Você está na página 1de 7

DrumLine

Lições e Avaliações no ritmo do


tambor
Sinopse
A história é sobre o jovem baterista negro de hip hop Devon Miles, um
adolescente que acaba de se graduar no ensino médio. Após a graduação,
Devon parte para Atlanta, Geórgia para fazer parte da Atlanta A&T University,
uma universidade que tem historicamente jovens de maioria negra e talentosos
na sua banda. Devon foi convidado pessoalmente por Dr.Lee, o diretor da
banda, para fazer parte do grupo com uma bolsa integral.
Quando ele começa a ganhar destaque entre os percussionistas da banda, o
antigo baterista e líder da banda Sean Taylor, começa a procurar algo sobre a
vida de Miles. Ele descobre que o calouro pode ser uma fraude, e relata isso ao
diretor da banda da escola, que é obrigado a enfrentar um de seus músicos
mais talentosos justamente antes da grande competição regional.

Características das personagens principais

Devon

Devon se equilibra entre seus pontos altos e baixos. Possui características


extraordinárias, pois é um músico criativo, sabe aonde quer chegar e não tem
medo em mostrar a que veio. Porém por ser um ótimo percussionista, não
aceita regras, só pensa em si mesmo e não aceita ordens.

Dr. Lee

Dr. Lee, professor contratado pela A&T University para trabalhar no programa
da banda da Universidade, é um líder nato. Sabe lidar com os conflitos, de
maneira muito sábia. Porém, ainda é muito tradicionalista, característica que
fica evidente com as escolhas musicais para a banda. Em contraste a isso,
sabe observar os talentos e como um garimpeiro que procura uma pedra
preciosa, além de encontrar, consegue lapidá-la.
Sean

Sean é um apaixonado pela música. Veterano na A&T é líder de ala na banda,


é extremamente perfeccionista com os músicos percussionista e por várias
vezes exigente. Tais características o colocam como o líder que é, porém
fizeram com que esquecesse da paixão que possui pelo tambor e se tornasse
alguém que se sente superior aos outros, esquecendo das sua próprias raízes
como músico. Vendo em Devon um provável rival, já que observou seu incrível
talento, faz de tudo para mostrar que o garoto não sabe ler partituras fato que o
tira da banda. Nesse cenário, DR. Lee mostra algumas verdade a Sean o que o
faz voltar às origens e reconhecer que necessita ser humilde para estar no
comando da ala.

O trabalho em equipe: Uma banda um som!

Um dos pontos fortes da banda é o incrível trabalho em equipe, onde todos são
responsáveis uns pelos outros. Assim, trazendo para a realidade escolar
podemos dizer que numa sala de aula um aluno que fica pra traz, é uma sala
inteira que ficou.
Quais são as c concepções de Avaliação no filme?

 Aluno (Devon)
Se auto avaliava o melhor, portanto não necessitava dos conhecimentos
teóricos referentes à musica.

 Sistema (Competição)
A banda da A&T era considerada a melhor banda, porém não ganhava as
competições devido as escolhas musicais.

 Professor (Dr. Lee)


Trazia consigo concepções relativas à avaliação tidas como inovadoras, porém
o método de ensino ainda era tradicionalista.

Sabe-se que a avaliação tem tudo a ver com a escola de sucesso, há um


compromisso maior que a aprendizagem, que seja um ambiente livre de
tensões e limitações, favoreça as tentativas de conquistas do saber. Ao mesmo
tempo em que permite ao professor, a análise das relações estabelecidas em
termos da lógica existente nas soluções apontadas pelo aluno. (HOFFMANN,
2001, p. 73)

A avaliação deve ser proposta num sentido amplo da aprendizagem: Devon


não sabia ler partituras, mas é um musico exímio... foi o único calouro a ser um
musico do tipo p1, sendo aprovado graças ao seu desempenho na avaliação
final.
"Assim como uma única isca não pode atrair qualquer tipo de peixe, uma
metodologia única não é capaz de alcançar diferentes tipos de alunos."
(Monica Valéria)

Assim, Celso dos Santos Vasconsellos (1998, p. 19), escreve que o desafio
primeiro da avaliação é que deixe de atrapalhar o processo de ensino-
aprendizagem e, depois, que comece a ajudar (pela captação das
necessidades e compromissos com sua superação). Assim, no dia-a-dia
escolar, as grandes questões presentes para o professor são: Como saber se o
aluno está aprendendo ou não? O que fazer para que venha a saber? E não
“como dar nota?”, já que esta preocupação desvia a atenção do essencial.
Avaliar envolve julgamento, mas da produção objetiva do educando em função
dos critérios estabelecidos coletivamente – e não o julgamento de sua pessoa.
A esse respeito, a professora Jussara Hoffmann (2001, p. 39), emite sua
opinião: “A avaliação, nesta perspectiva, deverá encaminhar-se a um processo
dialógico e cooperativo, através do qual educadores e educandos aprendem
sobre si mesmo no ato próprio da avaliação”.

Na mesma seara, gestores e teóricos como Maria Tereza Esteban (2000, p.


34), ressaltam: “A avaliação faz parte do ato educativo, do processo de
aprendizagem. Avalia-se para intervir, agir, problematizando, interferindo e
redefinindo os rumos e caminhos a serem percorridos”.
Sabe-se que é importante que aconteça interação entre o avaliador e o
avaliado, mas para que isto aconteça de forma tranqüila busca-se fundamentos
nos estudos de Jussara Hoffmann (2001, p. 75), esclarecendo que: “A
confiança mútua entre educador e educando quanto às possibilidades de
reorganização conjunta do saber pode transformar o ato avaliativo em um
momento prazeroso de descoberta e troca de conhecimento”.
Complementando este entendimento, agrega-se o pensamento do professor
Pedro Demo (1999): A razão da avaliação é a aprendizagem. Em termos
educacionais, é o que lhe confere destaque, necessidade e dignidade.
Entretanto, cria-se em nós a expectativa infundadas de tipos ineptos de
avaliação, à medida que se nega seu efeito classificatório ou escalonar.

Avaliações no Filme

Na primeira apresentação, Devon provoca Sean que revida desafiando o


calouro a ficar com seu solo na apresentação.

Por muitas vezes sobre a avaliação pesam as concepções do professor, onde


também se coloca em um nível superior aos alunos e não admite que ele
demonstre seus conhecimentos.

Assim temos o professor (Sean) que tem conhecimento que o aluno não
domina certa habilidade e ao contrário de suprir a necessidade (Devon não
sabe ler partituras), insiste em provar que o aluno não sabe para se sentir
superior e se sente satisfeito com o fracasso do aluno.

Após um confronto entre Devon e Sean, ambos reconhecem o erro e começam


um trabalho em equipe, aliando o conhecimento de Sean e habilidade de
Devon, onde resultado obtido à ambos, trouxe grande aprendizado.

No início do filme Devon era um aluno indisciplinado, individualista e no


decorrer do filme, foi aprendendo a lidar com suas dificuldades e a superá-las
graças à ajuda de seus professores.

A avaliação é um processo que faz parte de todas as situações apresentadas,


visto que os alunos eram avaliados individualmente e principalmente enquanto
conjunto.