Você está na página 1de 14

Um estudo sobre as consultas

terapêuticas de D. W. Winnicott
ATIVIDADES/PESQUISAS FINALIZADAS
Pesquisador: Gabriel Zaia Lescovar
Orientador: Zeljko Loparic
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Departamento/Programa: Depto. de Psicologia Clínica
Título: Um estudo sobre as consultas terapêuticas de D. W. Winnicott.
.
Projeto de Mestrado
Resumo: Este trabalho consiste na apresentação da teoria da comunicação em psicanálise
segundo D. W. Winnicott (1896–1971) e o estudo de sua aplicabilidade clínica às intervenções
psicológicas breves e os concomitantes psicodiagnósticos com crianças, conforme exposto em
Consultas terapêuticas em psiquiatria infantil (1971).
Discutir-se-ão alguns conceitos fundamentais para o tema: criatividade originária, gesto
espontâneo, existência psicossomática, verdadeiro e falso si-mesmo (self), valorização da
experiência de mutualidade na prática clínica winnicottiana e seu conceito particular de saúde
psíquica. Tais conceitos são originários de uma larga experiência analítica com crianças anti-
sociais na época das evacuações na II Guerra Mundial, com crianças muito pequenas (com
meses de idade), que Winnicott atendeu inicialmente na condição de pediatra desde os anos 20,
e com adultos esquizóides e esquizofrênicos em estado de regressão à dependência.
A contextualização histórica da obra de Winnicott foi determinante para que ele propusesse
algumas alterações teóricas significativas à psicanálise tradicional (Freud e Klein), como os
conceitos acima e variações na técnica psicanalítica de acordo com as necessidades dos casos
clínicos: os manejos clínicos. Para citar apenas duas, o trabalho segundo a demanda descrito
em Piggle: relato do atendimento psicanalítico de uma menina (1977) e as consultas
terapêuticas em Consultas terapêuticas em psiquiatria infantil (1971).
Esta dissertação reflete sobre a tese de que as consultas terapêuticas são um exemplo preciso
da originalidade e da peculiaridade clínica de Winnicott na realização de intervenções breves
infantis e psicodiagnósticos compreensivos psicanalíticos, segundo os moldes de consultas
psicológicas.
Esta pesquisa apóia-se sobre o princípio de que “a teoria das pulsões na obra de Winnicott é
um tema secundário” e que, portanto, “sua peculiar concepção do adoecer psicótico está
estreitamente relacionada à do próprio existir humano”. (Dias, 1995, 1998) Assim, utilizar-se-á a
teoria heurística da ciência inspirada por Th. S. Kuhn como enfoque histórico-epistemológico do
desenvolvimento da psicanálise, sustentando o abandono do complexo edipiano como problema
nuclear da psicanálise winnicottiana e produzindo uma verdadeira revolução no interior da
psicanálise (Loparic, 1997a, 1997b). Assim, presume-se que a natureza, a etiologia e as formas
de tratamento dos distúrbios psíquicos na teoria winnicottiana são concebidos “a partir de
critérios originais, distintos das teorias médicas e psiquiátricas de sua época, além de
apresentarem diferenças significativas com relação à própria psicanálise tradicional”. (Dias,
1998)
Herdeiro do método psicanalítico freudiano ou, melhor, do estudo da natureza humana,
conforme Winnicott, suas constantes reformulações teóricas ganharam aplicabilidade e
respeitabilidade através de suas investigações teóricas e prática clínica, ambos aspectos
inseparáveis de um mesmo processo contínuo de investigação e tratamento. Por exemplo, seu
estudo sobre as consultas terapêuticas, que serão o objeto específico deste trabalho.
Uma vez lançadas as bases desta reflexão, examinar-se-ão novos conceitos subseqüentes: a
natureza humana como tendência à integração, o processo de amadurecimento como fruto da
tendência à integração concretizada pelo ambiente facilitador, as conquistas de integração
como experiências pessoais, a relação mãe-bebê, mãe devotada comum etc. Esses conceitos
são tidos como favorecedores das explanações da teoria da comunicação no interior da teoria
do amadurecimento humano de Winnicott e de possíveis distúrbios nesse processo,
acompanhados de seus critérios de classificação de acordo com suas etiologias.
Discutir-se-ão alguns conceitos centrais à clínica winnicottiana e empregados na condução das
consultas terapêuticas: o jogo e o brincar, o sonho, a regressão à dependência, a transferência,
o manejo e a interpretação... Tais conceitos favorecem a discussão das variações técnicas
propostas por Winnicott às consultas terapêuticas.
Enfim, serão apresentadas as consultas terapêuticas tal como desenvolvidas por Winnicott ao
longo de sua obra, focalizando seu campo de atuação, indicações, limitações... As consultas
terapêuticas podem ser definidas sucintamente como uma possibilidade de intervenção
psicológica rápida e pontual (de uma a três sessões), favorecida pela própria busca de ajuda do
paciente, que coloca o psicoterapeuta na posição do objeto necessitado. Para que o analista
possa reconhecer tal necessidade, deverá realizar uma avaliação psicodinâmica do paciente, de
sua queixa e sintomatologia. Apesar das consultas terapêuticas estarem respaldadas pelo
conhecimento psicanalítico, não podem ser consideradas psicanálise ou psicoterapia breve
psicanalítica, exatamente por não realizarem um trabalho exaustivo ou focal da transferência e
por não apresentarem contra-indicações no que se refere aos distúrbios e transtornos
psicológicos.
Serão apresentadas cinco consultas terapêuticas com crianças da cidade de São Paulo,
estudando suas utilidades diagnósticas e terapêuticas, além de lançarem-se algumas reflexões
sobre as mútuas implicações entre a clínica e a teoria winnicottiana e o campo de trabalho
criado a partir das consultas terapêuticas com crianças.

Palavras-chave: Winnicott, psicanálise, consultas terapêuticas, diagnóstico, intervenção

Bibliografia:
ABRAM, Jan 1996: The Language of Winnicott: a Dictionary of Winnicott’s Use of Words.
London, Karnac Books.

AB’SABER, Tales A. M. 1997: “Winnicott, seu Freud e a psicanálise”, Percurso, no. 19 (02), p.
57-64.

________________________. 1999: “Uma conversa de sonhos”, Psychê, ano 03, no. 04, p. 13-
22

ALEXANDER, Franz e FRENCH, Thomas M. [1946] 1965: Terapeutica psicoanalítica: principios


y application. Buenos Aires, Paidós.

BALINT, Michael et alli 1972: Focal Psychotherapy: an Example of Applied Psychoanalysis.


London, Tavistock Publications.

BERGER, L. R. 1980: “The Winnicott Squiglle Game: a Vehicle for Communicating with the
School-aged Child”, Paediatrics, vol. 66, pp. 921-924.

BOLLAS, Cristopher 1992: A sombra de objeto. Rio de Janeiro, Imago.

BORGES, Thames W. 1998: O procedimento de desenhos-histórias como modalidade de


intervenção nas consultas terapêuticas infantis. Tese (doutoramento). IPUSP-SP.

BOYER, L. Bruce 1997: “The Verbal Squiggle Game in Treating the Seriously Disturbed Patient”,
Psychoanalytic Quartely, vol. LXII, p. 62-81.

BRAFMAN, A. H. 1997: “Winnicott’s Therapeutic Consultations Revisited”, Int. Journal Psycho-


Anal., vol. 78, p. 773-787

CATAFESTA, Ivonise 1997: “Sobre consultas terapêuticas: os rabiscos de Fernando e Ivonise”


In: CATAFESTA, I. F. M. (org.) 1997: A clínica e a pesquisa no final do século: Winnicott e a
Universidade. São Paulo, Instituto de Psicologia da USP, p. 61-72.

CLAMAN, Lawrence 1980: “The Squiglle-drawing Game in Child Psychotherapy”, American


Journal of Psychotherapy, vol. XXXIV, no. 03, july.

CLARIER, Anne e KALMANOVITH, Jeannine 1984: Le paradoxe de Winnicott. Paris, Payot.

CUNHA, Jurema 2000 Psicodiagnóstico V. Porto Alegre, Artes Médicas.

DAVANLOO, Habib et alli 1978: Basic Principles and Techniques in Short-term Dymanic
Psychotherapy. New York, Medical & Scientific Books.

______________________. 1980: Short-term Dynamic Psychotherapy. New York, Jason


Aronson.

DAVIS, Madeleine e WALLBRIDGE, David 1982: Limite e espaço: uma introdução à obra de D.
W. Winnicott. Rio de Janeiro, Imago.

DIAS, Elsa O. 1994 “A regressão à dependência e o uso terapêutico da falha do analista”.


Percurso, no. 13, p. 71-78.

__________. 1995: “Winnicott e a teoria das pulsões”, Boletim de Novidades, vol. 08, no. 77, p.
53-60.

__________. 1998: A teoria das psicoses em Winnicott. Tese (doutoramento). Pontifícia


Universidade Católica de São Paulo.

__________. 1999a: “Sobre a confiabilidade: decorrências para a prática clínica”, Natureza


Humana, I (02), p. 283-322.

__________. 1999b: “A clínica das psicoses e a teoria do amadurecimento pessoal”,


Infanto, vol. VII, suplemento 01, p. 15-19.

DSM-IV – Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 1995. 4. ed. Porto Alegre,
Artes Médicas.

FERENCZI, Sandor e RANK, Otto 1924: The Development of Psychoanalysis. New York,
Nervous and Mental Diseases Publications.

FERENCZI, Sandor 1955: Final Contributions to the Problems and Methods of Psychoanalysis.
2. ed. London, Hogarth Press.

FIORINI, Hector J. 1981: Teoria e técnica de psicoterapias. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

FIQUEIREDO, Luis C. 1999: “Apresentação”. IN: SAFRA, G. 1999: A face estética do self: teoria
e clínica. São Paulo, Unimarco.

FREUD, Sigmund 1923a: “Dois verbetes de enciclopédia”, G W, 13, p. 209 ss.

GARDNER, R. A. 1971: Therapeutic Communication with Children: the Mutual Storytelling


Technique. Aronson, New York.

_______________. 1975: Psychotherapeutic Aproaches to the Resistant Child. Aronson, New


York.

GEETS, Claude 1981: Winnicott. Paris, Ed. Universitaries, Jean-Pierre Delarge.

GILLIÈRON, Edmond 1996: A primeira entrevista em psicoterapia. São Paulo,


Unimarco/Loyola.

GROLNICK, Simon 1990: The Work & Play of Winnicott. London, New York, Jason Aronson.
(Trad. bras.: 1993: Winnicott: o trabalho e o brinquedo – uma leitura introdutória. Porto Alegre,
Artes Médicas).

HEIDEGGER, M. 1972: On Time and Begin. New York, Hanper lated by Joan Stambaugh.

HOME, H. J. 1966: “The Concept of Mind”, International Journal of Psychoanalysis, no. 47, p.
42-49.

JACOBS, Michael 1995: D. W. Winnicott. London, Sage Publications Ltd.

KAHR, Brett 1996: D. W. Winnicott: um retrato biográfico. Rio de Janeiro, Exodus.

KHAN, Masud M. 1963: “O conceito de trauma cumulativo”. In: 1984: Psicanálise: teoria, técnica
e casos clínicos. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

________________. 1964: “Distorções do ego, trauma cumulativo e o papel da reconstrução na


situação analítica”. In: 1984: Psicanálise: teoria, técnica e casos clínicos. Rio de Janeiro,
Francisco Alves.

________________. 1976: Passion, solitude et folie. Paris, Gallimard.

________________. 1978: “Prefácio”. In: WINNICOTT, D. W. 1978: Textos selecionados: da


pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

________________. 1984: Psicanálise: teoria, técnica e casos clínicos. Rio de Janeiro,


Francisco Alves.

KRITZBERG, N. I. 1975: The Structural Therapeutic Game Method of Child Analytic


Psychotherapy. Hicksville, New York.

KUSNETZOFF, Juan C. 1993 Psicoterapia breve na adolescência. Porto Alegre, Artes Médicas.

KUHN, Thomas S. 1962: The Struture of Scientific Revolutions. Chicago, The Univ. of Chicago
Press. (Trad. bras.: 1970: A estrutura das revoluções científicas. São Paulo, Perspectiva).

________________. 1970: “Lógica da descoberta ou psicologia da pesquisa”. In: LAKATOS, I. &


MUSGRAVE, A. 1970: A crítica e o desenvolvimento do conhecimento. São Paulo, Cultrix e
Universidade de São Paulo.

LAPLANCE, J. e PONTALIS, J-B 1992: Vocabulário de psicanálise. São Paulo, Martins Fontes.

LINS, Maria I. A. 1987: L’amenagement de la technique psychanalytique dans le traitement de


l’enfant a partir de l’ouvre de D. W. Winnicott: une exércice de consultations thérapeutiques avec
des adolescents au Nordeste du Brésil. Tese (doutoramento). Universite de Paris X – Manterre.

_____________. 1989: “Teoria da comunicação e técnica psicanalítica”, Ide – Revista SBPSP,


no. 17, p. 55-62.

_____________. 1990: “O jogo dos rabiscos: uma aplicação da teoria do jogo de Winnicott”,
Revista Brasileira de Psicanálise, vol. 24 (02), p. 191-210.

_____________. 1996: “Uma clínica winnicottiana”, Percurso, no. 17 (02), p. 101-107.


_____________. 1997: “História e vida na obra de Winnicott”. In: PODKAMENI, A. B. &
GUIMARÃES, M. A. C. 1997: Winnicott: 100 anos de um analista criativo. Rio de Janeiro, Nau,
p. 13-22.

LINS, Maria I. A. e LUZ, Rogério 1998: D. W. Winnicott: experiência clínica e experiência


estética. Rio de Janeiro, Revinter.

LOPARIC, Zeljko 1991: “Um olhar epistemológico sobre o inconsciente freudiano”. In:
KNOBLOCH, F. (org.) 1991: O inconsciente: várias leituras. São Paulo, Escuta, p. 43-58.

___________. 1995a: “Winnicott e Heidegger: afinidades”, Boletim de Novidades, ano VIII, no.
69, jan, p. 53-60. São Paulo, Livraria Pulsional.

___________. 1995b: “Winnicott e o pensamento pós-metafísico”, Psicologia USP, vol. VI, no,
02, p. 39-61.

___________. 1996: “Winnicott: uma psicanálise não-edipiana”, Percurso, no. 17 (02), p. 41-47.

___________. 1997a: “Winnicott: uma psicanálise não-edipiana”, Revista de Psicanálise da


SPPA, vol. IV, no. 02, p. 375-388.

___________. 1997b: “Winnicott a M. Klein: conflito de paradigmas”. In: CATAFESTA, I. F. M.


(org.) 1997: A clínica e a pesquisa no final do século: Winnicott e a Universidade. São Paulo,
Instituto de Psicologia da USP, p. 43-60.

___________. 1997c: “A máquina no homem”, Psicanálise e Universidade, no. 07, p. 14-32.

___________. 1998a: “Psicanálise: uma leitura heideggeriana”, Veritas (PUCRS), vol. XLIII, no.
01, p. 25-41.

___________. 1998b: “O Édipo de Freud a Bion”, Pulsional – Revista de Psicanálise, Ed.


Escuta, ago, p. 37-43.

___________. 1999a: “O conceito de Trieb na psicanálise e na filosofia alemã”. In: MACHADO.


L. A. T. (org.) 1999: Filosofia e Psicanálise: um diálogo. Porto Alegre, Edipuc, p. 97-157.

___________. 1999b: “Heidegger and Winnicott”, Natureza Humana, I (01), p. 103-135.

___________. 1999c: “É dizível o inconsciente?”, Natureza Humana, I (02), p. 323-385.

___________. 1999d: “A teoria winnicottiana do amadurecimento pessoal”, Infanto, vol. VII,


suplemento 01, p. 21-23.

___________. 2000: “O animal humano”, p. 01-38, (Manuscrito).

___________. 2001a: “Além do inconsciente: sobre a desconstrução heideggeriana da


psicanálise”, p. 01-50, (Manuscrito).

___________. 2001b: “Masculino e feminino: uma distinção chave no paradigma winnicottiano”,


III Colóquio Winnicott. Rio de Janeiro – Espaço Winnicott, jun 2001, (Manuscrito).

MALAN, David H. [1976] 1981: As fronteiras da psicoterapia breve: um exemplo de


convergência entre pesquisa e prática médica. Porto Alegre, Artes Médicas.

________________. [1979] 1983: Psicoterapia individual e a ciência da psicodinâmica. Porto


Alegre, Artes Médicas.

MESAS, Barbara 1991: The Brief Psychoanalytic Psychotherapy Technique of D. W. Winnicott.


Tese (doutoramento). Wright Institute Graduate School of Psychology.

MEZAN, Renato 1990: “Existem paradigmas na psicanálise?”, Percurso, no. 04 (01), p. 43-52

______________. 1993: A sombra de Don Juan. São Paulo, Brasiliense.

MILNER, Marion 1991: A loucura suprimida do homem são: quarenta e quatro anos explorando
a psicanálise. Rio de Janeiro, Imago.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 1993: Classificação de transtornos mentais e de


comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre, Artes
Médicas.

OUTEIRAL, José O. 1996: “Perspectivas de pesquisa na abordagem winnicottiana”. In:


CATAFESTA, I. F. M. (org.). 1996: D. W. Winnicott na Universidade de São Paulo. São Paulo,
Lemos, pp. 71-83.

PACHECO FILHO, Raul A. 1993: O método de Freud para produzir conhecimento: período até a
‘teoria da sedução’. Tese (doutoramento). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

_________________________. 1999: “O método de Freud para produzir conhecimento:


revolução na investigação dos fenômenos psíquicos?”. In: Estudos em história da psicologia.
São Paulo, EDUC.

PHILLIPS, Adam 1988: Winnicott. London, Fontana Press.

POPPER, Karl 1983: Conjecturas y refutaciones. Buenos Aires, Paidós.

PROCHET, Neysa M. S. 1993: O jogo do rabisco: um espaço compartilhado – reflexões sobre a


contribuição de Winnicott ao diagnóstico psicológico. Dissertação (mestrado). Instituto de
Psicologia da USP-SP.

RANK, Otto [1924] 1985: El trauma del nacimiento. Barcelona, Piados.

SAFRA, Gilberto 1984: Um método de consulta terapêutica através do uso de estórias infantis.
Dissertação (mestrado). Instituto de Psicologia da USP-SP.

_______________. 1999a: “A clínica em Winnicott”, Natureza Humana, I (01), p. 91-102.

________________. 1999b: A face estética do self: teoria e clínica. São Paulo, Unimarco.

________________. 2000: “Psicoterapia breve: uma reflexão”, Psychê, ano 04, no. 05, p. 133-
139.

SIFNEOS, Peter E. 1972: Short-term Psychotherapy and Emotional Crisis. Cambridge,


Massachusetts e London: Harvard Univ. Press.

________________. [1987] 1989: Psicoterapia dinâmica breve. Porto Alegre, Artes Médicas.

TAVARES, Marcelo 2000: “A entrevista clínica”. IN: CUNHA, Jurema 2000 Psicodiagnóstico V.
Porto Alegre: Artes Médicas, p. 45-56.

TRINCA, Walter 1976: investigação clínica da personalidade: o desenho livre como estímulo de
apercepção temática. Belo Horizonte, Interlivros.

WAKIMOTO, K; KAWAMURA, H.; KAKU, R. 1977: “An aproach to pre-adolesct patients using
the squiggle game of D. W. Winnicott”, Japanese Journal of Child and Adolescent
Psychiatry., vol. 15 (4), p. 231-240.

WINNICOTT, Donald. W. 1930a: Clinical Notes on Disorders of Childhood. Londres: Heinemann.

______________________. 1931p: “Notas sobre normalidade e ansiedade”. IN: 1993 Textos


selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4 ed.

______________________. 1941b: “Observação de bebês em uma situação preestabelecida”.


IN: 1993 Textos selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4 ed.

______________________. 1942a: “Consultas do departamento infantil”. IN: 1993 Textos


selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4 ed.

______________________. 1945c: “Alimentação do bebê”. IN: 1985: A criança e o seu mundo.


Rio de Janeiro, Zahar, 6. ed.

______________________. 1945d: “Desenvolvimento emocional primitivo”. IN: 1993 Textos


selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4 ed.

______________________. 1945h: “Para um estudo objetivo da natureza humana”. IN: 1997


Pensando sobre crianças. Porto Alegre, Artes Médicas.

______________________. 1946c: “Que entendemos por uma criança normal?” IN: 1985: A
criança e o seu mundo. Rio de Janeiro, Zahar, 6. ed.

______________________. 1947b: “Mais idéias sobre o bebê como pessoa”. IN: 1985: A
criança e o seu mundo. Rio de Janeiro, Zahar, 6. ed.

______________________. 1948b: “Pediatria e psiquiatria”. IN: 1993 Textos selecionados: da


pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4 ed.

______________________. 1949f: “O ódio na contratransferência”. IN: 1993 Textos


selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4 ed.

______________________. 1949k: “O desmame”. IN: 1985: A criança e o seu mundo. Rio de


Janeiro, Zahar, 6. ed.

______________________. 1950a: “Algumas reflexões sobre o significado da palavra


democracia”. IN: 1999 Tudo começa em casa. São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1953b: “A tolerância do sintoma na pediatria – a história de um


caso”. IN: 1993 Textos selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco
Alves. 4 ed.

_____________________. 1953c: “Objetos transicionais e fenômenos transicionais”. IN: 1993


Textos selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4 ed.

_____________________. 1954a: “A mente e sua relação com o psique-soma”. IN: 1993 Textos
selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4 ed.

_____________________. 1954c: “Armadilhas na adoção”. IN: 1997 Pensando sobre crianças.


Porto Alegre, Artes Médicas.

_____________________. 1955a: “A adolescência das crianças adotadas”. IN: 1997 Pensando


sobre crianças. Porto Alegre, Artes Médicas.

_____________________. 1955b: “Um caso tratado em casa”. IN: 1993 Textos selecionados:
da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4 ed.

_____________________. 1955d: “Aspectos clínicos e metapsicológicos da regressão dentro


do setting psicanalítico”. IN: 1993 Textos selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de
Janeiro, Francisco Alves. 4 ed.

_____________________. 1955e: “Retraimento e regressão”. IN: 1993 Textos selecionados: da


pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4 ed.

_____________________. 1956a: “Variedades clínicas da transferência”. IN: 1993 Textos


selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4 ed.

_____________________. 1957n: “Um homem encara a maternidade”. IN: 1985: A criança e o


seu mundo. Rio de Janeiro, Zahar, 6. ed.

_____________________. 1958a: “Collecte papers: through pediatrics to psychoanalysis”.


Londres, Hogarth and The Institute of Psycho-Analysis. (Trad. bras.: 1993 Textos selecionados:
da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4. ed.).

_____________________. 1958c: “A tendência anti-social”. IN: 1999 Privação e delinqüência.


São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1958e: “Apetite e perturbação emocional”. IN: 1993 Textos


selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4. ed.

_____________________. 1958f: “Recordações do nascimento, trauma do nascimento e


ansiedade”. IN: 1993 Textos selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco
Alves. 4. ed.

_____________________. 1958g: “A capacidade para estar só”. IN: 1983 Ambiente e seus
processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3. ed.

___________________. 1958k: “A defesa maníaca”. IN: 1993 Textos selecionados: da pediatria


à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4. ed.

_____________________. 1958n: “Preocupação materna primária”. IN: 1993 Textos


selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro, Francisco Alves. 4. ed.

_____________________. 1958o: “A psicanálise do sentimento de culpa”. IN: 1983 Ambiente e


seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3. ed.

_____________________. 1958p: “A reparação em função da defesa materna organizada


contra a depressão”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1958q: “Definição teórica do campo da psiquiatria infantil”. IN: 1993


A família e o desenvolvimento individual. São Paulo, Martins Fontes.

_____________________. 1960a: “Contratransferência”. IN: 1983 Ambiente e seus processos


de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3 ed.
_____________________. 1960b: “Cordão: uma técnica de comunicação”. IN: 1983 Ambiente e
seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3 ed.

_____________________. 1960c: “Teoria do relacionamento paterno-infantil”. IN: 1983


Ambiente e seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3 ed.

_____________________. 1962a: “Adolescência. Transpondo a zona de calmarias”. IN: 1993 A


família e o desenvolvimento individual. São Paulo, Martins Fontes.

_____________________. 1963a: “Dependência no cuidado do lactente, no cuidado da criança


e na situação psicanalítica”. IN: 1983 Ambiente e seus processos de maturação. Porto Alegre,
Artes Médicas. 3 ed.

_____________________. 1963b: “O desenvolvimento da capacidade de se preocupar”. IN:


1999 Privação e delinqüência. São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1963c: “Os doentes mentais na prática clínica”. IN: 1983 Ambiente e
seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3 ed.

_____________________. 1963d: “Moral e educação”. IN: 1983 Ambiente e seus processos de


maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3 ed.

_____________________. 1963g: “Treinamento para psiquiatria de crianças”. IN: 1983


Ambiente e seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3 ed.

_____________________. 1964b: “Deduções a partir de uma entrevista psicoterapêutica com


uma adolescente”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1964e: “O valor da depressão”. IN: 1999 Tudo começa em casa. São
Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1964h: “C.G.Jung – Resenha de Memories, Dreams, Reflections”.


IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1965a: The family and individual development. Londres: Tavistock


Publications Ltd. (Trad. bras. 1993 A família e o desenvolvimento individual. São Paulo, Martins
Fontes).

_____________________. 1965b: The maturational processes and the facilitating environment.


Londres: Hogarth Press and The Inst. of Psychoanalysis. (Trad. bras.: 1983 Ambiente e seus
processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3. ed.)

_____________________. 1965d: “Os objetivos do tratamento psicanalítico”. IN: 1983 Ambiente


e seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3. ed.

_____________________. 1965f: “Um caso de psiquiatria infantil que ilustra a reação retardada
à perda”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1965h: “Classificação: existe uma contribuição psicanalítica à


classificação psicanalítica”. IN: 1983 Ambiente e seus processos de maturação. Porto Alegre,
Artes Médicas. 3. ed.

_____________________. 1965j: “Comunicação e falta de comunicação levando ao estudo de


certos opostos”. IN: 1983 Ambiente e seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes
Médicas. 3. ed.
_____________________. 1965m: “A distorção do ego em termos de falso e verdadeiro si-
mesmo”. IN: 1983 Ambiente e seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3.
ed.

_____________________. 1965n: “A integração do ego no desenvolvimento da criança”. IN:


1983 Ambiente e seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3. ed.

_____________________. 1965o: “A família afetada pela patologia depressiva de um ou ambos


os pais”. IN: 1993 A família e o desenvolvimento individual. São Paulo, Martins Fontes.

_____________________. 1965r: “Da dependência à independência no desenvolvimento do


indivíduo”. IN: 1983 Ambiente e seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3.
ed.

_____________________. 1965t: “Crescimento e desenvolvimento na fase imatura”. IN: 1993 A


família e o desenvolvimento individual. São Paulo, Martins Fontes.

_____________________. 1965u: “Atendimento hospitalar como complemento de psicoterapia


intensiva na adolescência”. IN: 1983 Ambiente e seus processos de maturação. Porto Alegre,
Artes Médicas. 3. ed.

_____________________. 1965va: “Enfoque pessoal da contribuição kleiniana”. IN: 1983


Ambiente e seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3 ed.

_____________________. 1965vb: “O preço a desconsiderar a pesquisa psicanalítica”. IN:


1999 Tudo começa em casa. São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1965vd: “Distúrbios psiquiátricos e processos de maturação”. IN:


1983 Ambiente e seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3 ed.

_____________________. 1965ve: “Psicoterapia dos distúrbios do caráter”. IN: 1983 Ambiente


e seus processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas. 3 ed.

_____________________. 1965vf: “O relacionamento inicial entre uma mãe e seu bebê”. IN:
1993 A família e o desenvolvimento individual. São Paulo, Martins Fontes.

_____________________. 1966d: “Transtorno psicossomático {I – A enfermidade


psicossomática e seus aspectos positivos e negativos}”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas.
Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1967c: “O papel do espelho da mãe e da família no desenvolvimento


infantil”. IN: 1975 O brincar e a realidade. Rio de Janeiro, Imago.

_____________________. 1968a: “A etiologia da esquizofrenia infantil em termos do fracasso


adaptativo”. IN: 1997 Pensando sobre crianças. Porto Alegre, Artes Médicas.

_____________________. 1968c: “O conceito de regressão clínica comparado com o de


organização defensiva”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1968d: “A comunicação entre o bebê e a mãe e entre mãe e o bebê:


convergências e divergências”. IN: 1994 Os bebês e suas mães. São Paulo, Martins Fontes.

_____________________. 1968e: “A delinqüência como sinal de esperança”. IN: 1999 Tudo


começa em casa. São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1968i: “O brincar – uma exposição teórica”. IN: 1975 O brincar e a


realidade. Rio de Janeiro, Imago.

_____________________. 1968k: “O jogo de Rabisco”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas.


Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1968l: “O valor da consulta terapêutica”. IN: 1994 Explorações


psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1969a: “A imaturidade do adolescente”. IN: 1999 Tudo começa em


casa. São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1969b: “A amamentação como forma de comunicação”. IN: 1994 Os


bebês e suas mães. São Paulo, Martins Fontes.

_____________________. 1969f: “Um vínculo entre a pediatria e a psicologia infantil;


observações clínicas”. IN: 1997 Pensando sobre crianças. Porto Alegre, Artes Médicas.

_____________________. 1969g: “Fisioterapia e relações humanas”. IN: 1994 Explorações


psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1969i: “Sobre o uso de um objeto – O uso de um objeto e o


relacionamento através das identificações”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre,
Artes Médicas Sul.

_____________________. 1970b: “A experiência mãe-bebê de mutualidade”. IN: 1994


Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1971a: Playing and reality. England: Peguin Books. (Trad. bras.:
1975 O brincar e a realidade. Rio de Janeiro, Imago).

_____________________. 1971b: Therapeutic consultations in child psychiatry. Londres:


Hogarth Press and Inst. of Psychoanalysis. (Trad. bras.: 1984 Consultas terapêuticas em
psiquiatria infantil. Rio de Janeiro, Imago).

_____________________. 1971d: “Sobre as bases para o si-mesmo no corpo”. IN: 1994


Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1971f: “O conceito de indivíduo saudável”. IN: 1999 Tudo começa


em casa. São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1971g: “A criatividade e suas origens”. IN: 1975 O brincar e a


realidade. Rio de Janeiro, Imago.

_____________________. 1971h: “Sonhar, fantasiar e viver: uma história clínica que descreve
uma dissociação primária”. IN: 1975 O brincar e a realidade. Rio de Janeiro, Imago.

_____________________. 1971l: “Inter-relacionar-se independentemente do impulso institual e


em função de identificações cruzadas”. IN: 1975 O brincar e a realidade. Rio de Janeiro, Imago.

_____________________. 1971r: “O brincar: a atividade criativa e a busca do eu (si-mesmo)”.


IN: 1975 O brincar e a realidade. Rio de Janeiro, Imago.

_____________________. 1971va: “A criatividade e suas origens”. IN: 1975 O brincar e a


realidade. Rio de Janeiro, Imago.

_____________________. 1972b: “A loucura da mãe tal como aparece no material clínico como
fator estranho ao ego”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1972c: “Sobre os elementos masculinos e femininos excindidos


(split-off) – Resposta a comentários”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes
Médicas Sul.

_____________________. 1974: “O medo do colapso (breakdown)”. IN: 1994 Explorações


psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1977: The Piggle: na account of the psycho-analytic treatment of a


little girl. Londres: Hogarth Press. (Trad. bras.: 1987 The Piggle: relato do tratamento
psicanalítico de uma menina. Rio de Janeiro, Imago. 2 ed.).

_____________________. 1984a: Deprivation and delinquency. Londres: Tavistock Publications


Ltd. (Trad. bras.: 1999 Privação e delinqüência. São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.).

_____________________. 1984e: “A liberdade”. IN: 1999 Tudo começa em casa. São Paulo,
Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1986a: Holding and Interpretation. Londres: Hogarth Press. (Trad.


bras.: 1991 Holding e Interpretação. São Paulo, Martins Fontes).

_____________________. 1986b: Home is where we start from. Londres: Penguin Books.


(Trad. bras.: 1999 Tudo começa em casa. São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.).

_____________________. 1986d: “A criança no grupo familiar”. IN: 1999 Tudo começa em


casa. São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1986e: “O conceito de falso si-mesmo”. IN: 1999 Tudo começa em


casa. São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1986f: “A cura”. IN: 1999 Tudo começa em casa. São Paulo, Martins
Fontes. 3 ed.

_____________________. 1986h: “Vivendo de modo criativo”. IN: 1999 Tudo começa em casa.
São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1986i: “A pílula e a lua”. IN: 1999 Tudo começa em casa. São Paulo,
Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1986j: “O lugar da monarquia”. IN: 1999 Tudo começa em casa. São
Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1986k: “Psicanálise e ciência: amigas ou parentes?” IN: 1999 Tudo


começa em casa. São Paulo, Martins Fontes. 3 ed.

_____________________. 1987a: Babies and their mothers. Londres: Free Association Books.
(Trad. bras.: 1994 Os bebês e suas mães. São Paulo, Martins Fontes).

_____________________. 1987b: Selected letters of D. W. Winnicott. Cambridge,


Massachusetts: Harvard University Press. (Trad. bras.: 1987 O gesto espontâneo. São Paulo,
Martins Fontes).

_____________________. 1987d: “A comunicação entre o bebê e a mãe e entre a mãe e o


bebê: convergências e divergências”. IN: 1994 Os bebês e suas mães. São Paulo, Martins
Fontes.

_____________________. 1987e: “A mãe dedicada comum”. IN: 1994 Os bebês e suas mães.
São Paulo, Martins Fontes.

_____________________. 1988: Human nature. Londres: Free Association Books. (Trad. bras.:
1990 Natureza humana. Rio de Janeiro, Imago).

_____________________. 1989a: Psycho-analytic explorations. Londres: Karnac Books. (Trad.


bras.: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul).

_____________________. 1989c: Sobre as bases para o self no corpo {II – Dois outros
exemplos clínicos}”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1989d: “O conceito de trauma em relação ao desenvolvimento do


indivíduo dentro da família”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas
Sul.

_____________________. 1989e: “Desenvolvimento do tema do inconsciente da mãe, tal como


descoberto na prática psicanalítica”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes
Médicas Sul.

_____________________. 1989f: “Pós-escrito: D.W.W. por D.W.W.”. IN: 1994 Explorações


psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1989m: “A importância do setting no encontro com a regressão na


psicanálise”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1989s: “Uma nova luz sobre o pensar infantil”. IN: 1994 Explorações
psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1989ve: “Distúrbios físicos e emocionais em uma adolescente”. IN:


1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1989vi: “Clínica particular”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas.


Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1989vl: “Psiconeurose na infância”. IN: 1994 Explorações


psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1989vm: “Transtorno (disorder) psicossomático {ÌI – Nota adicional


sobre transtorno psicossomático}”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes
Médicas Sul.

_____________________. 1989vp: “Sobre os elementos masculinos e femininos excindidos


(split-off)” . IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.

_____________________. 1989vu: “Sobre O uso de um objeto {Comentários sobre o meu


artigo ‘O uso de um objeto’}”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas
Sul.
____________________. 1989vv: “Sobre O uso de um objeto {Um sonho de D.W.W.
relacionado a uma resenha de um livro de Jung}”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto
Alegre, Artes Médicas Sul.
_____________________. 1989xa: “Sobre O uso de um objeto {O uso do objeto no contexto de
Moisés e o monoteísmo}”. IN: 1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.
_____________________. 1989xb: “Sobre O uso de um objeto {O uso da palavra ‘uso’}”. IN:
1994 Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul.
_____________________. 1993a: Talking to parents. Massachusetts: Addison-Wesley. (Trad.
bras.: 1999 Conversando com os pais. São Paulo, Martins Fontes. 2 ed.).
_____________________. 1996a: Thinking about children. Londres: Karnac Books. (Trad. bras.:
1997 Pensando sobre crianças. Porto Alegre, Artes Médicas).
_____________________. 1996c: “Autismo”. IN: 1997 Pensando sobre crianças. Porto Alegre,
Artes Médicas.
_____________________. 1996k: “Necessidades ambientais; os estágios iniciais; dependência
total e independência essencial”. IN: 1997 Pensando sobre crianças. Porto Alegre, Artes
Médicas.
ZIEGLER, Robert G. 1976: “Winnicott Squiggle Game: Its Diagnostic and Therapeutic
Usefulness”, Art Psychotherapy, vol. 03, pp. 177-185, Pergamon Press.