Você está na página 1de 55

NORMA TÉCNICA CELG

Chaves Fusíveis de Distribuição


Classes 15 e 36,2 kV
Padronização e Especificação
1

NTC-12
Revisão 2
ÍNDICE

SEÇÃO TÍTULO PÁGINA

1. OBJETIVO 1
2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2
3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4
4. CONDIÇÕES GERAIS 7
4.1 Geral 7
4.2 Condições de Serviço 7
4.3 Identificação 7
4.4 Embalagem 8
4.5 Garantia 9
5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 10
5.1 Características Nominais 10
5.2 Base 11
5.3 Porta-fusível 12
5.4 Lâmina Desligadora 13
5.5 Mecanismo de Transferência de Carga (somente para chave religadora) 13
5.6 Características Mecânicas e Elétricas 13
5.7 Geral 13
6. ENSAIOS 15
6.1 Relação dos Ensaios 15
6.2 Ensaios de Recebimento 15
6.3 Ensaios de Tipo 15
6.4 Relatórios de Ensaios 16
6.5 Inspeção Geral 16
6.6 Verificação Dimensional 16
6.7 Tensão Suportável Nominal de Impulso Atmosférico 16
6.8 Tensão Suportável à Freqüência Industrial a Seco 17
6.9 Tensão Suportável à Freqüência Industrial Sob Chuva 17
6.10 Impacto no Suporte de Fixação da Chave 17
6.11 Elevação de Temperatura 17
6.12 Medição da Resistência Ôhmica de Contato 18
6.13 Capacidade de Interrupção 18
6.14 Análise Química da Liga de Cobre 22
6.15 Choques Térmicos 22
6.16 Resistência Mecânica do Isolador 22
6.17 Operação Mecânica 22
6.18 Zincagem 23
6.19 Absorção de Água Pelo Tubo do Porta-Fusível 23
6.20 Porosidade do Isolador 23
6.21 Poluição Artificial 23
6.22 Verificação da Rigidez Dielétrica Transversal do Revestimento Externo do Tubo do
Porta-Fusível 23
6.23 Tensão Suportável Longitudinal do Revestimento Externo do Tubo do Porta-Fusível 24
6.24 Resistência Mecânica do Gancho e do Olhal 24
6.25 Verificação da Espessura do Prateamento 24

NTC 12 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA


SEÇÃO TÍTULO PÁGINA

6.26 Resistência à Torção dos Parafusos dos Conectores 24


6.27 Radiointerferência 24
6.28 Corrente Suportável de Curta Duração 24
6.29 Estanhagem dos Terminais e Conectores 25
7. CONDIÇÕES PADRONIZADAS DE USO E DESEMPENHO COM RELAÇÃO À
CAPACIDADE DE INTERRUPÇÃO 26
7.1 Generalidades 26
7.2 Condições Padronizadas de Uso com Relação à Capacidade de Interrupção 26
7.3 Condições Padronizadas de Desempenho com Relação à Capacidade de Interrupção 26
8. INSPEÇÃO 28
Generalidades 28
Recomendações Comuns aos Ensaios 30
Planos de Amostragem para os Ensaios de Recebimento 30
Plano de Amostragem para os Ensaios de Tipo 31
Critérios de Aceitação e Rejeição 32
ANEXO A TABELAS
TABELA 1 CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DAS CHAVES FUSÍVEIS DE DISTRIBUIÇÃO
(Classe 2) 33
TABELA 2 CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DAS CHAVES RELIGADORAS 33
TABELA 3 LIMITES DE ELEVAÇÃO DE TEMPERATURA 34
TABELA 4 VALORES DE REFERÊNCIA PARA OS ENSAIOS DE CAPACIDADE DE
INTERRUPÇÃO EM DISPOSITIVOS FUSÍVEIS (Classe 2) 35
TABELA 5 VALORES DA FREQÜÊNCIA NATURAL DE OSCILAÇÃO DA TENSÃO DE
RESTABELECIMENTO TRANSITÓRIA E DOS MÁXIMOS VALORES DE COS ϕ
DO CIRCUITO DE ENSAIO 36
TABELA 6 ESPESSURA DA CAMADA DE ZINCO 36
TABELA 7 TORQUE EM PARAFUSOS 37
TABELA 8 PLANO DE AMOSTRAGEM PARA OS ENSAIOS DE RECEBIMENTO 37
ANEXO B DESENHOS
DESENHO 1 CHAVE FUSÍVEL – BASE TIPO C 38
DESENHO 2 PORTA-FUSÍVEL – BASE TIPO C 39
DESENHO 3 LÂMINA DESLIGADORA 300 A PARA BASE TIPO C 40
DESENHO 4 CHAVE FUSÍVEL RELIGADORA DE TRÊS ESTÁGIOS 41
DESENHO 5 PROLONGADOR 42
DESENHO 6 DISPOSITIVO PARA O ENSAIO DE IMPACTO NO SUPORTE 42
DESENHO 7 INTERPRETAÇÃO DOS OSCILOGRAMAS DOS ENSAIOS DE INTERRUPÇÃO 43
DESENHO 8 CIRCUITOS PARA OS ENSAIOS DE INTERRUPÇÃO. DOS GRUPOS 1, 2 e 3 44
DESENHO 9 CIRCUITOS PARA OS ENSAIOS DE INTERRUPÇÃO DOS GRUPOS 4 e 5 45
ANEXO C PRESCRIÇÕES PARA O ENSAIO DE ELEVAÇÃO DE TEMPERATURA 46
ANEXO D QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS GARANTIDAS 48
ANEXO E QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES 50
ANEXO F COTAÇÃO DE ENSAIOS DE TIPO 51

NTC 12 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA


1. OBJETIVO

Esta norma fixa os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e


recebimento de chaves fusíveis de distribuição (classe 2), tipo expulsão, de abertura
automática, nas tensões nominais de 13,8 e 34,5 kV, e chaves fusíveis religadoras de
3 estágios classes 25,8 kV e 36, 2 kV, para a Companhia Energética de Goiás.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 1


2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

As chaves fusíveis devem estar de acordo com o aqui requerido, a respeito de projeto,
qualidade, ensaios da matéria prima e procedimentos de fabricação, e as últimas
revisões dos seguintes documentos, onde os seus requisitos não entrarem em conflito
com a presente norma.

NBR 5032 Isoladores de porcelana ou vidro para linhas aéreas e subestações de


alta tensão - Especificação.
NBR 5049 Isoladores de porcelana ou vidro para linhas aéreas e subestações
Método de ensaio.
NBR 5310 Materiais plásticos para fins elétricos - Determinação da absorção de
água - Método de ensaio.
NBR 5359 Elos fusíveis de distribuição - Especificação.
NBR 5370 Conectores de cobre para condutores elétricos em sistemas de potência.
NBR 5405 Materiais isolantes sólidos - Determinação da rigidez dielétrica sob
freqüência industrial - Método de ensaio.
NBR 5426 Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Procedimentos.
NBR 5459 Eletrotécnica e eletrônica - Manobra e proteção de circuitos
Terminologia.
NBR 5460 Eletrotécnica e eletrônica - Sistemas elétricos de potência -
Terminologia.
NBR 6323 Produtos de aço ou ferro fundido revestidos de zinco por imersão a
quente - Especificação.
NBR 6366 Ligas de cobre - Análise química - Método de ensaio.
NBR 6936 Técnicas de ensaios elétricos de alta tensão - Procedimentos.
NBR 6939 Coordenação de isolamento - Procedimento.
NBR 7034 Materiais isolantes elétricos - Classificação térmica.
NBR 7282 Dispositivos fusíveis tipo expulsão - Especificação.
NBR 7398 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a
quente - Verificação da aderência do revestimento - Método de ensaio.
NBR 7399 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a
quente - Verificação da espessura do revestimento por processo não
destrutivo - Método de ensaio.
NBR 7400 Produtos de aço ou ferro fundido - Revestimento de zinco por imersão
a quente - Verificação da uniformidade do revestimento - Método de
ensaio.
NBR 7875 Instrumentos de medição de radiointerferência na faixa de 0,15 a 30
MHz (Padrão CISPR) - Padronização.
NBR 7876 Linhas e equipamentos de alta tensão - Medição de radiointerferência
na faixa de 0,15 a 30 MHz - Método de ensaio.
NBR 8124 Chaves fusíveis de distribuição - Classe 2.
NBR 8158 Ferragens eletrotécnicas para redes aéreas, urbanas e rurais de
distribuição de energia elétrica - Especificação.
NBR 8159 Ferragens eletrotécnicas para redes aéreas urbanas e rurais de
distribuição de energia elétrica - Formatos dimensões e tolerâncias
NBR 9527 Rosca métrica ISO - Procedimento.
ASTM B 545 Standard Specification for Electrodeposited Coatings of Tin.
ASTM D 1535 Standard Practice for Specifying Color by the Munsell
System.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 2


Notas:
1) A utilização de normas de quaisquer outras organizações credenciadas
será permitida, desde que elas assegurem uma qualidade melhor ou igual
às anteriormente mencionadas e não contradigam a presente norma.

2) No caso de outras normas serem usadas, elas devem ser mencionadas nos
documentos de licitação e se julgar necessário, um exemplar de cada
norma deverá ser enviado a CELG.

3) Todas as normas referidas neste capítulo devem estar à disposição do


inspetor da CELG no local da inspeção.

4) Esta norma foi baseada nos seguintes documentos:

ABRADEE 18.02 Padronização e Especificação de Chaves Fusíveis de


Distribuição.

NBR 8124 - Chaves fusíveis de distribuição (Classe 2) - Especificação.

NBR 7282 - Dispositivos fusíveis tipo expulsão - Especificação.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 3


3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES

Para os efeitos desta norma são adotadas as definições seguintes, complementadas


pela constantes das NBR 5459 e NBR 5460.

Base de um Dispositivo Fusível

Peça fixa destinada a receber um fusível, ou porta-fusível com fusível, e ligá-lo ao


circuito externo, compreendendo todas as partes necessárias para assegurar o
isolamento.

Capacidade de Interrupção de um Dispositivo Fusível

Valor da corrente presumida de interrupção simétrica que um dispositivo fusível é


capaz de interromper, sob uma tensão dada em condições especificadas de emprego e
funcionamento.

Chave Fusível

Dispositivo fusível no qual o porta- fusível pode ser manipulado de forma a obter
uma distância de seccionamento, sem que haja separação física entre o porta-fusível e
a base.

Chave Fusível de Abertura Automática

Chave fusível que, após a sua operação, o porta-fusível passa automaticamente para
uma posição que assegure uma distância de seccionamento.

Chave Fusível Religadora

Dispositivo formado por mais de uma chave fusível, montadas sobre uma mesma
estrutura de suporte, cujos contatos superiores são interligados por uma barra e cujos
contatos inferiores são passíveis de interligação por meio de um mecanismo de
transferência de carga, de tal modo que apenas um porta-fusível por vez fique inserido
entre os terminais da chave religadora.

Contato da Base

Parte condutora de uma base, ligada ao terminal e destinada a fazer uma ligação com
o contato do fusível ou com o contato do porta-fusível.

Contato do Porta-Fusível

Parte condutora de um porta-fusível destinada a fazer uma ligação com o contato


fusível ou com o contato da base.
Corrente Convencional de Fusão

Valor especificado de corrente que provoca a fusão de um elemento fusível, dentro


de um tempo especificado (tempo convencional).
Corrente Convencional de não Fusão

Valor especificado de corrente que um fusível é capaz de conduzir por um tempo


NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 4
especificado (tempo convencional).

Curvas Características Tempo-Corrente

Representação gráfica do tempo de operação, expresso como um tempo virtual, em


função do valor eficaz da corrente presumida simétrica, em condição de operação
especificadas.

Nota:
As curvas características tempo-corrente, indicadas em geral para um fusível,
referem-se aos tempos de pré-arco e de interrupção.

Dispositivo Fusível

Dispositivo de proteção que, pela fusão de uma parte especialmente projetada e


dimensionada, abre o circuito no qual se acha inserido e interrompe a corrente,
quando esta excede um valor especificado durante um tempo especificado.

Dispositivo Fusível Tipo Expulsão

Dispositivo fusível no qual o arco é extinto pela expulsão dos gases produzidos.

Elemento Fusível

Parte do fusível que funde quando o dispositivo opera.

Fusível

Parte de um dispositivo fusível que deve ser substituído após cada operação do
dispositivo fusível, e que contém o elemento fusível.

Integral de Joule

Integral do quadrado da corrente num intervalo de tempo especificado.


Notas:
1) Do ponto de vista de um circuito protegido por um dispositivo fusível, o
valor da Integral de Joule sobre o tempo de interrupção do dispositivo
fusível é referido a uma energia especifica, isto é, a energia liberada em
forma de calor em uma parte do circuito tendo 1Ω de resistência.
2) Os valores da Integral de Joule geralmente indicados para fusíveis são a
Integral de Joule de pré-arco e a Integral de Joule de interrupção
aplicados respectivamente aos tempos de fusão (pré-arco) e de
interrupção.

Mecanismo de Transferência de Carga

Dispositivo acoplado aos contatos inferiores da chave fusível religadora que permite o
rearme da mesma, após a ocorrência de um curto-circuito, inserindo, seqüencialmente
no circuito, as demais chaves componentes da chave religadora.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 5


Porta-Fusível

Parte de um dispositivo fusível destinado a receber um fusível, mas não incluindo


este.

Prolongador

Dispositivo utilizado para aumentar o distância entre a tampa do porta-fusível e o


inicio do elo fusível.
Tempo de Arco

Intervalo de tempo entre o instante em que se inicia o arco e o instante da extinção


final do arco.
Tempo de Fusão (ou Tempo de Pré-Arco)

Intervalo de tempo entre o instante em que a corrente atinge valor suficiente para
fundir o elemento fusível, e o instante em que se inicia o arco.
Tempo de Interrupção de um Fusível

Soma do tempo de fusão e do tempo de arco.


Tensão de Restabelecimento

Tensão que se manifesta entre os terminais de um polo de um dispositivo de proteção


e/ou manobra, em seguida à interrupção da corrente, em dois intervalos de tempo
sucessivos, um no qual existe uma tensão transitória, seguido de um outro em que
existe somente a tensão de freqüência nominal do sistema.
Tensão de Restabelecimento Transitória

Tensão de restabelecimento entre os terminais do primeiro pólo que interrompe a


corrente, no intervalo de tempo em que ela apresenta uma característica transitória
significativa.
Nota:
A tensão transitória pode ser oscilatória ou não oscilatória ou uma
combinação destas duas formas, dependendo das características do circuito
ou dispositivo de proteção e/ou manobra. Ela considera a variação de tensão
do neutro de um circuito polifásico.

Terminal de um Dispositivo Fusível

Parte condutora de um dispositivo fusível destinada a ser ligada a um condutor de um


circuito externo.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 6


4. CONDIÇÕES GERAIS

4.1 Geral

As chaves fusíveis devem ser fornecidas com todos os acessórios necessários ao seu
perfeito funcionamento, devendo o suporte L de cruzeta ser fornecido somente
quando especificado pela CELG.

Juntamente com a chave fusível religadora trifásica deve ser fornecido o travessão de
fixação do conjunto, conforme Desenho 4.

Os porta-fusíveis devem ser intercambiáveis com as bases de mesmas características


nominais de todos os fabricantes, padronizadas de acordo com o Desenho 2.

As chaves fusíveis devem ser apropriadas para montagem inclinada, indicar sua
operação por deslocamento do porta-fusível para posição circuito aberto e permitir
instalação e remoção dele utilizando-se vara de manobra.

A base da chave fusível deve ser provida de ferragem própria que permita sua
instalação no suporte L da cruzeta, padronizada conforme Desenhos 1 e 4.

Todas as partes metálicas das chaves fusíveis devem ter superfícies lisas, sem
saliências ou irregularidades, e formato tal que elimine áreas ou pontos de alta
intensidade de campo elétrico.

Todos os parafusos devem ter rosca métrica conforme NBR 9527.

A base da chave fusível deve ser provida de dois ganchos incorporados ao terminal
superior da base, para permitir a fixação da ferramenta de abertura em carga.

4.2 Condições de Serviço

As chaves fusíveis devem ser projetadas para as seguintes condições normais de


serviço:

a) altitude não superior a 1.000m;


b) temperatura do ar ambiente de no máximo 40ºC e média, num período de 24
horas, não superior a 35ºC;
c) exposição direta aos raios solares e às intempéries;
d) umidade relativa do ar de até 100%.

4.3 Identificação

4.3.1 Base

A base deve ser identificada de forma legível e indelével com as informações


especificadas abaixo, as quais devem ser gravadas com tipo de, no mínimo, 2 mm de
altura. A identificação deve ser feita através de placa de aço inoxidável, alumínio
anodizado ou latão niquelado, fixada de modo permanente, fora do suporte L ou
através de gravações no próprio corpo do isolador:

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 7


a) nome e/ou marca comercial do fabricante;
b) tipo e/ou número de catálogo;
c) mês e ano de fabricação;
d) tensão nominal (Un) em kV;
e) corrente nominal (In) em A;
f) tensão suportável nominal de impulso atmosférico fase-terra (Ui) em kV.

4.3.2 Porta-fusível

O porta-fusível deve ser identificado de forma legível e indelével, resistente às


intempéries e à operação da chave, com as informações abaixo:

a) nome e/ou marca comercial do fabricante;


b) tipo e/ou número de catálogo;
c) tensão nominal (Un) em kV;
d) corrente nominal (In) em A;
e) capacidade de interrupção assimétrica em kA;
f) mês e ano de fabricação.

Nota:
Caso seja utilizada etiqueta, esta deve ser de poliéster, com cantos
arredondados e deve envolver o tubo ao longo de toda sua circunferência.

4.3.3 Lâmina Desligadora

Cada lâmina desligadora deve ser identificada, de forma legível e indelével, no


mínimo com as seguintes informações:

a) nome e/ou marca do fabricante;


b) tipo e/ou numero de catálogo;
c) tensão nominal em kV;
d) corrente nominal em A;
e) mês e ano de fabricação.

Nota:
O isolador deve ser identificado de modo legível e indelével, no mínimo com a
marca do respectivo fabricante e o ano de fabricação.

4.4 Embalagem

As chaves fusíveis devem ser acondicionadas individualmente, juntamente com suas


ferragens e acessórios, em embalagem adequada que permita o seu manuseio,
armazenamento e transporte, sem lhes causar danos.

O fabricante deve apresentar, anexo à proposta, desenho detalhado da embalagem,


especificando os materiais empregados.

Cada volume deve trazer, indelevelmente marcadas, as seguintes indicações:

a) nome e/ou marca comercial do fabricante;


b) chave fusível de distribuição;

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 8


c) número do Contrato de Fornecimento de Material (CFM);
d) massa bruta do volume, em kg;
e) tipo ou modelo;
f) tensão nominal;
g) corrente nominal;
h) outras informações que o CFM exigir.

4.5 Garantia

O período de garantia deverá ser de 18 meses de operação satisfatória, a contar da


data de entrada em operação ou 24 meses a partir da data de entrega, prevalecendo o
prazo que primeiro ocorrer. Caso o fornecimento apresente defeito ou deixe de
atender os requisitos apresentados pela CELG, um novo período de garantia de 12
meses de operação satisfatória deverá entrar em vigor, para o lote em questão.
As despesas com mão-de-obra, decorrentes de retirada e instalação de chave fusível,
comprovadamente com defeito de fabricação, bem como o transporte destas peças
entre almoxarifado CELG e fabricante correrão por conta deste.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 9


5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

5.1 Característica Nominais

As características elétricas das chaves fusíveis constam da Tabela 1.

As temperaturas máximas admissíveis das chaves fusíveis constam da Tabela 3.

5.1.1 Valores Nominais

a) Do dispositivo fusível:
- tensão nominal;
- corrente nominal;
- capacidade de interrupção simétrica nominal;
- freqüência nominal.

b) Da base:

- tensão nominal;
- corrente nominal;
- nível de isolamento.

c) Do porta-fusível:

- tensão nominal;
- corrente nominal;
- capacidade de interrupção simétrica nominal.

5.1.2 Tensão Nominal

Os valores padronizados das tensões nominais são 13,8, 24,2 e 34,5 kV.

5.1.3 Corrente Nominal

O valor padronizado da corrente nominal da base é de 300A.

5.1.4 Capacidade de Interrupção Assimétrica Nominal

Os valores das capacidades de interrupção devem ser indicados em kA assimétricos,


nas condições de fator de potência indicadas na Tabela 5.

5.1.5 Freqüência Nominal

A freqüência nominal é de 60 Hz.

5.1.6 Nível de Isolamento

Os valores padronizados dos níveis de isolamento são os especificados na Tabela 1


para a chave fusível e Tabela 2 para a chave fusível religadora.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 10


5.1.7 Elevação de Temperatura

Os dispositivos fusíveis devem ser capazes de conduzir continuamente a sua corrente


nominal nas condições prescritas em 6.11 sem que a elevação de temperatura de suas
diversas partes excedam os valores da Tabela 3.

5.2 Base

5.2.1 Isolador

O isolador deve:

a) ser de porcelana, conforme NBR 5032; com camada de esmalte liso vitrificado,
impermeável, com superfície isenta de bolhas, inclusões e outras imperfeições;
b) ter cor conforme indicado na Tabela 1;
c) ter as extremidades vedadas, se for oco, e não ter aberturas que possibilitem a
entrada e o acumulo de água em seu interior; a vedação da parte superior e
inferior deve ser permanente;
d) atender às exigências da NBR 5032 referente a porosidade e a tensão aplicada de
alta e baixa freqüência;
e) suportar a aplicação de uma tensão mecânica, conforme 6.16.

Nota:
Não serão aceitos isoladores com falhas no vidrado, que tenham recebido
nova demão de esmalte, submetidos a nova queima, assim como isoladores
que tenham sido retocados com tinta.

5.2.2 Terminais e Conectores

As bases das chaves fusíveis devem ser providas de conectores terminais do tipo
paralelo de parafuso, próprios para cabos de alumínio ou cobre, confeccionados em
liga de cobre, conforme a NBR 5370, estanhado, com espessura mínima de 8 µm,
individualmente e média da amostra de 12 µm, conforme detalhe do Desenho 1.

Os parafusos, porcas e arruelas devem ser em aço inoxidável ou em bronze-silício e


arruelas de pressão em bronze fosforoso, bitolas M10 ou M12.

Quando especificado, os conectores devem ser do tipo padrão NEMA de um furo,


conforme detalhe do Desenho 1, em liga de cobre, com teor de zinco não superior a
6%, estanhado, que permita a utilização de conector terminal do tipo cabo-barra. O
revestimento de estanho deve ter espessura mínima conforme definido anteriormente.

Os conectores das chaves fusíveis devem admitir condutores de cobre ou alumínio de


seções nominais de 10 mm² a 120 mm².

5.2.3 Demais Partes Condutoras da Base

Devem ser confeccionadas em liga de cobre com teor máximo de zinco de 6%.

As chaves de capacidade de interrupção nominal igual ou superior a 1,4 kA


simétricos devem ter os contatos da base prateados com no mínimo 8 µm de

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 11


espessura, conforme NBR 8124.

As molas que mantém a tensão mecânica entre a base e o porta-fusível devem ser de
aço inoxidável admitindo-se material similar, desde que previamente acordado entre
CELG e fabricante.

As partes ferrosas, com exceção daquelas de aço inoxidável, devem ser zincadas de
acordo com a NBR 6323.

Todas as superfícies zincadas que fiquem em contato com partes metálicas


condutoras não ferrosas devem ser protegidas da ação galvânica ou eletrolítica
através da pintura das superfícies em contato.

5.2.4 Ganchos

Os ganchos para fixação da ferramenta de abertura em carga devem ser de aço


inoxidável, aço carbono zincado a quente ou material não ferroso e suportar,
individualmente, um esforço de tração mecânica de, no mínimo, 200 daN, aplicados
perpendicularmente ao eixo do isolador e no plano do gancho.

Nota:
A posição do gancho deve permitir que, após operação com ferramenta de
abertura em carga, a mesma seja retirada sem que ocorra descarga
disruptiva.

5.3 Porta-Fusível

O tubo do porta-fusível deve ser de fibra de vidro, com revestimento interno em fibra
vulcanizada.

O tubo do porta-fusível deve ter as seguintes características:

a) rigidez dielétrica transversal (60 Hz), mínima: 6 kV/mm;


b) tensão suportável longitudinal (60 Hz), mínima: 1 kV/mm;
c) absorção de água em 24 horas: máxima 7% em peso.

Os contatos do porta-fusível com capacidade de interrupção nominal superior a 1,4


kA simétricos devem ser prateados, com no mínimo 8 µm de espessura.

O olhal do porta-fusível deve suportar tração mecânica de 200 daN.

As cores dos porta-fusíveis devem estar de acordo com as exigências da Tabela 1.

As dimensões do tubo do porta-fusível devem permitir uma fácil instalação do elo


fusível especificado na NBR 5359.

O dispositivo de fixação da cordoalha dos elos fusíveis deve ter dimensões tais que
permita acomodação adequada de todos os elos utilizáveis no porta-fusível, sem
provocar danos tais como esgarçamento e retirada da estanhagem da cordoalha, e
construído com peças imperdíveis.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 12


Prolongadores, quando necessários, devem estar de acordo com o Desenho 5.

A fixação dos contatos ao tubo deve ser feita de maneira tal que impeça a sua
movimentação.

5.4 Lâmina Desligadora

Deve ser constituída de três peças, rigidamente fixadas entre si, em liga de cobre,
com teor máximo de zinco de 6%.

Contato superior provido de olhal para operação por vara de manobra.

Contato inferior provido de dispositivo adequado que permita a remoção ou


instalação por intermédio de vara de manobra.

5.5 Mecanismo de Transferência de Carga (somente para chave fusível religadora)

Deve ser em liga de cobre com teor de zinco não superior a 6%.

A transferência de carga deve ser feita por meio de contatos apropriados com as
mesmas características do contato principal.

Deve ser provido de olhal que permita operação por intermédio de vara de manobra.

5.6 Características Mecânicas e Elétricas

Os parafusos dos conectores das bases de chave fusível religadora devem suportar o
torque de ensaio de 3,6 daN.m ou 4,7 daN.m, que corresponde a 120% do torque de
instalação de 3,0 daN.m ou 4,7 daN.m, respectivamente para bitola M10 ou M12.

O porta fusível e as lâminas desligadora, depois de instalados, devem permanecer


firmemente fixados à base, garantindo perfeito contato elétrico e necessitando, para
se desprender, de um esforço “F” aplicado ao olhal entre 8 e 17 daN.

O olhal para adaptação de vara de manobra, no porta-fusível, no mecanismo de


transferência de carga e na lâmina desligadora, deve suportar um esforço de tração de
200 daN aplicado perpendicularmente ao eixo longitudinal do cartucho ou da lâmina,
no plano do olhal.

As bases, porta-fusíveis e lâminas desligadoras devem atender aos valores


especificados nas Tabelas 1 e 2.

5.7 Geral

As chaves devem ser projetadas de forma a não submeter os elos fusíveis a trações
superiores a 3 daN.

As partes metálicas devem ser fixadas ao isolador por intermédio de cimento


apropriado, o qual não deve reagir quimicamente com as partes que por ele são presas
e deve ser protegido externamente com esmalte na mesma cor do isolador de modo a
evitar a penetração de umidade ou materiais poluentes.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 13


O processo de fixação das ferragens no isolador deve ser adequado às solicitações
mecânicas decorrentes da operação da chave e à interrupção da corrente de curto-
circuito, devendo suportar os ensaios previstos nos itens 6.15 e 6.17.

As partes condutoras em liga de cobre devem ter porcentagem de zinco não superior
a 6%.

Os parafusos, porcas e arruelas de fixação dos contatos no isolador da base devem ser
em aço bronze ou aço inoxidável. Alternativamente os mesmos podem ser fornecidos
em aço zincado a quente.

Todos os parafusos e roscas devem ser na escala métrica ISO, conforme NBR 9527.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 14


6. ENSAIOS

6.1 Relação dos Ensaios

a) Inspeção geral.
b) Verificação dimensional.
c) Tensão suportável nominal de impulso atmosférico.
d) Tensão suportável à freqüência industrial a seco.
e) Tensão suportável à freqüência industrial sob chuva.
f) Impacto no suporte de fixação da chave.
g) Elevação de temperatura.
h) Medição da resistência ôhmica dos contatos.
i) Capacidade de interrupção.
j) Análise química da liga de cobre.
k) Choques térmicos.
l) Resistência mecânica do isolador.
m) Operação mecânica.
n) Zincagem.
o) Absorção de água pelo tubo da porta-fusível.
p) Porosidade do isolador.
q) Poluição artificial.
r) Verificação da rigidez dielétrica transversal do revestimento externo do tubo da
porta-fusível.
s) Tensão suportável longitudinal do revestimento externo do tubo da porta-fusível.
t) Resistência mecânica do gancho e do olhal.
u) Verificação da espessura do prateamento.
v) Resistência à torção dos parafusos dos conectores.
x) Radiointerferência.
y) Corrente suportável de curta duração.
w) Estanhagem dos terminais e conectores.

6.2 Ensaios de Recebimento

Os ensaios de recebimento são os citados nas alíneas "a", "b", "d", "g", "h", "k", "m",
"n", "o", "p", "t", "u", "v" e "w" de 6.1.

Os ensaios de recebimento para a lâmina desligadora são os citados nas alíneas "a",
"b", "d", "g", "h", "k", "m", "n", "t", "u", "v" e "w".

6.3 Ensaios de Tipo

Os ensaios de tipo são os citados nas alíneas "c", "e", "f", "i", "j", "l", "p", "q", "r",
"s", "x" e "y" de 6.1.

Os ensaios de tipo para a lâmina desligadora são os citados nas alíneas "c", "e", "f",
"j", "l", "p", "x" e "y".

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 15


6.4 Relatórios de Ensaios

O relatório deve conter, no mínimo, as seguintes informações:

a) número do CFM;
b) nome e/ou marca comercial do fabricante;
c) tipo e/ou número de catálogo;
d) mês e ano de fabricação;
e) tensão e corrente nominais;
f) tensão suportável nominal de impulso atmosférico;
g) capacidade de interrupção (simétrica e assimétrica);
h) quantidade de chaves fusíveis do lote (para ensaios de recebimento);
i) número de unidades ensaiadas;
j) relação dos ensaios efetuados e normas aplicadas;
k) memória de todos os cálculos efetuados;
l) todos os resultados obtidos;
m) identificação completa do objeto ensaiado;
n) nome do inspetor e do responsável pelo ensaio;
o) nome do laboratório;
p) data de início e término dos ensaios.

As chaves fusíveis não devem ser liberadas pelo inspetor da CELG enquanto não lhe
for entregue uma via dos relatórios de ensaios.

6.5 Inspeção Geral

Antes de se iniciar os demais ensaios, deve ser realizada uma inspeção geral para
comprovar se a chave contém todos os componentes e acessórios requeridos e
verificar:

a) características e acabamento de componentes e acessórios;


b) análise dos certificados de ensaios do isolador, realizados em 100% do lote,
exceto para porosidade.

A não conformidade de uma chave fusível com qualquer uma destas características
de qualidade determina a sua rejeição.

6.6 Verificação Dimensional

A chave fusível deve ter dimensões conforme indicado no Desenho 1.

As dimensões da chave fusível religadora devem estar em conformidade com o


Desenho 4.

Constitui falha a não conformidade de qualquer das características verificadas com as


indicadas nos referidos desenhos.

6.7 Tensão Suportável Nominal de Impulso Atmosférico

O ensaio deve ser efetuado de conformidade com as recomendações da NBR 5389 e


NBR 6936, nas condições descritas na NBR 7282, para tensão normalizada de

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 16


impulso atmosférico, com forma de onda 1,2/50 µs. A tensão de ensaio deve estar de
acordo com a Tabela 1 e durante cada ensaio devem ser aplicados quinze impulsos
consecutivos de cada polaridade. A conformidade da chave fusível deve ser
verificada de acordo com os seguintes critérios:

a) se nenhuma descarga disruptiva (descarga de contorno ou perfuração) ocorrer, a


chave fusível deve ser considerada aprovada no ensaio;
b) se somente uma descarga de contorno ocorrer, devem ser aplicados mais dez
impulsos adicionais da polaridade correspondente e somente se não ocorrer
nenhuma descarga disruptiva (descarga de contorno ou perfuração) em qualquer
destas aplicações a chave fusível deve ser considerada aprovada no ensaio;
c) se ocorrer uma perfuração ou duas ou mais descargas de contorno, a chave fusível
deve ser considerada como não aprovada no ensaio.

6.8 Tensão Suportável à Freqüência Industrial a Seco

O ensaio deve ser efetuado em conformidade com as recomendações da NBR 5389,


para corrente alternada, 60 Hz. A tensão de ensaio deve estar de acordo com a Tabela
1 e ser mantida durante um minuto. A chave fusível deve ser considerada aprovada se
não ocorrer descarga disruptiva durante o ensaio.

6.9 Tensão Suportável à Freqüência Industrial Sob Chuva

Este ensaio deve ser realizado de acordo com as recomendações do item 6.8
observando-se, inclusive, os mesmos critério de aprovação.

6.10 Impacto no Suporte de Fixação da Chave

Este ensaio tem como objetivo verificar a resistência à flexão e ao impacto, do


suporte de fixação da chave, por ocasião do fechamento da mesma, da seguinte
forma:

a) fixar a base da chave em um dispositivo rígido, conforme mostrado no Desenho


6;
b) fixar um braço de alavanca de 300 mm de comprimento, como extensão do
suporte da chave;
c) aplicar um esforço dinâmico de 20 N.m, perpendicular à extremidade livre do
braço da alavanca.

Não deve ocorrer ruptura ou deformação permanente do suporte de fixação da chave.

6.11 Elevação de Temperatura

O ensaio deve ser efetuado em conformidade com as recomendações da NBR 7282 e


com as prescrições do Anexo C.

Constitui falha a ocorrência de elevação de temperatura, nas diversas partes do


equipamento, superior aos valores especificados na Tabela 3, para uma temperatura
ambiente mínima de 10°C e máxima de 40°C, não devendo ser aplicados fatores de
correção para qualquer temperatura dentro dessa faixa.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 17


6.12 Medição da Resistência Ôhmica de Contato

A medição da resistência ôhmica de contato é realizada não para obtenção de


resultados conclusivos e sim para servir de referência para execução dos ensaios de
operação mecânica e de elevação de temperatura, nesta ordem.

A resistência dos contatos da chave deve ser medida entre cada terminal da base e a
parte metálica do porta-fusível, acessível, mais próxima, após o contato.

Os pontos e os métodos utilizados devem permitir a repetição das medições dentro de


uma margem de 1% para a chave sob ensaio.

O valor da resistência deve ser a média aritmética de três medidas independentes.

6.13 Capacidade de Interrupção

6.13.1 Generalidades

O ensaio deve ser realizado conforme condições e metodologia da NBR 7282, não
devendo entretanto ser utilizado o anteparo metálico no arranjo.

Os ensaios deverão ser preferencialmente executados com elos fusíveis de fabricação


nacional.

Durante e após os ensaios devem ser atendidas as condições de uso e desempenho


com relação à capacidade de interrupção da NBR 7282 destacando-se:

a) durante qualquer das aplicações de curto-circuito não deve ser constatada


qualquer ocorrência que possa por em risco, nas condições típicas de uso de
chaves fusíveis, operadores ou vizinhanças;
b) após cada interrupção o porta-fusível deve se deslocar e permanecer na condição
de repouso (aberta) não sendo permitido o seu arremesso para fora do suporte
inferior da base;
c) os tempos de arco e de fusão obtidos para cada valor de corrente dos grupos de
ensaios de interrupção 1 a 5 devem estar de acordo com o especificado na NBR
5359.

Após o ensaio de capacidade de interrupção, a chave fusível deve:

a) apresentar condições normais de utilização e funcionamento;


b) ser capaz de suportar a tensão de restabelecimento de freqüência industrial, 60
Hz;
c) ter desempenho satisfatório quando submetida aos ensaios dielétricos e de
elevação de temperatura.

6.13.2 Descrição dos Ensaios

As instruções e as características do circuito para efetuar o ensaio com uma chave


fusível devem estar de acordo com a Tabela 4, que inclui dezesseis ensaios em cinco
séries, como segue:

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 18


a) Série 1

Verificação da capacidade de interrupção nominal, I, da chave fusível;

b) Séries 2 e 3

Verificação da capacidade de interrupção com as seguintes faixas de correntes de


defeito, referidas à capacidade de interrupção nominal I:

- Série 2: de 70% a 80% de I;


- Série 3: de 20% a 30% de I;

c) Séries 4 e 5

Verificação da capacidade de interrupção quando a chave fusível é solicitada


apenas com correntes de defeito relativamente baixas:

- Série 4: de 400 A a 500 A;


- Série 5: de 2,7 x In a 3,3 x In com um mínimo de 15 A, sendo In a corrente
nominal do fusível.

6.13.3 Características do Circuito de Ensaio

Os ensaios de interrupção devem ser realizados com corrente alternada monofásica.


Os elementos do circuito usados para controlar a corrente e o fator de potência devem
estar em série, conforme mostrado nos Desenhos 8 e 9.

A freqüência do circuito de ensaio deve estar entre 58 Hz e 62 Hz.

As características do circuito de ensaio são as especificadas nas Tabelas 4 e 5.

6.13.4 Amostra para Ensaio

Todos os componentes do dispositivo fusível devem estar de acordo com a


especificação do fabricante.

Um porta-fusível novo deve ser usado conforme especificado na Tabela 4.


Todos os elos fusíveis de mesma corrente nominal utilizados no conjunto dos grupos
de ensaios 1 a 5 da Tabela 4 devem ser de um único tipo e fabricante.

6.13.5 Arranjo do Equipamento

Para os ensaios dos grupos 1 e 2, os condutores devem ser dispostos de forma a


reproduzir as forças eletromagnéticas que possam ocorrer em serviço. Para impedir
que qualquer movimento dos condutores possa causar esforços mecânicos excessivos
sobre a base, os condutores devem ser fixados a uma distância igual à altura do
isolador, se a altura do isolador não exceder a 0,50 m.

Nota:
Arranjos alternativos de ensaios podem ser utilizados, desde que seguramente
representem as condições de uso.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 19


6.13.6 Calibração do Circuito de Ensaio

A calibração do circuito deve ser realizada substituindo-se o dispositivo fusível por


um elemento (A), de impedância desprezível comparada com a do circuito de ensaio,
como mostrado nos Desenhos 8 e 9. O circuito deve ser ajustado para fornecer a
corrente presumida especificada. Esta deve ser verificada por oscilógrafo registrador.

6.13.7 Método de Ensaio

O elemento A deve ser removido e substituído pelo dispositivo fusível (B) sob
ensaio, conforme Desenhos 8 e 9.

A chave de fechamento (E) deve ser fechada em um instante tal que forneça as
condições especificadas na Tabela 4.

Para os dispositivos fusíveis de abertura automática, após a sua operação, a tensão de


ensaio deve ser mantida durante 0,5 segundos.

Nota:
Durante este período, a freqüência da fonte de tensão pode ser menor do que
o valor mínimo especificado.

6.13.8 Interpretação dos Oscilogramas

Para todas as séries, a corrente de interrupção presumida deve ser o valor eficaz da
corrente simétrica, medida aproximadamente no fim do tempo de pré-arco (tempo de
fusão) conforme mostrado no Desenho 7.

O valor da tensão de restabelecimento de freqüência industrial é obtido através do


valor medido entre a crista da segunda meia-onda não afetada e a linha reta traçada
entre as cristas das meias-ondas anterior e posterior, conforme mostrado no Desenho
7.

O tempo de arco é medido entre o final do período de pré-arco e a interrupção


completa da corrente, conforme Desenho 7.

6.13.9 Parâmetros a Serem Usados para os Ensaios

Os parâmetros a serem usados nos ensaios são os especificados nas Tabelas 4 e 5.

6.13.10 Resultados dos Ensaios de Interrupção

Durante e após os ensaios, os dispositivos fusíveis devem atender às condições


descritas no item 7, acrescidas às descritas nas normas específicas para a classe do
dispositivo fusível.

6.13.11 Interpretação dos Ensaios de Interrupção para os Dispositivos Fusíveis de uma Série
Homogênea.

Quando, em uma série homogênea, o dispositivo fusível de menor corrente nominal e


os de maior corrente nominal forem aprovados nos ensaios de interrupção, os outros

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 20


dispositivos fusíveis da série também devem ser considerados aprovados.

Quando, em uma série homogênea, os dispositivos fusíveis correspondentes a uma ou


mais corrente nominal não forem aprovados em um ou mais grupos de ensaios,
somente os dispositivos fusíveis correspondentes a essas correntes devem ser
rejeitados.

6.13.12 Execução do Ensaio de Capacidade de Interrupção para Chaves Fusíveis Religadoras

Este ensaio deve ser realizado conforme NBR 7282 e NBR 8124. A chave religadora
deve ser montada em sua posição normal de operação, energizada pela fonte de ensaio
pelo seu terminal superior e tendo seu terminal inferior ligado ao condutor de retorno
à fonte de ensaio. A chave religadora sob ensaio deve ser submetida a ciclos de
operação que simulem as condições de campo a que ela fica sujeita.

Os elos fusíveis a serem utilizados no ensaio devem ser o 6K e o 40K, como o


mínimo e máximo respectivamente, para fins de aplicação dos grupos de ensaios
previstos na Tabela 4. Os porta-fusíveis utilizados e a capacidade de interrupção
nominal especificada para a chave são os constantes da Tabela 2.

O grupo 3 de ensaios previsto na NBR 7282 será omitido, devido ao valor de corrente
de interrupção ser próxima ao valor previsto para o grupo 4 de ensaios (entre 400 e
500 Aef. simétrico). Cada ensaio dos grupos 1, 2, 4 e 5 deve ser executado na chave
religadora completa com três porta-fusíveis e três elos fusíveis, verificando-se a
seqüência de operação da chave em cada ensaio. Assim, em cada ensaio de cada grupo
devem ser verificadas a interrupções de corrente pelos três porta-fusíveis e o
estabelecimento de corrente pelos dois mecanismos de transferência, mantendo-se a
fonte de ensaio energizando a chave religadora até a interrupção de corrente do último
porta-fusível.

Quanto à interrupção de corrente, constitui falha no ensaio o não atendimento aos


requisitos estabelecidos na NBR 7282 e NBR 8124.

Quanto ao estabelecimento de corrente pelos mecanismos de transferência, constitui


falha no ensaio:

a) ocorrência de qualquer dano causado aos componentes do mesmo ou a outras


partes da chave religadora, verificados por inspeção visual e operação do
mecanismo (entendendo-se por “dano” a mesma interpretação contida no item
7.3.2 da NBR 7282);
b) ocorrência de descarga para a terra durante o estabelecimento de corrente;
c) com os dois mecanismos de transferência fechados, elevação de temperatura
superior a 110% do valor medido no ensaio do item 6.1.g, limitada ainda pelos
valores previstos na Tabela 2;
d) com dois mecanismos de transferências abertos, ocorrência de descarga para a
terra no ensaio de tensão suportável a freqüência industrial a seco, conforme item
6.1.d, estando os 3 porta-fusíveis na posição fechada.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 21


6.14 Análise Química da Liga de Cobre

Deve ser executado de acordo com a NBR 6366, a chave é considerada reprovada no
ensaio se o teor de zinco for superior a 6%.

6.15 Choques Térmicos

A chave fusível deve ser submetida à seguinte seqüência de ensaios:

a) imergir a base, durante quinze minutos, em água a uma temperatura de 70°C


acima daquela do banho frio utilizado no semiciclo seguinte desse ensaio,
devendo permanecer imersa em cada um desses banhos por 15 minutos;
b) após completado o tempo de imersão em água quente a base deve ser passada
rapidamente para água fria, onde deve permanecer pelo mesmo tempo. Esse ciclo
de aquecimento e resfriamento deve ser repetido três vezes sucessivamente. O
tempo de transferência de um tanque para outro não deve exceder 30 s;
c) após o 3º ciclo a chave deve ser instalada a uma altura mínima de 4 m do solo e
operada quinze vezes com vara de manobra;
d) em seguida, submeter a chave ao ensaio de tensão suportável de freqüência
industrial a seco, conforme item 6.8.

A chave fusível é considerada aprovada se suportar a seqüência de ensaios indicada,


sem apresentar trincas nos isoladores, quaisquer alterações nas ferragens, parafusos,
contatos, molas e se não ocorrer descarga disruptiva no ensaio de tensão suportável
de freqüência industrial a seco.
A vedação do isolador, caso este seja oco, não deve sofrer quaisquer danos e ela não
deve se soltar após a execução do ensaio.

6.16 Resistência Mecânica do Isolador

O isolador deve suportar, quando apoiado nas extremidades, a aplicação de uma força
"F" no seu ponto médio, calculada pela fórmula:

130
F=
X
onde,

F = força aplicada ao ponto médio do isolador, em daN;


X = distância do ponto médio até uma das extremidades em metros (ponto de
engastamento da ferragem).

A aplicação da força deve ser de acordo com a NBR 5049.

O isolador é considerado aprovado no ensaio se não apresentar trincas, fissuras ou


não se romper durante a aplicação da força.

6.17 Operação Mecânica

A chave fusível deve ser instalada de acordo com o prescrito na NBR 7282, tendo-se
o cuidado de utilizar procedimentos que garantam as mesmas solicitações mecânicas
ao longo de todo o ensaio. A articulação inferior do porta-fusível deve ser travada

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 22


mecanicamente. Adicionalmente deve ser inserido no porta-fusível um botão de elo
fusível, ou dispositivo que o simule, com espessura de 4 mm. Com o circuito
desenergizado a chave fusível deve:

a) ser operada satisfatoriamente com bastão, quando instalada na condição mais


desfavorável para manobra, de acordo com as NBR 5433 e NBR 5434;
b) suportar cinqüenta ciclos sucessivos de operação mecânica.

Durante a execução do ensaio não será permitido qualquer ajuste e, após o mesmo, a
chave fusível será considerada aprovada se não apresentar qualquer falha em
nenhuma de suas partes. Após esse ensaio realizar novamente o ensaio do item 6.5.b.

6.18 Zincagem

Devem ser efetuados os ensaios para determinação da espessura, da aderência e da


uniformidade da camada de zinco (ensaio de Preece), conforme prescrito nas NBR
7398, NBR 7399 e NBR 7400. A chave fusível deve ser considerada aprovada se os
resultados do ensaio estiverem de acordo com a Tabela 6.

6.19 Absorção de Água Pelo Tubo do Porta-Fusível

O ensaio deve ser executado conforme NBR 5310, para imersão por 24 horas. Os
resultados são considerados satisfatórios se a absorção de água em 24 horas for
inferior a 7%.

6.20 Porosidade do Isolador

O ensaio deve ser executado e seus resultados avaliados conforme NBR 5049.
Deverão ser ensaiados no mínimo dois fragmentos do isolador de cada base.
Constitui falha a penetração de corante em qualquer um dos fragmentos ensaiados.

6.21 Poluição Artificial

a) Os ensaios são necessários para obter informações sobre o comportamento da


isolação externa sob condições representativas de contaminação quando em
serviço. Todavia não representam necessariamente uma condição particular de
serviço.
b) O ensaio consiste em quatro aplicações da tensão Um/ 3 , sob um grau de
poluição especificado, sendo Um a tensão máxima do equipamento. A chave é
considerada aprovada se não ocorrer mais de uma descarga disruptiva.
c) Os ensaios devem ser efetuados com a chave fusível na posição fechada.

O grau de poluição especificado e os métodos de ensaio deverão ser objeto de acordo


entre fabricante e CELG. Estes ensaios são especificados na NBR 6936.

6.22 Verificação da Rigidez Dielétrica Transversal do Revestimento Externo do


Tubo do Porta-Fusível

O ensaio deve ser realizado de acordo com a NBR 5405. Os resultados são
considerados satisfatórios se for atendida a prescrição do item 5.3.a.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 23


6.23 Tensão Suportável Longitudinal do Revestimento Externo do Tubo do Porta-
Fusível

O ensaio deve ser realizado de acordo com a NBR 5405. Os resultados são
considerados satisfatórios se for atendida a prescrição do item 5.3.b.

6.24 Resistência Mecânica do Gancho e do Olhal

O gancho para fixação da ferramenta de abertura em carga deve ser submetido à


tração mecânica de 200 daN, aplicada no plano do gancho na direção perpendicular
ao eixo do isolador, de modo que os esforços não sejam transmitidos aos outros
componentes da chave fusível, não devendo apresentar trincas ou deformação
permanente.

Também o olhal do porta-fusível, não necessariamente montado sobre o mesmo,


deve ser submetido à tração mecânica especificada em 5.2.4, aplicada no plano do
olhal na direção perpendicular ao eixo do porta-fusível, sem apresentar trincas ou
deformação permanente.

6.25 Verificação da Espessura do Prateamento

Esta verificação deve ser feita por medição com aparelhagem apropriada.

Constitui falha uma espessura de camada de prata inferior a 8 µm.

A medição é dispensada caso imediatamente após o ensaio de operação mecânica


uma camada de prata permaneça nas áreas de contato.

6.26 Resistência à Torção dos Parafusos dos Conectores

O ensaio deve ser executado conforme NBR 5370. As condições de ensaio, os


momentos de torção a serem aplicados e os resultados que devem ser obtidos estão
indicados na referida norma.

6.27 Radiointerferência

O ensaio deve ser executado conforme prescrições da norma NBR 7876, usando
aparelhagem de ensaio conforme a norma NBR 7875. Não deve ocorrer tensão de
radiointerferência, medida na freqüência de 1000 kHz e referida a 300 , de valor
superior e na tensão de ensaio especificada na Tabela 1.

6.28 Corrente Suportável de Curta Duração

O ensaio deve ser realizado conforme prescrições do item 7.4 da NBR 6935. O valor
de corrente a ser utilizado no ensaio é 8 kA, por 1 segundo.
Após este ensaio a chave equipada com a lâmina desligadora deve ser submetida aos
ensaios de inspeção visual, operação mecânica e elevação de temperatura.
A chave será considerada aprovada se não ocorrerem trincas, deformação
permanente, etc, e for aprovada nos ensaios anteriormente referidos.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 24


6.29 Estanhagem dos Terminais e Conectores

O ensaio deve ser realizado em conformidade com o prescrito na norma ASTM


B545.

Constitui falha a ocorrência de camada de estanho inferior a 8 µm para peças


individuais e 12 µm para a média das amostras.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 25


7. CONDIÇÕES PADRONIZADAS DE USO E DESEMPENHO COM
RELAÇÃO A CAPACIDADE DE INTERRUPÇÃO

7.1 Generalidades

Quando o dispositivo fusível for usado em sistemas com tensão menor do que sua
tensão nominal, a capacidade de interrupção, em kA, não deve ser menor do que a
capacidade de interrupção nominal.

Não foram especificados ensaios para verificar o desempenho do dispositivo fusível


na faixa de corrente abaixo daquela especificada nos ensaios de interrupção,
conforme 6.13, com relação a sua condição de suportar a corrente de qualquer
combinação de tempo-corrente possível sem deterioração que leve a operação
prematura ou a falha.

7.2 Condições Padronizadas de Uso com Relação a Capacidade de Interrupção

Os dispositivos fusíveis devem ser capazes de interromper corretamente qualquer


valor de corrente presumida independentemente da componente contínua contanto
que:

a) a componente alternada não seja maior do que a capacidade de interrupção


nominal e menor do que o valor especificado na Tabela 4;
b) a freqüência natural e o valor de crista da tensão de restabelecimento, quando
especificados, estejam dentro dos limites das Tabelas 4 e 5;
c) a tensão de restabelecimento não seja maior que a especificada na Tabela 4;
d) a freqüência esteja entre 58 Hz e 62 Hz;
e) o fator de potência não seja menor do que o especificado na Tabela 4.

7.3 Condições Padronizadas de Desempenho com Relação a Capacidade de


Interrupção

De acordo com as condições indicadas em 7.2 o desempenho do dispositivo fusível


deve atender às prescrições a seguir.

Não devem ocorrer descargas para a terra durante a operação, quando montado de
acordo com as recomendações do fabricante.

Após a operação do dispositivo fusível, os seus componentes, exceto os previstos


para serem substituídos após cada operação, devem estar substancialmente nas
mesmas condições iniciais exceto no que concerne à erosão interna do tubo. Não
serão admitidas trincas, nem quebras na porcelana, bem como empenamentos de
contatos e ferragens.

O dispositivo fusível, após a troca dos componentes previstos para serem substituídos
após cada operação, deve ser capaz de suportar continuamente a corrente nominal
conforme 5.1.3.

É permissível que o componente projetado para fixar o fusível, esteja levemente


avariado, desde que esta avaria não seja, susceptível de impedir a substituição do
elemento fusível fundido, não diminua a capacidade de interrupção do

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 26


dispositivo fusível, não modifique suas características de operação e não aumente a
elevação de temperatura em serviço normal.

Após a operação, o dispositivo fusível deve ser capaz de suportar a tensão de


restabelecimento à freqüência industrial através dos terminais. Quando um
dispositivo fusível de abertura automática opera, devem ser mantidas as propriedades
dielétricas especificadas na Tabela 1.

Em caso de dúvidas, após os ensaios de interrupção, sobre a capacidade do


dispositivo em atender as condições anteriormente especificadas, os ensaios de
elevação de temperatura e dielétricos devem ser repetidos.

Devem ser obedecidas as características de máximo tempo de fusão e de arco,


definidas nas normas específicas da classe do dispositivo fusível.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 27


8. INSPEÇÃO

8.1 Generalidades

a) As chaves fusíveis devem ser submetidas à inspeção e ensaios na fábrica, na


presença de inspetores credenciados pela CELG.

b) A CELG se reserva o direito de inspecionar e testar as chaves e o material


utilizado durante o período de sua fabricação, antes do embarque ou a qualquer
tempo em que julgar necessário. O fabricante deve proporcionar livre acesso do
inspetor aos laboratórios e às instalações onde o material em questão estiver sendo
fabricado, fornecendo as informações desejadas e realizando os ensaios
necessários. O inspetor poderá exigir certificados de procedências de matérias
primas e componentes, além de fichas e relatórios internos de controle.

c) Antes de serem fornecidos os acessórios, um protótipo de cada tipo deve ser


aprovado, através da realização dos ensaios de tipo previstos no item 6.3.

d) Os ensaios para aprovação do protótipo podem ser dispensados parcial ou


totalmente, a critério da CELG, se já existir um protótipo idêntico aprovado. Se os
ensaios de tipo forem dispensados, o fabricante deve submeter um relatório
completo dos ensaios indicados no item 6.3, com todas as informações
necessárias, tais como métodos, instrumentos e constantes usadas. A eventual
dispensa destes ensaios pela CELG somente terá validade por escrito.

e) O fabricante deve dispor de pessoal e de aparelhagem próprios ou contratados,


necessários à execução dos ensaios (em caso de contratação deve haver aprovação
prévia da CELG).

f) O fabricante deve assegurar ao inspetor da CELG o direito de se familiarizar, em


detalhe, com as instalações e os equipamentos a serem utilizados, estudar todas as
instruções e desenhos, verificar calibrações, presenciar ensaios, conferir resultados
e, em caso de dúvida, efetuar novas inspeções e exigir a repetição de qualquer
ensaio.

g) Todos os instrumentos e aparelhos de medição, máquinas de ensaios, etc, devem


ter certificado de aferição emitido por órgão homologado pelo INMETRO e
válidos por um período de, no máximo, 1 ano e por ocasião da inspeção, ainda
dentro do período de validade, podendo acarretar desqualificação do laboratório o
não cumprimento dessa exigência.

h) A aceitação do lote e/ou a dispensa de execução de qualquer ensaio:


- não exime o fabricante da responsabilidade de fornecer o material de acordo
com os requisitos desta norma;
- não invalida qualquer reclamação posterior da CELG a respeito da qualidade
do material e/ou da fabricação.

Em tais casos, mesmo após haver saído da fábrica, o lote pode ser inspecionado e
submetido a ensaios, com prévia notificação ao fabricante e, eventualmente, em
sua presença. Em caso de qualquer discrepância em relação às exigências desta
norma, o lote pode ser rejeitado e sua reposição será por conta do fabricante.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 28


i) Após a inspeção o fabricante deve encaminhar à CELG, por lote ensaiado, um
relatório completo dos ensaios efetuados, em 1 via, devidamente assinado por ele
e pelo inspetor credenciado pela CELG.
Este relatório deve conter todas as informações necessárias para o seu completo
entendimento, tais como: métodos, instrumentos, constantes e valores utilizados
nos testes e os resultados obtidos.

j) Todas as unidades de produto rejeitadas, pertencentes a um lote aceito, devem ser


substituídas por unidades novas e perfeitas, por conta do fabricante, sem ônus para
a CELG.

k) Nenhuma modificação nas chaves deve ser feita "a posteriori" pelo fabricante sem
a aprovação da CELG. No caso de alguma alteração, o fabricante deve realizar
todos os ensaios de tipo, na presença do inspetor da CELG, sem qualquer custo
adicional.

l) A CELG poderá, a seu critério, em qualquer ocasião, solicitar a execução dos


ensaios de tipo para verificar se as chaves estão mantendo as características de
projeto preestabelecidas por ocasião da aprovação dos protótipos.

m) Lote para Ensaios

Para efeito de inspeção, as chaves deverão ser divididas em lotes, por tipo,
devendo ser os ensaios feitos na presença do inspetor credenciado pela CELG.
Os ensaios de tipo devem ser realizados em laboratórios designados de comum
acordo entre fabricante e CELG. Os ensaios de recebimento devem ser
executados nas instalações do fabricante, salvo acordo contrário entre fabricante e
CELG.
Por ocasião do recebimento, para fins de aprovação do lote, devem ser
executados todos os ensaios de recebimento e, quando exigidos pela CELG, os
ensaios de tipo.
A dispensa da execução de qualquer ensaio e a aceitação do lote não eximem o
fabricante da responsabilidade de fornecer as chaves de acordo com o prescrito
nesta norma.

n) O custo dos ensaios deve ser por conta do fabricante.

o) A CELG se reserva o direito de exigir a repetição de ensaios em lotes já


aprovados. Nesse caso as despesas serão de responsabilidade da CELG, se as
unidades ensaiadas forem aprovadas na segunda inspeção, caso contrário correrão
por conta do fabricante.

p) Os custos da visita do inspetor da CELG (locomoção, hospedagem, alimentação,


homem-hora e administrativos) correrão por conta do fabricante nos seguintes
casos:
- se na data indicada na solicitação de inspeção o material não estiver pronto;
- se o laboratório de ensaio não atender às exigências de 8.1.e a 8.1.g;
- se o material fornecido necessitar de acompanhamento de fabricação ou
inspeção final em subfornecedor, contratado pelo fornecedor, em localidade
diferente da sua sede;
- se o material necessitar de reinspeção por motivo de recusa.
NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 29
8.2 Recomendações Comuns aos Ensaios

8.2.1 Certificado de Ensaio dos Isoladores

Cada lote de chave fusíveis deve vir acompanhado do respectivo certificado de


ensaios dos isoladores contendo os resultados dos ensaios elétricos de alta e baixa
freqüência, executados conforme NBR 5049.

8.2.2 Montagem da Chave Fusível

Exceto quando especificado em contrário, as chaves fusíveis da amostra,


selecionadas aleatoriamente do lote sob inspeção, devem ser montadas em uma
estrutura rígida e na posição, normal de utilização em serviço.
Todas as partes metálicas da ferragem devem ser aterradas e as conexões devem ser
dispostas de maneira a não reduzir a distância normal de isolamento.

8.2.3 Condições para Execução de Ensaios Dielétricos

A tensão para os ensaios dielétricos deve ser aplicada, sucessivamente, com um


terminal de saída do gerador de impulso ou um ponto da fonte de freqüência
industrial conectado à terra:

a) entre um dos terminais e todas partes metálicas aterráveis da chave fusível


equipada com porta-fusível e elo fusível, completamente montada e fechada;

b) entre terminais:
- no ensaio de impulso, com o porta-fusível em sua posição aberta e com as
partes metálicas aterráveis isoladas da terra;
- no ensaio de freqüência industrial a seco e sob chuva, com o porta-fusível na
posição aberta e com as partes metálicas aterráveis isoladas da terra ou
conectados ao ponto médio da fonte.

8.2.4 Condições Ambientes Durante o Ensaio

Os ensaios devem ser realizados sob condições ambientes, as mais próximas


possíveis das condições padronizadas na NBR 6936, os fatores de correção para a
densidade e umidade do ar são estabelecidos na norma anteriormente referida.

8.3 Planos de Amostragem para os Ensaios de Recebimento

8.3.1 Formação dos Planos de Amostragem

O tamanho da amostra ou séries de tamanhos de amostras e os critérios de aceitação


do lote para execução dos ensaios de recebimento devem estar de acordo com a
Tabela 8, para o regime de inspeção normal.

As amostras devem ser retiradas dos lotes prontos para embarque.

8.3.2 Especificação dos Planos de Amostragem

A especificação dos planos de amostragem para os ensaios de recebimento

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 30


é a seguinte:

a) Inspeção geral:

- nível de inspeção I;
- plano de amostragem dupla;
- nível de qualidade aceitável, NQA 2,5%.

b) Verificação dimensional e tensão suportável de freqüência industrial à seco:

- nível de inspeção I;
- plano de amostragem dupla;
- nível de qualidade aceitável, NQA 1%.

c) Resistência mecânica do gancho e do olhal, zincagem e medição da resistência


ôhmica de contato e absorção de água pelo tubo do porta-fusível:

- nível de inspeção S4;


- plano de amostragem dupla;
- nível de qualidade aceitável, NQA 1,5%.

No ensaio de zincagem deve ser ensaiada uma peça de cada chave fusível da amostra
indicada na Tabela 8.

As três chaves que tenham apresentado o maior valor no ensaio de medição de


resistência ôhmica devem ser submetidas ao ensaio de verificação da espessura do
prateamento, de operação mecânica e, a seguir, ao ensaio de elevação de temperatura.

Devem ser submetidas ao ensaio de ciclos de choque térmico três chaves


aleatoriamente escolhidas no lote sob inspeção.

Se alguma das chaves submetidas aos ensaios de verificação da espessura do


prateamento, operação mecânica, elevação de temperatura ou choques térmicos não
apresentar resultado satisfatório o lote deve ser rejeitado.

Para quaisquer considerações adicionais deve ser consultada a NBR 5426.

8.4 Plano de Amostragem para os Ensaios de Tipo

Para a execução destes ensaios as amostras deverão ser previamente aprovadas nos
ensaios de recebimento.

Para os ensaios de interrupção e de corrente suportável de curta duração a amostra


será de uma unidade para cada ensaio, retiradas aleatoriamente do lote sob inspeção.

Para os demais ensaios a amostra será formada por três unidades distintas, para cada
ensaio, retiradas aleatoriamente do lote sob inspeção.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 31


8.5 Critérios de Aceitação e Rejeição

Se alguma unidade de cada amostra falhar nos ensaios de choque térmico, espessura
do prateamento, operação mecânica e elevação de temperatura, todo o lote será
rejeitado.

Para os demais ensaios os critérios de aceitação e rejeição são os definidos na Tabela


8.

O ensaio de resistência ôhmica serve apenas de referência na execução de outros


ensaios, não sendo motivo para recusa do lote.

Para os ensaios de tipo, se, uma unidade falhar em qualquer um deles, todo o lote
será rejeitado.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 32


ANEXO A - TABELAS

TABELA 1

CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DAS CHAVES


FUSÍVEIS DE DISTRIBUIÇÃO (Classe 2)

RADIOINTER-
BASE PORTA-FUSÍVEL TENSÃO SUPORTÁVEL NOMINAL
FERÊNCIA
à freqüência
Tensão de impulso
Capacidade de industrial, 1 min. a Tensão
máxima Corrente Corrente atmosférico TRI
Cor interrupção Cor seco e sob chuva de
do nominal nominal kV(crista) Máx.
kV(ef) ensaio
Tipo equip.
(3) A terra Entre A terra Entre
A A Simétrica Assimétrica ∝V
(d) e entre contatos e entre contatos kV
kV (eficaz) (eficaz) (1)
pólos abertos pólos abertos (eficaz)
(eficaz) A(ef) A(ef)
(2) (2) (2) (2)
1.400 2.000 B
100 7.100 10.000 C
95 110 34 38 9,5
C 13,8 300 D 10.600 16.000 250
200 7.100 10.000 C
36,2 100 3.500 5.000 C 150 165 50 55 23

Notas:
1) Os valores assimétricos associados aos valores simétricos são indicados
apenas a título de informação. Prevalecem para os ensaios as condições
descritas na NBR 7282, associadas à capacidade de interrupção simétrica
e fator de potência.
2) Os valores de tensões suportáveis nominais de impulso atmosférico e
freqüência industrial são provenientes da NBR 6939.
3) As referências utilizadas nesta tabela, conforme a ASTM D1535, são:

B - vermelho Munsell 5R 4/14;


C - cinza Munsell 7N;
D - cinza claro Munsell 5BG 7/1;

TABELA 2

CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DAS


CHAVES FUSÍVEIS RELIGADORAS

Porta fusível
Base
aplicável
Tensão suportável nominal Radioin-
Capacidade
60 Hz 1 terferência
Capacidade de interrupção

de de impulso
Corrente nominal (A)

minuto a seco
Tensão nominal (kV)

interrupção atmosférico
Corrente nominal

e sob chuva
nominal (kV de crista)
Cor do tubo
Tensão de ensaio

(para 1000 kHz)

(kvef.)
TRI Máxima

(kA)
Item

(A)
Tipo C

A terra e entre

A terra e entre
Entre contatos

Entre contatos

( V)
(kV)
Assimétrica

X/R=8 (A)
Simétrica

abertos

abertos
pólos

pólos
(A)

1 24,2 15,4
100 2000 1400 125 140 34 38 250 2 100 cinza
2 34,5 23

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 33


TABELA 3

LIMITES DE ELEVAÇÃO DE TEMPERATURA

Valores Máximos
Natureza do Elemento (Ver notas 1 e 10) Temperatura Elevação de temperatura para
(ºC) ambiente não excedendo 40ºC
1. Contato:(Ver notas 2 e 10)
1.1 Cobre nu ou liga de cobre nua 75 35
1.2 Prateados ou niquelados (Ver Nota 3) 105 65
1.3 Estanhados (Ver nota 3) 90 50
2. Conexões aparafusadas ou equivalentes (Ver nota 4)
2.1 Cobre nu, liga de cobre nua ou equivalente 50
90
(Ver nota 4) 75
115
2.2 Prateadas ou niqueladas 65
105
2.3 Estanhadas
3. Terminais para conexão a condutores externos através de
parafusos (Ver nota 5)
3.1 Nus 90 50
3.2 Prateados, niquelados ou estanhados 105 65
4. Outras partes condutoras de corrente Ver notas 7, 8 e 9
5.Partes metálicas atuando como molas Ver Nota 6
6. Materiais isolantes e partes metálicas em contato com
isolantes das seguintes classes (Ver notas 7 e 8)
-Y (para materiais não impregnados) 90 50
-A 105 65
-E 120 80
-B 130 90
-F 155 115
-H 180 140

Notas:
1) Segundo a sua função, a mesma parte pode pertencer a diversas categorias
listadas nesta tabela. Neste caso, os valores máximos permissíveis de
temperatura e de elevação de temperatura a serem considerados são os menores
entre as categorias correspondentes.
2) Quando parte do contato têm revestimentos diferentes, as temperaturas e as
elevações de temperatura permissíveis devem ser aquelas da parte que tem o
menor valor permitido nesta tabela.
3) A qualidade do revestimento dos contatos deve ser tal que uma camada de
material de revestimento permaneça na área de contato após os seguintes
ensaios:
- interrupção;
- resistência mecânica.
Caso contrário, os contatos devem ser considerados nus.
4) Quando as partes de conexão têm diferentes revestimentos, as temperaturas e
elevações de temperatura permissíveis devem ser aquelas da parte que tem o
maior valor permitido nesta tabela.
5) Os valores de temperatura e de elevação de temperatura são válidos ainda que o
condutor conectado aos terminais seja nu.
6) A temperatura não deve alcançar um valor que comprometa as propriedades
físicas do material.
7) As classes de material isolante são as da norma NBR 7034.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 34


8) Na determinação das temperaturas dos materiais isolantes deve ser considerado
que diversas partes dos elos fusíveis tem contato direto ou com seus tubinhos
protetores ou com as partes internas do porta-fusível.
Onde aplicável considera-se como temperatura do material isolante aquela da
parte condutora vizinha. A título de referência, materiais como fibra vulcanizada
(classe A) são utilizados no revestimento interno do porta-fusível e do tubo
protetor do elo fusível e laminados de fibra de vidro (classe B) no tubo porta-
fusível.
9) As temperaturas das partes condutoras não devem atingir valores que alterem as
propriedades elásticas e elétricas do material.
10) Se forem utilizados outros materiais tais como níquel, cádmio, etc, as
propriedades destes materiais devem ser levadas em consideração.

TABELA 4

VALORES DE REFERÊNCIA PARA OS ENSAIOS DE CAPACIDADE DE


INTERRUPÇÃO EM DISPOSITIVOS FUSÍVEIS (Classe 2)

GRUPOS DE ENSAIOS
PARÂMETROS
Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Grupo 4 Grupo 5
Tensão de restabelecimento
Tensão nominal (Tolerância + 5 %, - 0 %)
de freqüência Industrial
Freqüência natural da tensão
de restabelecimento Ver Tabela 5
transitória (Ver nota 3) Não aplicável
Fator de amplitude
de 1,3 a 1,4 1,6 a 1,7
(Ver nota 3)
De 0,2.I
I (tolerância De 0,7.I De 400A a De 2,7.In 3,3.In
Corrente presumida simétrica a
de+5% a 500A com o mín. de 15A
(Valor eficaz) 0,3.I
- 0%) 0,8.I (notas 1/2) (respeitada a nota 1)
(nota 4)
Fator de potência Ver Tabela 5 0,6 a 0,8
1º ensaio: 20
Ângulo do fechamento 1º ensaio: -5 a +15 Para todos
a 30
relativo ao zero da tensão 2º ensaio: 85 a 105 os ensaios Indiferente
2º ensaio: 60
(em Graus) 3º ensaio: 130 a 150 85 a 105
a 70
Corrente nominal do elo
fusível (In) Mín. Máx. Mín. Máx. Mín. Máx. Mínimo Mínimo
(notas 7, 8 e 9)
Número de ensaios 3 3 3 3 1 1 2 2
Número de elos fusíveis
ensaiados para cada 3 3 3 3 2 4
porta-fusível
Número de porta-fusíveis 1 1 1 1 1 1
Número máx. de bases
1 1 1 1 1 1
(nota 5)

Notas:
1) Se o tempo de interrupção for apreciavelmente maior que 2 s, o ensaio
deve ser feito com uma corrente que forneça um tempo de interrupção de
aproximadamente 2 s.
2) Se esses valores forem menores do que os do grupo 5, os ensaios do grupo
5 não são necessários.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 35


3) Em condições normais de serviço é esperado que os valores de freqüência
natural e do fator de amplitude não excedam os valores especificados.
Porem os valores da freqüência natural e do fator de amplitude podem
exceder os da tabela, como por exemplo, no caso de dispositivos fusíveis
próximos de transformadores com potência elevada quando não existir a
condição de paralelismo. Nestes casos o fabricante deve ser consultado.
4) O grupo de ensaios 3 não necessita ser realizado quando a chave fusível
tiver capacidade de interrupção simétrica menor ou igual a 2.800 Aef.
5) O número total de bases utilizado deve ser indicado no relatório de ensaios.
6) Para chaves fusíveis de distribuição (classe 2) o elo de mínima corrente
nominal é do tipo 6 K para porta-fusíveis de capacidade de interrupção de
7,1 kAef simétrica e 140 K para porta-fusíveis de 200 A.
7) Para chaves fusíveis de distribuição (classe 2) os elos de máxima corrente
nominal são os do tipo 100 T para porta-fusíveis de 100 A e 200 T para
porta-fusíveis de 200 A.
8) Para chaves fusíveis de distribuição (classe 2) com capacidades de
interrupção (I) até 1,4 kAef simétricos deve-se utilizar como elo de mínima
corrente nominal o do tipo 2H.

TABELA 5

VALORES DA FREQÜÊNCIA NATURAL DE OSCILAÇÃO DA TENSÃO DE


RESTABELECIMENTO TRANSITÓRIA E DOS MÁXIMOS VALORES DE
COS ϕ DO CIRCUITO DE ENSAIOS

Freqüência natural de
Tensão máxima Capacidade de
Classe do
oscilação Valores máximos de cos ϕ
do equipamento interrupção (kHz + 10 - 0%)
dispositivo
(kVef) simétrica Grupos
fusível Grupo ensaio Grupos ensaios Grupo ensaio
(kAef) ensaios
4 1a3 4
1a3
1,0 a 7,1 0,12
15 2,3 24 0,50
2
0,6 a 13,2 0,08
36,2 1,3 a 5,0 1,5 10 0,07 0,3

TABELA 6

ESPESSURA DA CAMADA DE ZINCO

ESPESSURA MÍNIMA
µm)

TIPO DE PEÇA
PEÇA MÉDIA DAS
INDIVIDUAL PEÇAS
Laminadas e estampadas com
70 80
espessura de até 6 mm, inclusive
Laminadas e estampadas com
80 90
espessura superior a 6 mm
Parafusos, porcas e arruelas 40 50

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 36


TABELA 7

TORQUE EM PARAFUSOS

Torque de instalação Torque de ensaio


Bitola
daN.m daN.m
M10 3,0 3,6
M12 4,7 5,64

TABELA 8

PLANOS DE AMOSTRAGEM PARA OS ENSAIOS DE RECEBIMENTO

Medição da resistência
Verificação dimensional ôhmica, zincagem,
e tensão suportável de resistência mecânica do
Tamanho Inspeção geral
freqüência industrial a gancho e olhal, absorção
seco de água pelo tubo
do
do porta-fusível
Amostragem dupla, Amostragem dupla, Amostragem dupla,
lote
nível I, NQA 2,5 % nível I, NQA 1,0 % nível S4, NQA 1,5%
Amostra Amostra Amostra
Ac Re Ac Re Ac Re
Seqüência Tam. Seqüência Tam. Seqüência Tam
Até 150 - 5 0 1 - 13 0 1 - 8 0 1
1ª 13 0 2
151 a 500 - 13 0 1 - 8 0 1
2ª 13 1 2
1ª 20 0 3 1ª 32 0 2 1ª 20 0 2
501 a 1.200
2ª 20 3 4 2ª 32 1 2 2ª 20 1 2
1ª 32 1 4 1ª 32 0 2 1ª 20 0 2
1.201 a 3.200
2ª 32 4 5 2ª 32 1 2 2ª 20 1 2
1ª 50 2 5 1ª 50 0 3 1ª 20 0 2
3.201 a 10.000
2ª 50 6 7 2ª 50 3 4 2ª 20 1 2

Notas:
1) Ac: numero de chaves fusíveis defeituosas que ainda permite a
aceitação do lote.
Re: numero de chaves fusíveis defeituosas que implica na rejeição do
lote.
2) Se a amostra requerida for igual ou superior ao número de unidades de
produto constituinte do lote, efetuar inspeção cem por cento.
3) Para amostragem dupla, o procedimento é o seguinte: é ensaiado um
número inicial de unidades igual ao da primeira amostra obtida nesta
tabela. Se o número de unidades defeituosas encontradas estiver
compreendido entre Ac e Re (excluindo estes valores), deve ser
ensaiada a segunda amostra. O total de unidades defeituosas
encontradas depois de ensaiadas as duas amostras deve ser igual ou
inferior ao maior Ac especificado.
4) Para amostragem dos ensaios de operação mecânica, elevação de
temperatura, choques térmicos e verificação do prateamento, ver 8.3.2.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 37


ANEXO C

PRESCRIÇÕES PARA O ENSAIO DE


ELEVAÇÃO DE TEMPERATURA

C.1 CORPO DE PROVA

A unidade sob ensaio deve ter todos os componentes como especificado pelo
fabricante, e estar equipada com o elo fusível de valor de corrente nominal máxima
aplicável ao porta-fusível, ou com um condutor de seção nominal correspondente à
corrente nominal da chave fusível, conforme indicado na tabela abaixo.

C.2 DISPOSIÇÃO PARA ENSAIO

O ensaio deve ser efetuado em laboratório fechado, livre de corrente de ar, exceto
aquelas que correspondam ao efeito da convecção vertical natural gerada pelo
aquecimento dos materiais condutores.

A chave fusível deve ser montada na posição mais desfavorável e conectada ao


circuito de ensaio por barramentos de condutores de cobre nu, de comprimento
aproximado igual a 1.000 mm e bitola conforme especificado na tabela abaixo.

O ensaio deve ser efetuado com a corrente nominal da chave fusível e a uma
freqüência entre 58 e 62 Hz durante um período de tempo suficientemente longo para
que o aumento de temperatura atinja um valor constante (para efeito prático, esta
condição é considerada como obtida quando a variação da temperatura não exceder
1ºC por hora).

A temperatura do ar ambiente não deve ser inferior a 10ºC e nem maior do que 40ºC
durante o ensaio.

Nenhuma correção deve ser aplicada para qualquer temperatura do ar ambiente


compreendida entre estes limites.

A elevação de temperatura das diversas partes da chave fusível não deve exceder os
valores especificados na Tabela 2.

C.3 MEDIÇÃO DE TEMPERATURA

A temperatura deve ser tomada em pontos acessíveis e mais quentes das várias partes
da chave fusível para as quais são especificados os limites.

As temperaturas das partes da chave fusível, para os quais os limites são


especificados, devem ser determinados com dispositivos tais como termopares, ou
elementos de contato colocados e fixados ao ponto mais quente, acessível, de forma
a propiciar boa condução de calor.

No caso de se utilizar termômetros de contato, o elemento sensor deve ser localizado


e fixado de maneira a se obter uma boa condução de calor dos pontos mais quentes.
O bulbo do termômetro, se utilizado, deve ser convenientemente protegido de
resfriamento através de uma cobertura de material térmico.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 46


A área protegida deve ser desprezível em comparação com a superfície de
resfriamento na qual o termômetro é fixado.

A temperatura do ar ambiente deve ser medida durante o último quarto do período de


ensaio e ser a média de três leituras, tomadas com termômetros ou termopares
localizados a uma distância de aproximadamente 1 m da chave fusível. É admissível
usar uma chave fusível adicional, de fabricação igual a da chave fusível sob ensaio,
uma cuba de óleo ou qualquer outro meio conveniente para determinação da
temperatura ambiente.

Todas as precauções devem ser tomadas para reduzir as variações e os erros devido à
inércia térmica da chave fusível em relação às modificações na temperatura do ar
ambiente.

SEÇÃO DOS CONDUTORES DE COBRE PARA O ENSAIO


DE ELEVAÇÃO DE TEMPERATURA

Corrente nominal do porta-fusível Seção dos condutores


(A) (mm²)
In ≤ 100 50
100< In ≤ 200 120

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 47


ANEXO D

QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS GARANTIDAS

Nome do fabricante: ________________________________________


Nº da licitação: ____________________________________________
Nº da proposta: ____________________________________________

CARACTERÍSTICA
ITEM DESCRIÇÃO
UNIDADE
1. Tipo e/ou modelo da chave fusível:
1.1 Classe da chave fusível
1.2 Protótipo aprovado na CELG (1) ( ) Sim ( ) Não
2. Base:
2.1 Tensão Nominal kV
2.2 Tensão máxima de operação kV
2.3 Tensão suportável nominal de impulso atmosférico kV
2.4 Corrente nominal A
2.5 Capacidade de interrupção assimétrica nominal kA
3. Porta-fusível:
3.1 Corrente nominal A
3.2 Capacidade de interrupção assimétrica nominal kA
3.3 Material do tubo mm
3.4 Diâmetro interno do tubo mm
3.5 Material do revestimento interno do tubo
3.6 Espessura da parede do tubo com respectiva tolerância mm
3.7 Espessura do revestimento interno do tubo com respectiva tolerância mm
4. Temperatura máxima admissível
4.1 Contatos ºC
4.2 Terminais ºC
4.3 Materiais isolantes ou materiais em contato com componentes isolantes ºC
5. Espessura do prateamento µm
6. Indentificação: especificar quais as informações constantes nas
identificações localizadas na base e no porta-fusível
7. Ensaios de tipo: apresentar, anexo à proposta, cópia de certificados dos
seguintes ensaios efetuados em chaves idênticas às ofertadas:
7.1 Tensão suportável de impulso atmosférico
7.2 Tensão suportável à freqüência industrial sob chuva
7.3 Radiointerferência
7.4 Capacidade de interrupção
7.5 Impacto no suporte de fixação da chave
7.6 Análise química da liga de cobre
7.7 Resistência mecânica do isolador
7.8 Rigidez dielétrica transversal do revestimento externo do tubo do porta-fusível
7.9 Tensão suportável longitudinal do revestimento externo do tubo porta-fusível
8. Identificação do isolador: especificar nome do fabricante do isolador da
chave fusível

Notas:
1) Os relatórios devem ser preenchidos em papel timbrado pelo órgão
responsável, terem sido executados a, no máximo, 5 anos e conter, no
mínimo, as seguintes informações:
- condições de ensaios;
- normas utilizadas;
- características técnicas dos instrumentos e padrões utilizados;
- descrição da metodologia empregada na realização dos ensaios;
- diagramas elétricos;
NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 48
- resultados dos ensaios.
2) Se o fabricante tiver protótipo aprovado pela CELG não será necessário
anexar os relatórios constantes do item 7, caso contrário, apresentar os
relatórios de ensaios efetuados em laboratório conforme nota 8, em
chaves idênticas às ofertadas, sob pena de desclassificação.
3) O fabricante deve fornecer em sua proposta todas as informações
requeridas no Quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas.
4) Se o fabricante submeter propostas alternativas cada uma delas deve ser
submetida com o quadro de dados técnicos e características garantidas
específico, claramente preenchido e devidamente marcado para indicar
a qual proposta ele pertence. Deverá ser feita também uma descrição
sucinta dos desvios principais com relação à proposta básica.
5) Erro de preenchimento no quadro poderá ser motivo para
desclassificação.
6) Todas as informações requeridas no quadro devem ser compatíveis com
todas as informações descritas em outras partes da proposta de
fornecimento. Em caso de dúvidas as informações prestadas no quadro
prevalecerão sobre as descritas em outras partes da proposta.
7) O fabricante deve garantir que a performance e as características dos
equipamentos a serem fornecidos estarão em conformidade com as
informações aqui prestadas.
8) Todos os ensaios referidos no item 7 devem ser realizados por um dos
seguintes órgãos:
- laboratórios governamentais;
- laboratórios credenciados pelo governo do país de origem;
- laboratórios de entidades reconhecidas internacionalmente;
- laboratório do fornecedor na presença do inspetor da CELG.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 49


ANEXO E

QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES

Nome do fabricante: ________________________________________


Nº da licitação: _____________________________________________
Nº da proposta: _____________________________________________

A documentação técnica de licitação será integralmente aceita pelo proponente à exceção dos
desvios indicados neste item.

REFERÊNCIA DESCRIÇÃO SUCINTA DOS DESVIOS E EXCEÇÕES

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 50


ANEXO F

COTAÇÃO DE ENSAIOS DE TIPO

Nome do fabricante: ________________________________________


Nº da licitação: _____________________________________________
Nº da proposta: _____________________________________________

Item Ensaio Preço


1 Tensão suportável nominal de impulso atmosférico
2 Tensão suportável à freqüência industrial sob chuva
3 Radiointerferência
4 Capacidade de interrupção
5 Impacto no suporte de fixação da chave
6 Análise química da liga de cobre
7 Resistência mecânica do isolador
Rigidez dielétrica transversal do revestimento externo do tubo
8
do porta-fusível
Tensão suportável longitudinal do revestimento externo do tubo
9
porta-fusível

Nota:
O preenchimento deste quadro somente é obrigatório quando exigido no edital
de licitação.

NTC-12 / DT – SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 51