Você está na página 1de 125

Universidade Federal do Amazonas

Instituto de Ciências Humanas e Letras


Mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia

História e Memória da
Biblioteca Pública do Amazonas
(1870 a 1910)

Manaus
2000
Guilhermina Melo Arruda

História e Memória
Memória da
Biblioteca Pública do Amazonas
(1870 a 1910)

Dissertação apresentada como requisito parcial


para obtenção do título de Mestre em Natureza
e Cultura da Amazônia à Universidade Federal
do Amazonas, sob a orientação do Prof. Dr.
Evandro Cantanhede de Oliveira

Manaus
2000
Ficha catalográfica

A779h Arruda, Guilhermina Melo


História e memória da Biblioteca Pública
do Amazonas (1870 a 1910). __ Manaus:
Universidade do Amazonas, 2000.
140 p.; il.; 27 cm.

Dissertação de Mestrado.

1. Biblioteca Pública do Amazonas -


História. I. Título

CDU: 027.022(811.3)”1870-1910”(091.02.2)
Dissertação defendida e aprovada em 31 de agosto de 2000,

pela banca examinadora constituída pelos professores:

_______________________________________________________
Prof. Dr. Evandro Cantanhede de Oliveira
Orientador

_______________________________________________________
Profª Drª Elenise Faria Scherer
Membro

_______________________________________________________
Prof. Dr Luís Balkar Sá Peixoto Pinheiro
Membro
À Maria de Nazaré Melo Arruda, minha mãe;

A Wellington Góes Terra, meu noivo;

À Célia Regina Simonetti Barbalho, minha eterna orientadora;

À Anabela Costa Haddad, minha amiga,

Dedico
Ao professor Dr. Evandro Cantanhede de Oliveira,
meu orientador;
À Ana Cristina Estevão,
Coordenadora da Biblioteca Pública do Amazonas;
Ao Departamento de Biblioteconomia da Universidade do
Amazonas, meu local de trabalho;
Aos amigos que, acreditando em meu potencial,
deram-me força para prosseguir, em especial a Ademir de Melo Amaral;
E a todos que, direta ou indiretamente, contribuíram para a
realização deste trabalho,
Agradeço
“ Compraste livros, enchestes estantes,
oh Amantes das Musas.
Significa isso que és um erudito agora?”
(Ausônio)
Lista de Figuras

Figura 1: Vista de Manaus 18

Figura 2: Espaço Urbano de Manaus 19

Figura 3: Nova forma de vestir 22

Figura 4: Processo de Transformação 30

Figura 5: Processo de Europeização 33

Figura 6: Ruínas da Biblioteca de Efésos – Antiguidade 48

Figura 7: Biblioteca Nacional – Rio de Janeiro 66

Figura 8: Quartel da Polícia Militar 72

Figura 9: Catedral Nossa Senhora da Conceição 82

Figura 10: Início da Construção da Sede Definitiva 84

Figura 11: Liceu Provincial – Atual Colégio Dom Pedro II 86

Figura 12: Etapa Final da Construção da Biblioteca Pública do

Amazonas 97

Figura 13: Biblioteca Pública do Amazonas nos dias atuais 100


Sumário

Considerações Iniciais 09

Capítulo 1
Um Retorno à História 16

1.1 A Construção da “Vitrina” 18

1.2 A Obscuridade do Fausto 38

Capítulo 2
Uma Sala de Leitura em Manaós 45

2.1 O Livro dos Géneses 46

Capítulo 3
Uma Nova Biblioteca para a Província 78

Considerações Finais 101

Referências 114
Resumo

Nesta dissertação, tenho por objetivo resgatar a história e a

memória da Biblioteca Pública do Amazonas durante o período de 1870 a

1910 e através desse resgate poder contextualizá-la no processo de

constituição da cidade de Manaus.

Ainda há o propósito de relacionar a criação da Biblioteca Pública

do Amazonas, a partir dos processos sociais que influenciaram tanto na

transformação urbanística de Manaus, quanto na formação da elite

intelectual da cidade.

Isso implica afirmar que se espera, com essa pesquisa, verificar se

a criação da sala de Leitura e, posteriormente, a Biblioteca Pública

Provincial tiveram uma única finalidade: equiparar a cidade de Manaus às

cidades intelectualmente desenvolvidas; ou satisfazer as necessidades da

sociedade manauara – grupo social economicamente privilegiado-; ou

ainda, executar sua função pública.

Palavras-Chave: Biblioteca pública-Amazonas, Economia

gomífera, Urbanização-Manaus, Sala de leitura, Biblioteca provincial.


Considerações
Iniciais
om este trabalho, espera-se obter não apenas o grau de

C Mestre, pois o resgate da memória e história da Biblioteca

Pública do Estado do Amazonas, durante o Período referente

ao “ciclo da borracha”, mais precisamente entre os anos de 1870 a 1910,

não se restringe a um mero compromisso acadêmico.

A existência de apenas três fontes bibliográficas que tecem a

trajetória dessa Biblioteca, contribuiu, sobremaneira, para a realização

desta dissertação, pois a história de Manaus, bem como a do Curso de

Biblioteconomia da Universidade do Amazonas merecem a existência de

um trabalho que se volte verdadeiramente para a historia da Biblioteca

Pública do Amazonas.

A obra “Nascença e Vivencia da Biblioteca Pública do Amazonas”,

escrita por Genesino Braga, em 1971 e reeditada em 1989, é considerada

como sendo a primeira bibliografia, cuja versão revela que a Sala de

Leitura anexa a Biblioteca Pública do Amazonas, fora uma espécie de

presente à comunidade onde, sua função ligava-se à libertação dos

manauaras do estado de ignorância.

Porquanto é interessante salientar que em sua obra Genesino

transcreve a trajetória da Biblioteca sob uma visão romântica onde,

Gustavo Adolfo Ramos Ferreira, Presidente da Província do Amazonas, é

apresentado como sendo o grande responsável pela criação da Biblioteca

na cidade de Manaus.

Não obstante, afirmar que a Biblioteca Pública do Amazonas passou

por período ora de abandono e esquecimento, ora de reorganização, esse


autor defende a hipótese de que a Biblioteca fora criada para o uso

público, satisfazendo assim, às expectativas e necessidades da população

manauara, isto é, o usuário real – grupo de pessoas que efetivamente

utilizam a biblioteca –, o usuário potencial – grupo de pessoas que

poderão vir a freqüentar a biblioteca –, e o não-usuário – grupo de

pessoas que jamais usarão a biblioteca, sendo este considerado como os

não alfabetizados, os deficientes, os idosos, crianças e outros.

Todavia, a verdade é que a história dessa Biblioteca não se firmou

por essa razão, haja vista que a época em que se criou a Sala de Leitura

como núcleo da Biblioteca Pública do Amazonas, Manaus além de ser

considerada como uma grande aldeia, apenas 3% da população tinha

condições de decifrar o código da escrita.

Diante do exposto, pode-se afirmar que sua criação, deu-se a

partir do parâmetro europeu, particularmente o francês onde, a presença

de uma Biblioteca era sinônimo de Intelectualidade e modernidade para a

cidade que a criava.

A segunda fonte bibliográfica que se tem acerca da Biblioteca

Pública do Amazonas, corresponde ao artigo publicado, em 1979, pela ex-

professora do Departamento de Biblioteconomia da Universidade do

Amazonas, Maria Sidney Garcia de Vasconcelos Lins, intitulado

“Levantamento e análise do ‘status quo’ da seção de circulação da

Biblioteca Pública do Amazonas”.

Esse artigo, apresenta a trajetória histórica da Biblioteca Pública do

Amazonas de forma sintética, mais precisamente em uma única página.


Desta forma, não se pode obter, com esse artigo, alguma informação mais

profunda acerca da Biblioteca, pois seu objetivo não se ligou ao seu

trajeto histórico.

Quanto a terceira obra, “Biblioteca Pública do Amazonas”,

publicada pela iniciativa do Governo do Amazonas, afirma-se que esta

trabalhou o percurso vivido pela Biblioteca Pública do Amazonas, a partir

da obra “Nascença e Vivência da Biblioteca Pública do Amazonas”,

levando-nos a concluir que seu conteúdo não se diferenciou muito dos

escritos de Genesino.

Em virtude disso, sentiu-se a necessidade de desenvolver este

trabalho, pois através dele visou-se efetuar um regate sobre a trajetória

histórica da Biblioteca Pública do Amazonas não mais através da versão

romântica ou sintetizada. Porém, em nenhum momento objetivou-se

desmerecer as obras escritas anteriormente, haja vista que serviram

como base para a construção desta dissertação.

Isso implicar afirmar que, através desse novo resgate histórico,

visou-se contextualizar a Biblioteca Pública do Amazonas a partir dos

processos sociais que lhe deram origem, procurando elencar as causas de

sua criação.

É valido ressaltar, entretanto, que tal resgate correspondeu

apenas às duas primeiras fases da história da Biblioteca Pública do

Amazonas, já que o período traçado nesse trabalho, ligou-se à época

vindoura do “ciclo da borracha”. Dessa forma, essa dissertação tem como

objetivo primacial identificar a trajetória histórica da Biblioteca Pública do


Amazonas no período de 19870 a 1910, abrangendo desde sua criação até

a instalação definitiva no prédio da rua Barroso – conhecido como Palácio

da Barroso.

Para isso, primeiramente, foi feito um levantamento sobre a cidade

de Manaus no período áureo da economia gomífera, com o propósito de

entender como ocorreu o processo de criação da Biblioteca Pública do

Amazonas, compreender a contextualização histórica, social e cultural da

capital do Estado naquela época, para que se fossem identificados os

fatores que influenciaram na transformação urbanística de Manaus.

Para a obtenção das fontes bibliográficas acerca da cidade de

Manaus na época da borracha e da Biblioteca Pública do Amazonas,

primeiramente coletou-se as informações junto às fontes primárias ou

diretas.

Segundo D. Grogan1, citado por Carlita M. Campos e Bernadete S.

Campello (1988:16), por tal fonte entende-se como sendo

“as informações que ainda não foram assimiladas pelo corpo do

conhecimento científico e tecnológico”.

Assim, durante essa etapa, o levantamento documental ou

bibliográfico foi realizado através de compilações de jornais, leis, decretos,

relatórios e mensagens da época.

1
GROGAN, D. The literature. In: _________. Science and technology: na introdution
to the literature. 3. ed. London: C. Bringley, 1976. p. 14-49.
Para coletar esses dados, contou-se com o auxilio das seguintes

instituições: Biblioteca Pública do Amazonas, Instituto Geográfico e

Histórico do Amazonas, Arquivo Público e Museu Amazônico.

No segundo momento, o levantamento bibliográfico ou documental

deu-se junto às fontes secundárias ou indiretas, utilizando-se assim,

“a informação filtrada e organizada de acordo com um arranjo definido,

dependendo da finalidade da obra [com] a função de facilitar o uso do

conhecimento disperso nas primárias” (CAMPOS; CAMPELLO, 1988).

Para coletar essas informações, contou-se não só com as

instituições já citadas, mas também com a Biblioteca do Instituto de

Ciências Humanas e Letras da Universidade do Amazonas e acervos de

particulares.

O que não pode deixar de ser destacado é que tanto no primeiro,

quanto no segundo momento, a coleta dos dados visou a obtenção de

todo e qualquer tipo de informação acerca da:

• História da cidade de Manaus entre o final do século XIX e

início do século XX, pois foi durante esta época que a cidade sofreu seu

primeiro grande surto de urbanização, transformando-se radicalmente a

partir da adoção do modelo europeu.

• História da Biblioteca Pública do Amazonas entre os anos de

1870 a 1910 no momento de sua criação e ascensão já na Instalação

definitiva no prédio definitivo da rua Barroso onde ocorreu também, sua

extinção. Após a recuperação dessas informações, iniciou-se o processo

de exposição.
Para a organização deste trabalho, três capítulos foram

estruturados. No primeiro, intitulado “Um retorno à História”, aponta-se

alguns elementos que impulsionaram o processo de modernização da

cidade de Manaus, assim como identifico os atores/sujeitos responsáveis

pela criação da biblioteca pública do Amazonas, baseando-se na Teoria do

Cotidiano.

No segundo capítulo, denominado “Uma Sala de Leitura em

Manaós?”, visou-se traçar, primeiramente, a história da Biblioteca

verdadeiramente pública e, em seguida, a criação até ao desaparecimento

no núcleo da Biblioteca Pública do Amazonas. A fim de detectar se essa

Sala fora construída para assumir sua função pública.

Nesse momento, historiou-se o período que envolvia os anos de

1870 a 1882, com o propósito de retratar o curto ciclo de atividade

desenvolvida pela Sala de Leitura cujo desaparecimento deu-se sem se

saber como e quando.

No terceiro capítulo, chamado “Uma Nova Biblioteca para Manaus”,

descreveu-se o período referente à ascensão e reorganização da Biblioteca

Pública Provincial, percorrendo suas várias fases, ou seja, desde a

ascensão até a transferência para o prédio definitivo na rua Barroso.

Nesse interin são evidentes os momentos de abandono, ora de

franca atividade, em decorrência das sucessivas mudanças de direção e

local, sendo este menos apropriado para assumir uma Instituição desse

porte.
Capítulo 1
Um Retorno à História
uando houve a criação da Sala de Leitura em Manaus anexa

Q da Biblioteca Pública, 1870, a cidade encontrava-se

estruturada sob a forma de uma grande aldeia, não estando,

portanto, pronta para receber o título de Capital da Província.

Sendo assim, para entender o verdadeiro motivo da criação dessa

Sala, em uma cidade que mais parecia uma grande aldeia, faz-se mister a

descrição do período histórico referente ao “ciclo da borracha”, pois foi

durante esse período que ocorreu desde a criação até a ascensão da

Biblioteca Pública do Amazonas, visando, para isso, apontar não só o lado

iluminado2 da economia gomífera, mas também ao lado das sombras3,

com o intuito de retratar como Manaus estava estruturada antes e

durante os anos de 1870 a 1910, haja vista que para P. L. Berger e T.

Luckmann (1995:34)

todo conhecimento e toda realidade somente têm sentido se


analisarmos a partir da dimensão social e histórica que os
gerou. Isto porque, [...], as verdades que representam
somente podem ser encontradas nos seus contextos
específicos, nunca nos contextos de caráter geral.

Diante do exposto, pode-se afirmar que, através deste capítulo,

objetivar-se-á retratar os dois lados resultantes da implantação do

processo urbanístico na cidade de Manaus no período áureo da economia

gomífera, pois somente desta forma, saberemos os verdadeiros motivos

2
Entendido como sendo tudo o que encanta, estando relacionado ao aparente, ao que é
facilmente identificado e mensurável, deixando transparecer toda uma ilusão de
esplendor, como nos é resgatado pela historiografia regional.
3
Compreendido como sendo a representação de tudo aquilo que está escondido, o que
não é visível e captado em uma primeira leitura.
que levaram à criação da Sala de Leitura como núcleo da Biblioteca

Pública do Amazonas, em uma cidade em franca expansão.

Figura 1 - Vista de Manaus


Fonte: MESQUITA, Otoni Moreira. História...1997.

A Construção da “Vitrina”

Para o Poder Público, a tentativa de transformar a estrutura física de

Manaus, eliminando a imagem de atraso e anti-progresso que a cidade

mantinha junto às regiões brasileiras e estrangeiras, sempre foi uma

necessidade, conforme é revelado por Ortoni Moreira Mesquita (1997).

Todavia, fatores econômicos e políticos sobrepunham-se à

consolidação de progresso do Amazonas, em relação ao resto do Império,

pois no contexto nacional o Estado mantinha-se completamente


inexpressivo, no que dizia respeito às exportações, e ainda mantinha-se

sob a dependência política do Pará, inviabilizando, assim, a realização dos

projetos que transformariam a cidade.

Diante disso, a capital do Amazonas continuava apresentando o

aspecto de uma grande aldeia, fato comprovado no relato, apresentado

em 1865, pela Senhora Agassiz, que descreveu a cidade de Manaus como

sendo uma cidade formada por um “aglomerado de casas, metades das

quais prestes a cair em ruínas, [...], castelos oscilantes decorados com o

nome de edifício público” (AGASSIZ, 1975: 127,174).

Figura 2: Espaço Urbano de Manaus


Fonte: MESQUITA, Ortoni Moreira de. História... 1997.

Quanto à estrutura física da cidade, Edinea Mascarenhas Dias (1988:

10), destaca que esta, na época em que se deu a criação da Sala de

Leitura, apresentava-se da seguinte forma:

porto precário, trapiches de madeira, pontes de madeira no


centro da cidade, prédios públicos em ruínas ou construídas
fora do estilo que a modernidade exigia, ruas estreitas e
desniveladas, calçamentos irregulares e de madeira, sem
rede de esgoto, iluminação a gás, sem saneamento, com
serviço de navegação deficiente, etc.

No que diz respeito à comunicação entre os cinco bairros existentes

na época – Espírito Santo, São Vicente, República, Campinas e Remédios

– pode-se afirmar que esta era feita através de pontes de madeira.

Ademais, a condição de pobreza que Manaus enfrentou durante,

praticamente, todo o período imperial, deu-se em decorrência da precária

situação econômica vivida pela região, uma vez que entre 1616 a 1750,

as atividades incipientes desenvolvidas se baseavam, exclusivamente, na

coleta das drogas do sertão – salsa, pimenta, cacau, cravo, canela,

castanha e outros.

No período seguinte, mais precisamente entre os anos de 1750 a

1830, as atividades econômicas voltam-se para a agricultura, porém, o

retorno obtido não atingiu o resultado esperado, conforme salienta

Mesquita (1997).

Quanto ao cotidiano da população manauara, pode-se afirmar que

era considerado, também, impregnado pela rotina inóspita e impiedosa.

Durante a semana, os homens trabalhavam nos seus armazéns, trajando

camisas e chinelos acompanhados dos tradicionais aventais, enquanto as

mulheres tinham como obrigação o cuidado com suas casas e filhos.

Assim Russel Wallace (1997:110) descreve os domingos da época,


assim:

as mulheres comparecem elegantíssimas, num multicolorido


desfile de musselinas e gazes francesas. Suas belas
cabeleiras, cuidadosamente arrumadas e adornadas de
flores, jamais e escondem sob toucas e chapéus. A seu lado,
os cavalheiros [...], trajam finíssimos ternos pretos, chapéus
de feltro, gravatas de cetim e botinas de verniz de cano bem
curto. Depois da missa é hora de visitas de cerimônia,
quando todo mundo vai à casa de todo mundo, e lá ficam
comentando os escândalos que se acumularam durante a
semana.

Durante os meses de janeiro e junho, realizavam-se as tradicionais

festas do Espírito santo e de Nossa Senhora dos Remédios e

esporadicamente, ocorriam alguns espetáculos no Teatro Fênix.

A outra forma de divertimento eram os bailes oferecidos pela

sociedade manauara4 a alguma pessoa ilustre que chegava ou partia da

cidade, como uma forma de homenageá-la.

As outras atividades culturais que também mereciam destaque,

correspondiam aos eventos promovidos, segundo Genesino Braga (1989),

pelas sociedades existentes na época, principalmente pela

Ateneu das Artes, destinada à proteção e difusão das artes e


também educativa e beneficente, a ela se devendo a criação
da primeira escola noturna de Manaus; a Sociedade Nacional
Beneficente do Amazonas, de beneficência e caridade; e a
Sociedade Emancipadora Amazonense, que se batia pela
abolição da escravatura e promovia e estimulava a alforria
dos escravos (BRAGA, 1989:30).

Enumerando-se as atividades comerciais desenvolvidas em Manaus,

pode-se dizer que estas por apresentar apenas 75 lojas, eram

inexpressivas.

4
Entendida como sendo o grupo social constituído de pessoas economicamente
privilegiadas.
Figura 3: Nova forma de vestir
Fonte: DIAS, Edineia Mascarenhas. A ilusão... 2000.

Para fazer suas compras, os membros da sociedade manauara passou

a adquirir suas

[...] chitas francesas e chapelinhos de veludo no ‘Centro


Comercial Amazonense’ á Rua da Boa Vista, junto ao Cais de
Tamandaré; e as luvas de pelica de Jouvain, as botinas e
tranças crespas das senhoras eram adquiridas na ‘Elite de
Paris’. Na loja de Antônio Joaquim da Costa e Irmãos, à Rua
Brasileira, havia coques enfeitados e de todas as cores para
as longas madeixas femininas, bem como paletós de alpaca
inglesa, ao preço de sete mil réis, para cavalheiros. Os
perfumes franceses, com as marcas de Coudray e de Piver, o
tão procurado ‘Fleurs d’Amour’, estavam à mostra na ‘Ville
de Paris; e o bom vinho Bourdeax, os queijo do Reno, a
manteiga Lepeletier e o forte chá inglês eram obtidos no
empório ‘Flor de Manaus’ (BRAGA, 1989:26).

Em virtude de Manaus ser geograficamente isolada, a viabilização das

atividades comerciais dependia única e exclusivamente dos barcos

oriundos de Belém, Santarém e, às vezes, de São Luís e Recife que, além


de abastecerem a cidade de gêneros alimentícios, industriais e

ferramentais, traziam também as notícias oriundas do Império e do

mundo.

Por essa razão, a chegada desses barcos era esperada por todos com

bastante entusiasmo e expectativa, a ponto dos expectadores cancelarem

qualquer atividade, mesmo que já iniciada, somente para recebê-los.

Essa dependência dos manauaras, em relação a tais barcos, é

destacada num episodio descrito pela senhora Agassiz, onde relata:

Estavam as danças muito animadas quando, entretanto no


porto, o paquete vindo do Pará, ficou todo iluminado e soltou
girândolas e foguetes em sinal de regozijo. A alegria chegou
ao auge; as quadrilhas interrompidas, sucederam-se
ruidosas manifestações de jubilo. A maioria dos assistentes
passou a noite em claro e dirigiu-se para bordo do navio
para receber os jornais (BRAGA, 1989:27).

Quanto às atividades industriais, utilizando-se de produtos

resultantes das atividades extrativistas, apesar de serem desenvolvidas

com um pouco mais de intensidade, também não conseguiam satisfazer

as expectativas do Poder Público.

Por essa razão, afirma-se que foi somente com a economia gomífera

que o Amazonas começou a ter condições para concretizar os projetos

traçados em épocas anteriores , já que através dela, durante o final do

século XIX e início do Século XX a cidade de Manaus conseguiu dar seu

primeiro grande surto de urbanização.


Com as técnicas de beneficiamento da borracha conhecidas como o

processo de vulcanização5, o látex ficou mais resistente à variação da

temperatura. Conseqüentemente, a borracha deixou de ser usada apenas

na impermeabilização de peças de vestuário, passando a ser a matéria-

prima ideal junto à fabricação de pneus.

As indústrias européias e americanas demonstraram interesse pela

obtenção da goma elástica para a confecção de seus produtos, visto que o

produto possibilitaria a fabricação não só de pneus, mas também de

materiais hospitalar, bélico e naval. Logo, a borracha passaria a ser vista

com mais ambição pelos estrangeiros.

Para comprovar essa afirmação, destaca-se Sônia Conti Gomes

(1983:22) onde diz que

a extração da borracha no Norte do País, iniciada ainda nos


primórdios do Império, alcançou grande desenvolvimento
na ultima década do século XIX, com a inovação do uso
industrial da borracha, principalmente na fabricação de
pneus, [...], alcançando o Maximo na década 1901/10.

Faz-se necessário destacar que a borracha, passou a ser uma

exigência imediata, sua exportação começou a crescer de forma

vertiginosa, exigindo, com isso, mão-de-obra para desenvolver a coleta do

látex.

Porém, o grande problema era que não existia mão-de-obra

suficiente. Assim, para suprir tal falta, o Poder Público decidiu desenvolver

5
Processo descoberto, simultaneamente por Charles Goodyear (EUA) e Hancock (Reino
Unido), a partir da mistura da borracha com enxofre e calor. Em decorrência de ter sido
associado ao deus Vulcano, tal processo recebeu este nome.
uma política que atraísse o maior número possível de trabalhadores para a

região.

Inicialmente, o objeto voltou-se para a atração dos trabalhadores

europeus, no entanto, apesar do Brasil ter despendido consideráveis

somas para que tal fato ocorresse, o “norte do país recebera apenas um

número muito insignificante de imigrantes” (MESQUITA, 1997:231).

Conseqüentemente, a mão-de-obra asiática, japonesa e chinesa,

passou a ser o grande interesse do Poder Público, mas como na tentativa

anterior, não se conseguiu obter a resposta almejada.

Todavia, a partir da última década do século XIX, a história começou

a mudar, pois ao saber da situação de miséria vivida no nordeste

brasileiro, em decorrência das repetidas secas que assolavam o sertão, o

Poder Público passou a ver na mão-de-obra nordestina a oportunidade

ideal para a obtenção de lucro e progresso para a região.

Assim sendo, deu-se início à campanha para atrair um contingente

humano relativamente grande para a coleta do látex nos vários seringais

amazônicos.

Tam campanha, constituiu no oferecimento de passagens para quem

quisesse se estabelecer no Amazonas. Para os nordestinos, o processo de

imigração passou a ser uma ótima oportunidade, pois lhes traria sorte em

dose dupla, pois ao mesmo tempo que se libertavam das constantes secas

que assolaram o sertão feroz, a partir da mística de fortuna, da lenda de

riqueza fácil, do novo “Eldorado”, viram na extração do látex melhores

condições de vida.
Segundo Arthur Cezar Ferreira Reis (1997:47), foi por esta razão que

“grossos contingentes de nordestinos [...], alcançaram os altos rios,

empurrando a fronteira legada pelos portugueses e empreendendo o

cometimento sensacional do que podemos chamar ciclo da borracha ou do

ouro negro”.

Faz-se necessário destacar que, a economia gomífera, à medida

que ia atingindo seu clímax, fez com que Manaus deixasse de ser vista

como sendo um centro urbano – utilizado apenas como ponto de partida e

chegada de viajantes que objetivavam única e exclusivamente capturar a

mão-de-obra indígena para benefício próprio –, passando a ser vista como

uma cidade cosmopolita.

Foi nesse período que Eduardo Gonçalves Ribeiro assumiu o

Poder Público e através de suas idéias vistas pela sociedade manauara

como dinâmicas e modernas, unidas ao rápido retorno financeiro oriundo

da exploração do látex, conseguiu dar início ao processo transformado da

cidade de Manaus.

De acordo com Liz de Miranda Corrêa (1966), assim que Eduardo

Ribeiro assumiu o Poder Público, com a finalidade de transformar a grande

aldeia em uma grande cidade, apresentou um projeto administrativo,

constituído pelos seguintes pontos básicos:

[...] 1º.) Saneamento do solo, esgotos, águas fluviais,


abastecimento d’água; 2º.) Remoção e destruição do lixo e
limpeza pública; 3º.)Vacinação e revacinação; 4º.) Casas
para as classes proletárias; 5º.) Remoção do Hospital de
caridade, arrasamento do cemitério de São José, construção
de hospitais para loucos e leprosos.
No entanto, o que o Poder Público não esperava era que o nível

populacional que passou a residir no perímetro urbano de Manaus

crescesse de forma veloz.

Embora o processo imigratório tenha sido extremamente relevante

para o desenvolvimento da cidade de Manaus tanto no aspecto econômico

como urbano representou um grande obstáculo para a transformação

qualitativa da cidade de Manaus, já que proporcionou o aumento junto ao

número de pobres e mendigos no perímetro urbano.

Contudo, no aspecto social despertou um forte preconceito junto à

presença do povo nordestino, devido ter sido, sobretudo, a população

cearense que manteve o monopólio junto ao processo imigratório, rumo

ao Novo Eldorado.

Todavia, a maior parte desses imigrantes não fora aproveitada para

as atividades nos seringais, já que os seringalistas optaram somente pelos

homens sadios, não escolhendo, portanto, a leva dos voluntários que se

encontrava debilitado, apresentando doenças física ou espiritual, em

decorrência da “sua condição de flagelados da seca, portanto sem

recursos materiais, e muitas vezes pela sua situação de depauperamento

físico sem condições para o trabalho” (DIAS, 1988:77).

Diante desse fato, o Poder Público visou eliminar tudo que fosse

ameaça à imagem de uma cidade “civilizada”, haja vista que o

aglomerado de voluntários que não conseguiram deslocar para os

seringais, certamente, seria um obstáculo para o desenvolvimento da


cidade. Por esta razão, o deslocamento dessas pessoas do perímetro

urbano foi a medida mais indicada.

Assim, criaram-se as chamadas colônias agrícolas, afim de deslocar

para os vários locais do interior essas pessoas, como forma de diminuir o

índice populacional que se localizava na parte central da cidade de

Manaus.

Todavia, a outra porção que não conseguiu ser deslocada para as

referidas colônias, permaneceria na cidade, pelo fato de não ter tido a

oportunidade de conseguir trabalho ou pela idade avançada, ou pela

invalidez, encontrou nas ruas a única alternativa de vida.

Em decorrência disso, continuar com os casebres, pobres e mendigos

vagando pelo centro de Manaus, significava permanecer com a imagem

negativa que tanto o Poder Público, quanto a sociedade manauara

pretendiam eliminar, pois tais “obstáculos” traziam a visão de uma cidade

“problemática, conflitiva, tensa [...]~, trazendo à luz apenas o lado idílico

de uma decantada civilização”, como destaca Francisca Deusa Sena da

Costa (1997:90).

O que não pode deixar e destacar é que durante esse momento, em

decorrência da economia gomífera encontra-se no seu período áureo,

Manaus passou não só a vivenciar a ampliação e remodelação de seu

espaço, mas também a receber inúmeros visitantes. Em virtude disso, o

Poder Público preocupou-se em fazer de tudo para saneá-la, embelezá-la

e modernizá-la, a fim de eliminar definitivamente a imagem de uma

grande aldeia.
O motivo levou a tal preocupação, ligou-se ao fato de que esses

visitantes, na grande maioria, ao desembarcarem na cidade, objetivarem

efetuar negócios ou estabelecerem-se definitivamente em Manaus para

desenvolver algum tipo de serviço, junto às atividades comercial,

industrial, educacional ou administrativa.

Por isso, Manaus não poderia mais continuar com a mesma estrutura,

pois começara a se tornar o pólo de atração de importação e exportação

da borracha, devendo portanto, apresentar-se de forma ordenada e limpa.

É interessante salientar que trazer o progresso e a modernidade para

Manaus, significou impor à cidade um novo modelo urbanístico, a fim de

redefinir suas feições, uma vez que os antigos prédios, ruas desniveladas

e demais aspectos existentes, não inspiravam simpatia aos visitantes que

nela chegavam.

Nessa época, segundo João Nogueira Mara (1988:20), a cidade

possuía como

edifícios públicos – a Fazenda, o Quartel da Guarnição a


Enfermeira, e o Palácio do Governo. Seis fábricas entraram
em funcionamento, olarias e padarias. As olarias
abasteceram a cidade de tijolos, telhas e ladrilhos para as
construções.

A política de embelezamento escolhida pelo Poder Público baseou-se

no modelo promovido pelo Barão Haussman, já que naquela época foi o

projeto urbanístico desenvolvido na cidade de Paris que passou a ser

sinônimo de progresso, beleza e modernidade, uma vez que tal reforma

foi Marshall Berman (1987:30),


universalmente aclamada como verdadeiro modelo de
urbanização moderna, naquela época. Como tal, passou a
ser reproduzida em cidades de crescimento emergente, em
todas as partes do mundo.

Porém modificar apenas o aspecto físico da cidade não era suficiente.

Assim, estabeleceu-se rapidamente um mudança nos hábitos e costumes

da sociedade manauara, dando início, desta forma, ao processo de

aculturação da cultura local, uma vez que se buscou modificar,

significativamente, o modo de vida da época.

Figura 4: Processo de Transformação


Fonte: MESQUITA, Otoni Moreira de. História ... 1997.

Com a finalidade de comprovar tal fato, primeiramente, retratar-se-á

o aspecto social e, em seguida, o aspecto educacional que abrangeu à

sociedade manauara durante o período histórico referente à criação da

Sala de Leitura como núcleo da Biblioteca Pública do Amazonas.


Para se igualar à capital francesa, a sociedade manauara não hesitou

em eliminar seus hábitos e costumes antigos, pois queriam excluir todo e

qualquer vestígio que elencasse a cidade de Manaus como antigo Lugar da

Barra, por esta razão,

Manaus despiu-se de suas vestes indígenas, abandonou sua


água de moringa para água de vichy, trocou perfumes de
flores e raízes silvestres por sofisticados frasquinhos
parisiense, desprezou seus aluás e o saboroso guaraná por
bombons franceses e pelo shopp alemão (COSTA, 1996:21).

Ademais, por considerarem intermináveis os lucros da economia

gomífera, devido a borracha ser bastante procurada pelas fábricas da

Europa e dos Estados Unidos, os membros da sociedade manauara, para

satisfazer seus caprichos, sendo muito deles considerados fúteis, não se

importavam em gastar valores exorbitantes.

Com a abertura de bares, restaurantes, hotéis, teatros, cafés-

concerto, clubes noturnos, cabarés, jantares seguidos de saraus,

temporadas líricas no Teatro Amazonas, divertidas festas em homenagem

a alguma pessoa ilustre Manaus passou a dormir cada dia mais tarde.

Com as novas oportunidades de lazer, a sociedade manauara

aprendeu não só a se embriagar com os melhores e mais refinados

vinhos, licores e champanhes oriundos da Europa, mas também de gastar

sua fortuna com as prostitutas vindas de varias partes do mundo.

É valido salientar que em decorrência de Manaus passar a ser

conhecida como a cidade do prazer, influenciada pelo frenesi francês,

afirma-se que, diariamente, desembarcava na cidade um número grande


de mulheres se dizendo francesas, a fim de enriquecerem às custas do

capital da borracha.

A atitude não correspondia à realidade, pois a maior parte das

mulheres verdadeiramente francesas aos desembarcarem em Manaus,

não se dirigiam aos bordeis para ganharem dinheiro e sim, dedicavam-se

ao comércio de roupas, jóias e bijuterias, quando não eram fabricantes de

chapéus e costureiras habilíssimas (CORRÊA, 1966).

Diante dessa nova realidade, as boas mães de família optavam em

não mais aparecerem às janelas, freqüentarem à igreja ou dirigirem-se

aos teatros para não serem confundidas com as chamadas cocotes, bem

como passaram a temer pela saúde física e financeira de seus filhos e

maridos.

Todavia, o que não se pode esquecer é que ao mesmo tempo que

Manaus passou a oferecer inúmeras oportunidades de lazer, contribuindo

para que a vida dos membros da sociedade manauara se tornasse mais

animada e frenética, passou a ser muito cara, aumentando ainda mais o

número de pobres no perímetro urbano da cidade, conforme é

demonstrado na citação a seguir:

o chopp consumido em Manaus era de origem alemã e


custava 15$000 réis e uma xícara de “mau café” no
botequim do Teatro Amazonas custava 500 réis.
Importavam também da Europa o queijo, a manteiga fresca,
frutas, hortaliças e até mesmo peixes. Manaus importava
tudo para o seu consumo, e todos os gêneros de primeira
necessidade custavam o olho da cara, [...], os gêneros de
outros ramos de comércio, modas armarinhos, roupas, [...],
eram pouco mais caros do que em São Paulo (MESQUITA,
1997:184).
Com o intuito de dar mais sentido ao processo de europeização, os

membro da sociedade manauara passaram a transplantar a mesma

indumentária utilizada pelas pessoas que residiam no Velho Mundo,

apesar de sentirem na pele que tais trajes não eram apropriados ao clima

da região.

Figura 5: Processo de Europeização


Fonte: http:// www.wimax360.com

Com base em Bittencourt (1969:70), comprova-se que a busca

de equiparar a indumentária manauara à francesa foi um fator realmente

levado a sério:

Embora [...], a temperatura media de Manaus fosse mais baixa


uns 2,5ºC que a de agora, o calor às vezes era grande. Mas, não
menor era a elegância da época – as mulheres espartilhadas e
vestidas até os pés em pesadas sedas; os homens transpirando
em seus fraques, croisé e casacas, muitas vezes talhados em
Londres, cartola ou chapéu-côco, colete, peito engomado e
colarinho alto sob a forte canícula ou nos animados bailes, tão
freqüentes nos palacetes particulares, em suntuoso estilo ‘fin-de-
sciècle’.

Para o autor, durante o processo de europeização, os membros da

sociedade manauara, em virtude de passarem longas temporadas na

Europa, a fim de estudar, passear ou adquirir propriedades, ao

regressarem a Manaus, começaram a fazer uso das línguas francesa e

inglesa com muita naturalidade.

Entretanto, à medida que o tempo passava, a própria sociedade

manauara foi se conscientizando da impossibilidade de se manter com a

mesma elegância que o povo europeu, já que o clima quente e estável da

cidade assim não o permitia.

A partir disso, pouco a pouco a sociedade que se apresentava à

européia, começou a incrementar novos hábitos na forma de se vestir,

adotando para quase todas as ocasiões e atividades, uma indumentária

mais despojada e quase homogênea, com tecidos mais claros e leves,

sendo o branco a cor predominante. As mulheres deixaram de usar

chapéus, sendo raras as que continuaram a usar e quando usavam,

optavam pelos feitos de palha, acompanhados por um guarda-sol de cores

alegres.

A alimentação foi outra variável que, progressivamente, foi sendo

modificada, haja vista que começaram a adotar o estilo inglês, alguns

elementos nativos, como banana cozida, farinha de tapioca e outros.

Com isso, a própria sociedade manauara passou a absorver um modo

de vida ora valorizando os traços europeus, ora resgatando os modos de


origem nativa. Havia vestígio dessa absorção nas obras públicas e no

modo de vestir, não conseguindo seguir, portanto, adequar-se ao novo

estilo de vida.

Quanto ao processo educacional, na época em que a Sala de Leitura

foi criada, a Instrução Pública encontrava-se de forma precária e

insuficiente, não conseguindo satisfazer às necessidades da população.

Na época, Manaus possuía apenas sete escolas destinadas aos

ensinos profissionalizantes, fundamental e médio. Neste, destacava-se

apenas o Liceu Amazonense onde os alunos, obrigatoriamente, estudavam

o “Latim, Português, Francês, Inglês, Geometria,Contabilidade,

Escrituração Mercantil, Geografia, História, Filosofia, Retórica, Poética e

Pedagogia”(BRAGA, 1989:27).

Ainda com base no mesmo autor, no que diz respeito à estrutura

educacional, observa-se que

O Seminário São José, com 17 jovens matriculados,


[ensinava] Primeiras Letras, Gramática Latina, Português,
Historia Sagrada e do Brasil, Geografia, Aritmética,
Catecismo e Música Vocal; O Asilo Nossa Senhora da
Conceição, mantida pelo Vigararia, exclusivo para o sexo
feminino [ministrava] Primeiras Letras, até Análise
Gramatical, Música, Canto Religioso, Piano, Francês,
Elementos de Geografia, de História Sagrada e do Brasil,
Catecismo e Prendas Domésticas; e o Estabelecimento de
Educando Artífices, com 106 rapazes matriculados, que ali
aprendiam não só Primeiras Letras, mas também (sic), as
Artes e os Ofícios de Música, Marcenaria, Encadernação, ou
de Sapateiro, Pedreiro e Alfaiate” (BRAGA, 1989:29).

O que contribuiu para que a estrutura educacional ocorresse dessa

forma ligou-se à base desse sistema, haja vista que o ensino estabelecido

pelos jesuítas, correspondeu à sustentação da cultura transplantada da


Europa, estando, portanto, totalmente desvinculado da vida produtiva da

sociedade e do seu estágio de desenvolvimento.

Conseqüentemente, a instrução oferecida na cidade de Manaus,

enquanto elemento natural de ligação entre cultura e desenvolvimento, no

que se refere às práticas criativas e inovadoras, apresentava pouca

relevância, por não ser condizente com a realidade local.

Porém, tal fato, em decorrência de que os freqüentadores não só

dessas escolas, mas também das demais instituições profissionalizantes

pertenciam, à sociedade manauara, não trazia nenhum tipo de

preocupação, pois conseguia satisfazer as necessidades desse segmento

social.

De acordo com Raimundo Martins de Lima (1999:72), devido o

sistema educacional manauara ter sido transplantado da Europa, a escola

servia mais

à reprodução, a conservação e à transmissão de valores


culturais obsoletos, bem como a limitar-se à ilustração das
camadas sociais dominantes [...] do que à formação de
hábitos novos em direção as posturas mais criativas e
transformadoras.

Por essa razão, o processo de ensino, em virtude de ter sido baseado

na cultura transplantada da Europa acabou por produzir uma instrução

totalmente desvinculada da realidade regional, não conseguindo, portanto,

atingir qualitativamente sua missão, servindo apenas para compor a

ilusão de desenvolvimento.
Por cultura transplantada, entende-se como sendo o processo não só

de imposição, mas também de preservação do modelos culturais

importados, fazendo da ação escolar algo que se destinava apenas à

formação do espírito ilustrado.

Para comprovar tal fato, destaca-se Dias (1988:27) onde, ao se

referir à superação da ignorância e ao analfabetismo da sociedade

manauara descreve que o Poder Público

nesse sentido [...], [encarregou] a Diretoria Geral da


Instrução Pública em 1898, de fazer um estudo obre a
organização do ensino em países europeus, diga-se França e
Portugal, a fim de que essas experiências estrangeiras
pudessem ser aproveitadas no processo de reformulação da
educação local.

A Instrução Pública estabelecida na cidade de Manaus, na época da

criação da Sala de Leitura anexa a Biblioteca Pública do Amazonas, não se

voltava para a população como um todo, prova disso é que dos 38.720

habitantes, Manaus apresentava 30.910 que não dominavam o ato de ler

e escrever, totalizando apenas 3% a porcentagem dita alfabetizada,

conforme demonstra o levantamento efetuado no ano de 1890 (DIAS,

1988). Para Otaíza de Oliveira Romanelli (1996:24), a educação

ao mesmo tempo que, [...], deu à camada dominante a


oportunidade de se ilustrar, [...], se manteve insuficiente e
precária, em todos os seus níveis, atingindo apenas uma
minoria que nela procurava uma forma de conquistar ou
manter ‘status’.

Com base no exposto, pode-se afirmar que, na verdade, o que se

estabeleceu no contexto amazônico foi uma cultura espúria, já que


correspondeu a uma “cultura de imitação sem criatividade, moldada nas

idéias e valores alheios, [...], não se adequando às condições brasileira”

(GOMES, 1983:80).

A Obscuridade do Fausto

Durante a mistificação da lenda da riqueza fácil, a cidade de Manaus

passou a receber, diariamente, um contingente de pessoas oriundas das

mais diferentes localidades, independente das suas condições física e

espiritual para o trabalho nos seringais.

Não demorou muito para a parte central da cidade ficar repleta de

casebres, pobres, doentes, mendigos e desocupados que, em decorrência

de não conseguirem trabalho, passaram a viver vagando pelas ruas,

ameaçando a imagem de harmonia e beleza que o Poder Público e a

sociedade manauara almejavam, haja vista que

os problemas a serem resolvidos como abastecimento,


higiene, habitação, [ampliaram-se], pois no espaço urbano
questões como roubo, vadiagem, prostituição, jogo,
mendicância e doenças de toda ordem [contradiziam] a
idealização de cidade ordenada em sem problemas (DIAS,
1988:63).

A transformação urbanística de Manaus, oriunda da economia

gomífera, ao mesmo tempo que proporcionou a redefinição das feições da

cidade, tornando-a mundialmente conhecida como capital da Borracha,

criou suas próprias contradições.


Destaca-se isso pois, para eliminar a imagem de atraso e anti-

progresso, segundo o projeto urbanístico apresentado pelo Poder Público,

fazia-se necessário destruir os aglomerado de casebres que proliferavam

na parte central da cidade. Partindo desse princípio, tal projeto

correspondeu a uma política de exclusão espacial dos trabalhadores e

pobres do perímetro urbano.

Com base em Costa (1997), por tal exclusão, entende-se como sendo

a construção de hospitais, casas de beneficências, asilo, hospícios e

penitenciárias para abrigar os doentes, mendigos e vadios, bem como o

deslocamento dos trabalhadores para os bairros mais afastados do

perímetro urbano.

O que não se pode esquecer é que, em decorrência do cemitério,

hospital, hospício e hospital colônia (destinado para leprosos) serem

considerados sinônimos de doença e mal-estar, o Poder Público resolveu

constituí-los em locais ainda mais afastados da cidade, acarretando sérios

danos à população, pois para que algum tipo de assistência chegasse às

referidas localidades, os voluntários necessitavam viajar cerca de quinze

dias de barco.

Como o interesse voltava-se apenas para o espaço central da cidade,

destinado ao comercio importador e exportador a população que passou a

viver nesses bairros, começou a enfrentar uma situação de miséria,

abandono, e esquecimento total não possuindo nenhum tipo de infra-

estrutura que garantisse um vida digna, já que


os novos bairros que [surgiram diferenciavam-se] do ‘fausto’
da cidade não só pelo aspecto do terreno pela forma de
arruamento, fachada das casas, pela distância em relação ao
Porto, à grandes casas comerciais (importadoras-
exportadoras), ao Mercado, aos Hospitais, aos bancos, aos
Teatros, Cinemas e etc, mas também pela distribuição
desigual dos serviços urbanos (DIAS, 1988:70).

Destaca-se isso, pois nesses bairros não existia água potável, sistema

de iluminação, saneamento básico, coleta de lixo, calçamento, nem

mesmo mercado para a população obter seus alimentos, tornando-se

vitimas fáceis das epidemias da época, como a febre amarela e beribéri as

mais comuns. Ademais, as pontes de madeira que serviam de ligação para

os moradores, encontravam-se sempre em péssimo estado de

conservação, dificultando, sobremaneira, a comunicação extremamente

difícil com o centro da cidade, como destaca Dias (1988).

O Poder Público, com o intuito de não mais poluir as águas do Rio

Negro, designou que os resíduos recolhidos na parte central da cidade,

fossem jogados nos bairros distantes, piorando ainda mais a vida das

pessoas que lá residiam, pois ficavam sujeitos a varias e sérias doenças.

Para a parte da população que não se deslocou para os bairros

afastados, o Poder Público mandou erguer vilas operárias e cortiços

disfarçados por uma fachada em alvenaria, bem como hospedarias,

porões e casebres para poder abrigá-las (COSTA, 1997:91).

É interessante salientar que tais vilas e cortiços, mesmo

apresentando uma bela fachada, medindo 5m de altura, em um estilo

eclético, obedecendo assim, o padrão da época, na verdade,

correspondiam a uma grande farsa, pois sua parte interior, conforme


Annibal Amorim (1975:27) correspondia ao conjunto de

“salas insignificantes, alcovas que mal comportavam três pessoas, quartos

em puxadas, sem ventilação e capacidade para conter ar respirável em

quantidade suficiente [...]”.

Isso leva-nos a concluir que, na época, para o Poder Público, o que

interessava era única e exclusivamente equiparar a cidade de Manaus às

cidades cosmopolitas.

A estrutura faustosa desses abrigos escondia uma série de quartos

úmidos, construídos em madeira, sem renovação de ar, sem luz, água

encanada, cujos quartos, além de serem bastante pequenos, obrigando as

pessoas a dormirem amontoadas, davam para um mesmo corredor, onde

ao final deste, encontrava-se um único banheiro e uma única cozinha para

uso coletivo, não oferecendo assim, nenhuma condição de higiene para as

pessoas que ali residiam.

O que não se pode deixar de destacar é que os cortiços e vilas, por

mais bem disfarçados que se apresentassem, continuavam prejudicando

a imagem de uma cidade limpa, ordena e moderna.

Com a finalidade de deslocar a população carente definitivamente da

parte central da cidade, o Poder Público como estratégia, estabeleceu um

aumento do valor dos alugueis, porém mais uma vez houve resistência

por parte da população.

A estratégia seguinte, correspondeu à criação, no dia 1º de junho de

1872, pela lei n.º 247, do chamado Código de Posturas Municipais da


Cidade de Manaus, cuja função ligava-se à mudança dos hábitos e

costumes da população a partir de punições.

Através desse código, foi dado aos trabalhadores a possibilidade de

não permanecerem nos cortiços, vilas e porões podendo construir suas

próprias residências, desde que não fossem casas cobertas de palha, haja

vista que este tipo de material, além de ser considerado anti-estético,

carregava consigo a imagem da civilização nativa, como ressalta Costa

(1997).

Desta forma para as pessoas que não gostariam de permanecer nos

cortiços e vilas, para residirem no perímetro urbano, não poderiam

fazer escavações ou tirar pedras em todo o litoral da cidade


[...]. Em relação ao espaço urbano, [destacavam-se] os
seguintes itens: ficavam sujeitos a multa de 5 mil-réis os
donos de carros ou carroças que chiarem pelas ruas ou
praças da cidade; não era permitido [...], assoalhar-se as
roupas às janelas, ruas e praças, armar cordas para
estenderem nos mesmos lugares, bem como lavá-las nos
igarapés que cortam esta cidade [...]; não era permitido
retirar água de igarapé do Aterro para vendê-la à população
(MESQUITA, 1997:44).

Quanto à questão da saúde pública, André Vidal de Araújo (1974),

destaca que entre os anos de 1895 a 1914, a cidade de Manaus

presenciou 1.921 casos de febre amarela, tendo 102 mortos; 232 casos

de varíola, com 151 mortos; 102 casos de sarampo; 1950 casos fatais de

beribéri, bem como a lepra, tuberculose e sífilis passaram a ser

concebidas como doenças sociais.

Um outro fator que começou a preocupar o Poder Público, foi a

desordem pública. Em decorrência do aumento populacional, os problemas


relacionados à mendicância, vadiagem, prostituição e embriaguez,

também aumentavam, havendo a necessidade, portanto, de se

estabelecer a ordem e a segurança de outra forma,pois uma noite de

cadeia não conseguia mais resolver os problemas sociais, pois ao saírem

da prisão

[...] o vadio voltaria a praticar a vadiagem, o mendigo a


mendicância, os bêbados a freqüentar as tavernas e
botequins. [Com isso,] a prisão correcional seria a solução,
onde o contraventor tivesse uma educação disciplinar
orientada no sentido de sua recuperação moral,
[funcionando] como um mecanismo de transformação dos
indivíduos (DIAS, 1988:80)

Paralelo à prisão correcional, através do Decreto n.º 1, de 23 de

fevereiro de 1892, o Poder Público passou a contar com o chamado

Agente de Segurança, cuja função ligava-se à manutenção da ordem e

tranqüilidade pública, para resgatar a população da ação dos bêbados,

mendigos, doentes, vadios e prostitutas que ameaçavam a paz das

famílias pertencentes à sociedade manauara.

É valido salientar que, assim como criaram a prisão correcional, o

Poder Público para solucionar o problema junto à presença de menores

nas ruas de Manaus, criou a Escola Correcional para abrigar menores que

passavam o dia nas ruas e praças da cidade, uma vez que suas famílias

não tomavam nenhuma atitude para coibirem suas presenças nas ruas da

cidade.

No que se refere às oportunidades de lazer, pode-se ressaltar o

seguinte fato: enquanto que para a sociedade manauara a cidade oferecia

inúmeras oportunidades glamourosas de divertimento, para a população


carente, ressaltava-se apenas as participações em touradas, carrosséis,

arraiais, cabarés de última categoria, circos, espetáculos teatrais nos

Teatros Julieta e Alhambra ou em hotéis pardieiros, foguetes juninos,

banhos em igarapés, passeios de bondes aos domingos, rinhas, cinemas e

futebol.

É notório no processo transformador proposto por Eduardo Ribeiro e

seus sucessores as prioridades apenas para a parte central da cidade, no

momento em que esta passou a atender não aos interesses e

necessidades da sociedade manauara, mas também a ser considerada

como centro exportador da goma elástica, lugar de realização dos grandes

negócios referentes às atividades exportadoras e importadoras. A outra

parte, desprestigiada pala política, foi banida dos planos de humanização

do Poder.

Isso implica afirmar que, o projeto urbanístico de estabelecido em

Manaus, por mais que se considerassem boas as suas intenções, na

verdade não deixou de ser uma maquilagem da realidade, um artifício

para camuflar a pobreza, fruto do descaso.

Inclusive a Sala de Leitura anexa a Biblioteca Pública do Amazonas foi

resultante, não da preocupação com o desenvolvimento da população em

si, mas para satisfazer os caprichos da sociedade manauara, cuja

estrutura tinha como base o modo de vida europeu, conforme veremos no

capítulo seguinte.
Capítulo 2
Uma Sala de Leitura em Manaós
ara que o resgate histórico referente à trajetória da sala de

P leitura como núcleo da Biblioteca Pública na cidade de Manaus

ocorra de forma qualitativa, fez-se necessário, primeiramente,

considerá-la dentro do contexto geral, fundamentando-se na criação das

primeiras bibliotecas verdadeiramente públicas.

Desta forma, poder-se-á constatar se a biblioteca construída na

cidade de Manaus, deu-se para assumir a sua função pública ou, para

satisfazer a elite intelectual manauara, ou, simplesmente, para construir a

ilusão de uma Província intelectualmente desenvolvida, tendo como

modelo o padrão de modernidade oriundo da Europa que estabelecia a

criação de uma Biblioteca Pública.

A preocupação em traçar a trajetória das primeiras bibliotecas

públicas deu-se, devido ao fato de que, antes do surgimento das primeiras

bibliotecas verdadeiramente públicas, ou seja, resultantes da reivindicação

do povo, tem-se o aparecimento das bibliotecas que passaram a ser

usadas pelo público, porém, devido terem sido criadas como bibliotecas

particulares, não poderiam ser consideradas como públicas, haja vista que

não foram criadas para esse fim, conforme veremos a seguir.

O Livro dos Gêneses

No início, não se fazia distinção entre arquivo e biblioteca, cabia a

uma única instituição desempenhar ambas as funções. Entretanto, à


medida que os anos passavam, sentiu-se a necessidade de separar os dois

segmentos.

A partir dessa separação, o arquivo passou a ficar responsável pela

reunião e conservação dos documentos não elaborados, ou seja, os que se

voltavam para a realidade da época, enquanto que a biblioteca passou a

conservar os documentos elaborados, isto é, os produtos intelectuais e

espirituais das gerações diversas.

Quanto à história da biblioteca de caráter público, é interessante

salientar que, inicialmente, estas foram criadas a partir da iniciativa de

particulares e não da reivindicação do público em geral, como deveria.

Isso implica afirmar que, em decorrência de tal fato, essas

bibliotecas apresentaram um caráter, eminentemente, particular que,

devido terem sido estruturadas a partir de necessidades especificas, não

atenderiam as necessidades do público em geral, não estando, portanto,

disponíveis a todos os cidadão, como pregava o discurso.

Durante a Antiguidade, o caráter elitista encontrava-se de forma

camuflada, embora defendendo o uso das bibliotecas por todos, sabia-se

que eram poucas as pessoas que dominavam a prática da leitura.


Figura 6: Ruínas da Biblioteca de Efésos – Antiguidade
Fonte: http://1.bp.blogspot.com/_Oa2uhFlFr08/SZ9VixisepI/AAAAAAAAA-
4/LTF0S278EaI/s400/ruinas+de+efeso.bmp

Na Idade Média, surgiram as bibliotecas dos mosteiros, cujo

funcionamento seguiu o mesmo exemplo das bibliotecas existentes

durante a época clássica, entretanto, com uma nítida diferença: assumiam

claramente o papel de um organismo privado. Ademais, durante esse

período, além das obras ficarem restritas aos monges, as principais

bibliotecas foram transformadas em verdadeiros labirintos, para que o

acesso ao público fosse dificultado.

A comprovação disso, liga-se não só à sua localização – em claustros,

sacristias, perto de jardins e sempre com suas portas fechadas –, mas

também nas regras de utilização – na prestavam atendimento às crianças,

aos escravos, aos iletrados, bem como os que recebiam a permissão para

adentrar, só o faziam diante da presença de uma pessoa que havia sido

treinada para dificultar-lhe o acesso ao acervo.


Como o advento da Idade Moderna, as bibliotecas passaram por

modificações tanto na sua estrutura, quanto na sua natureza, pois através

da invenção da imprensa, os documentos deixaram de ser produzidos sob

o processo caligráfico – volume por volume – para serem produzidos em

serie.

Conseqüentemente, o volume de documentos cresceu de forma

vertiginosa, contribuindo para que se chegasse ao homem comum a

oportunidade de obter uma formação intelectual, através das coleções de

livro.

O acervo bibliográfico cresceu expressivamente, forjando uma

adaptação condizente com a nova realidade, lembra-nos Alfredo Serral

(1975:148)

os sistemas medievais de conservação dos livros em


armários, arcas, estantes de tampo inclinado, não são mais
compatíveis com o número de livros impressos. [mediante
tal foto], adotam-se prateleiras encostadas ou embutidas
nas paredes e, com o passar do tempo à uma parte inferior
acrescenta-se outra (a galeria) à qual se atinge por meio de
rampas ou escadas.

É interessante salientar que, com as máquinas, embora tenha sido

considerável a explosão informacional, o acesso às fontes bibliográficas

continuava privilegiando poucos.

A solução veio através de dois acontecimentos: o primeiro liga-se à

abertura das bibliotecas particulares ao público, em meados do século XV,

por iniciativa de seus próprios proprietários, nas cidades de Munique,

Genebra, e Königsberg.
O segundo destaca-se a atitude dos livreiros que, com o intuito de

polarizar o uso das suas livrarias, resolveram criar as chamadas “Salas de

Leitura”, ou “Gabinetes de Leitura”, em 1761, dando oportunidade ao

público viajar pelo mundo dos sonhos, do prazer e, sobretudo, da cultura,

em troca de uma pequena mensalidade.

Porém, a primeira biblioteca como concebemos hoje, ou seja,

resultante da reivindicação do povo, historicamente falando, surgiu a

partir não só do processo obtido a partir da invenção da imprensa – que

trouxe a profanação dos textos impressos –, mas também do

desenvolvimento das indústrias que gerou a Revolução industrial –, do

suporte dado pela Revolução Liberal, da Revolução Francesa e, também,

do processo de urbanização entre os séculos XVIII e XIX.

Cita-se a imprensa, pois através dela, observou-se que “de repente,

pela primeira vez desde a invenção da escrita, era possível produzir

material de leitura rapidamente e em grandes quantidades...”, conforme

salienta Alberto Maguel (1999: 159). Tal fato contribuiu para a

popularização dos documentos que antes eram restritos à minoria

economicamente privilegiada.

Com a Revolução Industrial, destaca-se a necessidade de qualificar a

mão-de-obra disponível, a fim de possibilitar o manuseio das máquinas,

mas para isso, fazia-se necessário o domínio junto à prática da leitura.

Desta forma, durante essa Revolução, ser alfabetizado passou a ser

uma exigência, pois através do ensino formal, os funcionários

conseguiriam não só dominar e conservar as máquinas, mas também


atingirem, naturalmente, a ascensão social, como relata José Teixeiira

Oliveira (1993).

Por esta razão, madalena Sofia Mitoko Wada (1985:16), afirma que

“[...] a biblioteca pública surgiu como meio de aperfeiçoamento dos

trabalhadores que já estavam fora do ensino formal” portanto, o livro, ao

mesmo tempo que passou a ser obtido de forma mais fácil, fez com que

mais pessoas aprendessem tanto a ler, quanto a desenvolver a prática da

leitura.

Segundo Roger Chartier (1996), em decorrência do fato de que,

antes do século XVIII, o número de indivíduos que tinha acesso à

educação apresentava-se de forma bastante reduzida, o processo

referente ao ato de ler era obtido através da leitura “selvagem”. Por este

tipo de leitura, o autor entende como sendo aquela praticada de forma

ingênua, não-domesticada e pré-reflexiva.

Durante esse período, para a população camponesa ou a pertencente

às classes mais baixas, esse tipo de leitura correspondia a única forma de

acesso ao conhecimento. Com base em Guglielmo Cavallo e Roger

Chartier (1999:141), observa-se que

[...] com uma carga semanal da trabalho de seis dias, do


nascer até o pôr-do-sol, não havia tempo nem motivação
para que se lesse mais, [...]. Uma competência de leitura
rudimentar limitava-se a tabelas de sangria, regras do clima
e do plantio e livros de orações, que se difundiam nas feiras
e com propaganda barata, assim como os livrinhos
populares religiosos e mundanos.
O que não se pode deixar de destacar é que, na visão desses autores,

a prática oriunda a partir da leitura em voz alta encontra-se associada ao

analfabetismo coletivo, pois esse processo apesar de resultar na chamada

literalização, não proporcionava o estado de alfabetização.

Porém após o século XVIII, o acesso à informação sofreu modificação

– deixou de ser algo sagrado, passando a ser instrumento de trabalho –, o

que viabilizaria a prática de leitura àqueles menos privilegiados.

Isso implica afirmar que com a popularização do documentos, a partir

da exigência liberal em trazer igualdade e liberdade a todos os cidadãos,

houve um relativo aumento do número de leitores.

Faz-se necessário salientar que, dentre esses leitores, tanto os

públicos femininos, juvenil e infantil passaram a ter permissão para iniciar

ou ampliar o universo da leitura, como prestadores de serviço, sobretudo,

entre os lacaios, governantas, cabeleireiras, criadas de quarto,

comerciantes e artesãos.

Uma vez ampliado o número de leitores, a abertura de algumas

associações literárias e livrarias, somada à abertura de bibliotecas

particulares para o uso público foi algo incontestável. Logo, a prática de

leitura deixou de ser um monopólio apenas dos que administravam,

julgavam ou dirigiam as cidades (CHARTIER, 1996).

Novas práticas de leitura foram ampliadas durante esse período.

Enquanto que a preocupação da população, no início do século, ligava-se

mais ao seu modo de vida, principalmente, trabalho, porém, ao final


deste, a leitura de entretenimento, sobretudo, romance passou a ser o

tipo mais preferido.

Todavia, o alto preço dos livros tornou-se um obstáculo junto à

prática de leitura. Desta forma, as bibliotecas tornaram-se um lugar certo

para freqüência e uso, pois garantiriam a democratização do saber,

conforme afirma Maria Cecília Diniz Nogueira (1986).

A Revolução Liberal, contribuiu para a formação da biblioteca pública,

pois a partir da exigência liberal, a educação e o conhecimento passaram

a ser entendidos como uma questão que deveria ser igualitária a todos os

cidadãos, determinando, assim, a intistucionalização, extensão e

profundização do aparato escolar.

Na época, essa contribuição fortaleceu as manifestações de

resistência ao regime, já que passaram a lutar pela universalização da

educação antes restrita a poucos e, partindo desse princípio, a biblioteca

pública foi colocada como sendo um instrumento assegurador da

educação.

Com base em Nogueira (1983), a origem da biblioteca pública,

datando de 1850, deu-se na Inglaterra, no bojo das Revoluções Industrial

e Liberal. O Estado apresentava as condições econômicas, políticas e

culturais já amadurecidas para o estabelecimento de uma biblioteca

aberta a todo e qualquer individuo. Com os movimentos revolucionários se

fortaleceu a necessidade e criação de tal espaço cultural.

Porém, não se pode deixar de destacar a Revolução Francesa como


sendo, também, responsável pela criação dessa biblioteca, abrindo espaço
para institucionalizar-se a Instituição Elementar como fator obrigatório e
gratuito, abrindo esse direito a cada cidadão, uma conquista que se
respaldava no lema de Igualdade, Fraternidade e Liberdade (SERRAI,
1975), mas também pelo seguinte fato: Durante o período histórico que
se desenrolou essa Revolução, as bibliotecas particulares passaram a ser
concebidas como “inimigas da República”, tornado-se assim, um dos alvos
automáticos da referida Revolução.
Assim, os livros pertencentes à tais bibliotecas foram todos

confiscados e transferidos para os depósitos – bibliotecas que se

localizavam sobretudo em Paris, Lyon e Dijon –, a fim de aguardarem seu

destino. Nesse tempo, em vez de serem visitados por pessoas, passaram

a receber apenas ataque de umidade, da poeira, de insetos e de outras

pragas.

Posteriormente, o Estado resolveu dividir o acervo confiscado em

duas partes, sendo que uma foi distribuída ao exterior, enquanto que a

outra deveria ser colocada à venda. Todavia, em decorrência dos

bibliófilos franceses não possuírem o recurso financeiro exigido para a

aquisição dos documentos ofertados, foram os ingleses e alemães que os

compraram, beneficiando-se sobremaneira, com tal situação.

Quanto aos documentos que não se conseguiu nem vender, nem

distribuir, foram encaminhados às bibliotecas públicas para que ficassem à

disposição de todos os cidadãos.

Com base em Simone Balayé6, citada por Manguel (1999:272),

observa-se que

6
BALAYÉ, Simone. La bibliothèque nacionale des origines à 1800. Genebra: [s.n.], 1988.
Durante a primeira metade do século XIX, as horas de
acesso a essas bibliothèques publiques eram restritas,
havia exigências quanto a maneira de trajar de seus
freqüentadores – e os livros preciosos novamente
acumularam poeira nas estantes, esquecidos e fechados.

O que justifica a não utilização desses acervos pelo público, liga-se ao

fato de que estas bibliotecas foram resultantes da imposição do Estado em

reunir os livros que antes pertenciam às bibliotecas particulares,

refletindo, desta forma, as necessidades de seus antigos donos, não

estando, portanto, condizentes com a realidade e expectativa do público,

tornando-se, assim, um elemento estranho aos cidadãos e, como tal,

passaram a ser rejeitadas, uma vez que não faziam parte da comunidade.

Por esta razão, somente as bibliotecas que surgiram na segunda

metade do século XIX, nos paises anglo-saxônicos, poderiam ser

consideradas como sendo as primeiras bibliotecas verdadeiramente

públicas, uma vez que foram criadas a partir das reivindicações do povo,

ou seja, em conformidade com suas necessidades, cujas atividades

voltavam-se para a comunidade em geral.

Isso implica afirmar que essas bibliotecas se voltaram não só ao

usuário real – grupo social que, efetivamente, faz uso da biblioteca – e

potencial – grupo social que poderá vir a se tornar em efetivo –, mas

também ao não-usuário7 – grupo social que jamais se tornará efetivo,

nem mesmo potencial –, conforme expõe Victor Flusser (1980).

7
Entendido como sendo o grupo de cidadãos marginalizados, ou seja, o público infantil,
analfabeto, recluso, livre, hospitalizado, deficiente, físico e visual, etc.
É importante frisar que as bibliotecas públicas para que atinjam

verdadeiramente o caráter público, deveriam romper o isolamento do não-

usuário, cuja cultura corresponde à cultura do silêncio, sem o direito de se

expressar ou expressar o mundo, criar ou recriar algo livremente.

Entretanto, para que tal isolamento fosse rompido, essas bibliotecas

necessitariam desenvolver, de forma qualitativa, algumas funções básicas,

sendo que estas se caracterizariam, de fato, como públicas, passando

assim, a serem um instrumento libertador, como salienta Waldomiro de

Castro Santos Vergueiro (1990).

Isso implica afirmar que uma biblioteca para tornar-se

verdadeiramente pública, faz-se necessário assumir as seguintes funções:

educativa, cultural, recreativa e informacional.

Antes de descrever essa categorização, é interessante salientar que,

na prática, as funções acima destacadas encontram-se inter-relacionadas,

não sendo possível trabalha-las isoladamente.

Porém como nossa interação liga-se à exposição dessas funções de

forma didática, visou-se apresentá-las separadamente para que o

processo de compreensão ocorra com maior qualidade.

Como afirma Susana P. M. Muller (1984) a função educacional não

deve ser entendida como sendo a mesma a escola ou da educação de

massa, pois a biblioteca deve visar ao benéfico da sociedade através da

prática de leitura, sem outras pretensões, ou seja, apenas utilizar o uso

dos livros.
No entanto, pela evolução histórica dos papeis e objetivos atribuídos

às bibliotecas, observa-se que, sobretudo ao final do século XIX, a missão

básica da biblioteca era a educação. Daí a razão de afirmar que a origem

da biblioteca de caráter público correspondeu, eminentemente, à função

educacional, haja vista que esse tipo de biblioteca nasceu a partir das

reivindicações da população em obter um maior acesso à educação

(NOGUEIRA, 1986).

De acordo com Walkíria Toledo de Araújo (1985), a biblioteca pública,

desde seus primórdios até os dias atuais, constitui-se em uma instituição

educativa por excelência. Todavia, não deve oferecer seus serviços apenas

aos usuários real e potencial, nem voltar-se unicamente a educação

formal – entendida como sendo a pesquisa escolar, já que lhe é inerente o

papel de educar os indivíduos nem processo permanente, estando

relacionada com a aprendizagem sistemática, adquirida através de meios

de comunicação de massa e de órgãos socioculturais.

Partindo desse pressuposto, pode-se frisar que a função educativa

desenvolvida pela biblioteca pública deve ser entendida como sendo as

atividades que servirão, exclusivamente, como complemento, suporte e

apoio à educação formal, sem, contudo, deixar de atender à educação

não-formal e a informal8.

8
Para Ana Maria Cardoso de Andrade (1979), a educação não-formal é vista como sendo
aquela desenvolvida em entidades ou instituições, com métodos tradicionais, com
métodos tradicionais de aula, por está desvinculada do sistema regular, voltando-se para
a educação de adulto, treinamento profissional e outros, enquanto que a educação
informal passa a ser sinônimo de educação contínua, porém, sem vinculo a nenhuma
instituição sob a forma de cursos de formação esporádica.
Isso implica salientar que a biblioteca pública deve se preocupar não

só com os estudantes, visto que, atualmente, 90% dos usuários

freqüentadores da biblioteca são constituídos por alunos, sobretudo dos

níveis fundamental e médio, como destaca Oswaldo Francisco de Almeida

Júnior (1997), mas também com os usuários potencial e, sobretudo, os

não-usuários, pois a democratização do saber deve ser a meta da

biblioteca que se diz de uso público.

Para isso, necessita-se modificar os objetos da biblioteca, alterando-

se sua postura, suas atitudes e atividades para abranger a comunidade

em geral, isto é, o público alfabetizado, o neo-alfabetizado e o não-

alfabetizado, pois desta forma, a prática da leitura deixará de ser um

privilegio apenas da classe social economicamente favorecida, dando ao

público marginalizado a oportunidade de obter informação que outrora era

negada.

Contudo, lamentavelmente, até hoje, os próprios bibliotecários,

desconhecendo a extensão dessa função, permanecem excluindo a classe

marginalizada da população, quando suas práticas voltam-se apenas para

a parcela da população que sabe fazer uso da biblioteca.

É interessante ressaltar que a formação do bibliotecário também e

contextualiza nesse jogo político, pois durante seus cursos de graduação

foram preparados para servirem como agentes de informação técnico-

científica apenas para pesquisadores, especialistas, professores, alunos e

administradores (MARTINS, 1982; LIMA, 1982).


A parte cultural é denominada a segunda função básica da biblioteca

pública. Essa função deve ser entendida como sendo todo e qualquer tipo

de manifestação artística oferecida à comunidade, dando segundo Ana

Maria Cardoso de Andrade e Maria Helena de Andrade Magalhães

(1979:55), aos indivíduos a oportunidade

de contato, participação, apreciação das artes,


proporcionando ambiente agradável, estimulando e agindo,
tanto quanto possível, como contra-peso à cultura
comercialmente orientada de nossos dias.

Isso implica destacar que a biblioteca deveria oferecer desde uma

programação de música clássica, ópera, ballet, até algumas seções de

cinema, vídeo e TV, abrangendo, também, um acervo de literatura em

nível variado, palestras, debates, exposições, conferencias, concertos,

cursos e tudo o que for em prol da proclamação da cultura.

Entretanto, a função cultural da biblioteca pública não tem por

finalidade ocupar espaço de museus, galerias de arte, ou instituições

afins, nem mesmo servir como influenciador de opiniões, pelo contrário,

visa conceber a cultura como algo que leva apenas ao refinamento,

deixando de lado a incultura, a ignorância e a rudeza da população.

A função recreativa ou de lazer, embora tenha sido criada na mesma

época que o processo cultural, é vista como sendo a que mais vem

perdendo espaço pelos meios de comunicação, uma vez que a mídia

relega o hábito de leitura para o segundo plano.

Com o intuito de promover o gosto pela boa leitura, a leitura

recreativa ou como forma de entretenimento, visa ainda atender a uma


importante necessidade social, que é o relaxamento das tensões sociais,

propiciando o equilíbrio psíquico.

Através de uma leitura descompromissada e de livre escolha que

proporcione ao público que a procura recreação e prazer, possibilitará a

quebra da rotina de todos que se encontram absorvidos pelas pressões

exercidas pela vida moderna, como destacam Andrade e Magalhães

(1979).

Isso não implica afirmar que essa função colocará a biblioteca num

estado de desordem, pelo contrário, através da aparente leitura

descompromissada, ela poderá tornar-se indispensável para a comunidade

que irá freqüentá-la apenas para a obtenção de uma leitura que desperte

a imaginação, a ficção, a criatividade ou, simplesmente, prazer estético,

como uma forma de evasão das conturbações. Através dessa

operacionalização, esse mesmo público solicitava apenas uma leitura

descompromissada, começará a se interessar pelos demais gêneros

literários existentes no acervo da biblioteca, podendo tornar-se um

usuário real.

O grande entrave para que isso não aconteça, será o processo de

seleção do material colocado à disposição da comunidade pois

[...] não se pode pretender que as pessoas


acostumadas a outras formas de entretenimento
se transformem repentinamente em leitores e
muito menos que se possa dirigir o sue gosto
literário” (Andrade e Magalhães 1979:57)
Por esta razão, inicialmente, os bibliotecários deverão oferecer

atividades que atraiam a população marginalizada para a biblioteca, a fim


de reverter a imagem de templo que esta traz consigo, rompendo,

portanto, a distancia entre a comunidade e a biblioteca, fazendo desta

algo relevante junto não só ao processo educacional, mas também ao

entretenimento.

Nesse objetivo, o público infantil não pode ser esquecido, pois a

biblioteca deve ser entendida como sendo uma instituição complementar

às tentativas da família e da escola, para isso, deve contar com um local

sortido de livros, jogos, brinquedos e gibis apropriados para cada faixa

etária, TV e vídeo, palco para representações, a fim de despertar o

raciocínio, coordenação motora e, sobretudo, o gosto pela leitura.

Por fim, destaca-se a função informacional, cuja origem deu-se a

partir da Segunda Guerra Mundial, mais precisamente, após os anos 50.

Inicialmente, essa função foi implantada nos Centros Referenciais dos

Estados Unidos sendo logo em seguida, difundida na Inglaterra.

Para se manter como uma instituição relevante à comunidade, a

biblioteca percebeu que deveria fornecer a informação de forma cada vez

mais confiável, rápida e, principalmente, com qualidade.

É valido ressaltar que a função informacional da biblioteca foi

resultante de duas finalidades. Primeiro, encontrar um meio de se manter

importante, necessária e indispensável à comunidade; e segundo, pelas

razões de subsistência ameaçada, em decorrência da falta de verbas.

Com o propósito dessa função, caberia à biblioteca, oferecer ao

público em geral, informação, tornando-se, portanto, de vital importância


para a comunidade, mesmo que tal solicitação fosse uma informação do

cotidiano, conhecida com utilitária.

Por esse tipo de informação, Oswaldo Francisco de Almeida Júnior

(1997:56), entende-se como sendo aquela que não se encontra apenas no

suporte tradicional, sobretudo no livro, pois

A ênfase portanto, do trabalho do bibliotecário deve


estar voltada para a disseminação das informações e
não para promover, exclusivamente, o acesso dos
usuários ao suporte dessas informações.

Desenvolver essa função implica na prestação de serviço para a

comunidade de forma imediata, facilitando o acesso as informações de

diversas naturezas, como: endereços de pessoas ou instituições, indicação

de emprego, pontos turísticos, preços de hotéis, etc (NOGUEIRA, 1983;

VERGUEIRO, 1988).

Todavia, a realidade das bibliotecas públicas brasileiras, continuam

apresentando um caráter elitista, uma vez que conservam o bem público

biblioteca apenas à pequena parcela que pode e sabe utilizá-la, fecham

suas portas a quem realmente precisa delas, isto é, o não-usuário.

É evidente a contradição de sua prática, pois defende o caráter

público, no entanto, negligencia sua função pública quando não se volta

para a comunidade em geral – que não se identifica com o ato de ler –,

não sendo reconhecida, portanto, pelos cidadãos que a cercam,

contradizendo-se nos papeis a serem desempenhados , uma vez que ela

se reserva ao direito de cumprir suas funções de forma a não responder


aos interesses da população em geral, não acompanhando, assim, as

transformações sociais.

Cabe à biblioteca transformar cidadãos críticos, a partir do

cumprimento das quatro funções básicas – educacional, cultural,

recreativa e informacional –, pois dessa forma passará a desempenhar

verdadeiramente seu papel público, colocando-se como um espaço para a

contestação e desnudamento dos interesses ideológicos, local adequado

para fortalecer dinamicamente as transformações sociais, sendo capaz de

contribuir para as alterações no âmbito das sociedades que, através do

conhecimento, desvelam o mundo e buscam a qualidade de vida para

todos.

O que, sem dúvida, justifica a negligência dessas bibliotecas, liga-se

à concepção errônea arraigada na sua criação, uma vez que são frutos

não da reivindicação da população em si, mas da elite intelectual da

época, devido ser apenas essa classe que mantinha um certo domínios

junto à prática da leitura.

Por esta razão, para Zita Catarina Prates Oliveira (1994:26)

[...] as bibliotecas públicas brasileiras constituíam um


universo fragmentado e sem coordenação, atendendo a
uma parcela reduzida da população e prestando um
serviço de informação de limitada utilidade.

O que justifica tal fato, liga-se à criação dessas bibliotecas já que

foram originadas pela iniciativa dos jesuítas, conhecidas como

conventuais, através do padre Manoel da Nóbrega, em 1549.


A primeira biblioteca brasileira foi instalada em uma sala da Igreja da

Ajuda, que ficava ao lado do Colégio dos jesuítas, em Salvador, com o

nome de livraria.

Como finalidade, essa biblioteca, cujo acervo fora construído em nível

universitário, destinava-se à formação dos alunos e aperfeiçoamento dos

mestres, não se voltando, portanto, para a comunidade em geral.

Ademais, ao final do século XVIII, os magistrados, professores e

administradores brasileiros que se formaram em Coimbra, ao regressarem

ao Brasil, querendo manter o mesmo estilo de vida vivido na Europa,

deram início, segundo Mitsi Westphal Taulor (1986:17-8),

à formação das sociedades literárias, acadêmicas, gabinetes


de leituras e liceus. As bibliotecas de tais entidades
retratavam a formação humanística de seus idealizadores e
mantenedores e, [...] no século XVIII, [...]. As bibliotecas
do Brasil colônia como se pode perceber se destinavam a
ilustração dos (sic) elite cultural, representada inicialmente
pelos religiosos, aos quais vieram a se juntar os bacharéis.

Durante o período de 1549 a 1759, os jesuítas detiveram o

monopólio da educação, e mesmo opôs a reforma pombalina que os

expulsou, os alicerces por eles lançados não chegaram a se anular, já que

sua influência marcou enormemente o estilo e a trajetória do sistema

educacional brasileiro.

Tendo a catequese como sendo a finalidade especifica, tais

bibliotecas, apesar de serem consideradas públicas, mantinham o caráter

elitista. Por esta razão, seus acervos serviam apenas para reproduzir a

ideologia dos colonizadores.


Um fato que comprova isso corresponde ao número de alfabetizados

existentes na época, já que segundo Lívia Marques Carvalho (1991) a

maior parte da população, não mantinha a tradição escrita tornando o ato

de ler uma variável existente apenas no cotidiano apenas da classe

economicamente privilegiada.

Porém, faz-se necessário destacar que, durante esse período

histórico, a grande parte da população não dominava o código da escrita,

decido a cultura vigente ser baseada na tradição oral, não sendo,

portanto, a escrita algo relevante à população de um modo geral, sendo,

portanto, incorreto afirmar que a maior parte das pessoas era analfabeta.

Com a chegada da Família Real a face da colônia sofreu uma relativa

transformação. Dentre esta, tem-se a instalação da primeira imprensa e a

transferência da Biblioteca Real de Lisboa9 para o Rio de Janeiro, com

cerca de 5000 volumes, em 1825, sendo esta

Instalada no Hospital da Ordem Terceira do Carmo, foi


inaugurada em 13 de maio de 1811. teve sua consulta
limitada apenas aos estudiosos até 1814, sendo a partir
dessa data franqueada ao público (TAYLOR, 1986:18-
9).

Todavia, é valido ressaltar que, apesar de ter sido esta a primeira

biblioteca que permitiu acesso livre de eu acervo ao público, não é

considerada a primeira biblioteca pública brasileira, pois não foi criada

para este fim.

9
Atual Biblioteca Nacional
Figura 7: Biblioteca Nacional – Rio de Janeiro
Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/
f/f3/Biblioteca_Nacional_aerea.JPG

Por iniciativa de Pedro Gomes Ferrão Castelo Branco foi criada a

primeira biblioteca pública brasileira na Bahia, inaugurada nio dia 04 de

agosto de 1811, com o intuito de remover o primeiro e maior obstáculo

que se oferece a instituição pública: escassez de livros e falta de noticias

do Estado das artes e ciências da Europa.

Na intenção de acelerar a formação do acervo dessa biblioteca, os

sócios foram convidados a doarem ou emprestarem suas coleções

particulares, uma iniciativa do próprio Castelo Branco onde, na

oportunidade da fundação da referida biblioteca, doou todos os seus

livros, acrescido da quantia de 50$000 réis.

Pela origem das doações do acervo, vinda de particulares ou

adquiridos segundo o parecer de seus fundadores, neste predominou as

obras de autoria de filósofos ilustrados, iluminado as áreas


do direito, filosofia, política e legislação; textos modernos de
química, física e mineralogia, botânica e medicina; obras de
autores célebres em matemática e astronomia; uma coleção
de referencia que impressionava pela quantidade
diversificada e quantidade de dicionários bilíngües e
especializados, [...], as obras mais representativa da
literatura latina e francesa clássica e uma admirável coleção
da periódicos científicos, onde figurava o que havia de
melhor na França e Inglaterra (TAYLOR, 1986:19-20).

Por essa atitude, observa-se que o acervo formado continuava não se

enquadrando na necessidade da comunidade em geral, por uma simples

razão: as obras de referencia até os demais volumes encontravam-se, ou

sob a forma bilíngüe, ou especializada, comprovando que as pessoas que

dele faziam uso correspondia a um público que, no mínimo, dominavam

um outro idioma e uma atividade específica.

O que não se pode esquecer, também, é que, na época, a criação da

biblioteca pública encontrava-se associada ao termo de cultura erudita.

Disfarçadamente, acidade que erguia uma biblioteca de caráter público,

elevava-se ao mesmo patamar de intelectualidade, sobretudo, das cidades

européias.

Por essa razão, as bibliotecas públicas no Brasil não surgiram para

desempenhar verdadeiramente suas funções, já que não foram

estruturadas a partir da reivindicação da população, como deveria ser, e

sim para elevar à cidade ao estado de modernidade.

A prova maior disso, está na localização de prédios que se

destinavam à biblioteca pública. Em decorrência de terem sido construídos

em bairros nobres, leva-nos a interpretar que seu funcionamento voltava-

se às pessoas pertencentes a tais localidades.


Um outro fator que, sem dúvida, leva-nos perceber que a grande

preocupação pela criação da biblioteca pública no Brasil baseava-se

apenas em um valor ilustrativo, corresponde à luxuosidade de seus

prédios imponentes, erguidos da época, quanto mais imponência mais

divergência.

Mediante tal fato, a população pertencente, sobretudo, às classes

mais baixas via-se inibida em adentrar em um prédio que mais parecia um

templo, em vez de uma biblioteca que se destinava à comunidade em

geral.

No caso da biblioteca pública do amazonas, a sociedade manauara

visando transmitir uma imagem moderna, a partir do modelo europeu,

conforme visto no capítulo anterior, viu-se na obrigação de criar uma

biblioteca pública na Província do Amazonas.

A Busca pela Modernidade

Durante o período em que ocorreu a criação da Biblioteca Pública do

Amazonas, a realidade de letramento da população brasileira, encontrava-

se bastante tímida, uma vez que o número de alfabetizados, em 1890,

não passava de 14%, enquanto que entre os anos de 1900 a 1920 não

ultrapassou os 25,5%, como destaca Gomes (1983).

Mediante o exposto, constata-se que o acesso à educação era

privilégio de poucos em detrimento da grande maioria. O descaso com a

educação ultrapassa os limites de demanda intelectual da cidade. A


Instrução Pública encontrava-se de forma precária, diante das

expectativas de mudança.

A prova maior disso, encontra-se inserida no discurso proferido pelo

Presidente da Província Gustavo Adolfo Ramos Ferreira onde, segundo

Genesino Braga (1989:27) foi proclamado da seguinte forma:

há defficiência da organisação nos diversos planos até agora


seguidos no ensino primário e secundário, [...], porque elles
não satisfazem as necessidades da população, não attendem
as suas circunstancias, nem se achão em harmonia com as
leis geraes do desenvovimento humano.

No entendimento desse autor, a figura de Ramos Ferreira passou a

ser sinônimo da criação da Sala de Leitura na cidade de Manaus anexa a

Biblioteca Pública, uma vez que sua contribuição social, política e

administrativa voltou-se não só para as melhorias da área educacional,

através de vários Projetos de Lei, visou melhorar e ampliar as condições

de ensino da Província do Amazonas, mas também para a implantação da

idéia de se criar tal Sala.

No início, a idéia de criação da Sala de Leitura em Manaus surgiu

apenas como uma sugestão, durante o pronunciamento ocorrido em 1868,

na Assembléia Legislativa Provincial, sendo, posteriormente, vista como

uma necessidade ou mesmo, apelo.

O fato de ser amigo pessoal de João Wilkens de Matos, Presidente da

Província entre os anos de 1868 a 1870, certamente facilitou para que

Ramos Ferreira desse início à criação da referida biblioteca de forma tão

rápida.
Com o intuito de agilizar a instalação dessa biblioteca, o deputado

Aprígio Martins de Menezes, na Assembléia Legilativa, apresentou, na

sessão de 30 de abril de 1870, um breve discurso sobre a necessidade da

criação da Biblioteca Pública.

Em seguida, na seção de 14 de maio do corrente ano, o deputado

Irênio da Costa enviou à comissão de redação o requerimento para que se

validasse a discussão final acerca da criação da biblioteca. Após três dias,

o Presidente da Província, Clementino José Pereira Guimarães, converteu

em Lei a sua criação.

Finalmente, no dia 17 de maio de 1870, pela Lei n.º 205, tem-se a

criação da Biblioteca Pública do Amazonas, com a finalidade única de

servir como uma Sala de Leitura,voltada às necessidades das pessoas

cultas ou em processo de educação, conforme é mostrado em BIBLIOTECA

... (19??): “Art. 1º - Fica desde já creada, no edifício em que funciona o

Lyceu, uma sala de leitura, que servirá de núcleo para a Biblioteca Pública

da Província(13).

Uma vez criada e publicada a lei referente à criação da Sala de

Leitura, deu-se início aos procedimentos para a organização do seu

acervo10, a fim de disponibilizá-la ao uso público, bem como a nomeação

de Ramos Ferreira para a sua direção, tanto que o obrigou a afastar-se

das suas atividades políticas.

10
Resultante de doações de particulares e através da aquisição junto às gráficas
brasileiras e estrangeiras, cujo recurso financeiro fora obtido por meio de campanhas
comandadas pelo próprio Ramos Ferreira.
Uma vez equipada, a Sala de Leitura, com um acervo constituído por

1200 volumes, foi inaugurada no dia 19 de março de 1871, em uma

solenidade presidida pelo novo Presidente da Província, José Miranda da

Silva Reis.

Conforme apresentado na Lei de sua criação, a Sala de Leitura foi

instalada provisoriamente em uma das salas do pavimento superior do

velho sobrado do Liceu, localizado na Travessa da Imperatriz, levando-nos

a concluir que esta ainda não possuía sua sede própria.

Em 1872, por ordem do Presidente da Província, tem-se a construção

de um prédio que serviria para abrigar as aulas do Liceu, a diretoria da

Instrução Pública e a Biblioteca, sendo relevante salientar que tal local iria

ser construído não por causa da biblioteca, e sim por causa da Instrução

Pública que, também não possuía sua sede definitiva.

Após a construção desse prédio, em março de 1874, o sucessor de

José Miranda da Silva Reis, Domingos Monteiro Peixoto, anunciou que a

sala de Leitura do Amazonas passaria a funcionar no prédio localizado na

Praça 28 de Setembro – atual Quartel da Polícia Militar.


Figura 8: Quartel da Polícia Militar
Fonte: BRAGA, Gemesino, Nascenças... 1989.

Nessa época, a Sala de Leitura, funcionando com 01 (hum) Diretor e

01 (hum) Porteiro, passou a abrir suas portas das 9 as 15 horas, exceto

nos finais de semana.

No início de seu funcionamento, tal Sala apresentou um nítida

dicotomia, expressas no seu Regimento Interno, já que as regras de

funcionalidade ao mesmo tempo que defendia o uso público, determinava

o perfil das pessoas que deveriam fazer uso do referido local, conforme

demonstra o Regimento de 1871 onde defende o uso da Sala de Leitura

para todo e qualquer cidadão, desde que: “1 – apresentar-se devidamente

vestido; 2- não fumar, não conversar, não atrapalhar por forma alguma o

silencio e a tranqüilidade da sala.

Essas exigências traziam transtornos para a maior parte da população

pois ao tentarem usufruir desse espaço que se dizia público, esbarravam

na burocracia e nas etiquetas determinadas pelo seu regimento, haja vista


que pela suas condições financeiras, sentiam-se de fazer uso desse

espaço, pois não conseguiam se apresentar devidamente vestidos.

Um outro item que comprova a dicotomia entre a prática e o discurso

estabelecido pela Sala de Leitura, refere-se ao padrão de educação

exigido para o uso do ambiente, já que este fora estabelecido segundo as

práticas da sociedade manauara.

Pelos paradigmas estabelecidos, a população de Manaus jamais faria

uso dessa sala, uma vez que não tinha condições nem para se trajar

corretamente, nem mesmo para se comportar de acordo com a regra, pois

não tiveram a oportunidade de receber a mesma educação doméstica que

a comunidade economicamente privilegiada.

Por esta razão, afirma-se que a criação da Sala de Leitura em Manaus

foi resultante da preocupação da sociedade manauara em satisfazer suas

próprias necessidades, haja vista que desde suas regras até seu acervo

apresentavam-se de forma direcionada, sobretudo com obras oportunas

da Europa, estando portanto, no idiomas inglês e francês.

Como defender, então, o uso público da Sala de Leitura se, na época,

seu acervo encontrava-se, basicamente, em outro idioma, bem como

apenas 3% da população era letrada, tendo desta forma, condições para

usufruir de tal local?

A resposta, certamente, encontra-se na adequação da sociedade

manauara ao modelo francês, já que durante o final do século XVIII e

início do XX, Manaus encontrava-se sob uma forte influência da belle

epoque.
Como as “Salas de Leitura”, também conhecidas como “Gabinetes de

Leitura” já eram uma constante nos grandes centros culturais europeus, a

criação da Sala de Leitura em Manaus representou a concretização do

sonho de um pequeno grupo que fazia questão de permanecer com os

mesmos hábitos e costumes adquiridos na Europa.

Pode-se afirmar, também, que a presença do Real Gabinete de

Leitura Portuguesa, criado em 1837, bem como a fundação Biblioteca

Fluminense, em 1847, ambas no Rio de Janeiro, cujos acervos reforçavam

a preservação da cultura transplantada, principalmente, da Europa,

influenciaram, sobremaneira, para a criação da Sala de Leitura em

Manaus.

Para comprovar isso, destaca-se Nelson Schpochinik (1993:156)

onde, ao referir-se ao Gabinete Português afirmou o seguinte:

seu acervo contava com 50.000 volumes, entre os quais a


‘Camoneama completa e outras publicações em diversos
idiomas, de Sciencias, legislação literatura e artes, inclusive
muitas raras e manuscriptos; muitos periódicos e
vocabulários de línguas vivas e mortas, de obras de direito
civil, criminal, canonico, público, das gentes, natural e
allemães, latinos e gregos, de matematicas, geographia,
historia, viagens, romances, etc.

Quanto à Biblioteca Fluminense, destaca que seu acervo era

constituído por

[...] volumes de ‘sciencias, litteratura e artes, nas línguas


portugueza, franceza, hespanhola, allemã, italiana, etc;
manuscritos e mappas; os principaes jornais de todo o
Imperio e muitos estrangeiros entre eles Le Siècle, Journal
des Débats, L’Illustrations, La Sylphide, Gazette Médicale,
Gazette des Hospotaux, Comptes rendus de l’Academie des
Sciences, Panorama, Revista Universal Lisbonense, Diário do
Governo, Revolução de Setembro (SCHPOCHINIK,
1993:157).

É interessante ressaltar que um outro fato que contribuiu para a

criação da Sala de Leitura em Manaus, dentro de um contexto

europeizado, ligou-se ao costume estabelecido pelos membros da

sociedade manauara em enviar à Europa seus filhos para estudar, ou para

passar longas temporadas nas capitais do Velho Mundo, ou mesmo para

adquirir um imóvel.

Ao regressarem, entretanto, com o intuito de manterem o mesmo

padrão vivido no exterior, os membros da sociedade manauara viram ma

criação da referida Sala a oportunidade ideal para cultivar o modo de vida,

hábitos, crenças, e costumes do Velho Mundo, bem como manter a

imagem de uma cidade moderna, mesmo que ilusoriamente.

Afirma-se portanto, que a Sala de Leitura em Manaus não foi criada

para atender a comunidade em geral, como deveria ser, já que surgiu

para servir às necessidades da sociedade manauara, pois não só seu

Regimento Interno, mas também seu acervo voltavam-se para as pessoas

alfabetizadas ou em processo de alfabetização.

Isso implica frisar que o funcionamento dessa Sala destinava-se

apenas ao público letrado, haja vista que somente essa classe tinha as

condições mínimas para fazer uso do local, sendo portanto, um espaço

eminentemente elitista.

À medida que o tempo passava, o Regimento Interno da Sala de

Leitura, mesmo apresentando algumas mudanças, continuava irredutível,


no que diz respeito à exclusão do público em geral, já que seu artigo 6º

passou a descrever que “só terão ingresso na Bibliotheca as pessôas de

ambos os sexos, maiores de 14 annos, que se apresentarem

decentemente vestidas”.

Todavia, segundo Braga, a criação da Sala de Leitura em Manaus foi

algo extremamente relevante à população em geral, pois livrou-a da

ignorância e do desconhecimento. Daí a razão pela qual a versão

apresentada por esse autor é vista como sendo algo romântico, pois

apesar de destacar as diferenças sociais da época, coloca a Sala de Leitura

como uma instituição vantajosa para o desenvolvimento da Província, cujo

mentor passou a ser Ramos Ferreira, devido ter sido um

Homem de fé inegável, ação enérgica e inabalável às suas


convicções o ilustre filho da gleba amazônica não repousava
das lides árduas que lhe impunham a ordem nova
implantada na seara da alfabetização e da educação dos
menores seus contemporâneos. Todas as suas horas, a
cultura, o seu trabalho, os seus parcos haveres, estavam a
serviço do plano de desenvolvimento do ensino entre os
seus irmãos da ongínqua Província do Império (BRAGA,
1989:37).

Independente da versão apresentada, romântica ou realista, faz-se

necessário destacar que a Sala de Leitura como núcleo da Biblioteca

Pública do Amazonas, manteve um curto período de existência, uma vez

que fora desaparecendo progressivamente sem se como e quando e

como, conforme salienta Maria Sidney Garcia de Vasconcellos Lins (1979).

A prova disso, está inserido no discurso proferido pelo Presidente da

Província, Sátiro de Oliveira Dias, em 1880, onde declarou que


“a biblioteca que se diz haver sido fundada, existe apenas no nome”.

Porém, as autoridades só foram perceber que a referida Sala, realmente,

não existia somente no ano de 1882, quando José Lustosa da Cunha

Paranaguá assumiu a Presidência da Província, no dia 17 de março do

corrente ano.

Logo, foi somente a partir da iniciativa de Paranaguá é que o assunto

da Biblioteca Pública do Amazonas voltou a ocupar a atenção

governamental, conforme veremos no próximo capítulo.


Capítulo 3
Uma Nova Biblioteca para a
Província
om a extinção da Sala de Leitura sem registros que pudessem

C explicar a razão de tal fato, Manaus ficou desprovida de um

dos símbolos que garantiriam a imagem de uma cidade

intelectualmente desenvolvida.

Todavia, com a nomeação de José Lustosa da Cunha Paranaguá para

a Presidência da Província, em 1882, a existência de uma biblioteca em

Manaus voltou a ser uma preocupação governamental.

É valido frisar que alem da criação da Biblioteca Pública Provincial, a

Construção de algumas obras, ditas como importantes e imponentes para

o progresso do Amazonas – Teatro Amazonas, fundação do Museu

Botânico Amazonense, restabelecimento do Instituto de Educandos

Artífices, entre outras, fizeram parte das prioridades do seu governo.

Pelo fato de não permitir que a nova biblioteca continuasse com a

mesma estrutura da Sala de Leitura, José Paranaguá passou a defender

que esta deveria se apresentar “com amplo sentido da serventia geral, de

livre acesso, aberta a todos os estudiosos, aos pesquisadores das ciências

e da história, de franquia ilimitada” (BRAGA, 1989:61).

Com essa nova perspectiva, através da Li n.º 582, de 27 de maio de

1882, foi criada a Biblioteca Pública Provincial do Amazonas, com o firme

propósito de cooperar para o progresso da Instituição Pública da Província.

Quanto à política de aquisição do acervo que comporia a Biblioteca,

pode-se afirmar que do editores parisienses, foram encomendadas varias

obras e coleções. Para isso, contou-se com o auxilio de Ramiz Galvão12,

12
Bibliotecário pertencente à Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.
que se responsabilizou pela seleção do material que deveria ser

comprado.

Em Paris, ou auxílio veio do Visconde de Nioac, Manuel Antônio da

Rocha Freire, cuja função era a de fiscalizar a compra dos quase 1.000

volumes adquiridos, bem como remeter, devidamente encaixotados, o

acervo no vapor “Paraense”.

Durante a construção do acervo que comporia a nova Biblioteca, após

ser procurado pelo escritor Franklin Dória, Paranaguá resolveu organizar

uma seção contendo, exclusivamente, obras sobre a Amazônia,

atualmente conhecida como acervo amazônico.

Para compor tal seção, 82 volumes foram comprados através do

livreiro B. L. Garnier e das demais livrarias brasileiras.

Enquanto os livros não chegavam, deu-se início a uma campanha

para arrecadar fundos, a fim de arrecadar fundos para as possíveis

despesas.

Por outro lado, algumas pessoas doaram de suas bibliotecas

particulares alguns volumes, como intuito de contribuir para a formação

do acervo da nova biblioteca.

Conforme exposto em Braga (1989:64), além dos acervo particulares

verifica-se que

Das repartições públicas vieram valiosas ofertas. O


ministério da Marinha ofereceu vários mapas, dentre as
quais se destacam as preciosas cartas hidráulicas do Rio
Juruá, em 10 folhas, e o mapa do Amazonas. O Ministério
dos Negócios e da Fazenda ofertou uma coleção de
legislação brasileira e outras publicações da Tipografia
Nacional; e a nossa Assembléia Legislativa Provincial
ofereceu a coleção completa dos seus anais, desde o ano de
1852 em que se inaugurava a Província e se constituía o
nosso poder legislativo.

Uma vez equipada nascia, assim, a Biblioteca Pública do Provincial do

Amazonas, cuja inauguração ocorreu em 1883. porém, dois dias depois de

sua inauguração é que suas portas foram abertas ao público somente dois

dias depois.

A solenidade de inauguração da Biblioteca, comemorada na noite do

dia 25 de março, no Teatro Provincial13, representou um acontecimento

histórico para a cidade de Manaus, uma vez que tal data além de celebrar

o aniversário da Constituição Política do Império, foi marcado pela

“entrega de duas cartas de alforria a escravos negros [dando] o tom

abolicionista do Governo Paranaguá” (BIBLIOTECA... 19??:14).

Mediante tal fato, Manaus passou a ser a segunda cidade brasileira a

abolir a política abolicionista, proporcionando assim, a liberdade dos

escravos. Porém, o que não se pode deixar de frisar é que, a alforria dos

escravos, justamente no dia da reinauguração da Biblioteca Pública do

Amazonas, na verdade, correspondeu a uma estratégia desenvolvida,

provavelmente, pelo Presidente da Província e o primeiro diretor da

Biblioteca Pública Provincial, o abolicionista Lourenço Pessoa.

Afirma-se isso, pois, entregar a carta aos escravos na inauguração da

Biblioteca, sem duvida, contribuiria qualitativamente para o fortalecimento

da imagem intelectualizada da sociedade Manauara.

13
Posteriormente denominado Teatro Amazonas.
Quanto à sua localização, pelo fato de ter sido instalada no pavimento

inferior – ala oriental – do consistório da Igreja Nossa Senhora da

Conceição – catedral de Manaus –, a Biblioteca Provincial além do

privilegio de encontrar-se em uma excelente localização, leva-nos a

concluir que tanto a igreja, quanto a biblioteca tinham como finalidade a

elevação do espírito humano, sendo que a primeira destinava-se a Deus e

a segunda à cultura e erudição.

Figura 9: Catedral Nossa Senhora da Conceição


Fonte: Biblioteca... [19??].

No que se refere ao acervo da Biblioteca Provincial, observa-se que

não existe, com precisão, algum tipo de informação acerca da sua

quantidade exata. Na estimativa de mesquita (1997), ela era constituída

de 4.000 volumes, para Maria Sidney Garcia de Vasconcellos Lins (1979),

esta foi instalada com um acervo de aproximadamente 3.000 volumes.


Ademais, Mavignier de Castro (19??), afirma que sua composição

resultava em um pouco mais de 6.000 volumes.

Todavia, em BIBLIOTECA... (19??:15), o total de documentos

encontrava-se em torno de 5.000 volumes. Para Braga (1989) a biblioteca

era formada por 3.000 volumes e a compilação de vários mapas

geográficos.

Provavelmente, a razão que impedia a explicação de tal fato foi o

incêndio ocorrido na madrugada do dia 22 de agosto de 1945 o qual

destruiu não só o prédio da rua Barroso, mas também a maior parte do

seu acervo, restando apenas 60 volumes, devido encontrarem-se fora do

prédio na noite do acidente.

Ao iniciar suas atividades, através do artigo 5º do regulamento

vigente na época, verifica-se que

A Biblioteca [estaria] aberta ao público ao publico todos os


dias úteis desde as 5 horas da tarde até às 9 horas da noite,
excepto nos dias santificados e de festa nacional, carnaval,
semana Santa, e os que decorrem de 1 a 6 de janeiro e de
25 a 31 de dezembro14

É interessante salientar que, não obstante o público poder freqüentar

a Biblioteca, existia ainda uma política que determinava o perfil dos

usuários que deveriam freqüentar o referido espaço. A partir de tal

política, destaca-se que os jovens menores de 21 anos não tinham acesso

às obras que ofendiam a moral e a Religião, também eram proibidos de

14
Regulamento Interno da Biblioteca Provincial de 1883.
fazer uso dos manuscritos que eram reservados ao Presidente de

Província, necessitava-se obter a permissão do mesmo.

O que não se pode deixar de destacar é que, apesar de estar muito

bem instalada e freqüentada, a Biblioteca Pública Provincial continuava

sem sua sede própria. Por esta razão, com o intuito de solucionar tal

problema, José Paranaguá começou a lutar pela construção do prédio que

serviria de sede para a Biblioteca.

Para isso, no início dos trabalhos legislativos de 1883, em seus

relatórios, expunha preocupações sobre a necessidade da construção de

um local que abrigasse definitivamente a Biblioteca Pública Provincial.

Através de Mesquita (1997:332), verifica-se que os apelos de José

Paranaguá surtiu efeito, uma vez que “em 4 de junho de 1883 a Lei n.º

608, [autorizou] ‘despender’ a quantia de 0:000$00 réis para a construção

de um edifício para a Biblioteca Pública Provincial”.

Figura 10: Início da Construção da Sede Definitiva


Fonte: http://4.bp.blogspot.com/_C-pOxEqowo0/
R2GKQJSssBI/AAAAAAAAALI/LqkGpf0KYXE/s200/01+(10).jpg
Porém com a saída de José Paranaguá da Presidência da Província,

apesar do projeto ter sido aprovado, assim como as plantas do prédio que

se destinaria à sede da Biblioteca Pública já estarem prontas, a dotação

orçamentária para o andamento da construção do referido prédio não foi

renovado.

Somente no dia 16 de maio de 1884, pela Lei n.º 640, teve-se a

autorização para o término da construção do prédio que se destinaria à

sede da Biblioteca.

Nesse mesmo ano, Lourenço Pessoa, Diretor da Biblioteca, é

substituído por Antônio Manoel de Souza Oliveira, que teve um mandato

exíguo sendo, em 1885, substituído por Carlos Pereira de Pinto, cujo

mandato estendeu-se até 1887.

Quanto ao trajeto da Biblioteca Pública Provincial, verifica-se que

esta, desde sua criação, encontrava-se subordinada à Instrução Pública,

contudo, através da Lei n.º 780, datada do dia 25 de janeiro de 1887, a

referida biblioteca tornou-se uma Diretoria autônoma.

A partir dessa data, tem-se uma mudança, também, no quadro

funcional da biblioteca, com a criação da de mais um cargo, o Amanuense,

cuja função ligava-se à fiscalização dos serviços desenvolvidos na

biblioteca.

O fato de que foi somente em 1965 que se tem a criação do Curso de

Biblioteconomia no estado do Amazonas, leva-nos a concluir que as

pessoas que eram indicadas para dirigirem a Biblioteca, além de pertencer


eminentemente ao sexo masculino, deveriam possuir um certo amor às

letras e ao serviço que se desempenharia.

Entretanto, a intelectualidade do diretor da Biblioteca sempre fora

relegada para o segundo plano, já que o cargo de Diretor passou a

representar uma acomodação política.

Assim, as pessoas que assumiram a Biblioteca não mantinham a

mesma preocupação de efetuar, corretamente, o processo técnico dos

documentos, nem conservar o patrimônio bibliográfico adquirido até o

momento.

Com o intuito de demonstrar tal fato, destaca-se Braga (1989:20),

onde relata que:

Bons e maus dirigentes estiveram a nortear as tarefas


naturais de seu objetivo. Muito deles foram guindados ao
posto de chefia por simples acomodação política, sem
cultura, sem conhecimento do serviço, sem ideal; outros,
bem poucos estes, ao mesmo conduzidos de qualquer forma,
empenhara, entretanto, boa parcela e de seu
intelectualismo, de sua operosidade e de seu interesse pela
educação, em lutas árduas para fazer reerguer, reconstruir,
reorganizar, para a utilização dos estudos, o rico patrimônio
bibliográfico [...].

No ano de 1887, houve a inauguração do prédio que abrigaria a

Biblioteca Provincial, sob o comando do Presidente da Província, Ernesto

Adolpho de Vasconcellos Chaves, todavia em virtude de não ser exclusiva

da Biblioteca, pois acomodaria a instalação do Liceu Provincial, destaca-se

que esta não correspondeu ao eu prédio próprio.


Figura 11: Liceu Provincial – Atual Colégio Dom Pedro II
Fonte: BRAGA, Genesino. Nascença... 1989

Apesar do prédio ter sido inaugurado em 1887, a Biblioteca Pública

foi transferida para lá somente no ano seguinte, através da ordem do

cônego Raimundo Amâncio de Miranda, 3º vice-presidente da Província.

Nesse prédio, sob a direção de Jorge Augusto de Brito Inglês –

considerado o 1º diretor nomeado –, a Biblioteca Provincial em virtude de

oferecer seus serviços apenas aos alunos, elite intelectual e poucos

particulares, continuou conservando o papel de biblioteca escolar, fato que

desviava as suas verdadeiras funções.

Funcionando regularmente, a Biblioteca Provincial, permaneceu em

atividade até o final do período monárquico, com o advento da República,

começou a presenciar momentos ora de abandono, esquecimento e

decadência, ora de reorganização.

O fato que, certamente, enveredou para o seu decadentismo foi à

extinção da Diretoria da Biblioteca, por ordem de Eduardo Gonçalves

Ribeiro, Governador do Amazonas.


Em decorrência disso, a Biblioteca que se encontrava em uma das

salas dos pavimentos superior do Liceu, pouco a pouco foi sendo

esquecida passando a servir apenas como um incomôdo de livros,

permanecendo nesse estado durante os quatro anos do governo do “O

pensador” - apelido dado a Eduardo Ribeiro.

Somente ao final do seu governo – mais precisamente, meses antes

de ser substituído – Eduardo Ribeiro resolveu reorganizar a Biblioteca

Pública do Amazonas, provavelmente, para resgatar a imagem de um

Governador preocupado com o incentivo da cultura e das artes.

Desta forma, pelo decreto n.º 86, de 17 de outubro de 1895, com

base no artigo 6.º da Lei n.º 134, de 7 de outubro do corrente ano,

Eduardo Ribeiro declarou:

Art. 1º - Fica reorganisada a Bibliotheca Publica do


Estado com o pessoal seguinte: Um Director, Um
secretario, Um porteiro e Um continuo15 e se
regerá na conformidade do regulamento com que
este baixa.
Art. 3º - Revogar-se as disposições em contrario.

Durante o processo de reestruturação da Biblioteca, apesar de todos

saberem que o acervo encontrava-se completamente maltratado e

desfalcado, Eduardo Ribeiro nomeou Pedro Epifânio Regalado Batista para

assumir a sua direção, bem como autorizou a sua transferência para uma

casa alugada, localizada entre a Praça da constituição – atual praça

Roosevelt – e a rua Guilherme Moreira.

15
Pessoa responsável pela limpeza e conservação do edifício, além de ter que prestar
auxílio ao porteiro e demais funcionários.
Em suas novas instalações, a fim de cooperar com a Instrução

Publica do Estado, a biblioteca Publica do Amazonas passou a funcionar,

exceto aos domingos e feriados, das 11 às 14 horas e das 18 às 20 horas.

Mesmo rompendo a barreira do tempo a Biblioteca continuava delineando

as pessoas que não se adaptavam a sua política de funcionamento.

Para comprovar isso, destaca-se o artigo 9º do seu Regimento

Interno, que dizia: “Só serão admitidas na bibliotheca as pessoas de

ambos os sexos, maiores de quatorze annos, que se apresentarem

decentemente vestidas”.

Mediante o exposto, concluiu-se que a existência de uma biblioteca

em Manaus não se voltou para desenvolver verdadeiramente sua função

pública, pois em nenhum momento se colocou a favor do não-público.

Quando o tenente Fileto Pires Ferreira – sucessor de Eduardo Ribeiro

– assumiu o Governo do Amazonas, por meio de uma mensagem enviada

ao Congresso dos Representantes, em março de 1897, confessou-se

desanimado com o estado que se encontrava a Biblioteca Pública,

afirmando o seguinte:

pelo Relatório do Diretor desta Repartição, para o qual


chamo a vossa especial ettençao, verei o estado de
desmoronamento, ou melhor, de aniquilamento em que se
acha a Bibliotheca Pública. Desprovida de quase todos os
elementos necessários e encontrando os poucos existentes
em verdadeira ruína, só trabalho novo, methodico e regular
poderá levantar o estabelecimento a um gráo de
prosperidade capaz de preencher os seus elevados
patrióticos fins, [...]. Sem obras de certo valor, truncadas as
melhores que existem, sem revistas scientificas e literárias,
nenhum interesse desperta e nenhuma frequência pode ter a
Bibliotheca. Relativamente ao movimento, são
desanimadores os dados fornecidos pelo Director, pois dá-
nos frequencia de 3 leitores diários! (BRAGA, 1989:91-3).
Por esta razão, com o intuito de dar um impulso maior ao

funcionamento dessa Biblioteca, como solução, pelo Decreto n.º 208, de 8

de dezembro de 1897, resolveu vinculá-la à Diretoria de Estatística, pois

desta forma, eliminaria sua condição de repartição pública isolada (LINS,

1979).

Com tal vinculação, o Poder Público sentiu a necessidade de obter

um local mais amplo que a abrigasse a Repartição de Estatística e o

Arquivo Público.

Assim, o local escolhido foi uma casa, localizada na rua do

Progresso, atual Monsenhor Coutinho. A instalação deu-se no dia 1º de

janeiro de 1898, com a presença do Chefe do Executivo.

Durante a mudança, sob a responsabilidade de Wilson Silveira

Coelho, faz-se necessário frisar que o acervo da Biblioteca, em virtude de

ter passado por inúmeros momentos ora de desleixo, ora de abandono,

encontrava-se completamente maltratado e danificado.

Certamente, o que contribuiu ainda mais para o estado de desleixo e

abandono do acervo da Biblioteca Pública, foi mais a inauguração, nos

últimos momentos do século XIX, dessa vez da “moderna” biblioteca

instalada em uma das salas do Gymnasio Amazonense, antigo Liceu.

Tal biblioteca, funcionando sob a direção de Monteiro de Souza,

pedagogo emérito e apaixonado pelas artes e letras, comportava um

acervo de mais de 2000 volumes, obtidos por doações e compras nas

livrarias de Manaus e do Distrito Federal.


Além das “enciclopédias e dicionários especializados a obras

cientificas e obras raras, [tal biblioteca], se enriqueceu mais ainda com a

anexação do acervo bibliográfico do extinto Museu Botânico”

(BIBLIOTECA... 19??:16).

Em virtude disso, para satisfazer suas necessidades, o público que

antes freqüentava a Biblioteca Pública, progressivamente, começou a

optar pela biblioteca do Ginásio Amazonense, pois esta disponibilizava

muitos mais recursos, no que se referia às pesquisas, estudos e

recreações.

Outro fator positivo equacionado a essa biblioteca ter a preferência

do público foi seu ambiente, pois além de ter sido instalada em um amplo

espaço, suas mobílias – mesas, cadeiras, estantes e demais pertences –,

estavam devidamente adaptados às exigências de um ambiente de

estudo.

Sem oportunidade de competição, a Biblioteca Pública do Amazonas

foi, mais uma vez, transformada em um mero deposito de livros,

completamente esquecida em uma das salas da casa da rua do Progresso,

cuja freqüência, na época, registrava-se apenas 1 leitor por dia.

No estado de abandono, destaca-se o descaso com o acervo, dos

4.342 volumes que restavam, 172 encontravam-se inutilizados; 37

correspondia às coleções incompletas; 233 faziam parte dos livros em

mau estado; 2.951 tinham sido encaminhados à encadernação e apenas

681 tinham sido comprados pelo Governo.


Assim como os administradores anteriores, Fileto Pires Ferreira

durante o pouco tempo em que permaneceu no Governo do Amazonas,

pouca coisa fez pela Biblioteca Pública do Amazonas, conforme é

destacado na mensagem ferrenha, proferida pelo Sr. Pedro Freire –

responsável pela Secretaria de Estado – ao governador, onde disse:

[...] é tempo de pensar seriamente na necessidade de dotar-


se esta capital com uma Bibliotheca bem organisada, [...],
consigando na lei orçamentária verba suficiente para
acquisição de um prédio opropriado, [...]. o prédio em que
ela tenha que ser installada demanda de construcção
adequada ao seus fins, com acomodações regulares para
salas de estudo”16

Ademais, em um outro relatório, dessa vez apresentado pelo outro

Secretario de Estado – Francisco Público Ribeiro Bittencourt –, verifica-se

que a Biblioteca Pública encontrava-se em um estado lastimável, pois

inicia seu relato da seguinte forma: “Do que foi a Bibliotheca de Manaus,

só resta hoje um simulacro”.

Com a nomeação do Cel. José Cardoso Ramalho Júnior para o

Governo do Amazonas, em abril de 1898, com prioridade, visou

estabelecer um diagnostico do estado em que se encontrava a Biblioteca

Pública do Amazonas.

No ano seguinte de seu governo, a Biblioteca Pública, mesmo

ganhando um novo diretor – Júlio Nogueira –, não havia ainda conseguido

se desvincular da Diretoria de Estatística uma vez que

[...] o Governador Ramalho Júnior alertava para a


necessidade de se estabelecer reformas na biblioteca,
16
AMAZONAS. Secretaria de Interior. Relatório
iniciando-se pelo seu desligamento da Repartição de
Estatística, com o qual não apresentava nenhuma relação de
dependência lógica. Além disso, observava que o prédio não
era apropriado e de fazia necessária um novo regulamento
que estabelecesse horários mais flexíveis (MESQUITA,
1997:333).

Assim, pela Lei n.º 254, de 9 de agosto de 1899, efetiva-se o

desligamento da Biblioteca Pública da Repartição de Estatística. Contudo,

somente no dia 3 de janeiro de 1900, pelo Decreto n.º 375-B, cuja base

ligou-se à Lei n.º 254, de 9 de agosto de 1899 é que a Biblioteca tornou-

se uma Diretoria Autônoma.

Por tal reorganização, entendia-se como sendo não só a nomeação

da nova direção, sob o comando de Raul de Azevedo, mas também a

autorização para dar início ao processo de reorganização da Biblioteca,

que passou a funcionar das “8 ás 11 da manhã e das 6 ás 10 da noite” e a

aquisição de um prédio próprio.

A partir de tal Decreto, tem-se uma relativa mudança no quadro

funcional da Biblioteca Pública , ampliou-se o quadro pessoal com 1

Diretor, 1 Sub-Diretor, 1 Chefe de Secção, 6 Amanuenses, 1 Porteiro, 1

contínuo17 e 4 serventes.

Para a aquisição desse prédio e de seus utensílios, Ramalho Júnior

conseguiu abrir mais um crédito de 615$000 réis. Posteriormente, pelo

Decreto n.º 398, de 10 de fevereiro de 1900, tem-se à aprovação do

“regulamento da Diretoria da Biblioteca Pública, e abrindo crédito, no

17
Funcionário Destinado a prestar qualquer tipo de serviço para a Biblioteca.
orçamento vigente, de cento e dezenove contos e quatrocentos e

quarenta mil réis ‘para p seu aparelhamento’” (BRAGA, 1989:105).

Entretanto, ao final do mandato de Fileto Pires, a Biblioteca Pública

sem perspectiva de melhoramento, continuou instalada na velha e

esquecida casa da rua do Progresso.

Durante a administração seguinte, sob o comando de Silvério José

Nery, Bento de Figueiredo Tenreiro Aranha foi nomeado para assumir a

direção da Biblioteca Pública.

Nessa época, a Biblioteca Pública encontrava-se em estado de

calamidade, pois durante sua trajetória histórica, em decorrência de não

possuir sua sede própria, acrescida do desinteresse da maior parte de

seus diretores, seu acervo sofreu sérios danos, resultantes ora dos

inúmeros desvios dos livros das suas estantes, ora do desinteresse em

conservar os volumes existentes.

Para comprovar o desinteresse não só dos governantes, mas

também dos diretores da Biblioteca, com base em Bento Tenreiro Aranha,

citado por Braga (1989:78), observa-se que

Com a ascensão do regime republicano esta instituição, que


tanto já se recomendava às intellectualidades do nosso
selecto e crescente meio social, foi pouco a pouco se
extinguindo, devido às mudanças de uma para outra casas e
aos enormes desvios de livros de suas estantes, por incúria,
desleixo e desídia dos seus diretores, sem se exceptuar um
só, animados pela proteção cega de chefes de um
desenfreado partidarismo, sem ideal, nem fé política
republicana, [...]. A Bibliotheca do Amazonas, se tivesse
continuado a ser dirigida em dedicação, zelo, probidade e
patriotismo, como fora nos anos de 1883 a 1889, seria hoje
senão a primeira das existentes no Brasil, indubitavelmente
estaria já classificada naquela mesma plana.
Iniciado o Governo de Silvério José Nery, esta com a finalidade de

proporcionar a melhoria da imagem da Biblioteca Pública do Amazonas, no

ano de 1902, providenciou que todos os livros e demais objeto

pertencentes a ela fossem devidamente arrumados, a fim de receber um

aspecto de ordem e método.

O que não se pode esquecer é que quando Antônio Constantino

Nery, assumiu o Governo do Amazonas, “em outubro de 1904, voltou a

ser extinta a Diretoria da Biblioteca, retornando à condição de secção, e

anexada à Diretoria de Estatisitica, Arquivo e Biblioteca” (LINS,

1979:143).

O que justificou a decisão de Constantino Nery, pode ser observado,

claramente, em sua mensagem, proferida no dia 10 de junho de 1905,

onde declarou que:

Em razão da deficiência das obras, muitas das quais acham-


se truncadas e da falta de um edifício apropriado, eram
nullos os serviços ultimamente prestados. A isso attendendo,
auctorizei a annexação provisoria desta instituição à
Repartição de Estatisitca, até que seja determinada a
construção do edifício, que já foi iniciada no terreno da
propriedade do Estado, situado entre as ruas Municipal18,
Barroso e Henrique Martins, obedecendo em um plano as
exigências do objectivo (BRAGA, 1989:106-7).

Enquanto sua sede definitiva não ficava pronta, a Biblioteca Pública

do Amazonas, com seu acervo ainda mais danificado e maltratado, fora

novamente transferido.

18 Atual Avenida Sete de Setembro.


Desta vez, o local escolhido foi um prédio que se localizava na

avenida Eduardo Ribeiro, cuja numeração, atualmente, corresponde ao

número 453, sendo que nesse prédio, a Biblioteca Pública do Amazonas

permaneceu durante seis anos.

Em virtude das suas instalações precárias, novamente a Biblioteca,

pouco a pouco, foi se transformando em um deposito de livros, passando

por momentos ora de total abandono, ora de esquecimento.

Iniciada a construção do Palácio da rua Barroso, em 1906, o

Governo do estado do Amazonas designou a verba de 200$000 de réis

para o andamento da referida obra, sendo necessário mais verba para a

sua conclusão.

Em 1907, o mesmo valor fora destinado, conforme anunciou

Constantino Nery:

Entre as obras em andamento e em vias de conclusão,


consta-se s Bibliotheca, um dos nossos mais importantes
edifícios, que a par de sua beleza architectonica, reune as
melhores condições de olidez, e, adeantada como está,
aguardando a cobretura metálica, é provavel que seja
concluida antes de terminar o corrente ano (BRAGA,
1989:107).

Na intenção de trazer melhorias ao acervo da Biblioteca Pública,

Constantino Nery adquiriu a biblioteca particular do Dr. Fernando Castro e

uma coleção do escritor Alberto Rangel.

Por esta razão, o acervo da Biblioteca Pública do Amazonas ganhou

mais de 3.374 volumes resultantes da soma entre os 2.606 documentos

oriundos da biblioteca do Dr. Fernando Castro e 768 de Alberto Rangel.


Com a saúde abalada, Constantino Nery resolveu renunciar o cargo

de Governador do Estado do Amazonas e, em seguida, parte para a

Europa.

Quando seu sucessor assumiu o Governo, o Coronel Afonso de

Carvalho, o prédio da rua Barroso encontrava-se praticamente construído,

faltando apenas o acabamento do pavimento superior.

Figura 12: Etapa Final da Construção da Biblioteca Pública do Amazonas


Fonte: http://2.bp.blogspot.com/_uW-3Rk4F_QY/SOk47kVgFJI/
AAAAAAAAA9E/gkqNge87Gk8/s400/082%5B1%5D.jpg

No entanto, no lugar de deslocar a Biblioteca para o seu prédio

definitivo, Afonso de Carvalho resolveu transferi-la para o pavimento

inferior do prédio, mas o Arquivo Público e a Repartição de Estatística,

levando-nos a concluir que a existência de uma biblioteca em Manaus

continuava representando, exclusivamente, o estado de intelectualidade

ao estado.
Como tentativa de justificar o ocorrido, Afonso de Carvalho, no

dia 10 de julho de 1908, em sua mensagem, declarou o seguinte:

[...] a mudança da Biblioteca para o seu prédio


próprio não se consumara for falta de espaço, pois
o andar superior ainda não estava concluído, e,
também, por que essa transferência implicaria
despesas com as quais o Estado não poderia arcar
(BIBLIOTECA...19??:19).

Em decorrência de ter passado pouco tempo no Governo, Afonso

de Carvalho só realizou esse feito, já que no dia 23 de julho de 1908,

Antônio Clemente Ribeiro Bittencourt assumiu o Poder Público.

No contexto nacional, nessa época, o país encontrava-se

passando por sérias dificuldades financeiras. Por esta razão, Antônio

Bittencourt, para continuar as obras do pavimento superior da Biblioteca

Pública, teve que passar por uma delicada situação.

Não conseguindo mais contar com as verbas governamentais, e

isso logo no início de seu Governo, Antônio Bittencourt declarou: “O

edifício em construção, à rua Barroso, estava com as obras de

acabamento paralisadas, por falta de recursos” (BRAGA, 1989:112).

A fim de efetuar o processo de catalogação de todos os livros

existentes na Biblioteca, criou-se uma comissão onde, Manuel Francisco

da Cunha Júnior fora nomeado para presidi-la.

Através da Lei n.º 573, de 15 de setembro de 1908, o serviço

público passou por uma nova organizaçao, resultando no agrupamento da

Biblioteca, Estatística, Imprensa Oficial e Numismática em única Diretoria.


De acordo com seu regulamento, resultante do Decreto n.º 884,

de 22 de outubro de 1908, o quadro funcional destinado a atender à

secção estabelecida pela junção da Biblioteca e Numismática passou a ser

constituído por “1 Bibliotecário, 1 Porteiro e 1 servente”.

Pelo que afirma Braga (1989), observa-se que, como meta,

Antônio Bittencourt objetivava não só concluir as obras e os serviços para

que se iniciasse o funcionamento da Biblioteca Pública em sua sede

própria, mas também resgatar à população um espaço, cuja consulta e

estudo fossem oferecidos de forma gratuita, já que

“[...] não [compreendia] uma cidade de algum vulto e desenvolvimento

moral, intellectual e physico notável, sem a sua fonte de consultas

exposta á visitação pública [...]” (113).

Por esta razão, mesmo sem possuir o número de estantes

suficientes e mobílias adequadas, Antônio Bittencourt resolveu reabrir, em

seu prédio definitivo, a Biblioteca Pública para uso público.

Sob o comando do seu 10º Diretor, Bento Aranha, cujo cargo foi

assumido oficialmente, no dia 26 de julho de 1910. Mesmo classificado o

acervo da Biblioteca como um precioso montão de lixo, digno de lástima

onde, suas velhíssimas estantes encontravam-se arrebentadas e inúteis,

deu-se início ao último processo de transferência da Biblioteca Pública do

Amazonas.

Uma vez transportado o acervo, durante 41 dias, a equipe de

Bento Aranha, contando com a colaboração de Floro Osório Ferreira Pinto,

bibliotecário que fora contratado desde janeiro de 1900 para atuar na


Biblioteca Pública, selecionaram, catalogaram e organizaram os livros nas

estantes para que o acesso à informação fosse mais eficaz e qualitativa.

Ao final do serviço, teve-se no dia 5 de etembro de 1910, em

sessão solene: a reinauguração da Biblioteca Pública do Amazonas que

fora instalada no salão da Ala Sul do Palácio da Rua Barroso.

Durante esta ato, estiveram presentes algumas autoridades

estaduais, merecendo destaque as seguintes: Antônio Bittencourt –

Governador do Estado do Amazonas; Sá Peixoto – Vice-Governador;

Antonio Francisco Monteiro – Presidente do Congresso Legislativo e o

Coronel Joaquim Pantaleão Teles de Queiroz – Inspetor da Região Militar.

Finalmente reinaugurada, a Biblioteca Pública do Amazonas teve

suas portas abertas ao público no dia 06 de setembro de 1910,

permanecendo assim até os dias atuais, cuja trajetória histórica de

funcionamento continua oscilante, apresentando momentos ora de

decadência, ora de reorganização, devido a não preocupação, por parte de

seus responsáveis, de desenvolver verdadeiramente sua função pública.

Figura 13: Biblioteca Pública do Amazonas nos dias atuais


Fonte: http://www.manausonline.com/images/img_30050501b.jpg
Conside
onsiderações
Finais
realização deste estudo representou um grande esforço, na

A tentativa de traçar a trajetória de um dos

característicos da história da cidade de Manaus: a Biblioteca


elementos

Pública do Amazonas.

Objetivamente, buscou-se resgatar a história e a memória da

Biblioteca Pública durante o período referente ao “ciclo da borracha”,

abordando os anos de 1870 a 1910.

Com base em Mario Lacerda de Melo e Hélio A. de Moura (1990),

observou-se que, apesar de sua curta duração, a economia gomífera foi

responsável pela elevação de Manaus em uma das dez maiores capitais do

País na época, haja vista que o índice populacional que crescia a passos

lentos antes da extração do látex, subiu de forma vertiginosa.

Para a obtenção de uma informação mais precisa acerca do aumento

populacional, destaca-se José Ribamar Bessa Freire (1987) onde

apresenta a expansão demográfica da seguinte forma: em 1870, Manaus

era constituída por 5.000 habitantes, passando para 20.568, em 1890,

para 30.757 em 1900 e para 60.000 em 1907.

Revela lembrar, a esse propósito, que a economia gomífera trouxe

para Manaus não só o estado de esplendor – com seus serviços públicos,

construções públicas e particulares, traçado urbano –, mas também um

lado escuro, cuja comprovação pode ser obtida em FREIRE (1987) onde

destaca que, na época, Manaus apresentando o total de 10.358, menos da

metade era alvenaria, bem como 5.710 eram concebidas como casebres,

barracões, estâncias e casas de taipa, levando-nos a concluir que a


moderna Manaus, no seu interior, era repleta por problemas das mais

variadas espécies.

Para abordar tanto o lado esplendoroso, quanto o obscuro da

economia gomífera, através do capitulo Um Retorno a História, como

propósito, visou-se identificar os fatores e atores/sujeitos que

influenciaram na criação e ascensão da Biblioteca Pública do Amazonas.

Nesse primeiro momento, constatou-se que a vontade dos dirigentes

em transformar a grande aldeia em uma grande cidade, a partir do padrão

de modernidade européia vigente na época, sobretudo, o desenvolvimento

na França, correspondeu a uma fase de alienação para a cidade de

Manaus.

Por tal transformação, entende-se como sendo a política de imposição

de valores, crenças e costumes que, pelo fato de terem sido

transplantados, a rigor, não condiziam com a realidade local. Servindo

apenas para a ilusão de modernidade.

Partindo desse pressuposto, Márcio Souza (1977) detaca que o

processo de modernidade tão almejado pelo Poder Público e sociedade

manauara – classe economicamente privilegiada –, na verdade, resultou

na descaracterização da cidade, não deixando de ser uma maquilagem da

realidade, um artifício para iludir.

Trazendo à tona suas próprias contradições, primeiramente, o projeto

de embelezamento implantado na cidade de Manaus, gerou comentários

semelhantes ao de E. Bradford Burns (1966), onde disse que os benefícios

oriundos da borracha foram tão marcantes para Manaus ao ponto de que


“um morador da cidade do ano de 1870 teria muita dificuldade em

reconhecê-la na primeira década do século 20” (23).

Em seguida, constata-se que o abandono da classe marginalizada,

evidente na política de deslocamento para bairros afastados é destacada

como sendo a segunda contradição resultante do processo de

modernidade transplantado para a cidade de Manaus.

Sem dúvida, o afã pela modernidade, trouxe conseqüências

desumanas para grande maioria da população manauara. Em completo

abandono, por parte do Poder Público, a classe marginalizada não sabia o

significado de uma vida digna – com infra-estrutura básica, sistemas

hospitalar e educacional, de iluminação pública, de abastecimento de

água, bem como mercado e matadouro públicos para o abastecimento

junto aos gêneros alimentícios e demais serviços –, pois passou a ser

completamente ignorada.

As dificuldades, advêm de todas as ordens. Ademais, o deslocamento

de pessoas de um local para o outro, além de ser feito através de pontes,

devido estas terem sido construídas em madeira, encontravam-se sempre

em estado deplorável, acarretando grandes prejuízos à população que

residiam nos bairros afastados.

Assim, afirmar que a população marginalizada vivia em uma situação

de miséria por opção era pura demagogia, pois suas ruas encontravam-se

sempre repletas de mato, poças d’água, com desnível e sem calçamento;

sofriam pela falta de sistema de iluminação pública; saneamento básico;


mercado público, água encanada; limpeza pública; transporte; serviço

hospitalar, tornando-se vitimas fáceis de epidemias.

Como se não bastassem elencar todas as dificuldades acima, o Poder

Público, com o intuito de não continuar poluindo as águas do Rio Negro,

determinou que os lixos recolhidos nas ruas centrais da cidade fossem

deslocados para os bairros mais afastados, fazendo deles, portanto, meros

depósitos de lixo.

Apenas o núcleo da urbe, ou melhor, o centro que servia tanto de

residência para a sociedade manauara, quanto para o comércio

exportador e importador gozava de privilégios governamentais. Porém, o

que não se pode esquecer é que, por mais que Manaus tenha mergulhado

de corpo e alma na franca camaradagem dispendiosa da belle-epoquè –

através dos seus cafés-concerto, teatro, praças, boulervards, paisagens

naturais e modo de vestir – jamais conseguiu estabelecer o estilo de vida

almejado.

Isso implica frisar que, consciente ou inconscientemente, através da

incorporação de elementos nativos com os costumes transplantados,

houve a distorção não só a cultura européia, mas também a cultura local,

não conseguindo, portanto, implantar nem os valores alheios, nem

eliminar as raízes nativas.

Após traçar, sobretudo, o lado obscuro da economia gomífera, como

imaginar a criação de uma Sala de Leitura anexa a Biblioteca Pública do

Amazonas na cidade de Manaus, se a maioria da população nem escola


freqüentava, vem como não tinha condições para obedecer as regras

estabelecidas no Regimento Interno dessa Sala?

Através do segundo capítulo, Uma Sala de Leitura em Manaus?,

procurou-se questionar os motivos que levaram à criação de um local que

ao mesmo tempo que se dizia público, passou a funcionar sob um caráter

elitista.

Para compreender o surgimento da Sala de Leitura em Manaus,

visou-se, primeiramente, resgatar a história das bibliotecas públicas,

elencando suas quatro funções básicas, a fim de averiguar se tal sala

voltou-se para o não-usuário.

Uma vez trabalhada a evolução das bibliotecas verdadeiramente

públicas, observou-se que, na verdade, a Sala de Leitura em Manaus foi

resultante da preocupação da sociedade manauara que se preocupava

apenas em garantir a sua satisfação intelectual, bem como proporcionar

ao Amazonas a imagem de erudição e desenvolvimento, pois um dos

símbolos que garantia o estado de modernidade, era, justamente, a

criação de um espaço que servisse como núcleo da Biblioteca Pública.

Com o firme propósito de mascarar a dura realidade, Manaus se viu

na obrigação de criar um tipo de espaço que proporcionasse tal finalidade,

pois o Poder Público almejava, antes de tudo, transformá-la em uma

cidade moderna. A partir disso, houve a preocupação em apenas criar a

referida Sala e, posteriormente, a Biblioteca Pública Provincial e não como

se daria seu funcionamento.


O terceiro capítulo, Uma Nova Biblioteca para Manaus, trabalha o

período histórico que envolve desde a ascensão da Biblioteca Publica

Providencial ate seu deslocamento para o Palácio da Barroso. Através

dele, constatou-se que tal biblioteca foi criada em Manaus somente para

garantir a imagem de uma cidade intelectualmente evoluída.

A comprovação disso, liga-se à forma que se deu sua política de

funcionamento, bem como a estrutura interna desse espaço, já que desde

a indicação de seus diretores, até o cuidado com o acervo da biblioteca

demonstram o descaso para com a população.

Quanto aos seus diretores, destaca-se que, devido terem assumido a

direção da Biblioteca por acomodação política, praticamente, portaram-se

de forma inerte e, que é o pior, coniventes com o sistema. No que diz

respeito o acervo, nota-se um completo despreparo junto à sua

conservação e, principalmente, deslocamento. Ademais, destaca-se falta

de compromisso na construção de sua sede definitiva e, depois, a

Assembléia Legislativa.

Por essas exposições, pode-se afirmar que a Biblioteca Pública do

Amazonas, desde sua criação até seu deslocamento ao Palácio da Barroso,

apresentou uma nítida dicotomia entre sua teoria e prática, pois durante

os anos de 1870 a 1910, jamais desenvolveu verdadeiramente sua função

pública, haja vista que defendia seu uso para todo e qualquer usuário,

porém, através de seu Regimento Interno passou a delinear o perfil das

pessoas que poderiam usufruir tal espaço.


Vale relembrar que não foi somente a Biblioteca Publica do Amazonas

que foi criada para camuflar a realidade, pois a maior parte das bibliotecas

públicas criadas no Brasil, entre os anos de 1890 a 1930, apresentavam

uma infra-estrutura inadequada, devido a falta de verba regular impedia a

organização e manutenção das bibliotecas localizadas no Brasil.

Além do mais, segundo Eliany Alvarenga de Araújo (1994:675),

as bibliotecas deste período eram fruto do esforço isolado de


alguns poucos, em geral, professores, que lutavam pela
mesma objetivando com isto a manutenção de um
instrumento educacional auxiliar para a escola. A respeito
das finalidade das bibliotecas observa-se que sempre se
relacionavam ao desenvolvimento e propagação da instrução
escolar.

Assim, das quatro funções básicas da Biblioteca Pública –

educacional, cultural, informativa e recreativa –, tais instituições

desenvolviam apenas uma: a escolar. Ademais, por importarem os hábitos

e costumes da Europa, passaram a representar meros depósitos da

cultura estrangeira, tornando-se um elemento estranho a população em

geral, servindo apenas como um objeto de decoração.

Afirma-se isso, devido não só a grande maioria da população, na

época, não ter domínio do código da escrita, mas também pelo fato de

que o acervo dessas bibliotecas eram constituídos por obras vindas,

sobretudo, das editoras européias, estando, assim, nos idiomas inglês e

francês.

Desta forma, os usuários que utilizavam tais espaços,

minimamente, deveriam ter conhecimento dessas línguas, levando-nos a


concluir que somente os membros da classe economicamente privilegiada

tinham as condições para freqüentar e utilizar tais locais.

É interessante salientar que, a transformação das bibliotecas

públicas brasileiras em depósitos da cultura européia é justificada pelo

fato de que durante esse período, a ausência de uma indústria livreira no

país impedia o desenvolvimento dessas bibliotecas.

No caso da realidade manauara, porém, a aquisição de obras

estrangeiras fazia parte de um contexto, cuja finalidade, ligava-se à busca

do modo de vida europeu, pois para a população da época, quanto mais

se atingia a imagem européia, mais a província apresentaria o aspecto

moderno.

Apesar de Braga (1988) defender a versão de que a criação da

Sala de Leitura e, posteriormente, a Biblioteca Pública Provincial foi

resultante da reivindicação da população, na verdade, sabe-se que tal

reivindicação visava apenas a satisfação do público letrado, cuja formação

fora obtida no Velho Mundo onde, ao regressarem, visavam continuar

mantendo os hábitos e costumes adquirido durante o período que viveram

na Europa.

Paralelo a isso, devido o fato de que a existência de uma biblioteca

pública elevava a cidade ao estado de intelectualidade, a sociedade

manauara se viu na obrigatoriedade de criar uma Sala de Leitura na

cidade, haja vista que esta já era uma constate nos grandes centros

culturais europeus, bem como proporcionaria a Manaus o status de uma

cidade moderna.
Contudo, para que a Biblioteca Pública do Amazonas se tornasse de

fato pública, desde sua criação deveria ter se voltado para a comunidade

em geral, ou seja, para os alfabetizados, aos que se encontravam em

processo de alfabetização e, principalmente, aos não-alfabetizados.

Nos dias atuais, a dicotonomia entre a teoria e a prática continua

sendo uma realidade para a Biblioteca Pública do Amazonas. Assim, com o

intuito de se tornar realmente pública, tal biblioteca deve deixar e ser um

órgão alienador, passando a ser libertador, conforme destaca Vergueiro

(1990).

Porém, para que tal transformação ocorra, faz-se necessário que a

Biblioteca Pública do Amazonas descentralize suas atividades, pois em

decorrência de sua localização – parte central da cidade –, de sua

arquitetura – quanto mais pomposa melhor –, bem como de sua estrutura

– voltada apenas para as pessoas alfabetizadas ou em processo de

alfabetização –, faz com que a classe marginalizada – analfabetos,

deficientes, crianças, idosos, doentes e outros – sintam-se

desprivilegiados em fazer uso de tal espaço, pois não se vêem preparados

para freqüentar um ambiente que mais se parece com um templo

sagrado.

Assim, é fundamental que as atividades da Biblioteca Pública do

Amazonas se voltem para a classe desfavorecida, haja vista que desta

forma, proporcionará, pela prática da leitura, a transformação de todos os

indivíduos que se chegarem a ela.


A partir disso, sugere-se que a Biblioteca Pública do Amazonas, com

o intuito de atender, sobretudo, a classe marginalizada, desenvolva suas

atividades de forma centralizada e descentralizada, haja vista que as

pessoas que se localizam em bairros distantes ou de difícil acesso

dificilmente se sentirão motivadas e atraídas para freqüentar esse espaço.

Além do mais, existem pessoas que, por motivos diversos, encontram-se

também, impossibilitadas de se deslocarem para a referida biblioteca,

como é o caso dos doentes, idosos, crianças, presidiários, deficientes e

outros.

No que diz respeito às atividades centralizadas, destaca-se que a

Coordenação da Biblioteca Pública do Amazonas poderia desenvolver as

seguintes atividades: Exposições das mais variadas espécies, Oficinas de

arte para desenvolver a criatividade do público; Hora do conto, a fim de

despertar o hábito de leitura, sobretudo, das crianças e adolescentes,

devido representarem os futuro cidadãos; Gibiteca e Brinquedoteca para

atrair os públicos infantil e juvenil; Videoteca, abordando não só o aspecto

recreativo, mas também informativo; Curso de teatro com o intuito de

proporcionar a auto-estima, criatividade e raciocínio dos jovens e

crianças; Programação cultural e periodicamente e Serviço de referência

orientado para atender as mais variadas necessidades dos usuários, não

se voltando, assim, apenas para a pesquisa escolar.

Devido tais atividades não conseguirem atingir a população em

geral, devido questões financeiras ou, mesmo, motivadoras, grande parte

das pessoas continuarão não indo à biblioteca. Por esta razão, é


fundamental que a Biblioteca Pública do Amazonas vá ao encontro dessas

pessoas, pois deverá, acima de tudo, proporcionar a disseminação da

informação a todo e qualquer individuo que dela precisar.

Para isso, pode-se utilizar, como estratégia, os seguintes

instrumentos: Carro-biblioteca, sendo que este corresponde a um

automóvel, preferencialmente, ônibus ou Kombi, onde no lugar de bancos,

passa-se a ocupar algumas estantes contendo livros.

Com esse carro, a Biblioteca Pública do Amazonas poderá levar a

informação para as pessoas que se encontram nos bairros mais afastados,

proporcionando desta forma, a transformação desses indivíduos.

Faz-se necessário, também, que a Biblioteca Pública do Amazonas

se preocupe com as pessoas que moram nas comunidades ribeirinhas,

haja vista a população que se encontra as margens dos rios faz parte do

público-alvo que esta deve atingir. Por esta razão, nada mais justo que a

Biblioteca Pública, através do Barco-Biblioteca, visite as comunidades

existentes nessas áreas.

A Caixa-Estante é considerada como sendo um outro instrumento

que deve ser utilizado pela Biblioteca Pública do Amazonas, pois com ela,

as pessoas que se encontram impossibilitadas de se deslocar para o

prédio da biblioteca, devido estarem em hospitais, asilos, presídios,

orfanatos, e outros locais, poderão, também, receber a informação.

Face ao exposto, observa-se que a Biblioteca Pública do

Amazonas continua não desempenhando seu papel público, pois não se

preocupa com a população em geral, dando espaço apenas para o público


letrado ou que se encontra em processo de educação, assumindo, desta

forma, unicamente a função escolar.


Referências
AMAZONAS. Decreto n. 86 – 17 out. 1895. Reorganisa a Bibliotheca
Publica do Estado e dá o respectivo regulamento. Manaus: [s.n.],
1895.

AMAZONAS. Superintendência Cultural. Biblioteca pública do estado:


treinamento para o pessoal auxiliar. Manaus: [s.n.], 19??

AMAZÔNIA em cadernos. Manaus: Museu Amazônia, v. 2, n.2/3, dez. 19??

AMORIM, Annibal. Viagens ao Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo:


EDUSP, 1975.

ANDRADE, Ana Maria Cardo de; MAGALHÃES, Maria helena de Andrade.


Objetivos e funções da biblioteca pública. Revista Escola de
Biblioteconomia da UFMG, v. 8, n. 1, p. 48-59, mar. 1979.

ALMEIDA JR., Oswaldo Francisco de. Bibliotecas públicas e bibliotecas


alternativas. Londrina: UEL, 1997. 171 p.

ARAÚJO, André Vidal de. Sociologia de Manaus: aspectos de sua


aculturação. Manaus: Fundação Cultural do Amazonas, 1974. 341 p.

ARAÚJO, Eliany Alvarenga de. Estado e biblioteca público no Brasil: uma


análise histórico-sociológica. In: CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE
BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO, S., CONGRESSO BRASILEIRO DE
BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO, 17., Belo Horizonte, 1994.
Anais... Belo Horizonte: ABMG/UFMG, 1994. 807 p., p. 673-684.

ARAÚJO, Walkíria Toledo de. A biblioteca pública e o compromisso social


do bibliotecário. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo
Horizonte, v. 14, n. 1, p. 106-22, mar. 1985.

ARRUDA, Guilhermina Melo. Biblioteca pública: um lugar na historia de


Manaus. Jornal do Commercio, 18 out. 1999. Suplemento, p. 5.

ÁVILA, Affonso. O modernismo. São Paulo: Perspectiva, 1975. 227 p.

BENCHIMOL, Samuel. Amazônia: um pouco-antes e além-depois.


Manaus: Umberto Calderaro, 1977. 841 p.

_________________. Manaós-do-Amazonas: memória empresarial.


Manaus: Governo do Estado do Amazonas, 1994. 3v. v.1.

BENJAMIM, Walter. A modernidade e os modernos. Rio de Janeiro:


Tempo Brasileiro, 1975. 108 p.

_______________. Obras escolhidas: magia, técnica, arte, política.


[s.l.: s.n., s.d.]
BERMAM, Marhall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da
modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. 360 p.

BEZERRA, Cláudio et. al. Manaus na época da borracha. Manaus:


Universidade do Amazonas, [s.d.], 20 p.

BIBLIOTECA Pública: uma história que começou em mil oitocentos e


sessenta. Cultura Jornal, Brasília, ago. 1994. Caderno D.

BIBLIOTECA Pública do Amazonas. Manaus: Imprensa Oficial, [199??]

BIBLIOTECAS Públicas. Revista de Biblioteconomia e Documentação,


São Paulo, v. 2, n. /6, p. 119-125, out./dez. 1973.

BITTENCOURT, Agnello. Fundação de Manaus: pródromos e seqüências.


Manaus: Sérgio Cardoso, 1969. 87p.

___________________. Dicionário amazonense de biografias: vultos


do passado. Rio de Janeiro: Conquista, 1973. 517 p.

BLACK, C. E. Dinâmica da modernização. Rio de janeiro: APEC, 1971.


200P p.

BRAGA, Genesino. Fastígio e sensibilidade do Amazonas de ontem.


Manaus: Sérgio Cardoso, 1983. 234 p.

______________. Chão e graça de Manaus. 2. ed. Manaus: Imprensa


Oficial, 1987. 279 p.

______________. Nascença e vivencia da Biblioteca do Amazonas.


2. ed. Manaus: Imprensa Oficial, 1989. 190 p.

BRASIL. Ministério da Cultura. Fundação Biblioteca Nacional.


Departamento de Processos Técnicos. Sistema Nacional de Bibliotecas
Públicas. A biblioteca pública: administração, organização, serviço.
Porto Alegre: L&PM, 1999. 118 P.

BUARQUE, Cristovam. O colapso da modernidade brasileira: e uma


proposta alternativa. 4. reimp. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991. 128 p.

BURNS, E. Bradford. Manaus 1910: retrato de uma cidade em expansão.


Manaus: Governo do Estado do Amazonas, 1966.

CALMON, Pedro. História social do Brasil. Rio de Janeiro, [s.n.], 1940.


v. 2.
CANFORA, Luciano. A biblioteca desaparecida: histórias da biblioteca
de Alexandria. 2. reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. 195 p.

CARSOSO, Ciro Flamarion. Uma introdução à história. 9. ed. São Paulo;


Brasiliense, 1992. 141 p.

CARVALHO, Ana Margarida de. Do outro lado de cá do livro. Disponível


em:<http://www.ciculoleitores.pt/ler/artigos/art__0005.html>. Acessado em: 4
maio de 1999.

CARVALHO, Lívia Marques. Biblioteca, Instituição preservadora da cultura


dominante? Inf. Soc., João Pessoa, v.1, n. 1, p. 33-34, 1991.

CASTRO, César Augusto. Teoria do cotidiano e Biblioteconomia.


Transinformação, v. 7, n. 1/2/3, p. 75-84, jan./dez. 1995.

CASTRO, Mavignier de. Síntese histórica da evolução de Manaus.


Manaus: Fêmix, 1948. 194 p.

CHARTIER, Anne-Marie; HÉBRAND, Jean. Discursos sobre leitura


(1890-1980). São Paulo: Ática, 1995. 590 p.

CHARTIER, Roger. Práticas de leitura. São Paulo: Estação da Liberdade,


1996. 268 p.

CÓDIGO Municipal de Manaós. Manaus: Typografia do Amazonas, 1893.

CORRÊA, Luiz de Miranda. Guia de Manaus: roteiro histórico e


sentimental da cidade do Rio Negro. Rio de janeiro: Artenova, 1969. 108
p.

__________________. O nascimento de uma cidade: Manaus, 1890


a 1900. Manaus: Governo do Estado do Amazonas, 1966. 90 p.

__________________. Roteiro histórico e sentimental da cidade


do Rio Negro: Manaus: Arte Nova, 1969.

COSTA, Francisca Deusa Sena da. Quando viver ameaça a ordem


urbana: trabalhadores urbanos em Manaus (1890/1915). São Paulo:
Pontifícia Universidade Católica, 1988. 222 p. (Dissertação Mestrado em
História).

COSTA, Selda Vale de. Eldorado das ilusões: cinema e sociedade –


Manaus (1897/1935). Manaus: Universidade do Amazonas, 1996. 307 p.

DIAS, Edinea Mascarenhas. Manaus 1890/1920: ilusão do fausto. São


Paulo: Pontifícia Universidade Católica, 1988. 121 p. (Dissertação
Mestrado em História).
_____________________. A linha entre o antigo e o novo. Jornal do
Commercio, 18 de out. 1999. Suplemento, p. 4.

ECONOMIA. FUMTUR. Disponível em:


<http://www.internext.com.br/fumtur/economia.html>. Palavra-chave: ciclo
da borracha. Acessado em: 2 out. 1999.

EISENDSTADT, S. N. Modernização: protesto e mudança – modernização


de sociedades tradicionais. Rio de Janeiro: Zahar, 1969. 224 p.

FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE BIBLIOTECÁRIOS.


Seção de Bibliotecas Públicas. Normas para biblioteca pública. São
Paulo: Quíron Limitada, 1976. 49 p.

FLUSSER, Victor. A biblioteca como instrumento de ação cultural. Revista


da Escola de Biblioteconomia da UFMG, v. 12, n. 2, p. 145-16938, set.
1983.

____________. Uma biblioteca verdadeiramente pública. Revista da


Escola de Biblioteconomia da UFMG, v.9, n. 2, p. 131-138, set. 1980.

FREYRE, Gilberto. Ordem e progresso. Rio de Janeiro: José Olympio,


1959.

GATES, Jean Key. Como usar livros e bibliotecas. Rio de Janeiro:


Lidador, 1972. 258 p.

GARBER, Klaus; GAGNEBIN, Jeanne-Marie. Por que um mundo todo nos


detalhes do cotidiano?: história e cotidiano em Walter Benjamin. Revista
da USP, São Paulo, n. 15, p. 15, et./out./nov. 1992.

GARCIA, Maria Lucia Andrade. O leitor e a biblioteca pública. Revista da


Escola de Biblioteconomia da UFMG. v. 4, n. 2, p. 186-197, set. 1975.

GODINHO, Victor, LINDEBERG, Adolpho. Norte do Brasil: através do


Amazonas, do Pará, e do Maranhão. Rio de Janeiro: Laemment, 1906.

GOHN, Maria da Glória Marcondes. A pesquisa nas ciências sociais:


considerações metodológicas. In: CAR\DERNO CEDES: pesquisa
participante e educação. São Paulo: Cortez, 1987, v.12, p. 3-14.

GOMES, Sônia de Conti. Bibliotecas e sociedade na primeira


república. São Paulo: Pioneira, 1983. 100 p.

____________________. Biblioteca e sociedade: uma abordagem


sociológica. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, V. 11, N.
1, P. 11-21, mar. 1982.
GONÇALVES, Luiz Alberto de Oliveira; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves
E. O jogo das diferenças: o multiculturalismo e seus contextos. Belo
Horizonte: Autêntica, 1998. 118 p.

LIMA, Raimundo Martins de. A construção social da biblioteconomia


brasileira: a dimensão político-pedagógica do fazer bibliotecário.
Manaus: EDUA, 1999. 262 P.

LINS, Maria Sidney Garcia de Vasconcelos. Levantamento e análise do


“status quo” da seção circulação da Biblioteca Pública do Amazonas.
Revista de Biblioteconomia de Brasília, v.7, n. 2, p. 132-149, jul./dez.
1979.

LITTON, Gaston. La biblioteca públicxa. Buenos Aires: Centro Regional


de Ayuda Técnica, c1973. 209 p.

LOUREIRO, Antônio José Souto. O Amazonas na época imperial.


Manaus: [s.n.], 1989. 288 p.

MANAUS. FUMTUR. Disponível em:


<http://www.cepain.com.br/vsd/norte.html>. Palavra-chave: ciclo da
borracha. Acessado em: 2 out. 1999.

MANGUEL, Alberto. Uma história da leitura. Tradução: Pedro Maia


Soares. 4. reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. 405 p.

MATA, José Nogueira da. Manaus por dentro. Manaus: Umberto Calderaro,
1988. 288 p.

MARTUCO, Elizabeth Márcia. Processo educativo na mediação da


informação em biblioteca pública: um estudo fenomenológico. Revista de
Biblioteconomia de Brasília, v. 21, n. 2, p. 167-188, jul./dez. 1979.

MELO, Mário Lacerda de; MOURA, Hélia A. de. Migrações para Manaus.
Recife: Fundação Joaquim Nabuco / Editora Massangana, 1990. 505 p.

MESQUITA, Otoni Moreira de. Manaus: história e arquitetura (1852-


1910). Manaus: Universidade do Amazonas, 1997. 461 p.

MILANESI, Luís. O que é biblioteca. 2. reimp. São Paulo: Brasiliense,


1984. 107 p.

MIRANDA, Antonio. A missão da biblioteca pública no Brasil. Revista de


Biblioteconomia de Brasília, v. 6, n. 1, p. 69-75, jan./jun. 1978.

MIRANDA, Bertino de. A cidade de Manaus: sua história e seus motins


políticos. Manaus: Umberto Calderaro, 1984. 90 p.
A MISÉRIA no Amazonas. Correio do Norte, 3 fev. 1906.

MONTEIRO, Mário Ypiranga. Manaus: sua história. [Manaus]: Umberto


Calderaro, 1972. 18 p.

________________________. Fundação de Manaus. 3. ed. aum. [Rio


de Janeiro]: Conquista, [s.d.]. 206 p.

________________________. Teatro Amazonas. Manaus: Governo do


Estado do Amazonas, 1965. 3v. v.1.

MOOG, Vianna. O ciclo do ouro negro: impressões da Amazônia. 2. ed.


Belém: Conselho Estadual de Cultura, 1975. 131 p.

MOUSNIER, Roland; LABROUSSE, Ernest. O século XVIII: a sociedade


do século XVIII perante a revolução. 3. ed. São Paulo; Difusão Européia
do Livro, 1969. v. 2.

MULLER, Susana P. M. Bibliotecas e sociedade; evolução da interpretação


de função e papeis da biblioteca. Revista da Escola de Biblioteconomia
da UFMG, v. 13, n. 1, p. 7-54, mar. 1984.

NEGRITUDE e modernidade: a trajetória de Eduardo Gonçalves Ribeiro.


Manaus: Governo do Estado do Amazonas, 1990. 161 p.

NOGUEIRA, Maria Cecília Diniz. Biblioteca pública: a ambivalência de seu


papel. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, v. 15, n. 2, p.
222-248, set. 1986.

________________________. A realidade da biblioteca pública. Revista


da Escola de Biblioteconomia da UFMG, v. 12, n. 2, p. 205-212, set.
1983.

NOGUEIRA, Wilson. Impressões do olhar do viajante. Jornal do


Commercio, 18 de out. 1999. Suplemento, p. 6-12.

OLIVEIRA, Zita Catarina Prates de. A biblioteca “fora do tempo”:


políticas governamentais de bibliotecas públicas no Brasil. 1937-1989. São
Paulo: Universidade de São Paulo, 1994. (tese de Doutorado em Ciência
da Comunicação).

PÁSCOA, Mário Leonel Farias Reis. A vida musical em Manaus na


época da borracha: 1850-1910. Manaus: Imprensa Oficial, 1997. 363 p.

PINHEIRO, G. Como nasceu a biblioteca pública do Amazonas.


Vanguarda. Rio de Janeiro, 6 jul. 1994.
PINHEIRO, Luís Balkar Sá Peixoto. Falta povo na história de Manaus.
Jornal do Commercio, 18 out. 1999. Suplemennto, p. 3.

PINHEIRO, Maria Luiza Urgate. A cidade sobre os ombros. São Paulo:


Pontifícia Universidade Católica, 1996. 137 p. (Dissertação de Mestrado
em História).

________________________. Da cidade de pedra e cal á cidade de carne


e osso. Jornal do Commercio, 18 out. 1999. Suplemento, p. 2.

PRADO, Heloísa de Almeida. Organização e administração de


bibliotecas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1979. 221 p.

REIS, Arthur Cezar Ferreira. História do Amazonas. Manaus:


Superintendência Cultural do Amazonas, 1989.

________________________. Seringal e o seringueiro. Manaus:


Universidade do Amazonas, 1997.

ROCHE, Daniel. Lumières. In: FIGUIER, Ruchard. La bibliothèque. Paris:


Austrement, 1992.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da educação no Brasil


(1930/1973). 18. ed. Petrópolis: Vozes, 1996. 267 p.

ROUANET, Sergio Paulo; PEIXOTO, Nelson Brissac. É a cidade que habita


os homens ou são eles que moram nela?: história material em Walter
Benjamim – “trabalho das passagens”. Revista USP, São Paulo, n. 15, p.
48-75, set./out./nov. 1992.

SABELLI, Martha. Bibliotecas públicas – “la biblioteca para todos”, el


espacio de cultura de la comunidad para la informacion, el debate y la
creacion: perfil de la propuesta para las bibliotecas publicas municipales
de Montevideo de la Escuela Univeritaria de Biblioteclogia
Ciências Afines. Informatio, Montevideo, v. 2, p. 5-17, 1997.

SANTOS, Anselmo Luís dos. et. al. Crise e trabalho no Brasil:


modernidade ou volta ao passado? São Paulo: Scritta, 1996. 344 p.

SERRAI, Alfredo. História da biblioteca como evolução de uma idéia e de


um sistema. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, v. 4, n.
2, p. 141-161, set. 1975.

SCHERER, Elenise Faria. Assistência aos desassistidos manauaras:


gênese e história da gestão estatal dos segmentos mais pobres da cidade
de Manaus. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica, 1989. 227 p.
(Dissertação de Mestrado em Serviço Social).
SOARES, Luiz. Selva violenta: romance. Manaus: Sérgio Cardoso, 1969.
200 p.

SOUZA, Márcio. Galvez Imperador do Acre: folhetim. São Paulo: Marco


Zero, 1992. 196 p.

____________. As folias do látex: vaudeville. Manaus: Prefeitura


Municipal de Manaus, 1976. 91 p.

____________. Breve história da Amazônia. São Paulo: Marco Zero,


1994. 174 p.

____________. Expressão amazonense: do colonialismo ao


neocolonialismo. 2. ed. São Paulo: Alfa-ômega, 1977. 217 p.

SOBOUL, Albert. História da revista francesa: 2. ed. Rio de Janeiro:


Zahar Editores, 1974. 549 p.

SPONHOLZ, Regina M. Lamas Pegoraro. Atribuições de bibliotecários


em biblioteca pública. São Paulo: Pioneira, 1984. 66p.

SUAIDEN, Emir. Biblioteca pública e informação à comunidade. São


Paulo: Global, 1995. 112 p.

____________. Biblioteca pública brasileira: desempenho e


perspectivas. São Paulo: LISA, 1980. 82 p.

TAYLOR, Mitsi Westphal. Bibliotecas públicas em sociedades


periféricas: propostas para um modelo à luz da teoria da delimitação dos
sistemas sociais. Florianópolis: UFSC, 1986. (Dissertação de Mestrado em
Administração).

TEIXEIRA, Maria Cecília Sanchez. Antropologia, cotidiano e educação.


Rio de Janeiro: Imago, c 1990. 206 p.

UM PERÍODO de luxo e riqueza. FUMTUR. Disponível em:


<http://www.internext.com.br/fumtur/luxo.html>. Palavra-chave: ciclo da
borracha. Acessado em: 2 out. 1999.

VERGUEIRO, Waldomiro de Castro Santos. Bibliotecas públicas e


mudança social: a construção do desenvolvimento de coleções. São
Paulo: Universidade de São Paulo, 1990. (Tese de Doutorado em Ciências
da Comunicação).

__________________________________. Bibliotecário e mudança


social: por um bibliotecário ao lado do povo. Revista de
Biblioteconomia de Brasília, Brasília, v. 16, n. 2, p. 207-215, jul./dez.
1988.
WADA, Madalena Sofia Mitoko. Democratização da cultura nas bibliotecas
infanto-juvenis. Belo Horizonte: UFMG, 1985. (Dissertação de Mestrado
em Biblioteconomia).

WALLACE, Alfred Russel. Viagens pelos rios Amazonas e N egro. Belo


Horizonte: Itatiaia, 1979. 317p.