Você está na página 1de 52

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação Unidade III 7 A AgendA dA geopolíticA ModernA Introdução A globalização

Unidade III

7 A AgendA dA geopolíticA ModernA

Introdução

A globalização capitalista causou provavelmente mais riqueza material e progressos sociais do que jamais ocorreu em fases precedentes da economia mundial. Ao mesmo tempo, visualizamos o crescente aumento das diferenças entre nações desenvolvidas e em desenvolvimento. Na era em que são as relações internacionais com fins econômicos que movimentam a economia mundial, nenhum país deseja estar limitado a seu território.

Os interesses nacionais de cada país estão manifestados por meio de sua política externa e refletem seus objetivos no que diz respeito a desenvolvimento econômico, capacitação tecnológica, maior participação no comércio global, crescimento de índices sociais, busca pelo poder, entre outros. Seja qual for o objetivo, em geral as ações do Estado estarão sujeitas à eventual influência de grupos de interesse que apoiam suas decisões políticas no âmbito interno.

Nas questões de meio ambiente, o número de acordos ambientais internacionais e os acordos voluntários cobrem grande parte das regiões e das questões globais. Além disso, os aspectos teóricos e históricos da integração regional também estarão contemplados nesta unidade.

7.1 comércio internacional e desenvolvimento econômico

Numa perspectiva histórica, a expansão do comércio internacional foi sustentada pelos contínuos aumentos da produtividade e das produções agrícolas e industriais, pela especialização e divisão de trabalho e pelas vantagens comparativas de troca. O comércio assume papel fundamental na expansão da economia internacional a partir da revolução comercial industrial, sendo que sua importância é plenamente admitida nos princípios da teoria clássica do comércio.

Na medida em que os meios de intermediação da riqueza mundial – baseada nas normas reguladoras dos padrões metálicos – tornavam-se inadequados, o comércio internacional se constituía como um eficiente mecanismo de acúmulo de reservas internacionais, de meios internacionais de pagamento e de orientação dos fluxos de capitais.

A balança comercial ganhou significativa importância na medida que impactou o equilíbrio dos balanços de pagamentos nacionais, equilíbrio este dependente do acúmulo de recursos financeiros gerado pelas transações de bens e serviços.

Conduzidas pelas motivações do lucro em função do próprio processo histórico, as crescentes relações de comércio entre os países naturalmente provocaram a ampliação de mercados consumidores.

79
79

Unidade iii

Unidade iii Juntamente com um maior número de fornecedores de insumos e de matérias-primas e com

Juntamente com um maior número de fornecedores de insumos e de matérias-primas e com as novas possibilidades de atividades econômicas (novos produtos e serviços), essa ampliação estimulou a produção em escala e obteve um consequente aumento da produtividade a partir da especialização, tanto nas atividades agrícolas e extrativas quanto nas industriais e de serviços (CASSAR, 2004).

As novas tecnologias, as transferências tecnológicas, a utilização de mão de obra local e os diferentes padrões de produção criaram novas alternativas de produção ao deslocar atividades para determinados lugares, de modo que o processo completo se constituísse com base no trabalho de diferentes países (CASSAR, 2004).

Da mesma forma, questões relativas ao fluxo monetário, tais como investimentos diretos e fluxo financeiro internacional (capital especulativo), estão intrinsecamente relacionadas ao comércio exterior. Juntos, esses elementos são responsáveis pelas transações correntes do país, o que afeta direta ou indiretamente o crescimento econômico nacional.

As transações financeiras ampliaram o fluxo monetário entre países, gerando crescimento e desenvolvimento recíproco. Tal movimento se caracteriza com a troca de mercadorias, com as remessas de capital e de lucros, com os investimentos produtivos internacionais ou mesmo com financiamentos concedidos por fontes internacionais (CASSAR, 2004, p. 69).

Diante dessa percepção e em função do próprio processo de trocas, envolve-se:

] [

importadores; grupos e órgãos especializados (tradings, consultorias e associações de classe); bancos, instituições de crédito e companhias de

toda uma comunidade pluralística e competitiva de exportadores e

seguros, redes de transporte e sindicatos [

]

(GRIECO, 1994, p. 208).

Os mercados são administrados dentro do marco de regulamentação governamental nos âmbitos nacionais e pelo consenso nos foros multilaterais, estabelecidos e internacionalmente aceitos após a Segunda Guerra Mundial.

Após o protecionismo dos anos 1930, o comércio internacional cresceu a um ritmo sustentado no pós-guerra, atuando como indutor de modernização tecnológica e de ganhos de competitividade. O advento da globalização econômica gerou uma produção de bens em maiores quantidades a custos continuamente mais baixos (ALMEIDA, 2002). O fator preponderante da globalização é a internacionalização da economia, ininterrupta desde a Segunda Guerra Mundial.

7.2 Alguns desafios para a inserção positiva dos países em desenvolvimento nas relações de comércio internacional

A globalização capitalista percebida nas últimas décadas do século XX trouxe provavelmente mais riqueza material e progressos sociais do que jamais ocorreu em fases precedentes da economia mundial. Ao mesmo tempo, tem-se o “aumento das diferenças entre nações desenvolvidas e países em

80
80

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação desenvolvimento, assim como das desigualdades no acesso a bens e a

desenvolvimento, assim como das desigualdades no acesso a bens e a distância acumulada entre os rendimentos dos grupos sociais” (ALMEIDA, 2002, p. 57).

Diante desse paradoxo, há que se questionar quais são os desafios a serem superados pelos países em desenvolvimento a fim de que alcancem maiores benefícios nas relações do comércio internacional.

Dois fatores centrais são percebidos nessa realidade. O primeiro tem a ver com a “deficiência de crescimentoenaadministraçãodas políticas econômicas nacionais esetoriais (políticas agrícola, industrial, de ciência e tecnologia etc.)” (ALMEIDA, 2002, p. 57), que colocou as nações em desenvolvimento na contramão da competitividade do capitalismo global. Há argumentos no sentido de que:

] [

com um modelo definido e conhecido gera problemas importantes para a economia real e para o próprio desenvolvimento do país, aumentando os riscos e reduzindo a produtividade econômica em geral e dos investimentos em particular (PINHEIRO, 2004, p. 25).

a falta de um posicionamento social e político majoritariamente alinhado

Desse modo, em geral o descompasso com o desenvolvimento em alguns países tem a ver com:

] [

humano (em termos de educação e capacitação profissional), o meio ambiente institucional (estabilidade das regras, respeito aos contratos, segurança dos direitos de propriedade contra práticas abusivas de “extração de renda” pelo Estado ou por grupos de interesse) e a intensidade de vínculos com a economia internacional, de onde provêm os estímulos à competição e os ganhos de produtividade e know-how, mediante transferências diretas e indiretas de tecnologia (ALMEIDA, 2002, p. 57).

a estruturação material das sociedades e economias, seu substrato

O segundo fator central está relacionado ao chamado intercâmbio desigual, estabelecido por meio das assimetrias das relações internacionais de comércio, acentuadas na última metade do século XX (ALMEIDA, 2002).

O período de paz observado entre os dois maiores conflitos bélicos de escala mundial foi marcado por acirradas guerras comerciais, dados o acentuado protecionismo e a consequente deterioração das relações econômicas internacionais entre as nações.

Após a Primeira Guerra Mundial, os Estados Unidos emergiram como potência e tiveram significativa participação na recuperação da economia mundial. No mesmo período, o país aumentou bruscamente suas tarifas aduaneiras e, em 1930, com a aprovação de uma lei tarifária irresponsável, a Smoot-Hawley Act, houve uma significativa redução de seu comércio exterior. Existem fortes argumentos econômicos de que a Smoot-Hawley Act contribuiu para o agravamento da Grande Depressão dos anos 1930.

Essa medida teve um efeito dominó, pois levou os demais parceiros comerciais dos Estados Unidos a adotar restrições ao fluxo de comércio na mesma ou em maiores proporções, a fim de salvaguardar suas

81
81

Unidade iii

Unidade iii economias. Esses parceiros ainda lançaram mão da desvalorização cambial para enfrentar o problema do

economias. Esses parceiros ainda lançaram mão da desvalorização cambial para enfrentar o problema do balanço de pagamento. Isso tornava mais caro o produto de outros países, que, para recuperarem a competitividade, também desvalorizavam suas moedas.

Ao final da Segunda Guerra Mundial, acentuaram-se as características de interdependência no sistema econômico internacional e, ao mesmo tempo, houve a necessidade de se reduzir o alto nível de protecionismo ao comércio internacional. Estava evidenciado, “de forma inequívoca, a necessidade de regras e instituições que permitissem aos países desenhar suas políticas de empregos e investimentos sem desestabilizar a economia mundial” (DIAS, 1996, p. 63-64).

De acordo com o que podemos constatar, a maior preocupação dos países da ordem capitalista no imediato pós-guerra residiam “na construção simultânea de um ambiente pacífico, favorável ao crescimento econômico

das nações, e de uma nova ordem capitalista capaz de trazer estabilidade política e econômica”, além de cercear

a expansão do “socialismo, que saiu fortalecido no período posterior ao conflito” (RAMOS, 2004, p. 148).

Menos elaborado que a Carta de Havana 35 , o GATT teoricamente não tinha status de organização internacional, mas, na prática e na medida que ia sendo ampliado por meio de sucessivas rodadas de negociação, ele passou a ser o único fórum multilateral de negociações comerciais, constituindo-se como base para as negociações de comércio internacional por quase 50 anos.

Contudo, ao se observar a dinâmica das relações internacionais de comércio no âmbito de negociação do GATT, percebe-se que, na prática, as premissas de livre comércio das teorias de comércio internacional propaladas até os dias atuais pelas nações desenvolvidas não se estabeleceram no comércio internacional. Uma ordem econômica liberal nas relações econômicas internacionais nunca

foi implantada nesse período. Por outro lado, ao se evocar a visão realista das relações internacionais, conferimos que os interesses nacionais exacerbados dos países desenvolvidos ignoraram e ainda ignoram as assimetrias econômicas estruturais, pois exigem, em determinado momento, livre comércio

e igualdade de oportunidade nas negociações.

O GATT criou as bases de um sistema de comércio internacional que pode ser melhor caracterizado como administrado em vez de liberal. As regras do GATT nunca foram implementadas rigidamente quando os interesses dos países industriais avançados estavam em risco. O fato é que, desde a criação do GATT, os países em desenvolvimento “foram conscientemente discriminados no acesso ao mercado dos países industriais” e assumiram o ônus da indiferença dos “países industrializados em promoverem ajustes estruturais às mudanças no padrão de vantagens comparativas entre países” (DIAS, 1996, p. 68).

O GATT permitia a gestão das políticas nacionais de comércio com um mínimo de regras. Os dois princípios básicos do acordo 36 apresentavam um grande equívoco ao presumir que os parceiros comerciais estavam em posições similares.

35 Documento que propunha a criação da Organização Internacional do Comércio, não ratificada pelo Congresso Americano.

36 Esse acordo foi uma herança do sistema norte-americano de negociações tarifárias (cláusula da nação mais favorecida – NMF – ou não discriminação e reciprocidade nas concessões) (PRADO, 1996).

82
82

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação O agravante desse problema estava nos padrões de negociação a serem

O agravante desse problema estava nos padrões de negociação a serem seguidos: “pelas regras de negociação do GATT, as negociações deveriam iniciar-se bilateralmente por requisição, e não por oferta, ao passo que somente o maior importador poderia requisitar reduções tarifárias de um país exportador” (PRADO, 1996, p. 57). A cláusula da nação mais favorecida se encarregava de que as vantagens auferidas fossem estendidas aos demais membros. Regra fundamental de negociação, o princípio da reciprocidade, por sua vez, penalizava os países em desenvolvimento ao condicionar uma redução tarifária a um volume equivalente de importação. Dessa maneira “os principais exportadores mundiais determinavam as prioridades e os limites das negociações” (PRADO, 1996, p. 58).

Por conseguinte, a troca de concessões no GATT ocorria quase sempre entre economias desenvolvidas. Essas concessões eram praticamente irrelevantes para as economias em desenvolvimento, que não tinham as possibilidades de uma resposta de oferta.

No ambiente em que as relações internacionais se desenvolveram no pós-guerra, o que chama

a atenção é o grau de complexidade que envolve os fluxos superpostos de bens, capital, trabalho e

informação tecnológica; o grande número de agentes econômicos heterogêneos; e, sobretudo, as vultuosas práticas das grandes empresas multinacionais e transnacionais no comércio internacional, que refletiram diretamente sobre a economia e a política interna das nações e tornaram indefinidas as fronteiras de suas políticas interna e externa (RAMOS, 2004).

Tal complexidade funcionou como aval das ações de governos em prol de seus interesses nacionais que, como pano de fundo, tinham a consolidação ou a melhora da posição de empresas deste ou daquele país face a:

um número cada vez maior de participantes no comércio internacional, procurando ascender ao comércio de bens e serviços de maior valor agregado, enquanto outros procuram manter ou expandir sua parte do mercado desses bens e serviços (DIAS, 1996, p. 59).

[

]

Os interesses nacionais de cada país, manifestos por meio de sua política externa, refletem seus

objetivos quanto ao desenvolvimento econômico, à capacitação tecnológica, à maior participação no comércio global, ao crescimento de índices sociais ideais, à busca pelo poder, entre outros. Seja qual for

o

objetivo, em geral as ações do Estado estarão sujeitas à eventual influência de grupos de interesse que

o

apoiam em suas decisões políticas no âmbito interno.

A esse respeito, o exemplo americano é ilustrativo:

A história da legislação comercial dos Estados Unidos, a partir da Lei de Expansão do Comércio de 1962, passando pela Lei de Comércio de 1974, a Lei de Comercio e Tarifas de 1984 e a Lei Omnibus de Comércio e Competitividade de 1988, documenta a crescente participação de grupos de interesse na definição da política comercial do país, a criação de instrumentos específicos para responder às práticas desleais de comércio e a inclusão de um conjunto

83
83

Unidade iii

Unidade iii indeterminado de regulamentações domésticas, práticas institucionais ou políticas de governo que poderiam

indeterminado de regulamentações domésticas, práticas institucionais ou políticas de governo que poderiam ser consideradas obstáculos ao comércio “equitativo” (DIAS, 1996, p. 62).

O elevado nível de tarifas praticado pelos Estados Unidos desde os anos 1930 lhes imputou problemas de conluios políticos (lobbies) quando o país se viu obrigado a negociar a redução das tarifas com parceiros comerciais no pós-guerra. O imbróglio consistia no fato de que:

qualquer redução de tarifas teria a oposição dos membros do Congresso, cujos distritos continham empresas que produziam bens concorrentes, enquanto os benefícios seriam tão difundidos que poucos no Congresso estariam mobilizados do outro lado (KRUGMAN; OBSTFELD, 1999, p. 241).

[

]

O comércio internacional do pós-guerra seguiu padrões que não eram previstos pelas teorias de comércio internacional. Os fluxos de comércio não levaram a especialização e a equalização dos preços dos fatores internacionais.

Foi somente na década de 1960 que os esforços no sentido de buscar alternativas de negociações ao GATT resultaram na Conferência das Nações Unidas sobre o Comércio e Desenvolvimento (United Nations Conference on Trade and Development). Além disso, esses esforços também resultaram no tratamento preferencial das exportações dos países em desenvolvimento nos mercados das economias desenvolvidas, isso segundo o Sistema Geral de Preferências (SGP) ou Generalized System of Preference, estabelecido no início dos anos 1970 (ABREU, 2001). De certo modo, nesse cenário conseguia-se o reconhecimento da aceitabilidade em determinadas condições das demandas por uma discriminação positiva dos países em desenvolvimento (PRADO,

1996).

Contudo, a avaliação positiva deve ser vista com sérias restrições. Essa avaliação foi baseada na redução expressiva das tarifas que se pode fazer no sistema multilateral de comércio, gerenciado pelo GATT desde 1947 (quando teve sua primeira rodada em Genebra) até meados dos anos 1980, quando acordos das negociações da Rodada Tóquio foram implementados.

Como já observado, as regras de negociação baseada na reciprocidade (sem levar em consideração as assimetrias estruturais) faziam com que as trocas de concessões ocorressem quase sempre entre economias desenvolvidas, nas quais os níveis de oferta eram maiores, diferentemente das limitadas ofertas dos países em desenvolvimento. A liberalização do comércio, portanto, se concentrou em indústrias caracterizadas pela especialização internacional intraindustrial, ou seja:

entre indústrias cuja natureza da competição não dependia apenas

de preço, mas de características estranhas à teoria pura do comércio internacional, tais como diferenciação de produtos, tecnologia etc. (PRADO, 1996, p. 59).

] [

84
84

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação Assim, as concessões tarifárias eram praticamente irrelevantes para

Assim, as concessões tarifárias eram praticamente irrelevantes para economias em desenvolvimento que não tinham a possibilidade de uma resposta de oferta. Dessa forma, tem-se que:

a partir do quarto final do século XX, um terço, senão mais, do

comércio internacional é realizado entre as próprias firmas multinacionais, geralmente num sentido norte-norte, já que o comércio norte-sul continua a ser dominado por um padrão mais tradicional de trocas, envolvendo matérias-primas e commodities contra manufaturados e outros produtos de maior valor agregado (ALMEIDA, 2002, p. 52).

] [

Mesmo com uma atitude mais ativa dos países em desenvolvimento a partir dos anos 1960, verifica-se a partir dos resultados da Rodada Kennedy (1963-1967) e da Rodada Tóquio (1973-1979) que as negociações continuaram dominadas pelas principais economias desenvolvidas. Na Rodada Kennedy, a “redução nas tarifas médias para produtos de interesse dos países em desenvolvimento foi de 20%, ao passo que, para produtos de interesse das economias desenvolvidas, foi de 35%-40%” (ABREU, 2001, p. 91). Os resultados das negociações iniciadas em Tóquio não se mostraram diferentes, já que a redução de tarifas para produtos do interesse de países desenvolvidos e em desenvolvimento ficaram em 33% e 26%, respectivamente.

Os ajustes impostos pelo mercado à especialização internacional, segundo a teoria de livre comércio, deveriam ser assumidos pelos países para que o livre comércio se estabelecesse, o que permitiria que consumidores e produtores usufruíssem das vantagens absolutas de todos. Em relação aos custos e benefícios, Dias (1996) aponta que eles são percebidos diferentemente: os eventuais benefícios são difusos, genéricos e percebidos a longo prazo e os custos são concretos, mensuráveis e percebidos rapidamente. Assim, os custos são onerosos a empresas, trabalhadores, regiões etc.

Portanto, os custos geram maior preocupação dos países nas relações internacionais. Com base no raciocínio desenvolvido até aqui, não é difícil entender que esses custos foram certamente debitados da conta dos países em desenvolvimento. Dessa forma, é evidente que:

os governos dos países industrializados procuraram transferir, para fora

de suas fronteiras os custos sociais resultantes de ajustes à diferenciação funcional ou interindustrial, ou seja, da diferenciação derivada de

] [

vantagens comparativas interindustriais, que beneficiariam países menos industrializados (DIAS, 1996, p. 68).

Assim, verifica-se que países industriais como Estados Unidos, Japão e o bloco econômico União Europeia (a partir dos anos 1980), alheios às regras multilaterais, implementaram políticas protecionistas pseudolegitimadas no argumento de que as disparidades de custos de trabalho eram destrutivas à sua indústria, ignorando que “a especialização, devido a custos de fatores inicialmente diferentes, é uma das características de uma ordem econômica liberal” (PRADO, 1996, p. 60). Essas economias, portanto, transferiram tais custos sob a forma de imensos prejuízos comerciais aos países menos desenvolvidos.

85
85

Unidade iii

Unidade iii Assim, os esforços para a construção de uma ordem econômica liberal, que deveria ser

Assim, os esforços para a construção de uma ordem econômica liberal, que deveria ser implementada

por meio de negociações multilaterais, foram obstruídos pelos países desenvolvidos, que se recusavam

a aceitar regras liberais nos setores em que não eram competitivos.

Quanto a isso, pondera-se que o neoprotecionismo dos países desenvolvidos – geralmente aplicado ao setor agrícola ou a algumas indústrias tradicionais não competitivas, como siderúrgicas, têxteis e de calçados – subtrai os benefícios que os países emergentes e em desenvolvimento poderiam retirar do comércio exterior enquanto fator indutor de crescimento e de transformação estrutural de suas economias (ALMEIDA, 2002).

Na década de 1950, por exemplo, mesmo ao apresentar uma balança comercial altamente favorável em produtos agrícolas, o setor agrícola obteve dos Estados Unidos quotas à importação de produtos como açúcar, queijo e carne (PRADO, 1996).

A partir do momento que países em desenvolvimento, como Brasil, China e Índia, passaram

a oferecer um número cada vez maior de produtos de melhor qualidade nos mercados mundiais,

surgiram obstáculos de caráter não tarifário, medidas não quantificáveis e exigências negociais.

Embora a importância do desenvolvimento tivesse sido relativamente reconhecida a partir da discriminação positiva em favor dos países em desenvolvimento nos 1960 e 1970, na década de 1980 esses países foram constantemente taxados como beneficiadores da “ordem liberal”, sem, no entanto, contribuir com ela no âmbito do comércio e sem fazer concessões no nível de interesse das grandes nações.

Na leitura que as grandes nações fazem da ordem econômica internacional – ordem esta que as levaram a introduzir exigências de maior reciprocidade ou maiores concessões por parte dos países em desenvolvimento –, subentende-se dois fatores distintos:

primeiro: manifestação de maior poder relativo nas questões comerciais em prol de interesses econômicos particulares e não em prol de um maior nível de liberalização comercial equitativa que beneficiasse a todos;

segundo: decorrente do primeiro fator, remete à ausência do princípio de que a igualdade de condições opera de forma a aprofundar as desigualdades entre desiguais.

Consequentemente, a partir de então inúmeras medidas ilegais à luz do GATT foram adotadas como forma de anular ou reverter os prejuízos causados pela ação ou inação de parceiros comerciais. Direitos compensatórios e medidas de antidumping obtidos por meio de lobbies setoriais nos Estados Unidos, a Política Agrícola Comum da União Europeia (implementada por meio de mecanismos complexos de proteção à produção local) e restrições quantitativas à importação (como cotas e picos tarifários) são apenas algumas das evidências de que o acesso a mercados desenvolvidos se manteve e ainda se mantém regulado por mecanismos discriminatórios e pouco transparentes.

86
86

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação Concentradas na exportação de manufaturados intensivos em mão de obra,

Concentradas na exportação de manufaturados intensivos em mão de obra, tais barreiras, conhecidas com barreiras não tarifárias, cresceram ininterruptamente nas décadas de 1980 e 1990, sendo que, “em 1990, 17,5% do comércio mundial de todas as origens eram cobertos por medidas não tarifárias” (PRADO, 1996, p. 51). Nesse caso, o contrassenso do ideário do livre comércio é reforçado, mais uma vez, pelas assimetrias de poder na medida em que “para os países em desenvolvimento, essa percentagem era muito maior, representando cerca de 23% do comércio em 1990” (PRADO, 1996, p. 51). A implicação prática dessa constatação revela que grandes segmentos do comércio internacional continuavam excluídos da liberalização alcançada nesse período.

Ademais, no período compreendido entre 1947 e 1994, quando vigorou o GATT, não havia um corpo sólido de regras e procedimentos no qual um Estado que julgasse estar sendo prejudicado pelas políticas comerciais adotadas por qualquer outro pudesse se apoiar.

As soluções de controvérsia no âmbito do GATT eram reguladas por um processo de consultas, seguido do estabelecimento de painéis de especialistas que elaboravam um relatório sobre a controvérsia. Entretanto, as decisões eram obtidas por meio do consenso positivo (RAMOS, 2004). Bastava à parte perdedora não aceitar o relatório para que todo o processo fosse bloqueado, o que afastava, assim, sua adoção (SILVA, 2002). Essa era a principal fragilidade desse modelo, ao passo que o cumprimento das regras estabelecidas ficaria de fato a cargo exclusivo da vontade das partes, já que o Estado infrator sempre poderia impedir a adoção de qualquer medida em seu prejuízo, mesmo que sua imposição fosse ilegítima. Para se ter uma ideia, nos 48 anos de atuação do GATT, apenas uma medida retaliatória foi autorizada (FINGERS; WINTERS, 2002).

Toda essa estrutura desfavorável e a tentativa de introdução de novos temas 37 no fórum internacional de comércio por parte dos países desenvolvidos levou o Brasil e outros países em desenvolvimento a rever sua posição defensiva frente ao GATT: eles passaram a “defender um sistema multilateral com o predomínio do direito sobre o arbítrio de poder” (DIAS, 1996, p. 66).

A expectativa era de que um sistema mais abrangente de comércio, fundamentado no direito internacional, gerasse uma estrutura normativa que trouxesse maior equilíbrio às negociações e maiores restrições ao exercício de poder e às arbitrariedades.

Diferente de seu precursor, a Organização Mundial do Comércio (OMC) é uma organização permanente, com personalidade jurídica própria e com o mesmo status do Banco Mundial e do FMI. Os compromissos assumidos no âmbito da OMC são absolutos e permanentes. Prevista na Ata Final da Rodada Uruguai (1986-1994), a substituição do GATT pela OMC em 1995 não significou, entretanto, o fim das mazelas do comércio internacional discutidas até aqui.

Evidentemente, importantes evoluções podem ser percebidas, principalmente quanto à estrutura normativa e ao sistema de solução de controvérsia. Em relação à estrutura normativa, os acordos negociados são mais precisos e transparentes e apresentam maior rigorosidade, o

Unidade iii

Unidade iii que permite uma redução da margem de arbitrariedades antes impostas mais facilmente pelos parceiros

que permite uma redução da margem de arbitrariedades antes impostas mais facilmente pelos parceiros comerciais.

Por sua vez, o atual Órgão de Solução de Controvérsias (OSC) – mais efetivo, menos sujeito a bloqueios, implementado pela Rodada Uruguai e previsto no Anexo II do tratado de Marrakesch 38 – alterou significativamente o processo de solução de controvérsias. Esse órgão é responsável pela efetividade que pode ser atribuída à organização, pois ele assegura maior previsibilidade e segurança nas relações jurídicas entre os Estados partes.

Diferentemente de seu antecessor, as decisões do Órgão de Solução de Controvérsias no âmbito

da OMC são tomadas com base no consenso negativo, ou seja, uma vez evidenciada uma infração das regras estabelecidas pelos acordos da organização, o membro infrator ficará impune somente se todos

os membros votarem contra a decisão do conselho.

A maior previsibilidade e o estabelecimento de agendas dentro da OMC induzem à formação de coalizões que podem funcionar como facilitadoras da ação política de Estados fracos. O exemplo mais notável dessa mobilidade pode ser constatado nos resultados da V Rodada de Negociações no âmbito da OMC, realizada em setembro de 2003 em Cancún, no México. O impasse das negociações se concentrou na rejeição, por parte de um grupo de países em desenvolvimento, da proposta de diminuição dos subsídios agrícolas, proposta esta defendida por EUA, União Europeia e Japão. Segundo Ramos (2004):

uma espécie de engenharia política, articulada pelo Brasil, China e Índia, reuniu um grupo de 21 países em desenvolvimento que reúne os interesses de mais de 55% da população mundial, negociou em pé de igualdade com

[

]

], alterando

sobremaneira a correlação de forças em grandes negociações internacionais

como nunca visto antes (RAMOS, 2004, p. 174).

as economias desenvolvidas a liberação do comércio agrícola [

Como observado, embora a nova base institucional das relações de comércio tenha melhorado

as condições negociais em alguns aspectos, não podemos ignorar as incertezas ainda presentes no

sistema internacional. A principal delas é se países desenvolvidos ajustarão adequadamente suas

políticas nacionais às normas, regras, princípios e procedimentos acordados multilateralmente.

O viés dessa análise passa pela questão da defesa da soberania estatal, que, nesses países, é

evocada na defesa dos interesses nacionais. Durante o período do GATT, isso impediu que acordos multilaterais assumidos internacionalmente fossem cabalmente cumpridos. Logo, esses acordos ficaram subordinados à legislação nacional, como foi o caso dos Estados Unidos, discutido anteriormente.

Assim, o desafio maior da OMC consiste em impedir que países ou grupos de países desenvolvidos tentem utilizar o poder de suas economias e de seus mercados de alta renda para o descumprimento de obrigações multilaterais (DIAS, 1996, p.66).

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação lembrete O órgão de solução de controvérsias das OMC é considerado
Geopolítica, ReGionalização e inteGRação lembrete O órgão de solução de controvérsias das OMC é considerado

lembrete

O órgão de solução de controvérsias das OMC é considerado hoje um dos principais fóruns de solução internacional de conflitos, sobretudo em função da quantidade de contenciosos, de Estados e de valores envolvidos. Ele procura destacar o cumprimento dos procedimentos previstos, a originalidade dos mecanismos de estímulo à obediência das decisões, o ganho de legitimidade do sistema com o tempo e as principais sugestões de reforma em discussão.

Saiba mais Fique por dentro dos principais casos de contenciosos no âmbito do órgão de

Saiba mais

Fique por dentro dos principais casos de contenciosos no âmbito do órgão de solução de controvérsias da OMC: <http://www.wto.org/spanish/tratop_s/ dispu_s/find_dispu_cases_s.htm#results>. Acesso em: 30 jan. 2012.

7.3 o meio ambiente

Mediante a vasta diversidade de temas que compõem a agenda das relações internacionais, a ecopolítica e as questões ambientais ganharam destaque nas últimas décadas. O meio ambiente e a política de desenvolvimento sustentável causaram discussões entre os Estados nos organismos internacionais, o que promoveu ações e tentou minimizar os efeitos do aquecimento global. Ainda que os Estados estejam no dilema entre soberania, crescimento econômico, interesses individuais e questão ambiental, notamos que a ONU e as organizações não governamentais (ONGs) participam ativamente do processo de conscientização.

O marco inicial dessas atuações data da reunião dos membros das Nações Unidas, realizada em 1972, em Estocolmo. Nela, foi colocada a Declaração sobre o Meio Ambiente Humano, que continha, dentre seus princípios:

Todos os países, grandes e pequenos, devem ocupar-se com espírito e cooperação e em pé de igualdade das questões internacionais relativas à proteção e melhoramento do meio ambiente. É indispensável cooperar para controlar, evitar, reduzir e eliminar eficazmente os efeitos prejudiciais que as atividades que se realizem em qualquer esfera possam ter para o meio ambiente, mediante acordos multilaterais ou bilaterais ou por outros meios apropriados, respeitados a soberania e os interesses de todos os estados [

Os recursos naturais da Terra, incluídos o ar, a água, o solo, a flora e a fauna e, especialmente, parcelas representativas dos ecossistemas naturais, devem

89
89

Unidade iii

Unidade iii ser preservados em benefício das gerações atuais e futuras, mediante um cuidadoso planejamento ou

ser preservados em benefício das gerações atuais e futuras, mediante um cuidadoso planejamento ou administração adequados [

Os recursos não renováveis da Terra devem ser utilizados de forma a evitar o perigo de seu esgotamento futuro e a assegurar que toda a humanidade participe dos benefícios de tal uso [

Os países deverão adotar todas as medidas possíveis para impedir a poluição dos mares por substâncias que possam pôr em perigo a saúde do homem, prejudicar os recursos vivos e a vida marinha, causar danos às possibilidades recreativas ou interferir com outros usos legítimos do mar [

É indispensável um esforço para a educação em questões ambientais, dirigida tanto às gerações jovens como aos adultos, e que preste a devida atenção ao setor da população menos privilegiado, para fundamentar as bases de uma opinião pública bem informada, e de uma conduta dos indivíduos, das empresas e das coletividades inspirada no sentido de sua responsabilidade sobre a proteção e melhoramento do meio ambiente em toda sua dimensão humana. É igualmente essencial que os meios de comunicação de massa evitem contribuir para a deterioração do meio ambiente humano e, ao contrário, difundam informação de caráter educativo sobre a necessidade de protegê-lo e melhorá-lo, a fim de que o homem possa desenvolver-se em todos os aspectos [

Sem prejuízo dos critérios de consenso da comunidade internacional e das normas que deverão ser definidas a nível nacional, em todos os casos será indispensável considerar os sistemas de valores prevalecentes em cada país e a aplicabilidade de normas que, embora válidas para os países mais avançados, possam ser inadequadas e de alto custo social para países em desenvolvimento (ONU, 1972).

A partir da década de 1970, portanto, houve uma mudança gradual no mundo das relações internacionais no que tange às questões de meio ambiente. Ela foi expressiva principalmente a partir da publicação de The limits of growth e A blueprint for survival 39 , que mostram as consequências do processo de exploração e da industrialização/produção acelerada dos países e a degradação ambiental resultante do crescimento populacional e da busca incessante por recursos naturais (CAMPOS e CORRÊA, 1998).

A dificuldade de conciliar e obter o consenso em uma política de desenvolvimento limpo torna o debate sobre essa problemática cada vez mais constante. As nações desenvolvidas e as potências econômicas continuam a emitir quantidades exorbitantes de gases nocivos à camada de ozônio e, ao mesmo tempo, cobram das nações emergentes que reduzam seus níveis de emissão ainda que em longo prazo, mesmo que essas nações ainda estejam em processo de industrialização e de boom econômico (CAMPOS e CORRÊA, 1998).

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação No decorrer da segunda metade do século XX e principalmente ao final

No decorrer da segunda metade do século XX e principalmente ao final da Segunda Guerra Mundial, grandes mudanças ocorreram nas interfaces econômicas, políticas e sociais do panorama internacional. Houve um deslocamento dos centros de poderes políticos da Europa para os novos blocos político-econômicos das potências nucleares, respectivamente Estados Unidos e União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

A realidade desse período pós-guerra colocou em cheque a economia e a política das nações, o que impactou no crescimento econômico, nas questões sociais e nas diferenças regionais e locais entre os Estados. As crises do petróleo e dos países da América Latina fizeram com que houvesse tanto uma reorganização do pensamento social como o surgimento do tema ecopolítica, fruto de uma nova percepção do meio e das estruturas de poder presentes.

Nos anos 1960, a comunidade internacional gradualmente deu maior relevância ao meio ambiente e essa problemática deixou de ser apenas algo local e começou a ganhar nível internacional. Contudo, os movimentos ambientalistas das nações desenvolvidas eram amplos e superavam os movimentos civis, visto seu teor crítico em relação à industrialização e ao pensamento tecnológico. Para eles, era necessário uma mudança no sistema de exploração da natureza e uma redução dos níveis de consumo nas civilizações ocidentais.

Dessa forma, a forte presença do Estado como ator capaz de promover a regulação e limitar os níveis de exploração se viu engessada por um impasse entre as nações e por uma descentralização nas opiniões. No decorrer das últimas quatro décadas, as organizações sociais e internacionais tentam agir como mediadoras, a fim de abranger nos debates os campos econômico, social e os referentes ao meio ambiente e ao aquecimento global.

A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, estabelecida em 1992, no Rio de Janeiro, serviu como base para uma gradual evolução nas negociações e no consenso internacional sobre a proteção ambiental. Até mesmo o maior emissor de poluentes na atmosfera, os Estados Unidos, aderiram ao discurso ambiental, principalmente devido à evidência científica do aquecimento global e de suas consequências para a humanidade.

Em 2002, numa notável mudança de postura pública, a administração de George W. Bush admitiu que a mudança climática global representava uma ameaça real para o meio ambiente e aceitou o fato de que a própria atividade humana a causava. Ainda assim, no entanto, dentre os representantes do mundo desenvolvido, o presidente descartou qualquer compromisso com as metas juridicamente vinculativas do Protocolo de Quioto para a redução das emissões de dióxido de carbono resultante da queima de combustíveis fósseis. Na ocasião, ele afirmou que isso ocasionaria um custo de R$ 400 bilhões para a economia e geraria impacto em 4,9 milhões de empregos.

Nesse período, a visão antropocêntrica de meio ambiente começou a ser dissuadida pelos pensadores da ecopolítica. Desde a Primeira Revolução Industrial, com o advento da sociedade moderna, os recursos naturais eram vistos como uma fonte indispensável para o desenvolvimento econômico e para o conforto dos indivíduos, o que desencadeou um pensamento restrito (CAMPOS e CORRÊA, 1998).

91
91

Unidade iii

Unidade iii Isso pode ser visto nas consequências da crise financeira de abril de 2008 e

Isso pode ser visto nas consequências da crise financeira de abril de 2008 e da recessão mundial que dela se seguiu. Houve uma mudança radical nas prioridades dos países industrializados, que reuniram esforços para criar políticas para o meio ambiente e a favor de um foco renovado sobre o crescimento econômico sustentável. Antes da crise, as questões ambientais, especialmente o aquecimento global, foram bem- estabelecidas nas discussões entre os Estados, ainda que, devido às necessidades do modelo e do mercado capitalista, algumas nações tenham relutado em adotar as medidas “restritivas” ao desenvolvimento.

Entretanto, grande parte das nações desenvolvidas ainda afirma que o desenvolvimento e o crescimento econômico são a chave para o progresso na interface ambiental, pois a nação que pode pagar investimentos em novas tecnologias consegue gerar soluções. Todavia, no final de 2007, embora ainda à parte de Quioto, os Estados Unidos aceleraram o processo decisório do Protocolo de Montreal, a favor da eliminação progressiva de hidroclorofluorcarbonos (HCFC), hoje estimados em até 1,7 mil vezes mais nocivos que o próprio dióxido de carbono.

Assim, nota-se que a maioria das pautas da comunidade internacional relativas ao ambiente internacional estão centradas sobre a noção e concepção de governança ou governaça global, seja em sua forma neoliberal, institucionalista, tradicional e teórica, seja em sua forma transnacional.

Governança global é um termo genérico que abrange diferentes tipos de regulamentação internacional ou transnacional ou até mesmo tipos referentes à institucionalização. Por exemplo, os regimes e as instituições internacionais, como a Organização Mundial do Comércio (OMC) e as Nações Unidas (ONU), são vistos como uma forma tradicional de governança global. Recentemente, formas transnacionais de governança também foram incluídas nessa definição, como códigos globais de conduta utilizados por corporações multinacionais ou o desenvolvimento de normas de uma “sociedade civil global”. O número de instituições de governança global aumentou intensamente nos últimos 30 anos ou mais e, com o aumento da regulação do comércio e das finanças, essas áreas se abriram e começaram a atuar em uma perspectival global (CAMPOS e CORRÊA, 1998).

No campo ambiental, o número de acordos ambientais internacionais e os acordos voluntários cobrem grande parte das questões globais, que vão desde a então Convenção de Mudanças Climáticas até problemas internos e fronteiriços referentes ao desmatamento florestal. Contudo, a partir da perspectiva ecopolítica que se abrange nesta unidade, o ponto em questão não é somente a governança ambiental em si, mas a relação entre as interfaces econômicas e as faltas de comprometimento das nações e de poder dicisório das instituições para regulamentar as ações ambientais.

92
92

De acordo com Campos e Corrêa (1998):

No plano externo, os governos passaram a privilegiar o tratamento de problemas ambientais associados à produção no âmbito de acordos ambientais, buscando assegurar o cumprimento de padrões multilateralmente negociados para reduzir e prevenir danos de caráter global, recorrendo a restrições comerciais, com o duplo objetivo de encorajar uma participação mais ampla nos acordos e penalizar infratores. Engajaram-se nos trabalhos preparatórios à Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação e, posteriormente, com níveis bastante diferenciados na implementação dos

e, posteriormente, com níveis bastante diferenciados na implementação dos

compromissos nela assumidos [

]

(CAMPOS e CORRÊA, 1998, p. 19).

Na intenção de conseguir manter esse interesse dos Estados nas questões ambientais, o Tratado de Quioto foi celebrado em 1997 e entrou em vigor em 2005. Nesse documento foi estipulada uma redução mínima de 5,2% das emissões de gases que agravam o efeito estufa em relação aos níveis de 1990. Além disso, o documento viria a ter uma nova meta após 2005 (CAMPOS e CORRÊA, 1998).

Mesmo com 175 países signatários, a adoção desse protocolo ainda vê impasses, que recaem

sob a questão dos Estados Unidos e da China, os maiores poluidores globais que querem continuar

a superaquecer suas economias. Ainda que os países emergentes tendam a crescer nos próximos 20

anos e, consequentemente, poluirão mais, eles não chegariam à porcentagem de emissão que essas duas potências representam hoje. Atualmente, temos subcategorias de nações poluidoras que vão do

grupo de risco, que teria de adotar medidas severas para a redução, até o grupo dos países emergentes

– com exceção da China, que se encaixa no primeiro grupo – e o grupo de países que ainda estão desenvolvendo sua economia ou passam por uma fase de transição.

Com a COP15 (Conferência de Copenhagen), foi reforçada a importância do desenvolvimento sustentável

e da preservação ambiental e a necessidade de cooperação dos mais diversos organismos e estados. Nações

como Brasil, Dinamarca e Índia fizeram propostas e assumiram o compromisso de fazer a diferença na redução dos índices de carbono. De certa forma, esses países conseguiram auxiliar as negociações com as outras nações, que ainda focavam em suas respectivas economias mesmo sabendo da gravidade do problema.

Como as questões ambientais são de natureza internacional e transnacional, elas não podem estar somente interligadas à esfera dos Estados nacionais. Portanto, a definição das agendas e dos temas relativos ao meio ambiente e a busca de soluções para problemas da atualidade requerem o comprometimento e

o envolvimento de outros agentes, que precisam buscar uma alternativa viável em conjunto com Estados,

instituições e com o próprio mercado. Devido a esse contato entre os diferentes atores da geopolítica e

da ecopolítica mundial, o cenário que pode ser percebido ao início do século XX é o de uma ausência de fronteiras claramente definidas e o de uma sociedade e de um mercado em constante mudança.

e o de uma sociedade e de um mercado em constante mudança. Figura 13 – A

Figura 13 – A capital federal ficou às escuras por uma hora durante a Hora do Planeta. A iniciativa faz parte de uma mobilização mundial promovida pela organização não governamental World Wide Fund (WWF), com o objetivo de chamar a atenção da população para a necessidade de preservação do meio ambiente

93
93

Unidade iii

Unidade iii Saiba mais Visite os sites : <http:// www.meioambiente.gov.br> e < http://www.wwf. org.br>.
Saiba mais Visite os sites : <http:// www.meioambiente.gov.br> e < http://www.wwf. org.br>. Acesso em: 1

Saiba mais

Visite os sites: <http://www.meioambiente.gov.br> e <http://www.wwf. org.br>. Acesso em: 1 fev. 2012.

8 A regionAlizAção e A integrAção

No mundo globalizado, participar efetivamente das relações internacionais significa, essencialmente:

• manter um bom relacionamento comercial com os demais países ou blocos de países;

• participar efetivamente das negociações de acordos comerciais dos mais variados moldes;

• estar sempre atualizado em relação às mudanças de comportamento dos diversos atores.

A proliferação de acordos regionais marcou profundamente as relações internacionais a partir da segunda metade do século XX, tanto no campo econômico como no campo político, e refletiu também no desenvolvimento do próprio Direito Internacional. Os acordos regionais encontram apoio no artigo XXIV do GATT, que dispõe sobre a criação e a formação das uniões aduaneiras e das zonas de livre comércio.

A justificativa para a formação de blocos era a de propiciar maior liberdade de comércio, mesmo que discriminatória, com vistas ao aproveitamento das vantagens comparativas recíprocas. Acreditava-se que a integração contribuiria para gerar ganhos de comércio e, consequentemente, aumento do bem-estar.

Nas negociações de acordos comerciais, os países buscam ampliar o acesso aos mercados externos, sobretudo no que diz respeito à elevação das margens de preferência para seus produtos, preferência esta que se dá por meio da redução das alíquotas do imposto de importação.

8.1 Aspectos teóricos e históricos de integração regional

O livre comércio é considerado pelos clássicos como a melhor forma de usar eficientemente todos os recursos disponíveis para atingir o máximo de bem-estar mundial. Mas só isso não é suficiente, pois, como ocorre transferência de renda entre pessoas e nações, alguns ganham e outros perdem com a liberdade de comércio.

Como na realidade não existem mecanismos capazes de compensar as perdas dos que são prejudicados pelo livre comércio, os Estados intervêm publicamente para neutralizar os prejuízos resultantes das trocas internacionais e alavancar o desenvolvimento econômico.

As consequências das decisões de uma nação sobre o comércio exterior naturalmente extrapolam os limites de seu território. No século XX, o mundo passou por etapas de acirramento das práticas protecionistas, desastrosas para muitos povos.

94
94

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação O período entre as guerras mundiais foi marcado por acentuado protecionismo

O período entre as guerras mundiais foi marcado por acentuado protecionismo e por deterioração das

relações econômicas internacionais. Os Estados Unidos, que após a Primeira Guerra Mundial emergiram como potência, aumentaram bruscamente suas tarifas aduaneiras.

Esse fato levou seus parceiros comerciais a impor retaliações e a disseminar guerras comerciais acirradas. Por exemplo, para enfrentar um problema de balanço de pagamento, um país desvalorizava sua moeda. Isso tornava mais caro o produto de outro país, que, para recuperar a competitividade, também desvalorizava sua moeda, como já mencionamos anteriormente.

Assim, mesmo durante os conflitos, toda essa problemática motivou, a partir de Bretton Woods,

o surgimento do GATT (Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio). Com o objetivo de reduzir as barreiras comerciais e aumentar a interdependência das nações, o princípio básico do GATT era: nenhum país

tinha obrigação de fazer concessões, mas se ele reduzisse suas barreiras à importação de determinado produto, esse benefício seria automaticamente estendido aos demais membros. Além disso, esses países precisariam também assumir o compromisso de não aumentar suas tarifas ou fazer outras restrições.

O GATT mostrou sua maior fraqueza na questão da solução de controvérsia e desrespeito às regras por parte de seus signatários.

A ideia de que alguma liberdade de comércio, mesmo que seletiva, seria melhor que nenhuma passou

a fazer parte do discurso acerca da formação de blocos regionais, nos quais se esperava maior eficiência

na alocação de recursos e aumento de bem-estar.

A partir da década de 1950, surgem as primeiras teorias sobre as uniões aduaneiras e as zonas de

livre comércio. Foi nesse período que o economista Jacob Viner (1950) publicou seus estudos centrados nas condições sob as quais a alocação dos recursos mundiais é melhorada pela criação de acordos regionais. Ele alertou para a possibilidade de se observar o saldo líquido negativo em decorrência da manutenção do protecionismo em relação aos países não signatários do acordo.

Segundo Jacob (1950), há criação de comércio quando a produção doméstica, menos eficiente,

é substituída pela importação, mais barata devido à ausência de barreiras procedentes de um parceiro comercial. Há desvio de comércio quando o produto socialmente mais barato em relação ao resto do mundo é preterido em favor daquele produzido pelo país-sócio. A ocorrência de criação ou desvio de comércio depende dos preços dos produtos nos diferentes países e da dimensão das barreiras alfandegárias.

Para que a união aduaneira possa beneficiar os participantes, a criação de comércio deve superar o desvio de comércio, de modo que, no balanço, a formação da união desloque fontes de suprimento para custos mais baixos mais do que para custos mais altos.

Um país eficiente e altamente especializado, porém diversificado em seus padrões de consumo, pode sofrer pesadas perdas em desvio de comércio e ganhar pouco em criação de comércio, enquanto uma economia multissetorial, comparativamente de alto custo, pode ganhar muito em criação de comércio e perder pouco em desvio de comércio.

95
95

Unidade iii

Unidade iii As vantagens dessa estratégia podem ser sintetizadas nos quatros argumentos a seguir: • maior

As vantagens dessa estratégia podem ser sintetizadas nos quatros argumentos a seguir:

maior aproveitamento das vantagens comparativas regionais: pode ser obtido pela especialização de cada país naqueles produtos cuja produção tenha menor custo unitário, dado

que, entre eles, vigore o livre comércio; pela especialização dentro da região, que permite a cada membro proteger sua produção industrial com um custo menor do que se o fizesse isoladamente;

e pela integração, que possibilita também a complementaridade industrial, com ganhos para o

conjunto;

criação de economias de escala: sabemos que há tamanhos mínimos de plantas industriais para reduzir eficientemente, ou seja, com custos unitários menores. A união aduaneira, em um contexto de complexidade industrial, resulta na formação de um mercado maior, o que pode contribuir para reduzir o custo unitário de produção;

possibilidade de ofertar maior variedade de produtos: se o mercado é pequeno e protegido,

a oferta de produtos diferenciados e/ou sofisticados revela-se inviável porque implica a elevação de custos. Na passagem para a união aduaneira, é possível explorar a escala proporcionada pelo mercado ampliado, o que resulta em maior variedade, menores preços e aumento do bem-estar dos consumidores;

maior concorrência intrarregional: a integração amplia o mercado e, quanto maior é o mercado, maior a concorrência entre produtores, melhor a alocação de recursos, menor o grau de concentração industrial (formação de oligopólios e monopólios) e menores os preços para o consumidor final.

Assim, nessa conjuntura, algumas nações da Europa ocidental deram os primeiros passos em seu processo de integração, o que resultaria na atual União Europeia.

Na Europa, a ideia de uma unidade política cresceu após os danosos efeitos da Segunda Guerra Mundial, que corresponderam à destruição do aparato industrial, à ruína financeira e ao rebaixamento do nível de vida, que reduziram a região, economicamente eficiente, a uma região limite entre duas esferas de influência: a dos Estados Unidos e a da União Soviética.

Com o Tratado de Roma (1957), foi criada a Comunidade Econômica Europeia, que deu início a um processo de integração que afetou paulatinamente diversos setores da economia europeia. Além disso,

o surgimento dessa comunidade abriu espaço para a criação de instituições supranacionais nas quais os Estados membros cederam parte de sua soberania sobre determinadas competências. O resultado desse processo foi celebrado no Tratado de Maastricht (1992), que criou a União Europeia.

O aparente sucesso de integração europeia no campo econômico motivou a Comissão Econômica para

a América Latina (Cepal) a propor uma integração econômica da América Latina, com o objetivo final de

desenvolver a região, o que seria alcançado em decorrência da implantação do modelo de substituição

de importações, com estímulo à produção local de bens industriais anteriormente importados.

96
96

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação Nessa parte do continente americano, onde muitos países tinham um regime de

Nessa parte do continente americano, onde muitos países tinham um regime de política comercial restritiva destinada a favorecer a industrialização para substituição de importações, o tamanho reduzido dos mercados domésticos foi considerado um obstáculo ao desenvolvimento da indústria e um fator limitador dos ganhos em eficiência das economias de escala. Diante disso, a alternativa regional era vista sob a perspectiva de um mercado mais amplo, que possibilitaria o aumento da competitividade no mercado mundial.

o aumento da competitividade no mercado mundial. Figura 14 – A Ponte da Amizade liga Foz

Figura 14 – A Ponte da Amizade liga Foz do Iguaçu (Brasil) à Cidade do Leste (Paraguai)

8.2 Fases da integração

No passado, a integração entre povos era realizada por invasões e conquistas e os exércitos eram o principal instrumento de persuasão. Hoje, as nações independentes procuram se integrar por meio de acordos firmados em função de seus interesses recíprocos. Há diversos tipos de integração econômica que podem ser classificados segundo um grau crescente de interdependência:

zonas de preferência: são acordos estabelecidos por países geograficamente próximos, com o objetivo de promover desenvolvimento e aumento de suas produções interna e externa mediante

mecanismos de incentivo ao comércio intrarregional. Geralmente, são negociados acordos setoriais

e

concessões tarifárias ou não tarifárias para todos os participantes, relacionando as mercadorias

e

as respectivas margens de preferência;

área de livre comércio: prevista no artigo XXIV do GATT, ela consiste na eliminação das barreiras alfandegárias e outras restrições aos produtos produzidos dentro do grupo de dois ou mais países, porém, mantêm-se as políticas comerciais independentes em relação aos demais. Trata-se de um estágio de integração mais avançado do que a zona de preferência. O Nafta (Acordo de Livre Comércio da América do Norte) é um exemplo desse modelo de integração regional;

união aduaneira: também definida no artigo XXIV do GATT, refere-se à substituição de dois

ou mais territórios aduaneiros por um só, com consequente eliminação de tarifas aduaneiras

e restrições ao comércio internacional dos países membros. A união aduaneira é consequência

da eliminação de todos os obstáculos às trocas internacionais. Os regulamentos aduaneiros dos participantes da união devem ser semelhantes em relação ao comércio exterior com países

97
97

Unidade iii

Unidade iii não participantes da união. Assim, os produtos adquiridos de países externos devem ter livre

não participantes da união. Assim, os produtos adquiridos de países externos devem ter livre circulação na união. Portanto, uma união aduaneira carece necessariamente da adoção de uma tarifa externa comum e de uma política comercial em relação a produtos originários de terceiros países. Como exemplo desse modelo de integração regional, podemos citar o Mercosul;

mercado comum: consiste numa união aduaneira na qual os participantes se obrigam a implementar a livre circulação de pessoas, de bens, de mercadorias, de serviços, de capitais e de fatores produtivos, eliminada toda e qualquer forma de discriminação. As comunidades europeias já passaram por esse estágio de integração;

união econômica: nessa fase de integração, os acordos não se limitam aos movimentos de bens, serviços e fatores de produção, mas buscam harmonizar políticas econômicas para que os agentes possam operar sob condições semelhantes nos países constituintes do bloco econômico. A União Europeia encontra-se atualmente nesse estágio de integração;

integração econômica total: esse estágio de integração implica livre deslocamento de bens, serviços e fatores de produção, além de completa igualdade de condições para os agentes econômicos, o que consiste na união econômica e política e na unificação dos direitos civil, comercial, administrativo, fiscal etc., ambas administradas por autoridades supranacionais.

Saiba mais Alguns filmes podem propiciar uma inter-relação com os conteúdos vistos até aqui: UMA

Saiba mais

Alguns filmes podem propiciar uma inter-relação com os conteúdos vistos até aqui:

UMA VERDADE inconveniente. Dir. Davis Guggenheim. Estados Unidos. 2006. 100 min.

TERRA. Dir. Alastair Fothergill e Mark Linfield. Alemanha/Estados Unidos/ Inglaterra. 2009. 96 min.

8.3 principais sistemas de integração regional

8.3.1 Mercosul (Mercado Comum do Sul)

As iniciativas de integração na América Latina devem ser observadas numa visão histórica, uma vez que ela acolheu outras instituições importantes que antecederam todo o processo, como a Associação Latino-americana de Livre Comércio (Alalc), criada em 1962; o Pacto Andino, criado em 1969; e a Associação Latino-americana de Integração (Aladi), criada em 1980 como sucessora da Alalc.

Em 26 de março de 2011, completaram-se 20 anos da assinatura do Tratado de Assunção (1991), acordo criador do Mercosul que, originalmente, foi concebido para servir de instrumento do desenvolvimento

98
98

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação econômico dos Estados-membros. Esse desenvolvimento se daria inicialmente

econômico dos Estados-membros. Esse desenvolvimento se daria inicialmente pelo livre-comércio e, posteriormente, pela integração dos mercados. A origem do Mercosul pode ser atribuída ao resultado dos esforços feitos pelas políticas externa de Brasil e Argentina na década de 1980, quando ambos os países assinaram vários acordos comerciais com o objetivo de integração.

Dentre os acordos assinados, o Tratado de Integração, Cooperação e Desenvolvimento (1988) pode ser considerado o instrumento que consolidou de fato as iniciativas de integração regional. Nesse tratado, Brasil e Argentina demonstraram o desejo de constituir um espaço econômico comum no prazo máximo de dez anos por meio da liberalização comercial. Na ocasião, foram assinados 24 protocolos sobre diversos temas, tais como: bens de capital, trigo, produtos alimentícios industrializados, indústria automotriz, cooperação nuclear, transporte marítimo, transporte terrestre (BRASIL, s. d.).

Sancionado pelo congresso brasileiro e argentino em agosto de 1989, o tratado em questão previa, entre outras medidas, a eliminação de todos os obstáculos tarifários e não tarifários ao comércio de bens e serviços e também a harmonização de políticas macroeconômicas.

No início dos anos de 1990, em função das mudanças introduzidas nos programas econômicos dos governos brasileiro e argentino e da adoção de novos critérios de modernização e de competitividade, os presidentes Collor e Menem firmaram a Ata de Buenos Aires. Nesse mesmo ano, Paraguai e Uruguai juntaram-se ao processo em curso, o que resultou justamente na assinatura do Tratado de Assunção para a Constituição do Mercado Comum do Sul (Mercosul).

O Tratado de Assunção definiu os mecanismos destinados à formação de uma zona de livre comércio e de uma união aduaneira e tinha como objetivo criar meios para aumentar as atuais dimensões dos mercados nacionais, condição básica para ampliar o processo de desenvolvimento econômico com justiça social.

Como mecanismo de implementação dessa agenda, o Tratado de Assunção estabeleceu, entre outros:

um programa de liberalização comercial: consistia em reduções tarifárias progressivas, lineares e automáticas, acompanhadas da eliminação de restrições não tarifárias (quotas, restrições fitossanitárias etc.) ou medidas de efeito equivalente;

uma tarifa externa comum: incentivaria a competitividade externa dos Estados e promoveria economias de escalas eficientes;

um regime geral de origem: era um sistema de solução de controvérsias e cláusulas de salvaguarda.

A partir da assinatura do Protocolo de Ouro Preto, em 17 de dezembro de 1994, o Mercosul passou a ter personalidade jurídica de direito internacional. O protocolo referendou ao bloco competência para negociar, em nome próprio, acordos com demais países, grupos de países e organismos internacionais.

99
99

Unidade iii

Unidade iii No ano de 1995, a zona de livre comércio entre os países signatários converteu-se

No ano de 1995, a zona de livre comércio entre os países signatários converteu-se em união aduaneira. Ocorreu, portanto, a unificação das políticas comerciais por meio da adoção da Tarifa Externa Comum (TEC), na qual os signatários passaram a praticar as mesmas alíquotas de importação com países não membros. A partir desse ano, cerca de 90% das mercadorias produzidas nos países signatários passaram a ser transacionadas com tarifas comerciais zeradas.

Com o status de personalidade jurídica ordenado pelo Protocolo de Ouro Preto, o Mercosul passou a ter uma estrutura institucional básica, conforme indicada no quadro a seguir.

Quadro 1 – Estrutura institucional do Mercosul

100
100

Conselho do Mercado Comum (CMC)

Grupo Mercado Comum (GMC)

Comissão de Comércio do Mercosul (CCM)

Parlamento do Mercosul

Foro Consultivo Econômico‑social (FCES)

Secretaria do Mercosul (SM)

É o órgão superior responsável pela condução política

do processo de integração e tomada de decisões para assegurar o cumprimento dos objetivos estabelecidos no Tratado de Assunção. Ele é constituído pelos ministros das Relações Exteriores e pelos ministros da Economia ou seus

equivalentes nos Estados partes. A presidência do Conselho

é rotativa, em ordem alfabética, pelo período de seis meses. Ele pode se reunir quantas vezes achar oportuno, mas deve fazê-lo pelo menos uma vez por semestre, com a participação dos presidentes dos Estados partes.

É o órgão executivo que toma as providências necessárias

ao cumprimento das decisões adotadas pelo Conselho e fixa programas de trabalho que assegurem avanços para o estabelecimento do Mercado Comum. Ele é integrado por quatro membros, um de cada país do bloco. Entre esses membros, deve haver obrigatoriamente representantes dos ministérios das Relações Exteriores, dos ministérios da Economia ou equivalentes e dos bancos centrais. O órgão pode se reunir de forma ordinária ou extraordinária quantas vezes se fizerem necessárias.

É o órgão encarregado de assistir o GMC, tendo dentre suas

competências a de velar pela aplicação dos instrumentos de política comercial comum pelos Estados partes a fim de que a união aduaneira funcione, bem como de acompanhar

e revisar assuntos relacionados com as políticas comerciais

comuns e com o comércio intra-Mercosul e com terceiros países. Essa comissão é integrada por quatro membros, um de cada país do bloco, e coordenada pelos ministérios das Relações Exteriores. Ela deve se reunir pelo menos uma vez por mês ou sempre que solicitado pelo GMC.

É

e

a pronta entrada em vigor das normas emanadas dos órgãos do Mercosul. Ele também poderá operar na harmonização da legislação, tal como requerido no avanço do processo de integração, e encaminhará suas recomendações por intermédio do GMC e adotará seu regimento interno.

É o órgão de representação dos setores econômicos e

procurará acelerar os procedimentos internos nestes para

o órgão representativo dos parlamentos dos Estados partes

sociais. Tem função consultiva e manifestar-se-á mediante recomendações ao GMC.

É o órgão de apoio operacional responsável pela prestação de serviços aos demais órgãos do Mercosul. Sua sede permanente é em Montevidéu e, recentemente, passou a desempenhar tarefas técnicas.

Fonte: BRASIL, s. d.

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação Após sua institucionalização, o Mercosul passou por um processo de

Após sua institucionalização, o Mercosul passou por um processo de fortalecimento internacional e se aproximou da comunidade Andina de Nações, com a assinatura de acordos de livre comércio. Estes admitiram como Estados associados a Bolívia (1996), o Chile (1996), o Peru (2003), a Colômbia (2004) e o Equador (2004).

A condição de Estado associado se estabelece por acordos bilaterais denominados Acordos de

Complementação Econômica, firmados entre o Mercosul e cada país associado. Nesse acordo, é definido um cronograma para a implantação de uma zona de livre comércio com os países do Mercosul e uma gradual redução de tarifas entre o bloco e os países admitidos. Além disso, os países associados podem participar das reuniões dos organismos do Mercosul como convidados e efetuar convênios sobre matérias comuns.

Há mais de cinco anos a Venezuela é “sócio pleno em estado de adesão”. Sua entrada foi aprovada pelos parlamentos da Argentina, do Brasil e do Uruguai. Porém, o pedido de ingresso está parado no senado paraguaio há três anos.

Quadro 2 – Composição do Mercosul

Estados partes

Argentina

Argentina

Estados partes Argentina Brasil Paraguai Uruguai Venezuela (em processo de adesão)

Brasil

Paraguai

Paraguai

Estados partes Argentina Brasil Paraguai Uruguai Venezuela (em processo de adesão)

Uruguai

Venezuela (em processo de adesão)

Venezuela (em processo de adesão)

(1991)

(1991)

(1991)

(1991)

Estados

Estados Bolívia Chile Peru Colômbia Equador

Bolívia

Estados Bolívia Chile Peru Colômbia Equador

Chile

Estados Bolívia Chile Peru Colômbia Equador

Peru

Estados Bolívia Chile Peru Colômbia Equador

Colômbia

Estados Bolívia Chile Peru Colômbia Equador

Equador

associados

(1996)

(1996)

(2003)

(2004)

(2004)

Fonte: Brasil, s. d.

A agenda de integração do Mercosul tem sido caracterizada pela centralidade dos temas

econômico-comerciais. No entanto, a intenção é que a integração seja projetada para além da dimensão

econômica, tal como disposto no Tratado de Assunção.

Os primeiros anos do Mercosul foram marcados pelo aumento expressivo das relações econômicas

intrabloco. O crescimento do comércio intrabloco foi extremamente elevado, cerca de 400% em sete anos (LAMPREIA, 1999). À época, a América do Sul tornava-se, definitivamente, parte prioritária da estratégia econômica internacional do Brasil.

101
101

Unidade iii

Unidade iii Quadro 3 – Principais indicadores socioeconômicos do Mercosul (1990‑2008) Mercosul (Brasil, Argentina,

Quadro 3 – Principais indicadores socioeconômicos do Mercosul (1990‑2008)

Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) Principais indicadores socioeconômicos 1990 / 2000 / 2005 ‑ 2008

 

Indicador

1990

2000

2005

2006

2007

(1)

2008

(1)

Superfície total (mil km 2 )

11.867

11,867

11,867

11,867

11,867

11,867

População (em milhões de habitantes)

189,6

220,2

235,4

238,4

241,5

240,1

Densidade demográfica (hab. por km 2 )

16,0

18,6

19,8

20,1

20,4

20,2

PIB total, a preços correntes (US$ bilhões)

663,4

955,7

1.087,5

1.314,2

1.607,4

1.939,9

PIB, per capita, a preços correntes (US$)

3.499

4.340

4.620

5.513

6.656

8.080

Reservas internacionais (US$ bilhões)

n.d

86,3

86,2

122,6

233,0

247,2

Dívida externa total (US$ bilhões)

191,8

383,7

297,2

294,0

366,2

378,1

Dívida externa por total (US$ mil)

1,01

1,74

1,26

1,23

1,52

1,57

Exportações totais (US$ milhões)

46.433

84.624

164.004

190.459

223.973

126.505

Importações totais (US$ milhões)

29.302

86.853

127.502

166.711

228.917

111.572

Balança comercial (US$ milhões)

17.131

–2.229

36.502

23.748

–4.944

14.933

Intercâmbio comercial (US$ milhões)

75.735

171.477

291.506

357.170

452.890

238.077

Exportações Intra-Mercosul (US$ milhões)

14.769

17.829

21.128

25.775

32.844

17.034

Exportações do Brasil para o Mercosul (US$ milhões)

1.320

7.740

11.746

13.986

17.354

21.737

Importações brasileiras do Mercosul (US$ milhões)

2.312

7.796

7.054

8.967

11.625

14.934

Balança comercial Brasil-Mercosul (US$ milhões)

–992

–56

4.692

5.019

5.729

6.803

Intercâmbio comercial Brasil-Mercosul (US$ milhões)

3.632

15.536

18.800

22.953

28.979

36.671

Elaborado pelo MRE/DPR/DIC – Divisão de Informação Comercial, com base em dados das seguintes fontes:

Superfície total: EIU. The Economist Intelligence Unit, Country Profile 2008 (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai). População: Aladi – Mercosur: Indicadores Socioeconómicos 1990-2007 (www.aladi.org – acesso em 10/2/2009). PIB total: Aladi – Mercosur: Indicadores Socioeconómicos 1990-2007 (www.aladi.org – acesso em 10/2/2009). Reservas Internacionais : EIU. The Economist Intelligence Unit, Country Report (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) January 2009. Dívida Externa: Aladi – Mercosur: Indicadores Socioeconómicos 1990-2007 (www.aladi.org – acesso em 10/2/2009) nos anos de 1990/2000/2005/2006. Os dados de 2007 e 2008 foram extraídos do EIU. The Economist Intelligence Unit, Country Report (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) January 2009. Exportações e importações totais: FMI. Direction of Trade Statistics, CD December 2008. Comércio com o Brasil: MDIC/SECEX/Aliceweb. (1) Estimativa ou dados preliminares, exceto para superfície, comércio exterior e comércio com o Brasil. (2) Dados extraídos do EIU, The Economist Intelligence Unit, Country Profile 2008 (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) ou do Country Report January 2009.

Fonte: Brasil, 2009.

Mesmo com as dificuldades e crises que o Mercosul enfrentou em seu processo de implantação e consolidação, o bloco foi responsável por resultados econômicos expressivos durante a maior parte da década de 1990, dos quais o Brasil foi um dos grandes beneficiados.

102
102

Fonte: Brasil, 2009.

Quadro 4 – Evolução do comércio exterior do Mercosul (1998‑2008)

Elaborado pelo MRE/DPR/DIC – Divisão de Informação Comercial, com base em dados do FMI. Direction of Trade Statistics, CD December 2008.

Os dados das exportações estão apresentados na base fob e das importações, na base cif.

(1) Dados extraídos do MDI/SECEX/Aliceweb.

(2) janeiro-junho.

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

     

C. Glob

180.195

179.273

155.434

171.477

169.036

149.805

187.120

237.876

291.506

357.170

452.890

(US$ milhões)

Mercosul

Imp

97.699

97.817

81.286

86.853

81.158

60.523

80.912

102.066

127.502

166.711

228.917

Exp

82.496

81.456

74.148

84.624

87.878

89.282

106.208

135.810

164.004

190.459

223.973

   

C. Glob

6.445

6.581

5.816

5.761

5.106

4.812

4.387

6.049

7.282

10.459

12.495

Uruguai

Imp

3.715

3.811

3.579

3.466

3.048

2.629

2.190

3.119

3.879

6.168

7.409

exterior, por país

 

Exp

2.730

2.770

2.237

2.295

2.058

2.183

2.197

2.930

3.403

4.291

5.086

(janeiro‑junho)

 

C. Glob

5.352

5.508

3.901

3.124

3.178

2.612

3.294

4.550

5.265

7.681

9.387

Paraguai

 

3.952

4.244

2.887

2.255

2.188

1.661

2.052

2.923

3.577

5.775

5.963

comércio

Imp

Evolução e do 2008

1998‑2007

 

Exp

1.400

1.264

1.014

869

990

951

1.242

1.627

1.688

1.906

3.424

 

C. Glob

112.741

108.903

97.315

110.970

113.889

107.682

136.039

170.278

209.880

258.424

333.846

Mercosul:

 

Brasil (1)

Imp

59.747

57.763

49.302

55.851

55.602

47.243

62.836

73.600

91.351

120.617

173.197

 

Exp

52.994

51.140

48.013

55.119

58.287

60.439

73.203

96.678

118.529

137.807

160.649

 

C. Glob

55.657

58.281

48.402

51.622

46.863

34.699

43.400

56.999

69.079

80.606

97.162

Argentina

Imp

30.285

31.999

25.518

25.281

20.320

8.990

13.834

22.424

28.695

34.151

42.348

Exp

25.372

26.282

22.884

26.341

26.543

25.709

29.566

34.575

40.384

46.455

54.814

Anos

1997

1998

1999

2000

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

238.077

111.572

126.505

7.143

4.368

2.775

5.288

3.333

1.955

169.994

79.349

90.645

55.652

24.522

31.130

2008 (2 )

103
103

Unidade iii

Unidade iii O comércio intrabloco triplicou no período entre 2002 e 2007 e cresceu em valor

O comércio intrabloco triplicou no período entre 2002 e 2007 e cresceu em valor mais do que o comércio extrabloco (HOFFMANN et al., 2008).

Quadro 5 – Direção das exportações do Mercosul (2002‑2008)

 

Mercosul: Direção das exportações (intra e extrazona) 2002‑2007 e 2008 (janeiro‑junho)

 

Anos

Exportação

Exportação

Part. % na exp. total

Exportação

Part. % na exp. total

total

intrazonal

extrazonal

2002

89.282

10.229

11,5%

79.053

88,5%

2003

106.208

12.731

12,0%

93.477

88,0%

2004

135.810

17.355

12,8%

118.455

87,2%

2005

164.004

21.127

12,9%

142.877

87,1%

2006

190.459

25.775

13,5%

164.684

86,5%

2007

223.973

32.843

14,7%

191.130

85,3%

2008 (jan-jun)

126.505

17.034

13,5%

109.471

86,5%

Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Informação Comercial com base em dados do FMI, Direction of Trade Statistics, CD December 2008.

Fonte: Brasil, 2009.

Contudo, o crescimento do comércio não ocorreu sem tropeços: evoluiu muito nos anos 1990, com a abertura dos mercados promovida por seus países membros; contraiu-se no início do século XXI, em razão da desvalorização do Real em 1999 e da crise argentina em 2001-02; e recuperou a tendência de alta quando as nações restabeleceram o ritmo de crescimento econômico com o avançar do século XXI.

Além da significativa aplicação nas relações comerciais já mencionadas – no comércio e em investimentos –, outros fatores concorreram para a consolidação do bloco.

Fortalecido institucional e politicamente a partir de sua constituição como personalidade jurídica, o Mercosul passou a representar seus membros nas negociações internacionais. Até então, essas nações tinham de fazê-lo sozinhas, sem contar com o poder que advém do peso do conjunto (HIRST,

2001).

A princípio, a ideia de um Mercosul como um instrumento geopolítico não foi objeto nem motivação dos primeiros acordos entre os Estados membros. Esse caráter instrumental do bloco conveio aos interesses da elite política brasileira, sempre em busca de meios e recursos que lhe conferissem maior margem de manobra nas negociações com as potências do mundo desenvolvido (VIGEVANI et al.,

2008).

Parte da elite política e diplomática do Brasil, de orientação desenvolvimentista e autonomista, vê no Mercosul um instrumento de afirmação do país como potência regional. Segundo essa

104
104

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação elite, a ampliação paulatina do bloco viria a trazer os demais países

elite, a ampliação paulatina do bloco viria a trazer os demais países sul-americanos para a esfera de influência política do Brasil e, além disso, abriria caminho para a criação de uma grande zona de livre-comércio, da qual muito se beneficiaria a economia do país (SARAIVA e BRICEÑO, 2009).

Ao mesmo tempo, um Mercosul forte e coeso funcionaria como articulador de cooperação Sul-Sul entre blocos regionais e outros agrupamentos de países em desenvolvimento (SARAIVA e BRICEÑO, 2009). A partir de 2000, quando é lançado o projeto de integração sul-americana com a Casa, futura Unasul, o Mercosul começa a aparecer no discurso diplomático brasileiro como a plataforma que levará à realização daquele projeto maior (SANTOS, 2005).

À margem da Reunião Ministerial Grupo do Rio-UE, em Luxemburgo, em abril de 1991 com os Estados Unidos (assinaturado Rose Garden Agreement ou Acordo 4+1), a primeira Reunião de Chanceleres Mercosul-UE, em junho de 1991, em Washington, já evidenciava que um dos objetivos do bloco era o de obter reconhecimento de sua própria existência. Isso se daria quando o bloco se credenciasse como interlocutor das principais potências e parceiros econômico-comerciais do mundo.

Mercosul: Direção das exportações

2007

Outros Intra-Mercosul 14,7% 14,7% África 4,6% Ásia 15,5% Aladi (exceto Mercosul e México) 10,4% Nafta
Outros
Intra-Mercosul
14,7%
14,7%
África
4,6%
Ásia
15,5%
Aladi (exceto
Mercosul e México)
10,4%
Nafta

17,4%

União Europeia

22,7%

Figura 15 – Direção das exportações do Mercosul por região

própria

institucionalização e se consubstanciavam em torno de um raciocínio de natureza muito mais política e estratégica do que propriamente comercial.

Os

relacionamentos

extrarregionais

do

Mercosul

surgiram

paralelamente

à

sua

105
105

Unidade iii

Unidade iii Mercosul: Origem das exportações 2007 África 5,3% Intra-Mercosul 15,3% Outros 25,2% Nafta Ásia 14,9%

Mercosul: Origem das exportações

2007

África

5,3%

Intra-Mercosul 15,3% Outros 25,2% Nafta Ásia 14,9% 18,6%
Intra-Mercosul
15,3%
Outros
25,2%
Nafta
Ásia
14,9%
18,6%

Aladi (exceto Mercosul e México)

4,1%

União Europeia

16,6%

Figura 16 – Origem das importações do Mercosul por região

Em 1995, o Mercosul e a União Europeia assinaram em Madri um acordo visando aprofundar as relações entre os dois blocos. O principal objetivo desse acordo foi “preparar o terreno” para as negociações, com vistas à liberalização do comércio de bens e serviços até alcançar uma área de livre comércio em conformidade com as disposições da OMC.

Em reunião realizada em Bruxelas em 1999, o Conselho de Cooperação decidiu criar o Comitê de Negociações Bi-Regionais, cujos principais objetivos no âmbito da negociação comercial foram:

• liberalização bilateral e recíproca do comércio de bens e serviços conforme as regras da OMC;

• melhora no acesso a compras governamentais nos mercados de produtos e serviços;

• promover uma abertura e um ambiente não discriminatório aos investimentos;

• assegurar uma adequada e efetiva política de concorrência e um mecanismo de cooperação;

• assegurar adequadas e efetivas disciplinas no campo dos instrumentos de defesa comercial e estabelecer um mecanismo efetivo de solução de controvérsias.

Para Cervo (2008):

] [

concretizados fazem do sujeito internacional Mercosul um ente ativo

o espectro de negociações externas em andamento e os nexos já

106
106

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação e expressam dinamismo. Tal dinamismo se deve tributar aos avanços

e expressam dinamismo. Tal dinamismo se deve tributar aos avanços institucionais que consolidam internamente o bloco e o dotam de meios de ação na frente externa (CERVO, 2008, p. 12).

No âmbito da integração econômica e a despeito dos percalços provocados por crises financeiras, é significativo que o Mercosul tenha sido desde sua criação um dos principais destinos das exportações do Brasil e um de seus principais fornecedores. No aspecto geopolítico, o bloco vem articulando a configuração de um espaço econômico e político sul-americano no interior do qual o Brasil será a principal potência.

no interior do qual o Brasil será a principal potência. observação Figura 17 O símbolo oficial
no interior do qual o Brasil será a principal potência. observação Figura 17 O símbolo oficial

observação

Figura 17

O símbolo oficial do Mercosul foi adotado pelo Conselho do Mercado Comum no 11º Encontro de Presidentes, em 1996, em Fortaleza. O logo apresenta quatro estrelas formando a constelação do Cruzeiro do Sul acima de uma curva verde representando o horizonte, com o nome Mercosul abaixo. As estrelas representam as quatro bandeiras nacionais dos membros fundadores do Mercado Comum: Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Esse logotipo foi criado pelo desenhista gráfico argentino Carlos Varau. O trabalho de Varau foi o ganhador entre 1412 trabalhos do concurso patrocinado pelas agências de comunicação oficial em cada um dos países-membros. 40

Saiba mais Acesse a biblioteca oficial do Mercosul: < http://www.mercosur.int/pmb/ opac_css/ >. Acesso em: 30

Saiba mais

Acesse a biblioteca oficial do Mercosul: <http://www.mercosur.int/pmb/ opac_css/>. Acesso em: 30 jan. 2012.

Unidade iii

Unidade iii 8.3.2 Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) Com o objetivo de

8.3.2 Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta)

Com o objetivo de promover a integração regional dos países da América do Norte, em 1989 entrou em vigor o Acordo Comercial entre os Estados Unidos e o Canadá, com a finalidade de criar uma zona de livre comércio.

Em 1992, com a inclusão do México, esse acordo recebeu o nome de Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), que entrou oficialmente em vigor a partir de 1994.

Um dos principais objetivos do Nafta é a eliminação gradual de tarifas e demais restrições aduaneiras dentro de um prazo inicial de 15 anos. Essa eliminação abrange algumas exceções previstas em cláusulas de salvaguarda, que assegurarão aos países membros que suas indústrias locais não serão prejudicadas pelos produtos importados.

O Nafta detém características absolutamente próprias. A mais notável delas é a integração de três

países nos quais há uma profunda assimetria, sobretudo entre dois deles e o terceiro, ou seja, o México, que entra nesse processo de integração de uma maneira distinta. Basta fazer uma comparação entre os

valores do PIB (Produto Interno Bruto) de cada um deles e verificar como são díspares.

Outra característica muito importante é que não existe a livre circulação de pessoas entre os países membros do Nafta. O que o Nafta pretende criar em seu quadro tão diversificado é apenas uma zona de livre comércio. Além disso, num prazo de 15 anos, ele gradualmente busca:

• eliminar as barreiras ao comércio de bens e serviços regionais nos três países;

• remover quaisquer restrições ao investimento inter-regional;

• definir regras muito claras de propriedade industrial e meio ambiente (essa é uma exigência dos Estados Unidos).

Os países membros do Nafta concederão aos demais o tratamento de nação mais favorecida, com

tarifas recíprocas aos bens deles originários. As restrições ao livre trânsito de mão de obra, principalmente

a oriunda do México, ainda permanecem, o que dificulta a transformação do Nafta em um mercado

comum, modelo de integração regional mais avançado. Desse modo, o Nafta deverá permanecer por muito tempo apenas como zona de livre comércio.

8.3.3 União Europeia

A União Europeia é proveniente dos movimentos de integração regional da década de 1950, após

o final da Segunda Guerra Mundial e a partir da necessidade de reconstrução dos países do continente europeu, devastados pela guerra.

O primeiro passo para a liberalização do comércio internacional no continente europeu foi a criação em 1948 da Benelux, união aduaneira entre Bélgica, Holanda e Luxemburgo.

108
108

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação Em 1958, os países membros da Benelux se uniram à França, à

Em 1958, os países membros da Benelux se uniram à França, à Itália e à Alemanha Ocidental e constituíram a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, que eliminou restrições alfandegárias dos produtos minerais para os países signatários e criou uma tarifa comum para os países externos.

O que iniciou a Comunidade Econômica Europeia (CEE) ou Mercado Comum Europeu foi o Tratado

de Roma, formalizado em 1957. Ele englobou os seis países da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço e, em 1972, foram nele incluídos o Reino Unido, a Irlanda e a Dinamarca. Em 1981, se deu a inclusão da Grécia e, em 1986, a de Portugal e a da Espanha.

As finalidades da Comunidade Europeia estabelecidas no Tratado de Roma foram:

• eliminação das tarifas aduaneiras e de outros tipos de restrições sobre importações e exportações aos países signatários;

• criação de uma política comercial comum para os países membros;

• coordenação das políticas econômicas dos países membros;

• criação de uma política agrícola e de transportes comum aos países membros;

• criação de tarifas alfandegárias e de uma política comercial comum aos países não signatários;

• criação do Fundo Social Europeu e do Banco Europeu de Investimentos;

• eliminação de restrições de livre circulação de mercadorias, serviços, capitais e pessoas;

• aproximação das respectivas legislações até o pleno funcionamento do mercado comum;

• acordos para assegurar a concorrência leal dentro do mercado após a abolição das tarifas;

• associação de certos países e de territórios ultramar.

Em 1992, países da Comunidade Econômica Europeia firmaram o Tratado de Maastrich, que criou a Comunidade Europeia e, assim, estabeleceu a livre circulação de mercadorias, serviços, capitais e pessoas entre os países membros.

Uma das bases institucionais do bloco é o Parlamento Europeu, que detêm o poder de veto no processo de decisão comunitário. O parlamento em questão tem sempre que recusar uma proposta de maneira absoluta nas decisões adotadas pelo Conselho Europeu, pela Comissão Executiva e pelo próprio parlamento em si.

Para complementar essa base institucional, temos o Conselho Europeu, um órgão de administração da Comunidade Europeia composto pelos dirigentes dos países membros, que regem as principais funções administrativas.

109
109

Unidade iii

Unidade iii Para o pleno funcionamento das estâncias de administração, a Comunidade Europeia conta ainda com

Para o pleno funcionamento das estâncias de administração, a Comunidade Europeia conta ainda com órgãos auxiliares:

• Banco Europeu para Investimentos (BEI);

• Comitê Econômico e Social (CES);

• Comitê das Regiões;

• Banco Central Europeu (BCE);

• Instituto Monetário Europeu (IME);

• Sistema Europeu dos Bancos Centrais (SEBC).

Embora ainda em crise, a União Europeia é uma das maiores potências comerciais do mundo, representando 41,8% do volume total das importações e das exportações mundiais.

Quadro 6 – Evolução do Comércio Exterior da União Europeia

Evolução do comércio exterior da União Europeia 2006 ‑ 2010 (Em US$ bilhões)

 

DISCRIMINAÇÃO

         

Var. %

2006

2007

2008

2009

2010

2006‑2010

Exportações (fob)

4.567

5.352

5.929

4.583

5.143

 

Variação em relação ao ano anterior (%)

12,6%

17,2%

10,8%

0,4%

-3,9%

12,61%

Part % nas exportações mundiais

38,1%

38,5%

37,0%

37,1%

41,5%

Importações (cif)

4.682

5.525

6.191

4.634

5.228

 

Variação em relação ao ano anterior (%)

14,2%

18,0%

12,1%

-1,0%

-5,4%

11,66%

Part % nas importações mundiais

37,9%

38,5%

37,5%

36,0%

42,2%

Intercâmbio comercial

9.249

10.877

12.120

9.217

10.371

 

Variação em relação ao ano anterior (%)

13,4%

17,6%

11,4%

-0,3%

-4,7%

12,13%

Part % no total do comércio exterior mundial

38,0%

38,5%

37,2%

36,5%

41,8%

Saldo comercial

‑115

‑173

‑262

‑51

‑85

n.a

Fonte: Brasil, 2009.

Saiba mais Para saber mais sobre a crise econômica na Europa, acesse: < http://veja.

Saiba mais

Para saber mais sobre a crise econômica na Europa, acesse: <http://veja.

abril.com.br/perguntas-respostas/crise-europa.shtml>. Acesso em: 30 jan. 2012

110
110

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação Para saber mais sobre os indicadores econômicos da União Europeia, acesse:

Para saber mais sobre os indicadores econômicos da União Europeia, acesse:

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Departamento de Promoção Comercial (DPR) e Divisão de Informação Comercial (DIC). Comércio exterior da União Europeia. Brasília, jul. 2010. Disponível em:

<http://www.brasilglobalnet.gov.br/ARQUIVOS/IndicadoresEconomicos/ ComExtUniaoEuropeia.pdf>. Acesso em: 30 jan. 2012.

resumoComExtUniaoEuropeia.pdf>. Acesso em: 30 jan. 2012. Atualmente, a economia mundial convive com dois fenômenos

Atualmente, a economia mundial convive com dois fenômenos aparentemente contraditórios: a globalização e a regionalização. Esta unidade apresentou esse cenário internacional, com economias cada vez mais interdependentes, o que caracteriza a globalização.

A globalização proporciona um aprofundamento da integração econômica, social, política e cultural. A integração mundial decorrente da globalização ocorreu devido aos avanços tecnológicos e ao aumento do fluxo mercadorias, capitais e informações que atravessam as fronteiras nacionais.

Analisamos ainda o surgimento de blocos econômicos supranacionais, que, pela dinâmica de fluxos econômicos ou acordos diplomáticos, incentivam a circulação de bens e capitais.

Por fim, apresentamos os tipos de integração econômica segundo o grau crescente de interdependência: zonas de preferência, áreas de livre comércio, união aduaneira, mercado comum, união econômica e integração econômica total.

exercícioscomum, união econômica e integração econômica total. Questão 1 . (ABRIL, 2009) “A produção agrícola na

Questão 1. (ABRIL, 2009) “A produção agrícola na China sofre com as variações climáticas e as limitações de seu território”. A frase se reporta principalmente:

A) Ao fato de boa parte do território chinês ser coberto por uma camada de gelo em função de suas altas latitudes.

B) Ao fato de a parte ocidental do território chinês ser dominada por grandes desertos, o que inviabiliza a prática agrícola e há ainda os excessos de chuvas ocasionais na parte litorânea.

111
111

Unidade iii

Unidade iii C) Ao fato de o clima de monções atingir todo o território chinês e

C) Ao fato de o clima de monções atingir todo o território chinês e provocar, via de regra, constantes inundações.

D) À inexistência de rios com volume de água suficiente para a prática agrícola e a irrigação.

E) Ao fato de os rios chineses serem todos temporários em função das longas estiagens, o que inviabiliza a prática agrícola nesses períodos.

Resposta correta: alternativa B.

Análise da alternativas:

Alternativa A: incorreta.

Justificativa: não corresponde à situação geográfica da China.

Alternativa B: correta.

Justificativa: a parte ocidental, ou leste, do território chinês é formada por desertos e o sudoeste, pela Cordilheira do Himalaia, inviabilizando a prática agrícola em pelo menos 50% do território chinês, ao passo que a parte ocidental (litorânea), ocasionalmente, sofre com as enchentes e inundações dos excessos pluviométricos provocados pelo clima de monções. Portanto a alternativa C não responderia a questão e as demais estão discrepantes com a situação geográfica da China.

Alternativa C: incorreta.

Justificativa: as inundações são ocasionais em algumas partes do território chinês.

Alternativa D: incorreta.

Justificativa: não corresponde à situação geográfica da China.

Alternativa E: incorreta.

Justificativa: não corresponde à situação geográfica da China.

Questão 2. (ABRIL, 2009) Os conflitos recentes ocorridos no Irã em relação à reeleição de Mahmoud Ahmadinejad, mais uma vez, provocaram profundas inquietações no mundo ocidental. A principal preocupação que cerca o governo de Ahmadinejad é:

A) Sua incapacidade de implantar um regime democrático no Irã conforme compromisso assumido em sua plataforma eleitoral.

112
112

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação

Geopolítica, ReGionalização e inteGRação B) Pela sua postura de empreender reformas que levem à implantação de

B) Pela sua postura de empreender reformas que levem à implantação de um governo marxista no país, o que é vital para o abastecimento de petróleo ao Ocidente.

C) Pela possibilidade de o país acabar rompendo com a Opep a partir da redução de sua produção petrolífera, o que poderia provocar um novo choque do petróleo.

D) Pela sua disposição de formalizar um tratado de paz e cooperação com a China em detrimento das potências ocidentais.

E) Pelo projeto de levar adiante o programa nuclear do país, que fechou acordo com a Rússia para fornecimento de urânio enriquecido, o que pode propiciar, no futuro, o acesso a armas nucleares.

Resolução desta questão na Plataforma.

Figura 1 FIGURAS E ILUSTRAÇÕES 7A17086_150PX.JPG. Disponível em:

Figura 1

FIGURAS E ILUSTRAÇÕES

7A17086_150PX.JPG. Disponível em: <http://lcweb2.loc.gov/service/pnp/agc/7a17000/7a17000/7a170 86_150px.jpg>. Acesso em: 1 fev. 2012.

Figura 2

FILHO STUCKERT, R. Presidenta Dilma Rousseff durante encontro com o secretário-geral das

Nações Unidas, Ban Ki-Moon, na Sede da ONU. Brasília (DF). 2011. 1 fotografia. Disponível em:

<http://agenciabrasil.ebc.com.br/sites/_agenciabrasil/files/gallery_assist/26/gallery_assist679531/

prev/2STU1256-Edit.jpg>. Acesso em: 1 fev. 2012.

Figura 3

FIÚZA, E. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e a chanceler da Colômbia, María Angela Holgín, assinam nove acordos de ajustes e acordos bilaterais envolvendo tecnologia e inovação na área de biocombustíveis, educação, direitos humanos e combate à violência, durante a 2ª Reunião da Comissão Bilateral Brasil-Colômbia, no Itamaraty. Brasília (DF). 2011. 1 fotografia. Disponível em:

<http://agenciabrasil.ebc.com.br/sites/_agenciabrasil/files/gallery_assist/26/gallery_assist681938/prev/

AgenciaBrasil26102011EZF_6942.JPG>A>. Acesso em: 1 fev. 2012.

Figura 4

BRASILIA_BRASIL3.JPG. Disponível em: <http://mrg.bz/4WotTI>. Acesso em: 1 fev. 2012.

Figura 5

FILHO STUCKERT, R. A presidenta Dilma Rousseff discursa na abertura da 66ª Assembleia Geral

da Organização das Nações Unidas (ONU). Nova York. 2011. 1 fotografia. Disponível em: <http://

agenciabrasil.ebc.com.br/sites/_agenciabrasil/files/gallery_assist/26/gallery_assist679531/

prev/1STU9831.jpg>. Acesso em: 1 fev. 2012

Figura 6

FERNANDES, J. P. T. A geopolítica clássica revisitada. Nação & Defesa, Brasília, Instituto de Defesa Nacional, n. 105, 2003, p. 232. Disponível em: <http://www.jptfernandes.com/docs/art_acad_ geopolitica_rev.pdf>. Acesso em: 2 fev. 2012.

Figura 7

MACKINDER, H. T. The geographical pivot of history. Geographical Journal, n. 23, 1904, p. 421-437.

114
114

Figura 8

Figura 8 BANDEIRA_EUA-9855.JPG. Disponível em: <http://t1.gstatic.com/

BANDEIRA_EUA-9855.JPG. Disponível em: <http://t1.gstatic.com/

images?q=tbn:ANd9GcQKqPe-FIz1eRncmizXLj2btIUtoGG4xy1RqHd4GpRZ1P-6OCU8Aps4QDdN>.

Acesso em: 1 fev. 2012.

Figura 9

600PX-FLAG_OF_THE_SOVIET_UNION_1923.SVG.PNG. Disponível em: <http://webs.racocatala.cat/ banderes/mexic/600px-Flag_of_the_Soviet_Union_1923.svg.png>. Acesso em: 1 fev. 2012.

Figura 10

CRUZ, A. Pôster apresenta o novo passaporte brasileiro em cerimônia que teve a participação de

ministros e do presidente Lula, entre outros. Brasília (DF). 2011. 1 fotografia. Disponível em: <http://

agenciabrasil.ebc.com.br/sites/_agenciabrasil/files/gallery_assist/3/gallery_assist638589/1415AC0058a.

jpg>. Acesso em: 1 fev. 2012.

Figura 11

WORLD_MAP.JPG. Disponível em: <http://imagebase.davidniblack.com/main.php?g2_view=core. DownloadItem&g2_itemId=4634&g2_serialNumber=2>. Acesso em: 2 fev. 2012.

Figura 12

113077916035.JPG. Disponível em: <http://mrg.bz/g91BIu>. Acesso em: 2 fev. 2012.

Figura 13

CASAL JUNIOR, M. A capital federal ficou às escuras por uma hora durante a Hora do Planeta. A iniciativa faz parte de uma mobilização mundial, promovida pela organização não governamental World Wide Fund (WWF), com o objetivo de chamar a atenção da população para a necessidade de

preservação do meio ambiente. Brasília (DF). 2011. 1 fotografia. Disponível em: <http://agenciabrasil.

ebc.com.br/sites/_agenciabrasil/files/gallery_assist/27/gallery_assist666808/prev/26032011MCA_0642.

jpg>. Acesso em: 2 fev. 2012.

Figura 14

CRUZ, A. “Sacoleiros” circulam diariamente pela Ponte da Amizade, que liga Foz do Iguaçu à Cidade do Leste, onde vários paraguaios nutrem a esperança de um governo melhor após as eleições do próximo

domingo (20). Cidade do Leste (Paraguai). 2011. 1 fotografia. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc. com.br/sites/_agenciabrasil/files/gallery_assist/3/gallery_assist638038/1550AC381.JPG>. Acesso em: 2 fev. 2012.

115
115

Figura 15

Figura 15 BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Principais indicadores econômico-comerciais do Mercosul .

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Principais indicadores econômico-comerciais do

Mercosul. Brasília, fev. 2009. Disponível em: <http://www.brasilglobalnet.gov.br/ARQUIVOS/ IndicadoresEconomicos/PrincipaisIndEconComMERCOSUL.pdf>. Acesso em: 31 jan. 2012.

Figura 16

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Principais indicadores econômico-comerciais do

Mercosul. Brasília, fev. 2009. Disponível em: <http://www.brasilglobalnet.gov.br/ARQUIVOS/ IndicadoresEconomicos/PrincipaisIndEconComMERCOSUL.pdf>. Acesso em: 31 jan. 2012.

Figura 17

MERCOSUL-BANDEIRA2.GIF. Disponível em: <http://www.classificadosmercosul.com.br/mercosul_ atual/Mercosul-Bandeira2.gif>. Acesso em: 2 fev. 2012.

Audiovisuais

REFERÊNCIAS

A REVOLUÇÃO não será televisionada. Dir. Kim Bartley e Donnacha O’Briain. Irlanda. 2003. 74 min.

DIAMANTE de sangue. Dir. Edward Zwick. Estados Unidos. 2006. 143 min.

IMPÉRIO do Sol. Dir. Steven Spielberg. Estados Unidos. 1987. 154 min.

O GRANDE ditador. Dir. Charles Chaplin. Estados Unidos. 1940. 124 min.

SOLDADO anônimo. Dir. Sam Mendes. Estados Unidos. 2005. 125 min.

SYRIANA: a indústria do petróleo. Dir. Stephen Gaghan. Estados Unidos. 2005. 126 min.

TERRA. Dir. Alastair Fothergill e Mark Linfield. Alemanha/Estados Unidos/Inglaterra. 2009. 96 min.

UMA VERDADE inconveniente. Dir. Davis Guggenheim. Estados Unidos. 2006. 100 min.

Textuais

ABREU, M. P. O Brasil, o GATT e a OMC. Política externa, São Paulo, Paz e Terra, v. 9, n. 4, mar./maio

2001.

ALMEIDA, P. R. Os primeiros anos do século XXI: o Brasil e as relações internacionais contemporâneas. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

116
116
ARAÚJO, L. I. A. Das organizações internacionais . Rio de Janeiro: Forense, 2002. BEDIN, G.

ARAÚJO, L. I. A. Das organizações internacionais. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

BEDIN, G. A. O realismo político e as relações internacionais. 2. ed. rev. Ijuí-RS: Unijuí, 2004.

BELLI, B. Interdependência assimétrica e negociações multilaterais: o Brasil e o regime internacional

de comércio (1985 a 1989). Dissertação de Mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 1994.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Departamento de Promoção Comercial (DPR) e Divisão de Informação Comercial (DIC). Comércio exterior da União Europeia. Brasília, jul. 2010. Disponível em:

< http://www.brasilglobalnet.gov.br/ARQUIVOS/IndicadoresEconomicos/ComExtUniaoEuropeia.pdf>. Acesso em: 30 jan. 2012.

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Antecedentes. Brasília, s. d. Disponível em: <http://www.mdic.gov.br//sitio/interna/interna.php?area=5&menu=1384&refr=374>. Acesso em: 26 jan. 2012.

Ministério das Relações Exteriores. Principais indicadores econômico-comerciais do

Mercosul. Brasília, fev. 2009. Disponível em: <http://www.brasilglobalnet.gov.br/ARQUIVOS/ IndicadoresEconomicos/PrincipaisIndEconComMERCOSUL.pdf>. Acesso em: 31 jan. 2012.

CAMPOS, L. B.; CORRÊA, G. A. Comércio e meio ambiente: atuação diplomática brasileira em relação ao selo verde. Brasília: Instituto Rio Branco, 1998.

CASSAR, M. Uma análise das teorias clássicas de comércio exterior. In: DIAS, R.; RODRIGUES, W. (orgs.) Comércio exterior: teoria e gestão. São Paulo: Atlas, 2004, pp. 68-146.

CASTRO, I. E. Geografia e política – território, escalas de ação e instituições. Rio de Janeiro: Bertrand

Brasil, 2005.

CASTRO, M. F. De Westphalia a Seattle: a teoria das relações internacionais em transição. Cadernos do Rel, Brasília, nº 20, 2. sem., 2001.

CERVO, L. A. O livro na rua: Mercosul. Brasília: Thesaurus Editora, 2008.

Relações internacionais do Brasil: um balanço da era Cardoso. Revista brasileira de política internacional, Brasília, Ibri, ano 45, n. 1, 2002, p. 5-35.

CERVO, L. A.; BUENO, C. História da política exterior do Brasil. São Paulo: UnB, 2008.

CERVO, L. A.; SARAIVA J. S. O crescimento das relações internacionais no Brasil. Brasília: Ibri, 2005.

CÔRREA, L. F. S. (org.) O Brasil nas Nações Unidas: 1946-2006. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2007.

117
117
COSTA, W. M. Geografia política e geopolítica : discursos sobre o território e o poder.

COSTA, W. M. Geografia política e geopolítica: discursos sobre o território e o poder. 2. ed. São Paulo:

Edusp, 2008.

O Estado e as políticas territoriais no Brasil. São Paulo: Contexto, 1988.

COUTINHO, D. M. Globalizantes & globalizados. São Paulo: Aduaneira, 2003.

DEUTSCH, K. W. Análise das relações internacionais. 2. ed. Brasília: UnB, 1982.

DIAS, R. As primeiras teorias de comércio exterior: o mercantilismo. In: DIAS, R.; RODRIGUES, W. (orgs.) Comercio exterior: teoria e gestão. São Paulo: Atlas, 2004, pp.15-64.

DIAS, V. V. O Brasil entre o poder da força e a força do poder. In: BAUMANN, R. (org.) O Brasil e a economia global. Rio de Janeiro: Campus, 1996, pp. 55-73.

DI SENA JUNIOR, R. Poder e interdependência: novas perspectivas de análises das relações internacionais. Cena Internacional, Brasília, ano 4, n. 2, dez. 2001, pp. 19-42. Disponível em: <http:// cafemundorama.files.wordpress.com/2011/11/cena_2002_2.pdf>. Acesso em: 31 jan. 2012.

FINGER, J. M.; WINTERS, L. A. Reciprocity in the WTO. In: Development, trade, and the WTO: a handbook. Washington, DC: The World Bank, 2002.

FIORATI, J. J. A importância das negociações internacionais na criação das normas da Organização Mundial do Comércio. Cena internacional, Brasília, ano 4, n. 2, dez. 2002, pp. 1-27.

FIORI, J. L. Em busca do dissenso perdido. Rio de Janeiro: Insight Editorial, 1995.

FONSECA JÚNIOR, G.; NABUCO, S. (orgs.) Temas de política externa brasileira II. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GRIECO, A. F. O Brasil e o comércio internacional. São Paulo: Aduaneiras, 1994.

GUIMARÃES, L. L. Relações internacionais como campo de estudo: discurso, raízes e desenvolvimento, estado da arte. Cadernos do Rel, Brasília, n. 17, 2. sem., 2001.

HIRST, M. Atributos e dilemas políticos do Mercosul. Cadernos do fórum euro-latino-americano, Lisboa, Instituto de Estudos Estratégicos e Internacionais, fev. 2001, pp. 1-16.

HOBBES, T. Levitã. 4. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

HOBSBAWM, E. Era dos extremos: o breve século XX (1914-1991). 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HOFFMANN, A. R.; COUTINHO, M.; KFURI, R. Indicadores e análise multidimensional do processo de integração do Cone Sul. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília-DF, v. 51, n. 2, 2008, pp. 98-116.

118
118
HUNTINGTON, S. P. O choque de civilizações . Rio de Janeiro: Objetiva, 1997. KEOHANE, R.

HUNTINGTON, S. P. O choque de civilizações. Rio de Janeiro: Objetiva, 1997.

KEOHANE, R. O. Soberania estatal e instituições multilaterais: respostas à interdependência assimétrica. In: MOISÉS, J. Á. (org.) O futuro do Brasil: a América Latina e o fim da Guerra Fria. São Paulo: Paz e Terra, 1992, pp. 165-191.

KEOHANE, R. O.; NYE, J. S. Poder e interdependencia: la política mundial em transición. Buenos Aires:

Grupo Editor Latinoamericano, 1988.

KRUGMAN, P. R.; OBSTFELD, M. Economia internacional: teoria e política. São Paulo: Makron Books, 1999.

LAMPREIA, L. F. Diplomacia brasileira – palavras, contextos e razões. Rio de Janeiro: Lacerda Editores,

1999.

LARRAÑAGA, F. A. Introdução às relações internacionais. São Paulo: Aduaneiras, 2004.

LIMA, M. R. S. A política externa brasileira e os desafios da cooperação Sul-Sul. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília, v. 48, n. 1, pp. 24-59, jan./jun. 2005. Disponível em: <http://www.scielo. br/pdf/rbpi/v48n1/v48n1a02.pdf>. Acesso em: 17 out. 2011.

MACHADO, L. O. Limites e fronteiras: da alta diplomacia aos circuitos da ilegalidade, Território, Rio de Janeiro, ano V, n. 8, jan./jun. 2000, pp. 7-23.

MACKINDER, H. T. The geographical pivot of history. Geographical Journal, n. 23, 1904, pp. 421-437.

MAGNOLI, D. Globalização: estado nacional e espaço mundial. São Paulo: Moderna, 1997.

Relações internacionais: teoria e história. São Paulo: Saraiva, 2010.

MAIA, J. M. Economia internacional e comércio exterior. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MINGST, K. A. Princípios de Relações Internacionais. 4. ed. Trad. Arlete Simille Marques. Rio de Janeiro:

Elsevier, 2009.

ONU. Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano. Estocolmo, 21ª

Reunião Plenária, cap. 11, 16 jun. 1972. Disponível em: <http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/ estocolmo1972.pdf>. Acesso em: 2 fev. 2012.

MAQUIAVEL, N. O príncipe. Trad. Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2003.

MEARSHEIMER, J. The tragedy of great power politics. Nova York: W. W. Norton & Company, 2001.

MENEZES, A. M.; PENNA FILHO, P. Integração regional: os blocos econômicos nas relações internacionais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

119
119
MIYAMOTO, S. et al . Paradigmas das relações internacionais . 2. ed. rev. Ijuí-RS: Unijuí,

MIYAMOTO, S. et al. Paradigmas das relações internacionais. 2. ed. rev. Ijuí-RS: Unijuí, 2004.

NICOLAU, M. O Príncipe. São Paulo: Difel, 2002.

OLIVEIRA, H. A.; LESSA, A. C. Política internacional contemporânea: o mundo em transformação. São Paulo: Saraiva, 2006.

PRADO, L. C. D. Abertura econômica, protecionismo e poder: algumas considerações. Premissas, Campinas-SP, Núcleo de Estudos Estratégicos, Unicamp, n. 13, ago. 1996.

PECEQUILO, C. S. Introdução às relações internacionais: temas, atores e visões. Petrópolis-RJ: Vozes,

2004.

PINHEIRO, A. C. Porque o Brasil cresce pouco. In: GIAMBIAGI, F.; REIS, J. G.; URANI. A. (orgs.) Reformas no Brasil: balanço e agenda. São Paulo: Nova Fronteira, 2004, pp. 25-58.

RAMOS, R. J. S. A estrutura do comércio internacional. In: DIAS, R.; RODRIGUES, W. (orgs.) Comércio exterior: teoria e gestão. São Paulo: Atlas, 2004, pp. 147-178.

RATTENBACH, A. B. Antología geopolítica. Buenos Aires: Pleamar, 1975.

RATZEL, F. Geografia do homem (antropogeografia). In: MORAES, A. C. R. (org.). Ratzel. Trad. Fátima Murad. São Paulo: Ática, 1990.

ROCHA, A. J. R. Relações internacionais: teorias e agenda. Brasília: Ibri, 2002.

SANTI, J. R. Movimentos sociais, participação e democracia. Anais do II Seminário Nacional, Núcleo de Pesquisa em Movimentos Sociais, UFSC, Florianópolis, abr. 2007. Disponível em: <http://www. sociologia.ufsc.br/npms/janaina_rigo_santin.pdf>. Acesso em: 9 dez. 2011.

SANTOS, L. C. V. A América do Sul no discurso diplomático brasileiro. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 48, n. 2, 2005, pp. 185-204.

SARAIVA, M. G.; BRICEÑO, J. R. Argentina, Brasil e Venezuela: as diferentes percepções sobre a construção do Mercosul. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília, Ibri, v. 52, n. 1, 2009, p.

149-166.

SARDENBERG, R. Curso de introdução às relações internacionais: o meio internacional. 2. ed. Brasília:

UnB, 1982.

SARFATI, G. Teorias de relações internacionais. São Paulo: Saraiva, 2005.

SATO, E. Conflito e cooperação nas relações internacionais: as organizações internacionais no século

XXI. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília-DF, ano 46, n. 1, jun. 2003.

120
120
SCHMIDT, H. O mundo: configurações flutuantes. In: VELLOSO, J. P. R.; MARTINS, L. (orgs.) A

SCHMIDT, H. O mundo: configurações flutuantes. In: VELLOSO, J. P. R.; MARTINS, L. (orgs.) A nova ordem mundial em questão. Rio de Janeiro: José Olympio, 1994.

SEITENFUS, R. A. S. Manual das organizações internacionais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1997.

Relações internacionais. Barueri-SP: Manole, 2004.

SILVA, V. Disputas empreendidas no âmbito da Organização Mundial do Comércio e a participação brasileira, 1995-2002. Informações Econômicas, São Paulo, v. 32, n. 12, dez. 2002.

SOARES, G. F. S. Órgãos dos Estados nas relações internacionais: formas da diplomacia e as

imunidades. Rio de Janeiro: Forense, 2001.

TUNADER, O. Swedish geopolitics from Rudolf Kjellén to a swedish “dual state”. Noruega: International

Peace Research Institute, 2011.

VESENTINI, W. J. Novas geopolíticas. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2007.

VIGEVANI, T.; FAVARON, G. M.; RAMANZINI, H.; CORREIA, R. A. O papel da integração regional para o Brasil: universalismo, soberania e percepção das elites. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília-DF, v. 51, n. 1, 2008, pp. 5-27.

VINER, J. The customs union issue. Nova York: Carnegie Endowment for International Peace, 1950.

VIZENTINI, P. F. O sistema de Westphalia. In: A nova ordem global: relações internacionais do século 20, jun. 2002a. Disponível em: <http:// educaterra.terra.com.br/vizentini/artigos/artigo_75.htm.> Acesso em: 15 jan. 2012.

O Brasil e o mundo: a política externa e suas fases. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 20, n. 1, 2002b, pp. 134-154.

WANDERLEY M. C. O Brasil e a América do Sul: cenários geopolíticos e os desafios da integração. Confins, n. 7, 31 out. 2009. Disponível em: <http://confins.revues.org/6107>. Acesso em: 26 jan. 2012.

Exercícios

Unidade I

Questão 1

ABRIL. Guia do Estudante. Simulados: Geografia – Geopolítica – 10 questões. Questão 1. 2009. Disponível em: <http://guiadoestudante.abril.com.br/estudar/simulados/ simulado-geografia-geopolitica-505013.shtml>. Acesso em: 22 fev. 2012.

121
121

Questão 2

Questão 2 ABRIL. Guia do Estudante. Simulados : Geografia – Geopolítica – 10 questões. Questão 2.

ABRIL. Guia do Estudante. Simulados: Geografia – Geopolítica – 10 questões. Questão

2. 2009. Disponível em: <http://guiadoestudante.abril.com.br/estudar/simulados/

simulado-geografia-geopolitica-505013.shtml?rs=p0uA4NvrP&pn=Q1p>. Acesso em: 22 fev. 2012.

Unidade II

Questão 1

ABRIL. Guia do Estudante. Simulados: Geografia – Geopolítica – 10 questões. Questão

8. 2009. Disponível em: <http://guiadoestudante.abril.com.br/estudar/simulados/

simulado-geografia-geopolitica-505013.shtml?rs=p0uA4NvrPp1uA4NvrPp2uA3NvrPp3uA2NvrPp4uA1

NvrPp5uA4NvrPp6uA5NvrP&pn=Q7p>. Acesso em: 22 fev. 2012.

Questão 2

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) 2011: Geografia. Questão 15. Disponível em:

<http://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/provas/2011/GEOGRAFIA.pdf>. Acesso em: 21 fev. 2011.

Unidade III

Questão 1

ABRIL. Guia do Estudante. Simulados: Geografia – Geopolítica – 10 questões. Questão

9. 2009. Disponível em: <http://guiadoestudante.abril.com.br/estudar/simulados/

simulado-geografia-geopolitica-505013.shtml?rs=p0uA4NvrPp1uA4NvrPp2uA3NvrPp3uA2NvrPp4uA1

NvrPp5uA4NvrPp6uA5NvrPp7uA5NvrP&pn=Q8p>. Acesso em: 22 fev. 2012.

Questão 2

ABRIL. Guia do Estudante. Simulados: Geografia – Geopolítica – 10 questões. Questão

7. 2009. Disponível em: <http://guiadoestudante.abril.com.br/estudar/simulados/

simulado-geografia-geopolitica-505013.shtml?rs=p0uA4NvrPp1uA4NvrPp2uA3NvrPp3uA2NvrPp4uA1

NvrPp5uA4NvrP&pn=Q6p>. Acesso em: 22 fev. 2012.

Sites

<http://www.dpf.gov.br/servicos/passaporte>

<http://www.educaterra.terra.com.br/voltaire/mundo/muro.htm>

122
122
<http://www.meioambiente.gov.br> <http://www.mercosur.int/pmb/opac_css/>

<http://www.meioambiente.gov.br>

<http://www.mercosur.int/pmb/opac_css/>

<http://www.veja.abril.com.br/perguntas-respostas/crise-europa.shtml>

<http://www.wto.org/spanish/tratop_s/dispu_s/find_dispu_cases_s.htm#results>

<http://www.wwf.org.br>

Unidade iii

125
125
126
127
128
128
Informações: www.sepi.unip.br ou 0800 010 9000

Informações:

www.sepi.unip.br ou 0800 010 9000