Você está na página 1de 2

Direito de Acrescer

Acrescer é aumentar ou ampliar o quinhão de coerdeiros ou colegatários com a porção destinada a quem
renuncia o seu quinhão ou não pode recebê-lo. Este é o critério a ser observado, salvo se houver cláusula
testamentária dispondo diversamente. Para alguns existe o direito de acrescer apenas na sucessão
testamentária, pois, na sucessão legítima há o direito de representação. Quando o testador contempla um
conjunto, por exemplo, os netos, caso um deles renuncie, o seu quinhão acrescerá o dos demais; se o
hereditando contemplou individualmente cada descendente, a impossibilidade de um não gera o direito de
acrescer.
Art. 1941, CC - Direito de acrescer entre herdeiros e legatários, ou seja, quando o benefício original do
herdeiro e legatário pode ser acrescido por alguma circunstância.
O legislador prevê o seguinte: Se o testador resolver instituir várias pessoas herdeiras na mesma
cláusula testamentária sem especificar o quanto cada um vai receber é porque o testador considera que se
um não poder aceitar a herança aquela parte que não foi aceita a crescerá aos coerdeiros (que estavam
naquela cláusula). Então, para existir direito de acrescer entre herdeiros eles têm que estar na mesma
disposição testamentária. O testador pode afastar o direito de acrescer nomeando um substituto e
especificando o quinhão de cada herdeiro.
Direito de acrescer acontece na pré-morte do herdeiro, renúncia, indignidade, deserdação ou até
mesmo ausência. Faz diferença dizer: "Deixo minha parte disponível para Raquel, Marcos e Luís" e dizer
"Deixo minha parte disponível para Raquel, Marcos e Luís na proporção de 1/3 para cada um". O
entendimento é que se o testador não limitou o quinhão é porque para ele tanto fazia, então se um não
puder aceitar a parte que lhe conferia vai p ara aqueles nomeados na cláusula testamentária e não volta p
ara a sucessão legítima, assim como ocorreria no caso do testador especificar o quinhão.
O direito de acrescer acaba afastando o retorno do bem para a sucessão legítima, cabendo ao testador
afastar esta consequência.
Art. 1942, CC - O direito de acrescer também pode estar presente em relação aos legatários, ou
seja, quando nomeio um bem específico e designo mais de uma pessoa para colher aquele patrimônio.
O legislador não exige que a nomeação conjunta dos legatários seja feita na mesma cláusula do
testamento, como ocorre com os herdeiros. O direito de acrescer só acontece quando o objeto do legado é
uma coisa determinada e certa e quando a coisa não possa ser dividida sem risco de desvalorizar. Quanto
á esta última parte os autores citam como exemplo uma coleção de livros.
Art. 1943, CC - Prevê as hipóteses em que acontece o direito de acrescer. Se o testador
não nomeou substituto e não especificou quinhão não volta para a sucessão legítima e
há direito de acrescer dos herdeiros ou legatários.
§ único - Encargo que foi estabelecido em relação ao herdeiro que faltou - Estes deverão ser
cumpridos para aqueles que receberem o direito de acrescer, salvo se foi um encargo personalíssimo, pois
só poderia ser cumprido por aquela pessoa específica.

Art. 1.944, CC, ocorrendo uma das hipóteses previstas dos artigos anteriores, haverá o direito de
acrescer; em caso contrário, não sendo o caso de direito de acrescer, o que tinha sido destinado pelo
testador para os beneficiários será recolhida na sucessão legítima, mas, se houver encargo, aqueles que
receberem ou aceitarem a coisa, obrigar-se-ão a cumprir o encargo. Não se trata de intromissão do
testador na sucessão legítima, porém a porção disponível, que ele poderia, livremente, distribuir, deve ser
respeitada sua vontade e os herdeiros que receberem ficarão onerados com os encargos.
Art. 1945, CC - O legislador não permite que o herdeiro ou legatário repudie o acréscimo
ficando só com a herança ou o legado originalmente que lhe coube, ou seja, não pode aceitar só o
acréscimo ou só a herança. A exceção é quando o acréscimo é onerado com encargos especiais
estabelecidos pelo testador. Neste caso, vou determinar que uma outra pessoa que nem era aquela que o
testador tenha em mente venha a ser sucessora. Ex.: Deixo a minha disponível para Raquel, Marcos e
Luís e determino que Luís preste alimentos à Joaquim. Luís pré morre e Raquel e Marcos que iam dividir
em três a herança vão receber a metade. Se eles conseguirem convencer o juiz de que é um encargo
especial a quota parte que seria de Luís será repudiada e revertida para Joaquim.

Os autores entendem que para afastar o direito de acrescer basta dizer palavras simples, como
por exemplo: Deixo minha legítima para Raquel, Marcos e Luís em partes iguais.
Isto já pressupõe que o testador não queria que houvesse o direito de acrescer.
Art. 1946, CC , O usufruto no Direito Sucessório difere do Direito das Coisas. Aqui, deixando o testador
o usufruto para duas ou mais pessoas, se uma delas faltar ocorrerá, automaticamente, o direito de acrescer
para os remanescentes.
Para os autores em geral, o direito de acrescer no plano testamentário se fundamenta na intenção
do disponente ao elaborar as cláusulas testamentárias. Para alguns poucos autores o fundamento reside
meramente na vontade do legislador. Há aqueles que fundamentam o direito de acrescer na vontade da
sociedade, para quem não é conveniente o fracionamento excessivo da propriedade.
Os coerdeiros e o direito de acrescer: O regulamento do direito de acrescer compõe-se de normas
meramente dispositivas, ou seja, prevalecem apenas na falta de orientação deixada pelo disponente. Eis as
causas geradoras do direito de acrescer: a) dois ou mais herdeiros são contemplados em disposição
testamentária única; b) o mesmo objeto para os sucessores sem a definição da quota de cada qual; c)
inexistência de definição de quotas individuais; d) impossibilidade de pelo menos um dos herdeiros
suceder; e) não previsão da destinação da quota do herdeiro que faltar.
Os colegatários e o direito de acrescer: Quando o mesmo objeto for legado a mais de uma pessoa
haverá o direito de acrescer, ressalvada a hipótese de cláusula testamentária estipular a substituição ou
exclusão de aumento.
Disposições comuns aos coerdeiros e colegatários: Quando um ou mais coerdeiros ou
colegatários não
aceitarem o favor testamentário, sem que haja previsão de substituto, haverá o direito de acrescer. O
critério é dispositivo, pois o testador pode estabelecer fórmula diversa. Na falta de disposição conjunta de
herdeiros ou legatários não há direito de acrescer.
Legado de usufruto conjunto: Se o hereditando deixou para mais de uma pessoa, conjuntamente, o
usufruto sobre determinado bem, caso uma não queira ou não possa, provocará acréscimo na quota dos
demais. Se a instituição não for conjunta, ou se, apesar da conjunção, a eles couber apenas uma parte do
usufruto, à medida que forem se extinguindo os direitos dos legatários ocorrerá a progressiva
consolidação da propriedade.

Fontes
https://www.direitocom.com/codigo-civil-comentado/atigos1941a1946acesso10_57_17/11/2018

Manual de Direito Civil - Flávio Tartuce - 7ª Ed. - 2017

Curso_de_Direito_Civil_Vol._6_-_Paulo_Nader_-_2016