Você está na página 1de 11

Na prática clínica o objectivo de avaliar o estado afectivo da criança e a estruturação da

personalidade, permite ao psicólogo perceber a sua representação do contexto familiar.


Fornece também dados acerca da maturidade psicomotora e da formação do esquema
corporal.
Para além do precioso material projectivo, contribui positivamente para o início da
relação com a criança, já que, de um modo geral, é aceite com agrado.
O modo como a criança se "reproduz" no meio da família, permite ao psicólogo perceber
como vivência este contexto relacional. A criança irá desenhar a família não tal como ela é,
mas como representa o seu conteúdo.
A observação e um estudo detalhado do desenho da criança permite conhecer os
sentimentos que experimenta pelos seus cuidadores e restantes elementos e as posições em
que ela própria se coloca na dinâmica familiar. Para o psicólogo estes dados serão muito
mais valiosos do que saber exactamente como é que ela é. Deste modo não deve ser pedido
inicialmente à criança para desenhar a sua família, correndo o risco de limitar à partida a
sua expressão livre, pois poderá sentir-se obrigada a fazê-lo de modo completamente
objectivo, isto é, respeitando as idades, as características de cada um dos membros, as
relações estabelecidas, etc. O examinador deverá, então, pedir à criança que desenhe uma
família da sua imaginação, na qual ela irá projectar-se muito mais.
O desenho da família real ira seguir-se ao desenho da família imaginária, cuja
comparação irá fornecer dados importantes.
Após a realização de cada um dos desenhos, a criança é convidada a explicá-lo, contando
uma história sobre ele ou através de uma entrevista realizada pelo psicólogo.
7

Aplicação do Teste do Desenho da Família

Material
Mesa, papel e lápis.

Idade
A partir dos 5 ou 6 anos de idade
Etapas de aplicação do teste
1° Desenho da Família Imaginária

Instruções: "Sabes que há famílias de muitas coisas... há famílias de animais, famílias de


objectos e de muitas outras coisas. Queria que desenhasses uma família da tua imaginação,
uma família que tu invento, ,es"

2° História ou entrevi

3° Desenho da Fanulia Real

Instruções: "Queria agora que desenhasses a tua família!" 4°


História ou entrevista

A maneira como o desenho é realizado é quase tão importante como o desenho


final. Por isso, é necessário que o psicólogo esteja presente e atento (sem, no entanto, dar
impressão de vigilância e avaliação). Este deverá manter-se próximo da criança, pronto
para lhe dirigir um sorriso ou uma palavra de encorajamento. Trata-se de uma prova que,
de um modo geral, é bem aceite pela criança e pelo adolescente. No entanto, se algum se
declara incapaz de realizar um desenho ou diz que não pode fazê-lo sem régua ou
borracha, é necessário encorajá-lo, referindo que o importante é o que eles vão desenhar e
não a perfeição do mesmo. A inibição poderá também manifestar-se através de paragens
momentâneas no início ou durante a realização do desenho. Dependentemente da situação
em que estas ocorram o psicólogo não deve desvalorizar.

Dever-se-á anotar ainda em que ponto da página o desenho foi iniciado e por que
personagem, ou qualquer outra coisa (objecto, animal, etc.). A ordem de reprodução dos
membros da família é muito importante. Se não foi observada poderá, a rigor, ser solicitada
posteriormente à criança.
É também importante o tempo empregado para desenhar cada uma das personagens, o
cuidado aplicado aos detalhes ou ainda uma tendência para retomar à mesma personagem.
Ter ainda em conta em que sentido (da esquerda para a direita ou da direita para a esquerda)
o desenho é realizado.
O psicólogo deverá também estar atento às eventuais reacções afectivas da criança
no decorrer da prova. Deverão ser anotados especialmente os estados de inibição geral e de
constrangimento, que podem mesmo traduzir-se numa recusa em desenhar ou se revelam na
elaboração dos traços do desenho. As manifestações de humor, de tristeza, de alegria ou de
cólera podem ser muito significativas quanto às relações da criança com a personagem ou
com a cena que está a ser representada. No final, o psicólogo deverá elogiar o desenho
realizado pela criança, qualquer que seja o seu valor.
Após a realização de cada desenho, este deverá ser explorado juntamente com a criança,
pedindo-lhe que conte uma história acerca daquela família: "Agora gostava que me
contasses uma história desta família / sobre a tua família". Se o psicólogo considerar que a
criança não é capaz de o fazer ou que não está a proporcionar os elementos suficientes para
a sua interpretação, deverá recorrer a uma pequena entrevista.

A Entrevista
A entrevista deve ser realizada com uma linguagem que vá ao encontro do nível de
desenvolvimento da criança ou adolescente e com o dinamismo adequado à promoção da
relação. Iniciar a entrevista dizendo: "Agora vamos falar sobre o desenho que fizeste. Ora
vamos saber quem são!". Para cada personagem, perguntar:
Quem é (Qual os seu papel na família)
O nome
A idade

Para cada umas das questões seguintes, o psicólogo deverá requerer uma explicação,
perguntando "porquê?".
Quem manda mais?
Quem manda menos?
Qual é o mais simpático?
Qual é o menos simpático?
Qual é o mais feliz?
Qual é o mais infeliz?
Se tu pertencesses a esta família, quem gostarias de ser? (esta questão não deve ser
apresentada no desenho da Família Real)
Imagina que iam dar uma volta de carro, que iam passear; mas havia um que não
cabia no carro. Quem ficava?
(ou se, por exemplo, houver outras crianças no desenho e fizer sentido ao
psicólogo: "uma das crianças não se portou bem. Quem foi? O que é que vai
acontecer?)
O que é que vai acontecer a seguir?
Se pudesses mudar alguma coisa nesta família, o que é que tu mudavas? ,,J U í ~,
Jl'\1

Ficará ao critério do psicólogo a necessidade ou não de aplicar todas as questões, já


que não se trata de um questionário rígido.

A objectividade / subjectividade d• ' : mília imaginária

Quando uma criança, apesar de lhe ser pedido que desenhe uma família imaginada
por si, não se desliga do real e representa os diversos membros da sua família na linha
hierárquica, respeitando as características da idade, sexo e situação de cada um, pode levar
a crer que o valor projectivo da prova se perdeu e pouca informação daí é possível retirar. É
errado, já que na maioria dos casos o teste é válido e proporciona uma gama preciosa de
dados. Indica uma marcada tendência para a racionalidade.
A questão que se levanta é a de perceber se essa tendência é ou não adaptativa. Com
efeito, na maioria dos casos e sobretudo quando se trata de uma criança muito pequena, o
psicólogo deverá considerar como indicativo de inibição da espontaneidade e grande
dificuldade de expressar as emoções, bem como falta de criatividade e rigidez. Isto revela
quase sempre o desenvolvimento de formações reactivas, que pode colocar o psicólogo no
caminho do conflito neurótico.
Quando isto acontece o psicólogo não deverá pedir à criança para desenhar a família
real.
Por outro lado, é possível observar todas as transições entre a representação exacta da
família verdadeira e os casos situados no outro extremo, nos quais as personagens figuradas
não possuem nenhuma realidade objectiva, constituindo uma total projecção da criança.
Neste caso, onde a subjectividade domina, é necessário considerar que os membros da
família imaginária não têm uma existência real, mas são vistos em função daquilo que
representa o estado afectivo da criança e a estruturação da sua personalidade. Assim, o
psicólogo deverá estar atento à exploração do desenho e às valências afectivas atribuídas a
cada um dos elementos.

A interpretação acontece a três níveis: Gráfico, Formal e de Conteúdo.

1- Nível Gráfico

No traçado do desenho é necessário distinguir a amplitude e a força.

Amplitude: As linhas traçadas num gesto amplo e que ocupam uma boa parte da
página indicam energia e extroversão. Se, pelo contrário, o gesto é de pouca amplitude,
apresentando um traçado com linhas curtas (ou quando longas construídas por pequenos
segmentos), é indicador de uma forte tendência para a introversão e de falta de energia ou
inibição.

Força: A força do traço traduz-se, por sua vez na espessura do mesmo, no


"carregado" lápis e na marca que imprime no papel. Um traço forte indica a presença de
agressividade, impulsividade e audácia. Um traço fraco ou ligeiro é indicador de fragilidade
e timidez.
Os dois elementos complementam-se. A força expressa pelo traço pode ser uma força
ampla, que se dispersa no meio ou uma força contida, até inibida, concentrada no interior
da criança. O mesmo acontece para o traço ligeiro.
Deverá, sobretudo, observar-se como significativo o excesso dessas disposições. Por
exemplo, quando as tendências extrovertidas da criança a levam a desenhar personagens
muito grandes, que tendem a exceder a página, será indicador de tendência para a
impulsividade e para fazer uso das emoções no momento de reagir, em que o excesso indica
desequilíbrio. Quando, ao contrário, o desenho é muito pequeno em relação à página, é
revelador de acentuada timidez e dificuldades de afirmação. É ainda importante ter em
conta as características dos traços quando se localizam numa determinada parte do desenho
(se, por exemplo, um elemento é desenhado maior que os outros ou com um traço mais
carregado).

Ritmo: O ritmo do traçado também deve ser considerado. Assim, é muito frequente
que a criança repita numa personagem ou de uma personagem para outra os mesmos traços
simétricos (por exemplo traços ou pontos). Esta tendência à repetição rítmica, que pode
atingir até uma verdadeira estereotipia, é oposta ao desenho livre. Indica perda de
espontaneidade e presença de um ambiente repressivo, com regras rígidas. Em alguns casos
muito pronunciados poderá contribuir para o diagnóstico da neurose ou de presença de
traços obsessivos. No mesmo sentido, é importante ter em atenção o cuidado, que chega à
meticulosidade, empregado por algumas crianças ao desenhar.
Significação gráfica (relativamente à questão da "ocupação do espaço", o psicólogo
deverá ser cuidadoso na sua interpretação, já que apenas tem significado complementando-
se com outros dados). A escolha da zona inferior da página indica cansaço, astenia e
depressão. A parte superior da página sugere imaginação e criatividade. A zona da esquerda
refere-se a tendências regressivas, indicando passividade, falta de iniciativa e de afirmação,
forte dependência dos pais. A zona da direita corresponde ao desenvolvimento progressivo,
capacidade de iniciativa e autonomia.

A Direita e a Esquerda: É preciso também observar se a criança desenha da


esquerda para a direita, que seria o sentido natural, ou da direita para a esquerda, que num
destro, poderá indicar problemas perceptivos, com consequências patológicas na
personalidade, podendo ser observado em esquizofrénicos. O psicólogo deverá estar
especialmente atento a este aspecto, pois para permitir inferências fiáveis terá que aparecer
com consistência e ser conjugado corttu outros dados.
2- Nível das Estruturas formais

Grau de Perfeição do Desenho: O modo como a criança desenha a figura humana


exprime o seu próprio esquema corporal, o que se vai estruturando ao longo do
desenvolvimento. O grau de perfeição do desenho torna-se, então, um indicador de
maturidade e pode constituir uma medida de desenvolvimento. Intervém aqui a maneira
como é desenhada cada parte do corpo, a procura dos detalhes, as proporções das diferentes
partes entre si e o complemento de vestimentas e outros ornamentos. No entanto, a maneira
como o desenho é realizado não despende exclusivamente do desenvolvimento intelectual,
mas é igualmente determinado por factores afectivos e pela estruturação global da
personalidade. Constata-se, por exemplo, que certas crianças inteligentes revelam um
desempenho inferior, pela intervenção de factores de ordem emocional. Por outro lado, a
instrução dada à criança no Teste do Desenho da Família faz referência ao desenho livre e
não lhe é pedido que desenhe o melhor que possa, o que poria a criança em advertência
para um desempenho mais eficaz a este nível.

A Estrutura Formal do Grupo: A estrutura formal do grupo das personagens


figuradas, as suas interacções mútuas e o "quadro' imóvel ou animado é também um
aspecto importante. Neste caso opõem-se dois extremos: o sensorial e o racional.

Assim, o sensorial indica interesse pela estimulação emocional, espontaneidade,


sensibilidade ao ambiente circundante. Trata-se de um desenho onde imperam as linhas
curvas, juntamente com outros elementos para além da família (por exemplo a natureza),
onde se desenrola uma acção. O racional indica grande rigidez, racionalidade e tendência
para reprimir as emoções, associado a um ambiente demasiado exigente e rígido. É um
desenho onde as linhas rectas e os ângulos predominam sobre as curvas. Pode observar-se a
reprodução estereotipada e rítmica de personagens imóveis, isoladas umas das outras, mas
frequentemente desenhadas com extremo cuidado e detalhes precisos.

3- Nível de Conteúdo
Entre os diferentes testes projectivos, o Teste do Desenho da Família é um dos que
permitem à criança afastar-se tanto quanto deseje ou necessite da realidade objectiva e
mostrar a sua concepção pessoal do mundo familiar. Contudo, pode esperar-se, a esse
respeito, que a criança, quando se lhe pede para desenhar uma família da "sua imaginação",
se guie de acordo com o princípio da realidade e desenhe a sua própria família, aquela no
seio da qual vive e reproduzir no papel a ordem hierárquica das idades e de importância, a
sua mãe, o seu pai, as suas irmãs e irmãos. Podendo este corresponder a número grande de
casos, verifica-se, no entanto, que na maioria a subjectividade prevalece e a criança
comporta-se nesta prova como criadora e representa no seu desenho não a sua família, mas
a sua representação ou o seu desejo. É importante, então, comparar a reprodução imaginária
ao desenho da família real e assinalar as deformações, as supressões e os acréscimos que
indicam em que sentido e em que medida o estado afectivo da criança estará a influenciar a
sua percepção do real.
A afectividade pode assumir aqui dois tipos de valências: positiva e negativa. A
positiva, traduz sentimentos de admiração ou de amor, que conduzem a criança a investir na
figura privilegiada, colocando-a particularmente em relevo no seu desenho. Os afectos
negativos mostram sentimentos de desvalorização, ódio, agressividade e conduzem a
criança a desinvestir na pessoa em questão, isto é, a desvalorizá-la no seu desenho.
Encontra-se presente a negação como mecanismo de defesa, o que nas idades mais
avançadas revela imaturidade afectiva e inadaptação ao real: "negar uma realidade à qual se
sente incapaz de se adaptar". A angústia e a culpabilidade estão geralmente associadas.

a) A personagem valorizada é aquela com a qual a criança tem uma relação


significativa; que considera como a mais importante, que admira, inveja ou teme. É a
pessoa na qual investe a sua afectividade e com a qual se identifica. A personagem
valorizada é geralmente desenhada em primeiro lugar, porque é nela que a criança logo
pensa e quem lhe desperta maior atenção. Ocupa a posição inicial à esquerda da família
(tendo em conta que é elaborado por um destro).
Habitualmente esta figura corresponde a um dos cuidadores. Quando é uma criança, poderá
indicar desejo de assumir o seu papel e o valor que lhe atribui no seio da família, pois pode
considerar o seu sexo, a sua idade e o seu papel como privilegiados. Quando é a própria
criança que se posiciona em primeiro lugar, reflecte uma forte tendência narcisista, cuja
causa deverá ser investigada. Muitas vezes, a causa prende-se com o vazio afectivo e a
impossibilidade de investir nas figuras familiares, levando a criança a investir em si mesma.
b) A personagem valorizada destaca-se pelo físico maior (proporcionalmente aos
restantes elementos). Se, por exemplo, a criança tem crítica suficiente para não "usurpar" o
lugar dos pais ou dos irmãos mais velhos e se representa no lugar que lhe cabe por direito,
poderá, contudo, valorizar a sua personagem pelo porte que lhe atribui.
c) O desenho é realizado com o maior cuidado. Os traços são mais caprichados. Na
elaboração, pode verificar-se que a criança demorou nessa personagem, para nela investir e
a ela retomando muitas vezes para que nada lhe falta.
d) É ainda rica em detalhes complementares: enfeites na roupa, chapéu, bengala,
guarda-chuva, cachimbo, bolsa, etc. Preocupa-se com que a personagem ocupe uma
posição central (no sentido figurado da palavra) e que os olhares de todos os outros
convirjam para ela. É também valorizada durante o questionário da entrevista, onde

Desvalorização:

a) A supressão de um dos membros da família que existe efectivamente e está


presente no lar, leva a concluir que a criança deseja o seu desaparecimento. A pessoa
excluída é geralmente um dos irmãos ou irmãs. Não raramente acontece que a criança, após
suprimi-la, racionalize essa ausência e diga "não tive espaço para desenhar a irmãzinha".
Pode também acontecer que falte um dos pais (ou ambos), o que sugere que a relação da
criança com a figura ausente é geradora de sofrimento.
revela o seu papel privilegiado.

b) Quando a criança não se desenha a si própria, é indicador de baixa auto - estima e


acentuada desvalorização pessoal, como se a criança não se sentisse bem com a sua actual
situação, idade e sexo, não se reconhecendo a si como figura significativa e integrante
daquele contexto familiar. O psicólogo não deverá, no entanto, considerar que uma criança
possa facilmente excluir-se da família e admitir, salvo raras excepções, que ela aparece
representada sob traços de outra pessoa, da qual gostaria de ocupar o lugar. Cabe ao
examinador perceber com quem ela se identifica.

c) Algumas vezes a omissão não atinge senão uma parte de uma personagem.
Geralmente são omitidos os braços ou os pés, ou outros traços da fisionomia. Assim, a
desvalorização de uma personagem, quando não se traduz pela ausência pode, pode ser
representada de várias maneiras:
Desenhada menor do que as demais, tendo em conta as proporções (principalmente no
que se refere à idade);
Colocada em último lugar, com frequência à margem da página, como se não houvesse
a intenção inicial de lhe reservar um lugar;
Colocada desviada das outras ou, ainda, abaixo destas;
Desenhada com menor cuidado que as outras ou com omissão de detalhes importantes;
Depreciada por um atributo negativo ou uma alteração de idade (por exemplo um dos
pais muito mais velho em relação ao outro);
Não designada pelo nome enquanto outras o são;

d) Outro modo muito particular de desvalorização é o de riscar uma personagem após


tê-la desenhado.

Personagens acrescidas:

Num elevado número de casos, acontece que a criança, livre de criar, através do seu
desenho, um universo familiar da sua conveniência, nele introduza uma ou várias
personagens imaginárias que realizam tudo aquilo que ela mesma não ousa fazer. Quanto
'mais a personagem acrescida for valorizada no desenho, tanto mais deverá ser considerada
como representativa de uma tendência importante da criança. Em determinados casos a
própria criança se encontra ausente do desenho, a qual é inteiramente projectada com
personagens fictícias.

a) A personagem acrescida pode ser um bebé, sobre o qual a criança faz recair fortes
tendências regressivas.
b) Pode ser uma criança maior ou mesmo um adulto, considerado o mais feliz,
porque, por exemplo, não é punido pelas más notas e possui uma mota nova.

c) Pode ser um duplo, isto é, não uma personagem que substitui a criança, mas muito
próxima dela e que está associada a tudo o que faz. O duplo assemelha-se ao sujeito quanto
à idade, sexo e situação. O duplo não é escolhido por acaso, mas representa,
particularmente quanto à idade e ao sexo, alguma tendência do sujeito que não pode ser
directamente exteriorizada.

Os laços e as relações:

Os laços que a criança estabelece entre as personagens na sua projecção gráfica


mostram como encara essas relações. A aproximação de duas pessoas no desenho indica-
nos intimidade, desprezada ou desejada pela criança. Se estão de mãos dadas, ou se se
abraçam ou brincam juntas, o grau de intimidade torna-se ainda mais patente. Há casos
marcantes, nos quais a constatação dessa intimidade pode conduzir o psicólogo na direcção
do problema.
No sentido inverso, é importante ter atenção aos casos nos quais os pais são separados no
desenho da família e colocados a uma certa distância um do outro. Essa distância poderá
corresponder à verdade (ausência de um deles ou divórcio), mas na maioria das vezes
corresponde ao desejo secreto de dissociar o casal e assumir os benefícios que atribui a essa
personagem, no que se refere à relação com o outro.