Você está na página 1de 20

Máquinas Síncronas

pereiraalexs@gmail.com
Alex S. Pereira
Sumário 1. ASPECTOS CONSTRUTIVOS 4

2. A VELOCIDADE DE ROTAÇÃO 12

3. A TENSÃO INTERNA GERADA 14

2/33
Sumário
1. ASPECTOS CONSTRUTIVOS 4
- Excitatriz 7,
- Excitatriz Piloto 9,
- Excitatriz sem Escovas 10.

2. A VELOCIDADE DE ROTAÇÃO 12

3. A TENSÃO INTERNA GERADA 14

3/33
ASPECTOS CONSTRUTIVOS
• O campo magnético girante, produzido no rotor, induz um conjunto de
tensões trifásicas na armadura, ou seja, nos enrolamentos de estator.

• Veja um rotor de polos lisos com enrolamentos encaixados em ranhuras.

4/33
ASPECTOS CONSTRUTIVOS
• Veja um rotor de polos salientes com enrolamentos envolventes.

5/33
ASPECTOS CONSTRUTIVOS
• Sujeito a campos magnéticos variáveis, é construído com lâminas delgadas
para reduzir as perdas por corrente parasita.

• O campo magnético pode se obtido por imã permanente, mas se for por
eletroímã, pode ser mediante:

1. Fonte montada no eixo (excitatriz), ou

2. Escovas e anéis coletores (deslizantes), porém o pó e o desgaste das


escovas deve ser verificado regularmente. Além disso, a queda de tensão
nas escovas pode causar perdas de potência.

6/33
Excitatriz

7/33
Excitatriz
• Observe a eletrônica de retificação visível próxima da armadura da
excitatriz.

8/33
Excitatriz
Piloto

9/33
Excitatriz sem
escovas
O desenho mostra
um rotor de oito
polos salientes, um
estator com
enrolamentos
distribuídos de dupla
camada e uma
excitatriz sem
escovas.

10/33
Sumário
1. ASPECTOS CONSTRUTIVOS 4

2. A VELOCIDADE DE ROTAÇÃO 12

3. A TENSÃO INTERNA GERADA 14

11/33
A VELOCIDADE DE ROTAÇÃO
A taxa de rotação dos campos magnéticos da máquina está relacionada com
a frequência elétrica do estator por

(1)

12/33
Sumário
1. ASPECTOS CONSTRUTIVOS 4

2. A VELOCIDADE DE ROTAÇÃO 12

3. A TENSÃO INTERNA GERADA 14

4. O CIRCUITO EQUIVALENTE 17

13/33
A TENSÃO INTERNA GERADA
O valor da tensão induzida em uma dada fase do estator é

(2)

Essa tensão depende do fluxo 𝜙 da máquina, a frequência ou velocidade de


rotação 𝑓 e do número de espiras 𝑁𝐶 do estator. Ou, de forma mais simples

(3)
𝜔 em radianos elétricos por segundo, e K é uma constante que representa os
aspectos construtivos da máquina

(4)

14/33
A TENSÃO INTERNA GERADA
Curva de magnetização ou característica a vazio (CAV) da máquina, onde IF é a
corrente do circuito de campo:

15/33
Sumário
1. ASPECTOS CONSTRUTIVOS 4

2. A VELOCIDADE DE ROTAÇÃO 12

3. A TENSÃO INTERNA GERADA 14

4. O CIRCUITO EQUIVALENTE 17

16/33
O CIRCUITO EQUIVALENTE
• O única situação em que a tensão interna 𝐸𝐴 é igual à tensão de saída 𝑉𝜙
de uma fase é quando não há corrente de armadura circulando na
máquina.

• Fatores que causam a diferença da tensão interna 𝐸𝐴 para a tensão de


saída 𝑉𝜙 :

1. A distorção do campo magnético do entreferro pela corrente que flui no


estator, denominada reação de armadura.
2. A autoindutância das bobinas da armadura.
3. A resistência das bobinas da armadura.
4. O efeito do formato dos polos salientes do rotor.

17/33
O CIRCUITO EQUIVALENTE
Reação da Armadura

18/33
REAÇÃO DA ARMADURA
• Uma corrente trifásica circulando no estator produzirá por si própria um
campo magnético na máquina que distorce o campo magnético original
do rotor, alterando a tensão de fase resultante.

• O campo magnético 𝑩𝑅 do rotor produz uma tensão gerada internamente


𝑬𝐴 cujo valor de pico coincide com o sentido de 𝑩𝑅 .

• A tensão será positiva para fora dos condutores na parte superior e


negativa para dentro dos condutores na parte inferior da figura.

• Com o gerador ligado a uma carga reativa atrasada, o pico de corrente


ocorrerá em um ângulo após o pico de tensão.

19/33
REAÇÃO DA ARMADURA
• O campo magnético 𝑩𝑅 do rotor produz uma tensão gerada internamente

20/33