Você está na página 1de 26

MECANISMOS

(CAMES - INTRODUÇÃO E NOMECLATURA)

Prof. MSc. Israel Lira Gonçalves


Introdução e Nomenclatura
Proposta do capítulo

❑ Definições
❑ Utilização
❑ Classificação dos seguidores
❑ Tipos de Cames-seguidores
❑ Exemplos Cames-seguidores
❑ Geometria da Came radial (ou de disco)
❑ Ângulo de pressão
❑ Resumo
Definições

1 - Uma came (ou camo) é um elemento mecânico usado para acionar


outro elemento, chamado seguidor, por meio de contato direto.
2 - Came-seguidor: Sistema mecânico cuja finalidade é transmitir, por
contato direto, um movimento previamente conhecido.
Came acionador, seguidor acionado, estrutura fixa guia

Características:
estrutura
• Conceito simples, consequentemente Projeto fácil;
• Mecanismo compacto; seguidor
• Permite obter praticamente qualquer movimento
para o seguidor (gerador defunções); came
• As consequências de um projeto inadequado são
dificuldade de fabricação e deficiência de
funcionamento.
Definições

Eixo comando
de válvulas

Cames - Imagens
Definições

Duplo Comando de Válvulas no Cabeçote (DOHC)

Cames - Imagens
Utilização

Controle da abertura de
válvulas

Cames - Aplicações
Utilização
Aplicações
• Acionamentos em geral;
• Armas automáticas;
• Máquinas de embalar;
• Máquinas operatrizes diversas;
• Eixo comando de válvulas de motores de combustão interna.
Linhas de Projeto
1. Partindo do movimento desejado para o seguidor Projeto
do perfil do came Síntese;
2. Partindo da forma do came Determinação de deslocamento,
velocidade e aceleração do seguidor.
Classificação dos seguidores
Pelo tipo de Movimento
• Translação
• Oscilação;
Pela trajetória do deslocamento
• Radial;
• Deslocado (em relação à linha de centro da came);
Pela superfície de contato
• Face plana;
• Face esférica;
• Face de rolamento;
• De aresta;
Classificação dos seguidores

Translação Oscilação
Classificação dos seguidores
Pela superfície do seguidor
a. Rolete;
b. Face Esférica ou cilíndrica;
c. Face Plana;
d. Ponta ou faca.
Classificação dos seguidores
Tipos deCames-seguidores

a) Came de disco (placa ou radial) deslocada/seguidor de translação de face plana;


b) Came radial/ seguidor oscilante de face esférica;
c) Came radial/seguidor de faca de translação;
d) Came de dois lóbulos deslocado / seguidor rolete translação.
Tipos deCames-seguidores

e) Came de cunha / seguidor rolete translação;


f) Came cilíndrica ou de tambor / seguidor rolete de oscilação;
g) Came de extremidade ou de face / seguidor de rolete de translação;
h) Came de forqueta/ seguidor rolete de translação
Exemplos Cames-seguidores
Exemplos Cames-seguidores

 Observação:
• Ocame deve ser sempre vinculada ao seguidor para garantir o seguimento doperfil;
• Vínculos mais comuns: Gravidade, mola ouvínculo mecânico.
Geometria da Came radial (ou dedisco)

Operfil da came, ou
superfície da came:
refere-se à seção da
superfície de trabalho da
came.

Círculo de base:
é o menor círculo inscrito
com centro no eixo de
rotação da came e tangente à
superfície da came.
Geometria da Came radial (ou dedisco)

Ponto de traçado:
é um ponto teórico sobre o
seguidor, usado para gerar a
curva primitiva

Curva primitiva:
é a curva descrita pelo ponto
de traçagem, Para um seguidor
de faca a curva primitiva
coincide com o perfil da came.
Geometria da Came radial (ou dedisco)

Círculo principal:
É o menor círculo inscrito
com centro coincidente
com a came e tangente à
curva primitiva.
Ângulo depressão
Ângulo de pressão:
É o ângulo entre adireção do
movimento do seguidor e a normal
à curva primitiva;
-É variável durante o giro da came;
-Sua existência implica numa
componente de força transversal
ao seguidor;
-Ângulo de pressão grande:
Possibilidade de emperramento
para o seguidor de translação;
Ângulo depressão

Ponto de inflexãoou transição:


ponto em que ocorre a
velocidade máxima e em que a
aceleração muda de sentido.
Correspondem aos pontos
onde o angulo de pressão é
máximo
Ângulo depressão

Ponto primitivo: ponto


localizado na curva primitiva
correspondente ao ângulo
de pressão máximo.

Curso do seguidor: máximo


deslocamento do seguidor
para uma volta da came
Ângulo depressão
Circunferência Primitiva:
Circunferência concêntrica
com o eixo de rotação da
came passando pelo ponto
primitivo
Nomenclatura -resumo
Nomenclatura -resumo
 Contorno do Came – Ou perfil do came, diz respeito à geometria da mesma,
ou seja é a parte física gerada pela ferramenta de corte em função da
curva total projetada;
 Circunferência de Base – É a menor circunferência, centrada no eixo de giro
do came, que pode ser inscrita ao seu perfil, esta tangencia o contorno do
came em seu ponto mais baixo;
 Curva Primitiva – Existindo somente nos cames de rolete, é a curva descrita
pelo lugar geométrico do centro do rolete quando de um giro completo do
came. Em geral é esta a curva inicialmente definida pelos diagramas de
elevação e somente após isto é que se traça o contorno do came;
 Circunferência Principal – Menor circunferência inscrita na curva primitiva
centrada no eixo de rotação do came. É de suma importância na
obtenção da geometria do came e, em função do ângulo de pressão,
define as suas características;
Nomenclatura -resumo
 Ângulo de Pressão – O ângulo de pressão φ é formado pelo eixo do
seguidor com a direção normal à curva primitiva no centro do rolete,
este é um parâmetro de suma importância no projeto dos cames;
 Ponto Primitivo – É o ponto, sobre a curva primitiva, onde ocorre o maior
ângulo de pressão. Quando se é conhecido o sentido de giro do
came, podemos distinguir o ponto primitivo da elevação e o ponto
primitivo do retorno;
 Circunferência Primitiva – Circunferência centrada no eixo de giro e
que passa pelo ponto primitivo. Tem-se sempre duas circunferências
primitivas, uma de elevação e outra de retorno, porém dependendo
da situação elas são coincidentes.