Você está na página 1de 16

1

UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL

JOICIMARA DE SOUZA SANTOS


RONALDO CARVALHO SANTOS
ALINE CRISTINA PALMEIRA

ESTUDO DE CASO REFERENTE AO ESTÁGIO EM SAÚDE DA


MULHER GINECOLÓGICA II

São Paulo
2010
2

JOICIMARA DE SOUZA SANTOS RGM 74670-3


RONALDO CARVALHO SANTOS RGM 74703-3
ALINE CRISTINA PALMEIRA RGM 75373-4

ESTUDO DE CASO REFERENTE AO ESTÁGIO EM SAÚDE DA


MULHER GINECOLÓGICA II

Trabalho apresentado á disciplina saúde da


mulher ginecológica II, da Universidade
Cruzeiro do Sul, sob a orientação do
professor:

São Paulo

2010
3

SUMÁRIO

1- ESTUDO DE CASO......................................................... 11

2- OBJETIVO....................................................................... 13

3- MÉTODOLOGIA.............................................................. 14

4- RESULTADOS E DISCUSSÃO...................................... 16

5- CONSIDERAÇÕES FINAIS............................................ 23

REFERÊNCIAS............................................................... 25
4

1. INTRODUÇÃO

No Brasil de hoje, planejamento familiar é assunto cotidiano, haja vista a


freqüente abordagem acerca de temas tais como mortalidade materna, aborto,
esterilização, reprodução assistida ou outros relacionados à procriação.
Em 1997, o Ministério da Saúde, por meio da Portaria n. 144 2 e, posteriormente,
da Portaria n. 0483, incluiu a laqueadura tubária e a vasectomia no grupo de
procedimentos cirúrgicos do Sistema Único de Saúde (SUS), permitindo a esterilização
nas seguintes situações: no caso de homens e mulheres maiores de 25 anos ou com
pelo menos dois filhos vivos, e no caso de risco para a mãe ou para o filho, tendo
testemunhado em relatório escrito e assinado por dois médicos, observando um prazo
mínimo de 60 dias entre a manifestação da vontade do casal e a realização da cirurgia
(1)
.
A oferta conjunta dos procedimentos de esterilização, tanto feminina quanto
masculina, pelo sistema público, representa uma novidade em termos de serviços de
contracepção no Brasil, já que vinham sendo oferecidos por especialistas e eram
freqüentemente pagos (1).
Um dos pontos fundamentais para a efetividade das ações de planejamento
familiar é o acesso às informações que possibilite ao indivíduo condições de realizar
escolhas conscientes a partir da sua realidade e, de tal forma, que promova o
desenvolvimento da sua autonomia, resultando na melhoria das suas condições de vida
e saúde (1).
Em virtude da importância desse serviço, na vida da população não só brasileira,
mas mundial, é que tivemos a oportunidade de escolher entre tantas pacientes
internadas no Hospital Vila Nova Cachoeirinha, uma que apresentava as características
citadas acima.
5

2. ESTUDO DE CASO

17/11/2010 Senhora, R.N.J., 30 anos, deu entrada na enfermaria para realização de


procedimento cirúrgico: L.T. Casada, mãe de 2 filhos, a mesma chegou deambulando
no hospital, consciente, e referiu que procurou pelo serviço após a 3° gestação, onde
na 14º semana, teve um aborto espontâneo, devido todas as suas gravidez serem
consideradas de alto risco.
De acordo com os dados colhidos na anamnese, pelo motivo de não querer mais
correr o risco de um novo aborto, a mesma procurou pelo serviço de Planejamento
Familiar, no posto de saúde mais próximo de sua residência e através do mesmo,
conseguiu agendamento para a realização da cirurgia, conhecida popularmente como
Laqueadura Tubária.

3. OBJETIVOS

3.1. Objetivo geral.

Colocar em prática todo conteúdo de saúde da mulher ginecológica II abordado


em sala de aula e desenvolve-lo no campus de estágio. Realizar avaliação clínica e
crítica da paciente, desenvolver a sistematização da assistência de enfermagem no
atendimento a mulher, identificar, intervir e prevenir qualquer complicação que a
paciente vier a ter, no contexto interdisciplinar; estabelecer relacionamento satisfatório
com a mesma respeitando suas individualidades.

3.2. Objetivo específico.

Realização da sistematização da assistência de enfermagem com cuidados


individualizados na prática com a mulher obtendo conhecimento sobre o procedimento
cirúrgico conhecido como Laqueadura Tubária, assim como indicações, contra-
indicações, possíveis complicações, entre outros, além de ressaltar a importância do
planejamento familiar para a população nos diferentes temas que o mesmo aborda.
6

4. METODOLOGIA

Trata-se de um estudo de cunho exploratório, pois permite ao investigador


aumentar sua experiência em torno de um determinado problema. Consiste em explorar
tipicamente a primeira aproximação de um tema e visa criar maior familiaridade em
relação a um fato ou fenômeno, e descritivo, pois se caracteriza pela necessidade de se
explorar uma situação não conhecida, da qual se tem necessidade de maiores
informações e bibliográfico, pois foram retirados dados através de entrevista com o
cliente e prontuários para realização da sistematização da assistência de enfermagem,
realizada no hospital Vila Nova Cachoeirinha, no setor de enfermaria ginecológica no
período de 17 de novembro a 24 de novembro de 2010(2).

5. PLANEJAMENTO FAMILIAR
Planejamento familiar ou planeamento familiar entende-se como conjunto de
acções que têm como finalidade contribuir para a saúde da mulher e da criança e que
permitem às mulheres e aos homens escolher quando querem ter um filho, o número
de filhos que querem ter e o espaçamento entre o nascimento dos filhos, o tipo de
educação, conforto, qualidade de vida,condições sociais, culturais e seus níveis,
conforme seus princípios de necessidade. Existem recomendações da Organização das
Nações Unidas no sentido do acesso universal aos serviços de Planeamento Familiar, e
de esse serviço ser parte dos Serviços de Saúde Pública (3).
Constitui uma das ações da Política de Assistência Integral à saúde da Mulher
preconizada pelo Ministério da Saúde desde 1984.
A partir da Declaração universal dos direitos humanos de 1948, a comunidade
internacional, vem firmando uma série de convenções nas quais são estabelecidos os
estatutos comuns de cooperação mútua e mecanismos de controle que garantam um
elenco de direitos considerados básicos à vida digna, os chamados direitos humanos (3).
A Conferência Internacional da ONU sobre População e Desenvolvimento
(CIPD), realizada no Cairo em 1994, conferiu papel primordial à saúde e aos direitos
7

sexuais e aos direitos reprodutivos, ultrapassando os objetivos puramente


demográficos, focalizando-se no desenvolvimento do ser humano (3).
O planejamento familiar é um ato consciente: torna possível ao casal programar
quantos filhos terá e quando os terá. Permite às pessoas e aos casais a oportunidade
de escolher entre ter ou não filhos de acordo com seus planos e expectativas.
Programar o crescimento da família nos dias de hoje é fundamental, não apenas
porque economicamente a vida está mais difícil, mas também porque muitas vezes
investir na carreira pode ser a prioridade do momento tanto para o homem como para a
mulher(4).
A assistência em planejamento familiar deve incluir acesso à informação e a
todos os métodos e técnicas para concepção e anticoncepção, cientificamente aceitos,
e que não coloquem em risco a vida e a saúde das pessoas (3).

5.1 Objetivo do planejamento familiar

Proporcionar aos casais as informações e meios necessários para que possam


decidir quando e quantos filhos irão ter.

5.2 Benefícios do planejamento familiar

O acesso à informação e a facilidade de obtenção de meios contraceptivos sob


orientação médica adequada é a única maneira de preservar a saúde da mulher,
evitando gestações indesejadas, diminuindo o número de gestações de alto risco,
(4)
abortos inseguros e conseqüentemente reduzindo a mortalidade materna e infantil .
O planejamento familiar também beneficia as crianças, na medida em que
aumenta o intervalo entre as gestações: se elas pudessem nascer pelo menos dois
anos depois da anterior, a morte de 3 a 4 milhões de crianças poderia ter sido evitada
(4)
.
O benefício do planejamento familiar para os homens e mulheres é evidente:
eles podem, com a programação do nascimento de filhos, preparar-se melhor para
(4)
oferecer uma vida e um futuro mais estável para sua família .
Sempre com a supervisão de um médico, o casal pode ter conhecimento de
8

como fazer para se evitar uma gravidez indesejada, e de como agir futuramente, com
tranqüilidade, na hora em que decidirem ter um bebê (4).

5.3 Atividades desenvolvidas:

• Educativas: oferecer conhecimentos para a escolha e posterior utilização do


método anticoncepcional mais adequado e também propiciar o questinamento e
reflexão sobre temas que estão relacionados com a anticoncepção.
• Aconselhamento: processo de escuta individualizada centrada no indivíduo, que
pressupõe: identificação e acolhimento do indivíduo ou casal, avaliação de risco
para infecções pelo HIV/DSTS e pelo desenvolvimento de uma relação de confiança
entre o profissional e indivíduo/casal.
• Atividades clínicas: realizadas em benefício da promoção, proteção de
recuperação da saúde.
A assistência em planejamento familiar deve incluir acesso à informação e a
todos os métodos e técnicas para concepção e anticoncepção, cientificamente aceitos,
e que não coloquem em risco a vida e a saúde das pessoas (3).
Há métodos contraceptivos para permitir evitar ter uma gravidez indesejada.
Exemplos são a pílula, o preservativo, o dispositivo intrauterino (DIU), o diafragma,
espermicidas (3).
Para ser bem sucedido, um programa de planejamento familiar deve ser parte
integrante de um plano econômico. Requer a existência de uma série de condições
favoráveis, como educação, saúde, atendimento médico-hospitalar, consciência e
aprovação popular (3).
9

6. LAQUEADURA TUBÁRIA

Laqueadura é um processo de esterilização definitiva, que consiste no fechamento


das tubas uterinas para impedir a descida do óvulo e a subida do espermatozóide. É
uma cirurgia simples, na qual as trompas são cortadas e suas extremidades amarradas
de tal forma que a passagem dos espermatozóides fica bloqueada na sua porção mais
distal e a do óvulo bloqueada na porção mais proximal.
Embora simples, ela implica a abertura da cavidade abdominal para ter acesso às
trompas, diretamente ou por laparoscopia. A laqueadura tubária, não tem ação sobre a
produção de hormônios femininos, aproximadamente 100% das mulheres que fazem
laqueadura não engravidam mais, são raros os casos em que ocorre a recanalização
das trompas, com subseqüente gravidez (1, 2, 5).

6.1 Eficácia

Embora sua eficácia teórica seja de 100%, na prática é observado, em média, falha
de 0,3 gestações para cada 100 mulheres/ano.

As falhas podem ser classificadas em 5 categorias:


· Paciente grávida no momento da esterilização
· Erro cirúrgico (30 a 50% das falhas)
· Falha no equipamento (laparoscopia)
· Fistulização
· Reanastomose espontânea (6)

6.2 Vantagens e Desvantagens

No que diz respeito a vantagens e desvantagens da laqueadura, têm-se o fato


deste método ser eficaz, imediatamente efetivo após a cirurgia, é permanente, não
interferindo com a amamentação e com o ato sexual, e é benéfico quando a gravidez
representa um risco à saúde. Entretanto, é quase impossível a sua reversibilidade,
produz risco cirúrgico, requer profissional com prática e não protege contra doenças
10

sexualmente transmissíveis, além de poder causar seqüelas irreversíveis e problemas


psicológicos (7).

6.3 Cuidados de Enfermagem no pré - operatório

Orientar cliente sobre o procedimento cirúrgico a ser realizado;


Certificar-se do jejum;
Coletar exames laboratoriais;
Orientar quanto à realização de tricotomia vaginal, pelo menos 2 horas antes da
cirurgia;

6.4 Cuidados de Enfermagem no pós- operatório

Orientar quanto a realização de higiene intima;


Estimular a deambulação precoce;
Observar e anotar aspecto da incisão cirúrgica, sinais flogisticos, deiscências;
Observar sangramentos;
Observar sinais de depressão, como desanimo, cliente chorando;
Orientar quanto ao retorno das atividades sexuais.

7. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM


7.1. Histórico.

 IDENTIFICAÇÃO PESSOAL:

Nome: R. N. J.
Idade: 30 anos.
Sexo: feminino.
Raça referida: branca.
Estado civil: casada.
Numero de filhos: 2.
Numero de gestação: 3
Escolaridade: ensino médio completo.
Religião: Católica.
Profissão: Dona de Banca.
11

 QUEIXA ATUAL:
Devido gestações de alto risco, procurou o serviço para procedimento de
laqueadura tubária.

 MEDICAÇÕES UTILIZADAS NO MOMENTO:


Nega.
 MOTIVO DE ADMISSÃO:
Tratamento cirúrgico, refere que já foi hospitalizado anteriormente, porém em
outro hospital.
 EXAMES TRAZIDOS DE CASA:
Beta HCG.
 PADROES DE MANUTENÇÃO DA SAÚDE:
Tabagismo: Não.
Etilismo: Não.
Alimentação: Normal.
Dieta: Oral.
Deglutição: Normal.
Sono repouso: Normal.
Eliminações: Diurese normal e evacuação alterada; refere ser constipada.
Data da última evacuação: 16/11/2010.
Alergia: Não
Antecedentes familiar:
-Mãe: C.A. de bexiga.
-Pai: Não sabe informar.
-Irmãos: AVC, faz uso de marcapasso por (BAV)
Outras observações: Uso de prótese dentária superior.

Antecedentes clínicos:
Mol.infecciosas.

Antecedentes ginecológicos e sexuais:


Menarca: 13 anos Primeira relação sexual: 18 anos
Nº de parceiros: 01 D.U.M.:07/11/2010
Violência Sexual: Não
Já teve alguma doença transmitida pelo sexo? Não.
Realiza o exame de papanicolaou anualmente? Sim, devido antecedente
familiar.
Sabe o que é o auto-exame das mamas: Sim
Método contraceptivo: Sim, preservativo.
12

7.2. Exame físico.


Dados antropométricos:

Peso: 49 kg Altura: 1,68 cm

Sinais vitais:
FR: 18 rpm. Pulso: 82 bpm. Temperatura: 36,8º.
PA: 110x60. mmhg.

AVALIAÇÃO NA PARÂMETROS PARA OBSERVAÇÃO


ADMISSÃO AVALIAÇÃO DE PACIENTES
ADULTOS
(X) Dentro de parâmetro Neurológico
na admissão Alerta, orientado no tempo, espaço,
( ) Exceção abertura ocular espontânea, fala
clara e compreensível, controle
esfincteriano presente, sem déficit
motor sensitivo.
(X) Dentro de parâmetro Cabeça/Pescoço/Otorrino
na admissão Esclera clara e hidratada, acuidade
( ) Exceção visual e auditiva normais e gânglios
(X) Dentro de parâmetro Cardiovascular
na admissão Normotenso, pulso cheio, rítmico,
( ) Exceção rítmico cardíaco regular, pulsos
periféricos presentes, perfusão
periférica normal, velocidade de
enchimento capilar < 3 segundos
(X) Dentro de parâmetro Respiratório
na admissão Respiração espontânea, eupnéico,
( ) Exceção simétrica, sem ruídos anormais
bilaterais, tosse ausente, leitos
ungueais róseos.
(X) Dentro de parâmetro Gastrointestinal
na admissão Alimentação oral, mastigação e Refere evacuação
( ) Exceção deglutição normais, abdome plano, ausente há dois dias
flácido, indolor e RHA + presentes,
evacuação presente, coloração e
consistência normais
(X) Dentro de parâmetro Genitourinário
na admissão Micção espontânea com volume,
( ) Exceção freqüência, cor e odor normais,
genitais com integridade e funções
preservadas
(X) Dentro de parâmetro Músculo-Esquelético
13

na admissão Eutrófico, tônus e força global


( ) Exceção normais, constituição óssea e
articulações rígidas com funções
preservadas
( ) Dentro de parâmetro Pele e Mucosas Mantendo incisão
na admissão Íntegra, normacorada, hidratada e cirúrgica em região
(X) Exceção turgor normais supra-púbica com pontos
íntegros, limpo e seco
(X) Dentro de parâmetro Mamas
na admissão Massa palpável, cicatriz, saída de
( ) Exceção secreção

8. EVOLUÇÃO
18/11/2010 09:00 1°PO de L.T Encontra-se no leito orientada,acordada, calma,
contactando sem queixas álgicas no momento, deambula. Ao exame físico apresenta-
se com couro cabeludo integro, cabelos cumpridos, face simétrica, cavidade auditiva e
visual preservada, pupilas isofotorreagentes, conjuntivas corada, cavidade nasal com
presença de sujidades, cavidade oral com mucosa integra, corada, hidratada, faz uso
de prótese dentaria superior, pescoço com boa mobilidade, ausência de gânglios
palpáveis, MMSS com boa mobilidade TEC> 3seg, tórax simétrico, boa expansibilidade,
MV+ sem R.A, BCNRF em 2T sem sopro, mamas flácidas, mamilos protusos saída de
secreção ausente, abdômen flácido indolor a palpação RHA+, timpânico a percussão.
Mantendo incisão cirúrgica em região supra púbica limpo e seco externamente,
genitália higienizada refere discreto sangramento via vaginal, MMII com pele integra,
hidratado, boa perfusão periférica.
14

9. SAE

Problema de Diagnóstico Plano Prescrição de Enfermagem


Enfermagem Assistencial

Incisão cirúrgica Risco para Infecção Prevenir - Orientar quanto a realização


em região supra- infecção da higiene durante o banho
púbica FR: procedimento com água e sabão neutro , e
invasivo secar bem a região da incisão.

-Orientar e comunicar
enfermeiro se presença de
Conforto Alterado secreção e/ou sinais
flogísticos.
CD: Presença de F.O
em região supra- -Observar a não realizar
púbica esforço físico.

-Orientar a não realizar


movimentos bruscos.
Integridade da pele
prejudicada -Orientar a utilizar roupa
íntima acima a incisão
CD: presença de cirúrgica
incisão cirúrgica

Evacuação Constipação Promover -Orientar e estimular


ausente há dois evacuação deambulação precoce.
dias CD: Frequência
diminuída, ruídos -Orientar quanto a ingesta
intestinais hiperativos. delíquidos e dietas ricas em
fibras.
FR: hábitos de
evacuação irregulares, -Orientar a realizar
mudanças recentes de massagens em sentido horário
ambiente. em região inferior do abdome.
15

10. CONCLUSÃO

Diante do exposto, no decorrer do estágio nos foi proporcionado à oportunidade


de conhecer e entender melhorar os cuidados prestados á saúde da mulher, através
das alterações provocadas no organismo por um procedimento cirúrgico como a
laqueadura, que por muitos pode ser considerado simples, mas para a mulher pode
causar alterações de nível psicológico, e alterações físicas que são permanetes, já que
mexe como sua fertilidade e a capacidade de ser mãe, tivemos a oportunidade adquirir
o conhecimento sobre a importância desse procedimento, para a qualidade de vida das
famílias.
Percebemos então a importância da atuação do profissional enfermeiro, e suas
responsabilidades em ajudar a por em pratica a idéia do planejamento familiar, que já é
uma preocupação das autoridades em nosso país, fato esse comprovado pela
implantação de políticas publicas com o objetivo de democratizar o acesso a métodos
contraceptivos e tratamento cirúrgico (laqueadura), e orientar as mulheres em relação
às vantagens e desvantagens da laqueadura e cuidados no pré e pós operatório, com
uma visão holística, promovendo a reabilitação, mantendo a melhor qualidade de vida
possível para a mulher, é uma responsabilidade que o profissional enfermeiro exerce
com muita qualidade e competência.
16

11. REFERÊNCIAS

1) Planejamento familiar: importância do conhecimento das ... Disponível em:


<http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/65/01%20Planejamento_baixa.pdf>
Acesso em: 20/11/1010.

2) Metodologia cientifica acesso 16 set 2010]Rio de janeiro:2007.Disponível


www.ebras.bio.br/autor/aulas/metodologia_cientifica.pdf. Acesso em: 22/11/1010.

3) Planejamento Familiar. Disponível em:


<http://pt.wikipedia.org/wiki/Planejamento_familiar> Acesso em: 22/11/1010.

4) Planejamento Familiar - Portal Feminino . Disponível em:


<http://www.portalfeminino.com.br/Paginas.aspx?area=planej&id=planejamento>
Acesso em: 22/11/1010.

5) Laqueadura. Disponível em: <http://www.drauziovarella.com.br> Acesso em:


21/11/2010.

6) Cirúrgica Disponível em: <www.unifesp.br/dgineco> Acesso em: 21/11/2010.

7) Esterilização feminina: vantagens e desvantagens, bases legais. Disponível em:


<www.uefs.br> Acesso em 20/11/2010.