UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO ACADÊMICO
Credenciado pela CAPES, Parecer CNE/CES n.º 1.334/2001 aprovado em 12 de dezembro de 2001 Homologado pela portaria MEC 467 de 22 de fevereiro de 2002 (D.O.U. Seção I, 25/02/2002)

ASSOCIAÇÃO ENTRE O NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DOS PAIS E O NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DOS FILHOS ADOLESCENTES EM ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO SUL DO BRASIL

PROJETO DE PESQUISA

Rodrigo Pereira de Souza

ORIENTADOR: Dr. André Preissler Loureiro Chaves

LINHA DE PESQUISA: Gestão em Saúde: planejamento e avaliação

2

CANOAS / 2008

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO ACADÊMICO
Credenciado pela CAPES, Parecer CNE/CES n.º 1.334/2001 aprovado em 12 de dezembro de 2001 Homologado pela portaria MEC 467 de 22 de fevereiro de 2002 (D.O.U. Seção I, 25/02/2002)

Rodrigo Pereira de Souza

ASSOCIAÇÃO ENTRE O NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DOS PAIS E O NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DOS FILHOS ADOLESCENTES EM ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO SUL DO BRASIL

Projeto de Pesquisa de Mestrado, apresentado no Curso de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade Luterana do Brasil – RS, como prérequisito para obtenção do título de Mestre em Saúde Coletiva.

LINHA DE PESQUISA: Gestão em Saúde: planejamento e avaliação

ORIENTADORA: Dr. André Preissler Loureiro Chaves

3

CANOAS / 2008 SUMÁRIO Lista de Tabelas................................................................................................05 1 Introdução......................................................................................................06 2 Objetivos........................................................................................................07 2.1 Objetivo Geral ..............................................................................................07 2.2 Objetivos Específicos...................................................................................07 3 Revisão de Literatura....................................................................................08 3.1 Atividade física e Saúde...............................................................................08 3.2 Atividade física na Adolescência..................................................................09 3.3 Relação entre Atividade física e o controle das doenças crônicas não transmissíveis ....................................................................................................11 3.3.1 Atividade Física e Obesidade....................................................................12 3.3.2 Atividade Física e Diabetes Melitus..........................................................13 3.3.3 Atividade Física e Hipertensão Arterial.....................................................15 4 Métodos..........................................................................................................18 4.1 Delineamento................................................................................................18 4.2 População Alvo.............................................................................................18 4.3 Processo de Amostragem............................................................................18 4.4 Calculo do Tamanho da Amostra.................................................................18 4.5 Variáveis.......................................................................................................19 4.5.1 Variável Dependente.................................................................................19 4.5.2 Variáveis Independente.............................................................................20 4.6 Definição Operacional de Termos................................................................21 4.7 Hipóteses......................................................................................................21 4.8 Instrumentos.................................................................................................22 4.8.1 Questionário internacional de atividade física (IPAQ)..............................22 4.8.2 Critérios de Classificação Econômica Brasileira (CEEB).........................23 4.8.3 Questionário Individual de Pais e Filhos...................................................24 4.9 Procedimento Para Coleta dos Dados.........................................................24 4.10 Processamento de Dados e Controle de Qualidade..................................25 4.11 Plano para Análise dos Dados...................................................................25 4.12 Estudo Piloto...............................................................................................25

4 4.13 Aspectos Éticos..........................................................................................26 5 Cronograma...................................................................................................27 6 Orçamento......................................................................................................28 7 Referências....................................................................................................29 APÊNDICES.......................................................................................................38 APÊNDICE A Questionário Individual dos Pais.................................................39 APÊNDICE B Questionário Individual dos Filhos..............................................44 ANEXOS.............................................................................................................48 ANEXO I Carta para Liberação (27ª Coordenadoria Regional de Ensino)........49 ANEXO II Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ).....................52 ANEXO III Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Pais).......................55 ANEXO IV Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Adolescentes)........58

5

LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Variáveis independentes e sua caracterização...............................20 Quadro 2 - Pontos de corte do critério de classificação Econômica Brasileira. 23

6

1 INTRODUÇÃO
Atualmente, as pessoas na sua grande maioria, passam suas vidas de forma muito agitada, e pouco cuidam da saúde. Essa prática inadequada, na maioria das vezes, é um hábito que se perpetua desde a sua juventude. Então, a prática de hábitos saudáveis como a alimentação correta e a prática de atividade físicas regulares devem ser incentivadas desde cedo, para que estes hábitos se transfiram para a vida adulta. Embora a maioria das doenças que são associadas ao estilo de vida só se manifestem na vida adulta, existem fortes evidências que seu desenvolvimento se inicie na infância e adolescência. Além disso, é fundamental o incentivo dos pais para que seus filhos participem de programas de atividade física que possibilitem vivências positivas durante a juventude, de forma que possibilite a prática de atividade física como um hábito de vida. Um estudo realizado nos Estados Unidos probabilidade de prática de atividade física na idade adulta. Neste sentido, a atividade física apresenta-se como um dos principais componentes de um estilo de vida saudável. Existem evidências na literatura que hábitos e comportamentos relacionados à saúde adotados durante a infância e adolescência tendem a se estabilizar na vida adulta. O estudo
2 1

mostrou que ser encorajado a praticar esportes na infância aumenta a

com uma amostra

de 486 mulheres norte-americanas, com idades entre 18 e 39 anos, encontrou uma associação positiva entre a participação em atividades esportivas na adolescência e o nível de atividade física na idade adulta. Além disso, a prática de atividade física é uma área que está recebendo atenção especial por representar relação inversa com as doenças crônicas degenerativas. Este novo perfil epidemiológico fez crescer o interesse das pessoas, pois segundo a literatura os indivíduos fisicamente ativos tendem a apresentar menor mortalidade e morbidade por estas doenças. Além do que, há fortes evidências de que indivíduos ativos vivem mais e apresentam uma melhor qualidade de vida. Por conta de tudo isso que foi mencionado, tem se enfatizado a importância da adoção da atividade física regular para a prevenção e a manutenção da saúde

7 tanto individual quanto a coletiva. Além do mais o incentivo da atividade física desde a infância e adolescência é um fator protetor para a prevenção das doenças associadas ao estilo de vida. Além disso, há fortes evidências de que indivíduos ativos fisicamente tenham uma expectativa ampliada de anos de vida produtiva e independente, e que os custos relativos à saúde pública podem ser sensivelmente menores em populações mais ativas fisicamente.

2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral • Analisar associação entre o nível de atividade física dos pais e o nível de atividade física dos filhos adolescentes em escolas públicas da região sul do Brasil 2.2 Objetivos Específicos • • • • Caracterizar o nível de atividade física dos adolescentes conforme as variáveis demográficas, socioeconômicas, comportamentais e saúde; Caracterizar o nível de atividade física dos pais conforme as variáveis demográficas, socioeconômicas, comportamentais e saúde; Verificar a associação entre o nível de atividade física dos pais e a prevalência de sedentarismo em adolescentes; Descrever a prática de atividade física dos adolescentes que possuem pais ativos com aqueles que possuem pais sedentários.

8

3 REVISÃO DE LITERATURA A revisão de literatura foi realizada nas seguintes bases de dados: Medline/PubMed, Scielo e Lilacs com os seguintes descritores: atividade física e saúde, atividade física na adolescência, atividade física e doenças crônicas não transmissíveis e sedentarismo. Além disso, buscou-se artigos relevantes nas referências dos artigos já localizados. 3.1 Atividade física e saúde Os benefícios da atividade física na prevenção e tratamento de inúmeras doenças parecem estar bem documentados na literatura 3, de modo que o incentivo à prática de atividades físicas é uma preocupação da agenda de saúde pública mundial 4. Neste sentido, estudos apontam que o envolvimento de crianças e jovens com a prática de atividades físicas e esportivas exerce uma importante influência na determinação de um estilo de vida ativo ao longo da vida adulta 5. O sedentarismo é visto como um problema mundial de saúde
6, 7

. Os centros

para controle e prevenção de doenças nos Estados Unidos (CDC) e o Colégio Americano de Medicina do Esporte relataram que aproximadamente, 250.000 vidas são perdidas anualmente devido ao estilo de vida sedentário 7. Entre as razões que levam à inatividade física um dos possíveis fatores é o desconhecimento sobre como se exercitar, as finalidades de cada exercício, limitação de alguns grupos populacionais e percepções distorcidas em relação aos benefícios do movimento 8. Além disso 4, muitos fatores dificultam a participação dos jovens na atividade física como falta de tempo, fraca motivação, insuficiente apoio e orientação, sentimento de embaraço ou incompetência, falta de instalações seguras, acesso limitado de instalações de atividade física e desconhecimento dos benefícios da atividade física. A literatura tem mostrado cada vez mais que a prática de atividade física é fator relevante na prevenção primária e como suporte terapêutico dessas doenças
6, 9

. Campanhas de combate ao sedentarismo recomendam a prática de 30 minutos

de atividades físicas na maioria dos dias da semana envolvendo os grandes grupos musculares, podendo ser feita de forma contínua ou fracionada 10.

9 Manter alguma atividade física é melhor do que a inatividade. Porém, quando se recomenda prática fracionada ou leve, tem-se por objetivo quebrar a inércia para começar a adquirir hábitos de vida ativa e somente após algum tempo de prática regular, em ritmo submáximo (moderado) é que gradativamente vai se adquirindo os reais benefícios da prática da atividade física como fator de proteção para as doenças crônicas não-transmissíveis 11,12. A Organização Mundial da Saúde e Federação Internacional do Esporte estima que metade da população mundial seja inativa fisicamente
13

. Nos Estados

Unidos, mais de 60% dos adultos e em torno de 50% dos adolescentes são considerados sedentários, segundo o National Center for Chronic Disease and Prevention and Health Promotion
14.

No Brasil, dados do Instituto Brasileiro de

Geografia e Estatística apontam 80,8% de adultos sedentários 15. 3.2 Atividade física na adolescência Segundo DHHS and USDA16, recomenda que crianças e adolescentes façam pelo menos 60 minutos de moderada para vigorosa atividade física na maioria dos dias da semana para manter a boa saúde, boa forma física e um peso saudável durante o crescimento. O aumento da atividade física pode diminuir o índice de massa corporal das crianças com sobrepeso. Durante o tempo de lazer, é aconselhável para todos os indivíduos, para limitar o comportamento sedentário façam atividades que requeiram mais movimento. A atividade física (AF) habitual tem sido reconhecida como uma componente importante de um estilo de vida saudável
17

. São várias as razões, sugeridas por

Blair 18, para explicar a possível relação causal entre a AF e a saúde em crianças e adolescentes: a) as crianças com baixos índices de AF parecem ser mais susceptíveis para desenvolverem patologias degenerativas em idade adulta; b) a AF nas crianças parece induzir alterações biomecânicas, fisiológicas e psicológicas, as quais se manifestam como adaptações crônicas benéficas, persistindo de forma vantajosa durante a vida adulta; c) os hábitos da prática das atividades físicas adquiridos na infância parecem persistir durante a vida adulta. Na infância, a AF parece, assim, ter um papel importante para a estabilidade dos hábitos de prática dessas atividades, os quais poderão adquirir uma importância vital para a prevenção dos fatores de risco das doenças cardiovasculares 19.

10 E importante salientar, quando os padrões de atividade física e de estilos de vida saudáveis são adquiridos durante a infância e a adolescência, têm uma maior probabilidade de ser mantida durante todo tempo de vida. Por conseguinte, a melhoria nos níveis de atividade física em jovens imprescindível para o futuro da saúde de todas as populações 4. A prática adequada de atividade física na adolescência traz vários benefícios para a saúde física e mental, seja por meio de uma influência direta sobre a morbidade na própria adolescência ou por uma influência mediada pelo nível de atividade física na idade adulta
17,20,21,22

. Embora a maioria das doenças
23

associadas ao sedentarismo somente se manifeste na vida adulta, é cada vez mais evidente que seu desenvolvimento se inicia na infância e adolescência prioridade em saúde pública 24. Apesar dessas evidências, a prevalência de sedentarismo ainda é muito alta, tanto em países ricos
14,25

. Sendo

assim, o estímulo à prática de atividade física desde a juventude deve ser uma

quanto naqueles de renda média ou baixa

26,27

.

Ainda mais preocupantes, são as evidências de que a aptidão física (medida pela resistência cardiorrespiratória) de adolescentes vem apresentando tendências de declínio em algumas populações 28. No Brasil, há poucos estudos em escolares adolescentes sobre o nível de atividade física. Em um estudo transversal realizado na Cidade de Niterói com adolescentes de 14-15 anos, 85% dos meninos e 94% das meninas foram classificados como sedentários escore abaixo de três em uma escala que variava de zero a cinco pontos; a escala englobava atividades esportivas realizadas no tempo de lazer 29. Em adolescentes de 15 a 19 anos residentes na zona urbana da Cidade de Pelotas, a prevalência de sedentarismo menos de vinte minutos de atividade física pelo menos três vezes por semana foi de 22% nos meninos e 55% nas meninas
15

. Outros estudos nacionais entre adolescentes também relatam
30,31

prevalência muito variadas diferenças.

. É provável que a utilização de instrumentos e

definições de sedentarismo bastante distintas 17, explique pelo menos parte dessas O hábito da prática de exercícios físicos quando estabelecido na infância, apresenta maiores chances de perdurar na vida adulta
32

. Apesar de tudo, está

cada vez menor os níveis de atividade física entre jovens nos países de todo

11 mundo, especialmente em áreas urbanas pobres. Estima-se que menos de um terço dos jovens são suficientemente ativos 4. 3.3 Relações entre atividade física e o controle das doenças crônicas não transmissíveis

A cada ano pelo menos, 1,9 milhões de pessoas morrem como resultado da inatividade física 4. A inatividade física e baixo nível de condicionamento físico têm sido considerados fatores de risco para mortalidade prematura tão importante quanto fumo, dislipidemia e hipertensão arterial 6. Estudos epidemiológicos têm demonstrado forte relação entre inatividade física e presença de fatores de risco cardiovascular como hipertensão arterial, resistência à insulina, diabetes, dislipidemia e obesidade 33, 34, 35,36. As doenças cardiovasculares (DCV) continuam a representar a principal causa de morbimortalidade nos países ricos, apesar de vir sendo observado um decréscimo de suas taxas nas últimas décadas
37

. No Brasil, respondem por 33%
12

das causas de morte e representam os maiores gastos para o SUS

. Dentre os

fatores de risco conhecidos para as DCV, vários deles vêm apresentando declínio nos países ricos, como o fumo, a hipertensão arterial sistêmica, a diabetes e os níveis de lipídios circulantes. Entretanto, a obesidade e o sedentarismo vêm demonstrando uma curva ascendente. Nos EUA, são 10 milhões de coronariopatas que originam 100.000 intervenções por ano regular diminuem em 25% o risco de morte 7, 39. Estudos epidemiológicos, como os De Groot et al.40, Prentice et al.41 , Lees et al.42, apontam forte associação entre atividade física ou aptidão física e saúde. A inatividade física é um fator de risco independente para a doença cardiovascular, hipertensão arterial, obesidade e hipercolesterolemia 7. Mais de 35 milhões de pessoas morreram de doenças crônicas em 2005 representando 60% de todas as mortes em todo mundo. Sendo que 80% ocorreram em países de rendimento médio. Sem medidas para atacar as causas,das doenças crônicas esse índice aumentará em 17% entre 2005 e 2015 4.
38

. Estudos controlados nesses

pacientes evidenciam que aqueles que entram num programa de atividade física

12 Apesar dos elevados investimentos para o controle das afecções cardiovasculares, as taxas de morbimortalidade têm sofrido poucas modificações nas últimas décadas. Os melhores resultados foram com programas direcionados às mudanças de hábitos maléficos à saúde das pessoas, tais como: combate às dietas ricas em colesterol, ao sedentarismo, à obesidade e ao tabagismo Hábitos saudáveis podem ser a chave para o controle dessas afecções
43

. .

44,45,46,47

Entretanto, mudanças de maus hábitos à saúde, já instalados na vida adulta, são objetivos difíceis de serem atingidos devido à fraca aderência da população alvo. Por outro lado, hábitos saudáveis adquiridos na infância que se perpetuem na vida adulta podem contribuir para a prevenção primária das doenças cardiovasculares. O pesquisador Lee
48

, realizou estudo sobre a atividade física e a doença

coronariana em mulheres (n= 39.972), encontrando que mulheres mais ativas possuíam uma média de índice de massa corporal menor que as mulheres menos ativas. Mulheres mais ativas também fumavam menos, mas consumiam mais álcool. Elas também tinham uma dieta mais saudável, com mais consumo de fibras, frutas e vegetais, e menor consumo de gorduras saturadas. Nos maiores níveis de atividade física, as prevalências de hipertensão, diabetes melitus e níveis de colesterol foram menores nas mulheres que despendiam entre 600 e 1499 kcal/ semana energia. 3.3.1 Atividade Física e Obesidade Sobrepeso e obesidade são definidos como anormal ou excessiva acumulação gordura que apresenta um risco para a saúde. A forma de medida da obesidade é o índice de massa corporal (IMC), uma pessoa com peso (em quilos) dividido pelo quadrado da sua altura (em metros). Uma pessoa com um IMC de 30 ou mais é geralmente considerado obeso. Uma pessoa com um IMC igual ou superior a 25 é considerado com sobrepeso 49. A obesidade é considerada, em países desenvolvidos, um importante problema de saúde pública, e pela OMS, uma epidemia global
13

e

encontravam-se,

significativamente

com

menores

riscos

de

desenvolverem doenças coronarianas que aquelas com dispêndio menor de

. Segundo

estimativas da Organização Mundial da Saúde, atingem mais de 300 milhões de

13 adultos em todo o planeta. Somente os indivíduos portadores de sobrepeso correspondem à cerca de 1 bilhão de adultos 50. O excesso de peso é particularmente mais prevalente entre o sexo feminino: estima-se que aproximadamente 30% das mulheres ocidentais adultas, em especial nos anos que seguem a menopausa, são portadoras de obesidade Brasil, a sua prevalência entre a população feminina adulta chega a 12,5% com
53 51 52

. No

. Tal

situação tem preocupado as autoridades sanitárias mundiais, por sua relação direta a ocorrência de hipertensão arterial, diabetes melitos, doenças cardiovasculares e neoplasias, entre estas o câncer de mama, endométrio e cólon . Estudos epidemiológicos e de coorte têm demonstrado forte associação entre obesidade e inatividade física
34,35,36

. Para o tratamento da obesidade é

necessário que o gasto energético seja maior que o consumo energético diário, o que nos faz pensar que uma simples redução na quantidade de comida através de dieta alimentar seja suficiente. No entanto, isso não é tão simples; tem sido demonstrado que mudança no estilo de vida, através de aumento na quantidade de atividade física praticada e redução alimentar é o melhor tratamento 54. O aumento da atividade física parece ter um efeito benéfico independente nas co-morbidades da obesidade, essencialmente na resistência à insulina, hiperglicemia e dislipidemias, além de atenuar a morbimortalidade em indivíduos com sobrepeso e obesos
55

. Além disso, a incorporação do exercício como um
56

hábito regular é uma das formas mais efetivas de manter a perda de peso American College of Sports Medicine
56

. O

recomenda que indivíduos com sobrepeso

e obesos, assim como a população em geral, atinjam gradualmente um mínimo de 150 minutos de atividade física de intensidade moderada por semana, o que já traria benefícios à saúde. No entanto para a perda de peso mais eficaz a manutenção desta, deveria progredir-se para maiores quantidades de exercício, como 200-300 minutos por semana ou um gasto maior de 2000 kcal por semana em atividade física 56. A obesidade tem sido classificada como uma desordem primariamente de alta ingestão energética
57

. No entanto, evidências sugerem que grande parte da

obesidade é mais devida ao baixo gasto energético que ao alto consumo de comida enquanto a inatividade física, da vida moderna, parece ser o maior fator etiológico do crescimento desta doença nas sociedades industrializadas 58.

14

3.3.2 Atividade Física e Diabetes Melitus

A diabetes epidemia está em curso. Estima-se que 30 milhões de pessoas tinham diabetes no mundo em 1985. Uma década depois, o peso global da doença foi estimado em 135 milhões de pessoas. A última estimativa da organização mundial da saúde para o número de pessoas com diabetes, em todo o mundo, em 2000 foi de 171 milhões. E se estima que em 2030 provavelmente aumente para 366 milhões 4. Por está razão é necessário que se previna a população mundial desta enfermidade com o incentivo da pratica da atividade física regular e da alimentação saudável. Segundo Who
4

, a prevenção primaria para o controle do diabetes,

alimentação saudável e atividade física regular, protege indivíduos sensíveis. Deve ser salientado em particular nas regiões mais pobres do mundo onde os recursos são severamente limitados. A associação entre inatividade física e resistência à insulina foi sugerida pela primeira vez em 1945
59

, desde então, estudos transversais e de intervenção têm

demonstrado relação direta entre atividade física e sensibilidade à insulina 33,36,60,61. A prática de atividade física também tem sido considerada uma importante ferramenta no tratamento de indivíduos com diabetes do tipo II
62

. Programas de

Atividade física têm demonstrado serem eficientes no controle glicêmico de diabetes, melhorando a sensibilidade à insulina e tolerância à glicose e diminuindo a glicemia sangüínea destes indivíduos 63,64,65. A atividade física regular é extremamente benéfico no controle da diabete melitus, intolerância à glicose e resistência insulínica demonstrando efeitos mais substanciais é o aeróbico músculos esqueléticos, independente de insulina
68 67 66

. Aquele que vem

, que em nível submáximo

(60-70% do VO2 Máximo) produz sensível aumento na captação de glicose pelos . No esforço, a captação de glicose continua, enquanto o glicogênio é ressintetizado 68.

15 No entanto, ainda que estudos mostrem que o aumento da sensibilidade à insulina é mais efetivo em atividades mais intensas (80-90% da freqüência cardíaca máxima), as recomendações gerais propõem uma atividade moderada pelo menos cinco vezes na semana sem freqüência cardíaca específica 69. Algumas considerações são particularmente importantes e específicas em programas de exercícios para indivíduos com diabetes, como cuidados com os pés, hidratação e temperatura ambiente adequada 70. Tem sido demonstrado que uma única sessão de atividade física aumenta a disposição de glicose mediada pela insulina em sujeitos normais, em indivíduos com resistência à insulina parentes de primeiro grau de diabetes do tipo II, em obesos com resistência à insulina, bem como em diabéticos do tipo II, e o exercício físico melhora a sensibilidade à insulina em indivíduos saudáveis, em obesos não diabéticos e em diabéticos do tipo I e II 58,71,72,73. O efeito da atividade física sobre a sensibilidade à insulina tem sido demonstrado de 12-48 horas após a sessão de exercício, porém volta aos níveis pré atividade em 3-5 dias após a última sessão de exercício físico
58

, o que dá

ênfase para que se pratique a atividade física com freqüência e regularidade. Além disso, foi demonstrado em estudos, que indivíduos com resistência à insulina melhoraram a sensibilidade à insulina em 22% após a primeira sessão de exercício e em 42% após seis semanas de treinamento 74, o que demonstra que a atividade física apresenta tanto um efeito agudo como um efeito crônico sobre a sensibilidade à insulina 57. De acordo com as recomendações do Colégio Americano de Medicina do Esporte 75, ainda que a atividade física seja uma intervenção terapêutica essencial no controle e possivelmente até na prevenção do diabetes tipo II, seus benefícios só se mantém com a regularidade. Portanto, a administração de insulina deve ser criteriosa no sentido de minimizar efeitos indesejáveis, já que a atividade física atua no controle da glicemia 66. Dessa forma, a atividade física deve ser vista como um fator fundamental no tratamento do indivíduo diabético 75. Benefício do exercício físico sobre a sensibilidade à insulina é demonstrado tanto como o exercício aeróbico como com exercício resistido insulina parece ser diferente
76 74,76,77,78,79

. O

mecanismo pelo qual essas modalidades de exercício melhora a sensibilidade à , o que sugere que a combinação das duas modalidades de exercício pode ser aditiva 57.

16

3.3.3 Atividade Física e Hipertensão Arterial

A hipertensão arterial (HA) é uma condição mórbida presente em grande parte dos adultos, com alta associação com doenças cardiovasculares um quarto com os níveis pressóricos controlados
82 80,81

. Nos

Estados Unidos, estima-se que 27% da população adulta seja hipertensa, apenas . No Brasil, a hipertensão arterial talvez seja a doença mais prevalente no adulto em diversas regiões, consistindo na primeira causa de aposentadoria por doenças e 40% dos óbitos 83. Estudos epidemiológicos e clínicos têm demonstrado efeitos benéficos da prática de atividade física sobre a pressão arterial em indivíduos de todas as idades 57. A prática regular de exercício físico tem demonstrado prevenir o aumento da pressão arterial associada à idade aumentado de desenvolvê-la quanto de normotensos 87,88,89. A Sociedade Brasileira de Cardiologia recomenda que os indivíduos hipertensos iniciem programas de atividade física regular, desde que submetidos à avaliação clínica prévia. Os exercícios devem ser de intensidade moderada, de 3-6 vezes por semana, em sessões de 30-60 minutos de duração realizados com freqüência cardíaca entre 60-80% freqüência cardíaca máxima ou entre 50-70% do consumo máximo de oxigênio 90. Há dados sugerindo que mesmo exercícios com baixa intensidade são capazes de induzir à redução da pressão arterial (PA) em hipertensos 91. De fato, é possível encontrar estudos
92 86 84,85

, mesmo em indivíduos com risco

. Programas de atividade física têm demonstrado

diminuir a pressão arterial sistólica e diastólica, tanto de indivíduos hipertensos

em

que

programas

com

intensidade

de

aproximadamente 20% da potência máxima em ciclo ergômetro revelaram-se eficazes nesse sentido . Assim, abre-se possibilidade de programas não supervisionados, que abdicam de controle mais estrito da intensidade de esforço e possam ter efeitos sobre os níveis pressóricos de indivíduos com HA. Programas não supervisionados são aqueles nos quais os indivíduos realizam seus exercícios fora de ambientes formais, como hospitais, clínicas, academias ou similares, portanto, sem supervisão direta de profissional especializado
93

. Ainda que os

17 efeitos do treinamento não possam ser controlados com a mesma precisão de programas supervisionados, a incorporação da atividade física como um hábito em longo prazo, parece ser favorecida 94,95. O efeito da atividade física sobre os níveis de repouso da pressão arterial de grau leve a moderado é especialmente importante, uma vez que o paciente hipertenso pode diminuir a dosagem dos seus medicamentos anti-hipertensivos ou até ter a sua pressão arterial controlada, sem a adoção de medidas farmacológicas 96,97. A tendência de utilizar precocemente agentes farmacológicos foi substituída por agentes não farmacológicos, dentre estes, o exercício físico aeróbico tem sido recomendado para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica leve 97. Todavia, somente 75% dos pacientes hipertensos são responsivos ao treinamento físico, uma vez que a hipertensão arterial sistêmica é uma síndrome poligênica e que pode ser influenciada pela herança genética 96. Segundo
98

, em um seguimento de 6 a 10 anos, de 15.000 indivíduos

diplomados de Harvard, constataram que os que praticavam atividade física de forma regular apresentavam risco 35% menor de desenvolver hipertensão arterial do que os indivíduos sedentários. Mais recentemente
99

, submeteram 207 indivíduos com hipertensão

essencial de graus 1 e 2 a um programa de exercício físico por oito semanas. Foram divididos em cinco grupos baseados na duração e freqüência por semana de exercício (grupo controle sedentários, 30 a 60 minutos/semana, 61 a 90, 91 a 120 e acima de 120 minutos/semana). Verificaram que a PA diastólica não mudou em repouso no grupo controle; no entanto, houve significativa redução na pressão arterial sistólica e diastólica em repouso nos quatro grupos submetidos a exercícios.

18

4 MÉTODOS 4.1 Delineamento O delineamento do estudo proposto é transversal. 4.2 População Alvo A população alvo do estudo é formada por adolescentes escolares do 3º ano do ensino médio da rede pública e seus respectivos pais, residentes na cidade de Canoas, RS. 4.3 Processo de Amostragem O processo de seleção da amostra envolverá inicialmente o conhecimento do número de escolas, que no momento são 17 e quantas vagas, serão disponibilizadas para o ano de 2009, que segundo a 27ª Coordenadoria Regional de Ensino serão 2.116 vagas para o 3º ano do ensino médio. Após ter sido feito este contato inicial foi requisitado, através de carta documentada (Anexo I) a liberação para realização da pesquisa. Em segundo lugar após a matricula dos alunos para o ano de 2009 será requisitado à lista de todas as atas de chamada por escola e por turma para que se faça um sorteio aleatório das turmas dentre as 17 escolas estaduais do município de Canoas. 4.4 Calculo do Tamanho da Amostra A amostra será calculada para o estudo de prevalência e das associações a serem pesquisadas. Partindo de uma população de 2116 escolares, para detectar uma prevalência de 40% de sedentarismo com precisão de mais ou menos 5% e nível de confiança de 95% são necessárias 314 pessoas. Para avaliar a influência entre sedentarismo dos pais (40%) e dos adolescentes (20%) com nível de confiança de 95% e poder estatístico de 80%, calcula-se que são necessários 91 adolescentes. Como a amostra será feita por turma (cluater), considerou-se um efeito de delineamento de 2,0 e um acréscimo de 30% para compensar perdas e

19 permitir análise de fatores de confusão, chegando ao número necessário de 237 adolescentes. Como a amostra calculada para a prevalência é maior, esta será utilizada e serão examinados no mínimo 314 adolescentes e seus pais. 4.5 Variáveis 4.5.1 Variável Dependente Sedentarismo em adolescentes será definido como tempo semanal inferior a 300 minutos despendidos em atividades físicas. Esta definição está de acordo com as recomendações sobre a prática de atividade física para adolescentes 4.

20

4.5.2 Variáveis independentes Quadro 1 - Variáveis independentes e sua caracterização Variáveis independentes Demográficas Sexo Idade Cor da pele Situação conjugal Filho único Socioeconômicas Escolaridade adequada idade Classificação econômico Comportamentais Tabagismo Saúde Autopercepção de saúde Características Tipo de variável

Masculino/ Feminino Categoria dicotômica Anos completos Quantitativa contínua Branca, preta, parda, Categórica politomica amarela ou indígena Casado (a),solteiro (a), Separado (a),viúvo (a). Sim/ Não à Sim/ Não Quintis Categórica politomica Categórica dicotômica Categórica dicotômica Categórica ordinal

Ex fumante, fumante Categórica politomica atual, nunca fumou Excelente,boa, regular, Categórica ordinal Categórica dicotômica

ruim Busca por serviço de saúde Sim/ Não nas últimas semanas Outras Nível de atividade física dos < 150min/ semana pais > 150min/semana Nível de atividade física dos < 300min/ semana adolescentes > 300min/semana

Categórica dicotômica Categórica dicotômica

4.6 Definição Operacional dos Termos

21 Baixa atividade física para adultos: atividade física insuficiente para obtenção de benefícios à saúde com sua pratica. Definida como pratica semanal inferior a 150 minutos de atividade físicas moderadas ou vigorosas. Baixa atividade física para adolescentes: atividade física insuficiente para obtenção de benefícios à saúde com sua pratica. Definida como pratica semanal inferior a 300 minutos de atividade físicas moderadas ou vigorosas.

4.7 Hipóteses

Adolescentes que têm pais que fazem atividade física regularmente Adolescentes que têm pais que não fazem atividade física A prática de atividade física é maior nos seguintes grupos de

têm uma menor probabilidade de serem insuficientemente ativo.

regularmente têm uma maior probabilidade de serem insuficientemente ativo.

adolescentes: aqueles que possuem pais em união estável; os de sexo masculino; os mais jovens; os não brancos; os solteiros; os que se encontram em escolaridade inadequada de acordo com a idade; os mais pobres; os não fumantes; os que têm uma boa autopercepção de saúde e os que não buscaram serviço de saúde nas últimas semanas.

A prática de atividade física é maior nos seguintes grupos de pais:

aqueles que são separados; os de sexo masculino; os mais jovens; os não brancos; os que são mais graduados em relação à educação; os mais ricos; os não fumantes; os que têm uma boa autopercepção de saúde e os que não buscaram serviço de saúde nas últimas semanas.

4.8 Instrumentos

22 4.8.1 Questionário Internacional de Nível de Atividade Física (IPAQ) Será utilizado, como instrumento para medir o nível de atividade física o international physical Activity Questionnaire (questionário internacional de atividade física) - IPAQ - forma curta, versão 8 (Anexo 2). O instrumento contém sete questões relacionadas à freqüência de (dias por semana) e à duração (tempo por dia) da realização de atividades físicas moderadas, vigorosas e da caminhada. Foi validado por Craig et al.
101 100

em 12 países e no Brasil foi validado por Pardine et al.

, sendo utilizado por Pardine et al. 101 e por Hallal et al.103. Com relação aos níveis de intensidade, excluindo a caminhada, a atividade

física pode ser moderada ou vigorosa, sendo assim definida:

 Atividade física VIGOROSA – São aquelas que precisam de um grande
esforço fisico e que fazem respirar muito mais forte que o normal.

 Atividade física MODERADA – são aquelas que precisam de algum esforço
fisico e que fazem respirar um pouco mais forte que o normal. Para analisarmos os dados do nível de atividade física será usado o consenso realizado entre o CELAFISC e o Center for Disease Control citado por Pardine et al.
101 14

de Atlanta

considerado os critérios de freqüência e duração, que

classifica as pessoas em cinco categorias: 1 Muito Ativo: aquele que efetuou: A) Atividade física VIGOROSA : maior ou igual 5 dias e maior ou igual 30 minutos por sessão e/ou: B) Atividade física VIGOROSA: maior ou igual 3 dias/semana e maior ou igual 20 minutos por sessão mais atividade fisica MODERADA e/ ou CAMINHADA: maior ou menor 5 dias/ semana e maior ou igual 30 minutos por sessão. 2 Ativo: aquele que efetuou: A) Atividade física VIGOROSA: maior ou igual 3 dias/ semana e maior ou igual 20 minutos por sessão; e/ou B) Atividade física MODERADA ou caminhada: maior ou igual 5 dias/semana e maior ou igual 30 minutos por sessão; e/ou; C) Qualquer atividade física somada: maior ou igual 5 dias/semana e maior ou igual 150 minutos/semana (caminhada + atividade física MODERADA + atividade física VIGOROSA).

23

3 Irregularmente Ativo: aquele que realiza atividade física, porém insuficiente
para se classificado como ativo, pois não cumpre as recomendações quanto à freqüência ou duração. Para realizar essa classificação soma-se a freqüência e a duração dos diferentes tipos de atividade (caminhada + atividade física moderada + atividade física VIGOROSA). Este grupo foi dividido em dois subgrupos de acordo com o cumprimento ou não de alguns dos critérios de recomendação. Irregularmente Ativo A: aquele que atinge pelo menos um dos critérios da recomendação quanto à freqüência ou quando à duração da atividade: I. Freqüência: 5 dias por semana ou II. Duração: 150 minutos semana. Irregularmente Ativo B: aquele que não atingiu nenhum dos critérios da recomendação quando à freqüência nem quando à duração. 4 Sedentarismo: aquele que não realizou nenhuma atividade física por pelo menos 10 minutos contínuos durante a semana. 4.8.2 Critério de Classificação Econômica Brasileira (CCEB) O critério de classificação Econômica Brasil enfatiza sua função de estimar o poder de compra das famílias urbanas, abandonando a pretensão de classificar a população em termos de “classes sociais”. A divisão de mercado definida com este é exclusivamente, de classes econômicas. O questionário é composto por 10 questões, contendo a posse de itens e o grau de instrução do chefe da família. Possui cortes de classificação para o Brasil conforme a tabela abaixo 104. Quadro 2 – Pontos de corte do critério de classificação Econômica Brasileira Classe Classe A 1 Classe A 2 Classe B1 Classe B2 Classe C1 Classe C2 Classe D Classe E Fonte: ABEP (2008) Pontos 42 A 46 Pontos 35 A 41 Pontos 29 A 34 Pontos 23 A 28 Pontos 18 A 22 Pontos 14 A 17 Pontos 8 A 13 Pontos 0 A 7 Pontos

24 4.8.3 Questionários Individual de Pais e Filhos A coleta de dados também será feita através de questionário estruturado com questões fechadas, pré-codificadas. Como apêndices, encontram-se o questionário individual dos Pais (Apêndice A) e o questionário individual dos Filhos (Apêndice B). O instrumento integral foi planejado para obter, além das variáveis que compõem o desfecho principal, as seguintes informações:

• variáveis demográficas: sexo, idade, cor da pele e filho único; • variáveis socioeconômicas: escolaridade adequada a idade, e
classificação econômico 104;

• variáveis comportamentais: tabagismo; • variáveis de saúde: avaliação da autopercepção da saúde e busca
por serviço de saúde nas últimas semanas. Além dessas variáveis, será avaliado a prática de atividade física. E o armazenamento dos dados será feito em um banco de dados no programa EPI Info 6.0. 4.9 Procedimentos para Coleta de Dados Serão feitos contatos com as 17 escolas estaduais do município de Canoas, para se verificar a possibilidade de ali se realizar a pesquisa. A coleta dos dados será feita em março de 2009. Realizar-se-á um sorteio aleatório entre as turmas (cluater) do 3º ano do ensino médio do município de Canoas selecionando 314 pessoas para se avaliar a influência entre sedentarismo dos pais 40% e dos adolescentes 20% com nível de confiança de 95% e poder estatístico de 80%, considerando um delineamento de 2,0 e já se tendo feito um acréscimo de 30% para perdas e análise de fatores de confusão. Dentro de um envelope, serão entregues para os adolescentes sorteados os questionários dos pais ou cuidadores
105

e dos filhos e os respectivos termos de

consentimentos livres e esclarecidos, que deverão ser respondidos em casa e devolvidos na data marcada com o pesquisador. Se por ventura os pais não autorizarem a participação do adolescente ou não quiserem participar do estudo, serão excluídos da pesquisa, sendo classificados como perdas. _____________________

25
105

Cuidador – pode ser classificado como aquele que cuida de uma pessoa. E assume as responsabilidades diretamente relacionadas aos cuidados mínimos como higiene, alimentação, moradia e educação quando relacionado com crianças ou adolescentes.

4.10 Processamento de Dados e Controle de Qualidade O armazenamento dos dados será feito em um banco de dados no Epi info 6.0. O controle de qualidade será feito através de re-digitação das informações coletadas nas entrevistas da pesquisa por digitadores distintos. Além disso, será feito um questionário pré testado e ainda será feito as revisões de codificação do questionário. Posteriormente,10% dos pais que tiverem telefone em casa serão aleatoriamente sorteados para confirmar se o questionário foi entregue e foi respondido. Outra forma utilizada para assegurar a qualidade das informações será colocar entre as respostas em algumas perguntas do questionário respostas sem nexo com a pergunta em questão justamente para testar o entrevistado se ele está respondendo com atenção e precisão as perguntas, caso seja detectado falta de atenção por mais de uma vez, este será excluído da pesquisa. 4.11 Plano para Análise dos Dados A análise dos dados será realizada nos programas SPSS e Stata 8.0. a análise descritiva incluirá cálculos de percentuais e intervalos de confiança de 95% para as variáveis categóricas. A análise bruta será conduzida com a intenção de calcular a prevalência de ativo ou insuficientemente ativo em cada grupo das variáveis independentes. A siginificância das associações será avaliada com os testes do qui-quadrado para heterogenidade ou tendência linear. A análise multivariada será conduzida por regressão de Poisson respeitando o modelo conceitual de análise que será elaborado. Variáveis com valor p<20% na análise multivariada serão mantidas no modelo de regressão com possíveis fatores de confusão. Todas as variáveis serão avaliadas na regressão multivariada, independentemente de sua associação bruta com o desfecho. 4.12 Estudo Piloto Será escolhida uma escola com características parecidas, mas diferente das escolhidas para o estudo, na qual serão realizadas entrevistas para detecção de problemas com o questionário.

26

4.13 Aspectos Éticos Este projeto será submetido ao Comitê de Ética e Pesquisa em seres humanos e animais da Universidade Luterana do Brasil de Canoas. Os dados individuais serão mantidos em sigilo, sendo que os nomes, endereços, telefones e demais dados de identificação ficarão em um banco de dados separado com acesso restrito. Será solicitado consentimento por escrito dos pais ou responsáveis para realização das entrevistas com os adolescentes. Ainda assim, será obtido, de cada participante, seu consentimento através do termo de consentimento livre e esclarecido (Anexo III e IV). O Entrevistador selecionado pelo projeto e especificamente capacitado para o levantamento de dados explicará com um vocabulário apropriado ao entendimento dos indivíduos convidando-os a participarem do estudo e explicando os seus objetivos e procedimentos. Quaisquer dúvidas serão esclarecidas, deixando-se claro que o individuo têm a opção de não participar. Os princípios éticos serão também assegurados aos entrevistados, da seguinte forma:

• • •

realização da coleta de dados após consentimento informado dos

entrevistados; sigilo sobre os dados coletados; em caso de menores de 18 anos, será solicitado o consentimento ao

seu responsável legal.

5. CRONOGRAMA 27

5 CRONOGRAMA

Atividades A Revisão bibliográfica Elaboração do projeto Defesa do projeto Ajuste da análise a partir da defesa do projeto Encaminhamento ao comitê de ética da Ulbra Projeto piloto Coleta dos dados Análise dos dados Redação do artigo Elaboração de dissertação Defesa da tese de mestrado M J J

2008 A S O N D J F M A M

2009 J J A S O N D

28 6 ORÇAMENTO Material Canetas Cartucho para Impressão CD-R Cópias de artigos Encardenação Folha A4 (pacote 500 um) Lápis Pen Drive Total Quantidade 2 4 2 38 5 4 2 1 Valor Unitário (R$) 0,5 28 1,2 1,0 3 15,9 0,5 50 Valor Total (R$) 1 112 2,4 38 15 63,6 1 50 283

* Todas as despesas serão custeadas pelo pesquisador.

7 REFERÊNCIAS

29

1.Taylor, W.C.,S.N. Blair.et al.(1999). “Childhood and adolescent physical activity patterns and adult physical activity.” Med Sci Sports Exerc 32 (9): 161722. 2.Alfano, C. M., R.C.Klesges,et al.(2002). “History of sports participation in relation to obesity and related health behaviors in women. “ Prev Med 34 (1): 82-9. 3.Bauman A.E. Updating the evidence that physical activity is good for health: an epidemiological review 2000-2003. J Sci Med Sport. 2004;7(1 Supl):6-19. 4.WHO.Global strategy on diet,physical activity & health. Acessado em 11/09/08 no endereço: http://www.who.int/ dietphysicalactivity/PA/em/índex.html 5.Azevedo, M. R., Araujo, C. L., Silva, M. C. Influência da atividade física na adolescência sobre o nível de atividade física na idade adulta. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia. Universidade Federal de Pelotas; 2004. 6.Blair S.N., Horton EH, Fontanez N, Hollerean S, Matheus K, Roheim PS, et al. Physical activity, nutrition, and chronic disease. Med Sci Sports Exerc 1996;28:3:335-49. 7.Pate R.R., Pratt M., Blair S.N., Haskell W.L., Macera C.A., Bouchard C. Physical activity and public health: a recommendation from the Centers for Disease Control and Prevention and the American College of Sports Medicine. JAMA 1995; 273:402-407. 8.Domingues M. R., Araujo,C. L. P. Conhecimento e percepção sobre exercício físico em uma população adulta urbana do sul do Brasil. Cad. Saúde Pública., Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, 2004. 9.Haennel R.G, Lemire F. Physical activity to prevent cardiovascular disease. Can Fam Physician 2002; 48:65-71. 10.Ministério da Saúde. Agita Brasil: guia para agentes multiplicadores. Brasília: Ministério da Saúde; 2001. 11.Fletcher G.F., Balady G., Blair S.N., Blumenthal J., Caspersen C., Chaitman B., et al. Statement on exercise: benefits and recommendations for physical activity programs for all Americans. A statement for health professionals by the Committee on Exercise and Cardiac Rehabilitation of the Council on Clinical Cardiology, American Heart Association. Circulation 1996; 94:857-62. 12.Ministério da Saúde. Programa de educação e saúde através do exercício físico e do esporte. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.

30

13.WHO/FIMS. 1995;73:135-6.

Exercise

for

health.

Bull

World

Health

Organization

14.Centers for Disease Control and Prevention. Physical activity levels among children aged 9-13 years: United States, 2002. Atlanta: Centers for Disease Control and Prevention; 2002.

15.Oehlschlaeger, M. H. K., et al. Prevalência e fatores associados ao sedentarismo em adolescentes de área urbana. Rev. Saúde Pública. São Paulo, v. 38, n. 2, 2004. 16.DHHS and USDA (U.S. Department of Agriculture ). 2005. Dietary Guidelines for Americans 2005. 17.Twisk J.W. Physical activity guidelines for children and adolescents: a critical review. Sports Med 2001; 31:617-27. 18.Blair S.N., et al. 1989. Physical fitness and all-cause mortality: a prospective study of healthy men and women. The Journal of the American Medical Association 262:2395-2405. 19.Sharp N. Activity of children-health through sport, exercise and fitness? In: Chan KM, Micheli LJ. Sport and children. Champaign, IL: Human kinetics; 1998. p. 39-49. 20.Gordon-Larsen P., Nelson M.C., Popkin B.M. Longitudinal physical activity and sedentary behavior trends: adolescence to adulthood. Am J Prev Med 2004; 27:277-83.

21.Kraut A., Melamed S., Gofer D., Froom P. Effect of school age sports on leisure time physical activity in adults: The CORDIS Study. Med Sci Sports Exerc 2003; 35:2038-42. 22.Tammelin T., Nayha S., Hills AP., Jarvelin M.R. Adolescent participation in sports and adult physical activity. Am J Prev Med 2003; 24:22-8. 23.Parsons T.J., Power C., Logan S., Summerbell C.D. Childhood predictors of adult obesity: a systematic review. Int J Obes Relat Metab Disord 1999; 23 Suppl 8:S1-107.

31 24.Hallal, P. C., et al. Prevalência de sedentarismo e fatores associados em adolescentes de 10-12 anos de idade. Cad. Saúde Pública., Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, 2006. 25.Klasson-Heggebo L., Anderssen S.A. Gender and age differences in relation to the recommendations of physical activity among Norwegian children and youth. Scand J Med Sci Sports 2003; 13:293-8.

26.Leonguerrero R.T, Workman R.L. Physical activity and nutritional status of adolescents on Guam. Pac Health Dialog 2002; 9:177-85. 27.Monge-Rojas R., Nunez H.P., Garita C., Chen-Mok M. Psychosocial aspects of Costa Rican adolescents' eating and physical activity patterns. J Adolesc Health 2002; 31:212-9.

28.Westerstahl M., Barnekow-Bergkvist M., Hedberg G., Jansson E. Secular trends in body dimensions and physical fitness among adolescents in Sweden from 1974 to 1995. Scand J Med Sci Sports 2003; 13:128-37. 29.Silva R.C.R., Malina R.M. Nível de atividade física em adolescentes do Município de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública 2000; 16:10917. 30.Guedes D.P., Guedes J.E.R.P. Níveis de prática de atividade física habitual em adolescentes. Rev Bras Med Esporte 2001; 7:187-99.

31.Gomes V.B., Siqueira K.S., Sichieri R. Atividade física em uma amostra probabilística da população do Município do Rio de Janeiro. Cad Saúde Pública 2001; 17:969-76. 32.Abrantes M.M., Lamounier J.Á., Colosimo E.A. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes das regiões Sudeste e Nordeste. J Pediatr. (Rio J) 2002; 78: 335-40. 33.Rennie K.L., Mccarthy N., Yazdgerdi S., Marmot M., Brunner E. Association of metabolic syndrome with both vigorous and moderate physical activity. Int J Epidemiol 2003;32:600-6.

32 34.Gustat J., Srinivasan S.R., Elkasabany A., Berenson G.S. Relation of selfrated measures of physical activity to multiple risk factors of insulin resistance syndrome in young adults: the Bogalusa Heart study. J Clin Epidemiol 2002;55:997-1006. 35.Wareham N.J., Hennings S.J., Byrne C.D. A quantitative analysis of the relationship between habitual energy expenditure, fitness and the metabolic cardiovascular syndrome. Br J Nutr 1998;80:235-41. 36.Lakka T.A., Laaksonem D.E., Laaka H.M., Männikö N., Niskanen L.K., Raumramaa R., et al. Sedentary life style, poor cardiorespiratory fitness, and the metabolic syndrome. Med Sci Sports Exerc 2003;35:1279-86. 37.WHO. Sedentary life-style: a global public health problem. Acessado em 12/05/03 no endereço: http://www.who.int/hpr/physactiv/sedentary.lifestyle1.shtml 38.Morbidity and Mortality Weekly Report. INCREASING PHYSICAL ACTIVITY. A report on recommendations of the Task Force on Community Preventive Services. MMWR 2001;50:1214-5. 39.Erlichman J., Kerbey A.L., James W.P. Physical activity and its impact on health outcomes. Paper 1: The impact of physical activity on cardiovascular disease and all-cause mortality: an historical perspective. Obes Rev 2002;3:257-71. 40.De Groot L.C., Verheijden M.W., De Henauw S., Schroll M., Van Staveren W.A., Seneca. Investigators Life-style, nutritional status, health, and mortality in elderly people across Europe: a review of the longitudinal results of the SENECA study. J Gerontol A Biol Sci Med Sci 2004;59:1277-84. 41.Prentice R.L., Willett W.C., Greenwald P., Alberts D., Bernstein L., Boyd N.F., et al. Nutrition and physical activity and chronic disease prevention: research strategies and recommendations. J Natl Cancer Inst 2004;96:1276-87. 42.Lees S.J., Booth F.W. Sedentary death syndrome. Can J Appl Physiol 2004;29:447-60. 43.Mendes, M.J.L., et al. Associação de fatores de risco para doenças cardiovasculares em adolescentes e seus pais. Ver. Bras. Saúde Mater. Infant. Recife, v6 supl. 1, 2006. 44.Freedman D.S., Khan L.K., Dietz W.H., et al. Relationship of childhood obesity to coronary heart disease risk factors in adulthood: the Bogalusa Heart Study. Pediatrics. 2001; 108: 712-8. et al. 45.Kanda A., Kamiyama Y., Kawaguchi T. Association of reduction in parental overweight with reduction in children's overweight with a 3-year follow-up. Prev Med. 2004; 39: 369-72.

33 46.Krassas G.E., Tzotzas T., Tsametis C., Konstantinidis T. Determinants of body mass index in Greek children and adolescents. J Pediatr Endocrinol Metab. 2001;14 (Suppl 5):1327-33. 47.Leander K., Hallqvist J., Reuterwall C., Ahlbom A., De Faire U. Family history of coronary heart disease, a strong risk factor for myocardial infarction interacting with other cardiovascular risk factors: results from the Stockholm Heart Epidemiology Program (SHEEP). Epidemiology. 2001; 12: 215-21. 48.Lee M. Physical activivity and coronary heart disease in women: is no pain, no gain passé? JAMA – Volume 285- Número 11,1447-1454,2001. 49.WHO. Health topics: Obesity and overweight. Acessado em 12/09/08 no endereço: http://www.who.int/topics/obesity/en/ 50.Hill JO, Wyatt HR, Reed GW, Peters JC. Obesity and the environment: where do we go from here? Science. 2003;299(5608):853-5. 51.De Lorenzi., Dino R. S., et al . Prevalência de sobrepeso e obesidade no climatério. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio de Janeiro, v. 27, n. 8, 2005. 52.Monteiro C.A., D'A Benício M.H., Conde W.L., Popkin B.M. Shifting obesity trends in Brazil. Eur J Clin Nutr. 2000;54(4):342-6. 53.Lins A.P.M., Sichieri R. Influência da menopausa no índice de massa corporal. Arq Bras Endocrinol Metab. 2001;45(3):265-70. 54.American College of Sports Medicine. ACSM stand position on the appropriate intervention strategies for weight loss and prevention of weight regain for adults. Med Sci Sports Exerc 2001;33:2145-56. 55.Grundy S.M., Blackburn B., Higgins M., Lauer R., Perri M.G., Ryan D. Physical activity in the prevention and treatment of obesity and its comorbidities. Med Sci Sports Exerc 1999;31(Suppl 11):502-8. 56. American College of Sports Medicine. Position stand. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness, and flexibility in healthy adults. Med Sci Sports Exerc 1998;30:6:1-34. 57.Ciolac E.G., Guimaraes, G. V. Exercício físico e síndrome metabólica. Rev Bras Med Esporte. Niterói, v. 10, n. 4, 2004. 58.Eriksson J., Taimela S., Koivisto V.A. Exercise and the metabolic syndrome. Diabetologia 1997;40:125-35.

34

59.Blotner H. Effects of prolonged physical inactivity on tolerance sugar. Arch Intern Med 1945;75:39-44. 60.Holloszy J.O., Schultz J., Kusnierkiewicz J., Hagberg J.M, Rhsani A.A. Effects of exercise on glucose tolerance and insulin resistance. Acta Med Scand 1986; 711(Suppl):55-65. 61.Schneider S.H, Morgado A. Effects of fitness and physical training on carbohydrate metabolism and associated cardiovascular risk factors in patients with diabetes. Diabetes Reviews 1995;3:378-407. 62.American Diabetes Association. ADA stand position: activity/exercise and diabetes mellitus. Diabetes Care 2003;26:573-7. physical

63.Castaneda C., Layne L.E., Orians L.M., Gordon P.L., Walsmith J., Foldvari M., et al.A randomized controlled trial of resistance exercise training to improve glycemic control in older adults with type 2 diabetes. Diabetes Care 2002;25:2335-41. 64.Schneider S.H., Ruderman N.B. Exercise and NIDDM (technical review). Diabetes Care 1990;13:785-9. 65.Castaneda C. Type 2 diabetes mellitus and exercise. Rev Nutr Clin Care 2001;3: 349-58. 66.Rique, A. B. R., Soares, E.A. M., Claudia M. Nutrição e exercício na prevenção e controle das doenças cardiovasculares. Rev Bras Med Esporte., Niterói, v. 8, n. 6, 2002. 67.Evans W.J., Cyr-Campbell D. Nutrition, exercise, and healthy aging. J Am Diet Assoc 1997;97:6:632-7. 68.Hanson P. Pathophysiology of chronic diseases and exercise training. In: ACSM resource manual for guidelines for exercise testing and prescription. 2nd ed. USA: Lea & Febiger, 1993;187-96. 69.WHO. The scientific basis for diet, nutrition and the prevention of type 2 diabetes. Geneva: WHO/FAO, 2002;1-53. 70.American Diabetes Association/American College of Sports Medicine. Joint statement: Diabetes mellitus and exercise. Med Sci Sports Exerc 1997;29:12:16. 71.Kahn S.E., Larson V.G., Beard J.C., Cain K.C., Fellingham G.W., Schwartz R.S., et al. Effects of exercise on insulin action, glucose tolerance, and insulin secretion in aging. Am J Physiol 1990;258:E937-43.

35 72.Kirwan J.P., Kohrt W.M., Wojta D.M., Bourey R.E., Holloszy J.O. Endurance exercise training reduces glucose-stimulated insulin levels in 60- to 70-year-old men and women. J Gerontol 1993;48:M84-90. 73.Miller J.P., Pratley R.E., Goldberg A.P., Gordon P., Rubin M., Treuth M.S., et al. Strength training increases insulin action in healthy 50- to 65-yr-old men. J Appl Physiol 1994;77:1122-7. 74.Persghin G., Price T.B., Petersen K.F., Roden M., Cline G.W., Gerow K., et al. Increased glucose transport-phosphorylation and muscle glycogen synthesis after exercise training in insulin-resistant subjects. N Engl J Med 1996;335:1357-62. 75.American College of Sports Medicine. Position stand. Exercise and type 2 diabetes. Med Sci Sports Exerc 2000;32:7:1345-60. 76.Pollock M.L., Franklin B.A., Balady G.J., Chaitman B.L., Fleg J.L., Fletcher B., et al. Resistance exercise in individuals with and without cardiovascular disease: benefits, rationale, safety, and prescription: an advisory from the committee on exercise, rehabilitation, and prevention, council on clinical cardiology, American Heart Association. Circulation 2000;101:828-33. 77.Ivy J.L. Role of exercise training in the prevention and treatment of insulin resistance and non-insulin-dependent diabetes mellitus. Sport Med 1997;24:321-36. 78.Hurley B.F, Hagberg J.M. Optimizing health in older persons: aerobic or strength training? Exerc Sport Sci Rev 1998;26:61-89. 79.Ciolac, E. G., Guimaraes G. V. Importância do exercício resistido para o idoso.Rev soc cardiol Est São Paulo 2002;12:S15-26. 80.Cornoni-Huntley J., LA Croix A.Z., Havlik R.J. Race and sex differentials in the impact of hypertension in the United States: The National Health and Nutrition Examination Survey I, epydemiologic follow up study. Arch Intern Med. 1989;149:780-8. 81.Vasan R.S., Larson M.G., Leip E.P., et al. Impact of High-Normal Blood Pressure on the Risk of Cardiovascular Disease. N Engl J Med. 2001;345:12917. 82.HYMAN D.J., PAVLIK V.N. Characteristics of Patients with Uncontrolled Hypertension in the United States. N Engl J Med. 2001;345:479-86. 83.Lessa I. Estudos brasileiros sobre a epidemiologia da hipertensão arterial: análise crítica dos estudos de prevalência. Informe Epidemiológico do SUS/Fundação Nacional de Saúde. 1993;3:59-75.

36 84.Gordon N.F., Scott C.B., Wilkinson W.J., Duncan JJ, Blair S.N. Exercise and mild hypertension. Recommendations for adults. Sports Med 1990;10:390-404. 85.Kasch F.W., Boyer J.L., Van Camp S.P., Verity L.S., Wallace J.P. The effects of physical activity and inactivity on aerobic power in older men (a longitudinal study). Physician and Sportsmedicine 1990;18:73-83. 86.Paffenbarger R.S., Jung D.L., Leung R.W., Hude R.T. Physical activity and hypertension: an epidemiological view. Ann Med 1991;23:319-27. 87.Whelton S.P., Chin A., Xin X, HE J. Effect of aerobic exercise on blood pressure: a meta-analysis of randomized, controlled trials. Ann Intern Med 2002;136:493-503. 88.Guimarães G.V., Bortolotto L.A., Doria E., Ciolac E.G., Morgado C.O., Bernik M., et al. Interval exercise decrease 24h blood pressure more than continuous exercise in hypertension patients. In: Final program and abstract book. XVth Scientific Meeting of the Inter-American Society of Hypertension, 2003;63. 89.Ciolac E.G., Morgado C.O., Bortoloto L.A., Doria E., Bernik M., Lotufo P.A., et al. Exercício intervalado é melhor que exercício contínuo para diminuir pressão arterial 24 horas pós-exercício em hipertensos. Rev Soc Cardiol Est São Paulo 2003;13(2 Supl):48. 90.DBH. IV Diretrizes Brasileiras de Hipertensão 2002; cap. 5:13-14 SBC. 91.Fagard RH. Exercise Characteristics and the blood pressure response to dynamic physical training. Med Sci Sports Exerc. 2001;33:484-92. 92.Moreira W.D., Fuchs F.D., Ribeiro J.P., Appel L.J. The effects of two aerobic training intensities on ambulatory blood pressure in hypertensive patients: Results of a randomized trial. J Clin Epidemiol. 1999;52:637-42. 93.Farinatti, P.T. V., et al . Programa domiciliar de exercícios: efeitos de curto prazo sobre a aptidão física e pressão arterial de indivíduos hipertensos. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo, v. 84, n. 6, 2005. 94.Cox K.L., Puddey I.B., Burke V., Beilin L.J., Morton A.R., Bettridge H.F. Determinants of change in blood pressure during S.W.E.A.T.: the sedentary women exercise adherence trial. Clin Exp Pharmacol Physiol. 1996;23:567-9. 95.Bar-Eli M. External conditions and disposition behavior as determinants of perceived personal causation among exercise adherence and non-adherence. Sports Science. 1996;14:433-44.

37 96.Rondon M.U.P.B., Brum P.C. Exercício físico como tratamento não farmacológico da hipertensão arterial. Rev Bras Hipertens 2003;10:134-7. 97.Fuchs F.D., Moreira D.M., Ribeiro J.P. Eficácia anti-hipertensiva do condicionamento físico aeróbio. Uma análise crítica das evidências experimentais. Arq Bras Cardiol 1993;61:187-90. 98.Paffenbarger R.S., Wing A.L., Hyde R.T. Physical exercise and incidence of hypertension in college alumni. Am J Epidemiol 1983;117:245-57. 99.Takata K.I., Ohta T., Tanaka H. How much exercise is required to reduce blood pressure in essential hypertensives: a dose-response study. Am J Hypertens 2003;13:593-600. 100.Craig, C.L., et al. International Physical Activity Questionnaire: 12- Contry Reliability and Validity. Medicine Science Sports Exercise.2003; 35: 1381-1395. 101.Pardine R., et al. Validação do questionário internacional de nível de atividade física (IPAQ- versão 6): estudo piloto em adultos jovens brasileiros.Revista Brasileira Ciências e Movimento. 2001; 9: 45-51. 102.Matsudo S.M, Matsudo V.R., Araújo T., Andrade D., Andrade L.C., et al. Nível de atividade física da população do Estado de análise de acordo com o gênero, idade, nível sócio-econômico, geográfica e de conhecimento. Revista Brasileira de Ciência e 2002; 10:41-50. E., Oliveira São Paulo: distribuição Movimento

103.Hallal P. C., C. G. Victora, J. C. K. Wells, and R. C. Lima. Physical Inactivity: Prevalence and Associated Variables in Brazilian Adults. Med. Sci. Sports Exerc., Vol. 35, No. 11, pp. 1894-1900, 2003. 104.ABEP. Critério de classificação econômica Brasil. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 2008. 105.Azevedo G.R., Santos V.L.C.G. (Handicapped) caregiver: the social representations of family members about the caregiving process. Rev Lat Am Enferm. 2006;14(5):770-80.

38

APÊNDICES

39

APÊNDICE A – QUESTIONÁRIO INDIVIDUAL DOS PAIS

40

Universidade Luterana do Brasil QUESTIONÁRIO INDIVIDUAL (PAIS OU em Saúde Coletiva Programa de Pós-graduação CUIDADORES) “Atividade física: Associação da pratica entre pais e filhos”
Data da entrevista: ___ ___ / ___ ___ Nome do entrevistador:__________________________________________ Nome do entrevistado: Nome do filho: Nome da Escola: Número do questionário: ___ ___ ___ ___ ___ ___ Hora inicial: __ __ : __ __ Código:__ __

DADOS GERAIS
1.Qual o seu grau de parentesco com o adolescente? 1 ( ) pai 2 ( ) mãe 3 ( ) tio 4 ( ) tia 5 ( ) avô 6 ( ) vó 2.Possui telefone celular ou outro telefone para contato? __ __ __ __ – __ __ __ __ ou __ __ __ __ – __ __ __ __ 3.Qual a sua data de nascimento? dia __ __ mês __ __ ano __ __ __ __ (se não souber, completar com 99 9999) NASCD __ __ NASCM __ __ NASCA __ __ __ __

PARENT__ 7( ) outro

4.Como você se classifica em relação à cor ou raça? 1 ( ) branca 2 ( ) preta 3 ( ) parda (mulato) 4 ( ) amarela 5 ( ) indígena 9 ( ) nenhuma das anteriores 5.Sexo: 1 ( ) masculino

RACA __

2 ( ) feminino

SEXO __

6.Você é o chefe da família? (OBS: CHEFE DA FAMÍLIA PESSOA COM MAIOR RENDIMENTO FINANCEIRO NA CASA) 1 ( ) sim 2 ( ) não CHEFAM__

41
7.Qual a sua escolaridade? 1 ( ) 4ª série fundamental (primário completo) 2 ( ) fundamental completo (ginasial completo) 3 ( ) colegial completo (médio completo) 4 ( ) colegial incompleto (nível médio incompleto) 5 ( ) nível superior completo 6 ( ) nível superior incompleto 7 ( ) nenhuma das alternativas acima

ESCOL__

SITUAÇÃO CONJUGAL, HÁBITOS
8.Qual a sua situação conjugal atual? 1 ( ) casado(a) ou com companheiro(a) 3 ( ) separado(a)

2 ( ) solteiro(a) ou sem companheiro(a) 4 ( ) viúvo(a)

SITCONJ __

9.Você fuma ou já fumou? 1 ( ) não, nunca fumou 2 ( ) fuma atualmente (1+ cigarros/dia há mais de 1 mês) 3 ( ) já fumou mas parou de fumar FUMO __ COMPORTAMENTO DE SAÚDE 10.Em geral, como você considera sua saúde? 1 ( ) muito boa 2 ( ) boa 3 ( ) regular 4 ( ) ruim

5 ( ) muito ruim PERCSAUDE_ _

11.Nas duas últimas semanas você procurou algum serviço ou profissional de saúde para atendimento relacionado à sua própria saúde? 0 ( ) não 1 ( ) sim 12.Qual o principal motivo deste atendimento? 11 ( ) consulta de prevenção, rotina 12 ( ) consulta de pré-natal 13 ( ) parto 14 ( ) vacinação 15 ( ) acidente ou lesão 16 ( ) problema odontológico 17 ( ) atestado de saúde 18 ( ) buscar medicamento, ou receita 19 ( ) acompanhamento de doença crônica, reabilitação 20 ( ) problema de saúde (excluindo crônicas em tratamento) 21 ( ) outro ________________________________________________________ 13.Você pratica algum tipo de exercício físico no seu tempo livre? 0 ( ) não 1 ( ) sim

PROCSE RV__

SERVMOT__

EFSN __

42
14.Agora eu vou fazer perguntas sobre coisas que vocês têm em casa.Esta informação é importante para determinarmos sua classificação econômica.E depois comparar com as outras variáveis do estudo.

BENS DOMÉSTICOS
NESTE DOMICÍLIO VOCÊS TÊM E SE TÊM, QUANTOS? 15.Televisor em cores 0( ) 1( ) 2( ) 3( ) 16.Videocassete/DVD 0( ) 1( ) 2( ) 3( ) 17.Rádios 0( ) 1( ) 2( ) 3( ) 18.Banheiros 0( ) 1( ) 2( ) 3( ) 19.Automóveis 0( ) 1( ) 2( ) 3( ) 20.Empregada Mensalista 0 ( ) 1( ) 2( ) 3( ) 21.Maquina de Lavar 0( ) 1( ) 2( ) 3( ) 22.Geladeira 0( ) 1( ) 2( ) 3( ) 23.Freezer (*) 0( ) 1( ) 2( ) 3( ) (*) Freezer (aparelho independente ou parte da geladeira duplex) 4 ou +( ) 4 ou +( ) 4 ou +( ) 4 ou +( ) 4 ou +( ) 4 ou +( ) 4 ou +( ) 4 ou +( ) 4 ou +( ) TELE__ VIDE__ RAD__ BANH__ AUT__ EMPM__ MAQL__ GEL__ FREE__

ATIVIDADE FÍSICA (LEVAR EM CONTA OS ÚLTIMOS 30 DIAS)
24.Você pratica algum tipo de atividade física no seu tempo livre? 0 ( ) nãopula para 28 1 ( ) sim EFSN __

25.Que tipo de atividade física? (marque até 3 que sejam feitos regularmente) 11 ( ) caminhada 12 ( ) corrida 13 ( ) ciclismo 14 ( ) natação 15 ( ) hidroginástica 16 ( ) alongamento 17 ( ) dança 18 ( ) aeróbica 19 ( ) musculação 20 ( ) luta (judô, caratê) 21 ( ) esporte de campo 22 ( ) esporte de quadra 23 ( ) outro _______________________________________ 26.Normalmente, quantas vezes na semana? __ vezes

EFTIP1 __ __ EFTIP2 __ __ EFTIP3 __ __

EFREQ __ 27.Quanto dura cada sessão de atividade física? 1 ( ) < 30 minutos 3 ( ) 60 a 119 minutos 2 ( ) 30 a 59 minutos 4 ( ) 120+ minutos EFDUR __ 28.Quantas horas você fica sentado ou deitado (não dormindo) por dia em um dia de semana normal (2ª a 6ª)? __ __ horas EFSENTA __ __

43
29.Você influência seus filhos a praticar atividade física? 0( ) nãopula para 31 1( ) sim 30.De que maneira você influencia seus filhos a praticar atividade física? (Ler as alternativas e escolher apenas uma delas) 1 ( ) participando com eles das atividades físicas 2 ( ) levando ao parque 3 ( ) comprando material esportivo 4 ( ) andando de carro com seus filhos 5 ( ) falando dos benefícios da pratica de atividade física para eles 6 ( ) outro ____________________________________ 31.Como o (a) Sr.(a) considera seu conhecimento sobre atividade física? (Ler alternativas e escolher apenas uma delas) 1 ( ) sabe o suficiente 2 ( ) gostaria de aprender mais 3 ( ) não acha necessário saber essas coisas 4 ( ) não tem nenhum conhecimento 5 ( ) nenhuma das alternativas anteriores 32.Para que uma pessoa cresça e envelheça com uma boa saúde, o(a) Sr.(a) considera a atividade física? (Ler alternativas e escolher apenas uma delas) 1( 2( 3( 4( 5( ) sem importância ) pouco importante ) muito importante ) indispensável ) nenhuma das alternativas anteriores CONHEC__ INFLUEN__

MANINFLU__

NEED__

33.Para obter benefícios na saúde com a atividade física, qual seria o tempo Mínimo necessário de atividade? (Ler alternativas e escolher apenas uma delas) 1( 3( 5( 7( 9( ) aproximadamente 10 minutos, 2vezes por semana ) mais de 2 horas por dia,todos os dias ) aproximadamente 30 minutos, 5 vezes por semana ) correr de kart 3 vezes na semana ) nenhuma das alternativas anteriores MINI__

34.Alguém já lhe informou que seria bom fazer atividade física para melhorar sua saúde? 0( ) não Médico Parente/amigo Professor Meio de comunicação (TV,rádio,revista,jornal) 1 ( ) sim, QUEM? Identifique abaixo ( ( ( ( ) não ) não ) não ) não ( ( ( ( ) sim ) sim ) sim ) sim MED__ PAMI__ PROF__ MIDIA__

44

APÊNDICE B – QUESTIONÁRIO INDIVIDUAL DOS FILHOS

45

Universidade Luterana do Brasil Programa de Pós- graduação em Saúde Coletiva “Atividade física: Associação da pratica entre pais e filhos”

46

QUESTIONÁRIO INDIVIDUAL (FILHOS)

Data da entrevista: ___ ___ / ___ ___ Nome do entrevistador:________________________________________________ Nome do pai: Nome da mãe: Nome da Escola:

Hora inicial: __ __ : __ __ Código:__ __

Número do questionário: ___ ___ ___ ___ ___ ___

DADOS GERAIS
1.Nome do entrevistado: _________________________________________________________________ 2.Possui telefone celular ou outro telefone para contato? __ __ __ __ – __ __ __ __ ou __ __ __ __ – __ __ __ __ 3.Qual a sua data de nascimento? dia __ __ mês __ __ ano __ __ __ __ (se não souber, completar com 99 9999) 4.Como você se classifica em relação à cor ou raça? 1 ( ) branca 2 ( ) preta 3 ( ) parda (mulato) 4 ( ) amarela 5 ( ) indígena 9 ( ) não sei 5.Sexo: 1 ( ) masculino 2 ( ) feminino NASCD __ __ NASCM __ __ NASCA __ __ __ __

RACA __ SEXO __

6.Você freqüenta escola? Que curso? 1 ( ) 3º ano do ensino médio (normal) 2 ( ) 3º ano do ensino médio (supletivo) 3 ( ) 3º ano do ensino médio (técnico) 7.Você já repetiu de ano na Escola? 1 ( ) não 2 ( ) sim 8.Você tem irmãos? 1 ( ) não

FREQESC__

REPETIU__ 2 ( ) sim IRMAOS __

SITUAÇÃO CONJUGAL, HÁBITOS
9.Qual a sua situação conjugal atual? 1 ( ) casado(a) ou com companheiro(a) 3 ( ) separado(a) 2 ( ) solteiro(a) ou sem companheiro(a) 4 ( ) viúvo(a) SITCONJ__

47
10.Você fuma ou já fumou? 1 ( ) não, nunca fumou 2 ( ) fuma atualmente (1+ cigarros/dia há mais de 1 mês) 3 ( ) já fumou mas parou de fumar

FUMO __

COMPORTAMENTO DE SAÚDE
11.Em geral, como você considera sua saúde? 1 ( ) muito boa 2 ( ) boa 3 ( ) regular 4 ( ) ruim 5 ( ) muito ruim PERCSAUDE__

12.Nas duas últimas semanas você procurou algum serviço ou profissional de saúde para atendimento relacionado à sua própria saúde? 0 ( ) não 1 ( ) sim 13.Qual o principal motivo deste atendimento? 11 ( ) consulta de prevenção, rotina 12 ( ) consulta de pré-natal 13 ( ) parto 14 ( ) vacinação 15 ( ) acidente ou lesão 16 ( ) problema odontológico 17 ( ) atestado de saúde 18 ( ) buscar medicamento, ou receita 19 ( ) acompanhamento de doença crônica, reabilitação 20 ( ) problema de saúde (excluindo crônicas em tratamento) 21 ( ) outro ________________________________________________________

SERV__

SERVMOT__

ATIVIDADE FÍSICA (levar em conta os últimos 30 dias)
14.Você pratica algum tipo de atividade física no seu tempo livre? 0 ( ) não pula para 19 1 ( ) sim EFSN __

15.Que tipo de atividade física? (marque até 3 que sejam feitos regularmente) 11 ( ) caminhada 12 ( ) corrida 13 ( ) ciclismo 14 ( ) natação 15 ( ) hidroginástica 16 ( ) alongamento 17 ( ) dança 18 ( ) aeróbica 19 ( ) musculação 20 ( ) luta (judô, caratê) 21 ( ) esporte de campo 22 ( ) esporte de quadra 23 ( ) outro _______________________________________ 16.Normalmente, quantas vezes na semana? __ vezes 17.Quanto dura cada sessão de atividade física? 1 ( ) < 30 minutos 3 ( ) 60 a 119 minutos 2 ( ) 30 a 59 minutos 4 ( ) 120+ minutos

EFTIP1 __ __ EFTIP2 __ __ EFTIP3 __ __ EFREQ __ EFDUR __

18.Quantas horas você fica sentado ou deitado (não dormindo) por dia em um dia de semana normal (2ª a 6ª)? EFSENTA __ __ __ __ horas 19.Seus pais influenciam você a praticar atividade física? 0 ( ) nãopula para 21 1 ( ) sim INFLUEN__

48
20.De que maneira os seus pais influenciam você a praticar atividade física? (Ler as alternativas e escolher apenas uma delas) 1 ( ) participando com você das atividades físicas 2 ( ) levando ao parque 3 ( ) comprando material esportivo 4 ( ) andando de carro com você 5 ( ) falando dos benefícios da pratica de atividade física 6 ( ) outro ____________________________________ 21.Como o (a) Sr.(a) considera seu conhecimento sobre atividade física? (Ler alternativas e escolher apenas uma delas) 1 ( )sabe o suficiente 2 ( )gostaria de aprender mais 3 ( )não acha necessário saber essas coisas 4 ( )não tem nenhum conhecimento 5 ( )nenhuma das alternativas anteriores 22.Para que uma pessoa cresça e envelheça com uma boa saúde, o(a) Sr.(a) considera a atividade física? (Ler alternativas e escolher apenas uma delas) 1( 2( 3( 4( 5( ) sem importância ) pouco importante ) muito importante ) indispensável ) nenhuma das alternativas anteriores NEED__

MANINFLU__

CONHEC__

23.Para obter benefícios na saúde com a atividade física, qual seria o tempo Mínimo necessário de atividade? (Ler alternativas e escolher apenas uma delas) 1( 3( 5( 7( 9( ) aproximadamente 10 minutos, 2vezes por semana ) mais de 2 horas por dia,todos os dias ) aproximadamente 60 minutos, 5 vezes por semana ) correr de kart 3 vezes na semana ) nenhuma das alternativas anteriores MINI__

24.Alguém já lhe informou que seria bom fazer atividade física para melhorar sua saúde? 0( ) não Médico Parente/amigo Professor Meio de comunicação (TV,rádio,revista,jornal) 1 ( ) sim, QUEM? Identifique abaixo ( ( ( ( ) não ) não ) não ) não ( ( ( ( ) sim ) sim ) sim ) sim MED__ PAMI__ PROF__ MIDIA__

49

ANEXOS

50

ANEXO I – Carta para Liberação da Pesquisa (27ª Coordenadoria Regional de Ensino)

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO EM SAÚDE COLETIVA

51

Solicitação para Realização da Pesquisa Junto à 27ª Coordenadoria Regional de Ensino do Município de Canoas. Prezados (as) Senhores (as): Vimos através desta, apresentar Rodrigo Pereira de Souza, Educador Físico e aluno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), o qual está realizando pesquisa para a sua Dissertação de Mestrado intitulada: Associação entre o nível de atividade física dos pais e o nível de atividade física dos filhos adolescentes em escolas públicas da região sul do Brasil. Para tanto será necessária a participação dos adolescentes escolares do 3º ano do Ensino Médio da rede estadual pública e seus respectivos pais, residentes na cidade de Canoas/RS. respondendo a um roteiro de questões relacionado à temática da prática de atividade física e a associação desta prática existente entre pais e filhos. - O estudo possui como Objetivos: Objetivo Geral • Analisar associação entre o nível de atividade física dos pais e o nível de atividade física dos filhos adolescentes em escolas públicas da região sul do Brasil Objetivos Específicos • • • • Caracterizar o nível de atividade física dos adolescentes conforme as variáveis demográficas, socioeconômicas, comportamentais e saúde; Caracterizar o nível de atividade física dos pais conforme as variáveis demográficas, socioeconômicas, comportamentais e saúde; Verificar a associação entre o nível de atividade física dos pais e a prevalência de sedentarismo em adolescentes; Descrever a prática de atividade física dos adolescentes que possuem pais ativos com aqueles que possuem pais sedentários.

52

Assino o presente documento em duas vias de igual teor e forma, ficando uma em minha posse.

Canoas,................ de Setembro de 2008.

Agradecemos desde já sua colaboração.

.............................................................................................

Professor Dr. Jorge Béria Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Universidade Luterana do Brasil – ULBRA – Canoas.

Rodrigo Pereira de Souza Endereço: Rua: Jaguarão, 858; CEP: 92.330-330; Canoas-RS Telefone para contato: (51) 3456-1175 ou 9282-5016 E-mail: doutorbaron@yahoo.com.br CREF/RS: 010287-G/RS Orientador: Professor Dr. André Loureiro Chaves E-mail: andreplc@terra.com.br CONTATO-ULBRA: Rua Miguel Tostes, 101 – Prédio 14 – Sala 224 Telefone para contato: (51) 477-9217

53

ANEXO II – Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ)

QUESTIONÁRIO INTERNACIONAL DE ATIVIDADE FISICA (IPAQ) Nome:______________________________________________________

54 Data: ___/___/___ Idade: ___ Sexo: F( ) M( )

As perguntas incluem as atividades que você faz no trabalho, para ir de um lugar a outro, por lazer, por esporte, por exercício ou como parte das suas atividades em casa ou no jardim. Suas respostas são MUITO IMPORTANTES. Por favor, responda cada questão mesmo que considere que não seja ativo. Obrigado por sua participação!

Para responder as questões lembre que:  Atividades físicas VIGOROSAS são aquelas que precisam de um grande esforço fisico e que fazem respirar MUITO mais forte que o normal.  Atividades físicas MODERADAS são aquelas que precisam de um grande esforço fisico e que fazem respirar UM POUCO mais forte que

1) Nos últimos 7 dias, quantos dias o(a) Sr.(a) fez atividades fortes, que fizeram suar muito ou aumentar muito sua respiração e seus batimentos do coração,por mais de 10 minutos seguidos? Por exemplo; correr, fazer ginástica, pedalar rápido em bicicleta, fazer serviços domésticos pesados em casa, no pátio ou jardim, transportar objetos pesados, jogar futebol competitivo. ___ dias (0) nenhum – passe para questão 3

2) Nos dias em que o (a) Sr. (a) fez atividades fortes, quanto tempo, no total, o(a) Sr.(a) fez atividades vigorosas por dia? ___+___+___+___+___+___+___ = __ __ __ minutos

3) Nos últimos 7 dias, quantos dias o(a) Sr.(a) fez atividades médias, que fizeram o(a) Sr.(a) suar um pouco ou aumentar um pouco sua respiração e seus batimentos do coração, por mais de 10 minutos seguidos? Por exemplo: pedalar em ritmo médio, nadar, dançar, praticar esportes só

55 por diversão, fazer serviços domésticos leves, em casa ou no pátio, como varrer, aspirar, etc. ___ dias (0) nenhum - passe para a questão 5

4) Nos dias em que o(a) Sr.(a) fez atividades médias,quanto tempo, no total, o (a) Sr.(a) fez atividades moderadas por dia? ___+___+___+___+___+___+___ = __ __ __ minutos
5)

Nos últimos 7 dias, quantos dias o(a) Sr.(a) caminhou por mais de 10 minutos seguidos? Pense nas caminhadas no trabalho, em casa, como forma de transporte para ir de um lugar ao outro, por lazer, por prazer ou como forma de exercício que duraram mais de 10 minutos seguidos. ___dias (0) nenhum - passe para a questão 7

6) Nos dias em que o(a) Sr.(a) caminhou, quanto tempo, no total, o(a) Sr. (a) caminhou por dia? ___+___+___+___+___+___+___ = __ __ minutos 7) Quanto tempo por dia o(a) Sr.(a) fica sentado(a) em um dia de semana normal? ___+___+___+___+___+___+___ = __ __ horas

56

ANEXO III – Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Pais ou Cuidadores)

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO EM SAÚDE COLETIVA

57

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO - TCLE
1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA
Título do Projeto: Associação entre o nível de atividade física dos pais e o nível de atividade física dos filhos adolescentes em escolas públicas da região Sul do Brasil Área do Conhecimento: SAÚDE COLETIVA Número de participantes No centro: Curso: MESTRADO EM SAÚDE COLETIVA Unidade:
Projeto Multicêntrico Sim X Não Nacional Internacional Cooperação Estrangeira

Total:
Sim X Não

Patrocinador da pesquisa: Nenhum Instituição onde será realizado: Escolas Estaduais do município de Canoas Nome dos pesquisadores e colaboradores: Rodrigo Pereira de Souza e DR. André Preissler Loureiro Chaves

Você está sendo convidado (a) para participar do projeto de pesquisa acima identificado. O documento abaixo contém todas as informações necessárias sobre a pesquisa que estamos fazendo. Sua colaboração neste estudo será de muita importância para nós, mas se desistir, a qualquer momento, isso não causará nenhum prejuízo para você.

2. IDENTIFICAÇÃO DO SUJEITO DA PESQUISA E DO RESPONSÁVEL
Nome do Menor: Nome: Nacionalidade: RG: CPF/MF: Endereço: Estado Civil: Telefone: Data de Nasc: Data de Nasc: Profissão: E-mail: Sexo: Sexo:

3. IDENTIFICAÇÃO DO PESQUISADOR RESPONSÁVEL
Nome: Rodrigo Pereira de Souza Profissão: Educador Fisico Registro no Conselho Nº: CREF-RS 10287-G/RS Endereço: Rua Jaguarão, 858 – Bairro: Mathias Velho – CEP: 92330-330 Eu, responsável pelo menor acima identificado, após receber informações e esclarecimento sobre este projeto de pesquisa, autorizo de livre e espontânea vontade, sua participação como voluntário (a) e estou ciente: 1. Da justificativa e dos objetivos para realização desta pesquisa Existem indícios que a pratica da atividade física incentivada desde a adolescência se torna um habito de vida. Além do que, há fortes evidências de que indivíduos ativos vivem mais e apresentam uma melhor qualidade de vida. 2. Do objetivo da participação de meu filho Contribuir para o incentivo da pratica de atividade física desde a adolescência. 3. Do procedimento para coleta de dados Os dados serão coletados por intermédio do preenchimento de questionários, aplicado pelo pesquisador responsável. 4. Da utilização, armazenamento e descarte das amostras Os dados coletados através desta pesquisa serão utilizados para a realização de uma dissertação de mestrado, e poderão ser utilizados em outras pesquisas mantendo-se o anonimato. Todos os dados serão armazenados por 5 anos sob responsabilidade do pesquisador, ficando todos à disposição dos sujeitos da pesquisa caso os solicitem. 5. Dos desconfortos e dos riscos Telefone: 51- 9282-5016 E-mail: doutorbaron@yahoo.com.br

58
Os participantes do estudo não estarão expostos a nenhum risco exceto o desconforto de responder algumas perguntas. 6. Dos benefícios Avançar o conhecimento cientifico para uma melhora na vida da população em geral através da pratica da atividade física. 7. Da isenção e ressarcimento de despesas A minha participação é isenta de despesas, portanto não receberei ressarcimento. 8. Da forma de acompanhamento e assistência Meu tratamento na escola continuara da mesma forma. 9. Da liberdade de recusar, desistir ou retirar meu consentimento Tenho liberdade de recusar, desistir ou de interromper a colaboração nesta pesquisa no momento em que desejar, sem necessidade de qualquer explicação. A minha desistência não causará nenhum prejuízo nem penalidade ou perda de qualquer beneficio que eu possa ter adquirido. 10. Da garantia de sigilo e de privacidade Os resultados obtidos durante este estudo serão mantidos em sigilo, mas concordo que sejam divulgados em publicações científicas, desde que meus dados pessoais não sejam mencionados. 11. Garantia de acesso e esclarecimento em qualquer etapa da pesquisa Tenho a garantia de tomar conhecimento e obter informações, a qualquer tempo, dos procedimentos e métodos utilizados neste estudo, bem como dos resultado, parciais e finais, desta pesquisa. Para tanto, poderei consultar o pesquisador responsável (acima identificado) ou o Comitê de Ética em Pesquisa da ULBRA Canoas (RS), com endereço na Rua Farroupilha, 8001 – Prédio 14 – Sala 224, bairro São Luís, telefone (51) 3477-9217, email comitedeetica@ulbra.br

Declaro que obtive todas as informações necessárias e esclarecimento quanto às dúvidas por mim apresentadas e, por estar de acordo, assino o presente documento em duas vias de igual conteúdo e forma, ficando uma em minha posse. Canoas, _____ de ____________ de ______. ____________________________________________ Sujeito da Pesquisa _________________________________ Pesquisador Responsável pelo Projeto Testemunhas: _______________________________________ Nome: RG: CPF/MF: Telefone: ___________________________________________ Nome: RG: CPF/MF: Telefone: _________________________________ Responsável pelo Sujeito da Pesquisa

59

ANEXO IV – Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Adolescentes)

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO EM SAÚDE COLETIVA

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO - TCLE
1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA

60
Título do Projeto: Associação entre o nível de atividade física dos pais e o nível de atividade física dos filhos adolescentes em escolas públicas da região Sul do Brasil
Área do Conhecimento: SAÚDE COLETIVA Curso: MESTRADO EM SAÚDE COLETIVA Projeto Multicêntrico Sim Não Nacional X Número de participantes No centro: Unidade: Internacional Cooperação Estrangeira Total: Sim X Não

Patrocinador da pesquisa: Nenhum Instituição onde será realizado: Escolas Estaduais do município de Canoas Nome dos pesquisadores e colaboradores: Rodrigo Pereira de Souza e DR. André Preissler Loureiro Chaves

Seu filho e/ou menor sob sua guarda está sendo está sendo convidado (a) para participar do projeto de pesquisa acima identificado. O documento abaixo contém todas as informações necessárias sobre a pesquisa que estamos fazendo. Sua autorização para que ele participe neste estudo será de muita importância para nós, mas se retirar sua autorização, a qualquer momento, isso não lhes causará nenhum prejuízo. 2. IDENTIFICAÇÃO DO SUJEITO DA PESQUISA E DO RESPONSÁVEL
Nome do Menor: Nome: Nacionalidade: RG: CPF/MF: Endereço: Estado Civil: Telefone: Data de Nasc: Data de Nasc: Profissão: E-mail: Sexo: Sexo:

3. IDENTIFICAÇÃO DO PESQUISADOR RESPONSÁVEL
Nome: Rodrigo Pereira de Souza Telefone: 51- 9282-5016 Profissão: Educador Fisico Registro no Conselho Nº: CREF-RS E-mail: 10287-G/RS doutorbaron@yahoo.com.br Endereço: Rua Jaguarão, 858 – Bairro: Mathias Velho – CEP: 92330-330 Eu, responsável pelo menor acima identificado, após receber informações e esclarecimento sobre este projeto de pesquisa, autorizo, de livre e espontânea vontade, sua participação como voluntário(a) e estou ciente: 1. Da justificativa e dos objetivos para realização desta pesquisa Existem indícios que a pratica da atividade física incentivada desde a adolescência se torna um habito de vida. Além do que, há fortes evidências de que indivíduos ativos vivem mais e apresentam uma melhor qualidade de vida. 2. Do objetivo da participação de meu filho Contribuir para o incentivo da pratica de atividade física desde a adolescência. 3. Do procedimento para coleta de dados Os dados serão coletados por intermédio do preenchimento de questionários, aplicado pelo pesquisador responsável. 4. Da utilização, armazenamento e descarte das amostras Os dados coletados através desta pesquisa serão utilizados para a realização de uma dissertação de mestrado, e poderão ser utilizados em outras pesquisas mantendo-se o anonimato. Todos os dados serão armazenados por 5 anos sob responsabilidade do pesquisador, ficando todos à disposição dos sujeitos da pesquisa caso os solicitem. 5. Dos desconfortos e dos riscos Os participantes do estudo não estarão expostos a nenhum risco exceto o desconforto de responder algumas perguntas. 6. Dos benefícios

61
Avançar o conhecimento cientifico para uma melhora na vida da população em geral através da pratica da atividade física. 7. Da isenção e ressarcimento de despesas A minha participação é isenta de despesas, portanto não receberei ressarcimento 8. Da forma de acompanhamento e assistência Meu tratamento na escola continuara da mesma forma. 9. Da liberdade de recusar, desistir ou retirar meu consentimento Tenho liberdade de recusar, desistir ou de interromper a colaboração nesta pesquisa no momento em que desejar, sem necessidade de qualquer explicação. A minha desistência não causará nenhum prejuízo nem penalidade ou perda de qualquer beneficio que eu possa ter adquirido. 10. Da garantia de sigilo e de privacidade Os resultados obtidos durante este estudo serão mantidos em sigilo, mas concordo que sejam divulgados em publicações científicas, desde que meus dados pessoais não sejam mencionados. 11. Garantia de acesso e esclarecimento em qualquer etapa da pesquisa Tenho a garantia de tomar conhecimento e obter informações, a qualquer tempo, dos procedimentos e métodos utilizados neste estudo, bem como dos resultado, parciais e finais, desta pesquisa. Para tanto, poderei consultar o pesquisador responsável (acima identificado) ou o Comitê de Ética em Pesquisa da ULBRA Canoas (RS), com endereço na Rua Farroupilha, 8001 – Prédio 14 – Sala 224, bairro São Luís, telefone (51) 3477-9217, email comitedeetica@ulbra.br

Declaro que obtive todas as informações necessárias e esclarecimento quanto às dúvidas por mim apresentadas e, por estar de acordo, assino o presente documento em duas vias de igual conteúdo e forma, ficando uma em minha posse. Canoas, _____ de ____________ de ______. ____________________________________________ Sujeito da Pesquisa _________________________________ Pesquisador Responsável pelo Projeto Testemunhas: _______________________________________ Nome: RG: CPF/MF: Telefone: ___________________________________________ Nome: RG: CPF/MF: Telefone: _________________________________ Responsável pelo Sujeito da Pesquisa

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful