Você está na página 1de 24

A DUPLA BANDA DE MOEBIUS

E A SUSPENSÃO DO TEMPO
Caminhando, Lygia Clarck, 1964
FREUD E A DUPLA INSCRIÇÃO DO BLOCO MÁGICO

▸ Como pensar um mesmo


aparelho psíquico ser
apto a conservar traços Em verdade, não é mais que uma
placa da qual se podem eliminar as
mnmêmicos e ao mesmo
anotações com um simples gesto [...]
tempo ser apto a receber
novos traços? Trata-se de uma dupla folha
constituída de duas camadas, que
estão unidas na extremidade
superior e inferior e soltas nas
margens laterais.

(FREUD, 1925/2007, p. 138-139).


“MEUS TRÊS SÃO O REAL, O SIMBÓLICO E O
IMAGINÁRIO. PARTI DISTO PARA SITUÁ-LOS
NUMA TOPOLOGIA […] DEI-LHES ISSO PARA
QUE ELES SE ORIENTEM NA SUA PRÁTICA”

LACAN, CARACAS, 1980


AQUI IMPORTA A
DISTINÇÃO DA FORMA
E ESTRUTURA.
LACAN, 21/12/1976
Geometria Topologia
Forma Estrutura

Esfera a-esfera

Horror ao buraco Inclui o buraco

Métrica Lógica

Sucessão de pontos equidistantes de um ponto central fixado Abordagem lógica dos objetos em termos de co-relações entre
sobre o plano os pontos.
Qualquer deformação modifica a ordem métrica do objeto e As deformações não alteram a situação lógica dos pontos
sua aparência entre si
Objeto Idêntico a si mesmo Objeto Não-idêntico a si mesmo
Identidade imaginária Identidade lógica

Intuitivo Contra-intuitivo
UMA ESTRUTURA NÃO É NADA
MAIS QUE UM MODO DE
ORGANIZAÇÃO DO BURACO -
QUER DIZER, UMA TOPOLOGIA
PIERRE SKRIABINE, 2013
Formas diferentes = Objetos diferentes
A caneca e o donut são considerados topologicamente equivalentes, visto
que ambos têm um buraco – a alça da caneca e o centro do donut.

Formas diferentes = Objetos equivalentes logicamente


BANDA NORMAL

BILÁTERA (DUAS FACES)

ORIENTÁVEL (DIREITA, ESQUERDA, CIMA,


BAIXO)

CORTA O ESPAÇO

A FITA DE EUCLIDES DIVIDE O ESPAÇO NUM DENTRO E NUM FORA


BANDA DE MOEBIUS

UNILÁTERA (1 FACE)
NEM DENTRO
NEM FORA

NÃO-ORIENTÁVEL

A FITA DE MOEBIUS NÃO DIVIDE O ESPAÇO, ESTÁ NEM DENTRO, NEM FORA.
DUPLA BANDA DE MOEBIUS

É UMA DUPLA BANDA DE MOEBIUS


PORQUE O CORTE NÃO EXTINGUE A BANDA,
APENAS MUDA A SUA PROPRIEDADE: DE
UMA ÚNICA FACE, PASSA A TER DUAS
FACES, FRENTE E FUNDO
SUPERFÍCIE
▸ A SUPERFÍCIE É BI-DIMENSIONAL (NÃO TEM ESPESSURA)

▸ A SUPERFÍCIE NÃO É O PAPEL (ESTE É UMA REPRESENTAÇÃO)

▸ A SUPERFÍCIE É UM PLANO MARCADO POR UM CORTE QUE SEMPRE MARCA


ALGUM TIPO DE SEPARAÇÃO.

▸ A SUPERFÍCIE TEM LADOS, POIS ESTÁ MARCADA POR UM CORTE, TEM FRENTE
E VERSO. POR ISSO SE DIZ, BANDA BILÁTERA.

▸ EXEMPLOS:

▸ A IMAGEM DA TELA DE CINEMA É UMA SUPERFÍCIE SEM ESPESSURA,


PORÉM SE PODE VÊ-LA DE FRENTE OU PELO FUNDO.

▸ A SUPERFÍCIE QUE DESENHA A LINHA ENTRE O AR E ÁGUA


CORTE
▸ CORTE É O ATRAVESSAMENTO DE UM PLANO
POR UMA LINHA

▸ O ATRAVESSAMENTO DO CORTE NO PLANO


CONSTITUI UMA SUPERFÍCIE.

▸ EXEMPLOS:

▸ O MOVIMENTO DE UM PONTO NO PLANO (SEU


CORTE) ENGENDRA UMA SUPERFÍCIE RETA;

▸ DOIS PONTOS PARALELOS EM CORTE,


ENGENDRAM A SUPERFÍCIE CILINDRO;

▸ DOIS PONTOS PARALELOS EM CORTE E EM


CURVATURA FECHADA, ENGENDRAM O TORO
“MINHA TOPOLOGIA NÃO É DE UMA SUBSTÂNCIA QUE
SITUE ALÉM DO REAL AQUILO QUE MOTIVA UMA
PRÁTICA.
NÃO É TEORIA.
MAS ELA DEVE DAR CONTA DE QUE HAJA CORTES DO
DISCURSO TAIS QUE MODIFIQUEM A ESTRUTURA QUE
ELE ACOLHE ORIGINALMENTE.”
LACAN, O ATURDITO, P. 479
TORO E DUPLA BANDA DE MOEBIUS
▸ No começo da aula de 14/12/1976 Lacan comenta sobre o
todo no sentido do todo composto pela cadeia dos
significantes:

▸ “não há todo senão crivado peça por peça […] o todo não
é senão uma noção de valor” [valor de troca]

▸ “nada mais único que um significante, mas nesse sentido


limitado ao que não é senão semelhante à outra emissão
de significante. Ele retorna ao valor, à troca”

▸ Lacan está tratando da cadeia de significantes, da


materialidade da cadeia de significantes.
TEXTO

UNE-BÉVUE

▸ “não há senão uma série de outros, todos


os mesmos enquanto unidades, entre os
quais um-equívoco é sempre possível, ou
seja, que ele não se perpetuará e cessará
[de se escrever] como equívoco”
Lacan, 14/12/1976, p. 7
UNE-BÉVUE
▸ O une-bévue corta a série dos significantes encadeados.
▸ O une-bévue corta porque não é um significante da repetição da
demanda, é um “inter-venção” que estabelece que ali onde se
pede bicicleta, cachorro, sorvete, há outra cena, outra banda.

▸ O próprio do une-bévue é o corte. Com isso ele esvazia o


circuito da demanda prenhe de sentido e significação.

▸ Sua incidência é a própria demonstração dos dois lados da dupla


banda do discurso enquanto tal, o enunciado e a enunciação.

▸ A intervenção do une-bévue é a interpretação enquanto leitura


do saber não sabido.

▸ Interpretar é o mesmo que o cortar que em seu traçado


estabelece duas faces do discurso, o dito e o dizer.
TORO E DUPLA BANDA DE MOEBIUS
▸ “O Toro, por seu lado, é capaz de ser recortado
segundo uma banda de Moebius dupla. E é o
que nos dá a imagem do laço consciente ao
inconsciente. O consciente e o inconsciente estão
sustentados e se comunicam por um mundo
tórico” Lacan, 14/12/1976, p. 9

▸ Consciente e inconsciente são cadeias de


significante. É também uma referência à dupla
inscrição do Bloco Mágico de Freud.

▸ Com isso Lacan diz que a cadeia significante


como tal, se estrutura não como uma linha reta,
mas sim como uma superfície tórica. Isto é, a
cadeia só é cadeia em série repetitiva pois rodam
ao redor do furo (o furo interno e o furo central).
TEXTO

Mas não seria o próprio corte interpretativo que, para aquele que titubeia na
borda, constitui um problema, por criar consciência?
Ele revelaria então a topologia que o comanda num cross-cap, ou seja, numa
banda de Moebius.
Pois é só por esse corte que essa superfície - na qual, partindo de qualquer
ponto, tem-se acesso a seu avesso, sem que se tenha que mudar de lado (que
tem uma única face, portanto) - se vê, num depois, provida de uma frente e um
verso.
A dupla inscrição freudiana não seria, portanto, da alçada de nenhuma barreira
saussuriana, mas da própria prática que formula a pergunta, isto é, do corte
mediante o qual o inconsciente, ao se retirar, atesta que consistia apenas nele,
ou seja, quanto mais o discurso é interpretado, mais confirma ser inconsciente.
A tal ponto que somente a psicanálise descobriria que existe um avesso do
discurso – sob a condição de interpretá-lo.

(Lacan, Radiofonia, p. 416- 417)


TEXTO

A AULA DE 21/12/1976

▸ A quatro dias do Natal de 76 Lacan fala pouco.

▸ Ele desenvolve o que na aula anterior havia citado: o toro


tem a mesma consistência lógica da dupla fita de
moebius.

▸ Depois de demonstrar como fazer uma dupla fita de


moebius ele pergunta: “qual a suspensão que resulta
dessa evidência?”
A AULA DE 21/12/1976
“é que na dupla banda de moebius o que está `na
frente` de um mesmo ponto de vista, pode passar
`para trás`, do mesmo ponto de vista. O que nos
conduz a algo que incita, que é da ordem de um
saber-fazer que é demonstrativo, no sentido em
que não funciona sem a possibilidade de um-
equívoco […]

Isso interessa porque um-equívoco é alguma coisa


que substitui, aquilo que se funda com saber que
sabe; o princípio do saber que sabe sem sabê-lo”

Lacan, 21/12/1976
TEXTO

Temos aí o que situa o corte interpretativo como transverso


à banda de Moebius, corte que a abre e faz dela uma fita
com um lado direito e um avesso.

É uma conclusão quase no condicional, problemática, uma


vez que isso diria que o inconsciente surge apenas com a
própria interpretação, que só há algo para se interpretar
porque houve corte interpretativo e que, nesse sentido, a
interpretação constitui, talvez, sua própria verificação—
trata-se do que Lacan simplesmente diz: “é somente por
esse corte interpretativo que essa superfície(...) se vê
depois provida de uma frente e de um verso”.

Exemplo de utilização extremamente útil de um objeto tão


simples como a banda de Moebius.

Miller, J-A. A topologia no ensino de Lacan, p. 89


TEXTO

UMBIVER
▸ Fazer o corte que engendra a superfície Dupla Banda de
Moebius implica um saber-fazer.

▸ Esta saber-fazer é da ordem do um-equívoco no sentido de que


através do equívoco, a cadeia discursiva é cortada de modo a
dar a ver (por interpretação que o equívoco é) a outra cena, a
outra banda do dito, o dizer.

▸ Une-bévue ressoa como um-bi-ver. Algo do furo constitutivo do


falasser [há um] se duplica [bis] na própria emergência do
equívoco como corte que dá a [ver] outra cena, opaca por
excelência.