Você está na página 1de 38

Condicionamento de Sinais

Analógicos

pereiraalexs@gmail.com
Alex S. Pereira
Sumário

1. Princípios do condicionamento analógico

2. Circuitos passivos

2/43
Sumário
1. Princípios do condicionamento analógico 4
- Mudança de zero e amplitude,
- Linearização

1. Circuitos passivos 26

3/43
Princípios do condicionamento analógico

• Um sensor mede uma grandeza convertendo a informação da grandeza


em um correspondente sinal elétrico.

• A vantagem é que cada tipo de grandeza física dinâmica irá influenciar


certa característica de algum material, mediante alguma circunstância
natural.

• Há pouca escolha quanto ao tipo ou ao limite de proporcionalidade.

4/43
Princípios do condicionamento analógico

• Deve-se aprender a empregar o respectivo componente de medição


dentro da faixa relacionada apenas.

• O efeito do condicionamento de sinal é conhecido como função de


transferência do sinal de entrada.

• Um simples amplificador de tensão tem uma função de transferência


equivalente a alguma constante, que multiplicada pela tensão de entrada,
resulta na tensão de saída.

5/43
Princípios do condicionamento analógico
Mudança de zero e amplitude
• Considere um sensor com saída de tensão que pode variar de 0.2 a 0.6 V
à medida que alguma variável de processo varia em uma determinada
faixa de medição.

• O equipamento onde a saída do sensor deve ser conectada precisa de


uma tensão que varie de 0 a 5 V para a mesma variação da variável de
processo.

• O primeiro condicionamento de sinal é que o zero ocorra quando a saída


do sensor for 0.2 V, fazendo um deslocamento de zero (bias) de -0.2 V.

6/43
Princípios do condicionamento analógico
Mudança de zero e amplitude

• A tensão irá variar de 0 a 0.4V, mas falta amplificar (multiplicar) por 12.5
para que a saída varie de 0 a 5V.

• Em alguns casos é necessário reduzir a saída, ou seja, atenuar, embora o


circuito também seja chamado de amplificador, porém com um ganho<1.

• Ao projetar circuitos de zero e amplificadores, deve-se levar em conta


problemas como resposta em frequência, impedância de entrada e saída.

7/43
Princípios do condicionamento analógico
Linearização

• Os dispositivos aproximadamente lineares podem apresentar problemas


quando são necessárias medições precisas.

• O projetista de controle de processos não tem muita escolha quanto à


característica do sensor de entrada e saída se ela não for linear.

• Tradicionalmente, circuitos analógicos especializados foram


implementados para se linearizar sinais.

8/43
Princípios do condicionamento analógico
Linearização
• Considere uma saída de sensor com variação não linear em relação à
grandeza do processo mostrada no gráfico da Figura.

9/43
Princípios do condicionamento analógico
Linearização
• Um circuito de linearização seria idealmente aquele que condicionasse a
saída do sensor de tal forma que a tensão variasse linearmente com a
grandeza do processo.

10/43
Linearização

• Circuitos de linearização são difíceis de se projetar, e geralmente operam


dentro de estreitos limites.

• A abordagem moderna deste problema é conectar o sinal não linear como


entrada de um computador para realizar a linearização mediante software.

• Na teoria qualquer não linearidade pode ser manipulada dessa forma e,


com a velocidade dos modernos computadores, é praticamente em tempo
real.

11/43
Princípios do condicionamento analógico
Conversões
• Em geral, o condicionamento de sinal é usado para converter um tipo de
variação elétrica em uma outra.

• Uma enorme classe de sensores relaciona a variação de resistência com


variações de uma grandeza dinâmica, sendo necessário converter essa
resistência em um sinal de tensão ou corrente.

• São usadas pontes quando a variação da resistência fracionária é pequena


e/ou amplificadores, cujos ganhos variam com a resistência.

12/43
Conversões
Transmissão de Sinal
• Um importante tipo de conversão é associada com o padrão de controle
de processos em transmitir, por fios, sinais de corrente com intensidades
de 4 a 20 mA.

• Deve-se converter níveis de resistência e tensão em nível de corrente


adequado em uma extremidade da transmissão, e converter a corrente de
volta em tensão na outra extremidade.

• O sinal de corrente é independente de variações de carga que não sejam


de condições de derivações acidentais que possam drenar alguma
corrente.

13/43
Conversões
Interface Digital
• O uso de computadores no controle de processos requer a conversão de
dados analógicos em formato digital mediante dispositivos de circuitos
integrados, conhecido como conversor analógico digital (ADC).

• A conversão do sinal analógico em geral é necessária de forma a adequar


o sinal às especificações do ADC.

• Exemplo: se o ADC precisar de uma tensão que varie entre 0 e 5 V, mas o


sensor fornecer um sinal que varie de 30 a 80 mV.

14/43
Princípios do condicionamento analógico
Filtragem e Casamento de Impedância
• Geralmente, sinais espúrios de considerável intensidade são presentes no
ambiente industrial, como os sinais de rede em 60 Hz.

• Transitórios de partida de motor também podem causar pulsos e outros


sinais indesejáveis na malha de controle do processo.

• Deve-se usar filtros passa altas, passa baixas ou sintonizados, para


eliminar os sinais indesejáveis.

• Os filtros podem ser passivos com resistores, capacitores e indutâncias,


ou podem ser ativos, usando amplificação e realimentação.

15/43
Filtragem e Casamento de Impedância
Casamento de Impedância

• Elemento importante do condicionamento de sinal quando a impedância


interna do transdutor ou a impedância de linha possam causar erros na
medição de uma grandeza dinâmica.

• Ambos circuitos ativos e passivos são empregados.

16/43
Princípios do condicionamento analógico
Conceito de Carregamento
• Uma das maiores preocupações no condicionamento do sinal analógico é
o carregamento de um circuito pelo o outro, introduzindo incerteza na
amplitude de uma tensão conforme “caminha” pelo processo de medição.

• Considere que a saída em circuito aberto de algum elemento seja uma


tensão 𝑉𝑥 , quando a entrada do elemento for alguma grandeza 𝑥.

• Pode ser um sensor ou alguma parte do circuito de condicionamento de


sinal, como um circuito em ponte ou um amplificador.

• Circuito aberto significa que nada está conectado na saída.

17/43
Conceito de Carregamento
• O carregamento ocorre quando vai se conectar algo, uma carga, e a
tensão de saída do elemento cai para algum valor 𝑉𝑦 < 𝑉𝑥 , a depender da
carga.

• Quantitativamente, o teorema de Thévenin diz que os terminais de saída


de quaisquer elementos de dois terminais (bipolos) podem ser definidos
como uma fonte de tensão em série com uma impedância de saída.

• Este método é conhecido como o modelo do circuito equivalente de


Thévenin do elemento.

18/43
Conceito de Carregamento
• Note, na Figura, um elemento modelado como uma tensão 𝑉𝑥 e uma
resistência 𝑅𝑥 .

• Considere uma carga 𝑅𝐿 conectada na saída do elemento, podendo ser a


resistência de entrada de um amplificador, por exemplo.

• Uma corrente fluirá, e a tensão cairá com 𝑅𝑥 .

19/43
Conceito de Carregamento
• Pode-se mostrar que a tensão da saída carregada é dada por

(1)

• A tensão que aparece na carga é reduzida pela queda de tensão na


resistência interna.

• A Equação (1) mostra como os efeitos do carregamento pode ser reduzido.

• O objetivo é fazer com que 𝑅𝐿 seja bem maior do que 𝑅𝑥 , isto é, 𝑅𝐿 ≫ 𝑅𝑥 .

20/43
Conceito de Carregamento
Prática Avaliativa Exemplo 1
Um amplificador fornece uma tensão que é 10 vezes a tensão nos seus
terminais de entrada. Ele tem uma resistência de entrada de 10 k𝜴. Um
sensor fornece uma tensão proporcional à temperatura com uma função
de transferência de 20 mV/°C. O sensor tem uma resistência de saída de 5
k𝜴. Se a temperatura for 50°C, obtenha a saída do amplificador.

21/43
Prática Avaliativa Exemplo 1
Note a solução trivial representada no Slide 21, sendo que a saída em vazio
𝑚𝑉
do sensor é simplesmente 𝑉𝑇 = 20 50°𝐶 = 1 V.
°𝐶

Como o amplificador tem ganho 10, a saída do amplificador aparece sendo


𝑉𝑜𝑢𝑡 = 10𝑉𝑖𝑛 = 10 1.0 = 10 V. Mas está faltando o carregamento!

22/43
Prática Avaliativa Exemplo 1
Note a análise correta representada no Slide 22, onde se vê que haverá um
queda de tensão na resistência de saída do sensor.

A tensão real de entrada do amplificador será dada pela Equação (1),

onde 𝑉𝑇 = 1 V, de forma que 𝑉𝑖𝑛 = 0.67 V. Então, a saída do amplificador na


verdade será 𝑉𝑜𝑢𝑡 = 10 0.67 = 6.7 V.

Este conceito representa um papel importante no condicionamento de sinal


analógico.

23/43
Conceito de Carregamento
• Se a grandeza elétrica de interesse for a frequência ou um sinal digital,
então o carregamento não será um problema.

• Se houver sinal suficiente entregue após o carregamento para medir a


frequência ou distinguir zeros entre uns, não haverá erro.

• O carregamento é muito mais importante quando as amplitudes dos sinais


forem importantes.

24/43
Sumário
1. Princípios do condicionamento analógico 4

2. Circuitos passivos 26
- Divisor de Circuitos,
- Circuitos em Ponte,
- Ponte de Wheatstone,
- Galvanômetro,
- Resolução da Ponte.

25/43
Circuitos Passivos
• Circuitos em ponte e divisores de tensão são duas técnicas passivas que
têm sido amplamente usadas para condicionamento de sinal por muitos
anos.

• Embora em geral modernos circuitos ativos substituam essas técnicas,


ainda assim existem muitas aplicações onde suas vantagens são úteis.

• Circuitos em ponte são usados principalmente como um meio preciso na


medição de variações em impedâncias, sendo particularmente úteis
quando variações fracionárias na impedância são muito pequenas.

26/43
Circuitos Passivos
• Outro tipo comum de circuito passivo envolvido no condicionamento de
sinal é para filtrar frequências indesejadas no sinal de medição.

• É comum no ambiente industrial encontrar sinais que combinam o ruído


de alta e/ou baixa frequência juntamente com os dados de medição.

• Um transdutor pode converter a informação de temperatura numa tensão


CC, proporcional à temperatura.

27/43
Circuitos Passivos
• Devido às onipresentes linhas de potência CA, entretanto, poderá haver
uma tensão de ruído em 60 Hz combinado na saída, tornando a
determinação da temperatura uma tarefa difícil.

• Um circuito passivo feito de um resistor e um capacitor pode ser usado


para eliminar ambos ruídos de alta e baixa frequência sem alterar a
informação desejada do sinal.

28/43
Circuitos Passivos
Divisor de Circuitos
• Um divisor de tensão elementar pode ser usado para converter a variação
de resistência em variação de tensão

(2)

= fonte de alimentação
= resistores divisores

29/43
Divisor de Circuitos
• Tanto 𝑅1 quanto 𝑅2 pode ser o sensor cuja resistência varia com alguma
grandeza medida, mas vale ressaltar que:

1. A variação de 𝑉𝐷 tanto com 𝑅1 quanto com 𝑅2 é não linear, ou seja,


mesmo se a resistência variar linearmente com a grandeza medida, o
divisor de tensão não variará linearmente.

2. A impedância de saída efetiva do divisor é a combinação paralela de 𝑅1 e


𝑅2 , o que não sendo necessariamente alta, pode causar efeitos de
carregamento.

3. Em um divisor de circuito, a corrente flui por ambos os resistores, ou seja,


deve-se considerar a potência dissipada em ambos, incluindo o sensor.
30/43
Divisor de Circuitos
Prática Avaliativa Exemplo 2
O divisor do Slide 29 tem 𝑹𝟏 = 𝟏𝟎 k𝛀 e 𝑽𝑺 = 𝟓 V. Se 𝑹𝟐 for um sensor cuja
resistência varia de 4 a 12 k𝛀 conforme alguma variável dinâmica varia
dentro de um range. Encontre
a) o 𝑽𝑫 mínimo e máximo,
b) o range da impedância de saída, e
c) o range da potência dissipada por 𝑹𝟐 .

31/43
Prática Avaliativa Exemplo 1
a. A solução é dada pela Equação (2). Para 𝑅2 = 4 k𝛺, tem-se que

Para 𝑅2 = 12 k𝛺, a tensão é

Então, a tensão varia de 1.43 a 2.73 V.


b. O range da impedância de saída é encontrado da combinação paralela de
𝑅1 e 𝑅2 para o mínimo e máximo de 𝑅2 . O simples cálculo da resistência
paralela mostra que o range será de 2.86 a 5.45 k𝛺.
c. A potência dissipada pelo sensor pode ser determinada mais facilmente
de 𝑉 2 /𝑅2 , já que temos a tensão em 𝑅2 calculada. A potência dissipada
varia de 0.51 a 0.62 mW.
32/43
Circuitos em Ponte
• Circuitos em ponte são usados para medir resistência estática com
precisão e converter variações de impedância em variações de tensão.

• Uma vantagem é que pode ser projetado de tal forma que a tensão
produzida varie próxima do zero.

• A amplificação pode ser usada para aumentar o nível de tensão para uma
melhor sensibilidade à variação da impedância.

33/43
Circuitos em Ponte
Ponte de Wheatstone
• A ponte CC de Wheatstone é a mais simples e mais comum, onde D é o
detector de tensão usado para comparar os potenciais de tensão dos
pontos a e b do circuito.

34/43
Ponte de Wheatstone
• Em aplicações mais modernas, D é um amplificador diferencial de alta
impedância de entrada.

• Em alguns casos, D é um galvanômetro de alta sensibilidade com uma


impedância relativamente baixa, especialmente para aplicações de
calibração e instrumentos de medições casuais.

• Considerando a impedância de D infinita, a diferença de potencial ∆𝑉,


entre os pontos a e b é simplesmente

(3)

35/43
Ponte de Wheatstone
Mostra-se que a Equação (3) pode ser escrita

(4)

mostrando que ∆𝑉 será nula se


(5)

36/43
Ponte de Wheatstone
Prática Avaliativa Exemplo 3
Se uma ponte de Wheatstone for zero com 𝑹𝟏 = 𝟏𝟎𝟎𝟎 𝛀, 𝑹𝟐 = 𝟖𝟒𝟐 𝛀 e
𝑹𝟑 = 𝟓𝟎𝟎 𝛀, encontre o valor de 𝑹𝟒 .

Usando a Equação (5)

37/43
Ponte de Wheatstone
Prática Avaliativa Exemplo 4
Os resistores de uma ponte são dados por 𝑹𝟏 = 𝑹𝟐 = 𝑹𝟑 = 𝟏𝟐𝟎 𝛀, e 𝑹𝟒 =
𝟏𝟐𝟏 𝛀. Se a fonte for 10 V, encontre o offset de tensão.

Assumindo que a impedância do detector é bastante alta, encontra-se o


offset usando a Equação (4)

onde 𝑉𝑏 é maior do que 𝑉𝑎 .


38/43