Você está na página 1de 4

A ORAÇÃO DO JUSTO PODE MUITO EM SEUS EFEITOS. SERÁ?

Texto base: Tg5:16 - Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para
que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.

Antes de analisarmos o que este texto nos ensina vamos entender o que é oração, como ela
funciona e sua importância.

Pesquisando uma forma clara e um pouco resumida do que é oração podemos dizer que a
oração é o ato de falar com Deus. É expressar o que está no coração e passar algum tempo
com Deus. A oração é estimulante, poderosa e agradável, porque é representa o nosso
momento de aproximação com Deus.

Temos alguns tipos de oração, tais como: confissão de pecados, agradecimento, petição
(apresentar nossos pedidos a Deus), persuasão (oração insistente e cheia de fervor, que é
feita até que uma reviravolta aconteça, seja na sua vida, seja na vida de outra pessoa), e a
oração de intercessão (que é uma súplica em favor de uma outra pessoa, na qual nos
colocamos no lugar dela, entendendo suas necessidades e apresentando a vida desta pessoa
a Deus).

Seja qual for o tipo de oração ela é importante porque representa o nosso momento de
aproximação com Deus, nosso momento de entrega e intimidade. Ela também praticada
constantemente se torna um instrumento de guerra espiritual.

Jesus ensinava aos seus discípulos o valor da oração, Ele orava sempre que necessário, e
também todos os dias, Ele reservava um momento com o Pai afim de se fortalecer, de
expressar sua dor e interceder pelos necessitados.

A glória do Senhor se manifesta onde há oração. Podemos orar sempre, por pior que possa
ser a nossa situação.

Quero destacar um exemplo importante de oração fervorosa: A cidade de Worms, na


Alemanha, estava apinhada de gente. Pessoas de todas as partes da Europa se dirigiram
para a Assembléia convocada pelo imperador Carlos V. O motivo da Assembléia eram os
escritos de um monge agostiniano chamado Martinho Lutero. As pessoas estavam
interessadas em conhecer aquele homem, que havia se levantado contra os ensinamentos da
Igreja Católica. Todos conheciam o poder que a Igreja Católica possuía. Todos podiam se
lembrar de que, anos antes, a igreja havia mandado queimar João Huss. E todos sabiam que
os ensinamentos que levaram João Huss à fogueira eram os mesmos que estavam sendo
defendidos por Martinho Lutero. Por isso aquela ida de Lutero à cidade de Worms havia
mobilizado tantas pessoas.

Uma vez na cidade, “(…) sabendo que tinha de comparecer perante uma das mais
imponentes assembléias de autoridades religiosas e civis de todos os tempos, Lutero passou
a noite anterior em vigília. Prostrado com o rosto em terra, lutou com Deus, chorando e
suplicando. Um dos seus amigos ouviu-o orar assim: ‘Oh, Deus todo-poderoso! A carne é
fraca, o diabo é forte! Ah, Deus, meu Deus; que perto de mim estejas contra a razão e a
sabedoria do mundo! Fá-lo, pois somente tu o podes fazer. Não é a minha causa, mas sim a
tua. Que tenho eu com os grandes da terra? É a tua causa, Senhor, a tua justa e eterna causa.
Salva-me, ó Deus fiel! Somente em ti confio, ó Deus! Meu Deus… Vem, estou pronto a dar,
como cordeiro, a minha vida. O mundo não conseguirá prender a minha consciência, ainda
que esteja cheio de demônios, e se o meu corpo tem de ser destruído, a minha alma te
pertence e estará contigo eternamente(…).” (BOYER, Orlando. Heróis da fé. CPAD: 2002,
p.24).

Naquela noite, durante aquela vigília de oração, Lutero venceu a guerra contra os seus
inimigos. Por causa daquela noite em oração, no dia seguinte Lutero conseguiu permanecer
firme na fé, desmascarando os enganos que cegavam a igreja do seu tempo. Hoje, se nós
podemos experimentar a nossa liberdade em Cristo, devemos, em grande parte, ao tempo de
oração que Martinho Lutero dedicou a Deus naquele ano de 1521.

A oração é uma das mais importantes práticas da vida cristã. Lutero venceu a sua mais difícil
batalha através da oração. Ele sabia que a oração era um dos meios que Deus utilizava para
transformar as situações. Por isso mesmo, era comum que Lutero, quando tinha muitas
tarefas para executar num determinado dia, orar uma hora a mais, além do tempo normal
que costumava orar diariamente. Tal prática de oração Lutero não aprendeu por si mesmo.
Antes, ele a aprendeu de Jesus.

Agora vamos nos debruçar nos ensinamentos de Tiago (nosso texto base). Para isso vamos
responder a algumas perguntas divididas em três pontos.

1º ponto) Porque a oração do justo pode muito em seus efeitos? E o que é ser justo?

Justo é povo de Deus. Justo é o povo que pratica a justiça. Entendemos justo como povo
porque a grande revelação contida neste texto de Tiago é que não podemos descartar a
coletividade nem em nossos momentos de oração, porque não somos povo de Deus,
sozinhos, e não podemos viver sozinhos, somos uma família cristã e somos fortes quando
estamos unidos. Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que
sareis.

Sendo Deus justo e tendo Ele escolhido o seu povo que se chama pelo seu nome, somos
então, justos, entendendo que fomos escolhidos pelo Senhor.

Praticando Deus, atos de justiça, somos justos quando praticamos atos de justiça.

Diante disso entendemos o poder da oração do povo justo. Porque quando a Igreja ora junto
as portas do inferno não prevalecem. Vejamos um exemplo da manifestação do poder de
Deus devido a essa oração coletiva. At 12:5;11.

Aprendemos aqui em outros sermões que o sucesso da Igreja Primitiva estava nesta
coletividade e nesta união. At 2:42-47.

Podemos defender estas duas verdades: a oração é poderosa e pode muito em seus efeitos
quando há uma união de pessoas orando por uma mesma causa, e a segunda verdade é que
individualmente precisamos da oração porque este é o nosso momento com Deus.
Aprenderemos mais de Deus quando nos dedicarmos a estar em sua presença. Em ambos os
casos a oração é importante e necessária.

Vamos agora ao segundo ponto.

2º ponto) Quais são os efeitos da oração?

São muitos: vitória, cura, superação, aprendizado, manifestação da glória do Senhor,


livramento, conquista.
Seja qual for a sua necessidade apresente a Deus. Seja qual for a necessidade da Igreja e do
povo de Deus apresentemos juntos a Deus. Ele quer nos ouvir.

Nossa vida e a vida da Igreja pode mudar completamente quando aprendermos a aproveitar
as oportunidades de estarmos a sós com Deus e de estarmos coletivamente unidos perante
Deus.

A oração e o clamor pode mudar qualquer situação negativa em positiva. Verdadeiros


milagres acontecem quando praticamos a oração como Deus nos ensina e pede (sozinhos e
juntos).

Existe uma promessa de Deus para as orações escrita lá em Mt 7:7-11.

3º ponto) Porque erramos em nossas orações? Quais as conseqüências para nossas vidas?

Infelizmente erramos em nossas orações por diversos motivos, mas os principais são:
• Não nos vemos, ou não nos comportamos como justos (questão de compreensão de
quem somos e desejo de ser essa nova criatura);
• Falta em nós o verdadeiro arrependimento, dependência de Deus e conversão,
princípios deixados e ensinados por Jesus (cada um deve examinar seu próprio coração
e vida para ver nas sutilezas de suas ações se falta o que Deus espera de nós);
• Não acreditamos no poder de nossas orações, ou não nos dedicamos a elas (muitas
vezes nos concentramos apenas nos afazeres do dia a dia que não encontramos tempo
para orar, ou então achamos que orar no culto de domingo é o bastante, mas Jesus
orava sempre, mesmo quando a multidão o cercava que não sobrava tempo nem para
comer, mas ainda assim ele se afastava da multidão e ia para um lugar tranquilo para
orar);
• Não valorizamos a coletividade onde o poder de Deus se manifesta de forma poderosa
(as orações em conjunto na Igreja são muito importantes porque nos fortalece e
fortalece também a Igreja).

Em conseqüência disso coisas que poderiam ser resolvidas de modo mais simples se tornam
mais complicadas, deixamos a benção esperando para ser recebida, ou em casos mais graves
a pessoa pode passar por problemas espirituais e se afastar totalmente de Deus.

A oração é super necessária em nossas vidas. Diante disso podemos concluir com as
seguintes idéias:

Conclusão:

O Senhor quer nos ouvir, mas para isso ele nos coloca duas condições: que haja
arrependimento acompanhado de humilhação que significa entendermos que somos
pecadores e precisamos de Deus, e dependemos de Deus, e a segunda condição é a
conversão, pois o texto de 2Cr. 7:14 é bem claro: “e se o meu povo, que se chama pelo meu
nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos,
então os ouvirei dos céus, e perdoarei os seu pecados, e sararei a sua terra”. Converter é
mudar de atitude, se quisermos que aconteçam coisas diferentes em nossas vidas devemos
ter atitudes diferentes. Quando atendermos a estes princípios de Deus, teremos respostas as
nossas orações e uma série de medidas que Deus quer tratar conosco afim de nos tornarmos
bênçãos e abençoadores.
Agora, você têm pedido a Deus para ser uma benção? Deus quer que você seja uma benção
na vida de outras pessoas e também na sua. Mostre o caminho, a verdade, a vida, a
esperança para as pessoas através de suas justas ações e de suas justas orações.

Tarcila Aragão.
Alagoinhas, 27 de março de 2011.