Expansão do socialismo: Revolução Chinesa e Cubana A Segunda Guerra Mundial e a expansão do socialismo.

A expansão do socialismo na Europa foi um fenômeno ligado ao desenvolvimento e desdobramento da Segunda Guerra Mundial. Durante o conflito, em vários países sob ocupação das forças nazi-fascistas, os comunistas tiveram forte presença e atuação nos movimentos de resistência às forças do Eixo, compondo as Frentes Patrióticas. Essas Frentes eram uma composição de forças, reunindo diversas correntes políticas antifascistas, como as formadas na Albânia (Frente de Libertação da Albânia), na Bulgária (Frente Patriótica), na Iugoslávia (Frente Antifascista), dentre outras. Nas Conferências de Ialta e Potsdã ficaram assegurados governos pró-soviéticos nos países libertos por tropas soviéticas que, apoiando os comunistas no interior dos governos de coalizão (Frentes Patrióticas), asseguraram a adoção de medidas revolucionárias que conduziram à implantação do socialismo. Ainda, quando do término da Segunda Guerra, nos países governados pelas coalizões, antigos dirigentes tentaram retornar à cena política, dividindo o poder com os comunistas e tentando barrar as medidas revolucionárias. Essas antigas lideranças foram sendo afastadas do poder, com o apoio popular e dos soviéticos e, no período de 1945 a 1948, os comunistas assumiram integralmente o poder. Os Estados recém-transformados em socialistas, as “Democracias Populares”, ficaram de imediato, sob influência soviética, como a Albânia, Tchecoslováquia, Hungria, Polônia, Romênia, Iugoslávia e depois a Alemanha Oriental. Neles, o modelo político e econômico foi igualmente copiado do modelo soviético, denominado “Socialismo Real”: partido único; centralismo administrativo; planificação econômica (planos qüinqüenais); supressão da propriedade privada dos meios de produção; reforma agrária; cooperativas agrícolas; nacionalização das indústrias, bancos, meios de transporte e de comunicação; implantação de política de bem-estar social; estímulo à produção de bens de equipamentos. Nas décadas seguintes, com a Guerra Fria, os vínculos entre os países socialistas do Leste Europeu e a URSS tornaram-se maiores com o COMECON e o Pacto de Varsóvia. O socialismo também se expandiu para a Ásia, América e África, porém, em contextos históricos diferenciados, notadamente nos movimentos de descolonização. A Revolução Chinesa. Após a proclamação da República na China, em 1911, assumiu o poder o Kuomintang, um partido nacionalista, sem oferecer resistência às potências imperialistas que haviam dividido o país em áreas de influência. O Partido Comunista Chinês, fundado em 1921, empreendeu luta aberta contra as forças imperialistas. Em 1925, com a morte de Sun Yat-sen, assumia o poder Chiang Kai-shek, iniciando a Primeira Guerra Civil (1927-1937) contra os comunistas, período em também ocorreu a ocupação japonesa na Manchúria (1931) e a guerra Sino-Japonesa (1937-1945), quando os japoneses pretenderam dominar toda a China. Em 1934 Mao Tsé-tung empreendeu a “Grande Marcha”, mobilizando 90 mil comunistas e percorrendo cerca de 12 mil km com o intuito de mobilizar a população rural para a revolução comunista. Ao mesmo tempo em que os comunistas combatiam a presença japonesa avançavam sobre o território chinês e estabeleciam, nas regiões conquistadas, governos democráticos e o confisco e distribuição das terras aos camponeses. O Kuomintang, em contrapartida, pouca resistência oferecia aos japoneses, revelando-se um partido burocratizado, incapaz de realizar reformas efetivas. Com a derrota dos japoneses na Segunda Guerra Mundial, os comunistas iniciam a Segunda Guerra Civil (1946-1949), derrotando o Kuomintang e forçando a fuga de Chiang Kai-shek para a ilha de Formosa (Taiwan), que fundou a China Nacionalista, enquanto Mao Tsé-tung proclamava a República Popular da China (1949). Num primeiro momento coexistiram formas capitalistas com o início da socialização dos meios de produção. No ano de 1950 a China acabou se envolvendo na Guerra da Coréia, o que retardou a recuperação do país, arrasado pelo prolongado período de guerras. O modelo socialista chinês seguiu passos semelhantes ao soviético: planos qüinqüenais, intensificação da reforma agrária, nacionalização das empresas estrangeiras, estatização econômica, cooperativas agrícolas e partido único.

industrial e a renda nacional. Também na década de 1960 as relações entre a URSS e a China foram rompidas. assegurado pela Emenda Platt (1901) que permitia aos norte-americanos a construção de uma base naval em Cuba. intervenção militar e controle sanitarista. com cerca de 30 mil pessoas cada e que possuíam coletivamente a terra e as indústrias. direitos a exploração mineral e a proibição de o governo cubano assinar tratados comerciais sem a anuência dos Estados Unidos. de Mao foi a base teórica da Revolução Cultural. Criaram-se as Comunas Populares. culturais e administrativos. paraíso turístico. propondo uma revolução nacionalista e antiimperialista. Com o apoio das massas. alterou quadros do Partido. velha cultura. A economia cubana ficou atrelada à economia norte-americana. nele permanecendo até a sua morte em e na luta contra os “velhos” hábitos culturais.4. como a produção açucareira. não raro promovendo a queima de rompendo com o “maoísmo” e adotando livros em fogueiras. quando vários dos participantes do ataque foram executados e Fidel aprisionado. na presidência de Fulgêncio Batista. medidas que promovessem o desenvolvimento econômico das “Quatro Modernizações”: agricultura. liderados por Deng Xiao-ping. A China passou a adotar moderna tecnologia importada e a permissão de investimentos estrangeiros no país. Liberto dos espanhóis (1898) Cuba tornou-se um protetorado norte-americano. ditador e corrupto. conhecido como “Grande Salto para Frente” (1958-1962) com metas ambiciosas de crescimento no setor agrícola.Após os resultados do 1º Plano Qüinqüenal (1953-1957). que passou a controlar os setores econômicos essenciais. retardando a recuperação econômica chinesa. acompanhado de repressão a todos aqueles que ainda não haviam se desligado dos decadentes valores 13. Do fracassado movimento surgia uma nova organização: o Movimento Revolucionário 26 de Julho (MR-26 de Julho). A história de Cuba no século XX é a história da luta contra a dominação. A Revolução Cubana. por outro lado. mantendo-se o sistema socialista e a estrutura política do partido único. com a participação de Fidel Castro. Para os membros do Movimento Nacionalista Revolucionário ficou claro que a luta contra Fulgêncio Batista só seria possível através da luta armada. do jogo e da prostituição. empreendeu-se uma reeducação doutrinária. organizados na Guarda Vermelha. realizavam expurgos públicos os moderados. notadamente nos Guardas Vermelhos que seguiam à risca os pressupostos contidos no Livro Vermelho (de autoria de Mao). indústria. além disso. O radicalismo dos seguidores de Mao. Com tal tática Mao retornou ao tung incorporou os jovens na luta contra o burocratismo do poder poder. surgia o Movimento Nacionalista Revolucionário. Mao empreendeu o 2º Plano. A Revolução Cultural (1966-1976) defendida por Mao Tsédo ocidente. Na década de 1950. tornando-se Com a morte de Mao assumiu o poder leitura obrigatória. velhos hábitos. unidades que reuniam vários setores produtivos. O resultado não foi o esperado e Mao Tsé-tung foi substituído por Liu Shao-chi (1958-1969). vantagens comerciais aos produtos norte-americanos. paraíso dos mafiosos. estimulando o fervor revolucionário e produtivo. . além de empresas familiares e mistas. A finalidade era combater o burocratismo do partido e dar iniciativa às massas. que ficara sem o apoio material e tecnológico soviético. Afastado do poder Mao Tsé-tung pregou a “Revolução Cultural” (1966-1976) para combater os “quatro velhos”: velhos costumes. velhas idéias. defesa e educação e cultura. Cuba tornou-se. a intelectuais e políticos. demonstrando fissuras no bloco socialista e. O Livro Vermelho 1976. A primeira tentativa de resistência armada desse movimento foi a tentativa de tomada do Quartel de Moncada.

sem apontar para uma revolução socialista. enquanto esteve preso. tendo o presidente Kennedy socialismo alteraram a geopolítica norte-americana para assumido publicamente a responsabilidade do ataque a América Latina. o regime político que combatesse a tirania. reorganização da saúde e educação. estava bastante mal-equipado. Os serviços médicos de Che Guevara foram valiosos para a população rural. chegando até a ruptura das relações diplomáticas. restabelecimento das relações com a União Soviética. educacional e da saúde pública. ao jogo.6. Em 1956 iniciava a guerrilha na Sierra Maestra. contida inicialmente pelas Milícias Populares até a chegada de reforços do Exército Cubano. Tudo indicava que a ruptura de relações entre os Estados Unidos e Cuba era uma questão de tempo. industrial. Em 17 de abril de 1961 acontecia o famoso episódio da “invasão na Baia dos Porcos”. Che Guevara aproximava o país da China e URSS. combate ao analfabetismo. a criação das Granjas del Pueblo (versão cubana aos sovcoses soviéticos). o governo cubano aproximava-se de governos europeus (Espanha e Suécia). financeiro e militar. À medida que os Estados Unidos embargavam a economia cubana. investimentos na 13. A estratégia de luta revolucionária através de guerrilha foi inovadora. a sua primeira grande derrota’. reforma urbana e agrária. . “A História me absolverá”. Foram 72 horas de combates. compostos por exilados cubanos e mercenários ianques). O movimento MR-26 de Julho. diga-se. do Leste Europeu e da União Soviética. que lhe fornecia apoio militar. Fidel afirmou que o ‘imperialismo ianque hegemonia norte-americana. O embate entre o novo governo e empresas norteamericanas foi imediato. O medo de “cubanização” na América. promoveu apoio aos dissidentes cubanos (ligados ao antigo governante. Realizou-se uma nova reforma agrária com a supressão das médias e grandes propriedades rurais. O grupo recebeu apoio aéreo de aviões disfarçados com insígnias cubanas. sofreu na América. Os prisioneiros norte-americanos feitos por Cuba foram trocados por comida para crianças e remédios. Instituição de Tribunais de Justiça para julgar e executar os colaboradores das torturas e assassinatos praticados por Batista. Ao mesmo tempo em que os Estados Unidos pressionavam a economia cubana. nulidade da Emenda Platt. treinados na Nicarágua por instrutores norte-americanos. acompanhado de Ernesto “Che” Guevara (médico argentino). para dar a impressão de se tratar de uma rebelião interna nas Forças Armadas de Cuba.500 homens. “barbudos”. na praia de Girón (cerca de 1.5. econômico e diplomático. ao tráfico de drogas e ao desemprego. buscando apoio técnico. Todos esses pontos foram abordados na obra escrita por Fidel. que. As proposta apontavam para medidas reformistas e democráticas. do surgimento de novos focos guerrilheiros ameaçava a frustrado. Liberto. Na Sierra Maestra os revolucionários. embargou a venda de medicamentos e de petróleo e derivados. A vitória de Fidel em Cuba e a adesão ao baixa dos dois lados. A vitória dos revolucionários em janeiro de 1959 possibilitou a adoção das medidas reformistas contidas nas propostas do MR26 de Julho: nacionalização das empresas prestadoras de serviços públicos. a reforma agrária e urbana e a nacionalização dos trustes. incendiou plantações de cana. combate à prostituição.O programa do MR-26 de Julho apontava para os problemas que a sociedade cubana teria que resolver: o problema agrário. Em 1961 Fidel Castro discursava afirmando a adesão ao socialismo. habitacional. Fulgêncio Batista). O resultado foi uma enorme quantidade de 13. ganharam a adesão da população camponesa. não possuía conotação ideológica marxista e nem pertenciam ao Partido Comunista. exilou-se no México preparando o retorno a Cuba para a retomada da luta revolucionária. liderado por Fidel Castro. técnico. Raul Castro e Camilo Cienfuegos. O governo norte—americano boicotou produtos cubanos (açúcar). dissolução do Congresso.

. Kennedy assumiria um compromisso público de não mais invadir Cuba e retirar mísseis norte-americanos atômicos do território turco. A tensão chegou ao ponto máximo com a aproximação de navios petroleiros soviéticos à zona bloqueada pela Marinha de Guerra norte-americana. com Cuba transformando-se no pivô do possível enfrentamento entre os EUA e a URSS. A Crise dos Mísseis foi um dos pontos mais delicados da Guerra Fria. inclusive dos que traziam petróleo e alimentos da URSS. em troca. tendo exposto a paz mundial desde o final da Segunda Guerra Mundial. que decretaram um bloqueio naval à ilha de Cuba. impedindo a chegada de qualquer barco. além do estímulo à industrialização e da mecanização da agricultura. o que causou forte reação dos EUA. Certos de que as forças do Pacto de Varsóvia (organização militar do Bloco Socialista) não poderiam assegurar Cuba contra outro ataque norte-americano. acusada de que o regime revolucionário “exportava a subversão” para o resto do continente. Outro momento crítico na história cubana ocorreu em outubro de 1962.construção de escolas. hospitais e moradias. Sobre o processo revolucionário cubano destacam-se os fatos de que: a revolução não foi feita com propósitos socializantes e também não foi conduzida por um Partido Comunista. O governo mexicano foi o único que não obedeceu à decisão da OEA. a Crise dos Mísseis. Em 1962 Cuba era expulsa da OEA (Organização dos Estados Americanos). os soviéticos instalaram mísseis na ilha. quando então Washington e Moscou chegaram a um acordo: Kruschev retiraria os mísseis do território cubano e.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful