Você está na página 1de 24

Geologia Haakon Fossen

estrutural 2ª edição

Fig 13.1
Foliação horizontal bem desenvolvida (xistosidade),
desenvolvida em quartzo xisto, próximo à base da Nappe de
Passos, porção sul da Faixa Brasília, Brasil

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Tectonito L

Fig 13.2
Trama é uma configuração de
objetos penetrativos na rocha.
Objetos lineares formam tramas L
(acima) e objetos planos formam
tramas S (abaixo). Essas rochas
são denominadas tectonitos L e S,
respectivamente Tectonito S

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Clivagem de Clivagem Clivagem Clivagem Xistosidade Foliação


compactação em lápis ardosiana filítica (1–10 mm) gnáissica
(<1 mm) ( c m) (<1 mm) ( ~1 mm) (cm – dm)

Clivagem Clivagem de
estilolítica crenulação
(cm – dm) (mm – cm)

~20°C ~200°C Temperatura ~350°C ~400°C


Profundidade
de soterramento

Fig 13.3
Quadro esquemático dos tipos importantes de clivagem e foliação, dispostos de acordo com a profundidade na crosta
ou temperatura, com indicação do espaçamento entre os domínios de foliação. As temperaturas indicadas são apenas
aproximadas

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Fig 13.4
Clivagem espaçada em calcário (Formação Twin Creek) no
Cinturão Sevier, Thomas Fork, Wyoming, EUA. A clivagem se
formou durante encurtamento paralelo ao acamamento e é
perpendicular à direção de encurtamento (Z). A mão de Arlo
Weil aparece na imagem como escala

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Estilolítica Anastomosada Áspera Lisa


1–5 cm 1–5 cm ~1 mm ~1 mm
Domínio de clivagem (C)

Micrólito (M)

C
C M
C M MM M
CC C C
Espaçada Contínua

Fig 13.5
Tipos de clivagem disjuntiva. As clivagens estilolíticas (calcários) e anastomosadas (arenitos) são, em geral, espaçadas; as
clivagens contínuas em rochas de granulação mais fina são divididas em variantes ásperas e lisas, sendo que uma clivagem
áspera pode evoluir para uma clivagem lisa. Todas as clivagens disjuntivas ocorrem em domínios, e os domínios de clivagem
(C) são separados por rochas indeformadas chamadas micrólitos (M)

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
S1 S0

estrutural 2ª edição

A B

S1

S1 S0
S0

B
Fig 13.6
(A) Duas gerações de foliações em metagabro em um fragmento
de ofiólito caledoniano. O acamamento magmático primário (S0)
S1
foi retrabalhado por uma foliação de cisalhamento (S1) durante
o Caledoniano; (B) Formação precoce e local de clivagem em
S0 em
argilito. A formação de clivagem é associada a dobramentos
pequena escala próximos a um bolsão de quartzo. Sucessão de
foreland Sergipano, Brasil

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
B

estrutural 2ª edição

Clivagem em lápis
A
C

Clivagem de compactação
Acamamento
Clivagem ardosiana
B
D

Clivagem em lápis

Clivagem de crenulação
C
E

SiO2 SiO2

Fig 13.7
Clivagem ardosiana Clivagem filítica
Desenvolvimento teórico de clivagem em argilito

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Fig 13.8
Clivagem em lápis em folhelho no cinturão de dobramento e cavalgamento em antepaís caledoniano próximo a Oslo, Noruega

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

2 mm

Fig 13.9
A clivagem de crenulação, embora possua similaridades
com a clivagem filítica, é microscópica e, portanto, não
visível a olho nu. Note que a clivagem filítica, nesse caso,
é afetada por camadas arenosas mais competentes, nas
quais o espaçamento é muito mais largo e com outra atitude
(clivagem refratada). Em (B) a camada delgada de areia é
afetada por dissolução ao longo de alguns micrólitons na
clivagem. Solanas, Sardenha, Itália
1 mm
Fotos: Alessandro da Mommio.

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

A B

QF M

1 mm 1 mm

Fig 13.10
(A) Clivagem filítica em filito de fácies xisto verde baixa. (B) Clivagem formada em fácies xisto verde mais alta, com
granulação mais grossa e domínios QF (centro) e M bem desenvolvidos

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Fig 13.11
Clivagem de crenulação assimétrica afetando uma foliação milonítica. A clivagem é mais nítida na faixa micácea central e
menos desenvolvida nas camadas quartzo-feldspáticas adjacentes

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

S1
S0

S1

S0
Fig 13.12
Clivagem ardosiana distinta em metassedimentos de grau
metamórfico muito baixo, em plano axial de sinclinal inclinada de
larga escala. S0 = acamamento, S1 = clivagem. Scotch Hill Sinclinal,
5 cm
Vermont, EUA

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Ponto neutro

μ1

μ2 Arenito

μ1
Arenito
μ2

10 cm
μ1 > μ2 Arenito

Fig 13.13
Camadas dobradas de arenito e folhelho. A clivagem não plana no folhelho (em verde) reflete variações locais na orientação do
plano XY. Note que não há clivagem nos pontos neutros. Compare com a próxima figura
Fonte: Roberts e Strömgård (1972).

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Contraste de viscosidade

Encurtamento pré-dobramento Pontos


paralelo às camadas neutros
A B C

Fig 13.14
Diferentes padrões de clivagem dentro e em torno das zonas de charneira de camadas competentes dobradas. A quantidade de
encurtamento paralelo ao acamamento anterior ao dobramento é relevante, juntamente com o contraste de viscosidade
Fonte: baseado em Ramsay e Huber (1987).

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Fig 13.15
Refração de clivagem causada por
cisalhamento local em camadas
incompetentes nos flancos de dobra
(cisalhamento flexural)

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Xb

Fig 13.16
Deformação associada a refração de
clivagem (considerando ausência de
deslizamento ao longo das interfaces Xa
das camadas). A deformação deve
ser compatível através das interfaces,
ou seja, os elipsoides de deformação
devem ajustar-se uns aos outros, como
indicado. Nessa situação, a única
deformação possível é o cisalhamento
simples e/ou a mudança de volume
através do acamamento

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Clivagem (S1 )
S0

B S1

S0

C
Fig 13.17
A) Relação entre clivagem e acamamento em S2
S1
uma área deformada. (B) Interpretação de uma
dobra de larga escala, considerando que haja uma
relação entre a clivagem e a dobra. Se a dobra
apresentar uma forma completamente diferente (C),
então dobra e clivagem devem ser relacionadas a
S0
episódios diferentes de deformação

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Fig 13.18
Relação simples entre a direção de encurtamento
(setas), a elipse de deformação e a clivagem (A) em
dobras normais em faixas de ardósia e (B) em zonas
de cisalhamento

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

∆= 0
(deformação plana)
∆ = – 0,4
∆= – 0,2

∆ = – 0,6
1,0 (60% de redução
de volume)
ln(X/Y)

∆= –0,8

ln(X/Y) 1,0 2,0

Fig 13.19
Dados de deformação de ardósia com clivagem ardosiana bem desenvolvida. Os dados situam-se completamente dentro do
campo do achatamento. Δ indica o fator de perda de volume (Cap. 2). Dados de Ramsay e Woods (1973)

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Fig 13.20 B
(A) Bandas de cisalhamento
(clivagem de crenulação extensional)
onde a laminação é primariamente
deslocada pelo cisalhamento. (B)
Clivagem de crenulação simétrica
formada por encurtamento paralelo
ao acamamento. Note que a
clivagem de crenulação ordinária
pode também ser assimétrica

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Linha de
charneira

Traço de
clivagem

Superfície axial

Fig 13.21
Clivagem transectando a superfície axial de uma dobra transectada

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

10 cm

A B

10 cm

Fig 13.22
(A) Foliação gnáissica (migmatítica), formada por fusão parcial.
A estrutura é composta por componentes claros e escuros,
denominados leucossomas e melanossomas, respectivamente, sendo
que os leucossomas representam a fusão extraída da rocha em alta
temperatura. Duas vênulas graníticas cortam a foliação. Presidential
Range, New Hampshire, EUA. (B) Gnaisse milonítico próximo a Além
Paraíba, Faixa Ribeira, Brasil

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

A B

Fig 13.23
Esquema da transposição por encurtamento horizontal e extensão vertical. Tanto a
deformação coaxial como a não coaxial podem produzir feições desse tipo. O resultado
(B) é uma rocha bandada com dobras intrafoliais e charneiras de dobras isoladas. Note
como a foliação predominante é transposta de horizontal (A) para vertical (B)

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br
Geologia Haakon Fossen
estrutural 2ª edição

Fig 13.24
Dique granítico transposto em gnaisse, com vestígios de charneiras de dobras, revelando uma história de deformação similar à
apresentada na Fig. 13.23. Nesse caso, a deformação envolveu considerável quantidade de cisalhamento. Faixa Ribeira, Rio de
Janeiro, Brasil

13 Foliação e clivagem
www.ofitexto.com.br