Você está na página 1de 17
N O : MANUAL CLIENTE: FOLHA: 1 de 17 PROGRAMA: ÁREA: TÍTULO: IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS
N
O :
MANUAL
CLIENTE:
FOLHA:
1 de 17
PROGRAMA:
ÁREA:
TÍTULO: IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE
DE IMPACTOS
CONTRATO N O
RESPONSAVÉL TÉCNICO:
Antonio Fernando Navarro
REG. CREA N O :
ASSINATURA:
ARQUIVO ELETRÔNICO NO:
42.758-D/RJ
ÍNDICE DE REVISÕES
REV
DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS
0
PARA APROVAÇÃO
A
B
REV. 0
REV. A
REV. B
REV. C
REV. D
REV. E
REV. F
REV. G
REV. H
DATA
PROJETO
EXECUÇÃO
VERIFICAÇÃO
APROVAÇÃO
NAVARRO
ESTE FORMULÁRIO FOI DESENVOLVIDO PELO ENG. ANTONIO FERNANDO NAVARRO E DESTINA-SE À DIVULGAÇÃO PARA AQUELES QUE PRETENDEM
DESENVOLVER PROCEDIMENTOS ASSEMELHADOS, NÃO CONTEMPLANDO A TOTALIDADE DE TEMAS QUE PODEM ESTAR ASSOCIADOS OU APLICADOS
CONTRATUALMENTE
   

MANUAL

N

O :

REV.

A

ÁREA:

FOLHA:

2

de 17

TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS

 
 

ITEM

1.

OBJETIVO

2.

RESUMO DO PROCESSO

 

3.

INTRODUÇÃO

4

DEFINIÇÕES

 

5

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

 

A

Identificar as Áreas, Processo e Atividades

 

B

Identificar os Aspectos e Impactos Ambientais

C

Avaliar os Aspectos Ambientais quanto à Situação Operacional

 

D

Avaliar os Aspectos Ambientais quanto à Incidência

E

Classificar os Aspectos Ambientais

 

F

Indicar a Temporalidade dos Aspectos Ambientais

 

G

Estabelecer a Severidade dos Aspectos Ambientais

H

Estimar a Freqüência dos Aspectos Ambientais

I

Estimar a Probabilidade de Ocorrência dos Aspectos Ambientais

J

Estimar a Escala / Abrangência dos Aspectos Ambientais

K

Estimar a Importância do Impacto Ambiental

 

L

Avaliar a Significância dos Aspectos Ambientais (sem considerar os controles operacionais)

 

M

Estabelecer o Nível de Controle

 

N

Estimar o Risco Residual

O

Reavaliar a Significância dos Aspectos Ambientais (Considerando os controles operacionais estabelecidos)

 

6

PADRÕES APLICÁVEIS

 
   

MANUAL

N

O :

REV.

A

ÁREA:

FOLHA:

3

de 17

TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS

 

1.

OBJETIVO

Este procedimento tem o objetivo de estabelecer a sistemática a ser utilizada para a identificação dos aspectos e avaliação e controle dos impactos envolvidos nas atividades e serviços desenvolvidos pela Empresa XIS.

2.

RESUMO DO PROCESSO

 

ATIVIDADES ENVOLVIDAS

 

RESPONSABILIDADES

 

A. Identificar as áreas, processos e atividades.

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

 

B. Identificar os aspectos e impactos ambientais.

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

C. Avaliar os aspectos ambientais quanto à situação operacional.

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

D. Avaliar os aspectos ambientais quanto à incidência.

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

E. Classificar os aspectos ambientais.

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

F. Indicar a temporalidade dos aspectos ambientais.

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

G. Estabelecer a severidade dos aspectos ambientais.

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

H. Estimar a freqüência dos aspectos ambientais.

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

I. Estimar a probabilidade de ocorrência dos aspectos ambientais.

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

J. Estimar a escala / abrangência dos aspectos ambientais.

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

K. Estimar a importância do impacto ambiental.

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

L. Avaliar a significância dos aspectos ambientais (Sem considerar os controles operacionais).

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

M. Estabelecer os controles operacionais.

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

N. Estimar o risco residual.

Gerente / Coordenador / Supervisor da responsável pela execução do serviço

área

O. Reavaliar a significância dos aspectos ambientais (Considerando os controles operacionais estabelecidos)

Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço

   

MANUAL

N

O :

REV.

A

ÁREA:

FOLHA:

4

de 17

TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS

 

3.

INTRODUÇÃO

Considerações Gerais

 

A

palavra risco vem, originalmente, do italiano antigo risicare, que quer dizer ousar, e, no sentido de

 

incerteza, é derivada do latim risicu e riscu. Nesse contexto, a palavra risco deve ser interpretada como conjunto de incertezas encontradas quando "ousa-se" ou decide-se fazer algo, e não apenas como problema. Sempre que executa-se algo, ter-se-á que lidar com incertezas.

O

gerenciamento de riscos consiste em identificar as incertezas, buscando identificá-las, controlá-las,

eliminá-las ou mitigá-las.

 

a) As medidas acautelatórias necessárias para prevenir ocorrências e acidentes sejam previstas;

 

b) Os recursos (humanos e materiais), treinamentos e orientações específicas para execução da atividade sejam previstos.

 

Os requisitos legais aplicáveis às atividades a serem analisadas pela presente sistemática deverão ser previamente identificados utilizando-se procedimento específico para tal finalidade.

A

identificação dos aspectos e avaliação e controle dos impactos deverão ser executados antes do início

 

da atividade, com o objetivo de planejar a atividade, examinando as etapas específicas, identificando os aspectos associados e definindo os mecanismos de controle dos impactos ambientais.

A

avaliação e revisão dos aspectos e impactos ambientais deve ser realizada:

 

Na implantação do Sistema de Gestão Ambiental;

 

Durante os projetos de novas instalações;

Sempre que houver alterações de processos, produtos ou serviços;

 

Sempre que os resultados das auditorias internas, a critério do Representante da Administração,

indicar a necessidade de uma avaliação ou revisão global ou setorial do levantamento;

 

No desenvolvimento de novos projetos de produto ou serviço;

 

Quando houver mudanças significativas de layout;

 

Sempre que houver mudança significativa na conformidade legal;

 

Na instalação ou substituição de equipamentos.

 

O

processo de caracterização dos aspectos associados ao Ambiente Natural, que considera a importância,

 

a

significância e a probabilidade do impacto ambiental ocorrer, é realizada em duas etapas: na primeira

etapa, estima-se a importância do aspecto ambiental, isto é, sem considerar os controles operacionais implantados, e na segunda etapa, estima-se o risco residual, isto é, considerando os controles

operacionais implantados.

 

4.

DEFINIÇÕES

Acidente do Trabalho Caracteriza-se como acidente do trabalho toda ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que resulte em lesão pessoal, morte, doença, dano ou outra perda.

Acidente Ambiental Toda ocorrência não programada que modifica o ambiente natural para uma condição adversa.

 
   

MANUAL

N

O :

REV.

A

ÁREA:

FOLHA:

5

de 17

TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS

 

Aspecto Ambiental Elemento das atividades, produtos ou serviços de uma organização que pode interagir com o ambiente natural.

 

Aspecto Ambiental Significativo Aspecto ambiental que pode causar um impacto significativo no ambiente natural.

 

Avaliação de Riscos Processo global de estimar a magnitude dos riscos, e decidir se um risco é ou não tolerável.

 

Cliente Organizações externas, para quem a empresa fornece bens, serviços tecnologias e aplicações.

Controle Operacional Controle exercido a fim de minimizar o risco de ocorrência de acidentes.

 

Correção Ação para eliminar uma não-conformidade identificada.

 

Dano É a conseqüência de um perigo em termos de lesão, doença, dano à propriedade, ambiente natural ou uma combinação destes.

 

Emergência Situação de um processo, sistema ou atividade que, fugindo aos controles estabelecidos possa resultar em acidente e que requeira, para controlar seus efeitos, a aplicação de recursos humanos capacitados e organizados, recursos materiais e procedimentos específicos.

Empreendimento Totalidade de bens e serviços fornecidos pela Empresa ao Cliente.

 

Força de Trabalho Pessoas que compõem uma organização e que contribuem para a consecução das suas estratégias, dos seus objetivos e das suas metas, tais como: empregados em tempo integral ou parcial, temporários, autônomos e contratados de terceiros que trabalham sob a coordenação direta da organização.

Fornecedor Organização externa que fornece equipamentos e/ou materiais à Empresa.

 

Incidente Caracteriza-se como incidente todo evento que deu origem a um acidente ou que tem potencial de levar a um acidente. Um acidente onde não ocorra doença, lesão, danos ou outras perdas também é denominado “quase acidente”. O termo “incidente” inclui “quase acidentes”.

Impacto Ambiental Qualquer modificação no ambiente natural, adversa ou benéfica, que repercuta em todo ou em parte das atividades, produtos ou serviços de uma organização.

 

Metas Requisitos detalhados do desempenho, quantificados, que surgem dos objetivos.

 

Monitoramento Ambiental Acompanhamento dos parâmetros ambientais através de medições.

Não-Conformidade Potencial Situação pontual de desvio ou potencial de desvio a qual requer uma ação preventiva para que não se transforme em uma não-conformidade real.

   

MANUAL

N

O :

REV.

A

ÁREA:

FOLHA:

6

de 17

TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS

 

Não-Conformidade Real Não atendimento a um requisito.

 

Objetivos O que se quer atingir em termos de desempenho que uma organização estabelece para ela própria alcançar.

Partes Interessadas Indivíduo ou grupo de indivíduos com interesse comum no desempenho do sistema da organização e no

ambiente em que opera. A maioria das organizações apresenta as seguintes partes interessadas: os

clientes, a força de trabalho, os acionistas e os proprietários, os fornecedores, o governo e a sociedade.

 

Perigo Situação com potencial de provocar lesões pessoas ou danos à saúde, ao ambiente natural ou às propriedades, ou a uma combinação destes.

Plano de Emergência Documento formal e padronizado que define as responsabilidades e as ações a serem seguidas para controle de uma emergência e mitigação de seus efeitos, incluindo organização, procedimentos operacionais de resposta e recursos.

Planta / Unidade Parte definida e geograficamente delimitada do Empreendimento.

 

Produto Resultado final dos serviços executados, tangíveis ou não.

 

Produto / Serviço Não - Conforme Produto / serviço que não atende aos requisitos especificados.

Risco Combinação da probabilidade de ocorrência e da(s) conseqüência(s) de um determinado evento perigoso.

 

Risco Residual Risco residual é o risco que pode permanecer após a tentativa de eliminar, minimizar ou controlar o risco.

Serviços Atividades de Gerenciamento de Empreendimentos, Projeto, Engenharia, Suprimentos, Construção e Montagem Industrial executadas pela Empresa.

Significância Conjunto de parâmetros utilizados para se avaliar se o aspecto/impacto ou perigo/dano é significativo ou não.

 

Sistema SOGI Sistema informatizado fornecido pela empresa Verde Gaia Gestão Empresarial, utilizado pela Empresa para: identificação dos perigos e aspectos e avaliação e controle dos danos e impactos através dos módulos PRSSO e GAIA e controle de requisitos legais e outros requisitos, através do módulo LIRA.

Subcontratado Organização externa que fornece serviços à Empresa.

 
N O : REV. MANUAL A ÁREA: FOLHA: 7 de 17 TÍTULO: IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS
N
O :
REV.
MANUAL
A
ÁREA:
FOLHA:
7
de 17
TÍTULO:
IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS
5. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES
A. IDENTIFICAR AS ÁREAS, PROCESSOS E ATIVIDADES
O Gerente / Coordenador / Supervisor da área responsável pela execução do serviço deve iniciar o
processo de identificação de aspectos e avaliação e controle de impactos ambientais, registrando-o na
Planilha GAIA que deve com as seguintes informações iniciais:
• Número do documento;
• Data da elaboração do documento;
• Revisão do documento;
• Identificação das Áreas;
• Identificação dos Processos;
• Identificação das Atividades que constituem cada processo.
Exemplo: Departamento de Mecânica
Processo: Manutenção Mecânica
Atividades:
• Montagem e Desmontagem de Conjuntos Mecânicos;
• Lavagem de Peças;
• Troca de Óleo e Lubrificação;
• Serviços de Borracharia.
Recomenda-se a seguinte estrutura de numeração para a planilha GAIA:
AAAA – GAIA - BBB
Onde:
AAAA
É o código numérico que identifica o Projeto, Obra ou Empreendimento;
GAIA
BBB
Planilha de Gerenciamento de Aspectos e Impactos Ambientais;
É o código numérico seqüencial que identifica o documento.
Exemplo: O4680 – GAIA - 001
Durante o cadastro das atividades deve-se avaliar as entradas, as atividades e as saídas, conforme
exemplo a seguir:
ENTRADAS
ATIVIDADES
SAÍDAS
Água
Peças embaladas
Óleo lubrificante
Pano limpo
Ferramentas
EPI
Montagem e
Desmontagem de
Conjuntos Mecânicos.
Energia Elétrica
Solvente
Embalagens de papelão usadas
Embalagens de plástico
Embalagens contaminadas com óleo
Ruído
Óleo usado
Peças defeituosas
Panos sujo de óleo e solvente
Solvente sujo
EPI usado
N O : REV. MANUAL A ÁREA: FOLHA: 8 de 17 TÍTULO: IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS
N
O :
REV.
MANUAL
A
ÁREA:
FOLHA:
8
de 17
TÍTULO:
IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS
B.
IDENTIFICAR OS ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS
Para cada atividade, produto ou serviço em análise devem ser identificados os aspectos ambientais
relacionados.
A identificação dos aspectos ambientais é feita através da análise das ENTRADAS e SAÍDAS de cada
atividade. Todos os aspectos ambientais identificados devem ser registrados, mesmo que se saiba que já
são controlados ou que apresentam baixa magnitude e pequena probabilidade ou freqüência de ocorrência.
Exemplos: ENTRADAS:
• Consumo de energia elétrica;
• Consumo de derivados do petróleo.
Aspectos associados às SAÍDAS:
• Resíduo sólido Reciclável – Papel;
• Resíduo sólido Contaminado com Óleo (Plásticos, Panos e EPIs);
• Resíduo líquido – Óleo Usado;
• Resíduo líquido – Solvente Usado;
• Resíduo sólido - Metal Ferroso;
• Resíduo sólido - Metálico Não Ferroso.
Eventos NÃO PLANEJADOS associados à atividade:
• Derrame de Óleo;
• Derrame de Solvente;
• Incêndio;
• Vazamento de Óleo;
• Vazamento de Solvente.
Para cada aspecto ambiental identificado na etapa anterior, serão relacionados os seus respectivos
impactos ambientais, ou seja, as potenciais conseqüências ao ambiente natural.
Exemplos: "Consumo de energia elétrica":
Impacto: Redução da disponibilidade do recurso.
Para o aspecto ambiental: "Resíduo Sólido Contaminado com Óleo (Plástico, Panos e EPI)":
Impactos: Contaminação do Solo e Contaminação das Águas
Exemplos de Impactos Ambientais:
• Esgotamento de recursos naturais;
• Incômodo à vizinhança;
• Assoreamento de cursos d'água;
• Contaminação do solo;
• Contaminação da água;
• Contaminação atmosférica;
• Efeito Estufa;
• Depleção da Camada de Ozônio;
• Chuva Ácida;
• Danos à Vizinhança;
• Poluição Sonora;
• Redução do tempo de vida útil de aterros.
   

MANUAL

N

O :

REV.

A

ÁREA:

FOLHA:

9

de 17

 

TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS

 

A

atividade principal, para a qual estará sendo elaborada a planilha GAIA, deverá ser subdividida em etapas

executivas claras, simples e concisas.

 

Ao definir as etapas deve-se descrever o que está sendo realizado e não o modo como está sendo realizado. Para a identificação das etapas poderão ser utilizadas as seguintes fontes:

Entrevistas com os responsáveis pela execução da atividade;

 

Cronogramas de atividades;

 

Legislação aplicável, procedimentos, normas e instruções técnicas internas, externas e do Cliente.

 

Todas as áreas, processos e serviços desenvolvidos na unidade devem ser identificados e as respectivas atividades listadas, não sendo feita, nesta fase, qualquer tipo de análise de significância.

Todos os dados devem ser lançados no módulo GAIA do aplicativo SOGI.

 

Notas:

 

1. Todos os processos e instalações devem ser identificados, inclusive aqueles não diretamente ligados a atividades afins da unidade, assim como os processos para controle ambiental.

2. Todas as atividades devem ser identificadas, inclusive aquelas que não tenham relação direta com a produção. Por exemplo, set-up de máquina, coleta de amostras, etc.

Para cada aspecto identificado, devem ser relacionados os impactos associados, ou seja, as conseqüências reais ou potenciais decorrentes do referido aspecto.

Pode haver mais de um aspecto associado ao mesmo fator de impacto. Caso haja um único controle

operacional capaz de evitar todos os impactos relacionados ao mesmo aspecto, pode-se relacionar apenas

o

aspecto de maior severidade.

 

O documento – Tabela de Aspectos e Impactos apresenta uma série de exemplos que deverão ser consultados para auxiliar a atividade de identificação de aspectos e impactos associados às atividades e etapas do trabalho.

 

C.

AVALIAR OS ASPECTOS AMBIENTAIS QUANTO À SITUAÇÃO OPERACIONAL

 

Os aspectos ambientais podem ocorrer nas seguintes situações operacionais:

 
 

SITUAÇÃO

   

DESCRIÇÃO

EXEMPLOS

   
 

Relativa a

todas

as situações

Emissões de um caminhão em funcionamento.

 

planejadas, incluindo as rotineiras e as

   

não rotineiras.

 

PLANEJADA (P)

Geração de resíduos sólidos na manutenção do caminhão.

 
 

Relativa a todas as situações não planejadas, incluindo aquelas que poderão ser caracterizadas como emergências ambientais ou de colapso de estruturas.

Vazamento de óleo do cárter do caminhão.

 

NÃO PLANEJADA (NP)

Incêndio ou Explosão do tanque de GLP.

D. AVALIAR OS ASPECTOS AMBIENTAIS QUANTO À INCIDÊNCIA

 

A Incidência indica o quão diretamente um aspecto ambiental está associado às atividades da empresa.

 
N O : REV. MANUAL A ÁREA: FOLHA: 10 de 17 TÍTULO: IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS
N
O :
REV.
MANUAL
A
ÁREA:
FOLHA:
10
de 17
TÍTULO:
IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS
INCIDÊNCIA
DESCRIÇÃO
EXEMPLOS
O
aspecto
está
associado
à
atividade
Direta (D)
executada sob o controle da empresa.
Geração de Bagaço de cana;
Geração de resíduos sólidos
diversos da manutenção.
Uso
de açúcar ou álcool pelo
Indireta (I)
O aspecto está associado à atividade de
fornecedores, prestadores de serviços e
clientes, fora do ambiente de
responsabilidade da unidade ou mesmo por
clientes, mas sobre as quais a unidade
pode exercer influência.
consumidor final, plantio de cana
pelo fornecedor.
E.
CLASSIFICAR OS ASPECTOS AMBIENTAIS
A Classe indica a natureza da conseqüência do impacto ambiental sobre o ambiente natural.
CLASSE
EXEMPLO
PONTUAÇÃO
Benéfica (B)
Recomposição da fauna,
Recomposição da flora.
0
Adversa (A)
Poluição do ar.
1
F.
INDICAR A TEMPORALIDADE DOS ASPECTOS AMBIENTAIS
A Temporalidade indica o período de ocorrência da atividade da qual decorre o impacto ambiental.
TEMPORALIDADE
DESCRIÇÃO
EXEMPLOS
Impacto ambiental identificado no
presente, porém decorrente de
atividade desenvolvida no passado.
Fossa séptica desativada.
Lixões desativados.
Passada (P)
Tanques enterrados.
Passivos ambientais identificados, após
análises específicas.
Contaminação de lençol freático.
Impacto
ambiental
decorrente
de
Atual (A)
atividade atual.
Possibilidade de contaminação do solo
no armazenamento de lubrificantes
novos e usados.
Impacto ambiental previsto, decorrente
Futura (F)
de
alterações nas atividades a serem
Possibilidade de contaminação de rio
na região onde uma nova unidade será
instalada.
implementadas no futuro.
Desenvolvimento de novo produto.
NOTAS:
1. As atividades a serem implementadas no futuro devem, sempre que possível, incluir seu ciclo de vida,
ou seja, as etapas planejadas de construção, operação e desativação.
2. Nas atividades passadas, verificar se existe ainda a necessidade de se fazer o monitoramento e/ou sua
correção (passivo ambiental).
3. Quando a atividade deixar de existir, verificar se não ficou nenhum passivo (manter os registros).
4. Verificar a possibilidade de se eliminar o aspecto ainda na fase de projeto.
   

MANUAL

N

O :

REV.

A

ÁREA:

 

FOLHA:

11

de 17

TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS

 

G.

ESTABELECER A SEVERIDADE DOS ASPECTOS AMBIENTAIS

 

A Severidade representa dimensão do dano ambiental, sendo influenciada pela natureza do aspecto ambiental que gerou tal dano.

     

CRITÉRIO

     

SEVERIDADE

 

Recursos Naturais

Contaminação do Solo, Água ou Ar

Danos à Vizinhança

 

PONTUAÇÃO

   

Recurso renovável;

     

Recurso não renovável, mas não há possibilidade de esgotamento do mesmo.

Contaminação por substâncias inertes ao solo, água ou ar.

Incômodo;

Baixa (B)

Perturbação.

 

1

   

Recurso não renovável

     

Média (M)

e

esgotamento do mesmo no médio prazo.

perspectiva de

Contaminação por

material orgânico não perigoso.

Danos materiais.

   

2

   

Recurso não renovável

Contaminação por

 

Óbito de pessoas;

   

Alta (A)

e

perspectiva de

substâncias inflamáveis, combustíveis, tóxicas ou patogênicas.

esgotamento do mesmo no curto prazo.

Ferimentos , doenças, graves de pessoas.

   

3

H.

ESTIMAR A FREQÜÊNCIA DOS ASPECTOS AMBIENTAIS

 

A FREQÜÊNCIA é a estimativa de quantas vezes ocorre um aspecto ambiental sob condições operacionais planejadas. A FREQÜÊNCIA deve ser estimada conforme tabela a seguir:

 

FREQÜÊNCIA

 

CRITÉRIO

 

PONTUAÇÃO

 

Baixa (B)

O

aspecto ocorre pelo menos uma vez por mês ou com maior freqüência.

   

1

 

O aspecto

ocorre

pelo

menos

uma

vez por semana ou

com

maior

 

2

Média (M)

freqüência.

   

Alta (A)

O

aspecto ocorre contínua ou diariamente.

   

3

   

MANUAL

N

O :

REV.

A

ÁREA:

 

FOLHA:

12

de 17

TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS

 

I. ESTIMAR A PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DOS ASPECTOS AMBIENTAIS

 

A PROBABILIDADE é a estimativa da possibilidade de ocorrer um evento não planejado que pode gerar

impacto ao ambiente natural. A PROBABILIDADE deve ser estimada conforme tabela a seguir:

 
 

PROBABILIDADE

 

CRITÉRIO

 

PONTUAÇÃO

 
 

Improvável de ocorrer;

   

Baixa (B)

Estima-se que o evento ocorra menos que uma vez a cada 10 (dez) anos.

 

1

 

Provável de ocorrer;

   

Média (M)

Estima-se que o evento ocorra menos que a uma vez ao mês, mas superior a uma vez a cada 10 (dez) anos.

 

2

 

Muito Provável de Ocorrer ou Risco eminente;

   

Alta (A)

Estima-se que o evento ocorra mais que a uma vez ao mês.

   

3

J. ESTIMAR A ESCALA / ABRANGÊNCIA DOS ASPECTOS AMBIENTAIS

 

É uma estimativa da área alcançada pelo aspecto ambiental, a escala ou abrangência do aspecto ambiental

deve ser estimada de acordo com a tabela a seguir:

 
 

ESCALA OU

 

CRITÉRIO

PONTUAÇÃO

     

ABRANGÊNCIA

 

EXEMPLOS

Baixa (B)

 

Restrita ao local da ocorrência do aspecto ambiental.

 

1

Gotejamento

de

óleo

de

um

 

compressor.

Média (M)

Alcança grande extensão no interior da empresa, mas não se limita ao local de ocorrência do aspecto ambiental.

 

2

Queda de um tambor de óleo no interior da empresa.

Alta (A)

O aspecto ambiental extrapola os limites da empresa.

 

3

Vinhaça lançada no Rio.

 

K. ESTIMAR A IMPORTÂNCIA DO IMPACTO AMBIENTAL

 

É uma estimativa do risco da ocorrência do impacto ambiental, é estimada através do cálculo a seguir

levando-se em consideração as situações planejadas e não planejadas:

 

Situação Operacional Planejada

 

Importância (I) = A x C x S x F

Onde:

 

I = Importância

 

S = Severidade F = Freqüência

 

A

= Abrangência

 

C

= Classe

Situação Operacional Não Planejada

 

Importância (I) = A x C x S x F x P

 

MANUAL

 

N

O :

REV.

A

 

ÁREA:

FOLHA:

13

de 17

TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS

 

Onde

 
 

I

Importância

 

S

Severidade

 

A

Abrangência

F

Freqüência

C

Classe

P

Probabilidade

 
 

Valores Possíveis para a Importância dos Aspectos Ambientais:

 
   

FREQÜÊNCIA ou PROBABILIDADE

   
 

BAIXA (1)

 

MÉDIA (2)

   

ALTA (3)

 
 

SEVERIDADE

ABRANGÊNCIA

ABRANGÊNCIA

ABRANGÊNCIA

 
 

BAIXA

MÉDIA

ALTA

BAIXA

MÉDIA

ALTA

BAIXA

MÉDIA

ALTA

(1)

(2)

(3)

(1)

 

(2)

(3)

(1)

(2)

(3)

 

BAIXA (1)

1

2

3

2

 

4

6

3

6

9

 

MÉDIA (2)

2

4

6

4

 

8

12

6

12

18

 

ALTA (3)

3

6

9

6

 

12

18

9

18

27

L. AVALIAR A SIGNIFICÂNCIA DOS ASPECTOS AMBIENTAIS (Sem considerar os controles operacionais)

1. Aspectos Ambientais Não Significativos

 

São todos aqueles que apresentarem importância menor ou igual a 2 (dois), inclusive para aqueles onde

classe seja classificada como benéfica (neste caso a Importância será zero). Para tais aspectos, não se requer a implantação e manutenção de controles operacionais.

a

2.

Aspectos Ambientais Significativos

 

São todos aqueles que apresentarem importância maior ou igual a 3 (três). Para tais aspectos, requer-se

a

implantação e/ou manutenção de controles operacionais.

 

Nota:

 

Para aqueles aspectos ambientais cuja importância for maior que 3 (três), deve-se avaliar a necessidade de se estabelecer objetivos e metas independente do valor de sua significância.

2.1

Situações de Risco e Não Planejadas

 

Para aqueles aspectos ambientais, que ocorram em situação operacional de risco e não planejada e cujo produto SEVERIDADE x ABRANGÊNCIA seja maior ou igual a 6, devem ser contemplados no Plano de Atendimento à Emergências - PAE.

Para as situações de risco cujos impactos apresentarem severidade média (S=2) e cujas ações mitigadoras não puderem ser gerenciadas com recursos humanos e materiais da própria área, proceder conforme o item anterior.

2.2

Situações Normais

 

Para as situações normais, as ações mitigadoras serão sempre gerenciadas com recursos da própria área. Deverão ser especificados as práticas preventivas e os monitoramentos necessários, com documentos apropriados à situação (procedimentos internos, instruções de trabalho, ciclos de trabalho, métodos de ensaio, etc.), que devem ser indicados no módulo GAIA do aplicativo SOGI.

   

MANUAL

N

O :

REV.

A

ÁREA:

 

FOLHA:

14

de 17

TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS

M.

ESTABELECER O NÍVEL DE CONTROLE

 

Nível de mitigação é uma estimativa da eficácia dos controles operacionais implantados. É determinado conforme tabela a seguir:

Somente deverão ser executados serviços cujo nível de mitigação atingir 65% ou 85%.

 

Tipo de Controle Operacional

 

Nível de

 

Critérios

   

Mitigação

 

Equipamento

Método

 

Pessoas

 
   

O

projeto do equipamento levou o

Melhor

operacional

prática

 

risco de impacto ambiental totalmente em consideração.

Melhor tecnologia disponível. O equipamento dispõe de intertravamentos que evitam sua operação insegura e o plano de manutenção é rigorosamente seguido.

disponível.

Empregados treinados e com experiência.

 
 

EFETIVO

85%

Profissional

de

 

ambiente

natural

envolvido

na

 

elaboração

do

método.

   

O

equipamento é seguro e está

   

numa

manutenção preventiva.

programação de

O

método

leva

IMPLANTADO

 

65%

   

em

consideração

 

Treinadas na

 
 

conhecimento

do

atividade.

   

O equipamento não dispõe de intertravamentos que evitam sua operação insegura.

risco ambiental.

 
     

O

método

está

 

O

equipamento

pode

ser

desatualizado

ou

Funcionários

 

DOCUMENTADO

45%

modificado para ter menos impacto sobre o ambiente natural.

baseado

antigas

informações.

em

receberam

treinamento

integração.

apenas

de

   

O

projeto do equipamento não

 

O método é informal.

   
 

INFORMAL

25%

inclui

ambiente natural.

dispositivos de proteção ao

Trabalhadores sem

treinamento.

Caso o nível de mitigação seja menor que 65% e na ausência de controles operacionais adequados, deverá ser iniciado o processo de tomada de ações preventivas ou corretivas, de acordo com o procedimento específico para tal finalidade.

N.

ESTIMAR O RISCO RESIDUAL

 

Estimar o risco residual é determinar o risco em relação à importância dos aspectos ambientais considerando os Controles Operacionais estabelecidos e nível de mitigação. A estimativa do risco residual deverá ser realizada através do cálculo a seguir:

I CC = I x (100 N M ) / 100

 

Onde:

Icc

Importância considerando o controle operacional

 

I

Importância

 

Nm

Nível de Mitigação do aspecto ambiental

 
   

MANUAL

N

O :

REV.

A

ÁREA:

FOLHA:

15

de 17

TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS

 

O.

REAVALIAR A SIGNIFICÂNCIA DOS ASPECTOS AMBIENTAIS (Considerando os controles operacionais estabelecidos)

 

Após a estimativa do risco residual, a significância dos aspectos ambientais deverá ser reavaliada a os impactos gerenciados através dos controles operacionais estabelecidos. A equipe de gerenciamento e supervisão é responsável pela provisão dos recursos necessários para assegurar que os controles operacionais necessários sejam implementados e mantidos.

6. PADRÕES APLICÁVEIS

 

GAIA – Gerenciamento de Aspectos e Impactos Ambientais Tabela de Aspectos e Impactos Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais

 
 

TABELA DE ASPECTOS E IMPACTOS

 
 

ASPECTOS

 

IMPACTOS

 

Consumo de Recursos Naturais

 

Consumo de Água

Esgotamento / Redução da Disponibilidade de Recurso Natural

Consumo de Combustível (Diesel / Gasolina / Outros)

Esgotamento / Redução da Disponibilidade de Recurso Natural

Consumo de Energia Elétrica

 

Esgotamento / Redução da Disponibilidade de Recurso Natural

Consumo de Materiais (Ex.: Solvente)

Esgotamento / Redução da Disponibilidade de Recurso Natural

 

Emissões Atmosféricas

 

Fumo Metálico. Ex.: Processo de Solda

Alteração da Qualidade do Ar

 

Gases Refrigerantes. Ex.: CFC, HCFC, Amônia

Alteração da Qualidade do Ar / Depleção / Diminuição da Camada de Ozônio

Vapores e Névoas de Processos de Lavagens Diversas (Alcalinas), de Operações de Usinagens (Óleos) e Atividades de Pintura e Limpeza (Solventes)

Alteração da Qualidade do Ar

 
 

Resíduos Líquidos

 

Água de Teste Hidrostático

 

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Água Misturada (decapagem Química)

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Derramamento e/ou Vazamento de Produtos Químicos / Óleo / Resíduos

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Esgoto Sanitário

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Explosão

Alteração da Qualidade das Águas, do Solo e do Ar

 

Incêndio

Alteração da Qualidade das Águas, do Solo e do Ar

 

Óleos Usados

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Solução de Revelação de Filmes

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Verniz (sobra)

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 
   

MANUAL

N

O :

REV.

A

ÁREA:

FOLHA:

16

de 17

TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS

 
 

Resíduos Sólidos

 

Alumínio (Marmitex isento de alimentos)

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Areia Contaminada

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Baterias e Pilhas

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Borra de Tinta (sobra)

 

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Borracha

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Cartucho de Impressora

 

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Catalizador (sobra)

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Copos Descartáveis

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Discos e Escovas de Esmerilhadeiras

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Embalagem de Filmes (Gamagrafia)

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Embalagem de Isopor

 

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Embalagem Metálica (Limpa)

 

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Embalagens Plásticas

 

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Entulhos de Obras

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Estopas, Panos e Trapos Contaminados

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Fios, Cabos Elétricos e Tomadas

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Folhas de Alumínio

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 
 

ASPECTOS

 

IMPACTOS

 

Resíduos Sólidos (continuação)

 

Garrafas

Alteração da Qualidade do Solo

 

Grampos

Alteração da Qualidade do Solo

 

Guardanapos

Alteração da Qualidade do Solo

 

Lã de Vidro

Alteração da Qualidade do Solo

 

Lâmpadas Fluorescentes

 

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Latas de Alumínio

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Lona Plástica

Alteração da Qualidade do Solo

 

Madeira

Alteração da Qualidade do Solo

 

Palitos

Alteração da Qualidade do Solo

 

Papel e Papelão de Embalagem

Alteração da Qualidade do Solo

 

Papel Higiênico

Alteração da Qualidade do Solo

 

Parafusos

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Pincel Usado

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Poda de Grama

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Pontas de Eletrodos

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Porcas

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Pregos

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Resíduos Ambulatoriais

 

Alteração da Qualidade das Águas e do Solo

 

Resíduos de Borracha (anéis de vedação, placas, etc)

Alteração da Qualidade do Solo

 

Resíduos de Varrição

 

Alteração da Qualidade do Solo

 

Resinas

Alteração da Qualidade do Solo

 
N O : REV. MANUAL A ÁREA: FOLHA: 17 de 17 TÍTULO: IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS
N
O :
REV.
MANUAL
A
ÁREA:
FOLHA:
17
de 17
TÍTULO:
IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS
Restos de Sobras de Comida (Lixo Orgânico)
Alteração da Qualidade das Águas e do Solo
Rochas
Alteração da Qualidade do Solo
Rolo Usado
Alteração da Qualidade das Águas e do Solo
Sacos de Cimento
Alteração da Qualidade das Águas e do Solo
Serragem
Alteração da Qualidade do Solo
Silicato de Cálcio Limpo
Alteração da Qualidade do Solo
Sucata de PVC (Eletrodutos)
Alteração da Qualidade das Águas e do Solo
Sucata Metálica Contaminada
Alteração da Qualidade das Águas e do Solo
Sucata Metálica de Estruturas, Tubos, Chapas e Outros
Alteração da Qualidade das Águas e do Solo
Sucata Metálica de Ferramentas e Máquinas
Alteração da Qualidade das Águas e do Solo
Tijolos
Alteração da Qualidade do Solo
Toner de Impressora ou Máquina Copiadora
Alteração da Qualidade das Águas e do Solo
Vidros
Alteração da Qualidade do Solo
Outros
Geração de Ruído
Incômodos à Vizinhança
Radiação Ionizante
Alteração da Qualidade do Solo, Ar e Efluente
Vibrações
Incômodos à Vizinhança
Data:
GAIA - GERENCIAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS
Ver:
Obra:
Unidade:
Local:
Área:
Processo:
Atividade:
CONTROLE
REQUISITO
TAREFA
ASPECTOS
IMPACTOS
COMENTÁRIOS
OPERACIONAL
LEGAL
LEGENDA: SIT.OP. = Situação Operacional: P -Planejada e NP - Não P lanejada, INC.= Incidência: D-Direta, I - Indireta CLA.= Classe: 0- Benéfica e 1 - Adversa TEMP.= Temporalidade: P - Passada, A - Atual e F- Futura, SEV. = Severidade: 1 Baixa, 2- Média, e 3- Alta, F/P .=
Freqüência / Probabilidade: 1-Baixa, 2- Média e 3-A lta, ABR AN .= 1 Baixa, 2- Média e 3 - Alta, NC = Níveis de Controle: 25 % Informal, 45% documenta do, 65% Implantado e 85% Efetivo, IMP.= Importância, RR = Risco Residual, SIG .= Significativo, PAE = Plano de Atendimento a
Emergência
ENGENHEIRO DE SMS
ENCARREGADO DA ATIVIDADE
GERENTE RESPONSÁVEL
NOME:
NOME:
NOME:
ASSINATURA:
ASSINATURA:
ASSINATURA:
SIT OP.
INC.
CLA.
TEMP
SEV.
F/P
ABRANG.
NC
IMP.
RR
SIG
PAE