Você está na página 1de 4

Os fatores dos Orixás

Os fatores dos orixás qualificam os seres acolhidos por eles no primeiro instante de vida fora
de Deus e dão a cada um uma natureza e uma personalidade que individualizaram o ser e
permitiram que dessa forma, individualizados, iniciem suas evoluções e a abertura de todo o
código genético divino que ira dotar cada um com faculdades mentais específicas que, no
decorrer dos tempos se transformaram em dons.

Esses dons desenvolvidos ao longo do tempo são regidos por dentro pelo orixá ancestral da
pessoa e são regidos por fora pelos outros orixás que participaram ativamente na abertura
deles.

A abertura de faculdades mentais é um processo lento e que precisa ser amparado e regulado
continuamente se não a faculdade que esta sendo aberta foge de controle e sofre distorções
que prejudicaram a evolução do ser.

A abertura das faculdades mentais são feitas por vibrações divinas emitidas pelos orixás que
denominamos aqui na terra como orixá de frente e adjunto.

Mais do que conduzir à religiosidade de uma pessoa a função desse par de orixás é regular a
abertura de faculdades do ser.

Com isso entendido é preciso que o médium compreenda a real função desse par de orixás em
sua vida e estudando-o e aprendendo sobre suas funções divinas na criação perceba o rumo
que foi dado na sua vida quando reencarnou pois e muito comum as pessoas entenderem a
ação desse par unicamente a partir da interpretação desenvolvida aqui na terra e dentro da
Umbanda. Ex: alguém que tenha Ogum como seu orixá de frente pode pensar e até acreditar
que sua função como médium e trabalhar o tempo todo no campo das demandas cortando-as
da vida de quem esta sendo demandada.

Mais isso não é verdade pois Ogum, mais do que cortar demanda, atua reordenando os
procedimentos dos seres, realinhando-os com a sua irradiação divina regida pelo seu ancestral
e também atua intensamente no desenvolvimento intimo do caráter e do senso de moralidade
das pessoas.

A atuação de Ogum dentro da Umbanda ficou limitada quase que unicamente a cortar
demandas, fato esse aludido em quase todos os pontos cantados já feitos para ele, com a
maioria dos médiuns desconhecendo suas milhares de outras funções tão importante quanto
essa mas que são tão importante para o equilíbrio e a evolução dos seres que é preciso
voltarmos nossa atenção para elas uma vez que Ogum corta demandas mas também
aperfeiçoa e depura o caráter e a moral dos seus filhos assim como, por ser o potencializador
divino da potencia ou força interna a todas as outras faculdades dos seres. Ex: a faculdade
regida por Oxalá é que desperta no intimo dos seres a religiosidade, quando esta enfraquecida
mostra na pessoa uma falta de fé, de confiança, de perseverança e Oxalá não tem como
repotencialazar essa faculdade enfraquecida.

Então ele recorre a Ogum para que esse re-potencialize essa faculdade regida por ele pois
assim que isso for feito a pessoa que esta com seu sentido da fé enfraquecido volte a crer,
confiar e perseverar no seu aperfeiçoamento e aprimoramento através do senso de
religiosidade.
Essa ação que é repotencializadora é atribuição de Ogum na criação não esta ligada a cortar
demandas, e sim devolver a força interior de uma pessoa que enfraqueceu-se apartir de
decepções intimas acontecidas a partir de sua religiosidade.

Mais esta que é uma função importantíssima para os seres não é a única que Ogum realiza e
sim é só mais uma entre outras milhares de funções realizadas simultaneamente por ele na
vida de milhões de seres.

Conclusão: é importante para o médium conhecer um pouco mais sobre cada um dos orixás e
principalmente sobre os que formam o seu triangulo de força, pois apartir desse conhecimento
sobre ele perceberá que os rumos divinos para a sua encarnação passam por eles e não tem
como fugir deles porque o resultado será desfavorável ao médium.

Comecemos por conhecer os orixás a partir de seus fatores originais:

Oxalá – fator magnetizador

Oya – fator cristalizador

O fator magnetizador de Oxalá tem por função qualificar tudo e todos apartir dos seus
magnetismos íntimos.

O fator cristalizador de Oya tem a função de dar forma final a tudo e a todos dando-lhes
estabilidade.

Oxum – fator conceptivo

Oxumaré – fator renovador

O fator conceptivo de Oxum tem por função conceber na vida dos seres tudo que é necessário
para suprir suas necessidades intimas.

O fator renovador de Oxumaré tem a função de renovar o que já envelheceu ou perdeu sua
função original na vida do ser.

Oxossi – fator expansor.

Oba – fator concentrador

O fator expansor de Oxossi tem por função expandir tanto uma faculdade mental de um ser
quando o campo dentro do qual ele esta evoluindo.

O fator concentrador de Oba tem por função tanto de concentrar uma faculdade mental que
tornou-se dispersiva quanto de afixar o ser em um único campo para que ele se reequilibre e
redirecione sua evolução.

Xangô – fator racionalizador

Egunita – fator energizador

O fator racionalizador de Xangô tem por função de desenvolver no intimo dos seres a razão ou
senso que diferencia o que é certo e o que é errado.
O fator energizador de Egunita tem a função de alimentar energeticamente todas as faculdades
mentais em equilíbrio.

Ogum – fator ordenador

Iansã – fator direcionador

O fator ordenador de Ogum tem a função de ordenar ou por em ordem tudo e todos colocando
cada coisa no seu devido lugar.

O fator direcionador de Iansã tem a função de direcionar a tudo e a todos na criação


encaminhando cada um para o seu lugar.

Obaluaiê – fator transmutador

Nanã – fator decantador

O fator transmutador de Obaluaiê tem a função de transmutar as coisas e os seres apartir dos
seus íntimos e dos magnetismos individuais sem alterá-las externamente.

O fator decantador de Nana tem a função de decantar ou remover dos seres e das coisas
criadas tudo o que esta prejudicando e paralisando suas evoluções.

Iemanjá – fator criacionista

Omulu – fator estabilizador

O fator criacionista de Iemanjá tem a função dotar os seres de faculdades criadoras


possibilitando-lhes a criação das condições ideais para melhor evoluírem.

O fator estabilizador de Omulu tem a função de dar estabilidade ao que vai sendo criado a volta
dos seres para que possam evoluir em paz, harmonia e equilíbrio.

Entre os muitos fatores de cada um dos orixás acima citados esses são os que mais facilmente
os definem porque se pegarmos os sinônimos de cada um desses quatorze fatores teremos
uma lista de funções realizadas por eles o tempo todo em nosso beneficio.

É preciso que no estudo dos orixás tenhamos um ponto de partida para compreender melhor
suas funções na criação e na vida dos seres, porque elas são as mesma que temos que
desenvolver em nosso mental e torná-las dons do nosso espírito uma vez que o que esta em
Deus esta nos orixás e tem que estar em nós pois só assim estaremos alinhados com eles e
nos tornaremos extensões deles aqui na terra para melhor auxiliarmos os nossos semelhantes.

A nossa ancestralidade não é só um referencial para nos compreendermos mas sim é também
um indicador do rumo que devemos dar para a nossa evolução reproduzindo cada vez mais as
qualidades do nosso Ancestre em nós e colocando-as em ação para sermos ulteis aos nossos
semelhantes e tornarmo-nos com o passar do tempo em manifestadores espirituais das
funções divinas do nosso regente pois é isso que distingui um sacerdote aqui na terra.

Ele tem na sua função sacerdotal o dever de transmitir para as pessoas que procuram uma
mensagem direcionadoras dela; estabilizadoras de suas vidas; reordenadoras dos seus
procedimentos; transmutadoras dos seus sentimentos; racionalizadoras do seu emocional
desequilibrado; renovadora da sua fé em Deus; concebedora de novas expectativas do ser;
etc.

Fator e função são sinônimos e a partir de um chega-se ao outro, fornecendo-nos uma melhor
compreensão dos Orixás, que no nível mais elevado da criação são mistérios manifestados
pelo Divino Criador Olorum e dele são indissociados.

A nível terra a compreensão dos Orixás passa pelo conhecimento sobre seus campos de
trabalho religioso.

Mas, no nível mais elevado da criação eles são divindades que em si mistérios que atuam
sobre toda a criação, atuando sobre tudo e todos, mesmo que quem não os cultue disso não
tenha consciência.

Nosso egocentrismo humano tanto nos induz a crer que Deus é só nosso ou só exista para
nós, particularizando e dando-lhe “feições” humanas. E o nosso tendemos a fazer com os
Orixás.

Isso não é verdade e o mesmo Deus que criou esse nosso Planeta criou todo o Universo.

E o mesmo Deus que nos criou, criou incontáveis outras classes de seres espirituais não
encarnantes, assim como criou todas as outras espécies que também encarnam nesse nosso
Planeta.

Assim como nós somos influenciados pelos fatores ou energias vivas dos Sagrados Orixás,
tudo e todos são influenciados por eles.

É por isso que toda pessoa seguidora de outra religião, mesmo que ele não saiba ou não
queira, ainda assim vive e evolui sob a irradiação de um Orixá de frente e de um Orixá adjunto
ou “junto”.

Esse triangulo de forças independe da vontade das pessoas ou dos espíritos e não é invenção
dos guias quando uma pessoa seguidora da outra religião se consegue com eles e detectam
que ela esta com desequilíbrio nas suas “forças”, sendo necessário que façam oferendas para
seus Orixás e suas forças espirituais.

Tem Orixás e guias ou protetores espirituais, todas as pessoas os tem.

- Incorpora-los, só quem possui a mediunidade de incorporação ou incorpora.

- Aceita-los como algo natural na nossa vida, ai depende de cada um.

- Mas ser auxiliado por eles, todos somos, mesmo que disso não tenhamos conhecimento.

Pai Rubens Saraceni.