Você está na página 1de 3

1.

Não corresponde a um evento subsequente que gera ajuste nas demonstrações financeiras:

a) decisão definitiva de processo judicial, dando ganho ou perda da causa que represente valor relevante.
b) perda de valor de investimentos, em decorrência do declínio do valor de mercado das ações.
c) descoberta de erros ou fraudes posteriores, que afetam o resultado da empresa.
d) determinação de valores referentes a pagamento de participação nos lucros ou referente a gratificações
assumidas legalmente e não formalizadas.
e) ativos deteriorados, que constavam com valor significativo e que não foram ajustados.

2. Um auditor planeja entregar seu parecer sem ressalvas em relação à auditoria de 2016 de uma empresa,
em 20 de janeiro de 2017. No dia 15 de janeiro de 2017, ele recebe a informação de que o principal cliente da
empresa auditada, responsável por 80% de suas vendas, e que já estava em má situação em 2016, pediu
concordata. Considerando que não há risco de descontinuidade da empresa, o auditor deve

a) determinar um ajuste na conta perdas estimadas para créditos de liquidação duvidosa no balanço patrimonial de
2016.
b) determinar um ajuste na conta perdas estimadas para créditos de liquidação duvidosa no balanço patrimonial de
2017.
c) incluir no parecer de 2016, um parágrafo de ênfase destacando a nova informação e suas consequências.
d) incluir no parecer de 2016, uma ressalva sobre a ocorrência.

3. Assinale a alternativa que apresenta o momento em que ocorrem os eventos subsequentes.

a) Entre a data da publicação das demonstrações contábeis e a data do relatório do auditor independente se os
fatos chegaram ao conhecimento do auditor independente após a data do seu relatório.
b) Entre a data do relatório do auditor independente e a publicação das demonstrações contábeis se os fatos
chegaram ao conhecimento do auditor independente antes da data do seu relatório.
c) Após a data em que o relatório do auditor independente e as demonstrações contábeis auditadas estão
disponibilizadas para terceiros.
d) Até a data do relatório do auditor independente sobre as demonstrações contábeis.
e) Após a aprovação das demonstrações contábeis pelo conselho de administração.

4. De acordo com a Norma de Auditoria aprovada pela Resolução CFC nº 1.203/09, o fato do Auditor não ter
tomado conhecimento de eventos futuros ou condições adicionais que possam interromper a continuidade
da entidade, demonstra que:

a) a auditoria não foi planejada e executada em conformidade com as Normas de Auditoria.


b) embora a auditoria possa ter sido planejada adequadamente, certamente não foi executada em conformidade
com as Normas de Auditoria.
c) há um risco inevitável de que algumas distorções relevantes não sejam detectadas, embora a auditoria tenha sido
adequadamente planejada e executada em conformidade com as Normas de Auditoria.
d) os eventos futuros podem ser considerados um risco inerente e, portanto, não fazem parte do escopo do trabalho
de auditoria, apesar de determinadas condições poderem interromper a continuidade da entidade.
e) necessariamente houve má-fé da administração da empresa que omitiu informações relevantes à equipe de
auditoria, cabendo ao Auditor o dever de comunicar o fato à pessoa no nível apropriado da administração,
responsável pela governança.

5. Caso os eventos subsequentes de efeitos relevantes já tenham acontecido, mas não tenham sido objeto
de ajuste nas demonstrações contábeis, deve-se mencioná-los no parecer do auditor, fazendo que constem,
ainda, em nota explicativa.

a) Certo
b) Errado

6. A utilização dos eventos subsequentes aplicados às contas de contas a pagar tem como objetivo

a) verificar se os valores pagos após a data de encerramento das demonstrações contábeis foram corretamente
provisionados.
b) avaliar as alterações significativas no fluxo dos procedimentos contábeis após o fechamento das demonstrações
contábeis.
c) complementar ou subsidiar os procedimentos de auditoria aplicados durante a avaliação dos saldos das
demonstrações contábeis, a fim de concluir sobre a adequação do saldo da conta.
d) certificar se os valores pagos foram efetivamente debitados em conta corrente da empresa auditada.
e) certificar se a contabilização dessas contas são corretas.

7. Contém um tipo de evento subsequente à data do balanço que NÃO demanda ajustes:

a) a obtenção de informação indicando que um ativo estava alterado na data do Balanço.


b) pagamento ou divulgação de uma decisão definitiva relacionada a um processo judicial.
c) a falência ou concordata de um cliente.
d) venda de estoques com prejuízo.
e) destruição por incêndio de uma instalação de produção importante, e o valor da cobertura do seguro existente.

8. Eventos subsequentes são aqueles ocorridos entre a data das demonstrações contábeis e a data do
relatório/ parecer do auditor independente, que chegaram ao conhecimento desse auditor após a data do
seu relatório. Alguns desses eventos (1) existiam na data de fechamento das demonstrações contábeis e
afetam as estimativas e os valores lançados nas demonstrações; outros eventos (2) fornecem evidências
sobre condições que não existiam na data de fechamento das demonstrações, por terem surgido
posteriormente. Os eventos do tipo 1 exigem ajustes nas demonstrações contábeis; os do tipo 2 exigem
apenas divulgação em notas explicativas.

Considerando o exposto, assinale a opção que apresenta evento do tipo 1.

a) A falência de um cliente com saldo em contas a receber e para o qual não foi constituída provisão para créditos
de liquidação duvidosa, apesar de alguns atrasos no pagamento tidos por situação passageira.
b) A falência de um cliente com saldo em contas a receber e para o qual não foi constituída provisão para créditos
de liquidação duvidosa, mas que foi considerado, à época, como tendo sólida situação financeira.
c) Aquisição de uma empresa, cuja negociação já ocorria na data de fechamento do balanço, mas sem a assinatura
de qualquer acordo ou contrato até então.
d) Emissão de ações ordinárias e preferenciais.
e) Perdas causadas por inundação no mês seguinte ao de fechamento das demonstrações contábeis.

9. Após a data de emissão de seu parecer sem ressalva, mas antes da divulgação das demonstrações
contábeis, o auditor toma conhecimento de um fato que possa afetar de maneira relevante as
demonstrações contábeis e ele decide que estas devam ser revisadas pela administração. Então,

a) caso a administração concorde em revisar as demonstrações contábeis em consonância com a opinião do


auditor, ele está dispensado de emitir um novo parecer de auditoria sobre as demonstrações contábeis revisadas.
b) caso a administração decida não alterar as demonstrações contábeis, ele deve emitir um novo parecer
descrevendo o fato no parágrafo de opinião, mas esse novo parecer continuará sendo considerado sem ressalva.
c) ele deve comunicar aos órgãos reguladores que o parecer emitido naquela data não tem validade legal,
independentemente ou não de a administração decidir modificar as demonstrações contábeis.
d) ele deve emitir um comunicado público externando que, exceto pelo fato mencionado, sua opinião está correta.
e) caso a administração concorde em revisar as demonstrações contábeis em consonância com a opinião do
auditor, ele poderá emitir um novo parecer com dupla data.

10. Consideram-se exemplos de transações e eventos subsequentes, havidos entre a data de término do
exercício social e até após a data da divulgação das demonstrações contábeis, exceto

a) as operações rotineiras de compra-e-venda.


b) a compra de nova subsidiária ou de participação adicional relevante em investimento anterior.
c) a destruição de estoques ou estabelecimento em decorrência de sinistro.
d) a alteração do controle societário.
e) o aporte de novos recursos, inclusive como aumento de capital.