Você está na página 1de 2

Defeitos em Tarugos

Tipo Defeito Descrição Efeito na Laminação Correção na Laminação


Seção do tarugo apresenta faces oposta 1-Se R<4% - não causa problemas na laminação
paralelas, com 2 ângulos >90 graus e 2 2-Se 4<R<6 % - tarugo pode enroscar na caixa do primeiro
1-Romboidade
ângulos < 90graus. Normalmente passe, ou tombar e girar durante 1 e 2 passes
acompanhadas de trincas de canto 3-Se R>6% - não utilizar o tarugo Não Há
Trincas profundas devem ser
Provocam tensões que podem fazer surgir trincas
removidas por esmerilhação.Deve-se
2-Concavidade longitudinal na O tarugo apresenta concavidades nas faces subcutâneas ou superficiais, associadas as
tomar cuidado com a esmerilhação
superfície longas no sentido do comprimento depressões.Mais comuns em aços S>0,02% e C- 0,17-
Forma para não aquecer o tarugo e
0,25%.
aprofundar a trinca.

Problemas maiores estão no forno de reaquecimento :


Tarugo apresenta ondulações ao longo de Fornos tipo empurrador - causam efeito mola Não há, deve-se apenas procurar
3-Empenamento e falta de seu eixo longitudinal Fornos tipo soleira móvel - deslocamento não uniforme, separar os tarugos emepenados ou
retilinidade Único Arco - Empenamento podendo jogar o tarugo contra a parede do forno sem retilinidade e não alimenta-los
Diversas Ondulações - Falta de retilinidade Dificuldades de movimentação no caminho de rolos na grelha do forno
Dificuldades de agarre no 1 passe do desbaste

São trincas internas na região central do


Caso não estejam oxidadas, podem ser caldeadas durante
tarugo que se desenvolvem ao longo de sua
1-Trincas na região central a laminação. Caso não sejam caldeadas, podem ocasionar Não há.
seção transversal. Normalmente não chegam
o surgimento de pontas abertas durante a laminação
a atingir a superfície do tarugo
Trincas próxima a superfície, poderão se abrir durante a
São trincas internas inclinadas em relação as
laminação, causando trincas superficiais.
faces que se desenvolvem ao longo de sua
2-Trincas inclinadas O caldeamento dessas trincas, mesmo não oxidadas, é Não há.
seção transversal. Normalmente não chegam
muito difícil, só conseguido com grandes passes de
a atingir a superfície do tarugo
laminação com deformação muito grandes.

As descontinuidades não oxidadas (porosidades ou vazios)


Ocorrência na parte central do tarugo de
poderão ser caldeadas se a redução de área na laminação
3-Segregação, porosidade e vazio partículas de S, Mn, P, C que podem estar
for grande. A segregação central continuará no produto Não há.
centrais acompanhadas de pequenas cavidades ou
final sendo não aplicável a trabalhos de recalque a frio ou
micro bolhas
trabalho contínuo, como aços para molas

Internos Pequenas cavidades que aparecem ao longo


Se as bolhas estiverem muito próximas a superfície,
de todo perímetro subcutâneo da seção
podem se abrir causando pequenas fissuras alongadas e Escarfagem ou esmerilhação dos
4-Bolhas Subcutâneas transversal. São bolhas de gases que
descontínuas na superfície de produtos acabados. Bolhas tarugos.
ficaram presos durante a solidificação do
a mais de 5 mm de profundidade desaparecem.
aço.

Se aflorarem nos produtos acabados, apresentam Se próximas a superfície -


Pequenas porções de escória e/ou fluxos de descontinuidades intermitentes. Podem assim causar escarfagem ou esmerilhamento
5-Macro inclusões de escória ou
fundição aprisionados no aço próximos a problemas em operações de estampagem a frio e trefilação Mais profundas e em grande número
fluxo de fundição
superfície em forma de inclusões de arames, além de provocar séria deterioração da dependerá da aplicação final do
resistência a fadiga e usinabilidade do aço produto

Partículas de óxidos, sulfetos, silicatos ou


aluminatos, ou combinações, dispersas na Não há
Se forem plásticas, se alogam.
massa de aço, aprisionadas por ocasião da Subcutâneas ou pouca profundidade
6-Inclusões não metálicas Se não forem plásticas, mantém forma original
solidificação do tarugo. Podem estar - escarfagem ou esmerilhação dos
Podem aflorar na superfície dos produtos acabados
distribuídas de forma aleatória ou afloradas tarugos.
na superfície.

pag 1 de 2
Defeitos em Tarugos

Tipo Defeito Descrição Efeito na Laminação Correção na Laminação

Ondulações superficiais, mais ou menos Em oscilações mais profundas podem ocorrer pequenos
Esmerilhação - somente para marcas
1-Marcas profundas de oscilação paralelas e igualmente espaçadas na defeitos superficiais, nos produtos acabados, semelhantes
profundas.
supefície da face dos tarugos a trincas e palhas muito pouco profundas
TIPO A - Esmerilhamento. Se for >
micro cavidades, geralmente agrupadas,
TIPO A - Fissuras pouco profundas (<0,1 mm) e alongadas 10 poros/m2. Se for para vergalhões
afloradas, nas faces dos tarugos
na direção da laminação no produto acabado. Pode causar ou produtos comuns não há
TIPO A - Gases dissolvidos no aço líquido
2-Micro-porosidade superficial problemas nos aços para estampagem a frio e molas problemas, desde que não sejam
(H2,N2,CO)
TIPO B - Normalmente não causam defeitos nos produtos grosseiros.
TIPO B - Provocadas pelo excesso de óleo
acabados TIPO B - Não precisam ser
de lubrificação do molde do veio do LC
removidas

Porções de escória aprisionadas na face dos TIPO A - Surgimento de sérias fissuras superficiais,
tarugos alongadas no sentido da laminação, com escória
Para produtos especiais por
3-Incrustações de escória nas faces TIPO A - Em menor número, porém > 5 mm aprisionada em seu interior
esmerilhação ou escarfagem
TIPO B - Em maior número, porém < 5 mm e TIPO B - Surgimento de pequenas fissuras arupadas na
agrupadas superfície do produto acabado

Porções de Al metálico, subcutâneo ou


Sempre que detectados devem ser
4-Incrustações alinhadas de aprisionado na superfície do tarugo, Dependendo das dimensões, podem causar fissuras
eliminados por esmerilhação ou
alumínio proveniente do fio de Al usado na superficiais graves
escarfagem
desoxidação do aço.

Produtos especiais - eliminar por


Heterogeneidades metálicas não caldeadas
Causam sério defeitos nos produtos acabados como esmerilhamento
a massa de aço do tarugo, provenientes
dobras, fissuras, palhas ou gotas frias. Tais defeitos podem Produtos comuns - defeitos com
Superficiais 5-Dobras e gotas frias normalmente de molde excessivamente
se abrir ou desprender, acumulando nas guias e podendo pouca profundidade ou incidência
desgastado, má lubrificação do molde ou
causar sucata podem ser tolerados. Demais devem
temperatura baixa
ser eliminados por esmerilhação

Rompimento da pele do tarugo propiciando o Pode causar graves e profundos defeitos no produto
Esmerilhação e escarfagem. Se em
vazamento do aço liquido. Ao solidificar-se acabdo, como trincas, fissuras, palhas e gotas frias. Se
6-Rompimento sanado grandes profundidades deve-se
novamente, ocorre o surgimento de uma ocorrer desprendimento do material, pode causar sucata
sucatar o tarugo.
placa aderente não caldeada a superfície. no laminador.

Esmerilhação e escarfagem. Se em
Fendas ou fissuras perpendiculares e Defeitos grosseiros nos produtos acabados, como trincas
7-Trincas transversais grandes profundidades deve-se
transversais ao eixo longitudinal do tarugo em "Y" ou palhas grosseiras
sucatar o tarugo.
Esmerilhação.
8-Rede de trincas na superfície Pequenas fissuras superficiais agrupadas,
Pequenas fraturas transversais ou rugosidade superficial Produtos especiais devem ser
dobrada, próxima a extremidade paralelas a linha de corte do tarugo,
no produto acabado reclassificados para produtos
cortada do tarugo próximos da extremidade cortada
comuns

Fendas ou fissuras na superfície que


acompanham o eixo longitudinal Produtos especiais - eliminar por
Trincas longitudinais de canto - próximo aos esmerilhação
Apresentarão fissuras alongadas e não cadeadas de
cantos do tarugo, normalmente de pequena Produtos comuns - trincas de canto
9-Trincas longitudinais profundidade variável, de acordo com a profundidade
profundidade são toleráveis, desde que
inicial do tarugo, no produto final
Trincas longitudinais nas faces - nas faces superficiais. Trincas de face devem
dos tarugos, podendo atingir grandes ser eliminados por esmerilhação
profundidades.

pag 2 de 2