Você está na página 1de 12

O “nascimento” da antropologia moderna –

o funcionalismo de Bronislaw Malinowski

Texto:

MALINOWSKI, Bronislaw. Introdução. In______. Os


Argonautas do Pacífico Ocidental, Coleção Os Pensadores,
Editora Abril, 1972.
Bronislaw Kasper Malinowski (1884 – 1942)
nasceu na Polônia e se radicou na Inglaterra
onde viveu até o fim da sua vida:
•Estudou ciências exatas e depois migrou para
os estudos na antropologia evolucionista com
James Frazer;
•É considerado o criado da antropologia
moderna ao produzir a monografia Argonautas
do Pacífico Ocidental que lança os
fundamentos do trabalho de campo;
•Sua obra representa o superação definitiva do
Evolucionismo dentro da antropologia britânica
e inaugura a escola funcionalista, nome dado
por ele próprio a antropologia moderna.
Tema da pesquisa de Malinowski: antropologia
econômica e a lógica das trocas comerciais
Na obra o autor busca abordar a lógica cultural das trocas econômicas
que ocorrem entre as diversas ilhas do Pacífico Sul, litoral sul da Nova
Guine:

•O autor descreve no livro o sistema de comércio tradicional que


recebe o nome de Kula;

•O Kula assume uma importância fundamental na estruturação da vida


dos nativos da região das Ilhas Trobriand;
• Este é um sistema de trocas com círculos concêntricos, braceletes são
trocados por colares fazendo com que os objetos circulem em sentidos
opostos;

• De acordo com o apresentado pelo autor os nativos “vivem dentro” do


círculo do Kula e as suas ideias, ambições, desejos, vaidades estão
relacionado com esse sistema de trocas;

• O Kula é o que chamamos em antropologia do “fenômeno social total”,


isso quer dizer que ele é um elementos social e cultural que se estende
a todas as dimensões da vida social de um grupo.
O método de investigação antropológica

Malinowski apresenta na introdução de seu livro a descrição do


método que ele utiliza para a produção de sua monografia mais
famosa:

•Como ele possui formação original nas ciências exatas busca construir
uma metodologia de trabalho para a antropologia que seja tão rigorosa
quanto a das ciências exatas;
• Quando se lê um trabalho das ciências exatas se tem definido
nitidamente os arranjos experimentais, os instrumentos e
aparelhos utilizados, as formas que conduziram as observações, o
tempo das observações e quantas foram;

• Ele acredita que não é possível reproduzir uma metodologia


similar a das ciências exatas no campo da antropologia, mas
define que o etnógrafo deve deixar nítido a fronteira entre o que
os nativos falam e o que é interpretação do antropólogo –
descrição etnográfica.
O ser humano como “objeto” de estudo da antropologia
A base de todo o trabalho de etnografia é a relação que se estabelece
com o povo que busca estudar:

•Ao contrário de outras disciplinas no campo das ciências humanas que


possuem como objeto de estudo os registros em livro e em arquivos, o
“objeto de estudo” da antropologia estão expressas na mente dos seres
humanos estudados;
•Essa diferença atribui uma complexidade maior nos estudos
etnográficos uma vez que a informação está de certa forma acessível,
mas também encontra-se de uma forma extremamente enganosa e
complexa ligada à experiência dos nativos;

•Na etnografia é comum que o resultado final do trabalho esteja


distante das afirmações dos nativos, isso ocorre porque a monografia
nasce do encontro entre a fala dos “informantes” e o que ele observou
em campo;

•A etnografia é resultado deste processo que é eminentemente


dialógico e complexo.
Os “bons” conselhos do “velho” Malinowski:
•Deve-se ao iniciar uma pesquisa de campo estabelecer uma relação
amigável e de mútua cordialidade entre o antropólogo e a comunidade;

•A importância dos guias para a realização do trabalho de campo - os


guias ou informantes define em larga medida a forma como se é visto
pelos nativos;
• A “necessidade” de se dar presentes para os nativos para
conquistar sua confiança, cooperação e simpatia;

• Estabelecer um veículo de comunicação – aprender a língua do


povo que se busca estudar;

• Buscar compreender verdadeiramente a mentalidade e o


comportamento dos nativos que esta estudando.
Os três princípios metodológicos básicos da
antropologia moderna
Malinowski define três princípios básicos para a realização de trabalho
etnográficos:

1. Possuir interesses genuinamente científicos e conhecer os “valores”


e critérios da etnografia moderna – preocupação em separa a atividade
antropológica do trabalho de missionários, comerciantes e funcionários
coloniais;
2. Assegurar boas condições de trabalho, que refere-se basicamente a
viver entre os nativos sem depender de outros brancos – viver a vida
dos nativos e buscar experimentar esta em suas mais diversas
dimensões;

3. Deve-se aplicar métodos específicos para a coleta, registro e


manipulação das informações coletadas – método genealógico,
caderno de campo e a produção de quadros sinóticos.

Método Indutivo na antropologia – após observar-se um número


considerado de casos particulares busca-se definir uma regra geral do
comportamento nativo.