Você está na página 1de 2

_______________________________________________

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA RELIGIÃO/ICH


CAMPUS UNIVERSITÁRIO - MARTELOS - JUIZ DE FORA - MG
CEP 36036-900 TELEFAX (0xx32) 2102-3116
E-mail: ppgcir.ich@ufjf.edu.br - www.ufjf.br/ppcir

EMENTA DE DISCIPLINA

Nome: Antropologia da Religião

Curso: Mestrado em Ciência da Religião

Código: 2003075

Créditos: 04

Carga Horária: 60h

Ementa

Relação entre ciência antropológica e fenômeno religioso. Busca de compreensão da alteridade


religiosa pela interpretação antropológica. Principais “correntes” e “escolas” da antropologia frente
ao fenômeno religioso. Alcance de uma abordagem “não religiosa da religião” (cultural, simbólica,
ritual) no tratamento de um fenômeno marcado fundamentalmente pela transcendência.
Rentabilidade do conceito “religião” diante de outras chaves interpretativas com mais afinidade
eletiva para com a alteridade nativa, como: o mito, o rito e a magia. Debates atuais da antropologia
aplicados a “antropologia da religião”: o “ponto de vista nativo” como formulação e conceito
portador de coerência em si mesmo e não mais como metáfora de outras instâncias da realidade?

Programa da Disciplina

A teoria antropológica e o fenômeno religioso: uma Introdução à Antropologia da Religião


As “escolas antropológicas” e o fenômeno religioso: evolucionismo, culturalismo, funcionalismo,
estruturalismo, interpretativismo e “antropologia pós-moderna”.
A questão do trabalho de campo e da etnografia em grupos religiosos.
A dimensão do mito na teoria antropológica
A dimensão do rito na teoria antropológica
A dimensão da magia na teoria antropológica
Questões epistemológicas contemporâneas: “o ponto de vista do nativo” e a interpretação
antropológica.
Uma “Antropologia Simétrica” do fenômeno religioso?

Bibliografia Básica

CARVALHO, José Jorge. “A racionalidade antropológica em face do segredo”. Anuário


Antropológico, 1984, p. 214-222.
DA MATTA, Roberto. “Carnavais, paradas e procissões: reflexões sobre o mundo dos ritos”,
Religião e Sociedade nº 1, 1977, pp. 03-30.

Antropologia da Religião – curso de Mestrado em Ciência da Religião ‐ UFJF 
EVANS PRITCHARD, E.E. Oráculos e Magia entre os Azande, RJ: Zahar, 1878, pp. 07-96.
__________. “A Religião e os Antropólogos”, Religião e Sociedade nº 13/1, RJ, ISER/CER, 1986,
pp.04-19.
FAVRET-SAADA, Jeanne. Les mots, la mort, les sorts : la sorcellerie dans le bocage. Gallimard,
1977
FERNANDES, Rubem César. Pesquisadores e participantes. Uma contraditória viagem ao interior.
In: Comunicações do ISER, n°. 12. Rio de Janeiro : ISER, 1984, p. 33-39.
FILORAMO, Giovanni & PRANDI, Carlo “As Escolas Antropológicas (Cap. 7)”. In As Ciências
das Religiões, São Paulo, Paulus, 1999, pp. 204-222.
FRAZER, James. O ramo de ouro. Rio de Janeiro : Guanabara, 1991.
GEERTZ, Clifford. “Do ponto de vista dos nativos: a natureza do entendimento antropológico”. O
Saber Local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes, 1998, pp.85-107.
GEERTZ,Clifford. “O beliscão do destino: A religião como experiência, sentido, identidade e
poder”. Nova Luz sobre a Antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2001, pp.149-165.
GOLDMAN, Márcio. “Os Tambores dos Mortos e os Tambores dos vivos: etnografia, antropologia
e política em Ilhéus, Bahia”. Revista de Antropologia USP vol.46, nº42, 2003.
LABURHE-TOLRA, Philippe & WARNIER, Jean-Pierre. “A religião: o fenômeno religioso”; “A
eficácia da magia”; “Sucesso da terapêutica tradicional” ; “O transe”. In: Etnologia –
Antropologia., Petropolis, Vozes, 1997, pp. 196-226 ; 325-335.
LEENHARDT, Maurice. “O Mito”. Religião e Sociedade, , 1987, pp. 88-98.
LEVI-STRAUSS, Claude . “A Estrutura dos Mitos”. In: Antropologia Estrutural, São Paulo, Tempo
Brasileiro, 1991, pp.237-265.
LEVI-STRAUSS, Claude. Mito e significado. Lisboa : Edições 70, 1987.
LEVI-STRAUSS, Claude. O feiticeiro e sua magia. In: Antropologia estrutural. São Paulo : Tempo
Brasileiro, 1991, p. 193-213.
LIENHARDT, Godfrey. “Crença e Conhecimento”. In Antropologia Social, , Rio de Janeiro, Zahar
Editores, 1973, pp.125-15
MALINOWSKI, Bronislaw. Magia, ciência e religião. Lisboa : Edições 70, 1988.
MAUSS, Marcel. Esboço de uma teoria geral da magia. In: Sociologia e antropologia. São Paulo :
EDUSP, 1974.
PEIRANO, Mariza. O Dito e o Feito, Rio de Janeiro, Relume Dumará, 2002.
__________. Rituais: ontem e hoje. RJ, Jorge Zahar Ed., 2003
RIVIÉRE, Claude. “Antropologia Religiosa”. In Introdução à Antropologia, , Lisboa, Edições 70,
2000, pp. 139-164.
SEGALEN, Martine . Ritos e Rituais Contemporâneos, , RJ, Editora FGV, 2002
SEGATO, Rita Laura. Um paradoxo do relativismo: O discurso racional da antropologia frente ao
sagrado. Religião e Sociedade n° 16/1-2. Rio de Janeiro : ISER, 1992, p. 114-135.
TURNER, Victor. O processo ritual. Petrópolis : Vozes, 1974.
VAN GENNEP, Arnold. Rituais de passagem. s/d.
VELHO, Otávio. “O que a Religião pode fazer pelas Ciências Sociais?”. Religião e Sociedade,
vol.19/1, 1998, p.09-17.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo.” O nativo relativo”. Mana n° 8, 2002. 


Antropologia da Religião – curso de Mestrado em Ciência da Religião ‐ UFJF