Você está na página 1de 7

TESTE DE AVALIAÇÃO 4 – 10º ANO

Escola_____________________________________________________ Data ___/ ___/ 20__

Nome______________________________________________________ N.o____ Turma_____

GRUPO I

Apresente as suas respostas de forma bem estruturada.

PARTE A

Leia o seguinte poema.

Quando se vir com água o fogo arder,


e misturar co dia a noite escura,
e a terra se vir naquela altura
em que se vem os Céus prevalecer;

5 O Amor por razão mandado ser,


e a todos ser igual nossa ventura,
com tal mudança, vossa fermosura
então a poderei deixar de ver.

Porém não sendo vista esta mudança


10 no mundo (como claro está não ver-se),
não se espere de mim deixar de ver-vos.

Que basta estar em vós minha esperança,


o ganho de minh’ alma, e o perder-se,
14 para não deixar nunca de querer-vos.

Luís de Camões, Rimas. Texto estabelecido e prefaciado por


Álvaro J. da Costa Pimpão, Coimbra, Almedina, 2005 [1994].

1. Divida, justificadamente, o poema em partes lógicas.

2. Explique de que modo se torna visível no poema o tema da mudança e do desconcerto do


mundo.

3. Clarifique o sentido da expressão que se encontra entre parênteses no verso 10 “(como


claro está não ver-se)”, relacionando-a com o conteúdo do segundo terceto.

©Edições ASA | 2018-2019 – Projeto SENTIDOS Página 1


TESTE DE AVALIAÇÃO 4 – 10º ANO

PARTE B

Leia o seguinte texto e consulte o vocabulário.

Soarom as vozes do arroido pela cidade ouvindo todos braadar que matavom o Meestre; e
assi como viuva que rei nom tiinha, e como se lhe este ficara em logo 1 de marido, se moverom
todos com mão armada, correndo a pressa pera u2 deziam que se esto fazia, por lhe darem vida
e escusar morte. Alvoro Paaez nom quedava3 d‘ ir pera alá4, braadando a todos:
5 – Acorramos ao Meestre, amigos, acorramos ao Meestre que matam sem por quê!
A gente começou de se juntar a ele, e era tanta que era estranha cousa de veer. Nom
cabiam pelas ruas principaes, e atravessavom logares escusos, desejando cada uũ de seer o
primeiro; e preguntando uũs aos outros quem matava o Meestre, nom minguava 5 quem
responder que o matava o Conde Joam Fernandez6, per mandado da Rainha.
10 E per voontade de Deos todos feitos duũ coraçom7 com talente8 de o vingar, como forom9
aas portas do Paaço que eram já çarradas, ante que chegassem, com espantosas palavras
começarom de dizer:
– U matom o Meestre? que é do Meestre? quem çarrou estas portas?
Ali eram ouvidos braados de desvairadas maneiras. Taes i havia que certeficavom que o
15 Meestre era morto, pois as portas estavom çarradas, dizendo que as britassem10 pera entrar
dentro, e veeriam que era do Meestre, ou que cousa era aquela.
Deles11 braadavom por lenha, e que veesse lume pera poerem fogo aos Paaços, e queimar o
treedor12 e a aleivos13. Outros se aficavom14 pedindo escaadas pera sobir acima, pera veerem
que era do Meestre; e em todo isto era o arroido atam grande que se nom entendiam uũs com
20 os outros, nem determinavom neũa cousa. E nom soomente era isto aa porta dos Paaços, mas
ainda arredor deles per u homeũs e molheres podiam estar. Ũas viinham com feixes de lenha,
outras tragiam carqueija pera acender o fogo cuidando queimar o muro dos Paaços com ela,
dizendo muitos doestos15 contra a Rainha.

Fernão Lopes, in Teresa Amado (apresentação crítica), Crónica de D. João I de Fernão Lopes
(textos escolhidos), ed. revista, Lisboa, Editorial Comunicação, 1992 [1980].
Vocabulário:
1em lugar de; 2onde; 3não parava; 4lá; 5não faltava; 6Conde João Fernandes Andeiro, nobre galego, amante da

rainha e por ela nomeado conde de Ourém; 7todos feitos duũ coraçom: todos animados pela mesma coragem;
8 desejo; 9 como forom: logo que chegaram; 10 arrombassem; 11 alguns deles; 12traidor; 13adúltera; alusão a

D. Leonor Teles; 14insistiam; 15insultos.

4. Refira, exemplificando, dois recursos usados pelo cronista para evidenciar a ação levada a
cabo pelo povo neste episódio.

5. Demonstre que o povo age como uma personagem coletiva na defesa do Mestre.

©Edições ASA | 2018-2019 – Projeto SENTIDOS Página 2


TESTE DE AVALIAÇÃO 4 – 10º ANO

GRUPO II

Nota introdutória ao texto:


Numa entrevista de António José Teixeira sobre o estado do mundo e a ordem internacional,
o entrevistado, Durão Barroso, emite a seguinte opinião.

A perceção que temos do mundo é cada vez mais a de incerteza, fluidez, divergência,
diferenciação, conflito, complexidade, imprevisibilidade.
Daí essa sensação de que o mundo está mais perigoso. Em termos quantitativos, as
tragédias que hoje vivemos provocam um número de vítimas ainda longe dos aterradores
5 números do século XX, das duas guerras mundiais, que tiveram na Europa a sua génese.
E a desordem ou o “desconcerto” do mundo não são ideias novas. Basta lembrarmos
como Camões se referiu a ele... Mas hoje existe uma perceção de perigo talvez mais iminente,
dada a existência de meios de comunicação instantânea de massas, a globalização e novos
fenómenos, como a apologia de crimes violentos, o autossacrifício de elementos fanatizados,
10 que espalham o terror nas populações civis. Ou seja, alguns critérios clássicos da guerra foram
postos em causa. Fala-se de guerras híbridas, não declaradas. Contudo, se considerarmos os
indicadores de desenvolvimento económico e social, verificamos que o mundo tem feito
progressos notáveis na luta contra a fome, a pobreza extrema, a mortalidade infantil, e no
crescimento de esperança de vida, tal como na capacidade de combater doenças que até há
15 pouco tempo eram fatais. Mas, embora muita gente tenha saído da pobreza extrema (caso da
China), a verdade é que as desigualdades não diminuíram, aumentaram, nomeadamente nos
EUA e na Europa, mas também na própria China.
A perceção da injustiça é outro aspeto a ter em conta. De um modo geral, o que está em
causa é a inexistência de uma ordem política da globalização. Após a ordem (terrível, mas
20 ordem de qualquer modo) da Guerra Fria e dos chamados equilíbrios do terror pela
ameaça de destruição nuclear recíproca, seguiu-se a ilusão da paz com a hiperpotência
americana. Descobre-se hoje que, na realidade, o mundo é ainda mais perigoso quando
nenhuma superpotência faz valer a sua hegemonia de modo inequívoco.
Está ainda por construir a ordem política da globalização, a ordem do século XXI. Essa deve
25 ser a principal tarefa dos estadistas deste início de século. Estamos num momento de
transição e daí esta ansiedade que se nota em tantas das nossas atitudes.

https://www.ffms.pt/artigo/1210/congelar-schengen-seria-a-vitoria-do-terror (excerto de uma entrevista de


António José Teixeira a Durão Barroso – “Congelar Schengen seria a vitória do terror”)

1. De acordo com o conteúdo do texto,


(A) o mundo está mais perigoso agora, na segunda década, do que no início do século.
(B) o século XXI vem apresentando uma redução de conflitos a nível mundial, que se
acentua na segunda década.
(C) a celeridade da comunicação social acentua a ideia de que o século XX foi mais
conflituoso do que está a ser o século XXI.
(D) a celeridade da comunicação social acentua a ideia de que o século XX foi menos
conflituoso do que está a ser o século XXI.

©Edições ASA | 2018-2019 – Projeto SENTIDOS Página 3


TESTE DE AVALIAÇÃO 4 – 10º ANO

2. Apesar de haver exceções, de modo global,


(A) o flagelo social da fome e da pobreza, em todo o mundo, está hoje menor do que no
passado, embora continue a haver desigualdades.
(B) as guerras foram erradicadas, na Europa, no entanto, mantêm-se as desigualdades a
nível mundial.
(C) a Europa fez progressos a nível social, pelo que as desigualdades sociais só se mantêm
na China e nos EUA.
(D) O desenvolvimento económico e social estagnou na Europa e diminuiu na China e nos
EUA.

3. O segmento sublinhado em “o mundo está mais perigoso” (l. 3) desempenha a função


sintática de
(A) modificador do nome apositivo.
(B) modificador do nome restritivo.
(C) predicativo do sujeito.
(D) sujeito.

4. A oração “que hoje vivemos” (l. 4) classifica-se como


(A) subordinada adjetiva relativa restritiva.
(B) subordinada adverbial causal.
(C) subordinada substantiva completiva.
(D) subordinada adverbial consecutiva.

5. O termo “iminente” (l. 7), no contexto em que surge, significa


(A) frequente.
(B) fraco.
(C) próximo.
(D) raro.

6. O conector “Contudo” (l. 11) introduz no discurso a ideia de


(A) consequência.
(B) conclusão.
(C) concessão.
(D) oposição.

7. O processo fonológico que se verifica na evolução do termo latino VITA- para “vida” (l. 14)
chama-se
(A) assimilação.
(B) sonorização.
(C) sinérese.
(D) prótese.

©Edições ASA | 2018-2019 – Projeto SENTIDOS Página 4


TESTE DE AVALIAÇÃO 4 – 10º ANO

8. Classifique a oração “embora muita gente tenha saído da pobreza extrema (caso da China)”
(ll. 15-16).

9. Transcreva o referente do pronome “ele”, presente em “Basta lembrarmos como Camões


se referiu a ele...” (ll. 6-7).

10. Construa um campo lexical de “desgraça”, selecionando vocabulário (4 palavras) entre as


linhas 11 e 15.

GRUPO III

Segundo Fernando Pessoa, “Ser descontente é ser homem”, o que significa que a mudança
se torna premente na vida humana.

Recorde o estudo das obras Farsa de Inês Pereira e Crónica de D. João I.

Redija um texto expositivo, entre 130 e 150 palavras, onde comprove a veracidade desta
afirmação, refletindo sobre o comportamento das personagens Inês Pereira e o Povo.

COTAÇÕES

GRUPO
I 1. 2. 3. 4. 5.
20 20 20 20 20 100
II 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10.
6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 60
III Item único
40

Total 200

©Edições ASA | 2018-2019 – Projeto SENTIDOS Página 5


TESTE DE AVALIAÇÃO 4 – 10º ANO

Proposta de correção

GRUPO I

PARTE A

1. O poema pode ser dividido em três partes lógicas; na primeira, que compreende as duas quadras,
o sujeito poético aponta as transformações que deveriam acontecer na Natureza e no mundo para
que deixasse de sentir amor pelo destinatário da composição poética. Na segunda parte, que
corresponde ao primeiro terceto, o sujeito poético afirma que, enquanto as transformações
referidas não se verificarem, ele não deixará de a amar. Finalmente, no último terceto, o sujeito
poético aponta as razões que o prendem à mulher amada.

2. O tema do desconcerto do mundo e da mudança são observáveis nas transformações sugeridas pelo
“eu” na primeira e na segunda estrofes, nomeadamente, a água não apagar o fogo (v. 1), a noite e o
dia unirem-se num só (v. 2), a terra “subir” até ao lugar onde está o “céu” (vv. 3 e 4) e a razão
comandar o amor (v. 5).

3. A expressão que se encontra entre parênteses mostra a certeza do sujeito poético de que as
mudanças referidas não acontecerão e, portanto, como tudo continuará igual, no último terceto o
eu poético reforça a sua convicção no amor pela dama, até porque ela é a sua esperança, a sua dor e
o bem da sua alma. Estabelece-se, portanto, entre o segmento parentético e o conteúdo do último
terceto, uma relação de consequência.

PARTE B

4. A visualização da ação do povo é possível através do realismo descritivo. A utilização de recursos tais
como o emprego do gerúndio (“ouvindo”, “preguntando”, “pedindo”), o recurso às sensações visuais
(“era estranha cousa de veer”) e auditivas (“ouvindo todos braadar”, “braadando a todos”, “Ali eram
ouvidos braados”), que, associadas aos verbos de movimento (“se moverom todos”), permitem
“ver” e “ouvir” a movimentação, a agitação e os gritos do povo. Pode-se referir ainda a utilização
expressiva da pontuação, nomeadamente as interrogações, que expressa a dúvida do povo e a
vontade de acudir ao Mestre.

5. O povo demonstra-se decidido a salvar o Mestre e isso vê-se no modo como se junta e participa
unido ativamente, como de uma só personagem se tratasse. Através de ações concertadas, os
populares unem-se, cada qual fazendo a sua tarefa, mas todos contribuindo para a consecução de
um objetivo comum. De acordo com o narrador, muniram-se de utensílios que facilitassem o acesso
ao Paço e a salvação do Mestre, ainda que fosse necessário incendiá-lo ou até matar Leonor Teles e
o Conde Andeiro.

GRUPO II

1. (D); 2. (A); 3. (C); 4. (A); 5. (C); 6. (D); 7. (B).


8. Oração subordinada adverbial concessiva.
9. “[d]o mundo” (l. 3).
10. “guerra”, “fome”, “pobreza”, “mortalidade”.

©Edições ASA | 2018-2019 – Projeto SENTIDOS Página 6


TESTE DE AVALIAÇÃO 4 – 10º ANO

GRUPO III

Ao longo da sua vida, o ser humano depara-se com situações perante as quais deve decidir se
mantém a ordem estabelecida, ou seja, a tradição, ou se, pelo contrário, deve optar pela mudança.
Esta situação pode ser verificada tanto na personagem Inês Pereira como na personagem Povo. Inês
Pereira, ao desejar casar com um homem bem-falante e que soubesse “tanger viola”, contraria a
tradição da rapariga do povo, afrontando até tanto a mãe como a casamenteira Lianor Vaz, que,
conscientes do perigo que tal mudança podia acarretar, tentam aconselhar a jovem a seguir a tradição.
Neste caso, a mudança acabou por ser traiçoeira para Inês.
Pelo contrário, o Povo, ao aperceber-se da mudança a que estaria sujeito, se o Mestre fosse,
efetivamente morto, uniu-se, muniu-se de utensílios vários e, demonstrando união e uma enorme força
de vontade, liderado por Álvaro Pais, acorreu ao palácio para defender aquele que lhe permitiria manter
a independência.
(153 palavras)

©Edições ASA | 2018-2019 – Projeto SENTIDOS Página 7