Você está na página 1de 6

APRESENTAÇÃO DO ARCEBISPO Piero Marini,

Mestre das celebrações litúrgicas


DO SANTO PADRE NO
"Ritos e legislação da Sé Vacante"

Terça-feira 05 abril de 2005

O volume Sede Apostólica Vacante publicada pela Libreria Editrice Vaticana foi
produzido pelo Escritório de Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice, após a
publicação da Ordo Exsequiarum Romani Pontificis eo Rituum Ordo Conclavis 1 . O
livro refere-se, portanto, antes de tudo, o mencionado Ordo acima. No entanto, o
material considerado examina tudo relacionado com a Sé Vacante, conforme
estabelecido pela Constituição Apostólica " Universi Dominici Gregis sobre a vacância
da Sé Apostólica ea eleição do Romano Pontífice "(22 de fevereiro de 1996).

O volume é destinado não só como uma apresentação oficial dos ritos estabelecidos
para o funeral do pontífice romano e para o Conclave, mas também como uma
introdução geral para os outros eventos que caracterizam o período de Sé Vacante.

O período de Sé Vacante

O título vago Sé Apostólica, não se refere apenas a um período de tempo, mas também a
uma série de eventos, rituais e atos que ocorrem durante esse período. A expressão
apostólica Veja também indica claramente que o período e os actos em causa dizem
respeito a Sé Vacante do Bispo de Roma, ou seja, o sucessor de São Pedro Apóstolo.

A Sé Apostólica ficar vago com a morte do Papa e deixa de ser vago com a eleição do
novo Papa. Papa A morte está intimamente ligado com os ritos fúnebres, enquanto que a
eleição do novo Papa está relacionado com os ritos do Conclave e no intervalo entre as
funerárias e do Conclave é uma tradição para os cardeais para segurar gerais e
particulares Congregações 2 . O período de Sé Vacante, portanto, marcada por uma
sucessão de acontecimentos: a morte do Romano Pontífice, a Congregação dos Cardeais
e do Conclave com a eleição do Romano Pontífice.

Durante o período de Sé Vacante, além do Colégio dos Cardeais, algumas outras


pessoas assumem especial destaque: o Cardeal Camerlengo da Santa Igreja Romana, o
decano do Colégio Cardinalício, o Secretário do Colégio dos Cardeais eo Mestre das
Celebrações Litúrgicas Pontifícias . Suas funções e os actos realizados neste período são
regulados pela tradição, como codificada por disposições emitidas pelo Romano
Pontífice.

Vários pontífices romanos têm emitido normas a serem observadas durante a Sede
Vacante. O costume foi repetido com freqüência, especialmente durante o século
passado: como um meio de satisfazer as necessidades particulares das vezes, as normas
sobre a Sede Vacante foram emitidos por São Pio X, Pio XI, Pio XII eo beato João
XXIII.
O Papa Paulo VI, de venerada memória, com a Constituição Apostólica Romano
eligendo Pontifici estabeleceu as normas observado durante os últimos dois vê vagos: a
primeira após a morte de Paulo VI, de 6 a 26 agosto de 1978, o segundo na sequência da
morte de João Paulo I, a partir de 28 setembro - 16 outubro do mesmo ano.

normas gerais sobre a Sede Vacante

A atenção especial dada à sucessão na Sé Apostólica de Roma é devido à singularidade


da Sé e sua importância. O Romano Pontífice, sucessor de São Pedro Apóstolo, é, de
facto, Bispo da Diocese de Roma e de Pastor de todo o rebanho do Senhor.

João Paulo II, seguindo o exemplo de seus antecessores e tendo em conta a situação
mudou da Igreja e da revisão geral de Direito Canônico realizado após o Concílio
Vaticano II, com sua Constituição Apostólica Universi Dominici Gregis , emitido em 22
de fevereiro de 1996, estabeleceu novas regulamentares no que respeita à vacância da
Sé Apostólica ea eleição do Romano Pontífice.

Essas normas podem ser resumidos brevemente da seguinte maneira.

O órgão responsável pela eleição do Romano Pontífice é o Colégio dos Cardeais da


Santa Igreja Romana. "Neles se exprimem, numa síntese admirável, os dois aspectos
que caracterizam a figura eo ofício do Romano Pontífice: Romano, porque identificado
com o bispo da Igreja em Roma e, portanto, intimamente ligada ao clero desta cidade,
representado pelo Cardeais do título presbiteral e diaconal de Roma, e com os Cardeais
Bispos das Sedes Suburbicárias; Pontífice da Igreja universal, porque foi chamado para
representar visivelmente Pastor invisível que guia o rebanho inteiro para as pastagens da
vida eterna. A universalidade da Igreja é claramente expressa na própria composição do
Colégio Cardinalício, cujos membros vêm de todos »continente. 3

A norma, criada pelo Papa Paulo VI, que os Cardeais que comemorar seu octogésimo
aniversário antes do dia em que a Sé Apostólica vacante não participar na eleição, é
mantida.

O Conclave é realizada dentro da Cidade do Vaticano em determinados lugares: Domus


Sanctae Marthae onde os Cardeais eleitores residem; capelas para celebrações
litúrgicas, a Capela Sistina, onde a eleição é realizada. Os Cardeais eleitores e aqueles
que são chamados a cooperar na função ordeira das eleições em si são a residir no
Vaticano durante o período da eleição. O Domus Sanctae Marthae , a Capela Sistina e
locais para as celebrações litúrgicas são fechadas para que pessoas não autorizadas. Em
particular, a prestação é feita para garantir que ninguém se aproxima dos Cardeais
eleitores, enquanto eles estão sendo transportados da Domus Sanctae Marthae ao
Palácio Apostólico Vaticano. (Cf. nn. 41, 43).

A única forma com a qual os eleitores podem manifestar o seu voto na eleição do
Romano Pontífice, é por escrutínio secreto (cf. n. 62). A norma de sigilo absoluto sobre
qualquer coisa relacionada a votação direta ou indiretamente durante a eleição é
confirmada (cf. n. 47).

No que diz respeito às normas gerais sobre a Sé Vacante estabelecido pela Universi
Dominici Gregis , não podemos deixar de fazer uma observação. A forma tradicional de
Conclave seguido por muitos séculos até que o conclave no qual o Papa João Paulo II
foi eleito em 1978, foi alterada. Os Cardeais eleitores e aqueles que são chamados a
cooperar com a função do Conclave deixará de ser bloqueado ( cum-clave , daí
Conclave), em um lugar onde se alojam, proceder à eleição e permanecer até a eleição
acabou. Com as novas normas dos Cardeais eleitores ocupam lugares diferentes de
acordo com suas atividades: alojamento na Domus Sanctae Marthae , celebrações
litúrgicas na Capela de Santa Marta e outras capelas, a eleição na Capela Sistina, além
disso, para se deslocar de um lugar para eles usar um espaço não directamente
relacionados com os actos do Conclave. De facto, a inviolabilidade física adequada para
o Conclave tradicional tem sido levantada.

O rito do funeral e os ritos do Conclave

Universi Dominici Gregis afirma no capítulo 5 que, para o funeral do Papa e do


Conclave dos dois ritos Ordo Exsequiarum Romani Pontificis e Ordo Rituum Conclavis
devem ser escrupulosamente respeitados (cf. n. 27).

A Constituição também estabelece algumas normas no que diz respeito aos deveres do
Mestre das Celebrações Litúrgicas Pontifícias durante a Sede Vacante e os serviços a
serem prestados pelos Mestres de Cerimônias nos locais destinados à Cardeais eleitores
durante as celebrações litúrgicas ea eleição do novo Papa (cf. n. 46).

Seguindo essas orientações, o Escritório para as Celebrações Litúrgicas do Sumo


Pontífice, com um mandato pessoal do Sumo Pontífice se comprometeu, com a
colaboração dos seus consultores, a revisão do volume De funere Summi Pontificis
utilizado em 1978 para os funerais do Supremo Pontífices Paulo VI e João Paulo I, e
elaborou o novo volume Ordo Exsequiarum Romani Pontificis . Ao mesmo tempo, o
Instituto revista da Ordo Sacrorum Rituum Conclavis de 1978, e elaborou o novo Ordo
Rituum Conclavis . Estes dois volumes, cujos títulos foram estabelecidos pela Universi
Dominici Gregis , foram aprovados pelo Papa João Paulo II em 05 de fevereiro de 1998
e impresso pela Imprensa do Vaticano, em 2000. Em ambos os livros os textos
euchological, os textos bíblicos e as rubricas são dadas em latim e italiano. Para alguns
textos em latim indicações musicais para canto gregoriano foram incluídos.

Cada volume inclui Prænotanda ou introdução geral, que explica o desenvolvimento eo


significado dos ritos, tanto em termos litúrgicos e um aspecto pastoral. O Escritório
também teve o cuidado de garantir que as palavras, orações e gestos usados no ritual
seqüências promovem a compreensão da natureza e propósito dos ritos e participação
ativa.

Foi dada especial atenção na elaboração do texto das rubricas, a fim de assegurar que
eles expressam claramente as indicações da Constituição Apostólica, ajudam a evitar,
tanto quanto possível, eventuais dúvidas e controvérsias sobre a competência, e
promover uma celebração harmoniosa do ritual.

Das normas elaboradas e complicadas e ritos marcado pela exterioridade e repetição,


que acompanhou o período de Sé Vacante, no passado, que foram transferidos para a
ritos caracterizados por nobre simplicidade e beleza, melhor adaptado à mentalidade e
às necessidades dos nossos dias, em conformidade com os princípios eo espírito do
Concílio Vaticano II.
O significado espiritual e eclesial e as finalidades pastorais das celebrações litúrgicas
trazido à tona pelo Concílio Vaticano II serviram de base para o trabalho de elaboração
de dois novos Ordines . Particularmente significativo neste sentido são os textos no
início da Introdução:

«No seu funeral, o rito da Igreja torna visível sua fé na vitória do Ressuscitado sobre o
pecado ea morte. Esta fé é expressa de uma forma especial durante o funeral do
pontífice romano, que, em razão de seu ministério na Igreja, confirmados na fé todos os
seus pastores e povo ».

«Enquanto ela celebra a eleição do Sucessor de São Pedro, a Igreja Católica é


particularmente unida com os Bispos e, sobretudo, com os Cardeais eleitores e implora
a Deus que conceda um novo Sumo Pontífice como um dom de sua bondade e
providência». 5

O volume «Sede Apostólica Vacante»

O volume Sede Apostólica Vacante , como dissemos acima, trata não só com o rito do
funeral do pontífice romano e do Conclave, a partir do aspecto ritual de celebração, mas
também amplia a questão de incluir a Sé Vacante como um todo, considerando tudo a
partir de um aspecto histórico e à luz da legislação vigente.

O volume tem três partes: a morte eo funeral do pontífice romano, a Sé Vacante, o


conclave, ea eleição do Romano Pontífice. Cada parte considera que a sua respectiva
temática a partir de três aspectos: sua história, a atual legislação, o aspecto ritual seu.
Cada parte conclui com uma ilustração de: «lugares, móveis, roupas e mobiliário».
Apenas a segunda parte, uma vez que lida com o Colégio de Cardeais e as
Congregações Gerais, não é considerada do ponto de vista ritual de celebração.

O volume é completado com um apêndice interessante que consiste na Constituição


Apostólica Universi Dominici Gregis , em italiano, um índice analítico e um dicionário
terminológico para leitores com pouca experiência de pensamento eclesiástico e
terminologia.

Embora o volume, em seu tratamento dos eventos, cobriu os seus antecedentes


históricos, permanece vinculado à situação actual, na sua composição pela legislação do
Universi Dominici Gregis e os rituais preparado para o funeral do Papa e os ritos do
Conclave.

Com esta publicação, em seguida, o Escritório para as Celebrações Litúrgicas do Sumo


Pontífice pretende promover entre os fiéis católicos, sacerdotes e bispos de uma melhor
compreensão do significado e da importância dos eventos e os ritos que ocorrem
durante a Sede Vacante. Estes ritos e preocupação eventos, de facto, «o Romano
Pontífice, sucessor de São Pedro na Sé da cidade de Roma, cabeça visível de toda a
Igreja e Servo dos Servos de Deus e, portanto, de extrema importância na vida do Povo
de Deus na sua peregrinação »Terra. 6

Por último, o volume pode ser de utilização de meios de comunicação social e os


serviços que são chamados a oferecer à Igreja e ao mundo, especialmente por ocasião de
eventos importantes da fé.
Um momento forte para a fé da Igreja

Os Ritos para o funeral do pontífice romano e para o Conclave foram revistos


principalmente a fim de promover a santificação dos fiéis e para a edificação da Igreja,
o Corpo de Cristo. Mas, na realidade, todo o período da Sé Vacante é um tempo
poderoso para a vida da Igreja, como ela é chamada a renovar a sua esperança na vida
eterna, reforçar sua unidade, perseverar unanimemente em oração e testemunho suportar
a sua fé em contínua presença do Senhor.

Durante este período, existem, contudo, certos momentos em que a Igreja é chamada,
sobretudo, para manifestar sua fé. Primeiro, com a morte do Pontífice Romano. Nesta
situação, a Igreja é chamada a encarregar-se «com confiança total a Cristo, Pastor
Supremo que prometeu estar com ela e ajudá-la sempre». 7 Igreja A fé se expressa na
oração que é dita como um véu de seda branca é colocado sobre o rosto do pontífice
falecido:

«Deus eterno e omnipotente,


Senhor da vida e da morte,
nós confio e acreditamos
que a vida do Santo Padre N.
agora está escondida em você.

Que o seu rosto,


em que a luz deste mundo já não brilha,
ser iluminado para sempre pela luz verdadeira
que tem você como sua fonte eterna.

Que o seu rosto,


que procuravam seus caminhos
a fim de mostrá-las para a Igreja,
agora ver seu rosto, ó Pai.

Que o seu rosto,


agora oculto aos nossos olhos,
contemplar a sua beleza
e elogiar o rebanho para você, seu Pastor eterno,
que vive e reina, o mundo sem »final. 8

Um poderoso segundo momento de fé é exigida da Igreja durante o período da eleição


do Sucessor de Pedro. Neste momento a Igreja deve se unir mais profundamente com os
Bispos e, sobretudo, com os Cardeais eleitores em pedidos «de Deus, o novo Sumo
Pontífice como um dom de sua bondade e providência. Na verdade, como a primeira
comunidade dos cristãos descrita nos Atos dos Apóstolos (cf. 1:4), toda a Igreja deve
perseverar em oração com um acordo em união espiritual com Maria, mãe de Jesus,
para obter do Senhor um digno Pastor ». 9

O terceiro momento altamente significativo para a Igreja é o anúncio solene da eleição


do Romano Pontífice e primeiro Papa a bênção urbi et orbi . O espontânea torcida das
pessoas em Pedro Praça de São, em resposta ao anúncio da eleição, Habemus Papam 10
e sua aclamação do novo Pontífice como ele aparece na sacada central da Basílica
Vaticana, representam a tradição de eleições papais um dos os poderosos e expressões
mais significativas da fé. Desta forma, os fiéis da Diocese de Roma e de todo o mundo
reconhecer e abraçar o novo Pontífice, Sucessor de Pedro na Sé de Roma, a cabeça
visível de toda a Igreja e Servo dos Servos de Deus.

Cidade do Vaticano, 19 de marco de 2005 

Piero Marini
Arcebispo titular de Martirano
Mestre de Celebrações Litúrgicas do Papa

1 Tipografia Vaticana, 2000.

2 Cf.. Universi Dominici Gregis , nn.7-13.

3  Universi Dominici Gregis , p.6.

4  Romani Exsequiarum Ponteficis Ordo , Introdução n.1.

5 Ordo Rituum Conclavis Introdução n.2.

6  Ordo Rituum Conclavis Introdução n.1.

7  Romani Exsequiarum Pontificis Ordo , Introdução n.3.

8  Ordo Exsequiarum Romani Pontificis , n.98.

9  Ordo Rituum Conclavis Introdução 2. Significativo a este respeito a numerosas


orações de intercessão incluídos no Ordo antes de os cardeais colocar seus votos: 96-
102.

10 "O primeiro dos cardeais diáconos vai para a varanda fora do Hall da bênção da
Basílica do Vaticano e anuncia a eleição do Papa para o povo em voz alta com estas
palavras: eu vos anuncio uma grande alegria: o Papa sido eleito! tem Ele é o cardeal da
Santa Igreja Romana N. .... quem escolheu o nome de N. .. ": Ordo Rituum Conclavis ,
n.74.