Você está na página 1de 35

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Departamento de Ciência da ComputaçãoUFRJ

Cálculo Numérico

S. C. Coutinho

Provas e gabaritos

Lembre-se: Nas provas não são aceitas respostas sem justicativa. Você deve saber
explicar tudo o que zer.
DCC-UFRJCálculo numérico
Primeira ProvaTurma EC22015/2

Questão 1 (4 pontos)
Considere as funções f1 (x) = ex/4 e f2 (x) = 1, 982/x.
(a) Invente uma função g(x), diferente da que é dada pelo método de Newton, cujo
ponto xo é o ponto de interseção dos grácos de y = f1 (x) com y = f2 (x).

(b) Verique que a iteração dada por xn+1 = g(xn ) é convergente no intervalo [0, 2].
(c) Determine uma aproximação numérica, correta até a segunda casa decimal, do
ponto xo de g(x), partindo do ponto x0 = 1, 3.
(d) Determine uma aproximação numérica, correta até a segunda casa decimal, do
ponto de interseção de y = f1 (x) com y = f2 (x), usando o método de Newton,
com ponto de partida x0 = 1, 3.

Solução:
O ponto de interseção é dado por f1 (x) = f2 (x); isto é, por ex/4 = 1, 982/x, que
podemos reescrever na forma x = 1, 982/ex/4 . Isto sugere tomar

g(x) = 1, 982e−x/4 .

Para mostrar que a iteração converge em [0, 2], usamos o teorema do valor médio
para escrever
|xn+1 − ξ| = |g(xn ) − g(ξ)| = |g 0 (c)||xn − ξ|,
em que ξ é o ponto xo de g e c está entre xn e ξ. Mas

1, 982 −x/4
g 0 (x) = − e .
4
Como ex/4 é uma função crescente, sua inversa e−x/4 = 1/ex/4 é decrescente. Logo,

1, 982 1, 982
|g 0 (x)| = x/4
< ≤ 0.4995 < 1,
4e 4
para todo x ≥ 0. Iterando a função g a partir de x0 = 1, 3, obtemos os seguintes
valores para xn e o erro en :

n xn en
1 1, 432 · 100 1, 321 · 10−1
2 1, 386 · 100 4, 651 · 10−2
3 1, 402 · 100 1, 617 · 10−2
4 1, 396 · 100 5, 676 · 10−3

Portanto, a aproximação desejada é x4 = 1.396. Finalmente, precisamos achar


x/4
um zero de e = 1, 982/x usando o método de Newton. Para facilitar as contas,
x/4
vou rearrumar a equação na forma xe − 1, 982 = 0, de modo que o problema

Page 2
consiste em calcular um zero da função h(x) = xex/4 − 1, 982 pelo método de
Newton. Como
xex/4 x + 4 x/4
h0 (x) = ex/4 + = e
4 4
a iteração do método de Newton-Raphson é dada por

xn ex/4 − 1, 982 x2n exn /4 + 7, 932


xn+1 = xn − 4 = .
(xn + 4)exn /4 (xn + 4)exn /4

Calculando a iteração pedida, temos

n xn en
1 1.4002 0.1002
2 1.3980 0.0021

Portanto, a aproximação desejada é 1.3980.

Questão 2 (4 pontos)
Considere o sistema linear

x + 4y + z = 7
3x + y − z = 3
−5x + 13y − 22z = 48.

(a) Calcule a decomposição PLU da matriz do sistema.

(b) Calcule a solução exata do sistema.

(c) Rearrume o sistema de modo que o método de Jacobi seja convergente e calcule
(0)
duas iterações por este método, partindo de v = [0, 0, 0]t
(d) Calcule os erros absoluto e relativo cometidos, no cálculo feito em (c), para a
cordenada y da solução do sistema, arredondando para três casas decimais.

Solução:
A matriz do sistema é  
1 4 1
 3 1 −1 
−5 13 −22
Vamos aplicar eliminação gaussiana a esta matriz. Como a posição 1, 1 é não
nula, não há necessidade de trocar linhas de posição. Ao nal da eliminação com
o pivô na posição 1, 1, obtemos:

   
1 4 1 1 0 0
U = 0 −11 −4  e L =  3 1 0
0 33 −17 −5 0 1

Page 3
Mas uma vez não há necessidade de trocar linhas de lugar, porque a posição 2, 2
não é nula. Ao nal desta etapa, obteremos
   
1 4 1 1 0 0
U = 0 −11 −4  e L= 3 1 0 ;
0 0 −29 −5 −3 1

além de P , que será igual à matriz identidade 3×3. Por outro lado, multiplicando
    
1 4 1 x 7
 3 1 −1  y  =  3 
−5 13 −22 z 48

à esquerda por L−1 , obtemos


       
1 4 1 x 1 0 0 7 7
0 −11 −4  y  = −3 1 0  3  = −18 ,
0 0 −29 z 5 3 1 48 29

donde x = 0, y = 2 e z = −1. Passando à letra (c), trocamos a primeira equação


o sistema com a segunda, para obter a matriz
 
3 1 −1
A= 1 4 1 
−5 13 −22

cuja diagonal é estritamente dominante. Com isto o método de Jacobi converge


para esta matriz. Não esqueça que também preciamos trocar as posições das duas
primeiras entradas no vetor de constante, que passa a ser
 
3
b = 7 ,

48

Como      
3 1 −1 3 0 0 0 1 −1
1 4 1  = 0 4 0  +  1 0 1  ,
−5 13 −22 0 0 −22 −5 13 0
o sistema pode ser reescrito na forma
       
3 0 0 x 0 1 −1 x 3
0 4 0  y  = −  1 0 1  y  +  7  ,
0 0 −22 z −5 13 0 z 48

da qual extraímos a iteração do método de Jacobi:


       
3 0 0 xn+1 0 1 −1 xn 3
0 4 0   yn+1  = −  1 0 1   yn  +  7  .
0 0 −22 zn+1 −5 13 0 zn 48

Page 4
Aplicando duas vezes esta iteração com v0 = [0, 0, 0]t , obtemos
   
3 −0.31060606060606
v1 = 7  .
 e v2 =  2.045454545454545  .
48 −1.375

Com isso, o erro absoluto cometido no cálculo da coordenada y é



2293
= 181 = 0.17140151515151 ≈ 0.171


1056 − 2 1056

e o erro relativo correspondente é

181
1056 181
= = 0.085700757575757 ≈ 0.086.
2 2112

Questão 3 (3 pontos)
Dê exemplo de:

(a) uma função f :R→R que tem um único zero, mas para a qual o método de
bisseção não funciona;

(b) uma matriz A, de tamanho 2×2 e com 1 nas duas posições da diagonal, de
modo que a matriz R correspondente à iteração xn+1 = Rxn + c do método de
Gauss-Seidel tem raio espectral maior que 1;
(c) um polinômio de grau dois para o qual o método de Newton alterna entre os
valores 1 e 2.

Solução:
Um exemplo para (a) é f (x) = x2 , porque todo o gráco está de um lado só do
eixo x, de modo que não podemos aplicar o teorema do valor intermediário. Para
(b), vou considerar a matriz
     
1 b 1 0 0 b
A= = +
c 1 c 1 0 0
e calcular  −1  
1 0
−1 0 b
R = −(D + L) U = − .
c 1 0 0
Como  −1  
1 0 1 0
=
c 1 −c 1
de modo que
    
1 0 0 b
−1 0 −b
R = −(D + L) U = − =
−c 1 0 0 0 cb

Page 5
Para que R tenha raio espectral maior que 1 é necessário que |bc| > 1. Finalmente,
para resolver (c), suporemos que f (x) = x2 + ax + b. Calculando a iteração do
método de Newton-Raphson para este polinômio, obtemos

x2 + ax + b x2 − b
g(x) = x − = .
2x + a 2x + a
Queremos que

1−b 4−b
g(1) = =2 e que g(2) = = 1;
2+a 4+a
que corresponde ao sistema linear

2a + b = −3
a + b = 0.

Resolvendo o sistema, obtemos a = −3 e b = 3, de modo que o polinômio desejado


2
é x − 3x + 3.

Page 6
DCC-UFRJCálculo numérico
Segunda ProvaTurma EC22015/2

Questão 1 (3 pontos)
A tabela abaixo foi obtida como resultado de um experimento relativo à variação da
temperatura T (em graus Celsius) com a posição x (em centímetros):

T 22 43 84 210 320
x 0.1 0.2 0.4 0.8 0.9
(a) Use interpolação entre os pontos de posição 0.1, 0.2 e 0.4 para calcular a tem-
peratura na posição 0.3 com arredondamento para três casas decimais.

(b) Determine a curva da forma T = aebx que melhor se ajusta aos dados da tabela
e use a fórmula assim obtida para calcular T (0.3) com três casas decimais.

Solução:
O polinômio interpolador é

(x − 0.2)(x − 0.4) (x − 0.1)(x − 0.4) (x − 0.1)(x − 0.2)


P = 22 +43 +84 .
(0.1 − 0.2)(0.1 − 0.4) (0.2 − 0.1)(0.2 − 0.4) (0.4 − 0.1)(0.4 − 0.1)

Substituindo x = 0.3, obtemos P (0.3) = 63.667. Para achar a curva exponencial


T = aebx que melhor se ajusta a estes dados aplicamos logaritmo natural a esta
equação obtendo
ln(T ) = ln(a) + bx.
Escrevendo α = ln(a) a equação toma a forma

ln(T ) = α + bx.

Para poder montar o sistema, precisamos dos logaritmos dos valores de T dados
na tabela:
T 22 43 84 210 320
ln(T ) 3.091 3.761 4.431 5.347 5.768
x 0.1 0.2 0.4 0.8 0.9
A matriz de Vandermonde correspondente é

 
1 0.1
1 0.2
 
1
V = 0.4

1 0.8
1 0.9

de modo que a equação normal é dada por

 
t α
V V = V tb
b

Page 7
em que


22
 43 
 
 84 
b= 
210
320
Como    
t 5 2.4 t 22.398
V V = e V b=
2.4 1.66 12.303
obtemos, ao resolver o sistema, que

α = 3.014 e b = 3.054.

Levando em conta que a = eα = 20.37, a relação entre T e x que melhor se adapta


aos dados é T = 20.37 exp(3.054x). A aproximação para T (0.3) resultante desta
expressão é 50.92.

Questão 2 (3 pontos)
A área do círculo x + y2 = 1
2
é igual a π.
(a) Determine uma aproximação para a área limitada por este círculo no primeiro
quadrante usando o método de Simpson com h = 0.25 e determine uma estima-
tiva para π a partir disto. Expresse o resultado com três casas decimais.
√ √ √
(b) Seja f (x) = 1 − x2 . Sabendo-se que f 00 (0) = −1, que f 00 ( 2/2) = − 2/2 e
000
que f (x) não se anula no intervalo aberto (0, 1), determine h de modo que a
integração pela regra do trapézio produza o valor de π correto até a segunda
casa decimal.

Solução:

Se f (x) = 1 − x2 então, pelo método de Simpson,
Z 1
h
f (x)dx = (f (x0 ) + f (x4 ) + 2f (x2 ) + 4(f (x1 ) + f (x3 )))
0 3

Tabelando os valores de f (xi ) obtemos

i 0 1 2 3 4
xi 0.0 0.25 0.5 0.75 1.0
f (x) 1.0 0.9683 0.866 0.6614 0.0

Substituindo na fórmula e efetuando os cálculos


Z 1
0.25
f (x)dx = (1.0 + 0.0 + 2 · 0.866 + 4(0.9683 + 0.6614)) = 0.7709.
0 3

Page 8
Arredondando para 3 casas decimais, obtemos 0.771, de modo que o valor de π
correspondente será 4 · 0.771 = 3.084. Para obter π correto até a segunda casa

decimal com os dados de (b) precisamos que a integral entre 0 e 2/2 seja igual
a 3.14/4 = 0.785 quando calculada com 4 decimais corretas. Pela fórmula do erro
para o método do trapézio devemos ter, portanto, que

(0 − √2)h2 f 00 (ξ)

10−3 > ,

12

para algum ξ ∈ (0, 2/2). Como f 000 (x) não se anula√em (0, 1), os valores dados
00 00
para f (x) mostram que a |f (x)| é crescente em (0, 2/2). Logo, considerando

o intervalo de integração como sendo [0, 2/2], temos que

2h2 f 00 (ξ) √2h2 · 1 √ 2

2h
10−3 > > = .

12 12 12

Segue-se disto que


12 · 10−3
h2 < √ ≈ 0.0085;
2
donde teria que ser menor que 0.0921.

 Note que não é possível usar o intervalo [0, 1] no cálculo do erro porque a função
x
f 00 (x) = − √
1 − x2
não é limitada neste intervalo.

Questão 3 (3 pontos)
Considere o problema de valor inicial

y 0 − y 2 cos(x) = 0 e y(0) = 1.

(a) Descreva a recorrência do método de Euler modicado no caso especíco do


problema de valor inicial acima.

(b) Calcule o valor de y(1) usando o método de Euler modicado com passo 0.5.
Sua resposta deve incluir todos os valores intermediários das variáveis calculados ao
longo da execução do algoritmo.

Solução:

Page 9
A iteração é dada por

y(0) = 1

yn+1 = yn + hyn2 cos(xn )
h 2 ∗
)2 cos(xn+1 )

yn+1 = yn + yn cos(xn ) + (yn+1
2
Aplicando-a com xn = n · 0.5, obtemos os dados tabelados abaixo:

n 0 1 2
xn 0 0.5 1
yn∗ × 1.5 3.08
yn 1 1.74 3.69

Portanto, o valor desejado é y(1) = 3.69.

Questão 4 (2 pontos)
Considere o problema de valores de contorno

y 00 = 3y 0 + y + x2 , y(0) = −20 e y(3) = −11.


Calcule y(1) usando o método de diferenças nitas com h = 1.

Solução:
Substituindo as aproximações

yn−1 + yn+1 yn+1 − 2yn + yn−1


y 0 (xn ) ≈ e y 00 (xn ) ≈
2h h2
na equação e levando em conta que h = 1, obtemos

3(yn+1 + yn−1 )
yn+1 − 2yn + yn−1 = + yn + x2n ,
2
donde, quando n = 1,

2(y2 − 2y1 + y0 ) = 3(y2 + y0 ) + 2y1 + 2 · 12

e, quando n = 2,

2(y3 − 2y2 + y1 ) = 3(y3 + y1 ) + 2y2 + 2 · 22 .

Levando em conta que y(0) = −20 e y(2) = −11, obtemos

−6y1 − y2 = 102
5y1 − 6y2 = −3.

Resolvendo o sistema y1 = −15 e y2 = −12. Portanto, y(1) ≈ −15.

Page 10
DCC-UFRJCálculo numérico
Primeira ProvaCiência da Computação2016/2

Questão 1 (4 pontos)
Considere o sistema linear AX = b, em que
   
9 3 6 1
A = −1 5 2  e b = 2
−3 −1 12 3
(a) Calcule a decomposição PLU da matriz do sistema, usando pivoteamento parcial.

(b) Calcule as matrizes R e c tais que x = Rx + c é a iteração obtida aplicando-se


o método de Gauss a este sistema.

(c) Calcule o autovalor dominante de R com


√ erro menor que 10−1 usando o método
t
da potência a partir de u0 = [1, 1, 1] / 3.
(d) O que o resultado obtido em (c) nos diz sobre a convergência da iteração xn+1 =
Rxn + c?

Solução:
Aplicando eliminação gaussiana, temos

   
9 3 6 | 1 | 1 0 0 9 3 6 | 1 | 1 0 0
−1 5 2 | 2 | 0 1 0 → 0 16/3 8/3 | 2 | −1/9 1 0
−3 −1 12 | 3 | 0 0 1 0 0 14 | 3 | −1/3 0 1

Portanto, P é a matriz identidade,

   
9 3 6 1 0 0
U = 0 16/3 8/3 e L = −1/9 1 0
0 0 14 −1/3 0 1

(b) Decompondo A na forma

     
9 3 6 9 0 0 0 3 6
A = −1 5 2  = −1 5 0 + 0 0 2
−3 −1 12 −3 −1 0 0 0 0

temos que

 −1    −1  
9 0 0 0 3 6 9 0 0 1
R = − −1 5 0  · 0 0 2 e c = −1 5 0  · 2
−3 −1 12 0 0 0 −3 −1 12 3

Como  −1  1 
9 0 0 9
0 0
−1 5 0  =  1 1
0,
45 5
4 1 1
−3 −1 12 135 60 12

Page 11
então,
1 2
   
0 3 3
2.667
1 8 
R = − 0 15 15
e c =  1.733  .
4 19
0 45 90
0.8111

 Várias pessoas zeram Jacobi, em vez de Gauss-Seidel.

(c) Ao nal do primeiro laço temos

1 2
    
0 3 3
0.577 0.5774
1 8 
w1 = R · u0 = − 0 15 15
0.577 = − 0.3464
4 19
0 45 90
0.577 0.1732

normalizando w1 e calculando a aproximação do autovalor correspondente, obte-


mos  
0.8304
u1 = − 0.4983 e λ1 = ut1 Ru1 = −0.3827.
0.2491
Como
λ0 = ut0 Ru0 = −0.6334.
Como o erro será

|λ0 − λ1 | = | − 0.6334 + 0.3827| = 0.2507

é maior que 0.1 precisamos executar mais um laço. Desta vez

   
0.3322 0.8655
w2 =  0.1661  donde u2 = 0.4327 e λ2 = −0.3644.
0.09688 0.2524

Como
|λ1 − λ2 | = | − 0.3644 + 0.3827| = 0.0183 < 0.1,
o processo para. Logo a aproximação desejada para o autovalor dominante é
−0.3644.

 Algumas pessoas iteraram A, em vez de R.

(d) Como o maior autovalor em módulo é 0.3644, o raio espectral de R tem que
ser menor que 1. Logo, a iteração do método de Gauss-Seidel converge para a
solução do sistema.

 A pergunta diz respeito à convergência de Gauss-Seidel e não à convergência do


método da potência.

Questão 2 (6 pontos)
Considere a função f (x) = x cos(x) − x2 − 8x − 1 com domínio no intervalo [−1, 0].

Page 12
(a) Determine uma função g(x) cujo ponto xo é um zero de f (x) e prove que a
iteração xn+1 = g(xn ) [−1, 0].
converge no intervalo
−2
(b) Use esta iteração com x0 = 0 para achar o zero de f (x) com erro inferior a 10 .

(c) Calcule o polinômio interpolador pelos pontos (f (xi ), xi ), em que x0 = −1,


x1 = −0.5 e x2 = 0.
(d) Calcule o zero de f (x) (arredondado para duas casas decimais) usando o polinô-
mio interpolador e determine o erro absoluto que seria cometido se achássemos
o zero por este método.

(e) Calcule o polinômio linear que melhor se ajusta aos pontos de (c) usando o
método dos mínimos quadrados.

O item (a) desta questão vale 2 pontos.

Solução:
f (x) = 0 nos sugere escrever

8x = x cos(x) − x2 − 1

donde
x cos(x) − x2 − 1
g(x) = .
8
Para mostrar que esta iteração converge, precisamos calcular a derivada de g(x):
−x sen (x) + cos (x) − 2 x
g 0 (x) = .
8
Como |x|, | cos(x)| e sen(x)| são todos menores ou iguais a 1, temos pela desi-
gualdade triangular que

0
−x sen(x) + cos(x) − 2x |x| · | sen(x)| + | cos(x)| + 2|x| 4 1
|g (x)| = ≤ ≤ = ,
8 8 8 2
para todo x ∈ [−1, 0]. Portanto, a iteração dada por xn+1 = g(xn ) para a função
xn escolhida realmente converge no intervalo [−1, 0]. Iterando a partir de x0 = 0,
temos
i xi g(xi ) erro
0 0.0 −0.125 0.125
1 −0.125 −0.1425 0.0175
2 −0.1425 −0.1452 0.0027
Logo, a aproximação desejada para o zero de f (x) no intervalo [−1, 0] é −0.1452.
(c) e (d) Tabelando os pontos, obtemos

f (xi ) −0.3175 −0.2111 −0.125


xi −1.0 −0.5 0.0

de modo que o polinômio interpolador, calculado pelo método de Lagrange é

p(x) = −0.0012 x2 − 0.1494 x − 0.1482.

Page 13
O zero de f (x) calculado a partir do polinômio interpolador é p(0) = −0.1482 ≈
−0.15 e o erro absoluto, quando calculamos o zero de f (x) desta maneira é

|0.15 − 0.14| = 0.01.

 Muita gente errou as questões (c) e (e) porque interpolou os pontos (xi , f (xi )) em
vez de (f (xi ), xi ), como foi pedido.

(e) A matriz de Vandermonde é

 
1.0 −9.459
−1 − 21
 
V = 1.0 −4.811 ao passo que b=
0
1.0 −1.0

donde    
t 3.0 −15.27 −1.5
vV = e c= .
−15.27 113.6 11.87
Logo, a equação normal é

    
3.0 −15.27 a −1.5
= ,
−15.27 113.6 b −6.615

cujas soluções são


a = −0.155 e b = −0.151.
Donde a reta desejada é y = −0.151x − 0.155.

Page 14
DCC-UFRJCálculo numérico
Segunda ProvaCiência da Computação2016/2

Questão 1 (2 pontos)
x/4
Use o método de Newton para calcular o máximo da função f (x) = x(3 − e ) no
−2
intervalo [2.0, 2.5] com tolerância inferior a 10 . Você deve vericar que o ponto que
obteve é, de fato, um máximo de f.

Solução:
O máximo é um zero da primeira derivada de f, que é igual a

1 (4 + x) x/4
f 0 (x) = (3 − ex/4 ) + x(− ex/4 ) = 3 − e .
4 4
Portanto, devemos aplicar o método de Newton a esta função. Como

1 (4 + x) x/4 (8 + x) x/4
f 00 (x) = − ex/4 − e =− e ,
4 16 16
a iteração do método de Newton será xk+1 = g(xk ), com

12 − (4 + x)ex/4 48 + (x2 + 4x − 16)ex/4


g(x) = x − 4 = .
−(8 + x)ex/4 (8 + x)ex/4

Iterando a partir de x = 2.0,

x1 = g(2.0) = 2.511
x2 = g(2.511) = 2.471
x3 = g(2.471) = 2.471

Com isto achamos o ponto crítico x ≈ 2.47, que é, de fato, um máximo, porque

f 00 (2.47) = −2.57.

Questão 2 (3 pontos)
Seja In o valor aproximado da integral

Z 1
1
dx
0 x+1

calculado usando a regra do trapézio com [0, 1] subdividido em n partes iguais.

(a) Prove que esta integral é igual a ln(2).


(b) Calcule I4 . A diferença I4 − ln(2) é positiva ou negativa?

Page 15
(c) Explique porque, qualquer que seja n, a diferença In −ln(2) terá sempre o mesmo
sinal que I4 − ln(2).

Solução:
Fazendo a substituição u=x+1 a integral se torna

Z 2
1
du = ln(x)|u=2
u=0 = ln(2) − ln(1) = ln(2).
1 u

Para calcular I4 , devemos tomar h = 1/4, de modo que, pela regra do trapézio

 
1 4 2 4 1 1171
I4 = 1+2 +2 +2 + = = 0.697.
8 5 3 7 2 1680

Logo, a diferença é

I4 − ln(2) = 0.697 − 0.693 = 0.004 > 0.

A diferença será sempre positiva porque a função 1/(x + 1) tem concavidade para
baixo. Com isso, qualquer segmento de reta entre dois pontos da curva ca sempre
acima do arco da curva.

Questão 3 (3 pontos)
Considere o problema de valor inicial ẏ = t cos(y) e y(0) = 0.
(a) Calcule uma aproximação para y(1) usando o método de Runge-Kutta de se-
gunda ordem com h = 0.5.
(b) Use o resultado de (a) para calcular uma aproximação para ÿ(1).

Solução:
Aplicando o método de Runge-Kutta de segunda ordem ao problema dado, obte-
mos a iteração

yk+1 = yk + 0.25(tk cos(yk ) + (tk + 0.5) cos(yk + 0.5tk cos(yk ))).

Como y0 = 0, então y1 = 0.125 e y2 = 0.481. Para (b), usamos a regra da cadeia,


para obter de ẏ = t cos(y) que

d(t cos(y))
ÿ = = cos(y) − t sen(y)ẏ = cos(y) − t2 sen(y) cos(y)
dt
Portanto,
ÿ(1) ≈ cos(y2 ) − t22 sen(y2 ) cos(y2 ) = 0.476.

Page 16
Questão 4 (2 pontos)
Considere o problema de valores de contorno

y 00 + 4xy 0 = x2 , com y(0) = 0 e y(3) = 0.

(a) Determine o sistema linear obtido aplicando-se a este problema o método das
diferenças nitas com passo h. Você deve explicitar de que forma as condições
de contorno afetam o sistema.

(b) Resolva o sistema para h=1 e calcule os valores de y(1) e y(2).

Solução:
Substituindo as aproximações

yk+1 − yk−1 yk+1 − 2yk + yk−1


y 0 (xk ) ≈ e y 00 (xk ) ≈
2h h2
na equação, obtemos

yk+1 − 2yk + yk−1 yk+1 − yk−1


2
+ 2xk = x2k .
h h
Escrevendo
n = (3 − 0)/h = 3/h
as condições de contorno serão

y0 = yn = 0.

Quando k = 1,
y2 − 2y1 + y0 y2 − y0
2
+ 2x1 = x21 ;
h h
que, levando em conta y0 = 0 e que x1 = h, torna-se

2h2 + 1 2
2
y2 − 2 y1 = h2 .
h h
Por outro lado, quando k = n − 1,

(−2xn−1 h + 1) 2
2
yn−2 − 2 yn−1 = x2n−1 .
h h
Portanto, no caso especíco em que h = 1, o sistema que devemos resolver é

−2y1 + 3y2 = 1
−3y1 − 2y2 = 4,

cujas soluções são


14 5
y1 = − e y2 = − .
13 13

Page 17
DCC-UFRJCálculo numérico
Prova FinalCiência da Computação2016/2

Questão 1 (3.0 pontos)


As seguintes iterações foram propostas como maneiras de calcular a interseção dos
grácos das funções sen(x) e f (x) = −2x + 2:

g1 (x) = 2 − sen(x) − x
g2 (x) = (2 − sen(x))/2
g3 (x) = (− sen(x) + x cos(x) + 2)/(2 + cos(x)).

(a) Explique como cada uma destas iterações foi obtida.

(b) Para quais destas iterações podemos garantir a convergência a partir de x = 1?


(c) Qual destas iterações você espera que vá convergir mais rapidamente?

Solução:
g1 e g2 são obtidas a partir de manipulações algébricas simples, já g3 corresponde
ao método de Newton. Para a iteração dada por gi (x) ser convergente, é necessário
0
que |gi (x)| < 1 para todo x real. Mas,

|g10 (x)| = | cos(x) − 1| ≤ | cos(x)| + |1| ≤ 2,

ao passo que
|g20 (x)| = | cos(x)/2| ≤ 1/2.
Portanto, não podemos garantir a convergência de g1 , mas g2 e g3 são convergen-
tes. A terceira converge mais rapidamente que a segunda, porque a convergência
do método de Newton é quadrática, ao passo que a convergência da segunda
0
iteração é apenas linear, pois g2 (x) 6= 0.

Questão 2 (2.0 pontos)


Considere o sistema AX = b em que
   
−4 1 0 15
A =  4 −6 2  e b=6
0 5 −8 6

(a) Determine a decomposição PLU de A e resolva o sistema.

(b) Ache matrizes R e c tais que xk = Rxk + c é a iteração de Jacobi do sistema.

Page 18
Solução:
A decomposição PLU é dada por P = I,
   
1 0 0 −4 1 0
L = −1 1 0 e U =  4 −5 2 
0 −1 1 0 0 −6

As soluções do sistema são

21 9
x=− , y = −6, z = − .
4 2
Decompondo A na forma

     
−4 1 0 −4 0 0 0 1 0
A =  4 −6 2  =  0 −6 0  + 4 0 2
0 5 −2 0 0 −2 0 5 0

temos que
   
0 −1/4 0 −15/4
R = − −2/3 0 −1/3 e c =  −1 
0 −5/2 0 −3

Questão 3 (1.0 pontos)


Qual o número n de partes em que é necessário dividir o intervalo [0, 10] para calcular
2 −4
a área sob o gráco de cos(x ) com erro inferior a 10 , usando o método de Simpson?

Solução:
O erro no método de Simpson é dado por

105
 
1 1
− nh5 f (4) (ξ) = − f (4) (ξ)
180 180 n4
para algum ξ ∈ [0, 10]. Como

f 4 (x) = 48 x2 sin x2 + 16 x4 − 12 cos x2


  

temos que
|f 4 (x)| =≤ 160388
para todo x ∈ [0, 10]. Logo, uma cota superior para o módulo do erro é dada
porque
5
105 105
  
1 (4) 160388
| f (ξ)| ≤ .
180 n4 180 n4
Tomando,
160388 105
 
≤ 10−4 ,
180 n4
obtemos n ≥ 943951.505 e, como n é inteiro, n ≥ 943952.

Page 19
Questão 4 (2.0 pontos)
Considere os pontos (1, −3), (2, 1), (4, 51), (5, 109), (6, 197), (9, 701).
(a) Use o método de diferenças divididas para encontrar o grau e o coeciente do
termo de maior grau do polinômio que interpola estes pontos.

(b) Use o método dos mínimos quadrados para achar o polinômio de grau 3 que
melhor se adapta a estes pontos.

Solução:
A tabela gerada pelo método de diferenças divididas é

1.0 −3.0
2.0 1.0 4.0
4.0 51.0 18.0 7.0
5.0 109.0 28.0 8.0 1.0
6.0 197.0 40.0 9.0 1.0 0.0
9.0 701.0 88.0 12.0 1.0 0.0 0.0

Como só precisamos dos quatro primeiros pontos para achar os coecientes do


3
polinômio interpolador, isto signca que o polinômio é x −3x−1, que tem grau 3
e seu coeciente líder é 1.0. Como o polinômio calculado via mínimos quadrados
minimiza a distância entre seu gráco e os pontos dados e há um polinômio de
grau três que passa por esses pontos, então o polinômio desejado é o mesmo
calculado acima.

Questão 5 (2.0 pontos)


Considere o problema de valores de contorno xy 00 − 2y 0 = 6, com y(0) = 0 e y(5) = 0.
(a) Determine o sistema linear nas variáveis y2 , y3 e y4 obtido aplicando-se a este
problema o método das diferenças nitas com passo h=1 e resolva-o.

(b) Calcule y 000 (1).

Solução:
Substituindo as aproximações

yk+1 − yk−1 yk+1 − 2yk + yk−1


y 0 (xk ) ≈ e y 00 (xk ) ≈
2h h2
na equação e levando em conta que h = 1, obtemos

(xk + 1)yk−1 − 2xk yk + (x − 1) ∗ yk−1 = 6.


Portanto, o sistema será

−2y1 =6
−4y2 + y3 = 15
4y2 − 6y3 + 2y4 =6
5y3 − 8y4 = 6.

Page 20
A matriz deste sistema é a mesma da segunda questão

 
−4 1 0
A =  4 −6 2 
0 5 −2

cuja Para calcular y 000 (1), note que, derivando xy 00 − 2y 0 = 6 obtemos

y 00 + xy 000 − 2y 00 = 0,

donde
1 00
y 000 = y .
x
Quando x = 1, obtemos

21 9
y 000 (1) = y 00 (1) = (6 − 2y 0 (1)) ≈ 6 − (y2 − y1 ) = 6 − (− + 3) = − .
4 4

Page 21
Primeira ProvaTurma EC2UFRJ2017.2
Justique cuidadosamente todas as suas respostas.

Questão 1 (2.5 pontos)


Suponha que um computador C arredonda para duas casas decimais números escritos
na notação padrão de ponto utuante e considere as funções

cos(x)2
f (x) = 1 − sen(x) e g(x) = .
1 + sen(x)
(a) Mostre que f (x) = g(x) e determine os valores obtidos se C for usado para
calcular f (1.5) e g(1.5).

(b) Sabendo-se que f (1.5) = g(1.5) = 0.002505013, determine o erro relativo corres-
pondente a cada um dos cálculos executados em (a).

Bonus track: por que f (1.5) é menos preciso que g(1.5)?

Solução:
Obtemos f (x) substituindo

cos(x)2 = 1 − sen(x)2 = (1 − sen(x))(1 + sen(x))

em g(x) e cancelando 1 + sen(x) no numerador e denominador. Como

sen(1.5) = 0.9974949866 . . . e cos(1.5) = 0.0707372016,

então as representações destes números no computador C serão

sen(1.5) ≈ 1.00 e cos(1.5) ≈ 0.071.

Portanto,
f (1.5) ≈ 1 − 1 = 0,
ao passo que

0.712 = 0.005041 ≈ 0.005 e 1 + sen(1.5) ≈ 2

nos dão
0.005
g(1.5) ≈ = 0.0025.
2
Portanto os erros relativos correspondentes aos cálculos de f (1.5) e g(1.5) usando
o computador C serão, respectivamente,

|0.002505013 − 0| |0.002505013 − 0.0025|


=1 e = 0.002.
0.002505013 0.002505013
Portanto, g(1.5) tem um erro menor que f (1.5) e deve ser a forma preferida para
o cálculo deste número. A razão pela qual f (1.5) produz um valor pior é que há
uma subtração catastróca nesta função.

Page 22
 Duas casas decimais signica que o computador representa os números na forma
0.a1 a2 · 10m , com a1 obrigatoriamente não nulo. Como o computador C representa
os números com apenas 2 casas, é necessário arredondar cada vez que um cálculo é
realizado, e não apenas ao nal. O erro relativo é denido como |xa − xe |/|xe |, em que
xa é o valor aproximado e xe o valor exato e não |xa − xe |/|xa |.

Questão 2 (2.5 pontos)


Seja Pn (x) o polinômio de Taylor de f (x) = x ln(x) em x0 = 1.
(a) Calcule a expressão do erro absoluto |en | quando x > 1.
(b) Determine n
tal que o erro absoluto cometido quando usamos Pn (1.01) como
−11
aproximação de f (1.01) seja inferior a 10 .

Solução:
Calculando algumas derivadas, vemos que

f 0 (x) = ln(x) + 1
f 00 (x) = x−1
f 000 (x) = −x−2
f (iv) (x) = 2x−3
f (v) (x) = −2 · 3 · x−4 ,
donde podemos deduzir que

f (n) (x) = (−1)n (n − 2)! · x1−n


de modo que o módulo do erro absoluto desejado será

(n − 1)! · c−n c−n



n+1 n+1

|en | = (x − 1) = (x − 1)
(n + 1)! n(n + 1)
Como 1 < c < 1.01,
c−n ≤ 1.
Portanto, quando x = 1.01, temos a estimativa
c−n

1 1
|en | = (x − 1)n+1 ≤ (0.01)n+1 = .
n(n + 1) n(n + 1) n(n + 1)102(n+1)
logo basta que
1
< 10−11 ,
n(n + 1)102(n+1)
para que |en | ≤ 10−11 . Tabelando os valores vericamos que

1
10
= 0.5 · 10−11
4 · 5 · 10
−11
quando n = 4 é o primeiro valor que dá menor que 10 . Assim, P4 (1.01) dá um
−11
erro absoluto inferior a 10 .

 Várias pessoas calcularam a derivada errado!

Page 23
Questão 3 (2.5 pontos)
Considere o problema de valor de contorno y 00 −y 0 +xy = −4 com y(0) = 0 e y(5) = 0.
(a) Determine o sistema linear obtido quando o método das diferenças nitas é
aplicado a este problema com passo h = 1. (Não precisa resolvê-lo!)

(b) use pivoteamento parcial para calcular a decomposição PLU da matriz do sis-
tema obtido em (a).

Solução:
Substituindo as aproximações

yk+1 − yk−1 yk+1 − 2yk + yk−1


y 0 (xk ) ≈ e y 00 (xk ) ≈
2h h2
e h=1 na equação, obtemos

(2 xi − 4) yi + yi+1 + 3 yi−1 = −8.

Note que xi = x0 + hi = i. Escrevendo

n = (5 − 1)/h = 4,

as condições de contorno serão

y0 = 0 e y5 = 0.

Quando k = 1,
y2 − 2 y1 = −8,
pois y0 = 0 e x1 = 1. Por outro lado, quando k = 4, teremos x4 = 4 e

4 y4 + 3 y3 = −8.

Para k=2 e k=3 as equações serão, respectivamente,

y3 + 3 y1 = −8 e y4 + 2 y3 + 3 y2 = −8,

Obtemos, assim, o sistema

y2 − 2 y1 = −8,
y3 + 3 y1 = −8,
y4 + 2 y3 + 3 y2 = −8,
4 y4 + 3 y3 = −8

A matriz deste sistema é  


−2 1 0 0
 3 0 1 0 
 
 0 3 2 1 
0 0 3 4
Em seguida, aplicamos eliminação com pivoteamento parcial, para achar as ma-
trizes P, L e U. O pivoteamento parcial requer que façamos a troca das duas

Page 24
primeiras linhas. Fazendo isto e eliminando a posição não nula da primeira coluna,
obtemos as matrizes:
     
0 1 0 0 1 0 0 0 3 0 1 0
 1 0 0 0   − 23 1 0 0  2
, U =  0 1 3 0 .
 
P =
 0
, L = 
0 1 0   0 0 1 0   0 3 2 1 
0 0 0 1 0 0 0 1 0 0 3 4

Mais uma vez o pivoteamento requer que troquemos a segunda e a terceira linhas,
antes de fazer a eliminação, o que nos dá

     
0 1 0 0 1 0 0 0 3 0 1 0
 0 0 1 0   0 1 0 0    0 3 2 1 
P = , L =  , U = 
 1 0 0 0   − 23 13 1 0   0 0 0 − 13 
0 0 0 1 0 0 0 1 0 0 3 4

Com uma última troca de linhas, chegamos às matrizes desejadas, que são:

     
0 1 0 0 1 0 0 0 3 0 1 0
 0 0 1 0   0 1 0 0   0 3 2 1 
P =
 0
, L =  , U =  
0 0 1   0 0 1 0   0 0 3 4 
2 1
1 0 0 0 −3 3 0 1 0 0 0 − 13

Questão 4 (2.5 pontos)


Segundo a lei de Lotka, a relação entre a quantidade x de publicações e a porcentagem
y de autores (em um certo período) que publicaram x artigos é dada por y = cx−n .
Os valores de c e n dependem da área de pesquisa que está sendo considerada. A
tabela abaixo mostra a relação entre x e y para artigos importantes de física até 1900:

x 1 2 4 8
y 60.79 15.20 3.80 0.95

(a) Use logaritmos em base 2 para reescrever a lei de Lotka como uma relação linear.
(b) Calcule estimativas de c e n, pelo método dos mínimos quadrados, usando os
dados da tabela.

(c) Use os valores de c e n que você determinou para prever qual seria a porcentagem
do total de publicações representada pelos autores que publicaram 10 artigos.

Lembrete: log2 (a) = log10 (a)/ log10 (2) ≈ 10 · log10 (a)/3.

Page 25
Solução:
Aplicando logaritos em base 2 aos dois lados de y = cx−n , obtemos

log2 (y) = log2 (c) − n log2 (x).

Para poder aplicar mínimos quadrados precisamos tabelar log2 (y) contra log2 (x):

log2 (x) 0 1 2 3
log2 (y) 5.93 3.93 1.93 −0.07

Portanto,
   
1 0 5.93
1 1  3.93 
V =
1
 e b=
 1.93  .

2
1 3 −0.07
Escrevendo ` = log2 (c) e levando em conta que

   
t 4 6 11.8
V V = e ,
6 14 7.59

precisamos apenas resolver o sistema

−6.0n + 4.0l = 11.8


−14.0n + 6.0l = 7.59,

cujas soluções são


n = 2.02 e l = 5.96.
Como,
c = 25.96 = 62.3
a fórmula da lei de Lotka neste caso é

y = 62.3x−2.02 .

Portanto, quando x = 10,

y = 62.3 · 10−2.02 = y = 0.59.

Os dados da tabela foram retirados do artigo original do Lotka:

A. J. Lotka, The frequency distribution of scientic productivity, Jour-


nal of the Washington Academy of Sciences. 16 (1926), 317324.

O valor exato para y em x = 10 é 0.61.

Page 26
Segunda ProvaTurma EC2UFRJ2017.2

Questão 1 (2.5 pontos)



Considere a função f (x) = 2 sen( x) − x.
(a) Determine uma função g(x), diferente da obtida pelo método de Newton, cujo
ponto xo é um zero de f (x).
(b) Sabendo-se que a iteração xk+1 = g(xk ) tem um ponto xo no intervalo [1.5, 3],
prove que ela converge para este ponto no intervalo dado.

(c) Use g(x) para calcular o zero de f (x) em [1.5, 3] com erro inferior a 0.0001,
começando de x0 = 1.5.

Solução:
Tomando

g(x) = 2 sen( x),
temos que

0 cos( x)
g (x) = − √ ;
x
de modo que

0 | cos( x)| 1
|g (x)| = √ ≤√ .
x x

Como 1/ x é decrescente quando x > 1, temos que

1 1
|g 0 (x)| ≤ √ < √ ≈ 0.82,
x 1.5
o que garante a convergência de g(x) para o ponto xo no intervalo dado. Ite-
rando, obtemos
k xk |xk − xk−1 |
1 1.881439 0.381439
2 1.960474 0.0790351
3 1.970957 0.010483
4 1.972213 0.001256
5 1.972361 0.000148
6 1.972379 0.000018

 O maior problema nesta questão foi com a estimativa da cota superior para |g 0 (x)|.
Muita gente testou apenas os extremos. Neste caso particular a função é decres-
cente, de modo que o máximo é atingido no extremo esquerdo do intervalo; mas, para
usar isto, você teria que vericar que a função é decrescente, o que a vasta maioria não
fez. Além disso, não basta mostrar que |g 0 (x)| < 1 para todo x ∈ [1.5, 3]; é necessário
mostrar que existe um número real L < 1, para o qual |g 0 (x)| < L. Para entender
porque este detalhe é tão importante, leia a observação no alto da página 21 das notas
de aula.

Page 27
Questão 2 (1.5 pontos)
Use interpolação entre os pontos x = 1, x = 2 e x=4 para calcular log2 (3).

Solução:
Como
log2 (1) = 0, log2 (2) = 1 e log2 (4) = 2,
o polinômio interpolador será dado por

(x − 1)(x − 4) (x − 1)(x − 2)
P (x) = − +2 .
2 6
Logo,
2 · (−1) 2·1 2 5
P (3) = − +2 =1+ = .
2 6 3 3

Questão 3 (1.5 pontos)


Tendo aplicado dez iterações do método da potência à matriz

   
1 1 0 −0.401
A =  −1 3 1  obtivemos o vetor v =  −0.816  .
−1 1 2 −0.415

Use isto para calcular um dos autovalores de A.

Solução:
Como v A,
é uma aproximação para um autovetor de

    
1 1 0 −0.401 −1.22
Av =  −1 3 1   −0.816  =  −2.46  ≈ λv
−1 1 2 −0.415 −1.25

de modo que
−1.22
λ≈ ≈ 3.04.
−0.401

Questão 4 (2.5 pontos)


Use o método de Simpson para calcular a integral com erro inferior a 0.01
Z 1
x2 cos(x)dx.
0

Page 28
Solução:
Aplicando o método de Simpson com o intervalo de integração subdividido em
2n partes iguais, obtemos

b n−1 n−1
(b − a) (iv)
Z
h X X
f (x)dx = (y0 + y2n + 2 y2i + 4 y2i+1 ) − f (α)h4
a 3 i=1 i=0
180

para algum α ∈ (a, b), em que yi = f (a + ih) e h = (b − a)/2n. Começamos


estimando o número de partes em que é necessário dividir o intervalo [0, 1] para
que o erro que abaixo de 0.01. Como

f (iv) (x) = 8 x sin (x) + x2 − 12 cos (x)




temos que
|f (iv) (x)| ≤ 8x + x2 + 12 < 21,
para todo x ∈ [0, 1], donde o erro satisfaz

21 4
h < 0.01.
180
Levando em conta que h = 1/n, obtemos

21
n4 > = 11.667,
180 · 0.01
que nos dá n > 1.848. Portanto, o menor valor de n que podemos tomar é n=2
(note que estou usando n para representar a quantidade de bandas!) fazendo isto,
obtemos a seguinte aproximação para a integral

1
(y0 + y2 + 4y1 ) ≈ 0.055.
6

 Novamente o maior problema foi com a cota superior do erro. Desta vez o problema
foi mais sério, porque a função f (iv) (x) tem máximo igual 16.81 em x = 0.6569. O
gráco da quarta derivada está ilustrado na gura abaixo. Outro erro foi cometido por
algumas pessoas que calcularam a integral usando 0.5 como aproximação para cos(1) ≈
0.5403023. Isto corresponde a um erro de mais de 0.04 para o cosseno, o que não é
compatível com obter um erro inferior a 0.01 para a integral.

Questão 5 (3.0 pontos)

Page 29
O método de Euler reverso consiste em aplicar a recorrência yk+1 = yk +hf (tk+1 , yk+1 )
ao problema de valor inicial ẏ = f (t, y) e y(0) = y0 .
(a) Use o método de Euler reverso com h = 0.5 para calcular y(1), quando y(t) é a
solução do problema de valor inicial ẏ = cos(t) + 4y , com y(0) = 1.
(b) Calcule as fórmulas de Taylor com resto de ordem dois das funções y(t) e ẏ(t)
na vizinhança de tk .
(c) Calcule o erro de truncamento obtido quando o método de Euler reverso é apli-
cado à equação autônoma ẏ = f (y) e use-o para determinar a ordem deste
método.

Solução:
(a) A recorrência do método de Euler reverso nos dá

yk+1 = yk + h(cos(tk+1 ) + 4yk+1 )


donde
(1 − 4h)yk+1 = yk + h cos(tk+1 ).
Tomando h = 0.5, obtemos

yk+1 = −(yk + 0.5 cos(tk+1 ));


donde
y1 = −1.44 e y2 = 1.17.
Assim, y(1) ≈ 1.17, que é impressionantemente ruim, porque y(1) = 67.367.
Precisei de mil iterações para obter como aproximação 67.912 !!!

(b) As fórmulas de Taylor desejadas são dadas por

ÿ(α)
y(t) = y(tk ) + ẏ(tk )(t − tk ) + (t − tk )2
2
e por ...
y (β)
ẏ(t) = ẏ(tk ) + ÿ(tk )(t − tk ) + (t − tk )2 ,
2
em que α e β são números entre tk e t.
(c) O erro de truncamento do método de Euler reverso é dado por

y(tk + h) − y(tk )
Tk = − f (y(tk + h)).
h
Levando em conta que, da equação diferencial, ẏ(t) = f (y(tk + h)), podemos
reescrever Tk na forma

y(tk + h) − y(tk )
Tk = − ẏ(tk + h).
h
Substituindo as fórmulas de Taylor e simplicando, obtemos
...
y (β) 2
 
ÿ(α)
Tk = ẏ(tk ) + (α)h − ẏ(tk ) + ÿ(tk )h + h ;
2 2

Page 30
donde ...
y (β)
 
ÿ(α)
Tk = h − ÿ(tk ) − h,
2 2
de modo que o método de Euler reverso tem ordem um.

Page 31
Prova FinalTurma EC2UFRJ2017.2

Justique cuidadosamente todas as suas respostas.

Questão 1 (3.0 pontos)


Considere o problema de valores de contorno xy 00 − 2y 0 = 6, com y(0) = 0 e y(5) = 0.
(a) Determine o sistema linear nas variáveis y2 , y3 e y4 obtido aplicando-se a este
problema o método das diferenças nitas com passo h = 1.
(b) Calcule a decomposição PLU da matriz do sistema nas variáveis y2 , y3 e y4
obtido em (a) e resolva o sistema.

Solução:
Substituindo as aproximações

yk+1 − yk−1 yk+1 − 2yk + yk−1


y 0 (xk ) ≈ e y 00 (xk ) ≈
2h h2
na equação e levando em conta que h = 1, obtemos

(xk + 1)yk−1 − 2xk yk + (x − 1)yk−1 = 6.

Portanto, o sistema será

−2y1 =6
−4y2 + y3 = 15
4y2 − 6y3 + 2y4 =6
5y3 − 8y4 = 6.

Como, claramente, y1 = 3, basta considerar o sistema nas variáveis y2 , y3 e y4 . A


matriz deste sistema é  
−4 1 0
A =  4 −6 2 
0 5 −2
cuja decomposição PLU corresponde a

     
1 0 0 1 0 0 −4 1 0
P =  0 1 0 , L =  −1 1 0 , U =  0 −5 2 
0 0 1 0 −1 1 0 0 4

Resolvendo o sistema obtemos

3 33 27
y3 = − , y2 = − , y4 =
2 8 4

Page 32
x 1 2 3 4
y 4.29 12.80 39.21 119.59

Questão 2 (2.0 pontos)


Sabe-se que f (x) é uma função da forma f (x) = c exp(bx) e que representam aproxi-
mações de dos valores destas funções.

(a) Ache os valores de b e c para a função que melhor se ajusta aos dados da tabela.
(b) Calcule f (2.5) usando a função obtida em (a) e determine o erro relativo come-
tido no cálculo de f (2.5) sabendo-se que o valor exato é 22.6145.

Solução:
Aplicando logaritmos em base 10 aos dois lados de y = bcx obtemos

ln(y) = bx + ln(c).
Para poder aplicar mínimos quadrados precisamos tabelar ln(y) contra x:
x 1 2 3 4
ln(y) 1.46 2.55 3.67 4.78
Portanto    
1 1 1.46
1 2 2.55
V =
1
 e b=
3.67 .

3
1 4 4.78
Levando em conta que
   
t 4 10 t 12.46
V V = e V b=
10 30 36.69
precisamos apenas resolver o sistema

4.0l + 10.0b = 12.46


10.0l + 30.0b = 36.69
em que l = ln(c), cujas soluções são

l = 0.345 e b = 1.108.
Como,
c = exp(l) = 1.41
a aproximação para a fórmula de f (x) que obtivemos é

y = 1.41198 e(1.108 x)
.
Portanto, quando x = 2.5,
y = 22.53.
Logo, o erro relativo cometido foi de

|22.53 − 22.6145|
= 0.00358554.
22.6145

Page 33
Questão 3 (1.5 pontos)
As seguintes iterações foram propostas como maneiras de calcular a interseção dos
grácos das funções sen(x) e f (x) = −2x + 2:

g1 (x) = 2 − sen(x) − x
g2 (x) = (2 − sen(x))/2
g3 (x) = (− sen(x) + x cos(x) + 2)/(2 + cos(x)).

(a) Explique como cada uma destas iterações foi obtida.

(b) Para quais destas iterações podemos garantir a convergência a partir de x = 1?


(c) Qual destas iterações você espera que vá convergir mais rapidamente?

Solução:
g1 e g2 são obtidas a partir de manipulações algébricas simples, já g3 corresponde
ao método de Newton. Para a iteração dada por gi (x) ser convergente, é necessário
0
que |gi (x)| < 1 para todo x real. Mas,

|g10 (x)| = | cos(x) − 1| ≤ | cos(x)| + |1| ≤ 2,

ao passo que
|g20 (x)| = | cos(x)/2| ≤ 1/2.
Portanto, não podemos garantir a convergência de g1 , mas g2 e g3 são convergen-
tes. A terceira converge mais rapidamente que a segunda, porque a convergência
do método de Newton é quadrática, ao passo que a convergência da segunda
0
iteração é apenas linear, pois g2 (x) 6= 0.

Questão 4 (1.5 pontos)


Em quantas partes é necessário subdividir o intervalo [0, 1] para que a integral abaixo
−5
possa ser calculada usando o método de trapézio 10

Z 1
x3 exp(2x)dx.
0

Solução:
O erro no método do trapézio é dado por

(b − a) 00
f (α)h2
12
para algum α ∈ (a, b), em que h = (b − a)/2n. Como

f 00 (x) = 4 x3 + 12 x2 + 6 x e(2 x)


Page 34
é uma função crescente em [0, 1], temos que

|f 00 (x)| ≤ f 00 (1) = 162.559.

para todo x ∈ [0, 1], donde o erro satisfaz

162.559 2
h < 10−5 .
12
Levando em conta que h = 1/n, obtemos

162.559
n2 > = 1354660,
12 · 10−5
que nos dá n > 1163.9. Portanto, seriam o menor valor de n que podemos tomar
é n = 2. fazendo isto, obtemos a seguinte aproximação para a integral

1
(y0 + y4 + 4(y1 + y3 ) + 2y2 ) ≈ 0.05.
12

Questão 5 (2.0 pontos)


Considere o problema de valor inicial ẏ = t2 y 3 com y(1) = 2.
(a) Determine a iteração obtida aplicando o método de Runge-Kutta de segunda
ordem a este problema com h = 0.5.
(b) Calcule o polinômio de Taylor de grau dois da solução y(t) do problema de valor
inicial dado na vizinhança da origem.

Solução:
Aplicando a fórmula do método de Runge-Kutta de segunda ordem ao problema
dado, obtemos a iteração

h
yk+1 = yk + (t2k yk3 + t2k+1 (yk + h(t2k yk3 )))).
2
Substituindo h = 0.5 e expandindo,

1
yk+1 = yk + (t2k yk3 + (tk + 0.5)2 (yk + 0.5(t2k yk3 )))).
4
De ẏ = t2 y 3 obtemos

ÿ = 2 t2 y (t) ẏ (t) + 2 t y (t)2 = 2t4 y(t)4 + 2ty(t)2 ;

de modo que ẏ(0) = 8 e ÿ(0) = 40. Logo, o polinômio de Taylor de grau dois de
y(t) será P2 (t) = 2 + 8t + 40t2 .

Page 35