Você está na página 1de 45

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

SETOR PALOTINA
ENGENHARIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS
DISCIPLINA: GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

CARACTERIZAÇÃO E
TRATAMENTO DE POLUENTES
ATMOSFÉRICOS

Docente: Eliane Hermes

2018
USOS DO AR
- usos metabólicos pelo homem, animais e vegetação
- benefícios advindos dos fenômenos meteorológicos
- comunicação
- transporte
- combustão
- processos industriais
- receptores e transportadores de resíduos de atividades
humanas
POLUIÇÃO DO AR: presença ou lançamento no ambiente atmosférico
de substâncias em concentrações suficientes para interferir direta ou
indiretamente com a saúde, segurança e bem estar do homem, ou com
o pleno uso e gozo de sua propriedade (Nefusi, 1976).

POLUENTE ATMOSFÉRICO: qualquer forma de


matéria ou energia com intensidade e quantidade,
concentração, tempo ou características em desacordo
com os níveis estabelecidos, e que tornem ou possam
tornar o ar: impróprio, nocivo ou ofensivo à saúde;
inconveniente ao bem-estar público; danoso aos
materiais, à fauna e flora; prejudicial à segurança e as
atividades normais da comunidade (CONAMA 03, 1990).
Cinco poluentes contribuem com mais de 90% do
problema de contaminação atmosférica:

❑ Monóxido de carbono (CO)


Proveniente essencialmente do
funcionamento de veículos motores a
explosão.

❑ Óxidos de nitrogênio (NOx)


Proveniente de veículos e fábricas de ácido
nítrico.
❑ Hidrocarbonetos (HC)
Combustão incompleta de veículos e estocagem de petróleo (refinaria
e postos de serviços)

❑ Óxidos de enxofre (SOx)


Poluente mais característico de aglomerados industriais. Combustão
de fluidos-óleos e carvão que liberam S que combinado com o
oxigênio do ar forma SO2.
Gás sulfídrico (H2S): gás mal cheiroso. Relacionado a certas
atividades industriais como: fabricação de papel, refinamento de óleo,
rejeitos de carvão mineral, etc.

❑ Partículas
Mistura de partículas líquidas e sólidas em suspensão na atmosfera.
Além destes, partículas sólidas ou líquidas de
origem natural, constituídas por materiais do solo,
da vegetação e do mar, transportados pelo vento,
poeiras meteóricas e por microrganismos
CLASSIFICAÇÃO DOS POLUENTES
I – De acordo com a origem:
POLUENTE PRIMÁRIO
POLUENTE SECUNDÁRIO

II – De acordo com o estado:


Gases e vapores: CO, CO2, SO2, NO2
Partículas sólidas e líquidas: poeiras, fumos, névoas e fumaças

III- De acordo com a composição química:


Poluentes orgânicos: hidrocarbonetos, aldeídos e cetonas
Poluentes inorgânicos: H2S, HF, NH3
PARTÍCULAS FINAS (menos que 100 µm em diâmetro)
Metal, carbono, alcatrão, resina, polém, fungos, bactérias, óxidos.

As partículas sólidas de maior risco são aquelas com menos de


10 µm visíveis apenas no microscópio

FRAÇÃO RESPIRÁVEL

CARACTERÍSTICAS:
❑ catalisadores de reações normalmente lentas devido a alta
superfície específica
❑ alta toxicidade para plantas e animais ou corrosivos de estruturas
metálicas
❑ se radioativas podem provocar mutações genéticas
❑ efeitos adversos à saúde
PARTÍCULAS GROSSEIRAS (maior que 100 µm em diâmetro)

CARACTERÍSTICAS:

❑ encontra limites nos mecanismos fisiológicos de defesa


dos animais e homem

❑ permitem menos oportunidade para reações com outros


componentes do ar poluído

❑ causam menos incômodo à população


POLUENTES PRIMÁRIOS
COMPOSTOS ORGÂNICOS: hidrocarbonetos aromáticos, saturados
e insaturados e seus derivados. Emitidos como vapores ou até
gotículas. Muitos estão associados aos odores e câncer.

MERCAPTANAS
COMPOSTOS DE ENXOFRE INORGÂNICOS
Óxidos de enxofre: emissão mundial de SO2 = 80 + 106 ton/ano
- queima do carvão
- refino do petróleo
- fundições primárias de Cu, Zn e Pb

H2S – odor em baixas concentrações


COMPOSTOS DE NITROGÊNIO
NO
NO2 Irritante aos tecidos
NH3
Altamente tóxico > 33 mg/m3

ÓXIDOS DE CARBONO
CO – queima de combustível: efeitos nocivos à saúde
CO2 – influencia a longo prazo no da temp. da Terra

COMPOSTOS HALOGENADOS
Corrosivos e irritantes e os fluoretos metálicos tem propriedades
tóxicas que tem se manifestado em danos à colheita e agropecuária.

CCl2F2 dicloro-difluor metano (freon) – clorofluorcarbono


HF e HCl - gás fluorídrico e gás clorídrico
POLUENTES SECUNDÁRIOS
AR POLUÍDO química e fisicamente instável em função da:

- concentração relativa dos reagentes


- parâmetros meteorológicos
- influência da topografia local
- umidade relativa

SO2 + O2 (dissolvido em gotículas de água) H2 SO4


S + O2 SO2
SO2 + ½ O2 SO3 (a presença de O2 e óxido de ferro aceleram a reação)
SO3 + H2O H2SO4 (névoa irritante)
UNIDADES DE MEDIDAS PARA
POLUENTES ATMOSFÉRICOS

Microgramas por metro cúbico


Relaciona a massa de contaminante com o volume de ar que o
contém (peso por unidade de volume). Unidade + utilizada é µg/m3.
Utilizada para névoas, neblinas e fumos

Partes por milhão (ppm)


Baseada em medidas de volume, representando o volume de
contaminante contido em 1 milhão de volumes de ar. Utilizada para
gases e vapores.

Milhões de partículas por pé cúbico de ar (mmpc)


Para poeiras – partículas por unidade de volume
FONTES DE POLUIÇÃO:

FONTES ESPECÍFICAS – são fixas em


determinado território, ocupam na
comunidade área relativamente limitada e
permitem uma avaliação na base de fonte
por fonte. Exemplo: indústrias.

FONTES MULTÍPLAS – podem ser fixas ou


móveis, geralmente se dispersam pela
comunidade, oferecendo grande dificuldade
de serem avaliadas na base de fonte por
fonte. Exemplos: casas (múltiplas fixas),
carros (múltiplas móveis).
Segundo a origem do poluente é possível classificar as
fontes de poluição como:

1. Fontes naturais
2. Fontes industriais
3. Queima de combustíveis
4. Queima de resíduos sólidos
5. Evaporação de produtos de petróleo
6. Atividades produtoras de odores
7. Fontes de radiação
FONTES NATURAIS
- Fenômenos biológicos e geoquímicos.

Exemplo: vegetação (polinização), vulcões, descargas elétricas


atmosféricas.

Vulcanismo: joga poeira a 20-30 km de altura


Emissão: óxidos de nitrogênio e enxofre, H2S, HCl,
HF, cinzas e partículas sólidas.

FONTES ANTRÓPICAS
Aproximadamente 65 mil produtos químicos,
provenientes de uma variedade de atividades
industriais, encontram-se na atmosfera.
FONTES INDUSTRIAIS

Quanto as fontes industriais, a quantidade e qualidade do


poluente emitido por este tipo de fonte depende de vários
fatores interdependentes da fabricação.
- tipo e [ ] do poluente expelido
- matérias-primas e combustíveis envolvidos no processo
- produto fabricado
- processo e as suas operações
- eficiência dos trabalhos de processamento
- grau de medidas acauteladoras contra a poluição
COMBUSTÃO
Combustão incompleta de combustíveis fósseis: transporte,
aquecimento e produção industrial.
80% dos contaminantes gasosos
Poluição: eficiência da combustão e da % de enxofre no combustível.
Além de CO2 + H2O são formados produtos orgânicos
parcialmente oxidados como consequência da combustão
ineficiente dos motores. Os combustíveis podem conter
impurezas inorgânicas que originam ainda outros contaminantes

INCINERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS


COMPOSTOS ORGÂNICOS VOLÁTEIS
ODORES
RADIAÇÕES IONIZANTES
Principais poluentes atmosféricos produzidos pelos
diversos tipos de fontes de emissão
Efeitos da poluição do ar:

a) Efeitos tóxicos sobre o ser vivo e os animais

b) Efeitos desagradáveis dos maus odores

c) Efeitos sobre os materiais

d) Efeitos sobre as propriedades da ATM

e) Efeitos sobre a vegetação

f) Efeitos econômicos
Efeitos tóxicos sobre o ser vivo e os animais
As três possíveis vias de penetração dos agentes poluentes no
organismo são:

✓ via respiratória
✓ via cutânea
✓ via digestiva

Associação próxima entre o sistema respiratório e circulatório


Relação de alguns dos desfechos secundários a exposição crônica aos
poluentes atmosféricos mais consistentemente relatados pela literatura médica
Aumento de sintomas respiratórios Perda de anos de vida e doenças
cardiorrespiratórias
Redução da função pulmonar Aumento da frequência abortamentos
Maior incidência de doença pulmonar Redução do peso ao nascer
obstrutiva
Fonte: Calijuri e Cunha (2013)
Classificação segundo a ação no organismo:

❑ IRRITANTES ❑ ASFIXIANTES
Exemplos: Exemplos:
- amoníaco - metano
- cloro - nitrogênio
- ácido sulfídrico - CO2
- alcoois - hélio

❑ NARCÓTICOS ❑ INTOXICANTES SISTÊMICOS


Exemplos: Exemplos:
- éter etílico - clorofórmio (orgãos)
- acetona - benzeno (sistema formador do
- thinner sangue)
- álcool etílico (sistema nervoso)
- arsênico
Efeitos sobre os materiais

❑ abrasão: causada por partículas sólidas de


tamanho suficiente e transportadas em alta
velocidade
❑ deposição e remoção: causada por partículas
sólidas e líquidas que se depositam sobre a
superfície
❑ ataque químico direto: destruição de superfícies
metálicas pela ação de névoas ácidas
❑ ataque químico indireto: caso o dióxido de
enxofre absorvido pelo couro é convertido em ácido
sulfídrico, que deteriora o couro
❑ corrosão eletroquímica: mecanismo principal de
deteriorização de metais ferrosos.
Efeitos sobre as propriedades da atmosfera:

❑ VISIBILIDADE:
Partículas higroscópicas e umidade relativa

❑ FORMAÇÃO DE NEBLINAS: Compostas por gotículas


d’água contendo vários produtos químicos dissolvidos

❑ CONDIÇÕES DE RADIAÇÃO URBANA


Perda de radiação ultravioleta
Comprimento de onda + curtos

❑ CONSTITUINTES ATMOSFÉRICOS
- Aumento da [ ] metano, CO2 e outros gases – alt. climáticas
- Aumento da [ ] aerosóis de chumbo - Aumento da [ ] do SO2 e CO
- Destruição da camada de ozônio - EFEITO ESTUFA
Efeitos sobre a vegetação

❑ redução da penetração da luz por sedimentação de


partículas nas folhas ou por interferência de partículas em
suspensão na ATM;

❑ deposição de poluente no solo, por sedimentação ou por


carreamento provocado pelas chuvas, permitindo a
penetração dos poluentes pelas raízes;

❑ penetração dos poluentes pelos estômatos das plantas.

- Colapso do tecido foliar


- Alterações da cor normal Cloro, H2S, NH3
- Alterações do crescimento
PADRÕES DE QUALIDADE DO AR

POLUENTES PADRÕES: são poluentes que ocorrem com grande


frequência, sendo danosos à saúde e ao bem-estar geral da
população, além de comumente causarem danos a outros
receptores. São controlados através de padrões de qualidade do ar.

Através da Portaria Normativa n° 348 (1990) e da Resolução


CONAMA n° 003 (1990) o IBAMA estabelece os padrões nacionais
de qualidade do ar. No Brasil são estabelecidos:
PADRÃO PRIMÁRIO DE QUALIDADE DO AR: são as
concentrações de poluentes que, ultrapassadas, poderão
afetar a saúde da população. Podem ser entendidos como
NÍVEIS MÁXIMOS tolerados de concentração de poluentes
atmosféricos.

PADRÃO SECUNDÁRIO DE QUALIDADE DO AR: as


concentrações de poluentes atmosféricos abaixo das quais se
prevê mínimo efeito adverso sobre o bem-estar da população,
assim como o mínimo dano à fauna, flora, aos materiais e ao
meio ambiente em geral. Podem ser entendidos como
NÍVEIS DESEJADOS de concentração de poluentes.
POLUENTES PADRONIZADOS NO BRASIL
- partículas totais em suspensão
- fumaça - dióxido de enxofre
- partículas inaláveis - monóxido de carbono
- Ozônio - dióxido de nitrogênio

PADRÕES NACIONAIS DE QUALIDADE DO AR


POLUENTE PADRÃO PRIMÁRIO PADRÃO SECUNDÁRIO
(µg/m3) (µg/m3)
Partículas totais 240 (1) 150 (1)
em suspensão 80 60
Dióxido de enxofre 365 (1) 100 (1)
80 40
Ozônio 160 160
Fumaça 150 (1) 100 (1)
60 40
Partículas 150 (1) 150 (1)
inaláveis 50 50
(1) Não deve ser excedido mais de uma vez ao ano
Fonte: Adaptado de Resolução CONAMA 003 (1990)
TRATAMENTO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS

CICLONES

Objetivos:
❑ Limpeza de gases
❑ Evitar a poluição
❑ Segurança
❑ Recuperar material arrastado
❑ O ciclone destina-se à coleta de
partículas sólidas de correntes
gasosas utilizando-se da força
centrífuga.

❑ São equipamentos fáceis de


construir, de manutenção simples e
baixo custo de operação.

Principais Vantagens:
❑ baixo investimento inicial
❑ desgaste minímo
❑ não requerem manutenção
❑ ocupam pouco espaço
❑ grande capacidade de separação
MULTICICLONE
❑ Agrup. de pequenos ciclones: 15 a 30 cm

Vantagens em relação aos ciclones:

✓ mais eficientes

✓ custam menos

✓ ocupam menos espaço

✓ apresentam menor perda de carga para


eficiências equivalentes

✓ resistem melhor a abrasão


FILTRO DE MANGA
VANTAGENS: DESVANTAGENS:
❑ apresenta alta eficiência de coleta ❑ custo de manutenção geralmente
para processos com altas concentrações alto
de poluentes sólidos ❑ exige controle de temperatura
❑ coleta material seco e em forma ❑ exige espaço médio para sua
reutilizável instalação
❑ recomendado para todas as faixas de ❑ as mangas não operam em
vazão condições úmidas
❑ O filtro de tecido possui alta eficiência de coleta – 99,9%
❑ Escolha do meio filtrante dependerá:
- Características do gás transportador
- Características das partículas a serem filtradas
- Custo
- Disponibilidade do mercado
PRECIPITADOR ELETROSTÁTICO
Ar + poluentes passam pela unidade ionizante onde são carregados
eletrostaticamente, ou seja, as moléculas que constituem a partícula
tem os pólos norte e sul alinhados e tornam-se magnéticas.

Atraídas por placas coletoras de polaridade oposta


VANTAGENS DESVANTAGENS
❑ alta eficiência de coleta ❑ investimento inicial alto
❑ coleta partículas muito pequenas ❑ apresenta riscos de explosão quando
❑ baixo custo operacional processa gases ou partículas
❑ poucas partes móveis o que implica combustíveis
em redução de manutenção ❑ não são adequados para casos que
❑ pode operar a temperaturas de até apresentam muita variação de condições,
650 °C exigindo controle automático

PRINCIPAIS APLICAÇÕES INDUSTRIAIS:

❑ purif. e higieniz. do ar em locais destinados à manipulação e embalagem de

alimentos, remédios cosméticos, etc;

❑ purify. de ar em salas destinadas à produção de componentes eletro-eletrônicos.


LAVADORES ÚMIDOS
Princípio básico: utilizam um meio líquido para aumentar o tamanho das partículas
do aerossol para facilitar a remoção das mesmas da corrente do ar.

Geralmente utilizados no controle de:


❑ dióxido de enxofre
❑ gás sulfídrico
❑ gás clorídrico
❑ cloro
❑ amônia
❑ gás fluorídrico

Eficiência de coleta é diretamente proporcional à energia fornecida ao mesmo


(perda de carga e energia fornecida pelo líquido)
70 a 95%
VANTAGENS DESVANTAGENS
❑ não apresentam restrição quanto à ❑ exigem tratamento de efluentes
temperatura e umidade dos gases líquidos
❑ podem ser utilizados para partículas ❑ vida útil em geral menor por causa
e alguns gases ao mesmo tempo da umidade
❑ em geral são compactos ❑ necessitam de materiais resistentes
❑ podem ser conseguidas altas à corrosão no lavador e após o mesmo
eficiências de coleta
ADSORÇÃO

A adsorção é um processo seletivo e bastante apropriado para a


remoção de gases e vapores a baixas concentrações. A eliminação de
muitos compostos odoríficos, os quais em geral estão presentes em
baixas concentrações, pode ser realizada com alta eficiência através
da adsorção.

Carvão Ativado Alumina Ativada Sílica gel


- Breaking point
- Regeneração: aquec. através de vapor d`água a 100 °C por 20 min
INCINERAÇÃO DE GASES E VAPORES

GASES + VAPORES COMBUSTÍVEIS


=
CO2 + VAPOR DE ÁGUA

COMBUSTÃO
COMPLETA

Oxidação de compostos inorgânicos:

H2S SO2 + VAPOR DE ÁGUA


INCINERADOR RECUPERATIVO
INCINERADOR CATALÍTICO

- Redução das emissões de CO e hidrocarbonetos em automóveis

Consiste numa câmara que contém o catalisador, num suporte cerâmico


que promoverá a oxidação do poluente.

Catalisadores mais comuns: metais e


óxidos metálicos como platina, paládio
e ligas de metais nobres.

Eficiência deteriora com o tempo:


reposição periódica do catalisador ou
sua regeneração.

Materiais que envenenam: mercúrio, arsênio, zinco e chumbo.

VANTAGEM: baixo custo operacional já que necessita de pequena quantidade de


combustível auxiliar.
DESVANTAGEM: problema da disponibilidade do catalisador no mercado interno.