Você está na página 1de 18

ACADEMIA CLÍNICA DO SABER &

DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

MANUAL DE RESOLUÇÃO DE TESTES


DE CÁLCULOS DE ÁREAS DE FIGURAS
PLANAS-UAN -2014 -2019
FACULDADE DE CIÊNCIAS
FACULDADE DE ENGENHARIA

PEDRO RAFAEL AFONSO – LUANDA / CACUACO / CIMANGOLA


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

QUEM SOMOS / NOSSA MISSÃO

ACADEMIA CLÍNICA DO SABER é um centro de Preparatório que tem


como missão oferecer orientações, habilidades e conhecimentos que
permitem que nossos estudantes superem os desafios e melhorarem o seu
desempenho em qualquer instituição de ensino quer seja do ensino médio ou
privado.

Alguns dos serviços oferecido pela ACADEMIA CLÍNICA DO SABER:

EXPLICAÇÃO: Orientação com qualidade para diversos cursos,


tanto do Ensino Médio como Superior.

PREPARATÓRIO: Preparação com qualidade, eficiência para


admissão em diversas universidades e cursos.

Professores responsáveis da Academia:

Pedro Rafael Afonso – Física (Lic. em Geofísica, Faculdade de ciências)

Garcia Luvualo – Matemática (ISCED de Luanda )

Alexandre João Emanuel – Programação (Estudante do ISPIL)

ALEXANDRE JOÃO EMANUEL

ALEXANDRE JOÃO EMANUEL

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 2


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

1. Integração directa
1.1 – Regras principais para a integração

a) Se 𝐹´(𝑥) = 𝑓(𝑥), 𝑒𝑛𝑡ã𝑜 , ∫ 𝑓(𝑥)𝑑𝑥 = 𝐹(𝑥) + 𝐶


Onde C é uma constante arbitrária
2) ∫ 𝐴𝑓(𝑥) = 𝐴 ∫ 𝑓(𝑥) 𝑑𝑥, 𝑜𝑛𝑑𝑒 𝐴 é 𝑢𝑚 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑡𝑎𝑛𝑡𝑒(𝐴 ≠ 0)
3) ∫[𝑓1 (𝑥) ± 𝑓2 (𝑥)] 𝑑𝑥 = ∫ 𝑓1 (𝑥) 𝑑𝑥 ± ∫ 𝑓2 (𝑥)𝑑𝑥
4) se ∫ 𝑓(𝑥)𝑑𝑥 = 𝐹(𝑥) + 𝐶 𝑒 𝑢 = 𝜑(𝑥)é 𝑑𝑖𝑓𝑒𝑟𝑒𝑛𝑐𝑖𝑎𝑙 , 𝑒𝑛𝑡ã𝑜
∫ 𝑓(𝑢) = 𝐹(𝑢) + 𝐶
Em particular ,
1
∫ 𝑓(𝑎𝑥 + 𝑏)𝑑𝑥 = 𝑎 𝐹(𝑎𝑥 + 𝑏) + 𝐶 (𝑎 ≠ 0)
Tabela de integrais imediatas
𝑥 𝑛+1
I. ∫ 𝑥𝑛 = 𝑛+1
+𝑐
𝑑𝑥
II. ∫ = ln|𝑥| + 𝑐
𝑥
𝑑𝑥 1 𝑥
III. ∫ 𝑥 2+𝑎2 = 𝑎 𝑎𝑟𝑐𝑡𝑔 (𝑎) + 𝑐 (𝑎 ≠ 0)
𝑑𝑥 1 𝑥−𝑎
IV. ∫ 𝑥 2−𝑎2 = 2𝑎 ln |𝑥+𝑎| + 𝑐 (𝑎 ≠ 0)
𝑑𝑥 1 𝑎+𝑥
V. ∫ 𝑎2−𝑥 = 2𝑎 ln |𝑎−𝑥| + 𝑐 (𝑎 ≠ 0)
𝑑𝑥
VI. ∫ √𝑥 2+𝑎2 = ln|𝑥 + √𝑥 2 + 𝑎2 | + 𝑐 (𝑎 ≠ 0)
𝑑𝑥 𝑥 𝑥
VII. ∫ 2 2 = 𝑎𝑟𝑐𝑠𝑒𝑛 ( ) + 𝑐 = −𝑎𝑟𝑐𝑜𝑠 ( ) + 𝑐 (𝑎 > 0)
√𝑎 −𝑥 𝑎 𝑎
𝑎𝑥
VIII. ∫ 𝑎 𝑥 𝑑𝑥 = + 𝑐 (𝑎 > 0) ; ∫ 𝑒 𝑥 𝑑𝑥 = 𝑒 𝑥 + 𝑐
ln 𝑎
IX. ∫ sin 𝑥 𝑑𝑥 = −𝑐𝑜𝑠𝑥 + 𝑐 ; ∫ cos 𝑥 𝑑𝑥 = 𝑠𝑒𝑛𝑥 + 𝑐
𝑑𝑥 𝑑𝑥
X. ∫ 2 = 𝑡𝑔𝑥 + 𝑐 ; ∫ 2 = −𝑐𝑜𝑡𝑔𝑥 + 𝑐 ;
𝑐𝑜𝑠 𝑥 𝑠𝑒𝑛 𝑥
𝑑𝑥 𝑥
XI. ∫ 𝑠𝑒𝑛𝑥 = ln |𝑡𝑔 (2)| + 𝑐 = ln|𝑐𝑜𝑠𝑠𝑒𝑐𝑥 − 𝑐𝑜𝑡𝑔𝑥| + 𝑐
𝑑𝑥 𝑥 𝜋
XII. ∫ = ln |𝑡𝑔 ( + )| + 𝑐 = ln|𝑡𝑔𝑥 + 𝑠𝑒𝑐𝑥| + 𝑐
𝑐𝑜𝑠𝑥 2 4

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 3


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

5. Cálculo de integrais definidas através de indefinidas


5-1.Fórmula de Newton –Leibniz
Se 𝐹´(𝑥) = 𝑓(𝑥), temos:
𝑏
𝑏
∫𝑎 𝑓(𝑥)𝑑𝑥 = 𝐹(𝑥) = 𝐹(𝑏) − 𝐹(𝑎)
𝑎
3
Ex. Achar a integral ∫−1 𝑥 4 𝑑𝑥
Resolução
3 3
3 𝑥 4+1 𝑥5 35 (−1)5 244
∫−1 𝑥 4 𝑑𝑥 =
4+1
=
5
=
5

5
=
5
−1 −1
5.2 . Áreas de figuras planas
1º) área de coordenadas cartesianas. Se uma curva contínua é dada em
coordenadas cartesianas pela equação 𝑦 = 𝑓(𝑥)[𝑓(𝑥) ≥ 0], a área do
trapézio mistilíneo , limitado por esta curva, por duas verticias nos
pontos𝑥 = 𝑎 𝑒 𝑥 = 𝑏 e pelo segmento do eixo das abcissas 𝑎 ≤ 𝑥 ≤ 𝑏 é
determinada pela fórmula:
𝑏
𝐴 = ∫𝑎 𝑓(𝑥)𝑑𝑥
𝑥2
Ex: calcular a área da figura limitada pela parábola 𝑦 = , pelas rectas
2
𝑥 = 1 𝑒 𝑥 = 3 e pelo eixo das abcisssas.
Resolução :
3 𝑥2 𝑥3 3 1 13
𝐴 = ∫1 𝑑𝑥 = = (33 − 13 ) = 𝑢2
2 6 1 6 3

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 4


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

1) (Exame 2019) A área limitada pelas curvas 𝑥 + 𝑦 = 2𝑦 2 e 𝑦 = 𝑥 3 é:


7 11
𝐴) 0,5 𝐵) 𝐶) 1 𝐷) 𝐸) 0,45
12 4
Resolução:
1º) Passo: Achar a intersecção entre as curvas:

𝑥 + 𝑦 = 2𝑦 2 → 𝑥 = 2𝑦 2 − 𝑦 , 𝑦 = 𝑥 3 → 𝑥 = 3√𝑦

Fazendo: 𝑥 = 𝑥 → 2𝑦 2 − 𝑦 = √𝑦 → 2𝑦 2 − 𝑦 − √𝑦 = 0 (*)
3 3

Supondo que: √𝑦 = 𝑡 → 𝑦 = 𝑡 3 , Colocando na equação (*), vem:


3

2𝑡 6 − 𝑡 3 − 𝑡 = 0 → 𝑡(2𝑡 5 − 𝑡 2 − 1) = 0 → 𝑡1 = 0 e
2𝑡 5 − 𝑡 2 − 1 = 0 , Considerando que 𝑃(𝑡) = 2𝑡 5 − 𝑡 2 − 1, pelo teorema do
resto : Se 𝑡 = 1

𝑃(1) = 2(1)5 − (1)2 − 1 → 𝑃(1) = 0


𝑡2 = 1 é uma das raízes da equação
Voltando na suposição:

𝑦 = 𝑡 3 se 𝑡1 = 0 → 𝑦1 = 0, 𝑠𝑒 𝑡2 = 1 → 𝑦2 = 1
2º) construir o gráfico:
𝑥 = 2𝑦 2 − 𝑦 (𝑃𝑎𝑟á𝑏𝑜𝑙𝑎)
1
𝑜𝑥: 𝑦 = 0 , 𝑥 = 0 , 𝑜𝑦: 𝑥 = 0 , 𝑦 = 0 𝑒 𝑦 =
2

𝑦 = 𝑥 3 ( Parábola cúbica)
Intersecta o eixo das ordenadas e das abcissas na origem (0; 0)

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 5


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

3º) Calcular a área: Vamos integrar em relação ao eixo 𝑜𝑦


𝑏
𝐴 = ∫ (𝑥2 − 𝑥1 )𝑑𝑦
𝑎
1 1
𝐴 = ∫0 ( 3√𝑦 − (2𝑦 2 − 𝑦)) 𝑑𝑦 = ∫0 ( 3√𝑦 − 2𝑦 2 + 𝑦) 𝑑𝑦 𝐴 =
4
1 1 1 1 𝑦3 1 1 1 1 1
∫0 𝑦 3 𝑑𝑦 −2 ∫0 𝑦 2 𝑑 𝑦 + ∫0 𝑦 𝑑𝑦 = ( 4 ) − 2 (3 ) (𝑦 3 ) + (2) (𝑦 2 )
3
0 0 0
4 4
3 2 1
𝐴 = [(1 ) − (0 )] − [(13 ) − (03 )]+ [(12 ) − (02 )]
3 3
4 3 2
3 2 1 9−8+6 7
𝐴= − + →𝐴= →𝐴= , 𝐿í𝑛𝑒𝑎 𝐵)
4 3 2 12 12

2) (Exame 2019) A área limitada pelas curvas 𝑥 + 𝑦 2 − 4 = 0 e 𝑥 + 𝑦 =


9
2 é: 𝐴) 2,3 𝐵)2,5 𝐶) 2 𝐷)0,5 𝐸)
2
Resolução:
1º) passo: Achar a intersecção entre as curvas:

𝑥 + 𝑦2 − 4 = 0 → 𝑥 = 4 − 𝑦2 𝑒 𝑥 + 𝑦 = 2 → 𝑥 = 2 − 𝑦
Fazendo: 𝑥 = 𝑥 → 4 − 𝑦 2 = 2 − 𝑦 → 𝑦 2 − 𝑦 − 2 = 0
𝑦 2 − 𝑦 − 2 = 0 → 𝑦 2 − 𝑦 − 2 = (𝑦 − 2)(𝑦 + 1) = 0
(𝑦 − 2)(𝑦 + 1) = 0 → 𝑦1 = 2 𝑒 𝑦2 = −1
2º) Passo: construir o gráfico:

𝑥 + 𝑦 2 − 4 = 0 (Parábola)
𝑜𝑥: 𝑦 = 0 , 𝑥 = 4 ; 𝑜𝑦: 𝑥 = 0 , 𝑦 = ±2
𝑥 + 𝑦 = 2 (Recta )
𝑜𝑥: 𝑦 = 0 , 𝑥 = 2 ; 𝑜𝑦: 𝑥 = 0 , 𝑦 = 2

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 6


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

3º) Passo: Calcular a área (Vamos integrar em relação ao eixo 𝑜𝑦)


𝑏
𝐴 = ∫𝑎 (𝑥2 − 𝑥1 )𝑑𝑦
2 2
𝐴 = ∫−1((4 − 𝑦 2 ) − (2 − 𝑦))𝑑𝑦 = ∫−1( 4 − 𝑦 2 − 2 + 𝑦) 𝑑𝑦
2 2 2 2
𝐴 = ∫−1(2 + 𝑦 − 𝑦 2 ) 𝑑𝑦 = 2 ∫−1 𝑑𝑦 + ∫−1 𝑦 𝑑𝑦 − ∫−1 𝑦 2 𝑑𝑦
2 1 2 1 2
𝐴 = 2 (𝑦) + (𝑦 2 ) − (𝑦 3 )
−1 2 −1 3 −1
1 1
𝐴 = 2(2 − (−1)) + [(22 ) − ((−1)2 )] − [(23 ) − ((−1)3 )]
2 3
3 9
𝐴=6+ −3 →𝐴= , Línea E)
2 2

3) (Exame 2019) calcular a área limitada pela curva


𝑥 + 𝑦 2 = 0 e a recta 𝑥 + 𝑦 = 0
Resp: 𝐴) 2,25 𝐵) 2,5 𝐶) 0,5 𝐷) 2 𝐸) 𝑜𝑢𝑡𝑟𝑜
Resolução:
1º) Achar os pontos de intersecção entre a curva e a recta
𝑥 + 𝑦 2 = 0 → 𝑥 = −𝑦 2 𝑒 𝑥 + 𝑦 = 0 → 𝑥 = −𝑦 , fazendo: 𝑥 = 𝑥
−𝑦 2 = −𝑦 → 𝑦 2 − 𝑦 = 0 → 𝑦(𝑦 − 1) = 0 → 𝑦1 = 0 𝑒 𝑦2 = 1
2º) Construir o gráfico:
𝑥 + 𝑦 2 = 0 (função par )
𝑜𝑥: 𝑦 = 0 → 𝑥 = 0 , (0; 0) ; 𝑜𝑦: 𝑥 = 0 → 𝑦 = 0 , (0; 0)
𝑥 + 𝑦 = 0 → 𝑦 = −𝑥 (função ímpar, recta que passa na origem)

𝑏
3º) Passo: calcular a área: 𝐴 = ∫𝑎 (𝑥2 − 𝑥1 )𝑑𝑦 , integrando em relação ao eixo 𝑜𝑦

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 7


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

1 1 1 1
𝐴 = ∫0 [−𝑦 2 − (−𝑦)]𝑑𝑦 = ∫𝑜 (𝑦 − 𝑦 2 )𝑑𝑦 = ∫0 𝑦𝑑𝑦 − ∫0 𝑦 2 𝑑𝑦 , integrando:
1 1 1 1 1 1 1 1
𝐴 = 2 (𝑦 2 ) − 3 (𝑦 3 ) = 2 [(1)2 − (0)2 ] − 3 [(1)3 − (0)3 ] = 2 − 3
0 0
1
𝐴 = 6 , Línea E)

4) (Exame 2018) calcular a área da figura limitada pelas linhas:


7 5
𝑦= 𝑥 2 + 1; 𝑦 = 𝑥2 + 3
9 9

Resp: 𝐴) 4 𝐵) 7 𝐶) 6 𝐷) 5 𝐸) 9 𝐹) 10 𝐺) 8 𝐻) 𝑜𝑢𝑡𝑟𝑜
Resolução:

1º) passo: Achar a intersecção entre as curvas:


7 5
𝐹𝑎𝑧𝑒𝑛𝑑𝑜 𝑦 = 𝑦 → 𝑥2 + 1 = 𝑥 2 + 3 → 7𝑥 2 + 9 = 5𝑥 2 + 27
9 9

7𝑥 2 + 9 = 5𝑥 2 + 27 → 2𝑥 2 = 18 → 𝑥 2 = 9 → 𝑥 = ±√9 → 𝑥 = ±3
2º) Passo: construir o gráfico:
7
𝑦= 𝑥 2 + 1 ( Parábola )
9

𝑜𝑥: 𝑦 = 0 → ∄ 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑠𝑒𝑐çã𝑜 𝑐𝑜𝑚 𝑜 𝑒𝑖𝑥𝑜 𝑜𝑥


𝑜𝑦: 𝑥 = 0 , 𝑦 = 1
5
𝑦= 𝑥 2 + 3 ( Parábola )
9

𝑜𝑥: 𝑦 = 0 → ∄ 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑠𝑒𝑐çã𝑜 𝑐𝑜𝑚 𝑜 𝑒𝑖𝑥𝑜 𝑜𝑥


𝑜𝑦: 𝑥 = 0 , 𝑦 = 3

3º) Passo: Calcular a área (Vamos integrar em relação ao eixo ox)

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 8


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

𝑏
𝐴 = ∫𝑎 (𝑦2 − 𝑦1 )𝑑𝑥
3 5 7
𝐴 = ∫−3 ( 𝑥 2 + 3 − ( 𝑥 2 + 1)) 𝑑𝑥 =
9 9

3 5 7 3 2𝑥 2
𝐴 = ∫−3 ( 𝑥 2 + 3 − 𝑥 2 − 1) 𝑑𝑥 = ∫−3 ( 2 − ) 𝑑𝑥
9 9 9
𝑎 𝑎
Obs.: ∫−𝑎 𝑓(𝑥) = 2 ∫0 𝑓(𝑥)
3 2𝑥 2 3 2 3
𝐴 = 2 ∫0 ( 2 −
9
) 𝑑𝑥 = 2 [2 ∫0 𝑑𝑥 − 9 ∫0 𝑥 2 𝑑𝑥 ]
3 2 1 3
𝐴 = 2 [(2𝑥) − ( ) (𝑥 3 ) ]
0 9 3 0
3 2 3
𝐴 = 2 [(2𝑥) − (𝑥 3 ) ]
0 27 0
2
𝐴 = 2 [2(3 − 0) − ( 33 − 03 )] = 2( 6 − 2)
27

𝐴 = 8 , Línea G

5) (Exame 2017) A área limitada pelas curvas 𝑦 = 𝑥 − 𝑥 2 𝑒 𝑦 =


𝑥 √1 − 𝑥 é
A) 0,5 B) 0,1 C) 1 D) 6 E) 0,45 F) 10 G) 0,75 H)
outro
Resolução:

1º) passo : Achar os pontos de intersecção entre as curvas:

𝑦 = 𝑦 → 𝑥 − 𝑥 2 = 𝑥 √1 − 𝑥

𝑥 − 𝑥 2 − 𝑥 √1 − 𝑥 = 0 → 𝑥( 1 − 𝑥 + √1 − 𝑥) = 0

Aplicando a lei do anulamento do produto:

𝑥1 = 0 𝑒 ( 1 − 𝑥 + √1 − 𝑥) = 0

( 1 − 𝑥 + √1 − 𝑥) = 0 → ( √1 − 𝑥) = 𝑥 − 1 →

(√1 − 𝑥)2 = (𝑥 − 1)2 → 1 − 𝑥 = 𝑥 2 − 2𝑥 + 1 → 𝑥 2 − 𝑥 = 0

𝑥 2 − 𝑥 = 0 → 𝑥(𝑥 − 1) = 0 → 𝑥2 = 0 𝑒 𝑥3 = 1

Limites de integração em relação ao eixo 𝑜𝑥 : 0 ≤ 𝑥 ≤ 1

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 9


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

2º) Passo: Traçar o gráfico para visualizar a área a calcular:

𝑦 = 𝑥 − 𝑥 2 , 𝑜𝑥: 𝑦 = 0 , 𝑥 − 𝑥 2 = 0, 𝑥 = 0 𝑒 𝑥 = 1

𝑦 = 𝑥 − 𝑥 2 , 𝑜𝑦: 𝑥 = 0 , 𝑦 = 0

𝑦 = 𝑥 √1 − 𝑥 𝐷𝑓 = ]−∞; 1 ]

𝑜𝑥: 𝑦 = 0 , 𝑥√1 − 𝑥 = 0 , 𝑥 = 0 𝑒 𝑥 = 1

𝑜𝑦: 𝑥 = 0 ; 𝑦 = 0

3º) Passo : calcular a área:


𝑏
𝐴 = ∫𝑎 (𝑦2 − 𝑦1 ) 𝑑𝑥
1 1 1
𝐴 = ∫0 [𝑥√1 − 𝑥 − (𝑥 − 𝑥 2 )]𝑑𝑥 = ∫0 𝑥√1 − 𝑥 𝑑𝑥 − ∫0 (𝑥 − 𝑥 2 )𝑑𝑥

𝐼1 = ∫0 𝑥√1 − 𝑥 𝑑𝑥 , fazendo: √1 − 𝑥 = 𝑡 ,
1

1 − 𝑥 = 𝑡 2 → 𝑥 = 1 − 𝑡 2 , 𝑑𝑥 = −2𝑡 𝑑𝑡
1 1 1
𝐼1 = ∫0 ( 1 − 𝑡 2 )𝑡(−2𝑡) 𝑑𝑡 = ∫0 (𝑡 2 − 1) 2𝑡 2 𝑑𝑡 = 2 ∫0 (𝑡 4 − 𝑡 2 )𝑑𝑡

1 1 1 1 1 1
𝐼1 = 2 [∫0 𝑡 4 𝑑𝑡 − ∫0 𝑡 2 𝑑𝑡] = 2 [( 𝑡 5 ) − ( 𝑡 3) ]
5 0 3 0
1 1 1 1
𝐼1 = 2 [( (√1 − 𝑥)5 ) − ( (√1 − 𝑥)3 ) ]
5 0 3 0
1 5 5 1 3 3
𝐼1 = 2 [ ((√1 − 1) − (√1 − 0) ) − ((√1 − 1) − (√1 − 0) )]
5 3

4
𝐼1 =
15

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 10


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

1 1 1 𝑥2 1 𝑥3 1
𝐼2 = ∫0 (𝑥 − 𝑥 2 )𝑑𝑥 = ∫0 𝑥 𝑑𝑥 − ∫0 𝑥 2 𝑑𝑥 = ( ) −( )
2 0 3 0
12 02 13 03 1
𝐼2 = [( ) − ( )] − [( ) − ( )] =
2 2 3 3 6

A área finalmente será: 𝐴 = 𝐼1 − 𝐼2


4 1 1
𝐴= − →𝐴= → 𝐴 = 0,1 𝑢2 , Linea B)
15 6 10

6) (Exame 2016) A área da região limitada pelo gráfico da função


|𝑥|
𝑦= , 𝑜 𝑒𝑖𝑥𝑜 𝑜𝑥 𝑒 𝑎𝑠 𝑟𝑒𝑐𝑡𝑎𝑠 𝑥 = −2 𝑒 𝑥 = 1 é:
1+𝑥 2

𝑙𝑛10 2 2 5
𝐴) ln 10 𝑢2 𝐵) 𝑢 𝐶) ln ( ) 𝑢2 𝐷) 𝑎𝑟𝑐𝑡𝑔 2 𝑢2 𝐸) 𝑎𝑟𝑐𝑡𝑔 ( ) 𝑢2
3 3 2
𝐹) 𝑎𝑟𝑐𝑡𝑔 (10)𝑢2 𝐺)𝑜𝑢𝑡𝑟𝑜

Resolução:
𝑥
|𝑥| 2
; 𝑠𝑒 𝑥 ≥ 0
1º) passo: 𝑦 = = { 1+𝑥𝑥 }
1+𝑥 2 − 𝑠𝑒 𝑥 < 0
1+𝑥 2

2º) Passo: Achar os interceptos e construir o gráfico para visualizar a área a


calcular e os seus limites de integração:
𝑥
𝑦= , 𝑜𝑥: 𝑦 = 0 , 𝑥 = 0 ; 𝑜𝑦: 𝑥 = 0, 𝑦 = 0 (𝑓(𝑥)𝑝𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑛𝑎 𝑜𝑟𝑖𝑔𝑒𝑚)
1+𝑥 2

∀𝑥 ≥ 0; 𝑥 → +∞ , 𝑦 → 0
𝑥
𝑦=− , 𝑜𝑥: 𝑦 = 0 , 𝑥 = 0 ; 𝑜𝑦: 𝑥 = 0, 𝑦 = 0 (𝑓(𝑥)𝑝𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑛𝑎 𝑜𝑟𝑖𝑔𝑒𝑚)
1+𝑥 2

∀ 𝑥 < 0; 𝑥 → −∞ ; 𝑦 → 0

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 11


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

3º) Passo: calcular a área:


𝐴 = 𝐴1 + 𝐴2
0 𝑥𝑑𝑥 1 0
𝐴1 = ∫−2 − = − ln(1 + 𝑥 2 ) =
1+𝑥 2 2 −2
1 ln 5
𝐴1 = − [ln(1 + 02 ) − ln(1 + (−2)2 )] → 𝐴1 =
2 2
1 𝑥𝑑𝑥 1 1
𝐴2 = ∫0 = ln(1 + 𝑥 2 )
1+𝑥 2 2 0
1 ln 2
𝐴2 = [ln(1 + 12 ) − ln(1 + (0)2 )] → 𝐴2 =
2 2
ln 5 ln 2 1
Então a área cera: 𝐴 = 𝐴1 + 𝐴2 = 2
+ 2
= 2 (ln 5 + ln 2 )
1 1
𝐴= ln(5 × 2) → 𝐴 = ln 10 , Línea H)
2 2
√𝑥
7) (Exame 2016) A área limitada pela curva 𝑦 = e as rectas
1+𝑥 3
𝑦 = 0 e 𝑥 = 1 é:
𝜋 3𝜋 5𝜋 𝜋
A) 𝐵) 𝐶) 𝐷) 𝐸) 𝜋 𝐹) 3 𝐺) 6 𝐻) 𝑜𝑢𝑡𝑟𝑜
4 4 3 6

Resolução:
1º) Passo: Achar o domínio, os interceptos e construir o gráfico para
visualizar a área a calcular e os seus limites de integração:
𝐷𝑓 = [0; +∞[
√𝑥
𝑦= , 𝑜𝑥: 𝑦 = 0 , 𝑥 = 0 ; 𝑜𝑦: 𝑥 = 0, 𝑦 = 0 (𝑓(𝑥)𝑝𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑛𝑎 𝑜𝑟𝑖𝑔𝑒𝑚)
1+𝑥 3

∀𝑥 ≥ 0; 𝑥 → +∞ , 𝑦 → 0
𝑠𝑒 𝑥 = 1 ,𝑦 =
1
, 𝑠𝑒 𝑥 = 0 ,𝑦 = 0
2

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 12


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

2º) Passo: calcular a área


1 1 √𝑥
𝐴 = ∫0 𝑓(𝑥)𝑑𝑥 = ∫0 𝑑𝑥 , 𝑓𝑎𝑧𝑒𝑛𝑑𝑜: 𝑥 = 𝑡 2 → 𝑑𝑥 = 2 𝑡 𝑑𝑡
1+𝑥 3
𝑇𝑟𝑜𝑐𝑎𝑛𝑑𝑜 𝑜𝑠 𝑙𝑖𝑚𝑖𝑡𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑔𝑟𝑎çã𝑜 𝑒𝑚 𝑟𝑒𝑙𝑎çã𝑜 𝑎 𝑡:
𝑠𝑒 𝑥 = 1 → 𝑡 = 1, 𝑠𝑒 𝑥 = 0 → 𝑡 = 0
1 𝑡(2𝑡)𝑑𝑡 1 𝑡 2 𝑑𝑡
𝐴 = ∫0 = 2 ∫0 ,
1+(𝑡 2 )3 1+(𝑡 3 )2
𝑑𝑦
𝑠𝑢𝑝𝑜𝑛𝑑𝑜 𝑛𝑜𝑣𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑞𝑢𝑒: 𝑡 3 = 𝑦 → 3𝑡 2 𝑑𝑡 = 𝑑𝑦 → 𝑡 2 𝑑𝑡 =
3

𝑇𝑟𝑜𝑐𝑎𝑛𝑑𝑜 𝑜𝑠 𝑙𝑖𝑚𝑖𝑡𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑔𝑟𝑎çã𝑜 𝑒𝑚 𝑟𝑒𝑙𝑎çã𝑜:


𝑠𝑒 𝑡 = 1 → 𝑦 = 1, 𝑠𝑒 𝑡 = 0 → 𝑦 = 0
1 1 𝑑𝑦 2 1 𝑑𝑦 2 1
𝐴 = 2 ∫0 ( 2) ( ) = ∫0 2 = 𝑎𝑟𝑡𝑔(𝑦)
1+𝑡 3 3 1+𝑡 3 0
2 2 𝜋
𝐴= ( 𝑎𝑟𝑐𝑡 (1) − 𝑎𝑟𝑐𝑡𝑔(0)) = ( − 0)
3 3 4
𝜋
𝐴= , Línea D)
6
8) (Exame 2016) A área da região compreendida entre a curva 𝑦 = 2𝑥 2 − 2𝑥 −
1 e as rectas 𝑥 = 1 𝑒 𝑥 = 10 𝑒 𝑜 𝑒𝑖𝑥𝑜 𝑜𝑥 é:

13√2 √2
Resp: 𝐴) ( − 4) 𝑢2 𝐵) 28𝑢2 𝐶) 12 𝑢2 𝐷) 2016 𝑢2 𝐸) 𝑢2 𝐹) 57 𝑢2 √2 𝑢2 𝐺) 𝑜𝑢𝑡𝑟𝑜
9 6

Resolução:

10
A área da figura será: 𝐴 = ∫1 (2𝑥 2 − 2𝑥 − 1) 𝑑𝑥
10 10 10
𝐴 = 2 ∫1 𝑥 2 𝑑𝑥 − 2 ∫1 𝑥 𝑑𝑥 − ∫1 𝑑𝑥 , Integrando temos:
2 10 1 10 10 2 10 10 10
𝐴 = 3 (𝑥 3 ) − 2 (2) (𝑥 2 ) − (𝑥) = 3 (𝑥 3 ) − (𝑥 2 ) − (𝑥)
1 1 1 1 1 1
2 3 3 2 2
𝐴 = [(10) − (1) ] − [(10) − (1) ] − (10 − 1)
3
𝐴 = (666 − 99 − 9) → 𝐴 = 558 𝑢2 , Línea G

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 13


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

9) (Exame 2016) A área da região compreendida entre o eixo OX e o gráfico da


função: 𝑓(𝑥) = 𝑥 𝑒 2𝑥 entre −1 < 𝑥 < 1, é:
Resp:
𝑒 4 +2𝑒 2 𝑒 4 −1 𝑒 −4 +2𝑒 2 𝑒 4 +2𝑒 2 −3 𝑒 4 −𝑒 2 −3
𝐴) 𝑢2 𝐵) 𝑢2 𝐶) 𝑢2 𝐷) 𝑢2 𝐸) 𝑢2
4𝑒 2 4𝑒 2 4𝑒 2 𝑒2 4𝑒 2
𝑒 4 +2𝑒 2 −3
𝐹) 𝑢2 𝐺) 𝑜𝑢𝑡𝑟𝑜
4𝑒 2
Resolução:
1 𝑎 𝑎
A área da região será: 𝐴 = ∫−1 𝑥𝑒 2𝑥 𝑑𝑥, Sabe-se que: ∫−𝑎 𝑓(𝑥)𝑑𝑥 = 2 ∫0 𝑓(𝑥)𝑑𝑥
1 1
𝐴 = ∫−1 𝑥𝑒 2𝑥 𝑑𝑥 = 2 ∫0 𝑥𝑒 2𝑥 𝑑𝑥 , Integrando por parte:
1 1
𝐴 = 2 [(𝑢 𝑣) − ∫0 𝑣 𝑑𝑢]
0
1
𝑢 = 𝑥 → 𝑑𝑢 = 𝑑𝑥 ; 𝑣 = ∫ 𝑒 2𝑥 𝑑𝑥 = 2 𝑒 2𝑥
1 1 1 1 1 1 1 1
𝐴 = 2 [(2 𝑥 𝑒 2𝑥 ) − 2 ∫0 𝑒 2𝑥 𝑑𝑥] = 2 [2 {𝑥 𝑒 2𝑥 } − 4 (𝑒 2𝑥 ) ] ,
0 0 0
Substituindo os limites de integração vem:
1 1
𝐴 = 2 [2 {1 × 𝑒 2(1) − (0 × 𝑒 2(0) } − 4 {(𝑒 2(1) ) − (𝑒 2(0) )}]
𝑒2 𝑒 2 −1 𝑒 2 +1
𝐴 = 2(2 − )→𝐴=( ) 𝑢2 , Línea G)
4 2

10) (Exame 2015) Calcular a área da figura limitada pelas linhas:


𝑦 = 𝑥4 ; 𝑦 = 𝑥
1 2 1 3 7 4 3
Resp: 𝐴) 𝐵) 𝐶) 𝐷) 𝐸) 𝐹) 𝐺) 𝐻) 𝑜𝑢𝑡𝑟𝑜
5 5 2 5 10 5 10

Resolução:
1º) Passo: Achar a intersecção entre as linhas:
𝑦 = 𝑦 → 𝑥 4 = 𝑥 = 0 → 𝑥 4 − 𝑥 = 0 → 𝑥(𝑥 3 − 1) = 0
𝑥(𝑥 3 − 1) = 0, pelo anulamento do produto, temos:
3
𝑥=0 𝑒 𝑥 3 − 1 = 0 → 𝑥 3 = 1 → 𝑥 = √1 → 𝑥 = 1
2º) Passo: construir o gráfico para visualizar a área a calcular e os limites
de integração:
𝑦 = 𝑥 4 (função par), 𝑜𝑥: 𝑦 = 0 ; 𝑥 = 0 , 𝑜𝑦: 𝑥 = 0 𝑒 𝑦 = 0
𝑦 = 𝑥 (função ímpar), 𝑜𝑥: 𝑦 = 0 ; 𝑥 = 0 , 𝑜𝑦: 𝑥 = 0 ; 𝑦 = 0

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 14


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

3º) Passo: calcular a área


𝑏
𝐴 = ∫𝑎 (𝑦2 − 𝑦1 )𝑑𝑥
1 1 1 𝑥2 1 𝑥5 1
𝐴 = ∫0 (𝑥 − 𝑥 4 )𝑑𝑥 = ∫0 𝑥𝑑𝑥 − ∫0 𝑥 4 𝑑𝑥 = ( ) − ( )
2 0 5 0

12 02 15 05 1 1 3
𝐴 = [( ) − ( )] − [( ) − ( )] = − → 𝐴 = , Línea G)
2 2 5 5 2 5 10

11) (Exame 2015) calcular a área da figura limitada pelas linhas


1
𝑦= ; 𝑦 = 0 ∶ 𝑥 = 0,5 𝑒 𝑥 = 2,5
𝑥2

Resp: 𝐴) 1,5 𝐵) 1,6 𝐶) 1,4 𝐷) 1,8 𝐸) 2,0 𝐹) 1,9 𝐺) 1,7 𝐻) 𝑜𝑢𝑡𝑟𝑜


Resolução:
1º) construir o gráfico para visualiza a área a calcular e os limites de
integração:
1 1 5
𝑦= ( Função par ) , 𝑥 = 0,5 → 𝑥 = 𝑒 𝑥 = 2,5 → 𝑥 =
𝑥2 2 2

Quando 𝑥 → + ∞ , 𝑦 → 0
4
𝑠𝑒 𝑥 = 0,5 , 𝑦 = 4 ; 𝑠𝑒 𝑥 = 2,5 , 𝑦 =
25

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 15


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

2º) Passo: calcular a área:


𝑏
𝐴 = ∫𝑎 𝑓(𝑥)𝑑𝑥
5
5 5
2 1 1 2 1 1 2
𝐴= ∫ 1 2 𝑑𝑥 = ∫ 𝑥 −2 𝑑𝑥 = −
1
2
1 = −(5 − 1 ) = − (5 − 2)
𝑥 𝑥
2 2 2 2
2
8
𝐴 = − ( − ) → 𝐴 = 1,6 Línea B)
5

3
12) (Exame 2015) calcule a área limitada pelas linhas 𝑦 = 2𝑥 − 𝑥 2 ; 𝑦 =
4
1 1 5 1 2 7
Resp: 𝐴) 3 𝐵) 6 𝐶) 6 𝐷) 2 𝐸) 1 𝐹) 3 𝐺) 6 𝐺) 𝑜𝑢𝑡𝑟𝑜

Resolução:
1º) Achar a intersecção entre as linhas fazendo: 𝑦 = 𝑦
3
2𝑥 − 𝑥 2 = 4 → 8𝑥 − 4𝑥 2 − 3 = 0 , Multiplicando pela constante (-1), temos.
1 3
4𝑥 2 − 8𝑥 + 3 = 0 → (2𝑥 − 1)(2𝑥 − 3) = 0 → (𝑥1 = 2 𝑒 𝑥2 = 2 )

2º) Construir o gráfico:


1
𝑦 = 2𝑥 − 𝑥 2 , 𝑜𝑥: 𝑦 = 0 , 𝑥 = 0 𝑒 𝑥 = 2 ; 𝑜𝑦: 𝑥 = 0 𝑒 𝑦 = 0
3
𝑦 = 4 (𝑅𝑒𝑐𝑡𝑎 ℎ𝑜𝑟𝑖𝑧𝑜𝑛𝑡𝑎𝑙)

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 16


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

3º) Calcular a área:


𝑏
𝐴 = ∫𝑎 (𝑦2 − 𝑦1 )𝑑𝑥
3 3
3 1
𝐴 = ∫12 [2𝑥 − 𝑥 2 − (4)] 𝑑𝑥 = 4 ∫12(8𝑥 − 4𝑥 2 − 3)𝑑𝑥
2 2

3 3 3
1 𝑥 𝑛+1
𝐴 = 4 [8 ∫12 𝑥 𝑑𝑥 − 4 ∫12 𝑥 2 𝑑𝑥 − 3 ∫12 𝑑𝑥] , Integrando, temos: ∫ 𝑥 𝑛 𝑑𝑥 = 𝑛+1
2 2 2

3 3 3
1 1 1
𝐴= [8. 2 (𝑥 2 )21 −4 . 3 (𝑥)3 21 − 3 (𝑥)21] =
4
2 2 2

1 3 2 1 2 4 3 3 1 3 3 1 1 13
𝐴= [4 {(2) − (2) } − 3 {(2) − (2) } − 3 (2 − 2)] = 4 [8 − − 3]
4 3

2
𝐴 = 3 , Línea F)

13) (Exame
2014) Calcular a área da figura limitada pelas linhas
𝑦 = 𝑥3 ; 𝑦 = 1 ; 𝑥 = 2
Resp: 𝐴) 2,25 𝐵) 2 𝐶) 2,75 𝐷) 2,35 𝐸) 2,5 𝐹) 2,65 𝐺) 3 𝐻) 𝑜𝑢𝑡𝑟𝑜

Resolução:
1º) passo: Achar a intersecção entre as líneas:
3
𝑦 = 𝑦 → 𝑥 3 = 1 → 𝑥 = √1 → 𝑥 = 1 , 𝑠𝑒 𝑥 = 1 , 𝑦 = 1
𝑠𝑒 𝑥 = 2 → 𝑦 = (2)3 → 𝑦 = 8

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 17


ACADEMIA CLÍNICA DO SABER & DEPARTAMENTO DE SUPERAÇÃO ACADÉMICO

2º) Passo: construir o gráfico para visualizar a área a calcular e os limites


de integração:
𝑦 = 𝑥 3 ( 𝑝𝑎𝑟á𝑏𝑜𝑙𝑎 𝑐ú𝑏𝑖𝑐𝑎)
𝑦 = 1(𝑟𝑒𝑐𝑡𝑎 ℎ𝑜𝑟𝑖𝑧𝑜𝑛𝑡𝑎𝑙), 𝑥 = 2 (𝑟𝑒𝑐𝑡𝑎 𝑣𝑒𝑟𝑡𝑖𝑐𝑎𝑙)

3º) Passo calcular a área:


𝑏
𝐴 = ∫𝑎 (𝑦2 − 𝑦1 )𝑑𝑥
2 2 2 𝑥4
𝐴 = ∫1 (𝑥 3 − 1)𝑑𝑥 = ∫1 𝑥 3 𝑑𝑥 − ∫1 𝑑𝑥 = ( ) 12 − (𝑥)12
4
1 15 11
𝐴 = [(2)4 − (1)4 ] − (2 − 1) = −1= → 𝐴 = 2,75 𝑙𝑖𝑛𝑒 𝐶)
4 4 4

Elaborado por: Pedro Rafael Afonso-Luanda/cacuaco/cimangola/ 938979070 Página 18