Você está na página 1de 41

MARINHA DO BRASIL

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS


ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO

CURSO ESPECIAL AVANÇADO


DE COMBATE A INCÊNDIO
(ECIA)

Manual do Curso
1ª edição

Rio de Janeiro
2008
© 2007 direitos reservados à Diretoria de Portos e Costas

________ exemplares

Diretoria de Portos e Costas


Rua Teófilo Otoni, nº 4 - Centro
Rio de Janeiro, RJ
20090-070
http://www.dpc.mar.mil.br
secom@dpc.mar.mil.br

Depósito legal na Biblioteca Nacional conforme Decreto nº 1825, de 20 de dezembro de 1907

IMPRESSO NO BRASIL / PRINTED IN BRAZIL


Sumário

I CONTROLE DAS OPERAÇÕES DE COMBATE A INCÊNDIO A BORDO ....... 5


1 Introdução, segurança e princípios do curso ...................................................... 5
1.1 Principais objetivos do Curso .............................................................................. 5
1.2 Regras de segurança .......................................................................................... 5
1.3 Princípios de sobrevivência em relação ao fogo ................................................. 5
2 Áreas de perigo de incêndio ................................................................................ 8
2.1 Incêndios nos espaços das máquinas ................................................................. 8
2.2 Incêndios nas acomodações ............................................................................... 9
2.3 Incêndios na cozinha ........................................................................................... 9
2.4 Incêndios elétricos na estação rádio ou no compartimento das baterias ........... 10
2.5 Incêndios nos porões de carga e em contentores .............................................. 10
2.6 Precauções contra o fogo e seus perigos associados tais como manuseio e
estivagem de materiais ....................................................................................... 11
3 Precauções contra incêndios .............................................................................11
3.1 Quanto às estruturas das embarcações ............................................................. 11
3.2 Sistemas e Equipamentos de Combate a Incêndios em Navios de Passageiros14
3.3 Providências indispensáveis para a prevenção e o combate a incêndios a bordo14
3.4 A Organização e as Tarefas das Equipes de Combate ...................................... 15
3.5 Procedimentos a serem observados quando o navio estiver docado para reparos,
observando a Reg. III/8 da SOLAS/74, incluindo ............................................... 15
4 Destilação seca .................................................................................................. 15
5 Reações químicas .............................................................................................. 16
6 Incêndios em caldeiras e descargas de motores principais e auxiliares ............ 17
7 Incêndios em caldeiras aquatubulares ............................................................... 18
8 Táticas e procedimentos de controle de incêndio com o navio no mar .............. 18
9 Táticas e procedimentos para combater incêndio em navio transportando carga
perigosa .............................................................................................................. 19
10 Táticas e procedimentos de combate a incêndio quando o navio estiver transpor-
tando carga perigosa .......................................................................................... 19
11 Táticas e procedimentos de combate a incêndios em navios tanque ................ 19
12 O uso da água como agente extintor e seu efeito na estabilidade ..................... 20
13 Comunicações e coordenações durante operações de combate a incêndio ..... 20
14 Controle de ventilação, incluindo extrator de fumaça .........................................21
15 Controle de combustível e sistemas elétricos .................................................... 21
16 Precauções de incêndio e perigos associados com a estivagem e o manuseio de
materiais (tintas, etc.) .......................................................................................... 21
17 Remoção e controle de pessoas feridas ou queimadas ..................................... 22
18 Procedimentos para coordenação com bombeiros de terra ............................... 23

II ORGANIZAÇÃO E TREINAMENTO DAS EQUIPES DE COMBATE ................. 24


1 Preparação do plano de contingência ................................................................ 24
2 Composição e alocação de pessoal nos grupos de combate ............................ 25
3 Treinamento dos marítimos em combate a incêndio .......................................... 25
4 Planos de controle de incêndio .......................................................................... 27
5 Detalhes da organização do incêndio e de abandono do navio ......................... 27
6 Táticas e estratégias de combate a incêndio nas várias partes do navio .......... 28
7 Detalhes da organização de combate a incêndio a bordo ................................. 29

3
III INSPEÇÕES NOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE DETECÇÃO E EXTINÇÃO . 35
1 Alarmes de incêndio ........................................................................................... 35
2 Equipamento de detecção de incêndio...............................................................35
3 Equipamento fixo de extinção de incêndio ......................................................... 35
4 Rede de incêndio principal, hidrantes, mangueiras, esguichos e bombas ......... 36
5 Equipamentos de extinção móveis e portáteis ...................................................37
6 Equipamentos de bombeiros e outros equipamentos de proteção pessoal ....... 37
7 Equipamento de sobrevivência e resgate........................................................... 37
8 Equipamento de salvatagem .............................................................................. 38
9 Equipamento de comunicação............................................................................38
10 Requisitos para estatutárias e de classificação .................................................39

IV INVESTIGAÇÃO E COMPILAÇÃO DE RELATÓRIOS DE INCIDENTES


ENVOLVENDO FOGO ........................................................................................40
1 Investigação e relatório de incêndio ................................................................... 40
2 Importância das experiências para treinadores e treinados ............................... 41
3 Relatórios documentados de incêndios em navios e lições aprendidas ............ 41

4
PARTE I - CONTROLE DAS OPERAÇÕES DE COMBATE A INCÊNDIO

1 Introdução, segurança e princípios do curso

1.1 Principais objetivos do Curso

Os treinados, ao final do Curso deverão saber:

• Organizar e treinar Equipes de Combate.


• Inspecionar e executar pequenos reparos de equipamentos e sistemas de detecção
e extinção de incêndio.
• Controlar operações de combate a incêndio a bordo de navios.
• Investigar e compilar relatórios de incidentes envolvendo fogo.

1.2 Regras de segurança

As regras de segurança citadas neste curso devem, doravante, ser rigorosamente


seguidas pelos treinados porque são de significativa relevância para a criação do hábito
do convívio com elas e aplicação sistemática delas, em todas as futuras circunstâncias a
bordo. A disseminação, a bordo, do sentimento de perigo e conseqüentes cuidados com a
segurança, a todos os tripulantes, é ferramenta indispensável para o desenvolvimento da
prática de proteção aos profissionais mercantes e ao patrimônio material.

1.3 Princípios de sobrevivência em relação ao fogo

Os princípios de sobrevivência a serem assimilados e aplicados são:

a) conhecimento amplo da teoria relativa às precauções contra incêndio


A repetição de regras, princípios e dogmas relativos à prevenção, detecção, combate
e relatos de investigação de incêndios é sempre útil à aprendizagem, pois ajuda a fixar
idéias e sistematizar práticas, tanto coletivas como individuais. Servem também, tais
repetições, para desenvolver uma educação específica, de modo a contribuir decisivamente
para a diminuição dos índices estatísticos dos casos que envolvem perdas de vidas
humanas e prejuízos materiais devidos a incêndios. Esse é o principal motivo da repetitiva
ênfase dada a certos aspectos já citados no Curso Básico de Combate a Incêndio (ECIN),
a qual encorajamos os treinados a praticarem a bordo, também como forma de estratégia
para facilitar o hábito educativo a bordo.

b) treinamentos práticos regulares, realisticos e detalhados


Regularidade
Os exercícios práticos, tanto de prevenção como de combate a incêndio, a bordo,
devem ser regulares, isto é, acontecerem a intervalos de tempo que possam beneficiar,
em especial, aqueles tripulantes recém embarcados e não acostumados a tal prática
naquele navio, de modo que estes venham a aprofundar seus conhecimentos sobre os
equipamentos existentes, praticar o de uso dos mesmos, familiarizarem-se com as
ECIA
Parte 1 - 5
localizações dos postos de incêndio, adquirir rapidez de resposta à solicitação de chamada
de emergência, aprimorar os conhecimentos de pontos de reunião e das saídas de fuga.

Deve também proporcionar, tal regularidade, aos tripulantes mais antigos no navio,
oportunidade para criarem desenvoltura nas ações de combate, detectar, reportar e propor
correção de falhas existentes nos esquemas de combate, na eficiência das ações
individuais e coletivas, além de servir, também, para manter o funcionamento adequado
de todos os equipamentos do sistema.

Os exercícios de combate a incêndio a bordo, então, para acontecerem de forma


regular, tem que fazer parte de uma programação, cuja elaboração, de competência a
nível de comando, devem seguir as seguintes diretrizes:
• devem ser efetuados sempre imediatamente após a troca de 10% da tripulação.
• nunca devem ser espaçados de mais de três semanas
• devem ser programados e articulados pelo Comando do navio, sendo uns com
aviso prévio à tripulação e outros de caráter “súbito”, oportunidades em que será
desenvolvido o controle do estado nervoso de cada um.

Realidade
Devem ser também, os exercícios de prevenção e combate a incêndio, tão próximos
da realidade quanto puderem. Sem exacerbar na condição de “próximo ao real”, levando
o exercício a níveis extremos, é aconselhável conduzí-lo até onde o bom senso, a garantida
segurança e a progressiva aptidão da tripulação o permita.

Detalhamento
Um pequeno detalhe pode vir a prejudicar todo um trabalho,toda uma ação de combate
a um incêndio. O fogo não espera por nada e sua propagação é tão rápida quanto perigosa.
Nos exercícios, todos os detalhes das ações e do pronto funcionamento dos equipamentos
são importantes. É de bom alvitre relacionar as fases de cada ação para melhor avaliá-
las, corrigir seus erros e, assim, aumentar a eficiência. As avaliações, tanto de cada
exercício visto como um todo, como de cada ação que faz parte de cada exercício, são
indispensáveis para as correções de possíveis falhas (humanas ou de material) e por
isso elas devem ter ampla participação de membros da tripulação, com a criação de
comitês e sub-comitês de avaliação.

c) preparação de Plano de Contingência para Emergência de Incêndio


Em situação de emergência a bordo de um navio, uma imediata, organizada e eficiente
resposta deve ser dada através de uma ação planejada, de modo a minimizar os efeitos
daquela emergência. Em um navio de tripulação bem treinada, no mesmo instante em
que soa um alarme, cada tripulante, já conhecendo a organização básica do plano de
ação (resposta), saberá exatamente onde ele se ajusta na ação.

De pouco vale um Plano de Contingência que não é posto em prática. Esse recurso
torna-se uma valiosa ferramenta contra incêndio quando tem a participação do pessoal
de bordo na sua elaboração (geralmente preparado por uma Sociedade Classificadora)
ou, de outra forma, quando é constantemente estudado, revisado, adaptado quando
necessário e posto em prática pela tripulação. A familiarização dos tripulantes com o
referido Plano depende do esforço de cada um e da incentivação promovida pelo comando
e oficialidade. A divisão do Plano de Contingência para Emergência de Incêndio (PCEI)
em partes, com oportuno e gradativo estudo e re-estudo, sistemáticos dessas partes,

6
facilita seu uso pela familiarização e interesse que desperta nos tripulantes. É fundamental
que cada tripulante possua um exemplar desse Plano, independente da obrigatoriedade
de existência do mesmo em locais estratégicos no navio. Assim, cópias boas e legíveis
do PCEI devem ser encontradas:

• Em todos os camarotes
• No passadiço
• Na estação rádio
• Na praça de máquinas
• Na sala de controle de carga
• Em todos os escritórios do navio
• Em todos os espaços comuns (salões de estar, refeitórios, biblioteca, etc)
• Nos postos de reunião para combate a incêndio (estações)

d) identificação das rotas de fuga


A identificação das rotas de fuga é fator fundamental para garantir a segurança de
todos aqueles que convivem a bordo de um navio. É oportuno lembrar que os regulamentos
sobre a construção de navios, previsto nas emendas de 1981 ao SOLAS, recomendam
tipos de anteparas e recomendações sobre construção de escadas e elevadores, dentro
dos navios, onde as rotas de fuga foram largamente focalizadas. O tripulante precisa
conhecer alguns detalhes da construção de seu navio para entender como foi planejado
e construído para melhor entender das rotas de fuga e até mesmo participar do
planejamento dessas rotas. De qualquer maneira e entendendo ou não os motivos das
localizações dessas vias de escape, é altamente recomendado que sejam mantidas
informações claras sobre essas “saídas de emergência” dos ambientes ameaçados por
fogo. Tais informações devem constar de avisos, setas, frases curtas, etc. afixados em
anteparas, com a finalidade de orientar durante as emergências.

e) identificação dos perigos de fumaça e dos gases tóxicos


Há muitos fatores que contribuem para os perigos de um incêndio, uma vez que o
fogo tenha começado em virtude de falhas nas ações de prevenção: as taxas de
crescimento das chamas e de propagação de calor, o nível de liberação de fumaça e de
gases tóxicos e a circulação desses gases e fumaça, liberados pelo fogo. Um navio é
essencialmente um meio ambiente isolado e fechado e por isso com problemas especiais.
Qualquer fogo, então, tem a tendência de sempre aumentar o nível de perigo.

Com o crescimento da indústria de plásticos sintéticos nas últimas décadas, houve


um aumento significativo da quantidade de produtos usados na fabricação de móveis e
de outros artigos. O material polimérico, no qual esses plásticos são baseados, incorpora
uma boa soma de elementos químicos os quais, além da estrutura normal Carbono/
Hidrogenio, pode aumentar os efeitos nem sempre experimentados com os materiais
tradicionais.

Grandes esforços já foram concentrados no estudo da natureza e dos efeitos da


combustão de produtos fabricados com material polimérico. Enquanto o monóxido de
carbono é usualmente o maior produto tóxico produzido pela queima de materiais
orgânicos, a presença de outras substâncias químicas pode contribuir para o aumento do
poder de toxidade e de irritabilidade da atmosfera do fogo. Quando há o reconhecimento
de que a decomposição térmica de um único polímero pode produzir uma centena de
espécies químicas, a magnitude do problema começa a se tornar aparente. Por exemplo,

ECIA
Parte 1 - 7
hidrogênio cyanido, nitrilas orgânicas, benzeno e tolueno podem ser gerados de poliuretana
e hidrogênio clorídrico pode ser alcançado de vinil clorídrico. Considerações sobre os
efeitos fisiológicos dos gases produzidos em incêndios, são, desse modo, importantíssimos
pela extrema complexidade e pouco entendimento dos seus efeitos.

Por tudo isso, um fogo acidental invariavelmente tem o potencial de colocar a vida
em jogo e representa um dos maiores perigos aos quais um navio pode ser exposto. E
não se engana quem pensa que esse tipo de problema é próprio de navios químicos.
Medidas de proteção contras fogo, tanto estruturais quanto ativas, permitem que incêndios
sejam controlados rapidamente e com ações simples.

A fumaça gerada durante os primeiros estágios de um incêndio podem algumas vezes


auxiliar na detecção, aumentando a possibilidade de efetivo seu controle e extinção,
entretanto, o escurecimento das rotas de escape e os efeitos dos gases tóxicos sobre o
homem, contribuem para a perda da vida. Além disso, em estágios mais avançados de
um incêndio, a fumaça pode prejudicar na localização do foco do incêndio.

f) inspeção e manutenção regulares :


• do equipamento de detecção de incêndio
• dos extintores móveis e dos portáteis
• dos sistemas fixos de combate a incêndio, e
• dos equipamentos e acessórios de combate a incêndio.

O aconselhável é que sejam preparados cronogramas de inspeções e reparos


para cada uma dessas partes, além de testes e simulações (tão próximas do real quanto
possível) periódicas.

2 Áreas de Perigo de Incêndio

As estatísticas indicam que as principais áreas de bordo sujeitas a incêndio são :


a) Praça de Máquinas
b) Acomodações
c) Cozinha
d) Estação Rádio e compartimento das baterias
e) Áreas de carga

2.1 Incêndios nos espaços das máquinas

Principais causas:
• vazamentos de combustíveis líquidos causados por falhas ou avarias em conexões.
• isolamentos térmicos embebidos com combustíveis.
• superfícies aquecidas tais como tubos de exaustão, partes superaquecidas de
máquinas às proximidades de redes de combustíveis, etc.
• trabalhos a quente, como soldagens ou corte com ox-acetileno
• autoignição por respingo de combustível em superfície aquecida

Métodos de contenção:
• fechamento das portas estanques
• fechamento das portas corta fogo

8
• fechamento dos abafadores
• spray de água e telas, com controle a distância, quando aplicável

Métodos de detecção:
• detectores de fumaça
• sensores de alta temperatura
• sensores do aumento da taxa de temperatura
• grupos, brigadas, etc

Principais acessórios:
• sistemas fixos, tais como de água, espuma e CO2
• extintores portáteis de água, espuma, CO2 e pó
• equipamentos móveis como de espuma, CO2 e pó

2.2 Incêndios nas acomodações

Principais causas:
• ignição de materiais de fácil combustão
• cigarros e fósforos, incluindo o depósito de baganas acesas no lixo
• produtos têxteis adjacentes a superfícies aquecidas, como lâmpadas e outros
equipamentos elétricos
• defeitos de sobrecarga em sistemas elétricos
• na lavanderia, instalação incorreta de secadoras ou falha na sua manutenção e
limpeza

Métodos de contenção:
• abafadores e portas corta fogo
• sistema de borrifo
• construção com materiais que retardam a ignição
• revestimento do convés com material a prova de fogo
• mobília fabricada com material a prova de fogo

Métodos de detecção:
• detectores de fumaça
• sensores de temperatura
• sistema de sprinklers
• patrulhas, grupos e brigadas

Principais acessórios:
• sistemas fixos, como hidrantes e mangueiras
• extintores portáteis como os de água

2.3 Incêndios na cozinha

Principais causas:
• superaquecimento de líquidos combustíveis e gorduras
• superaquecimento em frituras
• superfícies superaquecidas
• defeitos em conexões elétricas
• líquidos gordurosos ECIA
Parte 1 - 9
Métodos de contenção:
• portas corta fogo, supressão da ventilação e abafadores
• mantas abafadoras apropriadas

Métodos de detecção:
• grupos, patrulhas e brigadas

Principais acessórios:
• sistemas fixos, como hidrantes e mangueiras
• extintores portáteis, como os de água (exceto quando o fogo for de óleos e
gorduras), CO2 e pó

2.4 Incêndios elétricos na estação rádio ou no compartimento das baterias

Principais causas:
• sobrecarga e curto circuito
• isolamento defeituoso
• conexões partidas ou desfeitas
• no compartimento das baterias, produção de hidrogênio (devido à falta de
ventilação) e sua própria ignição, como através de fumaças

Método de contenção
• portas corta fogo

Método de detecção:
• observação

Principais acessórios:
• extintores portáteis de CO2 e de pó

2.5 Incêndios nos porões de carga e em contentores

Principais causas:
• cargas sujeitas à auto-aquecimento e combustão espontânea, como o carvão,
granéis passíveis de liberar gases inflamáveis
• perda da integridade das embalagens que contém explosivos, inflamáveis ou
substancias reativas
• retenção de material oleoso por deficiência de limpeza e de vazamentos de tanques

Métodos de contenção:
• coberturas dos porões, estrutura resistente do casco, etc
• uso de abafadores
• meios de extinção por controle remoto

Métodos de detecção:
• detectores de fumaça
• sensores de temperatura

10
Principais acessórios:
• sistemas fixos, como de água, de espuma de grande expansão e CO2
• extintores portáteis, como de água, espuma, pó e CO2
• extintores móveis, como os produtores de espuma

2.6 Precauções contra o fogo e seus perigos associados tais como manuseio e
estivagem de materiais

Materiais potencialmente perigosos, como


• tintas e vernizes
• óleos lubrificantes
• fluidos de limpeza, solventes e parafínicos
• combustíveis para embarcações de salvatagem e motores de emergência
• cilindros de acetileno e gases para fogões

Áreas aprovadas para estivagem de materiais como


• paióis de tintas
• paióis de convés (Paiol do Mestre)
• paióis de máquinas

Proibição de estivagem de tintas, óleos, fluidos de limpeza, etc. em:


• acomodações
• espaços de máquinas

Métodos aprovados de manuseio de carga entre navio e terra, de modo a evitar:


• vazamentos
• ignição por qualquer causa
• abraso no transporte de materiais de terra para estivagem a bordo

3 Precauções contra Incêndios

As precauções contra incêndios usadas nos navios podem ser quanto:


a) às estruturas das embarcações
b) aos equipamentos e sistemas de combate a incêndio
c) às medidas a serem tomadas
d) à organização
e) aos procedimentos em situações especiais

3.1 Quanto às estruturas das embarcações

Quando de seus projetos e construções, os navios já tem incluído uma série de


medidas que dizem respeito à prevenção contra incêndio, tais como:

3.1.1 A divisão do navio, em zonas verticais principais, por limites térmicos e estruturais
Em 01 de setembro de 1984 entraram em vigor as emendas, ratificadas pelo Comitê
de Segurança Marítima da IMO em 20 de novembro de 1981, ao SOLAS. Os requisitos
de proteção contra incêndio dessas emendas foram incorporados aos Regulamentos de

ECIA
Parte 1 - 11
Proteção contra Incêndios nos Navios Mercantes, de 1984. Foi a primeira vez que medidas
de prevenção, detecção e extinção de incêndios em navios mercantes foram incorporadas,
juntas, em um Instrumento Estatutário. Antes, tais medidas eram incluídas nas Regras de
Construção dos navios de passageiros e de carga, mas separadamente em seus
respectivos Códigos. Tal documento constitui um passo adiante no que diz respeito às
regras de construção de navios cargueiros relativas às suas proteções estruturais contra
incêndios. Nas duas décadas anteriores os regulamentos de construção de navios
mercantes exigiam, como proteções estruturais contra fogo, bem menos do que anteparas
da Classe “B”. Os melhoramentos das regras foram justificados pelo simples fato de não
haver motivo para não oferecer, aos tripulantes dos navios cargueiros, a mesma segurança
então existente nos navios de passageiros.

Para melhor entendermos as proteções estruturais de que tratam as regras supra


referidas, convém resumir o Capítulo II-2, Parte A, Regra 3 do SOLAS:

Divisões Classe “A” são aquela constituída por anteparas e conveses que devem
ser:
• construídas de aço ou material equivalente
• convenientemente reforçadas
• estanques a fumaça e a chamas ao longo de uma prova padrão de fogo, de 1 hora
• isoladas com materiais não combustíveis aprovados de modo que a superfície não
exposta não se eleve mais do que 140o nem mais de 180o em qualquer ponto, nos
tempos de:
60 minutos ............ “A”- 60
30 minutos ............ ”A”-30
15 minutos ............ “A”-15
0 minuto ............... “A”- 0

Divisões Classe “B” deverão:


• ser estanques a chama
• ser construídas de material não combustível aprovado, inclusive seus materiais de
fixação
• ter grau de isolamento tal que a superfície exposta não se eleve mais do que 140o
nem que a temperatura em qualquer ponto, inclusive qualquer junta, se eleve mais
de 225o dentro dos seguintes tempos:
15 minutos ............ “B”-15
0 minuto ............... “B”- 0

Divisões Classe “C” devem


• ser de material não combustível aprovado

O casco, a superestrutura, as anteparas estruturais, os conveses e as casarias, devem


ser construídos de aço, ou material equivalente. Os limites da superestrutura e das casarias
dos navios tanques devem ser isolados por um padrão “A”-60.

Zonas Verticais Principais e Zonas Horizontais


• Nos navios que transportam mais do que 36 passageiros, o casco, a superestrutura
e os conveses, deverão ser subdivididos em zonas verticais principais por divisões
da classe “A”-60
• Nos navios que transportam não mais do que 36 passageiros, o casco, a
superestrutura, as casarias nos acessos aos compartimentos habitáveis e os
12
espaços de serviço deverão ser subdivididos em zonas verticais principais por
divisões Classe “A”.
• Na medida do praticável, as antepara que formam os limites das zonas verticais
principais, acima da coberta da antepara, deverão estar alinhadas com as anteparas
estanques da subdivisão situadas imediatamente abaixo do convés das anteparas.
• Quando uma zona principal vertical for subdividida por divisões horizontais, essas
divisões deverão estender-se entre as anteparas adjacentes de zonas principais
verticais e o casco e os limites anteriores do navio.

Métodos de Proteção Contra Fogo


Um dos seguintes métodos de proteção contra fogo deve ser adotado nos espaços
das acomodações e serviços dos navios cargueiros:
a) Método IC: Todas as anteparas divisórias devem ser da Classe “B” ou “C” e sem a
necessidade de instalação de sprinklers, proteção contra incêndio, sistema de alarme (com
borrifo automático) ou mesmo qualquer detector de incêndio.
b) Método IIC: Um sistema de sprinkler é necessário ser instalado em todos os espaços
nos quais o fogo pode originar-se, sem restrição aos materiais usados na construção das
anteparas divisionais.
c) Método IIIC: Um sistema de detecção é necessário ser instalado em todos os locais
onde o fogo pode se originar, sem restrições quanto aos materiais usados na construção
das anteparas, exceto que a área de qualquer acomodação ou espaço limitado por divisórias
das classes “A” e “B”, não excedam 50 m2.

3.1.2 A proteção com gás inerte nos tanques de carga

Para navios-tanque de porte bruto igual ou maior do que 20.000 tons, a proteção da
área do convés dos tanques de carga e dos próprios tanques de carga deve ser feita
através de um sistema de espuma fixo e por um sistema fixo de gás inerte, de acordo com
as regras 60 e 61, do Capítulo II-2, Parte D, do SOLAS, que também prescreve:
a) todos os navios tanque que utilizam sistema de COW (Crude Oil Washing) de lavagem
de tanque, devem estar providos com sistema fixo de gás inerte e de máquinas fixas de
lavar tanques.
b) todos os navios dotados de sistema fixo de gás inerte devem estar dotados de sistema
de medição de nível de tanque, do tipo “fechado” (closed ullage system).
c) o sistema de gás inerte supracitado deve ser projetado e operado de modo a tornar
e manter a atmosfera dos tanques de carga e dos tanques de sobra (“slop tanks”) não
inflamável durante todo o tempo, exceto quando tais tanques tiverem de ser desgaseificados.
No caso em que o sistema de gás inerte for incapaz de satisfazer a exigência operacional
acima descrita, e ter sido constatada a impraticabilidade de fazer reparo, então as fainas
de descarregamento da carga, de deslastro e limpeza de tanques, só deverão ser retomadas
quando as “condições de emergência” (estabelecidas nas Diretrizes para Sistemas de Gás
Inerte, adotadas pelo Comitê de Segurança Marítima, na sessão 48o, de junho de 1983,
MSC/Cerca. 387) tiverem sido cumpridas.
d) o sistema em questão deve inertizar os tanques de carga vazios, reduzindo o teor de
oxigênio em cada um desses tanques a um nível que não seja possível a combustão, não
excedendo a 8% do volume, e uma pressão positiva durante todo o tempo, não só no porto
como no mar, exceto quando for necessário fazer desgaseificação. Para isso, o sistema
deve ser capaz de fornecer gás inerte com teor não superior a 5% do volume, na rede de
suprimento para os tanques, qualquer que seja a velocidade de escoamento.

ECIA
Parte 1 - 13
e) o sistema deve ser capaz de fornecer gás inerte para os tanques na vazão de pelo
menos 125% do valor máximo da vazão de descaga de que o navio é capaz, expressa em
unidade de volume.

3.1.3 a existência de paiol específico para materiais combustíveis

3.1.4 o uso de materiais a prova de fogo (retardantes de chama)

3.1.5 o uso de telas corta-chama e outros dispositivos que previnem contra a propagação
do fogo

3.1.6 as normas de construção da rede principal de incêndio, ou seja, diâmetro, pressão,


etc.

3.2 Sistemas e equipamentos de combate a incêndios em navios de passageiros

Nos navios de passageiros devem ser bem dimensionadas, de acordo com a


quantidade máxima de passageiros que o navio pode transportar:
a) a quantidade suficiente e a distribuição eficiente, de acordo com as regras II-2 da
SOLAS/74 :
• dos todos os tipos de extintores de incêndio, inclusive dos sistemas fixo, móveis e
portáteis;
• dos hidrantes e dos mangotes;
• da necessidade e distribuição correta de sprinklers;
• das proteções individuais contra incêndio.
b) a necessidade e os arranjos de instalação para suprimento de pó e água, incluindo
os de emergência.
c) a alocação de espaços sujeitos à detecção automática de incêndio.
d) a instalação de controles de emergência.

3.3 Providências indispensáveis para a prevenção e o combate a incêndios a bordo

Existem certas atitudes, às quais todos os tripulantes devem habituar-se, de modo a


tornarem “regras de convivência”. Entre elas estão:
a) manutenção da limpeza a bordo. É a limpeza e a arrumação que facilitam a criação
do habito de distinguir situações anormais tais como aquelas que podem favorecer situações
indesejáveis.
b) obediência às determinações de só fumar em espaços permitidos.
c) manter portas fechadas.
d) manutenção da ordem de todos os materiais destinados à prevenção e ao combate
ao fogo.
e) a observância dos métodos aprovados de combate a incêndio.
f) observância de treinamentos regulares e revisão constante de instruções sobre o
assunto.

14
3.4 A organização e as tarefas das Equipes de Combate

A organização das equipes de combate, tanto quanto a distribuição das tarefas por
esses grupos, deve obedecer aos seguintes princípios:
a) quanto ao melhor uso possível do pessoal disponível:
• Necessidade de flexibilidade na escolha
• Necessidade de treinar o pessoal no uso de diferentes equipamentos
• Necessidade de identificação, imediata e a qualquer tempo, de quem está a bordo
e está disponível.
• Necessidade de treinamento de ocasiões em que membros de equipes estão dentro
de zonas de fogo.
• Necessidade de manter, tanto quanto possível e principalmente durante os períodos
noturnos em que a maioria do pessoal encontra-se dormindo, vigilância através
vistoria por todo o navio, feita por pessoa atenta e pronta para acionar alarme.
b) quanto à escolha do local de reunião das equipes de combate:
• Distância entre o ponto de reunião e possíveis locais de incêndio.
• Maneira como o ponto de reunião é indicado.
• Aspectos positivos e negativos sobre os prováveis pontos de reunião durante a
escolha.
• Disponibilidade e facilidade de comunicação do local de reunião com o passadiço.
c) quanto às ações inicial e subseqüentes dos grupos ao escutarem uma alarme de
incêndio.
• Consideração dos perigos ao entrar em espaços onde haja incêndio.
• Observação das restrições no uso de certos meios de combate a incêndio.
• Consideração dos meios para resolver o conflito entre a necessidade de pronta
ação e a prevenção contra uma ação errada.
• O conhecimento pleno da lista de reunião.

3.5 Procedimentos a serem observados quando o navio estiver docado para reparos,
observando a Reg. III/8 da SOLAS/74, incluindo:

• Procedimentos de segurança do e para o pessoal do estaleiro.


• Responsabilidade pelo combate ao fogo.
• O controle e gerenciamento de serviços, testes e demais ações requeiram vigilância
e atenção.

4 Destilação seca

É o processo de combustão onde o material inflamável queima com uma quantidade


de Oxigênio insuficiente para haver uma completa combustão.

Um exemplo de destilação seca é a queima do carvão.

A seqüência de eventos que exemplificam os perigos de uma destilação seca são:


• Há um incêndio em um compartimento fechado...
• Por insuficiência de oxigênio nesse ambiente certos materiais ali existentes se
aquecem, se inflamam mas não queimam completamente...
• A súbita abertura de um acesso a esse compartimento, nessas condições, introduz
um certo suprimento de ar.

ECIA
Parte 1 - 15
• O resultado da súbita introdução desse ar é um flash direcionado exatamente para o
acesso que foi aberto...
• A pessoa que produziu a abertura e que tentava adentrar o compartimento poderá
ser queimada pela chama súbita (flash), a menos que esteja protegida.

Os perigos da destilação seca podem ser minimizados através:

• do resfriamento externo do compartimento fechado que está incendiando, com


mangueiras e muita água.
• da entrada no compartimento em posição abaixada, protegido por uma cortina de
água produzida por esguicho.
• direcionando jato sólido para o teto do compartimento em chamas.

É pelos motivos acima expostos que a inadvertida, inoportuna e precipitada ação de


entrar em compartimento fechado quando observado que ali há fumaça, sem as devidas
providências descritas acima, é total e enfaticamente desaconselhada.

5 Reações químicas

Conceito: Reação Química é o efeito causado quando certas substâncias (reagentes),


na presença de outra ou outras (também reagentes), produz substância, ou substâncias
(produtos) com características (químicas, físicas e organolépticas) diferentes daquelas
que as originaram, sem a possibilidade dos produtos voltarem às condições anteriores
de reagentes. Certas reações químicas podem ser produzidas pelo efeito da adição, a
uma substância química, de calor, de água, de vapor, de espuma, de CO2 e até mesmo de
areia.

Efeitos: Entre os mais diversos efeitos produzidos por uma reação química estão:
• a produção de gás inflamável
• a explosão
• a combustão espontânea
• a produção de vapores tóxicos e
• a geração de fumaça

Reações químicas durante incêndios são mais comuns de acontecerem quando o


incêndio ocorre nas cargas e nos espaços das acomodações.

Alguns exemplos de reação química que causam ou aumentam as proporções de


incêndios incluem:
• a produção de acetileno quando carbonato de cálcio entra em contacto com a água;
• a decomposição do vapor quando este é aplicado a combustão de carvão;
• a produção de hidrogênio quando a Redução Direta do Ferro (DRI – Direct Reduced
Fire) ocorre do contato com a água;
• a oxidação de certas cargas, tais como fertilizantes, sustentam o fogo até mesmo
quando o este está sob a ação de um agente extintor;
• a combustão espontânea, como a do fósforo quando sua embalagem está avariada;
• o auto-aquecimento como acontece com certos grão quando estão úmidos; e
• a produção de metano no carvão quando o mesmo atinge níveis perigosos de
restrição na ventilação.

16
Quando se tratar de incêndios em cargas perigosas, as orientações mais importantes
devem ser obtidas nos Procedimentos de Emergência para Navios Transportando Carga
Perigosa.
Quando se tratar de incêndios produzidos em substâncias a granel que produzem
perigos químicos, as orientações mais importantes estão contidas no Código de
Procedimentos de Emergência e práticas Seguras para Carga sólida a Granel.

Com o auxílio do Índice Geral do IMDG Code e do Emergency Prodedures for Ships
Carrying Dangerous Goods, pode-se determinar a ação a ser tomada quando de um
incêndio em determinada substância.

Com o auxílio do Code of Safe Practice for Solid Bulk Cargoes pode-se determinar a
ação a ser tomada quando de um incêndio e uma dada carga sólida a granel.

6 Incêndios em caldeiras e descargas de motores principais e auxiliares

Incêndios em caldeiras, economizadores, aquecedores de ar para sistemas de vapor,


exaustores, etc. devem ser tratados com procedimentos semelhantes.

A causa mais comum deste tipo de incêndio é o acúmulo de carbono depositado,


com ou sem óleo, que superaquece e produz combustão.

As principais dificuldades e perigos deste tipo de incêndio são:


• Inacessibilidade de todas as seções, especialmente nas que estão a grandes
alturas.
• A possibilidade de explosão se as portas de acesso ao ecomizador forem abertas.
• A possibilidade da rede do economizador alcançar a temperatura de 700º C , quando
pode acontecer:
- o próprio ferro entrará em combustão, derretendo
- a reação será auto sustentada e produzirá calor
• O produto da combustão será óxido escuro de ferro e hidrogênio livre.
• A queima do ferro no vapor independerá da do suprimento de oxigênio.
• O hidrogênio produzido entrará também em combustão se for introduzido ar.
• Poderá haver explosão.

Os procedimentos corretos para conter e extinguir incêndios desse tipo são:


a) parar imediatamente o funcionamento da caldeiram ou da máquina.
b) borrifar a superfície externa com água de modo que a temperatura seja reduzida.
c) acionar necessariamente os abafadores e válvulas que permitam a exclusão do ar.
d) proteger os sistemas elétricos essenciais e outros equipamentos (que fiquem próximos
à zona de fogo) da água usada para o controle do fogo.
e) promover contínuo resfriamento até que seja considerada segura a abertura do sistema
para exame, inspeção e limpeza completa.

ECIA
Parte 1 - 17
7 Incêndios em caldeiras aquatubulares

Nessas caldeiras é possível ocorrer incêndio produzido pelo vapor na própria ferragem
em virtude de:
a) escassez de água na caldeira causando superaquecimento da tubulação acima
do nível de água e devido à demora em seu desligamento.
b) fogo incontrolável na fuligem e produção de fumaça mesmo após ter a mesma sido
desligada, já no porto, associada à causa anterior, de escassez de água.
Se o incêndio é descoberto antes que a tubulação atinja os 700 oC de temperatura,
o método aconselhado para sua extinção é:
• direcionar para o bico queimador a maior quantidade de água possível como jato
sólido e, também para a origem do fogo, usando alimentação contínua de água
através do uso de bombas, sempre imaginando que os tubos da caldeira estejam
fraturados ou derretidos.
• Manter as coberturas de ar, abafadores, descargas, etc. resfriados através de
mangueiras com jato sólido de água.
• Deve ser evitado o uso de bicos de spray de água, aplicadores de espuma ou
Dióxido de Carbono diretamente no fogo.

Caso o fogo tenha se desenvolvido deve-se usar os mesmo procedimentos citados


no Capítulo 7 (sete), anterior.

8 Táticas e procedimentos de controle de incêndio com o navio no mar

Quando o alarme de incêndio é ouvido a bordo, imediatamente são postas em prática


procedimentos contra incêndio e táticas através das estações, tais como:
• A tripulação se reúne obedecendo a pré organizada distribuição pelas estações
designadas.
• Os grupos de combate reúnem-se, sob o comando do passadiço, e levam a cabo
suas tarefas pré-exercitadas para combater o fogo.
• O rumo do navio e sua velocidade são alterados de modo a contribuir para a extinção
do incêndio.
• As bombas são acionadas de modo a garantirem suprimento contínuo de água.
• Quando o incêndio for na Praça de Máquinas o navio deve ser parado.
• O Comandante decide o método mais apropriado para combater o fogo e essa
decisão é imediatamente divulgada pelo oficial responsável pelo combate.
• Em incêndios na Praça de Máquinas, são imediatamente preparadas as
embarcações salva-vidas.

O Comandante sempre dirige e controla, do passadiço, todas as operações, como


indicado em suas atribuições.

Após o fogo ter sido extinto, deve ser mantida uma vigilância no local do incêndio, o
regime de prontidão das estações é cancelado e inicia-se uma completa investigação.

18
9 Táticas e procedimentos para combater incêndio em navio transportando carga
perigosa

Quando o alarme de incêndio é dado os mesmo procedimentos citados no capítulo


anterior (8) são postos em efeito.

Também são postos em efeito procedimentos coordenados com a brigada contra


incêndio baseada em terra, seguindo, além disso, os seguintes procedimentos:
• chamar a brigada contra incêndio de terra.
• informar a autoridade apropriada
• informar a autoridade portuária que o comandante do navio permanece em total
alerta
• confirmar junto a autoridade portuária que a brigada contra incêndio permanecerá
em operação, assistida pela tripulação, como requerido
• confirmar à autoridade portuária que ela será informada, pelo comandante do navio,
sobre qualquer perigo às instalações das docas e sobre quaisquer ações
necessárias
• checar as pessoas que se encontram a bordo
• efetuar preparativos para o navio deixar o porto, se necessário
• evacuar o pessoal desnecessário ao combate

10 Táticas e procedimentos de combate a incêndio quando o navio estiver


transportando carga perigosa

Um plano de estivagem deve estar sempre à disposição para marcar e mostrar a


posição exata e as classes das cargas perigosas.

Um plano de combate a incêndio deve ser preparado mostrando que meios de combate
e aplicações devem ser usados com segurança.

Os perigos e os conseqüentes riscos à tripulação devem ser constantemente


enfatizados desde o momento em que a carga é embarcada.

Quando o alarme de fogo é dado, os procedimentos contra incêndio e os


procedimentos de emergência são colocados em efeito, como indicado no capítulo 8.

Os perigos de um combate precipitado, sem o conhecimento da natureza da carga


devem ser evitados.

Depois que um incêndio é extinto completamente, uma vigilância é mantida no local,


são dispensadas as condições de alerta das equipes de emergência e uma investigação
será iniciada.

11 Táticas e procedimentos de combate a incêndios em navios-tanque

Quando o alarme de fogo é dado são postos em prática os procedimentos de combate


e os procedimentos de emergência.

ECIA
Parte 1 - 19
Requisitos adicionais para combate a incêndios em navios-tanque incluem:
• um sistema fixo de extinção de incêndio na casa de bombas
• monitores de espuma com controle remoto no convés
• um sistema de gás inerte para os tanques de carga
• válvulas de bloqueio que permitam:
- controle de suprimento de água para os monitore de espuma no caso de avaria
na rede principal.
- controle do suprimento de água se as bombas de incêndio de emergência estão
em uso.
• divisórias que separem os espaços de gases perigosos
• segregação restrita entre espaços de carga e espaços das acomodações de Praça
de Máquinas.

Após o fogo ter sido extinto, deve ser mantida vigilância no local, os requisitos de
alerta das estações de combate serão cancelados e uma investigação no local terá inicio.

12 O uso da água como agente extintor e seu efeito na estabilidade.

O uso da água em grandes quantidades, particularmente nos espaços de carga,


causam problemas na estabilidade do navio, como o efeito de superfície livre que tem o
efeito de diminuir a altura metacêntrica.

Quando um espaço de carga é inundado para extinguir um incêndio torna-se


absolutamente importante evitar o efeito de superfície livre provocado pela água.

O uso de água como agente extintor, em espaços de carga que contenham grãos ou
papel é particularmente perigoso porque há o risco da carga absorver grande parte da
água usada, aumentando excessivamente seu peso e vindo a causar ruptura de suportes.
O uso de água para combater incêndio, nesses casos, deve ser monitorado.

13 Comunicações e coordenações durante operações de combate a incêndio

A comunicação e a coordenação durante as operações de combate a incêndio são


feitas de duplo modo: as internas, no navio, e as externas, com representação do armador,
da Sociedade Classificadora e de autoridades estatais no caso de assistência externa.

O Comandante deve permanecer em constante estado de alerta durante doa a


operação de combate a incêndio.

A comunicação interna com as estações de controle, local do incêndio e passadiço


devem obedecer às prescrições do Plano de Contingência.

Walkie-Talkies, sistema de telefonia interna e fonoclama são vitais no desenvolvimento


das comunicações internas, além de, eventualmente, ser também necessária à ação de
mensageiros.

As comunicações externas devem ser documentadas segundo o Plano de


Contingência e incluir links com o Armador, com a Sociedade Classificadora e com
Autoridades dos Estados vizinhos.
20
14 Controle de ventilação, incluindo extrator de fumaça

O sistema de ventilação é o ponto crítico dos locais das acomodações de passageiros


e tripulantes.e deve ser controlado de maneira que um incêndio em compartimento não
venha a propagar-se para outro (s) por meio dos dutos de ventilação.

Os flaps de ventilação e os interceptadores devem ser fechados para evitar a


propagação de incêndio para compartimentos adjacentes.

Os flaps dos dutos de extração e ventilação de camarotes devem ser também fechados
durante incêndios em acomodações.

Os flaps de ventilação dos compartimentos de carga devem ser igualmente fechados


quando de incêndio naqueles compartimentos.

Os flaps de ventilação da Praça de Máquinas também devem ser fechados em caso


de incêndio naquele local.

Extratores de fumaça são artefatos usado nos navios ro-ro e de passageiros. Tais
sistemas de extração, durante incêndios, devem ser usados somente a critério do
Comandante, para evacuar passageiros e facilitar o combate ao incêndio. A capacidade
do extrator deve ser de uma troca do volume de ar a cada 10 minutos.

15 Controle de combustível e sistemas elétricos

Dispositivos fixos de interrupção do fornecimento de combustível são essenciais para


a eficiência do combate a incêndio nas Praças de Máquinas.

A interrupção instantânea de combustível para acionamento do motor principal e dos


auxiliares deve ser possível pela existência de dispositivos de acionamento remoto, de
fora da Praça de Máquinas.

As bombas de transferência de combustível e os separadores necessitam de ter


dispositivos de paralisação imediata durante incêndios na Praça de Máquinas.

Sistemas elétricos também precisam ter desligamento remoto e instantâneo, tanto


para Praça de Máquinas como para acomodações, casa de bombas e espaços para
carga.

16 Precauções de Incêndio e Perigos Associados com a Estivagem e o Manuseio


de materiais (tintas, etc.)

Um sistema fixo de extinção de incêndio deve ser provido nos paióis de tintas dos
navios. Tais sistemas devem ser constantemente testados de modo a estarem em plenas
condições e sempre disponíveis quando for necessário.

O limite máximo de uma área de acomodação, num navio, que pode prescindir de
sistema fixo de combate a incêndio é 0,4 m2. Materiais combustíveis não podem ser
guardados nesses espaços.
ECIA
Parte 1 - 21
A estivagem de tambores de óleo lubrificante deve ser feita em local seguro,
preferivelmente no convés principal para facilitar seu lançamento em caso de emergência.

Medidas de segurança adicionais devem ser tomadas para a estivagem de carga


perigosa, de acordo com o Código.

A Praça de Máquinas deve ser mantida limpa e tambores de óleo contendo restos de
óleo não devem ser guardados na Praça de Máquinas.

17 Remoção e controle de pessoas feridas ou queimadas

Os principais perigos, provenientes de incêndios, a pessoa humana, são:


• asfixia: como resultado de incêndio causando insuficiência de oxigênio ou uso de
um agente extintor que também pode produzir tal efeito;
• envenenamento: causado por monóxido de carbono, produzido na maioria dos
incêndios ou combustão tóxica produzida no incêndio;
• rompimento de tecidos: pode levar a perda de função de partes do corpo, infecções,
mutilação/cicatrizes/desfiguramento;
• queima da pele: interfere na função respiratória e pode causar a morte;
• dor; e
• choque secundário: é uma séria conseqüência, causada pelo acúmulo de líquido
do corpo em bolhas e deve ser sempre tratada.

O imediato atendimento através de eficiente serviço de Primeiros Socorros a feridos


e queimados, com disponibilidade de material adequado e pessoal bem treinado, deve
ser a tônica de todo navio, sempre seguido de atendimento médico.

As primeiras medidas em caso de asfixia ou envenenamento devem ser:


• remoção da vítima da área de perigo seguida de:
- se inconsciente, colocar a vítima em posição de recuperação;
- na ausência de respiração, aplicação de respiração artificial; e
- na ausência de pulso, aplicar ressuscitação cardio-pulmonar.

Treinamentos práticos constantes a bordo devem ser habitualmente procedidos no


sentido de:
• colocar a vítima na posição correta de recuperação;
• aplicação de respiração artificial (boca-a-boca e boca-a-nariz); e
• aplicação de ressuscitação cardio-pulmonar.

Os primeiros tratamentos de queimados devem ser:


• aplicação cuidadosa de água limpa na área queimada ou submersão completa
dessa área em água limpa; e
• Injeção de morfina se a vitima tem muitas dores.

A bandagem e o tratamento por choque são igualmente importantes mas não devem
ser procedidos imediatamente, como primeiros socorros.

22
18 Procedimentos para coordenação com bombeiros de terra

A brigada de incêndio baseada em terra deve ser informada no caso de incêndio a


bordo quando o navio estiver no porto. O comandante e a oficialidade do navio deve
tomar imediatas providências para controlar o fogo seguindo o Plano de Contingência,
até que chegue o socorro de terra.

No caso de incêndio no mar, é possível obter auxilio de peritos através dos armadores,
sociedade classificadora ou paises vizinhos. O sistema de comunicação por satélite,
atualmente, é eficiente e está pronto para ser utilizado nessas emergências.

No caso de incêndios de grandes proporções, pode ser conseguido auxilio de terra


através do uso de helicópteros, vindos dos pontos de terra mais próximos.

Informações sobre a estabilidade e flutuabilidade podem ser obtidas através da


sociedade classificadora e seus bancos de dados.

ECIA
Parte 1 - 23
PARTE II - ORGANIZAÇÃO E TEINAMENTO DAS EQUIPES DE COMBATE

1 Preparação do plano de contingência

A preparação de Planos de Contingência na maioria das vezes é tarefa executada


pela Sociedades Classificadoras, mas no caso específico do Plano de Contingência contra
incêndios, de sua preparação, é aconselhável que o Comandante e a oficialidade
participem de modo a terem completo conhecimento de sua extrema utilidade e facilite a
familiarização como mesmo. Assim, deve se observado nesses planos haja as seguintes
informações:
a) a estação central de controle será no passadiço;
b) o comandante do navio será o coordenador geral das operações de combate ao
fogo;
c) os oficiais reportar-se-ão sempre ao passadiço e de lá receberão instruções;
d) quais as informações essenciais sobre o incêndio requeridas pela estação de controle
central, tais como:
• o instante em que o alarme de fogo foi dado;
• a localização e a natureza do fogo;
• a confirmação de que as equipes de combate estão reunidas em seus postos e
que os materiais usados para o combate estão prontos para uso;
• a confirmação de que a rede principal de incêndio está pressurizada;
• o relatório, oral e sucinto, inicial da tentativa de conter o fogo usando extintores
portáteis;
• o relatório, breve e oral, dos efeitos do fogo nos serviços e na iluminação; e
• o relatório inicial, curto e objetivo, das pessoas presentes, desaparecidas e atingidas,
citando os compartimentos e locais exatos onde houve incidente.
e) as informações que devem estar disponíveis pelo passadiço incluem:
• desenhos do navio, com tamanho e clareza convenientes, inclusive da praça de
máquinas e das acomodações;
• detalhes dos acessos e escapes das diferentes zonas do navio;
• detalhes de todos os equipamentos de combate a incêndio, tanto dos fixos como
dos portáteis, incluindo suas localizações e posições dos sobressalentes;
• informações sobre a estabilidade;
• detalhes do equipamento de sobrevivência e sua localização;
• planos de estivagem; e
• informações sobre as cargas perigosas.
f) os métodos disponíveis de comunicações e coordenação devem incluir:
• telefones;
• fonoclamas;
• fala direta por tubo acústico;
• rádios portáteis; e
• mensageiros.
g) os métodos de controle de avarias e contenção de fogo devem incluir:
• fechamento das portas de combate e portas corta-fogo;
• parada de toda ventilação e fechamento de dispositivos abafadores e tubulações
de ventilação;
• fechamento de todas as vigias, janelas, portas e acessos das acomodações, cozinha
e outros espaços;
• guinar o navio para o melhor posicionamento possível em relação à direção do

24
vento.
• resfriamento de divisórias, anteparas e conveses;
• uso de mantas abafadoras, como necessário; e
• manutenção de vigilância no local do incêndio após o mesmo ter sido extinto.
h) as condições de estabilidade devem se controladas e monitoradas em virtude do
uso de água como agente extintor, de modo que:
• seja calculada a mudança do GM e o efeito da superfície livre causado pela água
utilizada no combate;
• sejam usados os meios disponíveis para dreno da água usada no combate;
• para incêndios na carga, calculando o efeito de uma possível remoção de carga
para atacar o fogo;
• avaliando os efeitos de avarias causadas em espaços inundados; e
• considerando a possibilidade de movimentar o navio para local raso provocando
um calculado e providencial encalhe.

2 Composição e alocação de pessoal nos grupos de combate

A organização dos grupos de combate incluem:


• o modo como cada grupo é identificado;
• como cada membro é identificado;
• quais as garantias para manter o contato com cada pessoa e o conhecimento de
sua posição; e
• o conhecimento pleno das tarefas de cada grupo de combate, incluindo:
- o grupo de reconhecimento, equipado com extintores portáteis;
- o grupo responsável pelas mangueiras;
- o grupo de auxílio, busca e primeiros socorros; e
- o grupo técnico para checar elevadores, fechamento de dispositivos abafadores,
controle dos sistemas de ventilação, fechamento de válvulas, partida do gerador
de emergência, da bomba de incêndio e da substituição de extintores
descarregados.

3 Treinamento dos marítimos em combate a incêndio

Sistematicamente, após o embarque de tripulante, devem ser dadas instruções quanto


aos procedimentos de emergência em vigor e treinados também sobre o uso de aplicações
e equipamentos contra incêndio, com especial atenção a:
• localização e uso de extintores portáteis de água, pó, espuma e CO2
• localização e uso de extintores móveis, tais como os de espuma, pó e CO2
• localização e uso de extintores fixos e suas partes componentes, tais como:
- hidrantes, mangueiras e esguichos;
- sprinklers;
- sistemas de espuma; e
- sistemas de CO2.
• localização e uso do equipamento de combate, como:
- treinando como proceder a rápida vestimenta da roupa de proteção;
- conhecendo a localização e as particularidades dos equipamentos de proteção;
- checando e usando o equipamento de respiração autônoma do tipo aprovado; e
- checando e usando o cabo de segurança a prova de fogo e familiarizando-se com
o código de sinais.
ECIA
Parte 2 - 25
Quanto às táticas e estratégias para o controle de incêndios nas várias partes do navio,
é importante que os tripulantes tenham sistemáticos treinamentos realísticos mas seguros,
que devem ser desenvolvidos nas diversas áreas do navio, incluindo:
• as funções gerais, incluindo:
- partida do gerador de emergência;
- partida da bomba de incêndio de emergência e da bomba de esgoto;
- seleção das válvulas apropriadas para o fornecimento da água para combate,
para alagamento e esgoto de porões; e
- identificação dos controles de emergência e suas funções.
• otimização da segurança pessoal pela prática;
• movimentação com visibilidade restrita;
• movimentação através de espaços restritos;
• encontrando e removendo casualidades para não se tornarem imprevistos;
• usando o aparelho de respiração autônoma e cabo de segurança nessas condições
• nos espaços de máquinas, simular incêndios, como:
- no alternador devido a spray de óleo combustível, pelo rompimento da rede de
injeção, diretamente na rede de exaustão;
- na dala devido a ignição de óleo combustível provocada por centelhamento no
trabalho com solda nas vizinhanças;
- nas partes altas da Praça de Máquinas devido a vazamento de óleo lubrificante
de uma rede fraturada, diretamente em uma superfície aquecida;
- em locais adjacentes à caldeira;
- no painel de comando devido à perda de conexão; e
- no economizador ou na caldeira devido ao acúmulo de fuligem.
• nas acomodações, simular incêndios por:
- em um camarote provocado por um cigarro não apagado; e
- em um cômodo da tripulação devido à defeito elétrico.
• na cozinha, incluindo;
- no alto do fogão devido a respingo de gordura; e
- no fundo de frigideiras.
• em container do convés, como devido a defeito na unidade de refrigeração integral.
• nos espaços de carga, levando em consideração a carga que está embarcada, como;
- nos porões, cobros, cobertas ou containers; e
- envolvendo carga perigosa.
• no controle de ventilação e extrator de fumaça; e
• no controle de combustível e sistemas elétricos.

Aos membros dos grupos de combate devem ser dados treinamentos que incluem:
• instrução nos deveres de cada grupo;
• instruções nos deveres de cada membro e como esses deveres devem ser
desenvolvidos, se seguindo uma determinada ordem ou de outros modos; e
• exercícios que promovam a proficiência dos grupos, inclusive em primeiros socorros.

Os membros da tripulação que participam da brigada de incêndio devem ser


treinados para assegurar que eles estão familiarizados com os arranjos do navio e na
localização e operação dos equipamentos, incluindo:
• pontos de chamada operados manualmente;
• telefones;
• extintores portáteis e suas limitações; e
• hidrantes, mangueiras e esguichos.

26
Demonstrar habilidades para executar os exercícios listados nas seções anteriores.

Recarga, reparo e manutenção de extintores portáteis.

4 Planos de controle de incêndio

Os planos de controle de incêndio devem ser checados periodicamente para assegurar


que eles permanecem legíveis e atualizados.

Os conjuntos de cópias dos planos de controle de incêndio ou os blocos que os


contém, que são fornecidos e assistidos pelo pessoal de terra responsável, devem ser
sempre checados para confirmar que estão em boa ordem.

Checar se os índices e indicadores de localizações desses planos estão intactos e


distintos.

5 Detalhes da organização do incêndio e de abandono do navio

Todos os exercícios devem ser praticados, tanto quanto possível, de maneira como
se houvesse uma emergência real.

Todos os membros da tripulação devem participar, no mínimo, de um exercício de


abandono e um de combate a incêndio, mensalmente.

Quanto aos exercícios:


• todos os exercícios devem ser planejados de modo que a importância devida seja
dada às práticas regulares, nas diversas emergências que posem ocorrer,
dependendo do tipo de navio e de carga.
• Durante os exercícios de combate a incêndio, os seguintes procedimentos devem
ser seguidos:
- reunir nas estações e preparar para os serviços descritos na lista de reunião;
- dar partida na bomba de incêndio principal, usando no mínimo duas linhas de
mangueiras;
- operar e usar os aplicadores e acessórios de combate;
- checar e usar os equipamentos de proteção e os equipamentos de resgate
pessoais;
- testar os equipamentos de comunicação considerados relevantes;
- operar as portas de combate, as portas corta-fogo, e abafadores e as saídas
pessoais, além dos sistemas de ventilação; e
- checar os arranjos necessários ao abandono do navio.

Os equipamentos usados nos exercícios devem, após o mesmo, imediatamente ser


trazidos de volta às suas condições normais de pronto uso.

Todas as falhas e defeitos detectados durante um exercício devem imediatamente


ser remediados assim que seja possível.

ECIA
Parte 2 - 27
Quanto aos exercícios de abandono:
• enquanto conduzindo um exercício de abandono do navio, os seguintes
procedimentos devem ser seguidos:
- o exercício de abandono do navio deve seguir-se a um alarme característico,
seguido pelo anuncio público por um outro sistema de comunicação; todos os
passageiros e tripulação devem estar familiarizados este alarme e este anúncio;
- ao ouvir o alarme, a tripulação reunir-se-á imediatamente nos seus postos,
preparando-se para os serviços descritos na lista de reunião;
- passageiros e tripulante devem estar adequadamente vestidos;
- as bóias salva-vidas devem estar corretamente vestidas;
- em cada exercício deve haver a preparação e o lançamento de pelo menos uma
embarcação salva-vidas;
- deve ser dada a partida e operada pelo menos um dos motores das embarcações
salva-vidas;
- o método de lançamento da embarcação salva-vidas será explicado;
- deve haver a simulação do desaparecimento, na área das acomodações, de um
membro da tripulação; e
- devem ser dadas instruções quanto ao uso do rádio das embarcações salva-
vidas.
• Os diferentes botes salva-vidas devem ser lançados, um em cada um dos exercícios.
• Os botes de resgate e outras embarcações salva vidas devem ser lançadas
mensalmente com sua tripulação prevista a bordo, e manobrada na água.
• A iluminação de emergência para reunião e abandono é testada a cada exercício.

6 Táticas e estratégias de combate a incêndio nas várias partes do navio

Incêndios podem ocorrer:


• na Praça de máquinas;
• nas acomodações;
• na cozinha;
• nos paióis; e
• nos espaços de carga.

Planos de Contingência são necessários para cada tipo de emergência a bordo e


particularmente para incêndio e abandono do navio, considerando:
• Que seja fiel ao plano integrado de emergências;
• que explique as táticas e estratégias para controle de incêndio na Praça de
Máquinas, nas acomodações e nos diferentes espaços de carga;
• que evidencia que as táticas e estratégias de controle na Praça de Máquinas,
envolvendo gerenciamento e técnicas com óleo aquecido e gases de exaustão;
• o controle de incêndio nas acomodações pode ser feito pelo confinamento do fogo
nas zonas protegidas por anteparas do tipo A-60, cortando sua ventilação;
• que os incêndios nos espaços de carga são complexos e envolvem treinamento
especial envolvendo granéis sólidos, petróleo e derivados, produtos químicos e
gases, bem como quaisquer cargas perigosas;
• que os códigos IBC e BCH, o Capítulo II-2 da SOLAS, e o Código SEM para cargas
perigosas contém dados especiais para uso nas estratégias apropriadas; e
• que a composição e a organização dos grupos de combate a incêndio a bordo,
asseguram uma pronta e eficiente implementação dos procedimentos e planos de
emergência.
28
7 Detalhes da organização de combate a incêndio a bordo

Alarmes de emergência e postos de reunião


Independentemente das condições do navio estar navegando, atracado ou fundeado,
ao ouvir um alarme de emergência os tripulantes deverão se dirigir aos seus respectivos
postos de reunião, previamente determinados pelos planos de ação. Grande ênfase deve
ser dada a este encontro inicial de tripulantes em seus postos. Isto assegura a
disponibilidade de um poder de resposta e também fornece os primeiros indícios de
pessoas desaparecidas. Um estado de alerta máximo é prontamente estabelecido e uma
resposta padronizada é dada para aquela situação de emergência, o que permite que
ações reparadoras venham a ser mais facilmente coordenadas e controladas.

Na seqüência das ações individuais, a resposta a uma emergência deve ser a seguinte:

a) ao descobrir uma emergência, dispare o alarme.


b) municie o centro de controle com o maior número possível de informações.
c) tente controlar a emergência por qualquer meio disponível no momento até que chegue
reforço.
d) caso a emergência lhe traga perigo individual, fuja para seu posto de reunião ou
para o mais próximo, relatando de lá para o centro de controle.
e) ao ouvir o alarme, todos devem se dirigir imediatamente aos seus postos de reunião
e executar as tarefas iniciais constantes do plano.
f) o líder de cada um dos grupos de emergência, ou seu substituto, deve reportar a
prontidão de seu grupo ao passadiço. Esta notificação de “prontidão” deve ser dada com
as seguintes informações:
• a identidade do grupo
• os nomes das pessoas (ou da pessoa) desaparecidas
• os recursos humanos que estão prontos para ação imediata no grupo; e
• quais equipamentos (de responsabilidade da equipe) foram testados e estão
disponíveis por estarem em boa ordem.

O papel do líder de grupo. Todo líder de grupo deve:


• ser capaz de executar qualquer tarefa designada a um dos membros de seu grupo.
• jamais se envolver em operação que o faça perder o controle das ações do grupo,
de forma a colocar em risco a vida de um ou mais membros de seu grupo.

O líder tem que estar seguro de que seu grupo está suficientemente treinado e cada
membro tem confiança mútua, nas habilidades dele, líder, e dos demais membros.

A formação dos grupos. Assumindo que para o propósito deste exemplo temos uma
tripulação de 26 pessoas, a dividiremos em 5 grupos. A formação dos grupos é mostrada
na Tabela abaixo. O pessoal não relacionado deve reunir com o grupo de apoio e os
eventuais passageiros reunem-se no passadiço.

Grupo do Passadiço: É responsável pelo comando e controle da situação e pela


garantia de uma eficiente ação de reunir. Se necessário, o Grupo do Passadiço fará
minuciosa busca de pessoa ou pessoas que não atenderam ao sinal de reunir.

O Grupo do Passadiço deve também estabelecer uma imediata comunicação externa,


bem como estabelecer comunicação interna entre o passadiço, a praça de máquinas e os
grupos de emergência, mantendo a navegação segura do navio e um detalhado registro
de fatos e tempos de ocorrências dos eventos. ECIA
Parte 2 - 29
Grupo da Praça de Máquinas: Esse grupo deve informar ao passadiço da situação de
prontidão da praça de máquinas. Esta informação deve indicar o estado atual da planta e
dos sistemas de emergência, os quais devem ser colocados em estado de máxima
prontidão.

Esse grupo deve ainda verificar e procurar minimizar qualquer deficiência operacional
na planta e nos sistemas de emergência, mantendo aqueles serviços essenciais em
funcionamento.

Grupos de Emergência 1 e 2: Os Grupos de Emergência primeiro reúnem e reportam


ao passadiço. Depois, devem tomar providências para que os equipamentos estejam de
prontidão e reportam ao passadiço tal prontidão e que o grupo está pronto para ação, de
acordo com as instruções do Comandante ou do Oficial de Serviço.

Grupo de Apoio: O Grupo de Apoio informa sua prontidão ao passadiço e dá suporte


aos grupos de emergência de acordo com as instruções do Comandante ou do Oficial de
Serviço. Por exemplo:
• Enfermaria e Primeiros Socorros
• Preparação de embarcações salva-vidas
• Preparar para fornecer equipamento de respiração artificial aos Grupos de
Emergência
• Fornecer suporte logístico aos grupos de emergência, tais como recarga dos
cilindros de respiração artificial
• Fornecer equipamento adicional de combate a incêndio
• Manter patrulhas de segurança
• Prover resfriamento adequado

O sucesso deste grupo é medido pelo suporte efetivo que ele pode prover aos grupos
de emergência. Para prover desses serviços, os membros desse grupo, individualmente,
necessitam de treinamento e instruções semelhantes aos dos grupos de emergência.

Tabela: Formação dos grupos de emergência.

30
Identificação das passagens e fugas de emergência

a) dentificação dos perigos trazidos pela fumaça e por fogos tóxicos


b) Inspeções periódicas e manutenções regulares do(s):
• equipamento de detecção de incêndio;
• extintores de incêndio móveis e portáteis;
• equipamento fixo de combate a incêndio; e
• acessórios dos equipamentos de combate a incêndio.

Grupos Reservas: Nos casos onde a tripulação exceder o número de pessoas com
os quais foi mostrado o exemplo, o pessoal adicional pode ser designado para cada
grupo se isso for achado prudente, entretanto, recomendam enfaticamente que nenhum
grupo venha a exceder o número de oito (8) pessoas.

Eficiência de um grupo. O sucesso de cada grupo depende sobretudo da multiplicidade


de habilidades e atributos individuais dos seus membros, bem como do grau de eficiência
no aproveitamento de cada uma dessas habilidades, detectada através das simulações
realísticas, feitas em todas as formas de emergência.

Na seleção dos membros de um grupo de emergência devem ser buscados habilidades


e atributos em:
• ações de combate ao fogo (todos os membros);
• entrada em espaços vazios (para todos os membros, no uso do Equipamento de
Respiração Autônoma);
• técnicas de Busca e Salvamento;
• comunicações;
• eletricidade;
• mecânica;
• marinharia;
• primeiros socorros;
• sobrevivência;
• conhecimento do navio e de seus equipamentos;
• controle de avarias;
• condições físicas e atléticas ( a idade pode ser levada em consideração);
• auto-disciplina e respeito à autoridade; e
• espírito de equipe.

No Porto, no estaleiro ou fora do Regime de Viagem.

A organização proposta acima é para quando o navio estiver em “regime de viagem”,


mas, levando em consideração outras circunstâncias, quando poderá estar reduzido o
número de pessoas a bordo, após um alarme e a conseqüente ação de reunir os grupos
de combate, a composição desses grupos pode requerer modificações. Tais situações
devem ser exaustivamente treinadas e o Plano de Contingência contra Incêndio deve
contê-las, citando, inclusive, que a primeira ação, quando no porto, deve ser imediatamente
a de notificar serviços de emergência de terra, de modo que assistência especializada
venha prontamente a ficar disponível.

ECIA
Parte 2 - 31
Medidas especiais de emergência serão aplicadas quando o navio estiver no estaleiro
ou em qualquer outra circunstância semelhante, onde a tripulação estiver desfalcada.
Nas circunstâncias especiais a resposta deve ser:
• Ativar o alarme de emergência e informar o oficial de serviço.
• Telefonar requisitando ajuda dos serviços de emergência de terra.
• Iniciar o combate se isso for seguro, razoável e aplicável.
• Averiguar imediatamente que serviços estão disponíveis a bordo.
• Prontificar-se para guiar o pessoal do serviço de emergência de terra até a cena
da emergência dando a eles o maior número de informações possível.

Resposta ao Alarme de Incêndio

A ação inicial, como resposta ao alarme de incêndio, como um reflexo condicionado,


da tripulação, deve ser:
• Munir-se de colete salva-vidas.
• Vestir-se com EPI (que proteja todo o corpo: macacão, botas de segurança, luvas,
capacete, etc.).
• Dirigir-se imediatamente ao posto de reunião.
• Permanecer de prontidão até o início da ação subseqüente ser designada pelo
líder do grupo.

Exceções :
• O Chefe de Máquinas irá assegurar-se de que a bomba de incêndio e emergência
foi posta em funcionamento, que a ventilação (quando for o caso) foi parada, que
as portas estanques e outras aberturas (quando for o caso) foram fechadas antes
de ir para o posto de reunião.
• O Primeiro Piloto verificará o sistema de carga antes de dirigir-se ao posto de
reunião.
• O cozinheiro assegurar-se-á de que está tudo em ordem na cozinha antes de ir
para o posto de reunião.
• O mensageiro do passadiço distribuirá rádios portáteis de comunicação a todos os
líderes de grupo.

Emergência na Praça de Máquinas

Em uma emergência, quando o acesso ao espaço das máquinas está impedido, o


Chefe de Máquinas deverá conduzir o grupo para reunir-se ao SEGUNDO POSTO DE
REUNIÃO, já previsto, estabelecer comunicação com o passadiço e direcionar o grupo
para as ações necessárias subseqüentes. O Chefe deve envidar esforços para estabelecer
ou restabelecer os serviços de emergência, reportar o desenvolvimento das ações ao
passadiço, iniciar as ações no cenário, combatendo, neste este tipo particular de
emergência, conforme ele julgue necessário, após receber autorização do Comando,
mantendo-o sempre avisado dessas ações.

Todas as outras emergências:

O Primeiro Oficial de Náutica dirigirá as ações do Grupo de Emergência 1, após


receber autorização do Comandante, mantendo-o sempre totalmente informado sobre o
progresso dessas operações. O Grupo de Emergência 2, cujo líder é orientado diretamente
pelo Comandante, deve ser trazido ao cenário, caso não haja outra ação que o Comandante
julgue ser prioritária.
32
Estações de Reunião

As localizações das Estações de Reunião dos vários grupos dependerão, logicamente,


do desenho (do plano) de cada navio. Entretanto, Devem ser cuidadosamente estudados
pelos líderes os locais mais adequados para tal fim, tendo em consideração os seguintes
critérios:

1. Estação do Grupo do Passadiço


Deve localizar-se, logicamente, no próprio passadiço, mas caso ele esteja indisponível
por uma situação de emergência, um local alternativo de reunião deve ser previsto, como
precaução. Como as comunicações e o controle são as principais tarefas desse grupo,
disponibilidade de telefones, rádios, visibilidade, etc. são da maior importância quando
dessa seleção.

2. Estações dos Grupos de Emergência


Devem ser localizadas onde haja disponibilidade de comunicação direta com o
passadiço. Uma deve estar situada a boreste do navio e a ou a bombordo. Ambas as
Estações, também chamadas de “Postos”, devem ter equipamentos similares ali guardados
e disponíveis. Se uma ficar indisponível em uma emergência, a outra funcionará como
estação alternativa de reunião.

Os acessos a ambas devem ser independentes e facilitados, de um convés aberto,


na parte de ré do navio. Os acondionadores dos equipamentos de emergência devem
ficar o mais próximo possível dos locais das estações de reunião, protegidos de fogo,
fumaça ou vapores tóxicos. Cada localização deve ser proeminentemente identificada
por avisos ou sinais.

3. Estação do Grupo de Máquinas


O ponto de reunião será normalmente o Centro de Controle de Máquinas (CCM) ou
a plataforma de controle. Um lugar alternativo deverá ser selecionado se aqueles locais
estivem inacessíveis. Neste caso, a comunicação com o passadiço deverá ser um dos
fatores importantes para a escolha desse lugar alternativo, o qual deverá ficar o mais
próximo possível da entrada da Praça de Máquinas, onde a entrada e a saída podem ser
facilmente controladas. Ambos os lugares, o principal e o alternativo, devem ser clara e
visivelmente identificados por avisos e sinais.

4. Estação do Grupo Reserva


Este ponto de encontro será normalmente em um espaço aberto, em um convés na
popa, ou em um espaço fechado às proximidades da enfermaria, com facilidade de
comunicação com o passadiço. Um local alternativo será designado apropriadamente de
acordo com as particularidades do navio. Estas estações também devem ser claramente
identificadas por avisos e sinais.

Lista de Verificação dos Membros do Grupo


Uma lista de verificação dos membros de cada grupo deve ficar disponível em cada
Estação, indicando o nome e a função de cada membro daquele grupo, indicando também
aqueles que devem e os que não devem reunir naquele ponto. Se um membro for
designado a executar alguma tarefa preliminar antes da ação de reunir, deverá ser anotado
nessa lista de verificação. Essa Lista deve ser atualizada sistematicamente, de modo a
mantê-la atualizada, especialmente quando houver movimentação de tripulantes

ECIA
Parte 2 - 33
(embarque e desembarque). Mais eficiente ainda será essa Lista de Verificação se for
afixada em um quadro de madeira ou outro material adequado a isso, em uma antepara,
com facilidade para que os membros do grupo possam, ao chegar à estação, colocarem
seus nomes, visíveis, de modo que qualquer pessoa possa detectar a falta de um membro
pela falta de seu nome no quadro.

Lista de Verificação do Equipamento de Emergência


Uma lista dos Equipamentos de Emergência deve ser também publicada no armário
ou recipiente que acondicionam tais equipamentos, interna e externamente. Também
uma lista detalhando as tarefas individuais, incluindo cada emergência e constando cada
membro, deve ser prontificada.

Resgate
em Encalhe
Nome Posto Tarefa Incêndio Colisão
e sp a ço
fechado
líder do
líder do
grupo,
grupo, Sala do
Segurança monitoran- Sala do
Chefe de controle da controle
do sistema do o controle de
Máquinas bolsa de de carga
de carga controle carga
emergência
de gás
BA
BA
Vice-lider
Vice-líder
do grupo,
De acordo do grupo, Controle Grupo da
o guarnece
4 .Maqui- com as guarnece de bomba de
sistema
nista Ordens sistema avaria/Gru- esgoto
móvel de
Padrão móvel de po B A

pó químico
químico
PARTE III - INSPEÇÕES NOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE
DETECÇÃO E EXTINÇÃO
1 Alarmes de incêndio

Os alarmes de incêndio e seus acionadores devem ter:


• um plano disponível que mostre suas posições;
• um esquema que deve ser preparado para mostrar dados quando forem procedidas
inspeções, vistorias, manutenções e testes destes equipamentos;
• um registro dos defeitos apresentados e de reparos procedidos;
• manuais de instrução de manutenção preventiva que devem incluir, no mínimo:
- inspeções para evitar avarias, detectando problemas elétricos e mecânicos nos
equipamentos;
- limpeza dos contactos elétricos e botões; e
- testes do sistema e providências para que todos os equipamentos operem
corretamente.

2 Equipamento de detecção de incêndio

Um esquema similar ao citado no item anterior (1.1) deve ser preparado e operado.

O sistema de manutenção deve ainda incluir:


• teste da operação correta de cada elemento do sistema, inclusive os de:
- detecção de fumaça;
- detecção de chamas;
- detectores de temperatura;
- detector do nível de mudança de temperatura; e
- verificação do estado do bulbo de temperatura do spinkler e de todo o sistema.
• limpeza e checagem dos contactores e de outros componentes na caixa de controle,
assegurando que as conexões do sistema de alarme operam corretamente.

3 Equipamento fixo de extinção de incêndio

Um esquema similar ao do item 1 deve ser preparado e operado para cada tipo de
equipamento fixo de combate a incêndio.

O esquema de manutenção para os sistemas de spinkler devem incluir:


• checagem do nível da água e da pressão de modo a proceder a ajustes, como
necessário;
• checagem da partida da bomba de sprinklers, seu nível de pressurização e ajustagem;
• checagem se todas as válvulas de bloqueio estão trabalhando bem nas corretas
posições de funcionamento; e
• checagem se todos os bulbos dos sprinklers estão desobstruídos.

O esquema de manutenção para o sistema de CO2 deve incluir:


• teste do nível de líquido dos cilindros por:
- checagem da pressão; e
- checagem de peso.
ECIA
Parte 3 - 35
• checagem do sinal sonoro que avisa se o sistema opera corretamente; e
• checagem das saídas de gás nos espaços protegidos para verificar se estão
desobstruídas.

O esquema de manutenção do sistema fixo de spray de água deve incluir:


• checagem para verificar se os bicos estão desobstruídos; e
• checagem das válvulas para verificar se estão operando normalmente.

O esquema de manutenção do sistema fixo de espuma deve incluir:


• checagem (nos tanques) dos monitores do convés para ver se estão operando
normalmente; e
• checagem se as saídas dos aplicadores e dispersores da Praça de Máquinas estão
limpas e se suas redes estão em perfeitas condições e sem corrosão.

4 Rede de incêndio principal, hidrantes, mangueiras, esguichos e bombas

Um esquema similar ao do citado em 1 deve ser preparado e operado.

A inspeção e a manutenção da rede principal de incêndio e das redes a ela associadas


devem:
• ser periodicamente testadas para verificação de existência de vazamentos;
• ser inspecionadas para verificação da existência de corrosão;
• manter seus hidrantes sempre em perfeitas condições e amaciados;
• manter sem vazamentos;
• ter alternativas de funcionamento em locais onde haja interrupção do sistema;
• ter constantemente inspecionadas suas válvulas de segurança; e
• manter sobressalentes adequados para volantes, eixos, juntas, flanges, arruelas e
válvulas.

Quanto à inspeção e a manutenção das mangueiras e esguichos, incluir:


• Testes de pressão das mangueiras;
• Revezamento de esguichos durantes os testes;
• Manter partes móveis amaciadas; e
• Manter sobressalentes em condições e quantidade adequadas para todo o sistema.

Algumas providências adicionais devem ser tomadas em climas muito frios para manter
o sistema de combate a incêndio livre de gelo, como:
• parada de emergência da bomba e válvulas de bloqueio em plenas condições;
• drenar toda a água das redes;
• verificar constantemente se o sistema se mantém sem água; e
• manter aviso, no passadiço, de quando a rede principal é drenada.

A prática de abrir uma ou mais válvulas hidrantes não previne o sistema de


congelamentos em certas condições.

36
5 Equipamentos de extinção móveis e portáteis

Um esquema similar ao citado em 1 deve ser preparado e operado.

Quando um extintor móvel ou portátil for descarregado, ele deve ser repreparado para
futuro uso, como segue:
• quando um extintor com gatilho manual, certifique-se de que o cilindro não está
pressurizado;
• remova a capa superior, incluindo o refil e então:
- limpe o cilindro e inspecione se há alguma corrosão;
- cheque se o cilindro está na época de sofrer teste de pressão (feito, tal teste,
geralmente pelos fornecedores);
- cheque se o tubo de descarga e o bico estão limpos e desimpedidos;
- cheque a operação da válvula do gatilho para certificar-se de que está operando
livremente;
- cheque a operação e a tensão das outras válvulas (se existirem);
- torne a montar o extintor usando os passos corretos de remontagem e o refil novo; e
- após ter sido remontado, recoloque a trava (pino) de segurança.
• escreva a data do re-enchimento no selo de registro do cilindro; e
• recoloque o extintor na posição anterior (original) ou no paiol, como indicado pelo
Imediato.

Nenhum extintor parcialmente descarregado ou vazio deve ser colocado em sua


posição original sem que seja devidamente reenchido.

6 Equipamentos de bombeiros e outros equipamentos de proteção pessoal

Um esquema similar ao citado em 1 deve ser preparado e operado.

Além dos esquemas de inspeção e manutenção, devem ser incluídas checagens:


• se todos os equipamentos de bombeiros estão em suas corretas posições para
imediato uso;
• se todos os equipamentos pessoais estão sem avarias e completos;
• se as baterias das lâmpadas de segurança (lanternas) estão carregadas totalmente.
• se o equipamento de respiração autônoma está pronto para uso;
• se as garrafas de ar comprimido, inclusive as reservas, estão mantidas
completamente carregadas;
• se, após ter sido usado, o aparelho de respiração autônoma foi desmontado para
assegurar que todas as suas partes foram limpas e todas as suas válvulas estão
operando corretamente; e
• se os cabos de segurança a prova de fogo não estão avariados.

7 Equipamento de sobrevivência e resgate

Devem ser procedidos exercícios práticos com demonstrações de uso dos seguintes
equipamentos de resgate:
• maca;
• kit de primeiros socorros;
• aparelhos de respiração artificial;
ECIA
Parte 3 - 37
• ressuscitador manual (do tipo ar-oxigenio);
• ressuscitador automático;
• capa de resgate com linha e gancho de segurança;
• luzes portáteis intrinsecamente seguras;
• machado;
• roupa a prova de fogo; e
• EPI, composto de capacetes, luvas e botas.

Durante a busca e resgate de pessoas feridas ou queimadas, a Equipe de Resgate


deve portar um SCBA (Self Contained Breathing Apparatus) a mais.

Durante os exercícios, demonstrar o uso do kit de primeiros socorros para queimados


e para feridos.

Exercitar a prática de ressuscitação.

Demonstrações e exercícios práticos quanto ao uso do cabo de segurança e do


cabo-guia.

Roupa de proteção térmica, colete salva-vidas e bóias salva-vidas são de uso


fundamental nos exercícios de abandono.

8 Equipamento de salvatagem

É de extrema importância a demonstração prática de funcionamento, os princípios


de funcionamento e as práticas de operação dos seguintes equipamentos de salvatagem:
• rebocadores de incêndio e de salvamento;
• helicópteros;
• fachos manuais, foguetes pára-quedas, flutuadores de fumaça, fuzil lança retinida,
EPIRB’s, comunicações de duas vias, etc.
• kit de corte oxi-acetileno;
• bandeiras de sinalização e lâmpadas de sinalização Morse;
• bote de resgate;
• bombas e bombas ejetoras de grande capacidade, colocadas em botes e
rebocadores de combate a incêndio;
• analisador de oxigênio e analisador de gases tóxicos para entrada em espaços
vazios; e
• sistema de espuma de alta expansão colocado nos rebocadores de combate a
incêndio.

9 Equipamento de comunicação

Os equipamentos de comunicações usados no combate a incêndio são de dois tipos:


para comunicações internas e para comunicações externas.

É importante que sejam executados treinamentos de comunicações internas, tais


como:
• por viva-voz, alto falantes, fonoclama e mensageiros;
• de duas vias, com um conjunto de walkie talkies adequadamente distribuídos;
38
• usando equipamento de radio dos botes salva-vidas; e
• com o sistema de telefone.

Quanto às comunicações externas, os equipamentos usados podem ser:


• VHF, MF e HF
• Inmarsat A/C
• GMDSS

10 Requisitos para estatutárias e de classificação

Os requisitos para prevenção, proteção, detecção e extinção de incêndios são


encontrados no Capítulo II/2 da SOLAS 74.

Os sistemas especializados de combate ao fogo e os equipamentos e procedimentos


quando transportando carga perigosa, são descritos nos procedimentos de emergência
do IMDG Code.

Os sistemas especializados de combate ao fogo e os equipamentos e procedimentos


quando transportando granéis sólidos propensos a entrar em combustão, são descritos
no BC Code.

Os sistemas especializados de combate ao fogo e os equipamentos e procedimentos


quando transportando produtos químicos, são descritos nos IBC e BCH Codes.

Os sistemas especializados de combate ao fogo e os equipamentos e procedimentos


quando transportando gases liquefeitos, são descritos nos IGC e GC Codes.

As anteparas de proteção contra incêndio, como a A-60 e B-60, bem como as classes
de materiais C/F, os materiais a prova de fogo e materiais isolantes térmicos, são testados
de acordo com procedimentos descritos em códigos.

Os governos dos países são requisitados a incluírem os requisitos mínimos exigidos


pela IMO em suas regras e leis nacionais.

As regras das Sociedades Classificadoras são baseadas nos requisitos da IMO e


nos seus próprios requisitos.

Os requisitos da Convenção SOLAS 74 estão sob constante revisão e atualização e


suas atualizações incluem:
• sistema de detecção e extração de fumaça para espaços de passageiros/
• convés de helicóptero;
• instalação fixa para paiol de tintas;
• arranjos para combate a incêndio em espaços ro-ro;
• jaqueta para rede de injeção de combustível para motor principal e auxiliares;
• definição de estação de controle;
• ventilação inertizada e medição de gás para espaços de duplo casco dos petroleiros; e
• requisitos especiais para navios transportando carga perigosa, localização e
separação de espaços.

ECIA
Parte 3 - 39
PARTE IV - INVESTIGAÇÃO E COMPILAÇÃO DE RELATÓRIOS DE
INCIDENTES ENVOLVENDO FOGO
1 Investigação e relatório de incêndio

Uma investigação de incêndio deve incluir registro de:


• como o fogo foi descoberto;
• a que horas e qual o alarme que foi dado;
• como o alarme foi dado;
• a que horas e a quem foi informado, se o Comandante ou o Oficial de serviço;
• a posição e a natureza do fogo;
• quem estava primeiro na cena;
• que ações iniciais foram tomadas para conter o fogo;
• quantos e quais equipamentos de bombeiro com respiração autônoma a ar
comprimido foram utilizados;
• quais os equipamentos de combate, se portáteis, móveis ou fixos, foram usados;
• quantas pessoas foram usadas no combate;
• a que horas o fogo foi extinto;
• o número de acidentes, com detalhes dos feridos e natureza dos ferimentos;
• que avarias foram causadas, incluindo àquelas estruturais;
• uma estima da proporção das avarias causadas pelos meios de extinção, isto é,
água ou espuma, em comparação com aquelas causadas diretamente pelo fogo;
• depois de quanto tempo o fogo foi extinto depois de ter sido descoberto;
• qual a extensão do navio, ou de qualquer parte dele, isto é, Praça de Máquinas,
Casa de Bombas, etc, foi imobilizada por causa do fogo;
• uma analise do fogo, dos materiais que queimaram, o conhecimento ou
probabilidade da origem; e
• as conclusões da causa do fogo e as recomendações para evitar reincidência.

O relatório de investigação deve conter os seguintes detalhes dos procedimentos de


combate:
• a ocorrência e o instante do incêndio;
• as ações tomadas e o instante de cada ação;
• os fatos concernentes ao fogo, incluindo sua localização, materiais e ignição;
• os agentes extintores usados e o número de cada tipo usado;
• o número de tripulantes e de bombeiros de terra engajados na operação;
• o número de equipamentos de bombeiro e CABA usados;
• as avarias causadas pelo fogo;
• as avarias causadas pelos meios de extinção; e
• a extensão do navio e de seus serviços que foram imobilizadas pelo fogo.

Os relatórios devem também conter conclusões dos fatos, incluindo:


• uma análise e discussão dos fatos;
• as conclusões tiradas das análises e discussão;
• recomendações de ações a serem tomadas para evitar nova ocorrência; e
• recomendações, se oportuno, de ações para implementar a prevenção e o combate
a incêndio.

40
2 Importância das experiências para treinadores e treinados

Toda e qualquer experiência com incêndio é importante para a aquisição de traquejo,


desembaraço e desenvoltura nas atitudes de manutenção, prevenção e combate ao fogo.
Assim, também se torna importante a leitura de relatos de fatos acontecidos, até mesmo
tragédias, que possam passar experiências, bem como filmes e até mesmo contos: o
mais importante é que contenham análises e conclusões que possam ser assimiladas
para evitar repetições de falhas e mostrar a importância que deve ser dada a tudo o que
diz respeito à incêndio.

Resumindo: as causas, os procedimentos e as conseqüências de um incêndio devem


ser exaustivamente estudadas, na teoria e principalmente na prática, para que não se
repitam as falhas (de manutenção, de treinamento, etc.) que originaram e causaram
grandes ou pequenos incêndios que, independentemente das proporções, ceifaram vidas
e causaram grandes prejuízos materiais.

3 Relatórios documentados de incêndios em navios e lições aprendidas

Nestes relatórios, após serem escritos os dados particulares do navio, de suas cargas
e de como o fogo foi descoberto, descrever a ação inicial que foi tomada.

Descrever, depois de sintetizar os resultados da ação inicial, que medidas posteriores


foram tomadas e seus novos resultados.

ECIA
Parte 4 - 41