Você está na página 1de 3

AS CONJUNÇÕES e LOCUÇÕES CONJUNCIONAIS

Servem para juntar frasesAS CONJUNÇÕES e LOCUÇÕES CONJUNCIONAIS São palavras invariáveis Há duas espécies de conjunções - COORDENATIVAS E

São palavras invariáveise LOCUÇÕES CONJUNCIONAIS Servem para juntar frases Há duas espécies de conjunções - COORDENATIVAS E

Há duas espécies de conjunções - COORDENATIVAS E SUBORDINATIVAS - consoante a relação que estabelecem entre as frasesServem para juntar frases São palavras invariáveis CONJUNÇÕES E LOCUÇÕES CONJUNCIONAIS COORDENATIVAS

CONJUNÇÕES E LOCUÇÕES CONJUNCIONAIS COORDENATIVAS

COPULATIVAS

ADVERSATIVAS

DISJUNTIVAS

CONCLUSIVAS

(ligam apenas)

(conferem uma ideia de oposição)

(conferem uma ideia de alternância)

(exprimem uma

consequência)

E

Mas

Ou

Logo

Nem

Porém

Ora…ora

Portanto

Não só … mas também

Todavia

Quer…quer

Por conseguinte

Assim…como

Contudo

Seja…seja

Por consequência

Tanto…como

No entanto

Por isso

Apesar disso

pois

Ainda assim

Mesmo assim…

CONJUNÇÕES E LOCUÇÕES CONJUNCIONAIS SUBORDINATIVAS

TEMPORAIS

CAUSAIS

CONDICIONAIS

FINAIS

Quando

Como Porque Visto que Já que Uma vez que Pois que

Se

Para que

Enquanto

Caso

A fim de que

À medida que Depois que Até que

A

não ser que

Salvo se

 

Desde que

Antes que

A

menos que

Tanto que

Desde que…

INTEGRANTES

COMPARATIVAS

CONCESSIVAS

CONSECUTIVAS

Que

Como Conforme Assim como Tão (tanto)…como Bem como Consoante

Embora

Que De tal modo…que Tão…que Tanto…que

Ainda que Se bem que

Mesmo que

Orações coordenadas

São aquelas que são gramaticalmente independentes. ( São ligadas por conjunções ou locuções coordenativas).

Orações subordinadas

( São ligadas por conjunções ou locuções subordinativas).São as que surgem como dependentes de outra ( subordinante ou principal), só fazem sentido ligadas a outra.

ou principal ), só fazem sentido ligadas a outra. Exprimem a ideia fundamental, são independentes Exemplos

Exprimem a ideia fundamental, são independentes

Exemplos de orações

Coordenadas

Copulativas – Têm valor aditivo – “ Vou e venho hoje.” Têm valor aditivo “ Vou e venho hoje.”

Adversativas – Exprimem oposição – “ Vou, mas volto ainda hoje.” Exprimem oposição “ Vou, mas volto ainda hoje.”

Disjuntivas - Exprimem alternativa – “ Como os morangos ou dou-os?” Exprimem alternativa “ Como os morangos ou dou-os?”

Conclusivas – Indicam uma conclusão – “Lês pouco logo não percebes o texto.” Indicam uma conclusão “Lês pouco logo não percebes o texto.”

Subordinadas

Temporais – “ Ouço música quando estudo.” Ouço música quando estudo.”

Causais – “Gosto de pintar, porque tenho jeito.” “Gosto de pintar, porque tenho jeito.”

Integrantes – “Parece que vai nevar.” “Parece que vai nevar.”

jeito.” Integrantes – “Parece que vai nevar.” “Julgo que serás premiada.” Nestas duas frases as

“Julgo que serás premiada.”

Nestas duas frases as orações introduzidas por QUE complementam o sentido do verbo parecer ( servindo-lhe de sujeito) e do verbo julgar ( Tendo a função de Complemento Directo). As duas orações são, por isso, integrantes.

Condicionais – “ Se queres ser pobre sem o sentir, mete obreiros e deita-te a dormir.” Se queres ser pobre sem o sentir, mete obreiros e deita-te a dormir.”

pobre sem o sentir, mete obreiros e deita-te a dormir.” Este provérbio começa com uma conjunção

Este provérbio começa com uma conjunção condicional que exprime uma condição da qual dependem as outras duas orações.

Finais – “ Procuro não ler depressa, para que possa compreender melhor o texto.” “ Procuro não ler depressa, para que possa compreender melhor o texto.”

depressa, para que possa compreender melhor o texto.” Nesta frase a locução destacada indica o fim

Nesta frase a locução destacada indica o fim ou intenção da pessoa que lê. A oração que ela introduz é subordinada final.

Comparativas – “Ela é tão habilidosa como o irmão é inteligente.” “Ela é tão habilidosa como o irmão é inteligente.”

ConsecutivasEx.: Choveu tanto que os trabalhadores ficaram encharcados . 1ª oração: subordinante 2ª oração: subordinada

Ex.: Choveu tanto

que os trabalhadores ficaram encharcados.

1ª oração: subordinante

2ª oração: subordinada consecutiva

A oração : “…que os trabalhadores ficaram encharcados” exprime uma consequência

relativamente

consecutiva. O facto de chover conduz à consequência: os trabalhadores molharam-se muito, isto é, ficaram encharcados.

subordinada

à

causa

indicada

na

oração

subordinante

é

uma

oração

As orações subordinadas consecutivas:

são introduzidas pela conjunção consecutiva que;

o verbo aparece conjugado no modo Indicativo;

surgem depois da oração subordinante ou principal, onde são anunciadas através de um

correlativo ( no exemplo citado o correlativo é: tanto ).

Exemplos de correlativos:

tanto…que; de tal modo …que; tão … que; de tal maneira …que

Concessivasde tal modo …que; tão … que; de tal maneir a …que Ex.: Viaja muito embora

Ex.: Viaja muito

embora seja pobre.

1ª oração: subordinante

2ª oração: subordinada concessiva

A oração introduzida pela conjunção subordinativa “embora” exprime uma ideia de concessão, isto é, uma dificuldade oposta à realização da acção ou à verdade expressa na oração subordinante, sem no entanto a impedir. A oração destacada a negrito é, pois, uma oração subordinada concessiva.

As orações concessivas são:

deslocáveis na frase ( ex.: Embora seja pobre, Viaja muito );

o verbo aparece conjugado no modo Conjuntivo.

Exemplos de conjunções e locuções subordinativas concessivas: embora; conquanto; se bem que; ainda que; mesmo que; posto que