Você está na página 1de 46

LUBRIFICANTES

CONCEITO E OBJETIVOS DA LUBRIFICAÇÃO

A lubrificação é uma operação que consiste em introduzir uma substância


apropriada entre superfícies sólidas que estejam em contato entre si e que
executam movimentos relativos.

Essa substância apropriada normalmente é um óleo ou uma graxa que impede


o contato direto entre as superfícies sólidas.
CONCEITO E OBJETIVOS DA LUBRIFICAÇÃO

Quando recobertos por um lubrificante, os pontos de atrito das superfícies


sólidas fazem com que o atrito sólido seja substituído pelo atrito fluido, ou seja,
em atrito entre uma superfície sólida e um fluido.

Nessas condições, o desgaste entre as superfícies será bastante reduzido.


CONCEITO E OBJETIVOS DA LUBRIFICAÇÃO

• ATRITO:

Atrito é toda resistência que se opõe ao movimento do corpo.

Quando duas superfícies comprimidas uma contra a outra são animadas de um


movimento relativo de translação desenvolve-se, em cada uma delas, forças
tangenciais ou de atrito que se opõem ao movimento e que, de um modo geral, se
procuram reduzir ao mínimo.

Estas resistências que se opõem ao movimento provocam o desgaste das superfícies e


absorvem uma quantidade substancial de energia, quase integralmente transformada
em calor e irremediavelmente perdida.
CONCEITO E OBJETIVOS DA LUBRIFICAÇÃO

Além dessa redução do atrito, outros objetivos são alcançados com a


lubrificação, se a substância lubrificante for selecionada corretamente:

• menor dissipação de energia na forma de calor;

• redução da temperatura, pois o lubrificante também refrigera;

• redução da corrosão;

• redução de vibrações e ruídos;

• redução do desgaste
O que são
Lubrificantes?
LUBRIFICANTES

Substância que se interpõe entre duas superfícies em movimento, formando


uma película que minimiza o contato entre as partes, evitando desgaste e
geração de calor.
O que é óleo de base
mineral?

O que é óleo de base


sintética?
LUBRIFICANTES

• CLASSIFICAÇÃO DOS ÓLEOS QUANTO À ORIGEM

Quanto à origem, os óleos podem ser classificados em quatro categorias: óleos


minerais, óleos vegetais, óleos animais e óleos sintéticos.

• Óleo Mineral: É o lubrificante com base obtida através do refinamento


do petróleo.

• Óleo Sintético: É o lubrificante com base obtida através de reações


químicas realizadas em laboratório.

• Óleo animal: É o lubrificante extraído de animais como a baleia, o


bacalhau, a capivara etc.

• Óleo Vegetal: É o lubrificante extraído de sementes: soja, girassol,


milho, algodão, arroz, mamona, oiticica, babaçu etc.
LUBRIFICANTES

• QUAL A FUNÇÃO DO ÓLEO LUBRIFICANTE?

• Lubrificar.

• Refrigerar.

• Limpar e manter limpo os componentes.

• Proteger contra corrosão.

• Vedar a câmara de combustão do motor.


PROPRIEDADES DOS LUBRIFICANTES

• DENSIDADE RELATIVA

Relação entre a densidade do óleo a 20°C e a densidade da água a 4°C ou a


relação entre a densidade do óleo a 60°Fe a densidade da água a 60°F.

A densidade de óleos novos não tem significado quanto à sua quantidade, mas
é de grande importância no cálculo de conversão de litros em quilos, ou vice-
versa
PROPRIEDADES DOS LUBRIFICANTES

• PONTO DE FULGOR (FLASH POINT)

Temperatura mínima à qual pode inflamar-se o vapor de óleo, no mínimo,


durante 5 segundos.

O ponto de fulgor é um dado importante quando se lida com óleos que


trabalham em altas temperaturas.
PROPRIEDADES DOS LUBRIFICANTES

• TEMPERATURA DE IGNIÇÃO

Temperatura mínima em que se sustenta a queima do óleo.


PROPRIEDADES DOS LUBRIFICANTES

• PONTO DE MÍNIMA FLUIDEZ

Temperatura mínima em que ocorre o escoamento do óleo por gravidade.

O ponto de mínima fluidez é um dado importante quando se lida com óleos que
trabalham em baixas temperaturas.
PROPRIEDADES DOS LUBRIFICANTES

• VISCOSIDADE

É a principal propriedade física dos óleos lubrificantes.

A viscosidade está relacionada com o atrito entre as moléculas do fluido,


podendo ser definida como a resistência ao escoamento que os fluidos
apresentam.

Viscosidade é a medida da resistência oferecida por qualquer fluido (líquido ou


gás) ao movimento ou ao escoamento.
PROPRIEDADES DOS LUBRIFICANTES

• VISCOSIDADE

É definida como a resistência que um fluido oferece ao seu próprio


movimento. Quanto menor for a sua viscosidade, maior será a sua
capacidade de escoar (fluir).

A viscosidade é inversamente proporcional à temperatura.


PROPRIEDADES DOS LUBRIFICANTES

• VISCOSIDADE

A viscosidade é inversamente proporcional a altas temperaturas. Assim, quanto maior


for à temperatura, menor será a viscosidade do óleo.

Popularmente, a viscosidade é o corpo do lubrificante.

Um óleo de grande viscosidade é chamado grosso e flui com dificuldade; um óleo de


pouca viscosidade é chamado fino e escorre facilmente.
PROPRIEDADES DOS LUBRIFICANTES

• VISCOSIDADE

Um dos métodos utilizados para determinar a viscosidade é verificar o tempo gasto para
escoar determinada quantidade de óleo, a uma temperatura estabelecida, através de
orifício de dimensões especificas.
PROPRIEDADES DOS LUBRIFICANTES

• ÍNDICE DE VISCOSIDADE

Mostra como varia a viscosidade de um óleo conforme as variações de


temperatura.
PROPRIEDADES DOS LUBRIFICANTES

• POR QUE EXISTEM VÁRIOS GRAUS DE VISCOSIDADE?

Existem para atender às diversas especificações dos fabricantes de veículos e


equipamentos.
PROPRIEDADES DOS LUBRIFICANTES

• O QUE É UM ÓLEO LUBRIFICANTE MULTIVISCOSO?

É um óleo lubrificante elaborado para atender várias faixas de viscosidade.


Isto significa que em temperaturas baixas ou altas, a fluidez é mantida,
assim como, o poder lubrificante.
CLASSIFICAÇÃO DOS LUBRIFICANTES

Os lubrificantes foram classificados por órgãos internacionais e montadoras de


acordo com sua viscosidade e com sua aplicabilidade.

As classificações mais utilizadas pela indústria automobilística são a SAE


(Society Automotive of Engineers) quanto a viscosidade dos óleos, e a API
(American Petroleum Institute) quanto a sua aplicabilidade.

Outras classificações, como classificações militares por exemplo, também são


utilizadas, mas essas são mais restritas a determinadas aplicações.
CLASSIFICAÇÃO SAE

É a classificação mais antiga e conhecida para óleos de motores.

Baseia-se única e exclusivamente na viscosidade, não considerando, fatores


de qualidade ou desempenho.

Os graus SAE são seguidos ou não da letra W, inicial de Winter ( inverno).

Para os graus SAE 0W até 25W são especificadas as temperaturas limites de


bombeamento, visando garantir uma lubrificação adequada durante a partida e
aquecimento do motor operando em regiões frias.
CLASSIFICAÇÃO SAE

O método de medição das temperaturas limites de bombeamento está


baseado na ASTM D-4684

As viscosidades cinemáticas a 100°C são determinadas de acordo com o


método ASTM D-445, utilizando o Viscosímetro Cinemático.

Assim, segundo a SAE, quanto maior for o número maior será a viscosidade a
100ºC, ou seja, um óleo SAE 30 é mais viscoso que um SAE 20.
CLASSIFICAÇÃO SAE

Dentro da classificação SAE, o mesmo óleo de motor ou de transmissão pode


atender a dois graus de viscosidade SAE.

Neste caso o óleo é denominado Multiviscoso.


CLASSIFICAÇÃO SAE

Em temperaturas baixas, um óleo multiviscoso 15W40 se comporta como um


óleo grau SAE 15W e a 100°C é um óleo de grau SAE 40
CLASSIFICAÇÃO SAE

Classificação SAE nas embalagens de lubrificantes.


CLASSIFICAÇÃO API

O API (American petroleum institute), nos Estados Unidos, juntamente com a


ASTM (American Society for Testing and Materials) criaram especificações
baseando-se em níveis de desempenho dos óleos lubrificantes, isto é, no tipo
de serviço a que a máquina estará sujeita.

São classificados por duas letras, a primeira indica basicamente tipo de


combustível do motor (S para motores a gasolina/álcool e C para motores a
diesel) e a segunda o tipo de serviço.
CLASSIFICAÇÃO API

A segunda letra que acompanha o S ou C representa uma melhoria no


lubrificante à medida que a letra avança ao final do alfabeto.

Assim, podemos dizer que um lubrificante API-SL é melhor que um API-SJ que
por sua vez é melhor que um API-SF.

Quanto mais avançada à letra do alfabeto melhor é a aditivação do lubrificante.


CLASSIFICAÇÃO API
lista de classificação de desempenho API dos óleos lubrificantes para motores ciclo OTTO:
CLASSIFICAÇÃO API
lista de classificação de desempenho API dos óleos lubrificantes para motores ciclo OTTO:
CLASSIFICAÇÃO API

lista de classificação de desempenho API dos óleos lubrificantes para motores ciclo OTTO:
CLASSIFICAÇÃO API
Já para motores ciclo diesel, segue a classificação
CLASSIFICAÇÃO API
Já para motores ciclo diesel, segue a classificação
ALGUNS EXCLARECIMENTOS

• É MELHOR UTILIZAR UM ÓLEO SAE 15W-40 OU UM SAE 40?

X
O melhor é utilizar o tipo SAE 15W-40, pois atende a uma grande faixa de
viscosidade, mantendo a eficiência da lubrificação em várias condições de
temperatura.
ALGUNS EXCLARECIMENTOS

• POR QUE TROCAR O ÓLEO LUBRIFICANTE DO MOTOR?

Com o tempo de uso, os elementos aditivos do óleo se deterioram física e


quimicamente ou ficam presos a outras substâncias químicas.

Como consequência o lubrificante perde sua eficiência aumentando a geração


de calor e desgaste dos componentes.
ALGUNS EXCLARECIMENTOS

• O QUE PODE ACONTECER AO MOTOR SE O ÓLEO CONTINUAR EM


USO APÓS PERÍODO DE TROCA RECOMENDADO?

Após o período recomendado no Manual do Operador, a capacidade de


lubrificar e proteger fica muito reduzida, causando desgaste excessivo dos
componentes diminuindo a vida útil do motor.
ALGUNS EXCLARECIMENTOS

• QUAIS OS PROBLEMAS QUE O EXCESSO OU FALTA DE ÓLEO PODEM


CAUSAR NO MOTOR?

✓ Em caso de excesso, o consumo de óleo lubrificante aumenta poluindo o


meio ambiente.

✓ Em caso de falta, as ações de lubrificação e refrigeração do óleo lubrificante


fica comprometida causando vários danos ao motor, podendo até fundir.
ALGUNS EXCLARECIMENTOS

• QUAL É A MANEIRA CORRETA DE VERIFICAR O NÍVEL DE ÓLEO?

1. Estacione o veículo em terreno plano.


2. Desligue o motor
3. Aguarde um mínimo de 5 minutos
4. Faça a medição do nível de óleo (vareta)

Nível ideal: O nível ideal deve ficar entre as marcas de mínimo e máximo
indicado na vareta de nível.
ALGUNS EXCLARECIMENTOS

• QUANDO DEVO REPOR O ÓLEO DO MOTOR?

Sempre que o nível de óleo estiver próximo ou abaixo da marca mínima da


vareta e ainda não for a hora da troca

Normalmente, o motor consome uma pequena quantidade de óleo durante o


seu funcionamento.

Se as reposições se tornarem constantes e em volumes significativos,


recomenda-se verificar se há vazamentos ou desgastes excessivos dos
componentes do motor.
ALGUNS EXCLARECIMENTOS

• PODE SE MISTURAR ÓLEOS DE MARCAS E TIPOS DIFERENTES?

Não é recomendável misturar óleos lubrificantes de marcas e tipos


diferentes, pois pode haver incompatibilidade entre os aditivos utilizados na
formulação dos produtos e com isso causar a perda de eficiência da
lubrificação.
ALGUNS EXCLARECIMENTOS

• DEVE-SE COLOCAR ADITIVOS NO ÓLEO?

Não, os óleos lubrificantes são formulados para atender as exigências de


desempenho dos motores conforme o fabricante.

Todos os aditivos necessários já estão contidos no óleo lubrificante de


maneira adequada e com a adição de aditivo extra, pode-se comprometer a
eficiência da lubrificação e até do motor do veículo.
ALGUNS EXCLARECIMENTOS

• POR QUE O ÓLEO DO MOTOR FICA ESCURO APÓS ALGUM TEMPO DE


USO?

O óleo do motor fica escuro porque o aditivo detergente/dispersante retira e


mantém em suspensão os resíduos de carbono formados no motor.
ALGUNS EXCLARECIMENTOS

• ATRAVÉS DO TATO, POSSO SABER SE O ÓLEO ESTÁ OU NÃO EM


CONDIÇÕES DE USO?

Não, porque as condições reais do óleo somente podem ser determinadas


através de análise do produto em laboratório.
ALGUNS EXCLARECIMENTOS

• O QUE É CLASSIFICAÇÃO ACEA?

ACEA: Association des Constructeurs Européens d`Automobiles (Associação


dos Construtores Europeus de Automóveis)
Esta norma faz distinção entre motores à Gasolina e Diesel (leve e pesado):

Série A – Motores à Gasolina


Série B – Motores à Diesel – Leve
Série E – Motores à Diesel – Pesado
ALGUNS EXCLARECIMENTOS

• COMO SABER A CLASSIFICAÇÃO DO ÓLEO?

O rótulo encontrado nas embalagens dos lubrificantes sempre trazem a


especificação do produto