Você está na página 1de 3

Agrupamento Vertical de Escolas Diogo Cão

Escola EB 2,3 Diogo Cão


Ano lectivo 2004 / 05
CIÊNCIAS NATURAIS – 7º ANO DE ESCOLARIDADE

PROTOCOLO EXPERIMENTAL Nº1 – A CÉLULA

Nome: ______________________________________________________ Turma: ____ Nº: ____


Data: _____________

OBJECTIVOS:

 Compreender que a célula é a unidade comum a todos os seres vivos:

− Indicar que as células podem apresentar diversas formas e tamanhos;


− Distinguir seres unicelulares de pluricelulares;
− Explicar que a célula é a unidade comum a todos os seres vivos.

INTRODUÇÃO:
O MICROSCÓPIO ÓPTICO COMPOSTO (M.O.C)
O Microscópio Óptico Composto
(M.O.C.) é um instrumento de pesquisa, auxiliar da visão, que permite ampliar a imagem do
objecto em estudo, possibilitando a observação de material biológico não visível a olho nú. A
ampliação da imagem é obtida através de dois sistemas de lentes – sistema objectivo e sistema
ocular – suportados por uma série de peças mecânicas que permitem a utilização prática do
aparelho.
Assim, o microscópio é constituído por duas partes:
- uma parte óptica, da qual fazem parte a ocular, as objectivas, o diafragma e o
condensador;
- uma parte mecânica constituída pela base ou pé, coluna ou braço, platina, revólver,
tubo ou canhão, parafuso macrométrico e parafuso micrométrico, bem como uma
fonte luminosa.

Utilização do M.O.C

− Ao iniciar a utilização deve certificar-se de que a objectiva de menor ampliação se encontra em


posição de observação. Posteriormente deve:
1. Iluminar o campo do microscópio. Para isso, capte a luz com o espelho (utilize a face plana
para a luz natural ou a face côncava, se utilizar luz artificial). Se o seu microscópio apresentar a fonte
luminosa, ligue-a;
2. Abrir ou fechar o diafragma para regular a intensidade de luz;
3. Colocar a preparação na platina, centrando-a na “ janela” e prendê-la com as pinças. Rodar o
condensador, para que fique ajustado à janela da platina;
4. Mover lentamente o parafuso macrométrico até aproximar a platina da objectiva;
5. Observar através da ocular. Afastar lentamente a platina até obter a sua primeira imagem;
6. Para tornar a imagem mais nítida, deverá utilizar o parafuso micrométrico;
7. Regular a iluminação efectuando os reajustes necessários.
8. Para observar a imagem com maior ampliação, deve colocar a objectiva seguinte de maior
ampliação e ajustar a focagem utilizando unicamente o parafuso micrométrico. Repita esta operação
sempre que usar outras objectivas.

Cuidados Gerais
1
− Quando transportar um M.O.C. coloque uma mão sob a base e com a outra pegue no braço;
− Quando pousar o M.O.C. coloque-o no centro da mesa e afastado de qualquer chama;
− Nunca toque com os dedos nas lentes nem as molhe, pois pode danificá-las;
− As lentes devem ser limpas com papel apropriado;
− Quando arrumar o M.O.C. na respectiva caixa, certifique-se que: retirou a preparação e desceu
totalmente a platina, colocou a objectiva de menor ampliação, o microscópio tenha ficado
limpo, colocou correctamente a sua protecção para que não apanhe pó;
− Quando arrumar o M.O.C. no armário, certifique-se que a caixa ficou bem fechada.

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL:

I – OBSERVAÇÃO MICROSCÓPICA DAS CÉLULAS DA EPIDERME DA CEBOLA (Allium sepa)

Material:

− Microscópio Óptico Composto


− Lâminas e lamelas − Tesoura
− Agulha de dissecação − Vidro de relógio
− Bisturi − Papel de filtro
− Pinça − Soro fisiológico
− Conta-gotas − Bolbo de cebola

Procedimento:

1. Corte o bolbo da cebola ao meio e retire uma das túnicas com o auxílio do bisturi;
2. Retire a epiderme que reveste a parte côncava da túnica com uma pinça de acordo com a
figura 1;
3. Corte um retalho dessa túnica e coloque-a no vidro de relógio utilizando uma tesoura;
4. Coloque uma gota de soro fisiológico sobre a lâmina e coloque o retalho de túnica sobre essa
gota;
5. Cubra a preparação com uma lamela segundo o indicado na figura 2 (A, B e C);
6. Observe ao microscópio a preparação que acabou de efectuar tendo em atenção as regras de
utilização do M.O.C.;
7. Registe o observado.

Figura 1 –
Colheita da A Figura 2 –
epiderme Montagem da
superior da lamela sobre a
túnica do B lâmina
bolbo da
cebola
C

2
II – OBSERVAÇÃO MICROSCÓPICA DAS CÉLULAS DO EPITÉLIO BUCAL

Material:

− Microscópio Óptico Composto


− Lâminas e lamelas
− Agulha de dissecação
− Conta-gotas
− Palito de madeira
− Solução de azul de metileno
− Epitélio bucal Figura 3 – Raspagem do
epitélio bucal

Procedimento:

1. Raspe levemente o epitélio bucal da parte interna da face tal como o indicado na figura 3
utilizando o palito de madeira;
2. Faça o esfregaço sobre a lâmina.
3. Coloque uma gota de azul de metileno sobre o esfregaço;
4. Cubra a preparação com uma lamela segundo o indicado na figura 2 (A, B e C);
5. Observe ao microscópio a preparação que acabou de efectuar tendo em atenção as regras de
utilização do M.O.C.;
6. Registe o observado.

III – OBSERVAÇÃO MICROSCÓPICA DE SERES VIVOS UNICELULARES PRESENTES NUMA INFUSÃO

Material:

− Microscópio óptico
− Lâminas e lamelas
− Agulha de dissecação
− Conta-gotas
− Goblé
− Infusão

Procedimento:

1. Retire uma pequena porção do líquido da infusão usando o conta-gotas;


2. Coloque uma gota da infusão sobre a lâmina;
3. Cubra a preparação com uma lamela segundo o indicado na figura 2 (A, B e C);
4. Observe ao microscópio a preparação que acabou de efectuar tendo em atenção as regras de
utilização do M.O.C.;
5. Registe o observado.