Você está na página 1de 10

0

PNEUMATOLOGIA
Doutrina Bíblica do
Espírito Santo

Professor: Adonias Barbosa Gonçalves

Sede: Casa de Oração em São Torquato


Rua Ciro Carnelli, 50
São Torquato - Vila Velha - ES
1

PNEUMATOLOGIA
DOUTRINA BÍBLICA DO ESPÍRITO SANTO

Introdução:

Se me amais, guardareis os meus mandamentos. E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro
Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não
pode receber, porque não o vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e
estará em vós. Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros.

(João 14:15-18)

CAPÍTULO 1

A PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO


1 – CARACTERÍSTICAS PESSOAIS DO ESPÍRITO SANTO

As características pessoais aqui não estão relacionadas a dotes físicos, uma vez que estamos
tratando da Pessoa do Espírito Santo, que evidentemente não possui um corpo físico.
Características pessoais aqui estão relacionadas a qualidades como conhecimento, sentimento
e vontade. Portanto, o Espírito Santo possui:

a) – Inteligência – Ele conhece perfeita e plenamente as profundezas de Deus (1ª Co.


2:10-11).
b) – Emoção – Ele se entristece quando pecamos (Ef. 4:30).
c) – Vontade (volição) – Ele tem vontade (1ª Co. 12:11).
d) – Mente – Ele possui ação mental (Rm. 8:27).

2 – A PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO DEMONSTRADA EM SUAS OBRAS E ATOS

Através das Escrituras o Espírito Santo é apresentado como agente pessoal realizando obras e
atos que somente são atribuídos a uma pessoa.

a) – Ele fala (At. 8:29; 13:2; Jo. 16:13-15).


b) – Ele ensina (Jo. 14:26; Lc. 12:12; 1ª Co. 2:9-13).
c) – Ele intercede pelos salvos – (Rm. 8:26).
d) – Ele chama e comissiona obreiros (At. 13:1-3; 20:28).
e) – Ele dá ordens e instruções aos homens (At. 8:29; 10:19).
f) – Ele guia e orienta os salvos (At. 16:6-7; Rm. 8:14).

3 – A PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO DEMONSTRADA PELA FORMA QUE A BÍBLIA


DESCREVE AS ATITUDES HUMANAS PARA COM ELE.

a) – O crente deve obedecê-lo (At. 10:19-21).


b) – O homem de coração dividido mente a Ele (At. 5:3).
2

c) – O homem de coração endurecido resiste a Ele (At. 7:51).


d) – O crente carnal entristece a Ele (Ef. 4:30).
e) – O homem apóstata insulta a Ele (Hb. 10:29).
f) – O homem perdido blasfema contra Ele (Mt. 12:31).

4 – A GRAMÁTICA COMUM DO NOVO TESTAMENTO PROVA QUE ELE É UMA PESSOA

a) – No Texto Grego do Novo Testamento Ele recebe é chamado de “O Espírito de Deus”


ou “O Espírito do Filho”. Esses argumentos somente podem ser dirigidos a um ser
pessoal.
b) – Há também o uso enfático do artigo definido “o” para referir-se ao Espírito Santo.
Não há referência a “um Espírito”, mas “o Espírito”.
c) O Senhor Jesus ao referir-se ao Espírito Santo em Jo. 14 a 16, deixa claro que está
falando de uma pessoa.

CAPÍTULO 2

A DIVINDADE DO ESPÍRITO SANTO


O Espírito Santo não é apenas uma pessoa, mas Ele é Deus também. Ele compõe a Trindade
Divina e coexiste em perfeita harmonia com Deus Pai e Deus Filho. Sendo Deus, ele atuou
ativamente na Obra da Criação, sendo o “braço executor de Deus” (Gn. 1:2).

1 – O ESPÍRITO SANTO POSSUI ATRIBUTOS DIVINOS

a) – Ele chama-se Deus (At. 5:3-4).


b) – Por ser Deus, Ele possui eternidade (Hb. 9:14).
c) – Por ser Deus, Ele possui onisciência (1ª Co. 2:10-13).
d) – Por ser Deus, Ele possui onipotência (Lc. 1:35, 37).
e) – Por ser Deus, Ele possui onipresença (Sl. 139:7-10).
f) – Por ser Deus, Ele possui Sabedoria (Is. 40:13).

2 – O ESPÍRITO SANTO REALIZA OBRAS QUE COMPETEM SOMENTE A DEUS

a) – Ele tem poder para ressuscitar mortos (Rm. 8:11).


b) – Ele foi o inspirador das Escrituras Sagradas (At. 28:25; 2ª Pd. 1:21).
c) – Ele concede dons aos crentes (1ª Co. 12:8-11).
d) – Ele opera a regeneração no homem (Tt. 3:5).
e) – Ele santifica os salvos (2ª Ts. 2:13).
f) – Ele atua no convencimento do homem (Jo. 16:8).
g) – Ele gerou Cristo em sua encarnação (Lc. 1:35).
3

CAPÍTULO 3

O ESPÍRITO SANTO NO ANTIGO TESTAMENTO


A Obra do Espírito Santo pode ser observada em toda a Bíblia, de Gênesis a Apocalipse. É
necessário, entretanto, observar que no Antigo Testamento a atuação do Espírito Santo difere
da sua atuação no Novo Testamento.

A preposição “sobre” (al) predomina em todo Antigo Testamento como nestes exemplos:

Nm. 11:17; Jz. 3:10; Jz. 14:6; Is.61:1; Ez. 11:5; Jl.2:28. Estas são algumas passagens onde
podemos vemos o Espírito Santo estar “sobre” alguém que, evidentemente estava sobre a
influência e poder do Espírito. Os trechos referem-se aos líderes do povo de Israel, ungidos
pelo Espírito Santo para a realização de suas funções.

O fato de o Espírito Santo vir “sobre” alguém, ensina-nos que a “unção” do Espírito Santo no
Antigo Testamento era “externa” e “provisória”.

Podemos definir que a unção (no A.T.) do Espírito Santo teve como objetivo principalmente a
eficácia do ministério, ao passo que a habitação (no N.T.) do Espírito Santo no salvo visa a
garantir e a desenvolver a salvação eterna.

1 – A ATUAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NO ANTIGO TESTAMENTO

Vamos analisar o fato da ação sobre certos indivíduos para realização de obras especiais
determinadas por Deus.

a) – Êx. 31:1-5 – A escolha especial para a obra do Tabernáculo.


b) – Nm. 11:16-17 – A escolha especial dos anciãos que foram auxiliares de Moisés.
c) – Gn. 1:1-2 – O Espírito Santo atuou na Criação.
d) – Êx. 28:3; 31:3 - O Espírito Santo concedeu capacidade construtiva.
e) – Jz. 14:6-9 – O Espírito Santo concedeu força física.

2 – A ATUAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NO ANTIGO TESTAMENTO ERA TEMPORÁRIA

Podemos definir a atuação do Espírito Santo sobre algumas pessoas no A.T. como
“temporária”, ou seja, Ele agia sobre (al) aqueles a quem o Senhor usaria de alguma maneira,
para o cumprimento do propósito divino. Sendo assim, podemos concluir que:

a) - O Espírito Santo vinha sobre várias pessoas (conf. Jz. 3:10; 6:34; 11:29; 13:25; 1º Sm.
10:9-10; 16:13.
b) – E enchia algumas pessoas (conf. Êx. 31:3; 35:31).

O relacionamento pessoal do Espírito Santo com os homens no A.T. era limitado, condicional e
não permanente. Vejamos alguns exemplos:

a) – No rei Saul – 1º Sm. 10:10-12; 11:6 comp. com 1º Sm. 16:14; 18:12 (com e sem o
Espírito de Deus).
b) – Nos setenta anciãos de Israel – Nm. 11:16-17 com. com Nm. 11:25.

3 – A OBRA EXECUTORA DO ESPÍRITO SANTO NO ANTIGO TESTAMENTO

a) – Em relação à Obra da Criação – Gn. 2:1; conf. Jó 26:13; Sl. 33:4.


b) – Em relação à Criação do Homem – Gn. 1:26; conf. Jó 33:4; Sl. 104:29-30.
4

c) – Em relação à humanidade – Gn. 6:3


d) – Em relação à nação de Israel – Ag. 2:5; Nm. 9:20,30; Is. 63:10-14.
e) – Em relação às Escrituras do Antigo Testamento – 1ª Pd. 1:10-12; 2ª Pd. 1:20-21

CAPÍTULO 4

O ESPÍRITO SANTO ANTES DO PENTECOSTES


Antes do Pentecostes, durante o ministério do Senhor Jesus podemos observar a manifestação
do Espírito Santo atuando na Pessoa de Cristo e nos fiéis dentre o povo. Vejamos a sua
atuação:

a) – Em relação a Cristo – Mt. 1:18-21; Lc. 4:1; Mt. 4:1; Mc. 1:12; Lc. 4:14-15.
b) – Em relação aos fiéis – Lc. 1:39-45; Lc. 1:67; Lc. 1:25-27.
c) – Em relação ao precursor de Cristo – Lc. 1:13-15.
d) – Em relação aos discípulos – Mc. 13:11; Lc. 12:11-12.

É preciso lembrar que o período narrado pelos evangelhos compreende a transição entre a
Antiga e a Nova Aliança.

Se me amais, guardareis os meus mandamentos. E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro
Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não
pode receber, porque não o vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e
estará em vós. Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros. (João 14:15-18).

a) – “Outro Consolador” – ou seja, Ele é aquele que compensa a ausência física do


Senhor Jesus, trazendo paz e segurança ao coração dos salvos.
b) – “o Espírito da verdade” – ou seja, toda vez que o Espírito Santo fala e oriente,
sempre o faz de acordo com a verdade de revelada – a Bíblia Sagrada.
c) – “ele habita convosco” – entre o povo, no meio do povo.
d) – “e estará em vós” – dentro dos salvos.

A conclusão a que podemos chegar é a principal distinção entre a atuação do Espírito Santo
sob a Antiga e a Nova Aliança:

a) – Sob a Antiga aliança: o Espírito Santo atua no meio do povo.


b) – Sob a Nova Aliança: o Espírito Santo atua dentro do povo.

1 – A SITUAÇÃO DOS DISCÍPULOS EM ATOS 19:1-7.

Trata-se de discípulos de João Batista (v. 3). Portanto, eles haviam sido doutrinados, mas não
completamente e por isso não compreendiam a fé cristã de maneira plena, o que fica
evidenciado pela resposta dada à pergunta do apóstolo Paulo (v. 2). A pergunta feita por Paulo
mostra a incerteza quanto à situação destes homens. Vejamos porque:

a) – Todo crente recebe o Espírito Santo no ato da salvação – Rm. 8:9; 1ª Co. 12:13.
b) – A habitação do Espírito Santo no crente é para sempre – Jo. 14:16.
5

O que estes doze homens ignoravam completamente era a descida do Espírito Santo no dia de
Pentecostes (At. 2), bem como a morte do Senhor Jesus e sua ressurreição. Eles não haviam
compreendido que o Senhor era aquele para quem o batismo de João apontava. O apóstolo
Paulo deu-lhes instrução não sobre como receber o Espírito, mas sobre o Senhor Jesus Cristo.
Eles creram no evangelho e foram batizados em nome do Senhor Jesus.

CAPÍTULO 5

O ESPÍRITO SANTO NA REVELAÇÃO E INSPIRAÇÃO DA BÍBLIA


É preciso definir aqui p que é revelação e o que é inspiração.

a) – Revelação – é o desvendamento de algo encoberto ou desconhecido.


b) – Inspiração – é o processo divino de supervisão dos escritores humanos da Bíblia, de
modo que, usando eles suas próprias personalidades e estilos registraram fielmente a
Palavra de Deus para sua revelação ao homem.

1 – O ESPÍRITO SANTO COMO AUTOR DA REVELAÇÃO.

a) – Homens inspirados pelo Espírito Santo – 2ª Pd. 1:21.


b) – O Senhor afirma a ação do Espírito Santo sobre Davi – Mt. 22:43.
c) – Pedro afirma a ação do Espírito Santo sobre Davi – At. 1:16; 4:25.
d) – O próprio Davi reconhece a ação do Espírito Santo sobre ele – 2º Sm. 23:2.

2 – OS MEIOS PROGRESSIVOS DA REVELAÇÃO DE DEUS.

A revelação é Deus dando-se a conhecer através da Sua Palavra, bem como das Suas obras –
cf. Sl. 19:1; Rm. 1:20. A revelação tem como seu fim levar os homens a conhecerem o único e
verdadeiro Deus, e ao Senhor Jesus Cristo a quem Ele enviou.

a) – Revelação na fala divina – Êx. 19:9 “Disse o Senhor...”


b) – Revelação no fato histórico – Am. 9:7; At. 17:26 – Deus dirige os eventos da história.
c) – Revelação final – Hb. 1:1-3 – No passado Deus falou de muitas maneiras, porém a
revelação final é através do Filho.

Em relação à revelação, o homem possui limitação para compreender (cf. Jo. 16:12-13) ao
passo que Deus reserva coisas que não compartilha com ninguém (cf. Mc. 13:32; comp. Dt.
29:29).

2 – O ESPÍRITO SANTO COMO AUTOR DA INSPIRAÇÃO.

a) – A inspiração do Antigo Testamento – 2º Sm. 23:2-3; 2ª Tm. 3:16; Mc. 12:36; At. 1:16.
b) – A inspiração do Antigo Testamento afirmada pelos escritores do Novo Testamento –
1ª Co. 14:37; 2ª Ts. 3:6, 12, 14.
c) – A inspiração confirmada mutualmente pelos apóstolos:
1. – 1ª Tm. 5:18 – Paulo faz uma citação direta de Dt. 25:4 (cf. Lc. 10:7).
2. – 2ª Pd. 3:15-16 – Pedro faz referência aos escritos de Paulo, chamando-as de
“Escrituras”.
6

3 – O ESPÍRITO SANTO E SUA RELAÇÃO DIRETA COM AS ESCRITURAS

a) – O Espírito Santo é o autor das Escrituras – 2ª Pd. 1:20-21; 2ª Tm. 3:16; Jo; 16:13.
b) – O Espírito Santo é intérprete por excelência das Escrituras – Ef. 1:17; 1ª Co. 2:9-14;
Jo. 16:14.

CAPÍTULO 6

A OBRA DO ESPÍRITO SANTO NA SALVAÇÃO DO HOMEM


O Espírito Santo enviado pelo Pai como Consolador possui funções específicas no ato da
salvação do homem.

1 – A ATUAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NO ATO DE CONVENCER – Jo. 16: 8-11.

Convencer significa esclarecer a verdade do Evangelho ao homem não regenerado, a fim de


que ele reconheça com a plena e única verdade, ainda que o mesmo não receba a Cristo como
seu Salvador.

a) – O Convencimento do pecado – Jo. 16:8a. A função do Espírito Santo é convencer o


que significa “provar que alguém está no erro”. A palavra pecado está no singular,
referindo-se a um pecado específico, ou seja, não crer no Senhor Jesus como Salvador.
b) – O Convencimento da justiça – Jo. 16:8b. A função do Espírito Santo é rechaçar
qualquer pretensão de justiça própria por parte do pecador. Esse convencimento
expõe a hipocrisia do coração humano.
c) – Convencimento do juízo – Jo. 16:8c. Este mundo pecaminoso está debaixo do juízo
que há de vir. Assim como o príncipe deste mundo já está julgado (v.11), a sentença
que não tarda está por vir.

2 – A ATUAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NA REGENERAÇÃO DO HOMEM – Tt. 3:5

A regeneração é o ato de “gerar de novo”, ou novo nascimento. Trata-se do ato divino pelo
qual Deus concede ao pecador arrependido a vida eterna e uma nova natureza.

a) – O meio da regeneração (Jo. 3:3-7). O Senhor fez referência à lavagem espiritual da


alma realizada pelo Espírito Santo através da Palavra (cf. Ef. 5:26; Tg. 1:18; 1ª Pd.
1:23).
b) – As características da regeneração:
1. A regeneração é um ato imediato e decisivo – nunca se repete.
2. A regeneração não é um processo experimental – melhorias do homem.
c) – As consequências da regeneração:
1. A regeneração produz uma nova criatura (nova natureza) – 2ª Co. 5:17.
2. A regeneração produz uma vida justa – 1ª Jo. 2:29.

3 – O BATISMO DO ESPÍRITO SANTO – 1ª Co. 12:13.

a) – O batismo do Espírito Santo é característica exclusiva da era da Igreja (At. 1:5 ainda
era futuro).
7

b) – O batismo do Espírito Santo envolve todos os salvos – 1ª 12:13; Ef. 4:4-5.


c) – O batismo do Espírito Santo acontece apenas uma única vez; no momento em que o
crente é salvo – 1ª Co. 12:13.

4 – RESULTADOS DO BATISMO DO ESPÍRITO SANTO

a) – Nos torna membros do Corpo de Cristo – “fomos batizados em um corpo” – 1ª Co.


12:13.
b) – Nos torna súditos do Reino – Lc. 12:32.
c) – Dá-nos a certeza e segurança da salvação – Rm. 8:16; 1ª Jo. 4:13.
d) – O amor de Deus é derramado em nossos corações – Rm. 5:5.

5 – O ESPÍRITO SANTO E SUA HABITAÇÃO NO SALVO – 1ª Co. 6:19.

Uma das realidades mais significativas é o fato de que Deus, não somente regenera o homem,
mas também habita naqueles que são salvos. Portanto, quais as pessoas que são habitadas
pelo Espírito Santo?

a) – Ele habita em todos os salvos.


b) – Até mesmo crentes na prática do pecado são habitados pelo Espírito Santo – 1ª Co.
6:18-19; (cf. 1ª Co. 5: 1-13).
c) – A ausência do Espírito Santo denuncia a condição do não salvo – Rm. 8:9.

Obs.: É preciso observar que o salvo não pode, em hipótese alguma, deixar de ser habitado
pelo Espírito Santo que faz morada nele para sempre (cf. Jo. 14:16). Os pecados cometidos
pelo crente impedem a plenitude do Espírito, obstruindo a sua ação, além de interromper a
comunhão com Deus. Discutiremos, nas próximas páginas sobre isso.

6 – O SELO COMO GARANTIA ETERNA.

Selar diz respeito à antiga prática de passar uma cera sobre um documento valioso e marca-lo
com o selo real, dando-lhe autenticidade.

a) – O Pai é o agente do ato de selar – 2ª Co. 1:21-22; Ef. 1:13; 4:30.


b) – O instrumento no ato de selar – O próprio Espírito Santo.
c) – A extensão do ato de selar – Todos os salvos.
d) – O tempo da selagem – No ato da salvação eterna.
e) – O propósito do ato – Certeza absoluta para o salvo de que ele é propriedade de Deus
e conservado para o Dia da Redenção. É a plena segurança em Cristo.

7 – A DIFERENÇA ENTRE O BATISMO E O ENCHIMENTO DO ESPÍRITO SANTO.

Há uma diferença entre ser batizado no Espírito Santo e o ser cheio do Espírito Santo:

a) – O batismo no Espírito Santo – Refere-se ao momento que ocorre o novo nascimento


– Jo. 3:5-7; 2ª Co. 5:17; Ef. 1:13-14.
b) – Ser cheio do Espírito Santo – é a plenitude dEle na nossa vida – Ef. 5:18.

8 – A PLENITUDE DO ESPÍRITO SANTO.

Ter a plenitude do Espírito Santo (ser cheio) é o controle absoluto dEle na nossa vida.

a) – A plenitude do Espírito Santo é uma ordem direta a todos os salvos – Ef. 5:18.
8

b) – Ao contrário do batismo no Espírito Santo, a plenitude dele é passiva de repetição –


At. 2:4 comp. At. 4:31.
c) – A plenitude do Espírito Santo forma no salvo um caráter semelhante a Cristo – Gl.
5:22-23.

9 – AS CONDIÇÕES PARA QUE O SALVO ESTEJA CHEIO DO ESPÍRITO SANTO.

a) – Uma vida cristã vitoriosa contra o pecado – Ef. 4:30; 1ª Jo. 1:9.
b) – Uma vida cristã de completa dependência de Deus – Gl. 5:16.

CAPÍTULO 7

OS PECADOS COMETIDOS CONTRA O ESPÍRITO SANTO


Vimos no início dessa apostila que o Espírito Santo é uma pessoa e como tal, pode ser
entristecido e até ultrajado. Vamos considerar aqui os pecados que são cometidos contra a
pessoa do Espírito Santo.

1 – PECADOS COMETIDOS PELOS ÍMPIOS

a) – Resistir ao Espírito Santo – At. 7:51.


b) – Insultar o Espírito Santo – Hb. 10:29. Rejeitar a Cristo é um insulto ao Espírito que
operou por meio dele (cf. 12:31-32) e que testifica dele (Jo.15:26; 16:8-11).
c) – Blasfemar contra o Espírito Santo – Mt. 12:31. Sobre este assunto o Dr. C.I. Scofield
diz o seguinte: “A blasfêmia contra o Espírito Santo em atribuir a Satanás a obra do
Espírito Santo (comp. v. 24). Esse pecado era imperdoável por causa das circunstâncias
incomuns de sua rejeição a Cristo. Esse seríssimo pecado dos fariseus foi o clímax de
sua contínua negação da verdade que os milagres de Jesus eram autenticados pelo
céu. Sua loucura em apostatar deliberadamente, atribuindo ao diabo as poderosas
obras de Cristo operadas pelo Espírito Santo, é resumida por nosso Senhor em Mt.
23:13-16 e Lc. 11:52. Qualquer um que esteja preocupado com sua rejeição de Cristo,
obviamente, não cometeu este pecado imperdoável e ainda pode vir a Jesus”. (Bíblia de
Referência Scofiled. Pg. 964).

2 – PECADOS COMETIDOS PELOS CRENTES

a) – Entristecer o Espírito Santo – Ef. 4:30-31. Quando pecamos estamos invariavelmente


entristecendo o Espírito Santo que habita em nós.
b) – Apagar o Espírito Santo – 1ª Ts. 5:19. A prática do pecado na vida do crente, acaba
por “abafar” a ação do Espírito Santo, que embora presente, deixa de atuar em sua
vida. O grande comentarista Willian MacDonald define o termo assim: “Apagar o
Espírito significa suprimir a obra do Espírito Santo em nosso meio, limitá-lo ou impedi-
lo. O pecado apaga o Espírito. (Comentário Bíblico Popular – Editora Mundo Cristão. Pg. 731).
9

CAPÍTULO 8

A OBRA DO ESPÍRITO SANTO NA IGREJA


O Espírito Santo está presente na Igreja de Cristo desde a sua inauguração no Dia de
Pentecostes (At. 2). Essa verdade pode ser observada pelo fato de que Ele está presente
habitando cada salvo por Cristo, habilitando-o para o serviço de Deus através dos Dons
Espirituais.

1 – A IGREJA É O SANTUÁRIO DE DEUS – 1ª Co. 3:16-17. O templo descrito aqui é a Igreja, o


Corpo de Cristo, diferente do templo descrito em 1ª Co. 6:19 que é o corpo físico do salvo.
Comentando esse assunto, o escritor Floreal Ureta observa: “De que maneira os coríntios
estavam ameaçando destruir o santuário de Deus, a Igreja? Eles ameaçavam destruí-lo com
coisas tais como partidos dentro da Igreja, imoralidade e falsas doutrinas. Mas o que nos
aterroriza são as consequências: o que destruir a Igreja, Deus o destruirá”. (Elementos de Teologia
Cristã. Pg. 52. Ênfase acrescentada).

2 – A IGREJA SOB A AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO

Em todo o Livro de Atos dos Apóstolos podemos observar a ação do Espírito Santo na Igreja de
Cristo. Essa ação concedeu à Igreja o poder para testemunhar com eficiência frente às duras
perseguições do paganismo e judaísmo.

a) – O Espírito Santo agiu na santificação da Igreja – At. 5:3


b) – O Espírito Santo agiu no fortalecimento da Igreja – At. 4:31
c) – O Espírito Santo agiu na escolha de homens para a obra missionária – At. 13:1-3
d) – O Espírito Santo agiu na capacitação de homens para o ministério na Igreja – 1ª Co.
12:4; 11:3

A ação do Espírito Santo na Igreja permanece ainda hoje através dos Dons Espirituais
concedidos a cada salvo para o trabalho na causa de Cristo.