UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

Carla Paiva Mattos

INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS: POSSIBILIDADES PARA O MUNDO DO TRABALHO

Trabalho de Conclusão de Curso submetido ao Programa de PósGraduação em Engenharia de Produção como requisito parcial à obtenção do título de MBA

Orientadora: Profa. Rita de Cássia Magalhães Trindade Stano, Dra.

Itajubá, julho de 2005

MATTOS, Carla Paiva. Um Estudo da importância das Inteligências Múltiplas para o desenvolvimento do Ser Humano e das Organizações. Itajubá: UNIFEI, 2005. (Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Itajubá). Palavras-Chaves: Inteligências Múltiplas – IM, Ser Humano, Organização, Gardner.

ii

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

Carla Paiva Mattos

INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS: POSSIBILIDADES PARA O MUNDO DO TRABALHO

Trabalho de Conclusão de Curso aprovado por banca examinadora em 11 de agosto de 2005, conferido ao autor o título de MBA

Banca Examinadora: Profa. Rita de Cássia Magalhães Trindade Stano, Dra. Prof. Giovanni Horácio Guimarães, Dr. Prof. Carlos Eduardo Sanches da Silva, Dr.

Itajubá, julho de 2005
iii

Dedicatória Dedico o presente trabalho à minha família e ao Cláudio, que me deram toda força no decorrer do curso, sempre me mostrando que eu era capaz de vencer.

iv

v . Agradeço também a Deus que sempre está ao nosso lado nos protegendo e nos mostrando qual o melhor caminho.Agradecimento Agradeço à minha Orientadora pela motivação que me deu desde a escolha do tema e pela dedicação até o último minuto de estudo.

2 Projeto Zero 3.1 Auto Conhecimento e Relações Interpessoais 2. PEDAGOGIA E ANDRAGOGIA 9.SUMÁRIO Dedicatória Agradecimento Sumário Resumo Abstract 1. O QUE DIZEM OS CRÍTICOS DA TEORIA DAS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS 7.2 Justificativa 2. INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS E INOVAÇÃO 11.1 Objetivo 1. INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS 4.2 Como se desenvolveu a Teoria das Inteligências Múltiplas desde 1983 5. O QUE É A INTELIGÊNCIA 2.3 Educação Emocional 2. CONCLUSÃO REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR iv v vi vii vii 1 1 1 2 3 4 5 6 7 7 11 11 14 18 20 22 24 26 27 28 32 33 34 36 vi . AS NOVAS INTELIGÊNCIAS 8. INTRODUÇÃO 1.1 Como esta Teoria difere das definições tradicionais de Inteligência 4.3 A Teoria das Inteligências Múltiplas e suas Implicações 4.1 A Teoria das Inteligências Múltiplas 3. INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS NAS ORGANIZAÇÕES 10. HOWARD GARDNER 3. INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS E NEUROPSICOLOGIA 6.4 Importância das Emoções 3.2 O que é Inteligência Emocional 2.

vii . ter sido despertado principalmente no nível de ensino de crianças e jovens. particularmente pelas Universidades Corporativas. É. work better and generate more productive organizations. one of the best ways to develop the human being. Gardner. Organization. o que assegurará a seqüência de soluções criativas que garantirão a perenização das organizações. Organização. Therefore.. a fim de desenvolver a vida de cada pessoa e a vida da organização a que pertence. vem crescendo cada dia e sendo aplicada cada vez mais dentro das organizações. além de também ser de grande interesse para as organizações nessa época de mudanças cada vez mais rápidas. sua importância para o ciclo de aprendizado permanente exigido pelas carreiras de hoje está sendo cada vez mais apreciado. gerando organizações mais produtivas.I. uma das melhores maneiras de desenvolver o ser humano. its pertinence to the lifelong learning is over more appreciated. People will know themselves better. mainly in the Corporate Universities. M. o estudo do tema. the study of this subject will show effectively how important is to study all kinds of existing intelligences so that we can develop each person’s life and also the life of his organization. The use of MI techniques grows permanently inside organizations. sem sombra de dúvida. Por esse motivo. Keywords: Multiple Intelligences. besides having been in the beginning of interest mainly at the level of education for children and the youth. The personal realization of individuals through the study of the particular intelligence of each one will be beneficial for all.) vem expandindo a forma de avaliar e desenvolver o potencial de cada pessoa. De fato. allowing the creative solution sequence that will warrant the continuity of organizations. Pessoas se conhecendo melhor e trabalhando mais motivadas. Human Being. Gardner. without doubt. A realização pessoal do indivíduo. ABSTRACT The Multiple Intelligences Theory (MI) is enlarging the way we evaluate and develop each person’s potential. Palavras-chave: Inteligências Múltiplas .M. Actually. O uso de técnicas ligadas às I. It is. poderá trazer benefícios para todos. MI.RESUMO A Teoria das Inteligências Múltiplas (I. M. besides being also of great interest to all organizations in these times of ever-faster changes. pode realmente mostrar como é importante estudar as inteligências existentes. M. apesar de inicialmente o interesse pelas I. através do estudo das inteligências de cada um. Ser Humano.

Pessoas que tem facilidade de aprender: pessoas inteligentes. como veremos neste estudo. por exemplo. qualquer pessoa pode desenvolver inteligências. Daí a importância de estudar e mostrar às pessoas em que espaço ela pode dar mais de si e se desenvolver. Crianças. em Cenas da Vida). Sabemos que cada indivíduo se identifica e se sobrepõe em uma ou algumas áreas em especial. 1. pode-se conseguir resultados surpreendentes. As inteligências só entendem os argumentos do desejo: elas são ferramentas e brinquedos do desejo”.Capítulo 1 . analisando as contribuições que elas podem oferecer na vida pessoal e na qualidade das Relações do Trabalho. a fim de atingir seus objetivos e se sobressair bem em sua organização e para sua carreira profissional. podem desenvolver atividades que antes pareciam ser impossíveis para elas. podemos melhorar e acordar inteligências adormecidas.Introdução “As inteligências dormem. Inteligência! Algo aparentemente fácil de definir. Porém. Veremos a importância do estudo das inteligências para o bom desenvolvimento do ser humano e conseqüentemente de sua vida profissional.2 Justificativa: O grande diferencial para o sucesso em qualquer área sempre esteve nas pessoas. 1 . consideradas com baixo rendimento escolar. buscando o máximo do potencial das pessoas. A princípio poderíamos dizer que sim.1 Objetivo: Mostrar a importância do estudo e desenvolvimento das Inteligências Múltiplas. 1. Através de testes e aprofundamento no estudo da inteligência de cada um. Através do desenvolvimento do ser humano. Inúteis são todas as tentativas de acordá-las por meio da força e das ameaças. (Rubens Alves.

Desenvolveram maneiras criativas de avaliar as capacidades mentais de crianças a adultos através de testes padronizados. da atividade inteligente. aplicados a milhares e milhares de crianças. os gregos. No início do século XX. acompanhamos o texto de Edênio Valle (1997): “Como seres inteligentes.O que é a Inteligência Inteligência é a capacidade de aprender. Voltava-se para problemas de aritmética. composta de vários fatores que interagem. Passaram a ser uma investigação analítica e empírica do comportamento e da capacidade inteligente em seu desdobramento e globalidade. como o verbal.Capítulo 2 . tais interpretações perderam o tom mítico-religioso ou filosófico. Buscando uma definição clara e aprofundada dessa Faculdade. não poderíamos deixar de nos perguntar sobre a natureza dessa capacidade aparentemente exclusiva de entender. mais ligado ao raciocínio lógicoabstrato e importante para qualquer tipo de solução de problemas. raciocínio verbal. etc. importante na comunicação e expressão verbal. Alguns testes captam melhor os amplos. inventar e fazer relações em nível sempre mais abstrato. mas distintas. Outros testes são mais específicos. nesta visão. receberam cuidadoso tratamento estatístico. sob o impacto da recém-inaugurada ciência psicológica. Na antigüidade. O senso comum define a inteligência como a capacidade para aprender. Tais quesitos. relações espaciais. estas facetas passaram a ser designados como fatores. ordenar e inventar. Segundo estudos feitos por Howard Gardner (1994) sobre inteligência e cognição ficou claro a existência de alguns pontos fortes ou competências intelectuais diferentes. entender situações inéditas. como o fator geral. compreender e até mesmo adaptar-se facilmente a uma situação ou a algo novo. A inteligência humana seria. Devido ao procedimento estatístico utilizado. Medem aspectos parciais. A revisão de uma pesquisa recente em 2 . importante na percepção das relações espaciais entre objetos e conjuntos”. com quesitos aptos a explorar as diversas facetas do pensamento humano. raciocinar. conhecimentos gerais. cada um dos quais pode ter sua própria história desenvolvimental. os hebreus. provas de vocabulário. Capacidade que implica não só a compreensão das coisas e do mundo. em condições controladas. ou o fator espacial. do qual emergiram facetas convergentes. os egípcios. mas de nós próprios. de dificuldade gradativa. Os ingleses e norte-americanos realizaram um ingente esforço. resolver problemas. os hindus e também os povos chamados primitivos tinham alguma interpretação da inteligência humana.

Apenas quando os pontos fortes – e limitações – da teoria tornam-se conhecidos à plausibilidade do postulado original torna-se evidente. a determinadas formas de cognição. Relacionar-se é dar e receber ao mesmo tempo é abrir-se para o novo. Poderíamos realizar os testes e experiências psicológicas concebíveis ou esquadrinhar toda instalação e neuroanatômica que desejássemos e ainda assim não teríamos identificado as procuradas inteligências humanas. porque parece que podemos apresentar uma lista de pontos fortes intelectuais que provarão ser úteis para uma ampla gama de pesquisadores e profissionais e os capacitará a nos comunicarmos mais eficazmente sobre esta curiosamente sedutora entidade chamada intelecto. E estes mesmos estudos implicam numa organização neural que prova ser hospitaleira à noção de diferentes modos de processo de informação. que não há e jamais haverá uma lista única. Porque. desprendimento e acolhimento. 3 . colocar-se no lugar dele e estar preparado para aceitar ao outro e a nós mesmos. Pelo menos nos campos da psicologia e da neurobiologia. sobre como o conhecimento é obtido. e o quanto isto depende de cada um. mas. Mas a ciência jamais pode proceder de forma completa indutiva. É necessário avançar uma hipótese ou uma teoria e então testá-la. pelo menos aproximadamente. Em outras palavras. antes. porque há muitas evidências recentes surgindo de pesquisas científicas.1 Auto Conhecimento e Relações Interpessoais Segundo Littlejohn (1982). A base do relacionamento Interpessoal está no autoconhecimento. e ainda assim não nos damos conta de como é importante estar em um ambiente saudável. o Espírito do Tempo parece estar aparelhado para a identificação das diversas competências intelectuais humanas. nos confrontamos com uma pergunta não sobre a exatidão do conhecimento. observações interculturais e estudos educacionais que precisam ser revisados e organizados. irrefutável e universalmente aceita de inteligências humanas. então. mas promete oferecer algumas coisas para muitos interessados. acima de tudo. prosseguir neste caminho precário? Porque há necessidade de uma melhor classificação de todas as competências intelectuais humanas da que temos agora. A aceitação começa pela capacidade de escutar o outro.neurobiologia novamente sugeriu a presença de áreas no cérebro. 2. que correspondem. Aqui. a interação em qualquer ambiente que seja nasce da aceitação. de uma vez por todas. Passamos mais tempo em nosso ambiente de trabalho do que em nosso lar. e no mundo atribulado em que vivemos às vezes não nos damos conta disso. Então se torna necessário dizer. e talvez. a síntese que buscamos jamais pode ser a resposta geral para todas as pessoas.

Auto-Conhecimento Emocional: reconhecer um sentimento enquanto ele ocorre. a “deficiência emocional”. (Gilberto Vitor).Hoje. em Sudbury. Massachusetts. praticar gratificação prorrogada. além das notas baixas em leitura e escrita. 4 .D. existe outro tipo de deficiência vivenciada em nosso meio. The Meditative Mind (A Mente Meditativa) e. entre seus livros anteriores estão Vital Lies. Além de Inteligência Emocional. Simple Truths (Mentiras Vitais. Editor da revista Psychology Today por nove anos. Auto-Motivação: dirigir emoções a serviço de um objetivo é essencial para manter-se sempre caminhando. ajudando-as a liberarem seus melhores talentos. problemas de atenção ou de raciocínio. mais do que nunca. Ao longo de 12 anos. controlar impulsos. 5. 3. afirmação que pode ser comprovada se levarmos em conta o comportamento apresentado por eles: retraimento ou dificuldades de relacionamento social. 2.2 O que é Inteligência Emocional A Inteligência Emocional está relacionada a habilidades tais como motivar a si mesmo e persistir mediante frustrações. é importante que tomemos consciência da necessidade de investirmos no nosso processo de autoconhecimento e nas relações interpessoais. lecionou em Harvard (onde recebeu seu doutorado). escreveu sobre psicologia e ciências do cérebro para The New York Times. canalizando emoções para situações apropriadas. publicado pelo Brasil pela Editora Objetiva. Pesquisas recentes afirmam que nossos alunos apresentam déficits de aptidões emocionais. Em um de seus livros. Controle Emocional: habilidade de lidar com seus próprios sentimentos. 2. The Creative Spirit (O Espírito Criativo). Verdades Simples). Habilidade em relacionamentos interpessoais. Ph. motivar pessoas. assim como atitudes agressivas e delinqüentes. 4. Daniel Goleman. Reconhecimento de emoções em outras pessoas. mapeia a Inteligência Emocional em cinco áreas de habilidades: 1. é o presidente do Emotional Intelligence Services (empresa de consultoria). como co-autor. e conseguir seu engajamento a objetivos de interesses comuns. pois começamos a constatar que. ansiedade e sintomas depressivos.

As duas últimas. Organização de Grupos: é a habilidade essencial da liderança. É a capacidade de formar um modelo verdadeiro e preciso de si mesmo e usá-lo de forma efetiva e construtiva. Pesquisas da universidade da Harvard mostram que o sucesso profissional depende muito da competência emocional da pessoa e não somente de sua qualificação intelectual. Inteligência Intra-Pessoal: é a mesma habilidade. só que voltada para si mesmo. como trabalhar cooperativamente com elas. responder (reagir) de forma apropriada de forma a canalizá-los ao interesse comum. prevenindo e resolvendo conflitos. são o principal objetivo desse importante tema. controlá-las e utilizá-las com melhor proveito na vida.3 Educação Emocional A educação emocional é estudada. além da inteligência.Sintonia Pessoal: é a capacidade de identificando e entendendo os desejos e sentimentos das pessoas. Para ter sucesso em qualquer profissão. Negociação de Soluções: o papel do mediador. Inteligência Inter-Pessoal: é a habilidade de entender outra pessoa: o que as motiva. que envolve iniciativa e coordenação de esforços de um grupo. a Inteligência Inter-Pessoal. quando transmite e capta modos um do outro. precisamos saber lidar com nossas emoções. A educação emocional deve levar o indivíduo. O homem é dotado. por Daniel Goleman e Celso Antunes. habilidade de obter do grupo o reconhecimento da liderança.As três primeiras acima referem-se a Inteligência Intra-Pessoal. 2. a saber. que é a Educação Emocional. 3. Auto-estima. tornando os relacionamentos pessoais mais ricos. a cooperação espontânea. entre outros. promovendo o relacionamento interpessoal. 1. Empatia . autoconfiança. autoconhecimento. no mundo globalizado e competitivo onde vivemos. trabalhar suas emoções. Temos então a inteligência cognitiva (QI) e a inteligência emocional (QE). identificar e atender às necessidades das pessoas de nosso relacionamento. também de emoções. como trabalham. É a empatia levando o ser ao contágio emocional. reconhecê-las. vivências dos valores morais e éticos preponderantes a todas as pessoas. 4. 5 . Sensibilidade Social: é a capacidade de detectar e identificar sentimentos e motivos das pessoas. 2.

Nossas emoções nos ajudam a tomar decisões. culturais e políticas não permitem isto. Como resultado. relacionando aos itens a seguir: Sobrevivência: Nossas emoções foram desenvolvidas naturalmente através de milhões de anos de evolução. União: Nossas emoções são talvez a maior fonte potencial capaz de unir todos os membros da espécie humana. Claramente. nossas emoções possuem o potencial de nos servir como um sofisticado e delicado sistema interno de orientação. Comunicação: Nossas emoções ajudam-nos a comunicar com os outros. Quando nos sentimos receosos. nossa necessidade é por aceitação. Por exemplo. Quando nos sentimos rejeitados. Por que? Porque não sentirá nada sobre suas escolhas. quando nos sentimos sós. juntamente com nossas expressões teremos uma possibilidade maior de melhor expressar nossas emoções.4 Importância das Emoções Goleman (1997) – fala da importância das emoções.2. nossas emoções nos alertam. 6 . Nossas emoções nos alertam quando as necessidades humanas naturais não são encontradas. podemos sinalizar que precisamos de ajuda. podem demonstrar uma grande quantidade de emoções. Tomadas de Decisão: Nossas emoções são uma fonte valiosa da informação. ela não pode tomar nem mesmo as decisões simples. Com o olhar. nossa necessidade é encontrar outras pessoas. Se formos também verbalmente hábeis. por exemplo. Ajuste de limites: Quando nos sentimos incomodados com o comportamento de uma pessoa. Se nós aprendermos a confiar em nossas emoções e sensações isto nos ajudará a ajustar nossos limites que são necessários para proteger nossa saúde física e mental. Também é necessário que nós sejamos eficazes para escutar e entender os problemas dos outros. as diferenças religiosas. nossa necessidade é por segurança. Nossas expressões faciais. apesar das emoções serem "universais". Os estudos mostram que quando as conexões emocionais de uma pessoa estão danificadas no cérebro.

que as demais faculdades também são produtos de processos mentais e que não há motivos para diferenciá-las do que se geralmente considera inteligência. 7 . no entanto. ele e uma equipe de pesquisadores divulgaram a teoria de inteligências múltiplas. Na educação. Gardner se surpreendeu com o sucesso obtido por vários deles. questionando a visão predominante de inteligência centrada nas habilidades lingüísticas e lógico-matemáticas. em 1990. Gardner é um crítico implacável dos testes de QI e de aptidão escolar. Acompanhando o desempenho profissional de pessoas que haviam sido alunos fracos. tais inteligências se combinam de forma diferente. Gardner recebeu o Mac Arthur Prize Fellowship e. Para ele. são identificados nove "tipos" de inteligência. É autor de inúmeros livros. limitada à valorização da competência lógico-matemática e da lingüística.1 A Teoria das Inteligências Múltiplas A Teoria das Inteligências Múltiplas foi elaborada a partir dos anos 80 por pesquisadores da Universidade Norte-Americana de Harvard. cujos critérios não incluem a análise de capacidades que. Assim. “inteligência é a capacidade de resolver problemas ou elaborar produtos valorizados em um ambiente cultural ou comunitário”. são importantes na vida das pessoas.Capítulo 3 . Sua origem é interessante.Howard Gardner Howard Gardner é professor de Educação e co-diretor do Projeto Zero. Em 1981. a teoria de inteligências múltiplas implica o desenvolvimento de avaliações que sejam adequadas às diversas habilidades. e professor adjunto de Neurologia na Boston University School of Medicine. Na teoria. a criação de currículos específicos para cada saber. segundo “uma visão pluralista da mente”. um ambiente educacional mais e amplo e variado. Em 1983. tornou-se o primeiro americano a receber o Louisville Grawemeyer Award in Education. Em cada pessoa. incluindo “Estruturas da Mente”. Psicólogo construtivista influenciado por Piaget. no Harvard Graduate School of Education. mais recentemente. “A Criança PréEscolar: como pensa e como a escola pode ensiná-la” e. “Mentes que Criam”. a inteligência consiste na habilidade para resolver problemas ou criar produtos que sejam significativos em um ou mais ambientes culturais. Concluiu que as formas convencionais de avaliação apenas traduzem a concepção de inteligência. Gardner demonstrou. Gardner é professor especializado em educação e neurologia. ampliou o conceito de inteligência única para o de um feixe de capacidades. porém. 3. Para Gardner. É considerado um dos principais pedagogos deste final de século. liderados pelo psicólogo Howard Gardner. O pesquisador passou então a questionar a avaliação escolar.

Howard Gardner diz que todas as pessoas têm múltiplas inteligências. como a memória. mas sim uma ou algumas habilidades. Ele diz. talvez existam formas independentes de percepção. levou Gardner a redefinir inteligência à luz das origens biológicas da habilidade para resolver problemas. maior ou menor. para os seus problemas. memória e aprendizado. que permite aos indivíduos uma performance. Na sua pesquisa. ou ignoradas e enfraquecidas. entendendo-se inteligência como a capacidade de resolver 8 . que focalizam. Estas podem ser desenvolvidas e fortalecidas. que cada indivíduo tem nove inteligências. geral e única. que as habilidades humanas não sejam organizadas de forma horizontal. Gardner trabalhou no sentido inverso ao desenvolvimento. sobretudo as habilidades para o sucesso escolar. Sua insatisfação com a idéia de QI e com visões unitárias de inteligência. Gardner estudou também o desenvolvimento de diferentes habilidades em crianças normais e crianças superdotadas. Segundo essa teoria. atualmente. populações ditas excepcionais. uma visão pluralista. culturalmente apropriadas. com possíveis semelhanças entre as áreas. em qualquer área de atuação. adultos com lesões cerebrais e como estes não perdem a intensidade de sua produção intelectual. A Teoria das Inteligências Múltiplas. excluídos os casos de lesões cerebrais. em cada área ou domínio. Através da avaliação das atuações de diferentes profissionais em diversas culturas. Gardner sugere. e como os primeiros podem dispor de apenas uma competência. retroagindo para eventualmente chegar às inteligências que deram origem a tais realizações. sendo bastante incapazes nas demais funções cerebrais. e que. ele propõe que se pense nessas habilidades como organizadas verticalmente. todo ser humano. possui potencialidade a serem desenvolvidas de diversos tipos de inteligência.O psicólogo estabeleceu vários critérios para que uma inteligência seja considerada como tal. tais como idiot-savants e autistas. como se deu o desenvolvimento cognitivo através dos milênios. que reconhece diferentes facetas de cognição. A Teoria das Inteligências Múltiplas. enquanto as crianças autistas apresentam ausências nas suas habilidades intelectuais. mas não considera esse número definitivo. um resultado do empenho para se conhecer as capacidades cerebrais é uma nova concepção científica sobre a mente. e do repertório de habilidades dos seres humanos na busca de soluções. de Howard Gardner (1985) é uma alternativa para o conceito de inteligência como uma capacidade inata. desde possível manifestação em todos os grupos culturais até a localização de sua área no cérebro. mas não necessariamente uma relação direta. Ele próprio identificou sete inteligências. ao invés de haver uma faculdade mental geral. sem que outras habilidades sejam sequer atingidas. ainda.

Nesta nova visão. que devem ser dominados por uma quantidade de indivíduos e. Gardner propõe que todos os indivíduos. quem faz um poema. Gardner defende que estas gamas de habilidade não são fixas por Deus. quem cura alguém.problemas ou elaborar produtos valorizados em um ambiente cultural ou comunitário. da inteligência lingüística. 9 . têm a habilidade de questionar e procurar respostas usando todas as inteligências. é a partir das relações com o ambiente e com a cultura. onde a lógica-matemática e lingüística são colocados na mesma condição das demais. A linha de desenvolvimento de cada inteligência. quem possui auto conhecimento. quem sabe se guiar numa floresta. Na sua teoria. no entanto. que não precisam necessariamente ocorrer através da comunicação verbal. mas de um feixe de inteligências. Gardner sugere que alguns talentos só se desenvolvem porque são valorizados pelo ambiente. certas habilidades básicas em todas as inteligências. como parte de sua bagagem genética. A noção de cultura é básica para a Teoria das Inteligências Múltiplas. que depende de estímulos culturais para ser desenvolvido. mas sim o fato de organizar esses conceitos e sistematizálos a partir de novas descobertas sobre o cérebro humano. depois. as conceituadas inteligências lógico-matemática e lingüística são apenas parte de um espectro muito mais amplo. mas construída por homens e mulheres. em princípio. tanto do ponto de vista de realização pessoal quanto profissional. Há capacidades importantes para a vida humana. A pesquisa feita a partir de uma perspectiva fundamental em aspectos psicológicos e biológicos. que não são desenvolvidas nas escolas. que o homem desenvolve mais algumas e deixa de aprimorar outras. Ele afirma que cada cultura valoriza certos talentos. Conforme esclarecimento do pesquisador. Com a sua definição de inteligência como a habilidade para resolver problemas ou criar produtos que são significativos em um ou mais ambientes culturais. Gardner não fala mais de uma inteligência. A resolução de problemas inclui a habilidade de comunicações de idéias e emoções. quem constrói um computador. a idéia das inteligências múltiplas é antiga e ele não pretende reivindicar a sua autoria. Um potencial biopsicológico. É inteligente quem administra um hotel. será determinada tanto por fatores genéticos e neurobiológicos quanto por condições ambientais. passados para a geração seguinte. constata que embora as inteligências sejam inatas e façam parte da natureza humana como os olhos ou coração. Todos os indivíduos possuem.

(MODERNELL. 1992). O psicólogo resolveu aplicar em todos os jogadores testes de QI. cada domínio. Para selecionar quais as inteligências que seriam trabalhadas em sua teoria foram utilizadas diversas fontes: as informações disponíveis sobre o desenvolvimento normal e o desenvolvimento do indivíduo talentoso.Segundo Gardner. Por este motivo quase foi impedido de participar da Copa. Todavia. o que não correspondeu à realidade. os estágios mais sofisticados dependem de maior trabalho ou aprendizado. 1995). crianças autistas. Uma curiosidade: Um curioso incidente que aconteceu em nosso país antes da Copa do Mundo de 1958. as outras "inteligências" menos lembradas. (GARDNER. estudos de treinamento psicológico e principalmente análise da perda das capacidades cognitivas nas condições de lesão cerebral. estudos sobre populações prodígios. Garrincha. crianças com dificuldade de aprendizagem. sem dúvida. 10 . É dentro desta perspectiva que Gardner apresenta a teoria das Inteligências Múltiplas (IM). estudos psicométricos. Cada inteligência deveria ter uma operação nuclear ou um conjunto de operações identificáveis e deveria também ser capaz de ser codificada em um sistema de símbolos. as capacidades mais valorizadas em nossa sociedade. idiotas sábios. que atendia a seleção brasileira de futebol. Os testes de QI medem apenas as capacidades lógica e lingüística. ou inteligência pode ser visto em termos de uma seqüência de estágios: enquanto todos os indivíduos normais possuem os estágios mais básicos em todas as inteligências. O Brasil possuía seu primeiro psicólogo esportivo. dados sobre a evolução da cognição. capacidades que normalmente são as únicas exigidas e avaliadas pelas escolas e. para analisá-las em sua teoria. sendo classificado como débil mental. Fica claro que os testes de QI predizem apenas como vai ser o desempenho escolar e não o sucesso profissional depois de concluída a instrução formal. Gardner pretende considerar também as outras capacidades. João Carvalhaes. Ninguém duvida do talento que possuía este atleta quando se encontrava no meio de um gramado com a bola nos pés. que estava no apogeu de sua carreira. considerações culturais comparadas sobre a cognição. o teste psicométrico de inteligência indicava Garrincha como uma pessoa sem grandes chances de ser bem sucedido em sua vida. após responder os testes ficou sabendo que seu quociente intelectual era irrisório.

não poderia retratar uma questão tão complexa quanto à inteligência humana. 1987). nos Estados Unidos. Segundo Gardner. Subseqüentes testes de inteligência e a comunidade de psicometria tiveram enorme influência. Ele sugere que não existem habilidades gerais. até certo ponto. diz que o desafio de lidar com a diversidade é algo novo. durante este século sobre a idéia que se tem de inteligência. hoje. A Universidade Harvard. que o sistema nervoso seja altamente diferenciado e que diferentes centros neurais processem diferentes tipos de informação (Gardner. Acredita-se. na Califórnia: o Standford-Binet Inteligence Scale.2 Projeto Zero O Projeto Zero de Harvard. todos os indivíduos normais são capazes de uma atuação em pelo menos sete diferentes e. O instrumento criado por Binet testava a habilidade das crianças nas áreas verbal e lógica. derivado da performance de uma criança em um teste. 47. que integra a equipe. embora o próprio Binet (Binet & Simon.3 A Teoria das Inteligências Múltiplas e suas Implicações No início do século XX. desenvolvido por Terman. na Universidade de Standford. baseou-se nestas pesquisas para questionar a tradicional visão da inteligência. 3. independentes áreas intelectuais. realiza pesquisas básicas sobre cognição. As pesquisas mais recentes em desenvolvimento cognitivo e neuropsicologia sugerem que as habilidades cognitivas são bem mais diferenciadas e mais específicas do que se acreditava (Gardner. sobretudo o desenvolvimento da linguagem e da matemática. desenhou o Projeto Zero. duvida da possibilidade de se medir a inteligência através de testes de papel e lápis e dá grande importância a diferentes atuações valorizadas em culturas diferentes. 1905 Apud Kornhaber & Gardner. as autoridades francesas solicitaram a Alfredo Binet que criasse um instrumento pelo qual se pudesse prever quais as crianças que teriam sucesso nos liceus parisienses. Neurologistas têm documentado que o sistema nervoso humano não é um órgão com propósito único nem tão pouco é infinitamente plástico. Howard Gardner. A educadora Argentina Paula Pogré. da Universidade Nacional de General Sarmiento. 1989) tenha declarado que um único número.3. já que os currículos acadêmicos dos liceus enfatizavam. a compreensão e o ensino. que reúne equipes interdisciplinares com o objetivo de estudar as relações entre a inteligência. uma visão que enfatiza as habilidades lingüística e lógico-matemática. aprendizagem e artes há 30 anos. 11 . Este instrumento deu origem ao primeiro teste da inteligência. 1985). iniciado por Nelson Goodman e co-dirigido por Howard Gardner e David Perkins.

Segundo ele. A crítica mais comum é do tipo "Por que não 10. pessoal (em relação a si mesmo). Para a pedagogia. pois se pode falar com segurança de pelo menos sete tipos de inteligências diferentes: lingüística. e a maior ou menor aptidão para cada uma delas define um perfil de cada aluno. O próprio Gardner faz questão de deixar claro que. o que empobrece o conceito. essa teoria é muito atrativa. a dança. pelo menos por pedagogos ligados ao movimento da Escola Progressiva (conhecida também como Escola Nova). reduzir a inteligência às capacidades intelectuais é um erro. Uma delas é que. ao se "enraizar" as aptidões intelectuais em sete grupos predefinidos. auto-avaliação e concepção da escola como uma pequena comunidade são outras das características do projeto pedagógico de Gardner. mas também estratégias didáticas para o ensino de conteúdos mais tradicionais. 15. por meio do qual tenta verificar na prática as conseqüências de suas idéias para a educação. Não que essas idéias sejam absolutamente originais. criação. Em sua escola. 18 tipos de inteligência?" Outros dizem que Gardner confunde "inteligência" com "habilidade". A maioria dessas objeções é abordada pelo próprio Gardner em seus livros. o desenho não são considerados apenas novas "matérias" que vêm enriquecer e equilibrar o currículo. interpessoal (em relação aos outros). ao abrir diversos caminhos de desenvolvimento. corporal-cinestésica. especialmente porque Gardner comanda um projeto de escola experimental na Universidade de Harvard (Projeto Zero). a dramatização. mais preocupada com possíveis aplicações práticas do que com o rigor acadêmico. esquece-se do enorme papel que o meio pode ter.M. de cada pessoa. de Gardner parece dever parte de seu sucesso à capacidade de agregar em torno de si um grande 12 . sua teoria leva a práticas que já foram em grande parte introduzidas desde o início do século. musical. a música. em termos de aplicação à educação. visual-espacial.Finalmente. apreciação e crítica de obras de arte. Assim como acontece no caso da Teoria da Inteligência Emocional. procurando respeitar os possíveis diferentes modos de aprender. ele define inteligência como a habilidade para resolver problemas ou criar produtos que sejam significativos em um ou mais ambientes culturais. Trabalhos em equipe e realização de projetos. Para Gardner. essas inteligências são sete jeitos diferentes de conhecer o mundo. As idéias de Gardner recebem muitas críticas de psicólogos. a Teoria das I. lógicomatemática.

Uma escola que admita a influência. 13 .descontentamento com uma educação excessivamente preocupada com a transmissão de conteúdos intelectuais. certamente poderá introduzir inovações interessantes em suas práticas. em sua concepção de trabalho. oferecendo mais oportunidades para que cada aluno encontre rumos próprios para seu crescimento. da teoria das inteligências múltiplas.

um cirurgião necessita da acuidade da inteligência espacial combinada com a destreza da cinestésica. É o tipo de capacidade exibida em sua forma mais completa. tanto na formal como na escrita. Inteligência Verbal-Linguística 2. tem sua origem e limites genéticos próprios e substratos neuroanatômicos. Segundo ele. Inteligência Lógico-Matemática 3. Gardner ressalta que. os seres humanos dispõem de graus variados de cada uma das inteligências e maneiras diferentes com que elas se combinam e organizam e se utilizam dessas capacidades intelectuais para resolver problemas e criar produtos. Quando trabalhada esta inteligência.As Inteligências Múltiplas Gardner identificou as nove inteligências a seguir: 1. elas raramente funcionam isoladamente. no caso 14 . ritmos e significados das palavras. Manifesta-se na habilidade para lidar criativamente com as palavras nos diferentes níveis da linguagem (semântica. independentes uma das outras. Inteligência Corporal-Cinestésica 6. Embora algumas ocupações exemplifiquem uma inteligência. Os componentes centrais da inteligência verbal-lingüística são habilidades verbais bem desenvolvidas e uma sensibilidade para os sons. Inteligência Intrapessoal 8.Capítulo 4 . embora estas inteligências sejam. Inteligência Interpessoal 7. Inteligência Existencial Ele postula que essas competências intelectuais são relativamente independentes. Inteligência Naturalista 9. 1. sonhos e relacionar-se. leva a pessoa a expressarse com mais clareza utilizando-se da fala e escrita para expressar sua realidade. Inteligência Visual-Espacial 5. além de uma especial percepção das diferentes funções da linguagem. Inteligência Musical 4. na maioria dos casos as ocupações ilustram bem a necessidade de uma combinação de inteligências. Inteligência Verbal-Linguística: Habilidade para lidar com palavras de maneira criativa. Por exemplo. até certo ponto. sintaxe). específicos e dispõem de processos cognitivos próprios.

de sociedades letradas. Determina a habilidade para raciocínio dedutivo. Inteligência Lógico-Matemática: Como o nome indica. Ela é especialmente desenvolvida. cientistas. Quando estimulada desperta a pessoa para a compreensão mais ampla de espaço físico e temporal onde vive e convive e sensibiliza para a identificação de suas referências de beleza e fantasia. Inteligência Corporal-Cinestésica: Habilidade de controlar os movimentos do corpo e de manipular habilmente objetos (cinestesia é o sentido pelo qual percebemos os movimentos musculares. engenheiros. etc. 5. O estímulo dessa 15 . em arquitetos. escultores. 2. publicitários. cirurgiões. vendedores. formar um modelo mental preciso de uma situação espacial e utilizar esse modelo para orientar-se entre objetos ou transformar as características de um determinado espaço. como é o caso de muitos famosos da música popular brasileira. à idéia tradicional da inteligência. tons e timbres e assim a capacidade de entender a linguagem sonora. navegadores. ilustradores. o peso e a posição dos membros). pilotos. além da capacidade para solucionar problemas envolvendo números e demais elementos matemáticos. artistas plásticos. ler e criar músicas com facilidade. tempo e outros que envolvem ação sobre o ambiente. distância. etc. expressando-se através desta linguagem. Inteligência Visual-Espacial: Capacidade de pensar em imagens e desenhos. Habilidade de pensar de forma abstrata e conceitual e a capacidade de discernir padrões lógicos e numéricos. engenheiros. É a competência mais diretamente associada ao pensamento científico. Está ligado às pessoas que conseguem identificar sons. Particularmente notável nos poetas e escritores. controlando os movimentos e manipulando objetos com destreza. peso. Como exemplo podemos citar pesquisadores. é desenvolvida também por oradores. É a capacidade de resolver problemas. Inteligência Musical: Habilidade para produzir e apreciar ritmos. 4. etc. 3. ou partes do corpo. jornalistas. visualizar de forma precisa e abstrata. Para esse tipo de inteligência citamos os músicos e compositores. As pessoas dotadas desse tipo de inteligência geralmente não precisam de aprendizado formal para exercê-las. assim como a capacidade científica. é a capacidade lógica e matemática. portanto. comunicar-se ou de elaborar produtos utilizando o corpo inteiro. O estímulo para seu desenvolvimento estrutura na pessoa novas formas sobre o pensar e uma percepção apurada dos elementos da grandeza. por exemplo.

tem essa inteligência desenvolvida. Capacidade da pessoa em situar-se ao alcance da compreensão integral do cosmos e do infinito. Compreender outras pessoas: o que as motiva. compreendendo de maneira integral o significado da existência. Inteligência Interpessoal: Capacidade de detectar e responder apropriadamente aos humores. Fazer perguntas básicas sobre a vida. 8. de formar um modelo acurado e verídico de si mesmo e de utilizar esse modelo para operar efetivamente a vida. 7. Seu estímulo ensina a pessoa à “ver” e não apenas olhar. etc. animadores de espetáculo. de buscar o autoconhecimento. como líderes de grupos. tais como o significado da vida. porque morremos. Inteligência Intrapessoal: Capacidade de autoconhecimento e estar de acordo com seus sentimentos íntimos. outdoors e objetos da natureza. 16 . Atletas. ou a sensibilidade fina ligada ao tato. Competência do homem de entender o mundo e a natureza. paladar. olfato. dançarinos. administrando seus sentimentos e emoções a favor de seus projetos. terapeutas professores. como elas trabalham. malabaristas.inteligência pode privilegiar dois campos que se complementam: a sensibilidade ampla. a vida como um todo e as diferenças entre os diversos tipos de vida existentes no planeta. Auto-estima e auto-aceitação. políticos. o universo. mágicos. valores. Competência de uma pessoa para conhecer-se e estar bem consigo mesma. mímicos. Muito clara em todas as profissões. 9. equilíbrio. animais. perceber e compreender a sua mortalidade. Inteligência Naturalista: Habilidade de reconhecer e categorizar plantas. emoções. tendo uma boa percepção de sua identidade assim como a capacidade de discernir e dominar suas emoções. visão. voltada para dentro. ou seja. É uma capacidade correlativa. assim como a capacidade de dispor de referências a características existenciais da condição humana. destreza e outras manifestações do corpo como um todo. da vida e da morte. motivações e desejos dos outros. a morte. Esse tipo de inteligência ressalta nos indivíduos de fácil relacionamento pessoal. atenção e outros componentes. motivações e desejos das outras pessoas. etc. portanto. Inteligência Existencial: Sensibilidade e habilidade para enfrentar as mais profundas questões sobre a existência humana. crenças e processos de raciocínio. e de onde viemos. como trabalhar cooperativamente com elas. 6. ligada a força. Buscar a empatia com abertura e controle emocional a fim de responder adequadamente as atitudes.

e de forma extremamente sensível. nas ações do cotidiano. na realidade. rompimentos. Ele realizou entrevistas e pesquisa cerebral com centenas de pessoas. Baseando-se em seus estudos de muitas pessoas. em suas profissões e circunstâncias do dia-a-dia. Com essa descoberta. De acordo com Gardner. Gardner desenvolveu a teoria das inteligências múltiplas. e incluiu as outras duas em seu livro “Inteligência Revista”. altera profundamente a concepção que o ser humano faz de si mesmo e os limites de suas potencialidades. incluindo vítimas de derrame cerebral. a compreensão sobre como aprendemos ou não aprendemos. pela arte ou por uma causa. ainda que não modifiquem os tradicionais conceitos usados para definir “Inteligências”. Esse tipo de inteligência aplica. que ele chamou de “idiotas sábios”. com o objetivo de encontrar paz e tranqüilidade. alteram. Gardner quebrou paradigmas e a este respeito Celso Antunes diz: “Esses paradigmas.).o destino do mundo físico e psicológico e a relação do amor por um outro. com diferentes estilos de vida. Podemos melhorar o ensino atuando nas múltiplas inteligências de nossos alunos. abrigamos um elenco extremamente diversificado de “diferentes” Inteligências. Estes tipos de inteligência estão localizados em áreas distintas do cérebro e podem funcionar de modo independente ou conjunto. de 1983. indivíduos autistas e os super dotados. prodígios. etc. e principalmente substitui a concepção de que possuímos “apenas uma inteligência “. Gardner definiu os primeiros sete tipos de inteligência em seu livro “Estruturas da Mente”. de 1999. fracasso. princípios e valores espirituais. sensíveis a estímulos que. Derruba-se o mito de que a transmissão de informações pode tornar pessoas receptoras mais inteligentes e descobre-se que. Estas inteligências podem definir a espécie humana. Cada pessoa tem uma composição diferente de inteligência. se aplicados através de um projeto e nas idades convenientes. Envolve a capacidade de encontrar um propósito para a própria vida e de lidar com problemas existenciais (perda. • • • • • Todas as pessoas possuem todos os 9 tipos de inteligências em graus variados. 17 .

Um sistema educacional baseado nos padrões nacionais e em testes eficientes. tinha em alto grau as inteligências lógico-matemática. em 1939. da empresa Hewlett-Packard (HP). na Califórnia. intrapessoal e naturalista. entre San Francisco e San Jose. Na prática o resultado do teste padronizado de QI (quociente de inteligência) serve para ordenar as pessoas segundo seus pontos fortes e fracos. inteligência é: • • • A habilidade de criar um produto efetivo ou de oferecer um serviço que é valorizado em uma determinada cultura. o que lhe trazia dificuldades com a maioria dos tipos de inteligência identificados por Gardner. Entretanto.Um caso extremo: Bill Hewlett. De acordo com uma definição tradicional. Esta capacidade é facilmente medida por testes de múltipla escolha com poucas perguntas curtas.. da Academia Nacional de Ciência. É importante observar que essas definições referem-se basicamente a características de pessoas adultas. um dos dois fundadores. 4. Um conjunto de habilidades que tornam possível a uma pessoa resolver os problemas da vida. etc. tendo recebido as maiores honrarias em sua especialidade. era dislético. o que envolve desenvolver conhecimento novo. que originou a maior concentração de empresas de alta tecnologia existente até hoje. Qualifica estudantes para serviços especiais 18 . membro da Academia Nacional de Engenharia. sendo Presidente do Instituto dos Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos. inteligência “é uma capacidade cognitiva uniforme com a qual as pessoas nascem”. De acordo com Gardner.. relativamente baratos e universais de múltipla escolha é central ao conceito tradicional de inteligência. O potencial para encontrar ou criar soluções para problemas. o que lhe permitiu ser um dos mais festejados empreendedores do mundo.1 Como esta teoria difere das definições tradicionais de inteligência A teoria das inteligências múltiplas de Gardner desafiou crenças tradicionais nos campos de educação e ciência cognitiva. o Vale do Silício.

pois estes não conseguem medir o comando ou um entendimento profundo de uma disciplina. refletem maneiras diferentes de interagir com o mundo. Um uso infeliz dos testes de QI em escolas é que freqüentemente resulta em rotular os estudantes. Somente medem habilidade para memorização e de se dar bem em testes de respostas curtas. pesquisadores. 19 . tais como o de QI. que em linguagem e lógica. estudantes e pais vêm rejeitando tais testes de múltipla escolha como medida de inteligência. O nível de inteligência não muda durante Todas as pessoas podem aprimorar cada toda a vida uma das inteligências. os professores Pedagogia considerando as inteligências ensinam o mesmo material para todos os múltiplas alunos. Visão tradicional de “Inteligência” Teoria das “Inteligências Múltiplas” Inteligência pode ser medida por testes com Uma avaliação das múltiplas inteligências respostas curtas. Muitos educadores. embora algumas tenham maior facilidade em uma área que outras. exigem que os professores ensinem e avaliem os alunos conforme suas características particulares de inteligência. de um indivíduo por orientar seu estilo de aprendizado e de resolução de problemas.(tais como programas para os superdotados ou para os excepcionais). Na prática tradicional. As pessoas já nascem com uma quantidade As pessoas têm todas as inteligências. Inteligência consiste somente de habilidade Há muito mais tipos de inteligência. A teoria das inteligências múltiplas serviu como um ponto de apoio para uma reconsideração destas práticas educacionais do século passado. ou perfil. Não se usa testes de respostas curtas. mas definida de inteligência cada pessoa tem uma combinação única.

simpósios. Professores desenvolvem estratégias que permitem aos estudantes demonstrarem múltiplas formas de compreensão da matéria e valorizarem sua individualidade. relata a evolução e as revisões da Teoria das Inteligências Múltiplas. Howard Gardner e outros revisaram e expandiram a Teoria: Gardner. O movimento que defende e aplica as inteligências múltiplas atualmente inclui editores.M. A Mente Disciplinada: o que Todos os Estudantes Deveriam Compreender (1999). (Gardner – 1994) 4. formulador da Teoria. que introduziu a Teoria das inteligências Múltiplas. Após a publicação de “Estruturas da Mente” em 1983.2 Como se desenvolveu a Teoria das Inteligências Múltiplas desde 1983 A Teoria das Inteligências Múltiplas evoluiu e foi amplamente aceita. • Inteligência Revista: Inteligências Múltiplas para o Século XXI (1999). entre os quais os principais são: • • Estruturas da Mente (1983). sites da web. Além de escrever muitos outros livros e artigos no assunto. Entre muitos professores. Gardner trabalhou como consultor de uma grande variedade de escolas. encontram-se: 20 . que propõe um método pedagógico centrado em tópicos muito importantes e mostra como eles poderiam ser ensinados de uma forma I. Gardner publicou 18 livros e centenas de artigos. continua a ser seu principal porta-voz.Professores ensinam um tópico ou assunto.”. consultores e especialistas que fizeram contribuições valiosas no campo das Inteligências Múltiplas. Howard Gardner tornou-se imediatamente uma celebridade entre muitos professores e administradores de escolas. consultores educacionais autointitulados “especialistas em I.. manuais tipo “faça você mesmo”.M. além de um grande número de críticos. Professores estruturam as atividades de ensino em redor de um tópico ou questão e ligam os assuntos. educadores. Ele é considerado o mais influente teórico educacional desde Dewey.

M. Seus outros livros “The Mismeasure of Man” e “The Panda’s Thumb”. Jane Carlson-Pickering desenvolveu o Programa M. nos seus projetos de Universidades Corporativas. e foi co-autora de “Multiple Assessments for Multiple Intelligences” e “Multiple Intelligences Centers and Projects”. tem várias obras que tratam de Inteligências Múltiplas.I. que publicou recentemente “Full House: the Spread of Excellence from Plato to Darwin”. O método de I. 21 . consultora e palestrante que publicou “If the Shoe Fits…: Developing Multiple Intelligences in the Classroom”. os trabalhos do Instituto MVC.. estão entre suas principais obras nas áreas de ciência.M. vendo que artes visuais.M. que propôs uma teoria ainda mais avançada da inteligência. muito melhor do que o estudo superficial de uma grande quantidade de assuntos. complementar às I. evolução e inteligência humana.M. entre seus mais de 170 livros publicados. tanto no país quanto no exterior. os treinamentos empresariais da empresa KDPKepler também usam I. Carolyn Chapmann.Smart! E é Professora dos cursos de pósgraduação da Universidade de Rhode Island. No Brasil. que usa I. música e dança podem ser tão valiosos para a compreensão do mundo pelos estudantes e profissionais quanto assuntos mais tradicionais. Muitos professores e administradores têm aplicado aspectos da Teoria em suas salas de aula. Sternberg. Professor da Universidade de New York. Gardner afirma que o estudo sério e em profundidade de alguns poucos assuntos pode nos levar a desenvolver uma paixão para explorar idéias realmente profundas.Stephen Jay Gould. Robert J. que. escolas e já em empresas. em sua obra “Beyond IQ: a Triarchic Theory or inteligence”. temos as várias obras de Celso Antunes. administradores a visualizarem a habilidade intelectual de maneira mais ampla. Professor da Universidade de Yale. encoraja os professores.

deixaria as demais intactas. córtex pré-motor Região têmporo-paríeto-ocipital Lobos frontais Lobos frontais Tabela – Localização corticais das inteligências múltiplas propostas por Gardner (1994) Podemos perceber através da tabela que diversas inteligências são regidas pela mesma área do córtex cerebral. Assim sendo. área de Broca. região têmporo-paríeto-ocipital (hemisfério esquerdo) Musical Corporal-cinestésica Espacial Interpessoal Intrapessoal Lobo temporal (hemisfério direito) Giro pós-central. 24-25) desenvolve uma explicação destas áreas como sendo integradoras e essencialmente 22 . A região têmporo-paríeto-ocipital é responsável ao mesmo tempo pelas inteligências lógico-matemática. A tabela abaixo apresenta um resumo da representação cortical de todas as inteligências. Isto invalida a independência das inteligências que Gardner propõe. Isto pressupõe que cada inteligência possui uma localização cerebral. neste caso. As inteligências pessoais também são comandadas por uma única área: os lobos frontais. Além disso.Capítulo 5 . lingüística e espacial. Luria (1981. Imaginemos uma lesão na região têmporo-paríeto-ocipital. mas seriam dependentes entre si. Inteligência Lógico-matemática Lingüística Área cortical responsável Região têmporo-paríeto-ocipital Área de Wernicke. lingüística e espacial não aconteceriam separadamente. p. uma lesão que incapacitaria determinada inteligência.Inteligências Múltiplas e Neuropsicologia Uma das fontes para a escolha das inteligências propostas foi o estudo de como tais capacidades falham sob condições de lesão cerebral. Ela acabaria por afetar três inteligências ao mesmo tempo e não apenas uma. os desenvolvimentos das inteligências lógico-matemática.

Todo psicoterapeuta conhece e chega mesmo a ser lugar-comum o fato de que só podemos conhecer bem o outro se conhecermos bem a nós mesmos primeiro. Não se trata das inteligências lógico-matemática e lingüística serem englobadas pela inteligência espacial. uma mesma área cerebral é responsável pelas duas. o que sugere não existir uma independência entre as inteligências. O mesmo ocorre com as inteligências pessoais. Uma deficiência espacial tornaria incapazes tarefas de relacionar "espacialmente" os números entre si e construir uma frase trabalhando as relações "espaciais" entre as palavras. Sendo assim uma inteligência interpessoal desenvolvida necessita de uma inteligência intrapessoal também bem trabalhada. É possível perceber que em várias características tais capacidades equivalem-se. tanto a matemática quanto a gramática seriam trabalhadas pelo cérebro de uma forma espacial. Afinal. 23 . Assim. mas da aceitação de uma dependência e de uma relação íntima entre determinadas inteligências.espaciais.

Críticos da Teoria sustentam que o trabalho de Gardner não é novidade – o que ele chama de “inteligências” são basicamente habilidades cuja importância educadores e psicólogos cognitivos sempre reconheceram. Não está bem definida. autor de “Cultural Literacy: what Every American Needs to Know” (1988). postulou a existência de uma “Inteligência Espiritual”. alegam que a Teoria das Inteligências Múltiplas não encoraja os educadores a ensinarem um “núcleo de conhecimento” – uma coleção dos “fatos essenciais que todos os Americanos devem saber”. D. Respondendo aos defensores do “núcleo de conhecimento” indispensável. Alguns críticos se perguntam se o número de “inteligências” vai continuar aumentando – estes teóricos acreditam que noções tais como habilidade corporal/cinestésica ou musical representam aptidões ou talentos individuais e não 24 . um artista. Gardner escreve “os estudantes devem experimentar com profundidade suficiente um conjunto razoável de exemplos.. neuropsicólogo interessado na religiosidade humana. o Holocausto. terminando este por acrescentar uma “Inteligência Existencial”. Em seu livro “A Mente Disciplinada: o que Todos os Estudantes Deveriam Compreender”. mas expandindo a Teoria.. no sentido da proposta de Emmons. tais como a Teoria da Evolução de Darwin. tratando basicamente do ensino fundamental. Há pouco tempo. etc.. Hirsch Jr.O que dizem os críticos da Teoria das Inteligências Múltiplas Não sendo um crítico. R. e outros. um geômetra. E. um historiador”. discutindo principalmente o que deve e não deve ser ensinado. de forma a verem como deve pensar e agir um cientista. o que causou longo debate com Gardner. ª Emmons. Gardner propõe que o currículo do ensino fundamental seja organizado em torno das mais básicas questões da existência humana. Hirsch e Gardner debateram pelo New York Times a situação da educação no Estado. Os principais argumentos dos críticos da Teoria são: Não é nada novo.Capítulo 6 .

Não é prática. Muitos críticos também dizem que a Teoria não possui o rigor e a precisão de uma ciência efetiva.“inteligências”. Se a I. Educadores confrontados com salas de aula lotadas e com falta de recursos vêm a Teoria das Inteligências Múltiplas como utópica. 25 . Gardner responde que atualmente é impossível garantir uma lista exaustiva e definitiva de inteligências. Contraria os Padrões Nacionais. ficará impossível comparar e classificar as habilidades dos estudantes em diferentes escolas. Críticos afirmam que a inteligência efetiva é revelada quando um indivíduo tem que confrontar uma tarefa estranha em um ambiente estranho. A Teoria prevê que a cultura de um indivíduo tem um importante papel na determinação de suas inteligências. for adotada amplamente.M. É dependente da cultura.

Desde que. (GARDNER. nada impede que outras inteligências sejam descobertas – ou criadas – por outros autores. a adoção de novas inteligências somente dificultaria este processo. 26 .As Novas Inteligências "Uma lista de 700 inteligências seria proibitiva para o teórico e inútil para o praticante.Capítulo 7 . Assim poderemos entender cada vez melhor o mistério da mente humana. Isto seria muito interessante. espacial e existencial.45) Esta foi à resposta dada pelo autor da teoria das inteligências múltiplas quando perguntado o que impediria a construção de novas inteligências: elas poderiam deixar de ser 9 e tornarem-se 700! Porém surge a impressão de que o próprio autor está caminhando contra o que afirmou ao apresentar as "novas" inteligências naturalística. p. a teoria das IM tenta articular apenas um número manejável de inteligências que parecem constituir tipos naturais". sejam feitos estudos sérios como os já vistos. Se Gardner apresenta novas inteligências. 1995. por que a escolha arbitrária de algumas delas em detrimento de outras? Se o objetivo era tornar as inteligências manejáveis estando elas em número limitado de modo que o uso prático da teoria possuísse maior eficácia. Tendo em vista as inúmeras capacidades humanas. Conseqüentemente. tudo é bem vindo.

exigindo ampla gama de conhecimentos para se chegar a solução. demorou muito para ter seu interesse despertado em andragogia. mas. pois até há pouco tempo se imaginava que os mesmos métodos serviriam para ensinar a crianças e a adultos. Aprendizagem por assunto ou matéria A aprendizagem adquire uma característica mais centrada no aluno. Aprendizagem baseada em problemas. do Houghton College.. Esta última é mais recente. através da discussão e da solução de problemas em grupo. a empresa de treinamento corporativo KDPKepler tem oferecido cursos usando I. No Brasil. apesar de suas definições originais referirem-se a adultos. e o SLMI System (Successful Leaning through Multiple Intelligences) do Impetus Institute. que trabalha basicamente no Japão.Capítulo 8 . padronizado e a experiência do aluno tem pouco valor. A experiência é rica fonte de aprendizagem. 27 .Pedagogia e Andragogia Pedagogia trata do aprendizado das crianças. tais como o MITA (Multiple Intelligence Teaching Approach). na independência e na auto-gestão da aprendizagem. ela ganhou rapidamente interesse e aplicação em pedagogia. como ensinar e avalia a aprendizagem. Pedagogia Andragogia Relação Professor/Aluno Razões da Aprendizagem Experiência do Aluno Orientação da Aprendizagem Dr. Luiz Roberto G. Características da Aprendizagem Professor é o centro das ações. Pessoas aprendem o que realmente precisam saber (aprendizagem para a aplicação prática na vida diária). Fava (1996).M. decide o que ensinar. Crianças (ou adultos) devem aprender o que a sociedade espera que saibam (seguindo um currículo padronizado) O ensino é didático. enquanto que a andragogia trata do aprendizado dos adultos.. Só recentemente alguns centros de ensino superior e corporativo passaram a oferecer técnicas baseadas em I.M. Logo que Gardner publicou sua Teoria das I.M.

de que maneira desejam que seja dado e como irão avaliar o retorno que obterão do investimento em T&D. Muitas empresas passaram a recrutar pessoal sem levar em consideração suas atividades passadas.Capítulo 9 . não somente estratégicos. já que seus serviços podem ser vendidos interna e externamente à empresa. pela melhor performance dos treinados. na sua maioria. Acompanham também a evolução de cada colaborador da empresa e oferecem-lhe periodicamente treinamentos. tal como os antigos setores de T&D. culminando com as chamadas “Universidades Corporativas (UC)”. já de antemão tendo planejado os meios de avaliar o retorno que tal ação dará à empresa. e passa a ser um “centro de resultados”. começando com mais intensidade pelos EUA na década de 80 (apesar da primeira ter sido a da GE. hoje em dia. Nas suas ações de treinamento e desenvolvimento. encontrar 28 . A atividade de capacitação deixa de ser um “centro de custo”. seja presencial. Mesmo as organizações que não foram tão longe. Atualmente já existem quase 3000 delas nos EUA e quase 5000 no mundo. o Crotonville Management Development Institute. É comum. seja à distância. mas procurando avaliar seu potencial futuro. fundada já em 1955). deixando a situação passiva de simplesmente escolher entre ofertas de Universidades tradicionais e de empresas de treinamento. para definir ativamente o que efetivamente querem e precisam oferecer a seu pessoal. muitas grandes empresas. das quais cerca de 200 no Brasil. os novos setores de T&D organizam ações especificamente destinadas a preparar colaboradores exatamente nas competências necessárias a alguma função estratégica (ou operacional) da empresa.Inteligências Múltiplas nas Organizações Tendo em vista que as escolas tradicionais não acompanharam o ritmo das mudanças no mercado e que a qualidade da equipe passou a ser fator fundamental na competitividade das organizações. para garantir a evolução de sua carreira no grupo. reestruturaram seus setores de T&D. mas também financeiros. começaram a transformar seus antigos setores de treinamento e desenvolvimento (T&D) em estruturas mais ambiciosas. Isso deve garantir à empresa a competitividade no sentido de Peter Senge: “será mais competitiva a empresa que aprender mais rápido que seus concorrentes”.

29 . do candidato. valorizando desta forma as inteligências Intrapessoais e Interpessoais. Com um mercado cada vez mais competitivo e globalizado.I. é importante o perfil de I. Há muitos anos que a Microsoft recruta desta forma e muitas outras empresas de ponta estão aderindo a este tipo de recrutamento. media-se a capacidade de um indivíduo pelo nível do seu Q. Ela coloca nas suas solicitações de candidatos “Ph. Mas quando se tem um atendimento e uma competência de relacionamento.M. e dando mais importância a capacidade de se relacionar de um candidato. cujo IPO (Initial Public Offering – abertura de capital na bolsa de valores). a qualidade do serviço ou produto tem muitas possibilidades de serem iguais ao dos concorrentes. o pensamento das organizações já mudou bastante. as empresas estão mudando as suas posturas. as empresas mudaram muito os critérios para seleção dos profissionais que preencherão as suas vagas. Algumas até preferem doutores. uma das mais inovadoras empresas da atualidade. começamos a ver o diferencial entre as empresas. porém atualmente o que está sendo mais valorizado na hora da seleção é aquele que sabe lidar com as emoções. mesmo após o estouro da “bolha da Internet”. Acompanhando as evoluções da Psicologia sobre o comportamento humano.D. Muitas exigem nível superior. tal como a Google. Mas hoje.I. A matéria-prima. aplicando testes que supostamente mediam a inteligência de um determinado indivíduo. Levando em consideração as diferenças dos tipos de inteligência. de nada adianta um determinado profissional possuir uma alta capacidade intelectual. Muitas enxergam claramente. mas pode ser um gênio em outra. há a necessidade de possuir um diferencial. é valorizado”. foi um grande sucesso na NASDAQ. deixando de lado os testes de Q. A pouquíssimo tempo atrás.solicitações de pessoal com frases do tipo: “tudo o que você precisar saber para trabalhar conosco será ensinado na própria empresa – o que nos interessa é seu potencial de contribuir com nosso sucesso!” Neste potencial. relacionando-se bem e suportando as pressões constantes de uma rotina de trabalho. que um indivíduo pode não ter um determinado tipo de inteligência bem desenvolvida.. mas não interessa em que especialidade. ou seja.

podemos e devemos utilizar outras áreas de nosso cérebro para desenvolvimento pessoal e.. cultura organizacional.. etc. para adequar os colaboradores da melhor maneira possível aos objetivos da empresa e oferecer-lhes treinamentos melhor adaptados a cada um. Muitos chamam gestão do capital intelectual de “gestão do conhecimento” na empresa.. levando em consideração utilizar da melhor maneira possível seu mix de inteligências. conseqüentemente. Enfim. levarão ao seu melhor desenvolvimento e satisfação. equipamentos. que é o que aparece na contabilidade (edifícios. A gestão da carreira de cada colaborador. e muito maior para empresas do conhecimento. que é uma atividade ainda pouco estabilizada e em rápida evolução. liderança. na proporção de 6 para 1 no Brasil. culminando na indispensável motivação para permanecer na empresa. clima. conhecimento. é muito maior do que o do “ativo tangível”. Mas..M. tais como a Microsoft (100 para 1!).). O uso aqui da palavra “inteligência” não tem nada a ver com seu significado no sentido de Gardner nas I. segundo a Teoria das Inteligências Múltiplas. capital. processos. a capacitação é a principal responsável pela evolução do intangível! Alguns autores chamam o conjunto dos intangíveis de “capital intelectual” da empresa. Assim. e existe um enorme interesse em como gerir essa parte mais valiosa da empresa. segundo levantamento recente do Instituto MVC. participação de mercado. o que poucos ainda fazem. . informação.M. Numa época em que o valor do “ativo intangível” de uma empresa. Sem dúvida.Geralmente. mas de enorme interesse na atualidade (Gomes E Braga – 2002). para o profissional... acredito que o estudos das inteligências pode gerar profissionais muito mais capacitados para o mercado exigente em que vivemos (Weber – 1996 ). marcas. 30 . outros de “inteligência competitiva”. poderemos utilizar outras inteligências para resolver problemas que a nossa competência técnica não resolveria. o sistema de ensino mais claro é voltado para as áreas Lógico-Matemática e Lingüística. patentes. organização. será da maior importância levar em consideração seu perfil de I. representada por pessoas. talentos. e compensando as eventuais deficiências.

31 . as empresas deverão utilizar I. que.M. é o que vai garantir sua perenidade da organização.Assim. enfim. na sua estratégia de pessoal. cada vez mais.

ou tema de interesse. “refletir para avaliar o resultado”.M. poderão encontrar respostas muito originais. É a postura de perguntar: “de quantas diferentes maneiras posso ver o problema?”.Inteligências Múltiplas e Inovação No limite. O método MITA (Ellen Weber. “de quantas maneiras diferentes posso resolvê-lo?”. “identificar objetivos”. Ph.1996). Aí “explicitar uma tarefa a cumprir”. para cada visão. consiste de cinco fases: • A primeira consiste em.. “como posso repensar à maneira de vê-lo?”. feita em conjunto. que é aquele dirigido a encontrar novas soluções para as questões cada vez mais diferentes encontradas no dia a dia. de cada participante. O ensino tradicional acostuma as pessoas ao “pensamento reprodutivo”. no conjunto. mas várias. dificultando a evolução competitiva da empresa. perante um problema.M. finalmente. a cada problema encontrado.Capítulo 10 . e não “o que alguém já me ensinou que posso aplicar para resolvê-lo?”. pois cada um verá o problema pela sua ótica e. por exemplo. E. aplicar algum conhecimento prévio para resolvê-lo.D. a organização deverá desenvolver nos colaboradores o “pensamento produtivo”. Com uma equipe de boa diversidade. de acordo com o perfil de I. essa fase final. questão. que é aquele que procura. Isto tolhe a criatividade e a inovação.. “estabelecer critérios de avaliação”. poderá levar a soluções muito criativas (Weber – 1996). que garantam a competitividade continuada da empresa. 32 . • • • • Em seguida. Estudos mostram que a principal característica do pensamento produtivo é a diversidade de pontos de vista aplicada ao problema em tela. inovadoras. Para isso é de grande valor usar equipes constituídas de pessoas com perfis diversos de I. Depois. definir “questões a perguntar” – não uma só.

Arie de Geus. pois conforme certa vez afirmou um dos expoentes europeus do planejamento estratégico. Não apenas na vida pessoal. a capacidade de aprender. O ser humano é dotado de capacidades desconhecidas. pode e deve procurar se conhecer bem. Procurar desenvolver a inteligência em que cada pessoa em particular é mais apta. Gardner escolheu as citadas inteligências e acreditou em uma dependência entre elas. porém uma ou outra melhor vista e desenvolvida em cada um.Capítulo 11 . poderão garantir uma equipe estável e ótima. desenvolvida e trabalhada a capacidade de cada um. Segundo Gardner. E que. Talvez mais tarde. mas venham a antecipá-las. aprender é a palavra-chave para o desenvolvimento que. hoje. E já era tempo de fazermos uso de uma noção de inteligência mais dinâmica. Assim. todos tem as nove inteligências. pode-se descobrir pessoas muito talentosas que antes estavam escondidas. a fim de que possamos nos preparar para os novos tempos. para que possamos ser bem sucedidos levando junto às organizações em que nos situamos. Há muito. cujos valores e potencialidades influenciaram até mesmo a “linha de produção” de Smith e as “organizações que aprendem” de Senge. utilizando técnicas de Inteligências Múltiplas. de individual e particular. 33 . que vão aparecendo no decorrer dos tempos. A empresa em conjunto com seus líderes e seus colaboradores. ex-vice-presidente de planejamento da Royal Dutch/Shell. sem dúvida. Máquinas humanas. podendo assim fazer com que cada um dê o melhor de si em sua área ou para que sejam remanejados em suas funções ficando cada um no lugar que melhor pode se desenvolver. pode ser um grande diferencial ter o domínio dessa competência. a ciência estava impregnada com essa idéia. As máquinas somos nós. torna-se comum e geral e faz a grande diferença no mundo. mas também na vida organizacional.Conclusão A Teoria das Inteligências Múltiplas tem uma grande importância ao conseguir derrubar a idéia de uma inteligência única. que gere a seqüência de soluções que não só respondam às rápidas mudanças do ambiente competitivo. assegurando a perenização da empresa. a habilidade de aprender mais depressa do que os concorrentes pode ser a única vantagem competitiva nos dias atuais. As novas atividades de capacitação das organizações. a fim de perceber qual suas melhores capacidades. é um ato importante para o crescimento do ser humano e de qualquer organização. de aprendizado.

Aprendizagem: Porque as máquinas somos nós.7. Machado. 5. Como Desenvolver as Competências em Sala de Aula. Petrópolis.ig. Projeto Analfabetismo Zero. 12.com. Falcão. Goleman. www. Fava. Bobeda. Paula.. RJ. Littlejohn. Nº 2.br/. Fasc. Itajubá.com. Maria Clara S.com. H.com. Fasc. Celso. Daniel. 3. 2004. http://www. Luiz C. Celso. Vozes. Daniel. 15. 1995. 6. Realize Sonhos – Seja um Alfabetizador. 34 . Como Desenvolver Conteúdos Explorando as Inteligências Múltiplas. 1982. Vozes. RJ. http://books. Petrópolis.br/psicologia/intelmult. William R. Editora Objetiva. São Paulo. Bobeda. Celso. 10.47. Trabalhando com Inteligência Emocional. Revista de Biologia e Ciências da Terra. Nilson José. RJ: Vozes. 1997. Editora KDPKepler.br/. janeiro de 2004 (acessado em 18/06/2005). Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências. Você sabe o que é Andragogia? (1996) http://eaprender. p. Antunes. 2000. A School for All Intelligences. Blythe. Hewlett. 3.br (acessado em 28/06/2005 ).nap.33-7. 2. MG. Fundamentos Teóricos da Comunicação humana. 2004.webinsider. 11. 1998. 7. www. 2002.homemdemello.webinsider. Inteligência Emocional: A Teoria Revolucionária que Redefine o que é ser Inteligente. Travassos. 2001. 9. 4. v.. 16.S. Antunes. Rio de janeiro. 8. V1. SW. Petrópolis. Inteligências Múltiplas. 8. A Teoria das Inteligências Libertadoras. Celso. 13. SP. P. 5ª edição. Alexandre. Luiz Roberto G. T. janeiro de 2004 (acessado em 17/06/2005). Antunes. A Teoria dos Jogos no dia-a-dia das organizações. 2001. 27ª ed. Cortez Editora. Pedrosa. Alexandre. n. Gardner.edu/catalog/10992 (acessado em 28/05/2005). 1990.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. A Teoria das Inteligências Múltiplas e suas Implicações para Educação.html 14. Objetiva. O Jogo e o Processo de Aprendizagem. RJ. Vozes. 2002. Gilza Moura. Antunes. Educational Leadership. Epistemologia e Didática. Goleman. 17. Zahar. National Academy of Sciences. As concepções de conhecimento e inteligência e a prática docente. Gama. 6ª ed. 2001. Petrópolis.

21. Weber. Ellen. MITA´s Five Phases for Renewed Higher Education. Aleksandr Romanovich. Ellen. E. 19.1996 18/06/2005). Luria.1996 http://www. Five Phases to PBL: MITA Model for Redesigned Higher Education Classes.org/lifelong/higher_ed/weber2. Weber. Fundamentos de Neuropsicologia. 2002. Gomes. Braga. 1ª ed. 1981. 20.newhorizons. Livros Técnicos e Científicos Editora. Rio de Janeiro: Campus. F. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.18. Inteligência Competitiva: Como Transformar informação em um Negócio Lucrativo. http://www.newhorizons.org/strategies/mi/weber3.htm (acessado em 35 .htm (acessado em 18/06/2005).

Sawaf. Paulinas. Ph. 6. Inteligência Emocional na Empresa. Olho D’água. Porto Alegre. 3. 8ª ed. Wisner. Artes Médicas. Howard – Inteligências Múltiplas – A Teoria na Prática. 7. 1997. As Relações Interpessoais na Formação de Professores. Ed. Julho/1997. Robert. 1997. Michel. Editora Campus. 4. Artes Médicas. Educação Emocional. A Inteligência no Trabalho: Textos Selecionados de Ergonomia. São Paulo. 1994. Alvarez Ramiro. Porto Alegre. São Paulo. Estruturas da Mente: A Teoria das Inteligências Múltiplas. Schiff. Gardner. Howard.BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR 1. A Inteligência Desperdiçada: Desigualdade Social. J. 2001. Loyola. Distúrbios Psicológicos Cotidianos. Gardner. Brasil em Ação. 36 . 8. Almeida. 2. 2002. 1995. 5. Alain. Cooper. 1994. Valle.D. Ayman. Edênio. Porto Alegre: Artes Médicas. Injustiça Escolar. Laurinda Ramalho.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful