores de Quadril
Adutores de Quadril
Flexores de Joelho
Dorsiflexores de Tornozelo
Plantiflexores de Tornozelo

Obs: Durante a realização do teste apresentou clônus? ( ) sim ( ) não


Descreva (local, em que momento foi disparado):

10
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

4.2 MOBILIDADE: (Neste item o avaliador deve observar a amplitude de movimento de


cada articulação na movimentação ativa e passiva e representá-la nas circunferências
correspondente. Cada circunferência representa um arco de movimento articular de 360
graus divido em 4 quadrantes de 90 graus cada. Preencher a área que você observou a
amplitude de movimento ativo ou passiva. Ex: Abdução de Ombro - ADM completa de 180
graus, se o avaliado tem 90 graus de ADM, preencher um quadrante apenas.)

ARTICULAÇÕES MOVIMENTOS ATIVA PASSIVA

Flexão

Ombro
Abdução

Adução

Flexão

Cotovelo

Extensão

Tronco Flexão

Quadril Flexão

11
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

Extensão

Adução

Abdução

Rotação interna

Rotação externa

Extensão

Joelho

Flexão

Extensão

Tornozelo

Flexão

12
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

5. FORÇA MUSCULAR: (O avaliador deve testar a força muscular de diferentes grupos


musculares e graduá-la segundo Kendall, 1995, como no quadro abaixo).

Obs: A força muscular necessita da compreensão do paciente frente à solicitação do movimento.

(0) Ausência de contração


(1) Há uma leve contração porém incapaz de produzir movimento
(2) Há movimento somente na ausência da gravidade
(3) Consegue realizar movimento vencendo a gravidade
(4) Consegue realizar movimento vencendo a gravidade e também uma resistência externa
(5) Consegue realizar movimento superando uma resistência maior que o músculo bom.
Realizar se possível o teste, caso não seja possível observar a movimentação espontânea.

Grupos Grau de Força


Articulações
Musculares D E
Flexão
Extensão
Abdução
Ombro
Adução
Rotação Interna
Rotação Externa
Flexão
Extensão
Cotovelo
Pronação
Supinação
Flexão
Extensão
Punho Desvio Ulnar
Desvio Radial
Flexão
Extensão
Tronco
Rotação
Flexão
Quadril Extensão

13
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

Adução
Abdução
Rotação Interna
Rotação Externa
Flexão
Joelho
Extensão
Dorsiflexão
Tornozelo
Plantiflexão

Obs:

14
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

6. REFLEXOS: (Para testar os reflexos deve-se utilizar o martelo de percussão para


determinar sua amplitude.)

LEGENDA: (A) - Aumentado: hiperreflexia


(D) - Diminuído: hiporeflexia
(SR) -Sem reflexo, ausente: arreflexia
(N) - Normal- normorreflexia

6.1 Reflexos Profundos


Classificação
Reflexos
D E
Estilorradial
Bicipital
Tricipital
Patelar
Aquileu

6.2 Reflexos Superficiais


Classificação
Reflexos
D E
Babinski
Cutâneo Abdominal

6.3 Outros reflexos e sinais


Classificação
D E
Sinais de automatismo
medular
Impulso extensor
Tríplice flexão
Sincinesias

6.4 Clônus (Descrever o local de sua ocorrência e como ele tem início.)
D E

15
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

7. SENSIBILIDADE:

LEGENDA: Diminuída - hipoestesia (D)


Sem reflexo, ausente - anestesia (A)
Aumentada - hiperestesia (A)
Não testada (NT)

Obs: Nos pacientes que necessitar de uma descrição dos dermátomos comprometidos é
recomendado o uso da Escala da ASIA.

EXTEROCEPTIVA – SUPERFICIAL D E

MS: Braço ( ) MS: Braço ( )


Antebraço ( ) Antebraço ( )
Mão ( ) Mão ( )
Tátil
MI: Coxa ( ) MI: Coxa ( )
Pesquisado com uso de algodão. Perna ( ) Perna ( )
Pé ( ) Pé ( )

Tronco: Anterior ( ) Tronco: Anterior ( )


Posterior ( ) Posterior ( )
MS: Braço ( ) MS: Braço ( )
Antebraço ( ) Antebraço ( )
Térmica Mão ( ) Mão ( )
Pesquisa-se a capacidade do
paciente diferenciar temperaturas. MI: Coxa ( ) MI: Coxa ( )
Utiliza-se tubos de ensaio, um Perna ( ) Perna ( )
contendo água gelada e outro água Pé ( ) Pé ( )
quente.
Tronco: Anterior ( ) Tronco: Anterior ( )
Posterior ( ) Posterior ( )
MS: Braço ( ) MS: Braço ( )
Antebraço ( ) Antebraço ( )
Mão ( ) Mão ( )
Dolorosa
MI: Coxa ( ) MI: Coxa ( )
Pesquisa-se utilizando uma agulha Perna ( ) Perna ( )
de tricô ou palito de dente. Pé ( ) Pé ( )

Tronco: Anterior ( ) Tronco: Anterior ( )


Posterior ( ) Posterior ( )
MS: Braço ( ) MS: Braço ( )
Discriminação tátil Antebraço ( ) Antebraço ( )
É pesquisada através de estímulo Mão ( ) Mão ( )
simultâneo de dois pontos vizinhos
MI: Coxa ( ) MI: Coxa ( )
(5 cm entre um ponto e outro). Perna ( ) Perna ( )
Deverá ser utilizada em áreas Pé ( ) Pé ( )
homólogas do corpo comparando-
as nos hemicorpos. Tronco: Anterior ( ) Tronco: Anterior ( )
Posterior ( ) Posterior ( )

16
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

PROPRIOCEPTIVA – PROFUNDA D E

Cinético – postural
Coloca-se passivamente um
determinado segmento de membro
numa dada posição e orienta-se o
paciente a reprodução da atitude
com o segmento homólogo.
Paciente de olhos fechados.

POSTURAS PARA MMSS


a) Abdução de ombro com flexão
de cotovelo
b) Flexão de ombro com extensão
de punho

POSTURAS PARA MMII


a)Flexão de joelho com flexão de
quadril
b)Dorsiflexão com inversão

Barestésica – Pressão MS: Braço ( ) MS: Braço ( )


É pesquisada exercendo-se Antebraço ( ) Antebraço ( )
pressão progressiva, com a polpa Mão ( ) Mão ( )
de um dedo ou um objeto rombo,
sobre a pele em pontos diferentes MI: Coxa ( ) MI: Coxa ( )
Perna ( ) Perna ( )
do corpo, devendo o paciente Pé ( ) Pé ( )
acusar em que ponto se exerceu
maior pressão. Tronco: Anterior ( ) Tronco: Anterior ( )
Posterior ( ) Posterior ( )
Estereognósica
Paciente com olhos fechados,
coloca-se em cada uma das mãos
objetos comuns (devem ser
evitados objetos que o paciente
possa reconhecer através da
audição ou olfato).

17
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

8. MANOBRAS DEFICITÁRIAS:

LEGENDA: Positivo (+) Negativo (-)


MANOBRA D E
Manobras dos braços estendidos
Paciente na posição sentada, deve manter seus membros
superiores na posição de juramento, com os dedos
afastados em do outro. Teste positivo se dentro de um
minuto o membro parético apresenta oscilações e tende a
abaixar-se lenta e progressivamente.

Manobra de Mingazzini
Paciente em decúbito dorsal flete as pernas em ângulo reto
sobre as coxas e estas sobre a bacia. Teste positivo se
surgir oscilações e/ou queda progressiva do segmento.

Manobra de Barré
Paciente em decúbito ventral, com as pernas fletidas
formando um ângulo reto com as coxas. Teste positivo se
surgir oscilações e/ou queda imediata ou progressiva de
uma ou de ambas as pernas.

Prova da queda do joelho


Paciente em decúbito dorsal, pernas fletidas sobre as
coxas, calcanhares apoiados no tablado, pés em flexão
sobre as pernas. Teste positivo se notar progressiv
extensão deste segmento e os joelhos tendem a baixar-se
até a posição horizontal, em 2 ou 3 minutos.

Prova da queda do membro inferior em abdução


Decúbito dorsal, as pernas são fletidas sobre as coxas,
mantendo-se o apoio plantar bilateral sobre o leito, de tal
forma que os membros inferiores formem com o tronco um
ângulo reto. Teste positivo se surgir que do membro de
abdução de maneira progressiva ou imediata.

Prova da mão escavada


Paciente em decúbito dorsal, antebraços fletidos em 90
graus sobre os braços, mãos dispostas verticalmente, no
mesmo plano que os antebraços e com a face palmar
voltada para dentro. Teste positivo se a mão cair
bruscamente.
Prova do afastamento dos dedos
O paciente deverá manter as mãos abertas e separar os
dedos uns dos outros, tanto quanto possível. Teste positivo
se há tendência à flexão e a região palmar apresenta-se
escavada.

18
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

9. COORDENAÇÃO:
Sinal de Romberg (Paciente em posição ereta, pés unidos e olhos fechados. Teste
positivo se houver oscilações corpóreas ou queda):

Prova de índex – nariz (Ordena-se ao paciente que estenda o membro superior, e em


seguida, procure tocar a ponta do nariz com a ponta do indicador. Inicialmente com
olhos abertos e posteriormente com olhos fechados. Teste positivo se paciente não
conseguir atingir o alvo ou faz de modo imperfeito):
Prova do calcanhar – joelho (Paciente em decúbito dorsal e com ambos os membros
inferiors estendidos, deve tocar o seu joelho com a ponta do calcanhar do lado oposto.
A prova deve ser repetida diversas vezes, com os olhos abertos e fechados.):
Prova de Stewart – Holmes (Pede-se ao paciente que deve estar sentado para
executar uma flexão do antebraço contra resistência oposta pelo examinador que
bruscamente a relaxa. Teste positivo se o antebraço não frear o movimento):
Prova da oposição do polegar c/dedos:
Prova dos movimentos alternados (Ordena-se ao paciente que estenda os
antebraços e mãos e efetue, com a maior velocidade possível, movimentos sucessivos
de pronação e supinação. Teste positivo se o movimento de um dos lados for lento e
mal executado.)

19
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

10. MUDANÇA DE DECÚBITO:


a) Verificar se o paciente passa para uma posição sozinho
b) Permanece nessa posição sem necessitar de ajuda
c) *Tempo que consegue permanecer em pé ou sentado

LEGENDA: Independente (I) Dependente – com auxílio (D) Não realiza (NR)
MUDANÇA CLASSIFICAÇÃO
Sentado para em pé*
Em pé para sentado*
Sentado para deitado
Decúbito dorsal para
ventral
Decúbito ventral para
dorsal

20
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

11. MARCHA (Este item será avaliado utilizando a escala Timed Get Up And Go – TUGT)
Obs:

21
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

12. REAÇÕES POSTURAIS (Neste item, deve ser avaliado a presença de movimentos
ativos ou mudanças no tônus buscando o reajuste postural frente a um estímulo aplicado
pelo avaliador).

Classificação: (0) ausente (1) Presente (2) Presente incompleta

12.1 NA POSIÇÃO SENTADA (O paciente deve estar sentado com ambos os pés
apoiados no chão, mãos apoiadas sobre as coxas. O avaliador deve retirar, rapidamente,
um MI do chão elevando-o em tríplice flexão; a elevação dependerá da reação testada
como mostra o quadro abaixo).

Reação de endireitamento: elevar o MI à 5-10 cm de distância do chão.


Reação de equilíbrio: elevar o MI à 10-20 cm de distância do chão.
Reação de proteção: elevar o MI à 25-35 cm de distância do chão.

Reação Elevação MID Elevação MIE


Endireitamento
Equilíbrio
Proteção
Estímulo Estímulo Estímulo Estímulo
Reação
anterior posterior hemicorpo E hemicorpo D
Endireitamento
Equilíbrio
Proteção

12.2 NA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA (O paciente deve estar de pé, com os braços ao


longo do tronco, o avaliador aplicará uma força para deslocar o paciente. A intensidade do
deslocamento dependerá da reação a ser testada como mostra o quadro abaixo).

Reação de endireitamento: a força aplicada deve ser o suficiente para provocar um


leve deslocamento do centro de gravidade.
Reação de equilíbrio: a força deve ser um pouco mais intensa que a anterior.
Reação de proteção: a força deve ser o suficiente para que o paciente precise
alargar a sua base de suporte para se manter de pé.

Estímulo anterior: a força deve ser aplicada na região da cicatriz umbilical.


Estímulo posterior: a força deve ser aplicada na região lombar.
Estímulo lateral: a força deve ser aplicada na região das cristas ilíacas, direita e
depois esquerda.

22
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

13. FUNÇÕES NEUROVEGETATIVAS:


13.1 Cardiopulmonar (avaliação respiratória e cardíaca):

13.2 Gênito urinária (verificação da função urinária e intestinal, distúrbio dos


esfíncteres, função sexual):

13.3 Outras (sudorese, piloereção, edema, vômitos e soluços):

23
AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA – FISIOTERAPIA ISSN: 2237-2199

14. EXAMES COMPLEMENTARES:


( ) RX
( ) Ressonância magnética
( ) Tomografia computadorizado
( ) Eletromiografia
( ) Documentação cinematográfica
( ) Sangue
( ) Urina
( ) Fezes
( ) Outros. Qual?_________________________________________________________

*Anexar laudos.

Bibliografia:
SANVITO, W. L. Propedêutica Neurológica Básica. 6. Ed. São Paulo: Atheneu, 1996.
TOLOSA, A.P.M. CANELAS, H. M. Propedêutica Neurológica: temas essenciais. 2. Ed.
São Paulo: Sarvier, 1969.
DAVIES, P. M. Passos a seguir. São Paulo: Manole, 1996.

24