Você está na página 1de 81

06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

CEFETBAHIA PROVAS ( https://tec.ec/s/Qk1OZ )

Português

Questão 985: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2019


Assunto: Fatos da Língua Portuguesa (porque, por que, porquê e por quê; onde, aonde e donde; há e a, etc)
Considerando o correto preenchimento das lacunas de acordo com a norma culta, numere a segunda coluna de acordo com a primeira.

(1) Ele não veio __________ ? ( ) porquê

(2) Não sei __________ ele agiu assim. ( ) porque

(3) Ausentei-me ________ estava doente. ( ) por quê

(4) Não sei o _________ do constrangimento. ( ) por que

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) 1342
b) 1423
c) 2314
d) 3241
e) 4312
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806375

Questão 986: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2019


Assunto: Fatos da Língua Portuguesa (porque, por que, porquê e por quê; onde, aonde e donde; há e a, etc)
Suas ideias vêm sempre ____________ das minhas, por isso ____ sinergia entre nós. Nossos adversários, ao contrário, têm um discurso que vai ____________ ao
interesse coletivo, ____________ propagam notícias falsas.

A alternativa que preenche correta e sequencialmente a lacuna do trecho acima.

a) de encontro / há / ao encontro / à medida que


b) ao encontro / a / de encontro / à medida em que
c) ao encontro / há / de encontro / à medida em que
d) de encontro / a / ao encontro / na medida em que
e) ao encontro / há / de encontro / na medida em que
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806377

Questão 987: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2019


Assunto: Acentuação
Em consonância com o novo acordo ortográfico, a alternativa que contém as palavras acentuadas corretamente é

a) sutíl / refém
b) ruím / ávaro
c) fortúito / álibi
d) ávido / inaudíto
e) cônjuge / recém
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806368

Questão 988: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2019


Assunto: Conjugação. Reconhecimento e emprego dos modos e tempos verbais
Eu ___________ a revisão da prova, a Coordenação Acadêmica _________ e o Professor_______ a minha nota.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) requeiri /interviu / reviu


b) requiri / intervio / reveu
c) requeri / interviu / reveu
d) requeri / interveio / reviu
e) require / interveio / reveio
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806363

Questão 989: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2019


Assunto: Pronomes
Considerando o emprego do pronome relativo cujo de acordo com a norma culta, analise os trechos a seguir e identifique com V os verdadeiros e com F os falsos.

( ) Os pais cujos os filhos picharam o muro.

( ) O senhor cuja filha esteve aqui chegou mais cedo

( ) Não posso defender alguém de cujos métodos discordo.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 1/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
( ) O assistido à cuja mãe você atendeu, acabou de chegar.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) FVVF
b) FVFV
c) VVFF
d) VFVF
e) VFFV
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806376

Questão 990: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2019


Assunto: Conjunção
Os estagiários fizeram tudo como combinamos.

A alternativa que contém a circunstância expressa através do termo destacado acima é

a) causa
b) condição
c) comparação
d) conformidade
e) consequência
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806371

Questão 991: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2019


Assunto: Colocação pronominal
Remetemos o recurso ao Juiz.

A alternativa que substitui, corretamente, o trecho grifado na oração acima é

a) Remetemo-o
b) Remetemo-lo
c) Remetemos-o
d) Remetemos-lo
e) Remetemo-lhe
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806364

Questão 992: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2019


Assunto: Significação de vocábulo e expressões
Homófonos são vocábulos que, sendo diversos no significado e na grafia, se pronunciam de modo idêntico.

Considerando o significado e a grafia das palavras no trecho onde estão destacadas, numere a segunda coluna de acordo com a primeira.

(1) Esse ponto será discutido à parte. ( ) Comentário.

(2) O advogado pediu um aparte ao Juiz. ( ) Interrupção.

(3) À parte o salário, recebeu gratificações. ( ) Autorização.

(4) Os apartes foram inadequados durante o debate. ( ) Isolamento.

(5) Durante o discurso, houve um aparte de 15 minutos. ( ) Além de, fora.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) 15234
b) 21435
c) 31542
d) 45213
e) 53142
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806374

Questão 993: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2019


Assunto: Pontuação (ponto, vírgula, travessão, aspas, parênteses etc)
“Embora guarde plena correspondência com as pausas e entonação da frase, o uso dos sinais de pontuação obedece, em primeiro lugar, a certos princípios básicos da
sintaxe [...]” (LEITÃO, 2016, p. 255).

Assim, sobre o uso correto da vírgula de acordo com os princípios básicos da pontuação, analise as opções a seguir e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) O acordo, expressa o combinado entre as partes.

( ) O acordo expressa, o combinado entre as partes.

( ) O acordo, porém, não expressa o combinado entre as partes.

( ) O acordo, conforme combinado entre as partes, foi assinado.

( ) O acordo expressa o combinado entre as partes, e foi assinado pelos presentes.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 2/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) FFVVV
b) FVFVF
c) FFVFV
d) VVFFF
e) VFVVF
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806370

Questão 994: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2019


Assunto: Regência Nominal e Verbal (casos gerais)
De acordo com a norma culta, a alternativa que contém a regência verbal correta é

a) Nós lhe vimos no Juizado.


b) O juiz procedeu o julgamento.
c) O Defensor serve aos cidadãos.
d) Os jovens obedeceram o professor.
e) Prefiro estagiar do que ficar sem fazer nada.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806366

Questão 995: CEFETBAHIA - Ag Trans (Irecê)/Pref Irecê/2018


Assunto:
Os carros ____________ e a moto _______________ invadiram o sinal.

De acordo com a norma culta, a alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) azul-petróleo / amarela-clara
b) azul-petróleo / amarelo-clara
c) azul-petróleos / amarela-clara
d) azuis-petróleo / amarelo-clara
e) azuis-petróleos / amarelo-claro
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/752494

Questão 996: CEFETBAHIA - Ag Trans (Irecê)/Pref Irecê/2018


Assunto:
Era meio-dia e ________, quando o veículo estacionou em local proibido. A condutora do veículo ficou ___________ irritada, quando recebeu a multa. Os agentes de
trânsito estão ____________.

De acordo com a norma culta, a alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) meia / meia / alerta


b) meia / meio / alerta
c) meio / meia / alertas
d) meia / meia / alertas
e) meio / meio / alertas
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/752495

Questão 997: CEFETBAHIA - Ag Trans (Irecê)/Pref Irecê/2018


Assunto:
No mês passado, cerca de cem condutores ___________ notificações por essa infração, cuja relação segue ___________.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) receberão / anexa
b) receberão / anexo
c) receberam / anexo
d) receberam / anexas
e) receberam / em anexo
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/752496

Questão 998: CEFETBAHIA - Ag Trans (Irecê)/Pref Irecê/2018


Assunto:
Ele _______________ (violou) uma norma de trânsito, porque usou o celular ao dirigir. O risco de acidente é ____________ (imediato), por isso é necessário
____________ (aplicar) multas.

De acordo com o significado apresentado entre parênteses, a alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) infligiu / iminente / infringir


b) inflingiu / iminente / infrigir
c) infringiu / iminente / infligir
d) infligiu / eminente / infringir
e) infringiu / eminente / infligir
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/752497

Questão 999: CEFETBAHIA - Ag Trans (Irecê)/Pref Irecê/2018

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 3/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Assunto:
Após ___ colisão, os condutores dos veículos envolvidos ficaram face ___ face e discutiram muito. O excesso de velocidade até 20% ___ máxima permitida na via é ___
infração média mais cometida.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) a / à / à / a
b) à / a / a / à
c) a / à / a / a
d) a / a / à / a
e) há / à / a / à
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/752498

Questão 1000: CEFETBAHIA - Ag Trans (Irecê)/Pref Irecê/2018


Assunto:
Figura 1

De acordo com a figura 1, sobre os acidentes que ocorreram entre 2010 e 2015, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) A média de acidentes entre homens e mulheres é 654.

( ) Os acidentes em 2015 reduziram 81,5% tomando como referência o ano de 2014.

( ) A falta de atenção representa, aproximadamente, 34% das causas dos acidentes.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) V F F
b) V V F
c) V F V
d) F V F
e) F F V
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/752499

Questão 1001: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1.

Em pleno século XXI é salutar refletir sobre a importância de preservação do meio ambiente bem como atuar em prol de uma sociedade mais consciente e limpa. Já ficou
mais que claro que a maioria dos problemas os quais enfrentamos atualmente nas grandes cidades, foram gerados pela ação humana.

De tal modo, podemos pensar nas grandes construções, alicerçadas na urbanização desenfreada, ou no simples ato de jogar lixo nas ruas. A poluição gerada e
impregnada nas grandes cidades foi em grande parte fruto da urbanização desenfreada ou da atuação de indústrias; porém, deveres não cumpridos pelos homens
também proporcionaram toda essa "sujidade". Nesse sentido, vale lembrar que pequenos atos podem produzir grandes mudanças se realizados por todos os cidadãos.

Portanto, um conselho deveras importante: ao invés de jogar o lixo (seja um papelzinho de bala, ou uma anotação de um telefone) nas ruas, guarde-o no bolso e atire
somente quando encontrar uma lixeira. Seja um cidadão consciente! Não jogue lixo nas ruas!

Disponível em: <https://www.todamateria.com.br/texto-dissertativo/>. Acesso em: 27 mar. 2018.

Considerando as ideias do texto 1, é correto afirmar que

a) toda a sujeira existente na Terra é fruto somente dos deveres não cumpridos pelo homem.
b) em pleno século XXI, o homem não vê a importância de preservar a vida de um outro ser vivo.
c) se somente o cidadão comum deixar de jogar papel na rua, mudanças positivas em prol do meio ambiente começarão imediatamente a acontecer.
d) a poluição gerada nas grandes cidades é fruto da urbanização desenfreada, entretanto todo o cidadão comum já está consciente que é preciso produzir grandes
mudanças sociais para a preservação do meio ambiente.
e) em pleno século XXI, devemos refletir sobre a relevância de preservar o meio ambiente, pois a poluição gerada nas grandes cidades, assim como, os deveres não
cumpridos pelos homens produziram toda essa “sujidade”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806873

Questão 1002: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 4/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1.

Em pleno século XXI é salutar refletir sobre a importância de preservação do meio ambiente bem como atuar em prol de uma sociedade mais consciente e limpa. Já ficou
mais que claro que a maioria dos problemas os quais enfrentamos atualmente nas grandes cidades, foram gerados pela ação humana.

De tal modo, podemos pensar nas grandes construções, alicerçadas na urbanização desenfreada, ou no simples ato de jogar lixo nas ruas. A poluição gerada e
impregnada nas grandes cidades foi em grande parte fruto da urbanização desenfreada ou da atuação de indústrias; porém, deveres não cumpridos pelos homens
também proporcionaram toda essa "sujidade". Nesse sentido, vale lembrar que pequenos atos podem produzir grandes mudanças se realizados por todos os cidadãos.

Portanto, um conselho deveras importante: ao invés de jogar o lixo (seja um papelzinho de bala, ou uma anotação de um telefone) nas ruas, guarde-o no bolso e atire
somente quando encontrar uma lixeira. Seja um cidadão consciente! Não jogue lixo nas ruas!

Disponível em: <https://www.todamateria.com.br/texto-dissertativo/>. Acesso em: 27 mar. 2018.

O termo “salutar” está relacionado

a) com a insalubridade, ou seja, é relevante para a preservação da natureza.


b) com a saúde, algo insalubre para a falta de preservação do meio ambiente.
c) com a saúde, é útil e favorável para preservar a saúde e a vida do meio ambiente.
d) às práticas humanitárias, importante para o cuidado com as relações entre o homem e o ecossistema.
e) está relacionado ao bem comum social, e corresponde com a conscientização do homem e a sua repulsa ao meio ambiente.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806874

Questão 1003: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1.

Em pleno século XXI é salutar refletir sobre a importância de preservação do meio ambiente bem como atuar em prol de uma sociedade mais consciente e limpa. Já ficou
mais que claro que a maioria dos problemas os quais enfrentamos atualmente nas grandes cidades, foram gerados pela ação humana.

De tal modo, podemos pensar nas grandes construções, alicerçadas na urbanização desenfreada, ou no simples ato de jogar lixo nas ruas. A poluição gerada e
impregnada nas grandes cidades foi em grande parte fruto da urbanização desenfreada ou da atuação de indústrias; porém, deveres não cumpridos pelos homens
também proporcionaram toda essa "sujidade". Nesse sentido, vale lembrar que pequenos atos podem produzir grandes mudanças se realizados por todos os cidadãos.

Portanto, um conselho deveras importante: ao invés de jogar o lixo (seja um papelzinho de bala, ou uma anotação de um telefone) nas ruas, guarde-o no bolso e atire
somente quando encontrar uma lixeira. Seja um cidadão consciente! Não jogue lixo nas ruas!

Disponível em: <https://www.todamateria.com.br/texto-dissertativo/>. Acesso em: 27 mar. 2018.

No texto 1, a palavra “essa” é classificada como

a) preposição.
b) artigo indefinido.
c) pronome oblíquo.
d) pronome pessoal.
e) pronome demonstrativo.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806875

Questão 1004: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Leia o texto 2 para responder a questão abaixo.

Texto 2.

Tchau, tchau
Nunca foi tão fácil secar uma espinha

A gente acha que cuidar da pele dá trabalho. Que nada! Chato mesmo é encarar aquela espinha que insiste em aparecer na cara da gente nas horas mais impróprias: o
primeiro dia de aula ou o encontro com o menino que a gente está a fim. Pele bem cuidada dá uma levantada incrível no visual, né? Então, mãos à obra com a linha
Clearskin da Avon, que tem oito produtos que facilitam a nossa vida. Além de combaterem a acne (eles são feitos com ácido glicólico, um poderoso derivado da cana-de-
açúcar), eles deixam a pele superhidratada.

BORGATTO, Ana; BERTIN, Terezinha; MARCHEZI, Vera. Tudo é linguagem. Disponível em:
<http://dialogoeducacional.blogspot.com.br/2011/11/prova-de-portugues-8-ano-interpretacao.html>. Acesso em: 26 mar. 2018.

No trecho, “A gente acha que cuidar da pele dá trabalho. Que nada!”, a expressão “Que nada!” é __________, porque ________.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) uma oração / porque tem verbo


b) uma oração / porque não tem verbo
c) uma frase / porque tem sentido no contexto do texto
d) uma frase / porque não tem sentido no contexto do texto
e) é um período / porque tem verbo e sentido dentro do contexto do texto
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806876

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 5/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Questão 1005: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018
Assunto:
Leia o texto 2 para responder a questão abaixo.

Texto 2.

Tchau, tchau
Nunca foi tão fácil secar uma espinha

A gente acha que cuidar da pele dá trabalho. Que nada! Chato mesmo é encarar aquela espinha que insiste em aparecer na cara da gente nas horas mais impróprias: o
primeiro dia de aula ou o encontro com o menino que a gente está a fim. Pele bem cuidada dá uma levantada incrível no visual, né? Então, mãos à obra com a linha
Clearskin da Avon, que tem oito produtos que facilitam a nossa vida. Além de combaterem a acne (eles são feitos com ácido glicólico, um poderoso derivado da cana-de-
açúcar), eles deixam a pele superhidratada.

BORGATTO, Ana; BERTIN, Terezinha; MARCHEZI, Vera. Tudo é linguagem. Disponível em:
<http://dialogoeducacional.blogspot.com.br/2011/11/prova-de-portugues-8-ano-interpretacao.html>. Acesso em: 26 mar. 2018.

Todo texto tem seu sentido, mesmo o literal, inclui informações implícitas, ou seja, uma intenção por trás.

Assim, podemos concluir que o texto 2 tem como objetivo principal

a) persuadir o leitor a comprar o produto.


b) mostrar que a acne pode ser combatida.
c) informar o leitor sobre o produto com detalhes.
d) descrever minunciosamente o produto ao leitor.
e) expor um problema passado pelos adolescentes.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806877

Questão 1006: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Leia o texto 2 para responder a questão abaixo.

Texto 2.

Tchau, tchau
Nunca foi tão fácil secar uma espinha

A gente acha que cuidar da pele dá trabalho. Que nada! Chato mesmo é encarar aquela espinha que insiste em aparecer na cara da gente nas horas mais impróprias: o
primeiro dia de aula ou o encontro com o menino que a gente está a fim. Pele bem cuidada dá uma levantada incrível no visual, né? Então, mãos à obra com a linha
Clearskin da Avon, que tem oito produtos que facilitam a nossa vida. Além de combaterem a acne (eles são feitos com ácido glicólico, um poderoso derivado da cana-de-
açúcar), eles deixam a pele super-hidratada.

BORGATTO, Ana; BERTIN, Terezinha; MARCHEZI, Vera. Tudo é linguagem. Disponível em:
<http://dialogoeducacional.blogspot.com.br/2011/11/prova-de-portugues-8-ano-interpretacao.html>. Acesso em: 26 mar. 2018.

No trecho “Eles deixam a pele super-hidratada.”, a classificação do sujeito é

a) indeterminado.
b) determinado simples.
c) indeterminado simples.
d) determinado composto.
e) indeterminado composto.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806878

Questão 1007: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Na era na informação, os brasileiros ainda _________ pouco, parece um ___________, mas precisamos já de _________________ na forma de como lidamos com o ato
de ler.

De acordo ortográfico, a alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) leem / contrassenso / reeducação


b) leem / contra-senso / reeducação
c) lêem / contra-senso / re-educação
d) lêem / contrassenso / re-educação
e) leem / contrassenso / re-educação
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806879

Questão 1008: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Leia o texto 3 para responder a questão abaixo.

Texto 3.

O ACENDEDOR DE LAMPIÕES
De Jorge de Lima

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 6/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Disponível em: <http://noblat.oglobo.globo.com/geral/noticia/2016/11/o-acendedor-de-lampioes-14-11-2016.html>. Acesso em: 27


mar. de 2018.

Lá vem o acendedor de lampiões da rua!


Este mesmo que vem infatigavelmente,
Parodiar o sol e associar-se à lua
Quando a sombra da noite enegrece o poente!
Um, dois, três lampiões, acende e continua
Outros mais a acender imperturbavelmente,
À medida que a noite aos poucos se acentua
E a palidez da lua apenas se pressente.
Triste ironia atroz que o senso humano irrita: —
Ele que doira a noite e ilumina a cidade,
Talvez não tenha luz na choupana em que habita.
Tanta gente também nos outros insinua
Crenças, religiões, amor, felicidade,
Como este acendedor de lampiões da rua!

FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto leitura e redação. 13. ed. São Paulo: Editora Ática, 1997.

O poema está no plano da estrutura narrativa. Assim, o texto relata uma transformação de estado feita pelo acendedor de lampiões. No poema, o acendedor de lampiões
representa

a) aquele que crê unicamente em Deus.


b) a luz que apaga a escuridão que está na alma humana.
c) aquele que quer ver a felicidade em todos que habitam a cidade.
d) aquele que ironicamente trabalha para o bem-estar do outro, mas carece de amor.
e) aquele que contraditoriamente está presente em toda a atividade humana, mas carece do bem que doa ao outro.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806881

Questão 1009: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Leia o texto 3 para responder a questão abaixo.

Texto 3.

O ACENDEDOR DE LAMPIÕES
De Jorge de Lima

Disponível em: <http://noblat.oglobo.globo.com/geral/noticia/2016/11/o-acendedor-de-lampioes-14-11-2016.html>. Acesso em: 27


mar. de 2018.

Lá vem o acendedor de lampiões da rua!


Este mesmo que vem infatigavelmente,
Parodiar o sol e associar-se à lua
Quando a sombra da noite enegrece o poente!
Um, dois, três lampiões, acende e continua
Outros mais a acender imperturbavelmente,
À medida que a noite aos poucos se acentua
E a palidez da lua apenas se pressente.
Triste ironia atroz que o senso humano irrita: —
Ele que doira a noite e ilumina a cidade,
Talvez não tenha luz na choupana em que habita.
Tanta gente também nos outros insinua
Crenças, religiões, amor, felicidade,
Como este acendedor de lampiões da rua!

FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto leitura e redação. 13. ed. São Paulo: Editora Ática, 1997.

No verso “Um, dois, três lampiões, acende e continua [...]”, a vírgula foi utilizada com o objetivo de

a) separar o aposto.
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 7/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) separar o vocativo.
c) isolar expressões explicativas.
d) separar elementos da enunciação.
e) separar o adjunto adverbial antecipado ou intercalado.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806882

Questão 1010: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Leia o texto 3 para responder a questão abaixo.

Texto 3.

O ACENDEDOR DE LAMPIÕES
De Jorge de Lima

Disponível em: <http://noblat.oglobo.globo.com/geral/noticia/2016/11/o-acendedor-de-lampioes-14-11-2016.html>. Acesso em: 27


mar. de 2018.

Lá vem o acendedor de lampiões da rua!


Este mesmo que vem infatigavelmente,
Parodiar o sol e associar-se à lua
Quando a sombra da noite enegrece o poente!
Um, dois, três lampiões, acende e continua
Outros mais a acender imperturbavelmente,
À medida que a noite aos poucos se acentua
E a palidez da lua apenas se pressente.
Triste ironia atroz que o senso humano irrita: —
Ele que doira a noite e ilumina a cidade,
Talvez não tenha luz na choupana em que habita.
Tanta gente também nos outros insinua
Crenças, religiões, amor, felicidade,
Como este acendedor de lampiões da rua!

FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto leitura e redação. 13. ed. São Paulo: Editora Ática, 1997.

No verso “Quando a sombra da noite enegrece o poente!”, o núcleo do sujeito é

a) noite.
b) poente.
c) sombra.
d) da noite.
e) a sombra da noite.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806883

Questão 1011: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Já _______ anos, ______ nesta cidade lampiões. Hoje, só _______ postes de luz.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) faz / havia / existia


b) faz / havia / existem
c) fazem / havia / existia
d) fazem / havia / existem
e) fazem / haviam / existem
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806884

Questão 1012: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
A alternativa em que a palavra “bastante(s)” está corretamente empregada de acordo com a norma da língua culta é

a) vimos bastante artigos sobre acne na biblioteca.


b) já há bastantes alunos para o primeiro dia de aula.
c) bastantes alunos foram às ruas para protestar contra a corrupção.
d) os meninos estavam bastantes confiantes, pois não tinham mais acne.
e) todos os adolescentes estavam bastantes alegres no primeiro dia de aula.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806885

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 8/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Questão 1013: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018
Assunto:
No trecho “Nunca existiram tantas possibilidades de acabar com a acne como hoje.”, a alternativa que apresenta a forma verbal correta que substitui o verbo existir por
haver, mantendo-se o mesmo tempo verbal, é

a) havia.
b) houve.
c) haviam.
d) haveriam.
e) houveram.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806886

Questão 1014: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
O cargo e a experiência de defensor ___________________ davam-lhe a parcimônia com que solucionava as questões que lhe__________________________.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) acumulada / apresentava
b) acumulado / apresentava
c) acumulados / apresentava
d) acumulado / apresentavam
e) acumulados / apresentavam
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806887

Questão 1015: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Decidimos fazer uma _______________ extra para deliberarmos como será o novo testamento, pois a __________________ do capital foi autorizada pelo doador.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) seção / cessão
b) seção / sessão
c) sessão / seção
d) sessão / cessão
e) cessão / sessão
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806888

Questão 1016: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Leia o texto 4 para responder as questões abaixo.

Texto 4.

O Último Computador
Luís Fernando Veríssimo

Um dia, todos os computadores do mundo estarão ligados num único e definitivo sistema, e o centro do sistema será na cidade de Duluth, nos Estados Unidos. Toda
memória e toda informação da humanidade estarão no Último Computador. As pessoas não precisarão ter relógios individuais, calculadoras portáteis, livros etc. Tudo o
que quiserem fazer – compras, contas, reservas – e tudo que desejarem saber estará ao alcance de um dedo. Todos os lares do mundo terão terminais do Último
Computador. Haverá telas e botões do Último Computador em todos os lugares frequentados pelo homem, desde o mictório ao espaço. E um dia, um garoto perguntará a
seu pai:

– Pai, quanto é dois mais dois?

– Não pergunte a mim, pergunte a Ele.

O garoto apertará o botão e, num milésimo de segundo, a resposta aparecerá na tela mais próxima. E, então, o garoto perguntará:

– Como é que eu sei que isso está certo?

– Ora, ele nunca erra.

– Mas se desta vez errou

– Não errou. Conte nos dedos.

– Contar nos dedos?

– Uma coisa que os antigos faziam. Meu avô me contou. Levante dois dedos, depois mais dois.... Olhe aí. Um, dois, três, quatro. Dois mais dois quatro. O computador
está certo.

– Bacana. Mas, pai: e 366 mais 17? Não dá para contar nos dedos. Jamais vamos saber se a resposta do Computador está certa ou não.

– É...

– E se for mentira do Computador?

– Meu filho, uma mentira que não pode ser desmentida é a verdade.

Quer dizer, estaremos irremediavelmente dominados pela técnica, mas sobrará a filosofia.
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 9/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Disponível em: <http://dialogoeducacional.blogspot.com.br/2011/11/prova-de-portugues-8-ano-interpretacao.html>. Acesso em: 27


mar. 2018.
Sobre o texto 4, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) O diálogo entre o pai e seu filho representa a manipulação da verdade.

( ) O texto apresenta um futuro sem nenhum tipo de comunicação humana, somente a tecnológica.

( ) A tecnologia não acabará com a reflexão humana sobre os fatos, ou seja, não acabará com o ato de filosofar.

( ) A tecnologia não deterá a curiosidade humana. Ela esteve presente no questionamento que a criança fez ao seu pai.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) VVFV
b) VVFF
c) VFFF
d) FFVV
e) FVFV
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806890

Questão 1017: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Leia o texto 4 para responder as questões abaixo.

Texto 4.

O Último Computador
Luís Fernando Veríssimo

Um dia, todos os computadores do mundo estarão ligados num único e definitivo sistema, e o centro do sistema será na cidade de Duluth, nos Estados Unidos. Toda
memória e toda informação da humanidade estarão no Último Computador. As pessoas não precisarão ter relógios individuais, calculadoras portáteis, livros etc. Tudo o
que quiserem fazer – compras, contas, reservas – e tudo que desejarem saber estará ao alcance de um dedo. Todos os lares do mundo terão terminais do Último
Computador. Haverá telas e botões do Último Computador em todos os lugares frequentados pelo homem, desde o mictório ao espaço. E um dia, um garoto perguntará a
seu pai:

– Pai, quanto é dois mais dois?

– Não pergunte a mim, pergunte a Ele.

O garoto apertará o botão e, num milésimo de segundo, a resposta aparecerá na tela mais próxima. E, então, o garoto perguntará:

– Como é que eu sei que isso está certo?

– Ora, ele nunca erra.

– Mas se desta vez errou

– Não errou. Conte nos dedos.

– Contar nos dedos?

– Uma coisa que os antigos faziam. Meu avô me contou. Levante dois dedos, depois mais dois.... Olhe aí. Um, dois, três, quatro. Dois mais dois quatro. O computador
está certo.

– Bacana. Mas, pai: e 366 mais 17? Não dá para contar nos dedos. Jamais vamos saber se a resposta do Computador está certa ou não.

– É...

– E se for mentira do Computador?

– Meu filho, uma mentira que não pode ser desmentida é a verdade.

Quer dizer, estaremos irremediavelmente dominados pela técnica, mas sobrará a filosofia.

Disponível em: <http://dialogoeducacional.blogspot.com.br/2011/11/prova-de-portugues-8-ano-interpretacao.html>. Acesso em: 27


mar. 2018.
O texto 4 é, essencialmente,

a) injuntivo.
b) narrativo.
c) descritivo.
d) explicativo.
e) dissertativo.

Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806891

Questão 1018: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Leia o texto 4 para responder as questões abaixo.

Texto 4.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 10/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
O Último Computador
Luís Fernando Veríssimo

Um dia, todos os computadores do mundo estarão ligados num único e definitivo sistema, e o centro do sistema será na cidade de Duluth, nos Estados Unidos. Toda
memória e toda informação da humanidade estarão no Último Computador. As pessoas não precisarão ter relógios individuais, calculadoras portáteis, livros etc. Tudo o
que quiserem fazer – compras, contas, reservas – e tudo que desejarem saber estará ao alcance de um dedo. Todos os lares do mundo terão terminais do Último
Computador. Haverá telas e botões do Último Computador em todos os lugares frequentados pelo homem, desde o mictório ao espaço. E um dia, um garoto perguntará a
seu pai:

– Pai, quanto é dois mais dois?

– Não pergunte a mim, pergunte a Ele.

O garoto apertará o botão e, num milésimo de segundo, a resposta aparecerá na tela mais próxima. E, então, o garoto perguntará:

– Como é que eu sei que isso está certo?

– Ora, ele nunca erra.

– Mas se desta vez errou

– Não errou. Conte nos dedos.

– Contar nos dedos?

– Uma coisa que os antigos faziam. Meu avô me contou. Levante dois dedos, depois mais dois.... Olhe aí. Um, dois, três, quatro. Dois mais dois quatro. O computador
está certo.

– Bacana. Mas, pai: e 366 mais 17? Não dá para contar nos dedos. Jamais vamos saber se a resposta do Computador está certa ou não.

– É...

– E se for mentira do Computador?

– Meu filho, uma mentira que não pode ser desmentida é a verdade.

Quer dizer, estaremos irremediavelmente dominados pela técnica, mas sobrará a filosofia.

Disponível em: <http://dialogoeducacional.blogspot.com.br/2011/11/prova-de-portugues-8-ano-interpretacao.html>. Acesso em: 27


mar. 2018.
A principal mensagem do texto 4 é que a tecnologia

a) construirá um mundo mais igual.


b) mudará a economia mundial e construirá seres superiores a nós.
c) não mudará a curiosidade humana e a sua capacidade de pensar.
d) fará tudo para nós. Não precisaremos pensar. Ela pensará por nós.
e) modificará os hábitos das pessoas para estreitar os laços familiares.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806892

Questão 1019: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Leia o texto 4 para responder as questões abaixo.

Texto 4.

O Último Computador
Luís Fernando Veríssimo

Um dia, todos os computadores do mundo estarão ligados num único e definitivo sistema, e o centro do sistema será na cidade de Duluth, nos Estados Unidos. Toda
memória e toda informação da humanidade estarão no Último Computador. As pessoas não precisarão ter relógios individuais, calculadoras portáteis, livros etc. Tudo o
que quiserem fazer – compras, contas, reservas – e tudo que desejarem saber estará ao alcance de um dedo. Todos os lares do mundo terão terminais do Último
Computador. Haverá telas e botões do Último Computador em todos os lugares frequentados pelo homem, desde o mictório ao espaço. E um dia, um garoto perguntará a
seu pai:

– Pai, quanto é dois mais dois?

– Não pergunte a mim, pergunte a Ele.

O garoto apertará o botão e, num milésimo de segundo, a resposta aparecerá na tela mais próxima. E, então, o garoto perguntará:

– Como é que eu sei que isso está certo?

– Ora, ele nunca erra.

– Mas se desta vez errou

– Não errou. Conte nos dedos.

– Contar nos dedos?

– Uma coisa que os antigos faziam. Meu avô me contou. Levante dois dedos, depois mais dois.... Olhe aí. Um, dois, três, quatro. Dois mais dois quatro. O computador
está certo.

– Bacana. Mas, pai: e 366 mais 17? Não dá para contar nos dedos. Jamais vamos saber se a resposta do Computador está certa ou não.

– É...

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 11/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
– E se for mentira do Computador?

– Meu filho, uma mentira que não pode ser desmentida é a verdade.

Quer dizer, estaremos irremediavelmente dominados pela técnica, mas sobrará a filosofia.

Disponível em: <http://dialogoeducacional.blogspot.com.br/2011/11/prova-de-portugues-8-ano-interpretacao.html>. Acesso em: 27


mar. 2018.
Os tempos verbais indicam o momento em que ocorre a ação. No primeiro parágrafo do texto 4, o tempo verbal mais presente é

a) futuro do subjuntivo.
b) presente do indicativo.
c) presente do subjuntivo.
d) futuro do pretérito do indicativo.
e) futuro de presente do indicativo.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806893

Questão 1020: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2018


Assunto:
Leia a tirinha abaixo e responda a questão a seguir.

Disponível em:
<https://www.google.com.br/search?q=quadrinhos&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjI3MeKwYraAhVGIpAKHV6KC7
QQ_AUICigB&biw=1600&bih=745#imgrc=lLYhSMG5fr4L-M:>. Acesso em: 26 mar. 2018.

Sobre o termo “agora” apresentado no quadro 1, é correto afirmar que é um advérbio de

a) lugar.
b) modo.
c) tempo.
d) dúvida.
e) intensidade.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806894

Questão 1021: CEFETBAHIA - ACE (Mulungu do M)/Pref Mulungu do M/2018


Assunto:
Leia o trecho a seguir e verifique a forma correta de preencher as lacunas de acordo com a norma culta.

__________ vários registros errados no cadastro, mas não ___________ restrições para o atendimento. A circunstância dessas ocorrências _____________ retrabalho.

Considerando as regras de concordância, a alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) Havia / existe / ocasionam


b) Haviam / existe / ocasiona
c) Havia / existem / ocasiona
d) Haviam / existem / ocasiona
e) Haviam / existem / ocasionam
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/814890

Questão 1022: CEFETBAHIA - ACE (Mulungu do M)/Pref Mulungu do M/2018


Assunto:
De acordo com o novo acordo ortográfico, a alternativa que contém o correto emprego do hífen é

a) anti-social
b) semi-rígido
c) para-quedas
d) afro-brasileiro
e) afro-descendente
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/814891

Questão 1023: CEFETBAHIA - ACE (Mulungu do M)/Pref Mulungu do M/2018


Assunto:

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 12/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Considerando a regência verbal de acordo com a norma culta, preencha as lacunas.

Precisamos _____________ Mulungu do Morro bem cedo, porém devemos __________________ limite de velocidade da via, porque o excesso de velocidade
______________ multas.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) chegar a / obedecer ao / implica


b) chegar em / obedecer o / implica
c) chegar em / obedecer ao / implica
d) chegar a / obedecer ao / implica em
e) chegar em / obedecer o / implica em
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/814893

Questão 1024: CEFETBAHIA - ACE (Mulungu do M)/Pref Mulungu do M/2018


Assunto:
De acordo com o novo acordo ortográfico, a alternativa em que todas as palavras estão grafadas corretamente é

a) períto / ruím / têxtil


b) álibi / refém / inédito
c) antídoto / rúbrica / míope
d) álcool / álcoolatra / fortúito
e) gratuíto / cônjuge / ínterim
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/814895

Questão 1025: CEFETBAHIA - ACE (Mulungu do M)/Pref Mulungu do M/2018


Assunto:
De acordo com a norma culta, preencha as lacunas do trecho a seguir.

O serviço foi ___________ e com capricho, por isso eu fico _______________ para indicar João para outras pessoas, ______________ informo que o preço é
___________ do mercado.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) bem feito / a vontade / com tudo / acima


b) bem-feito / a vontade / com tudo / acima
c) bem feito / à vontade / contudo / a cima
d) benfeito / a vontade / com tudo / a cima
e) bem-feito / à vontade / contudo / acima
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/814900

Questão 1026: CEFETBAHIA - Tec (Pref Irecê)/Pref Irecê/Agrícola/2017


Assunto:
Mal aproveitado no Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água.

Tente imaginar as cidades brasileiras vistas de cima. Agora repare no desperdício que é a soma dos telhados de todas as edificações.

O modelo construtivo convencional banalizou a função dessa parte de casas, prédios, escolas, ginásios, estádios etc. Ainda hoje, ensina-se em muitos cursos de
engenharia e arquitetura que o telhado é apenas um telhado.

Um reles arremate que cobre o que está embaixo. Não seria exagero chamar a isso de crime de lesa- cidade. No século 21, essas áreas ganham progressivamente
importância e prestígio na promoção da qualidade de vida de seus donos com múltiplos usos inteligentes. Quem mora em São Paulo aprendeu isso na raça. No auge da
crise hídrica, muita gente adaptou às pressas o telhado para captar água de chuva.

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), uma casa com 100 m² de área de telhado no centro da capital paulista pode captar água suficiente para abastecer uma
família de quatro pessoas em suas necessidades de limpeza e descarga do vaso sanitário, por exemplo.

Dependendo da localização, o telhado pode ser uma miniusina solar. Um kit completo, incluindo inversores e outros acessórios, custa cerca de R$ 15 mil e é capaz de
reduzir em até 80% a conta de luz, com o retorno do capital investido em, no máximo, 12 anos. É caro, mas o valor vem caindo 5% ao ano.

O telhado verde, com o plantio de certas espécies mais indicadas para esse fim, promove o isolamento térmico e acústico e, se desejar, captação de água de chuva. Tudo
isso sem falar no ar caprichoso da casa, que fica parecendo ter saído de um conto de fada dos irmãos Grimm.

Quer experimentar algo mais simples e barato? Pinte todo o telhado com tinta branca reflexiva e reduza em até 70% a temperatura no interior da construção, além de
refletir os raios solares que agravam o efeito estufa. Um projeto simples, de eficácia indiscutível e que assegura bem-estar pessoal e munição extra contra o aquecimento
global.

Faltou ainda falar das lajes, que permitem ter jardins e hortas. Mas isso já é outra história.

TRIGUEIRO, André. Mal aproveitado no


Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água. Disponível em:< http://www1.folha.uol.com.br/colunas/andre-trigueiro/2016/07/1794595-mal-aproveitado-no-brasil-telhado-de-casas-pode-gerarenergia- e-
captar- agua.shtml>. Acesso em 14 ago. 2017 (Adaptado).

No trecho “O modelo construtivo convencional banalizou a função dessa parte de casas [...]”, a palavra em destaque pode ser substituída sem prejuízo de sentido por

a) mudou.
b) ampliou.
c) valorizou.
d) descaracterizou.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 13/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
e) tornou insignificante.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/731580

Questão 1027: CEFETBAHIA - Tec (Pref Irecê)/Pref Irecê/Agrícola/2017


Assunto:
Mal aproveitado no Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água.

Tente imaginar as cidades brasileiras vistas de cima. Agora repare no desperdício que é a soma dos telhados de todas as edificações.

O modelo construtivo convencional banalizou a função dessa parte de casas, prédios, escolas, ginásios, estádios etc. Ainda hoje, ensina-se em muitos cursos de
engenharia e arquitetura que o telhado é apenas um telhado.

Um reles arremate que cobre o que está embaixo. Não seria exagero chamar a isso de crime de lesa- cidade. No século 21, essas áreas ganham progressivamente
importância e prestígio na promoção da qualidade de vida de seus donos com múltiplos usos inteligentes. Quem mora em São Paulo aprendeu isso na raça. No auge da
crise hídrica, muita gente adaptou às pressas o telhado para captar água de chuva.

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), uma casa com 100 m² de área de telhado no centro da capital paulista pode captar água suficiente para abastecer uma
família de quatro pessoas em suas necessidades de limpeza e descarga do vaso sanitário, por exemplo.

Dependendo da localização, o telhado pode ser uma miniusina solar. Um kit completo, incluindo inversores e outros acessórios, custa cerca de R$ 15 mil e é capaz de
reduzir em até 80% a conta de luz, com o retorno do capital investido em, no máximo, 12 anos. É caro, mas o valor vem caindo 5% ao ano.

O telhado verde, com o plantio de certas espécies mais indicadas para esse fim, promove o isolamento térmico e acústico e, se desejar, captação de água de chuva. Tudo
isso sem falar no ar caprichoso da casa, que fica parecendo ter saído de um conto de fada dos irmãos Grimm.

Quer experimentar algo mais simples e barato? Pinte todo o telhado com tinta branca reflexiva e reduza em até 70% a temperatura no interior da construção, além de
refletir os raios solares que agravam o efeito estufa. Um projeto simples, de eficácia indiscutível e que assegura bem-estar pessoal e munição extra contra o aquecimento
global.

Faltou ainda falar das lajes, que permitem ter jardins e hortas. Mas isso já é outra história.

TRIGUEIRO, André. Mal aproveitado no


Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água. Disponível em:< http://www1.folha.uol.com.br/colunas/andre-trigueiro/2016/07/1794595-mal-aproveitado-no-brasil-telhado-de-casas-pode-gerarenergia- e-
captar- agua.shtml>. Acesso em 14 ago. 2017 (Adaptado).

Todas as palavras proparoxítonas são acentuadas. A alternativa que contém uma palavra acentuada por essa razão é

a) está
b) água
c) história
d) hídrica
e) localização
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/731582

Questão 1028: CEFETBAHIA - Tec (Pref Irecê)/Pref Irecê/Agrícola/2017


Assunto:
Mal aproveitado no Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água.

Tente imaginar as cidades brasileiras vistas de cima. Agora repare no desperdício que é a soma dos telhados de todas as edificações.

O modelo construtivo convencional banalizou a função dessa parte de casas, prédios, escolas, ginásios, estádios etc. Ainda hoje, ensina-se em muitos cursos de
engenharia e arquitetura que o telhado é apenas um telhado.

Um reles arremate que cobre o que está embaixo. Não seria exagero chamar a isso de crime de lesa- cidade. No século 21, essas áreas ganham progressivamente
importância e prestígio na promoção da qualidade de vida de seus donos com múltiplos usos inteligentes. Quem mora em São Paulo aprendeu isso na raça. No auge da
crise hídrica, muita gente adaptou às pressas o telhado para captar água de chuva.

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), uma casa com 100 m² de área de telhado no centro da capital paulista pode captar água suficiente para abastecer uma
família de quatro pessoas em suas necessidades de limpeza e descarga do vaso sanitário, por exemplo.

Dependendo da localização, o telhado pode ser uma miniusina solar. Um kit completo, incluindo inversores e outros acessórios, custa cerca de R$ 15 mil e é capaz de
reduzir em até 80% a conta de luz, com o retorno do capital investido em, no máximo, 12 anos. É caro, mas o valor vem caindo 5% ao ano.

O telhado verde, com o plantio de certas espécies mais indicadas para esse fim, promove o isolamento térmico e acústico e, se desejar, captação de água de chuva. Tudo
isso sem falar no ar caprichoso da casa, que fica parecendo ter saído de um conto de fada dos irmãos Grimm.

Quer experimentar algo mais simples e barato? Pinte todo o telhado com tinta branca reflexiva e reduza em até 70% a temperatura no interior da construção, além de
refletir os raios solares que agravam o efeito estufa. Um projeto simples, de eficácia indiscutível e que assegura bem-estar pessoal e munição extra contra o aquecimento
global.

Faltou ainda falar das lajes, que permitem ter jardins e hortas. Mas isso já é outra história.

TRIGUEIRO, André. Mal aproveitado no


Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água. Disponível em:< http://www1.folha.uol.com.br/colunas/andre-trigueiro/2016/07/1794595-mal-aproveitado-no-brasil-telhado-de-casas-pode-gerarenergia- e-
captar- agua.shtml>. Acesso em 14 ago. 2017 (Adaptado).
No trecho “[...] que fica parecendo ter saído de um conto de fada dos irmãos Grimm”. A palavra em destaque se refere a

a) casa.
b) telhado verde.
c) isolamento térmico.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 14/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
d) plantio de certas espécies.
e) captação de água da chuva.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/731584

Questão 1029: CEFETBAHIA - Tec (Pref Irecê)/Pref Irecê/Agrícola/2017


Assunto:
Mal aproveitado no Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água.

Tente imaginar as cidades brasileiras vistas de cima. Agora repare no desperdício que é a soma dos telhados de todas as edificações.

O modelo construtivo convencional banalizou a função dessa parte de casas, prédios, escolas, ginásios, estádios etc. Ainda hoje, ensina-se em muitos cursos de
engenharia e arquitetura que o telhado é apenas um telhado.

Um reles arremate que cobre o que está embaixo. Não seria exagero chamar a isso de crime de lesa- cidade. No século 21, essas áreas ganham progressivamente
importância e prestígio na promoção da qualidade de vida de seus donos com múltiplos usos inteligentes. Quem mora em São Paulo aprendeu isso na raça. No auge da
crise hídrica, muita gente adaptou às pressas o telhado para captar água de chuva.

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), uma casa com 100 m² de área de telhado no centro da capital paulista pode captar água suficiente para abastecer uma
família de quatro pessoas em suas necessidades de limpeza e descarga do vaso sanitário, por exemplo.

Dependendo da localização, o telhado pode ser uma miniusina solar. Um kit completo, incluindo inversores e outros acessórios, custa cerca de R$ 15 mil e é capaz de
reduzir em até 80% a conta de luz, com o retorno do capital investido em, no máximo, 12 anos. É caro, mas o valor vem caindo 5% ao ano.

O telhado verde, com o plantio de certas espécies mais indicadas para esse fim, promove o isolamento térmico e acústico e, se desejar, captação de água de chuva. Tudo
isso sem falar no ar caprichoso da casa, que fica parecendo ter saído de um conto de fada dos irmãos Grimm.

Quer experimentar algo mais simples e barato? Pinte todo o telhado com tinta branca reflexiva e reduza em até 70% a temperatura no interior da construção, além de
refletir os raios solares que agravam o efeito estufa. Um projeto simples, de eficácia indiscutível e que assegura bem-estar pessoal e munição extra contra o aquecimento
global.

Faltou ainda falar das lajes, que permitem ter jardins e hortas. Mas isso já é outra história.

TRIGUEIRO, André. Mal aproveitado no


Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água. Disponível em:< http://www1.folha.uol.com.br/colunas/andre-trigueiro/2016/07/1794595-mal-aproveitado-no-brasil-telhado-de-casas-pode-gerarenergia- e-
captar- agua.shtml>. Acesso em 14 ago. 2017 (Adaptado).

“Ainda hoje, ensina-se em muitos cursos de engenharia e arquitetura que o telhado é apenas um telhado.”.

A palavra destacada no trecho acima é utilizada com o valor semântico de

a) inclusão.
b) realce.
c) retificação.
d) exclusividade.
e) explicação.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/731586

Questão 1030: CEFETBAHIA - Tec (Pref Irecê)/Pref Irecê/Agrícola/2017


Assunto:
Mal aproveitado no Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água.

Tente imaginar as cidades brasileiras vistas de cima. Agora repare no desperdício que é a soma dos telhados de todas as edificações.

O modelo construtivo convencional banalizou a função dessa parte de casas, prédios, escolas, ginásios, estádios etc. Ainda hoje, ensina-se em muitos cursos de
engenharia e arquitetura que o telhado é apenas um telhado.

Um reles arremate que cobre o que está embaixo. Não seria exagero chamar a isso de crime de lesa- cidade. No século 21, essas áreas ganham progressivamente
importância e prestígio na promoção da qualidade de vida de seus donos com múltiplos usos inteligentes. Quem mora em São Paulo aprendeu isso na raça. No auge da
crise hídrica, muita gente adaptou às pressas o telhado para captar água de chuva.

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), uma casa com 100 m² de área de telhado no centro da capital paulista pode captar água suficiente para abastecer uma
família de quatro pessoas em suas necessidades de limpeza e descarga do vaso sanitário, por exemplo.

Dependendo da localização, o telhado pode ser uma miniusina solar. Um kit completo, incluindo inversores e outros acessórios, custa cerca de R$ 15 mil e é capaz de
reduzir em até 80% a conta de luz, com o retorno do capital investido em, no máximo, 12 anos. É caro, mas o valor vem caindo 5% ao ano.

O telhado verde, com o plantio de certas espécies mais indicadas para esse fim, promove o isolamento térmico e acústico e, se desejar, captação de água de chuva. Tudo
isso sem falar no ar caprichoso da casa, que fica parecendo ter saído de um conto de fada dos irmãos Grimm.

Quer experimentar algo mais simples e barato? Pinte todo o telhado com tinta branca reflexiva e reduza em até 70% a temperatura no interior da construção, além de
refletir os raios solares que agravam o efeito estufa. Um projeto simples, de eficácia indiscutível e que assegura bem-estar pessoal e munição extra contra o aquecimento
global.

Faltou ainda falar das lajes, que permitem ter jardins e hortas. Mas isso já é outra história.

TRIGUEIRO, André. Mal aproveitado no


Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água. Disponível em:< http://www1.folha.uol.com.br/colunas/andre-trigueiro/2016/07/1794595-mal-aproveitado-no-brasil-telhado-de-casas-pode-gerarenergia- e-
captar- agua.shtml>. Acesso em 14 ago. 2017 (Adaptado).

“Quem mora em São Paulo aprendeu isso na raça. No auge da crise hídrica, muita gente adaptou às pressas o telhado para captar água de chuva.”
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 15/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

A expressão em destaque pode ser substituída sem prejuízo de sentido por

a) fluvial.
b) pluvial.
c) celeste.
d) rupestre.
e) silvestre.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/731589

Questão 1031: CEFETBAHIA - Tec (Pref Irecê)/Pref Irecê/Agrícola/2017


Assunto:
Mal aproveitado no Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água.

Tente imaginar as cidades brasileiras vistas de cima. Agora repare no desperdício que é a soma dos telhados de todas as edificações.

O modelo construtivo convencional banalizou a função dessa parte de casas, prédios, escolas, ginásios, estádios etc. Ainda hoje, ensina-se em muitos cursos de
engenharia e arquitetura que o telhado é apenas um telhado.

Um reles arremate que cobre o que está embaixo. Não seria exagero chamar a isso de crime de lesa- cidade. No século 21, essas áreas ganham progressivamente
importância e prestígio na promoção da qualidade de vida de seus donos com múltiplos usos inteligentes. Quem mora em São Paulo aprendeu isso na raça. No auge da
crise hídrica, muita gente adaptou às pressas o telhado para captar água de chuva.

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), uma casa com 100 m² de área de telhado no centro da capital paulista pode captar água suficiente para abastecer uma
família de quatro pessoas em suas necessidades de limpeza e descarga do vaso sanitário, por exemplo.

Dependendo da localização, o telhado pode ser uma miniusina solar. Um kit completo, incluindo inversores e outros acessórios, custa cerca de R$ 15 mil e é capaz de
reduzir em até 80% a conta de luz, com o retorno do capital investido em, no máximo, 12 anos. É caro, mas o valor vem caindo 5% ao ano.

O telhado verde, com o plantio de certas espécies mais indicadas para esse fim, promove o isolamento térmico e acústico e, se desejar, captação de água de chuva. Tudo
isso sem falar no ar caprichoso da casa, que fica parecendo ter saído de um conto de fada dos irmãos Grimm.

Quer experimentar algo mais simples e barato? Pinte todo o telhado com tinta branca reflexiva e reduza em até 70% a temperatura no interior da construção, além de
refletir os raios solares que agravam o efeito estufa. Um projeto simples, de eficácia indiscutível e que assegura bem-estar pessoal e munição extra contra o aquecimento
global.

Faltou ainda falar das lajes, que permitem ter jardins e hortas. Mas isso já é outra história.

TRIGUEIRO, André. Mal aproveitado no


Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água. Disponível em:< http://www1.folha.uol.com.br/colunas/andre-trigueiro/2016/07/1794595-mal-aproveitado-no-brasil-telhado-de-casas-pode-gerarenergia- e-
captar- agua.shtml>. Acesso em 14 ago. 2017 (Adaptado).
“Quer experimentar algo mais simples e barato?”.

A expressão destacada no trecho acima pode ser substituída sem prejuízo de sentido por

a) simplório.
b) simplético.
c) simplicista.
d) simplificável.
e) simplicíssimo.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/731591

Questão 1032: CEFETBAHIA - Tec (Pref Irecê)/Pref Irecê/Agrícola/2017


Assunto:
Mal aproveitado no Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água.

Tente imaginar as cidades brasileiras vistas de cima. Agora repare no desperdício que é a soma dos telhados de todas as edificações.

O modelo construtivo convencional banalizou a função dessa parte de casas, prédios, escolas, ginásios, estádios etc. Ainda hoje, ensina-se em muitos cursos de
engenharia e arquitetura que o telhado é apenas um telhado.

Um reles arremate que cobre o que está embaixo. Não seria exagero chamar a isso de crime de lesa- cidade. No século 21, essas áreas ganham progressivamente
importância e prestígio na promoção da qualidade de vida de seus donos com múltiplos usos inteligentes. Quem mora em São Paulo aprendeu isso na raça. No auge da
crise hídrica, muita gente adaptou às pressas o telhado para captar água de chuva.

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), uma casa com 100 m² de área de telhado no centro da capital paulista pode captar água suficiente para abastecer uma
família de quatro pessoas em suas necessidades de limpeza e descarga do vaso sanitário, por exemplo.

Dependendo da localização, o telhado pode ser uma miniusina solar. Um kit completo, incluindo inversores e outros acessórios, custa cerca de R$ 15 mil e é capaz de
reduzir em até 80% a conta de luz, com o retorno do capital investido em, no máximo, 12 anos. É caro, mas o valor vem caindo 5% ao ano.

O telhado verde, com o plantio de certas espécies mais indicadas para esse fim, promove o isolamento térmico e acústico e, se desejar, captação de água de chuva. Tudo
isso sem falar no ar caprichoso da casa, que fica parecendo ter saído de um conto de fada dos irmãos Grimm.

Quer experimentar algo mais simples e barato? Pinte todo o telhado com tinta branca reflexiva e reduza em até 70% a temperatura no interior da construção, além de
refletir os raios solares que agravam o efeito estufa. Um projeto simples, de eficácia indiscutível e que assegura bem-estar pessoal e munição extra contra o aquecimento
global.

Faltou ainda falar das lajes, que permitem ter jardins e hortas. Mas isso já é outra história.

TRIGUEIRO, André. Mal aproveitado no


https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 16/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Brasil, telhado de casas pode gerar energia e captar água. Disponível em:< http://www1.folha.uol.com.br/colunas/andre-trigueiro/2016/07/1794595-mal-aproveitado-no-brasil-telhado-de-casas-pode-gerarenergia- e-
captar- agua.shtml>. Acesso em 14 ago. 2017 (Adaptado).

“É caro, mas o valor vem caindo 5% ao ano.” .

A expressão destacada no trecho acima expressa o sentido de

a) escolha.
b) oposição.
c) acréscimo.
d) conclusão.
e) explicação.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/731595

Questão 1033: CEFETBAHIA - Tec (Pref Irecê)/Pref Irecê/Agrícola/2017


Assunto:
Considerando a correta grafia das palavras, preencha as lacunas a seguir.

EN__ADA TRA__E HOSPITALI__AR ANALI__AR DEMI__ÃO

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas das palavras acima grafadas é

a) X / J/ Z/ S / SS
b) X/J/Z/Z/Ç
c) CH / J / S / Z / Ç
d) X / G / Z / S/ SS
e) CH / G / Z / S / SS
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/731598

Questão 1034: CEFETBAHIA - Tec (Pref Irecê)/Pref Irecê/Agrícola/2017


Assunto:

Fonte: Google Imagens (2017)


A alternativa que apresenta todas as palavras grafadas corretamente, de acordo com novo acordo ortográfico, é

a) anti-aderente e anti-inflamatório.
b) anti-higiênco e hipo-suficiente.
c) pós-operatório e micro-ônibus.
d) extra-escolar e hiper-hidrose.
e) semi-final e infra-estrutura.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/731601

Questão 1035: CEFETBAHIA - Tec (Pref Irecê)/Pref Irecê/Agrícola/2017


Assunto:

Fonte: Google Imagens (2017)


Os auditores trabalharam ______________ para concluir o relatório. É ______________ disposição para esse trabalho. Seguem ___________ os documentos.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) bastante / necessário / anexo


b) bastante / necessária / anexo

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 17/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
c) bastante / necessário / anexos
d) bastantes / necessário / anexos
e) bastantes / necessária / anexos
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/731602

Questão 1036: CEFETBAHIA - Ass Soc (Pref Irecê)/Pref Irecê/Hospital Municipal e Demais Programas de Saúde/2017
Assunto:
Leia o texto 1 para responder à questão.

Texto 1

Fonte: google Imagens (2017)

Sobre o vocábulo “pneus”, no texto 1, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) O uso do vocábulo pneus no texto 1 é um exemplo de polissemia.


( ) O vocábulo pneus, nos dois quadros, pertence a mesma classe gramatical.
( ) No quadro 1, a palavra “pneus” apresenta sentido denotativo e no quadro 2 conotativo.
( ) No quadro 1, a palavra “pneus” apresenta sentido conotativo e no quadro 2 denotativo.

A alternativa que contém a sequênca correta, de cima para baixo, é

a) VFFV
b) VFVF
c) VVFV
d) FFFV
e) FVVF
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/732680

Questão 1037: CEFETBAHIA - Ass Soc (Pref Irecê)/Pref Irecê/Hospital Municipal e Demais Programas de Saúde/2017
Assunto:
Leia o texto 1 para responder à questão.

Texto 1

Fonte: google Imagens (2017)


Sobre os vocábulos estes e esses utilizados no texto 1, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) São pronomes relativos.


( ) No quadro 1, o vocábulo “estes”, é um pronome demonstrativo adjetivo.
( ) No quadro 1, o pronome “estes” é possessivo e, no quadro 2, “esses” é um pronome demonstrativo.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 18/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
a) FVF
b) FFV
c) VFF
d) VFV
e) VVF
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/732681

Questão 1038: CEFETBAHIA - Ass Soc (Pref Irecê)/Pref Irecê/Hospital Municipal e Demais Programas de Saúde/2017
Assunto:
Considerando a norma culta, a alternativa que contém a concordância verbal correta é

a) Férias fazem bem.


b) Haviam dois alunos interessados no projeto.
c) Faz dois anos que o Hospital foi inaugurado.
d) Mais de um aluno pediram adiamento da prova.
e) Teresa ou Cristina assumirão a direção do Hospital.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/732682

Questão 1039: CEFETBAHIA - Ass Soc (Pref Irecê)/Pref Irecê/Hospital Municipal e Demais Programas de Saúde/2017
Assunto:

Vi na primeira _____________ do relatório, que, durante a _____________ solene, o artista declarou a __________ dos direitos autorais.

Considerando a semântica correta, a alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) cessão / sesão / sessão


b) sessão / sesão / cessão
c) seção / cessão / sessão
d) seção / sessão / cessão
e) cessão / sessão / sesão
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/732683

Questão 1040: CEFETBAHIA - Ass Soc (Pref Irecê)/Pref Irecê/Hospital Municipal e Demais Programas de Saúde/2017
Assunto:
Texto 2

Disponível em: Google Imagens (2017)


Sobre a justificativa para o uso das virgulas, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) No trecho “Hamlet, [...]” , a vírgula é utilizada para isolar o vocativo.

( ) No trecho “Quem são essas pessoas, papai?”, a vírgula é utilizada para isolar o aposto.

( ) O trecho “[...] quando você se casar e tiver sua própria casa [...]” é apresentado entre vírgulas para isolar a oração subordinada adverbial.

A alternativa que contém a sequênca correta, de cima para baixo, é

a) VFF
b) VFV
c) VVF
d) FVF
e) FFV
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/732684

Questão 1041: CEFETBAHIA - Ass Soc (Pref Irecê)/Pref Irecê/Hospital Municipal e Demais Programas de Saúde/2017
Assunto:

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 19/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Considerando a norma culta, a alternativa que contém a concordância nominal correta é

a) Os arquivos estão anexo.


b) Maria está meio cansada.
c) João tirou o ocúlos antes do jogo.
d) Elas mesmo contarão a história a você.
e) Vamos almoçar? Já são meio-dia e meio.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/732685

Questão 1042: CEFETBAHIA - Ass Soc (Pref Irecê)/Pref Irecê/Hospital Municipal e Demais Programas de Saúde/2017
Assunto:

Fonte: Google imagens (2017).


Considerando o emprego semanticamente correto das expressoões apresentadas na figura 2, preencha as lacunas do trecho a seguir. _________________ de cinco anos,
________ de 10 pessoas procuraram o Sr. Joaquim ____________ da ilegalidade do muro da sua propriedade, que está ________________ de um metro do rio.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima, é

a) Cerca / cerca / acerca / há cerca


b) A cerca / cerca / acerca / há cerca
c) A cerca / acerca / há cerca / cerca
d) Acerca / a cerca / há cerca / cerca
e) Há cerca / cerca / acerca / a cerca
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/732686

Questão 1043: CEFETBAHIA - Ass Soc (Pref Irecê)/Pref Irecê/Hospital Municipal e Demais Programas de Saúde/2017
Assunto:
Considerando a circunstância expressa pelos termos em detaque, numere a segunda coluna de acordo com a primeira.

(1) fim ( ) Sempre sorria.


(2) modo ( ) Ela se expressa bem
(3) tempo ( ) Realmente, ela chorou.
(4) afirmação ( ) A noite esta muito fria.
(5) intensidade ( ) Estudou para o concurso.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) 122341
b) 251345
c) 212543
d) 324512
e) 445213
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/732687

Questão 1044: CEFETBAHIA - Ass Soc (Pref Irecê)/Pref Irecê/Hospital Municipal e Demais Programas de Saúde/2017
Assunto:
Figura 1

Fonte: Google Imagens (2017)


Sobre a colocação pronominal, é correto afirmar que em _____________, a _______________ é a forma correta de colocação pronominal,
_________________________.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) “Beije-me” / próclise / por ser uma frase imperativa


b) “Abrace-me” / próclise / porque o verbo inicia a frase
c) “Abrace-me” / mesóclise / porque é uma frase exclamativa
d) “Nunca deixe-me” / ênclise / porque, antes do verbo, há uma palavra negativa

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 20/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
e) “Nunca deixe-me” / próclise / porque o adverbio não está separado por vírgula
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/732688

Questão 1045: CEFETBAHIA - Ass Soc (Pref Irecê)/Pref Irecê/Hospital Municipal e Demais Programas de Saúde/2017
Assunto:
A alternativa que contempla o uso obrigatório do acento grave indicativo de crase é

a) Vamos até à sala?


b) Entregue à suas colegas.
c) Ele entregou os livros à Maria.
d) As páginas foram corrigidas uma à uma.
e) Entregue à uma aluna do turno vespertino.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/732689

Questão 1046: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2017


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Metástase do horror

Cinco dias após o brutal massacre em Manaus, uma nova carnificina explodiu na madrugada da sexta-feira 6 em Roraima e deixou pelo menos 31 presos mortos. Os
métodos foram os mesmos da chacina no Amazonas: mutilações e esquartejamentos. Corações e vísceras das vítimas foram arrancados com facões improvisados. Tudo
registrado em fotos. As cenas da nova barbárie foram, como ocorrera na anterior, imediatamente compartilhadas nas redes sociais. [...]

Em todos os aspectos, o quadro geral dos presídios é estarrecedor. As condições sanitárias das unidades pelo país afora são geralmente degradantes. Há proliferação do
vírus da aids, de hepatite e de sífilis. A tuberculose se espalha entre os internos. A Penitenciária Lemos de Brito, a maior de Salvador, na Bahia, é um exemplo
lamentável. Em dezembro passado, havia apenas um médico para atender todos os seus 1501 presos – doze deles com HIV, quinze com tuberculose e 29 idosos.

A violência e a desordem são parte do cotidiano. Entre 2005 e 2014, 697 presos foram assassinados nas cadeias brasileiras. O número pode ser ainda maior, já que se
suspeita que alguns estados informem como morte natural – fora dessa conta, portanto – assassinatos ocorridos no interior das prisões. Na última década houve mais de
17 000 fugas em todo o país. Só no ano passado, foram 1 400. Pelo menos 13 000 detentos envolveram-se em motins ou rebeliões.

O caos nas prisões nacionais é histórico. A primeira Constituição brasileira, de 1824, já rezava: “As cadeias serão seguras, limpas, bem arejadas, havendo diversas casas
para separação dos réus, conforme suas circunstâncias e a natureza dos seus crimes. Desde já ficam abolidos os açoites, a tortura, a marca de ferro quente, e todas as
penas mais cruéis”. Há séculos, portanto, a letra fria da lei não passa de letra fria – e só quando estouram episódios de extrema violência, como as matanças da semana
passada, a crise atávica nas prisões ganha atenção. As causas de desordem são três, velhas conhecidas, que se conectam entre si. A mais óbvia é a superlotação. Outro
problema é o de fluxo: entram mais detentos nas prisões do que saem. Cerca de 3 000 presos chegam ao sistema penal brasileiro mensalmente. Se o país conseguisse
eliminar o déficit de vagas hoje, em nove meses já haveria superlotação da ordem de 30%. O terceiro problema, igualmente ligado aos dois anteriores, é o excesso de
presos provisórios, que ainda não receberam sentença – e, em última instância, podem ser inocentes. Hoje, calcula-se que sejam 250 000.

O inchaço decorre de uma política de prender muito, mas prender mal. A maior parte dos presos provisórios cometeu pequenos delitos e, dentro das prisões, torna-se
alvo fácil para as facções criminosas.[...]. Para muitos especialistas, resolver o caos brasileiro depende menos da construção de novas penitenciárias e mais do
redirecionamento das políticas de segurança.[...]

Enquanto as soluções não aparecem, os massacres [...] tendem a ser um enredo em aberto – as autoridades não admitem, mas sabem que, em meio ao caos e à guerra
da bandidagem, é grande o risco de episódios semelhantes se repetirem.

MATOS, Marcela; CAMPOS, João Pedroso de. Metástase do Horror. Veja, Rio de Janeiro, v. 2512, n.2, p.59-61, 11 jan. 2015.
(Adaptado)

De acordo com o texto 1, é correto afirmar que uma das causas da desordem no Sistema Penitenciário Brasileiro é

a) o compartilhamento das cenas de barbárie nas redes sociais.


b) a proliferação do vírus da aids, de hepatite e de sífilis nos presídios.
c) o preso provisório ser um alvo fácil para as facções existentes nos presídios.
d) o excesso de presos provisórios, que contribuem para a superlotação das cadeias.
e) o fluxo, visto que saem mais presos no sistema penitenciário brasileiro mensamente do que entram.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806209

Questão 1047: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2017


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Metástase do horror

Cinco dias após o brutal massacre em Manaus, uma nova carnificina explodiu na madrugada da sexta-feira 6 em Roraima e deixou pelo menos 31 presos mortos. Os
métodos foram os mesmos da chacina no Amazonas: mutilações e esquartejamentos. Corações e vísceras das vítimas foram arrancados com facões improvisados. Tudo
registrado em fotos. As cenas da nova barbárie foram, como ocorrera na anterior, imediatamente compartilhadas nas redes sociais. [...]

Em todos os aspectos, o quadro geral dos presídios é estarrecedor. As condições sanitárias das unidades pelo país afora são geralmente degradantes. Há proliferação do
vírus da aids, de hepatite e de sífilis. A tuberculose se espalha entre os internos. A Penitenciária Lemos de Brito, a maior de Salvador, na Bahia, é um exemplo
lamentável. Em dezembro passado, havia apenas um médico para atender todos os seus 1501 presos – doze deles com HIV, quinze com tuberculose e 29 idosos.

A violência e a desordem são parte do cotidiano. Entre 2005 e 2014, 697 presos foram assassinados nas cadeias brasileiras. O número pode ser ainda maior, já que se
suspeita que alguns estados informem como morte natural – fora dessa conta, portanto – assassinatos ocorridos no interior das prisões. Na última década houve mais de
17 000 fugas em todo o país. Só no ano passado, foram 1 400. Pelo menos 13 000 detentos envolveram-se em motins ou rebeliões.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 21/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
O caos nas prisões nacionais é histórico. A primeira Constituição brasileira, de 1824, já rezava: “As cadeias serão seguras, limpas, bem arejadas, havendo diversas casas
para separação dos réus, conforme suas circunstâncias e a natureza dos seus crimes. Desde já ficam abolidos os açoites, a tortura, a marca de ferro quente, e todas as
penas mais cruéis”. Há séculos, portanto, a letra fria da lei não passa de letra fria – e só quando estouram episódios de extrema violência, como as matanças da semana
passada, a crise atávica nas prisões ganha atenção. As causas de desordem são três, velhas conhecidas, que se conectam entre si. A mais óbvia é a superlotação. Outro
problema é o de fluxo: entram mais detentos nas prisões do que saem. Cerca de 3 000 presos chegam ao sistema penal brasileiro mensalmente. Se o país conseguisse
eliminar o déficit de vagas hoje, em nove meses já haveria superlotação da ordem de 30%. O terceiro problema, igualmente ligado aos dois anteriores, é o excesso de
presos provisórios, que ainda não receberam sentença – e, em última instância, podem ser inocentes. Hoje, calcula-se que sejam 250 000.

O inchaço decorre de uma política de prender muito, mas prender mal. A maior parte dos presos provisórios cometeu pequenos delitos e, dentro das prisões, torna-se
alvo fácil para as facções criminosas.[...]. Para muitos especialistas, resolver o caos brasileiro depende menos da construção de novas penitenciárias e mais do
redirecionamento das políticas de segurança.[...]

Enquanto as soluções não aparecem, os massacres [...] tendem a ser um enredo em aberto – as autoridades não admitem, mas sabem que, em meio ao caos e à guerra
da bandidagem, é grande o risco de episódios semelhantes se repetirem.

MATOS, Marcela; CAMPOS, João Pedroso de. Metástase do Horror. Veja, Rio de Janeiro, v. 2512, n.2, p.59-61, 11 jan. 2015.
(Adaptado)

No trecho “O inchaço decorre de uma política de prender muito, mas prender mal.”. A palavra destacada pode ser substituída, sem prejuízo de sentido de acordo com o
texto, por:

a) e
b) logo
c) todavia
d) portanto
e) mas também
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806212

Questão 1048: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2017


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Metástase do horror

Cinco dias após o brutal massacre em Manaus, uma nova carnificina explodiu na madrugada da sexta-feira 6 em Roraima e deixou pelo menos 31 presos mortos. Os
métodos foram os mesmos da chacina no Amazonas: mutilações e esquartejamentos. Corações e vísceras das vítimas foram arrancados com facões improvisados. Tudo
registrado em fotos. As cenas da nova barbárie foram, como ocorrera na anterior, imediatamente compartilhadas nas redes sociais. [...]

Em todos os aspectos, o quadro geral dos presídios é estarrecedor. As condições sanitárias das unidades pelo país(a) afora são geralmente degradantes. Há proliferação
do vírus da aids, de hepatite e de sífilis(a). A tuberculose se espalha entre os internos. A Penitenciária Lemos de Brito, a maior de Salvador, na Bahia, é um exemplo
lamentável. Em dezembro passado, havia apenas um médico para atender todos os seus 1501 presos – doze deles com HIV, quinze com tuberculose e 29 idosos.

A violência(e) e a desordem são parte do cotidiano. Entre 2005 e 2014, 697 presos foram assassinados nas cadeias brasileiras. O número pode ser ainda maior, já que se
suspeita que alguns estados informem como morte natural – fora dessa conta, portanto – assassinatos ocorridos no interior das prisões. Na última década houve mais de
17 000 fugas em todo o país. Só no ano passado, foram 1 400. Pelo menos 13 000 detentos envolveram-se em motins ou rebeliões.

O caos nas prisões nacionais é histórico(e). A primeira Constituição brasileira, de 1824, já rezava: “As cadeias serão seguras, limpas, bem arejadas, havendo diversas
casas para separação dos réus, conforme suas circunstâncias e a natureza dos seus crimes. Desde já ficam abolidos os açoites, a tortura, a marca de ferro quente, e
todas as penas mais cruéis”. Há séculos(c), portanto, a letra fria da lei não passa de letra fria – e só quando estouram episódios(d) de extrema violência, como as
matanças da semana passada, a crise atávica(c) nas prisões ganha atenção. As causas de desordem são três, velhas conhecidas, que se conectam entre si. A mais
óbvia(b) é a superlotação. Outro problema é o de fluxo: entram mais detentos nas prisões do que saem. Cerca de 3 000 presos chegam ao sistema penal brasileiro
mensalmente. Se o país conseguisse eliminar o déficit(d) de vagas hoje, em nove meses já haveria superlotação da ordem de 30%. O terceiro problema, igualmente
ligado aos dois anteriores, é o excesso de presos provisórios, que ainda não receberam sentença – e, em última instância, podem ser inocentes. Hoje, calcula-se que
sejam 250 000.

O inchaço decorre de uma política de prender muito, mas prender mal. A maior parte dos presos provisórios cometeu pequenos delitos e, dentro das prisões, torna-se
alvo fácil(b) para as facções criminosas.[...]. Para muitos especialistas, resolver o caos brasileiro depende menos da construção de novas penitenciárias e mais do
redirecionamento das políticas de segurança.[...]

Enquanto as soluções não aparecem, os massacres [...] tendem a ser um enredo em aberto – as autoridades não admitem, mas sabem que, em meio ao caos e à guerra
da bandidagem, é grande o risco de episódios semelhantes se repetirem.

MATOS, Marcela; CAMPOS, João Pedroso de. Metástase do Horror. Veja, Rio de Janeiro, v. 2512, n.2, p.59-61, 11 jan. 2015.
(Adaptado)

São palavras acentuadas pela mesma regra:

a) país e sífilis.
b) óbvia e fácil.
c) atávica e séculos.
d) episódios e déficit.
e) violência e histórico.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806218

Questão 1049: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2017


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Metástase do horror
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 22/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Cinco dias após o brutal massacre em Manaus, uma nova carnificina explodiu na madrugada da sexta-feira 6 em Roraima e deixou pelo menos 31 presos mortos. Os
métodos foram os mesmos da chacina no Amazonas: mutilações e esquartejamentos. Corações e vísceras das vítimas foram arrancados com facões improvisados. Tudo
registrado em fotos. As cenas da nova barbárie foram, como ocorrera na anterior, imediatamente compartilhadas nas redes sociais. [...]

Em todos os aspectos, o quadro geral dos presídios é estarrecedor. As condições sanitárias das unidades pelo país afora são geralmente degradantes. Há proliferação do
vírus da aids, de hepatite e de sífilis. A tuberculose se espalha entre os internos. A Penitenciária Lemos de Brito, a maior de Salvador, na Bahia, é um exemplo
lamentável. Em dezembro passado, havia apenas um médico para atender todos os seus 1501 presos – doze deles com HIV, quinze com tuberculose e 29 idosos.

A violência e a desordem são parte do cotidiano. Entre 2005 e 2014, 697 presos foram assassinados nas cadeias brasileiras. O número pode ser ainda maior, já que se
suspeita que alguns estados informem como morte natural – fora dessa conta, portanto – assassinatos ocorridos no interior das prisões. Na última década houve mais de
17 000 fugas em todo o país. Só no ano passado, foram 1 400. Pelo menos 13 000 detentos envolveram-se em motins ou rebeliões.

O caos nas prisões nacionais é histórico. A primeira Constituição brasileira, de 1824, já rezava: “As cadeias serão seguras, limpas, bem arejadas, havendo diversas casas
para separação dos réus, conforme suas circunstâncias e a natureza dos seus crimes. Desde já ficam abolidos os açoites, a tortura, a marca de ferro quente, e todas as
penas mais cruéis”. Há séculos, portanto, a letra fria da lei não passa de letra fria – e só quando estouram episódios de extrema violência, como as matanças da semana
passada, a crise atávica nas prisões ganha atenção. As causas de desordem são três, velhas conhecidas, que se conectam entre si. A mais óbvia é a superlotação. Outro
problema é o de fluxo: entram mais detentos nas prisões do que saem. Cerca de 3 000 presos chegam ao sistema penal brasileiro mensalmente. Se o país conseguisse
eliminar o déficit de vagas hoje, em nove meses já haveria superlotação da ordem de 30%. O terceiro problema, igualmente ligado aos dois anteriores, é o excesso de
presos provisórios, que ainda não receberam sentença – e, em última instância, podem ser inocentes. Hoje, calcula-se que sejam 250 000.

O inchaço decorre de uma política de prender muito, mas prender mal. A maior parte dos presos provisórios cometeu pequenos delitos e, dentro das prisões, torna-se
alvo fácil para as facções criminosas.[...]. Para muitos especialistas, resolver o caos brasileiro depende menos da construção de novas penitenciárias e mais do
redirecionamento das políticas de segurança.[...]

Enquanto as soluções não aparecem, os massacres [...] tendem a ser um enredo em aberto – as autoridades não admitem, mas sabem que, em meio ao caos e à guerra
da bandidagem, é grande o risco de episódios semelhantes se repetirem.

MATOS, Marcela; CAMPOS, João Pedroso de. Metástase do Horror. Veja, Rio de Janeiro, v. 2512, n.2, p.59-61, 11 jan. 2015.
(Adaptado)

“As cadeias serão seguras, limpas, bem arejadas, havendo diversas casas para separação dos réus, conforme suas circunstâncias e a natureza dos seus crimes. Desde já
ficam abolidos os açoites, a tortura, a marca de ferro quente, e todas as penas mais cruéis”.

Nesse trecho, o uso das aspas indica que

a) é um aposto.
b) é uma citação.
c) é uma intercalação.
d) está sendo usada com ironia.
e) está sendo usada no sentido pejorativo.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806222

Questão 1050: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2017


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Metástase do horror

Cinco dias após o brutal massacre em Manaus, uma nova carnificina explodiu na madrugada da sexta-feira 6 em Roraima e deixou pelo menos 31 presos mortos. Os
métodos foram os mesmos da chacina no Amazonas: mutilações e esquartejamentos. Corações e vísceras das vítimas foram arrancados com facões improvisados. Tudo
registrado em fotos. As cenas da nova barbárie foram, como ocorrera na anterior, imediatamente compartilhadas nas redes sociais. [...]

Em todos os aspectos, o quadro geral dos presídios é estarrecedor. As condições sanitárias das unidades pelo país afora são geralmente degradantes. Há proliferação do
vírus da aids, de hepatite e de sífilis. A tuberculose se espalha entre os internos. A Penitenciária Lemos de Brito, a maior de Salvador, na Bahia, é um exemplo
lamentável. Em dezembro passado, havia apenas um médico para atender todos os seus 1501 presos – doze deles com HIV, quinze com tuberculose e 29 idosos.

A violência e a desordem são parte do cotidiano. Entre 2005 e 2014, 697 presos foram assassinados nas cadeias brasileiras. O número pode ser ainda maior, já que se
suspeita que alguns estados informem como morte natural – fora dessa conta, portanto – assassinatos ocorridos no interior das prisões. Na última década houve mais de
17 000 fugas em todo o país. Só no ano passado, foram 1 400. Pelo menos 13 000 detentos envolveram-se em motins ou rebeliões.

O caos nas prisões nacionais é histórico. A primeira Constituição brasileira, de 1824, já rezava: “As cadeias serão seguras, limpas, bem arejadas, havendo diversas casas
para separação dos réus, conforme suas circunstâncias e a natureza dos seus crimes. Desde já ficam abolidos os açoites, a tortura, a marca de ferro quente, e todas as
penas mais cruéis”. Há séculos, portanto, a letra fria da lei não passa de letra fria – e só quando estouram episódios de extrema violência, como as matanças da semana
passada, a crise atávica nas prisões ganha atenção. As causas de desordem são três, velhas conhecidas, que se conectam entre si. A mais óbvia é a superlotação. Outro
problema é o de fluxo: entram mais detentos nas prisões do que saem. Cerca de 3 000 presos chegam ao sistema penal brasileiro mensalmente. Se o país conseguisse
eliminar o déficit de vagas hoje, em nove meses já haveria superlotação da ordem de 30%. O terceiro problema, igualmente ligado aos dois anteriores, é o excesso de
presos provisórios, que ainda não receberam sentença – e, em última instância, podem ser inocentes. Hoje, calcula-se que sejam 250 000.

O inchaço decorre de uma política de prender muito, mas prender mal. A maior parte dos presos provisórios cometeu pequenos delitos e, dentro das prisões, torna-se
alvo fácil para as facções criminosas.[...]. Para muitos especialistas, resolver o caos brasileiro depende menos da construção de novas penitenciárias e mais do
redirecionamento das políticas de segurança.[...]

Enquanto as soluções não aparecem, os massacres [...] tendem a ser um enredo em aberto – as autoridades não admitem, mas sabem que, em meio ao caos e à guerra
da bandidagem, é grande o risco de episódios semelhantes se repetirem.

MATOS, Marcela; CAMPOS, João Pedroso de. Metástase do Horror. Veja, Rio de Janeiro, v. 2512, n.2, p.59-61, 11 jan. 2015.
(Adaptado)
“Hoje, calcula-se que sejam 250 000.” (linha 26).

Nesse trecho, há um caso de colocação pronominal denominado

a) mesóclise, pelo fato do verbo iniciar a frase.


b) ênclise, atraída pelo pronome relativo “que”.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 23/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
c) próclise, atraída pelo pronome relativo “que”.
d) ênclise, devido à presença de advérbio separado por vírgula.
e) próclise, devido à presença de advérbio separado por vírgula.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806224

Questão 1051: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2017


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Metástase do horror

Cinco dias após o brutal massacre em Manaus, uma nova carnificina explodiu na madrugada da sexta-feira 6 em Roraima e deixou pelo menos 31 presos mortos. Os
métodos foram os mesmos da chacina no Amazonas: mutilações e esquartejamentos. Corações e vísceras das vítimas foram arrancados com facões improvisados. Tudo
registrado em fotos. As cenas da nova barbárie foram, como ocorrera na anterior, imediatamente compartilhadas nas redes sociais. [...]

Em todos os aspectos, o quadro geral dos presídios é estarrecedor. As condições sanitárias das unidades pelo país afora são geralmente degradantes. Há proliferação do
vírus da aids, de hepatite e de sífilis. A tuberculose se espalha entre os internos. A Penitenciária Lemos de Brito, a maior de Salvador, na Bahia, é um exemplo
lamentável. Em dezembro passado, havia apenas um médico para atender todos os seus 1501 presos – doze deles com HIV, quinze com tuberculose e 29 idosos.

A violência e a desordem são parte do cotidiano. Entre 2005 e 2014, 697 presos foram assassinados nas cadeias brasileiras. O número pode ser ainda maior, já que se
suspeita que alguns estados informem como morte natural – fora dessa conta, portanto – assassinatos ocorridos no interior das prisões. Na última década houve mais de
17 000 fugas em todo o país. Só no ano passado, foram 1 400. Pelo menos 13 000 detentos envolveram-se em motins ou rebeliões.

O caos nas prisões nacionais é histórico. A primeira Constituição brasileira, de 1824, já rezava: “As cadeias serão seguras, limpas, bem arejadas, havendo diversas casas
para separação dos réus, conforme suas circunstâncias e a natureza dos seus crimes. Desde já ficam abolidos os açoites, a tortura, a marca de ferro quente, e todas as
penas mais cruéis”. Há séculos, portanto, a letra fria da lei não passa de letra fria – e só quando estouram episódios de extrema violência, como as matanças da semana
passada, a crise atávica nas prisões ganha atenção. As causas de desordem são três, velhas conhecidas, que se conectam entre si. A mais óbvia é a superlotação. Outro
problema é o de fluxo: entram mais detentos nas prisões do que saem. Cerca de 3 000 presos chegam ao sistema penal brasileiro mensalmente. Se o país conseguisse
eliminar o déficit de vagas hoje, em nove meses já haveria superlotação da ordem de 30%. O terceiro problema, igualmente ligado aos dois anteriores, é o excesso de
presos provisórios, que ainda não receberam sentença – e, em última instância, podem ser inocentes. Hoje, calcula-se que sejam 250 000.

O inchaço decorre de uma política de prender muito, mas prender mal. A maior parte dos presos provisórios cometeu pequenos delitos e, dentro das prisões, torna-se
alvo fácil para as facções criminosas.[...]. Para muitos especialistas, resolver o caos brasileiro depende menos da construção de novas penitenciárias e mais do
redirecionamento das políticas de segurança.[...]

Enquanto as soluções não aparecem, os massacres [...] tendem a ser um enredo em aberto – as autoridades não admitem, mas sabem que, em meio ao caos e à guerra
da bandidagem, é grande o risco de episódios semelhantes se repetirem.

MATOS, Marcela; CAMPOS, João Pedroso de. Metástase do Horror. Veja, Rio de Janeiro, v. 2512, n.2, p.59-61, 11 jan. 2015.
(Adaptado)
“A Penitenciária Lemos de Brito, a maior de Salvador, na Bahia, é um exemplo lamentável”.

A justificativa para o uso das vírgulas é

a) isolar o vocativo.
b) marcar uma intercalação.
c) isolar o aposto explicativo.
d) destacar o adjunto adverbial antecipado.
e) demarcar a oração subordinada adverbial.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806226

Questão 1052: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2017


Assunto:
Compareci ___ reunião, entreguei ___ guia de pagamento ___ elas e afirmo que havia a opção de pagar ___ prazo.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é:

a) à/a/a/a
b) à/a/a/à
c) à/a/à/a
d) a/à/à/a
e) a/à/a/à
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806227

Questão 1053: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2017


Assunto:
De acordo com a lei nº 12.012, de 06 de agosto de 2009, é ____________ entrada de aparelho telefônico de comunicação móvel, de rádio ou similar, sem autorização
legal, em estabelecimento prisional, porém ________________ presos compartilharam a carnificina nas redes sociais. As fotos seguem _________.

Considerando o padrão da norma culta, a alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é:

a) proibido / bastante / anexo


b) proibida / bastante / anexo
c) proibido / bastantes / anexas
d) proibida / bastantes / anexas
e) proibida / bastante / em anexo
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806229

Questão 1054: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2017


https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 24/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Assunto:
A área ___ ela mais gosta é trabalhista, mas o desempenho na prova não foi muito bom, porque ela estava ______ cansada. _______ de duas semanas ela não dorme
direito.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) que / meio / A cerca


b) que / meia / A cerca
c) que / meio / Há cerca
d) de que / meia/ Acerca
e) de que / meio / Há cerca
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806233

Questão 1055: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2017


Assunto:
Leia o texto 2, da autoria de Alexsandro M. Medeiros para responder a questão abaixo.

Texto 2

“A democracia participativa é uma forma de exercício do poder, baseada na participação dos cidadãos nas tomadas de decisão política.

Atravessamos grande parte do século XX, acreditando que a forma Representativa era um modelo ideal para os cidadãos, que assegura a liberdade e igualdade de todos,
que isso seria o verdadeiro conceito de democracia, mas passados quase cem anos, chega-se ao fim do século XX e acredita-se numa crise existente nesse modelo de
Democracia.

Os representantes já não conseguem mais identificar e atender demandas da sociedade. A população tem se organizado melhor em torno de infinitas questões, e
conquistando melhor o espaço público e essa população tem cobrado de maneira mais efetiva de seus representantes. As exigências vêm se tornando mais complexas e
fica evidente a necessidade da participação em conjunto entre representantes e representados.

O conceito de democracia sofre então uma nova reviravolta em sua trajetória. É preciso considerar que a democracia representativa já não responde mais as demandas
da sociedade e a democracia direta parece impossível. E como síntese para a resposta dessa crise começa a se formar o conceito de democracia participativa
.”

Disponível em: <http://www.portalconscienciapolitica.com.br/ciber-democracia/democracia-participativa>. Acesso em: 22 jan. 2017.

Com base no texto 2, é correto afirmar que a democracia participativa ____________________________.

A alternativa que preenche, corretamente, a lacuna do trecho acima é

a) é idêntica à democracia direta


b) foi tentada e reprovada historicamente
c) é idêntica à democracia representativa
d) é utópica e impossível de ser efetivada
e) tem características da forma semidireta, por não desconsiderar seus representantes, mas aproximando os representados na arena política
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806271

Questão 1056: CEFETBAHIA - PEBTT (IF Baiano)/IF Baiano/Engenharia Química/2017


Assunto:
A questão refere-se ao texto a seguir. Leia-o atentamente, antes de marcar a resposta correta.

A nova maneira de organização social, praticada pela sociedade líquido-moderna de consumidores, provoca quase nenhuma dissidência, resistência ou revolta, graças ao
expediente de apresentar o novo compromisso (o de escolher) como sendo a liberdade
de escolha. Seria possível dizer que o mais considerado, criticado e insultado
oráculo de Jean-Jacques Rousseau – o de que “as pessoas devem ser forçadas a ser livres” – tornou-se realidade, depois de séculos, embora não na forma em que tanto
os ardentes seguidores como os críticos severos de Rousseau esperavam que fosse implementado.

Com muita frequência, a “localidade” a que os indivíduos permanecem leais e obedientes não entra mais em suas vidas e se confronta com eles na forma de uma
negação de sua autonomia individual, ou de um sacrifício obrigatório. Em vez disso, apresenta-se na forma de festivais de convívio e pertença comunais, divertidos,
prazerosos, realizados em ocasiões como a Copa do Mundo de futebol. Submeter-se à “totalidade” não é mais um dever adotado com relutância, incomodidade e muitas
vezes oneroso, mas um “patriotenimento”, uma folia procurada com avidez e eminentemente festiva.

Carnavais tendem a ser interrupções na rotina diária, breves intervalos animados entre sucessivos episódios de cotidianidade enfadonha, pausas em que a hierarquia
mundana de valores é temporariamente invertida, os aspectos mais angustiantes da realidade são suspensos por um breve período e os tipos de conduta proibidos ou
considerados vergonhosos na vida “normal” são ostensivamente praticados e exibidos.

A função (e o poder sedutor) dos carnavais líquido-modernos está no ressuscitamento momentâneo do convívio que entrou em colapso. Tais carnavais são sessões
espíritas para as pessoas se reunirem, darem as mãos e invocarem do outro mundo o fantasma da falecida comunidade.

(BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação de pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. Adaptado.)

Segundo Zygmunt Bauman, a compreensão de pertencimento coletivo da sociedade líquido-moderna de consumidores ocorre através do/da

a) mudança em comportamentos tradicionais.


b) empreendimento de ações comunitárias.
c) participação em celebrações recreativas.
d) exercício da autossuficiência subjetiva.
e) legitimação de atribuições cotidianas.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/826082

Questão 1057: CEFETBAHIA - PEBTT (IF Baiano)/IF Baiano/Engenharia Química/2017


Assunto:

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 25/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
A questão refere-se ao texto a seguir. Leia-o atentamente, antes de marcar a resposta correta.

A nova maneira de organização social, praticada pela sociedade líquido-moderna de consumidores, provoca quase nenhuma dissidência, resistência ou revolta, graças ao
expediente de apresentar o novo compromisso (o de escolher) como sendo a liberdade
de escolha. Seria possível dizer que o mais considerado, criticado e insultado
oráculo de Jean-Jacques Rousseau – o de que “as pessoas devem ser forçadas a ser livres” – tornou-se realidade, depois de séculos, embora não na forma em que tanto
os ardentes seguidores como os críticos severos de Rousseau esperavam que fosse implementado.

Com muita frequência, a “localidade” a que os indivíduos permanecem leais e obedientes não entra mais em suas vidas e se confronta com eles na forma de uma
negação de sua autonomia individual, ou de um sacrifício obrigatório. Em vez disso, apresenta-se na forma de festivais de convívio e pertença comunais, divertidos,
prazerosos, realizados em ocasiões como a Copa do Mundo de futebol. Submeter-se à “totalidade” não é mais um dever adotado com relutância, incomodidade e muitas
vezes oneroso, mas um “patriotenimento”, uma folia procurada com avidez e eminentemente festiva.

Carnavais tendem a ser interrupções na rotina diária, breves intervalos animados entre sucessivos episódios de cotidianidade enfadonha, pausas em que a hierarquia
mundana de valores é temporariamente invertida, os aspectos mais angustiantes da realidade são suspensos por um breve período e os tipos de conduta proibidos ou
considerados vergonhosos na vida “normal” são ostensivamente praticados e exibidos.

A função (e o poder sedutor) dos carnavais líquido-modernos está no ressuscitamento momentâneo do convívio que entrou em colapso. Tais carnavais são sessões
espíritas para as pessoas se reunirem, darem as mãos e invocarem do outro mundo o fantasma da falecida comunidade.

(BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação de pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. Adaptado.)

Há características do gênero “ensaio” nesse texto sobretudo porque ele

a) estrutura-se em sequências textuais dos discursos expositivo e argumentativo.


b) tece conjecturas sobre um assunto sociológico sem a pretensão de esgotá-lo.
c) tematiza o problema da alienação coletiva frente aos autoritarismos da cultura.
d) constitui-se de uma fonte de alerta para comportamentos sociais condenáveis.
e) apresenta acepções de termos teóricos importantes para as ciências humanas.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/826083

Questão 1058: CEFETBAHIA - PEBTT (IF Baiano)/IF Baiano/Engenharia Química/2017


Assunto:
A questão refere-se ao texto a seguir. Leia-o atentamente, antes de marcar a resposta correta.

A nova maneira de organização social, praticada pela sociedade líquido-moderna de consumidores, provoca quase nenhuma dissidência, resistência ou revolta, graças ao
expediente de apresentar o novo compromisso (o de escolher) como sendo a liberdade
de escolha. Seria possível dizer que o mais considerado, criticado e insultado
oráculo de Jean-Jacques Rousseau – o de que “as pessoas devem ser forçadas a ser livres” – tornou-se realidade, depois de séculos, embora não na forma em que tanto
os ardentes seguidores como os críticos severos de Rousseau esperavam que fosse implementado.

Com muita frequência, a “localidade” a que os indivíduos permanecem leais e obedientes não entra mais em suas vidas e se confronta com eles na forma de uma
negação de sua autonomia individual, ou de um sacrifício obrigatório. Em vez disso, apresenta-se na forma de festivais de convívio e pertença comunais, divertidos,
prazerosos, realizados em ocasiões como a Copa do Mundo de futebol. Submeter-se à “totalidade” não é mais um dever adotado com relutância, incomodidade e muitas
vezes oneroso, mas um “patriotenimento”, uma folia procurada com avidez e eminentemente festiva.

Carnavais tendem a ser interrupções na rotina diária, breves intervalos animados entre sucessivos episódios de cotidianidade enfadonha, pausas em que a hierarquia
mundana de valores é temporariamente invertida, os aspectos mais angustiantes da realidade são suspensos por um breve período e os tipos de conduta proibidos ou
considerados vergonhosos na vida “normal” são ostensivamente praticados e exibidos.

A função (e o poder sedutor) dos carnavais líquido-modernos está no ressuscitamento momentâneo do convívio que entrou em colapso. Tais carnavais são sessões
espíritas para as pessoas se reunirem, darem as mãos e invocarem do outro mundo o fantasma da falecida comunidade.

(BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação de pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. Adaptado.)

Houve uma alteração linguística que preserva a correção gramatical do período em:

a) “As novas maneiras de organização social, praticada pela sociedade líquido-moderna de consumidores, provoca quase nenhuma dissidência.” (1º parágrafo)
b) “Com muita frequência, a ‘localidade’ a que os indivíduos permanecem leais e obedientes não entram mais em suas vidas e se confrontam com eles.” (2º
parágrafo)
c) “Se submeter à ‘totalidade’ não é mais um dever adotado com relutância, incomodidade e muitas vezes oneroso.” (2º parágrafo)
d) “Carnavais são eventos que constituem-se de interrupções na rotina diária, breves intervalos animados entre episódios de cotidianidade enfadonha.” (3º
parágrafo)
e) “A função e o poder sedutor dos carnavais líquido-modernos estão no ressuscitamento momentâneo do convívio que entrou em colapso.” (4º parágrafo)
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/826084

Questão 1059: CEFETBAHIA - PEBTT (IF Baiano)/IF Baiano/Engenharia Química/2017


Assunto:
A questão refere-se ao texto a seguir. Leia-o atentamente, antes de marcar a resposta correta.

A nova maneira de organização social, praticada pela sociedade líquido-moderna de consumidores, provoca quase nenhuma dissidência, resistência ou revolta, graças ao
expediente de apresentar o novo compromisso (o de escolher) como sendo a liberdade
de escolha. Seria possível dizer que o mais considerado, criticado e insultado
oráculo de Jean-Jacques Rousseau – o de que “as pessoas devem ser forçadas a ser livres” – tornou-se realidade, depois de séculos, embora não na forma em que tanto
os ardentes seguidores como os críticos severos de Rousseau esperavam que fosse implementado.

Com muita frequência, a “localidade” a que os indivíduos permanecem leais e obedientes não entra mais em suas vidas e se confronta com eles na forma de uma
negação de sua autonomia individual, ou de um sacrifício obrigatório. Em vez disso, apresenta-se na forma de festivais de convívio e pertença comunais, divertidos,
prazerosos, realizados em ocasiões como a Copa do Mundo de futebol. Submeter-se à “totalidade” não é mais um dever adotado com relutância, incomodidade e muitas
vezes oneroso, mas um “patriotenimento”, uma folia procurada com avidez e eminentemente festiva.

Carnavais tendem a ser interrupções na rotina diária, breves intervalos animados entre sucessivos episódios de cotidianidade enfadonha, pausas em que a hierarquia
mundana de valores é temporariamente invertida, os aspectos mais angustiantes da realidade são suspensos por um breve período e os tipos de conduta proibidos ou
considerados vergonhosos na vida “normal” são ostensivamente praticados e exibidos.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 26/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
A função (e o poder sedutor) dos carnavais líquido-modernos está no ressuscitamento momentâneo do convívio que entrou em colapso. Tais carnavais são sessões
espíritas para as pessoas se reunirem, darem as mãos e invocarem do outro mundo o fantasma da falecida comunidade.

(BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação de pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. Adaptado.)

“Em vez disso, apresenta-se na forma de festivais de convívio e pertença comunais, divertidos, prazerosos, realizados em ocasiões como a Copa do Mundo de futebol.”
(2º parágrafo)

Para preservar o exato sentido da sentença, o elemento coesivo em destaque deve ser substituído por:

a) “Além”.
b) “Diante”.
c) “Ao invés”.
d) “Em vista”.
e) “A despeito”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/826085

Questão 1060: CEFETBAHIA - PEBTT (IF Baiano)/IF Baiano/Engenharia Química/2017


Assunto:
A questão refere-se ao texto a seguir. Leia-o atentamente, antes de marcar a resposta correta.

A nova maneira de organização social, praticada pela sociedade líquido-moderna de consumidores, provoca quase nenhuma dissidência, resistência ou revolta, graças ao
expediente de apresentar o novo compromisso (o de escolher) como sendo a liberdade
de escolha. Seria possível dizer que o mais considerado, criticado e insultado
oráculo de Jean-Jacques Rousseau – o de que “as pessoas devem ser forçadas a ser livres” – tornou-se realidade, depois de séculos, embora não na forma em que tanto
os ardentes seguidores como os críticos severos de Rousseau esperavam que fosse implementado.

Com muita frequência, a “localidade” a que os indivíduos permanecem leais e obedientes não entra mais em suas vidas e se confronta com eles na forma de uma
negação de sua autonomia individual, ou de um sacrifício obrigatório. Em vez disso, apresenta-se na forma de festivais de convívio e pertença comunais, divertidos,
prazerosos, realizados em ocasiões como a Copa do Mundo de futebol. Submeter-se à “totalidade” não é mais um dever adotado com relutância, incomodidade e muitas
vezes oneroso, mas um “patriotenimento”, uma folia procurada com avidez e eminentemente festiva.

Carnavais tendem a ser interrupções na rotina diária, breves intervalos animados entre sucessivos episódios de cotidianidade enfadonha, pausas em que a hierarquia
mundana de valores é temporariamente invertida, os aspectos mais angustiantes da realidade são suspensos por um breve período e os tipos de conduta proibidos ou
considerados vergonhosos na vida “normal” são ostensivamente praticados e exibidos.

A função (e o poder sedutor) dos carnavais líquido-modernos está no ressuscitamento momentâneo do convívio que entrou em colapso. Tais carnavais são sessões
espíritas para as pessoas se reunirem, darem as mãos e invocarem do outro mundo o fantasma da falecida comunidade.

(BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação de pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. Adaptado.)

Todas as palavras seguintes extraídas do texto atendem a uma mesma regra de acentuação, com EXCEÇÃO de

a) “período”.
b) “convívio”.
c) “resistência”.
d) “dissidência”.
e) “obrigatório”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/826086

Questão 1061: CEFETBAHIA - PEBTT (IF Baiano)/IF Baiano/Engenharia Química/2017


Assunto:

(Disponível em: <https://goo.gl/9DObC5>. Acesso em: 09 maio. 2017.)

A oração introduzida pela conjunção “que” tem como finalidade

a) acrescentar o complemento de um verbo de ligação.


b) especificar o sentido do substantivo que a precede.
c) inserir uma causa à consequência da frase anterior.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 27/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
d) instaurar relação de alternância entre concepções.
e) somar uma ideia à outra colocada anteriormente.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/826089

Questão 1062: CEFETBAHIA - PEBTT (IF Baiano)/IF Baiano/Engenharia Química/2017


Assunto:
A questão refere-se ao texto a seguir. Leia-o, atentamente, antes de marcar a resposta correta.

Uns craseiam, outros ganham fama

Ferreira Gullar

Foi em 1955 que ganhei um exemplar do livro "Tudo sobre a Crase". Tomei o ônibus que me levaria à Revista Manchete, comecei a ler o livro e, antes de descer, já havia
sacado um aforismo: "A crase não foi feita para humilhar ninguém".

Esse primeiro aforismo desencadeou uma série de outros, que publiquei, meses depois, no suplemento literário do Diário de Notícias. A verdade é que, já na semana
seguinte à publicação, os estudantes universitários de Curitiba, que estavam em greve, puseram uma faixa no refeitório com o meu aforismo. Mas, numa entrevista a um
jornal do Recife, um crítico literário o atribuiu a Paulo Mendes Campos.

Não gostei, mas não dei muita importância, pois, no final das contas o que importa são meus poemas, que até agora ninguém atribuiu a outro poeta.

A vida seguiu até que alguém, escrevendo sobre erros gramaticais, citou o aforismo como sendo de Otto Lara. Comecei a ficar grilado, mas me tranquilizei, lembrando
que o Otto deve ter me citado e o cara não guardou meu nome. Mas não demorou muito e a autoria do mesmo aforismo foi atribuída a Machado de Assis e, em seguida,
a Rubem Braga.

Este, porém, já a par da confusão que se armara, decidiu esclarecer as coisas: publicou uma crônica afirmando que o verdadeiro autor do aforismo, agora tão citado, era
o poeta Ferreira Gullar. Fiquei felicíssimo.

Já estava tranquilo, certo de que finalmente me tornara autor do aforismo, quando, faz uns três domingos, surge um artigo afirmando que "Carlos Drummond escreveu:
'A crase não foi feita para humilhar ninguém'". Minha esperança é que, no futuro, alguém mal informado atribua a mim, ainda que por equívoco, a autoria do aforismo
que é meu.

(Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq3107201123.htm>. Acesso em: 09 maio. 2017.)

A história narrada na crônica resume-se em descrever

a) experiências com um livro sobre crase.


b) equívocos quanto à autoria de um aforismo.
c) relações de semelhança entre ideias de escritores.
d) reclamações pela apropriação indevida de uma frase.
e) situações constrangedoras devido a erros no uso da crase.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/826095

Questão 1063: CEFETBAHIA - PEBTT (IF Baiano)/IF Baiano/Engenharia Química/2017


Assunto:
A questão refere-se ao texto a seguir. Leia-o, atentamente, antes de marcar a resposta correta.

Uns craseiam, outros ganham fama

Ferreira Gullar

Foi em 1955 que ganhei um exemplar do livro "Tudo sobre a Crase". Tomei o ônibus que me levaria à Revista Manchete, comecei a ler o livro e, antes de descer, já havia
sacado um aforismo: "A crase não foi feita para humilhar ninguém".

Esse primeiro aforismo desencadeou uma série de outros, que publiquei, meses depois, no suplemento literário do Diário de Notícias. A verdade é que, já na semana
seguinte à publicação, os estudantes universitários de Curitiba, que estavam em greve, puseram uma faixa no refeitório com o meu aforismo. Mas, numa entrevista a um
jornal do Recife, um crítico literário o atribuiu a Paulo Mendes Campos.

Não gostei, mas não dei muita importância, pois, no final das contas o que importa são meus poemas, que até agora ninguém atribuiu a outro poeta.

A vida seguiu até que alguém, escrevendo sobre erros gramaticais, citou o aforismo como sendo de Otto Lara. Comecei a ficar grilado, mas me tranquilizei, lembrando
que o Otto deve ter me citado e o cara não guardou meu nome. Mas não demorou muito e a autoria do mesmo aforismo foi atribuída a Machado de Assis e, em seguida,
a Rubem Braga.

Este, porém, já a par da confusão que se armara, decidiu esclarecer as coisas: publicou uma crônica afirmando que o verdadeiro autor do aforismo, agora tão citado, era
o poeta Ferreira Gullar. Fiquei felicíssimo.

Já estava tranquilo, certo de que finalmente me tornara autor do aforismo, quando, faz uns três domingos, surge um artigo afirmando que "Carlos Drummond escreveu:
'A crase não foi feita para humilhar ninguém'". Minha esperança é que, no futuro, alguém mal informado atribua a mim, ainda que por equívoco, a autoria do aforismo
que é meu.

(Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq3107201123.htm>. Acesso em: 09 maio. 2017.)

“Tomei o ônibus que me levaria à Revista Manchete, comecei a ler o livro e, antes de descer, já havia sacado um aforismo.” (1º parágrafo)

O valor semântico que se estabelece entre as frases desse período é de

a) adição.
b) oposição.
c) conclusão.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 28/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
d) alternação.
e) explicação.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/826096

Questão 1064: CEFETBAHIA - PEBTT (IF Baiano)/IF Baiano/Engenharia Química/2017


Assunto:
A questão refere-se ao texto a seguir. Leia-o, atentamente, antes de marcar a resposta correta.

Uns craseiam, outros ganham fama

Ferreira Gullar

Foi em 1955 que ganhei um exemplar do livro "Tudo sobre a Crase". Tomei o ônibus que me levaria à Revista Manchete, comecei a ler o livro e, antes de descer, já havia
sacado um aforismo: "A crase não foi feita para humilhar ninguém".

Esse primeiro aforismo desencadeou uma série de outros, que publiquei, meses depois, no suplemento literário do Diário de Notícias. A verdade é que, já na semana
seguinte à publicação, os estudantes universitários de Curitiba, que estavam em greve, puseram uma faixa no refeitório com o meu aforismo. Mas, numa entrevista a um
jornal do Recife, um crítico literário o atribuiu a Paulo Mendes Campos.

Não gostei, mas não dei muita importância, pois, no final das contas o que importa são meus poemas, que até agora ninguém atribuiu a outro poeta.

A vida seguiu até que alguém, escrevendo sobre erros gramaticais, citou o aforismo como sendo de Otto Lara. Comecei a ficar grilado, mas me tranquilizei, lembrando
que o Otto deve ter me citado e o cara não guardou meu nome. Mas não demorou muito e a autoria do mesmo aforismo foi atribuída a Machado de Assis e, em seguida,
a Rubem Braga.

Este, porém, já a par da confusão que se armara, decidiu esclarecer as coisas: publicou uma crônica afirmando que o verdadeiro autor do aforismo, agora tão citado, era
o poeta Ferreira Gullar. Fiquei felicíssimo.

Já estava tranquilo, certo de que finalmente me tornara autor do aforismo, quando, faz uns três domingos, surge um artigo afirmando que "Carlos Drummond escreveu:
'A crase não foi feita para humilhar ninguém'". Minha esperança é que, no futuro, alguém mal informado atribua a mim, ainda que por equívoco, a autoria do aforismo
que é meu.

(Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq3107201123.htm>. Acesso em: 09 maio. 2017.)

“A verdade é que, já na semana seguinte à publicação, os estudantes universitários de Curitiba, que estavam em greve, puseram uma faixa no refeitório com o meu
aforismo.” (2º parágrafo)

Por enquadrar-se na mesma regra da estrutura em destaque, a crase foi empregada corretamente em:

a) Aprendeu à ler com sua mãe.


b) Comprou seus jornais à prazo.
c) Deu conselhos à melhor amiga.
d) Ofereceu guloseimas à crianças.
e) Pediu ajuda à alguém próximo.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/826097

Questão 1065: CEFETBAHIA - Ana TI (IF Baiano)/IF Baiano/2017


Assunto:
No Brasil, o discurso em favor da educação popular é antigo: precedeu mesmo a Proclamação da República. Já em 1822, Rui Barbosa, baseado em exaustivo diagnóstico
da realidade brasileira da época, denunciava a vergonhosa precariedade do ensino e apresentava propostas de multiplicação de escolas e de melhoria qualitativa.

Desde então, e até hoje, diagnósticos, denúncias e propostas de educação popular têm estado sempre presentes no discurso político sobre a educação no Brasil. E
também desde então, e até hoje, esse discurso vem sempre inspirado nos ideais democráticoliberais: o objetivo é a igualdade social, e a democratização do ensino é vista
como instrumento essencial para a conquista desse objetivo.

Assim, as expressões “igualdade de oportunidades educacionais” e “educação como direito de todos” tornaram-se lugarescomuns, num repetido discurso em favor da
democratização do ensino.

Ao longo do tempo, esse discurso ora toma uma direção quantitativa, em defesa da ampliação de ofertas educacionais — aumento do número de escolas para as classes
populares, obrigatoriedade e gratuidade do ensino elementar —, ora se volta para a melhoria qualitativa do ensino — reformas educacionais, reformulações da
organização escolar, introdução de novas metodologias, aperfeiçoamento de professores.

Na verdade, o discurso oficial pela democratização da escola, seja na direção quantitativa, seja na direção qualitativa, procura responder à demanda popular por
educação, por acesso à instrução e ao saber. A escola pública não é, como erroneamente se pretende que seja, uma doação do Estado ao povo; ao contrário, ela é uma
progressiva e lenta conquista das camadas populares em sua luta pela democratização do saber, através da democratização da escola.

(SOARES, Magda. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática, 1989. Adaptado).
A perspectiva que norteia esse texto pressupõe o entendimento da educação como

a) ferramenta basilar de formação crítica da sociedade.


b) recurso indispensável de qualificação para o trabalho.
c) aparato crucial de valorização da pluralidade cultural.
d) instrumento primordial de enfrentamento da pobreza.
e) mecanismo fundamental de combate à injustiça social.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/840298

Questão 1066: CEFETBAHIA - Ana TI (IF Baiano)/IF Baiano/2017


Assunto:

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 29/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
No Brasil, o discurso em favor da educação popular é antigo: precedeu mesmo a Proclamação da República. Já em 1822, Rui Barbosa, baseado em exaustivo diagnóstico
da realidade brasileira da época, denunciava a vergonhosa precariedade do ensino e apresentava propostas de multiplicação de escolas e de melhoria qualitativa.

Desde então, e até hoje, diagnósticos, denúncias e propostas de educação popular têm estado sempre presentes no discurso político sobre a educação no Brasil. E
também desde então, e até hoje, esse discurso vem sempre inspirado nos ideais democráticoliberais: o objetivo é a igualdade social, e a democratização do ensino é vista
como instrumento essencial para a conquista desse objetivo.

Assim, as expressões “igualdade de oportunidades educacionais” e “educação como direito de todos” tornaram-se lugarescomuns, num repetido discurso em favor da
democratização do ensino.

Ao longo do tempo, esse discurso ora toma uma direção quantitativa, em defesa da ampliação de ofertas educacionais — aumento do número de escolas para as classes
populares, obrigatoriedade e gratuidade do ensino elementar —, ora se volta para a melhoria qualitativa do ensino — reformas educacionais, reformulações da
organização escolar, introdução de novas metodologias, aperfeiçoamento de professores.

Na verdade, o discurso oficial pela democratização da escola, seja na direção quantitativa, seja na direção qualitativa, procura responder à demanda popular por
educação, por acesso à instrução e ao saber. A escola pública não é, como erroneamente se pretende que seja, uma doação do Estado ao povo; ao contrário, ela é uma
progressiva e lenta conquista das camadas populares em sua luta pela democratização do saber, através da democratização da escola.

(SOARES, Magda. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática, 1989. Adaptado).
“[...] diagnósticos, denúncias e propostas de educação popular têm estado sempre presentes no discurso político sobre a educação no Brasil.” (2º parágrafo)

As palavras que, respectivamente, seguem as mesmas regras de acentuação dos vocábulos em destaque são as seguintes:

a) pônei / águia.
b) tarântula / égua.
c) búfalo / babuíno.
d) pássaro / libélula.
e) cágado / camaleão.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/840300

Questão 1067: CEFETBAHIA - Ana TI (IF Baiano)/IF Baiano/2017


Assunto:
No Brasil, o discurso em favor da educação popular é antigo: precedeu mesmo a Proclamação da República. Já em 1822, Rui Barbosa, baseado em exaustivo diagnóstico
da realidade brasileira da época, denunciava a vergonhosa precariedade do ensino e apresentava propostas de multiplicação de escolas e de melhoria qualitativa.

Desde então, e até hoje, diagnósticos, denúncias e propostas de educação popular têm estado sempre presentes no discurso político sobre a educação no Brasil. E
também desde então, e até hoje, esse discurso vem sempre inspirado nos ideais democráticoliberais: o objetivo é a igualdade social, e a democratização do ensino é vista
como instrumento essencial para a conquista desse objetivo.

Assim, as expressões “igualdade de oportunidades educacionais” e “educação como direito de todos” tornaram-se lugarescomuns, num repetido discurso em favor da
democratização do ensino.

Ao longo do tempo, esse discurso ora toma uma direção quantitativa, em defesa da ampliação de ofertas educacionais — aumento do número de escolas para as classes
populares, obrigatoriedade e gratuidade do ensino elementar —, ora se volta para a melhoria qualitativa do ensino — reformas educacionais, reformulações da
organização escolar, introdução de novas metodologias, aperfeiçoamento de professores.

Na verdade, o discurso oficial pela democratização da escola, seja na direção quantitativa, seja na direção qualitativa, procura responder à demanda popular por
educação, por acesso à instrução e ao saber. A escola pública não é, como erroneamente se pretende que seja, uma doação do Estado ao povo; ao contrário, ela é uma
progressiva e lenta conquista das camadas populares em sua luta pela democratização do saber, através da democratização da escola.

(SOARES, Magda. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática, 1989. Adaptado).
“[...] o discurso em favor da educação popular é antigo: precedeu mesmo a Proclamação da República.” (1º parágrafo)

Em qual reestruturação do período acima a norma-padrão foi atendida?

a) O discurso em favor da educação popular é antigo, pois sucederia- lhe a Proclamação da República.
b) À Proclamação da República, ocorrida em 1889, precedeu o discurso em favor da educação popular.
c) O discurso em favor da educação popular é antigo, já que a Proclamação da República foi-lhe sucedida.
d) O discurso à favor da educação popular é antigo, visto que precedeu mesmo a Proclamação da República.
e) A Proclamação da República ocorreu em 1889, logo, o discurso a favor da educação popular não sobreveio-lhe.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/840302

Questão 1068: CEFETBAHIA - Ana TI (IF Baiano)/IF Baiano/2017


Assunto:
No Brasil, o discurso em favor da educação popular é antigo: precedeu mesmo a Proclamação da República. Já em 1822, Rui Barbosa, baseado em exaustivo diagnóstico
da realidade brasileira da época, denunciava a vergonhosa precariedade do ensino e apresentava propostas de multiplicação de escolas e de melhoria qualitativa.

Desde então, e até hoje, diagnósticos, denúncias e propostas de educação popular têm estado sempre presentes no discurso político sobre a educação no Brasil. E
também desde então, e até hoje, esse discurso vem sempre inspirado nos ideais democráticoliberais: o objetivo é a igualdade social, e a democratização do ensino é vista
como instrumento essencial para a conquista desse objetivo.

Assim, as expressões “igualdade de oportunidades educacionais” e “educação como direito de todos” tornaram-se lugarescomuns, num repetido discurso em favor da
democratização do ensino.

Ao longo do tempo, esse discurso ora toma uma direção quantitativa, em defesa da ampliação de ofertas educacionais — aumento do número de escolas para as classes
populares, obrigatoriedade e gratuidade do ensino elementar —, ora se volta para a melhoria qualitativa do ensino — reformas educacionais, reformulações da
organização escolar, introdução de novas metodologias, aperfeiçoamento de professores.

Na verdade, o discurso oficial pela democratização da escola, seja na direção quantitativa, seja na direção qualitativa, procura responder à demanda popular por
educação, por acesso à instrução e ao saber. A escola pública não é, como erroneamente se pretende que seja, uma doação do Estado ao povo; ao contrário, ela é uma
progressiva e lenta conquista das camadas populares em sua luta pela democratização do saber, através da democratização da escola.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 30/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

(SOARES, Magda. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática, 1989. Adaptado).
“Assim, as expressões 'igualdade de oportunidades educacionais' e 'educação como direito de todos' tornaram-se lugares-comuns” (3º parágrafo)

O elemento coesivo em destaque instaura, em relação ao parágrafo anterior do texto _______, um efeito de sentido de ________ e poderia ser substituída por , sem
prejuízo à significação do período.

Marque a alternativa cujos termos preenchem, corretamente, as lacunas da assertiva.

a) adição / outrossim
b) oposição / todavia
c) conclusão / destarte
d) proporção / portanto
e) explicação / porquanto
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/840306

Questão 1069: CEFETBAHIA - Ana TI (IF Baiano)/IF Baiano/2017


Assunto:

(Disponível em: <https://www.pinterest.com/e_maildasu/tirinhas/>. Acesso em: 18 abr. 2017).


Quanto às formas verbais empregadas na tirinha, é correto afirmar que todas

a) atribuem atuações à segunda pessoa do singular.


b) assinalam rupturas quanto ao aspecto das ações.
c) apontam certeza com relação às ações praticadas.
d) designam fatos de atuações sofridas pelos sujeitos.
e) indicam ações produzidas em certo período passado.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/840307

Questão 1070: CEFETBAHIA - Ana TI (IF Baiano)/IF Baiano/2017


Assunto:

(Disponível em: <http://1via.com.br/wp-content/uploads/2016/09/Caf%C3%A9-Cultura--para-Dia-das-Crian%C3%A7as.png>. Acesso em: 18 abr. 2017).


Para produzir sintonia no uso da concordância entre pronome e verbo nesse texto, a alteração correta é colocar a seguinte frase em lugar de sua correspondente:

a) A gente doa letras.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 31/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) Vocês doam letras.
c) Todos doam letras.
d) Alguém doa números.
e) Nós doamos números.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/840312

Questão 1071: CEFETBAHIA - Ana TI (IF Baiano)/IF Baiano/2017


Assunto:
O jornal e suas metamorfoses

Um senhor pega um bonde após comprar um jornal e pô-lo debaixo do braço. Meia hora depois, desce com o mesmo jornal debaixo do mesmo braço.

Mas já não é o mesmo jornal, agora é um monte de folhas impressas que o senhor abandona no banco da praça.

Mal fica sozinho na praça, o monte de folhas impressas se transforma outra vez em jornal quando um rapaz o descobre, o lê e o deixa transformado num monte de folhas
impressas.

Mal fica sozinho no banco, o monte de folhas impressas se transforma outra vez em jornal quando uma velha o encontra, o lê e o deixa transformado num monte de
folhas impressas. A seguir, leva-o para casa e no caminho aproveita-o para embrulhar um molho de acelga, que é para o que servem os jornais após essas excitantes
metamorfoses.

(CORTÁZAR, Julio. Histórias de cronópios e de famas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011. Adaptado).
Conforme a visão que se constrói nesse conto, para que o monte de folhas impressas converta-se no jornal, é preciso que ocorra

a) o deslocamento da sua finalidade original.


b) a interação entre o leitor e suas informações.
c) a passagem da edição de pessoa para pessoa.
d) a conferência da veracidade de seu conteúdo.
e) o contato sensorial entre seu papel e o homem.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/840317

Questão 1072: CEFETBAHIA - Ana TI (IF Baiano)/IF Baiano/2017


Assunto:
Bahia não consegue bater metas de 2015 para a educação

Publicado em 05 de abril de 2017

Se a Educação na Bahia fosse uma aluna, ela estaria reprovada. E isso não é exclusividade de uma rede ou de outra — mas de todas. Por aqui, ainda não alcançamos as
metas do movimento Todos Pela Educação (TPE), fundado em 2006, para garantir educação de qualidade no país a todas as crianças e jovens até 2022.

No relatório bienal divulgado hoje, o estado fica aquém dos resultados desejados nas duas metas avaliadas — a Meta 1, que prevê que toda criança e jovem de 4 a 17
anos esteja na escola; e a Meta 4, que define que todo jovem de 19 anos deve ter concluído o Ensino Médio. A metodologia analisa os dados da Pesquisa Nacional por
Amostra de Domicílio (Pnad) de 2015. A Bahia está abaixo da média brasileira em todos os indicadores, mas a situação do país é também crítica: o Brasil não atingiu
nenhuma meta.

(Disponível em: <http://www.correio24horas.com.br/detalhe/bahia/noticia/bahia-naoconsegue- bater-metas-de-2015-para-a educacao/?cHash=bf1fd6846d6b296212193ef947070baa>. Acesso em: 17


abr. 2017. Adaptado).
A característica determinante para enquadrar esse texto no gênero textual “notícia” é o fato de ele

a) incluir teor sensacionalista para estimular a adesão do leitor às ideias veiculadas.


b) apresentar marcas de subjetividade na oração que introduz o primeiro parágrafo.
c) relatar uma informação de grande relevância para a sociedade e para o público leitor.
d) mencionar um importante meio de mapeamento demográfico e socioeconômico.
e) associar conjunturas educacionais de âmbito estadual e nacional na oração final do último parágrafo.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/840321

Questão 1073: CEFETBAHIA - Ana TI (IF Baiano)/IF Baiano/2017


Assunto:
Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço


que é uma arma de dois gumes
amor e ódio

Não posso adiar


ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração

(ROSA, António Ramos. Animal olhar. São Paulo: Escrituras Editora, 2005).
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 32/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Nesse poema, o terceiro e quarto versos da primeira estrofe, além do segundo e terceiro versos da terceira estrofe estabelecem com suas respectivas orações
antecedentes uma relação de sentido de

a) causa.
b) condição.
c) concessão.
d) comparação.
e) consequência
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/840325

Questão 1074: CEFETBAHIA - Ass (IF Baiano)/IF Baiano/Aluno/2017


Assunto:
Claudio Pérez, enviado especial de El País a Nova York, para informar sobre a crise financeira, escreve em sua crônica da sexta feira, 19 de setembro de 2008: “Os
tabloides de Nova York estão como loucos em busca de um corretor da Bolsa que se atire no vazio do alto de algum dos imponentes arranha-céus que abrigam os
grandes bancos de investimento, ídolos caídos que o furacão financeiro está transformando em cinzas.” Vamos reter por um momento esta imagem na memória: uma
multidão de fotógrafos, de paparazzi, espreitando as alturas com as câmaras prontas, para captar o primeiro suicida que encarne de maneira gráfica, dramática e
espetacular a hecatombe financeira que fez evaporar bilhões de dólares e mergulhou na ruína grandes empresas e inúmeros cidadãos. Não creio que haja imagem que
resuma melhor a civilização de que fazemos parte.

Parece-me ser essa a melhor maneira de definirmos a civilização de nosso tempo, compartilhada pelos países ocidentais, pelos que atingiram altos níveis de
desenvolvimento na Ásia e por muitos do chamado Terceiro Mundo.

O que quer dizer civilização do espetáculo? É a civilização de um mundo onde o primeiro lugar na tabela de valores vigente é ocupado pelo entretenimento, onde divertir-
se, escapar do tédio, é a paixão universal. Esse ideal de vida é perfeitamente legítimo, sem dúvida. Só um puritano fanático poderia reprovar os membros de uma
sociedade que quisessem dar descontração, relaxamento, humor e diversão a vidas geralmente enquadradas em rotinas deprimentes e às vezes imbecilizantes. Mas
transformar em valor supremo essa propensão natural a divertir-se tem consequências inesperadas: banalização da cultura, generalização da frivolidade e, no campo da
informação, a proliferação do jornalismo irresponsável da bisbilhotice e do escândalo.

(LLOSA, Mario Vargas. A civilização do espetáculo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013. Adaptado).
A principal ideia desse texto resume-se em compreender

a) o conservadorismo como uma atitude que condena o direito à recreação.


b) a civilização do espetáculo como uma cultura que hiperdimensiona o lazer.
c) a falência de empresas e de cidadãos como alvo de matérias sensacionalistas.
d) o declínio econômico como resultado de práticas consumistas irresponsáveis.
e) a crise financeira como oportunidade de aparição midiática dos investidores.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/842373

Questão 1075: CEFETBAHIA - Ass (IF Baiano)/IF Baiano/Aluno/2017


Assunto:
Claudio Pérez, enviado especial de El País a Nova York, para informar sobre a crise financeira, escreve em sua crônica da sexta feira, 19 de setembro de 2008: “Os
tabloides de Nova York estão como loucos em busca de um corretor da Bolsa que se atire no vazio do alto de algum dos imponentes arranha-céus que abrigam os
grandes bancos de investimento, ídolos caídos que o furacão financeiro está transformando em cinzas.” Vamos reter por um momento esta imagem na memória: uma
multidão de fotógrafos, de paparazzi, espreitando as alturas com as câmaras prontas, para captar o primeiro suicida que encarne de maneira gráfica, dramática e
espetacular a hecatombe financeira que fez evaporar bilhões de dólares e mergulhou na ruína grandes empresas e inúmeros cidadãos. Não creio que haja imagem que
resuma melhor a civilização de que fazemos parte.

Parece-me ser essa a melhor maneira de definirmos a civilização de nosso tempo, compartilhada pelos países ocidentais, pelos que atingiram altos níveis de
desenvolvimento na Ásia e por muitos do chamado Terceiro Mundo.

O que quer dizer civilização do espetáculo? É a civilização de um mundo onde o primeiro lugar na tabela de valores vigente é ocupado pelo entretenimento, onde divertir-
se, escapar do tédio, é a paixão universal. Esse ideal de vida é perfeitamente legítimo, sem dúvida. Só um puritano fanático poderia reprovar os membros de uma
sociedade que quisessem dar descontração, relaxamento, humor e diversão a vidas geralmente enquadradas em rotinas deprimentes e às vezes imbecilizantes. Mas
transformar em valor supremo essa propensão natural a divertir-se tem consequências inesperadas: banalização da cultura, generalização da frivolidade e, no campo da
informação, a proliferação do jornalismo irresponsável da bisbilhotice e do escândalo.

(LLOSA, Mario Vargas. A civilização do espetáculo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013. Adaptado).
O fragmento que apresenta uma alteração correta no uso da vírgula, removendo-a ou inserindo-a, encontra-se em

a) “Não creio que haja imagem, que resuma melhor a civilização de que fazemos parte.” (1º parágrafo)
b) “[...] espreitando as alturas com as câmaras prontas para captar o primeiro suicida [...].” (1º parágrafo)
c) “Parece-me ser essa a melhor maneira de definirmos a civilização de nosso tempo [...].” (2º parágrafo)
d) “[...] o primeiro lugar, na tabela de valores vigente é ocupado pelo entretenimento [...].” (3º parágrafo)
e) “[...] no campo da informação a proliferação do jornalismo irresponsável da bisbilhotice e do escândalo.” (3º parágrafo)
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/842374

Questão 1076: CEFETBAHIA - Ass (IF Baiano)/IF Baiano/Aluno/2017


Assunto:
Claudio Pérez, enviado especial de El País a Nova York, para informar sobre a crise financeira, escreve em sua crônica da sexta feira, 19 de setembro de 2008: “Os
tabloides de Nova York estão como loucos em busca de um corretor da Bolsa que se atire no vazio do alto de algum dos imponentes arranha-céus que abrigam os
grandes bancos de investimento, ídolos caídos que o furacão financeiro está transformando em cinzas.” Vamos reter por um momento esta imagem na memória: uma
multidão de fotógrafos, de paparazzi, espreitando as alturas com as câmaras prontas, para captar o primeiro suicida que encarne de maneira gráfica, dramática e
espetacular a hecatombe financeira que fez evaporar bilhões de dólares e mergulhou na ruína grandes empresas e inúmeros cidadãos. Não creio que haja imagem que
resuma melhor a civilização de que fazemos parte.

Parece-me ser essa a melhor maneira de definirmos a civilização de nosso tempo, compartilhada pelos países ocidentais, pelos que atingiram altos níveis de
desenvolvimento na Ásia e por muitos do chamado Terceiro Mundo.

O que quer dizer civilização do espetáculo? É a civilização de um mundo onde o primeiro lugar na tabela de valores vigente é ocupado pelo entretenimento, onde divertir-

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 33/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
se, escapar do tédio, é a paixão universal. Esse ideal de vida é perfeitamente legítimo, sem dúvida. Só um puritano fanático poderia reprovar os membros de uma
sociedade que quisessem dar descontração, relaxamento, humor e diversão a vidas geralmente enquadradas em rotinas deprimentes e às vezes imbecilizantes. Mas
transformar em valor supremo essa propensão natural a divertir-se tem consequências inesperadas: banalização da cultura, generalização da frivolidade e, no campo da
informação, a proliferação do jornalismo irresponsável da bisbilhotice e do escândalo.

(LLOSA, Mario Vargas. A civilização do espetáculo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013. Adaptado).
O texto de Mario Vargas Llosa pertence ao gênero denominado

a) carta.
b) ensaio.
c) crônica.
d) sinopse.
e) resenha.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/842375

Questão 1077: CEFETBAHIA - Ass (IF Baiano)/IF Baiano/Aluno/2017


Assunto:
Claudio Pérez, enviado especial de El País a Nova York, para informar sobre a crise financeira, escreve em sua crônica da sexta feira, 19 de setembro de 2008: “Os
tabloides de Nova York estão como loucos em busca de um corretor da Bolsa que se atire no vazio do alto de algum dos imponentes arranha-céus que abrigam os
grandes bancos de investimento, ídolos caídos que o furacão financeiro está transformando em cinzas.” Vamos reter por um momento esta imagem na memória: uma
multidão de fotógrafos, de paparazzi, espreitando as alturas com as câmaras prontas, para captar o primeiro suicida que encarne de maneira gráfica, dramática e
espetacular a hecatombe financeira que fez evaporar bilhões de dólares e mergulhou na ruína grandes empresas e inúmeros cidadãos. Não creio que haja imagem que
resuma melhor a civilização de que fazemos parte.

Parece-me ser essa a melhor maneira de definirmos a civilização de nosso tempo, compartilhada pelos países ocidentais, pelos que atingiram altos níveis de
desenvolvimento na Ásia e por muitos do chamado Terceiro Mundo.

O que quer dizer civilização do espetáculo? É a civilização de um mundo onde o primeiro lugar na tabela de valores vigente é ocupado pelo entretenimento, onde divertir-
se, escapar do tédio, é a paixão universal. Esse ideal de vida é perfeitamente legítimo, sem dúvida. Só um puritano fanático poderia reprovar os membros de uma
sociedade que quisessem dar descontração, relaxamento, humor e diversão a vidas geralmente enquadradas em rotinas deprimentes e às vezes imbecilizantes. Mas
transformar em valor supremo essa propensão natural a divertir-se tem consequências inesperadas: banalização da cultura, generalização da frivolidade e, no campo da
informação, a proliferação do jornalismo irresponsável da bisbilhotice e do escândalo.

(LLOSA, Mario Vargas. A civilização do espetáculo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013. Adaptado).
“Os tabloides de Nova York estão como loucos em busca de um corretor da Bolsa que se atire no vazio do alto de algum dos imponentes arranha-céus que abrigam os
grandes bancos de investimento, ídolos caídos que o furacão financeiro está transformando em cinzas.” (1º parágrafo)

As três orações introduzidas nesse período pelo pronome relativo “que” têm em comum a função de

a) conceder ressalvas às ideias anteriores.


b) conferir qualidades a seus antecedentes.
c) firmar comparação com a frase principal.
d) atribuir causalidade à primeira sentença.
e) apresentar condições a determinada ação.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/842376

Questão 1078: CEFETBAHIA - Ass (IF Baiano)/IF Baiano/Aluno/2017


Assunto:
Claudio Pérez, enviado especial de El País a Nova York, para informar sobre a crise financeira, escreve em sua crônica da sexta feira, 19 de setembro de 2008: “Os
tabloides de Nova York estão como loucos em busca de um corretor da Bolsa que se atire no vazio do alto de algum dos imponentes arranha-céus que abrigam os
grandes bancos de investimento, ídolos caídos que o furacão financeiro está transformando em cinzas.” Vamos reter por um momento esta imagem na memória: uma
multidão de fotógrafos, de paparazzi, espreitando as alturas com as câmaras prontas, para captar o primeiro suicida que encarne de maneira gráfica, dramática e
espetacular a hecatombe financeira que fez evaporar bilhões de dólares e mergulhou na ruína grandes empresas e inúmeros cidadãos. Não creio que haja imagem que
resuma melhor a civilização de que fazemos parte.

Parece-me ser essa a melhor maneira de definirmos a civilização de nosso tempo, compartilhada pelos países ocidentais, pelos que atingiram altos níveis de
desenvolvimento na Ásia e por muitos do chamado Terceiro Mundo.

O que quer dizer civilização do espetáculo? É a civilização de um mundo onde o primeiro lugar na tabela de valores vigente é ocupado pelo entretenimento, onde divertir-
se, escapar do tédio, é a paixão universal. Esse ideal de vida é perfeitamente legítimo, sem dúvida. Só um puritano fanático poderia reprovar os membros de uma
sociedade que quisessem dar descontração, relaxamento, humor e diversão a vidas geralmente enquadradas em rotinas deprimentes e às vezes imbecilizantes. Mas
transformar em valor supremo essa propensão natural a divertir-se tem consequências inesperadas: banalização da cultura, generalização da frivolidade e, no campo da
informação, a proliferação do jornalismo irresponsável da bisbilhotice e do escândalo.

(LLOSA, Mario Vargas. A civilização do espetáculo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013. Adaptado).
“[...] uma multidão de fotógrafos, de paparazzi, espreitando as alturas com as câmaras prontas, para captar o primeiro suicida que encarne de maneira gráfica, dramática
e espetacular a hecatombe financeira que fez evaporar bilhões de dólares e mergulhou na ruína grandes empresas e inúmeros cidadãos.” (1º parágrafo)

Considerando que a palavra em destaque indica uma grande desgraça ou o massacre de um grande número de pessoas e que ela foi empregada em sentido metafórico,
o melhor termo para substituí-la é

a) manobra.
b) catástrofe.
c) transação.
d) purificação.
e) negligência.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/842377

Questão 1079: CEFETBAHIA - Ass (IF Baiano)/IF Baiano/Aluno/2017


Assunto:
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 34/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

(Disponível em: <https://cenpeonline.files.wordpress.com/2011/05/herois.jpg>. Acesso em: 27 abr. 2017).


O emprego do acento agudo nesse texto está

a) adequado, já que tem estrutura semelhante a país


.
b) apropriado, posto que se enquadra no caso de ímãs.
c) correto, pois segue a mesma regra da palavra anéis.
d) errado, visto que infringe a norma também aplicada a ideia.
e) incorreto, porque se aplica o mesmo princípio do termo boia.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/842378

Questão 1080: CEFETBAHIA - Ass (IF Baiano)/IF Baiano/Aluno/2017


Assunto:

(Disponível em: <https://goo.gl/pzmTrK>. Acesso em: 27 abr. 2017).


A fala no segundo balão apresenta um erro de coesão porque o pronome pessoal ela
a) dispensa a presença do advérbio ainda nesse contexto.
b) precisaria ser flexionado no plural juntamente com o verbo.
c) tem dois referentes possíveis enunciados no primeiro balão.
d) deveria ser substituído pelo pronome você nessa situação.
e) depende de uma palavra indicativa de qualidade ao seu lado.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/842379

Questão 1081: CEFETBAHIA - Ass (IF Baiano)/IF Baiano/Aluno/2017


Assunto:
Observe os enunciados das diretrizes no cartaz.

(Disponível em: <http://www.jornaldocampus.usp.br/wp-content/uploads/2013/05/Diretrizes- do-Plano-Nacional-de-Educa%C3%A7%C3%A3o.png>. Acesso em: 25 abr. 2017).

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 35/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Em qual diretriz e respectiva explicação a concordância nominal está corretamente analisada?

a) Diretriz III: Ocorre a flexão de um adjetivo no feminino singular para concordar com o termo desigualdades
.
b) Diretriz IV: A locução adjetiva “do ensino” fornece uma especificação relativa ao substantivo feminino .melhoria
c) Diretriz VI: Nota-se uma falha na fusão de dois termos em sócio-ambiental
pela impossibilidade de flexionar o primeiro termo.
d) Diretriz VII: Há três adjetivos flexionados no feminino singular para concordar com o substantivo promoção
.
e) Diretriz X: O substantivo difusão
recebe dois caracterizadores que delimitam seu significado no contexto.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/842381

Questão 1082: CEFETBAHIA - Ass (IF Baiano)/IF Baiano/Aluno/2017


Assunto:
Inseriram-se, neste texto, colchetes e numerações para isolar algumas orações subordinadas.

Amazon volta a investir em livro impresso e abre até livraria

Publicado em 10 de fevereiro de 2017


(1)
Dez anos atrás, [quando Jeff Bezos lançou o leitor eletrônico Kindle em Nova York] , ele declarou que “o livro é uma forma tão evoluída e tão apropriada à sua tarefa
(2) (3)
[que é muito difícil substituí-lo].” O fundador da Amazon estava certo: [no segundo trimestre deste ano, a empresa vai abrir uma livraria em Manhattan.]

Há sinais de renascimento para os livros, em toda parte. A cadeia britânica de livrarias Waterstone saiu do vermelho no ano passado depois de seis anos de prejuízos. As
vendas de livros em papel subiram em 3% nos Estados Unidos, [enquanto as de livros eletrônicos caíram.](4) A tecnologia digital não gerou no mercado de livros uma
revolução semelhante à [que causou na música, televisão e notícias;](5) ainda gostamos de ler livros.

(Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/02/1857548-amazon-volta- a-investir-em-livro-impresso-e-abre-ate-livraria.shtml>. Acesso em: 25 abr. 2017)


Categorizou-se acertadamente o valor de sentido das orações subordinadas isoladas entre colchetes com a numeração entre parênteses em

(1)
a) proporção.
(2)
b) consequência.
(3)
c) tempo.
(4)
d) condição.
(5)
e) causa.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/842382

Questão 1083: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

A saúde do "planeta azul" está em perigo e é preciso fazer algo a respeito. Reequilibrar o sistema climático, porém, não é tarefa fácil - exige que repensemos a forma
como fazemos negócios, geramos a energia que alimenta as cidades e as indústrias, e todos os padrões abusivos de extração de recursos naturais. Curar a Terra de seu
estado febril e impedir "impactos graves, generalizados e irreversíveis" é um desafio que conclama todas as nações à ação coletiva.

No final de 2015, a Organização das Nações Unidas (ONU) realizou em Paris, a 21ª Conferência das Partes (COP 21) com o objetivo de chegar a um amplo e ambicioso
novo acordo mundial capaz de frear os efeitos das mudanças climáticas e garantir o futuro da humanidade. Este novo acordo deverá limitar a 2 graus Celsius (°C) o
aquecimento global até 2100. Passado este ponto, as emissões de gases do efeito estufa entrarão em um círculo virtuoso cujos efeitos serão impossíveis de deter.

Disponível em:< http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/5-perguntas-entendercop21-


reuniao-seculo-925400.shtml?func=2>. Acesso em: 17 out. 2016.

De acordo com o texto 1, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) Os padrões atuais de produção e consumo estão colocando o sistema climático em equilíbrio.

( ) O aumento das emissões de gases de efeito estufa pode reequilibrar o sistema climático devido ao circulo virtuoso do aquecimento global.

( ) O acordo proposto pela ONU durante a COP 21 visa limitar o aquecimento global através do controle das emissões de gases de efeito estufa.

( ) O estado febril do Planeta Terra está relacionado ao aumento das emissões de gases de efeito estufa que provocam o aquecimento global.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) VFVF
b) VFFV
c) VVFF
d) FVVF
e) FFVV
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806815

Questão 1084: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

A saúde do "planeta azul" está em perigo e é preciso fazer algo a respeito. Reequilibrar o sistema climático, porém, não é tarefa fácil - exige que repensemos a forma
como fazemos negócios, geramos a energia que alimenta as cidades e as indústrias, e todos os padrões abusivos de extração de recursos naturais. Curar a Terra de seu

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 36/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
estado febril e impedir "impactos graves, generalizados e irreversíveis" é um desafio que conclama todas as nações à ação coletiva.

No final de 2015, a Organização das Nações Unidas (ONU) realizou em Paris, a 21ª Conferência das Partes (COP 21) com o objetivo de chegar a um amplo e ambicioso
novo acordo mundial capaz de frear os efeitos das mudanças climáticas e garantir o futuro da humanidade. Este novo acordo deverá limitar a 2 graus Celsius (°C) o
aquecimento global até 2100. Passado este ponto, as emissões de gases do efeito estufa entrarão em um círculo virtuoso cujos efeitos serão impossíveis de deter.

Disponível em:< http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/5-perguntas-entendercop21-


reuniao-seculo-925400.shtml?func=2>. Acesso em: 17 out. 2016.

No trecho “Reequilibrar o sistema climático, porém, não é tarefa fácil [...]” (linha 2), o vocábulo em destaque pode ser pode ser substituído, sem prejudicar o sentido da
frase, por

a) que
b) mais
c) logo
d) portanto
e) contudo
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806816

Questão 1085: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

A saúde do "planeta azul" está(a) em perigo e é preciso fazer algo a respeito. Reequilibrar o sistema climático, porém, não é tarefa fácil - exige(b) que repensemos(e) a
forma como fazemos(a, d) negócios, geramos(b, c) a energia que alimenta(e) as cidades e as indústrias, e todos os padrões abusivos de extração de recursos naturais.
Curar a Terra de seu estado febril e impedir "impactos graves, generalizados e irreversíveis" é um desafio que conclama todas as nações à ação coletiva.

No final de 2015, a Organização das Nações Unidas (ONU) realizou(c) em Paris, a 21ª Conferência das Partes (COP 21) com o objetivo de chegar(a) a um amplo e
ambicioso novo acordo mundial capaz de frear os efeitos das mudanças climáticas e garantir o futuro da humanidade. Este novo acordo deverá(d) limitar a 2 graus Celsius
(°C) o aquecimento global até 2100. Passado este ponto, as emissões de gases do efeito estufa entrarão(c, d) em um círculo virtuoso cujos efeitos serão(b, e) impossíveis
de deter.

Disponível em:< http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/5-perguntas-entendercop21-


reuniao-seculo-925400.shtml?func=2>. Acesso em: 17 out. 2016.

Refere-se, respectivamente, ao presente, passado e futuro, o sentido dos verbos

a) está / fazemos / chegar.


b) exige / geramos / serão.
c) geramos / realizou / entrarão.
d) fazemos / entrarão / deverá.
e) alimenta / repensemos / serão.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806817

Questão 1086: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

A saúde do "planeta azul" está em perigo e é preciso fazer algo a respeito. Reequilibrar o sistema climático, porém, não é tarefa fácil - exige que repensemos a forma
como fazemos negócios, geramos a energia que alimenta as cidades e as indústrias, e todos os padrões abusivos de extração de recursos naturais. Curar a Terra de seu
estado febril e impedir "impactos graves, generalizados e irreversíveis" é um desafio que conclama todas as nações à ação coletiva.

No final de 2015, a Organização das Nações Unidas (ONU) realizou em Paris, a 21ª Conferência das Partes (COP 21) com o objetivo de chegar a um amplo e ambicioso
novo acordo mundial capaz de frear os efeitos das mudanças climáticas e garantir o futuro da humanidade. Este novo acordo deverá limitar a 2 graus Celsius (°C) o
aquecimento global até 2100. Passado este ponto, as emissões de gases do efeito estufa entrarão em um círculo virtuoso cujos efeitos serão impossíveis de deter.

Disponível em:< http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/5-perguntas-entendercop21-


reuniao-seculo-925400.shtml?func=2>. Acesso em: 17 out. 2016.

No trecho, “No final de 2015, a Organização das Nações Unidas (ONU) realizou em Paris [...]”, a vírgula é usada para separar

a) o vocativo.
b) o predicado do sujeito.
c) a conjunção intercalada.
d) o adjunto adverbial antecipado.
e) a oração principal da subordinada substantiva.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806818

Questão 1087: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

A saúde do "planeta azul" está em perigo e é preciso fazer algo a respeito. Reequilibrar o sistema climático, porém, não é tarefa fácil - exige que repensemos a forma
como fazemos negócios, geramos a energia que alimenta as cidades e as indústrias, e todos os padrões abusivos de extração de recursos naturais. Curar a Terra de seu
estado febril e impedir "impactos graves, generalizados e irreversíveis" é um desafio que conclama todas as nações à ação coletiva.
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 37/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

No final de 2015, a Organização das Nações Unidas (ONU) realizou em Paris, a 21ª Conferência das Partes (COP 21) com o objetivo de chegar a um amplo e ambicioso
novo acordo mundial capaz de frear os efeitos das mudanças climáticas e garantir o futuro da humanidade. Este novo acordo deverá limitar a 2 graus Celsius (°C) o
aquecimento global até 2100. Passado este ponto, as emissões de gases do efeito estufa entrarão em um círculo virtuoso cujos efeitos serão impossíveis de deter.

Disponível em:< http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/5-perguntas-entendercop21-


reuniao-seculo-925400.shtml?func=2>. Acesso em: 17 out. 2016.

“A saúde do "planeta azul" está em perigo e é preciso fazer algo a respeito. Reequilibrar o sistema climático, porém, não é tarefa fácil - exige que repensemos a forma
como fazemos negócios, geramos a energia que alimenta as cidades e as indústrias, e todos os padrões abusivos de extração de recursos naturais.”.

Sobre as palavras destacadas no trecho acima, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) “em” e “de” são preposições.

( ) “algo” e “todos” são pronomes.

( ) “sistema” e “fácil” são adjetivos.

( ) “alimenta” e “naturais” são substantivos.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) VVFF
b) VFVF
c) VFFV
d) FVVF
e) FVFV
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806821

Questão 1088: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 2 para responder a questão abaixo.

Texto 2

O Pavão

Eu considerei a glória de um pavão ostentando o esplendor de suas cores; é um luxo imperial. Mas andei lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não existem na
pena do pavão. Não há pigmentos. O que há são minúsculas bolhas d'água em que a luz se fragmenta, como em um prisma. O pavão é um arco-íris de plumas.

Eu considerei que este é o luxo do grande artista, atingir o máximo de matizes com o mínimo de elementos. De água e luz ele faz seu esplendor; seu grande mistério é a
simplicidade.

Considerei, por fim, que assim é o amor, oh! minha amada; de tudo que ele suscita e esplende e estremece e delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a luz
de teu olhar. Ele me cobre de glórias e me faz magnífico.

BRAGA, Rubem. Ai de ti, Copacabana. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1960. Disponível em:
<https://pensador.uol.com.br/frase/MTExNjAxMA/>. Acesso em: 19 out. 2016.

A intenção do autor do texto 2 é destacar que

a) a simplicidade é um mistério.
b) a beleza das penas do pavão é falsa.
c) a simplicidade torna as coisas magníficas.
d) a beleza só pode ser alcançada com simplicidade.
e) o pavão é arrogante pois ostenta as cores das suas penas, que são falsas.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806823

Questão 1089: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 2 para responder a questão abaixo.

Texto 2

O Pavão

Eu considerei a glória de um pavão(b) ostentando o esplendor de suas cores(d); é um luxo imperial. Mas andei lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não
existem na pena do pavão. Não há pigmentos. O que há são minúsculas bolhas d'água(c) em que a luz se fragmenta, como em um prisma. O pavão é um arco-íris de
plumas(e).

Eu considerei que este é o luxo do grande artista, atingir o máximo de matizes com o mínimo de elementos. De água e luz ele faz seu esplendor; seu grande mistério(a) é
a simplicidade.

Considerei, por fim, que assim é o amor, oh! minha amada; de tudo que ele suscita e esplende e estremece e delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a luz
de teu olhar. Ele me cobre de glórias e me faz magnífico.

BRAGA, Rubem. Ai de ti, Copacabana. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1960. Disponível em:
<https://pensador.uol.com.br/frase/MTExNjAxMA/>. Acesso em: 19 out. 2016.

No trecho “[...] é um luxo imperial”, a palavra “imperial” pertence à mesma classe de palavras que a destaca em

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 38/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
a) “[...] seu grande mistério”
b) “[...] a glória de um pavão”
c) “[...] minúsculas bolhas d’água
d) “[...] o esplendor de suas cores
e) “O pavão é um arco-íris de plumas”
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806827

Questão 1090: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 2 para responder a questão abaixo.

Texto 2

O Pavão

Eu considerei a glória de um pavão ostentando o esplendor de suas cores; é um luxo imperial. Mas andei lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não existem na
pena do pavão. Não há pigmentos. O que há são minúsculas bolhas d'água em que a luz se fragmenta, como em um prisma. O pavão é um arco-íris de plumas.

Eu considerei que este é o luxo do grande artista, atingir o máximo de matizes com o mínimo de elementos. De água e luz ele faz seu esplendor; seu grande mistério é a
simplicidade.

Considerei, por fim, que assim é o amor, oh! minha amada; de tudo que ele suscita e esplende e estremece e delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a luz
de teu olhar. Ele me cobre de glórias e me faz magnífico.

BRAGA, Rubem. Ai de ti, Copacabana. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1960. Disponível em:
<https://pensador.uol.com.br/frase/MTExNjAxMA/>. Acesso em: 19 out. 2016.

Considerando os pares de vocábulos extraídos do texto 2 acentuados pela mesma regra de acentuação gráfica, analise as opções e identifique com V as verdadeiras e
com F as falsas.

( ) íris e água.

( ) glória e mistério.

( ) máximo e magnífico.

( ) minúsculas e mistério.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) VFVF
b) VFFV
c) VVFF
d) FFVV
e) FVVF
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806829

Questão 1091: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 2 para responder a questão abaixo.

Texto 2

O Pavão

Eu considerei a glória de um pavão ostentando o esplendor de suas cores; é um luxo imperial. Mas andei lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não existem na
pena do pavão. Não há pigmentos. O que há são minúsculas bolhas d'água em que a luz se fragmenta, como em um prisma. O pavão é um arco-íris de plumas.

Eu considerei que este é o luxo(a) do grande artista, atingir o máximo de matizes com o mínimo de elementos. De água e luz ele faz seu esplendor(d); seu
grande mistério(e) é a simplicidade.

Considerei, por fim, que assim é o amor(b), oh! minha amada; de tudo que ele suscita e esplende e estremece e delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a
luz de teu olhar(c). Ele me cobre de glórias e me faz magnífico.

BRAGA, Rubem. Ai de ti, Copacabana. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1960. Disponível em:
<https://pensador.uol.com.br/frase/MTExNjAxMA/>. Acesso em: 19 out. 2016.

No trecho “Ele me cobre de glórias e me faz magnífico, o pronome “Ele” se refere a

a) o luxo.
b) o amor.
c) teu olhar.
d) seu esplendor.
e) seu grande mistério.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806832

Questão 1092: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 2 para responder a questão abaixo.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 39/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Texto 2

O Pavão

Eu considerei a glória de um pavão ostentando o esplendor de suas cores; é um luxo imperial. Mas andei lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não existem na
pena do pavão. Não há pigmentos. O que há são minúsculas bolhas d'água em que a luz se fragmenta, como em um prisma. O pavão é um arco-íris de plumas.

Eu considerei que este é o luxo do grande artista, atingir o máximo de matizes com o mínimo de elementos. De água e luz ele faz seu esplendor; seu grande mistério é a
simplicidade.

Considerei, por fim, que assim é o amor, oh! minha amada; de tudo que ele suscita e esplende e estremece e delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a luz
de teu olhar. Ele me cobre de glórias e me faz magnífico.

BRAGA, Rubem. Ai de ti, Copacabana. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1960. Disponível em:
<https://pensador.uol.com.br/frase/MTExNjAxMA/>. Acesso em: 19 out. 2016.

No trecho “Considerei, por fim, que assim é o amor, oh! minha amada [...]”, a expressão em destaque expressa

a) dor.
b) tristeza.
c) admiração.
d) desânimo.
e) insatisfação.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806833

Questão 1093: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 3 para responder a questão abaixo.

Texto 3

Era uma vez... numa terra muito distante...uma princesa linda, independente e cheia de autoestima.

Ela se deparou com uma rã enquanto contemplava a natureza e pensava em como o maravilhoso lago do seu castelo era relaxante e ecológico...

Então, a rã pulou para o seu colo e disse:

- linda princesa, eu já fui um príncipe muito bonito. Uma bruxa má lançou-me um encanto e transformei-me nesta rã asquerosa. Um beijo teu, no entanto, há de me
transformar de novo num belo príncipe e poderemos casar e constituir lar feliz no teu lindo castelo. A tua mãe poderia vir morar conosco e tu poderias preparar o meu
jantar, lavar as minhas roupas, criar os nossos filhos e seríamos felizes para sempre...

Naquela noite, enquanto saboreava pernas de rã sautée, acompanhadas de um cremoso molho acebolado e de um finíssimo vinho branco, a princesa sorria, pensando
consigo mesma:

- Eu, hein?... nem morta!

VERÌSSIMO, Luís Fernando. A princesa e a rã. Disponível em:


<https://pensador.uol.com.br/frase/MTM3OTAy/>. Acesso em: 19 out. 2016 (Adaptado).

O texto 3 faz

a) uma crítica à sociedade machista.


b) um apelo à solidariedade humana.
c) uma crítica às mulheres independentes.
d) uma aclamação a igualdade de direitos de homens e mulheres.
e) uma denúncia sobre a maldade dos humanos em relação aos animais.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806834

Questão 1094: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 3 para responder a questão abaixo.

Texto 3

Era uma vez... numa terra muito distante(b)...uma princesa linda, independente e cheia de autoestima.

Ela se deparou com uma rã enquanto contemplava a natureza e pensava em como o maravilhoso lago do seu castelo era relaxante e ecológico(c)...

Então, a rã pulou para o seu colo e disse:

- linda princesa, eu já fui um príncipe muito bonito. Uma bruxa má lançou-me um encanto e transformei-me nesta rã asquerosa. Um beijo teu, no entanto, há de me
transformar de novo num belo príncipe(e) e poderemos casar e constituir lar feliz no teu lindo castelo. A tua mãe poderia vir morar conosco(d) e tu poderias preparar o
meu jantar, lavar as minhas roupas, criar os nossos filhos e seríamos felizes para sempre...

Naquela noite, enquanto saboreava pernas de rã sautée, acompanhadas de um cremoso molho acebolado e de um finíssimo vinho branco, a princesa sorria, pensando
consigo mesma:

- Eu, hein?... nem morta!(a)

VERÌSSIMO, Luís Fernando. A princesa e a rã. Disponível em:


<https://pensador.uol.com.br/frase/MTM3OTAy/>. Acesso em: 19 out. 2016 (Adaptado).

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 40/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Advérbio é a palavra que indica as circunstâncias em que se dá a ação verbal. A alternativa que ontem um advérbio ou locução adverbial destacada é

a) –“Eu, hein?... nem morta!”.


b) “[...] numa terra muito distante [...]”.
c) “[...] castelo era relaxante e ecológico [...]” .
d) “A tua mãe poderia vir morar conosco [...]”.
e) “[...] há de me transformar de novo num belo príncipe [...]”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806835

Questão 1095: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 3 para responder a questão abaixo.

Texto 3

Era uma vez... numa terra muito distante...uma princesa linda, independente e cheia de autoestima.

Ela se deparou com uma rã enquanto contemplava a natureza e pensava em como o maravilhoso lago do seu castelo era relaxante e ecológico...

Então, a rã pulou para o seu colo e disse:

- linda princesa, eu já fui um príncipe muito bonito. Uma bruxa má lançou-me um encanto e transformei-me nesta rã asquerosa. Um beijo teu, no entanto, há de me
transformar de novo num belo príncipe e poderemos casar e constituir lar feliz no teu lindo castelo. A tua mãe poderia vir morar conosco e tu poderias preparar o meu
jantar, lavar as minhas roupas, criar os nossos filhos e seríamos felizes para sempre...

Naquela noite, enquanto saboreava pernas de rã sautée, acompanhadas de um cremoso molho acebolado e de um finíssimo vinho branco, a princesa sorria, pensando
consigo mesma:

- Eu, hein?... nem morta!

VERÌSSIMO, Luís Fernando. A princesa e a rã. Disponível em:


<https://pensador.uol.com.br/frase/MTM3OTAy/>. Acesso em: 19 out. 2016 (Adaptado).

No trecho “- linda princesa, eu já fui um príncipe muito bonito.”, o pronome de tratamento mais adequado para substituir a expressa em destaque é

a) Vossa Alteza
b) Vossa Senhoria
c) Vossa Santidade
d) Vossa Majestade
e) Vossa Excelência
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806838

Questão 1096: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Leia o texto 3 para responder a questão abaixo.

Texto 3

Era uma vez... numa terra muito distante...uma princesa linda, independente e cheia de autoestima.

Ela se deparou com uma rã enquanto contemplava a natureza e pensava em como o maravilhoso lago do seu castelo era relaxante e ecológico...

Então, a rã pulou para o seu colo e disse:

- linda princesa, eu já fui um príncipe muito bonito. Uma bruxa má lançou-me um encanto e transformei-me nesta rã asquerosa. Um beijo teu, no entanto, há de me
transformar de novo num belo príncipe e poderemos casar e constituir lar feliz no teu lindo castelo. A tua mãe poderia vir morar conosco e tu poderias preparar o meu
jantar, lavar as minhas roupas, criar os nossos filhos e seríamos felizes para sempre...

Naquela noite, enquanto saboreava pernas de rã sautée, acompanhadas de um cremoso molho acebolado e de um finíssimo vinho branco, a princesa sorria, pensando
consigo mesma:

- Eu, hein?... nem morta!

VERÌSSIMO, Luís Fernando. A princesa e a rã. Disponível em:


<https://pensador.uol.com.br/frase/MTM3OTAy/>. Acesso em: 19 out. 2016 (Adaptado).

Em “Um beijo teu, no entanto, há de me transformar de novo num belo príncipe [...]”, o conectivo destacado, sem prejuízo de sentido, pode ser substituído por:

a) que
b) pois
c) logo
d) porém
e) portanto
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806840

Questão 1097: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
As letras “j” e “g” têm o mesmo som antes de “e” ou “i”, por isso algumas pessoas ficam em dúvida na hora de escrever as palavras destacadas a seguir. A alternativa na
qual a palavra em destaque apresenta grafia correta é

a) Ele é muito nogento!

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 41/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) Posso ajeitar meu cabelo?
c) A cangica está muito saborosa.
d) Foi um ultrage a Vossa Majestade.
e) Houve o contájio de todos os presentes.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806841

Questão 1098: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Observe o trecho a seguir:

Ele teve _______________ de ________________ a __________________ da Escola que foi pintada pela comunidade. Estamos indignados!

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é:

a) coraje / pichar/ garage


b) corage / pixar / garagem
c) corajem / pixar / garagem
d) coragem / pichar / garajem
e) coragem / pichar/ garagem
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806842

Questão 1099: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Observe o trecho da Canção da América escrita por Milton Nascimento:

“___________ dia, amigo, eu volto

A ____ encontrar.

____________ dia, amigo, __________ vai se encontrar”.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é:

a) Qualquer / ti / Qualquer / agente


b) Qualquer / te / Qualquer / a gente
c) Qualquer / lhe / Qualquer / agente
d) Qual quer / te / Qual quer / a gente
e) Qual quer / lhe / Qual quer / a gente
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806844

Questão 1100: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Observe o trecho a seguir:

Encontrei-_____ sozinhas em casa, mas não __________, __________ ao cinema.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é:

a) lhes / se preocupe / levarei.


b) as / se preocupe / levá-las-ei.
c) as / preocupe-se / levarei-as.
d) nas / preocupe-se / levá-las-ei.
e) nas / se preocupe / leva-nas-ei.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806845

Questão 1101: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
No trecho, “Ontem, o lápis e o giz estavam apontados”, alterando o tempo do verbo para o presente e flexionando os substantivos para o plural, a alternativa que
apresenta a grafia correta é

a) Os lápis e os gizs estão apontados.


b) Os lápis e os gizes estão apontados.
c) Os lápis e os gizes estam apontados.
d) Os lápises e os gises estão apontados.
e) Os lápisses e os gizes estam apontados.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806846

Questão 1102: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2016


Assunto:
Observe o trecho a seguir:

Antes de decidir a viagem de férias, observo o conjunto de mapas para escolher o melhor destino. A alternativa que substitui corretamente a expressão destacada no
trecho acima é

a) atlas
b) álbum
c) elenco

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 42/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
d) acervo
e) galeria
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806847

Questão 1103: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Da teoria para a prática

Sabemos que a educação é um direito fundamental que ajuda não só no desenvolvimento de um país, mas também de cada pessoa. Sua importância vai além do
aumento da renda individual ou das chances de se obter um emprego. Como já disse a socióloga e pesquisadora da Fundação Carlos Chagas, Sandra Unbehaum,
"perguntar a importância da Educação é como perguntar qual a importância do ar para nós. É pela Educação que aprendemos a nos preparar para a vida". Sendo assim
hoje ainda é preciso enfrentar muitos gargalos para que a educação exerça seu papel em Mato Grosso e no país. Entre eles o abandono escolar. O Brasil ainda tem 2,8
milhões de crianças e adolescentes fora da escola, segundo o último balanço feito pelo Movimento Todos pela Educação (TPE) com base nos dados da Pesquisa Nacional
por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2014, os mais recentes. A etapa mais prejudicada é exatamente a dos adolescentes entre 15 e 17 anos: 17,4% não estavam na
escola naquele ano, taxa que se mantém praticamente estagnada desde 2005, quando 21,2% dos jovens não estavam matriculados.

De acordo com o estudo, os meninos evadem mais que as meninas - 14% dos jovens de 15 a 17 anos estão fora da escola e não completaram o Ensino Médio. Destes,
63% estavam trabalhando ou procurando emprego. Já entre as mulheres a proporção é de 12%. Do total de 1,3 milhão de jovens de 15 a 17 anos fora da escola sem
Ensino Médio concluído, 610 mil são mulheres. Mais de um terço das jovens que deixaram de estudar já eram mães. As jovens mães que mantiveram os estudos
representam 2%. A pesquisa aponta que "a repetência e o desinteresse do jovem pelos estudos, motivados pela baixa qualidade do ensino e por um currículo,
especialmente no ensino médio enciclopédico e sem flexibilidade para escolhas" são fatores que aumentam o abandono escolar.

Pelos dados se percebe que o acesso dos jovens a uma escola de qualidade continua sendo uma questão a ser resolvida e com urgência. É o futuro destes jovens e do
país que está em jogo. Mudar essa situação de atraso requer mais que simplesmente verbas. Exige uma mudança radical no modo de pensar a educação. A sociedade -
não apenas o Estado, mas as empresas e as famílias - precisa se envolver. É sabido, nenhuma nação pode almejar o desenvolvimento sem um ensino de qualidade. A
pré-condição é conhecida por todos há muito tempo. E por aqui já passou da hora de sairmos da teoria para a prática.

Disponível em:< http://www.gazetadigital.com.br/conteudo/show/secao/60/materia/471674/t/da-teoria-para-apratica>.


Acesso em: 06 mar. 2016

Em relação à temática tratada no texto 1, é correto afirmar que

a) a educação avançaria se houvesse verbas, flexibilidade curricular.


b) a educação, embora tenha gargalos, apresenta sinalizações de melhora.
c) a educação é importante porque garante aumento da renda individual e emprego.
d) a educação será de qualidade quando toda sociedade mudar seu modo de pensá-la.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809045

Questão 1104: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Da teoria para a prática

Sabemos que a educação é um direito fundamental que ajuda não só no desenvolvimento de um país, mas também de cada pessoa. Sua importância vai além do
aumento da renda individual ou das chances de se obter um emprego. Como já disse a socióloga e pesquisadora da Fundação Carlos Chagas, Sandra Unbehaum,
"perguntar a importância da Educação é como perguntar qual a importância do ar para nós. É pela Educação que aprendemos a nos preparar para a vida". Sendo assim
hoje ainda é preciso enfrentar muitos gargalos para que a educação exerça seu papel em Mato Grosso e no país. Entre eles o abandono escolar. O Brasil ainda tem 2,8
milhões de crianças e adolescentes fora da escola, segundo o último balanço feito pelo Movimento Todos pela Educação (TPE) com base nos dados da Pesquisa Nacional
por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2014, os mais recentes. A etapa mais prejudicada é exatamente a dos adolescentes entre 15 e 17 anos: 17,4% não estavam na
escola naquele ano, taxa que se mantém praticamente estagnada desde 2005, quando 21,2% dos jovens não estavam matriculados.

De acordo com o estudo, os meninos evadem mais que as meninas - 14% dos jovens de 15 a 17 anos estão fora da escola e não completaram o Ensino Médio. Destes,
63% estavam trabalhando ou procurando emprego. Já entre as mulheres a proporção é de 12%. Do total de 1,3 milhão de jovens de 15 a 17 anos fora da escola sem
Ensino Médio concluído, 610 mil são mulheres. Mais de um terço das jovens que deixaram de estudar já eram mães. As jovens mães que mantiveram os estudos
representam 2%. A pesquisa aponta que "a repetência e o desinteresse do jovem pelos estudos, motivados pela baixa qualidade do ensino e por um currículo,
especialmente no ensino médio enciclopédico e sem flexibilidade para escolhas" são fatores que aumentam o abandono escolar.

Pelos dados se percebe que o acesso dos jovens a uma escola de qualidade continua sendo uma questão a ser resolvida e com urgência. É o futuro destes jovens e do
país que está em jogo. Mudar essa situação de atraso requer mais que simplesmente verbas. Exige uma mudança radical no modo de pensar a educação. A sociedade -
não apenas o Estado, mas as empresas e as famílias - precisa se envolver. É sabido, nenhuma nação pode almejar o desenvolvimento sem um ensino de qualidade. A
pré-condição é conhecida por todos há muito tempo. E por aqui já passou da hora de sairmos da teoria para a prática.

Disponível em:< http://www.gazetadigital.com.br/conteudo/show/secao/60/materia/471674/t/da-teoria-para-apratica>.


Acesso em: 06 mar. 2016

“É sabido, nenhuma nação pode almejar o desenvolvimento sem um ensino de qualidade. A pré-condição é conhecida por todos há muito tempo. E por aqui já passou da
hora de sairmos da teoria para a prática”.

De acordo com o trecho acima, é correto afirmar que

a) o Brasil já vem avançando no desenvolvimento de uma educação de qualidade.


b) a saída da teoria para a prática ocorrerá quando a nação almejar a boa educação.
c) o progresso de uma nação passa pela educação, por isso é preciso agir com urgência.
d) o desenvolvimento da nação é condição primordial para haver qualidade da educação.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809046

Questão 1105: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 43/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Da teoria para a prática

Sabemos que a educação é um direito fundamental que ajuda não só no desenvolvimento de um país, mas também de cada pessoa. Sua importância vai além do
aumento da renda individual ou das chances de se obter um emprego. Como já disse a socióloga e pesquisadora da Fundação Carlos Chagas, Sandra Unbehaum,
"perguntar a importância da Educação é como perguntar qual a importância do ar para nós. É pela Educação que aprendemos a nos preparar para a vida". Sendo assim
hoje ainda é preciso enfrentar muitos gargalos para que a educação exerça seu papel em Mato Grosso e no país. Entre eles o abandono escolar. O Brasil ainda tem 2,8
milhões de crianças e adolescentes fora da escola, segundo o último balanço feito pelo Movimento Todos pela Educação (TPE) com base nos dados da Pesquisa Nacional
por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2014, os mais recentes. A etapa mais prejudicada é exatamente a dos adolescentes entre 15 e 17 anos: 17,4% não estavam na
escola naquele ano, taxa que se mantém praticamente estagnada desde 2005, quando 21,2% dos jovens não estavam matriculados.

De acordo com o estudo, os meninos evadem mais que as meninas - 14% dos jovens de 15 a 17 anos estão fora da escola e não completaram o Ensino Médio. Destes,
63% estavam trabalhando ou procurando emprego. Já entre as mulheres a proporção é de 12%. Do total de 1,3 milhão de jovens de 15 a 17 anos fora da escola sem
Ensino Médio concluído, 610 mil são mulheres. Mais de um terço das jovens que deixaram de estudar já eram mães. As jovens mães que mantiveram os estudos
representam 2%. A pesquisa aponta que "a repetência e o desinteresse do jovem pelos estudos, motivados pela baixa qualidade do ensino e por um currículo,
especialmente no ensino médio enciclopédico e sem flexibilidade para escolhas" são fatores que aumentam o abandono escolar.

Pelos dados se percebe que o acesso dos jovens a uma escola de qualidade continua sendo uma questão a ser resolvida e com urgência. É o futuro destes jovens e do
país que está em jogo. Mudar essa situação de atraso requer mais que simplesmente verbas. Exige uma mudança radical no modo de pensar a educação. A sociedade -
não apenas o Estado, mas as empresas e as famílias - precisa se envolver. É sabido, nenhuma nação pode almejar o desenvolvimento sem um ensino de qualidade. A
pré-condição é conhecida por todos há muito tempo. E por aqui já passou da hora de sairmos da teoria para a prática.

Disponível em:< http://www.gazetadigital.com.br/conteudo/show/secao/60/materia/471674/t/da-teoria-para-apratica>.


Acesso em: 06 mar. 2016

“A pesquisa aponta que a repetência e o desinteresse do jovem pelos estudos, motivados pela baixa qualidade do ensino e por um currículo, especialmente no ensino
médio enciclopédico e sem flexibilidade para escolhas, são fatores que aumentam o abandono escolar”.

A respeito das palavras destacadas no trecho acima, é correto afirmar que

a) a palavra “currículo” está acentuada porque é uma proparoxítona.


b) a palavra “enciclopédico” está acentuada porque é uma paroxítona.
c) a palavra “repetência” está acentuada porque é uma oxítona terminada em a.
d) a palavra “médio” está acentuada porque é um monossílabo átono terminado em o.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809047

Questão 1106: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Da teoria para a prática

Sabemos que a educação é um direito fundamental que ajuda não só no desenvolvimento de um país, mas também de cada pessoa. Sua importância vai além do
aumento da renda individual ou das chances de se obter um emprego. Como já disse a socióloga e pesquisadora da Fundação Carlos Chagas, Sandra Unbehaum,
"perguntar a importância da Educação é como perguntar qual a importância do ar para nós. É pela Educação que aprendemos a nos preparar para a vida". Sendo assim
hoje ainda é preciso enfrentar muitos gargalos para que a educação exerça seu papel em Mato Grosso e no país. Entre eles o abandono escolar. O Brasil ainda tem 2,8
milhões de crianças e adolescentes fora da escola, segundo o último balanço feito pelo Movimento Todos pela Educação (TPE) com base nos dados da Pesquisa Nacional
por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2014, os mais recentes. A etapa mais prejudicada é exatamente a dos adolescentes entre 15 e 17 anos: 17,4% não estavam na
escola naquele ano, taxa que se mantém praticamente estagnada desde 2005, quando 21,2% dos jovens não estavam matriculados.

De acordo com o estudo, os meninos evadem mais que as meninas - 14% dos jovens de 15 a 17 anos estão fora da escola e não completaram o Ensino Médio. Destes,
63% estavam trabalhando ou procurando emprego. Já entre as mulheres a proporção é de 12%. Do total de 1,3 milhão de jovens de 15 a 17 anos fora da escola sem
Ensino Médio concluído, 610 mil são mulheres. Mais de um terço das jovens que deixaram de estudar já eram mães. As jovens mães que mantiveram os estudos
representam 2%. A pesquisa aponta que "a repetência e o desinteresse do jovem pelos estudos, motivados pela baixa qualidade do ensino e por um currículo,
especialmente no ensino médio enciclopédico e sem flexibilidade para escolhas" são fatores que aumentam o abandono escolar.

Pelos dados se percebe que o acesso dos jovens a uma escola de qualidade continua sendo uma questão a ser resolvida e com urgência. É o futuro destes jovens e do
país que está em jogo. Mudar essa situação de atraso requer mais que simplesmente verbas. Exige uma mudança radical no modo de pensar a educação. A sociedade -
não apenas o Estado, mas as empresas e as famílias - precisa se envolver. É sabido, nenhuma nação pode almejar o desenvolvimento sem um ensino de qualidade. A
pré-condição é conhecida por todos há muito tempo. E por aqui já passou da hora de sairmos da teoria para a prática.

Disponível em:< http://www.gazetadigital.com.br/conteudo/show/secao/60/materia/471674/t/da-teoria-para-apratica>.


Acesso em: 06 mar. 2016

A pesquisa aponta que a repetência e o desinteresse do jovem pelos estudos, motivados pela baixa qualidade do ensino e por um currículo, especialmente no ensino
médio enciclopédico e sem flexibilidade para escolhas, são fatores que aumentam o abandono escolar”

No trecho acima, o verbo destacado está concordando com

a) pesquisa.
b) repetência e desinteresse.
c) flexibilidade para escolhas.
d) baixa qualidade de ensino e currículo.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809049

Questão 1107: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 44/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Texto 1

Da teoria para a prática

Sabemos que a educação é um direito fundamental que ajuda não só no desenvolvimento de um país, mas também de cada pessoa. Sua importância vai além do
aumento da renda individual ou das chances de se obter um emprego. Como já disse a socióloga e pesquisadora da Fundação Carlos Chagas, Sandra Unbehaum,
"perguntar a importância da Educação é como perguntar qual a importância do ar para nós. É pela Educação que aprendemos a nos preparar para a vida". Sendo assim
hoje ainda é preciso enfrentar muitos gargalos para que a educação exerça seu papel em Mato Grosso e no país. Entre eles o abandono escolar. O Brasil ainda tem 2,8
milhões de crianças e adolescentes fora da escola, segundo o último balanço feito pelo Movimento Todos pela Educação (TPE) com base nos dados da Pesquisa Nacional
por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2014, os mais recentes. A etapa mais prejudicada é exatamente a dos adolescentes entre 15 e 17 anos: 17,4% não estavam na
escola naquele ano, taxa que se mantém praticamente estagnada desde 2005, quando 21,2% dos jovens não estavam matriculados.

De acordo com o estudo, os meninos evadem mais que as meninas - 14% dos jovens de 15 a 17 anos estão fora da escola e não completaram o Ensino Médio. Destes,
63% estavam trabalhando ou procurando emprego. Já entre as mulheres a proporção é de 12%. Do total de 1,3 milhão de jovens de 15 a 17 anos fora da escola sem
Ensino Médio concluído, 610 mil são mulheres. Mais de um terço das jovens que deixaram de estudar já eram mães. As jovens mães que mantiveram os estudos
representam 2%. A pesquisa aponta que "a repetência e o desinteresse do jovem pelos estudos, motivados pela baixa qualidade do ensino e por um currículo,
especialmente no ensino médio enciclopédico e sem flexibilidade para escolhas" são fatores que aumentam o abandono escolar.

Pelos dados se percebe que o acesso dos jovens a uma escola de qualidade continua sendo uma questão a ser resolvida e com urgência. É o futuro destes jovens e do
país que está em jogo. Mudar essa situação de atraso requer mais que simplesmente verbas. Exige uma mudança radical no modo de pensar a educação. A sociedade -
não apenas o Estado, mas as empresas e as famílias - precisa se envolver. É sabido, nenhuma nação pode almejar o desenvolvimento sem um ensino de qualidade. A
pré-condição é conhecida por todos há muito tempo. E por aqui já passou da hora de sairmos da teoria para a prática.

Disponível em:< http://www.gazetadigital.com.br/conteudo/show/secao/60/materia/471674/t/da-teoria-para-apratica>.


Acesso em: 06 mar. 2016

“O Brasil ainda tem 2,8 milhões de crianças e adolescentes fora da escola, segundo o último balanço feito pelo Movimento Todos pela Educação (TPE) com base nos
dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2014, os mais recentes”.

No trecho acima, a expressão que completa o sentido do verbo é

a) nos dados
b) 2,8 milhões
c) mais recentes
d) último balanço
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809050

Questão 1108: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Fui morar numa _______________, nha, nha
Infestada, da, de cupim, pim pim
Saiu de lá, lá, lá uma ______________, xa, xa
Olhou pra mim, olhou pra mim e fez assim

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do texto acima é

a) casinha / largatixa
b) cazinha / lagartixa
c) casinha / lagartixa
d) casinha / largartixa
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809051

Questão 1109: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Eu tinha _________________ que o ________________ da casa era cupim.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do texto acima é

a) falo / poblema
b) falo / problema
c) falado / poblema
d) falado / problema
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809052

Questão 1110: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Nas árvores, também, ________________ muitos _________________.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do texto acima é

a) havia / cupins
b) havia / cupims
c) haviam / cupins
d) haviam / cupims
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809053

Questão 1111: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
As crianças __________ o mundo de uma forma diferente.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 45/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

A alternativa que preenche, corretamente, a lacuna do texto acima é

a) vem
b) vêm
c) vêem
d) veem
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809054

Questão 1112: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
A Pró Ana Maria pediu para você fazer uma lista com o nome das comidas típicas para a festinha de São João da Escola.

A alternativa que contém uma lista escrita corretamente é

a) Canjica, pé de moleque, amenduim, bolo de aipim e bolo de milio.


b) Canjica, pé de moleque, amendoim, bolo de aipim e bolo de milho.
c) Cangica, pé-de-moleque, amendoim, bolo de ainpim e bolo de milio.
d) Cangica, pé-de-moleque, amendoin, bolo de aimpim e bolo de milho.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809055

Questão 1113: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
A Professora Sônia pediu para você digitar um aviso para as mães sobre o banho de mangueira que será
realizado na sexta-feira.

A alternativa que contém um aviso, corretamente, escrito é

a) Mãe
Na sexta-feira as crianças participaram de um banho de mangueira, porisso precisaram vim de sandália,
sunga ou biquine, e trazer uma toalha.
Atenciosamente,
Pró Sônia
b) Mãe,
Na sexta-feira, as crianças participaram de um banho de mangueira, porisso precisaram vir de sandália,
sunga ou biquine, e trazer uma toalha.
Atenciosamente,
Pró Sônia
c) Mãe,
Na sexta-feira, as crianças participarão de um banho de mangueira, por isso precisarão vim de sandália,
sunga ou biquine, e trazer uma toalha.
Atenciosamente,
Pró Sônia
d) Mãe,
Na sexta-feira, as crianças participarão de um banho de mangueira, por isso precisarão vir de sandália,
sunga ou biquine, e trazer uma toalha.
Atenciosamente,
Pró Sônia
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809056

Questão 1114: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Atirei o pau no gato tô tô
Mas o gato tô tô
Não morreu reu reu
Dona Chica cá
_____________ se
Do berro, do berro que o gato deu:
Miau!

A alternativa que preenche, corretamente, a lacuna do texto acima é

a) Admirouse
b) Adimirou-se
c) Admirou-se
d) Admirousse
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809057

Questão 1115: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
O sapo não lava o pé
Não lava porque não quer
Ele mora lá na lagoa
Não lava o pé porque não quer
Mas que chulé!!!

Considerando que vários sapos não lavam o pé, a alternativa que apresenta a oração da linha 1 reescrita, corretamente, no plural é

a) Os sapos não lavão os pés


b) Os sapos não lavam os pés

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 46/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
c) Os sapos não lavam os péis
d) Os sapos não lavão os pezes
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809058

Questão 1116: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
A tradicional cantiga de roda atirei o pau no gato, ganhou uma versão para estimular as crianças a não machucarem os animais.

Não atire o pau no gato (to-to)


____________ isso (Isso-Isso)
Não se faz (faz-faz)
O gatinho (Gatinho-Gatinho)
É nosso amigo (Amigo)
Não devemos _______________
Os Animais
Miau!!!

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do texto acima é

a) porque / maltratar
b) por que / maltratar
c) porque / mautratar
d) por que / mautratar
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809060

Questão 1117: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Ana precisa faltar na segunda-feira, então resolveu deixar um bilhete na sala da diretoria.

A alternativa que contém o texto de um bilhete escrito corretamente é

a) Diretora, a senhora pode me liberar na segunda-feira? Obrigada, Ana.


b) Direitora, a senhora, pode me liberá na segunda-feira? Obrigado, Ana.
c) Diretora, a senhora, pode mim liberar na segunda-feira? Obrigado, Ana.
d) Direitora, a senhora pode mim liberar na segunda-feira? Obrigada, Ana.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809061

Questão 1118: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Haverá eleição na escola para a escolha da Rainha do Milho. ______________ criança pode concorrer, basta se ___________________.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do texto acima é

a) Qualquer / escrever
b) Qual quer / escrever
c) Qualquer / inscrever
d) Qual quer / inscrever
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809062

Questão 1119: CEFETBAHIA - Aux Cla (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Tive uma ____________! As crianças vão ______________ para o parque enquanto eu cato os _________________ do chão.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do texto acima é

a) idéia / decer / papelzinhos


b) ideia / decer / papéizinhos
c) idéia / descer / papeizinhos
d) ideia / descer / papeizinhos
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809063

Questão 1120: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

As tarefas da educação

Rubem Alves
colunista da Folha de S.Paulo

Resumindo: são duas, apenas duas, as tarefas da educação. Como acho que as explicações conceituais são difíceis de aprender e fáceis de esquecer, eu caminho sempre
pelo caminho dos poetas, que é o caminho das imagens. Uma boa imagem é inesquecível. Assim, em vez explicar o que disse, vou mostrar o que disse por meio de uma
imagem.

O corpo carrega duas caixas. Na mão direita, mão da destreza e do trabalho, ele leva uma caixa de ferramentas. E na mão esquerda, mão do coração, ele leva uma caixa
de brinquedos. Ferramentas são melhorias do corpo. Os animais não precisam de ferramentas porque seus corpos já são ferramentas. Eles lhes dão tudo aquilo de que

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 47/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
necessitam para sobreviver.

Como são desajeitados os seres humanos quando comparados com os animais! Veja, por exemplo, os macacos. Sem nenhum treinamento especial eles tirariam medalhas
de ouro na ginástica olímpica. E os saltos das pulgas e dos gafanhotos!

Já prestou atenção na velocidade das formigas? Mais velozes a pé, proporcionalmente, que os bólidos de F-1! O voo dos urubus, os buracos dos tatus, as teias das
aranhas, as conchas dos moluscos, a língua saltadora dos sapos, o veneno das taturanas, os dentes dos castores.

Nossa inteligência se desenvolveu para compensar nossa incompetência corporal. Inventou melhorias para o corpo: porretes, pilões, facas, flechas, redes, barcos, jegues,
bicicletas, casas... Disse Marshall MacLuhan corretamente que todos os "meios" são extensões do corpo. É isso que são as ferramentas, meios para viver. Ferramentas
aumentam a nossa força, nos dão poder. Sem ser dotado de força de corpo, pela inteligência o homem se transformou no mais forte de todos os animais, o mais terrível,
o maior criador, o mais destruidor. O homem tem poder para transformar o mundo num paraíso ou num deserto.

A primeira tarefa de cada geração, dos pais, é passar aos filhos, como herança, a caixa de ferramentas. Para que eles não tenham de começar da estaca zero. Para que
eles não precisem pensar soluções que já existem. Muitas ferramentas são objetos: sapatos, escovas, facas, canetas, óculos, carros, computadores. Os pais apresentam
tais ferramentas aos seus filhos e lhes ensinam como devem ser usadas. Com o passar do tempo, muitas ferramentas, muitos objetos e muitos de seus usos se tornam
obsoletos. Quando isso acontece, eles são retirados da caixa. São esquecidos por não terem mais uso. As meninas não têm de aprender a torrar café numa panela de
ferro, e os meninos não têm de aprender a usar arco-e-flecha para encontrar o café da manhã. Somente os velhos ainda sabem apontar os lápis com um canivete...

Outras ferramentas são puras habilidades. Andar, falar, construir. Uma habilidade extraordinária que usamos o tempo todo, mas de que não temos consciência, é a
capacidade de construir, na cabeça, as realidades virtuais chamadas mapas. Para nos entendermos na nossa casa, temos de ter mapas dos seus cômodos e mapas dos
lugares onde as coisas estão guardadas. Fazemos mapas da casa. Fazemos mapas da cidade, do mundo, do universo. Sem mapas, seríamos seres perdidos, sem direção.
A ciência é, ao mesmo tempo, uma enorme caixa de ferramentas e, mais importante que suas ferramentas, um saber de como se fazem as ferramentas. O uso das
ferramentas científicas que já existem pode ser ensinado. Mas a arte de construir ferramentas novas, para isso há de saber pensar. A arte de pensar é a ponte para o
desconhecido. Assim, tão importante quanto a aprendizagem do uso das ferramentas existentes — coisa que se pode aprender mecanicamente — é a arte de construir
ferramentas novas. Na caixa das ferramentas, ao lado das ferramentas existentes, mas num compartimento separado, está a arte de pensar.

(Fico a pensar: o que as escolas ensinam? Elas ensinam as ferramentas existentes ou a arte de pensar, chave para as ferramentas inexistentes? O problema: os
processos de avaliação sabem como testar o conhecimento das ferramentas. Mas que procedimentos adotar para avaliar a arte de pensar?)

Assim, diante da caixa de ferramentas, o professor tem de se perguntar: "Isso que estou ensinando é ferramenta para quê? De que forma pode ser usado? Em que
aumenta a competência dos meus alunos para cada um viver a sua vida?". Se não houver resposta, pode estar certo de uma coisa: ferramenta não é.

Mas há uma outra caixa, na mão esquerda, a mão do coração. Essa caixa está cheia de coisas que não servem para nada. Inúteis. Lá estão um livro de poemas da Cecília
Meireles, a "Valsinha" de Chico Buarque, um cheiro de jasmim, um quadro de Monet, um vento no rosto, uma sonata de Mozart, o riso de uma criança, um saco de bolas
de gude... Coisas inúteis. E, no entanto, elas nos fazem sorrir. E não é para isso que se educa? Para que nossos filhos saibam sorrir? Na próxima vez, a gente abre a
caixa dos brinquedos...

Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/sinapse/ult1063u855.shtml>. Acesso em: 10 mar. 2016. (Adaptado)

A alternativa que mais se aproxima do ponto de vista defendido pelo autor é

a) A família deve, na educação do filho, sempre atualizar as ferramentas que vão se desgastando no tempo.
b) A inteligência humana reduz a sua capacidade de construir objetos que lhe permitem alimentar-se, se locomover e viver no dia a dia.
c) O mais importante na educação das crianças é o domínio mínimo de um conjunto de ferramentas conhecidas, capazes de dar autonomia a ela.
d) A escola deve, na formação da criança, desenvolver as habilidades fundamentais para que elas venham a ser pessoas autônomas e inventivas.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809099

Questão 1121: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

As tarefas da educação

Rubem Alves
colunista da Folha de S.Paulo

Resumindo: são duas, apenas duas, as tarefas da educação. Como acho que as explicações conceituais são difíceis de aprender e fáceis de esquecer, eu caminho sempre
pelo caminho dos poetas, que é o caminho das imagens. Uma boa imagem é inesquecível. Assim, em vez explicar o que disse, vou mostrar o que disse por meio de uma
imagem.

O corpo carrega duas caixas. Na mão direita, mão da destreza e do trabalho, ele leva uma caixa de ferramentas. E na mão esquerda, mão do coração, ele leva uma caixa
de brinquedos. Ferramentas são melhorias do corpo. Os animais não precisam de ferramentas porque seus corpos já são ferramentas. Eles lhes dão tudo aquilo de que
necessitam para sobreviver.

Como são desajeitados os seres humanos quando comparados com os animais! Veja, por exemplo, os macacos. Sem nenhum treinamento especial eles tirariam medalhas
de ouro na ginástica olímpica. E os saltos das pulgas e dos gafanhotos!

Já prestou atenção na velocidade das formigas? Mais velozes a pé, proporcionalmente, que os bólidos de F-1! O voo dos urubus, os buracos dos tatus, as teias das
aranhas, as conchas dos moluscos, a língua saltadora dos sapos, o veneno das taturanas, os dentes dos castores.

Nossa inteligência se desenvolveu para compensar nossa incompetência corporal. Inventou melhorias para o corpo: porretes, pilões, facas, flechas, redes, barcos, jegues,
bicicletas, casas... Disse Marshall MacLuhan corretamente que todos os "meios" são extensões do corpo. É isso que são as ferramentas, meios para viver. Ferramentas
aumentam a nossa força, nos dão poder. Sem ser dotado de força de corpo, pela inteligência o homem se transformou no mais forte de todos os animais, o mais terrível,
o maior criador, o mais destruidor. O homem tem poder para transformar o mundo num paraíso ou num deserto.

A primeira tarefa de cada geração, dos pais, é passar aos filhos, como herança, a caixa de ferramentas. Para que eles não tenham de começar da estaca zero. Para que
eles não precisem pensar soluções que já existem. Muitas ferramentas são objetos: sapatos, escovas, facas, canetas, óculos, carros, computadores. Os pais apresentam
tais ferramentas aos seus filhos e lhes ensinam como devem ser usadas. Com o passar do tempo, muitas ferramentas, muitos objetos e muitos de seus usos se tornam
obsoletos. Quando isso acontece, eles são retirados da caixa. São esquecidos por não terem mais uso. As meninas não têm de aprender a torrar café numa panela de
ferro, e os meninos não têm de aprender a usar arco-e-flecha para encontrar o café da manhã. Somente os velhos ainda sabem apontar os lápis com um canivete...

Outras ferramentas são puras habilidades. Andar, falar, construir. Uma habilidade extraordinária que usamos o tempo todo, mas de que não temos consciência, é a
capacidade de construir, na cabeça, as realidades virtuais chamadas mapas. Para nos entendermos na nossa casa, temos de ter mapas dos seus cômodos e mapas dos
lugares onde as coisas estão guardadas. Fazemos mapas da casa. Fazemos mapas da cidade, do mundo, do universo. Sem mapas, seríamos seres perdidos, sem direção.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 48/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
A ciência é, ao mesmo tempo, uma enorme caixa de ferramentas e, mais importante que suas ferramentas, um saber de como se fazem as ferramentas. O uso das
ferramentas científicas que já existem pode ser ensinado. Mas a arte de construir ferramentas novas, para isso há de saber pensar. A arte de pensar é a ponte para o
desconhecido. Assim, tão importante quanto a aprendizagem do uso das ferramentas existentes — coisa que se pode aprender mecanicamente — é a arte de construir
ferramentas novas. Na caixa das ferramentas, ao lado das ferramentas existentes, mas num compartimento separado, está a arte de pensar.

(Fico a pensar: o que as escolas ensinam? Elas ensinam as ferramentas existentes ou a arte de pensar, chave para as ferramentas inexistentes? O problema: os
processos de avaliação sabem como testar o conhecimento das ferramentas. Mas que procedimentos adotar para avaliar a arte de pensar?)

Assim, diante da caixa de ferramentas, o professor tem de se perguntar: "Isso que estou ensinando é ferramenta para quê? De que forma pode ser usado? Em que
aumenta a competência dos meus alunos para cada um viver a sua vida?". Se não houver resposta, pode estar certo de uma coisa: ferramenta não é.

Mas há uma outra caixa, na mão esquerda, a mão do coração. Essa caixa está cheia de coisas que não servem para nada. Inúteis. Lá estão um livro de poemas da Cecília
Meireles, a "Valsinha" de Chico Buarque, um cheiro de jasmim, um quadro de Monet, um vento no rosto, uma sonata de Mozart, o riso de uma criança, um saco de bolas
de gude... Coisas inúteis. E, no entanto, elas nos fazem sorrir. E não é para isso que se educa? Para que nossos filhos saibam sorrir? Na próxima vez, a gente abre a
caixa dos brinquedos...

Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/sinapse/ult1063u855.shtml>. Acesso em: 10 mar. 2016. (Adaptado)

“O corpo carrega duas caixas. Na mão direita, mão da destreza e do trabalho, ele leva uma caixa de ferramentas. E na mão esquerda, mão do coração, ele leva uma
caixa de brinquedos. Ferramentas são melhorias do corpo. Os animais não precisam de ferramentas porque seus corpos já são ferramentas. Eles lhes dão tudo aquilo de
que necessitam para sobreviver.” (linhas 5-9).

Sobre as palavras destacadas no trecho acima, é correto afirmar que

( ) O primeiro pronome “ele” e o segundo têm o mesmo referente: “corpo”. Já o pronome “lhes” se refere a “animais”.

( ) O primeiro pronome “ele” e o segundo têm referentes diferentes: respectivamente, “corpo” e “coração”. Já o pronome “lhes” refere-se a “animais”.

( ) O primeiro pronome “ele” e o segundo têm referentes diferentes: respectivamente, “trabalho” e “coração”. Já o pronome “lhes” refere-se a “corpos”.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) VFF
b) VVF
c) FVV
d) FFV
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809101

Questão 1122: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

As tarefas da educação

Rubem Alves
colunista da Folha de S.Paulo

Resumindo: são duas, apenas duas, as tarefas da educação. Como acho que as explicações conceituais são difíceis de aprender e fáceis de esquecer, eu caminho sempre
pelo caminho dos poetas, que é o caminho das imagens. Uma boa imagem é inesquecível. Assim, em vez explicar o que disse, vou mostrar o que disse por meio de uma
imagem.

O corpo carrega duas caixas. Na mão direita, mão da destreza e do trabalho, ele leva uma caixa de ferramentas. E na mão esquerda, mão do coração, ele leva uma caixa
de brinquedos. Ferramentas são melhorias do corpo. Os animais não precisam de ferramentas porque seus corpos já são ferramentas. Eles lhes dão tudo aquilo de que
necessitam para sobreviver.

Como são desajeitados os seres humanos quando comparados com os animais! Veja, por exemplo, os macacos. Sem nenhum treinamento especial eles tirariam medalhas
de ouro na ginástica olímpica. E os saltos das pulgas e dos gafanhotos!

Já prestou atenção na velocidade das formigas? Mais velozes a pé, proporcionalmente, que os bólidos de F-1! O voo dos urubus, os buracos dos tatus, as teias das
aranhas, as conchas dos moluscos, a língua saltadora dos sapos, o veneno das taturanas, os dentes dos castores.

Nossa inteligência se desenvolveu para compensar nossa incompetência corporal. Inventou melhorias para o corpo: porretes, pilões, facas, flechas, redes, barcos, jegues,
bicicletas, casas... Disse Marshall MacLuhan corretamente que todos os "meios" são extensões do corpo. É isso que são as ferramentas, meios para viver. Ferramentas
aumentam a nossa força, nos dão poder. Sem ser dotado de força de corpo, pela inteligência o homem se transformou no mais forte de todos os animais, o mais terrível,
o maior criador, o mais destruidor. O homem tem poder para transformar o mundo num paraíso ou num deserto.

A primeira tarefa de cada geração, dos pais, é passar aos filhos, como herança, a caixa de ferramentas. Para que eles não tenham de começar da estaca zero. Para que
eles não precisem pensar soluções que já existem. Muitas ferramentas são objetos: sapatos, escovas, facas, canetas, óculos, carros, computadores. Os pais apresentam
tais ferramentas aos seus filhos e lhes ensinam como devem ser usadas. Com o passar do tempo, muitas ferramentas, muitos objetos e muitos de seus usos se tornam
obsoletos. Quando isso acontece, eles são retirados da caixa. São esquecidos por não terem mais uso. As meninas não têm de aprender a torrar café numa panela de
ferro, e os meninos não têm de aprender a usar arco-e-flecha para encontrar o café da manhã. Somente os velhos ainda sabem apontar os lápis com um canivete...

Outras ferramentas são puras habilidades. Andar, falar, construir. Uma habilidade extraordinária que usamos o tempo todo, mas de que não temos consciência, é a
capacidade de construir, na cabeça, as realidades virtuais chamadas mapas. Para nos entendermos na nossa casa, temos de ter mapas dos seus cômodos e mapas dos
lugares onde as coisas estão guardadas. Fazemos mapas da casa. Fazemos mapas da cidade, do mundo, do universo. Sem mapas, seríamos seres perdidos, sem direção.
A ciência é, ao mesmo tempo, uma enorme caixa de ferramentas e, mais importante que suas ferramentas, um saber de como se fazem as ferramentas. O uso das
ferramentas científicas que já existem pode ser ensinado. Mas a arte de construir ferramentas novas, para isso há de saber pensar. A arte de pensar é a ponte para o
desconhecido. Assim, tão importante quanto a aprendizagem do uso das ferramentas existentes — coisa que se pode aprender mecanicamente — é a arte de construir
ferramentas novas. Na caixa das ferramentas, ao lado das ferramentas existentes, mas num compartimento separado, está a arte de pensar.

(Fico a pensar: o que as escolas ensinam? Elas ensinam as ferramentas existentes ou a arte de pensar, chave para as ferramentas inexistentes? O problema: os
processos de avaliação sabem como testar o conhecimento das ferramentas. Mas que procedimentos adotar para avaliar a arte de pensar?)

Assim, diante da caixa de ferramentas, o professor tem de se perguntar: "Isso que estou ensinando é ferramenta para quê? De que forma pode ser usado? Em que
aumenta a competência dos meus alunos para cada um viver a sua vida?". Se não houver resposta, pode estar certo de uma coisa: ferramenta não é.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 49/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Mas há uma outra caixa, na mão esquerda, a mão do coração. Essa caixa está cheia de coisas que não servem para nada. Inúteis. Lá estão um livro de poemas da Cecília
Meireles, a "Valsinha" de Chico Buarque, um cheiro de jasmim, um quadro de Monet, um vento no rosto, uma sonata de Mozart, o riso de uma criança, um saco de bolas
de gude... Coisas inúteis. E, no entanto, elas nos fazem sorrir. E não é para isso que se educa? Para que nossos filhos saibam sorrir? Na próxima vez, a gente abre a
caixa dos brinquedos...

Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/sinapse/ult1063u855.shtml>. Acesso em: 10 mar. 2016. (Adaptado)

“Na caixa das ferramentas, ao lado das ferramentas existentes, mas num compartimento separado, está a arte de pensar.”.

A alternativa que contém o trecho reestruturado corretamente, mantendo-se o sentido original, é

a) “Na caixa das ferramentas, há não só as ferramentas existentes, mas também um compartimento separado: a arte de pensar.”
b) “Na caixa das ferramentas, ao lado das ferramentas existentes, embora num compartimento separado, está a arte de pensar.”
c) “Na caixa das ferramentas, ao lado das ferramentas existentes, no entanto num compartimento separado, está a arte de pensar.”
d) “Na caixa das ferramentas, ao lado das ferramentas existentes, portanto num compartimento separado, está a arte de pensar.”
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809102

Questão 1123: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

As tarefas da educação

Rubem Alves
colunista da Folha de S.Paulo

Resumindo: são duas, apenas duas, as tarefas da educação. Como acho que as explicações conceituais são difíceis de aprender e fáceis de esquecer, eu caminho sempre
pelo caminho dos poetas, que é o caminho das imagens. Uma boa imagem é inesquecível. Assim, em vez explicar o que disse, vou mostrar o que disse por meio de uma
imagem.

O corpo carrega duas caixas. Na mão direita, mão da destreza e do trabalho, ele leva uma caixa de ferramentas. E na mão esquerda, mão do coração, ele leva uma caixa
de brinquedos. Ferramentas são melhorias do corpo. Os animais não precisam de ferramentas porque seus corpos já são ferramentas. Eles lhes dão tudo aquilo de que
necessitam para sobreviver.

Como são desajeitados os seres humanos quando comparados com os animais! Veja, por exemplo, os macacos. Sem nenhum treinamento especial eles tirariam medalhas
de ouro na ginástica olímpica. E os saltos das pulgas e dos gafanhotos!

Já prestou atenção na velocidade das formigas? Mais velozes a pé, proporcionalmente, que os bólidos de F-1! O voo dos urubus, os buracos dos tatus, as teias das
aranhas, as conchas dos moluscos, a língua saltadora dos sapos, o veneno das taturanas, os dentes dos castores.

Nossa inteligência se desenvolveu para compensar nossa incompetência corporal. Inventou melhorias para o corpo: porretes, pilões, facas, flechas, redes, barcos, jegues,
bicicletas, casas... Disse Marshall MacLuhan corretamente que todos os "meios" são extensões do corpo. É isso que são as ferramentas, meios para viver. Ferramentas
aumentam a nossa força, nos dão poder. Sem ser dotado de força de corpo, pela inteligência o homem se transformou no mais forte de todos os animais, o mais terrível,
o maior criador, o mais destruidor. O homem tem poder para transformar o mundo num paraíso ou num deserto.

A primeira tarefa de cada geração, dos pais, é passar aos filhos, como herança, a caixa de ferramentas. Para que eles não tenham de começar da estaca zero. Para que
eles não precisem pensar soluções que já existem. Muitas ferramentas são objetos: sapatos, escovas, facas, canetas, óculos, carros, computadores. Os pais apresentam
tais ferramentas aos seus filhos e lhes ensinam como devem ser usadas. Com o passar do tempo, muitas ferramentas, muitos objetos e muitos de seus usos se tornam
obsoletos. Quando isso acontece, eles são retirados da caixa. São esquecidos por não terem mais uso. As meninas não têm de aprender a torrar café numa panela de
ferro, e os meninos não têm de aprender a usar arco-e-flecha para encontrar o café da manhã. Somente os velhos ainda sabem apontar os lápis com um canivete...

Outras ferramentas são puras habilidades. Andar, falar, construir. Uma habilidade extraordinária que usamos o tempo todo, mas de que não temos consciência, é a
capacidade de construir, na cabeça, as realidades virtuais chamadas mapas. Para nos entendermos na nossa casa, temos de ter mapas dos seus cômodos e mapas dos
lugares onde as coisas estão guardadas. Fazemos mapas da casa. Fazemos mapas da cidade, do mundo, do universo. Sem mapas, seríamos seres perdidos, sem direção.
A ciência é, ao mesmo tempo, uma enorme caixa de ferramentas e, mais importante que suas ferramentas, um saber de como se fazem as ferramentas. O uso das
ferramentas científicas que já existem pode ser ensinado. Mas a arte de construir ferramentas novas, para isso há de saber pensar. A arte de pensar é a ponte para o
desconhecido. Assim, tão importante quanto a aprendizagem do uso das ferramentas existentes — coisa que se pode aprender mecanicamente — é a arte de construir
ferramentas novas. Na caixa das ferramentas, ao lado das ferramentas existentes, mas num compartimento separado, está a arte de pensar.

(Fico a pensar: o que as escolas ensinam? Elas ensinam as ferramentas existentes ou a arte de pensar, chave para as ferramentas inexistentes? O problema: os
processos de avaliação sabem como testar o conhecimento das ferramentas. Mas que procedimentos adotar para avaliar a arte de pensar?)

Assim, diante da caixa de ferramentas, o professor tem de se perguntar: "Isso que estou ensinando é ferramenta para quê? De que forma pode ser usado? Em que
aumenta a competência dos meus alunos para cada um viver a sua vida?". Se não houver resposta, pode estar certo de uma coisa: ferramenta não é.

Mas há uma outra caixa, na mão esquerda, a mão do coração. Essa caixa está cheia de coisas que não servem para nada. Inúteis. Lá estão um livro de poemas da Cecília
Meireles, a "Valsinha" de Chico Buarque, um cheiro de jasmim, um quadro de Monet, um vento no rosto, uma sonata de Mozart, o riso de uma criança, um saco de bolas
de gude... Coisas inúteis. E, no entanto, elas nos fazem sorrir. E não é para isso que se educa? Para que nossos filhos saibam sorrir? Na próxima vez, a gente abre a
caixa dos brinquedos...

Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/sinapse/ult1063u855.shtml>. Acesso em: 10 mar. 2016. (Adaptado)

O corpo carrega duas caixas. Na mão direita, mão da destreza e do trabalho, ele leva uma caixa de ferramentas.

No trecho em destaque, o autor utilizou como estratégia para a construção de seu enunciado a figura de linguagem

a) metáfora
b) aliteração
c) catacrese
d) metonímia
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809103

Questão 1124: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 50/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Assunto:
Leia o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

As tarefas da educação

Rubem Alves
colunista da Folha de S.Paulo

Resumindo: são duas, apenas duas, as tarefas da educação. Como acho que as explicações conceituais são difíceis de aprender e fáceis de esquecer, eu caminho sempre
pelo caminho dos poetas, que é o caminho das imagens. Uma boa imagem é inesquecível. Assim, em vez explicar o que disse, vou mostrar o que disse por meio de uma
imagem.

O corpo carrega duas caixas. Na mão direita, mão da destreza e do trabalho, ele leva uma caixa de ferramentas. E na mão esquerda, mão do coração, ele leva uma caixa
de brinquedos. Ferramentas são melhorias do corpo. Os animais não precisam de ferramentas porque seus corpos já são ferramentas. Eles lhes dão tudo aquilo de que
necessitam para sobreviver.

Como são desajeitados os seres humanos quando comparados com os animais! Veja, por exemplo, os macacos. Sem nenhum treinamento especial eles tirariam medalhas
de ouro na ginástica olímpica. E os saltos das pulgas e dos gafanhotos!

Já prestou atenção na velocidade das formigas? Mais velozes a pé, proporcionalmente, que os bólidos de F-1! O voo dos urubus, os buracos dos tatus, as teias das
aranhas, as conchas dos moluscos, a língua saltadora dos sapos, o veneno das taturanas, os dentes dos castores.

Nossa inteligência se desenvolveu para compensar nossa incompetência corporal. Inventou melhorias para o corpo: porretes, pilões, facas, flechas, redes, barcos, jegues,
bicicletas, casas... Disse Marshall MacLuhan corretamente que todos os "meios" são extensões do corpo. É isso que são as ferramentas, meios para viver. Ferramentas
aumentam a nossa força, nos dão poder. Sem ser dotado de força de corpo, pela inteligência o homem se transformou no mais forte de todos os animais, o mais terrível,
o maior criador, o mais destruidor. O homem tem poder para transformar o mundo num paraíso ou num deserto.

A primeira tarefa de cada geração, dos pais, é passar aos filhos, como herança, a caixa de ferramentas. Para que eles não tenham de começar da estaca zero. Para que
eles não precisem pensar soluções que já existem. Muitas ferramentas são objetos: sapatos, escovas, facas, canetas, óculos, carros, computadores. Os pais apresentam
tais ferramentas aos seus filhos e lhes ensinam como devem ser usadas. Com o passar do tempo, muitas ferramentas, muitos objetos e muitos de seus usos se tornam
obsoletos. Quando isso acontece, eles são retirados da caixa. São esquecidos por não terem mais uso. As meninas não têm de aprender a torrar café numa panela de
ferro, e os meninos não têm de aprender a usar arco-e-flecha para encontrar o café da manhã. Somente os velhos ainda sabem apontar os lápis com um canivete...

Outras ferramentas são puras habilidades. Andar, falar, construir. Uma habilidade extraordinária que usamos o tempo todo, mas de que não temos consciência, é a
capacidade de construir, na cabeça, as realidades virtuais chamadas mapas. Para nos entendermos na nossa casa, temos de ter mapas dos seus cômodos e mapas dos
lugares onde as coisas estão guardadas. Fazemos mapas da casa. Fazemos mapas da cidade, do mundo, do universo. Sem mapas, seríamos seres perdidos, sem direção.
A ciência é, ao mesmo tempo, uma enorme caixa de ferramentas e, mais importante que suas ferramentas, um saber de como se fazem as ferramentas. O uso das
ferramentas científicas que já existem pode ser ensinado. Mas a arte de construir ferramentas novas, para isso há de saber pensar. A arte de pensar é a ponte para o
desconhecido. Assim, tão importante quanto a aprendizagem do uso das ferramentas existentes — coisa que se pode aprender mecanicamente — é a arte de construir
ferramentas novas. Na caixa das ferramentas, ao lado das ferramentas existentes, mas num compartimento separado, está a arte de pensar.

(Fico a pensar: o que as escolas ensinam? Elas ensinam as ferramentas existentes ou a arte de pensar, chave para as ferramentas inexistentes? O problema: os
processos de avaliação sabem como testar o conhecimento das ferramentas. Mas que procedimentos adotar para avaliar a arte de pensar?)

Assim, diante da caixa de ferramentas, o professor tem de se perguntar: "Isso que estou ensinando é ferramenta para quê? De que forma pode ser usado? Em que
aumenta a competência dos meus alunos para cada um viver a sua vida?". Se não houver resposta, pode estar certo de uma coisa: ferramenta não é.

Mas há uma outra caixa, na mão esquerda, a mão do coração. Essa caixa está cheia de coisas que não servem para nada. Inúteis. Lá estão um livro de poemas da Cecília
Meireles, a "Valsinha" de Chico Buarque, um cheiro de jasmim, um quadro de Monet, um vento no rosto, uma sonata de Mozart, o riso de uma criança, um saco de bolas
de gude... Coisas inúteis. E, no entanto, elas nos fazem sorrir. E não é para isso que se educa? Para que nossos filhos saibam sorrir? Na próxima vez, a gente abre a
caixa dos brinquedos...

Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/sinapse/ult1063u855.shtml>. Acesso em: 10 mar. 2016. (Adaptado)

“A arte do pensar é a ponte para o desconhecido”.

A palavra ponte constitui um exemplo de:

a) perífrase
b) metáfora
c) anacoluto
d) metonímia
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809104

Questão 1125: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Sobre a aplicação do novo acordo ortográfico, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) “Brasileiro revela ideia incomum de técnico para motivar time”.

( ) “Mudanças no padrão de uso da mão-de-obra no Brasil entre 1949 e 2010”

( ) “Mundo rastejante: Jibóia, saiba o básico sobre esse ilustre membro da família [...]”.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) VFV
b) VFF
c) FVF
d) FFV
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809105

Questão 1126: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 51/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Assunto:
A alternativa que contém o conjunto de palavras que foi escrito em conformidade com o acordo
ortográfico está em

a) semi-círculo, refazer, preescola


b) extraoficial, reedição Arqui-inimigo ,
c) coordenar, pre-estabelecer, reelaborar
d) inflamatório, supraauricular, neoliberalismo
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809106

Questão 1127: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
A alternativa que contém o uso da pontuação, de acordo com as regras da norma culta, é

a) Nossos ancestrais passavam da infância à vida adulta sem estágios intermediários. Nas comunidades agrárias, o menino de sete anos trabalhava na roça e as
meninas cuidavam dos afazeres domésticos, antes de chegar a essa idade.
b) Nossos ancestrais passavam da infância à vida adulta sem estágios intermediários. Nas comunidades agrárias o menino de sete anos, trabalhava na roça, e as
meninas cuidavam dos afazeres domésticos antes de chegar a essa idade.
c) Nossos ancestrais, passavam da infância à vida adulta, sem estágios intermediários. Nas comunidades agrárias o menino, de sete anos, trabalhava na roça, e as
meninas, cuidavam dos afazeres domésticos antes de chegar a essa idade.
d) Nossos ancestrais passavam da infância, à vida adulta sem estágios intermediários. Nas comunidades agrárias o menino de sete anos trabalhava na roça, e as
meninas cuidavam dos afazeres domésticos antes de chegar a essa idade.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809107

Questão 1128: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Leia o texto a seguir.

“Essa educação para o trânsito, além de ensinar regras, técnicas, métodos de prevenções de acidentes, deve ter a preocupação em tornar as pessoas cidadãs, pois
vivemos em sociedade, e essa preocupação deve ser a curto, médio e longo prazo, porque a complexidade dos fatores que geram esses problemas não admitem uma só
linha de pensamento e trabalho”.

Disponível em: <www.transitobr.com.br/index2.php?id_conteudo=17>. Acesso em: 07 mar. 2016.

Sobre a utilização da concordância no texto acima, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) Há erro de concordância verbal relativo ao verbo “admitir” e seu sujeito.

( ) Foram seguidas corretamente, as normas de concordância verbal e nominal.

( ) Não há erro de concordância nominal relativo ao substantivo “fatores” e seu adjunto.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) VFV
b) VVF
c) FFV
d) FVF
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809108

Questão 1129: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Na língua portuguesa, há nomes (substantivo, adjetivo ou advérbio) que regem termos ligados a eles por meio de preposições. Considerando a utilização da regência
nominal, analise as frases abaixo e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) “Junto com ela, é você que quer estar, ela pode ser sua cura, mas prefere machucar”.

( ) “É preferível ficar calado e deixar as pessoas pensarem que você é um idiota do que falar e acabar com a dúvida”.

( ) “Salvador registrou um novo caso de feto contaminado com o vírus da Zika, relacionando a infecção viral a um novo problema: a hidropsia fetal”.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) VFV
b) VVF
c) FVF
d) FFV
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809109

Questão 1130: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
“Antes de analisarmos os condutores e pedestres, vamos lembrar que eles são primeiramente, cidadãos. E o que ocorre com o cidadão Como ele se comporta no
trânsito? Ele conhece e obedece as leis de trânsito?”

Sobre a regência das palavras em destaque no trecho acima, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) O verbo “obedece” apresenta erro de regência verbal.

( ) O verbo “comporta” apresenta erro de regência verbal.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 52/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
( ) Os verbos destacados estão regendo corretamente seu termo.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) VFV
b) VFF
c) FVF
d) FFV
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809110

Questão 1131: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Leia as manchetes de artigos de jornal.

I. Os Dez Mandamentos no cinema valem mais do que ”mil missas”.

II. Festival de Berlim tem três filmes brasileiros que fogem do estereótipo.

III. Documentário resgata história de compositoras esquecidas; veja trailer.

Sobre as manchetes acima, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) Na manchete I, encontra-se a figura de linguagem hipérbole.

( ) Nas três manchetes encontram-se a figura de linguagem anacoluto.

( ) Na manchete II, encontram-se as figuras de linguagem metáfora e metonímia.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) VFF
b) VFV
c) FVF
d) FVV
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809111

Questão 1132: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
A palavra sonho foi utilizada com sentido denotado em

a) “Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã”.
b) “Tudo o que um sonho precisa para ser realizado é alguém que acredite que ele possa ser realizado”.
c) “Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho [...], todo o universo conspira a seu favor”.
d) “Sonho é reunião das imagens, ideias, pensamentos ou fantasias que, geralmente confusas e sem nexo, se apresentam à mente no decorrer do sono”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809112

Questão 1133: CEFETBAHIA - Coor Peda (Candeias)/Pref Candeias/2016


Assunto:
Eu vim ___ Candeias para treinar __ professores no que diz respeito ___ utilização do novo sistema informatizado para registros acadêmicos. O passo ___ passo está na
apostila, mas coloco-me ___ disposição para esclarecer dúvidas que surjam a qualquer momento.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do texto acima é

a) a / os / à / a / à
b) à / os / à / a / a
c) à / aos / a / à / à
d) a / aos / a / à / a
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809113

Questão 1134: CEFETBAHIA - Prof (Pref Candeias)/Pref Candeias/Ensino Fundamental II/Língua Portuguesa/2016
Assunto:
Uma criança participa de diversos eventos de letramento durante a sua vida, na escola e fora dela. São eventos ligados a diferentes práticas sociais, mediadas pela escrita
e por variados gêneros textuais. Por conta disso, o ensino de Língua Portuguesa deve ser pautado em diversidade de gêneros textuais.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 53/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

(Disponível em:< http://pt.slideshare.net/zetesousa/concepcoes-de-alfabetizacao-e-letramento>. Acesso em: 04 mar. 2016

Considerando os textos apresentados nas figuras 5, 6 e 7, é correto afirmar que esses gêneros textuais, no Ensino Fundamental,

a) são irrelevantes, pois as crianças têm muito contato com eles, por isso, provavelmente, já sabem tudo sobre eles.
b) podem ser estudados na escola, tanto em seu formato de circulação social, quanto transmutado para gêneros literários.
c) são muito elementares, por isso podem atrapalhar o desenvolvimento do conhecimento linguístico das crianças.
d) são importantes de serem trabalhados na escola, pois se inscrevem no tipo textual argumentativo, o mais importante de todos.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809788

Questão 1135: CEFETBAHIA - Prof (Pref Candeias)/Pref Candeias/Ensino Fundamental II/Língua Portuguesa/2016
Assunto:
Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), os conteúdos de Língua Portuguesa no Ensino Fundamental “[...] estão organizados em função do eixo Uso ®
Reflexão ® Uso” (BRASIL, 1997, p. 35).

De maneira mais específica, considerar a organização dos conteúdos no eixo USO / REFLEXÃO / USO significa compreender que tanto o ponto de partida como a
finalidade do ensino da língua é a produção/compreensão de discursos. Quer dizer: as situações didáticas são organizadas em função da análise que se faz dos produtos
obtidos nesse processo e do próprio processo (BRASIL, 1997, p. 35).

De acordo com os PCN,o objetivo das atividades de análise e reflexão sobre a língua portuguesa é

a) fazer com que o educando saiba usar recursos gramaticais


b) levar ao educando o conhecimento sobre questões gramaticais.
c) fazer com que o educando saiba decifrar os códigos linguísticos.
d) melhorar a capacidade de compreensão e expressão dos alunos em situações de comunicação oral e escrita.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809789

Questão 1136: CEFETBAHIA - Prof (Pref Candeias)/Pref Candeias/Ensino Fundamental II/Língua Portuguesa/2016
Assunto:
“A transversalidade em Língua Portuguesa pode ser abordada a partir de duas questões nucleares: o fato de a língua ser um veículo de representações, concepções e
valores socioculturais e o seu caráter de instrumento de intervenção social. Os temas transversais (Ética, Pluralidade Cultural, Meio Ambiente, Saúde e Orientação
Sexual), por tratarem de questões sociais, pertencem à dimensão do espaço público e, portanto, necessitam de participação efetiva e responsável dos cidadãos na sua
gestão, manutenção e transformação. Todos eles demandam tanto a capacidade de análise crítica e reflexão sobre valores e concepções quanto a capacidade de
participação” (BRASIL, 1997, p. 36).

Considerando as orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), a alternativa que contém uma atividade que promove a transversalidade em Língua
Portuguesa é

a) aprendizagem de questões gramaticais.


b) leitura e interpretação de livros de literatura, considerando a teoria literária.
c) produção do gênero textual debate, levantando argumentos sobre o feminismo.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 54/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
d) produção de texto argumentativo dissertativo, com foco na correção gramatical.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809790

Questão 1137: CEFETBAHIA - Prof (Pref Candeias)/Pref Candeias/Ensino Fundamental II/Língua Portuguesa/2016
Assunto:
“O domínio da língua tem estreita relação com a possibilidade de plena participação social, pois é por meio dela que o homem se comunica, tem acesso à informação,
expressa e defende pontos de vista, partilha ou constrói visões de mundo, produz conhecimento. Assim, um projeto educativo comprometido com a democratização social
e cultural atribui à escola a função e a responsabilidade de garantir a todos os seus alunos o acesso aos saberes linguísticos necessários para o exercício da cidadania,
direito inalienável de todos” (BRASIL, 1997, p. 21).

Considerando que os projetos educativos são de grande importância para o ensino-aprendizagem de leitura e produção de texto no Ensino Fundamental, sobre essa
metodologia didática, é correto afirmar que

a) a aprendizagem precisa estar inserida em ações reais de intervenção, a começar pelo âmbito da própria escola.
b) a aprendizagem acontece quando o estudante ouve com atenção o professor e executa as atividades que lhe foram solicitadas.
c) a aprendizagem se dá através do uso de materiais didáticos em salas de aulas com carteiras organizadas de forma a todos olharem para o professor.
d) a aprendizagem se dá através de ações planejadas pelo professor, considerando o assunto que será tratado na aula, não sendo necessária a participação do
estudante nesse processo.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809791

Questão 1138: CEFETBAHIA - Prof (Pref Candeias)/Pref Candeias/Ensino Fundamental II/Língua Portuguesa/2016
Assunto:
Segundo as orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) – Língua Portuguesa do Ensino Fundamental, “[...] há uma estreita relação entre o que e como
ensinar” (BRASIL, 1997, p. 37).

Para alcançar o objetivo didático de o estudante ser capaz de ter uma atitude crítica em relação à sua própria produção de texto, o conteúdo a ser ensinado ao estudante
é

a) identificar no texto lido os elementos linguísticos.


b) corrigir os deslizes ortográficos em atenção ao novo acordo.
c) passar o texto a limpo de acordo com as correções feitas pela professora.
d) revisar o texto produzido, questionando e entendendo os equívocos produzidos.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809792

Questão 1139: CEFETBAHIA - Prof (Pref Candeias)/Pref Candeias/Ensino Fundamental II/Língua Portuguesa/2016
Assunto:
“As pesquisas na área da aprendizagem da escrita, nos últimos vinte anos, têm provocado uma revolução na forma de compreender como esse conhecimento é
construído. Hoje já se sabe que aprender a escrever envolve dois processos paralelos: compreender a natureza do sistema de escrita da língua — os aspectos notacionais
— e o funcionamento da linguagem que se usa para escrever — os aspectos discursivos; que é possível saber produzir textos sem saber grafá-los e é possível grafar sem
saber produzir; que o domínio da linguagem escrita se adquire muito mais pela leitura do que pela própria escrita; que não se aprende a ortografia antes de se
compreender o sistema alfabético de escrita; e a escrita não é o espelho da fala” (BRASIL, 1997, p. 48).

Para que os estudantes sejam capazes de utilizar a escrita para produzir textos adequados, a prática de produção de textos mais adequada é

a) passar o texto a limpo, conforme a sinalização feita pela professora.


b) aprender a escrever, escrevendo. Para isso, será importante dissociar leitura de escrita.
c) alfabetizar-se, aprendendo como lidar com os aspectos notacionais relacionados ao sistema alfabético e às restrições ortográficas.
d) considerar as funções e o funcionamento da escrita, bem como as condições nas quais é produzida: para que, para quem, onde e como se escreve.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809793

Questão 1140: CEFETBAHIA - Prof (Pref Candeias)/Pref Candeias/Ensino Fundamental II/Língua Portuguesa/2016
Assunto:
“A fala é uma atividade muito mais central do que a escrita no dia a dia da maioria das pessoas. Contudo, as instituições escolares dão à fala atenção quase inversa à sua
centralidade na relação com a escrita. Crucial neste caso é que não se trata de uma contradição, mas de uma postura” [grifo do autor] (MARCUSCHI, 2001, p.19).

A alternativa que contém uma ação didática que considera os usos e formas de mediação da linguagem oral é

a) levar os estudantes a escutar um registro oral e depois pedir que o registre na escrita.
b) ler com os estudantes textos regionalistas e pedir para que façam a adequação à norma culta padrão.
c) incentivar os estudantes a lerem em voz alta as respostas que deram às atividades realizadas no livro didático.
d) promover a participação dos estudantes em diferentes situações de comunicação oral, acolhendo e considerando as opiniões alheias e respeitando os diferentes
modos de falar.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809794

Questão 1141: CEFETBAHIA - Prof (Pref Candeias)/Pref Candeias/Ensino Fundamental II/Língua Portuguesa/2016
Assunto:
“[...] Avaliar é um ato pelo qual, através de uma disposição acolhedora, qualificamos alguma coisa (um objeto, ação ou pessoa), tendo em vista, de alguma forma, tomar
uma decisão sobre ela; e no caso de pessoas, junto com elas... Quando atuamos junto a pessoas, a qualificação e a decisão necessitam de ser dialogadas. O ato de
avaliar não é um ato impositivo, mas sim dialógico, amoroso e construtivo” (LUCKESI, 2003, p. 37).

Diante desse contexto, ao avaliar, é correto afirmar que um docente deve considerar, primordialmente,

a) o quantitativo de questões respondidas conforme a expectativa do docente.


b) as respostas que estão de acordo com o que foi trabalhado em sala de aula.
c) os critérios específicos que foram criados pelos documentos governamentais.
d) o contexto de aprendizagem do educando, seus avanços e suas possibilidades.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809795

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 55/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Questão 1142: CEFETBAHIA - Prof (Pref Candeias)/Pref Candeias/Ensino Fundamental II/Língua Portuguesa/2016
Assunto:
Os critérios de avaliação devem “[...] considerar indicadores bastante precisos que sirvam para identificar de fato as aprendizagens realizadas [...]. Os critérios de
avaliação devem ser tomados em seu conjunto, considerados de forma contextual e, muito mais do que isso, analisados à luz dos objetivos que realmente orientaram o
ensino oferecido aos alunos. E se o propósito é avaliar também o processo, além do produto, não há nenhum instrumento de avaliação da aprendizagem melhor do que
buscar identificar por que o aluno teria dado as respostas que deu às situações que lhe foram propostas” (BRASIL, 1997, p. 63).

A _______________________ tem como propósito avaliativo ____________________________.

A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

a) revisão do próprio texto / demonstrar a compreensão de textos ouvidos por meio de resumo das ideias
b) análise de regularidades da escrita / escrever textos com pontuação e ortografia convencional, ainda que com falhas
c) utilização da linguagem oral para expressar sentimentos, experiências e ideias / produzir textos escritos, considerando características do gênero, utilizando
recursos coesivos básicos
d) produção de textos considerando o destinatário, a sua finalidade e as características do gênero / utilizar a leitura para alcançar diferentes objetivos: ler para
estudar, ler para revisar, ler para escrever
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809796

Questão 1143: CEFETBAHIA - Prof (Pref Candeias)/Pref Candeias/Ensino Fundamental II/Língua Portuguesa/2016
Assunto:
Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) de Língua Portuguesa é um documento do Ministério da Educação (MEC) com objetivo de nortear o ensino de Língua
Portuguesa e está organizado de modo a servir de referência, de fonte de pesquisa, de consulta, servindo como objeto de reflexão e debate.

O PCN trata o ensino e a aprendizagem da Língua Portuguesa na escola “[...] como resultantes da articulação de três variáveis: o aluno, a língua e o ensino” (BRASIL,
1997, p. 25). Quando se afirma, portanto, que a finalidade do ensino de Língua Portuguesa é a expansão das possibilidades do uso da linguagem, assume-se que as
capacidades a serem desenvolvidas estão relacionadas às quatros habilidades linguísticas básicas: falar, escutar, ler e escrever. (BRASIL, 1997, p.35).

De acordo com os PCN, é correto afirmar que os conteúdos de Língua Portuguesa no Ensino Fundamental devem ser selecionados em função

a) dos aspectos definidos pelo Ministério da Educação (MEC) e pelos PCN, de forma a servir de referência e fonte de pesquisas.
b) dos objetivos gerais e específicos de cada um dos aspectos da língua, com vista a responder positivamente às avaliações internas e externas.
c) do desenvolvimento das habilidades linguísticas básicas e organizados em torno de dois eixos básicos: o uso da língua oral e escrita e análise e reflexão sobre a
língua.
d) do desenvolvimento das duas habilidades linguísticas fundamentais: ler e escrever, considerando isoladamente cada aspecto do estudo da língua – leitura, escrita
e aspectos linguísticos, sem confundi-los.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/809797

Questão 1144: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Uma vela para Dario

Dalton Trevisan

Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por ela
escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida de chuva, e descansou na pedra o cachimbo.

Dois ou três passantes rodearam-no e indagaram se não se sentia bem. Dario abriu a boca, moveu os lábios, não se ouviu resposta. O senhor gordo, de branco, sugeriu
que devia sofrer de ataque.

Ele reclinou-se mais um pouco, estendido agora na calçada, e o cachimbo tinha apagado. O rapaz de bigode pediu aos outros que se afastassem e o deixassem respirar.
Abriu-lhe o paletó, o colarinho, a gravata e a cinta. Quando lhe retiraram os sapatos, Dario roncou feio e bolhas de espuma surgiram no canto da boca.

Cada pessoa que chegava erguia-se na ponta dos pés, embora não o pudesse ver. Os moradores da rua conversavam de uma porta à outra, as crianças foram
despertadas e de pijama acudiram à janela. O senhor gordo repetia que Dario sentara-se na calçada, soprando ainda a fumaça do cachimbo e encostando o guarda-
chuva na parede. Mas não se via guarda-chuva ou cachimbo ao seu lado.

A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele estava morrendo. Um grupo o arrastou para o táxi da esquina. Já no carro a metade do corpo, protestou o motorista: quem
pagaria a corrida? Concordaram chamar a ambulância. Dario conduzido de volta e recostado à parede - não tinha os sapatos nem o alfinete de pérola na gravata. Alguém
informou da farmácia na outra rua. Não carregaram Dario além da esquina; a farmácia no fim do quarteirão e, além do mais, muito pesado. Foi largado na porta de uma
peixaria. Enxame de moscas lhe cobriu o rosto, sem que fizesse um gesto para espantá-las.

Ocupado o café próximo pelas pessoas que vieram apreciar o incidente e, agora, comendo e bebendo, gozavam as delícias da noite. Dario ficou torto como o deixaram,
no degrau da peixaria, sem o relógio de pulso.

Um terceiro sugeriu que lhe examinassem os papéis, retirados - com vários objetos - de seus bolsos e alinhados sobre a camisa branca. Ficaram sabendo do nome, idade;
sinal de nascença. O endereço na carteira era de outra cidade.

Registrou-se correria de mais de duzentos curiosos que, a essa hora, ocupavam toda a rua e as calçadas: era a polícia. O carro negro investiu a multidão. Várias pessoas
tropeçaram no corpo de Dario, que foi pisoteado dezessete vezes.

O guarda aproximou-se do cadáver e não pôde identificá-lo — os bolsos vazios. Restava a aliança de ouro na mão esquerda, que ele próprio quando vivo - só podia
destacar umedecida com sabonete. Ficou decidido que o caso era com o rabecão.

A última boca repetiu — Ele morreu, ele morreu. A gente começou a se dispersar. Dario levara duas horas para morrer, ninguém acreditou que estivesse no fim. Agora,
aos que podiam vê-lo, tinha todo o ar de um defunto.

Um senhor piedoso despiu o paletó de Dario para lhe sustentar a cabeça. Cruzou as suas mãos no peito. Não pôde fechar os olhos nem a boca, onde a espuma tinha
desaparecido. Apenas um homem morto e a multidão se espalhou, as mesas do café ficaram vazias. Na janela alguns moradores com almofadas para descansar os

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 56/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
cotovelos.

Um menino de cor e descalço veio com uma vela, que acendeu ao lado do cadáver. Parecia morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva.

Fecharam-se uma a uma as janelas e, três horas depois, lá estava Dario à espera do rabecão. A cabeça agora na pedra, sem o paletó, e o dedo sem a aliança. A vela
tinha queimado até a metade e apagou-se às primeiras gotas da chuva, que voltava a cair.

Disponível em: <http://projetos.unioeste.br/projetos/leitura/arquivos/oficinas/texto01.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2015.

A intenção do autor do texto 1 é

a) despertar o interesse das pessoas para cuidar dos doentes.


b) criticar a falta de solidariedade e de respeito aos seres humanos.
c) sensibilizar a população para observar as pessoas que vivem na rua.
d) demonstrar como salvar uma pessoa que sofreu um ataque cardíaco.
e) provocar uma reflexão sobre as doenças que levam ao óbito rapidamente.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806419

Questão 1145: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Uma vela para Dario

Dalton Trevisan

Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por ela
escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida de chuva, e descansou na pedra o cachimbo.

Dois ou três passantes rodearam-no e indagaram se não se sentia bem. Dario abriu a boca, moveu os lábios, não se ouviu resposta. O senhor gordo, de branco, sugeriu
que devia sofrer de ataque.

Ele reclinou-se mais um pouco, estendido agora na calçada, e o cachimbo tinha apagado. O rapaz de bigode pediu aos outros que se afastassem e o deixassem respirar.
Abriu-lhe o paletó, o colarinho, a gravata e a cinta. Quando lhe retiraram os sapatos, Dario roncou feio e bolhas de espuma surgiram no canto da boca.

Cada pessoa que chegava erguia-se na ponta dos pés, embora não o pudesse ver. Os moradores da rua conversavam de uma porta à outra, as crianças foram
despertadas e de pijama acudiram à janela. O senhor gordo repetia que Dario sentara-se na calçada, soprando ainda a fumaça do cachimbo e encostando o guarda-
chuva na parede. Mas não se via guarda-chuva ou cachimbo ao seu lado.

A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele estava morrendo. Um grupo o arrastou para o táxi da esquina. Já no carro a metade do corpo, protestou o motorista: quem
pagaria a corrida? Concordaram chamar a ambulância. Dario conduzido de volta e recostado à parede - não tinha os sapatos nem o alfinete de pérola na gravata. Alguém
informou da farmácia na outra rua. Não carregaram Dario além da esquina; a farmácia no fim do quarteirão e, além do mais, muito pesado. Foi largado na porta de uma
peixaria. Enxame de moscas lhe cobriu o rosto, sem que fizesse um gesto para espantá-las.

Ocupado o café próximo pelas pessoas que vieram apreciar o incidente e, agora, comendo e bebendo, gozavam as delícias da noite. Dario ficou torto como o deixaram,
no degrau da peixaria, sem o relógio de pulso.

Um terceiro sugeriu que lhe examinassem os papéis, retirados - com vários objetos - de seus bolsos e alinhados sobre a camisa branca. Ficaram sabendo do nome, idade;
sinal de nascença. O endereço na carteira era de outra cidade.

Registrou-se correria de mais de duzentos curiosos que, a essa hora, ocupavam toda a rua e as calçadas: era a polícia. O carro negro investiu a multidão. Várias pessoas
tropeçaram no corpo de Dario, que foi pisoteado dezessete vezes.

O guarda aproximou-se do cadáver e não pôde identificá-lo — os bolsos vazios. Restava a aliança de ouro na mão esquerda, que ele próprio quando vivo - só podia
destacar umedecida com sabonete. Ficou decidido que o caso era com o rabecão.

A última boca repetiu — Ele morreu, ele morreu. A gente começou a se dispersar. Dario levara duas horas para morrer, ninguém acreditou que estivesse no fim. Agora,
aos que podiam vê-lo, tinha todo o ar de um defunto.

Um senhor piedoso despiu o paletó de Dario para lhe sustentar a cabeça. Cruzou as suas mãos no peito. Não pôde fechar os olhos nem a boca, onde a espuma tinha
desaparecido. Apenas um homem morto e a multidão se espalhou, as mesas do café ficaram vazias. Na janela alguns moradores com almofadas para descansar os
cotovelos.

Um menino de cor e descalço veio com uma vela, que acendeu ao lado do cadáver. Parecia morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva.

Fecharam-se uma a uma as janelas e, três horas depois, lá estava Dario à espera do rabecão. A cabeça agora na pedra, sem o paletó, e o dedo sem a aliança. A vela
tinha queimado até a metade e apagou-se às primeiras gotas da chuva, que voltava a cair.

Disponível em: <http://projetos.unioeste.br/projetos/leitura/arquivos/oficinas/texto01.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2015.

De acordo com o texto 1, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e F as falsas.

( ) O enredo imita o cotidiano, pois destaca um fato que possivelmente aconteceu ou acontece em grandes cidades brasileiras.

( ) O autor demonstra acreditar ainda no próximo ao inserir no desfecho uma criança que se aproxima com uma vela, acendendo-a ao lado do cadáver.

( ) As pessoas se aproximam do homem caído no chão com a mesma intenção, ou seja, ajudá-lo a sair da situação que ele se encontra, levando-o ao hospital mais
próximo.

( ) O texto representa a degradação da morte em um ambiente rural, pois as pessoas assistem à agonia de uma pessoa que passa mal na rua movidas apenas
pela curiosidade.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é:

a) V V F F

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 57/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) VFVF
c) VFFV
d) FVFV
e) FFVF
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806420

Questão 1146: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Uma vela para Dario

Dalton Trevisan

Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por ela
escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida(b, c) de chuva, e descansou na pedra o cachimbo.

Dois ou três(a) passantes rodearam-no e indagaram se não se sentia bem. Dario abriu a boca, moveu os lábios, não se ouviu resposta. O senhor gordo, de branco,
sugeriu que devia sofrer de ataque.

Ele reclinou-se mais um pouco, estendido agora na calçada, e o cachimbo tinha apagado. O rapaz de bigode pediu aos outros que se afastassem e o deixassem respirar.
Abriu-lhe o paletó(b), o colarinho, a gravata e a cinta. Quando lhe retiraram os sapatos, Dario roncou feio e bolhas de espuma surgiram no canto da boca.

Cada pessoa que chegava erguia-se na ponta dos pés, embora não o pudesse ver. Os moradores da rua conversavam de uma porta à outra, as crianças foram
despertadas e de pijama acudiram à janela. O senhor gordo repetia que Dario sentara-se na calçada, soprando ainda a fumaça do cachimbo e encostando o guarda-
chuva na parede. Mas não se via guarda-chuva ou cachimbo ao seu lado.

A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele estava morrendo. Um grupo o arrastou para o táxi(a) da esquina. Já no carro a metade do corpo, protestou o motorista:
quem pagaria a corrida? Concordaram chamar a ambulância(e). Dario conduzido de volta e recostado à parede - não tinha os sapatos nem o alfinete de pérola(a, c) na
gravata. Alguém informou da farmácia na outra rua. Não carregaram Dario além da esquina; a farmácia no fim do quarteirão e, além do mais, muito pesado. Foi largado
na porta de uma peixaria. Enxame de moscas lhe cobriu o rosto, sem que fizesse um gesto para espantá-las.

Ocupado o café próximo pelas pessoas que vieram apreciar o incidente e, agora, comendo e bebendo, gozavam as delícias da noite. Dario ficou torto como o deixaram,
no degrau da peixaria, sem o relógio de pulso.

Um terceiro sugeriu que lhe examinassem os papéis, retirados - com vários(d) objetos - de seus bolsos e alinhados sobre a camisa branca. Ficaram sabendo do nome,
idade; sinal de nascença. O endereço na carteira era de outra cidade.

Registrou-se correria de mais de duzentos curiosos que, a essa hora, ocupavam toda a rua e as calçadas: era a polícia(d). O carro negro investiu a multidão.
Várias(e) pessoas tropeçaram no corpo de Dario, que foi pisoteado dezessete vezes.

O guarda aproximou-se do cadáver(b, c) e não pôde identificá-lo — os bolsos vazios. Restava a aliança de ouro na mão esquerda, que ele próprio(e) quando vivo - só
podia destacar umedecida com sabonete. Ficou decidido que o caso era com o rabecão.

A última boca repetiu — Ele morreu, ele morreu. A gente começou a se dispersar. Dario levara duas horas para morrer, ninguém(d) acreditou que estivesse no fim. Agora,
aos que podiam vê-lo, tinha todo o ar de um defunto.

Um senhor piedoso despiu o paletó de Dario para lhe sustentar a cabeça. Cruzou as suas mãos no peito. Não pôde fechar os olhos nem a boca, onde a espuma tinha
desaparecido. Apenas um homem morto e a multidão se espalhou, as mesas do café ficaram vazias. Na janela alguns moradores com almofadas para descansar os
cotovelos.

Um menino de cor e descalço veio com uma vela, que acendeu ao lado do cadáver. Parecia morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva.

Fecharam-se uma a uma as janelas e, três horas depois, lá estava Dario à espera do rabecão. A cabeça agora na pedra, sem o paletó, e o dedo sem a aliança. A vela
tinha queimado até a metade e apagou-se às primeiras gotas da chuva, que voltava a cair.

Disponível em: <http://projetos.unioeste.br/projetos/leitura/arquivos/oficinas/texto01.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2015.

São acentuadas pelo mesmo motivo:

a) “três”, “táxi” e “pérola”.


b) “úmida”, “paletó” e “cadáver”.
c) “úmida”, “pérola” e “cadáver”.
d) “vários”, “polícia” e “ninguém”.
e) “ambulância”, “várias” e “próprio”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806422

Questão 1147: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Uma vela para Dario

Dalton Trevisan

Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por ela
escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida de chuva, e descansou na pedra o cachimbo.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 58/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Dois ou três passantes rodearam-no e indagaram se não se sentia bem. Dario abriu a boca, moveu os lábios, não se ouviu resposta. O senhor gordo, de branco, sugeriu
que devia sofrer de ataque.

Ele reclinou-se mais um pouco, estendido agora na calçada, e o cachimbo tinha apagado. O rapaz de bigode pediu aos outros que se afastassem e o deixassem respirar.
Abriu-lhe o paletó, o colarinho, a gravata e a cinta. Quando lhe retiraram os sapatos, Dario roncou feio e bolhas de espuma surgiram no canto da boca.

Cada pessoa que chegava erguia-se na ponta dos pés, embora não o pudesse ver. Os moradores da rua conversavam de uma porta à outra, as crianças foram
despertadas e de pijama acudiram à janela. O senhor gordo repetia que Dario sentara-se na calçada, soprando ainda a fumaça do cachimbo e encostando o guarda-
chuva na parede. Mas não se via guarda-chuva ou cachimbo ao seu lado.

A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele estava morrendo. Um grupo o arrastou para o táxi da esquina. Já no carro a metade do corpo, protestou o motorista: quem
pagaria a corrida? Concordaram chamar a ambulância. Dario conduzido de volta e recostado à parede - não tinha os sapatos nem o alfinete de pérola na gravata. Alguém
informou da farmácia na outra rua. Não carregaram Dario além da esquina; a farmácia no fim do quarteirão e, além do mais, muito pesado. Foi largado na porta de uma
peixaria. Enxame de moscas lhe cobriu o rosto, sem que fizesse um gesto para espantá-las.

Ocupado o café próximo pelas pessoas que vieram apreciar o incidente e, agora, comendo e bebendo, gozavam as delícias da noite. Dario ficou torto como o deixaram,
no degrau da peixaria, sem o relógio de pulso.

Um terceiro sugeriu que lhe examinassem os papéis, retirados - com vários objetos - de seus bolsos e alinhados sobre a camisa branca. Ficaram sabendo do nome, idade;
sinal de nascença. O endereço na carteira era de outra cidade.

Registrou-se correria de mais de duzentos curiosos que, a essa hora, ocupavam toda a rua e as calçadas: era a polícia. O carro negro investiu a multidão. Várias pessoas
tropeçaram no corpo de Dario, que foi pisoteado dezessete vezes.

O guarda aproximou-se do cadáver e não pôde identificá-lo — os bolsos vazios. Restava a aliança de ouro na mão esquerda, que ele próprio quando vivo - só podia
destacar umedecida com sabonete. Ficou decidido que o caso era com o rabecão.

A última boca repetiu — Ele morreu, ele morreu. A gente começou a se dispersar. Dario levara duas horas para morrer, ninguém acreditou que estivesse no fim. Agora,
aos que podiam vê-lo, tinha todo o ar de um defunto.

Um senhor piedoso despiu o paletó de Dario para lhe sustentar a cabeça. Cruzou as suas mãos no peito. Não pôde fechar os olhos nem a boca, onde a espuma tinha
desaparecido. Apenas um homem morto e a multidão se espalhou, as mesas do café ficaram vazias. Na janela alguns moradores com almofadas para descansar os
cotovelos.

Um menino de cor e descalço veio com uma vela, que acendeu ao lado do cadáver. Parecia morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva.

Fecharam-se uma a uma as janelas e, três horas depois, lá estava Dario à espera do rabecão. A cabeça agora na pedra, sem o paletó, e o dedo sem a aliança. A vela
tinha queimado até a metade e apagou-se às primeiras gotas da chuva, que voltava a cair.

Disponível em: <http://projetos.unioeste.br/projetos/leitura/arquivos/oficinas/texto01.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2015.

Leia o trecho.

“Ocupado o café próximo pelas pessoas que vieram apreciar o incidente e, agora, comendo e bebendo, gozavam as delícias da noite”.

A alternativa que justifica a acentuação da palavra destacada no trecho acima é

a) Toda palavra paroxítona é sempre acentuada.


b) Toda palavra proparoxítona é sempre acentuada.
c) A sílaba tônica é a antepenúltima, logo é oxítona.
d) É uma paroxítona, pois a sílaba tônica é a penúltima.
e) Como a sílaba tônica é a última, a palavra é proparoxítona.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806423

Questão 1148: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Uma vela para Dario

Dalton Trevisan

Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por ela
escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida de chuva, e descansou na pedra o cachimbo.

Dois ou três passantes rodearam-no e indagaram se não se sentia bem. Dario abriu a boca, moveu os lábios, não se ouviu resposta. O senhor gordo, de branco,
sugeriu(b) que devia sofrer de ataque.

Ele reclinou-se mais um pouco, estendido agora na calçada, e o cachimbo tinha apagado. O rapaz de bigode pediu aos outros que se afastassem e o deixassem respirar.
Abriu-lhe o paletó, o colarinho, a gravata e a cinta. Quando lhe retiraram os sapatos, Dario roncou feio e bolhas de espuma surgiram no canto da boca.

Cada pessoa que chegava erguia-se na ponta dos pés, embora não o pudesse ver. Os moradores da rua conversavam de uma porta à outra, as crianças foram
despertadas e de pijama acudiram à janela. O senhor gordo repetia que Dario sentara-se na calçada, soprando ainda a fumaça do cachimbo e encostando o guarda-
chuva na parede. Mas não se via guarda-chuva ou cachimbo ao seu lado.

A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele estava morrendo. Um grupo o arrastou para o táxi(a) da esquina. Já no carro a metade do corpo, protestou o motorista:
quem pagaria a corrida? Concordaram chamar a ambulância. Dario conduzido de volta e recostado à parede - não tinha os sapatos nem(a) o alfinete de pérola(e) na
gravata. Alguém informou da farmácia na outra rua. Não carregaram Dario além da esquina; a farmácia no fim do quarteirão e, além do mais, muito pesado. Foi largado
na porta de uma peixaria. Enxame de moscas lhe cobriu o rosto, sem que fizesse um gesto para espantá-las.

Ocupado o café(a) próximo pelas pessoas que vieram apreciar o incidente e, agora, comendo e bebendo, gozavam as delícias da noite. Dario ficou torto como o deixaram,
no degrau da peixaria, sem o relógio de pulso.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 59/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Um terceiro sugeriu que lhe examinassem os papéis(d), retirados - com(d) vários objetos - de seus bolsos e alinhados sobre a camisa branca. Ficaram sabendo do nome,
idade; sinal de nascença. O endereço na carteira era de outra cidade.

Registrou-se correria de mais de duzentos curiosos que, a essa hora, ocupavam toda a rua e as calçadas: era a polícia(c). O carro negro investiu a multidão. Várias(b)
pessoas tropeçaram no corpo de Dario, que foi pisoteado dezessete vezes.

O guarda aproximou-se do cadáver e não pôde identificá-lo — os bolsos vazios. Restava a aliança de(c) ouro na mão esquerda, que ele próprio(d) quando vivo - só podia
destacar umedecida com sabonete. Ficou decidido que o caso era com o rabecão.

A última(b) boca repetiu — Ele morreu, ele morreu. A gente começou a se dispersar. Dario levara duas horas para morrer, ninguém(c, e) acreditou que estivesse no fim.
Agora, aos que podiam vê-lo, tinha todo o ar de um defunto.

Um senhor piedoso despiu o paletó(e) de Dario para lhe sustentar a cabeça. Cruzou as suas mãos no peito. Não pôde fechar os olhos nem a boca, onde a espuma tinha
desaparecido. Apenas um homem morto e a multidão se espalhou, as mesas do café ficaram vazias. Na janela alguns moradores com almofadas para descansar os
cotovelos.

Um menino de cor e descalço veio com uma vela, que acendeu ao lado do cadáver. Parecia morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva.

Fecharam-se uma a uma as janelas e, três horas depois, lá estava Dario à espera do rabecão. A cabeça agora na pedra, sem o paletó, e o dedo sem a aliança. A vela
tinha queimado até a metade e apagou-se às primeiras gotas da chuva, que voltava a cair.

Disponível em: <http://projetos.unioeste.br/projetos/leitura/arquivos/oficinas/texto01.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2015.

A alternativa que contém, respectivamente, substantivo – pronome – substantivo é

a) “táxi”, “nem” e “café”.


b) “sugeriu”, “várias” e “última”.
c) “polícia”, “de” e “ninguém”.
d) “papéis”, “com” e “próprio”.
e) “pérola”, “ninguém” e “paletó”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806426

Questão 1149: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Uma vela para Dario

Dalton Trevisan

Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por ela
escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida de chuva, e descansou na pedra o cachimbo.

Dois ou três passantes rodearam-no e indagaram se não se sentia bem. Dario abriu a boca, moveu os lábios, não se ouviu resposta. O senhor gordo, de
branco, sugeriu que devia sofrer de ataque.

Ele reclinou-se mais um pouco, estendido agora na calçada, e o cachimbo tinha apagado. O rapaz de bigode pediu aos outros que se afastassem e o deixassem respirar.
Abriu-lhe o paletó, o colarinho, a gravata e a cinta. Quando lhe retiraram os sapatos, Dario roncou feio e bolhas de espuma surgiram no canto da boca.

Cada pessoa que chegava erguia-se na ponta dos pés, embora não o pudesse ver. Os moradores da rua conversavam de uma porta à outra, as crianças foram
despertadas e de pijama acudiram à janela. O senhor gordo repetia que Dario sentara-se na calçada, soprando ainda a fumaça do cachimbo e encostando o guarda-
chuva na parede. Mas não se via guarda-chuva ou cachimbo ao seu lado.

A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele estava morrendo. Um grupo o arrastou para o táxi da esquina. Já no carro a metade do corpo, protestou o motorista: quem
pagaria a corrida? Concordaram chamar a ambulância. Dario conduzido de volta e recostado à parede - não tinha os sapatos nem o alfinete de pérola na gravata. Alguém
informou da farmácia na outra rua. Não carregaram Dario além da esquina; a farmácia no fim do quarteirão e, além do mais, muito pesado. Foi largado na porta de uma
peixaria. Enxame de moscas lhe cobriu o rosto, sem que fizesse um gesto para espantá-las.

Ocupado o café próximo pelas pessoas que vieram apreciar o incidente e, agora, comendo e bebendo, gozavam as delícias da noite. Dario ficou torto como o deixaram,
no degrau da peixaria, sem o relógio de pulso.

Um terceiro sugeriu que lhe examinassem os papéis, retirados - com vários objetos - de seus bolsos e alinhados sobre a camisa branca. Ficaram sabendo do nome, idade;
sinal de nascença. O endereço na carteira era de outra cidade.

Registrou-se correria de mais de duzentos curiosos que, a essa hora, ocupavam toda a rua e as calçadas: era a polícia. O carro negro investiu a multidão. Várias pessoas
tropeçaram no corpo de Dario, que foi pisoteado dezessete vezes.

O guarda aproximou-se do cadáver e não pôde identificá-lo — os bolsos vazios. Restava a aliança de ouro na mão esquerda, que ele próprio quando vivo - só podia
destacar umedecida com sabonete. Ficou decidido que o caso era com o rabecão.

A última boca repetiu — Ele morreu, ele morreu. A gente começou a se dispersar. Dario levara duas horas para morrer, ninguém acreditou que estivesse no fim. Agora,
aos que podiam vê-lo, tinha todo o ar de um defunto.

Um senhor piedoso despiu o paletó de Dario para lhe sustentar a cabeça. Cruzou as suas mãos no peito. Não pôde fechar os olhos nem a boca, onde a espuma tinha
desaparecido. Apenas um homem morto e a multidão se espalhou, as mesas do café ficaram vazias. Na janela alguns moradores com almofadas para descansar os
cotovelos.

Um menino de cor e descalço veio com uma vela, que acendeu ao lado do cadáver. Parecia morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva.

Fecharam-se uma a uma as janelas e, três horas depois, lá estava Dario à espera do rabecão. A cabeça agora na pedra, sem o paletó, e o dedo sem a aliança. A vela
tinha queimado até a metade e apagou-se às primeiras gotas da chuva, que voltava a cair.

Disponível em: <http://projetos.unioeste.br/projetos/leitura/arquivos/oficinas/texto01.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2015.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 60/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
A palavra paletó é acentuada porque é

a) oxítona, terminada com a vogal “o” e a sílaba tônica é a última.


b) paroxítona, terminada com a vogal “o” e a sílaba tônica é a última.
c) oxítona, terminada com a vogal “o” e a sílaba tônica é a penúltima.
d) proparoxítona, terminada com a vogal “o” e a sílaba tônica é a penúltima.
e) proparoxítona, terminada com a vogal “o” e a sílaba tônica é a antepenúltima.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806427

Questão 1150: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Uma vela para Dario

Dalton Trevisan

Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por ela
escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida de chuva, e descansou na pedra o cachimbo.

Dois ou três passantes rodearam-no e indagaram se não se sentia bem. Dario abriu a boca, moveu os lábios, não se ouviu resposta. O senhor gordo, de
branco, sugeriu que devia sofrer de ataque.

Ele reclinou-se mais um pouco, estendido agora na calçada, e o cachimbo tinha apagado. O rapaz de bigode pediu aos outros que se afastassem e o deixassem respirar.
Abriu-lhe o paletó, o colarinho, a gravata e a cinta. Quando lhe retiraram os sapatos, Dario roncou feio e bolhas de espuma surgiram no canto da boca.

Cada pessoa que chegava erguia-se na ponta dos pés, embora não o pudesse ver. Os moradores da rua conversavam de uma porta à outra, as crianças foram
despertadas e de pijama acudiram à janela. O senhor gordo repetia que Dario sentara-se na calçada, soprando ainda a fumaça do cachimbo e encostando o guarda-
chuva na parede. Mas não se via guarda-chuva ou cachimbo ao seu lado.

A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele estava morrendo. Um grupo o arrastou para o táxi da esquina. Já no carro a metade do corpo, protestou o motorista: quem
pagaria a corrida? Concordaram chamar a ambulância. Dario conduzido de volta e recostado à parede - não tinha os sapatos nem o alfinete de pérola na gravata. Alguém
informou da farmácia na outra rua. Não carregaram Dario além da esquina; a farmácia no fim do quarteirão e, além do mais, muito pesado. Foi largado na porta de uma
peixaria. Enxame de moscas lhe cobriu o rosto, sem que fizesse um gesto para espantá-las.

Ocupado o café próximo pelas pessoas que vieram apreciar o incidente e, agora, comendo e bebendo, gozavam as delícias da noite. Dario ficou torto como o deixaram,
no degrau da peixaria, sem o relógio de pulso.

Um terceiro sugeriu que lhe examinassem os papéis, retirados - com vários objetos - de seus bolsos e alinhados sobre a camisa branca. Ficaram sabendo do nome, idade;
sinal de nascença. O endereço na carteira era de outra cidade.

Registrou-se correria de mais de duzentos curiosos que, a essa hora, ocupavam toda a rua e as calçadas: era a polícia. O carro negro investiu a multidão. Várias pessoas
tropeçaram no corpo de Dario, que foi pisoteado dezessete vezes.

O guarda aproximou-se do cadáver e não pôde identificá-lo — os bolsos vazios. Restava a aliança de ouro na mão esquerda, que ele próprio quando vivo - só podia
destacar umedecida com sabonete. Ficou decidido que o caso era com o rabecão.

A última boca repetiu — Ele morreu, ele morreu. A gente começou a se dispersar. Dario levara duas horas para morrer, ninguém acreditou que estivesse no fim. Agora,
aos que podiam vê-lo, tinha todo o ar de um defunto.

Um senhor piedoso despiu o paletó de Dario para lhe sustentar a cabeça. Cruzou as suas mãos no peito. Não pôde fechar os olhos nem a boca, onde a espuma tinha
desaparecido. Apenas um homem morto e a multidão se espalhou, as mesas do café ficaram vazias. Na janela alguns moradores com almofadas para descansar os
cotovelos.

Um menino de cor e descalço veio com uma vela, que acendeu ao lado do cadáver. Parecia morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva.

Fecharam-se uma a uma as janelas e, três horas depois, lá estava Dario à espera do rabecão. A cabeça agora na pedra, sem o paletó, e o dedo sem a aliança. A vela
tinha queimado até a metade e apagou-se às primeiras gotas da chuva, que voltava a cair.

Disponível em: <http://projetos.unioeste.br/projetos/leitura/arquivos/oficinas/texto01.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2015.

De acordo com o texto 1, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e F as falsas:

( ) No trecho: “Várias pessoas tropeçaram no corpo de Dario [...]”, a parte sublinhada é o predicado da oração.

( ) No trecho: “Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo [...].”, a parte sublinhada é o predicado verbal.

( ) No trecho: “O senhor gordo, de branco, sugeriu que devia sofrer de ataque.”, a parte sublinhada é o sujeito da forma verbal sugeriu.

( ) No trecho: “A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele estava morrendo.”, a parte sublinhada é o sujeito simples da oração.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

a) VFVF
b) VFFV
c) VVFF
d) FVFV
e) FFVF
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806429

Questão 1151: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 61/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Leia atentamente o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Uma vela para Dario

Dalton Trevisan

Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por ela
escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida de chuva, e descansou na pedra o cachimbo.

Dois ou três passantes rodearam-no e indagaram se não se sentia bem. Dario abriu a boca, moveu os lábios, não se ouviu resposta. O senhor gordo, de
branco, sugeriu que devia sofrer de ataque.

Ele reclinou-se mais um pouco, estendido agora na calçada, e o cachimbo tinha apagado. O rapaz de bigode pediu aos outros que se afastassem e o deixassem respirar.
Abriu-lhe o paletó, o colarinho, a gravata e a cinta. Quando lhe retiraram os sapatos, Dario roncou feio e bolhas de espuma surgiram no canto da boca.

Cada pessoa que chegava erguia-se na ponta dos pés, embora não o pudesse ver. Os moradores da rua conversavam de uma porta à outra, as crianças foram
despertadas e de pijama acudiram à janela. O senhor gordo repetia que Dario sentara-se na calçada, soprando ainda a fumaça do cachimbo e encostando o guarda-
chuva na parede. Mas não se via guarda-chuva ou cachimbo ao seu lado.

A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele estava morrendo. Um grupo o arrastou para o táxi da esquina. Já no carro a metade do corpo, protestou o motorista: quem
pagaria a corrida? Concordaram chamar a ambulância. Dario conduzido de volta e recostado à parede - não tinha os sapatos nem o alfinete de pérola na gravata. Alguém
informou da farmácia na outra rua. Não carregaram Dario além da esquina; a farmácia no fim do quarteirão e, além do mais, muito pesado. Foi largado na porta de uma
peixaria. Enxame de moscas lhe cobriu o rosto, sem que fizesse um gesto para espantá-las.

Ocupado o café próximo pelas pessoas que vieram apreciar o incidente e, agora, comendo e bebendo, gozavam as delícias da noite. Dario ficou torto como o deixaram,
no degrau da peixaria, sem o relógio de pulso.

Um terceiro sugeriu que lhe examinassem os papéis, retirados - com vários objetos - de seus bolsos e alinhados sobre a camisa branca. Ficaram sabendo do nome, idade;
sinal de nascença. O endereço na carteira era de outra cidade.

Registrou-se correria de mais de duzentos curiosos que, a essa hora, ocupavam toda a rua e as calçadas: era a polícia. O carro negro investiu a multidão. Várias pessoas
tropeçaram no corpo de Dario, que foi pisoteado dezessete vezes.

O guarda aproximou-se do cadáver e não pôde identificá-lo — os bolsos vazios. Restava a aliança de ouro na mão esquerda, que ele próprio quando vivo - só podia
destacar umedecida com sabonete. Ficou decidido que o caso era com o rabecão.

A última boca repetiu — Ele morreu, ele morreu. A gente começou a se dispersar. Dario levara duas horas para morrer, ninguém acreditou que estivesse no fim. Agora,
aos que podiam vê-lo, tinha todo o ar de um defunto.

Um senhor piedoso despiu o paletó de Dario para lhe sustentar a cabeça. Cruzou as suas mãos no peito. Não pôde fechar os olhos nem a boca, onde a espuma tinha
desaparecido. Apenas um homem morto e a multidão se espalhou, as mesas do café ficaram vazias. Na janela alguns moradores com almofadas para descansar os
cotovelos.

Um menino de cor e descalço veio com uma vela, que acendeu ao lado do cadáver. Parecia morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva.

Fecharam-se uma a uma as janelas e, três horas depois, lá estava Dario à espera do rabecão. A cabeça agora na pedra, sem o paletó, e o dedo sem a aliança. A vela
tinha queimado até a metade e apagou-se às primeiras gotas da chuva, que voltava a cair.

Disponível em: <http://projetos.unioeste.br/projetos/leitura/arquivos/oficinas/texto01.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2015.

Considerando a relação de concordância nominal entre as palavras destacadas, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e F as falsas.

( ) “A vela tinha queimado até a metade e apagou-se às primeiras gotas da chuva, que voltava a cair”. O numeral “primeiras” concorda com o substantivo gotas.

( ) “Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo [...].” Os adjetivos em destaque concordam com os substantivos a que se referem em número e
gênero.

( ) “Parecia morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva.” O pronome indefinido “muitos” foi flexionado para concordar com o
nome a que se refere.

( ) “Um terceiro sugeriu lhe examinassem os papéis, retirados - com vários objetos - de seus bolsos e alinhados sobre a camisa branca.” O artigo concorda com o
numeral que é uma palavra na 3ª pessoa.

A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é:

a) VVFF
b) VVVF
c) VFFV
d) FVFV
e) FFVF
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806432

Questão 1152: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Uma vela para Dario

Dalton Trevisan

Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por ela
escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida de chuva, e descansou na pedra o cachimbo.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 62/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Dois ou três passantes rodearam-no e indagaram se não se sentia bem. Dario abriu a boca, moveu os lábios, não se ouviu resposta. O senhor gordo, de
branco, sugeriu que devia sofrer de ataque.

Ele reclinou-se mais um pouco, estendido agora na calçada, e o cachimbo tinha apagado. O rapaz de bigode pediu aos outros que se afastassem e o deixassem respirar.
Abriu-lhe o paletó, o colarinho, a gravata e a cinta. Quando lhe retiraram os sapatos, Dario roncou feio e bolhas de espuma surgiram no canto da boca.

Cada pessoa que chegava erguia-se na ponta dos pés, embora não o pudesse ver. Os moradores da rua conversavam de uma porta à outra, as crianças foram
despertadas e de pijama acudiram à janela. O senhor gordo repetia que Dario sentara-se na calçada, soprando ainda a fumaça do cachimbo e encostando o guarda-
chuva na parede. Mas não se via guarda-chuva ou cachimbo ao seu lado.

A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele estava morrendo. Um grupo o arrastou para o táxi da esquina. Já no carro a metade do corpo, protestou o motorista: quem
pagaria a corrida? Concordaram chamar a ambulância. Dario conduzido de volta e recostado à parede - não tinha os sapatos nem o alfinete de pérola na gravata. Alguém
informou da farmácia na outra rua. Não carregaram Dario além da esquina; a farmácia no fim do quarteirão e, além do mais, muito pesado. Foi largado na porta de uma
peixaria. Enxame de moscas lhe cobriu o rosto, sem que fizesse um gesto para espantá-las.

Ocupado o café próximo pelas pessoas que vieram apreciar o incidente e, agora, comendo e bebendo, gozavam as delícias da noite. Dario ficou torto como o deixaram,
no degrau da peixaria, sem o relógio de pulso.

Um terceiro sugeriu que lhe examinassem os papéis, retirados - com vários objetos - de seus bolsos e alinhados sobre a camisa branca. Ficaram sabendo do nome, idade;
sinal de nascença. O endereço na carteira era de outra cidade.

Registrou-se correria de mais de duzentos curiosos que, a essa hora, ocupavam toda a rua e as calçadas: era a polícia. O carro negro investiu a multidão. Várias pessoas
tropeçaram no corpo de Dario, que foi pisoteado dezessete vezes.

O guarda aproximou-se do cadáver e não pôde identificá-lo — os bolsos vazios. Restava a aliança de ouro na mão esquerda, que ele próprio quando vivo - só podia
destacar umedecida com sabonete. Ficou decidido que o caso era com o rabecão.

A última boca repetiu — Ele morreu, ele morreu. A gente começou a se dispersar. Dario levara duas horas para morrer, ninguém acreditou que estivesse no fim. Agora,
aos que podiam vê-lo, tinha todo o ar de um defunto.

Um senhor piedoso despiu o paletó de Dario para lhe sustentar a cabeça. Cruzou as suas mãos no peito. Não pôde fechar os olhos nem a boca, onde a espuma tinha
desaparecido. Apenas um homem morto e a multidão se espalhou, as mesas do café ficaram vazias. Na janela alguns moradores com almofadas para descansar os
cotovelos.

Um menino de cor e descalço veio com uma vela, que acendeu ao lado do cadáver. Parecia morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva.

Fecharam-se uma a uma as janelas e, três horas depois, lá estava Dario à espera do rabecão. A cabeça agora na pedra, sem o paletó, e o dedo sem a aliança. A vela
tinha queimado até a metade e apagou-se às primeiras gotas da chuva, que voltava a cair.

Disponível em: <http://projetos.unioeste.br/projetos/leitura/arquivos/oficinas/texto01.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2015.

“Dois ou três passantes rodearam-no e indagaram se não se sentia bem.”.

A alternativa que justifica a concordância verbal do trecho acima é

a) O uso do verbo no plural acontece porque o sujeito está na 3ª pessoa no plural.


b) O verbo “indagaram” vai para o plural para concordar com os numerais dois e três.
c) O sujeito é representado por um substantivo coletivo, por isso o verbo fica no plural.
d) O sujeito é composto, representado por dois substantivos, assim, o verbo fica no plural.
e) O verbo “indagaram” concorda com o núcleo do sujeito, “passantes”, em número e pessoa.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806434

Questão 1153: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 1 para responder a questão abaixo.

Texto 1

Uma vela para Dario

Dalton Trevisan

Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por ela
escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida de chuva, e descansou na pedra o cachimbo.

Dois ou três passantes rodearam-no e indagaram se não se sentia bem. Dario abriu a boca, moveu os lábios, não se ouviu resposta. O senhor gordo, de
branco, sugeriu que devia sofrer de ataque.

Ele reclinou-se mais um pouco, estendido agora na calçada, e o cachimbo tinha apagado. O rapaz de bigode pediu aos outros que se afastassem e o deixassem respirar.
Abriu-lhe o paletó, o colarinho, a gravata e a cinta. Quando lhe retiraram os sapatos, Dario roncou feio e bolhas de espuma surgiram no canto da boca.

Cada pessoa que chegava erguia-se na ponta dos pés, embora não o pudesse ver. Os moradores da rua conversavam de uma porta à outra, as crianças foram
despertadas e de pijama acudiram à janela. O senhor gordo repetia que Dario sentara-se na calçada, soprando ainda a fumaça do cachimbo e encostando o guarda-
chuva na parede. Mas não se via guarda-chuva ou cachimbo ao seu lado.

A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele estava morrendo. Um grupo o arrastou para o táxi da esquina. Já no carro a metade do corpo, protestou o motorista: quem
pagaria a corrida? Concordaram chamar a ambulância. Dario conduzido de volta e recostado à parede - não tinha os sapatos nem o alfinete de pérola na gravata. Alguém
informou da farmácia na outra rua. Não carregaram Dario além da esquina; a farmácia no fim do quarteirão e, além do mais, muito pesado. Foi largado na porta de uma
peixaria. Enxame de moscas lhe cobriu o rosto, sem que fizesse um gesto para espantá-las.

Ocupado o café próximo pelas pessoas que vieram apreciar o incidente e, agora, comendo e bebendo, gozavam as delícias da noite. Dario ficou torto como o deixaram,
no degrau da peixaria, sem o relógio de pulso.

Um terceiro sugeriu que lhe examinassem os papéis, retirados - com vários objetos - de seus bolsos e alinhados sobre a camisa branca. Ficaram sabendo do nome, idade;
sinal de nascença. O endereço na carteira era de outra cidade.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 63/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Registrou-se correria de mais de duzentos curiosos que, a essa hora, ocupavam toda a rua e as calçadas: era a polícia. O carro negro investiu a multidão. Várias pessoas
tropeçaram no corpo de Dario, que foi pisoteado dezessete vezes.

O guarda aproximou-se do cadáver e não pôde identificá-lo — os bolsos vazios. Restava a aliança de ouro na mão esquerda, que ele próprio quando vivo - só podia
destacar umedecida com sabonete. Ficou decidido que o caso era com o rabecão.

A última boca repetiu — Ele morreu, ele morreu. A gente começou a se dispersar. Dario levara duas horas para morrer, ninguém acreditou que estivesse no fim. Agora,
aos que podiam vê-lo, tinha todo o ar de um defunto.

Um senhor piedoso despiu o paletó de Dario para lhe sustentar a cabeça. Cruzou as suas mãos no peito. Não pôde fechar os olhos nem a boca, onde a espuma tinha
desaparecido. Apenas um homem morto e a multidão se espalhou, as mesas do café ficaram vazias. Na janela alguns moradores com almofadas para descansar os
cotovelos.

Um menino de cor e descalço veio com uma vela, que acendeu ao lado do cadáver. Parecia morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva.

Fecharam-se uma a uma as janelas e, três horas depois, lá estava Dario à espera do rabecão. A cabeça agora na pedra, sem o paletó, e o dedo sem a aliança. A vela
tinha queimado até a metade e apagou-se às primeiras gotas da chuva, que voltava a cair.

Disponível em: <http://projetos.unioeste.br/projetos/leitura/arquivos/oficinas/texto01.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2015.

I - “Enxame de moscas lhe cobriu o rosto, sem que fizesse um gesto para espantá-las.”

II - “Apenas um homem morto e a multidão se espalhou, as mesas do café ficam vazias.”

A partir da análise dos trechos I e II, é correto afirmar que

a) no trecho II, a forma verbal “espalhou” concorda, obrigatoriamente, com o artigo definido que está no singular.
b) no trecho I, a forma verbal “cobriu”, obrigatoriamente, concorda com o determinante já que o seu núcleo está no singular.
c) no trecho II, a forma verbal “espalhou” concorda, obrigatoriamente, com a palavra multidão, já que é um substantivo coletivo.
d) no trecho I, a forma verbal “cobriu” concorda, obrigatoriamente, com a palavra “enxame”, já que esta estabelece uma ideia de plural.
e) nos dois trechos, as formas verbais “cobriu” e “espalhou” concordam, respectivamente, com seus determinantes por serem substantivos coletivos.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806436

Questão 1154: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 2 para responder a questão abaixo.

Pedreiro pedala 42 quilômetros todo dia para cursar Direito no ES

Joaquim Corsino contou que sonha em ser delegado.


Ele disse que gasta 1h30, entre Cariacica e Vitória.
Do G1 ES, com informações de A Gazeta

Para estar cada vez mais perto de realizar um grande sonho, o pedreiro Joaquim Corsino dos Santos pedala, diariamente, entre Cariacica, onde mora, até Vitória, onde
fica a faculdade de Direito em que ele estuda. A distância, cerca de 21 quilômetros entre um município e outro, não desanima o estudante. Gastando mais de uma hora
para chegar à faculdade, agora ele decidiu largar o trabalho para focar nos estudos. “É meu sonho, e chegarei lá”, garante.

Joaquim nasceu em Tarumirim, Minas Gerais. O pai, Agenor, e a mãe, Ana Clara, eram trabalhadores rurais. Ele contou que quando mais novo ajudava a família na roça,
mas sempre sonhou alto. “Não queria aquela vida para mim. Queria mesmo era estudar”, contou. Com mais de 20 anos, ele terminou o curso técnico de Administração.
Segundo ele, na época, precisou trabalhar e passou anos sem estudar.

Em 1980, Joaquim tentou vestibular na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), para Ciências Contábeis, e não passou. Depois disso, ele foi trabalhar como auxiliar
de pedreiro e, mais tarde, como pedreiro, ganhando um salário melhor. Mesmo assim, nunca abandonou o sonho de ser advogado “Passei a guardar parte do que
ganhava para pagar uma faculdade de Direito. Ao todo, em toda a minha vida de trabalho, consegui juntar uns R$ 50 mil”, disse.

Ele contou que, ao mesmo tempo, foi construindo a casa, que hoje é um prédio de três andares localizado em Bandeirantes, Cariacica, onde mora com três irmãos.
Durante um período, a vontade de ser delegado foi interrompida por medo de não conseguir arcar com as despesas do curso. “Em 2008, passei num processo seletivo
em uma faculdade privada, onde cursei dois anos de Direito. Mas aí um amigo me pediu R$ 4.500 emprestados, e eu, com receio de não ter como bancar os estudos,
tranquei a matrícula no curso”.

Depois disso, ele trabalhou mais um ano como pedreiro para recuperar o prejuízo e voltou à faculdade, 2012, na Serra. “Como o trajeto de casa até lá era longo, comprei
até uma moto, que está parada – ainda não tirei carteira. Essa distância contribuiu para eu mudar de faculdade. Hoje, faço o nono período de Direito em Vitória. Sou o
mais velho da turma”, contou.

Segundo ele, o trajeto feito entre a casa e a faculdade dura mais de uma hora. Além da distância e do cansaço, ele ainda teve que enfrentar outros contratempos. “Saio
de casa, de bicicleta, para estudar à noite, e levo quase uma hora e meia só de ida. Há uns seis meses, roubaram uma roda da bicicleta, e tive que voltar de ônibus”,
contou.

Focado no futuro, ele contou que parou com o trabalho para se dedicar ao sonho. “Agora, decidi dar uma parada no trabalho só para estudar. Adoro ler a Constituição
Federal. Meu sonho é concluir o curso, tirar minha carteira da Ordem dos Advogados e passar em concurso para ser delegado de polícia. É meu sonho, e chegarei lá",
finalizou.

Disponível em: <http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2014/09/pedreiro-vai-de-cariacica-vitoria-de-bicicleta-para-cursar-direito.html>.


Acesso em: 25 nov. 2015.

No depoimento: “É meu sonho, e chegarei lá [...]”, pode-se atribuir a Joaquim dos Santos a seguinte característica

a) inseguro.
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 64/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) sonhador.
c) pessimista.
d) displicente.
e) persistente.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806441

Questão 1155: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 2 para responder a questão abaixo.

Pedreiro pedala 42 quilômetros todo dia para cursar Direito no ES

Joaquim Corsino contou que sonha em ser delegado.


Ele disse que gasta 1h30, entre Cariacica e Vitória.
Do G1 ES, com informações de A Gazeta

Para estar cada vez mais perto de realizar um grande sonho, o pedreiro Joaquim Corsino dos Santos pedala, diariamente, entre Cariacica, onde mora, até Vitória, onde
fica a faculdade de Direito em que ele estuda. A distância, cerca de 21 quilômetros entre um município e outro, não desanima o estudante. Gastando mais de uma hora
para chegar à faculdade, agora ele decidiu largar o trabalho para focar nos estudos. “É meu sonho, e chegarei lá”, garante.

Joaquim nasceu em Tarumirim, Minas Gerais. O pai, Agenor, e a mãe, Ana Clara, eram trabalhadores rurais(a). Ele contou que quando mais novo ajudava a família na
roça, mas sempre sonhou alto. “Não queria aquela vida para mim. Queria mesmo era estudar(b)”, contou. Com mais de 20 anos, ele terminou o curso técnico de
Administração. Segundo ele, na época, precisou trabalhar e passou anos sem estudar.

Em 1980, Joaquim tentou vestibular na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), para Ciências Contábeis, e não passou. Depois disso, ele foi trabalhar como auxiliar
de pedreiro e, mais tarde, como pedreiro, ganhando um salário melhor(d). Mesmo assim, nunca abandonou o sonho de ser advogado “Passei a guardar parte do que
ganhava para pagar uma faculdade de Direito. Ao todo, em toda a minha vida de trabalho, consegui juntar uns R$ 50 mil”, disse.

Ele contou que, ao mesmo tempo, foi construindo a casa, que hoje é um prédio de três andares localizado em Bandeirantes, Cariacica, onde mora com três irmãos.
Durante um período, a vontade de ser delegado foi interrompida por medo de não conseguir arcar com as despesas do curso. “Em 2008, passei num processo seletivo
em uma faculdade privada, onde cursei dois anos de Direito. Mas aí um amigo me pediu R$ 4.500 emprestados, e eu, com receio de não ter como bancar os estudos,
tranquei a matrícula no curso”.

Depois disso, ele trabalhou mais um ano como pedreiro para recuperar o prejuízo e voltou à faculdade, 2012, na Serra. “Como o trajeto de casa até lá era longo, comprei
até uma moto, que está parada – ainda não tirei carteira. Essa distância contribuiu para eu mudar de faculdade. Hoje, faço o nono período de Direito em Vitória. Sou o
mais velho da turma”, contou.

Segundo ele, o trajeto feito entre a casa e a faculdade dura mais de uma hora(c). Além da distância e do cansaço, ele ainda teve que enfrentar outros contratempos.
“Saio de casa, de bicicleta, para estudar à noite, e levo quase uma hora e meia só de ida. Há uns seis meses, roubaram uma roda da bicicleta, e tive que voltar de
ônibus”, contou.

Focado no futuro, ele contou que parou com o trabalho para se dedicar ao sonho. “Agora, decidi dar uma parada no trabalho só para estudar.(e) Adoro ler a Constituição
Federal. Meu sonho é concluir o curso, tirar minha carteira da Ordem dos Advogados e passar em concurso para ser delegado de polícia. É meu sonho, e chegarei lá",
finalizou.

Disponível em: <http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2014/09/pedreiro-vai-de-cariacica-vitoria-de-bicicleta-para-cursar-direito.html>.


Acesso em: 25 nov. 2015.

Nos trechos apresentados abaixo, há respectivamente, um substantivo e um advérbio destacados em

a) “O pai, Agenor, e a mãe, Ana Clara, eram trabalhadores rurais.”


b) “Não queria aquela vida para mim. Queria mesmo era estudar”, contou.
c) Segundo ele, o trajeto feito entre a casa e a faculdade dura mais de uma hora.
d) Depois disso, ele foi trabalhar como auxiliar de pedreiro e, mais tarde, como pedreiro, ganhando um salário melhor.
e) Focado no futuro, ele contou que parou com o trabalho para se dedicar ao sonho. “Agora, decidi dar uma parada no trabalho só para estudar.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806444

Questão 1156: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 2 para responder a questão abaixo.

Pedreiro pedala 42 quilômetros todo dia para cursar Direito no ES

Joaquim Corsino contou que sonha em ser delegado.


Ele disse que gasta 1h30, entre Cariacica e Vitória.
Do G1 ES, com informações de A Gazeta

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 65/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Para estar cada vez mais perto de realizar um grande sonho, o pedreiro Joaquim Corsino dos Santos pedala, diariamente, entre Cariacica, onde mora, até Vitória, onde
fica a faculdade de Direito em que ele estuda. A distância, cerca de 21 quilômetros entre um município e outro, não desanima o estudante(a). Gastando mais de uma hora
para chegar à faculdade, agora ele decidiu largar o trabalho para focar nos estudos(d). “É meu sonho, e chegarei lá”, garante.

Joaquim nasceu em Tarumirim, Minas Gerais. O pai, Agenor, e a mãe, Ana Clara, eram trabalhadores rurais. Ele contou que quando mais novo ajudava a família na roça,
mas sempre sonhou alto. “Não queria aquela vida para mim. Queria mesmo era estudar”, contou. Com mais de 20 anos, ele terminou o curso técnico de Administração.
Segundo ele, na época, precisou trabalhar e passou anos sem estudar.

Em 1980, Joaquim tentou vestibular na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), para Ciências Contábeis, e não passou(e). Depois disso, ele foi trabalhar como
auxiliar de pedreiro e, mais tarde, como pedreiro, ganhando um salário melhor. Mesmo assim, nunca abandonou o sonho de ser advogado “Passei a guardar parte do
que ganhava para pagar uma faculdade de Direito. Ao todo, em toda a minha vida de trabalho, consegui juntar uns R$ 50 mil”, disse.

Ele contou que, ao mesmo tempo, foi construindo a casa, que hoje é um prédio de três andares localizado em Bandeirantes, Cariacica, onde mora com três irmãos.
Durante um período, a vontade de ser delegado foi interrompida por medo de não conseguir arcar com as despesas do curso. “Em 2008, passei num processo seletivo
em uma faculdade privada, onde cursei dois anos de Direito. Mas aí um amigo me pediu R$ 4.500 emprestados, e eu, com receio de não ter como bancar os estudos,
tranquei a matrícula no curso”.

Depois disso, ele trabalhou mais um ano como pedreiro para recuperar o prejuízo e voltou à faculdade, 2012, na Serra. “Como o trajeto de casa até lá era longo, comprei
até uma moto, que está parada – ainda não tirei carteira(c). Essa distância contribuiu para eu mudar de faculdade. Hoje, faço o nono período de Direito em Vitória. Sou o
mais velho da turma”, contou.

Segundo ele, o trajeto feito entre a casa e a faculdade dura mais de uma hora. Além da distância e do cansaço, ele ainda teve que enfrentar outros contratempos. “Saio
de casa, de bicicleta, para estudar à noite, e levo quase uma hora e meia só de ida(b). Há uns seis meses, roubaram uma roda da bicicleta, e tive que voltar de ônibus”,
contou.

Focado no futuro, ele contou que parou com o trabalho para se dedicar ao sonho. “Agora, decidi dar uma parada no trabalho só para estudar. Adoro ler a Constituição
Federal. Meu sonho é concluir o curso, tirar minha carteira da Ordem dos Advogados e passar em concurso para ser delegado de polícia. É meu sonho, e chegarei lá",
finalizou.

Disponível em: <http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2014/09/pedreiro-vai-de-cariacica-vitoria-de-bicicleta-para-cursar-direito.html>.


Acesso em: 25 nov. 2015.

Leia o trecho a seguir e identifique a classe gramatical das palavras destacadas.

“Para estar cada vez mais perto de realizar um grande sonho, o pedreiro Joaquim Corsino dos Santos pedala, diariamente, entre Cariacica, onde mora, até Vitória, onde
fica a faculdade de Direito em que ele estuda.”

A alternativa que contém palavras destacadas, respectivamente, que pertencem a mesma classe gramatical dos vocábulos em destaque no trecho acima é

a) “A distância, cerca de 21 quilômetros entre um município e outro, não desanima o estudante.”


b) “Saio de casa, de bicicleta, para estudar à noite, e levo quase uma hora e meia só de ida.”
c) “Como o trajeto de casa até lá era longo, comprei até uma moto, que está parada – ainda não tirei carteira.”
d) “Gastando mais de uma hora para chegar à faculdade, agora ele decidiu largar o trabalho para focar nos estudos.”
e) “Em 1980, Joaquim tentou vestibular na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), para Ciências Contábeis, e não passou.”
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806450

Questão 1157: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 2 para responder a questão abaixo.

Pedreiro pedala 42 quilômetros todo dia para cursar Direito no ES

Joaquim Corsino contou que sonha em ser delegado.


Ele disse que gasta 1h30, entre Cariacica e Vitória.
Do G1 ES, com informações de A Gazeta

Para estar cada vez mais perto de realizar um grande sonho, o pedreiro Joaquim Corsino dos Santos pedala, diariamente, entre Cariacica, onde mora, até Vitória, onde
fica a faculdade de Direito em que ele estuda. A distância, cerca de 21 quilômetros entre um município e outro, não desanima o estudante. Gastando mais de uma hora
para chegar à faculdade, agora ele decidiu largar o trabalho para focar nos estudos. “É meu sonho, e chegarei lá”, garante.

Joaquim nasceu em Tarumirim, Minas Gerais. O pai, Agenor, e a mãe, Ana Clara, eram trabalhadores rurais. Ele contou que quando mais novo ajudava a família na roça,
mas sempre sonhou alto. “Não queria aquela vida para mim. Queria mesmo era estudar”, contou. Com mais de 20 anos, ele terminou o curso técnico de Administração.
Segundo ele, na época, precisou trabalhar e passou anos sem estudar.

Em 1980, Joaquim tentou vestibular na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), para Ciências Contábeis, e não passou. Depois disso, ele foi trabalhar como auxiliar
de pedreiro e, mais tarde, como pedreiro, ganhando um salário melhor. Mesmo assim, nunca abandonou o sonho de ser advogado “Passei a guardar parte do que

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 66/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
ganhava para pagar uma faculdade de Direito. Ao todo, em toda a minha vida de trabalho, consegui juntar uns R$ 50 mil”, disse.

Ele contou que, ao mesmo tempo, foi construindo a casa, que hoje é um prédio de três andares localizado em Bandeirantes, Cariacica, onde mora com três irmãos.
Durante um período, a vontade de ser delegado foi interrompida por medo de não conseguir arcar com as despesas do curso. “Em 2008, passei num processo seletivo
em uma faculdade privada, onde cursei dois anos de Direito. Mas aí um amigo me pediu R$ 4.500 emprestados, e eu, com receio de não ter como bancar os estudos,
tranquei a matrícula no curso”.

Depois disso, ele trabalhou mais um ano como pedreiro para recuperar o prejuízo e voltou à faculdade, 2012, na Serra. “Como o trajeto de casa até lá era longo, comprei
até uma moto, que está parada – ainda não tirei carteira. Essa distância contribuiu para eu mudar de faculdade. Hoje, faço o nono período de Direito em Vitória. Sou o
mais velho da turma”, contou.

Segundo ele, o trajeto feito entre a casa e a faculdade dura mais de uma hora. Além da distância e do cansaço, ele ainda teve que enfrentar outros contratempos. “Saio
de casa, de bicicleta, para estudar à noite, e levo quase uma hora e meia só de ida. Há uns seis meses, roubaram uma roda da bicicleta, e tive que voltar de ônibus”,
contou.

Focado no futuro, ele contou que parou com o trabalho para se dedicar ao sonho. “Agora, decidi dar uma parada no trabalho só para estudar. Adoro ler a Constituição
Federal. Meu sonho é concluir o curso, tirar minha carteira da Ordem dos Advogados e passar em concurso para ser delegado de polícia. É meu sonho, e chegarei lá",
finalizou.

Disponível em: <http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2014/09/pedreiro-vai-de-cariacica-vitoria-de-bicicleta-para-cursar-direito.html>.


Acesso em: 25 nov. 2015.

Leia o trecho a seguir e identifique a classe gramatical das palavras destacadas.

Observe a preposição em destaque nos trechos a seguir.

I - “Joaquim nasceu em Tarumirim, Minas Gerais.”

II - “Em 1980, Joaquim tentou vestibular na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), para Ciências Contábeis, e não passou.”

O valor semântico da preposição em nos trechos I e II, respectivamente, é

a) de meio e de lugar.
b) de lugar e de tempo.
c) de tempo e de lugar.
d) de assunto e de tempo.
e) o mesmo nos dois trechos.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806456

Questão 1158: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 2 para responder a questão abaixo.

Pedreiro pedala 42 quilômetros todo dia para cursar Direito no ES

Joaquim Corsino contou que sonha em ser delegado.


Ele disse que gasta 1h30, entre Cariacica e Vitória.
Do G1 ES, com informações de A Gazeta

Para estar cada vez mais perto de realizar um grande sonho, o pedreiro Joaquim Corsino dos Santos pedala, diariamente, entre Cariacica, onde mora, até Vitória, onde
fica a faculdade de Direito em que ele estuda. A distância, cerca de 21 quilômetros entre um município e outro, não desanima o estudante. Gastando mais de uma hora
para chegar à faculdade, agora ele decidiu largar o trabalho para focar nos estudos. “É meu sonho, e chegarei lá”, garante.

Joaquim nasceu em Tarumirim, Minas Gerais. O pai, Agenor, e a mãe, Ana Clara, eram trabalhadores rurais(b). Ele contou que quando mais novo ajudava a família na
roça, mas sempre sonhou alto. “Não queria aquela vida para mim. Queria mesmo era estudar”, contou. Com mais de 20 anos, ele terminou o curso técnico de
Administração.(c) Segundo ele, na época, precisou trabalhar e passou anos sem estudar(d).

Em 1980, Joaquim tentou vestibular na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), para Ciências Contábeis, e não passou. Depois disso, ele foi trabalhar como auxiliar
de pedreiro e, mais tarde, como pedreiro, ganhando um salário melhor. Mesmo assim, nunca abandonou o sonho de ser advogado “Passei a guardar parte do que
ganhava para pagar uma faculdade de Direito. Ao todo, em toda a minha vida de trabalho, consegui juntar uns R$ 50 mil”, disse.

Ele contou que, ao mesmo tempo, foi construindo a casa, que hoje é um prédio de três andares localizado em Bandeirantes, Cariacica, onde mora com três irmãos.
Durante um período, a vontade de ser delegado foi interrompida por medo de não conseguir arcar com as despesas do curso. “Em 2008, passei num processo seletivo
em uma faculdade privada, onde cursei dois anos de Direito. Mas aí um amigo me pediu R$ 4.500 emprestados, e eu, com receio de não ter como bancar os estudos,
tranquei a matrícula no curso”.

Depois disso, ele trabalhou mais um ano como pedreiro para recuperar o prejuízo e voltou à faculdade, 2012, na Serra. “Como o trajeto de casa até lá era longo, comprei
até uma moto, que está parada – ainda não tirei carteira. Essa distância contribuiu para eu mudar de faculdade. Hoje, faço o nono período de Direito em Vitória. Sou o
mais velho da turma”, contou.

Segundo ele, o trajeto feito entre a casa e a faculdade dura mais de uma hora. Além da distância e do cansaço, ele ainda teve que enfrentar outros contratempos. “Saio
de casa, de bicicleta, para estudar à noite, e levo quase uma hora e meia só de ida. Há uns seis meses, roubaram uma roda da bicicleta, e tive que voltar de ônibus”,
contou.

Focado no futuro, ele contou que parou com o trabalho para se dedicar ao sonho. “Agora, decidi dar uma parada no trabalho só para estudar(a). Adoro ler a Constituição
Federal. Meu sonho é concluir o curso, tirar minha carteira da Ordem dos Advogados(e) e passar em concurso para ser delegado de polícia. É meu sonho, e chegarei lá",
finalizou.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 67/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Disponível em: <http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2014/09/pedreiro-vai-de-cariacica-vitoria-de-bicicleta-para-cursar-direito.html>.


Acesso em: 25 nov. 2015.

A vírgula foi utilizada para separar o aposto em

a) “Agora, decidi dar uma parada no trabalho só para estudar.”


b) “O pai, Agenor, e a mãe, Ana Clara, eram trabalhadores rurais.”
c) “Com mais de 20 anos, ele terminou o curso técnico de Administração.”
d) “Segundo ele, na época, precisou trabalhar e passou anos sem estudar.”
e) “Meu sonho é concluir o curso, tirar minha carteira da Ordem dos Advogados [...]”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806460

Questão 1159: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 2 para responder a questão abaixo.

Pedreiro pedala 42 quilômetros todo dia para cursar Direito no ES

Joaquim Corsino contou que sonha em ser delegado.


Ele disse que gasta 1h30, entre Cariacica e Vitória.
Do G1 ES, com informações de A Gazeta

Para estar cada vez mais perto de realizar um grande sonho(c), o pedreiro Joaquim Corsino dos Santos pedala, diariamente, entre Cariacica, onde mora, até Vitória, onde
fica a faculdade de Direito em que ele estuda. A distância, cerca de 21 quilômetros entre um município e outro, não desanima o estudante. Gastando mais de uma hora
para chegar à faculdade, agora ele decidiu largar o trabalho para focar nos estudos. “É meu sonho, e chegarei lá”, garante.

Joaquim nasceu em Tarumirim, Minas Gerais. O pai, Agenor, e a mãe, Ana Clara, eram trabalhadores rurais. Ele contou que quando mais novo ajudava a família na
roça(d), mas sempre sonhou alto. “Não queria aquela vida para mim. Queria mesmo era estudar”, contou. Com mais de 20 anos, ele terminou o curso técnico de
Administração. Segundo ele, na época, precisou trabalhar e passou anos sem estudar.

Em 1980, Joaquim tentou vestibular na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), para Ciências Contábeis, e não passou. Depois disso, ele foi trabalhar como auxiliar
de pedreiro e, mais tarde, como pedreiro, ganhando um salário melhor. Mesmo assim, nunca abandonou o sonho de ser advogado “Passei a guardar parte do que
ganhava para pagar uma faculdade de Direito. Ao todo, em toda a minha vida de trabalho, consegui juntar uns R$ 50 mil”, disse.

Ele contou que, ao mesmo tempo, foi construindo a casa, que hoje é um prédio de três andares localizado em Bandeirantes, Cariacica, onde mora com três irmãos.
Durante um período, a vontade de ser delegado foi interrompida por medo de não conseguir arcar com as despesas do curso. “Em 2008, passei num processo seletivo
em uma faculdade privada, onde cursei dois anos de Direito. Mas aí um amigo me pediu R$ 4.500 emprestados, e eu, com receio de não ter como bancar os estudos,
tranquei a matrícula no curso”.

Depois disso, ele trabalhou mais um ano como pedreiro para recuperar o prejuízo e voltou à faculdade, 2012, na Serra. “Como o trajeto de casa até lá era longo, comprei
até uma moto, que está parada – ainda não tirei carteira. Essa distância contribuiu para eu mudar de faculdade(a). Hoje, faço o nono período de Direito em Vitória. Sou o
mais velho da turma”, contou.

Segundo ele, o trajeto feito entre a casa e a faculdade(b) dura mais de uma hora. Além da distância e do cansaço, ele ainda teve que enfrentar outros contratempos.
“Saio de casa, de bicicleta, para estudar à noite, e levo quase uma hora e meia só de ida. Há uns seis meses, roubaram uma roda da bicicleta, e tive que voltar de
ônibus”, contou.

Focado no futuro, ele contou que parou com o trabalho para se dedicar ao sonho. “Agora, decidi dar uma parada no trabalho só para estudar. Adoro ler a Constituição
Federal. Meu sonho é concluir o curso, tirar minha carteira da Ordem dos Advogados(e) e passar em concurso para ser delegado de polícia. É meu sonho, e chegarei lá",
finalizou.

Disponível em: <http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2014/09/pedreiro-vai-de-cariacica-vitoria-de-bicicleta-para-cursar-direito.html>.


Acesso em: 25 nov. 2015.

A alternativa cuja palavra destacada tem a função de caracterizar um nome é

a) “Essa distância contribuiu para eu mudar de faculdade”.


b) “Segundo ele, o trajeto feito entre a casa e a faculdade [...]”.
c) “Para estar cada vez mais perto de realizar um grande sonho [...]”.
d) “Ele contou que quando mais novo ajudava a família na roça [...]”.
e) “Meu sonho é concluir o curso, tirar minha carteira da Ordem dos Advogados [...]”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806462

Questão 1160: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 3 a seguir para responder a questão abaixo.

Texto 3

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 68/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Disponível em: < https://www.google.com.br/search?q=charges+sobre+educa%C3%A7%C3%A3o+infantil>. Acesso em: 25 out. 2015.

O efeito de sentido da palavra educação na charge é

a) semelhante nas duas falas, pois tanto o garoto quanto a senhora se reportam à educação formal, aquela da qual a escola é responsável.
b) o mesmo tanto na fala da senhora que passa pela rua quanto na fala do garoto, pois ambos abordam a questão da falta de educação doméstica.
c) diferente, pois a senhora é irônica quando faz a pergunta e o menino age de maneira inocente ao fazer as suas necessidades fisiológicas na rua.
d) diferente, pois a senhora se reporta à falta de educação doméstica do garoto e o menino trata da educação formal da qual ele se sente excluído.
e) diferente, pois a senhora se reporta à falta de educação doméstica do garoto e o menino trata da educação formal da qual ele se sente incluído.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806464

Questão 1161: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 3 a seguir para responder a questão abaixo.

Texto 3

Disponível em: < https://www.google.com.br/search?q=charges+sobre+educa%C3%A7%C3%A3o+infantil>. Acesso em: 25 out. 2015.

Na charge, as vírgulas foram utilizadas, respectivamente, para

a) separar termos de mesma função sintática, vocativo e aposto.


b) separar o vocativo, palavras explicativas e termos deslocados.
c) separar o aposto, termos de mesma função sintática e termos deslocados.
d) separar o vocativo, termos de mesma função sintática e termos deslocados.
e) separar o vocativo, um termo de valor enfático e termos de mesma função sintática.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806465

Questão 1162: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 3 a seguir para responder a questão abaixo.

Texto 3

Disponível em: < https://www.google.com.br/search?q=charges+sobre+educa%C3%A7%C3%A3o+infantil>. Acesso em: 25 out. 2015.

Na fala do garoto: “Nem educação, nem saúde, nem segurança...”, as reticências foram utilizadas para

a) representar uma hesitação.


b) realçar a palavra segurança.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 69/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
c) interromper um pensamento.
d) dar continuidade a uma ação.
e) sugerir o prolongamento da enunciação.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806467

Questão 1163: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Nível Médio/2015


Assunto:
Leia atentamente o texto 3 a seguir para responder a questão abaixo.

Texto 3

Disponível em: < https://www.google.com.br/search?q=charges+sobre+educa%C3%A7%C3%A3o+infantil>. Acesso em: 25 out. 2015.

Sobre a charge, é correto afirmar que

a) destaca a questão ética.


b) possibilita uma reflexão acerca do tema cidadania.
c) destaca a falta de respeito da mulher em relação ao garoto.
d) retrata valores morais que são desvalorizados pela sociedade contemporânea.
e) destaca a situação econômica dos seres humanos que vivem nas ruas das cidades.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806469

Questão 1164: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

Segundo o texto, para as mulheres, o empreendedorismo constitui uma possibilidade de

a) trabalhar menos.
b) descobrir uma vocação.
c) quebrar a rotina doméstica.
d) escolher uma carreira segura.
e) delegar o cuidado com os filhos.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862023

Questão 1165: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 70/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

Ao comparar o empreendedorismo com o mundo corporativo, o autor do texto destaca, em relação a esse último, a seguinte característica:

a) menor salário.
b) mais segurança.
c) menor flexibilidade.
d) maior carga horária.
e) poucas opções de carreira.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862024

Questão 1166: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

Segundo o texto, no mundo do trabalho, as mulheres necessitam

a) superar a falta de experiência profissional.


b) conciliar o trabalho com o atendimento à família.
c) ganhar salários mais altos, para investir na família.
d) ter menor carga horária, por suas características físicas.
e) ter oportunidade de um crescimento significativo na carreira.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862025

Questão 1167: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 71/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

No quarto parágrafo, o texto faz breve e sutil referência a empresas que

a) não contratam mulheres que têm filhos pequenos.


b) flexibilizam os horários das mulheres trabalhadoras.
c) ignoram os direitos tanto de mulheres como de homens.
d) desrespeitam os direitos específicos da condição feminina.
e) mantêm controle rígido sobre a carga horária de seus funcionários.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862026

Questão 1168: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

Segundo o texto, há muitos programas sociais que focalizam a mulher porque

a) ela, ao melhorar sua renda, amplia o número de beneficiados.


b) ela precisa, muitas vezes, assumir o papel de chefe de família.
c) ao apoiá-la, há uma garantia dos benefícios usufruídos pelos filhos.
d) ela gerencia melhor que o homem os recursos financeiros da família.
e) ao ser contemplada, ela melhora sua autoestima e seu desejo de progredir.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862027

Questão 1169: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 72/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

O texto destaca que, apesar das capacidades potenciais das mulheres no mundo do trabalho, ao empreenderem, elas

a) descobrem a necessidade de melhor qualificação profissional.


b) optam por setores em que não há concorrência com os homens.
c) desistem das oportunidades que comprometem sua dedicação à família.
d) rejeitam as possibilidades de empreendimento em setores mais rentáveis.
e) fazem escolhas ligadas a ocupações consideradas femininas e mais tradicionais.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862028

Questão 1170: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção(a) de carreira consistente(b) para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo(c) da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca
de 40 milhões de pessoas(d) estão envolvidas com alguma atividade (c) empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

Há um exemplo de regência nominal em:

a) “uma opção”.
b) “carreira consistente”.
c) “relatório executivo”.
d) “40 milhões de pessoas”.
e) “envolvidas com alguma atividade”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862031

Questão 1171: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

Releia o trecho a seguir:

“... é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma opção de carreira consistente para elas.”.

É possível pontuar esse trecho da seguinte maneira:

a) ...é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo, vem sendo considerado como uma opção de carreira consistente para elas.
b) ... é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado: como uma opção de carreira consistente para elas.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 73/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
c) ... é oportuno, notar que cada vez mais, o empreendedorismo vem sendo considerado como uma opção de carreira consistente para elas.
d) ... é oportuno notar: que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado, como uma opção de carreira consistente para elas.
e) ... é oportuno notar que, cada vez mais, o empreendedorismo vem sendo considerado como uma opção de carreira consistente para elas.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862032

Questão 1172: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno(a) notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado(b)
como uma opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual
cerca de 40 milhões de pessoas(c) estão envolvidas com alguma atividade(d) empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar(e) a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

Há um nome com seu determinante em:

a) “é oportuno”.
b) “sendo considerado”.
c) “de pessoas”.
d) “alguma atividade”.
e) “a abraçar”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862034

Questão 1173: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

Releia o trecho a seguir:

“Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade...”.

O pronome destacado está numa posição denominada próclise devido à existência de

a) um advérbio antes do verbo.


b) um verbo no presente do indicativo.
c) um pronome relativo antes do verbo.
d) uma palavra no plural antes do verbo.
e) uma conjunção integrante antes do verbo.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862035

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 74/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Questão 1174: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015
Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam(a) a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar(c) a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa(b) mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar(d) da festa na escola, ter ao menos uma refeição por
dia com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram(e) muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

No texto, há um verbo transitivo direto em:

a) “levam”.
b) “culpa”.
c) “gerenciar”.
d) “participar”.
e) “colaboram”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862037

Questão 1175: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

“No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.”.

No período acima, há uma relação de concordância entre faz diferença e

a) ela.
b) o fato.
c) sua casa.
d) sua rotina.
e) sua empresa.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862039

Questão 1176: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 75/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

“Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que ‘pediram’ que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.”.

Quanto à sua estrutura, no período acima há

a) três orações.
b) seis orações.
c) duas orações.
d) cinco orações.
e) quatro orações.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862040

Questão 1177: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

As aspas na palavra "pediram" indicam seu uso com um sentido

a) irônico.
b) ambíguo.
c) impreciso.
d) indefinido.
e) denotativo.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862042

Questão 1178: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 76/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

Em “licença-maternidade” ocorreu um processo de formação de palavras denominado

a) derivação sufixal.
b) derivação prefixal.
c) derivação parassintética.
d) composição por aglutinação.
e) composição por justaposição.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862043

Questão 1179: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

As palavras “término” e “características” são acentuadas. A regra que justifica essa acentuação é:

a) acentuam-se todas as palavras proparoxítonas sem exceção.


b) acentuam-se palavras oxítonas terminadas nas letras a, e, o, seguidas ou não de s.
c) acentuam-se palavras paroxítonas terminados em ditongo, oral seguido ou não de s.
d) acentuam-se palavras paroxítonas terminadas nas letras i e u, seguidas ou não de s.
e) acentuam-se monossílabos tônicos terminados nas letras a, e, o, seguidas ou não de s.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862044

Questão 1180: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 77/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

No texto, “subjacente” tem o sentido de:

a) explícita.
b) implícita.
c) instigante.
d) propulsora.
e) motivadora.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862046

Questão 1181: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente(c), os negócios(a) escolhidos(b) por elas ainda(b) são em setores(a) mais tradicionais e tipicamente(d) femininos, como serviços de beleza ou confecção, que
não possuem alta escalabilidade(d) (potencial de crescimento). É uma pena(c, e), pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o
empreendedorismo, tais como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras(e).

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

No último parágrafo do texto, são expressões que contribuem para a coesão entre as ideias apresentadas:

a) “negócios” e “setores”.
b) “escolhidos” e “ainda”.
c) “Infelizmente” e “É uma pena”.
d) “tipicamente” e “escalabilidade”.
e) “É uma pena” e “entre outras”.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862048

Questão 1182: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

No último parágrafo do texto, o autor desenvolve a seguinte ideia:

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 78/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

“... os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos...”.

Essa ideia que estrutura o parágrafo denomina-se:

a) roteiro.
b) assunto.
c) tópico frasal.
d) oração principal.
e) período principal.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862051

Questão 1183: CEFETBAHIA - AnaTec I (SEBRAE BA)/SEBRAE BA/TRAINEE/2015


Assunto:
Mulheres de negócios

Aproveitando que ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, é oportuno notar que cada vez mais o empreendedorismo vem sendo considerado como uma
opção de carreira consistente para elas. Tal fato foi referendado pelo relatório executivo da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), segundo o qual cerca de 40
milhões de pessoas estão envolvidas com alguma atividade empreendedora. Desse total, 19 milhões são mulheres.

Uma das razões que as levam a abraçar a carreira empreendedora é a flexibilidade, algo ainda difícil no mundo corporativo. Isso não quer dizer que ela irá trabalhar
menos, muito pelo contrário. No entanto, o fato de ela poder gerenciar a sua rotina ou instalar sua empresa perto de sua casa ou da escola dos filhos faz diferença.

A mulher ainda se culpa mais por não acompanhar de perto a educação dos filhos e o dia a dia deles. Participar da festa na escola, ter ao menos uma refeição por dia
com eles e ajudar na lição de casa são atividades importantes para elas, que acabam se ressentindo caso não as exerçam.

Embora haja várias exceções, as empresas também não colaboram muito: todos nós já ouvimos casos de empresas que "pediram" que suas executivas retornassem ao
trabalho antes do término da licença-maternidade.

Há outra questão subjacente ao desenvolvimento da mulher empreendedora. Em geral, quando uma mulher melhora sua renda, parte desse montante é reinvestida em
seu entorno, na educação dos filhos ou reforma da casa, beneficiando e gerando empregos na comunidade. Por isso, vários programas sociais têm como foco a mulher,
pois assim há uma maior probabilidade de mais pessoas aproveitarem os benefícios alcançados.

Infelizmente, os negócios escolhidos por elas ainda são em setores mais tradicionais e tipicamente femininos, como serviços de beleza ou confecção, que não possuem
alta escalabilidade (potencial de crescimento). É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais
como intuição, capacidade de formar uma boa rede de contatos, comunicação, entre outras.

ANDREASSI, Tales. Mulheres de Negócios. Folha de São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br
/colunas/talesandreassi/2014/03/1422307-mulheres-de-negocios.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2015.

“É uma pena, pois as mulheres possuem algumas características que são muito importantes para o empreendedorismo, tais como intuição, capacidade de formar uma
boa rede de contatos, comunicação, entre outras.”.

Há uma relação de referência e concordância da palavra destacada no trecho acima com a palavra

a) mulheres.
b) características.
c) capacidade.
d) contatos.
e) comunicação.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/862053

Questão 1184: CEFETBAHIA - Estag (DPE BA)/DPE BA/Jurídico/2014


Assunto:

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 79/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

O que se declara no artigo 5º, inciso XXXVI, da Constituição Federal do Brasil em vigor, evidencia

a) um povo com bases sociais sólidas e com respaldo jurídico garantido pelo Estado para que a igualdade social seja consolidada.
b) um Estado preocupado com a paz e a justiça social, que garante os direitos do cidadão e a resolução de conflitos, tendo em vista a coesão social.
c) uma sociedade regida por leis severas que afiançam segurança e bem-estar a seus componentes, de modo que a ordem interna seja mantida a qualquer custo.
d) um país cujos habitantes se sentem acolhidos por quem os representa, de modo que, protegidos por lei, sabem dar valor à liberdade de que desfrutam no dia a
dia.
e) uma nação que assegura todos os direitos do cidadão, deixando subentendido que qualquer transgressão punida com os rigores da lei, independentemente de
quem seja o transgressor.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/806082

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 80/81
06/06/2019 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Gabarito
985) E 986) E 987) E 988) D 989) A 990) D 991) B
992) D 993) A 994) C 995) B 996) B 997) E 998) C
999) D 1000) C 1001) E 1002) C 1003) E 1004) C 1005) A
1006) B 1007) A 1008) E 1009) D 1010) C 1011) B 1012) B
1013) B 1014) E 1015) D 1016) D 1017) B 1018) C 1019) E
1020) C 1021) C 1022) D 1023) A 1024) B 1025) E 1026) E
1027) D 1028) A 1029) D 1030) B 1031) E 1032) B 1033) A
1034) C 1035) C 1036) A 1037) A 1038) C 1039) D 1040) B
1041) B 1042) E 1043) D 1044) E 1045) C 1046) D 1047) C
1048) C 1049) B 1050) D 1051) C 1052) A 1053) C 1054) E
1055) E 1056) C 1057) B 1058) E 1059) C 1060) A 1061) B
1062) B 1063) A 1064) C 1065) E 1066) B 1067) C 1068) C
1069) C 1070) E 1071) B 1072) C 1073) C 1074) B 1075) B
1076) B 1077) B 1078) B 1079) C 1080) C 1081) D 1082) B
1083) E 1084) E 1085) C 1086) D 1087) A 1088) C 1089) C
1090) E 1091) B 1092) C 1093) A 1094) E 1095) A 1096) D
1097) B 1098) E 1099) B 1100) B 1101) B 1102) A 1103) D
1104) C 1105) A 1106) B 1107) B 1108) C 1109) D 1110) A
1111) D 1112) B 1113) D 1114) C 1115) B 1116) A 1117) A
1118) C 1119) D 1120) D 1121) A 1122) C 1123) D 1124) B
1125) B 1126) B 1127) A 1128) A 1129) D 1130) B 1131) A
1132) D 1133) A 1134) B 1135) D 1136) C 1137) A 1138) D
1139) D 1140) D 1141) D 1142) B 1143) C 1144) B 1145) A
1146) E 1147) B 1148) E 1149) A 1150) A 1151) B 1152) E
1153) C 1154) B 1155) E 1156) D 1157) B 1158) B 1159) C
1160) D 1161) E 1162) E 1163) B 1164) D 1165) C 1166) B
1167) D 1168) A 1169) E 1170) E 1171) E 1172) D 1173) C
1174) C 1175) B 1176) D 1177) A 1178) E 1179) A 1180) B
1181) C 1182) C 1183) B 1184) B

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/10968455/imprimir 81/81