Você está na página 1de 7

Programa minimalista

O Programa Minimalista é a linha de investigação que tomou


a gramática generativa a princípios dos anos noventa.

Apresenta-se como programa, e não como teoria, porque pretende


ser um modo de investigação, caracterizado, ademais, pela
flexibilidade à hora de abordar as múltiplas direcções que
sua minimalismo possibilita. Isto é, em última instância, o Programa
proporciona o marco conceptual que guia o desenvolvimento da
teoria linguística generativa, mas nem oferece soluções específicas a
problemas técnicos já conhecidos nem explicações sobre fenómenos
linguísticos observados. Em palavras de Noam Chomsky, há
perguntas minimalistas, mas não respostas minimalistas; entre essas
perguntas, desempenha um papel relevante não só a questão a
respeito de que são exactamente as propriedades da linguagem,
senão também a de por que são como são. [1]

Por sua vez, o conceito de minimalismo apela à ideia de que a


capacidade da linguagem nos humanos mostra indícios de estar
constituída segundo um desenho óptimo e uma extraordinária
organização, que parecem indicar o funcionamento interno de umas
leis computacionales muito singelas e generais em um determinado
órgão mental. Com outras palavras, o Programa minimalista trabalha
[2]

sobre a hipótese de que a Gramática Universal constitua um desenho


perfeito, no sentido de que só contenha o estritamente necessário
para cobrir nossas necessidades conceptuais, físicas e biológicas.

Desde o ponto de vista teórico, e no contexto da Gramática


generativa, o Programa minimalista nutre-se das propostas do
enfoque de Princípios e parámetros ("Principle and Parameters
approach"), considerado como o último modelo teórico regular do
generativismo e que se foi desenvolvendo desde os anos oitenta.

Basicamente, o que este enfoque sugere é a existência de um


conjunto fixo de princípios válidos para todas as línguas; estes
princípios entendem-se como uma espécie de conjunto de
possibilidades que o menino que está a aprender uma língua pode
combinar de forma limitada (os parámetros), de acordo com as
concretas propriedades que caracterizam a sua língua materna.

O Programa minimalista tem como objectivo chegar a saber quanto


desse modelo de Princípios e Parámetros é resultado desse hipotético
desenho óptimo e computacionalmente eficiente de nossa faculdade
da linguagem. [3]
A sua vez, a versão mais desenvolvida do enfoque de Princípios e
parámetros, a teoria da Rección e ligamiento ("Government-Binding
theory"), proporciona os princípios especificamente técnicos a partir
dos quais se propõe o Programa minimalista.

Conteúdo
[ocultar]
• 1 Fundamentos
o 1.1 O desenho perfeito da linguagem humana
o 1.2 Economia e minimalismo
• 2 Aspirações do programa
• 3 O modelo de gramática
o 3.1 Movimentos e categorias funcionais
o 3.2 Materialización múltiplo e a derivação por fases
• 4 Investigações no Programa Minimalista
o 4.1 Trabalhos de Noam Chomsky
o 4.2 Introduções
o 4.3 Estudos sobre as noções teóricas fundamentais e suas
aplicações
• 5 Referências
• 6 Fontes bibliográficas
• 7 Veja-se também

Fundamentos
A concreción do Programa minimalista realiza-se partindo dos
grandes factos conhecidos sobre a linguagem desde uma perspectiva
biolingüística e codificados no modelo de Princípios e parámetros.

Os principais aspectos da linguagem que o Programa assume como


ponto de partida são dois: por um lado, a ideia de que a diversidade
das línguas se deve à interacção entre esses princípios e parámetros;
por outro, a caracterização das sentences (orações/cláusulas simples)
como:

• as unidades linguísticas básicas;


• resultado da combinação de sons e significados;
• potencialmente infinitas;
• construídas a partir de frases (sintagmas, em um sentido
funcional);
• portadoras de propriedades de deslocação (alguns elementos
interpretam-se como se aparecessem em uma situação
diferente à que realmente ocupam em sua pronunciación).
Por outro lado, o enfoque minimalista parte da ideia de que só
dois níveis de representação, o da Forma lógica (Logical Form) e o
daForma fonética (Phonetic Form), são necessários; a operação
irreductible que se pretende demonstrar seria a que poria em relação
ambos níveis, um processo linguístico concebido como o mais simples
e pequeno dos possíveis.[4]

Não obstante, o Programa admite que, de acordo com a conhecida


como necessidade conceptual virtual (aquilo que o programa precise
em um determinado estádio de seu desenvolvimento), se possam
chegar a contemplar até 16 níveis de representação.

Por último, e a modo de resumem, os três pilares sobre os que se


sustenta o Programa minimalista são: [5]

• a emergência de condições de economia linguística a partir dos


processos de derivação e representação sintácticos;
• as consequências da necessidade conceptual virtual;
• a busca da unidade e a simetría nas operações sintácticas e
representações.

O desenho perfeito da linguagem humana


O Programa Minimalista mantém a ideia chomskiana inicial de que os
componentes centrais da linguagem são innatos (Gramática
Universal), mas acrescenta uma proposta bastante radical sobre a
arquitectura da faculdade linguística. A ideia central do Programa
Minimalista é a premisa de que o sistema computacional que subyace
à linguagem é perfeita. Trata-se de uma solução computacionalmente
óptima para ser usable pelo ser humano. A faculdade linguística
contém unicamente aquilo que é conceitualmente necessário, desde
um ponto de vista filosófico, biológico ou físico. Nada é redundante.
Nesse sentido, o mínimo que deve ter é um mecanismo para gerar
infinitas orações e materializarlas através de verdadeiro conjunto de
sons (ou de senhas, se se trata de umalíngua de senhas) associados
com os respectivos conceitos. Isso quer dizer que temos ao menos
três componentes: um sistema de conhecimento (a concorrência, de
carácter computacional, formada pelo léxico e a sintaxe) que
alimenta dois sistemas de actuação: o sistema Articulatorio-
Perceptual A-P (que interpreta as instruções para a emissão do
enunciado) e o sistema Conceptual-Intencional C-I (que interpreta as
instruções para a composição lógico-semántica). A relação entre a
sintaxe (o sistema computacional) e os sistemas de actuação produz-
se através de dois níveis de representação: a Forma Fonética (FF), o
conjunto de instruções que interactúa com A-P, e a Forma Lógica
(FL), o conjunto de instruções que interactúa com C-I.
Este desenho simplifica notavelmente o modelo anterior, ao eliminar
níveis intermediários como Estrutura profunda e Estrutura superficial,
que tinham sido cruciais desde o começo da Gramática generativa.
Assim mesmo, muitas ferramentas teóricas dos modelos anteriores
eliminaram-se ou simplificado; por exemplo, a ideia de rección , as
impressões do movimento, os índices e a Teoria do X'.

Consequente com esta ideia de simplicidad , o minimalismo recusa a


equiparación de teorias prévias entre os níveis genético e innato: a
linguagem é innato, mas não é preciso enfatizar nem centrar no nível
genético. Pode ter propriedades gramaticales concretas que sejam
innatas, mas não tem por que responder a uma instrução gramatical
concreta derivada de uma especificação genética.

Economia e minimalismo
Por seu énfasis na ideia de que a faculdade da linguagem é "perfeita"
(isto é, que carece de redundâncias), o Programa Minimalista é
caracterizado muitas vezes como uma exigência metodológica para
propor explicações gramaticales mais simples e económicas (isto é,
como uma sorte de reformulación da Navaja de Occam). Não há
dúvida de que o énfasis na simplicidad, economia e elegancia é
central no Minimalismo, mas não é algo exclusivo dele; elegancia,
simplicidad e economia têm sido exigências que a Gramática
generativa se impôs a si mesma desde o princípio, de acordo com o
resto da ciência. O que Chomsky propõe é que a teoria linguística
[6]

deveria ir para além da mera adecuación explicativa, para se exigir o


desenho de uma teoria sem redundâncias (algo que converte à
linguagem em um objecto bastante único no mundo biológico, como
Chomsky reconhece). [7]

Por outra parte, o Programa Minimalista permite pensar em um novo


tipo de economia da derivação. Nas versões anteriores era possível
estabelecer condições de economia global (por exemplo, os filtros),
que se impunham sobre o produto final da derivação, isto é, sobre
uma representação sintáctica completa. Isso quer dizer que uma
estrutura podia se gerar por inteiro e, uma vez formada, se podia
eliminar. Como é evidente, isto constitui uma redundância, pois
estamos a gerar estruturas que depois vão ser bloqueadas por
condições de tipo global. Na hipótese minimalista mais forte, as
condições não se impõem sobre uma representação acabada, senão
sobre a cada um dos passos da derivação; isto é, as condições de
economia são locais, não globais. Isto evita a geração desnecessária
[8]

de estruturas que depois se vão eliminar.

Aspirações do programa
O objectivo do Programa minimalista é triplo, enquanto pretende
precisar os três factores que influem no desenho da linguagem:

• a dotação genética;
• a experiência;
• as propriedades gerais dos sistemas óptimos, bem desenhados.

Por outro lado, dentro da linha de investigação minimalista, formulou-


se já uma hipótese concreta em relação à emergência da faculdade
da linguagem. De acordo com ela, o que distingue aos seres humanos
de outras espécies é o sistema computacional que constitui
umaNarrow Syntax (uma sintaxe básica, mínima, concisa, mas
suficiente), caracterizada sobretudo pela recursividad e por como
este rasgo dispõe os objectos sintácticos que constrói sobre os
sistemas sensomotor e conceptual-intencional. [9]

O modelo de gramática

N: conjunto de elementos léxicos; E: montes sucessivos; M: ponto de materialización.

Baixo o suposto de que a linguagem é um dispositivo optimamente


desenhado (perfeito) para derivar representações para os
componentes de actuação, toda a propriedade, operação e condição
de boa formação gramatical deve ter por finalidade que as derivações
resultantes possam ser interpretadas pelas interfaces.

A sintaxe é concebida como um sistema computacional, que toma um


conjunto N de elementos léxicos e constrói com eles um só objecto
sintáctico, através de uma operação recursiva
telefonema monte (E.Merge, em inglês). À medida que vão-se
construindo novos objectos sintácticos, a informação relevante para a
cada interface deve ser separada, isto é, as instruções de natureza
fonológica constituem a Forma Fonética e as instruções de natureza
semántica a Forma Lógica. A operação que se encarrega de separar
esta informação é denominada materialización (M. Spell-out, em
inglês.).

Movimentos e categorias funcionais


No modelo de Rección e ligamiento, os movimentos eram explicados
através da operação Mova-se-α e de certas condições sobre
a Estrutura superficial. No Programa Minimalista, o movimento deve-
se à necessidade de cotejar (ou chequear) alguns rasgos de certas
categorias que não vão poder ser interpretados pelas interfaces.
Estes rasgos não interpretables resultam ser uma espécie de vírus"
dentro do sistema computacional, pelo que devem ser eliminados.
Sua eliminação realiza-se através do cotejo (ourevisão) de rasgos
comuns entre elementos já presentes na derivação (isto é, com
estruturas já montadas em passos prévios) e estruturas que se
acrescentam em passos posteriores (categorias funcionais). Os
primeiros se reensamblan (ou copiam-se ) aos segundos para cotejar
rasgos não interpretables (o qual cria o efeito de deslocação).

No exemplo, o sintagma determinante Juan se reensambla para


cotejar o rasgo PPE (requerimiento de ter um sujeito). Na oração
resultante há duas cópias de Juan . Em princípio, qualquer das cópias
poderia ser interpretada pelas interfaces, mas, por exemplo, a Forma
Fonética geralmente exclui as cópias mais baixas, o qual provoca que
seja só o último elemento reensamblado (a cópia mais alta na
estrutura) a que se pronuncie.

É importante destacar que um rasgo não interpretable só pode ser


cotejado por um elemento que possua um rasgo análogo (um
complementante com um rasgo interrogativo deve chequear esse
rasgo com um sintagma interrogativo, por exemplo, provocando que
uma oração interrogativa comece com um pronombre interrogativo).
No caso de existir mais de um elemento com tal rasgo, o elemento
mais próximo será o que se reensamble.

Materialización múltiplo e a derivação por fases


Nas últimas versões do Programa Minimalistas, propôs-se que a
[10]

operação de materialización se realize por etapas. A cada ponto de


aplicação desta operação denominar uma fase; após a cada fase, os
objectos sintácticos montados até esse momento enviam-se às
interfaces para sua interpretação. Supõe-se que as fases são
delimitadas por certas categorias funcionais. Há acordo geral em
que C ev* são fases. C é o Complementante e estabelece o domínio
da força ilocucionaria da oração; por sua vez, v*, que é o
verbalizador da raiz léxica de V (Verbo) em estruturas transitivas,
estabelece o domínio da aplicação da Teoria Temática. Para
[11]

muitos, D(Determinante), que marca o domínio da referencialidad, é


também uma fase. Propôs-se também que os verbalizadores de
estruturas não transitivas (v) são fases.

Uma característica definitoria das fases é sua impenetrabilidad:


nenhum constituinte pode extrair-se delas. Esta Condição de
impenetrabilidad da fase resume muitas das ideias sobre limitações
na extracção que se formularam desde os inícios da Gramática
generativa.

Investigações no Programa Minimalista


Desde seu aparecimento, produziram-se uma grande quantidade de
investigações que tomam como ponto de partida o Programa
Minimalista. A seguinte lista apresenta uma mostra que não deveria
se considerar exhaustiva.