LEITURA COMPLEMENTAR 2

:
POR UMA ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS
Fanny Abramovich
Ah! Como é importante na formação de qualquer criança ouvir muitas
histórias... Escutar histórias é o incio da aprendi!a"em para ser um leitor e ser leitor é
ter todo um caminho de descoberta e de compreensão do mundo# absolutamente
infinito...
$ primeiro contato da criança com um te%to# é feito# em "eral# oralmente. &
pela vo! da mãe e do pai# contando contos de fada# trechos da 'blia# histórias
inventadas tendo a "ente como persona"em# narrativas de quando eles eram crianças e
tanta# tanta coisa mais... Contadas durante o dia# numa tarde de chuva ou ( noite# antes
de dormir# preparando para o sono "ostoso e reparador e para um sonho rico embalado
por uma vo! amada... & poder rir# sorrir# "ar"alhar com as situaç)es vividas pelos
persona"ens# com a ideia do conto ou com *eito de escrever de um ator e# então# poder
ser um pouco c+mplice desse momento de humor# de "o!ação.
,er histórias para crianças# sempre# sempre... & suscitar o ima"in-rio a ter a
curiosidade respondida em relação a tantas per"untas# e encontrar outras ideias para
solucionar quest)es . como os persona"ens fi!eram... . é estimular para desenhar# para
musicar# para teatrali!ar# para brincar... Afinal# tudo pode nascer de um te%to.
$ si"nificado de escutar histórias é tão amplo... & uma possibilidade de
descobrir o mundo imenso dos conflitos# das dificuldades# dos impasses# das soluç)es#
que todos atravessamos e vivemos# de um *eito ou de outro# através dos problemas que
vão sendo defrontados# enfrentados /ou não0# resolvidos /ou não0 pelos persona"ens de
cada história /cada um a seu modo...0. E assim esclarecer melhor os nossos ou encontrar
um caminho possvel para a resolução deles... & ouvindo histórias que se pode sentir
/também0 emoç)es importantes como a triste!a# a raiva# a irritação# o medo# a ale"ria# o
pavor# a impot1ncia# a inse"urança e tantas outras mais# e viver profundamente isso tudo
que as narrativas provocam e suscitam em quem as ouve ou as l1# com toda a amplitude#
si"nific2ncia e verdade que cada uma delas fe! /ou não0 brotar...
& através de uma história que se pode descobrir outros lu"ares# outros
tempos# outros *eitos de a"ir e de ser# outras re"ras# outra ética# outra ótica... & ficar
sabendo história# "eo"rafia# filosofia# direito# poltica# sociolo"ia# antropolo"ia# etc...
sem precisar saber o nome disso tudo e muito menos achar que tem cara de aula...
3orque# se tiver# dei%a de ser literatura# dei%a de ser pra!er# e passa a ser did-tica# que é
um outro departamento /não tão preocupado em abrir todas as comportas da
compreensão do mundo0... $uvir e ler história é também desenvolver todo o potencial
crtico da criança. & poder pensar# duvidar# se per"untar# questionar... & se sentir
inquieto# cutucado# querendo saber mais e melhor ou percebendo que se pode mudar de
ideia. & ter vontade de reler ou dei%ar de lado de uma ve!...
& ficar fissurado querendo ouvir de novo mil ve!es ou saber que detestou e
não quer mais nenhuma apro%imação com aquela história tão chata ou tão boba ou tão
sem "raça... & formar a opinião# é ir formulando os próprios critérios# é começar a amar
um autor# um "1nero# uma ideia e da ir se"uindo por essa trilha e ir encontrando outros
novos valores /que talve! façam redobrar o amor pelo autor ou viver uma decepção...
4as isso tudo fa! parte da vida0.
$uvir histórias é ficar conhecendo escritores . e da ser importantssimo
di!er a criança o ttulo do que est- escutando e seu autor /se for material recolhido da
cultura popular# se for autor desconhecido# que se di"a também...0. Fa! parte da
formação saber quem nos disse coisas bonitas ou encantadas ou maravilhosas ou chatas#
para que a refer1ncia fique e o caminho este*a aberto para continuar mer"ulhando nos
te%tos de quem se admira# para dar uma colher de ch- a quem não nos envolveu tanto
num primeiro contato ou para desistir /ou odiar para um outro momento da vida...0 a
pro%imidade com um escrevinhador que nos desa"radou ou decepcionou...
3ara contar uma história é preciso saber como se fa!... Afinal# nela se
descobrem palavras novas# se depara com a m+sica e com a sonoridade das frases# dos
nomes... se capta o ritmo# a cad1ncia do conto# fluindo como uma canção... E para isso#
quem conta tem que criar o clima de envolvimento# de encanto... 5aber dar as pausas# o
tempo para a ima"inação de cada criança construir seu cen-rio# visuali!ar os seus
monstros# criar os seus dra")es# adentrar pela sua floresta# vestir a princesa com a roupa
que est- inventando# pensar na cara do rei... e tantas coisas mais...
E se forem as ilustraç)es do livro# feitas por um desenhista# dar o tempo
para que todos ve*am /ou os que preferem caminhar na sua própria e pessoal ilustração#
que feche os olhos...0. E quando a criança for manusear so!inha o livro# que folhei bem
folheado# que olhe tanto que queira# que brinque com o seu formato# que se delicie em
retir-6lo da estante /reconhecendo6o so!inha... se*a em casa ou na escola0# que vire
p-"ina por p-"ina# ou que pule al"umas para reencontrar aquele momento especial que
estava buscando... 5e a criança não l1 é porque não lhe estão contando a história ou não
lhe estão apontando caminhos para o desfrute de bons e belos te%tos... 7ue e%istem
/tantos...0 e são f-ceis de achar... ,iteratura é arte# literatura é pra!er... 7ue a escola
encampe esse lado e dei%e as cobranças did-ticas para os departamentos devidos... E
nesse sentido# ela fa! parte do leque da educação artstica e não da ln"ua portu"uesa...
8ma das atividades mais fundamentais# mais si"nificativas# mais abran"entes e mais
suscitadoras de tantas outras é a que decorre do ouvir e do ler uma boa história...
Referência:
A'9A4$:;C<# Fanny. =3or uma arte de contar histórias> In: Literatura infantil:
"ostosuras e bobices. 53? 5cipione# @AAB.

Interesses relacionados