Você está na página 1de 11

Telejornalismo, audiência e ética

Alfredo Vizeu

Índice atraente e acessível ao público. Se a resposta


fosse positiva era meio caminho andado na
1 Introdução . . . . . . . . . . . . . 1 aprovação do material (OBTUÁRIO,1999).
2 A construção social da realidade . 2 A pergunta do editor-executivo acabou vi-
3 A enunciação jornalística . . . . . 4 rando uma espécie de “guia” dos editores da
4 Ética e comunicação . . . . . . . 5 Tv Globo na hora de apresentar uma infor-
5 As notícias de jornal e as notícias mação de maneira compreensível para todos
de televisão . . . . . . . . . . . . 7 os telespectadores. A frase “Será que a mãe
6 Digressão final . . . . . . . . . . 9 do Odejaime vai entender?” se tornou um
7 Referências bibliográficas . . . . . 10 jargão no jornalismo da Globo.
O exemplo ilustra bem que na rotina dos
jornalistas, na hora de decidir o que é noti-
ciável ou não, o que vai para o ar ou não, a
“... o que se pode afir-
preocupação com a audiência está presente
mar há valores que não morrem,
de uma forma implícita. O profissional, de
não se modificam, nem perdem
uma maneira ou de outra, está sempre preo-
a utilidade. Ao contário, quanto
cupado com o que o público, um público pre-
mais colocados ao sol e à chuva,
sumido, espera de uma notícia.
revelam-se eternos. Um desses
Nessa tensão diária, as questões éticas
valores é o conceito de liberdade
estão sempre presentes. A notícia é um
de expressão e pensamento, no
“produto” à venda, mas não um produto
qual se materializa a liberdade de
como outro qualquer. É através do que está
imprensa”. Pery Cotta
sendo noticiado que as pessoas tomam con-
tato com o mundo que as cerca. A infor-
1 Introdução mação ganha uma dimensão central na vida
contemporânea. É um bem público. Ciente
“Minha mãe vai entender”? Assim o editor-
disso, o jornalista deve tomar todo o cuidado
executivo do Jornal Nacional, da Rede Globo
– e essa não é uma tarefa fácil – em não
de Televisão, Odejaime de Hollanda, fale-
transformar a notícia num espetáculo.
cido recentemente, respondia aos editores do
Com toda a razão Rui Barbosa (1990) de-
JN quando esses, em meio a edição de uma
fendia que a imprensa é a vista da Nação.
reportagem, pediam-lhe a opinião sobre se
Sem a vista vivemos o mundo do medo, a
o material que estava sendo editado seria
2 Alfredo Vizeu

morte em vida, ficamos submetidos aos que dispensável coesão social. Como diz Verón
ocultam, tramam, sonegam e roubam. Fi- (1995), a mídia informativa é o lugar onde
camos na dependência de tudo e de todos, as sociedades industriais produzem a nossa
prisioneiros do acaso. realidade.
O alerta de Rui Barbosa feito, em 1920, No Brasil, a importância dos media, em
que se procurava chamar a atenção da co- particular a televisão, ainda é mais significa-
munidade para a responsabilidade dos media tiva. Para a maioria das pessoas, os telejor-
com a comunidade é de grande atualidade. nais são a primeira informação que elas re-
Hoje as relações do homem com o mundo cebem do mundo que as cerca: como está
são cada vez mais construídas pelo campo a política econômica do governo, o desem-
mediático. Comentários como: “Você viu, penho do Congresso Nacional, a vida dos
deu ontem na tevê...”; “O jornal disse...”; “o artistas, o cotidiano do homem comum, entre
rádio deu agora há pouco...”, fazem parte do outras coisas.
nosso cotidiano. O noticiário televisivo se converteu em um
A mídia, pela disposição e incidência de lugar onde se pratica, de uma forma simu-
suas notícias, vem determinar os temas so- lada, o exercício democrático das grandes
bre os quais o público falará e discutirá. A questões sociais. É a “Praça Pública”
hipótese do “agendamento”sustenta que as que converte o exercício da publicização
pessoas agendam seus assuntos e suas con- dos fatos como possibilidade da prática da
versas em função do que a mídia veicula democracia.
(McCOMBS; SHAW; 1993). Essa força da televisão, em especial dos
Entendemos que a mídia não é mais só telejornais, apresenta riscos. Todo o pro-
o espaço de reprodução do real, mas, mais cesso de publicização é submetido a “regras
do que isso, o “lugar” a quem o próprio particulares” do noticiário televisivo. A tv
real se remete para apontar o processo não só fala, mas agenda a política, monitora
de suas próprias produção e legitimação. os passos dos atores, exercendo a condição
Para Rodrigues (1988) é a mídia que de- de grupo de pressão e prescrevendo suas
fine sua legitimidade como instituição pro- ações. Nesse sentido, a tv, através do tele-
dutora do único código discursivo legítimo, jornal se torna em um grande dispositivo
como grande máquina de fabrico de mode- político. (FAUSTO NETO,1995).
los puros, sem nenhuma outra referência que
não seja sua auto-produção ilimitada.
2 A construção social da
Partindo-se do pressuposto de que a so-
ciedade moderna é caracterizada pela na- realidade
tureza fragmentada da experiência, pela con- É dentro deste contexto que pretendemos de-
seqüente multiplicidade de esferas de legi- senvolver nosso trabalho Telejornalismo, Au-
timitidade e pela autonomia das suas dimen- diência e Ética. O objetivo é levantar algu-
sões, acreditamos que, no campo mediático, mas questões para a reflexão de como os jor-
o jornalismo assume hoje um imprescindível nalistas, mais especificamente os editores de
papel de mediação, garantindo deste modo a texto de um telejornal, diante da importân-
constituição de um sentido comum, e a in-

www.bocc.ubi.pt
Telejornalismo, audiência e ética 3

cia cada vez maior do campo do jornalismo, Segundo a autora, cada uma destas perspec-
de suas responsabilidades sociais, convivem tivas ao aturem sobre os atores sociais deter-
diariamente com as pressões da “audiência” minam uma abordagem diferente da notícia.
e a necessidade de uma postura ética na pro- A idéia da notícia como um espelho da
dução do noticiário. realidade corresponderia a concepção tradi-
Este estudo faz parte de uma pesquisa cional das notícias. Este ponto de vista de-
mais ampla que estamos realizando desde de fende a “objetividade” como um elemento
1994 sobre como as rotinas de trabalho in- chave da atividade jornalística. Dentro desta
fluenciam os jornalistas na hora de decidir o concepção, o máximo que se admite é a pos-
que é notícia. O objeto de trabalho é basica- sibilidade de que as notícias reflitam o ponto
mente a atividade dos editores de texto, que de vista do jornalista (STAMM, 1976).
são os responsáveis pela edição da matéria Já Gaye Tuchman defende que a notícia
que vai ao ar nos telejornais (PEREIRA JU- não espelha a realidade. Para a autora, a
NIOR,1997). A pesquisa está em andamento notícia ajuda a constituí-la como um fenô-
e atualmente estamos investigando algumas meno social compartilhado, uma vez que
hipóteses que permitam indicar pistas sobre no processo de definir um acontecimento a
o conceito de audiência para os editores do notícia define e dá forma a este aconteci-
Jornal Nacional. mento. Ou seja, a notícia está permanente-
Para dar conta do presente estudo enten- mente definindo e redefinindo, constituindo
demos ser necessário fazer uma breve dis- e reconstituindo fenômenos sociais.
cussão de que jornalismo estamos falando No Brasil, a concepção de que o jor-
quando tratamos de noticiário televisivo , au- nalismo é um simples espelho da reali-
diência e ética. dade ainda encontra um grande espaço nas
De uma maneira geral, sem a preocupação redações e faculdades de Jornalismo. Au-
de aprofundarmos o tema, podemos resumir tores como Luiz Amaral (1987) e Juarez
as definições de jornalismo e notícia a par- Bahia (1990) definem a atividade jornalís-
tir de dois grandes grupos. De um lado, tica como uma simples técnica, reduzindo-
temos os que defendem a notícia como um a a uma operação meramente mecânica de
espelho da realidade; de outro, aqueles que meia dúzia de regras como já nos referimos
concebem a notícia como uma construção da anteriormente.
realidade. Em oposição a essa visão mecanicista
Num estudo clássico sobre a produção da temos um campo de estudos ainda em con-
notícia, Tuchman (1983) tendo como pres- strução que procura entender o jornalismo
suposto a concepção sociológica dos atores como uma forma de conhecimento (MEDI-
sociais argumenta que por um lado a so- TSCH, 1992). Grosso modo, o jornalista não
ciedade ajuda a formar a consciência e, por seria alguém que comunica a outrem o co-
outro, mediante uma apreensão intencional nhecimento da realidade, mas também quem
dos fenômenos do mundo social compar- o produz e o reproduz.
tilhado – mediante seu trabalho efetivo -,
os homens e as mulheres controem e con-
stituem os fenômenos sociais coletivamente.

www.bocc.ubi.pt
4 Alfredo Vizeu

3 A enunciação jornalística sujeito se defronta com outros códigos – ou


outros discursos – de que empresta também
O estudo do discurso, que se interessa pela
para a constituição de suas unidades discur-
utilização concreta das linguagens, mostra
sivas. Do trabalho de operar com vários dis-
que todo o enunciado que se refere à reali-
cursos resultam construções, que, no jargão
dade, ao refleti-la de certa maneira, também
jornalístico, podem ser chamadas de notí-
necessariamente a refrata de certa maneira
cias.
(BAKHTIN,1992).
Este trabalho do sujeito, a partir e através
Entendemos que a definição do jornalismo
do outro, não é algo mecânico e não pode
como um conjunto de técnicas especiais é
repousar sobre a idéia de que do simples re-
reducionista e não consegue compreender o
curso à língua resultaria a transparências das
campo jornalístico como “lugar estratégico”
mensagens. O grau de nomeação das coisas
de produção e construção do real. A idéia
pelas palavras não se dá apenas pelo recurso
de que o jornalista é um mero reprodutor de
da justaposição, mas por algo que decorre do
fatos e que basta ele acionar de uma forma
investimento do trabalho da enunciação, isto
correta um conjunto de regras para realizar
é pelo sujeito (BENVENISTE, 1995).
um bom trabalho, um bom texto, não corres-
A enunciação é uma espécie de tomada
ponde a realidade. No dia-a-dia de sua ativi-
de posição, a instância que estrutura o valor
dade, o jornalista é servido pela língua, códi-
do dito – as mensagens que ganham formas
gos e regras do campo das linguagens, para,
de matérias, segundo economias específicas
no trabalho da enunciação produzir discur-
a cada sistema e/ou suporte (veículo) de co-
sos. Em outras palavras, o jornalismo tem
municação e que produzem dimensões clas-
uma dimensão simbólica (FAUSTO NETO,
sificatórias da realidade.
1991).
Com relação as formas de enunciação jor-
Partindo do pressuposto de que o ato de
nalística, como mostra Lopes (1990), elas
discursar resulta do contato do jornalista
são norteadas por processos de raciocínio
com o campo do código, é possível se afir-
ou cadeias de razão que visam determina-
mar que o “ato jornalístico” mais do que
dos efeitos de reconhecimento (apreensão e
trabalhar com “regras”, “leis”ou “dicas”,
compreensão pelo leitor) e podem restringir-
estrutura-se a partir de dois momentos es-
se a anúncio, descrição e demonstração, ou
tratégicos: operação e construção, cujas re-
lançar mão de argumentações de persuasão,
gras são pensadas, independentes do sujeito,
manipulação o e sedução com objetivos de
pois quando ele as aciona, elas já estão estru-
convencimento.
turadas no campo da linguagem.
O processo de enunciação jornalística
Na elaboração do seu texto, o jornalista
é regulamentado através de procedimentos
vai utilizar procedimentos de seleção e com-
mais generalizados e que se encontram es-
binação, mediante unidades que articuladas,
tabelecidos em espécies de “macrocódigos”:
vão se transformar em mensagens, ou de um
a língua, as matrizes culturais, as regras so-
modo mais abrangente, em discursos sociais.
ciais, a ética e as ideologias. Mas também
Este trabalho de operação não se dá apenas
há os “microcódigos”, como os dispositivos
no campo restrito do código, uma vez que o
que são criados dentro dos próprios veícu-

www.bocc.ubi.pt
Telejornalismo, audiência e ética 5

los de comunicação que estabelecem regras Tomando como pressuposto de que a in-
e servem de guia para um fazer jornalismo formação é um bem social, um serviço
– “fazer um bom jornalismo”, “asséptico” e público, empresas jornalísticas e jornalistas
“desobrigado”- por exemplo, os “manuais de devem prestar contas a sociedade do que
redação”. fazem, como fazem e porque fazem. Essa
Nesse sentido, acreditamos que fica difícil relação estabelece um elo forte entre a ética
pensar o jornalismo como uma mera repro- e os meios de comunicação social que pas-
dução do real. Como podemos ver são tantos samos a tratar agora.
os “discursos”- não cometeríamos uma here- Nessa relação como ressalta Pedro Gomes
sia se disséssemos que são infinitos – que (1997), determinados valores e metas a atin-
atravessam o campo jornalístico, são tantas gir são de fundamental importância. O ser
as tensões, as “vozes”, as práticas discursi- humano é a norma de uso dos meios de co-
vas, que reduzi-lo a uma simples técnica, ao municação. Todo e qualquer princípio ético
simples acionamento de regras “mecânicas”, deve apoiar-se na dignidade e no valor da
seria perder seu próprio objeto. pessoa humana. Em segundo lugar, a hu-
O jornalismo não é uma simples repro- manização deve ser uma meta dos meios de
dução da realidade. Diariamente, no exer- comunicação. Tudo o que os meios de comu-
cício da sua atividade, os jornalistas con- nicação realizam tem o bem comum como
tribuem para a construção social da reali- valor final.
dade. Sua postura ética é de fundamental im- Na emissão e recepção da comunicação
portância para a manutenção e o aperfeiçoa- é preciso competência. Ou seja, todos os
mento da sociedade democrática. Por isso, profissionais devem esforçar-se para serem
neste segundo momento do trabalho, bus- capazes e competentes para melhor exercer
caremos fazer uma breve reflexão sobre a sua profissão. Do lado dos receptores (o
ética e comunicação. campo da recepção) a busca de uma capa-
citação que permita uma leitura crítica dos
veículos de comunicação é uma meta a ser
4 Ética e comunicação
perseguida.
A dimensão ética nunca pode ser conside- Um outro ponto a ser considerado é que
rada como algo acabado. Acreditamos que toda a comunicação precisa estar à lei fun-
ela está sempre em construção. No entanto, damental da sinceridade, da honradez e da
não pode ser confundida com a moral que é verdade. Mas, para isso não basta só a boa
menos permanente. Os princípios éticos de- intenção e a verdade para que a comunicação
vem contribuir para convivência solidária e seja honesta. É fundamental que a comuni-
fraterna dos homens. cação difunda os fatos a partir da verdade.
A noção de ética de Dos Anjos, citado Por fim, é preciso que exista um equilíbrio
por Guareschi (1998,p.16) resume, de certa entre formação, informação e recreação; a
forma, essa perspectiva: “instância crítica e comunicação social deve permitir um ambi-
propositiva sobre o dever ser das relações ente propício para a construção de uma pes-
humanas em vista de nossa plena realização soa humana consciente e crítica; e a liber-
como seres humanos”. dade de comunicação deve se dar dentro de

www.bocc.ubi.pt
6 Alfredo Vizeu

uma ordem jurídica estabelecida de modo nhecimento de suas técnicas para a comu-
justo. O direito à liberdade se impõe na co- nicação. Segundo a autora: “a má redação
municação porque está enraizado no ser hu- faz vítimas. E ser jornalista não é só saber
mano. escrever – é antes saber “como”escrever – a
O direito à informação é fundamental. Ela arte e a técnica de bem empregar as palavras
deve ser sempre verdadeira quanto ao seu (KOSOVSKI, 1995, p.27).
objeto e honesta e convincente quanto ao Kosovski defende a clareza no texto jor-
seu modo, visto que se devem respeitar as nalístico como uma forma de prestar uma
leis morais e os direitos das pessoa tanto na informação de qualidade. Citando Mu-
obtenção quanto na difusão da notícia. No niz Sodré e Maria Helena Ferrari, a autora
entanto, essas exigências não são sempre res- (KOSOVSKI, 1995,p.28) indica alguns re-
peitadas, encontrando-se formas de atentar quisitos essenciais a uma prosa jornalístico-
contra elas. informativa: clareza, concisão, simplicidade,
Pedro Gomes aponta algumas que jul- exatidão, precisão, naturalidade, ritmo e bre-
gamos importantes serem destacadas ao fa- vidade.
zermos uma reflexão sobre ética e jorna- As preocupações com as questões éticas
lismo: sempre foram uma constante para a cate-
goria dos jornalistas. Está em vigor um
• Apresentação parcial da verdade: é código de ética para o jornalista aprovado
ocultar deliberadamente aspectos da pelo Congresso dos Jornalistas em 1985, no
realidade que impedem o indivíduo de Rio de Janeiro, que a cada novo Congresso
aprender a totalidade do que foi apre- sofre algumas alterações para acompanhar a
sentado; dinâmica das mudanças da sociedade.
O Código mais recente na parte que trata
• O sensacionalismo: é distorcer os fatos
do direito à informação destaca, entre outros
mediante a acentuação de aspectos que
itens, que o acesso à informação pública é
provocam reações emocionais e não
um direito inerente à condição de vida em
racionais;
sociedade, que não pode ser impedido por
- O silêncio: é suprimir determinadas infor- nenhum tipo de interesse. Além disso, de-
mações necessárias nas compreensão de uma fende que a divulgação da informação, pre-
notícia. cisa e correta, é dever dos meios de comuni-
cação pública, independente da natureza de
• O engano: é quando há um falseamento sua propriedade.
da realidade. Por exemplo: quando se Quanto à conduta profissional do jorna-
apresenta como uma reportagem autên- lista, o Código diz que o compromisso fun-
tica aquilo que não é outra coisa que a damental do jornalista é com a verdade
imaginação do autor. dos fatos e seu trabalho se pauta pela pre-
cisa apuração dos acontecimentos e sua cor-
No que diz respeito a questão mais es- reta divulgação. É dever do jornalista:
pecífica da notícia, Ester Kosovski (1995) lutar pela liberdade de pensamento e ex-
ressalta a importância da redação e o co- pressão; defender o livre exercício da profis-

www.bocc.ubi.pt
Telejornalismo, audiência e ética 7

são; e combater e denunciar todas as formas dos acontecimentos que a experiência e a


de corrupção, em especial quando exercida crítica afirmem ser coerente, equilibrado e
com o objetivo de controlar a informação fidedigno.
(CÓDIGO, 1999). Em segundo lugar, a notícia de jornal
Mas, se há toda uma série de princípios e de televisão são semelhantes na “cober-
éticos que norteiam a atividade do jornalista, tura”de acontecimentos atuais por meio de
na prática diária da sua profissão ele se de- reportagem, isto é, a descrição fatual daquilo
fronta com muitos desafios que vão de en- que um observador em cima do aconteci-
contro a esses princípios tanto do ponto de mento em questão viu e ouviu.
vista do mercado como da “audiência” que Em terceiro lugar, as notícias de jornal e
hoje estão cada vez mais próximos. as de televisão são semelhantes pelo fato de
Para procurarmos entender um pouco as serem relatos de acontecimentos que são vo-
dificuldades que o jornalista, mais precisa- cacionalmente produzidos por organizações
mente o editor de texto de televisão, enfrenta com objetivos especiais. A notícia é esco-
no dia-a-dia do seu trabalho é preciso en- lhida e escrita por pessoas cuja ocupação o
tender algumas características específicas da tempo inteiro é colher e escrever notícias.
notícia televisiva que muitas vezes levam o Assim, pode dizer-se que os jornalistas são
jornalista a apelar para o lado sensacionalista especialistas – membros de uma comunidade
da informação. ocupacional distinta que tem suas tradições
distintas, preocupações e modos de fazer as
coisas.
5 As notícias de jornal e as
Em quarto lugar, as notícias de jornal e
notícias de televisão de televisão são semelhantes pelo fato de
Com o objetivo de apontar algumas es- serem relatos melodramáticos de assuntos
pecificidades do jornalismo televisivo, atuais. Em parte, em virtude da incidência
faremos uma breve comparação entre em “acontecimento”, e em parte como re-
as notícias de jornal e as de televisão sultado das tradições que definem o ethos
(WEAVER,1993,p295-305). Comecemos do jornalismo e a estrutura da “estória” que
pelas semelhanças. dá corpo a notícia, tanto os jornais como a
Em primeiro lugar, a notícia de jornal e televisão descrevem como ações que veicu-
a de televisão são semelhantes ao serem va- lam uma linha implícita e normalmente de
riedades de jornalismo, o que significa que um modo extremamente simplista de ação
ambas consistem num relato atual de acon- dramática. Assim, os acontecimentos reti-
tecimentos atuais. Essa dupla contempo- ram a sua identidade jornalística, em grande
raneidade – o presente como “assunto”e o parte das ficções dramatizantes que os jor-
presente como a perspectiva no tempo em nalistas e as fontes tecem à volta deles.
que é descrito – é o que explica o apelo in- Finalmente, a notícia de jornal e a de tele-
tenso e universal ao jornalismo, e também visão são semelhantes na utilização dos mes-
a extraordinária dificuldade com que o jor- mos temas, fórmulas e símbolos na cons-
nalismo se depara para conseguir um relato trução de linhas de ação dramática que dão
significado e identidade aos acontecimen-

www.bocc.ubi.pt
8 Alfredo Vizeu

tos. Os dois media, em outras palavras, movimento ação ou tom definidos. Ao con-
são cortado do mesmo tecido intelectual trário da notícia de jornal, que não é con-
e retórico. Por exemplo, tantos os jor- cebida para ser lida na totalidade, embora
nais como a televisão relatam geralmente adquirindo inteligibilidade, a notícia de tele-
acontecimentos ligados a campanhas políti- visão é concebida para ser completamente
cas em termos de uma imagem generalizada inteligível quando vista na sua totalidade. O
dos políticos como numa grande disputa es- seu foco é pois o tema que perpassa a “es-
portiva. tória”e que se desenvolve à medida que a
Passemos agora as diferenças. A mais ób- “estória”se desenrola do seu começo ao fim.
via delas é estrutural. Em comparação com a Várias conclusões emergem das dife-
notícia de jornal, a de televisão é muito mais renças estruturais entre as notícias de jor-
coerentemente organizada e coesa, isto é ver- nal e as de televisão. Uma conclusão,
dadeiro em relação à “estória” individual na evidentemente, é que a notícia de televisão
televisão e nos jornais e também à notícia é uma forma muito mais flexível e intelec-
de jornal e a da televisão agregada como um tualmente amoldável do que a variedade do
todo. Essa diferença está associada ao fato jornal: mais “interpretava”, menos influen-
de a televisão estar organizada e apresentada ciável pelo fluxo diário dos acontecimentos,
no tempo, enquanto a edição está apenas or- e menos submetida à escrita perspectiva tem-
ganizada no espaço. poral do jornal que é de apenas um dia.
O jornal sendo organizado no espaço, Em segundo lugar, parece igualmente
pode publicar muito mais “estórias”, e muito claro que, no que diz respeito à interpretação
mais textos do que a maior parte dos leitores dos acontecimentos atuais, a televisão é ca-
pretende ler, os seus assuntos são um menu paz de ser e normalmente –e – muito mais
à la carte pelo qual o leitor passa rapida- monolítica do que os jornais.
mente os olhos, escolhendo uma “refeição” Outra grande diferença entre os dois me-
de acordo com os seus interesses e disponi- dia está associada ao fato de a televisão ser
bilidades. Com o noticiário televisivo acon- tanto visual como auditiva, enquanto o jor-
tece precisamente o oposto. Sendo orga- nal é apenas visual. Torna, assim, possível –
nizado no tempo, não pode tão facilmente e a televisão, desde o início escolheu explo-
apresentar as notícias a la carte. As notí- rar esta possibilidade – à notícia na televisão
cias têm que ser selecionadas e organizadas apoiar-se na narrativa falada, contrariamente
de modo a serem vistas integralmente pelo à narrativa escrita do jornal. Esta, em si é
espectador. Enquanto o conteúdo do jornal uma diferença substancial, mas suas conse-
constitui um agregado diverso, numeroso e qüências são mais poderosas devido aos mo-
freqüentemente incompleto, os elementos do dos distintos que os dois media escolheram
noticiário televisivo formam tipicamente um para executar suas funções narrativas. A
todo unificado. notícia de jornal adota uma voz narrativa
O noticiário televisivo tende a apresentar intensamente impessoal. O repórter nunca
uma interpretação única, unificada dos acon- faz referência aos seus próprios atos na ob-
tecimentos do dia como um todo e a consti- servação dos acontecimentos e na busca de
tuir períodos de tempo como tendo um único fatos; nunca há qualquer alusão explícitas à

www.bocc.ubi.pt
Telejornalismo, audiência e ética 9

própria consciência do repórter sobre os mo- ciário televisivo são potencializados poten-
tivos das fontes, a validade das afirmações cializados, preferencialmente, os valores
citadas, etc. emotivos, espetaculares, com a intenção de
Em último lugar, a notícia televisiva difere aumentar indiscriminadamente a audiência,
da notícia de jornal por causa da maior im- com base na convicção de que as emoções
portância que a televisão dá ao espetáculo. fáceis, elementares, exercem uma poderosa
Isto não é simplesmente porque a televisão atração sobre as más.
tem uma capacidade enorme e sofisticada O jornalista encontra-se submetido a um
para descrever a imagem e o som dos acon- dilema diário: como tratar a notícia como um
tecimentos. Enquanto os jornais focam um “produto atraente” e não comprometer a in-
conjunto diverso de acontecimentos especí- formação enquanto um bem público? Não é
ficos, a televisão descreve algo mais dire- uma tarefa fácil. Como argumenta Bordieu
tamente temático e melodramático – ador- (1997) o campo jornalístico está permanen-
nando o espetáculo dos dramas nacionais do temente à prova dos vereditos do mercado,
todo e das partes do conflito e do consenso, através da sanção, direta, da clientela ou, in-
da guerra e da paz, do perigo e da vitória, do direta, do índice de audiência.
triunfo e da derrota,etc. Para Bordieu, os jornalistas são, sem
dúvida, propensos a adotar o “critério do
índice de audiência” na produção (“fazer
6 Digressão final
simples”,”fazer curto”,etc.) e o que importa
Essa breve comparação entre as notícias de é se a informação vende bem.
jornal e de televisão permite identificar que Ao final deste trabalho, sem tirar as
no noticiário televisivo as “estratégias de se- razões de Bordieu, acredito que não pode-
dução” do telespectador são fundamentais. mos analisar o jornalismo de uma forma re-
Isso porque na notícia televisiva o público ducionista. Como procurei demonstrar ao
não tem como voltar a página para recuperar longo deste estudo, o campo jornalístico
uma informação perdida. é extremamente complexo e na rotina da
Diante desse quadro, o editor de texto ao redação o jornalista trava uma luta diária
editar sua matéria – notícia – tem de fazer para não romper os limites da ética. Como
uma forma atraente, simples e de fácil en- afirme anteriormente, não é uma tarefa fácil.
tendimento para o receptor. É neste mo- A questão é como enfrentar o problema da
mento em que as fronteiras entre o que é ética nos media? Um das alternativas, acre-
ético e o que não é se tornam tênues. Para ditamos ser uma das mais importantes, é um
prender, cativar a audiência é preciso “se- amplo debate, um amplo fórum de discussão
duzir”. entre empresas jornalísticas, jornalistas e so-
O jornalista, submetido as pressões do ciedade para discutir o tema. Experiências
mercado e da audiência, lança mão de nesse sentido já existem, como o Conselho
mecanismos de “sedução” e do uso de es- de Minnesota, nos Estados Unidos, onde a
tereótipos para “segurar” o telespectador. comunidade (empresa, moradores e jornalis-
Um desses mecanismos é a chamada hege- tas) se reúne para discutir e tomar providên-
monia emotiva (FERRÉS, 1996). No noti-

www.bocc.ubi.pt
10 Alfredo Vizeu

cias quanto aos abusos da imprensa (CON- FERRÉS, Joan. Televisão subliminar. So-
SELHO, 1999). cializando através de comunicações
despercebidas. Porto Alegre: Artmed,
7 Referências bibliográficas 1998.

AMARAL, Luís. Técnica de jornal e per- GOMES, Pedro. Comunicação social;


iódico. 2.ed. Rio de Janeiro: Tempo filosofia, ética, política. São Leopoldo:
Brasileiro/MEC, 1987. Ed. UNISINOS, 1997.

BAHIA, Juarez. Jornal, história e técnica. GUARESCHI, Pedrinho. Ética e meios de


4.ed. São Paulo: Ática, 1990. comunicação. In: NUNES, Maria Lú-
cia Tiellet (org.) Moral & tv. Porto Ale-
BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação gre: Evangraf, 1998.
verbal. São Paulo: Martins Fontes,
1992. KOSOVSKI, Ester. Ética, imprensa e re-
sponsabilidade social. In: KOSOVSKI,
BARBOSA, Rui. A imprensa e o dever da Ester (org.) Ética na comunicação. Rio
verdade. São Paulo: Edusp, 1990. de Janeiro: Mauad, 1995.
BENVENISTE, Émile. Problemas de LOPES, Sônia Aguiar. Sobre o discurso
lingüística geral I. 4.ed. Campinas: jornalístico. Verdade, legitimidade e
Pontes, 1995. identidade. Rio de Janeiro, março de
BORDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de 1990. Dissertação (Mestrado em Co-
Janeiro: Jorge Zahar, 1997. municação) – Escola de Comunicação
da Universidade Federal do Rio de
CÓDIGO de Ética dos Janeiro.
Jornalistas.[http://www.fenaj.org.br/p5-
02.htm] 30 de abril de 1999. McCOMBS, Maxwell E.; SHAW, Donald
L. The evolution of agenda-setting:
CONSELHO do Estado de Min- twenty five years in the marketplace
nesota.[http://www.igutenberg.org/mine. ideas. Journal of Communication, vol.
html] 03 de maio de 1999. 43, n. 2, 1993.
COTTA, Pery. Calandra. O sufoco da im- MEDITSCH, E. O conhecimento do jornal-
prensa nos anos de chumbo. Rio de ismo. Florianópolis:UFSC, 1992.
Janeiro: Bertrand, 1997.
PEREIRA JUNIOR, Alfredo. As rotinas
FAUSTO NETO, Antônio. O impeachment
produtivas dos editores de texto do
da televisão. Como se cassa um presi-
RJTV1: construindo a notícia. Porto
dente. Rio de Janeiro: Diadorim, 1995.
Alegre, 1997. Dissertação (Mestrado
FAUSTO NETO, Antônio. Mortes em der- em Comunicação Social) Faculdade
rapagem. Rio de Janeiro: Rio Fundo, dos Meios de Comunicação Social,
1991. PUC-RS.

www.bocc.ubi.pt
Telejornalismo, audiência e ética 11

OBUTÁRIO. O GLOBO, Rio de Janeiro, 3


de julho de 1999, p.16.

STAMM, K.R. The nature of news-news


concepts. In: McCOMBS, Maxwell;
SHAW, Donald Lewis; GREY, David
(orgs.) Handbook of reporting methods.
Houtghton Mifflin Company: Londres,
1976.

RODRIGUES, Adriano Duarte. O campo


dos media. Lisboa: Vega, 1988.

TUCHMAN, Gaye. La producción de la


noticia. Estudo sobre la construcción
de la realidad. Barcelona: Gili, 1983.

VERÓN, Eliseo. Construir el aconteci-


mento. Barcelona, Gedisa, 1995.

WEAVER, Paul H. As notícias de jornal e as


notícias de televisão. In: TRAQUINA,
Nelson (org.) Jornalismo: questões,
teorias e “estórias”. Lisboa: Veja,
1993.

www.bocc.ubi.pt