Você está na página 1de 19

Cópia não autorizada

C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

CALCULOS DE CONDUTOS FORCADOS

1 Objetivo
2 Nomat complementares
3 Definigk
4 CondiqBes gerair
5 Elementor de c&ulo dor condutos forqados
ANEXO - RelaqZa de dador bisicos para o projeta de urn mnduto forqado

1 -0BJETIVO

1.1 Esta Norma fixa as condi&es exigrveis para o c~lculo dos condutos forgados
metalicos, de constr&o soldada, destinados a condu&Zo de agua sob press:0 2 tern
peratura ambiente, para utilizagao em aproveitamentos hidrelitricos.

1.2 Esta Norma “50 se aplica a redes de distribui&, e aos 6rgaos de fechamento

e regulaG& de flux0 intercalados "OS condutos ou dispostos em suas extremidades,

2 NORMAS COMPLEMENTARES

Na aplica&o desta Norma 6 necessario consultar:

NBR 6112 - Condutos forGados - Terminologia

3 DEFlNlCdES
OS termos tecnicos utilizados nesta Norma estao definidos de 3.1 a 3.5 e na
NBR 6112.

3.1 ~ressclo mkcima normal dc funcionamento


Soma da press50 estatica m&ima corn a sobrepressao decorrente do golpe de ariete
causado pela varia&o brusca da vazso, devida ao fechamento e abertura normai 5

Origq: ABNT - 4: 07.04.002/m (~~-1034)


CB-4 - ComitC Basileiro de Mecgnica
CE-4: 07.94 - ComirsXo de Estudos de Conduto~ For~ados

SISTEMA NACIONAL DE ABNT - ASSOCIACAO BRASILEIRA


METROLOGIA, NORMALIZACAO DE NORMAS TECNICAS
E OUALIDADE INDUSTRIAL Q

~,~~~~:condutofoyxdo. NBR 3 NORMA BRASILEIRA REGISTRADA

CDU: 621.643.03 Tahn 01 dir&a narvdor 19 p&as


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

2 NBR 10132/1987

dos &g&s de controle, tendo em conta a oscilagao na chamine de equilibria, se

existente.

3.2 Diiimetro econo^mico


0 dia^metro econ6mico pode ser determinado por meio da seguinte expressSo:

D7= 40 . x b . o. Q*
Cl-P.n3 a.P

Onde :
D = dia^metro economico na segao considerada, em m

x = coeficiente de perda de carga linear (ver 5.11.2)

b = prego atualizado do metro de perda de carga, em Cz$/m

o = tensao admissivel (ver 5.4), em MPa

Q = vazao nominal, em m /s
3
a = preco do kg de conduto instalado, incluindo despesas oaralelas (constru’
~20 civil, escavagao da galeria, concrete de revestimento, pintura, etc.)

em Cz$/kg
P = pressa”o estatica maxima na se+ considerada, em MPa

p = massa especifica do metal constituinte do conduto, em kg/m3

g = aceleracao da gravidade no local da obra, em m/s*

3.3 conduto foorqado de cZnsse I


Pertencem a esta classe, condutos ou partes de condutos submetidos a el evadas
tens&s bi ou triaxiais, que nao podem ser determinadas matematicamente corn o
rigor necessario. Para os condutos e para as partes de condutos desta classe, de-

vem ser tomadas as precaugoes relativas a selegao dos materiais e as i nspecoes


de fabricagao.

3.4 cm&to forph de classe II


Conduto ou partes de conduto nao pertencentes a classe I, mas para as quais ain -
da se torna necessario tomar precaugoes relativas 2 sele@io dos materiais e as
inspe@es de fabricacao.

3.5 conduto foforpzdo de chsse III


Pertencem a esta classe todos OS condutos ou partes de condutos nao pertencentes

as classes I ou II.

Nota: Determinagao da classe de condutos forcados livres ou enterrados - a clas


-
se desses condutos 6 determinada atraves da Figura 1.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 10132/1987 3

p (MPa)

CLASSE I OU II

I I
0 0.5 I 2 3 D(m)

FIGURA 1 - Determina@o da claw de condutos foqados livres ou enterrados

4 CONDlCbES GERAIS

4.1 No Anexo es& descrita a reiagao de dados b5sicos para a realiza$Zo do pro -

jeto de urn conduto forsado.

4.2 No projeto do conduto, a relar.30 do Anexo pode ser parcialmente util iza-

da e/au complementada corn outros dados.

4.3 Apes a fixqao dos dados basicos, a determina@o das se@es e espes5uras
do conduto e seus diversos elementos 6 feita levando-se em consideraqao os se-

guintes fatores:

a) esfoyos externos;

b) regime de tensso, resultante da forma e do sistema;

c) tens&s admissiveis e fatores de dimensionamento adotados.

5 ELEMENTOS DE CALCULO DOS CONDUTOS FORCADOS

A determinar$o do estado de ten&s, em cada case de c~lculo, 6 feita .consid&-

rando-se o conjunto das aq6es exercidas sobre o conduto e as condiG& de defer -


ma@es que possam ocasionar ten&es, inclusive devido ao efeito de Poisson. As

principais a@es sao devidas a:

a) pressao;

b) peso;

c) temperatura.
A determinaG:o do estado de ten&s 6 efetuada considerando-se, em cada -ponto
estudado, as condiqoes que produzem as tens&s mais desfavorkis, que occlt-rem
sob os cases de carga descritos em 5.1.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

4 NBR 10132/1987

5.1 cases de cerga

para o c5lculo dos condutos for$ados, sao considerados 6s tr& cases de carga de
-
finidos em 5.1.1 a 5.1.3.

5.1.1 cam I de carga

Este case engloba as cargas que atuam sobre o conduto em serviso normal. :Estas
cargas Go origi~nadas pelos seguintes fatores:
a) presGo maxima normal de funcionamento (ver 3.1);

b) peso proprio do conduto acrescido do peso da agua;

c) distancia entre apoios;

d) tipos de apoio;

e) ancoragens;
f) diferen$a entre a temperatura no conduto em serviGo normal e a tempera -

tura ambiente na execu~~o da ljltima solda de montagem;

g) participa& da rocha e do concrete, quando esta existir.

Nota: E necessario considerar, tambgm, em cada case particular, todas as outras

causas de cargas em service normal tais coma: juntas de dilataG;o, atri to


no5 apoios, aterros, ventos, new, recalque relative das construcks, rea-
@es das vslvulas, turbinas, bombas, etc.

5.1.2 case II de cnrga

Este taso engloba as cargas que atuam raramente, embora nao apresentem carater
exceptional , sendo originadas durante as seguintes condi@es de serviqo:

a) enchimento do conduto;
b) esvaziamento do conduto;

c) conduto vazio;
d) atuasao de ,6rgaos de fechamento a montante, durante escoamento normal;
e) pressao externa, provocada pela infiltra$ao de agua em condutos enter-

rados,

Nota: OS fatores de carga enumerados em 5.1.1, devem sar considerados am cada


uma destas condi&s de serviso.

5.1.3 case III de carga

Este case engloba as cargas qua atuam excepcionalmente,sendo oriqinadas pelos se-

guintes fatores:
a) ensaios na fabrica ou na obra;

b) transporte;

c) montagem;
d) concretagem e inje@es de pasta de cimento;

e) redu@es ou ackscimos de pres%o causados pelo mau funcionamento de


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 10132/1987 5

dispositivos de seguran~a e/w de controleli

f) freq&cia e amplitude de oscila@es induzidas pela bomba ou turbina;

g) sismos induzidos;

h) altera@es das condi@es de solo.

Nota: OS fatores de cargas enumerados em 5.1.1 e 5.1.2 devem tambern ser consi-

derados,tendo-se em conta a combinasao de cargas mais desfavor%eis.

5.2 Tens&s

Segundo a importsncia, as tensoes atuantes “OS condutos forFados se classificam

em primarias e secundarias.

5.2.1 Tens&s primirias

Sao as tens&s cujas considera@es sao indispensaveis no dimensionamento do con-

duto, e cujo estado limite na”o dew aproximar-se do estado de escoamento do ma


-
terial. As tens&s primsrias a considerar sao as seguintes:

a) ten&es circunferenciais;

- tens&s originadas nas virolas pelas press&s interna ou externa fo-

ra ou dentro das reqiks dos an&is de reforco;

- tensso proveniente da rea$o nos apoios e ancoragens, inclusive da

oval izaG% no5 apoios;

- tens% originada yxla pressao interna, considerando a folga ini-


cial entre a chapa e o meio envolvente e a resistencia do meSIll

(concrete, rocha, terra compactada, etc.);

- tensao oriqinada pelo enchimento partial dos condutos;

b) tensoes longitudinais:

- tensso decorrente de efetio Poisson das tensoes circunfarenciais

primarias, originadas por pressoes;

- ten&o decorrente dos efeitos termicos;

- tens% decorrente da flexso entre apoios;

- tensso decorrente de deslocamentos relatives dos blocos de apoio e


ancoragens;
- tensao decorrente do efeito de fundo;

- tensso decorrente da variaGao da set% ou mudaya de dire$ao;

- tensso decorrente da reacao das ancoragens;


- tensso decorrente do componente axial do peso do conduto;

- ten&o decorrente da pressao de forqa de aperto nas gaxetas em jun


tas de dilataqao.

5.2.2 mtis&s secundcirias

Sao as tensoes produzidas por situaG6es locais (reforges, defeitos de forma,


etc.);geralmente elas nao excedem o limite de escoamento do material. As ten-

1
Por exemplo: ventosa inoperante, o que pode provocar a redusao da preisao
no conduto em esvaziamento.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

6 NBR 10132l1987

&s radiais e de cisalhamento na”o sendo geralmente elevadas sao tens&s secunda

rias e consideradas em peGas de forma especial e’de grandes espessuras. As ten-


&es secundarias a considerar sao as seguintes:
a) ten&es circunferenciais:

- ten&es dos a&is de reforqo devidas a pressoes internas ou externas;

- tensoes atuantes nas virolas proximas a deriva@as, orificios refor-

Gados; etc. ;
- tensEes originadas na virola devido ao efeito Poisson da flexso lo
-
cal na regiao dos aneis de referGo, causada pela pressSo e pelos es-

forGos longitudinais;

b) tens&s longitudinais;

- tens% na virola, devida 5 flexso local,na regiao do a&is de refor-

co, causada pela pressao e pelos esfor$os longitudinais;

- ten&es atuantes nas virolas e pr6ximo a deriva@es, orificios refer -

r;ados, etc.

5.3 Tens&s cquivakntes

Em cada ponto do conduto dew ser completamente definido o estado de tensoes do

material, mediante a determina$% das tens&s principais rsl, u7 e CT .


3
5.3.1 A ten&o equivalente deve ser calculada pelo criteria de Hencky-?/on Mises,

que define a energia de deformaqao a volume constante no ponto mais solicitado

do material

5.3.2 Nos cases de estado duplo de tensoes, a ten&o equivalente 6 calculada a


trav6s da seguinte expressao:

5.3.3 Nos cases de estado triplo de tens&s, a tens% equivalente 6 calculada a

trav6s da seguinte expressso:

2 + ‘l,S.(o -u1) 2’
2
CT = cJ,5.bl - 02) + 0,5.(0 2 -u3)
eq 3
Onde:
0 = tensso equivalente (MPa);
eq
soma das ten&es circunferenciais (MPa);
Ol =
soma das tensoes longitudinais (MPa);
O2 =
soma das tenGes radiais (MPa).
u3 =
As tensEes n,, ~2 e u3 SaO aquelas existentes simultaneamente no ponto considera -
do.

5.4 Tens&s admissiveis

5.4.1 As tensi;es admissiveis devem set- fixadas levando-se em conta OS seguin-


tes itens:
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 10132/1937 7

a) esfor$os permanentes, intermitentes e excepcionais;


b) as tens&s primarias e secundarias;
c) o criteria de c~lculo ad&ado, ten& equivalente e, eventualmente tam-
hem, a tens& m&ima unidirecional.

5.4.2 A tens& admissivel pode ser majorada no case de se considerar no c5lculo


OS esforsos nkpetymanentes, ou as ten&s secundarias, ou quando o criteria de
tens% equivalente for utilizado.

5.4.3 Durante os ensaios hidraulicos ou durante o primeiro enchimento nos pon-


tos onde atuam tensoes secundarias, 6 admissivel atingir-se o limite de escoamen -
to, desde que isto seja compativel corn as condi6es de emprego da pe~a e dos ma
-
teriais, e entendendo-se que, a seguir, o equipamento trabalhar5 no regime elk-
tico.

5.5 coeficiente de scguranpz

5.5.1 OS coeficientes de sequranca C,, s% definidos em rela~.Zo ao limite con-


vencional de escoamento aeD 2 do material empregado, isto 6:

OeD,2
0 \<
adm
c1
5.5.2 Em certos cases, quando justificado, pode ser utilizado urn coeficiente de
seguranGa corn rela@ ao limite de ruptura do material.

5.5.3 No calculo da resistgncia 2s press&s externas dew ser adotado o mesmo

coeficiente de seguranw do calculo da resistencia 2 press% interna.

5.5.4 No c~lculo da resistencia 2 flambagem, o coeficiente de seguraya C2 a


ser adotado deve ser entendido coma a rela~$o entre a press% critica calcula-
da e a press& externa considerada, isto 6:
P
CT
>c c,
P
ext
5.5.5 OS coeficientes de 5eguranr.a dependem do conhecimento existente quanto 2s
tensEes reais no equipamento, a escolha dos materiais empregados, aos controles
de fabric.@o, bem como 5 importancia dos fatores de deterioraFSo possiveis, co-
M a corros&, abrasao, etc.

5.5.6 A experiencia existente dew set- levada em conta para estabelecer OS coe-
ficientes de seguran$a, que podem ser variaveis em diferentes partes do equipa-
mento.

5.5.7 A Tabela 1 apresenta os coeficientes de seguranw minimos que cot&m ado


tar para OS principais cases de carga, desde que sejam tomadas as precau@es re
lativas 5 selegk dos materiais e eos controles de fabricaG& definidos em nor
mas reconhecidas.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

8 NBR 10132llBB7

5.6 Estabilidade do conduto

Alem da determinqao das tens&s, dew-se examinar a estabilidade do conduto


considerando-se, conforme o case, 0s seguintes fatores e esforGos:

a) tipo de instala$ao: conduto livre, a c& aberto ou em galeria, embutido

em concrete, enterrado, corn ou sem drenagem, etc.;

b) deforma&inicial em rela@o 5 conformacao te6iic.a;

c) incerteza das condi$Ges de contorno (folga, engastamento, etc.);


d) esfor$o axial devido ao peso do conduto cheio ou vazio, conforme a in
clina+ da instalqao;

e) esforso de contraqao longitudinal devido ao efeito de Poisson;

f) efeitos termicos (dilata$So ou contrqao);


g) efeitos hidrostaticos de fundos, curvas ou de trechos c&icos convergen -
tes e divergentes;

h) efeitos dina^micos devidos 2s curvas;

i) efeitos do atrito nos apoios e nas juntas de dilatasao;


j) efeitos eventuais, de abalos srsmicos, dos esforgos transversais devi
-
dos ao vento e sobrecargas acidentais.

5.6.1 FZmnbagem

0 cSlcu10 deve verificar:


a) resistencia a flambagem das virolas sem reforcos;

b) resistencia 5 flambagem das virolas corn aneis de reforso (estabilida-

de da parede entre reforsos e estabilidade dos reforqos);

c) resistencia 5 flambagem longitudinal do conduto livre.

/TABELA 1
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR lOl3Ul987 9

N m N

I I

N N
I I

c: a.2
--
^ ^
I I

0
.- (\! c-4
” ^
L -- I ,
z
-

.”
!G
> z 1 I r-4 N N
-

WI LIT
c: I

- -

r.7 r.3 co
L
\D u) .o

- -
2 m m tn
2

L N
-

.” r.
,$ 5 N
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

10 NBR 10132/1987

5.6.2 ES~GLWW I&~TIO do conduti

Quando as espessuras do conduto determinadas pelos c~lculos forem inferior-es &

definidas pelas express6es a seguir, estas iiltimas devem ser consideradas coma
mandatorias, para prevenir deformasoes durante a fabrica&o, manuseio e montagem:

D + 500
e. =~
mln
400

e . >, 6 mm
mln

Onde:

e. = espessura minima (mm);


mln
D = dismetro interno do conduto (mm).

5.6.3 BZocos de ancoragem e apoios

Deve ser indicada a distribuisao dos blocos de ancoragem e dos apoios e as for -
was atuantes sobre os mesmos. Em case de se considerar os efeitos sismicos, de-

vem ser indicados OS valores de esforGos resultantes sobre OS blocos de atlc0r.3


-
gem e 0s apoios.

5.7 ~etemina~cio das press&es m&has de funcionamcnto


A pressao maxima de funcionamento definida em 3.1 deve ser determinada para cada

ponto do conduto como indicado em 5.7.1 a 5.7.3.

Quando a variacao de pressao na se&o do conduto puder influenciar significativa


mente nos valor-es das tens&s, ela dew ser considerada no calculo.

5.7.1 Pressa estdtica

~a determinasao da pressao estatica em urn dado ponto deve ser consider-ado o des-

nivel m&imo desse ponto em rela&o ao nivel do reservatorio ou aos trechos do

conduto de niveis superiores ao do reservatorio. Nao devem ser levadas em conta

as eventuais sobrelevasoes em chamiks de equilrbrio ou similares.

5.7.2 Sobrepressiio

A menos que haja prescri&s especificas a sobrepressao causada pela regulagem


ou interrup&o do fluxo no conduto, ocorrida em urn dado interval0 de tempo, atra

V& do &gao de regula& ou fechamento, dew ser distribuida linearmente ao Ion

go do traGado desenvolvido do mais curto dos seguintes trechos do conduto:


a) entre a chaming de equilibria ou reservatorio e o 6rgao de regulagao

ou fechamento;

b) entre a superficie livre da agua no conduto e o orgao de regulaG;o ou

fechamento;
c) entre a extremidade do conduto e o orgao de regula&o ou fechamento.

5.7.3 ~inha da press& m&Zma no~nal de funcionamento

A linha de distribuiG:o das press&s maximas normais < obtida, conforme Figuras
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 1013211997 11

2, 3 e 4, considerando-se OS maiores valores definidos por:


a) reta inclinada unindo-se o nivel estatico no eixo da charnine de equi-

librio,,ou no reservatorio corn o nivel que corresponde 5 press& estati


ca maxima no eixo do distribuidor da turbina,ou do org.% de fechamento,

acrescida da, sobrepressk;

b) reta horizontal trazada a partir do nivel m&imo de remontagem na cha

mi& de equilibria.

5.8 Depress;io

Em case de depress%, seu efeito deve ser calculado somado aos efeitos, se exis-

tirem, das press& externas causadas por infiltragao de 5gu.z ou peso do solo.

FIGURAZ- Diagrama de presSik?rmkimas normair de funcionamento em conduto forgado, rem chamin&,de


equilibria, corn disripa@ode energiano resewhrio

/FIGMA 3
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

12 NBR 10132/1987

LINHA DE PRESSXO

‘-=k &4&O CfJNDl


5

FIGURA 3 - Diagrama de press&x maximas normais de funcionamento em conduto forqado.


corn chamid de equilibria vertical

ELEVA~AO dXIM.4 DE OSClLA&


NA CHAMIN< DE EQULIBRT)

FIGURA 4 - DeterminagXo de LO para o CBH) de chamini! de equilibria inclinada


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 10132/1987 13

5.9 Efeitos teimicos


Desde que nao existam juntas de dilatack, os diferenciais de temperatura (At)
s%o consider-ados sempre em relacao a temperatura ambiente provivel na qua1 deve

ser executada a jltima solda de fechamento do conduto, ou as ancoragens do ,ltre-

cho de conduto em causa. Geralmente, nao se consideram as diferencas de tempera -


tura entre pontos de uma mesma secao (par exemplo: geratriz superior e geratriz
inferior). Se nao especificado, devem ser adotados no calculo OS seguintes valo-

res minimos:

a) conduto cheio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . At = 10°C


b) conduto vazio embutido, ou enterrado, ou livre nao exposto ao sol . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . at = 10°C
c) conduto vazio livre e exposto ao sol . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . At = 30°C

5. I o coeficiente de atritc

Se nao especificados ou justificados (ensaios, experi&cias, materiais especiais,

etc.), devem ser adotados OS seguintes valores minimos:


a) apoios deslizantes sobre selas (aco/aco) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 0,50
b) apoios deslizantes nao lubrificados (aco/aco) . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 0,40
(bronze/ace) 0,35
. . . . . .. . . . . . . . . . .
c) apoios deslizantes lubrificados (aco/aco) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0.30
(bronze/ace) . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 0,25
d) apoios deslizantes autolubrificados (sobre ace inoxidkel)....... 0,15

e) apoios rolantes .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,15


f) apoios basculantes .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 0,lO
g) juntas deslizantes (gaxetas lubrificadas/aco) . . . . . . .. . . . . . . . . . . . 0,35
Nota: No case de se utilizar uma superficie de deslizamento de ace inoxidavel

em vez de ace-carbono, estes valores podem, ser reduzidos de 0,05.

5.11 Perdas de carga

5.11.1 GeraZ

5.11.1.1 As perdas de carga nos condutos forcados, compreendem as perdas de car


ga lineares e as perdas de carga localizadas.
As perdas de carga lineares ,devem ser determinadas por uma das formulas indica

das em 5.11.2.

5.11.1.2 As perdas de carga localizada devem ser justificadas por urn calcuto
- ,
suficientemente preclso para a analrse comparativa dos resultados.

5.11.1.3 No case de pecas especiais, coma OS repartidores (bifurcacoes, trifur-


caq5es) , quando nao se dispuser de formulas de c~lculo suficientemente precisas,

o valor garantido dew ser justificado por meio de ensaio em modelo reduzido, da

peca considerada, ou de pecas similares.


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

14 NBR 10132/1987

5.11.2 C&&O &S ~UY&ZS de carga

As perdas de carga lineares sao fun&o do comprimentoL e do dia^metro D do condu


to, da rugosidade das paredes, da velocidade media V do escoamento e da acele-
ra& da gravidade g. A rugosidade absoluta, caracterizada pot- urn coeficiente
E, depende da natureza e do m<todo de constru& do conduto, de seu revestimen-
to interno e do mstodo de aplica@o do mesmo. Na Tabela 2 sk apresentados
OS valores experimentais de E validos para condutos novas ou de pouco “so. Sal
vo indicaG;es em contrario, pode-se calcular as perdas de carga lineares pela
formula classica:
& = -?.L.V?
D.2.g

onde h’; urn coeficiente que depende do numero de Reynolds Re = V.D/v e da rugo-
sidade relativa E/D do conduto.
Em fun&o dos parsmetros Re e E/D o valor de h pode ser obtido, seja atraves do
diagrama de Moody, ou atraGs das seguintes formulas:

Re 6 2000
- para mimero de Reynolds at< 2000:

A=?!-
Re

- para 2000 < Re ,< 23.D/~:

x-1/2 Re.Jr
= 2.log
2,51

ou X = (100.Re)-“4

- para 23.0/c < Re \< 560.Dk:~

.&-l/2 =-2.log ( E + 2,51 )


3,71 .D Re*&?

-l/2 Re
ou x = l,a.log
Re .E.+ 7
10.D

- para Re > 560.Dk:

h-1/2
=-2.log E
3,71 .D
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 10132/1987 15

TABELA 2 - Rug&dale absoluta de revestimento usual em &ado de now, de condutos fomdor


em aqo roldado sern juntas

NO E mm

1 Tubas novas sem revestimento 0,lO a 0,15

Revestimentos

2 Metaliza& zinco 0,lO a 0,15

3 Pintura betuminosa aplicada a frio 0,03 a 0,05

4 Esmalte betuminoso aplicado a quente, sem alisamento 0,03 a 0,04

5 Esmalte betuminoso aplicado a quente, 0,025 a 0,04


alisado a pincel

6 Esmalte betuminoso aplicado a quente, 0,015 a 0,03


alisado a chama

7 Pintura vinilica 0,001 a 0,002

8 Pintura poliuretana 0,001 a 0,002


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
16 NER 10132/1987
Cópia não autorizada
Cepia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 10132/1997 17

ANEXO - RELAQiO DE DADOS BkSlCOS PARA 0 PROJETO DE UM CONDUTO FORCADO

OS dados basicos deste Anexo s& apenas indicacks; esta relack pode ser
parcialmente utilizada e/w complementada corn outros dados, de acordo corn as no
cessidades do projeto em quest.%.

A- 1 DADOS GERAIS

a) desenhos gerais das instalac&s;


b) perfil longitudinal indicando os varies tipos diferentes de condutos, g_a_
lerias, canais, etc.;
c) latitude e longitude das instalack;
d) desnivel maxima do conduto;
e) orienta& do conduto,segundo os pontos cardeais.

Nota: Pode ser necessario o detalhamento dos dados acima, ou de parte deles,
por trechos do conduto, se assim 0 projeto 0 exigir.

A-2 DADOS CLIMATICOS

a) numero media diario de horas de sol por estack;


b) tempo de exposicao do conduto ao sol;
c) temperaturas ambientes:
- maxima normal;
- maxima exceptional;
- minima normal;
- minima exceptional;
d) regime dos ventos:
- sentidos predominantes;
- distribuicao de velocidades maximas.

Nota: Pode ser necessario o detalhamento dos dados acima, ou de parte deles,
por trechos do conduto, se assim 0 projeto 0 exigir.

A-3 DADOS GEOLbGICOS

a) natureza do terreno:
- resultados de sondagens e escavac&s realizadas;
- estrutura lamelar das rochas e pianos de clivagem;
- estratificac&, orienta& e inclina& das camadas;
- orienta& de talvegues e espigoes rochosos;
b) risco de deslizamento;
c) queda de pedras;
d) avalanches;
e) sismos:
- natureza;
- intensidade;
- aceleracao horizontal e vertical;
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

18 NSR 10132/1987

- dire& da acelera& horizontal ;

- freqkcia das oscila&es;

- amplitude das oscilaG;es;

f) areas cultivadas;
-
g) areas intensamente arborizadas.

A-4 DADOS SOBRE TRAVESSIAS

a) travessias de estradas de rodagem;

b) travessias de linhas ferreas;

c) travessias de curses d’sgua, canais, etc.

A-5~ DADOS SOBRE A AGUA

a) composizao quimica;

b) PH;
c) solidos em suspens%;

d) densidade;

e) caracteristicas bacteriologicas;

f) temperaturas minima, maxima e media.

Caso haja outro tipo de agua que percorra a parte externa do conduto,
suas caracteristicas tambern devem ser obtidas.

DADOS RELATIVOS A OSRA CIVIL

Condutos livres:

a) tens&s admissiveis do concrete dos apoios;

b) quantidade e posi@es dos blocos de apoio e de ancoragem.

A-6.2 Condutos enterrados:

a) espessura da cobertura ao longo do conduto;

b) permeabi I idade do terreno;

c) pressoes das infiltraioes.

~-6.3 Condutos embutidos:

a) espessura da cobertura ao longo do conduto;


b) fissuras da rocha;

c) permeabilidade da rocha;

d) press&s das infiltra&s;

e) procedimento de concretagem previsto;

f) dados sobre a inj&o do concrete e tipo do concrete.

fl&a: Pode ser necessario o detalhamento das se&es A-6.1, A-6.2 e A-6.3 ou

de parte delas, por trechos do conduto, se assim 0 projeto 0 exigir.

A-7 DADOS RELATIVOS As EXTREMIDADES DO CONDUTO

A-7-l Montante:

a) detalhes da conexao do conduto corn a tomada d’agua;


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NW? 10132/1987 19

b) chaming de equilibria:

- tipo;
- posi&;

- dimensoes;

c) caracteristicas das v~lvulas de admissk.

A-7.2 Jusante:.

a) deta.lhes da cone& do conduto ou ramal de distribui& corn a turbina,

bomba, vilvula, etc.;


b) caracteristicas e disposi& das turbinas, valvulas, etc.

A-8 DADOS HIDRAULICOS

A-8.1 Caracteiisticas principais:

a) niveis d’agua a montante e a jusante;


- m&imo normal e exceptional;

- minim0 normal e exceptional;

b) vazao maxima normal e m&ima exceptional;

c) sobrepress% normal e exceptional no conduto devido ao golpe de ariete;

d) processo de calculo das perdas de carga.

A-8.2 Dados complementares para a determina& de sobrepress& devidas ao gal

pe de ariete:

a) quantidade e caracteristicas principais das turbinas e/w bombas;

b) caracteristicas dos 6rgks de fechamento e suas respectivas leis de

fechamento;

c) dimensijes, caracteristicas e perdas de carga nas galerias;

d) caracterist icas de reservatorios, inclusive OS intermediaries;

e) caracteristicas da chamin; de equilibrio;

f) condi&s de funcionamento do sistema (enchimento, esvaziamento, etc.).