Você está na página 1de 9

ANTONIO CARLOS GIL

METODOS E TÉCNICAS
DE PESQUISA SOCIAL

Do
5º Edição

SÃO PAULO
EDITORA ATLAS S.A. — 1999
O 1985 by EDITORA ATLASS.A.

1. ed. 1987; 2. ed. 1989; 3. ed. 1991; 4. ed. 1994; 5. ed. 1999; 2º tiragem

ISBN 85-224-2270-2

Capa: Roberto de Castro Polisel


Composição: Style Up

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Gil, Antônio Carlos


Métodose técnicas de pesquisa social / Antonio Carlos Gil. - 5. ed. - São
Paulo : Atlas, 1999

ISBN 85-224-2270-2

1. Ciências sociais - Metodologia 2. Ciências sociais — Pesquisas 3.


Pesquisa — Metodologia I. Título.

93-3004 CDD-300.72

Índices para catálogo sistemático:

1. Pesquisa social : Ciências sociais 300.72


2. Pesquisa social : Planejamento : Ciências sociais 300.72

TODOSOSDIREITOS RESERVADOS- É proibida a reprodução total ou parcial, de qualquer


forma ou por qualquer meio. A violação dos direitos de autor (Lei nº 9.610/98) é crime
estabelecido pelo artigo 184 do Código Penal.

Depósito legal na Biblioteca Nacional conforme Decreto nº 1.825,


de 20 de dezembro de 1907.

Cód.: 0903 55 025

Impresso no Brasil/Printed in Brazil


NATUREZA DA
CIÊNCIA SOCIAL

1.1 CONHECIMENTO DO MUNDO

O ser humano valendo-se de suas capacidades, procura conhecer o mundo


que o rodeia. Ao longo dos séculos, vem desenvolvendo sistemas mais ou menos
elaborados que lhe permitem conhecer a natureza das coisas e o comportamen-
to das pessoas.
Pela observação o ser humano adquire grande quantidade de conhecimen-
tos. Valendo-se dos sentidos, recebe e interpreta as informações do mundo exte-
rior. Olha para o céu e vê formarem-se nuvenscinzentas. Percebe que vai chover
e procura abrigo. A observação constitui, sem dúvida, importante fonte de co-
nhecimento.
Ao nascer, o ser humano depara-se também com um conjunto de crenças
que lhe falam acerca de Deus, de uma vida além da morte e também de seus de-
veres para com Deus e o próximo. Para muitos, as crenças religiosas constituem
fontes privilegiadas de conhecimento que se sobrepõem a qualquer outra.
Romances comoos de Dostoiévski e poemas como os de Fernando Pessoa
também podem proporcionar importantes informações sobre os sentimentos e
as motivações das pessoas. Embora sabendo-se que essas obras sejam de ficção,
não há como deixar de atribuir-lhes importância enquanto capazes de proporcio-
nar informações acerca do mundo.
Outra forma de conhecimento é derivada da autoridade. Pais e professores
descrevem o mundo para as crianças. Governantes,líderes partidários, jornalis-
tas e escritores definem normas e procedimentos quepara eles são os mais ade-
quados. E à medida que segmentos da população lhes dão crédito, esses conhe-
cimentos são tidos como verdadeiros.
20 MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA SOCIAL

Também osfilósofos proporcionam importantes elementos para a compreen-


são do mundo. Em virtude de se fundamentarem em procedimentos racio-
nal-especulativos, os ensinamentos dos filósofos têm sido considerados como
dos mais válidos para proporcionar o adequado conhecimento do mundo.
Essas formas de conhecimento, entretanto, não satisfazem aos espíritos
mais críticos. Alegam que a observação casual dosfatos conduz a graves equívo-
cos, visto serem os homens maus observadores dos fenômenos mais simples. As
religiões são as mais variadas e fornecem informações contraditórias. A poesia é
subjetiva, assim como o romance. Pais, professores e políticos também não po-
dem ser tidos como guias de toda confiança, posto que o argumento da autori-
dade na maioria das vezes acaba por deixar transparecer suafragilidade. O co-
nhecimento filosófico, a despeito de seus inegáveis méritos, não raro avança
para o terreno das explicações metafísica e absolutistas, que não possibilitam
sua adequada verificação.
A partir da necessidade de obtenção de conhecimentos mais seguros que os
fornecidos por outros meios, desenvolveu-se a ciência, que constitui um dos
mais importantes componentes intelectuais do mundo contemporâneo.

1.2 NATUREZA DA CIÊNCIA

Etimologicamente, ciência significa conhecimento. Não há dúvida, porém,


quanto à inadequação desta definição, considerando-se o atual estágio de de-
senvolvimento da ciência. Há conhecimentos que não pertencem à ciência,
como o conhecimento vulgar, o religioso e, em certa acepção,o filosófico.
O fato de nãose aceitar a definição etimológica não significa, porém, que
seja possível hoje definir-se de forma bastante clara o que seja ciência. Poucas
coisas em ciência são tão controversas quanto sua definição, havendo mesmo
autores que consideram essa discussão insolúvel.
Embora ainda sem umasolução definitiva para o problemada definição,
torna-se possível, mediante reflexão, discriminar-se com razoável grau de preci-
são entre o conhecimento científico e outras formas de conhecimento.
Pode-se considerar a ciência como uma forma de conhecimento que tem
por objetivo formular, mediante linguagem rigorosa e apropriada — se possível,
com auxílio da linguagem matemática -, leis que regem os fenômenos. Embora
sendo as mais variadas, essas leis apresentam vários pontos em comum: são ca-
pazes de descrever séries de fenômenos; são comprováveis por meio da observa-
ção e da experimentação; são capazes de prever — pelo menos de forma probabi-
lística — acontecimentos futuros.
Pode-se definir ciência mediante a identificação de suas características es-
senciais. Assim, a ciência pode ser caracterizada como uma forma de conheci-
mento objetivo, racional, sistemático, geral, verificável e falível. O conhecimen-
NATUREZA DA CIÊNCIA SOCIAL 21

to científico é objetivo porque descreve a realidade independentemente dos ca-


prichos do pesquisador. É racional porque se vale sobretudo da razão,e não de
sensação ou impressões, para chegara seus resultados. É sistemático porque se
preocupa em construir sistemas de idéias organizadas racionalmente e em in-
cluir os conhecimentos parciais em totalidades cada vez mais amplas. É geral
porque seu interesse se dirige fundamentalmente à elaboração de leis ou nor-
masgerais, que explicam todosos fenômenos de certo tipo. É verificável porque
sempre possibilita demonstrar a veracidade das informações. Finalmente, é falí-
vel porque, ao contrário de outros sistemas de conhecimento elaborados pelo
homem, reconhece sua própria capacidade de errar.
A partir destas características torna-se possível, em boa parte dos casos,
distinguir entre o que é ciência e o que não é. Há situações, entretanto, em que
não se torna possível determinar com toda clareza se determinado conhecimen-
to pertence à ciência ou à filosofia. Estas situações ocorrem sobretudo no domí-
nio das ciências humanas, o que é compreensível, visto que há autores quein-
cluem a filosofia no rol dessas ciências.

1.3 CLASSIFICAÇÃO DAS CIÊNCIAS


Em virtude da multiplicidade de objetos considerados pela ciência, desen-
volvem-se as ciências particulares. Ao longo desse desenvolvimento, muitos au-
tores vêm procurando definir um sistema de classificação das inúmeras ciênci-
as. Nenhum desses sistemas se mostra absolutamente satisfatório. Todavia, po-
dem-se classificar as ciências, num primeiro momento, em duas grandes catego-
rias: formais e empíricas. As primeiras tratam de entidades ideais e de suas rela-
ções, sendo a matemática e a Lógica Formal as mais importantes. As segundas
tratam de fatos e de processos. Incluem-se nesta categoria ciências comoa Físi-
ca, a Química, a Biologia e a Psicologia.
As ciências empíricas, por sua vez, podem serclassificadas em naturais e
sociais. Dentre as ciências naturais estão: a Física, a Química, a Astronomia e a
Biologia. Dentre as ciências sociais estão: a Sociologia, a Antropologia, a Ciên-
cia Política, a Economia e a História. A Psicologia, a despeito de apresentar algu-
mas características que a aproximam das ciências naturais, constitui também
uma ciência social. Isto porque, ao tratar do estudo do comportamento huma-
no, trata-o sobretudo a partir da interação entre os indivíduos.

1.4 PECULIARIDADES DAS CIÊNCIAS SOCIAIS

É sabido queas ciências sociais não gozam do mesmo prestígio conferido


às ciências físicas. Há mesmo autores que são partidários de sua não-inclusão no
rol das verdadeiras ciências. As principais objeções que apresentam são as se-
guintes:
22 MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA SOCIAL

a) Os fenômenos humanos não ocorrem de acordo com uma ordem se-


melhante à observada no universo físico, o que torna impossível a
sua previsibilidade.
b) As ciências humanas lidam com entidades que não são passíveis de
quantificação, o que torna difícil a comunicação dos resultados obti-
dos em suas investigações.
c) Os pesquisadores sociais, por serem humanos, trazem para as suas
investigações certas normas implícitas acerca do bem e do mal e do
certo e do errado, prejudicando os resultados de suas pesquisas.
d) A ciência se vale fundamentalmente do método experimental, que
exige, entre outras coisas, o controle das variáveis que poderão inter-
ferir no fenômeno estudado. Os fenômenos sociais, por outro lado,
envolvem uma variedade tão grande de fatores que tornam inviável,
na maioria dos casos,a realização de uma pesquisa rigidamente expe-
rimental.

As objeções acima não são emocionais. São bastante sérias e merecem ser
estudadas à luz da Filosofia da Ciência. Por essa razão é que a melhor defesa do
caráter científico da Psicologia, Sociologia, Antropologia e outras disciplinas de-
signadas sob título de ciências sociais não está em demonstrar a falácia dessas
argumentações, mas, antes, em evidenciar que, mesmo nasciências naturais, não
se observa a rigorosa observância dos itens considerados. E também que, a des-
peito de suas dificuldades, as ciências sociais podem ser capazes de fornecer ex-
plicações segundo padrões que não se distanciam muito das ciências naturais.
Com o apoio de pesquisadores e de estudiosos da Filosofia da Ciência, po-
de-se proceder à defesa do caráter científico das ciências sociais. Em resposta a
essas objeções, podem-se considerar:
a) O determinismo absoluto das ciências naturais é hoje bastante questio-
nado. Se aceito rigorosamente, disciplinas como a Genética não poderiam ser
consideradas científicas, visto que muitas de suas explicações são de natureza
probabilística. Em função das explicações probabilísticas cada vez mais em
voga, o determinismo vem sendo rejeitado por muitos cientistas, como Heisen-
berg, Born e Bohr, que integram o chamado “grupo de Copenhagen” (Hegen-
berg, 1969, p. 174-6). Assim, a diferença entre as ciências naturais e sociais, no
tocante às suas explicações, estará somente em que as últimas são mais probabi-
lísticas que as primeiras.
b) É impossível negar que o cientista social lida com variáveis de difícil
quantificação. Também é difícil discordar da alegação de que o grande adianta-
mento de uma ciência pode ser determinado pela precisão de seus instrumentos
de medida. Contudo, o problema da quantificação em ciências sociais, se anali-
sando com a merecida profundidade, mostrar-se-á bem menoscrítico do que
aparenta.
NATUREZA DA CIÊNCIA SOCIAL 23

Primeiro, é necessário reconhecer que o objeto de estudo das ciências so-


ciais é visto em alguns meios de formatal que dificulta o seu tratamento quanti-
tativo. São frequentes as afirmações dotipo: o homem não podeser reduzido a
um número; não se pode tratar o homem como um conjunto de traços quantifi-
cados etc. Estas afirmações são geralmente emocionais e não podem merecer a
atenção dos que se dedicam às ciências sociais. Entretanto, merece atenção o
questionamento acerca da possibilidade de mensuração de fenômenos intangí-
veis, tais como inteligência, emoções,atitudes, nível de aculturação e mobilida-
de social etc.
É claro que o comportamento humano é complexo e consequentemente
muito mais mutável que o comportamento de rochas, metais ou gases. Isto não
significa, porém, que seja impossível tratar do comportamento humanocientifi-
camente. O que ocorre é que os fenômenos humanos não podem ser quantifica-
dos com o mesmo grau de precisão das ciências naturais. Mas, em boa parte, po-
dem ser mensurados com a aplicação de escalas menossofisticadas (denomina-
das pelos estatísticos de nominais e ordinais). Mediante estas escalas, podem ser
atribuídos númerosa categorias que se distinguem apenas por serem mutuamen-
te exclusivas (escalas nominais) ou por deixarem implícito algum tipo de ordena-
ção (escalas ordinais). Como exemplos do primeiro caso, temos classificação de
populações segundotraços tais como sexo, cor da pele e nacionalidade. Do segun-
do caso, temos como exemplos a ordenação de populações segundo sejam mais
ou menos agressivas, ou apresentem diferentes níveis socioeconômicos.
Embora esses níveis de medida sejam rudimentares, mostram-se suficien-
tes para muitos dos propósitos perseguidos pelos cientistas sociais.
c) Um dos grandes obstáculos com que se deparam as ciências sociais reside
no fato de estar o pesquisador, de alguma forma, envolvido com o fenômeno que
pretende investigar. Não há como deixar de admitir que os valores permeiam as
pesquisas sociais, tornando-se muito difícil evitá-los. Mas isto não significa que
seja impossível superar essa dificuldade.
Hegenberg (1969, p. 218), apoiando-se em Passmore (1949), numatenta-
tiva de esclarecer essa questão,classifica os problemas científicos em três gran-
des categorias: teóricos, técnicos e de ação. Os teóricos são tratados mediante
hipóteses e observações. Já os de ação envolvem considerações valorativas. Por
exemplo, se cientistas sociais forem indagados acerca da conveniência da estati-
zação dos meios de produção, serão obtidas algumas respostas favoráveis e ou-
tras contrárias. Todavia, será bastante provável que esses mesmos cientistas,
embora com posições diametralmente opostas, venham a se entender no refe-
rente às consequências dessa medida. Poderão sustentar, por exemplo, que im-
plicaria o aumento do poder do Estado sobre os cidadãos. Esse acordo, não im-
pedirá, no entanto, discrepâncias sobre o acerto da medida. A um grupo decien-
tistas, que vê como o maior problema do capitalismo o poder em mãos de grupos
econômicos, não importará tanto o aumento de poder do Estado. A um grupo
que se posiciona contrariamente ao poder do Estado sobre o indivíduo a medida
24 MÉTODOS E TÉCNICASDE PESQUISA SOCIAL

seria condenável. Vê-se assim que o problema da estatização pode ser enfocado
do ponto de vista teórico, quando são consideradas as suas consequências, e do
ponto de vista de ação, quando é examinada a sua conveniência.
Já os problemas técnicos são de tipo diverso. Poderiam ser caracterizados
pela pergunta: “Como construir algo segundo determinadas especificações?”
Neste caso não são envolvidosvalores, já que os problemas técnicos conduzem à
verificação do que é e não do que deve ser.
Estas considerações não devem indicar, entretanto, que as ciências sociais
devem relegar ao esquecimento todas as questões de valor. O valor precisa ser
considerado pelas ciências sociais, para que cumpra um de seus mais importan-
tes papéis, que é o de auxiliar na promoção do ser humano.
d) É verdade que o experimento em investigações sociais é bem pouco uti-
lizado, visto que, de modo geral, o cientista não possui o poder de introduzir
modificações nos fenômenos que pretende pesquisar. Cabe, no entanto, indagar
se de fato o experimento controlado é realmente indispensável para a obtenção
de resultados cientificamente aceitáveis.
Não há como deixar de admitir que a experimentação representa uma das
mais notáveis contribuições ao desenvolvimento da ciência. Isto não significa,
no entanto, que se deva superestimar o papel do experimentocontrolado.À gui-
sa de exemplo, pode-se lembrar que a Astronomia e a Geologia não devem sua
respeitabilidade à utilização de procedimentos experimentais. A Embriologia,
até há bem pouco, desenvolveu-se independentemente da experimentação. E o
que dizer da Física Relativista?
Cabe ainda lembrar que as possibilidades de experimentação nas ciências
sociais têm sido muitas vezes negligenciadas. Significativos domínios da Psicolo-
gia são suscetíveis de experimentação. Em Psicologia Social e mesmo em Sociolo-
gia já têm sido criadas situações de laboratório muito parecidas com as que exis-
tem nasciências naturais. Um exemplo podeser dado pelas pesquisas em Sociolo-
gia Industrial, em que sistemas “democráticos” e “ditatoriais” são implantados
entre grupos de operários de umafábrica. Outros exemplos ainda mais amplos
são as pesquisas sobre migrações, comportamento político e variação de índices
de natalidade, que, embora não sendorigidamente experimentais, possibilitam
razoável grau de controle das variáveis envolvidas.

LEITURAS RECOMENDADAS

BUNGE, Mario. La ciencia, su método y su filosofia. Buenos Aires : Siglo Veinte,


1974. Cap. 1.
CHALMERS, Alan F. O queé ciência, afinal. São Paulo : Brasiliense, 1993. Cap.1.
HEGENBERG,Lêonidas. Explicações científicas. São Paulo : Herder, 1969. Caps.
le2.
NATUREZA DA CIÊNCIA SOCIAL 25

EXERCÍCIOS E TRABALHOS PRÁTICOS


1. Considere como o tema “vida” é analisado diferentemente por filósofos,ci-
entistas, poetas, sacerdotes e pessoas comuns.
2. Identifique algumas “verdades” amplamente reconhecidas quese justificam
apenas pelo argumento da autoridade.
3. Analise a expressão: “A ciência, ao contrário de outros sistemas elaborados
pelo homem, reconhece sua capacidade de errar.”
4. Relacione certo número de ciências e, a seguir, procure definir seus objetos.
5. Analise em que medida o conhecimento sociológico é objetivo, racional, sis-
temático, geral, verificável e falível.