Você está na página 1de 15

Bases Moleculares do Citoesqueleto

Citoesqueleto:

 Conjunto de elementos celulares que, em sintonia,


são responsáveis pela integridade estrutural das células e
por uma ampla variedade de processos dinâmicos,
como a aquisição da forma, a movimentação celular
e o transporte de organelas e outras estruturas
citoplasmáticas;
CITOESQUELETO

• É uma complexa rede citoplasmática


de túbulos e filamentos

• Funções:

- Estabilização da forma celular


- Estruturação e organização do citoplasma
- Locomoção
- Transporte intracelular
O Citoesqueleto
O citoesqueleto organiza o citoplasma
O Citoesqueleto
TIPOS DE CITOESQUELETO

Microfilamentos Filamentos Microtúbulos


Intermediários
As várias atividades do citoesqueleto dependem
de três diferentes tipos de filamentos protéicos:

-Microtúbulos: são formados por tubulina;

-Microfilamentos: que são formados actina;

-Filamentos intermediários: formados por uma família


de proteínas fibrosas, tais como vimentina, queratina,
desmina e etc.
Componentes Tamanho Proteína Atividades

Microtúbulos ~25nm Tubulina Formação do fuso


mitótico, transporte de
vesículas e outras
organelas, formação de
cílios, flagelos,
centríolos e corpúsculos
basais.

Microfilamentos 5-7 nm Actina Endocitose, migração


celular, citocinese.

Filamentos 7-10 nm Citosqueratina Sustentação,


intermediários Vimentina desmossomos,
Periferina hemidesmossomos.
Desmina
1)Microtúbulos

• A Microscopia eletrônica mostrou que o citoplasma


contém cilindros aparentemente ocos, muito delgados,
que se estendem por todo o citoplasma, denominados
microtúbulos;

• Cada microtúbulo é formado pela associação de


proteínas globulares chamadas tubulina, disposta
em hélice;

• Os microtúbulos podem se associar uns aos outros


para formar estruturas mais estáveis como:
Estruturas estáveis formadas por Localização
microtúbulos

Centríolo Em todas as células animais

Corpúsculo basal Na região de ancoragem e origem dos


cílios

Cílios Epitélio das tubas uterinas e das vias


respiratórias

Flagelo Espermatozóides
Os microtúbulos entram na constituição de várias estruturas:

Centríolos, fuso mitótico, raios astrais de células em divisão, elementos


longitudinais dos axônios, cílios e flagelos

Existem contudo diferenças na sua estabilidade:

-Os microtúbulos de cílios e flagelos são muito estáveis;


-Os microtúbulos do fuso mitótico são lábeis e transitórios.

O padrão de distribuição dos microtúbulos oscila ao longo do ciclo celular entre


uma rede complexa durante a interfase e uma distribuição restrita ao fuso
durante a mitose.

Os microtúbulos apresentam polaridade: Extremidades [+] e [-]


** Centríolos

• Cada célula possui um par de centríolos, que se localizam


próximas ao núcleo e ao aparelho de golgi, numa
região denominada centrossomo ou centro celular;
• Cada centríolo é constituído por um material amorfo
no qual são colocados 27 microtúbulos, uma das
principais funções dos centríolos é orientar a divisão
celular, pois eles originam uma estrutura denominada
fuso mitótico, onde se prendem os cromossomos.
O axonema contém um padrão microtubular duplo de 9+2.

O comprimento do axonema é de vários micrômetros nos cílios,


podendo chegar a mais de 1 mm em certos flagelos. O seu diâmetro é
de apenas 0,2 μm.

O axonema é cercado pela membrana ciliar externa que é uma


dependência da membrana plasmática com a qual tem continuação.

No movimento ciliar, o deslizamento de pares de microtúbulos deve-se


à ação da dineína.
• São estruturas que proporcionam estabilidade
mecânica ás células e tecidos (elementos
estruturais);

• São chamados assim, pois seu diâmetro de 8-10


nm é intermediário entre os filamentos de
miosina, que são mais grossos e o de actina, que
são mais finos;

• São abundantes em células sofrem atrito como a


epiderme, também é freqüente nos axônios e, em
todos os tipos de células musculares.
Proteínas que constituem Localização
os filamentos
intermediários

Queratinas Pêlos, unhas e chifre

Vimentina fibroblastos

Desmina Células musculares

Proteína ácida da glia Astrócitos e células de


Schwann