Você está na página 1de 81

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS

UNIDADE ACADÊMICA DE GRADUAÇÃO


CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

K ARINE M ONTEIRO DE S OUZA

PAINTBALL E COMPORTAMENTO VIOLENTO

S ÃO L EOPOLDO - RS
2008
K ARINE M ONTEIRO DE S OUZA

PAINTBALL E COMPORTAMENTO VIOLENTO

T RABALHO DE C ONCLUSÃO DE C URSO APRESENTADO À


U NIVERSIDADE DO V ALE DO R IO DOS S INOS , COMO REQUISITO
PARA A OBTENÇÃO DO TÍTULO DE L ICENCIADO EM E DUCAÇÃO
F ÍSICA .

ORIENTADOR: PROFª. DR. LINO PINTO DE OLIVEIRA JUNIOR

S ÃO L EOPOLDO – RS
2008
Dedico este trabalho de pesquisa a todos praticante, em especial a equipe
Dragão Azull, e colaboradores deste esporte e aos interessados nesta temática.
Agradeço primeiramente a Deus, pois sem sua graça e benção não teria
conseguido.
Meu pai Sergio Ávila de Souza que com sua sabedoria e palavras de conforto
sempre esteve presente quando mais precisei.
Minha mãe Claudia Monteiro de Souza, que sempre foi meu exemplo em sua
constância, bravura, otimismo e que sempre foi uma pessoa admirável por todos.
Meu irmão que com sua personalidade exemplar e alegria de viver, sempre me
deu forças e muito orgulho.
Aos meus amigos, os quais me deram muito apoio, Andrews Ramos, Michelle
Knevitz, Gustavo M. Leão, Rafael M. de Souza, Rudiard Vogt, Monica Thomazzi e em
especial a um grupo de professores que tem me apoiado nesta jornada.
“Cada pessoa que passa em nossa vida, passa sozinha, é porque cada pessoa
é única e nenhuma substitui a outra! Cada pessoa que passa em nossa vida passa
sozinha e não nos deixa só porque deixa um pouco de si e leva um pouquinho de nós.
Essa é a mais bela responsabilidade da vida e a prova de que as pessoas não se
encontram por acaso.”

Charles Chaplin
RESUMO

O paintball, como prática recreativa relativamente nova, desperta a


desconfiança da sociedade na medida em que possa induzir comportamentos
violentos em jovens praticantes. No entanto, tal crença parece apoiar-se em uma
perspectiva que reduz as questões geradoras de conflitos sociais a simples escolhas
comportamentais e não como fruto de um sistema político-econômico injusto e
excludente. O paintball, como outros esportes, propõem um espaço onde, com o
cuidado necessário, dá-se a aceitação e integração da agressividade à personalidade
total do indivíduo, levando ao equilíbrio de forças destrutivas e construtivas,
fundamental para a capacidade de relacionar-se com os outros, defender seu
território, brincar e trabalhar em comunidade. Assim, nosso objetivo neste trabalho é
discutir a relação entre a prática do paintball e a manifestação de comportamentos
violentos. Para tanto foram feitas entrevistas com pais e jovens praticantes dessa
modalidade, seguidas da análise do conteúdo das respostas e discussão dessas a partir
de textos de autores que tratam do tema agressividade.

Palavras chaves: paintball, esporte, agressividade, violência


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO............................................................................................................ 07

2 O PAINTBALL ............................................................................................................ 09
2.1 ORIGEM E HISTÓRIA DO PAINTBALL............................................................. 10
2.2 EQUIPAMENTOS ..................................................................................................... 17

3 A AGRESSIVIDADE................................................................................................... 21

4 JUSTIFICATIVA ......................................................................................................... 24

5 METODOLOGIA......................................................................................................... 25
5.1 DESCRIÇÃO DOS SUJEITOS E LOCAL DE ESTUDO................................... 25
5.2 INSTRUMENTOS E COLETA DE DADOS.......................................................... 25

6 ANÁLISE REFLEXIVA DOS DADOS COLETADOS........................................ 27


6.1 DISCUSSÃO DOS DADOS COLETADOS.......................................................... 27

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS..................................................................................... 30

REFERÊNCIAS............................................................................................................... 31

ANEXOS............................................................................................................................ 32
Anexo 1: 3 Regras do Jogo............................................................................................. 54
Anexo 2: Roteiro da Entrevista com os pais.............................................................. 59
Anexo 3: Roteiro das Entrevistas com os jogadores................................................... 63
1 INTRODUÇÃO

O presente trabalho tem por fim discutir a possibilidade da prática do Paintball


ser facilitadora da aquisição de comportamentos violentos por parte de jovens
praticantes.
Optar por este tema para o trabalho de conclusão do curso de graduação em
Educação Física, está associada aos anos de experiência como jogadora, competidora
e grande simpatizante deste esporte
O paintball é um esporte que exige do praticante habilidades cognitivas,
afetivas e psicomotoras. Assim, a prática do paintball oferece não somente mais uma
opção para o processo de formação do indivíduo através do esporte, mas também
adere a uma verdadeira febre nacional e mundial.
Durante a produção deste trabalho, entrevistei jogadores de paintball e pais de
praticantes, li algumas referências teóricas e artigos que possuem temas referentes ao
assunto, onde encontro alguns pontos e contrapontos para a produção deste.
Ao desenvolver este trabalho, a intenção é discutir as possibilidades da prática
do Paintball vir a influenciar comportamento violento nos indivíduos.
Segundo Lorenz (1966), a agressão é um impulso inato que desempenhou uma
função positiva na história da evolução do ser humano. Seguindo este raciocínio este
impulso não deve ser inibido, mas canalizado para atividades socialmente adequadas.
Em outras palavras, o impulso agressivo se expressa em comportamentos necessários
para garantir a sobrevivência do organismo. Por outro lado, tais comportamentos
devem ser regulados por regras sociais que estabelecem o que é e o que não é ético e,
portanto, legítimo de se fazer para garantir a sobrevivência. A regulação do
comportamento pela sociedade fica evidente através da tradição grega de quebrar
pratos nas comemorações de casamentos. Uma atitude desse tipo em nossa sociedade
seria considerada uma grosseria e despertaria medo nos convidados, caso estes não
estivessem informados acerca desta tradição.
O Paintball, na medida em que simula condições que assemelham-se a
situações de conflito social violento, acaba gerando, no imaginário das pessoas, a
idéia de que participar de esportes como este levam a aquisição e expressão de
comportamentos igualmente violentos. Parece-nos que tal crença baseia-se em uma
postura que procura reduzir as questões geradoras de conflitos sociais à simples
8

escolhas comportamentais decorrentes de orientação adequada, e não como fruto de


um sistema político-econômico injusto e excludente. É certo que o crime pode valer-
se destas práticas para aprimorar suas técnicas de combate, assim como o faz a força
policial. Mas seria ingênuo acreditar que a simples proibição ou limitação da prática
de esportes como o paintball, arquerismo, esgrima, tiro-prático e lutas marciais,
resolveria politicamente os conflitos sociais do país.
2 O PAINTBALL

O Paintball é um esporte regrado onde é exigido um mínimo de controle


emocional, conduta, honestidade, caráter, disciplina, dedicação, e principalmente
espírito de equipe. Uma idéia que costuma ser pré-concebida é a de que o Paintball é
um esporte violento e perigoso. Muitas pesquisas já foram realizadas mundialmente
sobre a taxa de acidentes nos esportes e o paintball é considerado como um dos mais
seguros, com um percentual insignificante de acidentes, que nem mesmo aproxima-se
de outros esportes, tais como o futebol, ciclismo, artes marciais, etc.
Quanto à violência, no paintball o contato físico é totalmente contra as regras,
o que já elimina muitos problemas. O risco maior neste esporte é o de acidentes com
a visão, porém, os jogadores sempre utilizam-se de máscaras de proteção próprias
para o esporte que protegem os olhos, a face e as orelhas do impacto das bolinhas. O
uso de máscaras adequadas e o correto entendimento e prática das regras de
segurança elimina por completo a possibilidade de que algo venha a falhar.
Neste grupo onde foram realizadas as entrevistas, os integrantes, homens e
mulheres de faixa etária entre quinze e cinqüenta anos, passam por um processo
seletivo para serem aceitos na equipe, seguindo exigências com o propósito de evitar
conflitos e qualquer tipo de comportamento violento.
A diversidade de classe social e nível educacional também é bastante
evidente, e esta complexidade chama atenção pois é um dos únicos esportes, senão o
único, que dá a oportunidade de praticar com a família, pais, mães, filhos
adolescentes e avós, fazendo parte da mesma equipe e em busca do mesmo objetivo
competitivo.
O esporte tem sido cada vez mais utilizado também pelas empresas com o
propósito de exercitar o raciocínio de seu quadro-funcional, visando auxiliar na
tomada de decisões, em um melhor entrosamento da equipe e também como anti-
estresse.
10

2.1 A ORIGEM DO PAINTBALL

Em pesquisa realizada em 23 de setembro de 2007 no site


http://www.paintballbrasil.com.br , extraiu-se o texto abaixo, que relata o começo do
paintball e sua origem. Foi elaborado a partir de um artigo original de Colin Wells,
de 2005, que também utilizou-se de informações colhidas do manual "The Complete
guide to paintball”, de Paul Kloehn, assim como do livro “The Official Survival
Game Manual” e outros sites da web.

Como o Paintball começou

Nos meados dos anos 60 Charles Nelson criou, sem saber ainda, o paintball.
Tudo começou com a sua empresa, a “Nelson Paint Company”, fundada em 1940 por
Charles e Evan Nelson.
Eles patentearam inúmeros aparatos que os guardas florestais usavam para
marcar madeira com tinta. Um deles era uma estranha pistola de spray de tinta.
Mas o Paintball foi criado pelo Serviço Florestal dos EEUU que encomendou
à “Nelson Paint Company” um equipamento marcador de tinta confiável para uso à
distância.
O problema era que as árvores às vezes estavam depois de um córrego ou de
mata densa. A idéia das bolas de tinta era que poderiam ser disparadas pelas
obstruções do caminho e também uma bola de tinta disparada de um equipamento
marcador de tinta teria um alcance bem maior que o de uma pistola de spray.
Fazendeiros poderiam também usar as bolas para marcar gado da mesma
forma.
Charles Nelson matutou sobre essa idéia e inventou um projétil de tinta que
pudesse ser disparado de uma arma de pressão.
O projétil foi criado injetando-se tinta dentro de cápsulas de gelatina
normalmente usadas como drágeas de um remédio para cavalos.
A empresa de Nelson então fez uma parceria com a “Crossman” para projetar
uma pistola para disparar essas bolas de tinta, mas após quatro anos de produção com
11

vendas fracas, a “Crossman” não achou vantajosa financeiramente continuar com a


produção.
Nelson procurou então a empresa “Daisy”, fabricante de arminhas de
chumbinho, para fabricar uma pistola de paintball. Por não ser o proprietário do
projeto da “Crossman 707”, Nelson não podia simplesmente passar o desenho para o
outro fabricante e um novo projeto teve de ser pensado.
Foi o que a fabricante Daisy fez criando a “Daisy Splotchmarker”, que ficou
famosa como a atual notória “Nel-Spot 007”.
As bolinhas de paintball também começaram a ser produzidas em massa. Com
contrato com a empresa Nelson, a RP Scherer produziu bolinhas com tintas a base de
óleo para os equipamentos marcadores de tinta.
Meados para final dos anos 1960 – A Crossman é procurada para produzir o
primeiro equipamento marcador de tinta da história pela “Nelson Paint Company”.
Utilizando um design já existente de uma “arminha de chumbinho", surgiram então a
Crossman 150 ou a Crossman 2240.
Não havia novas patentes, pois a Crossman patenteou o tubo alimentador
superior (que se tornou um dos tipos mais populares de marcadores) em 1921
(patentes duravam 25 anos). O mecanismo de disparo era o mesmo da arma em que
foi inspirada.
A Crossman parou a produção desse marcador pois não era lucrativo.
1972 – A “Daisy Manufacturing Company” patenteou e fabricou o segundo
marcador de paintball do mundo, o Daisy Splotchmarker, que a Nelson anunciou
como a famosa Nel-Spot 007. Esse marcador é importante pois é o marcador que foi
usado no primeiro jogo de paintball em junho de 1981.
A invenção do marcador de tinta é à vezes erroneamente creditado a James
Hale por causa da patente de “arma de gás comprimido com gatilho operado por
mecanismo de alívio de retém” em 1972 por James C. Hale da empresa “Victor
Comptometer Corporation”.
A “Daisy Manufacturing Company”, a fabricante de armas de ar comprimido
(chumbinho) era de propriedade da “Victor Comptometer Corporation”, que fabricava
máquinas de calcular.
Notem que a patente não é para uma ar de gás comprimido que dispara uma
bola de tinta. A patente foi preenchida porque a Daisy Splotchmarker foi projetada do
12

zero para disparar bolas de tinta, não uma modificação de uma arma de chumbinho
pré-existente.
Por causa dessa nova abordagem de desenhar uma válvula diferente, balancim,
martelo diferentes de qualquer arma anterior de chumbinho e da Crossman 707, ela
foi então patenteada.
Hale conta que seus chefes delegaram o trabalho para ele. Não era um projeto
glamoroso, ele relembra, ou então que a Daisy pensasse que fosse fazer muito
dinheiro. Afinal, quão grande poderia ser o mercado para marcar árvores caídas pelo
chão e vacas perdidas por aí?
Ele tentou começando com uma arminha que a Daisy já fabricava, mas como
era projetada para chumbinhos, não tinha força para fazer as bolas de tinta quebrarem
no impacto. Decidiu então começar do zero. Tentou vários projetos diferentes, mas
nada funcionava. Ele não estava com a alma naquilo.
A Daisy era apenas um local de trabalho para que ele juntasse dinheiro para
começar seu próprio negócio. Hale formou-se em Fayetteville, na Universidade do
Arkansas, como engenheiro mecânico. Ele foi para o Colorado e trabalhou para a
“Beech Aircraft Corp.” projetando os tanques de hidrogênio a serem usados nas
missões espaciais Apollo.
Em 1970, ele e sua esposa decidiram voltar para o Arkansas na procura por
uma vida mais calma e pacata. Não havia uma fartura de trabalhos em engenharia na
área, ele relembra. Apesar da Daisy ser uma empresa divertida de trabalhar, ele
merecia algo mais desafiante. Hale produziu as inovações chave no natal de 1971, um
mecanismo simplificado para alimentar a câmara e engatilhar a arma e uma série de
tubos que forneciam CO2 diretamente para a bolinha quando era disparada.
A patente pela “arma de paintball” foi registrada em 19 de junho de 1972 com
Hale como inventor. Mas a Daisy possuía os direitos do equipamento já que Hale
inventou-o durante o expediente. Hale conta que Nelson entrou em contato com ele
nos meados de 1980 e contou-lhe que as pessoas estavam usando as “armas de
paintball” esportivamente. Imediatamente a mente de Hale voltou-se para os dias em
que ele testava a arma disparando as bolinhas na parede da fábrica da Daisy para ver
se elas estouravam. “Eu me lembro da pancada daquelas coisas acertando a parede e
ficando com dó das pobres vaquinhas que poderiam ser acertadas com elas. Nós
nunca imaginamos que pessoas podiam atirar uma contra as outras com essas armas”.
13

Para James Hale só sobrou a patente emoldurada e pendurada na parede de sua


loja de ferramentas. Ele disse que nunca mais mexeu com paintball depois que
deixou a Daisy.
Maio de 1976 ou 1977 – Foi nesse mês de 1976 ou 1977 que Hayes Noel e
Charles Gaines estavam bebendo gim e conversando quando pensaram que poderia
ser divertido começar algum tipo de jogo de abordagem (no sentido policial ou
militar) como um desafio para seus amigos. Eles imaginaram se serem capazes de
sobreviver na floresta é um produto do ambiente ou instinto puro. George Butler viu
uma Nel-Spot num catálogo rural. Bob Guernsey e Hayes Noel escreveram as regras
para aquele primeiro jogo.
Maio de 1981 - O Paintball começa em Henniker, New Hampshire. Os
principais criadores, Bob Gurnsey, Hayes Noel e Charles Gaines discutiram a idéia
de finalmente fazer o jogo deles. A discussão durou anos. O marcador Nel-Spot foi
testado num voluntário, Shelby, filho de Charles, que disse que não machucava
muito.
27 de junho de 1981 – O primeiro jogo: 12 jogadores competindo uns contra
os outros com as Nel-Spot 007s. eles chegaram na casa de Charles no dia anterior.
Bob Jones, um romancista e repórter da Sports Illustrated e um caçador experiente;
Ronnie Simpkins, fazendeiro do Alabama e caçador-mestre de perus; Jerome Gary,
produtor de filmes Nova Iorquino; Carl Sandquist, consultor de New Hampshire;
Ritchie White, morador das florestas de New Hampshire que disse que Hayes podeira
cortar seu pescoço na floresta; Ken Barret, investidor Nova Iorquino com muita
experiência em caça; Joe Drinon, corretor da bolsa de valores de New Hampshire e
anteriormente boxeador; Bob Carlson, cirurgião de Alabama e caçador e Lionel
Atwill, escritor da Sport Afield, caçador e veterano do Vietnã, que teve a
desagradável experiência de liderar missões de reconhecimento no Vietnã,
decididamente num ano péssimo por lá.
As previsões na noite anterior ao jogo? Que os caçadores iriam sair-se bem e
os “garotos da cidade” valiam menos que uma caixa de cervejas.
Atwill era o mais respeitado devido à sua experiência nas Forças Especiais. O
jogo era o “pegue a bandeira” em uma área no campo de 80 acres. Havia 4 bases de
bandeira, cada uma com 12 bandeiras da mesma cor, uma para cada jogador.
Às 10 da manhã o jogo com os jogadores dispostos eqüidistantes em torno do
campo, e cada base de bandeira tinha um juiz com um apito. A cada 15 minutos os
14

juízes apitavam para ajudar os menos aptos a lerem mapas a localizar-se. Resumindo,
o primeiro a ser marcado foi Barret. Ele se rendeu a Gary. Simpkins atingiu Gurnsey
na mão. Carlson acertou cinco pessoas, entre eles Noel quando já tinha três bandeiras
e estava a caminho da quarta. Atwill acertou Gaines na perna, mas não estourou e
Gaines acertou Atwill.
O campeão? Ritchie White. Ninguém nem viu Ritchie em nenhum momento e
ele não disparou nenhuma bola de tinta. Ele rastejou através da floresta de base a
base, pegando as bandeiras assim como uma menina colhe flores no campo.
O jogo foi muito menos espetacular comparado com alguns outros jogos, mas
havia um espírito nesse primeiro jogo que vai ser difícil de acontecer de novo.
O final de semana ferveu de humor, honra, diversão, competição odiosamente
amigável, mas intensa. Esses sentimentos refletiram a disposição dos fundadores do
jogo. – trecho do livro “The Official Survival Game Manual”, 1983.
1982 – Charles Gaines usou como marketing do Paintball o tema “National
Survival Game – NSG” (Jogo nacional de sobrevivência), criando o panitball na
forma geral que temos hoje, abrindo franquias, revendendo marcadores e bolinhas
assim como material promocional .
Também em abril Caleb Strong abriu o primeiro campo comercial em
Rochester, Nova Iorque. A PMI (Pursuit Marketing Inc.) foi fundada para divulgar e
distribuir produtos nunca direto ao público consumidor. A PMI criou parcerias com
distribuidores e lojas para vender seus produtos. Como primeiro marcador eles
fizeram um acordo com a Sheridan e o resultado foi a PM1, uma versão longa com
coronha da PGP. Neste ano também internacionalizou-se o Paintball com o primeiro
campo NSG no Canadá, o London Ontário do Steve Ingles.
1983 – O primeiro campeonato nacional NSG aconteceu em Grantham, New
Hampshire numa fazenda no interior chamada Gray Ledges onde também fica o
restaurante de mesmo nome. Apesar do título, foi na realidade um campeonato
internacional. Dos oito times de 12 jogadores cada, dois eram do Canadá, um de
Ontário e outro de Vancouver.
Esses oito times sobreviveram aos campeonatos regionais antes de chegar até
esse ponto. O jogo de pegar a bandeira numa área florestal de 30 acres foi o campo
de vitória do “The Unknown Rebels” (Os Rebeldes Desconhecidos), time do NSG
London Ontário, mais o prêmio de US$3.000,00. Em segundo foram os “12-Man
Jury” (Júri de doze homens) de Miami, com prêmio de US1.000,00.
15

A revista People (24 de outubro de 1983) anunciou os canadenses como os


primeiros campeões mundiais. Nesse ano também a Sheridan lançou a PG (uma PGP
com tubo lateral). As pessoas começaram então a adicionar manoplas para ação
“pump” nas Nel-Spot para fazer a realimentação mais facilmente, estendendo os
tubos de alimentação, fazendo as primeiras modificações em seus marcadores.
1983/1984 - Foi lançada a Constant air – CA, na verdade o que hoje chamamos
de cilindro (até então só usavam-se os cilindrinhos de CO2 de 12g). Quase que
imediatamente foi proibida para uso em torneios. O argumento foi de que o jogo
deveria ter a supremacia da tática e não do equipamento. Os primeiros loaders
gravitacionais apareceram no final de 1983 feitos de um cotovelos de 45º colado a
um cano de PVC.
1984 – O esporte é introduzido na Austrália sob o nome de “Skirmish Games”.
Também nesse ano o NSG Splatmaster foi o primeiro marcador produzido em massa
especificamente para o paintball.
Antes do Splatmaster os marcadores eram todos equipamentos originalmente
projetados para outro uso e adaptamos para o uso no esporte, fabricado e anunciado
como “The Survival Game”, também conhecido como “National Survival Game”
(NSG). Uma concorrente da Splatmaster foi a Mark 4, produzida especificamente
para o paintball e com razoável sucesso, mas não era comercializado pela NSG.
Caleb Strong da cidade de Buffalo, Nova Iorque, abriu o primeiro campo de
Paintball indoor. A Sheridan lança a PGP adicionando uma manopla pump às
conhecidas PGs.
1985 - O primeiro campo é aberto na Inglaterra. Os campos começam a mudar,
tornando-se menores. Os donos de campo avidamente mudaram os campos de 100
acres com duas horas de duração para jogos mais rápidos em campos menores.
Final dos anos 1980 – A Tippmann inventa a válvula de pinos para cilindros de
CO2. Eles decidem que, para o interesse do esporte, não devem patentear a idéia, de
forma a facilitar que a novidade se tornasse padrão, além de ser bem mais seguro do
que as alternativas caseiras que existiam na época.
1987 – Esse ano marcou o advento da “Action Pursuit Games", uma revista
sobre paintball e “laser tag”. Sai também o primeiro vídeo comercial sobre paintball,
o "The Winning Game".
Em janeiro George A. Skogg, da Nelson Paintball, recebeu a patente da
primeira bola de paintball solúvel em água (até então as bolas eram preenchidas com
16

tinta a base de óleo, lavável com alcatrão apenas). Nesse ano também apareceram os
“barrel plugs”.
1998 – É fundada a IPPA (International Paintball Players Association),
entidade sem fins lucrativos dedicada à educação, crescimento e segurança no esporte
do paintball. Russ Maynard, fundador e editor da APG, levou ao estabelecimento do
limite de velocidade das bolinhas de 300 pés por segundo (fps em inglês).
Até hoje é o valor padrão usado na ASTM (equivalente ao INMETRO) no
paintball.
Nesse ano também o Speedball faz sua estréia no Sat Cong Village, um campo
de paintball no Sul da Califórnia. Também chamado de "arena ball", essa
revolucionária variação do jogo vira um sucesso instantâneo e é rapidamente jogado
em campos de paintball pelo mundo todo. Em 2 de maio Raymond Gong, proprietário
da “Top Gun Paintball Games” funda e legaliza o paintball em Nova Jersey.
1990 - O primeiro torneio a aceitar cilindrinhos de 12 g e cilindros de ar
constante (cilindros normalmente usados hoje em dia) acontece em Nashville, torneio
chamado “Music City Open”, é também o primeiro a permitir o uso de bolas extras e
também o primeiro grande evento sancionado pela IPPA.
No dia 21 de julho é aberto o primeiro campo no Brasil, o Wargames Paintball.
1991 - Tom Kaye (o inventor da Automag) e os funcionários da Air Gun
Designs desenvolvem o primeiro sistema de nitrogênio para paintball de cilindro de
fibra. Ele não foi comercializado pois foi considerado muito perigoso usar nitrogênio
em alta pressão. Hoje em dia deve ser quase impossível ver alguém jogar em torneio
com CO2.
Como fez a Tippmann anteriormente, Tom recusou-se a patentear o novo
sistema de nitrogênio para o bem do esporte, já que achou que era um sistema muito
superior ao do CO2. O paintball começa também na França, Dinamarca e outros
países da Europa.
Novembro de 1992 – A NPPL (National Professional Paintball League) é
fundada em Chicago e o campeonato NPPL Pro-Am Series com eventos pelos EEUU
começa.
1994 – É lançado o primeiro site de paintball na internet, o Warpig Site
Warpig .
1995 - O paintball faz sua estréia na TV a cabo na ESPN com o “1995 World
Championship Games” em Orlando, Flórida. No final desse mesmo ano passa em
17

todos os noticiários o vídeotape de quatro idiotas que saíram na rua dando tiros de
paintball em todos os transeuntes que viam pela frente. Jogadores de paintball do
mundo todo repudiam o caso.
1996 – A Shocker, fabricada pela PneuVentures Inc. e distribuída
exclusivamente pela Smart Parts (patent Oct 19, 1999) é o primeiro marcador
eletropneumático.
2001 - O último ano da PGP até que durou muito. Depois do atentado ocorrido
em 11 de setembro a pressão do uso do termo mais politicamente correto de marcador
em vez de arma aumentou muito nos EEUU. O termo arma trazia um significado
muito negativo para o esporte e preocupava a todos os que estavam torcendo para que
o esporte crescesse cada vez mais.

2.2 EQUIPAMENTOS

O Paintball pode ser jogado de inúmeras maneiras. No entanto, há alguns


pontos fundamentais:

1. Todos os jogadores têm de estar devidamente equipados;


2. Têm de existir e serem cumpridas normas de segurança;
3. As regras do jogo são definidas previamente, podendo existir variações
(vide em anexos).
4. Deverão existir árbitros como todo o desporto.

O equipamento, que pode ser próprio ou alugado, consiste em:

BOLINHAS DE TINTA: é a munição do marcador. São pequenas bolas de


gelatina recheadas de tinta a base de acetona e são biodegradável, lavável e não
tóxica (cerca de 4 gramas).
18

MARCADOR: com pressão de CO2 ou ar comprimido. É utilizado um por


jogador e existem vários modelos e tipos para cada modalidade do esporte. Para os
jogadores iniciantes, os campos alugam marcadores com a pressão devidamente
testada no instrumento, denominado cronógrafo, a fim de garantir a segurança dos
jogadores. Já para o jogo de profissionais, o marcador pode ser próprio, desde que
respeitado os requisitos do campo.

MÁSCARA: Protege todo o rosto do participante do impacto das bolinhas de


tinta e é instrumento indispensável para a prática do paintball, evitando danos à visão
do jogador.
19

COLETE DE PROTEÇÃO: Uso obrigatório para mulheres e crianças. Uma


mais-valia para todos os jogadores.

CARREGADOR (loader): Com capacidade para cerca de 200 bolinhas, é um


acessório indispensável para evitar a falta de munição.
20

LUVAS: Constituem mais uma proteção adicional para os jogadores.


3 A AGRESSIVIDADE

Agressividade, de acordo com Winnicott (1999), envolve sentimentos de amor


e ódio, e é a partir desses sentimentos que constroem-se as relações humanas. A
agressividade disfarçada e atribuída a agentes externos torna difícil compreender
suas origens instintivas e reprimidas. Durante o desenvolvimento, é necessário que a
criança expresse a agressividade através de fantasias e a amadureça nos sentimentos
de amor e ódio, fundamentais para a relação com o outro.
O autor, do seu ponto de vista, acredita que o homem possui um instinto de
agressão desde os primórdios com a luta pela sobrevivência. O que vai diferenciar
um indivíduo do outro é a sua personalidade, a sua formação constituída pelo meio-
social e as suas diferentes peculiaridades culturais.
Para ele, desde os anos iniciais o homem manifesta o comportamento
agressivo para a aquisição dos sentimentos de amor e ódio. Em inúmeras atividades,
a criança brinca de construir e também de destruir, onde esta última ação não a faz
sentir-se desesperada e culpada por isso. A criança destrói magicamente e não comete
nenhuma violência, por enquanto.
Winnicott (1999) destaca três aspectos sobre a agressividade:
O primeiro se refere à voracidade teórica ou um amor-apetite primário, onde o
objetivo do bebê é a satisfação. Para gratificar-se, pode pôr em perigo quem ama. Há
uma conciliação consigo e o encontro de alguma satisfação que evita com que ele
seja perigoso. Frustrado, ele odeia alguma parte de si, a menos que encontre alguém
fora de si mesmo para frustrar e que suporte ser odiado.
O segundo aspecto refere-se ao que pode causar dano daquilo que menos
provavelmente o cause. Os elementos agressivos do apetite podem ser isolados e
poupados para serem usados na hora da fúria e só mobilizados e atualizados quando
para se defender de uma realidade má. Para o autor, existem forças inerentes à
personalidade da criança e que podem ser isoladas de suas muitas expressões
instintivas.
Existem forças boas e más atuando e buscando o predomínio. Quando as
forças destrutivas ameaçam dominar as forças de amor, o indivíduo tem de fazer algo
para salvar-se. Então, extravasa seu íntimo, representando um papel destrutivo,
22

pedindo controle por meio de uma autoridade externa (através do limite). Isso
também pode ser realizado pelo brincar e pelo trabalho.
Winnicott (1999) viu a relação entre o abandono da masturbação e da
exploração sexual, como a propiciadora do vínculo entre a realidade exterior e a
interior e o início do comportamento anti-social. A masturbação e a dramatização são
métodos alternativos e podem falhar. A criança pode achar sua realidade interna
terrível demais em confronto com a realidade externa. Sua fantasia é muito ruim para
ser aceita, não podendo ser usada na sublimação. Faz-se necessário alterar “eus”
internos por novas experiências de incorporação e projeção. Encontrar novas formas
de eliminar a maldade. A criança que chuta bola, dispende energia de agressividade
pelos pés, porque gosta de agredir e dar pontapés. Igualmente, inconscientemente
está expulsando a maldade através dos punhos e dos pés.
O terceiro aspecto se refere ao controle maduro da agressividade, observada
em meninos e adolescentes. Isso motiva a competição em jogos e no trabalho. Se a
agressividade for incontrolável, a lei se encarregará de cuidar disso.

[...] toda a agressão que não é negada e aceita como responsabilidade


pessoal, é fonte de força ao trabalho de reparação e restituição. Não se
deveria neutralizar os impulsos destrutivos, pois na construção da
personalidade, o indivíduo deve ser capaz de drenar cada vez mais o
instintual capacitando-se para reconhecer sua própria crueldade e avidez,
para dominá-las, convertê-las em atividade sublimada. (WINNICOTT,
1999, p.102).

Na vida, como nos esportes, muitas vezes o progresso e a realização dependem


de um nível adequado de agressividade. Por isso a agressividade não é
necessariamente um atributo indesejável da personalidade, basta que ela seja usada
de maneira construtiva e positiva, de acordo com as regras desportivas e culturais,
inerentes ao desporto praticado. No âmbito esportivo, há, portanto, necessidade de se
diferenciar os tipos de agressividade. Pode ocorrer a agressividade no sentido de
combatividade, positiva e sublime, como resultado da lealdade a um valor, a um
nome, à pátria, a um clube, a uma equipe; como também pode ocorrer a agressividade
prejudicial, que viola as regras sociais e desportivas, podendo encaminhar-se para a
agressão e a violência.
Dessa forma podemos compreender a prática desportiva como um espaço para
que, com o cuidado necessário, dê-se a aceitação e integração da agressividade à
personalidade total do indivíduo, resultando em equilíbrio do conjunto de forças
23

destrutivas e construtivas. Portanto, a agressividade será elemento central em sua


capacidade de relacionar-se com os outros (companheiros e adversários), defender
seu território, brincar, possibilitando melhorar o convívio em sociedade. Mas, se não
for integrada, a agressividade poderá ser escondida (timidez, autocontrole) ou ainda
redundar em comportamento anti-social, violência ou compulsão à destruição.
4 JUSTIFICATIVA

Vejo a necessidade de investigar se a prática do esporte Paintball influência no


comportamento violento, pois o esporte prioriza o desenvolvimento cognitivo de cada
sujeito, aperfeiçoando suas capacidades, seu desempenho, melhora sua integração
com os companheiros de equipe e de certa forma melhorando também a auto-estima
e convivência social dos jogadores.
5 METODOLOGIA

Para obter a opinião dos pais dos jogadores elaborei um questionário com seis
perguntas e para os jogadores um questionário com dez perguntas (vide em anexo).

5.1 DESCRIÇÃO DOS SUJEITOS E LOCAL DE ESTUDO

Foram entrevistados pais e praticantes de paintball vinculados ao Campo de


Paintball Dragão Azull, no interior do estado na cidade de Rio Grande-RS
A população entrevistada é constituída de um grupo de integrantes entre
quinze a cinqüenta anos de idade que praticam o esporte paintball freqüentemente, no
devido campo pesquisado.

5.2 INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS

A observação possibilita um contato pessoal e estreito do pesquisador com o


fenômeno pesquisado, o que apresenta uma série de vantagens: é a melhor forma de
verificação da ocorrência de determinado fenômeno, é extremamente útil para
descobrir novos aspectos de um problema e, finalmente, permite a coleta de dados em
situações em que são impossíveis outras formas de comunicação (LÜDKE e ANDRÉ,
1986).
A observação inicialmente deverá ser realizada no local de estudo, o
pesquisador devendo buscar identificar os sujeitos pesquisados, os consensos, os
métodos, os princípios e os fundamentos, os quais, o local pesquisado funciona
realizando a atividade desportiva.
A fim de obter informações sobre a realidade dos indivíduos estudados, a
técnica de observação ocorre quando se estabelece contato direto entre o pesquisador
e o fenômeno observado.
26

Como preconizam Lüdke e André (1986), a técnica de observação possibilita o


contato pessoal e estreito do pesquisador com o fenômeno.
Assim utilizando como instrumento observações dos sujeitos pesquisados
seguido de uma entrevista
6 ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS

Os dados serão analisados conforme as etapas preconizadas por MINAYO


(1994): ordenação, classificação e análise final.
A ordenação dos dados obtidos através do instrumento utilizado, observação e
entrevista deverão ocorrer após releituras sucessivas de todo o material das
observações realizadas, agrupamentos e organização dos registros a partir da reflexão
sobre os objetivos da pesquisa.
A classificação dos dados deverá iniciar-se a partir de tentativas de determinar
o conjunto das informações presentes no instrumento de coleta de dados, sendo
elaborado, a seguir, um resumo dos mesmos conforme o instrumento utilizado,
considerando as convergências e divergências centrais verificadas.
A etapa seguinte da operacionalização dos dados consistirá na análise final e
produzir interpretações.
Três pais de jogadores jovens na faixa etária entre treze e dezessete anos
mantiveram a mesma opinião perante aos questionamentos aplicados, e estes foram
enviados por meio eletrônico (e-mail).
Quanto ao questionário aplicado aos jogadores, totalizando sete, a abordagem
deu-se pessoalmente, no próprio campo de paintball.
Deixo explícito que entreguei o questionário a estes pais dando-lhes total
liberdade de responder o que achavam adequado sem influenciar em resposta alguma.
O roteiro do questionário foi elaborado com perguntas abertas e fechadas.

6.1 DISCUSSÃO DOS DADOS COLETADOS

Hoje em dia vivemos em uma sociedade onde as responsabilidades e


compromissos são maiores que o ser humano pode suportar, pois suas necessidades
pessoais e qualidade de vida tornaram-se cada vez mais difíceis de conquistar. As
dificuldades encontradas tanto relacionadas com a desigualdade social, o alto custo
de vida, a precariedade dos serviços destinados à comunidade, as restritas
perspectivas de mobilidade social, entre diversas outras coisas que são vistas como
28

potenciais motivadores de ações violentas, fazem com que vivamos sobre pressão,
nível de estresse alto, pouco tempo ócio, e isto faz com que os seres humanos
tornem-se sobreviventes.
Darwin denomina a luta pela sobrevivência como luta pela existência apenas
no sentido de que cada organismo luta para se manter, e o faz voluntariamente em
relação a outros organismos. Com a correria do dia a dia, alguns destes sobreviventes
tornam-se violentos em busca de suas necessidades.
A violência é caracterizada pelas leis da sociedade.

(...) 1) tudo o que age usando a força para ir contra a


natureza de alguém (é desnaturar); 2) todo ato de força
contra a espontaneidade, a vontade e a liberdade de alguém
(é coagir, constranger, torturar, brutalizar); 3) todo ato de
transgressão contra o que alguém ou uma sociedade define
como justo e como direito. Conseqüentemente, violência é
um ato de brutalidade, sevícia e abuso físico e/ou psíquico
contra alguém e caracteriza relações intersubjetivas e sociais
definidas pela opressão e intimidação, pelo medo e o terror
(...) (CHAUÍ apud ABRAMOVAY).

Entretanto existem adolescentes que estão prestes a serem aceitos ou não por
esta sociedade, então há a necessidade de realização, de melhorar a auto-estima, estes
acabam afiliando-se a um grupo que supre estas necessidades, sendo estes grupos
construtivos ou destrutivos para o desenvolvimento deste adolescente.Afiliar-se a um
grupo esportivo seja ele qual for já é construtivo para este adolescentes pois desde
cedo já cuidaram de sua saúde.
Conforme as respostas dos pais dos jogadores, obtidas pelas entrevistas (em
anexo), vale destacar a proximidade dos pais com seus filhos, melhorando o
relacionamento familiar, citado pelos PAIS 1, 2 e MÃE 3 quando questionados na
pergunta de número três.
O PAI 2 e a MÃE 3, em resposta a questão seis, percebem que a prática do
paintball possibilita a construção de novas amizades, priorizando o companheirismo
e trabalho em equipe.
Na questão quatro, onde foi abordado o comportamento agressivo após a
prática do paintball, destacam-se as respostas referente ao controle de impulsos e
emoções, disciplina e responsabilidade, onde pode-se verificar que os jogadores não
tornaram-se agressivos, o que desmistifica o paintball como sendo um esporte
violento.
29

A partir da coleta de dados dos jogadores, destacaram-se os seguintes pontos:


Todos os jogadores entrevistados são praticantes de outros esportes, e a grande
maioria dos jogadores são ainda jovens na faixa etária abrangendo vinte a trinta anos.
Entre os motivos que levaram os jogadores a prática deste esporte estão a adrenalina,
condicionamento físico, o controle emocional, a superação dos limites, o aumento do
raciocínio e a atenção, além do convívio em sociedade.
A partir da prática do painball, houveram repercursões na saúde destes
jogadores como o aumento da disposição e melhoria no condicionamento físico,
equilíbrio emocional e um maior poder de concentração nas tarefas esecutadas.
Do ponto de vista sobre o paintball estar diretamente relacionado com um
corportamento violento do jogador, ficou claro que não há influência, pelo contrário,
o esporte ajuda a disciplinar o indivíduo e ainda pode ser usado como forma de
aliviar o estresse diário. O jogador 5 ainda comenta que a violência está na mente de
cada pessoa, e não no esporte em si.
Para os entrevistados, o paintball também é um meio de ajudar no controle da
agressividade, pois ele age como uma espécie de catalisador e torna os jogadores, em
sua maioria, pessoas mais calmas, auxiliando na convivência com outros indivíduos.
E de uma maneira geral, este esporte faz bem tanto para o corpo como para a
mente, conforme verificado nas respostas dos jogadores (vide em anexo), inclusive
transformando os jogadores em pessoas mais dedicadas, mais concentradas e
tornando estes indivíduos mais organizados no dia-a-dia, além, claro, de ser uma
opção a mais de lazer.
7 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Ao propor um trabalho sobre a influencia do esporte paintball no


comportamento violento dos jogadores, procurei abordar as verdadeiras
causas,definindo violência e agressividade, investigando a opinião dos jogadores
sobre este assunto com entrevistas.
De acordo com a busca de dados, analise e discussão, percebo que além da
importância do esporte paintball como atividade física melhorando o
condicionamento físico, raciocínio lógico, liberação de adrenalina, construção de
novas amizades é mais uma opção de lazer para as famílias assim sendo uma forma
de melhor convívio social.
Destaco que o ser humano têm a total liberdade de expressão e escolha,
conforme a Declaração Universal de Direitos Humanos, artigo XIX : Toda pessoa
tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem
interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias
por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.
Baseado nas pesquisas e relatos aqui documentados, defendo minha opinião
que na atualidade com os conflitos sociais e peculiaridades culturais existentes, a
prática do esporte paintball possibilita o uso da agressividade de forma construtiva,
dentro deste ambiente, sendo assim o jogador não usa de comportamentos violentos
perante aos padrões sociais.
REFERÊNCIAS

BERBEL, Neusi Aparecida Navas (Org.). Conhecer e intervir. O desafio da


Metodologia da problematização. Londrina: EDUEL, 2001, 184 p.

COBRAS, Rubem Queioz. Doutor em Geologia e bacharel em Filosofia. Disponível em:


<http://www.cobra.pages.nom.br/ecp-psicanalise.html >. Lançada em 21/04/2003 )

Disponível em: <http://www.paintballbrasil.com.br>. Acesso em: 23 setem. 2007.

KEPPE, Rosana Luiza Destro. Tendencia Anti-Social: A Compreensão Dos Pais


Sobre A Agressividade de Seus Filhos. Disponível em: <www.judobrasil.com.br >.

LORENZ K. A Influencia de Filmes Violentos em comportamentos agressivo de


Crianças e Adolescentes. [ORG] Paula Inez Cunha Gomide. Disponível em:
<www.scielo.br >.

LORENZ, K. Agressão. Portugual: Martins Fontes. 1966.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens


qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa


em saúde. São Paulo: Hucitec, 1992. 269p.

MINAYO, Maria Cecília De Souza. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa


Qualitativa em Saúde. 3.ed. São Paulo-Rio de Janeiro: HUCITEC-ABRASCO. 1994.
269p..

WINNNICOTT, D. W. Privação e Deliquencia. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

WINNNICOTT, D.W. Tudo começa em casa. São Paulo: Martins Fontes,1999.


ANEXOS
33

ANEXO 1: 3 REGRAS DO JOGO

Segue neste as regras básicas do jogo para iniciantes e detalhadamente, para


esclarecer de qualquer duvida, para jogadores profissionais usadas em torneios e
competições mundiais. De acordo com o site <www.brasilpaintball.com.br >.
acessado em outubro de 2007.

REGRAS BÁSICAS PARA UM JOGO DE INICIANTES

1. Cada game dura 10 minutos. Durante o tempo da locação do campo, serão


feitos diversos games, não se preocupe se você for atingido logo no
começo de um game, você voltará no próximo.
2. O objetivo do jogo é retirar a bandeira instalada no centro do campo,
colocá-la na base do adversário e eliminar o maior número de jogadores
possíveis.
3. O time que fizer a primeira "pegada"de bandeira, recebe 10 pontos. A
colocação da bandeira na base adversária vale 35 pontos e cada jogador
que o seu time eliminar vale 3 pontos. Cada jogador eliminado do seu time
vale 2 pontos negativos.
4. O jogador não pode atirar depois de atingido. Após atingido, o jogador deve
retirar-se imediatamente do campo sem qualquer comunicação com seus
companheiros de time.
5. Para checar se você realmente atingiu determinado jogador, chame o
RANGER ( os caras de roupas coloridas no campo) e peça PAINTCHECK.
Se você foi atingido e não tem certeza se a bolinha estourou, chame o
RANGER e peça para ele te checar.
6. Não é permitido atirar deliberadamente em direção aos espectadores ou para
cima.
7. Nunca retire a máscara durante o jogo. Se você tiver algum problema
durante o jogo, levante a mão e chame o RANGER.
8. É expressamente proibido pegar bolas do chão e colocar nos marcadores.
Uma vez atirada, as bolas não tem resistência para um segundo disparo e a
sujeira pode estragar o marcador.
34

REGRA PROFISSIONAIS

1. Organização
1.1. Informação
1.2. Juizes
1.3. Identificação de jogador
1.4. Passes para o evento
2. Estrutura
2.1. Classe do Jogadores
2.2. Classe de Times (Equipes)
2.3. Integrantes de Time
2.4. Ranking
2.5. Distribuição
2.6. Estrutura do Torneio
3. Equipamento
3.1. Novas regras de equipamento
4. O jogo
4.1. Campo de jogo
4.2. Status do jogador
4.3. Ocupação, posse e troca
4.4. Bandeiras, portadores, posse e colocação
4.5. Apresentação para o jogo

RESUMO DAS ALTERAÇÕES NAS REGRAS

CARTÕES DE IDENTIFICAÇÃO E AUTORIZAÇÃO

Nenhum jogador será admitido no campo sem seu cartão de identificação ou


Autorização por nenhum motivo*.

POSIÇÃO DE INÍCIO

A posição de início é com seu cano tocando a estação de saída.


35

JOGADORES ELIMINADOS

Jogadores ativos são os jogadores que estão em jogo.


Jogadores inativos são os que estão fora do jogo, mas que não sabem disso.
Por exemplo, jogadores que “queimam”a saída (saem antes do aviso do juiz), pisam
ou colocam parte do corpo fora dos limites do campo, ou que tenham um tiro não
obvio. Suas ações não contam e eles serão eliminados por un juiz, mas não serão
penalizados por continuar jogando.
Jogadores eliminados estão for a do jogo e devem saber que estão fora.
Exemplos incluem jogadores com tiros óbvios, jogadores sem máscara e jogadores
eliminados por um juiz. Jogadores eliminados serão penalizados por não se dirigirem
imediatamente ao Dead Box.

TIROS ÓBVIOS E NÃO ÓBVIOS

Qualquer coisa que o jogador deveria ter sentido, visto ou ouvido de acordo
com a interpretação do juiz, é óbvia. Geralmente, tiros na parte de trás do cinto do
jogador não são obvios. Todos os outros tiros são obvios. Tiros na cabeça, corpo,
braços, mãos e pernas são sempre óbvios.

CONTINUAR JOGANDO

Jogadores que estiverem eliminados deverão colocar a mão ou marcadora


acima da cabeça e sair imediatamente em direção ao Dead Box. A falha no
cumprimento desta regra resultará em penalidade maior. A única exceção é que o
jogador que tenha tiros óbvios más que não pode checar-se sozinho podem pedir
paint-check, PORÉM, se um jogador com tiro óbvio atira, avança, se comunica, ou de
qualquer outra forma continua jogando com um tiro obvio, este será penalizado
MESMO QUE tenha pedido paint check. Pedir paint check NÃO impede que o
jogador seja penalizado por continuar jogando com tiro óbvio.
Um jogador eliminado que continuar jogando pode receber penalidades
maiores ADICIONAIS para cada oponente em que ele atirar, acertando ou não o tiro.
36

LIMPAR

Remover um tiro, com a mão, escorregando, esfregando no bunker ou de


qualquer outra forma, é limpar. Jogadores que foram atingidos e continuarem jogando
após o tiro ter sido removido, ou que tentarem disfarçar ou remover um tiro, serão
penalizados por limpar.

PENALIDADES

Menor: Jogadores ativos que receberem uma penalidade menor serão


eliminados. Jogadores inativos ou eliminados que receberem uma penalidade menor
terão um colega de time eliminado.
Maior: (1-for-1) O jogador recebendo a penalidade e um jogador adicional
sendo eliminado.
Alta: (3-for-1) O jogador recebendo a penalidade e 3 colegas de time
adicionais sendo eliminados.
Em todos os casos, se não houver jogadores ativos suficiente para se efetivar a
eliminação e cumprir a penalidade, serão deduzidos pontos do time: 10 pontos para
penalidades menores, 20 para penalidades maiores e 20 pontos por jogador a menos
de 3 até o máximo de 50 pontos para penalidades grandes.

EQUIPAMENTO

Equipamentos descartáveis: Bolas, “pods”, “squeegees” e baterias.


Equipamentos não descartáveis: Todo o resto.
Jogadores podem descartar “equipamentos descartáveis”. Jogadores devem
manter a posse (controle físico, ou estar até 1 metro ou o bunker estar dentro da
distância de 1,00 m.) de todos os outros equipamentos. Jogadores *NÃO* podem
tomar posse de nenhum equipamento não descartável que não estivesse em seu poder
no início do jogo, ou de equipamentos descartáveis que não estivessem em poder do
seu time no início do jogo, com exceção da bandeira.
37

FIM DO JOGO

Os jogadores eliminados não podem sair do “Dead Box" até que sejam
autorizados por um juiz. Jogadores ativos devem dirigir-se à sua base para serem
contados como vivos pelo juiz máximo.

DEFINIÇÕES

Um “time” é um grupo de jogadores afiliados, acompanhantes ou outras


pessoas agindo em seu nome.
“Integrantes” é a lista de pessoas registradas em um time. Apenas integrantes
de um time podem agir em nome deste time.
“Jogador” é o integrante registrado como jogador. Cada time deverá manter 3
jogadores titulares durante todo o circuito sem trocar, a fim de caracterizar o time
como tal. Caso o time resolva substituir mais que 2 de seus jogadores titulares, não
poderá manter o nome do time e os pontos recebidos nesta etapa serão creditados ao
novo time que se formou.
“Acompanhante” é a pessoa ou pessoas registrada na lista de Integrantes como
acompanhante do time.
“Pessoa Filiada”é a pessoa agindo em nome de um time com permissão ou
conhecimento de um jogador ou acompanhante daquele time.
“Jogar” significa tentar participar de um jogo, inclusive registrando-se como
jogador antes de um jogo, usando tarja de braço no campo, ou estando na posição de
início no começo do jogo.
1. Organização
1.1. Informação:
1.1.1. Estas regras estão de acordo com a versão oficial das Regras do Circuito
Sul-Americano de Paintball.
1.1.2. Um time e seus jogadores são responsáveis por aprender e entender
estas regras, assim como ficar atentos a mudanças nestas regras.
1.1.3. Haverá uma reunião de capitães antes do início dos jogos. O propósito
desta reunião é fornecer informações aos capitães de times referente à organização,
administração e regras adicionais vigentes no evento.
38

1.2. Juizes:
1.2.1. Cada Juiz Principal de um campo é a autoridade máxima daquele
campo.
1.2.2. O Juiz Máximo é a autoridade máxima no evento.
1.2.3. Qualquer decisão do Juiz Máximo é final.
1.3. Identificação do Jogador:
1.3.1. O nome no cartão de identificação do jogador deve ser o nome legal
deste jogador e qualquer outra informação no cartão deste jogador deve ser correta.
Jogadores que usarem ou tentarem usar um cartão de identificação com informações
incorretas receberão suspensão maior.”
1.3.2. Jogadores que utilizarem documentos falsos serão denunciados às
autoridades.
1.3.3. Se o organizador do torneio decidir pela utilização de dispositivos de
identificação, qualquer pessoa que jogar sem este dispositivo receberá uma
penalidade alta.
1.4. Passes para o Evento:
1.4.1. Somente pessoas com Passes de Autorizaç ão poderão entrar nos campos
de jogos, mediante autorização do juiz ou organização. Qualquer pessoa que entrar
no campo sem permissão será penalizada, sendo que esta penalização se aplicará ao
time a que estiver relacionada.
2. Estrutura
2.1. Classe de Jogadores:
2.1.1. Será considerado jogador INICIANTE:
2.1.1.1. Jogador de paintball há menos de 02 anos.
2.1.1.2. Jogador de paintball que NUNCA jogou um torneio de Speedball ou
Sup Air Ball.
2.1.1.3. Jogador que não se classificou até o 8o. lugar em torneios Open
realizados pela Mercenários.
2.1.1.4. Jogador que participou em torneio amador do ano anterior e se
lassificou entre os 3 primeiros, não será considerado iniciante.
2.2. Classe de Times:
2.2.1. Um time INICIANTE só poderá ter no máximo 1 jogador da categoria
Open.
2.3. Integrantes de Times:
39

2.3.1. Um time de 5 homens pode incluir até 7 jogadores.


2.3.2. Qualquer time poderá adcionar jogadores em sua lista até o total de 7
antes do início do primeiro jogo.
2.3.3. Qualquer time poderá retirar jogadores de sua lista até o início do
primeiro jogo.
2.3.4. Uma pessoa não poderá constar na lista de mais de um time no mesmo
torneio.
2.3.5. Uma pessoa cujo nome legal não coincida com aquele constante na lista
de um time não fará parte da lista de jogadores daquele time.
2.3.6. Qualquer time que jogar com uma pessoa que não consta na lista
daquele time será retirado do torneio.
2.3.7. Um jogador suspenso que tentar jogar enquanto suspenso receberá uma
uspensão maior que se iniciará ao término da suspensão corrente.
2.3.8. Qualquer time que incluir em sua lista um jogador suspenso será
retirado do torneio.
2.4. Ranking:
2.4.1. Os times receberão os pontos do ranking do circuito baseados em sua
classificação em cada etapa como segue:

• 100 pontos para o campeão


• 92 pontos para o segundo lugar
• 86 pontos para o terceiro lugar
• 80 pontos para o quarto lugar
• 72 pontos para o quinto lugar
• 68 pontos para o sexto lugar
• 64 pontos para o sétimo lugar
• 60 pontos para o oitavo lugar
• 50 pontos para o nono lugar
• 49 pontos para o décimo lugar
• 48 pontos para o décimo primeiro lugar e vai baixando de um em um o
número de pontos de maneira inversamente proporcional à classificação.
40

2.4.2. O Circuito está divido em 3 grupos

• Grupo 1: Equador e Venezuela


• Grupo 2: Chile e Peru
• Grupo 3: Brasil e Argentina

2.4.3. Cada time deverá jogar uma etapa em cada grupo, sendo que caso a
equipe opte por jogar mais etapas, poderá descartar a etapa onde obtiver menos
pontos dentro de um mesmo grupo.
2.4.4. Nenhum time receberá frações de pontos. Todas as frações serão
arredondadas para baixo. Ex.: 50,9 = 50.
2.4.5. Se houver um empate nos pontos do ranking, o time que tiver obtido
mais pontos nas rodadas finais do evento em questão ficará em melhor posição.
2.4.6. Se o empate persistir após a primeira tentativa de desempate, o time que
tiver obtido mais pontos nas semi-finais no evento em questão obterá a melhor
classificação.
2.4.7. Se o empate persistir após a segunda tentativa de desempate, o time que
tiver obtido mais pontos na rodada preliminar do evento em questão obterá a melhor
classificação.
2.4.8. Se o empate persistir após a terceira tentativa de desempate, o time que
tiver obtido melhor classificação no torneio anterior ficará em melhor posição.
2.4.9. Se o empate persistir após a quarta tentativa de desempate, o time que
vier primeiro na ordem alfabética obterá a melhor classificação (nomes de times
precedidos de artigos em qualquer idioma serão classificados de acordo com o
artigo).
2.5. Distribuição:
2.5.1. Os times serão distribuídos em chaves por sorteio realizado pela
organização de cada torneio, diante de representantes dos times interessados em
presenciar o sorteio. Na medida do possível será evitada a colocação de times do
mesmo país ou estado na mesma chave, observando-se que em determinados casos
isso é impossível devido ao número de times de cada região.
41

2.5.2. As chaves das semi-finais serão montadas através de sorteio realizado


pela organização no local do torneio com a presença dos capitães dos times semi-
finalistas
2.5.3. Os 4 times finalistas jogarão entre si e a classificação final será de
acordo com a soma desta pontuação.
2.6. Estrutura do Torneio:
2.6.1. A estrutura de Semi-Finais e Finais de cada torneio será decidida pela
organização do CSP conforme o número de times de cada torneio, de modo a
proporcionar sempre um evento competitivo, interessante e divertido.
2.6.2. Em caso de empate entre os times na pontuação do torneio, o critério de
desempate será a competição cabeça-a-cabeça (resultado do ultimo jogo entre estes
times naquele torneio).
2.6.3. Em caso de persistência do empate, vencerá o time que tiver tido menos
eliminações naquela rodada de jogos.
2.6.4. Em caso de persistência do empate, vencerá o time que tiver tido menos
eliminações na rodada anterior.
2.6.5. Caso não seja possível desempatar através das eliminações em nenhuma
das rodadas, haverá outros jogos entre os dois times até que se tenha um vencedor.
2.6.6. No final de cada torneio será calculada a média dos pontos obtidos por
cada equipe. Em caso de empate nos pontos do ranking no final do Circuito, as
médias obtidas nos tres torneios (um de cada grupo) serão somadas e divididas por 3,
para que se obtenha a média de pontos no circuito. A equipe que tiver pontos mais
altos vencerá.
3. Equipamentos:
3.1. Vestuário:
3.1.1. Um jogador deve usar pelo menos uma camada de roupa no corpo, raços
e pernas.
3.1.2. Nenhuma parte do jogador poderá estar coberta por mais de 2 camadas
de roupa.
3.1.3. Quilting é duas camadas de roupa costuradas uma na outra. Quilting
onta como 2 camadas de roupa na área em que estiver costurada.
3.1.4. Qualquer camada de roupa que seja mais espessa do que uma camiseta
100% algodão normal será considerado “acolchoado” (padding).
42

3.1.5. Os jogadores não podem usar roupas demasiadamente largas. A roupa


está grande demais quando se juntá-la bem apertada ao corpo a parte de sobrar passar
de 15 cm.
3.1.6. Jogadores não podem usar roupas feitas de material altamente
absorvente ou escorregadio, como feltro, toalha, nylon ou borracha.
3.1.7. Jogadores podem usar um chapéu, boné ou bandana, exceto se o chapéu,
boné ou bandana tiverem isdo alterados na forma original do fabricante e não podem
descer mais que 15 cm. Abaixo do colarinho ou linha do ombro.
3.1.8. Jogadores podem usar um par de meias. As meias não podem chegar até
o joelho e não podem ser costuradas duplas ou acolchoadas. Meias contam como uma
camada de roupa.
3.1.9. Jogadores podem usar um par de sapatos. Os sapatos não podem ser
modificados em sua forma original de fábrica e não podem conter cravos de metal ou
objetos perfurantes.
3.1.10. Jogadores que usarem vestimentas ilegais sofrerão penalidade alta.
3.1.11. Tanto o juiz principal como o juiz máximo podem proibir determinado
item de vestimenta. Esta ação pode sofrer apelação para o juiz máximo.
3.2. Equipamento de Proteção:
3.2.1. Jogadores devem usar sistema completo de máscara que atenda as
especificações da ASTM, e que esteja em bom estado de conservação e sem nenhum
dano que comprometa sua habilidade de proteger o jogador. Pessoas que falharem no
uso de máscara nas áreas designadas para uso da mesma, incluindo o campo de jogo,
receberão uma penalidade menor(*). *Note que se um jogador ativo retira sua
máscara intencionalmente no campo de jogo ele está automaticametne eliminado e
um colega de time será retirado do jogo como penalidade. Eliminação NÃO é
penalidade, sendo assim, o jogador que se elimina desta forma não está sendo
penalisado, daí o motivo da eliminação de seu colega de time como penalidade.
3.2.2. Materiais não podem ser retirados da forma original do fabricante. Itens
que não sejam acolchoados ou de material absorvente podem ser adicionados desde
que não afetem a capacidade da máscara de proteger o jogador.
3.2.3. Jogadores devem usar máscara que proteja todo o rosto com as lentes,
da forma que este sistema é vendido pelo fabricante.
3.2.4. Jogadores devem usar protetores de orelha próprios da máscara,
conforme vendido pelo fabricante.
43

3.2.5. Jogadores podem usar uma camada de protetores acolchoados de


cotovelo, ante-braço, joelho e canela desde que esta proteção não tenha sido
modificada em sua forma original de fábrica.
3.2.6. Os jogadores podem usar um único par de luvas. Luvas não podem ter
materiais adicionados à sua forma original.
3.2.7. Jogadores podem usar protetor de pescoço de neoprene de uma única
camada com no máximo 0,5 cm. de espessura.
3.2.8. Homens poderão usar protetores genitais e mulheres poderão usar
protetores peitorais.
3.3. Marcadoras:
3.3.1. Jogadores podem levar uma marcadora calibre .68, pump ou semi-
automática que inclua um único cano e um único gatilho.
3.3.2. Marcadoras cobertas cobertas total ou parcialmente com material
absorvente ou acolchoado são ilegais.
3.3.3. Gatilho é uma alavanca móvel que faz com que a marcadora atire
quando uma força é aplicada diretamente sobre este gatilho em um vetor paralelo ao
plano vertical da marcadora (*). Uma marcadora que pode atirar de qualquer outro
modo é ilegal. * Elas podem atirar se e somente se o gatilho for puxado e não devem
atirar quando sofrerem uma pancada, queda, ou se o jogador espirrar sobre ela.
3.3.4. Um protetor de gatilho que esteja inalterado de fábrica deverá proteger
o gatilho da marcadora.
3.3.5. Uma marcadora deve atirar no máximo 15 tiros por segundo (*). * A
cadência será medida pelo menor tempo entre os tiros. Jogadores cujas marcadoras
não têm componentes eletrônicos e não atiram mais que um tiro por puxada e soltura
do gatilho não serão penalizadas. (se você tem uma arma mecânica e seu gatilho é um
pouquinho mole mas você nunca atira mais que 65 ms. entre tiros você está OK. Se
você tiver uma marcadora mecânica com gatilho “bouncy” e exceder a 15 tiros por
segundo, então você será penalizado.
3.3.5.1. Um jogador no campo de jogo durante um jogo cuja marcadora atire
mais de uma bola a cada 60 milisegundos receberá uma penalidade alta.
3.3.5.2. Um jogador no campo de jogo durante um jogo cuja marcadora atire
mais de uma bola a cada 65 milisegundos receberá uma penalidade menor.
3.3.5.3. Um jogador que levar para o campo de jogo uma marcadora que possa
atirar mais de um tiro a cada 60 milisegundos receberá uma penalidade alta e uma
44

suspensão menor (*). * Marcadoras serão checadas antes/depois dos jogos. Não
haverá penalidade nesta regra se a única maneira de fazer a arma atirar mais que 16,7
tiros por segundo for puxando o gatilho mais rápido que isto. Esta penalidade é
adicionada a qualquer outra penalidade em jogo, mesmo a outras penalidades por
cadência de tiro,podendo o jogador receber penalidade alta adicional.
3.3.6. Uma marcadora não poderá atirar mais que 3 bolas por soltura de
gatilho e não mais que 3 tiros entre cada puxada do gatilho. O jogador que levar a
marcadora para o campo de jogo que atire mais que três tiros por puxada e soltura do
gatilho, ou mais que três tiros entre duas puxadas do gatilho receberá uma penalidade
alta e uma suspensão menor.
3.3.7. Uma marcadora que ficou sem atirar por um segundo não pode atirar
mais que um tiro por puxada e soltura do gatilho até que a arma tenha atirado 3
vezes. Um jogador que levar uma marcadora para dentro do campo que atirar mais
que um tiro por puxada e soltura do gatilho antes que a marcadora tenha atirado três
vezes receberá uma penalidade alta e uma suspensão menor.
3.3.8. Uma marcadora com regulagem, seja ela mecânica, pneumática ou
eletrônica, que possa ser ajustada sem o uso de ferramentas para que possa operar de
forma ilegal, é ilegal. Um jogador que operar botões, switches, válvulas ou outro
dispositivo ajustável na marcadora no campo de jogo sem a permissão de um juiz
receberá uma penalidade menor. O time do jogador que operar operar botões,
switches, válvulas ou outro dispositivo ajustável na marcadora no campo após ter
sido instruído para entregar a marcadora a um juiz ou à organização ou antes de ter
sido instruído a fazer isso receberá uma penalidade alta e o jogador receberá uma
penalidade menor.
3.3.9. Canos de marcadoras podem ser equipadas com furos (riflados), mas
nãopodem ter silenciadores acoplados ou como parte integrante do cano.
3.3.10. Uma marcadora com qualquer válvula, câmara de expansão, ou outro
item ou dispositivo exceto um cano ou sistema de ar rosqueável que possa ser
ajustada no campo para aumentar ou diminuir a velocidade sem o uso de ferramentas
é ilegal.
3.3.11. Qualquer pessoa que possua uma marcadora conectada a uma fonte de
ar que não tenha um barrel sock devidamente colocado na ponta do cano não estando
no cronógrafo sendo cronografado e que não esteja no campo de jogo durante o jogo
ou imediatamente após o término do jogo, sofrerá uma penalidade menor.
45

3.3.12. Nenhuma marcadora ilegal é permitida em campo. Jogadores portando


uma marcadora ilegal no campo receberá uma penalidade menor. Um jogador
portando uma marcadora ilegal no campo após ter sido informado da ilegalidade por
um juiz sofrerá uma penalidade alta.
3.3.13. Qualquer jogador cuja marcadora tenha sido modificada em sua forma
original de fábrica para disfarçar seu modo de operação ou par permitir que um
jogador altere o modo de operação em campo sem o uso de ferramentas receberá uma
suspensão alta.
3.3.14. Uma marcadora poderá ser confiscada pelo juiz máximo para inspeção
a qualquer momento e pode ser mantida empoder da organização por até três dias
após a conclusão do evento.
3.4. Bolas de Tinta
3.4.1. Jogadores podem carregar qualquer número de bolas.
3.4.2. As bolas devem ser totalmente solúveis em água.
3.5. Outros Equipamentos:
3.5.1. Jogadores podem carregar um sistema de ar ou CO2 , incluindo o tanque
conectado à marcadora, ou qualquer número de cilindros de 12 gramas de CO2
descartáveis. Sistemas de ar ou CO2 podem ter capas de neoprene ou plástico, desde
que esta capa não tenha sido alterada na sua forma original de fábrica.
3.5.2. Jogadores podem carregar qualquer número de pods e squeegees, mas
nenhum pod que seja acolchoado ou absorvente.
3.5.3. Jogadores podem carregar um loader (hopper). Estes não poderão estar
cobertos com material absorvente ou acolchoado.
3.5.4. Jogadores podem carregar qualquer quantidade de baterias.
3.5.5. Jogadores podem carregar um cinto porta-pods e/ou tanque.
3.5.6. Jogadores podem carregar uma mangueira conectando o sistema de ar à
marcadora.
3.5.7. Jogadores devem carregar um barrel sock.
3.5.8. Jogadores podem carregar um dispositivo de contagem de tempo.
3.5.9. Adesivos podem ser colocados nos equipamentos – menos no sistema de
ar. O juiz pode pedir que o adesivo seja retirado caso julgue que este poderá interferir
com sua habilidade de arbitrar.
46

3.5.10. Jogadores podem carregar ou usar items que sejam feitos


necessariamente para uma condição médica ou para proteger um ferimento existente,
desde que tais objetos não sejam desnecessariamente acolchoados ou absorventes.
3.6. Equipamentos Proibidos:
3.6.1. Qualquer vestimenta ou equipamento não expressamente permitido pelas
regras é proibido, a menos que permitido pelo Juiz Máximo. Jogadores flagrados
usando no campo roupas ou equipamentos proibidos sofrerão penalidade alta.
4. O Jogo:
4.1. Campo de Jogo:
4.1.1. Os campos de jogo serão cercados com tela de proteção e não poderão
conter pedras ponteagudas, buracos fundos ou obstáculos que possam causar
ferimentos nos jogadores e juizes.
4.1.2. Os obstáculos serão distribuidos de forma simétrica a partir do meio do
campo.
4.1.3. Os campos de jogo terão 2 bases de saída opostas, dentro do campo,
com aproximadamente 2 metros de largura paralelas às linhas de fundo.
4.1.4. Os times terão permissão para andar os campos antes do início do
torneio e nos intervalos de almoço (quando houver).
4.1.5. Qualquer pessoa que intencionalmente alterar o campo sofrerá uma
suspensão menor.
4.1.6. Qualquer time cujo jogador, afiliado, ou acompanhante alterar o campo
de jogo será retirado do torneio.
4.2. Status do Jogador:
4.2.1. Jogador “ativo” é qualquer jogador cujo cano da arma estava tocando a
base de saída no início do jogo e que não se tornou inativo ou eliminado após este
início.
4.2.2. Jogador “inativo” é o jogador que não foi eliminado e que não estava com o
cano da arma encostado na base de saída no início do jogo; ou saiu fora dos limites
do campo; ou tem um tiro não óbvio; ou que tenha perdido a posse de equipamentos
não descartáveis; ou que não esteja usando a tarja de braço no braço esquerdo em
plena vista; ou que tenha passado entre dois obstáculos que estavam em contato
físico (encostados). Um jogador inativo será eliminado pelo juiz. * Um jogador
inativo não é obrigado a saber que está nesta condição.
47

4.2.3. Jogador “eliminado” é um jogador com tiro óbvio; ou que não estava no
campo de jogo quando do início do jogo; ou que tenha sinalizado sua eliminação
removendo ou perdendo sua máscara, dizendo “atingido”, ou “fora” (ou equivalente),
levantando a arma ou a mão aberta sobre a cabeça, removendo sua tarja de braço, ou
colocando o barrel sock ou barrel plug no cano; ou que tenha sido eliminado por um
juiz.
4.2.4. Sob nenhuma circunstância um jogdor eliminado por um juiz poderá se
tornar inativo ou ativo; ou um jogador tornado inativo se tornar ativo.
4.3. Ocupação, Posse e Troca:
4.3.1. Um jogador ocupa um obstáculo ao estar a menos de um metro dele.
Mais de um jogador podem ocupar o mesmo obstáculo.
4.3.2. Equipamento em controle físico de um jogador (*), ou que estivesse em
controle físico de um jogador no início do jogo, é possuído por este jogador, exceto
por squeegees, pods e bolinhas, e que deixem o controle físico deste jogador, e
exceto qualquer outro equipamento que fique separado do jogador por mais de um
metro dele ou do obstáculo que ele ocupa, e exceto equipamento que esteja em
controle físico de outro jogador ou de um juiz (**). * Simplesmente tocar um objeto
não estabelece contato físico. Geralmente, qualquer equipamento que avança com o
jogador quando este avança pode ser considerado sob controle físico do jogador. Isto
inclui os obstáculos – então, se você mover um obstáculo porque acidentalmente se
chocou contra ele, você está em jogo, mas se você intencionalmente mover um
obstáculo, você está eliminado. ** Se você começar o jogo com uma coisa, ou pegá-
la, você a possui até que a largue (pods, squeegees e bolas) ou até que esteja a mais
de um metro do objeto (outros equipamentos), então você pode derrubar algo a um
metro de um obstáculo grande e jogar na outra ponta deste obstáculo.
4.3.3. Jogadores devem manter a posse (controle físico, ou estar até 1 metro ou
o bunker estar dentro da distância de 1,00 m.) de todos os outros equipamentos.
Jogadores *NÃO* podem tomar posse de nenhum equipamento não descartável que
não estivesse em seu poder no início do jogo, ou de equipamentos descartáveis (*)
que não estivessem em poder do seu time no início do jogo, com exceção da
bandeira. * Descartáveis = pods, squeegees e bolas. Portanto, Marcadoras, loaders,
ou qualquer outro equipamento não especificado aqui como “descartável” não poderá
ser passado nem mesmo apra oputro jogador do mesmo time.
48

4.3.4. Jogadores que perderem a posse de qualquer equipamento durante o


jogo que não seja pods, squeegees ou bolas, receberão uma penalidade menor (*),
exceto que um juiz pode pegar o equipamento de um jogador e um jogador eliminado
pode descartar seu equipamento for a dos limites do campo. * Uma vez que você
perde a posse de qualquer equipamento (exceto pods, squeegess e bolas), você está
eliminado. Se você estiver eliminado e perder a posse de qualquer um de seus
equipamentos antes de sair do campo um de seus colegas de time será eliminado. Isto
também significa que você não pode trocar nada além de pods, squeegees e bolas. O
jogador que der o equipamento será eliminado por descartá-lo e o jogador que o
receber será eliminado por ter mais equipamento do que deveria.
4.3.5. Jogadores que perderem a posse de qualquer equipamento que tenha um
tiro válido, exceto equipamento tomado por um juiz, reberá uma penalidade alta.
4.4. Bandeiras, Portadores, Posse de Bandeira e Colocação:
4.4.1. A posse de bandeira ocorre na primeira vez durante o jogo em que um
jogador ativo toma posse da bandeira (*). * Se for determinado que um jogador não
estava ativo na hora em que pegou a bandeira, a posse não será dada,
independentemente de quando esta determinação tiver sido feita. Por exemplo, se
todos os jogadores de um time tiverem sido eliminados e então um jogador do time
oposto pega a bandeira e descobre-se que ele tenha um tiro quando vai colocar a
bandeira na base, a posse não valerá. Se um colega de time pode então pegar
novamente a bandeira e colocá-la, então serão creditados os pontos de posse e
colocação. Se um juiz não tiver certeza de que o jogador estava ativo na hora da
posse, os pontos de posse não serão creditados. Por exemplo, se un jogador toma
posse da bandeira sob fogo e o juiz não consegue determinar se o jogador recebeu o
tiro antes ou depois de pegar a bandeira, ele assumirá que o jogador foi acertado
antes. Desta forma, convém ao jogador pegar a bandeira, proteger-se e ser checado o
mais rápido possível.
4.4.2. O jogador que esconder ou tentar esconder a bandeira da plena vista
reberá uma penalidade menor.
4.4.3. Se um jogador for eliminado enquanto for portador da bandeira, ele a
deixará cair no ponto de eliminação. Um juiz poderá pendurá-la no obstáculo mais
próximo.
4.4.4. A bandeira é colocada quando um jogador tocar com ela uma base de
saída (*). * Os pontos de colocação são creditados à base e não ao jogador que a
49

coloca, então um jogador pode dar os pontos de colocação ao seu oponente caso
coloque a bandeira na base errada.
4.4.5. Se a Bandeira não foi colocada e o último jogador é eliminado por uma
penalidade maior ou alta, e o último jogador oponente não tiver sido eliminado por
aquele último jogador, então os pontos da colocação serão dados àquele time (*). *
Se o último jogador de um time tiver sido eliminado por cause de continuar jogando,
limpar, ou qualquer outra violação maior de conduta esportiva, o time oponente
receberá os créditos pela colocação da bandeira. Isto é para evitar que um time negue
a seu oponente os 72 pontos da colocação de bandeira em troca de uma penalidade de
25 pontos.
4.5. Check-in do Time (apresentação):
4.5.1. Cada time deverá apresentar-se na estação de cronógrafo do campo 10
minutos antes de seu jogo.
4.5.2. Apenas cronógrafos radares serão utilizados nos campos.
4.5.3. O juiz de cronógrafo inspecionará cada marcadora antes de cronografá-
la.
4.5.4. Uma marcadora que tiver uma quantidade significativa de coisas soltas
além de bolinhas no cano, tubo alimentador ou loader será considerada ilegal. O dono
da arma sofrerá uma suspensão alta.
4.5.5. Após a marcadora ter sido inspecionada pelo juiz de cronógrafo e
considerada legal (*1) , o juiz de cronógrafo irá certificar-se de que o cano e sistemas
de ar (ou CO2) estejam regulados para a velocidade máxima e dará 3 tiros sobre o
cronógrafo. A marcadora que ultrapassar 300 pés por segundo, ou que não possa
atirar 3 tiros para ser testada será considerada ilegal. O teste de velocidade deverá ser
repetido até que o resultado satisfatório seja obtido. *1- Uma marcadora poderá ser
considerada ilegal a qualquer hora, independente do fato do juiz de cronógrafo a ter
declarado legal.
4.5.6. Um jogador cuja marcadora tenha passado na checagem do cronógrafo,
ou que tenha preferido jogar sem marcadora, receberão a tarja de braço e deverão
concentrados em uma área designada com usa marcadora, se estiver legal (*1). Os
jogadores e marcadoras que passaram no teste não poderão deixar esta área sem a
permissão de um juiz. Jogadores que deixarem esta área que não seja para entrar no
campo terão que passar novamente pela cronografagem. Jogadores nesta área de
concentração que receberem qualquer equipamento de for a desta área sem a
50

permissão de um juiz receberá uma penalidade maior. Um jogador que portar


equipamento que ele não tem permissão para portar no campo de jogo quando estiver
nesta área de concentração será penalizado da forma que seria se estivesse no campo
de jogo.
4.6. Início de Jogo:
4.6.1. O time que se apresentar completo na área de concentração primeiro
escolherá o lado do campo. Caso os dois cheguem ao mesmo tempo, o lado será
escolhido por par-ou-ímpar.
4.6.2. O juiz principal iniciará o jogo com uma contagem silenciosa de 10
segundos, seguida do apito, ou qualquer outro sinal vocal equivalente acompanhado
de um sinal de braços de modo que os dois times possam vê-lo.
4.6.3. O jogador que atirar antes do início do jogo será eliminado.
4.6.4. O jogador cujo cano da marcadora não estiver tocando a base ao início
do jogo será eliminado (*). * O jogador deve estar dentro do campo e com o cano
encostado na base. Não importa em que posição ele se encontre desde que estes dois
requisitos sejam cumpridos.
4.7. Jogadores Eliminados:
4.7.1. Um jogador eliminado deve levantar sua marcadora ou a mão aberta
acima da cabeça e dirigir-se ao dead box imediatamente pelo caminho mais curto ou
segundo indicação do juiz. O jogador deverá colocar a marcadora na área designada
para este fim. O jogador que atirar, ou fazer qualquer tipo de regulagem ou ajuste na
arma ou no sistema sofrerá uma penalidade menor. Uma vez depositada a marcadora
no local apropriado o jogador deverá dirigir-se imediatamente ao Dead Box. O
jogador eliminado que descumprir este procedimento, exceto pelo citado no item
4.11.5, receberá uma penalidade maior.
4.7.2. Um jogador eliminado que deixar o Dead Box sem a permissão de um
juiz sofrerá uma penalização menor.
4.7.3. Um jogador eliminado que retornar para dentro do campo durante o jogo
sofrerá uma penalidade alta.
4.7.4. Um jogador eliminado que atirar num jogador oponente sofrerá uma
penalização menor (*), exceto o jogador eliminado que atirar em outro jogador de for
a do campo, pois este receberá uma penalidade alta. * Isto significa que além da
penalidade de 1 for 1 recebida por continuar jogando, outro jogador de seu time será
retirado como penalidade adicional.
51

4.8. Cronografagem Dentro de Campo:


4.8.1. Um juiz pode cronografar uma marcadora no campo a qualquer hora.
4.8.2. Um jogador cuja marcadora dispare um tiro acima de 300 pés pod seg.
receberá uma penalidade menor, a não ser que este tiro exceda 310 pps, quando então
o jogador sofrerá uma penalidade maior. Um jogador só poderá receber uma
penalidade deste tipo por jogo.
4.9. Interrupções no Jogo:
4.9.1. O jogo poderá ser interrompido pelo juiz principal ou pelo juiz máximo
em caso de emergência, condições climáticas perigosas ou outros “atos de Deus”.
4.9.2. Um jogo será interrompido com os juizes gritando “Pare o Jogo” ou pelo
mesmo dispositivo utilizado para iniciar e finalizar a partida. O tempo de jogo será
congelado.
4.9.3. A menos que intruídos pelos juizes, cada jogador deverá permanecer em
seu lugar quando da interrupção do jogo (*). * Todos os juizes notarão a posição dos
jogadores no momento da parada. Uma vez que o jogo tenha parado os juizes se
certificarão de todos os jogadores permaneçam em suas posições. Os Juizes checarão
os jogadores e removerão qualquer jogador que tenha sido eliminado antes da
interrupção do jogo. Os juizes revisarão a seqüência dos acontecimentos anteriores à
interrupção. Se houver necesidade de dar penalidades, estas serão dadas nesta
ocasião. Jogadores com tiros poderão ser devolvidos ao campo, a critério dos juizes
quando for determinado que aquele jogador foi uma vítima da ação ilegal que causou
a interrupção do jogo. Uma vez que o problema tenha sido resolvido, os jgoadores e
bandeira devolvidos a seus lugares de antes da parada, o juiz principal reiniciará o
jogo.
4.9.4. Os jogadores deverão colocar os barrel socks em suas marcadoras
quando o jogo parar e manter suas máscaras colocadas, a menos que tenham
permissão do juiz para retirá-las.
4.9.5. Quando a causa da interrupção for solucionada o juiz reiniciará o jogo
da mesma forma que o havia iniciado, com a diferença que agora os jogadores
estarão em suas posições de antes da parada em vez de estarem na base de saída.
4.10. Conclusão do Jogo:
4.10.1. Um jogo terminará ao que ocorrer primeiro: a colocação válida da
bandeira na base de saída, eliminação de todos os jogadores, ou fim do tempo de 5
minutos.
52

4.10.2. Todos os jogadores ativos no final do jogo devem se apresentar ao juiz


mais próximo para inspeção.
4.10.3. Após um jogador ativo ter sido inspecionado, ele deverá dirigir-se à
metade do campo do oponente para ser contado como ativo pelo juiz principal(*). *
Jogadores são ativos até que o juis principal os conte para marcar a pontuação. Isto
significa penalidades por continuar jogando, deixar o campo de jogo, ou qualquer
outra penalidade pode ser aplicada e o jogador ainda pode ser eliminado pelo juiz ou
tornado inativo antes de ser contado como ativo pelo juiz.
4.11. Tiros:
4.11.1. Um tiro é uma é qualquer marca deixada por uma bola de paintball
atingindo e estourando num jogador ou em qualquer equipamento de posse do
jogador ou quanquer marca que se pareça com um tiro.
4.11.2. Um tiro inválido é aquele que o juiz observa que não foi atirado por
um jogador ativo atingindo e estourando num jogador. Os juizes removerão um tiro
inválido, exceto quando um jogador remover um tiro inválido da lente da máscara
com a permissão do juiz.
4.11.3. Um tiro válido é qualquer tiro que não é inválido. Se um tiro válido for
removido por um jogador dentro do campo por qualquer meio que não seja por um
juiz, ou se um jogador tentar remover um tiro válido, este jogador receberá uma
penalidade alta(*). * As chances de um jogdor receber um tiro e não sentir, ver ou
ouvir o impacto são tão pequenas que é preferível aplicar a penalidade alta nestas
raras ocasiões para evitar que jogadores usem esta desculpa freqüentemente para
limpar os tiros escorregando, esfregando em obstáculos, etc.
4.11.4. Um tiro óbvio é qualquer tiro que o jogador que o rebe deveria ter
visto, ouvido ou sentido, incluindo qualquer tiro no corpo do jogador. Um jogador
com tiro óbvio é eliminado.
4.11.5. Um jogador com um tiro óbvio em um local que ele não pode checar
sozinho deverá pedir a um juiz ou a um colega de time antes de prosseguir jogando,
ou agir de acordo com o item 4.7.1., mas não deverá agir de nenhuma outra forma.
4.11.6. Jogadores que estiverem em movimento e receberem um tiro em local
que não podem checar-se sozinhos podem prosseguir até o obstáculo mais próximo
enquanto esperam que um juiz ou companheiro de time o cheque, conforme item
4.11.5.
53

4.11.7. Um jogador que pedir ao colega ou ao juiz para verificar um tiro que
ele mesmo poderia ter verificado receberá uma penalidade maior(*). *É
responsabilidade do jogador sinalizar-se eliminado quando têm um tiro óbvio. É
responsabilidade do juiz penalizar um jogador por continuar jogando com um tiro
óbvio, então, se você chamar um juiz para checar um tiro que você mesmo poderia
ter checado, será penalizado por isso.
4.11.8. Tiros não obvios são tiros válidos que não são obvios. Um jogador com
um tiro não obvio torna-se inativo até que seja eliminado por um juiz.
4.11.9. Um jogador que toma conhecimento de que está com um tiro não obvio
nele ou no seu equimamento é eliminado.
5. Penalidades:
5.1. Interferência e Conduta Esportiva:
5.1.1. Uma pessoa que não seja um juiz ou um jogador no campo de jogo que
dê instruções a jogadores ativos, faz comentários sobre o jogo que possam ser ouvido
por jogadores ativos, que revele a localizaçào de qualquer jogador no campo, ou que
de qualquer forma interfira com o jogo ou que se comunique com pessoas no campo
de jogo, receberá a penalidade maior e será conduzido para fora do local do torneio.
5.1.2. Qualquer jogador ou acompanhante que se utilizar de linguagem não
apropriada que seja audível para os espectadores receberão uma penalidade menor.
5.1.3. Qualquer pessoa que se engajar em comportamento agressivo ou
ofensivo contra outra pessoa, exceto um juiz, receberá uma penalidade menor.
5.1.4. Qualquer pessoa que se engajar em comportamento agressivo ou
ofensivo contra um juiz, receberá uma penalidade alta.
5.1.5. Qualquer pessoa que se engajar em contato físico hostil com outra
pessoa, incluindo atirar em otra pessoa que não esteja participando do jogo, ou atirar
de for a do campo, exceto em defesa imediata da segurança daquela pessoa, receberá
uma suspensão maior.
5.1.6. Qualquer pessoa que se engajar em contato físico intencional com um
juiz ou organizador receberá uma suspensão maior.
5.1.7. Qualquer pessoa que jogar o sistema de ar receberá uma suspensão
maior.
5.1.8. Qualquer pessoa que jogar qualquer equipamento no campo de jogo que
não seja o sistema de ar, pods, bolinhas ou squeegee receberá uma penalidade alta.
54

5.1.9. Qualquer pessoa que intencionalmente atirar na direção de outra pessoa


que não esteja usando máscara para paintball receberá uma suspensão maior.
5.1.10. Qulauer pessoa que se engajar em outros atos menores de atitude anti-
esportiva receberá uma penalidade menor ou maior a critério do juiz.
5.1.11. Qualquer pessoa que se engajar em atitude anti-esportiva severa
receberá suspensão maior ou menor a critério do juiz principal, juiz máximo ou
organizador do evento.
5.1.12. Qualquer jogador ou time que intencionalmente facilitar a obtenção de
pontos pelo oponente receberá suspensão maior.
5.2. Aplicação de Penalidades:
5.2.1. Qualquer juiz pode aplicar penalidade dentro de campo. Qualquer essoa
autorizada pela organização pode aplicar penalidade fora do campo de jogo.
5.2.2. Penalidades são aplicadas a pessoas. A ação é tomada contra a pessoa
penalizada e/ou contra o time desta pessoa. Uma pessoa de um time é a que está
listada como jogador, apoio ou acompanhante de um time.
5.2.3. Apenas uma penalidade poderá ser aplicada por uma ação em particular
por um jogador ou time. No caso de determinada ação se qualificar para mais de uma
penalidade, será aplicada a penalidade mais severa.
5.2.4. Pontos deduzidos como resultado de penalidades aplicadas no campo de
jogo serão deduzidas na súmula do jogo anterior ou seguinte, conforme decisão do
juiz principal daquele campo. Penalidades não aplicadas dentro do campo de jogo
serão aplicadas no quador de pontos pelo juiz máximo ou organizador.
5.2.5. Uma pessoa que receber uma penalidade menor será eliminada pelo juiz
a menos que o jogador não esteja ativo, quando então o jogador mais próximo do
jogador eliminado será também eliminado por um juiz(*). Se o jogador eliminado não
tiver colegas de time ativos, ou não houver jogo acontecendo, aquela pessoa receberá
uma penalidade de 10 pontos. * Caso o jogador mais próximo for eliminado por outro
jogador na hora em que o juiz for eliminá-lo, o juiz aplicará a penalidade eliminando
o outro jogador mais próximo.
5.2.6. Uma pessoa que recebe uma penalidade maior (*) será eliminada por um
juiz e o colega de time mais próximo ao jogador eliminado será eliminado por um
juiz. Se a pessoa penalizada não tiver mais colegas de time ativos, ou não houver
mais jogo em andamento, a pessoa receberá uma penalidade de 20 pontos. * Durante
o jogo, essencialmente 1-for-1).
55

5.2.7. A pessoa que receber uma penalidade alta (*) será eliminada por um juiz
e os 3 colegas de time que estiverem mais próximos ao jogador penalizado serão
eliminados por um juiz. Se não houver jogadores ativos suficientes para as
eliminações, ou se não houver jogo em andamento, a pessoa receberá 20 pontos por
cada jogador a menos de 3, até um máximo de 50 pontos de penalidade(**). *
Durante o jogo, essencialmente 3-for-1. ** Se houver 3 jogadores para serem
eliminados não haverá penalidade de pontos. 2 jogadores + 20 pontos; 1 jogador + 40
pontos; 0 jogadores 50 pontos de penalidade.
5.3. Suspensões:
5.3.1. Qualquer juiz principal ou juiz máximo pode aplicar uma suspensão
dentro do campo. Qualquer pessoa autorizada pela organização pode pedir à
organização ou ao juiz máximo a suspensão para ocorrências for a do campo de jogo.
5.3.2. Uma pessoa que receber uma suspensão não poderá mais jogar pelo
resto do evento.
5.3.3. Uma pessoa que recebe uma suspensão pode ter que pagar uma multa de
até US$ 500.00. A pessoa não poderá jogar em outros eventos até que a multa seja
paga.
5.3.4. Uma pessoa que receber uma suspensão maior será proibida de jogar em
qualquer evento por 12 meses.
5.3.5. O time de uma pessoa que receber uma suspensão terá o número de
jogadores permitidos em campo reduzido para cada um dos jogadores suspensos.
5.3.6. O time de uma pessoa que receber suspensão terá o premio reduzido em
um quinto para cada jogador suspenso.
5.3.7. Qualquer time que tiver três ou mais jogadores suspensos em qualquer
evento será eliminado do evento.
5.4. Exclusões:
5.4.1. Somente o Juiz Máximo ou o organizador podem excluir um time de um
evento.
5.4.2. Um time que for excluído de um evento perderá qualquer taxa paga e
tods os pontos ganhos no evento.
5.5. Apelos:
5.5.1. Penalidades dadas no campo podem ser apeladas ao juiz principal. O
juiz principal não pode reverter eliminações.
56

5.5.2. A decisão do juiz principal de um campo é final, exceto por pontos de


penalidades, suspensões e exclusões (*). * Erros incluindo um jogador sendo
erroneamente eliminado, ou um jogador não sendo devidamente eliminado, ou
qualquer outra ocorrência em campo é irreversível.
5.5.3. O juiz máximo ou a organização não poderão reverter qualquer decisão
tomada por um juiz ou juiz principal, exceto por pontos de penalidades ou
suspensões.
6. Pontos:
6.1. W.O.
6.1.1. Um time receberá W.O. para qualquer jogo em que eles falharem ao se
apresentar na concentração no devido tempo, ou em qualquer jogo em que o time se
recusar a entrar em campo (*). * Não importa qual a razão para o atraso. Caso os dois
times não compareçam para um jogo, ou nenhum queira entrar para jogar, ambos
receberão W.O. Caso haja um time que ja se sabe que não comparecerá, os times
participantes receberão os pontos automaticamente.
6.1.2. Caso um time não compareça para um jogo, seu oponente que não tiver
faltado receberá os pontos correspondentes à média de todos os seus jogos naquela
rodada (penalidades não incluídas), ou 90 pontos – o que for maior.
6.1.3. Um time não receberá pontos pelos jogos que não jogar.
6.1.4. Uma vez declarado o W.O. o jogo não será re-marcado a menos que o
W.O. tenha sido causado por erro do organizador.
6.2. Pontos:
6.2.1. Na conclusão de cada jogo de 5 homens o juiz principal dará a cada time
4 pontos para cada jogador adversário marcado como eliminado pelo juiz principal
quando da conclusão do jogo, 2 pontos para cada jogador marcado ativo pelo juiz
principal para este time, 20 pontos para a primeira posse da bandeira e 50 pontos
para a colocação da bandeira.
6.3. Súmulas de Jogos
6.3.1. O juiz principal preencherá a súmula de campo e a enviará para a mesa
para contagem dos pontos e preenchimento da súmula de pontos. Os capitães dos
times podem verificar e assinar esta súmula.
6.3.2. Qualquer correção feita na súmula deverá ser assinada pelo juiz
principal ou máximo, a menos que a correção seja de erros matemáticos óbvios.
57

6.3.3. Caso um ou ambos os capitães não concordem com a súmula, o juiz


principal deverá validar ou corrigir a súmula ele mesmo.
6.3.4. O juiz máximo, a organização ou o mesário poderão corrigir erros
matemáticos no quadro de pontos a qualquer hora antes do início da próxima
rodada(*). * O quadro de pontos é somente o “quadro”. Erros ao copiar os números
ou erros de cálculos no quadro poderão ser corrigidos pelos mesários. Quadro de
pontos NÃO inclui súmulas.
7. Miscelânea:
7.1. Decoro:
7.1.1. Pessoas atendendo o evento evitarão vestir ou ostentando de qualquer
forma ofensiva figuras, palavras, logos ou outro material no evento. Pessoas
ostentando estes materiais podem ser instruídas a solucionar o problema e/ou
receberá uma penalidade menor.
7.1.2. Pessoas atendendo a um evento devem evitar se envolver em conduta
que possa desrespeitar os organizadores, patrocinadores, participantes e publico,
incluindo, mas não se limitando a sujar ou danificar os quartos e outras dependências
do hotel, atirar com as marcadoras em locais não designados a jogos ou
cronografagem, destruição proposital de propriedade privada, engajar-se em
altercações físicas esceto em defesa de uma pessoa contra um agressor não
provocado, ou envolver-se em atos criminosos.
7.1.3. O juiz máximo ou a organização podem designar suspensão maior ou
menor a quem violar o decoro.
7.1.4. A organização se reserva o direito de vetar o ingresso/participação
participação de pessoas que possam de alguma forma interferir com o bom
andamento do evento.
7.2. Manutenção e Limpeza:
7.2.1. Todas as pessoas devem aderir às regras administrativas e
regulamentações promulgadas pelo promotor do evento com respeito à limpeza e
manutenção da área do evento.
7.2.2. Todas as pessoas deverão dispor de seu lixo na área designada para isto.
7.2.3. Qualquer pessoa que falhar em aderir às regras e regulamentações
contidas na seção 7.2 ou promulgadas pelo promotor poderá ser multado em US$
250.00 pelo pessoal autorizado.
7.3. Modificações nas Regras
58

7.3.1. Os juizes têm autoridade para interpretar, extender e aplicar as regras


em situações não cobertas pelas regras.
7.3.2. Sob circunstâncias especiais o promotor poderá modificar uma ou mais
regras pela duração do evento. Os jogadores deverão ser informados destas
modificações durante a reunião de capitães.
7.3.3. Se por algum motivo a modificação surgir no decorrer do torneio, o Juiz
Máximo pedirá uma reunião de capitães onde informará os times sobre a
modificação. Os times não serão responsáveis por modificações feitas nas regras
antes da reunião de capitães.
59

ANEXO 2 - ROTEIRO DA ENTREVISTA COM OS PAIS

1-Qual a idade de seu filho e qual a sua idade?


2-Com que freqüência ele pratica paintball? É integrante de alguma equipe ou
pratica só por lazer?
3- Após praticar Paintball houve alguma mudança no seu comportamento de
modo geral?
4- Você notou alterações, de modo agressivo, no comportamento do jovem,
após ele ter se tornado praticante de Paintball?
5-Você consegue definir, hoje, qual a preferência de seu filho?

a) Jogos Virtuais ( videogames, computador etc.)


b) Desportos Coletivos ( futebol, Paintball etc.)

6-O que você, mãe ou pai, acham do paintball?

a) Esporte violento
b) Esporte onde seus filhos têm oportunidades de fazer mais amigos.
c) Esporte saudável, onde prioriza a atividade física.

PAI 1

1-Qual a idade de seu filho e qual a sua idade? 20 anos meu filho e Eu 45
anos.
2-Com que freqüência ele pratica paintball? É integrante de alguma equipe ou
pratica só por lazer? Pratica todos os finais de semana, e é integrante de
uma das mais antigas equipe do Brasil.
3- Após praticar Paintball houve alguma mudança no seu comportamento de
modo geral? Sim normal pois ele, meu filho, criou-se participando, ou
melhor, vivenciando as atividades deste esporte. Seu comportamento não
foi moldado pelo paintbal, mas sim pela estrutura familiar que sempre
presamos pela educação, respeito e moral! Todos nós somos influenciados
pelo o meio de convívio de certa forma, por isso que a base familiar é que
60

realmente importa na vida de qualquer criatura! Meu filho levou para o


esporte os requisitos básicos para esta prática esportiva: HONESTIDADE
E CARÁTER. Sem estes requisitos não existe está modalidade “Paintball.
4- Você notou alterações, de modo agressivo, no comportamento do jovem,
após ele ter se tornado praticante de Paintball? Isso é mito e preconceito!
Agressividade é reflexo da estrutura familiar, FAMÍLIA é berço de todas as
criaturas. Todos os sentimentos que envolvem, desejo, raiva, angustia,
amor e ódio é natural do ser humano.
Na sua criação, ou seja, nos primeiros sinais de entendimento a criança
começa a definir o que realmente sente do mundo em sua volta e isso nós
sabemos é antes de ir para o pré- escola... Todo este contexto família e
escola (formação educacional) que vai definitivamente influenciar de
forma positiva ou não nestes sentimentos básicos de amor ou ódio! Uma
boa família e uma formação escolar de qualidade formara sujeitos em
condições de saber definir e controlar seus sentimentos de convívio em
sociedade com dignidade e respeito ao próximo! Agressividade não é causa
é conseqüência. Meu filho após ter praticado o paintbal como qualquer
outro esporte continua sendo um ótimo sujeito porque sua base é a mesma
sendo jogador de paintballl ou de ping-pong nada vai muda-lo!
5-Você consegue definir, hoje, qual a preferência de seu filho? B

A) Jogos Virtuais ( videogames, computador etc.)


B) Desportos Coletivos ( futebol, Paintball etc.)

6-O que você, mãe ou pai, acham do paintball? Esporte saudável, onde
prioriza a atividade física.

A) Esporte violento
B) Esporte onde seus filhos têm oportunidades de fazer mais amigos.
C) Esporte saudável, onde prioriza a atividade física.
61

PAI 2

1-Qual a idade de seu filho e qual a sua idade?


Minha filha tem 17 e eu 46 anos.
2-Com que freqüência ele pratica paintball? No mínimo 1 vez por semana
É integrante de alguma equipe ou pratica só por lazer? Sim Dragão Azul de
Rio Grande-RS, e também por lazer.
3- Após praticar Paintball houve alguma mudança no seu comportamento de
modo geral?
Sempre tivemos um excelente relacionamento na família, e ela também se
relaciona muito bem com todos os amigos, creio que o paintball nos aproximou mais
do que já éramos, pois sempre praticamos juntos e ela é uma grande companheira,
temos muita afinidade.
4- Você notou alterações, de modo agressivo, no comportamento do jovem,
após ele ter se tornado praticante de Paintball?
Como falei antes minha filha sempre foi muito tranqüila, o que posso dizer é
que o paintball, auxilia muito nas questões de espírito de equipe, hierarquia,
disciplina e responsabilidade.
5-Você consegue definir, hoje, qual a preferência de seu filho?
c) Jogos Virtuais ( videogames, computador etc.),
Ela gosta de jogar, mas não se prende, pois é muito ativa e curte muito
esportes radicais, futebol entre outros o que é muito bom.
d) Desportos Coletivos ( futebol, Paintball etc.)
Como já falei, ela sempre praticou outros esportes, mas o paintball relamente
entrou em nossas vidas de forma muito especial.
6-O que você, mãe ou pai, acham do paintball?
d) Esporte violento – de forma nenhuma, pelo contrário, exige respeito,
caráter, atenção, companheirismo, e estamos sempre ligados na segurança.
Em nossa equipe sempre exigimos estas características, é por essa razão
que minha família participa.
e) Esporte onde seus filhos têm oportunidades de fazer mais amigos.
Certamente podemos contar que o esporte em geral oportuniza novas
amizades, no paintball, temos algo a mais, pois jogamos com muita adrenalina e creio
que isso nos une de uma forma especial, pois não vemos diferenças de idade, e posso
62

falar com tranqüilidade pois todos os jovens de nossa equipe me tratam de igual para
igual durante os jogos, ao mesmo tempo que mantém um respeito que eu acho
fantástico.
f) Esporte saudável, onde prioriza a atividade física.
Sem dúvida, depois de cada jogo sentimos que todos os músculos foram
acionados, e principalmente, ativa nossos reflexos e o raciocínio rápido, mantendo
nosso cérebro em constante utilização, planejando e executando ações em todos os
momentos.

MAE 3

1- Qual a idade de seu filho e qual a sua idade?meu filho tem 16 anos e eu
tenho 42anos.
2- Com que freqüência ele pratica paintball? É integrante de alguma equipe ou
pratica só por lazer?De 1 a 2 vezes por semana. Ele faz parte da parte
equipe dragão azul – Rio grande - RS
3- Após praticar Paintball houve alguma mudança no seu comportamento de
modo geral?
Sim maior compreensão com as regras de convivência .
4- Você notou alterações, de modo agressivo, no comportamento do jovem,
após ele ter se tornado praticante de Paintball?Não, pelo contrario ele esta
aprendendo a controlar melhor o seus impulsos.
5- Você consegue definir, hoje, qual a preferência de seu filho?
a) Jogos Virtuais ( videogames, computador etc.)
b) Desportos Coletivos ( futebol, Paintball etc.)
Desportos coletivos, principalmente o paintball !
6- O que você, mãe ou pai, acham do paintball?
a) Esporte violento
b) Esporte onde seus filhos têm oportunidades de fazer mais amigos.
Esporte saudável, onde prioriza a atividade física Esporte onde meu filho tem
oportunidade de e fazer amigos!
63

ANEXO 3- ROTEIRO DA ENTREVISTA COM OS JOGADORES

1. Qual tua idade e há quanto tempo vivencias o esporte Paintball?


2. Que motivações geram a busca da prática deste?
3. Houve repercussões dessa experiência junto a seu ramo profissional
referente ao trabalho em equipe?
4. Por ser um esporte, houve repercussões em sua saúde?
5. E sua visão sobre a violência, o esporte influencia ou não?
6. A agressividade como componente de caráter: o esporte controla este nível
de agressividade ou influencia, prejudicando assim a convivência com a
sociedade?
7. Gostarias de comentar se houveram mudanças em sua vida de um modo
geral a partir do momento que começas praticar Paintball?
8. A partir do instante que este esporte prioriza o trabalho em equipe
simulando combates, o uso de estratégias e táticas, interfere em sua vida
cotidiana? Exemplos de onde você aplica este modo de elaborar táticas e
estratégias?
9. Praticas ou praticava outro esporte?
10. Gostaria de acrescentar algum depoimento que julgue importante?

JOGADOR 1

1. Qual tua idade e há quanto tempo vivencias o esporte Paintball?


19 anos, aproximadamente 2 anos.
2. Que motivações geram a busca da prática deste?
Busca por adrenalina e simulação de combates reais.
3. Houve repercussões dessa experiência junto a seu ramo profissional
referente ao trabalho em equipe?
Ainda não houve oportunidade.
4. Por ser um esporte, houve repercussões em sua saúde?
Sim, no condicionamento físico e disposição.
64

5. E sua visão sobre a violência, o esporte influencia ou não?


Na minha opinião influência, porém de forma positiva pois mostra as pessoas
que mesmo não sendo um armamento real é sempre perigoso manejar armas,
não importando a natureza.
6. A agressividade como componente de caráter: o esporte controla este nível
de agressividade ou influencia, prejudicando assim a convivência com a
sociedade?
Com certeza controla, pois temos a oportunidade de “descarregar” o estresse
do dia-a-dia praticando o esporte.
7. Gostarias de comentar se houveram mudanças em sua vida de um modo
geral a partir do momento que começas praticar Paintball?
Sim, pois sendo um que exige dedicação e concentração faz com que esses
atributos cresçam dentro da pessoa.
8. A partir do instante que este esporte prioriza o trabalho em equipe
simulando combates, o uso de estratégias e táticas, interfere em sua vida
cotidiana?
Interferem de forma positiva, pois nos ajuda a aprender a organizar as nossas
ações no cotidiano, sendo no trabalho, em aula ou em qualquer outra lugar.
9. Praticas ou praticava outro esporte?
Pratico artes-marciais.
10. Gostaria de acrescentar algum depoimento que julgue importante?
A importância de um esporte, seja ele qual for, na vida das pessoas faz com
que elas aprendam a perseverarem, não desistir de seus objetivos, influência
na saúde dessas e ainda ajuda a enfrentar seja lá qual for a dificuldade que lhe
for apresentada.

JOGADOR 2

1. Qual tua idade e há quanto tempo vivencias o esporte Paintball?


Tenho 44 anos, pratico há 20 anos.
2. Que motivações geram a busca da prática deste?
Várias emoções como: adrenalina, desafio, superar limites, controle
emocional, tomada de decisões, espírito de equipe, aventura, qualificação e
65

capacitação profissional e etc... Cada jogo é diferente em razão do cenário o


dos participantes!
3. Houve repercussões dessa experiência junto à seu ramo profissional
referente ao trabalho em equipe?
Sem dúvidas, o paintball é um esporte de sobrevivência, ou seja, desde o
momento que nascemos estamos em desafio em busca da nossa sobrevivência
por isso este esporte é muito interessante.
4. Por ser um esporte, houve repercussões em sua saúde?
Claro! É Um esporte de ação e para tanto são necessários vários movimentos
que envolvem aeróbica, musculação e resistência... Sem mencionar os
cardiovasculares.
5. E sua visão sobre a violência, o esporte influencia ou não?
Não pelo contrário, todo e qualquer esporte sério coloca as pessoas em posição
contrária a violência. O paintball mais ainda, pois mostra como uma arma
coloca pessoas em chek independente de credos, cor, nível social e etc... No
paintbal tira-se a idéia de que portar uma arma se está protegido ou imortal.
Também ensina manusear (arma) de forma segura e correta e com muita
disciplina! Partindo do princípio que uma arma sozinha não atira descartamos
que a violência gerada por armas de fogo está relacionada às armas, mas sim
às pessoas por falta de conhecimento ou caráter mesmo!
6. A agressividade como componente de caráter: o esporte controla este nível
de agressividade ou influencia, prejudicando assim a convivência com a
sociedade?
Para torna-se um jogador de paintball precisa-se de três coisas básicas:
Equipamento, Campo e “Amigos”. Uma pessoa agressiva vai conseguir uma
dessas três: “Equipamento”... Vai faltar o campo e os amigos! Ninguém
consegue jogar com quem não tem controle emocional neste esporte! Então
torna-se uma seleção natural ou VC muda seu comportamento ou não
participa. Dependendo da afeição pelo esporte o sujeito vai passar a controlar
seus impulsos agressivos.
7. Gostarias de comentar se houveram mudanças em sua vida de um modo
geral
A partir do momento que começas praticar Paintball?
66

Minha vida sempre foi aguerrida, o paintball deu-me mais técnica e condições
de colocar em jogo diário a busca da minha bandeira (objetivos) e também
passar esta determinação aos meus filhos e amigos. Nosso lema: Lutar sempre
e estar sempre alerta “O preço da segurança é a eterna vigilância”!
8. A partir do instante que este esporte prioriza o trabalho em equipe
simulando combates, o uso de estraégias e táticas, interfere em sua vida
cotidiana? Exemplos de onde você aplica, este modo de elaborar táticas e
estratégias?
O tempo todo como já citei... é um jogo de sobrevivência e viver é sobreviver!
Sobrevivência é estratégia direta!
9. Praticas ou praticava outro esporte?
Esporte é saúde, prático todos que consigo, futebol, vôlei, boxe e etc...
10. Gostaria de acrescentar algum depoimento que julgue importante ?
Desde os primórdios os homens lutam por vários motivos. Mas, sabemos que
no fundo todos levam a questão de sobreviver. Nas guerras temos o horror,
covardia, tirania, injustiças e assim vai... O paintball é uma guerra branca
onde podemos brincar de matar ou morrer sem o horror e a tragédia passar
pelos momentos e situações de tensão e adrenalina pura e depois “morfinar”
tomando uma bebida gelada dando muitas risadas contando muitas histórias e
fatos ocorridos com matadores e vítimas do conflito “ARMADO”! Só o
paintball oferece isso.

É BOM DEMAIS!!! Obrigado pelo questionário e PARABÉNS PELA


ELABORAÇÃO!

JOGADOR 3

11. Qual tua idade e há quanto tempo vivencias o esporte Paintball?


22 anos, jogo paintball a 1 ano e meio.
12. Que motivações geram a busca da prática deste?
A adrenalina que proporciona e o próprio exercício físico.
67

13. Houve repercussões dessa experiência junto a seu ramo profissional


referente ao trabalho em equipe?
No ramo profissional não porque eu sou só estudante, mas com certeza passei
a enxergar a equipe de uma forma diferente, pois foi o primeiro esporte em
equipe ao qual realmente me dediquei.
14. Por ser um esporte, houve repercussões em sua saúde?
Como eu não jogo com muita freqüência e já praticava outros esportes antes
não cheguei a notar muita diferença.
15. E sua visão sobre a violência, o esporte influencia ou não?
Creio que não...
16. A agressividade como componente de caráter: o esporte controla este nível
de agressividade ou influencia, prejudicando assim a convivência com a
sociedade?
O esporte me deixa mais calmo, acho que melhora minha convivência social.
17. Gostarias de comentar se houveram mudanças em sua vida de um modo
geral a partir do momento que começas praticar Paintball?
Passei a ver como um grupo, mesmo sem grandes talentos, se for bem
organizado pode trabalhar muito melhor do que um grupo com grandes
estrelas desorganizado.
18. A partir do instante que este esporte prioriza o trabalho em equipe
simulando combates, o uso de estratégias e táticas, interfere em sua vida
cotidiana? Exemplos de onde você aplica este modo de elaborar táticas e
estratégias?
Não lembro de nenhum momento que possa citar como exemplo...
19. Praticas ou praticava outro esporte?
Prático, windsurf e jiu jitsu.
20. Gostaria de acrescentar algum depoimento que julgue importante?
Acho que a polícia deveria fazer um maior uso do esporte para treinamentos,
visto que combates podem ser simulados de forma muito real.
68

JOGADOR 4

1.Qual tua idade e há quanto tempo vivencias o esporte Paintball?


Tenho 25 anos e pratico paintball à 5 meses.
2.Que motivações geram a busca da prática deste?
As motivações são inúmeras, dentre elas as mais significativas seriam,
adrenalina e manipulação com marcadores(armas), os quais atualmente, estão
disponíveis quase como replicas de armas de fogo reais.
3.Houve repercussões dessa experiência junto à seu ramo profissional referente
ao trabalho em equipe?
Sim, desde a compra do material e a cada nova aquisição de material, amigos,
funcionários, e família sempre ficam curiosos e fascinados com a qualidade e
perfeição dos equipamentos, onde sempre estimula a curiosidade ou iniciativa
de tentar saber mais, ou praticar o esporte.
4.Por ser um esporte, houve repercussões em sua saúde?
Acredito que todo esporte gere repercussão na saúde, apenas com escalas de
intensidade diferentes, a particularidade da pratica do paintball diferencia-se
pois temos que atuar quase que em conjunto mente e corpo, quanto maior for o
sincronismo desses mecanismos, menores serão as dificuldades no
game(jogo).
5.E sua visão sobre a violência, o esporte influencia ou não?
De forma alguma, desde que sendo tratado com a devida responsabilidade que
necessita, pois antes de iniciar, estamos agitado, stressados com as tarefas
diárias do cotidiano,durante os jogos, mudam as preocupações, agindo como
um bloqueio dos problemas reais, ao termino, reduzimos a adrenalina e vem a
realização, pois nada foi real, não ferimos,nem matamos ou prejudicamos
ninguém, voltamos para a realidade, sorrindo e satisfeitos, relaxados, prontos
para continuarmos normalmente a nossas vidas, ainda, levando experiências
boas, situação, lembranças, assim sendo a pratica me fornece tônico físico e
mental.
69

6. A agressividade como componente de caráter: o esporte controla este nível


de agressividade ou influencia, prejudicando assim a convivência com a
sociedade?
Em determinadas situação do dia temos que ser agressivos diante de situações
que exijam tal comportamento e mesmo assim continuamos sendo nos
mesmos, pois defendemos uma idéia ou ideais,e carregamos as conseqüências
de tal atitude para a vida, no paintball, a agressividade é fundamental, pois na
hora perdemos os medos e em muitas vezes agimos com um grau muito grande
de incerteza e insegurança, e caso erre, ao termino do game, não levamos para
o dia a dia, não passará de alguns pontos ou varias risadas.
7.Gostarias de comentar se houveram mudanças em sua vida de um modo geral
a partir do momento que começas praticar Paintball?
Sim, houveram muitas e todas positivas. Pois é mais uma opção lazer, conheci
pessoas muito serias, responsáveis, e interessantes, e hoje posso testar e
repassar aprendizados de táticas de guerrilha que adquiri antes da praticado
paintball.
8.A partir do instante que este esporte prioriza o trabalho em equipe simulando
combates, o uso de estratégias e táticas, interfere em sua vida cotidiana?
Exemplos de onde você aplica, este modo de elaborar táticas e estratégias?
De uma forma sucinta em geral, na vida profissional ou particular e com o
paintball fica muito claro que a uma relação muito grande em sucesso e
equipe, pois sozinhos, temos uma força, em grupos, essa força seria
proporcional, claro que pensando em uma forma idealizada. Mas traduz a idéia
central de que a união faz a força!
9.Praticas ou praticava outro esporte?
Sim, vários tais como:
Triathlon, MotoCross, Surf, Kitesurf, Caratê, Veloterra, bikespeed.
10.Gostaria de acrescentar algum depoimento que julgue importante ?
Parabéns, por assumir essa grande responsabilidade de produzir um TCC,
sobre este esporte, acredito que não será simples, por isso estou a disposição
para te ajudar no que for preciso.
70

JOGADOR 5

1. Qual tua idade e há quanto tempo vivencias o esporte Paintball?


27 anos, comecei a jogar com cerca de 15 anos, parei por um longo tempo e
voltei a jogar no final de 2007.
2. Que motivações geram a busca da prática deste?
Além de considerar o paintball, como um esporte que beneficia de forma
extrema o condicionamento físico, ainda há toda a questão de convívio com
outros praticantes. A experiência e “viver” e impedir que seu amigo “morra”
gera um alto nível de relacionamento, mesmo fora do campo.
3. Houve repercussões dessa experiência junto a seu ramo profissional
referente ao trabalho em equipe?
Houveram, o interesse foi tamanho que praticamente todos os meus colegas já
praticaram depois que eu voltei a jogar. Além disso, por conta da publicação
de algumas de minhas fotos em comunidades pela internet, muitos outros
amigos, inclusive de outras cidades, procuram campos para praticar ou
simplesmente conhecer o esporte.
4. Por ser um esporte, houve repercussões em sua saúde?
Sim, meu condicionamento físico está sendo reconstruído pela prática do
esporte. Além disso, busco melhoras ainda mais rápidas para que o clico de
desenvolvimento dentro do jogo seja contínuo. Ou seja, o jogo me ajuda a
melhorar fisicamente e eu procuro melhorar fisicamente de outras formas, para
que meu jogo melhore.
5. E sua visão sobre a violência, o esporte influencia ou não?
Acredito que isto é muito especificio, variando de pessoa para pessoa. Muitos
podem usar o esporte como uma das maneiras de aliviar o estresse do dia-a-dia
(como é meu caso), já outros, talvez procurem o paintball para extravasar a
adrenalina e o seu possível potencial violento. Acredito que a violência esteja
na mente de cada pessoa e não no esporte em si, contudo, como o esporte sofre
esta esterotipação por representar com certa semelhância o ambiente de
guerra.
71

6. A agressividade como componente de caráter: o esporte controla este nível


de agressividade ou influencia, prejudicando assim a convivência com a
sociedade?
Acredito que o esporte possa servir como catalizador dessa agressividade,
quando existir, permitindo que seus praticantes passem a assimilar os
momentos de jogo e o de vida real, com mais facilidade. Talvez assim,
permitindo que essa agressividade se converta em um sentimento de
competitividade movido pela adrenalina e pela ambientação do jogo. Por fim,
a carga de agressividade que o praticamente trás para a vida real poderá ser
anulada ou simplesmente melhor controlada.
7. Gostarias de comentar se houveram mudanças em sua vida de um modo geral
a partir do momento que começas praticar Paintball?
Acredito que além dos benefícios aeróbicos que o esporte me trouxe, houveram
outras caracaterísticas que foram mais desenvolvidas, como aumento do reflexo,
melhor análise de situações inusitadas (no trânsito, por exemplo) e até mais
calma na resolução de problemas pontuais (tarefas do cotidiano).
8. A partir do instante que este esporte prioriza o trabalho em equipe simulando
combates, o uso de estratégias e táticas, interfere em sua vida cotidiana?
Exemplos de onde você aplica este modo de elaborar táticas e estratégias?
Para mim, membro do movimento escoteiro, que já incentivo e desenvolvo a
disciplina do trabalho em equipe há mais de 15 anos, o paintball não influenciou
em nada. Me permitiu apenas ver o quanto isto é realmente importante.
Entretanto, acredito que se meu perfil fosse mais individualista, o paintball teria
servido sim como um moldelador de personaldade, pois vivencia-se com grande
intensidade o trabalho em equipe.
9. Praticas ou praticava outro esporte?
Costumo praticar basquete, mas com pouquíssima periodicidade.
10. Gostaria de acrescentar algum depoimento que julgue importante?
Acredito ter dito grande parte dos meus conceitos acerca do Paintball, ratifico
apenas o bem que o esporte faz para o corpo e para a mente.
72

JOGADOR 6

1. Qual tua idade e há quanto tempo vivencias o esporte Paintball?


Idade 33
Estou praticando este esporte a 1 ano e me identifiquei muito com ele
2.Que motivações geram a busca da prática deste?
Espairecer pois o tipo de trabalho que faço exige um bom preparo físico e
mental
3. Houve repercussões dessa experiência junto a seu ramo profissional referente
ao trabalho em equipe? Sim
4. Por ser um esporte, houve repercussões em sua saúde?
Sim
5. E sua visão sobre a violência, o esporte influencia ou não?
Não Isto depende da estrutura familiar que a pessoa teve em quanto era criança.
Uma pessoa com mente sã jamais usaria qualquer esporte para se sobre-sair
mediante outras pessoas
6. A agressividade como componente de caráter: o esporte controla este nível
de agressividade ou influencia, prejudicando assim a convivência com a
sociedade?
Sim controla
7. Gostarias de comentar se houveram mudanças em sua vida de um modo geral
a partir do momento que começas praticar Paintball?
Sim Minha profissão como fotografo não deixa muitas opções de lazer e de
amizades , conquistei novos amigos e também ser um exemplo para meus filhos
que sempre se deve fazer um esporte sadio
8. A partir do instante que este esporte prioriza o trabalho em equipe simulando
combates, o uso de estratégias e táticas, interfere em sua vida cotidiana?
Exemplos de onde você aplica este modo de elaborar táticas e estratégias? Isto
me ajudou a ser mais atento as coisas que acontecem em minha volta já que no
ramo de foto jornalismo se utiliza muito a percepção e o raciocínio rápido para
a fotográfica do momento certo na hora certa
9. Praticas ou praticava outro esporte?
Praticava Ciclismo
73

10. Gostaria de acrescentar algum depoimento que julgue importante?


Sim. Todo esporte sendo praticado com dignidade honestidade e acima de tudo
respeito para os demais praticantes Sempre será um esporte para todos que
saibam ser cidadãos dignos da sociedade em que vivem

JOGADOR 7

1- Qual tua idade e há quanto tempo vivencias o esporte Paintball?


23 anos, vivencio este esporte a 2 anos.
2- Que motivações geram a busca da prática deste?
Adrenalina, poder de raciocínio, atenção a todos os movimentos, seja os meus
ou do adversário.
3- Houve repercussões dessa experiência junto a seu ramo profissional referente
ao trabalho em equipe?
Sim, pois aprendi que nunca estamos sozinhos, e querendo ou não sempre
precisamos da ajuda do próximo. “Trabalho em equipe em conjunto, rende mais
é muito mais produtivo, duas cabeças pensam melhor do que uma”.
4- Por ser um esporte, houve repercussões em sua saúde?
Obviamente que sim, claro não do modo negativo e sim do modo positivo pois
usamos nosso corpo e nossa mente, para termos um equilíbrio emocional, ajuda
a ter um poder maior de concentração.
5- E sua visão sobre a violência, o esporte influencia ou não?
No meu ponto de vista não influencia, pois é um esporte que exige das pessoas
honestidade e caráter, mais isto vem de cada ser humano.
6- A agressividade como componente de caráter: o esporte controla este nível de
agressividade ou influencia, prejudicando assim a convivência com a
sociedade?
Acredito que quando estamos no campo, devemos usar bastante nossa cabeça,
nosso lado psicológico para trabalharmos bem as estratégias e as táticas que
deveremos usar, para elaborar o melhor ataque, no campo devemos expor nossos
sentimentos mais sempre agindo pela razão e com o coração.
74

7- Gostarias de comentar se houveram mudanças em sua vida de um modo geral


a partir do momento que começas praticar Paintball?
Sim, comecei a ver tudo que se movimenta a minha volta, e tudo que está a
minha volta, não estou distraído, como era antes de começar a praticar este
esporte.
8- A partir do instante que este esporte prioriza o trabalho em equipe simulando
combates, o uso de estratégias e táticas, interfere em sua vida cotidiana?
Exemplos de onde você aplica este modo de elaborar táticas e estratégias?Sim.
Na rua diariamente, andando com muita atenção, observando tudo e todos.
9- Praticas ou praticava outro esporte?
Pratico futsal a mais de 10 anos.
10- Gostaria de acrescentar algum depoimento que julgue importante?
Deveremos parar de ver este esporte como um esporte violento, agressivo, que
não tem rendimento algum para nós sendo que desenvolvemos diversas
habilidades. Devemos analisar e ver as coisas boas que este, nos proporciona.
75