Você está na página 1de 7

portaldoastronomo.

org Página 1 de 7

O templo de Hator em Dendera: uma porta para os céus

"O Zodíaco de Dendera representa uma carta do Céu, tendo como base as constelações do Zodíaco."
in, Le Zodiaque d’Osiris, S. Cauville

O Zodíaco de Dendera,peça mais importante do departamento das antiguidades egiptologias do museu do


Louvre, entusiasma o espírito humano desde décadas.

Descoberto em 1799 pelo general Desaix, tendo sido Vivant Denon o primeiro a estudar o Zodíaco com
exactidão, dele obteve desenhos e figuras. No entanto teria que esperar alguns anos para que pudesse decifrar
o significado dos seus hieróglifos, pois Jean-François Champollion ainda não tinha descoberto a chave para a
leitura dessa escrita tão característica.

A peça foi levada para França por Le Lorain com autorização de Méhémet-Ali, chegando ao porto de Marselha
em 1821 e por fim a Paris em 1822. Vendido a Louis XVIII foi inicialmente exposto no Louvre, passando para a
Biblioteca nacional entre 1823 e 1919, data a qual regressa ao Louvre.

O santuário de Dendera foi concebido para o culto da deusa Hathor, deusa que falaremos mais tarde.

Uma cópia foi posta no lugar original no sítio de Dendera em 1920… uma cópia!

Dendera: um lugar carregado de historia

Diversas campanhas de escavações realizadas no sítio de Dendera (Figura 4.1), em particular a realizada por
Fliders Pétrie no final do século XIX, demonstram a existência de diversas sepulturas, datadas para algumas da
época arcaica. Dendera fica perto dos locais pré-dinasticos de Nagada e Maghara o que ajuda a suster a teoria
da existência de actividade desde a época pré-dinastica. Foram encontradas provas de varias passagens da
historia do antigo Egipto, como uma estatueta do faraó Pepi I ( 2270 a. C) e construções feitas no reinado de
Tutmósis III (1450 a. C).

Desde da sua descoberta, diferentes estudiosos especularam sobre a datação do templo e do seu Zodíaco, para
alguns datava de 15 000 a.C. para outros 12 000, hipóteses que levantaram guerras com o clero, pois
consoante a tradição bíblica o mundo existia desde 4 000 a.C.

É evidente que esta euforia inicial deixou lugar a um estudo mais aprofundado e científico sobre a datação do
mesmo. O templo do nascimento de Isis (Figura 4.2) construído no reinado de Augusto ( 30 a. C) está
construído sobre as fundações de um templo da época ptolemaica do reinado de Nectanébo I (381 a. C) e
acabado por Ptolomeu X Alexandre I (107 a. C.), este ultimo apresenta uma orientação Oriente-Ocidente, por
sua vez o templo da época de Augusto tem orientação Norte-Sul idêntica a orientação do grande templo de
Hathor. No entanto entre um e outro existe uma ligeira inclinação de cerca de 2º30’.

Doze séculos depois de Ramsés II, Ptolomeu Aulete manda construir um novo templo em Dendera o 16 de
Julho 54 a.C. no entanto este morre em 51 a.C. Depois da morte do pai Cleópatra segue César para Roma e
volta depois do assassinato deste ultimo, associando como co-regente do trono o seu filho Cesarião, nascido a
27 Junho 47 a.C. durante esta co-regencia e desde 51 a.C, os cartuchos reais não foram preenchidos com o
nome do faraó. No templo onde foi encontrado o Zodíaco, também não existem cartuchos reais escritos. Era
portanto lógico o Zodíaco datar dessa altura.

http://www.portaldoastronomo.org/tema_pag.php?id=18&pag=4 06/12/2010
portaldoastronomo.org Página 2 de 7

Figuras 4.1 e 4.2 – Sítio de Dendera e templo do nascimento de Isis.

É. Aubourg procurou neste lapso de tempo, 51 a 43 a.C, o lugar dos planetas no ceio das constelações do
zodíaco, é de relembrar que os planetas circulam numa zona chamada de eclíptica, por vezes alguns planetas
ultrapassam a nossa terra, outros são ultrapassados durante o período de translação a volta do sol.

Colocar a data de 54 a.C num software de astronomia, permite-nos ter uma listagem de algumas estrelas no
seu nascimento nocturno ou helíaco.

A lista de estrelas da qual possivelmente se basearam os antigos egípcios para orientação do templo de Hathor
e do templo de Augusto, é a seguinte:

Alpha Canis Majoris (m=-1,44) - Sirius : Céu nocturno


Beta Orionis (m=0,18) - Rigel: Aparecimento heliaco
Kappa Orionis (m=2,07) - Saiph: Aparecimento heliaco
Delta Scorpii (m=2,29): Céu nocturno
Beta Corvi (m=2,65): Aparecimento heliaco
Beta Aquarii (m=2,90): Aparecimento heliaco
Epcilon Aquarii(m=3,78): Céu nocturno

Devido a grande magnitude visual de Sirius e Rigel, é muito provável que seja esta a orientação de construção
do templo.

Por sua vez, a parte ptolemaica do templo do nascimento de Isis em Dendera, com orientação Este-Oeste, está
direccionada para o nascer helíaco de Sirius naquela época, isso acontecia no dia 15 de Julho em 54 a. C. a
esta orientação é dado o nome de orientação ramesida, devido a Ramsés II e ao Ramaseum. Cientistas
encontraram blocos do tempo do Império Novo nos blocos da parte ptolemaica e nas suas fundações. Estas
fundações levam a querer que o templo de orientação ptolemaica foi portanto construído por cima de ruínas do
período do Império Novo.

Mais dados para a datação do Zodíaco

Através dos fenómenos astronómicos a datação pode surgir em diferentes fases:

No Zodíaco de Dendera vemos a representação de um eclipse lunar ao lado da constelação do Peixe, é por isso
normal acreditar que a sua datação é dessa época.

Existe também um eclipse do Sol:

http://www.portaldoastronomo.org/tema_pag.php?id=18&pag=4 06/12/2010
portaldoastronomo.org Página 3 de 7

Portanto, é evidente que o Zodíaco representa os acontecimentos celestes desse determinado período na
história Egípcia a contar do período Ptolemaico.

A Deusa Hathor:

A Deusa Hathor "moradia celeste de Horus", deusa do céu, é frequentemente representada como divindade
com orelhas de bovino, símbolo da fecundidade. É ela a regedora do amor divino, humano e da alegria. O seu
local de maior culto era em Dendera.

O céu escrito:

O circulo celeste, representado pelo Zodíaco, é suportado por doze deuses, quatro femininos e oito de joelhos
(Figura 4,3). Os deuses com cabeça de falcão simbolizam a eternidade, dando assim um princípio intemporal a
cena celeste. As deusas dão o quadro espacial, cada uma indica um ponto cardinal perfeitamente orientado. Ao
lado de cada deusa está escrita em hieróglifo o seguinte ritual:

"Suporto o céu sobre o cimo da minha cabeça, sem me deslocar cada dia que passa, o Horizonte do meu
mestre, este circula enquanto Sah (Orion) na sua mãe Nut "

Outro texto, trás ainda mais precisão acerca do significado de tal monumento:

"O céu de ouro, o céu de ouro, é Isis a grande, mãe de Deus,


mestre do monte primogénita onde nasceu a deusa que toma lugar em Dendera,
é o céu de ouro.

Os grandes deuses são suas estrelas:


Harsiesis, seu deus da manha (Vénus)
Sokar, a sua via láctea
O Jovem Osíris, a sua estrela visível (Canope)
Osíris, a Lua
Orion, seu deus
Sothis, sua deusa (Sirius)
Entram e saíam para os mortos no vale infernal. "

Paradoxalmente, embora este monumento seja sobejamente conhecido, nenhum estudo desta tradução foi
feito ao longo dos tempos, ficando desta forma diferentes figuras hipoteticamente mencionadas, é o caso de
Sokar e de Canope.

É.Aubourg (Astrofísico) e S. Cauville (Arqueóloga) deslocaram-se até o local e observaram as estrelas no céu
de Outubro, pouco antes do nascimento do sol depois do "afundamento" da ursa maior identificaram a via
láctea, Vénus, Orion, Sirius e Canope. Todos esses elementos estão desenhados no Zodíaco.

Mas antes de passar a visualização "tintin-por-tintin" do zodíaco, convêm referir mais alguns dados:

Características:

http://www.portaldoastronomo.org/tema_pag.php?id=18&pag=4 06/12/2010
portaldoastronomo.org Página 4 de 7

2,55 x 2,55 m
Orientação cardinal
Existência das 12 constelações do zodíaco.
Existência dos 5 planetas conhecidos.

A Divisão do Zodíaco:

Os Planetas:

O nome planeta vem do grego, que significa "astro que se move", entre os mais antigos
(conhecidas: Mercúrio, Vénus, Marte, Júpiter e Saturno) e os três (ou dois) restantes (Urano, Neptuno e
Plutão) três milénios os separam.

Mercúrio: O deslocamento de Mercúrio aparece rapidamente e algo difícil de observar ao olho nu. Mercúrio
surge tanto no Oeste depois do por do sol, como a Este antes do nascer e sempre próximo do horizonte. Um
dos nomes Egípcios de Mercúrio era "O Inerte", como se os antigos astrónomos egípcios quisessem demonstrar
a sua preguiça em viajar mais acima na abobada celeste.

Vénus: Vénus é o astro mais brilhante do céu, depois do Sol e da Lua. O seu brilho pode atingir até 12 vezes o
de Sirius. A semelhança de Mercúrio, Vénus parece viajar muito próximo do Sol. Na iconografia Egípcia, Vénus
tem duas caras, talvez se referem aqui a uma visão diurna e outra nocturna. Para os Egípcios Vénus era o filho
de Osíris – Harsiesis, mas também em alguns casos personificava Isis.

http://www.portaldoastronomo.org/tema_pag.php?id=18&pag=4 06/12/2010
portaldoastronomo.org Página 5 de 7

Marte: A Ideia de Marte deus da guerra foi concebida um milénio antes dos gregos pelos
Egípcios, para eles era Horus o Vermelho, o guerreiro, vingador de seu pai (lenda de
Osíris).

Júpiter: Júpiter foi assimilado pelos Egípcios como deus Osíris, isto é, o Deus mais querido
dos Egípcios. Para eles Osíris representava o poder supremo, e era depositado nele toda a
lei do Maat e a regência dos deuses.

Saturno:Horus, o touro.

Em suma, temos a representação dos cinco planetas conhecidos na época, com as suas
apelações e atributos divinos. Para os antigos Egípcios a visualização destes planetas nos
céus nocturnos e a sua representação no zodíaco de Dendera permitia um determinado
domínio sobre os seus inimigos, pois a ciência era algo dado apenas a quem tinha domínio
sobre os outros.

Figura 4.3 – Zodíaco de Dendera

As Constelações:

No Zodíaco de Dendera, encontramos a


representação pictográfica das doze
constelações do zodíaco, como as
conhecemos hoje. Ao longo do ano o Sol
vai aparentemente "circular" numa faixa
que se estende de 8,5º acima e abaixo da
linha da eclíptica ( linha imaginaria que
liga todas as constelações do zodíaco).
Para alem do Sol, a Lua e os planetas
também passam por essa zona do céu. Por
esse motivo não é surpreendente ver
planetas no meio de duas constelações
zodiacais no zodíaco de Dendera. Esta
delimitação, pensada pelos homens, inicia
o seu percurso no equinócio de primavera
– 21 de Março (Figura 4.4). No Egipto, as
primeiras representações do zodíaco
datam da época ptolemaica, época de
domínio grego. Até então, os Egípcios
fechados ao mundo (só algumas trocas
comerciais se efectuavam) não tinham
esse tipo de representações, embora se
encontram algumas influências vindas de
fora e algumas características egípcias Figura 4.4 – representação da eclíptica

http://www.portaldoastronomo.org/tema_pag.php?id=18&pag=4 06/12/2010
portaldoastronomo.org Página 6 de 7

influenciaram o exterior. Outro templo em


que a figuração das constelações do zodíaco é por demais evidente, é o templo de Khnoum a Esna.

Figura 4.5 – representação das constelações do zodíaco do Zodíaco de Dendera

As outras constelações:

É aqui que se encontra a maior ligação entre a astronomia do tempo de Ramsés e Seti I e a época Ptolemaica,
a figuração, apesar de ter sofrido alguma evolução, permanece no seu geral idêntica a figuração antiga. Aqui
voltamos a ver o hipopótamo a representar a constelação actual do Dragão, a pata do bovino a representar
Mesketiu (a ursa maior). No entanto, é em relação a ursa menor que houve uma maior evolução na concepção
do universo para os antigos Egípcios. Pois, como vimos no artigo anterior, na época das pirâmides a ursa
menor não representava o pólo Norte, e era uma constelação de menor importância… agora, na época
Ptolemaica, ela apodera-se da posição mais importante no zodíaco - a posição central, o que lhe dá o titulo de
"indicadora do pólo Norte" (Figura 4.6).

A Cassiopeia é aqui representada na região Norte (como deveria ser) com a figura de babuíno. O Cisne, a Lira e
o Boieiro também constam nesse novo mapa estelar.

Na região Equatorial, temos Oficus, que é considerada como a 13ª constelação do zodíaco, normalmente ela
representa um homem com uma serpente, mas neste caso representa o deus Rá sentado num trono com a
serpente a servir de barca.

Orion, é aqui representado como sempre o foi, desde o texto das pirâmides (cerca de 2300 a. C.) Orion é o
condutor das estrelas no céu do Sul e é considerado a alma de Osíris.

Figura 4.6 – As constelações Norte no Zodíaco de Dendera.

http://www.portaldoastronomo.org/tema_pag.php?id=18&pag=4 06/12/2010
portaldoastronomo.org Página 7 de 7

Sirius esta colocado ao lado da constelação de Orion, assimilada a Sothis – imagem de Isis, na região de
Assouão. Esta estrela importantíssima para os egípcios em relação ao calendário, era também ponto de partida
para o posicionamento e orientação dos templos egípcios, assim sendo, em 54 a.C. o eixo sagrado do templo
de Hathor em Dendera é dado pela orientação de Sirius depois do azimute do nascer a 108º40’.

No Zodíaco também estão representadas constelações do hemisfério Sul, entre as quais: Canope e a coroa
astral.

Conclusão:

Em suma, o Zodíaco situado em Dendera, é a representação mais fiel dos céus datada da época Ptolemaica,
dele podemos reter algumas conclusões acerca da vivência e modos de encarar os céus dos antigos egípcios.
Existem ainda muitas perguntas acerca da astronomia dos antigos egípcios, da sua concepção do cosmo, e da
sua relação perante ela.

É de facto importante estudar-mos o nosso passado, pois através dele entendemos melhor o nosso presente e
prepara-mos melhor o nosso futuro.

Bibliografia

 Amer,I. & Morardet, B. "Les dates de la construction du temple majeur d’Hathor à Dendara à l’époque
gréco-romaine", ASAE 69, 1983.
 Antoniadi, E. "L’Astronomie Égiptienne depuis les temps les plus reculés jusqua la fim de l’époque
alexandrine",Gauthier-Villard, Paris 1934.
 Winter, H. "A Reconsideration of the newly Discovered Building Inscription on the temple of
Denderah",GM 108, 1989.
 Bibé, C. "Les soixante-quatre Génie du Ciel", Les Khent, pp.19-28
 Cauville-Colin, S. "Les inscriptions dédicatoires du temple d’Hathor à Dendera", in "BIFAO", 88 (1988),
pp.7-23.
 Cauville-Colin, S. "Le temple d’Isis à Dendera", in "BSFE", 123 (1992), pp. 31-48.
 Cauville-Colin, S. "Le Zodiaque de Osiris",Peeters, 1999.
 Clagett, M. "Ancient Egipcian science", AFS, 1995
 Krupp. E.C. "In search of ancient Astronomy" Doubleday, Garden City 1978.
 Neugebauer, O. "Some fundamental concepts in Ancient Astronomy", in "BAMS", 54, 1941, pp.13-29.

http://www.portaldoastronomo.org/tema_pag.php?id=18&pag=4 06/12/2010